Boas Festas! Anos CRMV-GO NESTA EDIÇÃO: BALANÇO DOS TRABALHOS DE 2014 SEMINÁRIOS DE RT 2015 RESPONSABILIDADE TÉCNICA EM FOCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boas Festas! Anos CRMV-GO NESTA EDIÇÃO: BALANÇO DOS TRABALHOS DE 2014 SEMINÁRIOS DE RT 2015 RESPONSABILIDADE TÉCNICA EM FOCO"

Transcrição

1 1 - - Dezembro de 2014 NESTA EDIÇÃO: s CRMV-GO A melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida. Autor desconhecido Boas Festas! BALANÇO DOS TRABALHOS DE 2014 SEMINÁRIOS DE RT 2015 RESPONSABILIDADE TÉCNICA EM FOCO

2 2 EDITORIAL Ventos de 2015 Aproximam-se as festas de final de ano. Luzes, árvores e enfeites de Natal, troca de presentes e pessoas mais emotivas são características desta época. As propagandas nos despertam para o consumismo e para a necessidade de sermos mais humanos. Entendo que também é importante lembrarmo-nos do verdadeiro motivo do Natal e, conforme a crença de cada um, agradecermos, ao menos, pela vida. Os ânimos exaltados após as eleições também nos fazem pensar e repensar sobre o futuro do Brasil e dos brasileiros. Para o governador Marconi Perillo, as entidades de classe da Medicina Veterinária e Zootecnia como CRMV-GO, Sociedade Goiana de Veterinária (Sogove) e Sindicato dos Médicos Veterinários de Goiás (Sindivet) redigiram uma série de propostas com o objetivo de aumentar a produção e produtividade, além de melhoria da qualidade de vida do cidadão goiano. Entre as propostas está a valorização do trabalho do Médico Veterinário e Zootecnista nos órgãos estaduais com a garantia do piso salarial da categoria, abertura de concursos públicos contemplando o cargo de Médico Veterinário, com atenção especial para a atribuição do Médico Veterinário no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf). Estabelecer convênios com entidades de ensino e pesquisa para o fomento da pesquisa agropecuária no Estado, agilidade no processo de implantação plena do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa), reformulação da Lei Estadual de Defesa Sanitária e reestruturação da política de saúde pública veterinária na Secretaria Estadual de Saúde. Queremos ainda que se promova um grande debate para que a extensão no Estado de Goiás possa ser repensada e delineada, oportunizando assessoria técnica de qualidade ao pequeno produtor rural. Contamos com o bom senso do governador do Estado, reeleito com mais de 57% dos votos válidos. Julgo ser da maior relevância que os órgãos e entidades de classe cumpram suas funções, se posicionem e lutem para a valorização das nossas profissões. Contudo, não tenho dúvidas que esta valorização só será alcançada a partir do momento que cada profissional cumprir a sua parte, atuando com competência, ética e profissionalismo. Profissão alguma será reconhecida pela sociedade se boa parte de seus integrantes atuar com amadorismo, incompetência e, no nosso caso, com falta de atenção em relação ao bem estar animal. Infelizmente a realidade nos mostra que ainda temos de melhorar muito nessa área. Lanço aqui uma provocação a todos no sentido de fazer uma autoanálise da sua atuação profissional, levando em consideração a sua contribuição para o engrandecimento da profissão que abraçastes. Qual tem sido a preocupação em se manter atualizado com os conhecimentos da área em que atua? Em que sentido a sua atuação tem contribuído para que a sociedade reconheça e valorize a nossa profissão? Estas e outras perguntas podem oferecer o resultado da contribuição de cada um. Contribua, atue com profissionalismo, faça parte, não seja apenas um crítico. Escolha ser agente ativo no processo de crescimento da sua profissão. Aproveitamos para informar que os Seminários de Responsabilidade Técnica 2015 já estão programados, com o primeiro acontecendo no dia 13 de março, em. Veja mais sobre este assunto nesta edição. Agradecemos aqueles que valorizaram o nosso trabalho e os que criticaram também, pois as críticas construtivas nos fazem crescer e buscar melhorias sempre. Em nome da diretoria e de todos os conselheiros quero desejar a todos um excelente período de festas e que 2015 nos traga bons ventos, melhores do que aqueles soprados este ano. Lembrando que em 2014 o CRMV-GO comemorou 45 anos de história, uma data importante já que o Conselho Regional executa o valoroso trabalho de guardião da sociedade. Feliz Natal e um Novo repleto de realizações! Méd. Vet. Benedito Dias de Oliveira Filho Presidente do CRMV-GO Mensagens Recentemente fiz minha inscrição secundária neste CRMV-GO. Primeiramente gostaria de parabenizá-los pela administração. Vejo o esforço pela valorização do Médico Veterinário em diferentes áreas. Méd. Vet. Fernanda Loyanne Alves Zanotelli - CRMV-GO 6612 VS, por . Parabéns ao CRMV-GO pela bela estrutura. São poucos lugares no país que dispõem de um espaço tão bom para realizarmos eventos. Méd. Vet. Luis Felipe Neves dos Santos, diretor de regionais da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária (SBCV), ao realizar curso no dia 23 de outubro no auditório do CRMV-GO. Achei que a parte preventiva era prioridade, mas vejo que a cada dia a prefeitura de só tem a alternativa de reparar quando o problema já está configurado. Aliás, falando nisso, cadê os médicos veterinários aprovados (e não convocados) do último concurso da prefeitura de? Uma pena. Méd. Vet. Denise Teixeira, sobre a força-tarefa da Prefeitura de para combater a febre chikungunya na Capital, divulgada em 05 de novembro. (Via Facebook) Não existe prejuízo quando o benefício é a sanidade animal e humana de um Estado e/ ou país. Méd. Vet. Magnus Brandão, sobre o prejuízo da égua da raça Mangalarga Marchador sacrificada com mormo em Goiás no início de novembro. (Via Facebook) Que sirva de exemplo a outros conselhos. Méd. Vet. Jean Carlos Vieira, sobre a Operação Pet Seguro deflagrada pelo CRMV-GO, Procon e Vigilância Sanitária de dia 11 de novembro. (Via Facebook). Novo horário de atendimento no CRMV-GO: das 09 h às 12h e das 13 às 17 horas. Fique atento! - Av. Universitária, n St. Leste Universitário CEP GO Fone/Fax: (62) Rio Verde - Rua, Qd 47, Lote 1-A, n 2329, Jardim Goiás, Rio Verde-GO. Telefone (64) CEP Funcionamento: das 09h às 12h e das 13h às 17h. Presidente Méd. Vet. Benedito Dias de Oliveira Filho CRMV-GO 0438 Vice-presidente Méd. Vet. Wanderson Alves Ferreira CRMV-GO 0524 Secretária-geral Méd. Vet. Rosângela de O. Alves Carvalho CRMV-GO 2316 Tesoureiro Méd. Vet. Rafael Costa Vieira CRMV-GO 5255 Conselheiros Efetivos Méd. Vet. Edward Robinson Lacerda CRMV-GO 1232 Zoot. Elis Aparecido Bento CRMV-GO 0254/Z Méd. Vet. Marcius Ribeiro de Freiras CRMV-GO 0973 Méd. Vet. Mércia de Oliveira Silva CRMV-GO 1136 Méd. Vet. Olízio Claudino da Silva CRMV-GO 0547 Méd. Vet. Ronaldo Medeiros de Azevedo CRMV-GO 1193 Conselheiros Suplentes Méd. Vet. Arthur Francisco Júnior CRMV-GO 1751 Méd. Vet. Cidervane Rabelo da Pascoa CRMV-GO 2004 Méd. Vet. Ingrid Bueno Atayde CRMV-GO 2738 Méd. Vet. Luciano Schneider da Silva CRMV-GO 2765 Méd. Vet. Stiwens Roberto T. Orpinelli CRMV-GO 4308 Méd. Vet. Valdir Cardoso Martins CRMV-GO 0949 Gestão 2014 / 2017 A mitologia grega relata que a medicina dos animais teria sido descoberta pelo Centauro (Chiron), figura metade homem, metade animal, filho de Saturno e da ninfa Fílira. Em sua mão direita conduz a serpente e o bastão, atributos de Esculápio, seu discípulo, símbolo da arte de curar. Jornalista responsável: Denise Duarte Reg. Prof. GO 917-JP Fotos: Denise Duarte Contato com a Redação: Assessoria de Comunicação do CRMV-GO (62) / Programação visual: Flex Gráfica Tiragem: exemplares Periodicidade: bimestral Impressão: Flex Gráfica e Editora Ltda Fone: (62)

3 3 VET GIRO REGISTRO DE PRODUTOS E ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS O SIPEAGRO é um sistema do Ministério da Agricultura (Mapa) criado para registro de produtos e estabelecimentos agropecuários. De 6 agora em diante, as solicitações relacionadas ao registro e renovação de licença dos estabelecimentos que fabricam, importam, comercializam e/ou distribuam produtos de uso veterinário - anteriormente efetuadas por meio de envio de formulários e cópias de documentos em formato impresso - serão analisadas e efetuadas apenas neste sistema. Os novos estabelecimentos, e também os já registrados, deverão realizar uma nova solicitação de registro pelo SIPEAGRO. Mais informações pelo site ou (62) Aplicativo Extintômetro O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) lançou, no mês de outubro, um aplicativo no Facebook chamado Extintômetro. A ferramenta permite aos usuários conhecer uma amostra representativa das 627 espécies brasileiras de animais em extinção ou ameaçadas de extinção. O aplicativo também disponibiliza informações sobre como denunciar o tráfico de animais selvagens e permite ao internauta escolher a foto de um animal para usar como foto do seu perfil no Facebook. Veja informações em e Malária em O CRMV-GO lamenta os recentes casos de Malária registrados em. Para o presidente do CRMV-GO, Méd. Vet. Benedito Dias de Oliveira Filho, falta investimento no combate ao mosquito transmissor ao mesmo tempo em que há uma migração de pessoas infectadas para a Capital, vindas de regiões endêmicas. O primeiro caso foi confirmado no dia 9 de outubro. De lá para cá outras pessoas foram contaminadas, situação que não ocorria há mais de duas décadas em. Outra doença que avança no nosso Estado é a Febre chikungunya, que poderia ser evitada caso houvesse maior prevenção e combate ao mosquito, o mesmo que transmite a dengue. É a Saúde Pública pedindo socorro. O Banco de Conhecimento da Medicina Veterinária e da Zootecnia, idealizado pelo CFMV e ainda em fase de desenvolvimento, será um repositório de informações, abastecido pelo Sistema CFMV/CRMVs de forma colaborativa pelos profissionais que tenham interesse. A plataforma, batizada de ARCA, vai reunir, em formatos diferentes, diversos tipos de conteúdo, que pode- Banco de Conhecimento Antipirataria de Produtos Veterinários rão ser compartilhados entre seus usuários, como artigos científicos, publicações, documentários, infográficos, imagens, legislações e informações institucionais. O projeto foi apresentado durante o XXI Seminário Nacional de Educação da Medicina Veterinária, em novembro, em Brasília. Outras informações pelo A Campanha Antipirataria de Produtos Veterinários desenvolveu um site para denúncia de empresas físicas e online que comercializam produtos de uso veterinário ilegais. O site promete sigilo e visa combater prejuízos que somados chegam a 15% do segmento de saúde animal, ou R$ 600 milhões anualmente. Saiba mais Granjas avícolas O Ministério da Agricultura (Mapa) definiu normas para a certificação sanitária de compartimentos avícolas. Publicada no Diário Oficial da União, a Instrução Normativa nº 21 descreve as regras, que são de caráter facultativo. As normas estabelecem os procedimentos técnicos de Certificação Sanitária da Compartimentação da Cadeia Produtiva Avícola das granjas de reprodução, de corte e incubatórios, de galinhas ou perus, para a infecção pelos vírus da gripe aviária (Influenza Aviária -IA) e da Doença de Newscastle (DNC - vírus agudo que se dissemina rapidamente, acometendo aves comerciais, aves silvestres e domésticas, com sinais tosse, espirro e estertores). Veja mais em

4 4 CLICKS Veja alguns registros de eventos ocorridos nos últimos meses no CRMV-GO e em outras entidades. Acesse mais imagens em Galeria de Fotos no site e (fotos). Destaque para a Operação Pet Seguro. O Conselho Regional de Medicina Veterinária de Goiás (CRMV-GO), Procon e a Vigilância Sanitária de lançaram no dia 11 de novembro a Operação Pet Seguro, que teve por objetivo fiscalizar clínicas e pet shops com banho e tosa atuantes na Capital. A ação surpresa durou dois dias, 11 e 12 de novembro, com visitas em 18 estabelecimentos do município. Apurou a falta de responsável técnico Médico Veterinário, empresas sem registro no CRMV-GO, se o profissional está sendo omisso em suas atribuições como responsável técnico, licenciamento sanitário e medicamentos vencidos ou mal acondicionados. Também conferiu se há procedimentos realizados em pet shops que são proibidos. A Operação Pet Seguro esclareceu a população ao lembrar que o balconista do pet shop não pode receitar medicamentos ou realizar procedimentos veterinários nos animais de estimação. A vacinação em pet shop é proibida mesmo que o estabelecimento tenha um responsável técnico. Este procedimento só pode ser feito em clínicas veterinárias, hospitais ou consultórios veterinários para a segurança do próprio pet. Méd. Vet. Geraldo Rosa (Vigilância Sanitária Municipal), Méd. Vet. Benedito Dias de Oliveira Filho (CRMV-GO) e Miguel Thiago (Procon ), durante lançamento da Operação Pet Seguro dia 11 de novembro. A operação teve amplo destaque na imprensa local, infelizmente com balanço negativo, pois várias empresas foram autuadas e multadas, principalmente por causa de medicamentos vencidos nas prateleiras. A cobertura está em Destaques da Mídia no site www. crmvgo.org.br. Nos dias 29 e 30 de setembro, os membros das comissões de trabalho para elaboração do manual de fiscalização do CRMV-MS, CRMV-MT, CRMV-GO, CRMV-DF e CRMV-BA reuniram-se na Cidade de Campo Grande-MS, com o objetivo de elaborar o Manual Padronizado de Fiscalização e Preenchimento de Autos de Infração dos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária da Região Centro-Oeste e Bahia. Foi o segundo encontro do grupo. O primeiro foi em. Foto: Arquivo Pessoal A Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária (SBCV) promoveu o curso de Insuficiência Cardíaca Congestiva em Foco no dia 23 de outubro, no auditório do CRMV-GO. A Méd. Vet. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho, presidente da regional da SBCV e também secretária-geral do CRMV-GO (primeira à esquerda), estava presente e recebeu o diretor de regionais da entidade, Luis Felipe Neves dos Santos, e a vice-presidente, Lílian Petrus, além dos participantes do evento. Zoot. Luciana Moura Rufino, presidente da Comissão de Zootecnia do CRMV-GO, durante a PorkExpo 2014 em Foz do Iguaçu-PR, de 27 a 30 de outubro

5 5 RESPONSABLIDADE TÉCNICA Programação dos Seminários de Programação Responsabilidade dos Seminários Técnica 2015 de Responsabilidade Técnica 2015 SEMINÁRIO BÁSICO MÊS DATA SEMINÁRIO BÁSICO CIDADE MARÇO MÊS 13 DATA CIDADE JUNHO MARÇO SETEMBRO JUNHO DEZEMBRO SETEMBRO DEZEMBRO 04 SEMINÁRIO AVANÇADO MÊS DATA CIDADE ÁREA SEMINÁRIO AVANÇADO MARÇO 27 Comércio de Produtos Agropecuários MÊS DATA CIDADE ÁREA 10 Leilão/Exposição MARÇO ABRIL 27 Comércio de Produtos Agropecuários 24 Jataí Comércio de Produtos Agropecuários 10 Leilão/Exposição ABRIL 15 Indústria Láctea MAIO 24 Jataí Comércio de Produtos Agropecuários 27 Hospital/Clínica/ Consultório Veterinário 15 Indústria Láctea JUNHO MAIO 26 Porangatu Comércio de Produtos Agropecuários 27 Hospital/Clínica/ Consultório Veterinário 10 Indústria Cárnea JUNHO JULHO 26 Porangatu Comércio de Produtos Agropecuários 24 Itumbiara Comércio de Produtos Agropecuários 10 Indústria Cárnea JULHO 14 Morrinhos Indústria Láctea AGOSTO 24 Itumbiara Comércio de Produtos Agropecuários 28 Ceres Comércio de Produtos Agropecuários 14 Morrinhos Indústria Láctea SETEMBRO AGOSTO 25 Luziânia Comércio de Produtos Agropecuários 28 Ceres Comércio de Produtos Agropecuários 09 Fábrica de Ração SETEMBRO OUTUBRO 25 Luziânia Comércio de Produtos Agropecuários 30 Comércio de Produtos Agropecuários 09 Fábrica de Ração OUTUBRO 30 Comércio de Produtos Agropecuários Mais informações: (62) ou Atenção RT Mais informações: (62) ou Informamos que os responsáveis técnicos que não participarem dos Seminários promovidos pelo CRMV-GO ou alguma atualização técnica na área e irão encaminhar ARTs para renovação, essas não serão homologadas. Documentos assinados pelo profissional se comprometendo a participar de seminário não mais serão aceitos a partir de janeiro de Fique atento!

6 6 BALANÇO 2014 Vamos mostrar agora o balanço 2014 do CRMV-GO no setor de fiscalização, seminários e eventos, processos éticos, despesas com diárias, registros e cancelamentos. Vale lembrar que o trabalho de fiscalização e orientação resultou em menos empresas autuadas em 2014, em comparação com o ano passado e anos anteriores. Do total de autuações aplicadas este ano, 57% foram por falta de registro e 43% por falta de RT. Algumas ações de fiscalização foram realizadas em conjunto com o Procon, Vigilâncias Sanitárias, Agrodefesa e Mapa. Também tivemos fiscalizações aos sábados, que serão incrementadas em Além disso, realizamos trabalho em parceria com o Ministério Público Estadual sobre carne clandestina em Goiás, que deve resultar numa campanha de esclarecimento à sociedade. LEVANTAMENTO DA FISCALIZAÇÃO Quantitativo de empresas fiscalizadas até 23/10/14. Empresas regulares Empresas autuadas Total de empresas fiscalizadas Situação das empresas fiscalizadas no quinquênio s realizados Total de autos por falta de RT EMPRESAS REGULARES EMPRESAS AUTUADAS Quantitativo de autos lavrados até 23/10/14 e distribuidos por situação. Total de autos por falta de registro Total de autos por falta de RT Regularizados Cancelados Suspensos Não regularizaram Total DESPESAS COM DIÁRIAS E TRANSPORTE EM 2014 REGISTROS E 57% CANCELAMENTOS Tipificação das atuações realizadas em % Despesas com diárias Diretoria e conselheiros - R$ ,40 Funcionários R$ ,00 Colaboradores Eventuais R$ ,10 Total R$ ,50 Despesas com transporte Passagens R$ ,48 Dados de janeiro a outubro de 2014 NÚMERO DE REGISTROS Falta de registro NÚMERO DE CANCELAMEN- TOS TRANSFERIDOS PARA OUTROS ESTADOS Veterinário Zootecnista Falta de RT

7 7 BALANÇO 2014 BALANÇO DOS SEMINÁRIOS DE RT CENSURA PÚBLICA SUSPENSÃO POR 30 DIAS Nº de profissionais SUSPENSÃO POR 60 DIAS Quantitativo de participantes nos seminários realizados de 2012 a ÁREAS Básico Avançado Curso Técnico TOTAL SUSPENSÃO POR 90 DIAS PROCESSOS ÉTICOS JANEIRO A OUTUBRO DE 2014 PROCESSOS INSTAURADOS PROCESSOS JULGADOS Clínica de pequenos animais 5 6 Defesa sanitária 5 15 Exames laboratoriais 0 1 Responsabilidade Técnica 27 7 TOTAL ARQUIVAMENTO ADVERTÊNCIA CONFIDENCIAL CENSU CONFIDEN Defesa sanitária Clínica de pequenos animais Exames laboratoriais Responsabilidade Técnica TOTAL LEVANTAMENTO DOS PROCESSOS ÉTICOS Distribuição dos processos éticos julgados em 2014 por penalidade e área de atuação. ARQUIVAMENTO ADVERTÊNCIA CONFIDENCIAL CENSURA CONFIDENCIAL CENSURA PÚBLICA SUSPENSÃO POR 30 DIAS SUSPENSÃO POR 60 DIAS Quantitativo de processos éticos instaurados e de julgados de janeiro a outubro de Clínica de Pequenos Animais PROCESSOS INSTAURADOS PROCESSOS JULGADOS PLANEJAMENTO PARA 2015 O I Encontro Administrativo do Sistema CFMV/CRMVs, que aconteceu de 24 a 26 de novembro em Brasília-DF, contou com a participação de 118 líderes e colaboradores dos Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária (CFMV/CRMVs), inclusive de Goiás. O objetivo do evento foi discutir propostas para modernizar e padronizar os processos de trabalho comuns aos Regionais, o que irá afetar diretamente o trabalho de todos os Conselhos, desde a fiscalização até a gestão de recursos financeiros. Os CRMVs apresentaram planos de ação referentes a cada um dos processos e estas ações serão implantadas ao longo de 2015, sendo acompanhadas pelo CFMV. A ideia é que, com a padronização dos processos no Sistema, os procedimentos sejam mais ágeis e cada Regional vai focar em suas ações finalísticas que são: fiscalizar, atender e normatizar. Ao final dos trabalhos, o grupo homologou um mapa com os Procedimentos Operacionais Padrão (POP) dos processos de trabalho (Fiscalização; Julgamento de Processo Ético Profissional; Atendimento a Clientes; Compras/ Licitação; Recursos Financeiros, Orçamento; Manutenção de Infraestrutura/Logística e Tecnologia da Informação. Além disso, em conjunto com o CFMV, será formalizado na 1ª Câmara dos Presidentes de 2015 o modelo e mapa de Planejamento Estratégico para o Sistema CFMV/CRMVs. Houve possibilidade de uma maior interação e tomada de decisões de forma democrática. Deu oportunidades de participação aos colaboradores dos Regionais. Certamente contribuiu para o fortalecimento do Sistema e melhor prestação de serviço à sociedade, disse o presidente do CRMV-GO, Méd. Vet. Benedito Dias de Oliveira Filho. Vamos falar mais sobre este assunto na próxima edição do.

8 8 EDUCAÇÃO Primeira Especialização em Homeopatia na UFG Foto: Arquivo Pessoal Foto: Arquivo Pessoal Prof. Dr. Romão da Cunha Nunes, coordenador do curso de Especialização em Homeopatia Veterinária da UFG. A primeira turma de Especialização em Homeopatia Veterinária da Universidade Federal de Goiás (UFG) conclui o curso no final de 2015, com nove alunos. Este é um projeto almejado há décadas pelo prof. Dr. Romão da Cunha Nunes, coordenador do curso. As aulas tiveram início em agosto deste ano com uma carga de 636 horas. O objetivo do curso é preparar especialistas para o aprimoramento das atividades profissionais, para os quais são oferecidas as disciplinas de conteúdo profissionalizante nas áreas de clínica médica homeopática, semiologia homeopática, farmacotécnica homeopática, metodologia do ensino superior e agronegócio, ciência e evolução na produção animal. Conforme o prof. Dr. Romão da Cunha Nunes, a homeopatia pode ser aplicada em todos os segmentos da veterinária, pequenos e grandes animais, com excelentes resultados e custos mais baixos, além da característica natural desta ciência. A homeopatia começou como disciplina optativa no curso de Medicina Veterinária em 2011, mas só este ano gerou demanda para a Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG lançar um curso de especialização. Além de trabalharmos com o bem-estar dos animais também colaboramos para a saúde das pessoas preocupadas em consumir alimentos mais saudáveis já que a homeopatia não deixa resíduos nas carnes ou ovos por ser 100% natural, explicou o pesquisador ao comparar os rastros deixados pelos medicamentos alopáticos e seus antibióticos. Dentro de dois anos o prof. Dr. Romão da Cunha Nunes pretende se aposentar após mais de 20 anos dedicados somente a este assunto. Não poderia me aposentar sem antes realizar este sonho de implementar a Especialização em Homeopatia na Escola de Veterinária, confessou o coordenador do curso. Em meados de 2015 haverá chamada para nova turma, que terá início em Os interessados devem entrar em contato com a Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG pelo (62) /92 ou Algumas utilizações da homeopatia veterinária: Bovinocultura - Controle da Sodomia Bovina - O distúrbio comportamental no qual um animal é repetidamente montado por outro, acarretando em menor desempenho e prejuízos, pode ser tratado com a homeopatia. O medicamento atua diretamente no comportamento do animal, diminuindo o estresse, favorecendo o ganho de peso e diminuição de montas, inibindo de forma natural a libido e equilibrando o nível hormonal do animal tratado. Avicultura Laringotraqueite Infecciosa das aves (afecção considerada incurável de agente etiológico virótico com terapêutica apenas sintomática) - Frequentemente os animais responderão em poucos dias ao tratamento a esse processo agudo e não apresentarão sequelas após estarem completamente restabelecidos. Suinocultura - A granja de suínos é tratada como um todo (genio epidemis). Sua estrutura e natureza são analisadas. Não são tratadas as doenças e sim os suínos doentes, o que resulta em medicamento por cada granja e não um medicamento, por exemplo, para a encefalite estreptocócica. Pequenos Animais Em boa parte das situações, os remédios homeopáticos podem ser combinados a outros mais tradicionais, garantindo a eficácia de um tratamento, mas mesmo quando usados sozinhos, este tipo de medicação pode trazer bons resultados e até mesmo ajudar na prevenção do aparecimento ou piora de doenças. Curiosidade: Um grupo de profissionais brasileiros, incluindo médicos veterinários, criou o selo Novembro Verde com o intuito de comemorar o mês da homeopatia e divulgá-la em nossa sociedade. O Dia da Homeopatia é comemorado oficialmente em 21 de novembro. Primeira turma que se forma em 2015

9 9 FIQUE POR DENTRO RT em Foco Com o objetivo de informar melhor os médicos veterinários e zootecnistas responsáveis técnicos inscritos em Goiás, a Coordenadora Técnica do CRMV-GO, Médica Veterinária Raquel de Sousa Braga, lança, a partir de janeiro de 2015, o boletim eletrônico RT em Foco, que será enviado uma vez por mês aos profissionais cadastrados no Conselho Regional. Este segmento de RTs representa hoje 52% dos profissionais inscritos no Estado. O boletim ficará disponível também no site e será ainda replicado nas redes sociais. Com informações curtas, porém, relevantes para a responsabilidade técnica, a ideia do projeto partiu da dificuldade destes profissionais em acessar novas informações e principalmente legislações que regulamentam a atividade do RT. Estamos ajudando o profissional a receber notícias importantes que são aplicadas no dia a dia do responsável técnico, destacou ela. A coordenadora técnica ressalta que é muito importante o profissional buscar informações pertinentes, inclusive acompanhar a legislação em vigor, pois muitos acabam cometendo erros por desconhecimento da lei ou simplesmente por descuido. É preciso se resguardar, pois muitos processos éticos instaurados são por falhas relativas ao desconhecimento das leis ou da própria função, frisou Raquel de Sousa Braga. Acesse o ícone RT em Foco e confira. Mantenha seu atualizado no CRMV-GO para receber estas e outras informações. Verifique a pasta de lixo eletrônico também, pois alguns s vão direto para esta pasta. Sebraetec apoia negócios que buscam inovação e tecnologia Foto: Divulgação Sebrae-GO Manoel Xavier Ferreira Filho Diretor Superintendente do Sebrae Goiás O Programa Sebraetec é uma forma rápida e econômica de levar inovação para dentro dos pequenos negócios. O programa aproxima dois atores essenciais para a implementação da inovação: os pequenos negócios e os prestadores de serviços tecnológicos. O Sebrae operacionaliza o Sebraetec por meio de uma rede de apoio nacional e internacional, facilitando assim, a aproximação das empresas da indústria, comércio, serviços e agronegócios aos centros tecnológicos, institutos de pesquisas, instituições de ensino superior, fundações e demais organismos que atuam focados na inovação e tecnologia, visando a melhoria de processo e produtos e/ou a introdução de inovações nas empresas. O Sebraetec existe para atender as microempresas, empresas de pequeno porte, microempreendedores individuais e produtores rurais. Como forma de incentivar o processo de modernização e atualização dos pequenos negócios, o Sebrae subsidia 80% do projeto que for trazer às empresas inovações em sete áreas: design (ambiente, comunicação, produto e serviço); produtividade (cadeia de suprimentos, layout, mapeamento e melhoria de processos); propriedade intelectual (desenho industrial, indicação geográfica, marcas e patentes); qualidade (avaliação de conformidade, normalização e metrologia); sustentabilidade (dimensão social, energia/eficiência energética, gestão ambiental, resíduos sólidos e sustentabilidade rural); tecnologia de informação e comunicação (automação, e-commerce, meios eletrônicos de pagamentos, redes sociais e serviços online); inovação (desenvolvimento de novo modelo de negócio, desenvolvimento de novo processo/ equipamento, desenvolvimento de novo produto/serviço e estudo de viabilidade técnica e econômica; projeto de apoio à inovação no encadeamento produtivo, no setor produtivo ou no território produtivo). Em Goiás, o Sebrae está pronto a atender todos os empreendedores do agronegócio e empreendimentos afins, que correspondam aos editais do Sebraetec. Desde 2.011, o programa beneficiou aproximadamente três mil empreendimentos goianos. O atendimento é feito pela equipe de consultores e agentes locais e de orientação, presentes em todos os pontos de atendimento do Sebrae em Goiás, espalhados nos onze Escritórios Regionais e nas 27 Agências Sebrae. O Sebrae é parceiro, está de portas abertas aos clientes e atua de forma a cumprir com a sua missão de disponibilizar soluções para promover o empreendedorismo, o desenvolvimento e a sustentabilidade dos pequenos negócios do Estado de Goiás.

10 10 pagamentos Valores da Anuidade 2015 O CFMV, por meio da Resolução n 1058 de 15 de agosto de 2014, fixou os valores das anuidades de pessoas físicas e jurídicas, taxas e emolumentos para o exercício de Veja como vai ficar: O valor da anuidade de pessoa física e de microempreendedor individual será de R$ 425,00. A anuidade de pessoa jurídica será cobrada de acordo com as seguintes classes de capital social: I Até R$ ,00 (cinquenta mil reais) R$ 590,00 II acima de R$ ,00 (cinquenta mil reais) até R$ ,00 (duzentos mil reais )- R$ 1.181,00 III acima de R$ ,00 (duzentos mil reais) até R$ ,00 (quinhentos mil reais) R$ 1.772,00 IV acima de R$ ,00 (quinhentos mil reais) até R$ ,00 (um milhão de reais) R$ 2.360,00 V acima de R$ ,00 (um milhão de reais) até R$ ,00 (dois milhões de reais) R$ 2.950,00 VI acima de R$ ,00 (dois milhões de reais) até R$ ,00 (dez milhões de reais) R$ 3.542,00 VII acima de R$ ,00 (dez milhões de reais ) R$ 4.725,00 Os valores das taxas e emolumentos serão os seguintes: I inscrição de Pessoa Física (principal e secundária): R$ 95,00 II registro de Pessoa Jurídica R$ 181,00 III expedição de cédula de identidade profissional: R$ 59,00 IV substituição ou 2 via de cédula: R$ 96,00 V certificado de regularidade: R$ 69,00 VI registro de título de especialista: R$ 112,00 VII anotação de responsabilidade técnica e renovação: R$ 69,00 Formas de pagamento: - Com desconto de 10% até 31/01/ Pagamento até 31/05/2015 integral sem desconto. - Parcelamento em 5 vezes sem desconto com vencimentos em 31/01, 28/02, 31/03, 30/04 e 31/05. Outras informações no departamento de cobrança do CRMV-GO pelo (62) /11 ou Os boletos já foram enviados.

11 11 parabólica Foto: Divulgação Curso de Medicina Veterinária da UFG é acreditado pelo Sistema ARCU-SUL O curso de Medicina Veterinária da Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG, após submeter-se ao processo de avaliação do Sistema Arcu-Sul, foi acreditado, o que significa dizer que foi comprovada a qualidade exigida por aquele Sistema de Acreditação. Em outras palavras, o curso da EVZ-UFG comprovou atender aos padrões de qualidade exigidos pelo Mercosul. Existem hoje em funcionamento no Brasil mais de 200 cursos de Medicina Veterinária, o que nos torna campeões mundiais em número de cursos. De acordo com o professor Benedito Dias de Oliveira Filho, presidente do CRMV-GO e também o novo presidente da Comissão Consultiva da Medicina Veterinária para o Programa de Acreditação de Cursos no Sistema ARCU-SUL, dos mais de 200 cursos existentes no país, nove encontram-se acreditados pelo programa até agora: Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal de Goiás (UFG), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Universidade Federal de Viçosa (UFV) e Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais em Betim (PUC-Betim). Segurança no rebanho de Suídeos O sistema de acreditação é resultado de um acordo entre os Ministros de Educação da Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Bolívia, Chile e Colômbia, homologado pelo Conselho do Mercado Comum do MERCOSUL, como explica Benedito Dias de Oliveira Filho. O objetivo é avaliar e acreditar os cursos universitários que atendam os padrões mínimos de qualidade estabelecidos, em conjunto, pelas Comissões dos países participantes do Sistema Arcu-sul. Em 2015 haverá novo edital para acreditação de mais instituições de ensino. Através do ato de acreditação, Estados membros e associados do MERCOSUL reconhecem mutuamente a qualidade acadêmica dos títulos ou diplomas outorgados por instituições universitárias. Não significa que outorga o direito ao exercício da profissão nos países envolvidos, entretanto, determina que aquelas instituições foram avaliadas segundo critérios de qualidade definidos pelos editais, o que facilita em termos de intercâmbios docente e discente, além de oferecer um status para a instituição de ensino. Os presidentes das comissões consultivas se reuniram entre os dias 5 e 7 de novembro em Montevidéu, no Uruguai, para discutir estas questões, especialmente a atualização dos padrões, avaliando os componentes, critérios e indicadores de qualidade que um curso de Medicina Veterinária deve atender para que, após detalhado processo de avaliação, possa ser acreditado. A acreditação no Sistema ARCU-SUL é um procedimento voluntário. As instituições de Educação Superior que desejam obter acreditação para seus cursos universitários devem apresentar candidatura perante a agência acreditadora nacional de seu país, no caso do Brasil é o INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), nos prazos fixados em convocatórias específicas e segundo instruções do Manual de Procedimentos. Médicos Veterinários que atuam no segmento de suídeos 1 devem ficar atentos em relação às recomendações para que Goiás se mantenha com status de Zona Livre da Peste Suína Clássica 2, título já emitido pelo Ministério da Agricultura (Mapa) em 2001, porém, com pleito para reconhecimento internacional pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) em Uma das principais exigências para obtenção do reconhecimento internacional é notificar o aumento da mortalidade em granjas, nos padrões da Norma Interna n 05/2009, do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Mapa, que aprova o Manual de Procedimentos do Sistema de Vigilância na Zona Livre de Peste Suína Clássica. Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Sanidade dos Suídeos da Agência Goiana de 1_Suídeos: qualquer animal do gênero Sus scrofa domesticus (suíno) ou Sus scrofa scrofa (javali) 2_ Peste Suína Clássica (PSC): doença transmissível que acomete os suídeos, causada por um vírus do gênero pestivírus. Defesa Agropecuária (Agrodefesa), Med. Vet. Poliana de Souza Ferreira Junqueira do Val, a condição de Zona Livre da Peste Suína Clássica reconhecida pela OIE confirmaria que, segundo critérios internacionais, a sanidade do rebanho de suídeos em Goiás, estimado em 1 milhão e 700 mil animais, atende as mais rigorosas normas sanitárias no tocante à doença, e esse status sanitário deve manter acordos mundiais já firmados, além de abrir espaço para outros mercados, com consequente aumento nas exportações. Ela explica que a notificação do aumento de mortalidade em granjas de suínos, por meio de médicos veterinários habilitados ou Responsáveis Técnicos (RTs) é muito importante. Para tanto, devem ser considerados os seguintes limites críticos: Fase de Produção: - Mortalidade acima de 2% nos últimos 30 dias em reprodutores; - Mortalidade acima de 15% nos últimos 30 dias em leitões de maternidade (até a idade de desmame); - Mortalidade acima de 7% nos últimos 30 dias em lotes de leitões de creche (do desmame até os 70 dias de idade); - Mortalidade acima de 9% em lotes de leitões de terminação (dos 70 dias de idade até o abate). Se estes índices forem atingidos, o RT deve notificar a unidade local da Agrodefesa mais próxima, utilizando o Anexo I da Norma Interna DSA 05/2009 para que o fiscal faça o atendimento. Além desta ação, a Agrodefesa atua: no acompanhamento sorológico semestral em GRSC s; realizando vigilância clínica passiva após notificação de lesões de doenças hemorrágicas ou aumento de mortalidade em granjas ; realizando vigilância clínica ativa e continuada em criações de maior risco (3 propriedades/ município/ mês); monitoramento sorológico de granjas de suínos (GS) por meio de colheita de amostras em matadouros-frigoríficos de reprodutores encaminhados para descarte; inspeção ante e post mortem em matadouros-frigoríficos de suínos; monitoramento soroepidemiológico em criatórios de suínos a cada dois anos;

12 12 EVENTOS Dezembro 05 e 06 Março Maio a 22 Local: Porto Alegre-RS Informações: Curso para Responsáveis Técnicos da Indústria Cárnea Modulo II Local: -GO Informações: br ou (62) a 19 Curso de Treinamento para Habilitação de Médicos Veterinários para o Diagnóstico de Brucelose e Noções sobre Encefalopatia Espongiforme Bovina. Local: Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG, em - -GO. Informações: (62) /82 e 16 a 19 Curso de Inseminação Artificial Local: Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG, em -GO. Informações: (62) e Veja também outras datas deste curso. Seminário Básico de Responsabilidade Técnica Local: -GO Informações: 25 e 26 VII Congresso Internacional e XIV Simpósio sobre Nutrição de Animais de Estimação Local: Ribeirão Preto-SP Informações: 27 Seminário Avançado de Responsabilidade Técnica Tema: Comércio de Produtos Agropecuários Local: -GO Informações: Abril a 30 Feira Internacional de Produção e Processamento de Proteína Animal Local: Curitiba-PR Informações: 36 Congresso Brasileira da Anclivepa Local: Porto Seguro-BA Informações: com.br Junho de e 19 XII Simpósio Goiano de Avicultura Local: -GO Informações: Julho a 24 XX Congresso Brasileiro e XVII Congresso Latinoamericano de Buiatria Local: São Paulo-SP Informações: Setembro /09 a 01/10 IX Congresso Brasileiro de Biossegurança Outubro de a 23 XVII Congresso Abraves (Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos) Local: Campinas-SP Informações: gmail.com e (19) /10 a 01/11 Simpósio Nacional de Bovinocultura Leiteira Local: Viçosa-MG Informações: Acesse Eventos e Cursos em e confira mais oportunidades cadastradas na agenda. Acesse também a Agenda da Diretoria no site br para acompanhar a participação do presidente e diretores nas ações voltadas para as classes CRMV-GO.pdf 1 19/11/ :44:47 INSCREVA-SE! (62) Clínicas - Médica e Cirúrgica Medicina Veterinária Legal Anestesiologia Veterinaria - teórico/prático Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais Clínica Médica e Cirúrgica de Felinos Clínica Médica e Cirúrgica de Peq. Animais Dermatologia nos Animais de Companhia Geriatria em Cães e Gatos Nutrição de Cães e Gatos Oncologia Veterinária Ortopedia em Pequenos Animais Curso Intensivo de Ultrassonografia Abdominal em Cães e Gatos Agronegócios MBA Executivo em Gestão de Agronegócios Produção Animal Equinocultura Nutrição de Grd. Animais na Produção do Bovino Ideal Reprodução e Produção de Bovinos Saúde Pública Defesa Sanitária Animal Higiene e Inspeção em Produtos de Origem Animal Vigilância Sanitária e Controle de Qualidade dos Alimentos

PARTE 1 - LEIS PARTE 2 - DECRETOS

PARTE 1 - LEIS PARTE 2 - DECRETOS PARTE 1 - LEIS 5.517, de 23-10-1968 Dispõe sobre o exercício da profissão de médico veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária 5.550, de 04-12-1968 Dispõe sobre o exercício

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

CRMV-GO. Vet Giro. O CRMV-GO promove o IV Ciclo de Palestras da Zootecnia dia 13 de junho no auditório da Faeg. Participe!

CRMV-GO. Vet Giro. O CRMV-GO promove o IV Ciclo de Palestras da Zootecnia dia 13 de junho no auditório da Faeg. Participe! Vet Giro 1 Ano XXIX - Nº 146 Maio de 2015 O CRMV-GO promove o IV Ciclo de Palestras da Zootecnia dia 13 de junho no auditório da Faeg. Participe! Programação do Ciclo de Palestras da Zootecnia Pag. 06

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens

campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA SISTEMA CFMV/CRMVs Campanha Nacional de Combate ao Tráfico de Animais *O tráfico de animais é a terceira

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária Zoot. Adeilton Ricardo da Silva Conselheiro Efetivo Professor da FIMCA e UNIRON Agência IDARON adeiltonricardo@ibest.com.br Sistema CFMV/CRMV: É uma Autarquia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 756, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 756, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 756, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Dispõe sobre o Registro de Título de Especialista em áreas da Medicina Veterinária, no âmbito dos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária. O CONSELHO FEDERAL

Leia mais

"Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor

Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor "Se quer paz, prepara-se para guerra Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário rio Departamento de Saúde Animal, Diretor 8.514.876 km 2 202.828.531 habitantes 27 Unidades da Federação

Leia mais

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 36, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Cabedal legal estabelecido pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV

Cabedal legal estabelecido pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Blog: estudandoveterinaria@debasil.com.br Cabedal legal estabelecido pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Para acessar qualquer desses instrumentos legais usar no seguinte link abaixo: WWW.cfmv.org.br/portal/legislacao_outras_normas.php

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N. º 005/2008 O CHEFE DA DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL - DDSA, no uso das atribuições legais e com fundamento no art. 8º, da Resolução nº. 029/06 -, de 14 de março de 2006, Considerando

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

O Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas é dirigido às empresas que se enquadrem nas seguintes características:

O Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas é dirigido às empresas que se enquadrem nas seguintes características: Regulamento MPE Brasil - 2015 Artigo 1º - Objetivo O MPE Brasil - Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas se constitui no reconhecimento estadual e nacional às micro e pequenas empresas

Leia mais

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015 SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL 09 a 12 de setembro de 2015 Local de Realização: Escola de Veterinária Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

ANEXO VI - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS

ANEXO VI - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS CARGO Administrador Analista de Tecnologia da Informação Assistente Social Bibliotecário- Documentarista Contador Engenheiro Civil Engenheiro Agrônomo DESCRIÇÃO DOS CARGOS Planejar, organizar, controlar

Leia mais

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Sanidade Suídea Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 1º Curso de Epidemiologia Aplicada Rio de Janeiro, 16 a 27 de março de 2008. BASE LEGAL ATO ADMINISTRATIVO DE 05

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO EM ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZAM CARNES

PROJETO DE INTERVENÇÃO EM ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZAM CARNES .Sistema Único de Saúde Ministério da Saúde Governo do Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância Sanitária e Ambiental Coordenadoria de Saúde do Trabalhador PROJETO DE

Leia mais

Medicina Veterinária: Gestão de Carreira e Perspectivas de Mercado

Medicina Veterinária: Gestão de Carreira e Perspectivas de Mercado Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS Medicina Veterinária: ria: Gestão de Carreira e Perspectivas de Mercado Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS BOA TARDE! Conselho Regional de Medicina

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul ESTRUTURA CFC Criados pelo DL 9295 de 27 de maio de 1946 CRCs DELEGACIAS REGIONAIS As Delegacias Regionais foram criadas a partir de 1958. O CRCRS

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 Aprova as Normas de orientação técnico-profissional, destinadas ao médico veterinário e ao zootecnista que desempenham a função de Responsável Técnico junto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina Brasília-DF, 06/08/2014 Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Estrutura

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Art. 14. da Art. 14. Do total dos recursos financeiros repassados pelo FNDE, no âmbito do PNAE, no mínimo trinta por cento deverá ser utilizado na aquisição de gêneros

Leia mais

O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal

O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal Médica Veterinária Rita Dulac Domingues Tópicos da Apresentação 1. Serviço Veterinário Oficial (SVO) 2. Panorama no RS e no BR do SVO 3.

Leia mais

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Dos objetivos Artigo 1º - O Hospital-Escola Veterinário (HOVET) é órgão anexo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRMV-SC

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRMV-SC RESOLUÇÃO CRMV-SC N 042/2007, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2007 O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Santa Catarina CRMV/SC, em Sessão Plenária Ordinária nº 275 de 15 fevereiro de 2007, amparados

Leia mais

FINALIDADES E OBJETIVOS DO CURSO

FINALIDADES E OBJETIVOS DO CURSO 1.Identificação e situação legal - Identificação do curso, ato de criação, início do curso e ato de reconhecimento. CURSO: SITUAÇÃO LEGAL: Medicina Veterinária Dados de Criação/Autorização: Documento:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

LEI Nº 2.512, DE 21 DE MAIO DE 2009. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 2.512, DE 21 DE MAIO DE 2009. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 2.512, DE 21 DE MAIO DE 2009. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia / / Autoriza o Município de Morrinhos a celebrar convênio com o SEBRAE/GO. JANE

Leia mais

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal Manual da Revenda de Produtos Veterinários Versão 1.0 25/02/2013 P á g i n a 1 Considerações iniciais Com a publicação da Resolução SAA nº 79, de 10/12/2012

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 1069, DE 27 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre Diretrizes Gerais de Responsabilidade Técnica em estabelecimentos comerciais de exposição, manutenção, higiene estética e venda ou doação de animais,

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008.

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÀRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MARANHÃO PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. O DIRETOR

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - MEDICINA VETERINÁRIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - MEDICINA VETERINÁRIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - MEDICINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular da Faculdade de Medicina Veterinária da Faculdade

Leia mais

A A transversalidade da Saúde Ambiental na formação do Médico Veterinário

A A transversalidade da Saúde Ambiental na formação do Médico Veterinário XIX Seminário Nacional de Ensino de Medicina Veterinária A A transversalidade da Saúde Ambiental na formação do Médico Veterinário Dr. Luciano Menezes Ferreira Comissão Nacional de Saúde Ambiental (CNSA)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre o uso de animais no ensino e na pesquisa e regulamenta as Comissões de Ética no Uso de Animais (CEUAs) no âmbito da Medicina Veterinária e da Zootecnia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA:

VIGILÂNCIA SANITÁRIA: VIGILÂNCIA SANITÁRIA: O papel da AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA) e a atuação em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GGPAF) FELIPE BENTO JUNG Especialista em Regulação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art.1º A Comissão de Ética no Uso de

Leia mais

MANUAL DE PUBLICIDADE

MANUAL DE PUBLICIDADE MANUAL DE PUBLICIDADE DO MÉDICO VETERINÁRIO Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Paraná Manual de Publicidade do Médico Veterinário 2015 www.crmv-pr.org.br MANUAL DE PUBLICIDADE DO MÉDICO

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Procedimento Operacional para Cadastro de Casas Veterinárias e controle da venda de aves vivas e vacinas avícolas nestes estabelecimentos.

Procedimento Operacional para Cadastro de Casas Veterinárias e controle da venda de aves vivas e vacinas avícolas nestes estabelecimentos. Elaboração: Data: 17/11/2008 Aprovação: Data: 18/11/2008 Responsável: Diego Marcel Alfaro Responsável: Hernani Melanda 1) Controle A Cadastro de Empresas classificadas como Casas s B Cadastro de Médico

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

PLATAFORMA DE GESTÃO AGROPECUÁRIA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA

PLATAFORMA DE GESTÃO AGROPECUÁRIA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA PLATAFORMA DE GESTÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA Histórico 2009/novembro Governo edita lei 12.097 que dispões sobre a rastreabilidade bovídea no Brasil: - Marca a Fogo - Guia de Transito Animal

Leia mais

Sistema CFBio/CRBios e a Criação. de Novos Regionais

Sistema CFBio/CRBios e a Criação. de Novos Regionais Sistema CFBio/CRBios e a Criação de Novos Regionais Novo Regional do Planalto Central: Plano estratégico para criação Lei 6684 de 03 de Setembro de 1979 Art. 10 - Compete ao Conselho Federal: IV - organizar,

Leia mais

LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010

LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010 LEI Nº 4.254 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010 Cria cargos de provimento efetivo de Agente de Combate a Endemias, Auxiliar de Tesouraria, Farmacêutico e Fiscal Ambiental. Bel. PEDRO PAULO PREZZOTTO, Prefeito Municipal

Leia mais

LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICAT MÓDULO AVANÇADO ADO INSPEÇÃO SANITÁRIA ESTRELA RS 28 DE MAIO DE 2013 LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T EM ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL RESPONSÁVEL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 Dispõe sobre alterações na Regulamentação de apoio à pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

Proposta Comercial. Projeto PRO-SUI. Cliente: CIDASC

Proposta Comercial. Projeto PRO-SUI. Cliente: CIDASC Projeto PRO-SUI Cliente: CIDASC 1. Introdução Este documento apresenta as características para a construção do sistema para o projeto PRO- SUI. O público ao qual este documento se destina abrange os interessados

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais da UNISEB é um órgão deliberativo

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

NORMA INTERNA Nº 01/2009 Texto e Anexos. Procedimentos para monitoramento de bovinos importados sob a responsabilidade do Serviço Veterinário Oficial

NORMA INTERNA Nº 01/2009 Texto e Anexos. Procedimentos para monitoramento de bovinos importados sob a responsabilidade do Serviço Veterinário Oficial NORMA INTERNA Nº 01/2009 Texto e Anexos Procedimentos para monitoramento de bovinos importados sob a responsabilidade do Serviço Veterinário Oficial 1. Monitoramento dos Bovinos e Bubalinos importados

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 37, de 26 de agosto de 2013. D.O.U de 27/08/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) Fixa os valores das anuidades e taxas para o exercício de 2013 e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 Conceitua e estabelece condições para o funcionamento de estabelecimentos médicos veterinários, e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos Cartilha do novo Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos SISBOV Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil COORDENAÇÃO:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBÁ ESTADO DE MINAS GERAIS ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA/ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBÁ ESTADO DE MINAS GERAIS ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA/ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS 03 DE JULHO UBÁ UBÁ 1857 PREFEITURA MUNICIPAL DE UBÁ ESTADO DE MINAS GERAIS ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA/ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS AGENTE ADMINISTRATIVO I Local de Trabalho: Órgão da Administração Pública no

Leia mais

Competências da SUBVISA

Competências da SUBVISA (Decreto Nº 33.360 de 17 de janeiro de 2011 - Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil - SMSDC) Competências da SUBVISA S/SUBVISA Subsecretaria de Vigilância,

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

DPA GUIA TÉCNICO PNCEBT. Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose. Eficiência e qualidade na produção leiteira

DPA GUIA TÉCNICO PNCEBT. Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose. Eficiência e qualidade na produção leiteira DPA PNCEBT Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose Ano 1 Número 1 Janeiro/Fevereiro 2014 GUIA TÉCNICO Eficiência e qualidade na produção leiteira Nesta Edição Importância

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 55, 2º, I, da Lei Orgânica do Município,

O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 55, 2º, I, da Lei Orgânica do Município, LEI ORDINÁRIA Nº 564/2014, DE 13 DE MARÇO DE 2014 Amplia o quadro de pessoal efetivo da Prefeitura, define atribuições e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CORRENTE, ESTADO DO PIAUÍ, no uso

Leia mais

REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências.

REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências. LEI N.º 3.097, de 27 de Novembro de 2006. REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS FAÇO SABER a todos os habitantes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Publica a proposta de Projeto de Resolução "Boas Práticas em procedimentos para organização e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos". O MINISTRO DE

Leia mais