Roberto Marazi. Autogestão. Palavra do Presidente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roberto Marazi. Autogestão. Palavra do Presidente"

Transcrição

1 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ Ano 2 Edição nº 4 Março e Abril/2008 Brasília tem sua primeira feira de agronegócio Brasília se orgulha de dizer que tem um setor agrícola desenvolvido (com produção de grãos por hectare acima da média nacional), criado graças aos pioneiros que fizeram do Cerrado, outrora improdutivo, uma das regiões mais férteis e valiosas do País. Assim foi definido o atual panorama da agricultura brasiliense pelo governador do DF, José Roberto Arruda, presente na Agrobrasília, feira tecnológica promovida pela cooperativa agropecuária Coopa/DF, em parceria com a Emater/DF, Secretaria de Agricultura, OCB, OCDF e Sescoop/DF.* (*pág. 4) AGO aprova contas da OCDF e metas traçadas para 2008 Fotos: arquivo OCDF Realizada entre os dias 10 e 12 de abril, a Agrobrasília recebeu cerca de 10 mil visitantes e movimentou mais de 50 milhões de reais. Em entrevista, presidente da Codhab conta como o GDF pretende diminuir o déficit habitacional do DF AGO aprova contas da OCB e reelege Márcio Lopes de Freitas Edição encartada no Jornal de Brasília e no Jornal Satélite OCDF e Clube Aliança lançam programa de saúde Confira nesta edição Unimed Brasília visita OCDF. Pág. 15 Seminário jurídico discutirá o cooperativismo. Pág. 8 Empossada nova diretoria da Credsaúde. Pág. 19

2 2 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Palavra do Presidente Autogestão Autogestão, segundo os dicionários mais tradicionais, nada mais é do que a gestão de uma empresa pelos seus próprios membros, representados por uma direção. É a expressão do ato de gerir a si mesmo. Tal palavra ganha significado mais pungente nas cooperativas. Isso porque nelas a autogestão é feita em regime de democracia direta. Sem a figura clássica do patrão, os cooperados (sócios e donos do negócio cooperativo), independentemente do volume financeiro investido na cooperativa e de quaisquer outras diferenças, participam das deliberações em igualdade de condições e criam as próprias regras às quais se submetem. A possibilidade de se autogovernar é um grande passo na jornada para o pleno controle do meio de produção, trazendo um novo paradigma para as relações de trabalho, de administração e de gestão de empreendimentos. É o direito ao pleno exercício da cidadania. Neste contexto, o Sistema Cooperativista Brasileiro nele inseridos a OCDF e o Sescoop/DF viabiliza o Programa de Autogestão. Sucintamente, o programa oferece os seguintes serviços: 1.0 monitoramento para garantir a constituição e a continuidade da cooperativa, é preciso monitorála, acompanhá-la social e economicamente. O serviço propõe-se a manter a qualidade da gestão e da transparência ante terceiros e o quadro social auditoria de gestão para acompanhar o desempenho do negócio cooperativo em todos os seus aspectos relevantes, existe disponível no programa um conjunto de controles que determina a segurança e a confiabilidade que o cooperado e o público externo requerem Consultoria especializada serviço voltado ao ordenamento e apoio aos negócios das cooperativas 2.0 Capacitação no afã de promover o desenvolvimento humano, esta missão do Sescoop objetiva organizar, administrar e executar o ensino de formação profissional dos cooperados, dirigentes e trabalhadores de cooperativas. 3.0 Promoção social como empresa moderna e responsável, a cooperativa deve levar em consideração o bem-estar e a integração dos seus cooperados, funcionários e familiares. Uma forma de tornar isso possível é promover eventos voltados à saúde, lazer, esportes, cultura e integração social. Procure o Sescoop/DF (ou o Sescoop do seu Estado) para obter mais informações sobre o funcionamento do programa e a forma pela qual a sua cooperativa pode usufruir dos seus benefícios. A seguir, demonstrativo estatístico das realizações do Sescoop nos últimos anos: Conselho de Administração Presidente Roberto Marazi - Cooperhsul Vice-presidente José Marques Zago - Coopercâmara Diretor-financeiro Sérgio Néri da Mata - Credibama Diretor-administrativo Célio Batista de Araújo - Coobrás Diretor de Relações Sindicais Robson Marques de Caldas - Coophacei Conselheiros Natos Nixon F. Rodrigues - Fetrabalho/DF Manoel Messias da Silva - Confebrás José Alves de Sena - Sicoob Central DF Manoel Messias G. da Cruz - Fecohab Paulo Roberto de A. Insfran - Unimed Confederação Centro-Oeste e Tocantins Conselho Fiscal Arcênio Chervinski - Coohabom Derci Cenci - Coopa/DF Elias Rosa - Cooperhsul Suplentes Agostinho Rocha Ferreira - Legiscred Antônio José Pereira Brasil Conbrac José Antônio D Arrochella Lobo - Coohaj Conselho de Ética Adilson Tadeu de Araújo - Sicoob Executivo Eunice A. Gmomes - Coopercongresso Eustáquio José F. Santos - Cooservcred Ana Alencar - Coopersaneo Suplentes Luiz Lesse Moura Santos - Sicoob Executivo Wilson Costa Reis - Cooelp Conselho Administrativo Roberto Marazi - OCDF Haroldo Toti - Casafibra Francisco de Lima Ferreira - Coopa/DF Ramon G. Belisário (*) - Sescoop Nacional Alberto da Silva Braga - Unimed Brasília (*) in memoriam Suplentes José Marques Zago - Coopercâmara Nirceu Werneck Linhares - Cooperbrapa Fernando Luis Fernandes - Cooplem Evandro Ninaut - Sescoop Nacional Hiroshi Uyeda - Coolabora Uma publicação do Sescoop/DF e da OCDF Periodicidade Bimestral Editora responsável Vincere Editora Coordenador editorial João Paulo C. Almeida - Sescoop/DF HISTÓRICO DE AÇÕES DO SESCOOP Projeto gráfico e diagramação Elis Nunes - ÁREA DE ATUAÇÃO BENEFICIÁRIOS Impressão Gráfica Plano Piloto Arquivo OCB Roberto Marazi Presidente ANO FORMAÇÃO PROFISSIONAL MONITORAMENTO PROMOÇÃO SOCIAL TOTAL Tiragem exemplares Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Distrito Federal; Sindicato e Organização das Cooperativas do Distrito Federal Av. W/4 - SEPS 712/912 - Bloco F Cep: Brasília - DF Fones: (61) / /

3 Governo do DF quer DF COOPERATIVO DF O jornal O jornal das cooperativas das cooperativas do Distrito do Distrito Federal Federal Março Março e abril/2008 e abril/ Entrevista reduzir déficit habitacional Brasília vive hoje dificuldades para regularizar a sua ocupação territorial. Além da construção de moradias em áreas irregulares, há a indisponibilidade de terras para atender à cada vez mais crescente demanda por habitação. A população de baixa renda é a que mais sofre com o problema. Se não bastasse a dificuldade de acesso à moradia digna, essa fatia da população muitas vezes investe e perde seus poucos recursos financeiros em projetos habitacionais que não se concretizam. Para falar sobre o assunto, principalmente no que diz respeito à moradia popular, o DF Cooperativo entrevistou o diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal Codhab, Luís Antônio Almeida Reis. Formado em Arquitetura e Urbanismo pela UnB e ex-administrador de Brasília, Luís Antônio revela o que o Governo pretende fazer para diminuir o preocupante déficit habitacional do DF. Arquivo OCDF DF Cooperativo - Conte-nos sobre a criação e os objetivos da Codhab. Luís Antônio trata-se de uma companhia recém-criada pelo governo Arruda pra operacionalizar o programa habitacional do DF. Sabemos que o déficit habitacional é grande e queremos dar fim a ele. Num primeiro momento, sob a orientação do Arruda, vamos terminar o planejamento da estrutura do programa, que vai dar prioridade à população mais carente. A intenção é voltá-lo à habitação de interesse social. DF Cooperativo - como será a participação das cooperativas habitacionais? Luís Antônio as cooperativas, com a sua capacidade organizativa, serão um dos braços fortes do programa. Elas certamente vão nos ajudar a criar o benefício social a que o programa se dispõe. O cooperativismo habitacional brasileiro produz, desde a década de 50, moradia a preço de custo e em quantidade significativa. No Distrito Federal, mais de 50 mil unidades habitacionais foram construídas nos últimos 10 anos! Brasília conta com 119 cooperativas habitacionais, das quais 51 atuam na moderna cidade de Águas Claras, onde o cooperativismo responde por aproximadamente 70% das edificações, o que já beneficiou cerca de 50 mil habitantes e gerou em torno de 6 mil empregos diretos. DF Cooperativo - tem data prevista para o lançamento do programa? Luís Antônio Sim! Será lançado no dia 8 de maio deste ano, quando teremos a retomada experimental do programa. Experimental porque nós vamos calibrar a forma de convocar as entidades. Posso adiantar que vamos exigir das entidades participantes capacidade organizacional, financeira e técnica. Por se tratar de patrimônio público, queremos profissionalismo. (...) vamos exigir das entidades participantes capacidade organizacional, financeira e técnica. Por se tratar de patrimônio público, queremos profissionalismo. Saiba mais Há, também, no DF, as cooperativas consideradas populares, que atendem às necessidades de famílias com renda de até 12 salários mínimos. De 2000 a 2005, elas produziram mais de 10 mil unidades habitacionais em diversas cidades-satélites do DF, ao custo médio de R$ 7 mil. Em 1992 a OCDF promoveu o I Seminário Brasileiro de Cooperativas Habitacionais. Em virtude do evento, foram constituídas, em diversos Estados do Brasil, cooperativas habitacionais, federações estaduais e a Confederação Brasileira das Cooperativas Habitacionais - Confhab. O seminário é DF Cooperativo - quais são as áreas contempladas pelo programa? Pode nos adiantar? Luís Antônio além das 5 mil unidades no Riacho Fundo II, lançaremos 14 edifícios em Samambaia para atender a 600 famílias. DF Cooperativo - os edifícios populares tendem a substituir as casas? Luís Antônio a tendência é a edificação vertical (construção de edifícios). É o que acontece nos países desenvolvidos. Temos um problema sério hoje em Brasília: a baixa disponibilidade de terras com capacidade ambiental e urbanística. Dessa forma, a edificação é a melhor saída. O adensamento das cidades permite que os serviços públicos cheguem à população com mais facilidade. Um exemplo clássico disso é o policiamento. Uma área com edifícios comporta muitas pessoas num espaço reduzido, o que facilita o trabalho do policial. considerado um marco histórico porque, a partir dele, as cooperativas habitacionais se profissionalizaram e começaram a atuar em sintonia com a secular doutrina cooperativista. Atualmente, cabe ao Sescoop/DF, entidade criada em 1999, cuidar da capacitação profissional das cooperativas de Brasília, inclusive as habitacionais. A OCDF, por sua vez, no que diz respeito à questão habitacional, tem se colocado como agente assessor de governo no trato das reivindicações das cooperativas e associações habitacionais. - Atenção, cooperativas habitacionais! - O Diário Oficial do dia 22 de abril de 2008, página 13, traz a seguinte informação: A Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap) torna público que recebeu do Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal (Brasília Ambiental) a Licença de Instalação nº 34/2008, autorizando a implantação do projeto de parcelamento de solo urbano relativo ao Setor Habitacional Riacho Fundo II 1ª, 2ª e 3ª etapas, localizado na Região Administrativa do Riacho Fundo II RA XXI/DF.

4 4 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Capa Realizada na região do PADF, entre os dias 10 e 12 de abril, a Agrobrasília, também comemorativa aos 30 anos da cooperativa Coopa/DF, teve o objetivo de socializar conhecimento sobre inovações tecnológicas do agronegócio e de trazer aos participantes oportunidades de negócio. Empreendedores rurais do DF e de diversos municípios, representando empresas de ponta e cooperativas ligadas ao agronegócio, puderam expor seus produtos, assistir a palestras e conversar com autoridades do setor. João Carlos Werlang, presidente da Coopa-DF, abre a Agrobrasília, ladeado por autoridades e pela Miss Cooperativo-DF 2007, Katiuça Cenci. É o primeiro evento desse porte em Brasília, já considerado como um dos mais relevantes do agronegócio do Planalto Central. Para Carlos Werlang, presidente da Coopa/DF, a Agrobrasília surpreendeu os visitantes com a sua grandiosidade e já pode ser visto como a vitrine tecnológica do Cerrado. O produtor brasiliense não precisa mais se deslocar para outros Estados para participar de grandes feiras. Ele terá, na porta de casa, uma vez por ano, a Agrobrasília, divulgou. Governador Arruda e Ministro Reinold Stephanes prestigiam Agrobrasília. Governo do DF e Sistema Cooperativista prestigiam Agrobrasília Autoridades cooperativistas e governamentais compareceram ao evento, entre elas o presidente da OCB e do Sescoop, Márcio Lopes de Freitas; o presidente da OCDF e do Sescoop/DF, Roberto Marazi; o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda; o Ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes; o presidente da Emater, Carlos Magno; o presidente da Federação de Agricultura, Renato Simplício, dentre outros. Stephanes discorreu sobre os reflexos das mudanças climáticas no mundo e enalteceu o momento da agricultura brasileira, considerada como uma das maiores exportadoras mundiais de vários alimentos, como carne e grãos. Arruda assegura regularização de terras rurais Arruda, por sua vez, confirmou que sai ainda neste semestre o edital que vai regularizar as terras rurais do Distrito Federal. A expectativa é que o edital priorize as propostas dos pioneiros e dos atuais ocupantes. Quando eles chegaram (pioneiros), o Cerrado não valia nada. Diziam que era improdutivo. Agora é uma das regiões mais produtivas e valiosas do País, analisou Arruda. Estamos negociando com o Ministério Público, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas. Estou convicto de que vamos dar o título de propriedade definitivo aos produtores rurais, assegurou. Roberto Rodrigues palestra sobre agronegócio Durante a Agrobrasília, mais de 300 produtores rurais, políticos, empresários e estudantes assistiram à palestra de Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura, sobre o agronegócio brasileiro. Rodrigues demonstrou dados sobre a criação de energia limpa (biodiesel) no Brasil e salientou a crescente produtividade do setor agrícola brasileiro. Considerou a infra-estrutura da agropecuária como um dos grandes gargalos do setor, mas parabenizou o trabalho da Embrapa, que se destaca na área de pesquisa científica e inovação tecnológica. O ex-ministro aproveitou a oportunidade para reforçar, nesse cenário, a importância do cooperativismo, revelando que esse sistema é o braço econômico dos produtores rurais e é imprescindível para a prosperidade do País. Roberto Rodrigues profere palestra acerca do tema Cenários e perspectivas para o agronegócio brasileiro. Ao final da palestra, o público pôde fazer perguntas a Rodrigues, assim como aos outros presentes à mesa em que estava, como o ex- Ministro da Agricultura Alysson Paolinelli e o Secretário da Agricultura, Vilmar Luis da Silva, dentre outros. Fotos: arquivo OCDF

5 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ Curso de redação Capacitação empresarial na Unimed Centro-Oeste e Tocantins Fotos: arquivo OCDF Alunos aprendem a escrever com eficiência Escrever bem, com concisão e clareza, tornou-se imprescindível no mundo do trabalho atual, ambiente basicamente regido pela escrita. As pesquisas sobre o assunto evidenciam a importância da boa redação. Apontam que o profissional ascende à medida que melhora suas habilidades para escrever e falar bem. Em face disso, o Sescoop/DF promoveu o curso Redação Empresarial na Unimed Confederação Centro-Oeste e Tocantins, no período de a O evento, fruto de parceria entre essas Entidades, contou com 25 participantes e teve como objetivo trabalhar as técnicas de redação (correspondência oficial, gramática, organização de idéias), tão necessárias para evitar ruídos no processo de comunicação. Previsto para atender a mais duas turmas, o curso foi avaliado de forma positiva pelos alunos. A língua portuguesa é muito complexa. Minha base era fraca, revela Soraya Mello, Secretária Executiva da Unimed Centro- Oeste. Por isso, o curso foi importante para mim. Despertou-me para o conhecimento, e o aprendizado está sendo aplicado no dia-a-dia, comemora. Curso ensina a controlar finanças pessoais Às vezes, os maiores problemas no ambiente de trabalho são reflexos de inquietações domésticas, especialmente as de cunho financeiro. Corrigir isso pode melhorar significativamente a produtividade e o bem-estar do trabalhador. Nesse contexto, o Sescoop/DF, em atendimento à demanda da Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal Ltda Coopa/DF, realizou, na sede dessa cooperativa, no período de a , o curso Finanças Pessoais. Ministrado pelo presidente da cooperativa de crédito Sicoob Coominagri Executivo, Luis Lesse Moura Santos, o curso, com 15h/aula, reuniu 26 funcionários da Coopa/DF. No conteúdo programático, foram trabalhados temas como planejamento financeiro, dicas para gastar menos com a mesma qualidade, capacidade de pagamento, taxas de juros, entre outros. O curso, na avaliação dos participantes, demonstrou maneiras de controlar o orçamento doméstico com simplicidade e res- ponsabilidade. É o que pensa a auxiliar de escritório Nair Costa da Silva. As aulas me incentivaram a poupar, a investir as sobras e a separar o essencial do supérfluo. Ainda pude passar o que aprendi aos meus amigos e familiares, conta. Aarquivo DF Cooperativo

6 6 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Trabalho e renda 100 Dimensão implementa coleta seletiva em cidades-satélites Reconhecida como um dos principais projetos cooperativos de inclusão social, a cooperativa 100 Dimensão tem a coleta seletiva como principal atividade econômica, mas também atua fortemente nas áreas cultural e educacional. Com o objetivo de ampliar suas atividades, tanto da perspectiva de atendimento ao cooperado quanto da conscientização sobre a necessidade de conservação do meio ambiente, a Cooperativa desenvolverá o Projeto Consciência Limpa. A idéia é implementar a coleta seletiva nas cidades de Samambaia e Riacho Fundo I e II áreas circunvizinhas à sede da Cooperativa. Para sua operacionalização, serão montadas tendas que servirão como postos de coleta, onde a comunidade depositará o material reciclável em troca de bônus a serem trocados no comércio local. Com o projeto, esperamos um incremento de renda da comunidade e dos cooperados à medida que esse circulo virtuoso prospere, prevê Sônia Maria da Silva, líder da 100 Dimensão. O projeto envolve parceiros da Cooperativa, tais como Sebrae/DF, SOS Cidadania, OCDF, Sescoop/DF, Fibra, Coca-Cola, SLU. 100 Dimensão transforma material reciclado em criativas peças de artesanato. Fotos: Sebrae Nacional e arquivo DF Cooperativo Intercâmbio OCB levará experiência brasileira a Angola Arquivo DF Cooperativo Em 24 de abril de 2007, durante Assembléia Geral da OCB, o presidente da Confederação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agropecuárias de Angola Unaca, Paulo Uime, e o presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas, assinaram protocolo de cooperação técnica entre a OCB e a Unaca. A OCDF, na ocasião, recepcionou a comitiva angolana que acompanhou Paulo Uime, levando-a para conhecer o trabalho de várias cooperativas do Distrito Federal. Do acordo entre a OCB e a Unaca, nasceu a oportunidade de levar uma delegação do cooperativismo brasileiro a Angola. O objetivo da viagem é disseminar no país africano a experiência do Brasil na gestão de cooperativas e nos programas de educação cooperativista. Saiba mais O encontro, também, proporcionará discussão de temas de interesse dos dois países, como agropecuária, segurança social, saúde, habitação. A viagem está prevista para ocorrer entre 18 e 23 de maio deste ano e contará com os seguintes representantes brasileiros: o presidente da OCB/SESCOOP, Márcio Lopes de Freitas; o presidente da OCDF/ SESCOOP-DF, Roberto Marazi; o presidente da OCB/RN-SESCOOP-RN, Roberto Coelho; o conselheiro administrativo do Sescoop/DF, Hiroshi Uyeda, e o diretorexecutivo da Emater, Carlos César Vieira da Luz. Colônia portuguesa até 1975, Angola está situada na costa ocidental da África. Tem uma população de 12,5 milhões de habitantes, composta de vários povos, etnias, culturas e dialetos, sendo o português a sua língua oficial. A guerra civil de 26 anos causou grandes danos às instituições políticas e sociais do país. No entanto, Angola, felizmente, passa por um rápido processo de recuperação, com crescimento econômico da ordem de 12% ao ano.

7 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ : novos desafios Cidadania do cooperativismo em debate no Congresso Cerca de 150 pessoas entre deputados e senadores da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) e representantes do Sistema Cooperativista Brasileiro participaram, na manhã de 12 de março de 2008, da cerimônia de lançamento da Agenda Legislativa do Cooperativismo 2008, no Grand Bittar Hotel, em Brasília (DF). Pelo menos 30 proposições inéditas e desafios do setor cooperativista estão registrados na publicação que entra em seu segundo ano. Em 2007, a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), com o apoio da Frencoop, lançou a primeira edição da Agenda, sintetizando as principais matérias legislativas de interesse das cooperativas para balizar a atuação de deputados e senadores no Congresso Nacional. Foto: Arquivo OCB Presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas, abre a cerimônia de lançamento da Agenda Legislativa do Cooperativismo. O presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas, iniciou a cerimônia ressaltando o trabalho do senador Jonas Pinheiro (DEM- MT), falecido em fevereiro de 2008, e considerado grande defensor do cooperativismo no Congresso Nacional. Segundo o presidente da OCB, os ideais de Jonas Pinheiro espelham a força do cooperativismo. Uma das formas mais eficientes de resgatar a dignidade é por meio do trabalho e da renda. O cooperativismo já comprovou ser uma fórmula bem-sucedida para tornar realidade esta conquista da cidadania, disse Márcio Lopes de Freitas, que completou reafirmando: O cooperativismo também precisa resgatar sua dignidade. Isso se dará a partir da regulamentação do Ato Cooperativo. Fonte: OCB

8 8 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Legislação Seminário jurídico abordará o cooperativismo ODireito faz parte do nosso dia-a-dia. Da compra do cafezinho (Código do Consumidor) às relações familiares (Código Civil), praticamente tudo o que fazemos está previsto em lei. Portanto, compreendê-lo é fundamental. No cooperativismo, não é diferente. As leis e com elas as doutrinas regem cada ação das cooperativas. Assim, com o objetivo de promover debate sobre os aspectos jurídicos vivenciados no cooperativismo, a Associação dos Juízes Federais da 1ª Região Ajufer, a OCDF e o Sescoop/DF, com o apoio do Sescoop e da OCB, realizarão, em 6 de junho de 2008, no auditório do Tribunal Regional Federal da 10ª Região (Setor de Autarquias Sul), o 1º Seminário de Direito Cooperativo do DF. O evento terá como públicoalvo magistrados, promotores, procuradores, defensores públicos e advogados. Confira a seguir a programação do Seminário: Abertura Desembargador Federal Presidente do TRF 1ª Região Ronaldo Scucato Vice-Presidente do Sistema OCB/Sescoop Nacional Roberto Marazi Presidente da OCDF/Sescoop-DF Dr. Hamilton de Sá Dantas Juiz da 21ª Vara Federal do DF Dr. Charles Renaud Frazão de Moraes Juiz Presidente da Ajufer 1º Painel Cooperativismo e a Constituição Brasileira e Portuguesa Palestrantes Guilherme Krueger Advogado da OCB Programação Pedro Aurélio Rosa de Farias Desembargador do TJDFT Lineu Penado Desembargador do TJSP Presidente da mesa: Ronaldo Scucatto Presidente da OCB-MG e do Sescoop-MG 2º Painel O adequado tratamento ao Ato Cooperativo Palestrantes Fernanda Juvêncio - Superintendente da OCESP João Caetano Muzzi Doutor em Direito pela PUC Minas Antônio Correia Juiz Federal da 1ª Região Presidente da mesa: Ricardo Belízio Confederação Sicoob Brasil 3º Painel Conformação Sistêmica do Cooperativismo OCB e o Sescoop Nacional Palestrantes Marco Aurélio B. Kaluf Coordenador Jurídico da OCB Antonio Luiz Guimarães de Álvares Otero Presidente da Comissão de Cooperativismo da OAB/SP Charles Renaud Frazão de Moraes Juiz Federal Presidente da Ajufer Presidente da mesa: Vera Lúcia Oliveira Daller Coordenadorageral de Autogestão Cooperativista (Denacoop) Sol & Mar amplia seus serviços INFORME PUBLICITÁRIO Depois do lançamento do Programa de Hospedagem CooperFérias, com mais de dois mil hotéis conveniados, e de consolidar sua agência de viagens que atende a cooperados (pessoas físicas) e a inúmeras cooperativas, entre elas a Confebrás, a Sicoob Brasil, a Sicoob Central DF e a Unimed Centro-Oeste e Tocantins, a Cooperativa Sol & Mar de Turismo e Lazer se prepara para o lançamento do Programa de Empreendimentos Turísticos. Segundo o presidente da Sol & Mar, Remy Gorga Neto, a construção ou aquisição de empreendimentos de hospedagem (hotéis, pousadas, resorts, etc) é a terceira área de atuação que a Cooperativa desenvolverá para os cooperados. Por meio do projeto, os cooperados vão adquirir, de forma vitalícia, períodos anuais para utilizar em seus momentos de descansonos empreendimentos que serão administrados pela Cooperativa. O projeto objetiva levar economicidade e praticidade aos cooperados, que poderão contar com todo o serviço de hotelaria sem a necessidade de pagar pela hospedagem e com a vantagem de permutar o seu período de utilização em outros empreendimentos hoteleiros conveniados, explica Remy. A Sol & Mar prevê colocar seu primeiro empreendimento à disposição do público cooperativista ainda no primeiro semestre deste ano. Cooperativa Sol & Mar de Turismo e Lazer SIG Quadra 08, lote 2318, loja 102 (061)

9 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ Credisutri elabora plano de expansão Crédito A Credisutri é uma instituição financeira existente há 16 anos, com sede no Superior Tribunal de Justiça. Conta com três postos de atendimento e atua com diversos órgãos do Poder Judiciário Federal. Oferece produtos e serviços financeiros como um banco convencional, mas com o diferencial de ter a sua administração totalmente embasada na filosofia cooperativista. regulamentada e fiscalizada INFORME PUBLICITÁRIO Como ocorre com as outras cooperativas de crédito, na Credisutri os cooperados são donos e clientes ao mesmo tempo, elegem as prioridades e os gestores da instituição, recebem as sobras (lucros) auferidas a cada ano, etc. Depois de 16 anos de história, a Credisutri está pronta para ir além das fronteiras do Distrito Federal. Segundo o seu presidente, Miguel Ferreira de Oliveira, a solidez da cooperativa abriu caminho para novas oportunidades de negócio. Por isso, está em estudo no Bacen um plano para que a Credisutri passe a operar em todas as regiões do País. O plano de expansão prevê a possibilidade de instalação de postos de atendimento em Natal (RN), João Pessoa (PB) e Palmas (TO). A escolha das localidades é resultado de prospecção nas regiões do País, considerando-se o número de associados já existentes, a ausência de cooperativas de crédito nessas cidades e a receptividade por parte das administrações dos órgãos do Poder Judiciário.

10 10 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Crédito Cooperforte: tecnologia a serviço da comunicação e da transparência Arquivo DF Cooperativo Como é possível uma cooperativa de economia e crédito, sediada em Brasília e com Postos de Atendimento em apenas 4 capitais, oferecer aplicações e empréstimos a mais de 93 mil associados, espalhados por todas as cidades do país, com agilidade e simplicidade? Somente com o uso da tecnologia. Este é o caso da Cooperforte que, depois de adotar a informática como recurso fundamental para a realização de negócios e atendimento das necessidades financeiras dos cooperados, cada vez mais utiliza a internet como canal para a comunicação com os associados. Neste sentido, no dia 14 de abril, a Cooperativa apresentou online e ao vivo o seu desempenho econômico, financeiro e social de Simplesmente acessando os associados puderam assistir, por quase uma hora, à demonstração dos números e resultados da Cooperforte no ano passado, bem como às metas e aos projetos da Cooperativa para 2008, apresentados pelo presidente José Valdir Ribeiro dos Reis. A apresentação está disponível para acesso no site da Cooperforte. Anteriormente, no dia 30 de março, a Cooperativa desenvolveu outra ação semelhante: o site noticiou online flashes das Assembléias Gerais Ordinária e Extraordinária, durante sua realização, transmitindo inclusive imagens do evento. Também essa ação está disponível no site da Cooperativa. As ações desenvolvidas pela Cooperforte no primeiro trimestre, visando estreitar o relacionamento com os cooperados, não pararam por aí e também incluíram comunicação face a face. Nos dias 15, 16, 23, 25 e 30 de abril, o presidente José Valdir fez apresentação institucional nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília e Belo Horizonte, onde a Cooperforte possui Postos de Atendimento. Após cada apresentação, em um diálogo informal, o presidente ouviu sugestões e comentários sobre o atendimento e os produtos oferecidos e esclareceu pessoalmente dúvidas dos cooperados. Fonte: Comunicação da Cooperforte Sicoob Tranqüilidade é alternativa para quitar dívidas INFORME PUBLICITÁRIO Ninguém consegue ficar tranqüilo diante de dívidas que parecem não ter fim. Uma das saídas para se livrar do aperto financeiro está num recém-produto lançado pelo Sicoob que leva tranqüilidade até no nome. Trata-se do Sicoob Tranqüilidade, uma modalidade de crédito consignado exclusiva para beneficiários do INSS (aposentados e pensionistas) associados e nãoassociados das cooperativas de crédito do Sicoob. As cooperativas filiadas à Sicoob Central DF já oferecem aos seus associados mais este importante produto, ideal, principalmente, para aquelas pessoas endividadas. O empréstimo com desconto em folha pode ser uma alternativa para o traba-lhador que pretende quitar uma dívida mais cara, afirma a Encarregada de Crédito do Sicoob Central DF, Gláucia Ferreira. Os prazos para pagamento do Sicoob Tranqüilidade variam entre sete e 60 meses, e os valores liberados podem chegar a R$15mil. O produto conta com taxas de juros competitivas, desconto das parcelas diretamente no valor do benefício previdenciário, garantindo muito mais comodidade ao associado, além de gerar mais negócios para a cooperativa de crédito. Oferecer as melhores condições em linhas de crédito é uma estratégia da Central de Cooperativas de Crédito do Distrito Federal (Sicoob Central DF) para facilitar o atendimento das cooperativas filiadas. O Sicoob Tranqüilidade é mais um excelente produto que vem atender a demanda das cooperativas e de seus associados. Para mais informações, visite o site Fonte: Sicoob Central DF

11 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ Cooperativas de Crédito Crédito têm garantida consignação em folha de pagamento INFORME PUBLICITÁRIO AA OCB e a OCDF aliaram-se ao Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar - Sinapp, na pessoa de seu presidente, Franciso Alves de Souza; e à Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização - Fenaseg, em Brasília representada pelo presidente da Sicoob Credibrasília, Antônio Mazurek, para, em audiência com o Ministro do Planejamento, Paulo Bernardes, apresentar as reivindicações das cooperativas de crédito e das empresas de previdência privada a favor da manutenção da consignação em folha de pagamento. Durante a audiência, realizada em 21 de janeiro de 2008, a OCDF, em nome da OCB, buscou Algumas vantagens que os associados possuem, ao fazer parte de uma cooperativa de crédito, são pouco visíveis a eles. Um exemplo é a economia que eles obtêm ao efetuar uma operação de crédito: o valor pago na Cooperativa, comparado ao valor que eles pagariam em um Banco, na maioria das vezes, traz diferenças significativas. Mais de 4 milhões, esse é o Resultado Econômico Social do Sicoob Executivo Mas a diferença não se mede apenas nas taxas de juros durante a concessão de um crédito. Outros encargos, como tarifas, têm peso importante nessas vantagens, e por convencer o Ministro de que a perda da consignação geraria para as cooperativas grandes transtornos, entre eles desemprego e dificuldade para manter o quadro social. O Ministro, taxativo, respondeu que o propósito não era prejudicar essas entidades, mas, sim, dar adequado tratamento aos procedimentos então em uso. Sobre o assunto, a mídia destacava a real possibilidade de as cooperativas de crédito e de as entidades de previdência privada serem excluídas dos procedimentos de empréstimo consignado, o que poderia ser catastrófico para a maioria delas, tendo em vista o risco de surgimento de altos níveis de inadimplência. fim, outra vantagem única do cooperativismo é a distribuição de sobras ao final de cada exercício, quando o cooperado pode receber de volta parte dos valores que pagou, proporcionalmente a sua movimentação durante o ano na instituição. Confira, no Resultado Econômico Social do Sicoob Executivo demonstrado abaixo, que vantagem é ser cooperado. Tanto em juros, quanto em tarifas, a economia apresentada indica o valor que o cooperado teria pago ao realizar essas operações junto ao sistema bancário tradicional. No entanto, apesar das especulações, o Ministério do Planejamento decidiu rever o decreto federal que há décadas admitiu que essas entidades trabalhassem com consignação em folha de pagamento. Na segunda audiência com o Ministro Paulo Bernardes, realizada no dia 4 de março, os mesmos interlocutores foram a- gradecer-lhe pela edição do Decreto 6.386, de , que regulariza o processamento das consignações em folha de pagamento dos servidores da União. Fonte: Sicoob Coominagri Executivo Arquivo DF Cooperativo

12 12 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Transparência Sescoop/DF torna público seu orçamento para 2008 OConselho Administrativo do Sescoop/DF, em reunião realizada em 21 de março de 2008, aprovou a reformulação do orçamento da Entidade para 2008, que prevê recursos da ordem de R$ , 00. Tal reformulação foi também submetida ao Conselho do Sescoop Nacional, que, em reunião do dia 15 de abril de 2008, a aprovou sem ressalvas. Veja abaixo a síntese do documento com as ações que serão desenvolvidas ao longo deste exercício: Orçamento do do Serviço Serviço Nacional Nacional de Aprendizagem de Aprendizagem do Cooperativismo do do DF - DF Sescoop/DF - Sescoop/DF R$ (em mil) R$ (em mil) Orçamento do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do DF - Sescoop/DF 2008 R$ (em mil) Manutenção do funcionamento - CODEL (despesa com reuniões do Conselho Administrativo) Manutenção do Funcionamento COFINS (despesa com reuniões do Conselho Fiscal) Manutenção do Funcionamento PRESID (despesa com manutenção da Presidência) Manutenção do Funcionamento SUPER (despesa com manutenção da Superintendência) Manutenção do Funcionamento ADFIN (despesa com funcionários e materiais da área administrativa) Manutenção do Funcionamento CAPCOOP (despesa com funcionários e materiais da área finalística) Fomento à Constituição de Cooperativas (geral) Fomento à Organização de Grupos Produtivos (geral) Consultoria Gerencial da Cooperativa Maria Flor (Ramo Especial) Censo das Cooperativas do DF (geral) Aperfeiçoamento na Gestão de Cooperativas (geral) Sistema de Acompanhamento de Cooperativas (geral) Elaboração de Manual para Cooperado (Ramo Turismo e Lazer) Curso para Dirigentes de Cooperativas (geral) Curso de Análise e Concessão de Crédito (Ramo Crédito) Curso para Conselheiros Fiscais (geral) Curso de Análise e Indicadores Econômicos e Financeiros (Ramo Crédito) Curso: 7 hábitos das pessoas altamente eficazes (Ramo Crédito) Curso: Relacionamento Interpessoal (Ramo Crédito) Curso: Aperfeiçoamento Agropecuário (Ramo Agropecuário) Curso: Matemática financeira (Ramo Crédito) Planejamento Estratégico do Cooperativismo do DF (geral) Encontro de Secretárias de Cooperativas do DF (geral) Intercâmbio técnico do sistema crédito (Ramo Crédito) Workshop Contábil e Tributário de Cooperativas (geral) Curso: Melhorando o atendimento ao cliente (geral) Curso: Desenvolvimento de Equipe (geral) Curso: Relações Interpessoais (geral) Curso: Finanças Pessoais (geral) Curso: Como vender mais e melhor (geral) 3.360, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Curso: Redação Empresarial (Ramo Saúde) Curso: Treinamento em ITIL (Ramo Trabalho) Intercâmbio Técnico - MBA (Ramo Crédito) Curso: Introdução ao SISBR (Ramo Crédito) Curso: Introdução ao SISBACEN (Ramo Crédito) Curso: Módulo de captação remunerada (Ramo Crédito) Curso: Excel básico e intermediário (Ramo Crédito) Curso: Módulo de atendimento (Ramo Crédito) Curso: Calculadora HP12C (Ramo Crédito) Curso: Oratória para funcionários (Ramo Crédito) Curso: Direito Cooperativo (Ramo Crédito) Curso: Análise de Balanço de Cooperativas (Ramo Crédito) Seminário Jurídico Cooperativo (geral) Curso: Excel Avançado (Ramo Crédito) Curso: Prevenção a Fraudes no sistema crédito (Ramo Crédito) Curso: Módulo Retaguarda (Ramo Crédito) Curso: Open Office (Ramo Crédito) Curso: Contabilidade para não contadores (Ramo Crédito) Curso: Módulo Empréstimo Cooperativo (Ramo Crédito) Curso: Captação de projetos trilha mundos (Ramo Crédito) Curso: Contabilidade para Cooperativas (Ramo Crédito) Curso: Gestão do tempo (Ramo Crédito) VII Cooperjogos Jogos de Integração Cooperativista do DF (geral) Bolsa de Estudos para Cursos de Línguas (geral) Cooperjovem Ensino nas escolas (geral) Dia da Saúde no PA/DF (Ramo Agropecuário) Coopera Criança (Ramo Crédito) Festa do Pimentão da Cootaquara (Ramo Agropecuário) Torneio Esportivo Ascesa (Ramo Crédito) Gincana INTERCREDIS (Ramo Crédito) Gincana esportiva do PA/DF (Ramo Agropecuário) Projeto de Educação Ambiental e Coleta Seletiva de lixo (Ramo Produção) Oficina Recreativa do PA/DF (Ramo Agropecuário) Mutirão da Limpeza e combate à dengue no PA/DF (Ramo Agropecuário) Divulgação de ações do Cooperativismo do DF (geral) TOTAL GERAL 4.900, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 800, , , , , , , ,00 600, , ,00

13 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ Cooperativas de trabalho vêem luz no fim do túnel Foi apresentado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados o parecer sobre o Projeto de Lei 7009/2005. Está sendo acata-da na íntegra o substitutivo do Deputado Zimmermann, aprovado na Comissão do Trabalho, fruto de exaustivas negociações entre o Ministério do Trabalho, OCB, entidades da economia solidária e lideranças do ramo trabalho do cooperativismo. A expectativa é de uma tramitação, a partir de agora, sem maiores dificuldades. Portanto, a aprovação da Lei só depende da agenda do Congresso. Com esse Projeto de Lei, propõe-se uma solução para os conflitos de ordem trabalhista que hoje estão impedindo a consolidação do ramo trabalho do cooperativismo sobretudo nos mercados de serviços terceirizáveis. O salto qualitativo do Projeto de Lei 7009 teve por plataforma os Critérios para Identificação das Cooperativas de Trabalho, aprovados pela OCB em 2004, e pode ser sintetizado na tríplice garantia: acesso às cooperativas a todos os mercados abertos às empresas; dignidade e decência ao trabalho cooperativo; autogestão ao trabalhador cooperante. A dignidade e a decência ao trabalho são garantidas pelo reconhecimento legal de direitos irredutíveis para o trabalho cooperativo, quando exercido de modo não-eventual e mediante coordenação da cooperativa. Há então um custo do trabalho cooperado imposto por lei e que, portanto, não está submetido ao jogo da concorrência, pois o tomador dos serviços não poderá buscar em outra cooperativa um valor menor para a mão-deobra, quando esse valor é obtido com a perda de qualidade do trabalho para o trabalhador. A garantia de autogestão é obtida pela exigibilidade de decisões assembleares anuais acerca das relações de trabalho cooperativo, pela exigência de eleição de coordenadores pelas equipes de trabalho alocadas nas dependências dos tomadores de serviços e por uma aproximação do custo do trabalhado cooperativo ao do trabalho empregado. Quando esses custos se aproximam, perde sentido uma idéia equivocada de que o trabalho cooperativo se presta essencialmente para a oferta de mão-de-obra barata. Só se interessará em organizar cooperativa quem tiver interesse em autogestão.por fim, a garantia de acesso a mercados ocorre na medida em que se Guilherme Krueger consultor jurídico da OCB Arquivo OCDF supera a dicotomia emprego e autonomia. Vence-se o preconceito hoje vigente entre juízes e procuradores de que somente trabalhadores autônomos podem ser cooperados. A Lei positiva a idéia de um cooperado que não é um trabalhador empregado, tampouco autônomo. Ela impactará positivamente para as cooperativas a jurisprudência atual e as ações civis públicas propostas. Certa da aprovação do Projeto de Lei 7009, a OCB já constituiu um Grupo de Trabalho que está planejando as ações de monitoramento do sistema para que as cooperativas de trabalho possam cumprir rapidamente as novas exigências a serem instituídas com a Lei proposta.

14 14 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Solenidade Governador presenteia Emater-DF no 30º aniversário da Instituição Cerca de mil pessoas, entre funcionários, produtores, parceiros na área rural, representantes de empresas públicas e privadas e autoridades, estiveram na comemoração dos 30 anos da Emater-DF, que aconteceu no Thatersal da Granja do Torto, em 7 de abril de O evento foi marcado por muita emoção e homenagens aos que ajudaram a construir a Empresa. Entre os agraciados estavam expresidentes da instituição, jornalistas, a comunidade japonesa do DF, pela sua dedicação ao meio rural, todos os funcionários da Empresa, em especial os pioneiros. O governador José Roberto Arruda participou da abertura da solenidade do aniversário. Ele recebeu uma placa comemorativa e um livro contando a história dos 30 anos da Emater-DF, das mãos do presidente da casa, Carlos Magno Campos da Rocha (foto). Foto: arquivo Emater-DF Arruda anunciou sobre o decreto, assinado por ele, que permite a compra direta do leite produzido pelas famílias rurais sem licitação, que hoje beneficia a Cooperativa Agropecuária de São Sebastião Ltda - Copas. Reafirmou sua meta de asfaltar 40 km de rodoviárias rurais em cada ano de governo, no intuito de escoar melhor as produções dos núcleos rurais. Por último, o governador anunciou a devolução da Ceasa aos produtores, marcada para o próximo dia 29 de abril. "Agora quem vai cuidar do lugar não é mais o governo, será uma empresa sem fins lucrativos, criada pelos próprios produtores rurais. Não será mais cabide de emprego, e eles sabem o que é melhor para a feira", disse Arruda. Fonte: Emater-DF (com alterações) Transparência AGO aprova contas da OCDF Reunidos em Assembléia Geral Ordinária realizada em 10 de abril de 2008, representantes de cooperativas de Brasília aprovaram por unanimidade as contas do exercício de 2007 da OCDF. Também foram apresentados e aprovados as metas, o plano orçamentário para 2008 e o relatório de gestão do período. Arquivo OCDF O presidente da OCDF, Roberto Marazi, explanou sobre as dificuldades da Entidade em virtude do alto índice de inadimplência das cooperativas e discorreu sobre a forma pela qual o Conselho de Administração recomendou solucionar o problema. Destacou, ainda, a realização do planejamento estratégico para o cooperativismo do DF, assim como do censo cooperativista, previsto para ocorrer no segundo semestre de 2008, por meio do qual a OCDF terá condições de conhecer, de forma detalhada, a real situação do cooperativismo do DF. O último item da pauta tratou da eleição para duas vagas do Conselheiro Fiscal Suplente da entidade, preenchidas pelo diretor-administrativo da cooperativa de crédito Legiscred, Agostinho Rocha Ferreira, Vice-presidente da OCDF, José Marques Zago (E), e Roberto Marazi. e pelo presidente da cooperativa habitacional Coohaj, José Antônio D arrochela Lobo. Finda a reunião, Marazi aproveitou o ensejo para transmitir aos presentes informações sobre a viagem que líderes do cooperativismo brasileiro farão a Angola (ver pág. 6) e o esforço da OCDF para buscar recursos, através de emendas parlamentares, para fundar o Centro de Formação Profissional de Cooperativismo. Conforme Marazi, o Centro é um importante instrumento de auxílio às cooperativas no seu processo de autogestão.

15 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ Sescoop/DF tem Jovem liderança novo superintendente No começo de abril, David F. S. Cavalcante (foto) assumiu a Superintendência do Sescoop/DF, com a missão de dar continuidade aos programas e demais eventos da Entidade. David, 29 anos, é graduado em administração pela Universidade Federal de Viçosa e tem duas pós-graduações em cooperativismo. Há 4 anos no Sescoop/DF, entrou como consultor, foi contratado como técnico e hoje é um dos principais responsáveis pelo fomento ao cooperativismo do Distrito Federal. A Superintendência estava a cargo de Anderson do Carmo Gariglio, estimado líder do cooperativismo brasiliense, que a deixou para se dedicar ao serviço público. Formado em Administração, Gariglio, que entrou no Sescoop/DF como estagiário, prestou relevantes serviços ao Sistema Cooperativista por 8 anos, sendo 3 deles à frente da Gerência de Capacitação e 1 dedicado à Superintendência. Arquivo OCDF Arquivo OCDF Unimed Brasília Opresidente da OCDF e do Sescoop/ DF, Roberto Marazi, recebeu a honrosa visita do presidente da Unimed visita OCDF Brasília, Antônio Carlos Pires Miletto, acompanhado de sua Diretora-Socioeducativa, Maria Luiza Alves Penteado. Na ocasião, foram discutidas as ações de capacitação que o Sescoop/ DF promoverá na Unimed. O encontro serviu, também, para se conhecer o atual estágio de recuperação pelo qual passa a cooperativa, hoje retornando aos poucos à plena condição de auto-sustentabilidade. Planejamento estratégico 2008: dê a sua sugestão! O Sescoop/DF e a OCDF realizarão este ano o planejamento estratégico do cooperativismo do Distrito Federal, previsto para setembro de As Entidades colocam-se à disposição para receber quaisquer sugestões que as cooperativas queiram fazer. Contato:

16 16 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Agropecuária OCB mobiliza setor para audiência pública sobre dívida rural Cerca de 450 produtores rurais, a maioria líderes do setor produtivo, reuniram-se na Câmara dos Deputados, em 25 de abril, em Brasília (DF), onde participaram de audiência pública da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) sobre o endividamento rural. A mobilização foi uma iniciativa do setor agropecuário sob a liderança da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), e contou com o apoio de parlamentares e representantes das 27 unidades da Federação. A reunião debateu as ações para reduzir os custos de produção na agricultura e apresentou o anúncio das medidas governamentais para equacionamento das dívidas rurais, proferido pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, e pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Na ocasião, o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, defendeu uma política estruturante e definitiva para o setor agrícola brasileiro. "Não tem cabimento o Brasil ser dependente de fertilizante, importar 72% dos produtos utilizados. Não tem cabimento não termos estrada, portos, um seguro rural efetivo." Situação atual O Sistema OCB tem participado de todas as negociações e aguarda uma solução desde o ano passado. A proposta de Renegociação de Dívidas recentemente apresentada pelos ministérios da Fazenda e da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e Integração Nacional é facilitar a quitação das operações efetuadas na década de 80 e 90, e renegociadas, concedendo descontos para a liquidação antecipada, além de reduzir os encargos das operações inadimplentes, facilitando a recuperação da adimplência dos mutuários. No bojo dessas medidas, que variam por programa e tipo de cada grupo de dívidas, destacam-se a redução dos encargos de inadimplemento incidentes sobre o saldo devedor vencido; diluição do saldo devedor vencido nas parcelas vincendas; concessão de prazo adicional para pagamento de algumas dívidas; redução das taxas de juros das operações com encargos mais elevados; e concessão de desconto para liquidação das operações antigas com risco da União. O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, informou em abril deste ano que o texto da medida provisória (MP) sobre os termos da renegociação das dívidas dos pro- Setor rural conta com o sistema OCB para renegociar sua dìvida dutores agrícolas estava praticamente pronto e que a questão seria resolvida em breve. Segundo Stephanes, falta apenas ajustar alguns pontos da redação da proposta e trabalhar para que a MP chegue ao Congresso Nacional apoiada em um consenso político. "O projeto está pronto. Nós só gostaríamos que houvesse um consenso. Falo da parte política, para que a medida provisória não chegue lá e comece a fugir da estrutura que foi construída ao longo de dez meses", disse Stephanes. Jovem, participe do Prêmio Técnico Empreendedor 2008! Voltado a alunos de cursos técnicos e tecnológicos, o Prêmio Técnico Empreendedor deste ano vai premiar, com valores de até R$5mil, as melhores idéias em torno de temas ligados à inclusão social, ao cooperativismo e ao desenvolvimento socioeconômico local. O objetivo da iniciativa, que tem participação do Sescoop/DF e da OCDF, é despertar o espírito empreendedor dos jovens. As inscrições e entregas de projetos vão de 16 de abril a 27 de junho. Para mais informações, acesse o site Fonte: OCB (com informações da Agência Estado). Arquivo OCDF

17 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ Cooperados ganham Benefício novo Programa de Saúde O sistema cooperativista existe para que os associados a diversas cooperativas tenham a oportunidade de desenvolver empreendimentos que atendam plenamente suas necessidades. E para estender a mesma filosofia a todas as áreas da vida dos cooperados, o Sindicato e Organização das Cooperativas do Distrito Federal (OCDF) lança seu novo Programa de Saúde. Por meio do convênio firmado entre a OCDF e o Clube Aliança, será disponibilizada assistência médica e odontológica com alta qualidade de acordo com as necessidades e possibilidades de todos os cooperados do Distrito Federal. O Clube Aliança é uma empresa especializada na gestão de benefícios para cooperativas, associações, sindicatos e outras entidades de classe. A parceria vai oferecer planos de saúde e de odontologia desenvolvidos especialmente para a realidade dos cooperados ligados à OCDF. Os planos têm ampla rede credenciada em todo o Brasil e permitem a inclusão de dependentes legais e especiais. De acordo com o presidente da OCDF e do Sescoop/DF, Roberto Marazi, a assistência médica, hospitalar e odontológica de qualidade é uma necessidade de todos nós. As mais de 120 mil famílias que integram o cooperativismo de Brasília poderão dispor, agora, de assistência a preço acessível. E isso, graças ao convênio que a OCDF celebrou com o Clube Aliança. O Programa de Saúde, desenvolvido pela OCDF e o Clube Aliança, também oferece programas de medicina preventiva, acompanhamento de casos crônicos e monitoramento de grupos de risco. O Clube Aliança se preocupa sempre com qualidade de vida de todos os seus usuários, para que a prevenção de doenças, e não o tratamento, esteja sempre em primeiro lugar, ressalta o presidente do Clube Aliança, Elon Gomes de Almeida. Clube Aliança Reconhecida nacionalmente por sua excelência na contratação coletiva de seguros, previdência privada e planos de assistência médica e odontológica, o Clube Aliança tem como principal proposta oferecer benefícios desenvolvidos especialmente para cada tipo de organização empresas privadas, associações civis, conselhos, cooperativas, sindicatos e outras entidades de classe representativas da sociedade civil. Um dos diferenciais do Clube Aliança é trabalhar sempre com as melhores operadoras de planos de saúde e odontológicos do Brasil e oferecer ao beneficiário da entidade conveniada a possibilidade de fazer sua adesão sem prejuízo das carências já cumpridas no plano anterior. CLUBE ALIANÇA (61) Brasília Shopping Torre Norte Sala 418 OCDF (61) Av. W/4 - SEPS 712/912 - Bloco F

18 18 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Reconhecimento Márcio Lopes de Freitas é reeleito à presidência da OCB Vinte e sete presidentes de unidades estaduais e membros do Conselho de Administração da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) participaram em da Assembléia Geral Ordinária (AGO) da entidade, que aconteceu na Casa do Cooperativismo, em Brasília (DF). Depois da eleição do Conselho Diretor e da nova denominação do órgão deliberativo da instituição, os diretores, Presidentes de OCEs em AGO na OCB vice-presidentes e conselheiros decidiram pela permanência de Márcio Lopes de Freitas à frente da Presidência da entidade. Os conselhos de Ética e Fiscal, também eleitos na mesma Assembléia, junto com o Conselho Diretor, têm mandato até O diretorpresidente, por sua vez, foi indicado pelo Conselho Diretor e aprovado pelos participantes da Assembléia, conforme o novo modelo de governança da OCB. Na oportunidade, o presidente apresentou os relatórios e de Gestão, referente aos últimos quatro anos, e de Atividades 2008, bem como a prestação de contas relativas ao ano de 2007, devidamente aprovada pelo Conselho Fiscal. Antes da AGO, dirigentes de todas as unidades do Sistema OCB e colaboradores da Casa do Cooperativismo participaram de uma missa solene, que contou com a presença de familiares e amigos de Márcio Lopes de Freitas, ladeado por Ronaldo Scucatto, presidente do Sistema Ocemg/Sescoop-MG (E); e Luiz Roberto Baggio, representante do Ramo Agropecuário. Homenagem Ramon Belisário, numa homenagem póstuma ao superintendente Técnico do Sistema OCB. Veja abaixo a nova composição do Sistema OCB, eleita para a gestão 2008/2012: Fonte: OCB, com alterações Foto: arquivo OCB CONSELHO DIRETOR Presidente Márcio Lopes de Freitas Diretor Vice-Presidente Marcos Antônio Zordan Diretor Vice-Presidente Ronaldo Ernesto Scucato Diretor Vice-Presidente Onofre Cezário de Souza Filho Diretor Vice-Presidente Roberto Coelho da Silva Diretor Vice-Presidente Silvio Silvestre de Carvalho Diretor Conselheiro Vergílio Frederico Perius Diretor Conselheiro Esthério Sebastião Colnago Diretor Conselheiro Celso Ramos Régis Diretor Conselheiro Orlando Colavolpe Diretor Conselheiro Salatiel Rodrigues de Souza Suplente João Paulo Koslovski Suplente Wagner Guerra da Fonseca Suplente Antônio Chavaglia Suplente Suplente Membros Efetivos Membros Efetivos Membros Efetivos Membros Suplentes Membros Suplentes José Milton de Almeida Eliseu Cardoso Viana CONSELHO FISCAL Gecy Pungan Agostinho dos Santos José Merched Chaar Marco Aurélio Cabral José Pinto de Alencar Membros Suplentes Jorge Meneses CONSELHO DE ÉTICA Membros Efetivos Membros Efetivos Membros Efetivos Membros Suplentes Membros Suplentes Erivaldo de Jesus Araújo Jadir Giroto Valdir Bernardo Feller Américo Utumi Carlos Fabiano Braga Membros Suplentes Agamenon Leite Coutinho CONSELHO CONSULTIVO Agropecuário Consumo Crédito Educacional Especial Habitacional Infra-estrutura Mineral Produção Saúde Trabalho Turismo & Lazer Transporte Luiz Roberto Baggio Marcio Valle Denise Damian Marcos Henrique dos Santos Leão Serrano Manoel Messias Valdir Pimenta Lélio Luzardi Falcão Márcia Maria Oliveira José Abel Ximenes Geraldo Magela Remy Gorga Neto José Acácio Carneiro

19 Rápidas - Nota de pesar - Falecimento de Ramon Belisário DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Março e abril/ Fonte: OCB, com alterações Foto: arquivo OCB É com profundo pesar que a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) comunicam o falecimento de seu superintendente Técnico, Ramon Gamoeda Belisário, 46 anos, na manhã de 5 de abril, em Brasília (DF). Deixa esposa, Maria Aparecida Zampietro Belisário, e os filhos, Fernanda Zampietro Belisário e Mateus Zampietro Belisário. Mineiro de Belo Horizonte (MG) e engenheiro agrônomo por formação pela Universidade Federal de Viçosa (MG), Ramon Belisário foi grande defensor da doutrina cooperativista desde 1995 por acreditar que pelo cooperativismo é possível chegar a uma sociedade mais justa e igualitária, com convivência pacífica das diferenças. A OCDF e o Sescoop/DF, assim como as demais unidades de representação e fomento do cooperativismo, prestam condolências aos familiares e amigos desse ilustre personagem, que nos deixa um belo exemplo de dedicação à causa cooperativista. Sescoop/DF no Conselho de Administração do Sescoop Nacional Em reunião realizada no dia 12 de março de 2008, o presidente do Sescoop/DF e da OCDF, Roberto Marazi, foi indicado, pela Região Centro-Oeste, para compor o Conselho de Administração do Sescoop Nacional. Coolabora oferece tratamento odontológico a seus cooperados O desenvolvimento da odontologia permitiu que o implante dental se tornasse um tratamento rápido, eficaz e indolor. Mais do que melhorar a estética, o implante possibilita a reabilitação funcional (mastigação). A Cooperativa de Trabalho e de Cultura Empresarial Coolabora, no uso de sua função social, tendo em vista os benefícios que seus cooperados teriam com esse tipo de tratamento, celebrou convênio com a Clinic, empresa especializada em odontologia. Segundo o odontólogo Vinícius Nicolato, da Clinic, a vantagem do convênio é que os cooperados terão direito a um tratamento a preço acessível. A clínica se coloca à disposição de outras cooperativas que queiram firmar parceria. Mais informações: (061) , wwww.clinicodonto.com.br Ensino sobre cooperativismo pode virar lei Projeto de Lei nº 588/07, do deputado distrital Batista das Cooperativas, pretende tornar obrigatório o assunto cooperativismo e associativismo nos currículos de ensino fundamental e médio. O objetivo é assegurar a aquisição dos valores, atitudes e conhecimento sobre o tema, com vistas à formação de um cidadão ético, empreendedor e socialmente responsável. O projeto nasce do próprio estímulo que a Constituição brasileira, em seu artigo 174, dá à atividade econômica exercida sob a forma de cooperativa e associação. Toma posse nova diretoria da Credsaúde Em Assembléia Geral Ordinária realizada em 8 de fevereiro, foi empossada a nova diretoria da Credsaúde (quadriênio ). O objetivo da diretoria eleita é dar continuidade à política séria e austera implantada por Adonias Filho, expresidente da Cooperativa. Depois da AGO, um coquetel foi organizado para confraternizar os cooperados. Nos próximos 4 anos, a Credsaúde será liderada pelos seguintes dirigentes: Arquivo OCDF Benedito Faustino da Silva Presidente Anderson de Almeida Rodrigues Diretor-administrativo Antônio Agamenon Torres Viana Diretor-financeiro Elias Lopes da Silva Diretor-social Laura Batista da Cunha Conselho de Administração Vilmar Alves Correa Conselho de Administração Marilene Ferreira Mota Conselho de Administração Marcos Rogério Ferreira Conselho de Administração Levi Gomes Conselho de Administração Benedito Faustino da Silva (E), eleito novo presidente da Credsaúde.

20 20 Março e abril/2008 DF COOPERATIVO O jornal das cooperativas do Distrito Federal Agenda O novo cooperativismo que emerge no Brasil Ser A vitrine da excelência cooperativa, identificar e divulgar projetos de sucesso desenvolvidos no Sistema Cooperativista Brasileiro. Estes são os objetivos do Prêmio Cooperativa do Ano A mais importante premiação do setor é uma iniciativa da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e da revista Globo Rural. Em sua quinta edição, o Prêmio tem como desafio envolver o maior número de iniciativas bem-sucedidas promovidas por cooperativas dos ramos Agropecuário, Consumo, Crédito, Infra-estrutura, Saúde e Transporte de todo o País. Os projetos devem ter ligação com o setor rural ou com comunidades que tenham interação com essa área econômica. A idéia é destacar projetos interessantes desenvolvidos pelas cooperativas e fazer destes exemplos para o todo o Sistema. Nossa intenção é reconhecer iniciativas que tragam resultados para cooperados, empregados e comunidades nas quais estão inseridas essas cooperativas. É o momento de valorizar, incentivar e ser vitrine da excelência cooperativa, diz o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas. O Prêmio Cooperativa do Ano 2008 está organizado em duas categorias principais Atuação no Agronegócio e Ramos do Cooperativismo, e estas divididas em categorias específicas. Em Atuação no Agronegócio estão Educação cooperativista, Gestão profissional, Inovação tecnológica, Intercooperação, Marketing, Meio ambiente, Qualidade e produtividade e Responsabilidade social. Já em Educação cooperativista estão - Consumo, Crédito, Saúde, Transporte e Infra-estrutura. As inscrições são gratuitas e estão abertas a todas as cooperativas, singulares e/ou centrais, sediadas no Brasil e filiadas ao Sistema OCB. A ficha de inscrição está disponível no Portal Brasil Cooperativo assim como outras informações sobre a premiação. Fonte: OCB Vem aí o VIII Cooperjogos Arquivo OCDF O Sistema Cooperativista do DF realiza, há 7 anos, por ocasião do Dia Internacional do Cooperativismo, o Cooperjogos Jogos de Integração Cooperativista. A 8ª edição do evento, ainda em fase de planejamento, prevista para ocorrer em julho, envolverá várias modalidades esportivas e contará com a presença de aproximadamente 450 atletas, oriundos de entidades de representação e de ramos do cooperativismo do DF. A programação do evento será encaminhada em breve às cooperativas. Além dos jogos, há previsão de jantar dançante e eleição de miss e mister cooperativistas. Todos estão convidados para participar da festa! Sendo assim, caro leitor, transmita esta informação aos cooperados e funcionários da sua cooperativa e organize a sua participação! Para sugestões e mais informações, entre em contato pelo

Maio 2015 CURSOS, PALESTRAS E EVENTOS PARTICIPANTES ATENDIMENTOS POR RAMOS COOPERATIVAS ATENDIDAS

Maio 2015 CURSOS, PALESTRAS E EVENTOS PARTICIPANTES ATENDIMENTOS POR RAMOS COOPERATIVAS ATENDIDAS Maio 2015 CURSOS, PALESTRAS E EVENTOS 23 PARTICIPANTES 450 ATENDIMENTOS POR RAMOS 10 5 1 35 1 1 14 3 1 9 6 COOPERATIVAS ATENDIDAS 81 Curso Excelência no Atendimento ao Cliente 30 de MAIO O setor de Formação

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2 O voluntariado propicia diversos ganhos para todas as partes envolvidas. GABPRES/ DEAPE A experiência do voluntariado

Leia mais

4. Intensificar as visitas e reuniões com os colegas das unidades descentralizadas, nas capitais e no interior.

4. Intensificar as visitas e reuniões com os colegas das unidades descentralizadas, nas capitais e no interior. APRESENTAÇÃO A chapa Experiência e trabalho: a luta continua" tem como marca principal a soma. Policiais e dirigentes sindicais experientes juntam esforços com os colegas mais novos, para trabalhar por

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DO DIA C

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DO DIA C ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DO DIA C Este roteiro visa a identificar os integrantes, ações e resultados gerados pelos projetos do Dia de Cooperar - Dia C desenvolvidos pelas cooperativas

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Reunião na Federação das Unimeds do Rio apresenta ações para o ramo

Reunião na Federação das Unimeds do Rio apresenta ações para o ramo Reunião na Federação das Unimeds do Rio apresenta ações para o ramo 27 de FEVEREIRO A Federação das Unimeds do Estado do Rio de Janeiro promoveu, em sua sede, reunião do Conselho Federativo. O presidente

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE CARTILHA DO VOLUNTÁRIO

Leia mais

Informativo www.unicred.com.br

Informativo www.unicred.com.br Informativo www.unicred.com.br ano 5 nº 40 2011 Editorial Unicred do Brasil Definido o tema da IX Convenção Nacional Unicred A Comissão Organizadora da Convenção Nacional Unicred, que se realizará na cidade

Leia mais

Cooperativismo > História História do Cooperativismo

Cooperativismo > História História do Cooperativismo Cooperativismo > História História do Cooperativismo A origem do que hoje chamamos cooperativa tem data marcada: 21 de dezembro de 1844. Nesse dia, 27 tecelões e uma tecelã do bairro de Rochdale, em Manchester,

Leia mais

História e evolução do cooperativismo Brasileiro Os sete princípios A importância do cooperativismo para a economia social brasileira

História e evolução do cooperativismo Brasileiro Os sete princípios A importância do cooperativismo para a economia social brasileira História e evolução do cooperativismo Brasileiro Os sete princípios A importância do cooperativismo para a economia social brasileira Recife PE Junho de 2006 Breve história do cooperativismo 1844 1899

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: OCB/SESCOOP-TO Data de realização do seminário: 23/04/2010 Local: Sede da OCB/SESCOOP-TO Palmas-TO Número de participantes:

Leia mais

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: 1995-1998 DF GOVERNADOR: Cristovam

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Apresentação Institucional Sistema Cooperativista

Apresentação Institucional Sistema Cooperativista Apresentação Institucional Sistema Cooperativista 2011 História do Cooperativismo 1844 1899 Déc. 50 Déc. 60 1969 Surge o cooperativismo moderno Inglaterra... Primeira cooperativa brasileira Ouro Preto/MG...

Leia mais

BOLETIM ANO III Nº 141. Rio de Janeiro, 03 de outubro de 2013 DIRIGENTES SINDICAIS PRESENTES A POSSE DO NOVO PRESIDENTE DA UMPL

BOLETIM ANO III Nº 141. Rio de Janeiro, 03 de outubro de 2013 DIRIGENTES SINDICAIS PRESENTES A POSSE DO NOVO PRESIDENTE DA UMPL BOLETIM ANO III Nº 141 Rio de Janeiro, 03 de outubro de 2013 DIRIGENTES SINDICAIS PRESENTES A POSSE DO NOVO PRESIDENTE DA UMPL Eleito e empossado ontem, dia 30/9, o sr. Éric Thiry, advogado, de nacionalidade

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014.

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SALTO VELOSO IPRESVEL RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014 Salto Veloso, SC O IPRESVEL O Instituto de Previdência Social dos Servidores

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: Federação e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Rio de Janeiro OCB/RJ Data de realização do seminário:

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Cooperativismo será tema de fórum em Brasília

Cooperativismo será tema de fórum em Brasília DF Ano 4, Edição 10, abril/maio/junho de 2010 C o o p e r at i v o O Jornal das cooperativas do Distrito Federal OCDF Organização das Cooperativas do Distrito Federal SESCOOP/DF Cooperativismo será tema

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991

LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991 LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991 Publicada no DOE(Pa) de 25.10.91. Alterada pelas Leis 6.007/96, 6.375/01, 6.619/04, 6.719/05, 7.242/09. Regulamentos: Decretos 2.037/97, 5.011/01, 1.565/09. Disposições

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais - Ocemg Data de realização do seminário: 17 de

Leia mais

PROJETO DE LEI. Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC.

PROJETO DE LEI. Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC. PROJETO DE LEI Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica a União autorizada a criar empresa

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Educação Financeira PASSATEMPOS. O Paraná Banco traz o assunto de forma divertida para você BOM PRA CABEÇA. Diretox Dominox caça-palavra

Educação Financeira PASSATEMPOS. O Paraná Banco traz o assunto de forma divertida para você BOM PRA CABEÇA. Diretox Dominox caça-palavra Educação Financeira O Paraná Banco traz o assunto de forma divertida para você BOM PRA CABEÇA PASSATEMPOS Diretox Dominox caça-palavra 2 O Paraná Banco propõe um desafio consciente a você! O Paraná Banco,

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

Foram reapresentados pelo consultor os objetivos aprovados na reunião de 15 de março em São Paulo para o biênio 2013/2014;

Foram reapresentados pelo consultor os objetivos aprovados na reunião de 15 de março em São Paulo para o biênio 2013/2014; Na reunião do conselho administrativo realizada em 17 de maio de 2013 na cidade de Natal Rio Grande do Norte compareceram os representantes do DF, RS, PB,AL,PI,RN,PE que discorreram acerca dos seguinte

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

CONSELHEIROS EFETIVOS (2016-218)

CONSELHEIROS EFETIVOS (2016-218) Chapa: TRABALHANDO SEMPRE CONSELHEIROS EFETIVOS (2016-218) ANA CLÁUDIA ARRUDA LAPROVÍTERA SEBRAE É doutora em Desenvolvimento Urbano MDU/UFPE e mestre em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais-

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA

COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA A UNIÃO NACIONAL DE COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA (Unicafes), inscrita no CNPJ sob o n. 07.738.836/0001-37

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen

Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen desenvolvimento reg para nossa região. Credicampo Credicampo o Sicoob Credicampo é comprometido com o desenvolvimento dos seus associados. O Sicoob

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES PCTI 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES PCTI 2014 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO PROGRAMA DE COMBATE AO TRABALHO INFANTIL (PCTI) GESTÃO REGIONAL RELATÓRIO DE ATIVIDADES PCTI 2014 www.trt7.jus.br/trabalhoinfantil SEMANA CEARENSE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

Ver artigo sobre as Especializações em Contabilidade e as Considerações sobre a Especialização em Contabilidade. Ver ainda a Resolução CFC 560.

Ver artigo sobre as Especializações em Contabilidade e as Considerações sobre a Especialização em Contabilidade. Ver ainda a Resolução CFC 560. - IMPRESSÃO DE PÁGINA - http://www.cosif.com... Page 1 of 6 Cosif Eletrônico - http://www.cosif.com.br/ Documento impresso a partir de http://www.cosif.com.br/mostra.asp?arquivo=especializ2, em 12:34:42

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Nova Friburgo RJ Vencedores do 4º

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

12 MESES DE MUITO TRABALHO E REALIZAÇÕES

12 MESES DE MUITO TRABALHO E REALIZAÇÕES PALAVRA DO PRESIDENTE 12 MESES DE MUITO TRABALHO E REALIZAÇÕES RETROSPECTIVA Apesar de ter sido um ano adverso para a economia brasileira, foi estimulante para o nosso trabalho. Mais uma vez, o cooperativismo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Janeiro / 2014. Organização das Cooperativas Brasileiras. www.brasilcooperativo.coop.br

Janeiro / 2014. Organização das Cooperativas Brasileiras. www.brasilcooperativo.coop.br Janeiro / 2014 Organização das Cooperativas Brasileiras www.brasilcooperativo.coop.br Números em destaque 900 mil 34 77 É o número de associados ligados a cooperativas do ramo Infraestrutura que serão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

SESCOOP/SP SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCESSO SELETIVO FORMAÇÃO CADASTRO RESERVA - EDITAL Nº 02/2011

SESCOOP/SP SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCESSO SELETIVO FORMAÇÃO CADASTRO RESERVA - EDITAL Nº 02/2011 IMPORTANTE: Chegar com antecedência de 30 minutos ao seu horário, pois não será permitida entrada com atraso, independente do motivo. Apresentar documento oficial original (RG, Carteira Habilitação, Carteira

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

2 Apresentação No dia 24 de dezembro de 2008 foi sancionada, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Lei nº 11.888, que assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para

Leia mais

Houve o consenso que será realizado um novo encontro com a participação de um maior número de lideranças de todas as regiões de Goiás, o que dará a

Houve o consenso que será realizado um novo encontro com a participação de um maior número de lideranças de todas as regiões de Goiás, o que dará a APRESENTAÇÃO Na cidade de Neirópoilis GO foi realizada pelo IDESTUR Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural 1ª. Oficina de Planejamento Estratégico proposta pela diretoria da Associação Goiana de

Leia mais

Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05

Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05 Histórico das ações sobre Carga Horária de psicólogos no município do Rio de Janeiro pelo Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro - CRP/05 Dezembro/2003 - A discussão sobre carga horária para

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

Criação de cooperativa de infraestrutura popular é tema de reunião. 30 de NOVEMBRO. Encontro de Secretárias Atendimento Humanizado ao Cliente

Criação de cooperativa de infraestrutura popular é tema de reunião. 30 de NOVEMBRO. Encontro de Secretárias Atendimento Humanizado ao Cliente Criação de cooperativa de infraestrutura popular é tema de reunião 30 de NOVEMBRO O Sistema OCB/RJ recebeu, na sua sede, a visita do belga Paul Dhuyvetter e do francês Augustin Butrulle. Eles têm interesse

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Regulamento para utilização do FATES

Regulamento para utilização do FATES Regulamento para utilização do FATES 1 / 6 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. FINALIDADE... 3 3. DA FORMAÇÃO... 3 4. DA ALOCAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS... 3 4.1- DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA... 3 4.2- DA ASSISTÊNCIA

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) *C0051538A* C0051538A *C0056280A* C0056280A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) Dá ao Plenário 16 do Anexo II da Câmara dos Deputados a denominação "Zezéu

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.811, DE 21 DE JUNHO DE 2006. Dispõe sobre a composição, estruturação, competência e funcionamento do Conselho Nacional

Leia mais

PLANO PARANÁ COOPERATIVO 2020

PLANO PARANÁ COOPERATIVO 2020 PLANO PARANÁ COOPERATIVO 2020 AÇÕES PROPOSTAS PELO SISTEMA OCEPAR PARA 2015 Pauta das Reuniões dos Núcleos Cooperativos da OCEPAR, realizadas em novembro de 2014. PRINCIPAIS DESAFIOS AO SISTEMA OCEPAR

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Ensino a distância ÍNDICE I) O QUE É PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? II) SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR III) MARCOS REGULATÓRIOS IV) PLANOS DE BENEFÍCIOS V) ENTIDADES

Leia mais

REALIZAÇÃO Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado de Goiás Coordenação de Educação Corporativa do Setor Público

REALIZAÇÃO Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado de Goiás Coordenação de Educação Corporativa do Setor Público REALIZAÇÃO do Estado de Goiás PARCERIA Órgãos da Administração Pública Estadual PROMOÇÃO FUNCAPE - Fundo de Capacitação e Profissionalização do Estado de Goiás ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO Renatta Aires Almeida

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC

6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC 6 6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC Promoção Apoio Apresentação Com a criação do Dia Municipal do Empreendedor, e também encaminhado no âmbito estadual e nacional, a ACIB Jovem consolida um esforço

Leia mais

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR Capítulo I Da definição Artigo 1º - O Conceito Empresa Júnior é a definição utilizada para determinar as organizações que se caracterizam ou não como Empresa Júnior.

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ASSOCIADOS, CLIENTES E COMUNIDADE: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X) LEI Nº 1.332, DE 19 DE MAIO 2009 (D.O.M. 19.05.2009 N. 2207 Ano X) ALTERA os dispositivos da Lei Municipal nº 199, de 24 de junho de 1993, que criou o Fundo Municipal de Fomento à Micro e Pequena Empresa

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Licenciamento ambiental Reunião no Ministério Público esclarece dúvidas e garante a volta da normalidade

Licenciamento ambiental Reunião no Ministério Público esclarece dúvidas e garante a volta da normalidade www.aciaanapolis.com.br De 28 de Maio a 04 de Junho 2015 - Ano 10 - - Diretoria 2015/2017 Licenciamento ambiental Reunião no Ministério Público esclarece dúvidas e garante a volta da normalidade Presidente

Leia mais

CENTRAL EM NOTÍCIAS. Assembleias 2013: a voz do cooperativismo

CENTRAL EM NOTÍCIAS. Assembleias 2013: a voz do cooperativismo CENTRAL EM NOTÍCIAS Fevereiro/Março de 2013 Assembleias 2013: a voz do cooperativismo A participação em uma assembleia é o ponto alto na vivência do cooperativismo, momento em que podemos influir nos rumos

Leia mais

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna CAPITULO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS I Apresentação Ainda que não precisem gerar lucro, as organizações do terceiro setor demandam, cada vez mais, uma gestão profissionalizada, que lhes permita avaliar adequadamente

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006 Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Comunicação de Progresso - 2006 Quem somos: Número de funcionários: 781 Número de empresas listadas: 391 Volume financeiro diário: R$ 2,4 bilhões Market Cap: R$

Leia mais