ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIO PARA ANALISAR A VIABILIDADE ECONÔMICO- FINANCEIRA DE UMA MICRO-CERVEJARIA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIO PARA ANALISAR A VIABILIDADE ECONÔMICO- FINANCEIRA DE UMA MICRO-CERVEJARIA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CONTROLADORIA E GESTÃO EMPRESARIAL ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIO PARA ANALISAR A VIABILIDADE ECONÔMICO- FINANCEIRA DE UMA MICRO-CERVEJARIA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA Pos graduando: GUSTAVO PEREIRA MACIEL Profª. Orientadora: Eusélia Paveglio Vieira IJUÍ (RS), abril, 2012

2 1 GUSTAVO PEREIRA MACIEL ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIO PARA ANALISAR A VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE UMA MICRO-CERVEJARIA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA Trabalho de conclusão de curso apresentado no Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Controladoria e gestão Empresarial do Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação da UNIJUI, para obtenção do titulo de Especialista em Controladoria e Gestão Empresarial. Profª. Orientadora: Eusélia Paveglio Vieira Ijuí 2012

3 2 SUMARIO SUMARIO... 2 LISTA DE FIGURAS... 6 LISTA DE TABELAS... 7 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Área de Conhecimento Contemplada Problematização do Tema Objetivos Objetivo Geral Objetivos específicos Justificativa REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Controladoria Atualidade do Tema Controladoria e o Significado Controladoria como Ferramenta de Gestão Qual o Papel do Controller nas Organizações Plano de Negócio Para que serve a elaboração de um Plano de Negócio Quais as etapas de um Plano de Negócio Sumário Executivo Principais pontos do Plano de Negócio Dados dos empreendedores e do empreendimento Missão e Visão da Empresa Setores de atividade Forma jurídica e enquadramento Tributário Análise de Mercado Clientes Concorrentes Fornecedores Plano de Marketing... 30

4 Produto e Serviço Preço de Marketing Praça ou Ponto de Venda Promoção Plano Operacional Layout produtivo Capacidade de Produção/Serviço Procedimentos operacionais Necessidade de Pessoal Plano Financeiro Investimento Inicial Faturamento Fluxo de Caixa e necessidade de Capital de Giro Formação do Preço de Venda Despesas e Custos Custos Fixos Custos Variáveis Custos Diretos e Indiretos Custos de Comercialização Mark up Margem de Contribuição Ponto de Equilíbrio Lucratividade Rentabilidade Prazo de Retorno do Investimento Demonstrativo de Resultado Construção de Cenários Avaliação Estratégica METODOLOGIA DO TRABALHO Classificação da Pesquisa Plano de Coleta de Dados Instrumento de Coleta de Dados... 50

5 4 3.4 Plano de Análise e Interpretação dos Dados ANALISE DOS RESULTADOS: Plano de Negócios Sumário Executivo Principais Pontos do Plano de Negócio Dados do Empreendedor e do Empreendimento Missão da Empresa Setor de Atividade Forma Jurídica e Enquadramento Tributário Análise de Mercado Clientes Concorrentes Fornecedores Plano de Marketing Produtos Preço de Marketing Estratégias de Promoção Canais de Distribuição Plano Operacional Layout produtivo Capacidade de Produção Procedimentos Operacionais Necessidade de Pessoal Plano Financeiro Investimento Inicial Planejamento Estratégico Formação do Custo e do Preço Mapa de localização dos Custos Margem de Contribuição Ponto de Equilíbrio Fluxo de Caixa Projetado Demonstrativo de Resultado do Exercício, Lucratividade, Rentabilidade e Prazo de retorno do investimento... 79

6 Construção de Cenários Avaliação Estratégica CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA... 86

7 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Fluxograma básico de produção de uma micro-cervejaria Figura 2: Organograma da empresa... 63

8 7 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Matriz FOFA Tabela 2: Investimento Fixo Tabela 3: Investimentos pré-operacionais Tabela 4: Necessidade de Capital de Giro Tabela 5: Investimento Total Tabela 6: Estoque inicial Tabela 7: Custo total e unitário da produção estimada Tabela 8: MOD Mão-de-obra direta Tabela 9: MOI Mão-de-obra indireta Tabela 10: Depreciação Tabela 12: Custos Diretos e Indiretos, fixos e variáveis Tabela 13: Custos Totais por produto Tabela 14: Custos de comercialização e margem de lucro desejada Tabela 15: Formação do Preço de Venda Tabela 16: Preço de venda de mercado Tabela 17: MLC Mapa de localização dos custos Tabela 18: Margem de Contribuição avaliado pelo preço de venda calculado.. 75 Tabela 19: Margem de Contribuição avaliado pelo preço de venda ideal Tabela 20: Margem de Contribuição baseada no faturamento total projetado.. 75 Tabela 21: Ponto de Equilíbrio de acordo com preço de venda calculado Tabela 22: Ponto de Equilíbrio de acordo com preço de venda ideal Tabela 23: Ponto de Equilíbrio baseando-se no faturamento total Tabela 24: Fluxo de caixa projetado Tabela 25: Fluxo de caixa mensal projetado Tabela 26: DRE projetado Tabela 27: Fluxo de caixa projetado, através do preço de marketing Tabela 28: Fluxo de caixa projetado através do preço de marketing Tabela 29: DRE projetado através do preço de marketing Tabela 30: Matriz F.O.F.A

9 8 INTRODUÇÃO Realizar um plano de negócios antes da abertura da empresa propriamente dita é um meio em que o empreendedor tem de diminuir o risco do seu empreendimento em não dar certo. Um plano de negócio é um documento que descreve por escrito os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos e as incertezas. Um plano de negócio permite identificar e restringir seus erros no papel, ao invés de cometê-los no mercado, (ROSA, 2007, p.9) Os empreendedores precisam, antes de iniciar as operações de sua empresa, realizar um planejamento. Neste planejamento as empresas precisam responder perguntas como: Quem são meus futuros clientes? Quem são meus futuros concorrentes? Quem são meus futuros fornecedores? Como pretendo vender meu produto? Quanto vou cobrar pelos meus produtos? O cliente está disposto a pagar pelo preço que estipulei? Como funcionará os processos operacionais da empresa? Qual o investimento inicial da empresa? A projeção de faturamento me trará a rentabilidade desejada? Dentre outras perguntas inerentes ao seu planejamento. Após a fase de planejamento da empresa, a empresa conseguirá responder, em minha opinião, a principal pergunta: Vale a pena abrir o meu negócio? Neste sentido, este estudo se propôs a elaborar um plano de negócio detalhado para analisar a abertura de uma micro-cervejaria no Município de Cruz Alta. Inicialmente, o relatório apresenta a contextualização do estudo, envolvendo a definição do tema, problema, objetivos e justificativa. Posteriormente, no capítulo dois consta a revisão bibliográfica envolvendo a controladoria, o plano de negócio, qual o significado de um plano de negócios, para que serve um plano de negócio e quais as etapas de um plano de negócio, onde mostrará o desenvolvimento do tema.

10 9 No capítulo três, apresenta-se a metodologia utilizada durante a realização do estudo, que envolveu desde a classificação da pesquisa, plano de coleta e instrumentos de análise dos resultados. O capitulo seguinte trata do desenvolvimento do estudo aplicado, onde inicialmente foi realizado um plano de negócio, desenvolvido a partir da revisão bibliográfica, para analisar a viabilidade econômico-financeira da abertura de uma micro-cervejaria no município de Cruz Alta. Por fim o relatório apresenta a conclusão seguida da bibliografia consultada.

11 10 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Neste capitulo, apresenta-se a temática em estudo, seguido da definição da área de conhecimento contemplada, do levantamento do problema de pesquisa, dos objetivos e da justificativa. 1.1 Área de Conhecimento Contemplada A controladoria é aplicada em todas as organizações que se utilizam de instrumentos de gestão no gerenciamento de suas atividades. Nesta linha, os empreendedores que pensam em abrir um negócio devem se preocupar em aplicar esta área em suas futuras empresas a fim de controlar os procedimentos por ele estipulado. Diante dessa necessidade, surge o tema da pesquisa que é a estruturação de um plano de negócios. 1.2 Problematização do Tema A controladoria nas empresas está fortemente ligada à gestão da mesma, pois segue a missão da empresa. O plano de negócios é a etapa onde o empreendedor irá definir quem serão os clientes, analisar os seus concorrentes e fornecedores, assim como elaborar os procedimentos operacionais que todos os funcionários devem seguir para o correto andamento da empresa, sem as quais comprometeria sua continuidade no mercado. A elaboração de um plano de negócio não é uma unanimidade dos empreendedores brasileiros. A maioria dos empreendedores abre a empresa num impulso, numa necessidade de ter um negócio. Em outras vezes o empreendedor tem um sonho e o coloca em prática. Nas duas situações, as chances da empresa

12 11 crescer será muito pequena, assim como poderá transformar o sonho do empreendedor num pesadelo. Diante do exposto, questiona-se: Como contribuir com os futuros empreendedores da micro-cervejaria ao elaborar um plano de negócio e os instrumentalizar com informações para torná-la rentável? 1.3 Objetivos Objetivo Geral Analisar um plano de negócio para criação de uma micro-cervejaria no Município de Cruz Alta por meio da sua estruturação e verificar sua viabilidade econômico-financeira Objetivos específicos - Revisão bibliográfica referente à estrutura de um plano de negócio; - Descrever todas as etapas do plano de negócio; - Estruturar as etapas de um plano de negócio de uma micro-cervejaria no Município de Cruz Alta; - Identificar a viabilidade econômico-financeira do plano de negócio proposto; - Analisar os resultados da viabilidade econômico-financeira, positivos ou negativos. 1.4 Justificativa O Brasil é um dos países mais empreendedores do mundo. É um País visto como uma das potencias mundiais, através do seu povo e sua criatividade. A

13 12 abertura diária de empresas levam o país a um PIB cada vez maior. No entanto, o número de empresas que encerram suas atividades também são grandes. Diante destes fatores pode-se dizer que o Brasil é um país de oportunidades, mas que com a falta de conhecimento e interesse, a vida útil das empresas são curtas. A elaboração do plano de negócios deveria ser realizado por todo e qualquer empreendedor antes da abertura da mesma, visto que sua competitividade e continuidade ficará fragilizada caso não tenha feito. Uma das vantagens em estruturar um plano de negócios é que o mesmo poderá visualizar sua empresa funcionando sem necessidade de investimentos maiores onde o mesmo trará a viabilidade econômico-financeira, assim como informações relevantes para alteração de sua ideia. Nesse trabalho, busca-se mostrar a importância de conhecer todos os departamentos envolvidos e que não basta conhecer a fabricação do produto, mas saber se terá mercado para compra-lo. A elaboração de um plano de negócio para analisar a viabilidade econômico-financeira de uma micro-cervejaria no Município de Cruz Alta é um trabalho onde vários setores podem ter por base a estruturação do seu plano de negócio, adaptando-o para diversos segmentos, seja ele na indústria, comércio, serviços ou agronegócios. Com isso, tem-se empresas mais competitivas, podendo se firmar no mercado, agregando lucro para seu negócio, criarão novos empregos com aumento de renda e, consequentemente, será elevado o padrão de vida da população, assim como o PIB do país. A escolha da área de plano de negócios justifica-se pela oportunidade de conhecer a estruturação de uma empresa como um todo, aprofundando conhecimentos com a economia, a estrutura financeira de uma empresa, as pesquisas de mercado, os procedimentos operacionais, o plano de marketing, assim como aumentar o conhecimento pessoal, qualificando-me para os objetivos profissionais futuros. Sendo assim, de suma importância, este trabalho contribuí de forma significativa para uma melhora na formação profissional, agregando amplos

14 13 conhecimentos empresariais, desde a sua criação até a análise da viabilidade econômico-financeira. Além disso, o relatório do Trabalho de Conclusão de Curso pode se constituir numa importante ferramenta de informação para futuros empreendedores, para empresas que não realizaram seu planejamento inicial, para a comunidade científica e usuários em geral da informação de planejamento, Ciências Contábeis, Economia, Administração, Marketing e outros cursos que venham de encontro aos conhecimentos empresariais.

15 14 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Neste capitulo consta a revisão Bibliográfica, com o intuito de revisar e aprofundar conhecimentos na área de estudo, com o objetivo de um maior embasamento teórico e técnico do proponente para a realização das tarefas práticas do trabalho de conclusão de curso. 2.1 Controladoria Para Iudícibus e Marion (2002, p.53) a contabilidade tem por objetivo... de fornecer informação de natureza econômica, financeira e subsidiariamente, física, de produtividade e social, aos usuários internos e externos à entidade objeto de contabilidade. Baseado nesta definição identifica-se o quanto é importante o controle das finanças e da contabilidade que, através de métodos e técnicas próprias, capta, registra e acumula todos os fatos contábeis, sintetizando-os em demonstrativos para posterior análise, cujo propósito maior é o evidenciar a situação patrimonial, financeira e econômica da entidade e auxiliar no processo decisório Atualidade do Tema Almeida et al (2001, p.344) fazem uma menção a uma contabilidade tradicional voltada para o registro de fatos passados, inviável, atualmente, para auxiliar os gestores no processo de tomada de decisão e garantir a continuidade das organizações contextualizadas em um ambiente de alta competitividade no qual é exigido a maximização do desempenho e do controle Gerencial. Uma gestão com foco na continuidade da organização não se faz extrapolando dados passados. Para atingir os estados futuros desejados, há que se simular eventos futuros, visto que decisões que se concretizarão no futuro são tomadas no presente. No contexto de evolução da prática contábil a controladoria é apresentada pelos referidos autores (2001, p.344) como uma evolução da contabilidade

16 15 tradicional podendo ser conceituada como um ramo do conhecimento humano que apoiados da teoria contábil e numa visão multidisciplinar dos conteúdos é responsável pelo estabelecimento de toda a base teórica e conceitual necessárias pela estruturação, construção e manutenção de um sistema de informações que guie os gestores no processo de tomada de decisão com o objetivo de otimizar o desempenho da organização e garantir assim sua continuidade. A controladoria não pode ser vista como um método, voltado ao como fazer. Para uma correta compreensão do todo, devemos cindi-la em dois vértices: o primeiro como ramo do conhecimento responsável pelo estabelecimento de toda base conceitual, e o segundo como órgão administrativo respondendo pela disseminação de conhecimento, modelagem e implantação de informações, conforme Almeida (2001, p.344) Controladoria e o Significado Oliveira apud Beuren (2002, p. 21) entende que a controladoria é: [...] o departamento responsável pelo projeto, elaboração, implementação e manutenção do sistema integrado de informações operacionais, financeiras e contábeis de uma determinada entidade, com ou sem fins lucrativos Controladoria como Ferramenta de Gestão A abordagem multidisciplinar, exposta nos conceitos de controladoria acima evidenciados, está embasada no pressuposto de que o conhecimento apenas de contabilidade não é mais suficiente para atender as funções da controladoria. Para Kanitz apud Beuren (2002, p. 21), Atualmente, o controlador se cerca de um verdadeiro batalhão de administradores organizacionais, psicólogos industriais, analistas de sistema, especialistas em computação, estatísticos e matemáticos que têm a tarefa de analisar e dirigir, a luz de cada um dos seus campos de conhecimento, um volume de informações necessárias ao cumprimento da função da controladoria. De acordo com Figueiredo apud Pinheiro et al (2004, p. 8), a controladoria tem a missão de... zelar pela continuidade da empresa, assegurando a otimização do resultado global. Apoiados na visão sistêmica da controladoria necessária para atuar coordenando e apoiando o processo decisório das empresas, Almeida et al

17 16 (2001, p. 346) colocam que a sua missão é a de assegurar a otimização do resultado econômico da organização. Para atingir sua missão a controladoria tem estabelecido, uma série de funções entre as quais citamos as evidenciadas por Perez et al apud Pinheiro et al (2004, p. 8) que colocam que... a função básica da Controladoria será garantir a perfeita realização do processo de decisão-ação-informação-controle, acompanhando e controlando as atividades da empresa. Para Padoveze (1996) a controladoria estratégica é a atividade que, através do sistema de informação contábil, abastece os responsáveis pelo planejamento estratégico da companhia com informações tanto financeiras quanto não-financeiras, para apoiar o processo de análise, planejamento, implementação e controle da estratégia organizacional. Ainda conforme Padoveze (1996) a controladoria estratégica deve se preocupar com aspectos relativos as mais variadas informações dos competidores, financeiras e não-financeiras como: custos, rentabilidade dos produtos, informação sobre os processo de gestão de preços de vendas, capacidade produtiva dos concorrentes, satisfação dos clientes em relação à concorrência, motivos de negócios perdidos, grau de satisfação dos empregados, dentre outros Qual o Papel do Controller nas Organizações Perez et al apud Pinheiro et al (2004, p. 8) enfatizam que o controller será responsável pela realização das seguintes atividades: Organização de um adequado sistema de informações gerenciais que permitem à administração conhecer os fatos ocorridos e os resultados obtidos com as atividades; Comparação permanente entre o desempenho esperado e o real; Classificação das causas e dos responsáveis pelas variações de estimativa e de desempenho; Identificação das causas e dos responsáveis pelas variações; Apresentação de recomendações para a adoção de medidas corretivas. Sob a ótica do sistema de gestão econômica, Almeida et al (2001, p. 350) estabelecem que as funções da controladoria são as de subsidiar o processo de

18 17 gestão, apoiar a avaliação de desempenho dos gestores e do desempenho econômico dos produtos e serviços, gerir os sistemas de informações e atender aos agentes do mercado. O papel do controller como estrategista organizacional fica evidente a partir do papel que a mesma possui na organização. Sua missão é assegurar o resultado planejado da empresa, através do processo de planejamento e controle dos resultados empresariais. 2.2 Plano de Negócio Um plano de negócio é uma descrição futura de seu empreendimento. É um documento que descreve o que você planeja fazer, quais suas estratégias, qual rumo a seguir. É um estudo minucioso de tudo que diz respeito ao negócio em questão, suas relações, causas e efeitos. A elaboração de um plano de negócio é um trajeto a ser seguido pelo empreendedor para definir o caminho que a empresa irá seguir a partir do momento de sua operacionalização. É um instrumento que irá medir se a ideia de negócio tem viabilidade. Plano de negócio é antes de tudo o processo definido a partir da ideia inicial no planejamento. Um dos objetivos principais da elaboração de um plano de negócio é a indicação da inviabilidade ou viabilidade do empreendimento. Para Chiavenatto (2005, p. 128), Plano de negócio é um conjunto de dados e informações sobre o futuro empreendimento, que define suas principais características e condições para proporcionar uma análise da sua viabilidade e dos seus riscos, bem como para facilitar sua implantação. Essa é uma ferramenta utilizada pelos empreendedores, como empresários, diretores, controller, e por qualquer pessoa que tenham uma visão de inovar, criar algo novo ou modificar o que já existe, com intuito de ter a ferramenta como um guia, pois um roteiro de um plano de negócio não elimina os possíveis erros, mas

19 18 ajuda a enfrenta-los e direcionar melhor os seus esforços contribuindo para o sucesso futuro da organização (CHIAVENATTO, 2005). Filion e Dolabela (2000) descreve plano de negócio como uma ferramenta que movimenta todos os aspectos da organização, ou seja, analisa a viabilidade de cada área respondendo questões que compõem os elementos chaves para o negócio, como concorrentes, fornecedores, clientes, localização e o mais fundamental a viabilidade financeira. O plano de negócio não é apenas um instrumento técnico. Ele é intrinsecamente vinculado ao seu criador, cujas características pessoais irão determina-lo, visto que a criação de uma empresa é um processo humano. Castro apud Salim (2009) relata que o plano de negócio é um documento que contém a caracterização do negócio, sua forma de operar, suas estratégias, seu plano para conquistar uma fatia do mercado e as projeções de despesas, receitas e resultados financeiros. Além de ser um documento com todas as características favoráveis e desfavoráveis, é um documento pronto para auxiliar todos os departamentos da empresa, pois atende a todas as tomada de decisões necessárias. [...] o plano de negócio é uma ferramenta extremamente eficaz e proporciona resultado internacionalmente comprovados tanto na concepção do negócio, quanto na obtenção de recursos financeiros e gerenciamento do dia-a-dia da empresa (SEBRAE APUD CASTRO, 2009). 2.3 Para que serve a elaboração de um Plano de Negócio A importância do plano de negócio está contida onde qualquer empreendedor que queira transformar sonhos em realidade é necessário apenas que esse uso seja feito não só com o fator racional e lógico, mas também que seja agregado o feeling do administrador. Muitas empresas ainda não entendem a necessidade e a importância de um planejamento e, por isso, acabam fechando suas portas. A grande questão é descobrir porque o empreendimento não alcança o crescimento desejado, buscando

20 19 ferramentas para reverter o quadro e definindo novas estratégias. O planejamento não garante o sucesso, mas serve, principalmente, para minimizar os erros e otimizar as potencialidades e oportunidades. Para Chiavenatto (2005, p. 136): O plano de negócio permite melhores condições para planejar, organizar, dirigir, avaliar e controlar o negócio [...] ele serve para retratar o início, o meio e o fim de um empreendimento. É imprescindível fazer revisões contínuas no plano de negócio para mantê-lo atualizado e dinâmico. O plano de negócio teve origem nos Estados Unidos e seus objetivos iniciais eram atrair fundos financeiros particulares. Ao longo deste tempo o objetivo tem sofrido algumas alterações, e atualmente o plano de negócios vem sendo utilizado para análise, estruturação e apresentação de viabilidade a atratividade dos negócios de empresas, sejam elas consolidadas ou novas. Outro objetivo operacional do plano de negócio é de poder beneficiar o aprimoramento da organização. O desenvolvimento de um plano de negócio permite elaborar um documento que promova o negócio da empresa para investidores e financiadores potenciais, como conceitua Ashoka Empreendedores Sociais e McKinsey e Company (2001). Um plano de negócio pode ser usado para se conseguir novos sócios e investidores, para estabelecer parcerias com fornecedores e clientes ou mesmo apresentado a bancos para a solicitação de financiamentos. Entretanto, o maior usuário do plano de negócio é o próprio criador (Rosa, 2007). 2.4 Quais as etapas de um Plano de Negócio Não existe um modelo padrão de plano de negócio. Basicamente o plano de negócio deve ser estruturado de acordo com o segmento que irá ser desenvolvido. A estruturação do plano de negócio deve ser a resposta para as perguntas: O que é o negócio? Quais os principais produtos e/ou serviços? Quem serão seus principais clientes, concorrentes e fornecedores? Onde está localizada a empresa? Qual o montante de capital a ser investido na empresa? Qual será o faturamento mensal da empresa? Qual o lucro que espera obter do negócio? Em quanto tempo espera que o capital investido retorne?

21 20 Ao responder estas e outras perguntas, realizou-se uma estruturação básica para que seja seguida: Sumário Executivo O Sumário Executivo é uma síntese do plano de negócio e, embora seja apresentado no início do plano, é muito provável que será elaborado ao término dos módulos principais. Isso porque será mais fácil selecionar e sintetizar os aspectos mais relevantes. O Sumário Executivo vai oferecer ao interessado uma ideia geral do projeto e seus aspectos mais relevantes de forma a despertar o interesse. (FELIPINI, 2003, p. 6). O Sumário Executivo deve ser escrito baseando-se no seu objetivo. Deve ser direcionado ao seu Público-alvo de modo em que a parte interessada entenda seu objetivo, seja ele a busca de investidores, financiamento bancário, fornecedores ou clientes Principais pontos do Plano de Negócio Os principais pontos do plano de negócio referem-se aos principais tópicos de cada módulo. É sintetizar os departamentos da empresa, assim como o objetivo central que o leva a descrever o plano de negócio Dados dos empreendedores e do empreendimento Neste tópico se leva em consideração os dados dos responsáveis pela administração do negócio. Poderá incluir o perfil dos administradores, com conhecimentos, habilidades e experiências anteriores. Quanto ao empreendimento, Dornelas (2005) relata que essa é a seção do plano que você apresenta um breve resumo da organização da empresa, sua história e sua situação atual. Mostrar o porquê da criação, qual o seu propósito, a

22 21 natureza dos serviços ou produtos fornecidos, como ela se desenvolveu ou desenvolverá, qual é o seu modelo de negócio e os seus diferenciais. Rosa (2007) lembra algumas orientações a serem identificadas antes da abertura da empresa. A escolha de cada sócio: Analisar se os objetivos dos sócios são os mesmos, tendo em vista o grau de ambição de cada um e a dimensão que desejam para o negócio; Dividir as tarefas antes de montar a empresa, com campo de atuação e horários de trabalho; Definir o valor de retirada de pró-labore, como será feita a distribuição dos lucros e quanto será reinvestido na empresa; Estabelecer o grau de autonomia de cada um e até que ponto um dos envolvidos pode, sozinho, tomar decisões; Determinar se familiares poderão ser contratados e quantos por parte de cada sócio. Sempre escolha funcionários e parceiros em conjunto com os sócios; Determinar um sistema de sucessão; Escreva todos os pontos que podem gerar atritos futuros em um contrato assinado pelos sócios; Verifique se seu futuro sócio não possui restrições cadastrais ou pendências junto a órgãos como Receita Federal, Secretaria do Estado da Fazenda e INSS Missão e Visão da Empresa A missão e visão da empresa está intimamente relacionada as perguntas: O que queremos? Porque queremos? E quando queremos? A visão da empresa é um objetivo de longo prazo da empresa. É definir o que será sua empresa no futuro em termos de importância, ou participação no mercado, ou desempenho. A intenção é deixar claro os macro objetivos da empresa de tal forma que as atividades e ações desenvolvidos estejam em sintonia com esses objetivos. A missão é o papel que sua empresa precisa desempenhar junto aos seus clientes. É interessante citar que são os clientes que farão com que a empresa alcance a visão. Então a empresa deverá elaborar a missão a fim de que seus clientes estejam relacionado ao objetivo.

23 Setores de atividade Os setores da economia são agropecuária, indústria, comércio e serviços. Para Rosa (2007, p.18), agropecuária são os negócios cuja atividade principal diz respeito ao cultivo do solo para a produção de vegetais e/ou criação e tratamento de animais. Indústria são as empresas que transformam matérias-primas em produtos acabados, com auxílio de máquinas ou manualmente. Comércio são as empresas que vendem mercadorias diretamente ao consumidor comércio varejista ou aquelas que compram do fabricante para vender para o varejo comércio atacadista. Serviços são as empresas cujas atividades não resultam na entrega de mercadorias e, sim, no oferecimento do próprio trabalho ao consumidor Forma jurídica e enquadramento Tributário Para que a empresa exista é necessário sua constituição formal. No entanto, você irá definir qual a forma jurídica, assim como o enquadramento tributário do empreendimento. Segundo Rosa (2007, p. 19), a forma jurídica determina a maneira pela qual ela será tratada pela lei, assim como o seu relacionamento jurídico com terceiros. Melchor (2004) lembra que o nosso código comercial de 1850 e o código civil de 1926, que regulavam o direito das empresas mercantis e civis no Brasil até 11 de janeiro de 2003, adotaram, como critério de divisão de empresas, as atividades exercidas por elas, isto é, dispunham que a sociedade constituída com o objetivo social de prestação de serviços (sociedade civil), tinham o seu contrato social registrado no cartório de registro civil das pessoas jurídicas (exceto as sociedades anônimas e casos específicos previstos em lei), enquanto que uma sociedade mercantil, constituída com objetivo de exercer atividades de indústria e/ou comércio, tinham seu contrato registrado social registrado nas juntas comerciais dos estados (inclusive todas as sociedades anônimas e raras exceções previstas em lei, na área de serviços). Tratamento semelhante era conferido às firmas individuais e aos

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

FTAD -Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Empreendedorismo Prof. Carolina Lindbergh Competências a serem Trabalhadas CONHECER O SUMÁRIO EXECUTIVO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Plano de negócio Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Estrutura do plano de negócio Capa Sumário 1. Sumário executivo 2. Analise estratégica 3. Descrição da empresa 4. Produtos e serviços 5. Plano

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

NEGÓCIOS I PLANO DE PLANO DE NEGÓCIOS I. Ementa. Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I. Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br PLANO DE NEGÓCIOS I

NEGÓCIOS I PLANO DE PLANO DE NEGÓCIOS I. Ementa. Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I. Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br PLANO DE NEGÓCIOS I Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br Ementa Como preparar um Plano de Negócios. Razões para elaborar um Plano de Negócios. Estrutura do Plano de Negócios. Concepção

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANO DE NEGÓCIO E DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA O EMPREENDEDOR. Antonio Carlos Paim Cardoso Júnior 13/02/2014

A IMPORTÂNCIA DO PLANO DE NEGÓCIO E DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA O EMPREENDEDOR. Antonio Carlos Paim Cardoso Júnior 13/02/2014 A IMPORTÂNCIA DO PLANO DE NEGÓCIO E DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA O EMPREENDEDOR Antonio Carlos Paim Cardoso Júnior 13/02/2014 PALESTRANTE Bacharel em Ciências Contábeis pela FVC Concluinte MBA em Gestão

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais