AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DO PROJETO PÓLO DE FRUTICULTURA IRRIGADA SÃO JOÃO - PORTO NACIONAL TO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DO PROJETO PÓLO DE FRUTICULTURA IRRIGADA SÃO JOÃO - PORTO NACIONAL TO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DO PROJETO PÓLO DE FRUTICULTURA IRRIGADA SÃO JOÃO - PORTO NACIONAL TO Fabrício de Oliveira Ramos 1 Caroline Lopes Barros 1 Iracélia Coêlho de Sousa 1 Leila da Costa Barros 1 Rochele Barboza Cezar 1 Graduandos do curso de Tecnologia em Gestão Ambiental da Faculdade Católica do Tocantins Orientador: Prof Msc.GIULLIANO GUIMARÃES RESUMO Dentre os recursos disponíveis para o homem, a água é um dos mais importantes. Ela é um dos elementos indispensáveis para as diversas atividades humanas, além de fazer parte direta e indiretamente do metabolismo vegetal e animal. A relação entre o uso da água e a capacidade hídrica é direta e contribui para agravar sua escassez, o que leva à geração de conflitos entre seus diversos tipos de usos e usuários. A agricultura é considerada a base para o sustento, sendo de grande importância para a economia do país. No entanto, através da irrigação, pode-se alterar a qualidade das águas superficiais em conseqüência do uso de defensivos agrícolas, onde o escoamento superficial ou infiltração podem influenciar nos resultados dos parâmetros comparativos analisados. Este trabalho tem como objetivo avaliar a qualidade de água dos mananciais situados no Pólo de Fruticultura Irrigada São João, município de Porto Nacional TO. A pesquisa foi realizada através da avaliação dos parâmetros físico-químicos da água de três Córregos. Este estudo seguiu a metodologia da CETESB (2005) e da Apha (2005). Os resultados revelaram que todos os Parâmetros estão de acordo com a resolução 357/05 do CONAMA. PALAVRAS-CHAVE: Qualidade da água, Parâmetros físico-químicos, Mananciais superficiais.

2 1 1.0 INTRODUÇÃO A água é um bem finito fundamental e imprescindível para a existência da vida na Terra, ocupa aproximadamente 70% da superfície terrestre, deste total cerca de 97% está concentrada nos oceanos, restando somente 0,3% de água doce. A água está presente em toda a Natureza, nos estados sólido, líquido e gasoso e se renova através de processos físicos do ciclo hidrológico. Os recursos hídricos possuem atributos para múltiplos fins, sendo eles: abastecimento público, doméstico e industrial, geração de energia elétrica, navegação, dessedentação de animais, irrigação, conservação da flora e da fauna, recreação, lazer, harmonia paisagística, entre outros. Eles recebem, diluem e transportam esgotos domésticos, efluentes industriais e resíduos das atividades rurais e urbanas. A inter-relação entre o uso da água e a capacidade hídrica é direta e contribui para agravar sua escassez, o que leva à geração de conflitos entre seus diversos tipos de usos e usuários. Portanto, exige-se a adoção de medidas que garantam a manutenção de suas características mais puras, de forma que seja efetivamente própria para o consumo. A situação dos corpos hídricos em relação aos efeitos antrópicos pode ser verificada através dos parâmetros que medem a qualidade da água, que é determinada por suas características físicas, químicas e biológicas, variando de acordo com seus diversos fins. A agricultura é considerada a base para o sustento, sendo de grande importância para a economia do país. No entanto, através da irrigação, pode-se alterar a qualidade das águas superficiais em conseqüência do uso de defensivos agrícolas, onde o escoamento superficial ou infiltração podem influenciar nos resultados dos parâmetros comparativos analisados. Diante do exposto, este trabalho tem como objetivo avaliar a qualidade da água dos mananciais superficiais do Pólo de Fruticultura Irrigada São João em Porto Nacional TO.

3 2 2.0 REVISÃO DE LITERATURA Dentre os recursos disponíveis para o homem, a água é um dos mais importantes. Ela é um dos elementos insubstituíveis para as diversas atividades humanas, além de fazer parte direta e indiretamente do metabolismo vegetal e animal. Segundo Tundisi (2003) a água nutre as florestas, mantêm a produção agrícola, assim como, a biodiversidade nos sistemas terrestres e aquáticos. Portanto, os recursos hídricos superficiais são recursos estratégicos para a vida do Planeta Terra. A importância dos corpos hídricos está descrita na Lei da Política Nacional de Recursos Hídricos que define, dentre seus objetivos: assegurar à atual e às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos respectivos usos (Cap. II, Art. 2 0 ). Os recursos hídricos são utilizados para múltiplos usos, os consuntivos: abastecimento doméstico, industrial, irrigação e dessedentação de animais e os não consuntivos: recreação e lazer, conservação da flora e fauna, geração de energia elétrica, transporte e navegação e diluição de despejos. (BASSOI & GUAZELLI, 2004). De acordo com Setti et al (2001) os usos consuntivos são os que retiram a água de sua fonte natural, diminuindo suas disponibilidades quantitativas, espacial e temporalmente; e os não consuntivos, referem-se aos usos em que praticamente a totalidade da água utilizada, retorna à fonte de suprimento, podendo haver alguma modificação no seu padrão temporal e de disponibilidade quantitativa. Telles e Domingues (2006) ressaltam que a agricultura e a pecuária, principalmente a irrigação de culturas, são as principais atividades do grupo dos usos consuntivos da água, que juntas utilizam 65% do total. A participação percentual do setor agrícola vem caindo ao longo do tempo, sendo que a tendência para 2020 é de uma redução de apenas 5%. (TELLES & DOMINGUES, 2006).

4 3 A disponibilidade hídrica vem sofrendo ameaças em quantidade e qualidade, em decorrência da degradação ambiental advinda das atividades humanas. Tucci (2006), afirmou que o aumento populacional agrava a poluição doméstica e industrial, criando condições ambientais inadequadas e propicia o desenvolvimento de doenças de veiculação hídrica. Segundo Sperling (2005), a poluição das águas é a adição de substâncias ou de formas de energia que direta ou indiretamente, alteram a natureza do corpo hídrico, prejudicando os legítimos usos que dele são feitos. Tundisi, (1999) apud Pontieri et al (2008) afirma que as alterações na quantidade, distribuição e qualidade dos recursos hídricos, ameaçam a sobrevivência humana e as demais espécies do planeta. A resolução n.º 357/05 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) apresenta os diversos parâmetros para o enquadramento dos corpos hídricos brasileiros e é uma ferramenta importante e decisiva para o monitoramento da qualidade da água, além de ser um referencial para a gestão dos recursos hídricos. Para Araújo e Santaella (2001) a qualidade da água é um conjunto de características físicas, químicas e biológicas que possam atender aos múltiplos usos a que se destina. Hespanhol (2001) fala ainda, que as condições geológicas e geomorfológicas da cobertura vegetal da bacia de drenagem, do comportamento dos ecossistemas terrestres e de águas doces e das ações do homem, também são determinantes para a qualidade da água. De acordo com o relatório realizado pela Geo Brasil Recursos Hídricos em 2007, juntamente com a Agência Nacional das Águas (ANA), Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Brasil detém cerca de 12% da quantidade de água doce superficial do mundo, entorno de 1,5 milhões de m³/s, sendo portanto, privilegiado em termos de recursos hídricos. Segundo a ANA (2005), o Estado do Tocantins possui grande riqueza hídrica concentrada na Bacia Araguaia-Tocantins, apresenta relevância nacional em termos de expansão agrícola, no cultivo de grãos e um grande potencial hidroelétrico, destaca ainda, a região como uma das áreas de maior interesse, para a expansão econômica nas próximas décadas.

5 4 3.0 MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Localização geográfica da área Com o enchimento do reservatório da UHE Luis Eduardo Magalhães ocorrido em fevereiro de 2002, houve a necessidade de deslocamento dos moradores ribeirinhos para áreas mais afastadas, em um processo denominado reassentamento. O Pólo de Fruticultura Irrigada São João, surgiu originalmente como reassentamento Córrego da Prata. A área em estudo compreende o Pólo de Fruticultura Irrigada São João, situado no município de Porto Nacional TO, localizando-se entre as bacias do Córrego Chupé e do Ribeirão São João na Bacia Hidrográfica do Rio Tocantins, como mostra a Figura 1. A área do Projeto corresponde a 5.128,8 hectares, onde hectares estão sendo utilizados para plantação de espécies frutíferas. Figura 1. Mapa de localização dos pontos de amostragem da área de influência do Pólo de Fruticultura Irrigada São João, Porto Nacional TO.

6 CARACTERIZAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS AMOSTRAIS Foram realizadas coletas em três pontos amostrais, localizados dentro do perímetro do Projeto. Os pontos foram caracterizados das seguintes formas: Córrego Prata (PM1 régua), coordenadas UTM 22L m E e m N está localizado na Área de Reserva Legal do Pólo de Fruticultura e possui como características as matas ripárias conservadas. Córrego Prata (PM2 Canal), coordenadas UTM 22L m E e m N está localizado à montante do ponto PM1 e do canal principal de irrigação que cortou este manancial. Córrego Retiro (PM3 Ponte), coordenadas UTM 22L m E e m N. Sua mata ripária está bem conservada, porém o local da coleta se encontra degradado por apresentar usos antrópicos, como captação d água e uso recreacional. FIGURA 2: PM1 CÓRREGO PRATA (RÉGUA) FONTE: Autor FIGURA 3: PM2 CÓRREGO PRATA (CANAL) FONTE: Autor FIGURA 4: PM3 CÓRREGO RETIRO (PONTE) FONTE: Autor f 3.3. COLETAS E ANÁLISES f As coletas foram realizadas nos meses de junho, setembro e dezembro de 2008: período seco (junho e setembro) e período chuvoso (dezembro). Elas foram realizadas de acordo com a metodologia da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - CETESB (2005) e Standard Methods for the Examination of Walter and Wastewater APHA (2005). Para a obtenção e o armazenamento das amostras de água foram utilizados frascos de polietileno (2L), previamente lavados com água deionizada e água do local. A amostragem compreendeu a coleta de água bruta a aproximadamente 10 cm, com a boca do frasco contra a corrente completando-o por inteiro, deixando

7 6 apenas um pequeno espaço vazio para a homogeneização da amostra. Terminada a coleta, as amostras foram identificadas e mantidas em caixa de isopor, após isso, foi efetuado o transporte até o laboratório, onde foram refrigeradas a 4 C até o momento de execução das análises. As análises foram realizadas de acordo com as metodologias de espectrofometria descritas pela Apha (2005), utilizando um espectrofotômetro HACH DR 4000U. Os parâmetros temperatura, turbidez, ph, condutividade e sólidos totais dissolvidos foram obtidos in loco, por meio de uma sonda multiparamétrica (HORIBA U-22XD). 4.0 RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Temperatura A temperatura da água é um dos parâmetros físicos mais importantes nos estudos dos ecossistemas aquáticos, uma vez que influencia diretamente a cinética dos processos metabólicos oxidativos vitais, como a respiração; a solubilidade dos gases dissolvidos, como o oxigênio; a densidade da água que interfere na mistura e movimentos das massas de água e interage com todas as demais propriedades da água (QUEIROZ, 2003). Figura 5. Valores de temperatura na área estudada Observa-se com os resultados de temperatura nos pontos amostrais da figura 5, que há uma variação entre 23,1ºC a 28,0ºC. Nos meses de junho e setembro

8 7 período da estação seca na região foram registradas as maiores elevações na temperatura. Vale ressaltar que o ponto PM3 Ponte, apesar de ter a menor profundidade e maior cobertura vegetal degradada, teve os menores resultados entre 23,1ºC a 25,9ºC. Isso se deve principalmente ao período do dia em que foi realizada a medição, pela manhã. Tais resultados foram encontrados dentre os fatores que influenciam a temperatura da água, descritos pela CETESB (2005) que afirma que a temperatura superficial é influenciada pela latitude, altitude, estação do ano, período do dia, taxa de fluxo e profundidade Condutividade, Sólidos Totais Dissolvidos e Turbidez A figura 6 mostra os resultados de sólidos totais dissolvidos, condutividade e turbidez durante o período de junho, setembro e dezembro de 2008 nos três pontos, iniciando-se com o ponto PM1 régua, ponto PM2 canal e PM3 ponte. 6a 6b 6c Figura 6. Valores de Sólidos Totais Dissolvidos (a), Condutividades (b) e Turbidez (c) nas áreas estudas.

9 8 De acordo com a figura 6a, os valores de condutividade variam de 3,00 a 7,39 µs/cm 2. O mês de junho obteve o índice de maior condutividade com média de 6,12 µs/cm 2, seguido por setembro com 3,66 µs/cm 2 e dezembro com 3,56 µs/cm 2. O decréscimo da condutividade sugere que não ocorreu dissolução de sais e sólidos totais dissolvidos, essa afirmação é constatada na relação das figuras 6a e 6b. Quanto mais sólidos dissolvidos estiveram presentes na água, maior será a condutividade. Os pontos PM2- canal e PM3- ponte, obtiveram os mesmos valores de condutividade, tanto para o mês de setembro como para o de dezembro. Cabe ressaltar, que as concentrações de condutividade não indicam algum tipo de impacto no meio. A resolução 357/05 do CONAMA não preconiza limites aceitáveis de condutividade. O parâmetro Sólidos Totais Dissolvidos está diretamente relacionado com a condutividade, ele variou entre 3,55 ppm e 2,00 ppm. O resultado do mês de junho foi proporcional ao resultado da condutividade, os demais meses tiveram valores similares entre si. Entre os pontos analisados, o PM3-ponte registrou os maiores valores de sólidos totais dissolvidos em todos os meses, portanto, sugere-se que isso ocorreu devido ao grau de degradação das suas margens, o que ocasionou o carreamento de sedimentos para o corpo hídrico. Com a interpretação dos resultados, foi possível observar, que a concentração de sólidos totais dissolvidos foi praticamente o dobro da condutividade. Conforme os dados disponíveis na figura 6c, a turbidez variou de 37,0 NTU a 0,0 NTU. Ao contrário dos sólidos totais dissolvidos e da condutividade, a turbidez foi crescente ao longo dos meses, principalmente no PM3- Ponte, onde a mata ripária está degradada. O ponto PM1- régua registrou o menor valor de turbidez em decorrência de sua conservação. Vale lembrar, que o limite de turbidez estabelecido pela Resolução CONAMA 357/05 para rios de Classe II é de até 100 NTUs, o qual não foi excedido em nenhuma das amostras efetuadas neste trabalho.

10 Oxigênio Dissolvido e Demanda Bioquímica de Oxigênio 7a 7b Figura 7. Valores de Oxigênio Dissolvido (a) Demanda bioquímica de oxigênio (b) nas áreas estudadas As concentrações de oxigênio dissolvido (OD) tiveram uma variação de 5,50 mg/l a 11,94 mg/l, esses teores de OD estão de acordo com o estabelecido pela resolução CONAMA 357/05 para rios de classe 1, 2 e 3. Segundo a figura 7a, houve um crescimento da concentração de OD temporal nos três pontos. No mês de dezembro (período de chuva), foram registradas elevadas concentrações de OD, fato que pode ter relação direta com a precipitação ocorrida na região neste período. Scandolera et al. (2001) também encontrou resultados semelhantes em épocas de chuva. No ponto PM3 ponte, a concentração de OD teve um crescimento significativo ao longo dos meses estudados, tal fato pode estar relacionado com a menor profundidade do córrego, luminosidade intensa e ventos, fatores que permitem a troca de oxigênio entre a atmosfera e o fluxo de água, contribuindo assim, para a oxigenação do meio. Nas figuras 7a e 7b, evidencia-se que o oxigênio dissolvido e a demanda bioquímica de oxigênio possuem uma correlação inversamente proporcional entre si, ou seja, à medida que o oxigênio eleva sua concentração, a DBO diminui. Latuf (2004) afirma que a DBO é proporcionalmente inversa a OD, ou seja, quanto menos oxigênio estiver presente no meio para estabilização da matéria orgânica, maiores serão as taxas de DBO. Os resultados descritos nas figuras acima mostram que existe um equilíbrio no meio aquático, pois águas poluídas apresentam baixa concentração de oxigênio dissolvido, isso ocorre em decorrência do consumo de OD pelos microorganismos, na disponibilidade de matéria orgânica em excesso, no entanto, elevada

11 10 concentração de OD indica água limpa e de boa qualidade para os diversos usos, que são descritos pela resolução 357/05. Com relação a DBO 5,20 na figura 7b, verificou-se uma média de 2,3 em todos os resultados. O mês de junho registrou a maior média com um total de 3,0 de DBO 5,20, seguido do mês de setembro com 1,93 e dezembro com 1,96, respectivamente. Nos dois últimos meses, a DBO manteve valores similares nos três córregos, indicativo de que não houve introdução de matéria orgânica capaz de causar perturbação ao meio, ou seja, a quantidade de matéria orgânica existente ou introduzida é menor do que a capacidade de assimilação do corpo hídrico, tal fato corresponde à correlação inversa entre OD e DBO visualizado pela figura 7. Portanto, as amostras ficaram com níveis dentro do estabelecido pelas exigências da resolução 357/05, que preconiza um valor de até 5 mg/l para os corpos hídricos de classe ph Segundo Mota (2008), o potencial hidrogeniônico (ph), representa o equilíbrio entre íons H + e íons OH -, onde o ph inferior a 7 é ácido, o ph igual a 7 é neutro e o maior do que 7 é alcalino. Figura 8. Valores do Potencial Hidrogeniônico (ph) nas áreas estudadas. Conforme os resultados aferidos na figura 8, o ph apresentou média de 5,7 (levemente ácido). O mês de junho apresentou a maior concentração de ph, seguido

12 11 por setembro e dezembro respectivamente. Observa-se que no ponto PM3 - ponte, ocorreu a maior elevação de ph, ficando próximo da neutralidade. Os pontos PM1 - régua e PM2 - canal, mantiveram variações e valores semelhantes em todos os meses analisados, o que indica um equilíbrio nessa microbacia Nitrogênio Amônia, Nitrito e Nitrato A figura 9 mostra os resultados de amônia, nitrato e nitrito, durante o período de junho, setembro e dezembro de 2008 nos três pontos. 9a 9b 9c Figura 9. Valores de Amônia (a), Nitrito (b) e Nitrato (c) nas áreas estudadas. As concentrações do íon amônia tiveram uma variação de 0,019 a 0,181 mg/l. O mês de junho foi o que teve a maior concentração de amônia com uma média de 0,296 mg/l, seguido de dezembro com 0,265 mg/l e setembro com 0,128 mg/l.

13 12 O ponto PM3 ponte apresentou uma redução de amônia ao longo dos meses. Em junho houve uma concentração significativa se comparado com os demais resultados, possivelmente, ocorreu algum tipo de poluição. Existe uma estreita relação do resultado elevado de amônia com a menor concentração de oxigênio dissolvido no mesmo, ou seja, à medida que a concentração de amônia foi elevada, decresceu o oxigênio, figura 9a e figura 7a. Esteves (1998) comenta que altas concentrações de íon amônio, poderão influenciar fortemente na dinâmica do oxigênio dissolvido do meio, uma vez que para oxidar 1,0 miligrama do íon amônio, são necessários cerca de 4,3 miligramas de oxigênio. Este autor enfatiza ainda, que concentrações de 0,25 mg/l ou superiores a esta, afetam o crescimento dos peixes e superiores a 0,5 mg/l são letais para 50% dos mesmos. As concentrações encontradas nos três córregos estão abaixo do limite preconizado pela Resolução CONAMA nº357/05, para classe I e II. A concentração de nitrito dos pontos amostrais revelou uma variação de 0,0001 a 0,0039, com média de 0,0014 mg/l. Nota-se que no mês de dezembro ocorreram os maiores teores, seguido por setembro e junho. No ponto PM2 - canal, verificou-se a maior concentração de nitrito no mês de dezembro (0,0039 mg/l) e no ponto PM3 - ponte, observou-se a menor concentração no mês de setembro (0,000.1mg/L) figura 9b. Tal fato pode estar correlacionado com a concentração de oxigênio dissolvido elevado neste ponto, figura 7a. Esteves (1998) comenta que o nitrito é encontrado em baixas concentrações em ambientes oxigenados. Os valores amostrais revelam concentrações insignificantes, se comparadas a resolução CONAMA nº357/05, que preconiza 1,000mg/L para as águas de classe I e II. Nas análises realizadas, as concentrações de nitrato oscilaram de 0,1 a 1,5 mg/l. Nota-se que o mês de setembro registrou valores acima do esperado em todos os pontos amostrais. O ponto PM3 - ponte, semelhantemente aos outros parâmetros, teve a maior concentração de nitrato. Os resultados encontrados de nitrato em todos os pontos amostrais estão dentro do limite estabelecido pela Resolução CONAMA nº357/05, que preconiza para água de classe I e II até 10 mg/l.

14 CONCLUSÕES Com base no trabalho realizado, conclui-se que: Os valores encontrados de temperatura nos pontos amostrais informam que há um equilíbrio no meio, diretamente influenciado pela estação seca e chuvosa e pelo período do dia. A resolução 357/05 não estabelece limites para tal parâmetro. As concentrações de condutividade foram relativamente baixas, indicando pouca dissolução de sais e sólidos. O ponto PM3 ponte mostrou valores acima dos demais, provavelmente existe relação deste resultado com a degradação da mata ripária. Para tal parâmetro, a resolução 357/05 do CONAMA não preconiza limites aceitáveis. No parâmetro sólidos totais dissolvidos, as concentrações encontradas foram baixas em todos os pontos amostrais, porém, o ponto PM3 ponte foi o que apresentou a maior concentração. Foram encontrados valores de turbidez dentro do limites estabelecidos pela resolução 357/05 do CONAMA em todos os pontos amostrais. Destaca-se que o ponto PM3 ponte apresentou a maior concentração no mês de dezembro, isto se deve provavelmente, devido ao período chuvoso, aliado à falta de mata ripária neste ponto. De acordo com as análises realizadas, o ambiente em estudo mostrouse bem oxigenado com valores dentro dos limites estabelecidos pela resolução 357/05 do CONAMA. Os valores encontrados para DBO em todos os pontos amostrais estão de acordo com os limites preconizados pela resolução 357/05 do CONAMA.

15 14 Os valores de ph obtidos em todos os pontos das amostras, indicam que as águas em estudo se encontram levemente ácidas. Para os parâmetros amônia, nitrito e nitrato, as concentrações encontradas em todo o período amostral, encontram-se de acordo com os limites da resolução 357/05 do CONAMA para águas de classe II, mostrando assim, que o ambiente está conservado. O ambiente em estudo no que se refere à qualidade da água, encontrase em bom estado de conservação. No entanto, o monitoramento limnológico contínuo, faz-se necessário para garantir a sua qualidade e conservação. 6.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ANA - AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Panorama da Qualidade das Águas Superficiais do Brasil. Cadernos de recursos hídricos. Brasília, DF: ANA [et al.]. v p AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION (APHA). Standard Methods of the Examination of Water and Wastewater. USA: Washingtown, ARAÚJO, J.C.; SANTAELLA, S.T. Gestão da Qualidade. In: Gestão das Águas. Nilson Campos e Ticina Studart (Edit.). Porto Alegre, RS: ABRH. 2. ed. 242 p BASSOI, L. J.; GUAZELLI, M. R. Controle Ambiental da água. In: PHILIPPI Jr, A.; ROMÉRO, M. de A.; BRUNA, G. C. Curso de Gestão Ambiental. Barueri: Manole, p BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução n.º 357, de 17 de março de Conselho Nacional de Meio Ambiente CONAMA, Brasília, DF.

16 15 BRASIL, Lei no 9.433, de 08 de janeiro de 1997, que Instituí a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Recursos Hídricos e dá outras providências. CETESB. Guia de coleta e preservação de amostras de água. Ed. CETESB, São Paulo CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Rios e Reservatórios: variáveis de qualidade das águas. São Paulo: CETESB, Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br/agua/rios/variaveis.asp>. Acesso em: 12 Junho de ESTEVES, F. A. Fundamentos de Limnologia. 2.ed. Rio de Janeiro: Interciência, p. HESPANHOL, I. Manejo integrado dos recursos hídricos. In: TUCCI, C.E.M. Gestão da água no Brasil. Cap. 2.Brasilia. Ed. Unesco p LATUF, M. O. Diagnóstico das Águas Superficias do Córrego São Pedro, Juiz de Fora-MG. Geografia-Londrina-Vol. 13. Nº 1 JAN./JUN Disponível em Acesso em: 15 de junho de MOTA, S. Gestão dos recursos hídricos 3 ed. Rio de Janeiro: ABES, PONTIERI, M. H.; RODRIGUES JUNIOR, P. C.; COVAS, V. D. S.; PELIZER, L. H. Avaliação Preliminar da Qualidade da água do Córrego Capão do Embirá Franca (SP). Revista Saúde e Ambiente / Health and Environment Journal, v. 9, n. 2, dez.08. QUEIROZ, A. M. Caracterização limnológica do lagamar do Cauípe Planície Costeira do município de Caucaia CE f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) Universidade Federal do Ceará UFC, Fortaleza, CE, SETTI, A.A. LIMA, J.E.F.W. CHAVES, A.G.M. PEREIRA, I.C. Introdução ao Gerenciamento de Recursos Hídricos. Brasília, DF: ANA/ANEEL. 2 ed. 226 p SPERLING, M. V. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. v.1.3.ed. Belo Horizonte: DESA/UFMG, 2005.

17 16 SCANDOLERA, A. J.; PALHARES, J. C.; JUNIOR, J. L.; AMARAL, L. A.; MENDONÇA, R. P.; OLIVEIRA, G. P. Avaliação de parâmetros químicos, microbiológicos e parasitológicos de águas de abastecimento da UNESP e residuária, no município de Jaboticabal, Estado de São Paulo. Semina: Ci. Agrárias, Londrina, v. 22, n.1, p , jan./jun TUNDISI, José Galizia (2003), O futuro dos recursos hídricos. Revista MultiCiência, 1, Tundisi, J. G. Água no século XXI, enfrentando a escassez. São Carlos: RIMA, 247 p TELLES, D. D.; DOMINGUES, A. F, Água na agricultura e pecuária. In: Rebouças, A. C.; Braga, B.; Tundisi, J. G. Água Doces do Brasil: capital ecológico, uso e conservação. cap. 10. ed.escrituras São Paulo p

Nome do Autor: Endereço para correspondência:

Nome do Autor: Endereço para correspondência: TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA E SUA RELAÇÃO COM O USO DO SOLO EM DOIS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS SP: RESERVATÓRIO DO TANQUE GRANDE E DO CABUÇU Nome do Autor: José Carlos

Leia mais

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA V023 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA Ivo Luís Ferreira Macina (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do

Leia mais

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil 1 Majane Marques Dias Lessa 2 Ana Alexandrina Gama da Silva RESUMO: Este estudo apresenta os resultados obtidos

Leia mais

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA Magda Maria Marinho Almeida Química Industrial Universidade Federal do Ceará, Mestre em Tecnologia de Alimentos - UFC Fernando José Araújo

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais. Pôster Digital

Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais. Pôster Digital 1 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E MEIO AMBIENTE Desenvolvimento, e conflitos territoriais e saúde: ciência e movimentos sociais para a justiça ambiental nas políticas públicas. Desenvolvimento socioeconômico

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

MANEJO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DE CASO DOS DIVERSOS USOS DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO DE ITAPARICA

MANEJO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DE CASO DOS DIVERSOS USOS DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO DE ITAPARICA MANEJO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DE CASO DOS DIVERSOS USOS DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO DE ITAPARICA Maria de Lourdes Almeida Gonçalves (1); Sara Maria Gomes Pinheiro (1); Emerson

Leia mais

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais.

Palavras chaves: Bacteriologia, Monitoramento, Qualidade de água e Águas superficiais. ESTUDO BACTERIOLÓGICO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO TOCANTINS, NO TRECHO COMPREENDIDO ENTE OS MUNÍCIPIOS DE CORONEL VALENTE E RETIRO (TO), A JUSANTE DA UHE SERRA DA MESA-GO. Ricardo H. P. B. Peixoto* Mestre

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS Jaqueline Scapinello 1, Antônio Carlos Munarini 2, Gilza M. de Souza Franco 3 e Jacir Dal Magro 3 Resumo: A suinocultura é uma atividade

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-028 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO DE ÁGUA VERMELHA, MUNICÍPIO

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP HTU UTH INFLUÊNCIA DAS FONTES DIFUSAS DE OLUIÇÃO HÍDRICA NO COMORTAMENTO DO H NAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DO RIO OCOÍ, TRIBUTÁRIO DO RESERVATÓRIO DE ITAIU BACIA DO ARANÁ III atrícia C. Cervelin, Victor Hugo

Leia mais

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Taysa Tamara Viana Machado (1) Engenheira Civil pela

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO Maristela Silva Martinez (1) Bacharel em Química(USP), Mestre e Doutora em Físico-Química (IQSC- USP).

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA II-11 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Irene Maria Chaves Pimentel (1) Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

Monitoramento em tempo real

Monitoramento em tempo real Período de 1//2 a 7//2 No presente relatório são apresentados os dados do monitoramento em tempo real do período de 1// a 7//, bem como os resultados dos perfis diários no rio Madeira e nos tributários

Leia mais

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA.

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial. Mestre em Geoquímica pelo Centro de Geociências da UFPA. Coordenadora do Curso de Ciências Ambientais

Leia mais

Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais

Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais 177 Avaliação da Hercogamia e Sua Influência na Produção de Frutos de Maracujá... Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais Water Quality in the Sobradinho Lake: Principal

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS 7 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO CONDOMÍNIO TOPÁZIO, LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE ESMERALDAS, MINAS GERAIS Alice Monteiro de Carvalho (alicemonteiroc@gmail.com) 1 Jaqueline Silvana Moreira (jaquelinesmoreira@yahoo.com.br)

Leia mais

QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA, AMAZÔNIA COSTEIRA

QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA, AMAZÔNIA COSTEIRA QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA, AMAZÔNIA COSTEIRA Rodrigo Augusto Moreno Santos (*), Luci Cajueiro Carneiro Pereira * Laboratório de Oceanografia Costeira e Estuarina,

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL Isabelle Yruska de Lucena Gomes da Costa 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 ; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega 3 1 Aluna

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

PVIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. Orientador, docente do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG.

PVIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. Orientador, docente do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DAS LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMBINADO COM SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE DO LATICÍNIO LEITBOM LOCALIZADO EM SÃO LUIZ MONTES BELOS GO Fernando Lima Vieira

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO LAGO DO PARQUE DO INGÁ QUANTO A PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS E CLOROFILA-A

CARACTERIZAÇÃO DO LAGO DO PARQUE DO INGÁ QUANTO A PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS E CLOROFILA-A CARACTERIZAÇÃO DO LAGO DO PARQUE DO INGÁ QUANTO A PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS E CLOROFILA-A Nayara Louback Franco 1 ; Léia Carolina Lucio 2 ; Maria do Carmo Roberto 3 RESUMO: O Parque do Ingá representa

Leia mais

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOSH NA RMSP - SABESP MAIO DE 2010 Gestão de Recursos Hídricos PANORAMA GLOBAL Aumento da população mundial: 1950 2,52 bilhões

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA Rainier Pedraça de Azevedo (1) Engenheiro Civil graduado pela Universidade

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO Aluna do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Geografia

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ Marjory Barbosa Leite Tavares (1); Alana Karen Damasceno Queroga (2); Caroliny

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS Gustavo Silva de Carvalho (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Alagoas, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola

Leia mais

EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS

EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS Anna Paola Tonello 1, Paulo Sérgio Lourenço de Freitas 2, Altair Bertonha 3 RESUMO:

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

ASPECTOS REGULATÓRIOS PARA REÚSO DE ÁGUA NO BRASIL.

ASPECTOS REGULATÓRIOS PARA REÚSO DE ÁGUA NO BRASIL. Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 ASPECTOS REGULATÓRIOS PARA REÚSO DE ÁGUA NO BRASIL. Iara Nunes Cunha UFG, Universidade Federal de Goiás, Bióloga, Especialista em Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável.

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA Priscilla Dantas Rocha 1 ; Márcia Isabel Cirne França 2 ; Rodrigo Vieira Alves

Leia mais

BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA

BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA BALNEABILIDADE DAS LAGOAS URBANAS DE SALVADOR - BAHIA Juliana Jesus Santos ; Ailton dos Santos Junior ; Maili Correia Campos ; Claudia do Espírito Santo Lima & Eduardo Farias Topázio INTRODUÇÃO Balneabilidade

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO

ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE MICROBIOLOGICA FISICO-QUIMICA E IMPORTANCIA DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM ESCOLAS PÚBICAS DE NÍVEL FUNDAMENTAL E MÉDIO Lucas Blanger Bagnara*, Renata Baldessarini,

Leia mais

Áreas degradadas. Áreas degradadas conceitos e extensão

Áreas degradadas. Áreas degradadas conceitos e extensão Áreas degradadas Áreas degradadas conceitos e extensão Conceituação e caracterização de áreas degradadas O ecossistema que sofreu alterações relativas à perda da cobertura vegetal e dos meios de regeneração

Leia mais

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS José Alexandre Borges Valle (1) Engenheiro Químico pela Universidade Regional de Blumenau; Mestre em Engenharia Química

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE A DILUIÇÃO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS EM CORPOS HÍDRICOS. Palavras-chave: Qualidade da Água, Efluentes Industriais, Autodepuração.

DISCUSSÃO SOBRE A DILUIÇÃO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS EM CORPOS HÍDRICOS. Palavras-chave: Qualidade da Água, Efluentes Industriais, Autodepuração. DISCUSSÃO SOBRE A DILUIÇÃO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS EM CORPOS HÍDRICOS Andreza Tacyana Félix Carvalho Fraga 1 ; Maria José de Sousa Cordão 2 ; Thiago Ferreira Soares 3 e Maria das Graças Cruz Mota 4 Resumo

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

Workshop ABAG: Agronegócio e a Crise Hídrica i

Workshop ABAG: Agronegócio e a Crise Hídrica i Workshop ABAG: Agronegócio e a Crise Hídrica i Diante da estiagem que aflige o país - em especial na região Sudeste - ao longo dos dois últimos anos, a Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) realizou

Leia mais

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/214 RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Ana Paula Cosso Silva Araujo (*), Bruno de Oliveira Freitas. * Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE 1. TURNO: Noturno MODALIDADE: Saneamento ÁREA: Meio Ambiente e Tecnologia da Saúde GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Meio Ambiente PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 3 anos Máximo =

Leia mais

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos 1. Nível de Ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo Estruturante: Biogeoquímica 2.1 Conteúdo Básico: Matéria, Composição dos elementos químicos. 2.2 Conteúdo Específico:

Leia mais

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe;

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; Elementos essenciais a vida: - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; - Micronutrientes principais: Al, Bo, Cr, Zn, Mo e o Co. Bio organismos

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

I-104 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO

I-104 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO I-10 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO Josette Lourdes de Sousa Melo (1) Engenheira Química, UFPE. Mestre em Química Analítica,

Leia mais

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Qualidade de Vida de Ribeirinhos na Amazônia em Função do Consumo de Água Tereza Cristina Souza de Oliviera (UFAM) Química,

Leia mais

SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA

SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA SITUAÇÃO HÍDRICA NO BRASIL DIMENSÕES CLIMA E SOLO SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA Paulo César do Nascimento Departamento de Solos Agronomia Univ. Federal Rio Grande do Sul Junho - 2015 1 O QUE

Leia mais

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN I-71 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN Gabriela Marques dos Ramos Vargas Engenheira Química pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ FARIAS, L. T. lazaro-tfarias@hotmail.com 1, SOUZA, L. D. luizuern@bol.com.br. 2 1- Aluno de Iniciação Científica da Universidade

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA Cristiane Silveira Tecnóloga em Gerenciamento Ambiental pela Universidade

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes A água é o constituinte mais característico da terra, é o ingrediente essencial da vida, a água é talvez o recurso mais precioso que a terra fornece

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas RECUPERAÇÃO DO ALUMÍNIO UTILIZADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 6 (ETA 6) DE PALMAS-TO Samir Siriano Barros 1 ; Rafael Montanhini Soares de Oliveira 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus

Leia mais

PROF. TOMÁZ PESSOA 1

PROF. TOMÁZ PESSOA 1 1. Entendendo que as setas do esquema significam a água entrando na superfície, ou dela saindo, os nomes LIVRE, SUSPENSO, CONFINADO e COSTEIRO referem-se a uma determinada estrutura líquida do planeta

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

EFICIÊNCIA DE TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA PELO BIOÁGUA FAMILIAR 1

EFICIÊNCIA DE TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA PELO BIOÁGUA FAMILIAR 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 EFICIÊNCIA DE TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA PELO BIOÁGUA FAMILIAR 1 Solange Aparecida Goularte Dombroski 2, Fábio dos Santos

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 742, de 17 de outubro de 1985 Publicado no DOERJ de 08 de janeiro de 1986 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-030 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO BAURU DETERMINAÇÃO DO IQA Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Especialista em Gestão Ambiental e em Controle da Poluição Ambiental; Mestre em Engenharia

Leia mais

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO Ricardo Nagamine Costanzi Engenheiro Civil. Mestre em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Gestão da qualidade ambiental da água de mananciais de abastecimento público como estratégia de redução de custos

Gestão da qualidade ambiental da água de mananciais de abastecimento público como estratégia de redução de custos Gestão da qualidade ambiental da água de mananciais de abastecimento público como estratégia de redução de custos Priscila Sirigate (CEFET-PR) prissirigate@hotmail.com Carlos Cezar Stadler (CEFET-PR) cstadler@pg.cefetpr.br

Leia mais

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios?

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios? CICLO DA ÁGUA 1. (ENEM-1998) O sol participa do ciclo da água, pois além de aquecer a superfície da Terra dando origem aos ventos, provoca a evaporação da água dos rios, lagos e mares. O vapor da água,

Leia mais

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com.

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com. EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DO MÓDULO A DA ETE DE TRINDADE GO Emmanuel Bezerra D ALESSANDRO (1) ; Nora Katia SAAVEDRA del Aguila (2) ; Maura Francisca da SILVA (3) (1) Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ Aline da Silva Rodrigues de Oliveira Graduanda em Geografia Licenciatura e Bolsista Voluntária

Leia mais

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Qualidade da água pluvial aproveitada

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL USANDO UM CÓRREGO COMO LABORATÓRIO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL USANDO UM CÓRREGO COMO LABORATÓRIO EDUCAÇÃO AMBIENTAL USANDO UM CÓRREGO COMO LABORATÓRIO Milena Rossetti (1) Biomédica, Especialista em acupuntura clínica. Técnica Química da Comusa - Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo/RS. Atua

Leia mais

uma abordagem estatística

uma abordagem estatística Workshop sobre Monitoramento de Qualidade de Água em Bacias Urbanas / ABRH uma abordagem estatística Marianne Schaefer França (M.Sc.) Cristovão Vicente Scapulatempo Fernandes (Orientador) Eloy Kaviski

Leia mais

Fontes de Energia e Meio Ambiente

Fontes de Energia e Meio Ambiente UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS ICE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Fontes de Energia e Meio Ambiente Alunos: Arina Estefânia Gomes Flávia Campos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor.

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor. II-151 - DESAFIOS OPERACIONAIS DE INÍCIO DE OPERAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DO TIPO REATOR UASB SEGUIDO DE FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR ETE NOVA CONTAGEM - MG Maria Letícia de Castro (1)

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL

SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE DA BACIA METROPOLITANA DE FORTALEZA-CEARÁ-BRASIL Maria Goretti Gurgel Mota de Castro Engenheira de Pesca - UFC/CE, Especialização em Engenharia Ambiental - Faculdade

Leia mais

ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS

ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS Bruna Nogueira FROZ 1 ; Ézio Sargentini JUNIOR 2 ; Edilene Cristina Pereira SARGENTINI 3 1 Bolsista PIBIC/CNPq; 2

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

MONITORAMENTO PARTICIPATIVO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE FONTES HÍDRICAS EM COMUNIDADES RURAIS: O CASO DE SANTA BÁRBARA, JAGUARETAMA-CE.

MONITORAMENTO PARTICIPATIVO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE FONTES HÍDRICAS EM COMUNIDADES RURAIS: O CASO DE SANTA BÁRBARA, JAGUARETAMA-CE. MONITORAMENTO PARTICIPATIVO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE FONTES HÍDRICAS EM COMUNIDADES RURAIS: O CASO DE SANTA BÁRBARA, JAGUARETAMA-CE. ARAÚJO, T.M.S. de¹, GIRÃO, E.G. ², ROSA, M. de F³, ARAÚJO, L de F. P.

Leia mais

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16 SUMÁRIO Introdução... 1 Objetivo... 3 Geral... 3 Específicos... 3 Justificativa... 3 Metodologia... 3 Área de Estudo... 3 Resultados e Discussões... 5 Análise dos Parâmetros Físico-Químicos... 5 Demanda

Leia mais

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO Autores : Josué Rubens Schmoeller¹, Cesar Ademar Hermes² Identificação autores: 1 Bolsista

Leia mais

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS Ricardo Stahlschmidt Pinto Silva Bruno Coraucci Filho* Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. SARNEY FILHO) Altera dispositivos da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, passa a vigorar

Leia mais

I-112 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA CONCENTRAÇÃO DE NITRATOS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DE ABASTECIMENTO NA REGIÃO URBANA DE PARNAMIRIM RN

I-112 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA CONCENTRAÇÃO DE NITRATOS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DE ABASTECIMENTO NA REGIÃO URBANA DE PARNAMIRIM RN I112 AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA CONCENTRAÇÃO DE NITRATOS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DE ABASTECIMENTO NA REGIÃO URBANA DE PARNAMIRIM RN André Luis Calado Araújo (1) Eng. Civil (UFPA); Mestre em Eng. Sanitária

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA E AMBIENTAL Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Fator de enriquecimento, precipitação atmosférica, bacia hidrográfica, íons maiores, chuva ácida.

PALAVRAS-CHAVE: Fator de enriquecimento, precipitação atmosférica, bacia hidrográfica, íons maiores, chuva ácida. Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 IDENTIFICAÇÃO DE FONTES EMISSORAS DE POLUENTES EM AMOSTRAS DE PRECIPITAÇÃO TOTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOS SINOS ATRAVÉS DO FATOR DE ENRIQUECIMENTO Ezequiele Backes

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA FINS DE IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO RIO ALEGRE, ES

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA FINS DE IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO RIO ALEGRE, ES ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA FINS DE IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO RIO ALEGRE, ES Larissa de Souza Vianna 1 ; Kmila Gomes da Silva 2 ; Ana Paula Almeida Bertossi 3 ; Thábata Nágime Mendes 4 ; Talita

Leia mais

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS FÍSICO-QUIMICOS DA ÁGUA DO RIO RIACHÃO NO MUNICÍPIO DE CAATIBA BA. ligiapbio@yahoo.com.br RESUMO

AVALIAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS FÍSICO-QUIMICOS DA ÁGUA DO RIO RIACHÃO NO MUNICÍPIO DE CAATIBA BA. ligiapbio@yahoo.com.br RESUMO AVALIAÇÃO DE ALGUNS PARÂMETROS FÍSICO-QUIMICOS DA ÁGUA DO RIO RIACHÃO NO MUNICÍPIO DE CAATIBA BA Lígia Cardoso Paiva 1 ; Alexilda Oliveira de Souza 2 ligiapbio@yahoo.com.br RESUMO Este trabalho teve como

Leia mais