Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes."

Transcrição

1 Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de Perguntas frequentes Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Qual é a meta do Desafio 100 Cidades Resilientes? O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estão preparadas para construir resiliência frente aos desafios socioeconomico e psicológico enfrentados pelas cidades em um mundo cada vez mais urbanizado. É difícil prever o próximo desastre ou catástrofe mas é possível adaptar aos choques e tensões de nosso mundo e transformá-los em oportunidades de crescimento. Ao inscrever sua cidade no Desafio 100 Cidades Resilientes, ela pode ser uma das 100 cidades escolhidas para receber apoio para contratar um Executivo de Resiliência da Cidade (CRO), apoio no desenvolvimento da estratégia de resiliência para a cidade; ter acesso à plataforma com ferramentas inovadoras desenvolvidas pelos setores público e privado que ajudarão no desenho e implementação da estratégia definida; ser convidada a participar, na qualidade de membro, da Rede de 100 Cidades Resilientes. Por que as 100 Cidades Resilientes Iniciativa Pioneira da Fundação Rockefeller começou este desafio? A organização 100 Cidades Resilientes aprendeu que, independente das condições da cidade, sistemas resilientes têm algumas características comuns. A iniciativa 100 Cidades Resilientes lançou este desafio para facilitar a troca de experiências e construir uma prática global de resiliência entre os governos, ONGs, setor privado e cidadãos. Qual é a relação entre as 100 Cidades Resilientes e a Fundação Rockefeller? A iniciativa100 Cidades Resilientes conta com apoio financeiro da Fundação Rockefeller e é administrada como um projeto apoiado pela Assessoria de Filantropia da Rockefeller (RPA), uma organização independente e sem fins de lucro 501(c)(3) que oferece infraestrutura operacional e apoio na governança dos projetos patrocinados. A Fundação também oferece conhecimento, orientação, experiência de especialistas e contatos do mundo inteiro para as 100 Cidades Resilientes. Qual é o prazo para enviar a inscrição? O prazo final de envio da inscrição é dia 24 de novembro de 2015, às 23:59:59 horário GMT (por favor, verificar o horário correspondente na sua região). Nenhuma inscrição será aceita depois do dia 24 de novembro de 2015, às 23:59:59 horário GMT. 100 Resilient Cities is financially supported by The Rockefeller Foundation and managed as a sponsored project by Rockefeller Philanthropy Advisors (RPA), an independent 501(c)(3) nonprofit organization that provides governance and operational infrastructure to its sponsored projects. 1

2 Por que eu devo participar do desafio? Os finalistas do Desafio 100 Cidades Resilientes 2015 poderão receber: Apoio financeiro na forma de contratação do Executivo de Resiliência da Cidade (CRO); Apoio técnico para desenvolver uma estratégia completa de resiliência que considere necessidades distintas da cidade; Acesso a uma plataforma inovadora de serviços para apoiar no desenvolvimento e implementação da estratégia. A plataforma conta com parceiros dos setores público, privado e social e vai oferecer ferramentas inovadoras em finanças, tecnologia, infraestrutura, uso da terra, resiliência social e comunitária; Adesão, na qualidade de membro, à rede 100 Cidades Resilientes para compartilhar conhecimento e experiência com as demais cidades membro. Qual é a função do CRO? O Executivo de Resiliência da Cidade (CRO) é um assessor senior do prefeito da cidade ou, em alguns casos, executivo que tenha atribuições equivalentes ao prefeito. Sua tarefa é dialogar com representantes das várias áreas de governo e setores da sociedade, fazer melhor uso de todas ferramentas disponíveis, trabalhar em conjunto com especialistas de construção da resiliência para desenvolver uma estratégia de resiliência. Já possuimos um plano de resposta à emergência. Como o trabalho do CRo será incoporado no plano existente? Um dos primeiros passos do CRO será catalogar os planos existentes - a meta é melhorar o plano de resiliência da cidade com base no bom trabalho que as cidades têm feito e não recriar um trabalho. O CRO irá trabalhar para entender melhor os choques e tensões que a cidade enfrenta ao mesmo tempo em que avalia sua capacidade de resposta às situações adversas. Isso inclui aprender sobre estratégias de resiliência existentes e incorporá-las em uma única estratégia, e preencher as lacunas, caso estas existam. Qual é a quantia em dinheiro que a Fundação Rockefeller está oferecendo para nossa cidade? U$1,000,000 (Hum milhão de dólares Americanos)? Através da iniciativa 100 Cidades Resilientes, as cidades farão parte da Rede 100 Cidades Resilientes; receberão apoio para contratar um Executivo de Resiliência da Cidade, apoio na criação de um plano de resiliência, e ferramentas e recursos para a implementação do plano que ajudará a alavancar recursos financeiros adicionais por meio de financiamento inovador. Não há uma quantidade em dinheiro que cada cidade irá receber pois o custo dos benefícios - como o CRO - irá variar de cidade para cidade. Portanto, é importante ressaltar que as cidades não receberão um cheque no valor de US$ 1 milhão. Mas, obviamente, a vantagem de ser uma das 100 cidades membros de um esforço de US$ 100 milhões será significativo. A minha cidade pode se inscrever? Quem pode se inscrever? São elegíveis prefeituras e grandes instituições (ex. organização sem fins de lucro, universidade, câmara de comércio, ou centro de pesquisa) que tenham afiliação com a prefeitura e que atendam aos requerimentos específicos. Minha cidade tem uma população de habitantes. Ainda posso me inscrever? Sim. Se sua cidade é definida como municipalidade e possui uma população de mais de habitantes governada por um prefeito ou representante executivo com atribuições equivalentes ao prefeito para governar essa população, então, poderá se inscrever no Desafio. 2

3 Somente prefeituras podem se inscrever? Não. Grandes instituições (ex: autarquia, organização sem fins de lucro, câmaras de comércio ou centro de pesquisa) que tenham vínculo com prefeituras locais poderão se inscrever desde que atendam aos seguintes requisitos: (1) na carta de apoio, o prefeito, ou representante máximo da cidade, deverá explicitar seu consentimento e aprovação para o conteúdo da inscrição, ou seja, ele deverá estar de acordo com as respostas da ficha de inscrição, e (2) a inscrição deve incluir, no mínimo, 1 (um) contato com endereço de válido. Organizações afiliadas também poderão se inscrever em nome da municipalidade quando esta não puder fazer a representação por alguma questão legal. Como faço a inscrição? How do I submit my application? Submit an entry form with all required fields completed through the challenge website at 100resilientcities.org/challenge or by to or one of the listed Outreach Associates: Arabic: Chinese: English: French: Portuguese: Russian: Spanish: Como envio minha inscrição? Envie sua ficha de inscrição com respostas completas direto na página do site 100resilientcities.org/challenge ou por para ou para o contato responsável listado abaixo, de acordo com cada idioma: árabe: mandarim: inglês: francês: português: russo: espanhol: Posso editar ou mudar minha ficha de inscrição depois de enviar? Você não poderá editar ou mudar sua ficha de inscrição depois de enviada, ou seja, ao clicar no botão enviar do site ou depois de enviar a ficha por para um dos responsáveis acima mencionados. Posso enviar mais de uma ficha de inscrição? Não, cada cidade poderá enviar apenas 1 (uma) ficha de inscrição. Caso eu tenha enviado a inscrição da minha cidade no desafio de 2014, eu posso reenviar minha ficha de 2014? Os participantes que se inscreveram online no Desafio de 2014 terão a oopção de revisar e reenviar suas inscrições de Porém, deverão enviar uma nova carta de apoio do prefeito da cidade, ou seja, uma nova versão escrita e datada em Quem são os responsáveis por cada região? Contamos com uma equipe de Community Managers ou responsáveis pelas regiões que estão localizados em diversas partes do mundo e que poderão 3

4 ajudá-lo no processo de inscrição da sua cidade. Entre em contato com eles caso tenha dúvidas sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. E se não for possível enviar a inscrição online? Caso não consiga realizar sua inscrição online na página do Desafio, baixe a ficha de inscrição em PDF em um dos sete idiomas disponíveis na página do Desafio 100resilientcities.org/challenge. Depois do recebimento da ficha completa o contato responsável irá incluir sua inscrição no site, em seu nome, e você receberá um de confirmação. As inscrições preenchidas em outros idiomas, não inglês, serão aceitas? Sim, as inscrições deverão ser preenchidas em um dos seguintes idiomas: árabe, mandarim, russo, português, inglês, francês ou espanhol. Você pode se inscrever de duas formas: diretamente no site ou enviar a ficha de inscrição por para o responsável da sua região. O responsável pela sua região vai fazer a tradução da sua inscrição para o inglês e vai incluí-la no site. O Desafio 100 Cidades Resilientes terá várias rodadas neste ano? Não, o Desafio 100 Cidades Resilientes terá uma única rodada neste ano. Todas fichas preenchidas deverão ser enviadas até dia 24 de novembro de Mais informações sobre os critérios do desafio. Quais são os critérios de seleção do Desafio? Leia mais sobre critérios de avaliação na ficha de inscrição. Quem decide quem são os vencedores? Membros da organização 100 Cidades Resilientes e um painel de jurados especialistas. O que o jurado está buscando? Para mais informações, leia nosso post no blog relacionado ao tema 100resilientcities.org Quem terá acesso ao meu plano de ação quando esta for submetida? Membros da organização 100 Cidades Resilientes e um painel de jurados especialistas. Quem eu devo contatar caso eu tenha problemas com o website? Entre em contato com um dos responsáveis listados anteriormente ou pelo Enviei minha ficha de inscrição, e agora? Você receberá um de confirmação. Caso você não receba o de confirmação, entre em contato pelo A equipe do Desafio 100 Cidades Resilientes enviará informações sobre o processo de seleção até abril de Mais informações sobre resiliência urbana. O que é resiliência urbana? A iniciativa 100 Cidades Resilientes possui uma visão ampla e única sobre a definição de resiliência urbana: a capacidade dos indivíduos, comunidades, instituições, negócios e sistemas de uma cidade de sobreviver, adaptar e crescer em situações adversas (tensões e choques crônicos). Choques são normalmente considerados desastres de um único evento tais como incêndios, terremotos e inundações. Tensões são fatores que pressionam a cidade no dia-a-dia ou de maneira recorrente tais como escassez crônica de água e alimento, sistema de transporte sobrecarregado ou alta taxa de desemprego. 4

5 Como você define as áreas prioritárias na questão 9? Por favor, consulte as seguintes definições para responder à pergunta 9 da ficha de inscrição do Desafio. Vulnerabilidade humana mínima: Amplitude de atendimento das necessidades básicas que as pessoas recebem antes, durante e depois de um choque ou tensão crônica. Pessoas que tenham acesso básico a alimento, água, saneamento, energia e abrigo são capazes de lidar melhor com situações inesperadas. Formas diversificadas de sustento e emprego: Treinamentos, apoio a negócios e apoio ao bem-estar social permite aos cidadãos suportar melhor as tendências macroeconômicas. O acesso ao financiamento e poupança permite aos cidadãos a capacidade de sobrevivência e crescimento durante o enfrentamento de choques e tensões. Proteção adequada à vida e saúde: Ter acesso geral às instalações e serviços que podem atender uma grande variedade de necessidades, incluindo educação pública, saneamento e serviços tradicionais de saúde. Capacidade de oferecer serviços robustos de resposta a emergências. Coletiva e apoio mútuo: Engajamento ativo do governo com as comunidades e vice-versa; e como as comunidades que estão integradas interna, física e socialmente com outras comunidades. Isso permite que as populações possam enfrentar eventos adversos em conjunto, sem conflitos civis e violência. Estabilidade social e segurança: Aplicação eficaz de lei que tenha relação positiva e aberta com os cidadãos, apoiados por um sistema de justice transparente, justo e eficaz. A aplicação de lei deve incluir a prevenção e redução de crime, a educação da comunidade e esforços para reduzir a corrupção. Disponibilidade de recursos financeiros e fundos de contingência: Reflete uma boa gestão financeira, receita diversificada ao governo, capacidade de atrair investimento das empresas, fundos de capital e emergência devidamente alocados. Inclui a capacidade de crescimento do setor privado apesar dos choques e tensões. Exposição física e vulnerabilidade reduzidos: Gestão eficaz dos ecossistemas que oferecem proteção natural para a cidade; infraestrutura de proteção adequada que potencializa, sempre que possível, as proteções naturais, a partir de planejamento do uso da terra e aplicação de regulamento de planejamento para redução dos riscos. Continuidade dos serviços críticos: Caracterizado pela gestão e manutenção de infraestruturas essenciais (naturais e artificiais) que protegem e/ou proveem serviços aos cidadãos. Isso aumenta a sobrevivência dessa infraestrutura mitigando choques e tensões, além de assegurar que os planos estão em vigor caso ocorram falhas. Comunicação e mobilidade sólidos: Reflete um sistema diverso e acessível nas áreas de transporte multimodal e tecnologias de informação e comunicação de redes (TIC), e planos de contingência. Isso facilita rápida evacuação e comunicação em massa em caso de emergência, e assegura que as cidades estejam bem integradas e conectadas. Permite que as populações, principalmente em situação de pobreza e vulnerabilidade, tenham acesso a empregos. Liderança e gestão eficaz: Ter um governo, comunidade empresarial e sociedade civil dirigidas por pessoas de confiança que tomam decisões eficazes com base na melhor informação disponível. Essas decisões são feitas para obter os melhores resultados para os cidadãos, e devem ser feitas após consulta com os diversos parceiros. Parceiros fortalecidos: Reflete acesso à educação, informação atualizada e conhecimento para todos com o objetivo de permitir que as pessoas e organizações tomem medidas adequadas sobre questões importantes. Entende-se como parceiros, os cidadãos, atores dos setores público e privado, OSCs, grupos da sociedade civil e outros. Plano de desenvolvimento integrado: Indicado pela presença de uma visão de cidade forte; uma estratégia de desenvolvimento municipal que faz do plano 5

6 possível e habilite a cidade para lidar com questões multidisciplinares tais como a redução do risco de desastres, alterações climáticas ou atendimento às emergências; e planos que são regularmente revisados e atualizados por grupos de trabalho interdepartamentais. 6

Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes.

Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até o dia 10 de setembro de 2014 www.100resilientcities.org/challenge Perguntas Frequentes Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Qual é a

Leia mais

Desafio 100 Cidades Resilientes

Desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de 2015 www.100resilientcities.org/challenge O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estejam preparadas para construir

Leia mais

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID SOBRE O BID CONTATE-NOS Vice-Presidência para o Setor Privado e Operações sem Garantia Soberana Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Edital de seleção de Projetos Sociais de Impacto (PSI)

Edital de seleção de Projetos Sociais de Impacto (PSI) Edital de seleção de Projetos Sociais de Impacto (PSI) Belo Horizonte / 2016 2 #SocialehLegal 1. Introdução O Baanko Challenge tem por objetivo fomentar o Empreendedorismo Social de Negócios de Impacto.

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público

Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público 1. SOBRE O STARTUPGOV: O StartupGov: O Desafio do Serviço Público é um espaço para debate com o objetivo de aproximar o governo de especialistas

Leia mais

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Ivar de almeida Cerqueira

Leia mais

Novas Formas de Aprender e Empreender

Novas Formas de Aprender e Empreender Novas Formas de Aprender e Empreender DÚVIDAS FREQUENTES 1. Sobre o Prêmio Instituto Claro, Novas Formas de Aprender e Empreender 1.1. O que é o Prêmio? O Prêmio Instituto Claro Novas Formas de Aprender

Leia mais

Eleve a experiência do consumidor: como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários

Eleve a experiência do consumidor: como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários Eleve a experiência : como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários Introdução Soluções da CA Por que é necessário melhorar a experiência dos usuários com os serviços de TI? A consumerização

Leia mais

EQUIPE GLOBAL DE AUMENTO DE ASSOCIADOS

EQUIPE GLOBAL DE AUMENTO DE ASSOCIADOS Lions Clubs International EQUIPE GLOBAL DE AUMENTO DE ASSOCIADOS GUIA DE RECURSOS Bem-Vindo à Equipe de Liderança Global (GMT) de Lions Clubs International. O seu cargo na GMT é de vital importância para

Leia mais

Transcrição da teleconferência perguntas e respostas do desafio 100 Cidades Resilientes

Transcrição da teleconferência perguntas e respostas do desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até o dia 10 de setembro de 2014 www.100resilientcities.org/challenge Transcrição da teleconferência perguntas e respostas do desafio 100 Cidades Resilientes

Leia mais

Sairé (Pernambuco), Brazil

Sairé (Pernambuco), Brazil Sairé (Pernambuco), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Jose Fernando Pergentino de Barros (Prefeito)

Leia mais

Tubarão (Santa Catarina), Brazil

Tubarão (Santa Catarina), Brazil Tubarão (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: João Olavio Falchetti Nome do ponto focal: João Olavio Falchetti Organização:

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 15 Tema:

Leia mais

INFORMATIVO ROTÁRIO GLOBALOUTLOOK GUIA SOBRE O MODELO DE FINANCIAMENTO DA FUNDAÇÃO ROTÁRIA

INFORMATIVO ROTÁRIO GLOBALOUTLOOK GUIA SOBRE O MODELO DE FINANCIAMENTO DA FUNDAÇÃO ROTÁRIA INFORMATIVO ROTÁRIO GLOBALOUTLOOK GUIA SOBRE O MODELO DE FINANCIAMENTO DA FUNDAÇÃO ROTÁRIA COPYRIGHT 2015 BY ROTARY INTERNATIONAL. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. NOSSO MODELO DE FINANCIAMENTO Nossas despesas

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE Este documento é uma tradução do crioulo haitiano e alguns termos foram adaptados para facilitar sua relevância para um público mais

Leia mais

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS Explorando Novas Opções para o Incremento da Doação de Fundos e Re-canalização da Dívida Apresentado pela Agência Inter-Americana

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

PEDIDO ON-LINE DE SUBSÍDIO GLOBAL

PEDIDO ON-LINE DE SUBSÍDIO GLOBAL Portuguese (PT) PEDIDO ON-LINE DE SUBSÍDIO GLOBAL As imagens a seguir mostram como navegar pelo nosso site para fazer um pedido de Subsídio Global. Para mais informações, visite www.rotary.org/pt/grants.

Leia mais

Solicitação DIRECIONADA de Propostas. Doações da Iniciativa Comunitária HSH América Latina

Solicitação DIRECIONADA de Propostas. Doações da Iniciativa Comunitária HSH América Latina Solicitação DIRECIONADA de Propostas Doações da Iniciativa Comunitária HSH América Latina To view the RFP in English please click here Para ver la solicitud de propuestas en español, haga clic aquí. Prazo

Leia mais

PRINCÍPIOS DO EQUADOR RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO E DADOS 2014

PRINCÍPIOS DO EQUADOR RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO E DADOS 2014 PRINCÍPIOS DO EQUADOR RELATÓRIO DE IMPLEMENTAÇÃO E DADOS 2014 Em 2014 o Itaú Unibanco se comprometeu com os Princípios do Equador (PE), tornando-se a primeira instituição financeira de uma economia emergente

Leia mais

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico.

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico. INTRODUÇÃO No nosso dia-a-dia enfrentamos diferentes tipos de riscos aos quais atribuímos valor de acordo com a percepção que temos de cada um deles. Estamos tão familiarizados com alguns riscos que chegamos

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Kit de Ação

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Kit de Ação #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Kit de Ação INTRODUÇÃO Este Kit de Ação foi desenvolvido para orientar a implementação geral do movimento

Leia mais

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE A corrupção gera um sério impacto sobre o meio ambiente. Uma série de setores são particularmente vulneráveis à corrupção, incluindo a silvicultura, a proteção de espécies ameaçadas

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

PASSO 6 Planejamento de ações

PASSO 6 Planejamento de ações PASSO 6 Planejamento de ações Assegure-se que haja enfoque e tempo suficientes para este último passo. Se vulnerabilidades e capacidades forem levantadas em relação a diferentes ameaças de desastres, mas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE DE MONITORAMENTO DO PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Brasília DF 2013 MONITORAMENTO DO PROGRAMA O Polo do Programa Academia da Saúde, instituído no âmbito

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

Investimento Social A visão do Laboratório

Investimento Social A visão do Laboratório Investimento Social A visão do Laboratório António Miguel antonio@ies-sbs.org João Santos joao@ies-sbs.org GREENFEST, OUTUBRO 2015 1. O QUE É O INVESTIMENTO SOCIAL? RESPOSTA ÀS FALHAS DE MERCADO O financiamento

Leia mais

Guia de inscrição para o centro de testes computadorizados

Guia de inscrição para o centro de testes computadorizados Guia de inscrição para o centro de testes computadorizados Este guia de inscrição do IBLCE para um centro de testes computadorizados é para aqueles que: precisam marcar uma data para prestar seu exame

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

A colaboração entre as ONGD e as Empresas na promoção do desenvolvimento Internacional. Possíveis Termos de Engajamento

A colaboração entre as ONGD e as Empresas na promoção do desenvolvimento Internacional. Possíveis Termos de Engajamento A colaboração entre as ONGD e as Empresas na promoção do desenvolvimento Internacional Possíveis Termos de Engajamento Introdução A conjuntura actual Insustentabilidade do sistema de financiamento a projectos

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

TRADUÇÃO LIVRE E NÃO OFICIAL. Recomendações sobre segurança da posse da população urbana pobre

TRADUÇÃO LIVRE E NÃO OFICIAL. Recomendações sobre segurança da posse da população urbana pobre TRADUÇÃO LIVRE E NÃO OFICIAL Recomendações sobre segurança da posse da população urbana pobre Princípios gerais 1. Os Estados têm obrigação imediata de assegurar que todos tenham um grau de segurança da

Leia mais

EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE

EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE Sumário: 1. Apresentação 2. Finalidade do Prêmio 3. A quem se destina 4. Requisitos de elegibilidade para inscrição 5. Critérios de Avaliação 6.

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional sumário executivo PREVENcÃo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional 2012 O Relatório Internacional sobre Prevenção da Criminalidade e Segurança Cidadã 2012 do Centro Internacional para

Leia mais

Desafio IEEE HTC Brasil Uma simples ideia pode mudar o mundo

Desafio IEEE HTC Brasil Uma simples ideia pode mudar o mundo Uma simples ideia pode mudar o mundo 2 O HTC começou com uma aliança entre o IEEE, a Fundação das Nações Unidas e o Instituto Vodafone, para encontrar soluções tecnológicas para algumas das maiores necessidades

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 013/2015 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 2 de junho de 2015 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

Concurso de Inovação Energética Concurso para Inovação em Energias Renováveis e Eficiência Energética na America Latina e no Caribe

Concurso de Inovação Energética Concurso para Inovação em Energias Renováveis e Eficiência Energética na America Latina e no Caribe Concurso de Inovação Energética Concurso para Inovação em Energias Renováveis e Eficiência Energética na America Latina e no Caribe Antecedentes Inovações simples podem ter um efeito dramático no modo

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas Preâmbulo A participação dos cidadãos na gestão dos destinos de uma autarquia é uma abertura necessária à sociedade. As autarquias, sendo o poder

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 DISCURSO DO MINISTRO NELSON BARBOSA POR OCASIÃO DA SOLENIDADE DE TRANSMISSÃO DE CARGO Senhoras e Senhores, Em primeiro

Leia mais

As 20 empresas finalistas serão reconhecidas em uma reportagem de capa, onde terão a oportunidade de divulgar as suas práticas em Inovação.

As 20 empresas finalistas serão reconhecidas em uma reportagem de capa, onde terão a oportunidade de divulgar as suas práticas em Inovação. 2013 I BRASIL Pelo quarto ano consecutivo a A.T. Kearney, consultoria multinacional de alta gestão, e a Época NEGÓCIOS trazem ao Brasil a renomada premiação Best Innovator. O Best Innovator tem como objetivo

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

ILHABELA QUER. Oliver Reinis é Advogado, Programador, Cidadão e Ativista. Carlos Pedro Sant Ana é Arquiteto, Designer Gráfico, Cidadão e Ativista.

ILHABELA QUER. Oliver Reinis é Advogado, Programador, Cidadão e Ativista. Carlos Pedro Sant Ana é Arquiteto, Designer Gráfico, Cidadão e Ativista. ILHABELA QUER 1.APRESENTAÇÃO Este projeto consiste no desenvolvimento de uma Plataforma Digital para agilizar e potencializar a participação cidadã na vida pública da comunidade em que está inserida. As

Leia mais

Autor: Marcelo Leandro de Borba 1 Co-Autores: Luiz Melo Romão 2, Vanessa de Oliveira Collere 3, Sandra Aparecida Furlan 4, Claiton Emílio do Amaral 5

Autor: Marcelo Leandro de Borba 1 Co-Autores: Luiz Melo Romão 2, Vanessa de Oliveira Collere 3, Sandra Aparecida Furlan 4, Claiton Emílio do Amaral 5 O Ecossistema de Empreendedorismo Inovador no Norte Catarinense a parceria operacional/científica do Parque de Inovação Tecnológica de Joinville e Região e Perini Business Park Autor: Marcelo Leandro de

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do ponto focal: Elton Cesar Cunha

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

Uma forma sustentável de alcançar os objetivos económicos e sociais da UE

Uma forma sustentável de alcançar os objetivos económicos e sociais da UE Uma forma sustentável de alcançar os objetivos económicos e sociais da UE Os instrumentos financeiros cofinanciados por Fundos Europeus Estruturais e de Investimento são uma forma eficiente e sustentável

Leia mais

PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2015 EDITAL DE RETIFICAÇÃO

PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2015 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2015 EDITAL DE RETIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 31 de julho de 2015. www.assespro-rj.org.br/premioempresas Praça Pio X, 55/ 9º andar - Centro 20.070-900 Rio de Janeiro,

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

Plano de Negócios. Por que escrever um Plano de Negócios?

Plano de Negócios. Por que escrever um Plano de Negócios? Plano de Negócios Por que escrever um Plano de Negócios? A tarefa de escrever um plano de negócios não é uma tarefa fácil. Isso se você nunca escreveu um e não tem a menor idéia de como começar. O objetivo

Leia mais

Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil

Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil Coleção Caminhos para o desenvolvimento de Organizações da Sociedade Civil Elaborar bons projetos: diferenciais.4 Transformar esforço em resultado Espera-se que uma equipe ao elaborar um projeto desenvolva

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

MOSTRA DE PROJETOS 2011 PARTICIPAÇÃO CIDADÃ VOLUNTARIADO E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO REGULAMENTO. Anexos I e II

MOSTRA DE PROJETOS 2011 PARTICIPAÇÃO CIDADÃ VOLUNTARIADO E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO REGULAMENTO. Anexos I e II MOSTRA DE PROJETOS 2011 PARTICIPAÇÃO CIDADÃ VOLUNTARIADO E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Os projetos inscritos na Mostra de Projetos 2011 também poderão participar da certificação do Selo

Leia mais

SMART H2O SOLUTION DEFININDO O FUTURO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS

SMART H2O SOLUTION DEFININDO O FUTURO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS CATÁLOGO VENTURES SMART H2O SOLUTION DEFININDO O FUTURO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS CONTEÚDO 2 4 5 DEFININDO O FUTURO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS Sobre o Smart H2O Infraestrutura hídrica segura, inteligente

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE

CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade, com o objetivo de trazer ao debate público

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Acordo de Paris. Convieram no seguinte:

Acordo de Paris. Convieram no seguinte: Acordo de Paris As Partes deste Acordo, Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, doravante denominada "Convenção", De acordo com a Plataforma de Durban para Ação Fortalecida

Leia mais

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

O ciclo de premiação Jovem Empreendedor foi lançado em 2009 com o objetivo de incentivar os jovens líderes da próxima geração.

O ciclo de premiação Jovem Empreendedor foi lançado em 2009 com o objetivo de incentivar os jovens líderes da próxima geração. Prêmios Rolex de Empreendedorismo 2014 Apresentação do Programa Apresentação do Programa Os Prêmios Rolex de Empreendedorismo foram criados com o intuito de promover o espírito de empreendimento e ampliar

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

Como criar um perfil de destaque no LinkedIn

Como criar um perfil de destaque no LinkedIn Como criar um perfil de destaque no LinkedIn O que é o LinkedIn e como ele pode me ajudar? O LinkedIn é uma rede social on-line para profissionais. Muitas pessoas dizem que é o Facebook dos negócios. Os

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 004/2016 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2016 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

INFORMATIVO ROTÁRIO. Edição 221 Julho de 2015 AGOSTO MÊS DO DESENVOLVIMENTO DO QUADRO ASSOCIATIVO E EXPANSÃO. Como encontrar novos associados?

INFORMATIVO ROTÁRIO. Edição 221 Julho de 2015 AGOSTO MÊS DO DESENVOLVIMENTO DO QUADRO ASSOCIATIVO E EXPANSÃO. Como encontrar novos associados? INFORMATIVO ROTÁRIO Edição 221 Julho de 2015 ROTARY INTERNATIONAL BRAZIL OFFICE AGOSTO MÊS DO DESENVOLVIMENTO DO QUADRO ASSOCIATIVO E EXPANSÃO Como encontrar novos associados? As principais razões pelas

Leia mais

Como planejar a sua carreira profissional

Como planejar a sua carreira profissional 1 Como planejar a sua carreira profissional Normalmente, as crises e os momentos difíceis pelos quais todos nós vivenciamos, são excelentes momentos para repensarmos as nossas decisões e ações. Talvez

Leia mais

Markes Roberto Vaccaro

Markes Roberto Vaccaro Markes Roberto Vaccaro Sumário 1 - CONHECER OS SEGREDOS DO MARKETING DIGITAL... 3 2 CRIAR UM BLOG DE NICHO... 4 3 - COMEÇANDO A ESTRATÉGIA DE MARKETING... 4 4 - PRODUTOS DIGITAIS... 5 5 OPTIMIZAÇÃO DE

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA Subsecretaria de Política Fiscal Órgão da SEFAZ PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS Breves reflexões sobre o tema. George Santoro BREVE HISTÓRICO: DO ESTADO BUROCRÁTICO

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Louveira ( São Paulo), Brazil

Louveira ( São Paulo), Brazil Louveira ( São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nicolau Finamore Junior Nome do ponto focal:

Leia mais

Programas e Serviços Acadêmicos do PMI. Guia de Recursos Para Educação e Pesquisa Acadêmica em Gerenciamento de Projetos

Programas e Serviços Acadêmicos do PMI. Guia de Recursos Para Educação e Pesquisa Acadêmica em Gerenciamento de Projetos Guia de Recursos Para Educação e Pesquisa Acadêmica em Gerenciamento de Projetos Sobre o PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE O Project Management Institute (PMI) é a maior associação profissional de membros global,

Leia mais

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Mesa: Cadastro Único, Bolsa Família e Brasil sem Miséria. Cadastro Único É um mapa representativo

Leia mais

Agenda. Visão Sistêmica. Visão Sistêmica. Responsabilidade Social. Responsabilidade Social 29/10/2008

Agenda. Visão Sistêmica. Visão Sistêmica. Responsabilidade Social. Responsabilidade Social 29/10/2008 Agenda e responsabilidade: público, privado e terceiro Prof. Costa de Sousa Internet: paginas.terra.com.br/informatica/ptarso Blog: ptarsosousa.blogspot.com Visão Sistêmica Conclusão 2 Visão Sistêmica

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Conservation Strategy Fund Título do projeto: Economics of the Conservation of Corridors in the Atlantic Forest Parceiros que contribuíram

Leia mais

Estudo de Caso 2 O CASO HIME. Introdução

Estudo de Caso 2 O CASO HIME. Introdução Estudo de Caso 2 O CASO HIME Introdução Empresa de Tecnologia Localizada no Rio de Janeiro, A Hime Informática se destaca pelo enorme sucesso obtido pelo o Hime System, o primeiro software do mercado a

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados

O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados Como as empresas podem usar a nuvem para se adaptar e prosperar em um mercado financeiro em rápida mudança Por Sherwin Uretsky, Aron Dutta

Leia mais

O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR?

O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR? Manual para o Diagnóstico Institucional e o desenho do Plano de Melhoramento FICHAS DE APOIO O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR? Aplicação do Ciclo de Melhoramento Contínuo da Gestão Escolar PROGRAMA DE

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA MINISTRY FOR FOREIGN AFFAIRS, SWEDEN UTRIKESDEPARTEMENTET Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com Moçambique 2015-2020 MFA 103 39 Stockholm Telephone: +46 8 405 10 00, Web site:

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais