Rastreabilidade de requisitos através da web

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rastreabilidade de requisitos através da web"

Transcrição

1 Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) Karly Schubert Vargas (FURB) Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) Resumo. O presente artigo apresenta uma ferramenta para o gerenciamento de requisitos via web, cuja ênfase está no uso de matrizes de rastreabilidade como forma de implementar ligações entre requisitos de software. A através destas ligações é possível apresentar ao analista as conseqüências de uma alteração ou exclusão de requisitos no projeto. Palavras-chave: Gerenciamento de Requisitos, Rastreabilidade. 1 Introdução O software de computadores tornou-se uma força motora. É o motor que dirige a tomada de decisão nos negócios. Serve de base à moderna investigação científica e às soluções de problemas de engenharia. É um fator chave que diferencia os produtos e serviços modernos. Está embutido em sistemas de todas as naturezas: de transportes, médicos, de telecomunicações, militares, de processos industriais, de produtos de escritório,... a lista é quase sem fim (Pressman, 2002, p.3). A tendência é um crescimento ainda maior, pois a busca de melhorias no desenvolvimento de produtos e serviços vem exigindo um grau cada vez maior de automação. Devido a isto o desenvolvimento de software tem se tornado mais complexo por atingir áreas que demandam de um conhecimento mais aprofundado. Com este aumento da complexidade dos projetos de software, tornou-se imprescindível um completo acompanhamento e planejamento de todas as etapas do projeto, como forma de garantir que o software atenda as necessidades levantadas. Dentro das diversas áreas da engenharia de software, destaca-se a área de engenharia de requisitos que Sommerville (2003) define como o processo de descobrir, analisar, documentar e verificar as funções e restrições de um sistema. Esta etapa é de fundamental importância, pois faz o levantamento dos objetivos do projeto, descrevendo quais as funções que o software deverá possuir, bem como as restrições de cada função. Caso ocorra algum problema nesta etapa, falhas irão ocorrer durante o desenvolvimento do software. Mas existe uma dificuldade para este acompanhamento quando as equipes de desenvolvimento e os analistas possuem uma distância geográfica que os separa. Pois uma alteração tem que ser vista por todos os envolvidos no momento em que ocorre para que seja mantida a consistência das informações. Para ajudar nisso, surge à internet como forma de interligar todas as pessoas envolvidas no projeto do software. Este artigo tem por objetivo apresentar uma ferramenta para o gerenciamento de requisitos com o diferencial de que sua utilização é feita via web, possibilitando que equipes alocadas em locais diferentes possam ter sempre a sua disposição, informações atualizadas. Além disto, a ferramenta oferece flexibilidade para a confecção das matrizes de rastreabilidade, e permite a visualização do impacto das alterações de determinados requisitos sobre os requisitos do projeto.

2 2 Requisitos de Software 2.1 Requisitos Segundo Peters (2001) um requisito de software é uma descrição dos principais recursos de um produto de software, seu fluxo de informações, comportamento e atributos. Em suma, um requisito de software fornece uma estrutura básica para o desenvolvimento do produto de software. Os requisitos mostram as características que o cliente deseja no produto final,. Definem os critérios de aceitação de um produto, e são captados na fase de elicitação do projeto, onde são levantadas todas as necessidades do sistema. Seu levantamento deve ser feito de forma bastante cuidadosa, consultando a todas as pessoas que estarão envolvidas no uso do produto final. Com isso é possível evitar vários problemas posteriores ao desenvolvimento do software. Porém, mesmo que seu levantamento seja feito de forma cuidadosa, um problema comum é a instabilidade dos requisitos, uma vez que os mesmos sofrem alterações no decorrer do desenvolvimento. Aqui entra a importância de haver uma ferramenta que permita uma manipulação destes requisitos, podendo haver um controle de quais são os requisitos atuais, quem é responsável pelo requisito e quais os seus atributos. Os requisitos podem ser agrupados em três principais tipos, sendo que sua nomenclatura varia de acordo com o autor (Peters, 2001): a) Funcional (ações principais): Descreve as atividades do sistema, o que ele deve fazer. b) Comportamental (atividades de controle): Descreve a hierarquia das funções e atividades do sistema, faz o controle do sistema. c) Não-Comportamental (atributos): Descreve as regras de funcionamento e condições necessárias para a execução de algumas funções. Trata também da garantia da qualidade. Independente de sua classificação, um requisito possui atributos que definem as características do requisito. Os atributos especificam a prioridade, o status do requisito e seu autor, entre outras informações. Mas não basta somente possuir a descrição dos requisitos, é preciso criar ligações entre eles. Estas ligações permitem a análise do grau de influência que uma alteração pode causar no restante do projeto. Aqui entra a rastreabilidade dos requisitos. 2.2 Rastreabilidade Existem muitas relações entre requisitos e outros requisitos entre os requisitos e o projeto do sistema. Há também elos entre os requisitos e as razões básicas da proposição desses requisitos. (Sommerville, 2003, p. 120). Uma parte crítica do gerenciamento de alterações é a avaliação do impacto da mudança no restante do sistema. Se a mudança é proposta enquanto os requisitos estão sendo desenvolvidos, deve ser identificado como a alteração afeta outros requisitos. Se a alteração é proposta enquanto o sistema está em implementação, o impacto de alteração envolve verificar como a alteração afeta os requisitos, o design do sistema e sua implementação. Se a alteração é proposta depois que o sistema foi colocado em operação, deve haver também uma verificação adicional a fim de identificar como todos os stakeholders do sistema podem ser afetados pela alteração. Marquioni (2004) define alguns tipos de rastreabilidade, mostrados na tabela 1.

3 Tipo de rastreabilidade Requisitos Fontes Requisitos Razão Requisitos Requisitos Requisitos Arquitetura Requisitos Design Requisitos Interface Descrição Link do requisito às pessoas ou documentos que especificaram o requisito. Link do requisito com uma descrição de porque foi especificado. Pode ser uma destilação de informações de várias fontes. Link do requisito com outros requisitos que sejam, de alguma maneira, dependentes dele. Deve ser um link de mão dupla ( depende e é dependente de ). Link do requisito com os subsistemas onde estes requisitos estão implementados. Particularmente importante se os subsistemas estiverem sendo desenvolvidos por subcontratados diferentes. Link do requisito com hardware ou componentes de software específicos no sistema que são usados para implementar o requisito. Link do requisito com as interfaces de sistemas externos que serão usados na provisão dos requisitos. Tabela 1: Tipos de rastreabilidade Para facilitar este rastreamento de requisitos, freqüentemente são utilizadas tabelas de rastreabilidade, que criam associações entre os requisitos. Uma forma de visualização gráfica desta rastreabilidade é uma matriz de rastreabilidade, que mostra a ligação entre os requisitos, onde a linha é dependente da coluna e a coluna depende da linha. Está matriz demonstra de que forma um requisito influencia em outro, possibilitando uma análise do impacto de uma alteração do requisito. Na ferramenta desenvolvida, foi implementado a rastreabilidade do tipo Requisito-Requisito, e utilizada como forma de visualização a matriz de rastreabilidade, com a utilização de flechas indicando a direção da dependência. A tabela 2 apresenta um exemplo de uma matriz de rastreabilidade retirada do artigo de Marquioni (2004). R1 R2 R3 R4 R5 R6 R1 X X R2 X X R3 X X R4 X R5 X R6 Tabela 2: Matriz de rastreabilidade No exemplo, R1 é dependente de R3 e R4; R2 é dependente de R5 e R6, etc. Se for proposta uma alteração no requisito R4, a leitura da coluna R4 aponta que R1 e R3 dependem de R4. Deve ser avaliado com isso o impacto em R1 e R3 com relação à alteração proposta a R4.

4 O volume de dados que serão controlados pela matriz é significativo, por isso este tipo de controle não é recomendado para um projeto muito grande, nestes casos deve optar-se por outra forma de visualização, como uma lista de rastreabilidade (Marquioni, 2004). 3 Desenvolvimento da Ferramenta A ferramenta desenvolvida, denominada Requisite Online, propõe-se a auxiliar analistas de sistema no gerenciamento de requisitos de projetos de software. Para isto, a ferramenta permite o cadastramento de projetos de software. Em cada projeto, devem ser cadastrados os requisitos do mesmo. Estes requisitos são agrupados de acordo com seus tipos (por exemplo: requisitos funcionais, requisitos não funcionais,...), tipos estes que também são cadastrados pelo analista. Também é possível montar diversas matrizes de rastreabilidade para um mesmo projeto, sendo estas matrizes definidas em função dos tipos de requisitos. A ferramenta também disponibiliza ao analista um relatório com as informações cadastradas no projeto (requisitos e matrizes). Na figura 1 é apresentado o diagrama de casos de uso com a representação das funcionalidades do sistema, e na seqüência, um descritivo das mesmas. Requisitos Analista Montar matriz Efeitos alterações Projetos Visualizar Relatório Tipo de requisito Figura 1: Diagrama de casos de uso Projetos: Este é um caso de uso secundário e trata do cadastro de um novo projeto. Tipo de requisito: Este é um caso de uso secundário e trata do cadastro dos tipos de requisitos (funcionais, não funcionais, regras de negócio, etc.). O cadastro de tipos de requisitos pode ser feito de duas formas: a primeira é o cadastro de um tipo geral, que será utilizado em todos os projetos; a segunda forma é o cadastro de um tipo de requisito específico para um projeto. Requisitos: Este é um caso de uso secundário, e só ocorre após o caso de uso Projetos. Trata do cadastro dos requisitos do projeto de software e seus atributos. Montar matriz: Para este caso acontecer é necessário que tenham ocorrido os seguintes casos de uso: Projetos, Requisitos, Tipo de requisito. Trata da montagem da matriz de rastreabilidade,

5 feita com base nos requisitos cadastrados. O analista define quais tipos de requisitos irão compor a rastreabilidade, em seguida define a dependência entre os requisitos. A matriz pode ser visualizada após sua confecção. O analista pode montar quantas matrizes achar necessário. Efeitos alterações: Este caso só acontece após a ocorrência do caso de uso Montar matriz. Com a matriz de rastreabilidade montada, o analista pode simular alterações nos requisitos e verificar suas conseqüências. Visualizar Relatório: Este caso só ocorre após o caso de uso Projetos. Neste caso o analista pode visualizar e imprimir as informações sobre o projeto, sendo elas: nome, requisitos e matriz(es) de rastreabilidade do projeto. 3.1 Ferramentas Utilizadas Para o desenvolvimento da ferramenta, foi utilizada a linguagem de programação PHP em conjunto com JavaScript. Para persistência dos dados, utilizou-se o sistema gerenciador de banco de dados MySQL PHP Soares (2001) afirma que PHP é uma combinação de linguagem de programação e servidor de aplicações. Você pode programar em PHP como em qualquer outra linguagem, definindo variáveis, criando funções, realizando loops, enfim tudo o que é necessário no mundo da programação. Mas o que realmente difere PHP das outras linguagens de programação é a sua capacidade de interagir com o mundo WEB, transformando páginas estáticas em verdadeiras fontes de informação. As características que foram observadas para a escolha da linguagem de programação são apresentadas por Soares (2001), dentre as quais cita-se que o PHP roda no servidor, é portável, possui código nativo para muitos bancos de dados, entre eles o MySQL e pode ser embutido no HTML MySQL Conforme Soares (2001), o MySQL é um gerenciador de banco de dados mais utilizado no mundo Linux, senão for o mais utilizado, pois é uma ferramenta muito poderosa, segura e fácil de utilizar. Além disto, o MySQL é gratuito.[...] Uma das vantagens do MySQL é a sua disponibilização em várias plataformas. Os fatores determinantes na escolha do MySQL para persistência dos dados foram a sua gratuidade e facilidade de uso. A gratuidade garante que nenhum custo precise ser criado ou mantido para utilização do sistema, e a facilidade de uso permitiu que o desenvolvimento se desse de forma consistente e rápida JavaScript De acordo com Feather et al (1997), JavaScript é uma linguagem de script (ou roteiro) orientada a objetos, usada para desenvolver aplicações clientes e para Intranets/Internet. Recebe comandos de uma página HTML e, em resposta, pode executar uma ação diferente. No desenvolvimento desta ferramenta, JavaScript foi utilizado para validações em campos de entrada de dados e também para exibição de diálogos de confirmação, quando necessário.

6 3.2 Implementação Na figura 2, temos o diagrama entidade-relacionamento das entidades desenvolvidas para a persistência dos dados e implementação da ferramenta. CD_PROJETO DS_PROJETO DT_INICIO DT_FIM PROJETO PROJETO_PK <pi> <pi> N5 512 D D PROPOE AGREGA CD_MATRIZ DS_MATRIZ MATRIZ MATRIZ_PK <pi> <pi> I VA100 DEFINE CD_REQUISITO DS_REQUISITO DIFICULDADE ESTABILIDADE NM_REQUISITO PRIORIDADE STATUS REQUISITO REQUISITO_PK <pi> <pi> N COMPOSICAO_LINHAS TIPO_REQ_LINHAS_MATIZ COMPOSICAO_COLUNAS TIPO_REQ_COLUNAS_MATRIZ REQ_DESTINO REQ_ORIGEM TIPO_COLUNAS TIPO_LINHAS RELACIONAMENTO REVISADO POSSUI PERTENCE TIPO_REQUISITO_PROJETO CD_TIPO_REQ DS_TIPO_REQ <pi> I VA100 TIPO_REQUISITO_PK <pi> PARTICIPA CD_AUTOR NM_AUTOR AUTOR AUTOR_PK <pi> <pi> I REVISA CD_REVISAO ETIQUETA DS_REVISAO DT_REVISAO HR_REVISAO REVISAO REVISAO_PK <pi> <pi> I D T TP_REQUISITO_SISTEMA CD_REQ DS_TIPO_REQ <pi> I VA100 TP_REQUISITO_SISTEMA_PK <pi> Figura 2: Diagrama entidade-relacionamento da ferramenta desenvolvida. Para cada projeto cadastrado, é armazenado na entidade PROJETO, seu nome, sua data de inicio, e sua data de conclusão. Um projeto agrega vários requisitos, e estes são mantidos na entidade REQUISITO. Cada requisito é composto dos seguintes atributos: nome, autor (do requisito e revisões), prioridade (nível de importância do requisito), status (estado em que o requisito se apresenta), dificuldade (dificuldade no desenvolvimento do requisito), estabilidade (estabilidade que apresenta o requisito em relação ao projeto), descrição e revisões (alterações efetuadas no requisito, se houverem).

7 Cada requisito cadastrado é agrupado em um determinado tipo de requisito. Um projeto pode apresentar vários tipos de requisitos, e estes são armazenados na entidade TIPO_REQUISITO_PROJETO. O analista tem ainda a possibilidade de cadastrar no sistema os tipos de requisitos que o mesmo considera padrão para todo novo projeto (criando tipos de requisitos globais). Estes tipos são salvos na entidade TP_REQUISITO_SISTEMA, e a cada novo projeto criado o sistema realiza a inserção automática destes tipos de requisitos no novo projeto. Para um projeto, o analista pode propor/montar diversas matrizes de rastreabilidade. Para cada nova matriz é criada uma entrada na entidade MATRIZ. Estas matrizes são montadas em função dos tipos de requisitos que são selecionados para suas linhas e para suas colunas (por exemplo, requisitos funcionais versus requisitos não funcionais). Estes tipos, são armazenados nas entidades TIPO_REQ_LINHAS_MATRIZ e TIPO_REQ_COLUNAS_MATRIZ, respectivamente. A implementação de matrizes de rastreabilidade desta maneira, além de permitir grande flexibilidade ao analista possibilitando a construção de diversas matrizes de rastreabilidade, elimina a necessidade de que cada novo requisito seja adicionado manualmente na(s) matriz(es), pois a mesma relaciona tipos de requisitos, e não simplesmente requisitos. 4 O Requisite Online A ferramenta desenvolvida é acessada através de um browser, sendo necessário que o usuário esteja conectado a internet durante o uso da ferramenta. O usuário, depois de conectado a ferramenta, pode navegar pelo browser e executar todas as funções do sistema. Após realizar todas as suas tarefas, o usuário pode desconectar-se da ferramenta apenas fechando o browser. O Requisite Online está disponível na internet, no seguinte endereço: Começando seu uso A figura 3 mostra a tela inicial, que é vista pelo usuário assim que o mesmo abre a ferramenta. Figura 3: Tela inicial Nesta tela, o analista cria um novo projeto e define tipos de requisitos globais para os projetos. Os tipos de requisitos globais serão inseridos automaticamente em todo novo projeto. A

8 grande vantagem do uso destes tipos de requisitos globais, é que isto torna possível padronizar os tipos de requisitos de todos os novos projetos desenvolvidos. Para iniciar um novo projeto o analista deve selecionar Novo Projeto, informando um nome e a data de inicialização do mesmo, após este passo o projeto será criado na área de Projetos Cadastrados, podendo ser iniciada sua manipulação. 4.2 Principais Funcionalidades Nas seções a seguir, serão apresentadas as principais funcionalidades da ferramenta e de que forma elas podem ser utilizadas Cadastro de requisitos O primeiro passo de um projeto é o cadastro dos requisitos. Estes requisitos devem representar as necessidades do software que esta sendo gerenciado. Cada requisito possui um tipo específico, tendo o analista a possibilidade de cadastrar os tipos que considerar necessário, não sendo limitado aos tipos apresentados por Peters (2001). A figura 4 Apresenta a tela para o cadastro do requisito. É solicitado um nome para o mesmo, o autor do requisito, a prioridade, o status do desenvolvimento, o grau de dificuldade, a estabilidade, e uma descrição completa do requisito. A tela é a mesma para todo novo requisito, independente de tipo. Figura 4: Cadastro de requisito Matriz de Rastreabilidade A forma escolhida para gerenciar os requisitos nesta ferramenta foi o uso de matriz de rastreabilidade, onde o analista cria ligações entre os requisitos. O tipo de rastreamento utilizado é

9 o de requisitos-requisitos, ou seja, vínculo do requisito com outros requisitos que sejam, de alguma forma dependentes dele (Marquioni, 2004). O sistema gera uma matriz de rastreabilidade simples, que permite registrar as dependências entre os requisitos. Na primeira linha e coluna desta matriz são dispostos os nomes dos requisitos. A dependência entre os requisitos é registrada com um clique na célula de intersecção dos requisitos. Para visualização das dependências, são utilizadas setas que indicam qual(is) o(s) requisito(s) que dependem de um requisito e quais o(s) requisito(s) que são dependentes deste requisito. A leitura da dependência deve ser feita em função da direção da seta. Por exemplo, se a seta parte do requisito A e aponta para o requisito B, lê-se que o requisito B é dependente do requisito A. Devido a visualização da rastreabilidade ser feita com matriz de rastreabilidade, devese somente gerenciar projetos com um número pequeno de requisitos, recomendável no máximo 250. (Marquioni, 2004). A figura 5A mostra o processo para a criação de uma matriz. É necessário um nome e quais tipos de requisitos serão rastreados. Os requisitos dos tipos escolhidos são automaticamente incluídos na matriz de rastreabilidade. A figura 5B mostra a matriz que o analista pode criar, com o relacionamento entre os requisitos. Depois de montada, é possível realizar simulações com a matriz para verificar o efeito de alteração de requisitos. (A) Figura 5: Montando Matriz de rastreabilidade A figura 6 mostra a utilização prática da matriz de rastreabilidade. Trata-se da possibilidade de verificar os efeitos de alterações em requisito(s). Para isto, o analista seleciona, a partir da lista de requisitos que compõem uma matriz, quais destes requisitos serão alterados (figura 6A). Em seguida, o sistema apresenta a visualização, na forma de matriz, dos impactos (em outros requisitos) que a alteração irá causar. Estes impactos são indicados com cores, onde a coluna/linha do requisito alterado é colorida de amarelo, e a coluna/linha do requisito dependente do alterado é colorida de vermelho. A célula de intersecção entre os requisitos é colorida de laranja (figura 6B). (B)

10 (A) (B) Figura 6: Simulação de alteração de requisito 5 Conclusões A linguagem PHP além de ser de fácil manipulação mostrou-se bastante eficiente e eficaz no que diz respeito ao tempo de resposta nas requisições ao banco de dados. O gerenciamento de requisitos poderá ser realizado remotamente, ou seja, o analista não depende de sua estação de trabalho para executar as atividades que necessita, não havendo portanto, limitações geográficas para uma equipe de desenvolvimento. Além da vantagem de ser independente de plataforma. A ferramenta desenvolvida possui algumas vantagens em relação a outras ferramentas disponíveis no mercado. Uma delas é o fato de sua utilização ser via web, proporcionando uma maior agilidade no gerenciamento dos requisitos. Outra vantagem é o fato de que é possível construir diversas matrizes de rastreabilidade, e suas linhas e colunas não ficam restritas a um único tipo de requisito, podendo assim, rastrear diferentes tipos de requisitos em uma única matriz, o que não é permitido na ferramenta Rational RequisitePro. Com a construção de diversas matrizes de rastreabilidade, surge a possibilidade de gerenciar um número maior de requisitos, superando o limite de 250 requisitos por projeto. O uso de uma ferramenta para o gerenciamento dos requisitos auxilia o analista na organização e controle dos requisitos. Porém é fundamental lembrar a importância da etapa de elicitação dos requisitos pois, em nada adianta uma boa ferramenta de gerenciamento se os requisitos não forem captados de forma correta, refletindo todas as funções que o sistema deve realizar.

11 Referências FEATHER, Stephen; CASSADY-DORION, Luke. JavaScript em exemplos. São Paulo : Makron Books, xxv, 357 p. MARQUIONI, Eduardo. Os processos típicos da engenharia de requisitos parte 5, São Paulo, Disponível em < Acessado em 8 de julho de PETERS, James F; PEDRYCZ, Witold. Engenharia de software : teoria e prática. Rio de Janeiro: Campus, xvii, 602 p. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software. 5.ed. São Paulo : McGraw-Hill, xxvii, 843 p. SOARES, Walace. MySQL : conceitos e aplicações. São Paulo : Érica, p. SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de software. 6.ed. São Paulo : Addison Wesley, xiv, 592 p.

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Ago-2008 1 Gestão de requisitos 2 Bibliografia: PAULA

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation GMP Corporation Gerenciador de Multi-Projetos Manual do Usuário 2000 GMP Corporation Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/08/2004 1.0 Versão inicial do documento Bárbara Siqueira Equipe

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 SOFTWARE DE CONTROLE DE ARMAMENTO EM QUARTEL MILITAR Kahic Ribeiro de Almeida Rocha 1 ; Montgomery Scofield Ferreira Furletti; Luiz Fernando Ribeiro de Paiva¹ ¹Universidade de Uberaba - UNIUBE, Uberaba

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1

SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1 615 SOLUÇÃO EM DISPOSITIVO MÓVEL PARA ATENDIMENTO DE RESTAURANTES E LANCHONETES EM VIÇOSA-MG 1 Guilherme Paulo de Barros 2, Arthur Lemos 3, Heber Fernandes Amaral 4 Resumo: Nos dias atuais, com a popularização

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Themis Serviços On Line - Publicações

Themis Serviços On Line - Publicações Nome do documento Guia do Usuário Themis Serviços On Line - Publicações Sumário Introdução:... 3 1 - Cadastro dos Usuários do Themis Serviços On Line:... 3 2 - Acesso ao Sistema Themis Serviços On Line:...

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CONCEITOS BÁSICOS... 2 3. SAGE ALERTA NCM... 3 4. NCM PORTAL DE RELACIONAMENTO... 12 1.1. O que é NCM... 2 2.1.

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CONCEITOS BÁSICOS... 2 3. SAGE ALERTA NCM... 3 4. NCM PORTAL DE RELACIONAMENTO... 12 1.1. O que é NCM... 2 2.1. Sage Alerta NCM Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CONCEITOS BÁSICOS... 2 1.1. O que é NCM... 2 3. SAGE ALERTA NCM... 3 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. Cadastro NCM... 3 Destino NCM... 5 NCMs Monitoradas... 6 Painel de

Leia mais

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Manual de Rotinas para Usuários Advogados da União Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Versão 1.0 2015 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 O QUE É O SAPIENS? 3

Leia mais

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos Análise de Sistemas Aula 4 Contextualização Prof. Emerson Klisiewicz Aula 4 Gerenciamento de Requisitos Refinamento de Requisitos Aprovação de Requisitos Matriz de Rastreabilidade O Sucesso Clientes satisfeitos

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR.

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA CONSTRUÇÃO DO PORTAL E AQUISIÇÃO DE SOFTWARE DE GESTÃO DE

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Darwin Portal. Documentação Darwin Portal

Darwin Portal. Documentação Darwin Portal Darwin Portal Documentação Darwin Portal Versão 2.0.0 Outubro/2015 1. Introdução... 2 2. Darwin Portal, Requisitos de Acesso e Visão Geral... 2 3. My Darwin... 6 3.1. Operação... 6 3.2. Veículo... 7 3.3.

Leia mais

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Tipos de GED: Document imaging Document management Document Imaging / Document Management O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Mundo analógico Criação Revisão Processamento Arquivo Mundo digital

Leia mais

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 Seção de Implantação de Sistemas Divisão de Sistemas Judiciais de Segundo Grau Diretoria de Tecnologia da Informação DTI/TJSC suporte: saj2grau@tjsc.jus.br Índice: Página 1.

Leia mais

Como usar HTML em seus anúncios no MercadoLivre. MercadoLivre Brasil

Como usar HTML em seus anúncios no MercadoLivre. MercadoLivre Brasil Como usar HTML em seus anúncios no MercadoLivre 1 Conteúdo Apresentação Como editar os novos templates O que é necessário para editar os novos templates sem usar o Mercado Livre. Como salvar uma imagem

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

UM SISTEMA WEB PARA TORCEDORES EM CAMPEONATOS ESPORTIVOS ESTUDANTIS

UM SISTEMA WEB PARA TORCEDORES EM CAMPEONATOS ESPORTIVOS ESTUDANTIS UM SISTEMA WEB PARA TORCEDORES EM CAMPEONATOS ESPORTIVOS ESTUDANTIS Leonardo Assunção Rossi 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), Campus Nova Andradina Leonardo.a.rossi72@gmail.com

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO QUALIDADE DE SOFTWARE Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura

Leia mais

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE DHL IMPORT EXPRESS ONLINE GuIa DE usuário RaPIDaMENTE VOCÊ PODE PREPaR E CONTROLaR SuaS REMESSaS COM TODOS OS DETaLHES E VISIBILIDaDE DO ENVIO COM a FERRaMENTa DHL IMPORT EXPRESS. DHL IMPORT EXPRESS é

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Requisitos do usuário, do sistema e do software [Sommerville, 2004]

Requisitos do usuário, do sistema e do software [Sommerville, 2004] Requisitos Objetivos ou restrições estabelecidas por clientes e usuários do sistema que definem as diversas propriedades do sistema Condição ou capacidade necessária que o software deve possuir para que

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

DIRETO. Manual do Usuário. PROCERGS Divisão 7

DIRETO. Manual do Usuário. PROCERGS Divisão 7 DIRETO Manual do Usuário PROCERGS Divisão 7 Este documento foi produzido pela PROCERGS Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 210-3100 http:\\www.procergs.com.br Sumário Sobre

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CI 221 DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 5 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO Nesta aula serão apresentados e discutidos os conceitos de Gestão de projetos de software, riscos de software,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA AQUISIÇÃO DE DADOS E GERAÇÃO DE ÍNDICES AMBIENTAIS. Rafael Ferreira de Paula Paiva.

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA AQUISIÇÃO DE DADOS E GERAÇÃO DE ÍNDICES AMBIENTAIS. Rafael Ferreira de Paula Paiva. DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA AQUISIÇÃO DE DADOS E GERAÇÃO DE ÍNDICES AMBIENTAIS Rafael Ferreira de Paula Paiva Felipe Cavalaro Universidade São Francisco rafaelferreirad@hotmail.com Resumo:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

Sistema Integrado de Atendimento

Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento. Um sistema moderno, completo e abrangente que modifica a realidade do atendimento de sua empresa, proporcionando maior segurança na tomada

Leia mais

Integração da Digitação de Eventos

Integração da Digitação de Eventos Integração da Digitação de Eventos Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Primeiro Acesso... 1 1.2. Conhecendo a Plataforma... 3 1.2.1. Seleção da Empresa... 3 1.2.2. Sair do sistema/minhas Configurações...

Leia mais

Instruções para fazer o cadastro para acessar o SEstatNet

Instruções para fazer o cadastro para acessar o SEstatNet Instruções para fazer o cadastro para acessar o SEstatNet O SEstatNet é uma ferramenta de apoio às disciplinas ministradas nesta Universidade que facilita o aprendizado dos estudantes e ao mesmo tempo

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Guia do Usuário. idocs Content Server v.2.0-1 -

Guia do Usuário. idocs Content Server v.2.0-1 - Guia do Usuário idocs Content Server v.2.0-1 - 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 4 Inicializando a aplicação... 6 Ambiente... 7 Alterando o ambiente... 8 Senhas... 10 Alterando senhas... 10 Elementos

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console...

Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console... Manual Referência Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console... 14 1.4.1 Marca... 14 1.4.2 Modelo... 16

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Bloco Seleção = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 23Jul2015 1 Estrutura do Sistema RH1000 Gerenciar e administrar Sistema RH1000 Planejamento Estratégico

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 10 Tema: Gerenciamento

Leia mais

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento. MODELAGEM DE DADOS USANDO O MODELO ENTIDADE-RELACIONAMENTO Carga horária Quatro horas EAD 3ª semana. Objetivos UNIDADE 2 Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS

APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS Marina Pasquali Marconato Mancini CER, DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza

Leia mais

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS Joaldo de Carvalho Wesley Oliveira Irlei Rodrigo Ferraciolli da Silva Rodrigo Clemente Thom de Souza INTRODUÇÃO O mundo está dominado pelos dispositivos móveis. A cada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Diretrizes de Qualidade de Projetos

Diretrizes de Qualidade de Projetos Diretrizes de Qualidade de Projetos Versão 1.5 MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 15/01/2012 1.0 Criação do Artefato Pérsio Mairon 10/03/2012 1.1 Inclusão

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac Abril de 2015 Inicialização rápida O Novell Filr permite que você acesse facilmente todos os seus arquivos e pastas do desktop, browser

Leia mais

Do Word 2007 para o Office 365 para empresas

Do Word 2007 para o Office 365 para empresas Do Word 2007 para o Office 365 para empresas Faça a migração O Microsoft Word 2013 para área de trabalho está diferente das versões anteriores. Assim, veja a seguir uma visão geral dos novos recursos e

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo

TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO. Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer. Resumo TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS DE CUSTOS ANÁLISE POR PONTOS DE FUNÇÃO Alessandro Kotlinsky Deise Cechelero Jean Carlos Selzer Resumo Este artigo descreve os conceitos gerais relacionados a técnica de Análise

Leia mais

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009 Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos Alunos: Professor: Disciplina:

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

Elicitação de requisitos e análise

Elicitação de requisitos e análise Elicitação de requisitos e análise Esta atividade divide-se em dois esforços maiores: Elicitação dos requisitos em si Técnicas de elicitação Análise do que foi elicitado Processo de análise 1 Que é um

Leia mais

Manual do Sistema Primeira Exportação

Manual do Sistema Primeira Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Manual do Sistema Primeira Exportação Perfil: Gestor de Entidade BRASÍLIA Fevereiro de 2011 Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com.

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com. MANUAL SICCL SQL ÍNDICE ACESSANDO O SISTEMA SG - COMPRAS E CONTRATOS... 3 ATENDENDO SOLICITAÇÕES DE ITENS E SERVIÇOS... 5 VERIFICANDO A DISPONIBILIDADE DE RECURSOS... 7 ATENDER SOLICITAÇÕES COM PROCESSO

Leia mais

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central.

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central. APRESENTAÇÃO O presente documento Aplicativos de E-mail / Webmail Nível Básico Perguntas e Respostas tem como principal objetivo disponibilizar aos servidores das Escolas Estaduais do Estado de Minas Gerais

Leia mais

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes CeC Cadastro Eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Usuário Externo Março/2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Objetivos... 3 3. Solicitação de CeC... 4 3.1. Cadastro de pessoas físicas... 5 3.1.1. Cadastro

Leia mais

MANUAL SISTEMA AJG/CJF

MANUAL SISTEMA AJG/CJF MANUAL DO SISTEMA AJG/CJF ÍNDICE 1. SEJA BEM VINDO AO AJG... 3 1.1 Seja Bem-Vindo!... 3 2. SOBRE A AJUDA... 4 2.1 Como navegar no ajuda on-line... 4 3. SOBRE O SISTEMA... 5 3.1 Sobre o sistema... 5 3.2

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

Para a utilização do WordPress são recomendadas as seguintes configurações:

Para a utilização do WordPress são recomendadas as seguintes configurações: Desenvolvimento de Site Rápido DSR Plataforma Wordpress O WordPress é uma plataforma semântica de vanguarda para publicação pessoal, com foco na estética, nos Padrões Web e na usabilidade. Ao mesmo tempo

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.01.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.01.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A Assessoria

Leia mais

Manual de Utilização e-rh para Servidor em Geral

Manual de Utilização e-rh para Servidor em Geral UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS P.R.R.H Manual de Utilização e-rh para Servidor em Geral (Módulo Recadastramento) 1 SUMÁRIO 1. SEÇÃO - INFORMAÇÕES INICIAIS... 3 1.1.

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS Hélio Pereira da Rosa Neto Universidade Anhanguera-Uniderp Fernando Conter Universidade Anhanguera-Uniderp O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS RESUMO Este artigo científico tem como

Leia mais

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS 1 REQUISITOS São os serviços fornecidos para um sistema. São classificados em requisitos

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Dados. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme Platão;

Dados. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme Platão; Dados Os Dados são os fatos em sua forma primária, como observamos no mundo. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme

Leia mais

Manual Rápido de Registro e Configuração do DJPDV

Manual Rápido de Registro e Configuração do DJPDV Página 1 Manual Rápido de Registro e Configuração do DJPDV Juliana Rodrigues Prado Tamizou www.djsystem.com.br (15) 3324-3333 Rua Coronel Aureliano de Camargo,973 Centro - Tatuí SP - 18270-170 Revisado

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DO SICC

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DO SICC PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DO SICC Para ter acesso ao sistema, e realizar a abertura de chamados, o usuário deve efetuar o auto cadastramento, clicando no link Clique aqui! disponível na página inicial

Leia mais

Parametrização Itens para Movimentação

Parametrização Itens para Movimentação Parametrização Itens para Movimentação Sumário Manutenção Itens... 4 Filtro... 5 Movimentações de Entrada... 8 Movimentações de Saída... 10 Configurações de Inventário de Item... 11 Código de Barras e

Leia mais

VÄâux atätä. Figura 1 Menu principal do SVE

VÄâux atätä. Figura 1 Menu principal do SVE Instrução para utilização do Sistema de Votação Eletrônica I. Introdução O Sistema de Votação Eletrônica (SVE) do Clube Naval (CN) destina se a apoiar a eleição dos membros da Diretoria, Conselho Diretor

Leia mais

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnologia EIA Escola de Informática Aplicada TIN0033 Projeto de Graduação II Orientadora: Renata Araújo Alunos:

Leia mais

Guia do Fornecedor. WBC Public Pregão eletrônico

Guia do Fornecedor. WBC Public Pregão eletrônico Guia do Fornecedor WBC Public Pregão eletrônico As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas a mudança sem aviso prévio.

Leia mais

Manual de procedimentos de abertura e acompanhamento de chamados no SGD

Manual de procedimentos de abertura e acompanhamento de chamados no SGD Manual de procedimentos de abertura e acompanhamento de chamados no Sistema de Gestão de Demandas (SGD) Manual da Gerência de Manutenção de Equipamentos Manual de procedimentos de abertura e acompanhamento

Leia mais

WEBGIS Sistema Informativo Territorial

WEBGIS Sistema Informativo Territorial PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA WEBGIS Sistema Informativo Territorial MANUAL DE UTILIZAÇÃO Autor: Rony Camargo de Brito Primeira edição: 20-06-2008 Atualizado: 08-10-2008 Todos os Direitos Reservados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS Aluno: Luiza Cavalcanti Marques Orientador: Silvio Hamacher Introdução A modelagem e a utilização de bancos de dados em atividades gerenciais têm sofrido um aumento significativo

Leia mais

CENTRAL GERENCIADORA DE BOLICHE PS 2009

CENTRAL GERENCIADORA DE BOLICHE PS 2009 CENTRAL GERENCIADORA DE BOLICHE PS 2009 MANUAL DE INSTRUÇÕES VERSÃO 1.10 Prezado Cliente, Preparamos este manual para que você possa conhecer cada detalhe deste produto, e assim utilizá-lo de maneira correta

Leia mais