FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO"

Transcrição

1 FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida rasura e qualquer inclusão, exclusão ou alteração de campos, sob pena de não aceitação do documento. Implantação de obras de artes correntes. Largura do corpo hídrico m de leito ( 5m de leito) Assinalar a obra de arte a ser implantada: Ponte. Viaduto BSTC BDTC BSCC BDCC Outro: O empreendimento atende a todos os critérios especificados no Artigo 5º da Instrução. I - INFORMAÇÕES DO EMPREENDEDOR Razão Social/ CNPJ/CPF: Endereço: Rua/Av: Nº Bairro Cidade: CEP: Tel: ( ) Representa Legal II - INFORMAÇÕES DO EXECUTOR Razão Social/ Nome Fantasia: CNPJ/CPF: Endereço: Rua/Av: Nº Bairro Cidade: CEP: Tel: ( ) Representante Legal: III - INFORMAÇÕES DO EMPREENDIMENTO Nome da (s) rodovia(s)/estrada(s) Trecho interferido (local de início e de término): Extensão da intervenção (total): Municípios transpassados: COORDENADAS UTM (Dos pontos de início e término da obra) Coordenadas UTM (Dos pontos de início e de término da obra, respectivamente) Datum Utilizado: (obs. manter o mesmo Datum para as demais informações)

2 Início da obra UTM (N): UTM (E): Término da obra UTM (N): UTM (E): DESCRIÇÃO SUCINTA DA INTERVENÇÃO (Informar todos os serviços a serem executados, conforme incisos VIII e IX do Artigo 2º da IN) Período previsto de execução da obra: Início Término: CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 1 Corpos hídricos transpostos e obras projetadas: (incluir quantas linhas forem necessárias) Nome do Corpo hídrico: Obra Projetada: Coordenadas UTM: (N) (E) Estaca: Haverá necessidade de canalização, retificação ou desvio de curso de água: Coordenadas UTM: (N) (E) Estaca: Lado: 2 - Há captação para abastecimento de comunidades rurais ou urbanas, à jusante do empreendimento, que poderão ser afetadas pela atividade? Nº. de captações: (N) (E) 3- A obra está inserida em Unidade de Conservação (UC) ou em sua zona de amortecimento? Nome da(s) Unidade(s) de Conservação (ões), com nome dos respectivos órgãos gestores: 4 - Haverá supressão de vegetação? Obs: Obter autorização para a supressão florestal junto ao órgão responsável antes da supressão. 5 - Haverá captura, coleta e transporte de fauna silvestre? Obs: Obter autorização junto ao órgão responsável (IBAMA).

3 6 - Haverá Terraplenagem? Não Sim Volume de corte: m³ Volume de aterro: m³ Volume destinado ao bota-fora: m³ 7 - Haverá Desapropriação? sim não Área Total: m² Estaca: Lado: Haverá de desapropriação de benfeitorias: sim não Quantas: Área Total: m² Estaca: Lado: Estaca: Lado: Estaca: Lado: 8 - Haverá travessia ou margeamento de fragmentos florestais: sim não Quantas: Estaca inicial: Estaca final: Lado(s): Estaca inicial: Estaca final: Lado(s): Estaca inicial: Estaca final: Lado(s): 9 - Haverá travessia de núcleos urbanos: sim não Quantos: Estaca inicial: Estaca final: Estaca inicial: Estaca final: Estaca inicial: Estaca final: 10 Descrição sucinta das principais características técnicas e construtivas do empreendimento/atividade:

4 11 - Canteiro de obras: Localização em relação ao empreendimento (forma de acesso, estaca e coordenadas UTM): Estruturas instaladas no canteiro: Alojamento Refeitório Oficina Laboratório Tanque de Combustível Outros Especificar: 12 Áreas de Bota-fora: a) Margem da Rodovia: (Em caso negativo, informar estaca de acesso e distância do eixo) b) Margem da Rodovia: (Em caso negativo, informar estaca de acesso e distância do eixo) c) Margem da Rodovia: (Em caso negativo, informar estaca de acesso e distância do eixo) Descrição sucinta do Método de Reabilitação das áreas bota-fora de acordo com uso futuro: 13 - Usina de Asfalto: Endereço: Nº. da Licença de Operação (válida): 14 - Jazidas fora da faixa de domínio do empreendimento (areia, argila, brita e saibro): Em caso afirmativo, marcar abaixo as jazidas a serem utilizadas (incluir quantas linhas forem necessárias) Areia

5 Argila Brita Saibro 15 Áreas de Empréstimo: a) Margem da Rodovia: (Em caso negativo, informar estaca de acesso e distância do eixo) b) Margem da Rodovia: (Em caso negativo, informar estaca de acesso e distância do eixo) c) Margem da Rodovia: (Em caso negativo, informar estaca de acesso e distância do eixo) Descrição sucinta do Método de Reabilitação das áreas de empréstimo de acordo com uso futuro:

6 MAPA DE LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Apresentar croqui para localização do empreendimento/atividade Informamos ainda que: ( ) Nada mais existe a declarar ( ) Declaramos o que consta em anexo.

7 Anexo* Data: / / Responsável técnico Representante Legal

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida qualquer inclusão, exclusão ou alteração de campos, sob pena de não

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

IRRIGAÇÃO. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

IRRIGAÇÃO. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: IRRIGAÇÃO 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FCEI IGAM Agenda Azul

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FCEI IGAM Agenda Azul INTRODUÇÃO 1/5 O FCEI, Formulário de Caracterização do Empreendimento Integrado, é o documento que o empreendedor utiliza para apresentar ao órgão ambiental as informações do empreendimento para regularização

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO Deverá ser apresentado relatório de conformidade comprovando o atendimento dos limites de exposição a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos, na faixa de radiofreqüências

Leia mais

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( )

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL CPF/ CNPJ End. n Bairro CEP Município Telefone ( ) 2. IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE/ EMPREENDIMENTO Atividade Endereço Logradouro (Rua, Av,Linha, Picada,

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro:

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL PARA SUPRESSÕES VEGETAIS ESPECÍFICAS:

DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL PARA SUPRESSÕES VEGETAIS ESPECÍFICAS: DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL PARA SUPRESSÕES VEGETAIS ESPECÍFICAS: LINHA DE TRANSMISSÃO: 1. Autorização de passagem reconhecida em cartório ou DUP (Declaração de Utilidade Pública) da ANEEL. Obs: Domínio público:

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

SUMÁRIO: Projeto de recuperação de áreas degradadas. Instrução Normativa Nº. 08

SUMÁRIO: Projeto de recuperação de áreas degradadas. Instrução Normativa Nº. 08 SUMÁRIO: OBJETIVOS:... 2 I DAS DEFINIÇÕES:... 3 II DOS PROCEDIMENTOS:... 3 III INSTRUÇÕES:... 4 ANEXO 1... 6 EXEMPLO DE CROQUI DE REPRESENTAÇÃO DA ÁREA A SER RECUPERADA... 6 ANEXO 2... 7 ENDEREÇO DO DEPARTAMENTO

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) LICENÇA DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO (LIO) LICENÇA DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO (LIO) Autoriza a instalação e operação do empreendimento/atividade, conforme Art. 5, Inciso IV da

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA

RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA 1 Termo de Referência para elaboração de Relatório de Controle Ambiental RCA e Plano de Controle Ambiental PCA para os empreendimentos contemplados na IN 001/2011. Diretrizes Gerais Este Termo de Referência

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) LICENÇA SIMPLIFICADA LS Autoriza a localização, instalação e operação conforme Art. 5º, incisos V e VI da Resolução COEMA nº 04 de 12 de abril

Leia mais

1 Objetivo. 2 Instrumentos do Processo de Controle Ambiental. 3 Etapas do Processo de Cadastramento. 4 Instruções Gerais

1 Objetivo. 2 Instrumentos do Processo de Controle Ambiental. 3 Etapas do Processo de Cadastramento. 4 Instruções Gerais Termo de Referência nº. 01 (Versão setembro/2015) Atividades sujeitas a Autorização Ambiental 1 Objetivo Definir a documentação necessária ao cadastro ambiental das atividades da Listagem Baixo Impacto

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

2. DADOS CADASTRAIS RESPONSÁVEL TÉCNICO

2. DADOS CADASTRAIS RESPONSÁVEL TÉCNICO SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL Estrada do Santo Antônio nº5323 Bairro Triângulo Fone: 069 3216-1074 Cep: 76.805-810 Porto Velho-RO e-mail: divpesca@sedam.ro.gov.br CADASTRO SIMPLIFICADO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Sistema de Cadastro Ambiental Rural Sistema de Cadastro Ambiental Rural XX Simpósio Jurídico ABCE ÂNGELO RAMALHO ASSESSOR MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO DIRETORIA DE FOMENTO E INCLUSÃO FLORESTAL São Paulo, Outubro/2014

Leia mais

ORIZICULTURA. A FATMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa;

ORIZICULTURA. A FATMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa; ORIZICULTURA IN-12 INSTRUÇÕES GERAIS A FATMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa; Sempre que julgar necessário a FATMA solicitará informações,

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

3. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA EXECUÇÃO DO PRAD

3. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA EXECUÇÃO DO PRAD 1. EMPRESA DE MINERAÇÃO RESPONSÁVEL PELA ÁREA Nome Oficial/Razão Social: COQUE CATARINENSE LTDA COCALIT CNPJ e Inscrição Estadual: 83.662.981/0001-60 250.012.383 Endereço da sede: Rua João Pessoa, 445/502

Leia mais

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail 1 12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA Definição: Alteração do percurso natural do corpo de água para fins diversos. O desvio em corpo d água pode ser parcial ou total. O desvio parcial consiste na preservação

Leia mais

ATIVIDADE INDUSTRIAL. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

ATIVIDADE INDUSTRIAL. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: ATIVIDADE INDUSTRIAL 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

ANEXO I PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC

ANEXO I PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC ANEXO I PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SMAC CERTIFICADO DE ADEQUAÇÃO DE IMÓVEL DECRETO MUNICIPAL N.º 28.247/07 CAI SMAC Nº 000000 de (DIA / MÊS / ANO). PROCESSO

Leia mais

NO DOCUMENTO MANUAL DE DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. RECIFE: CPRH/GTz, 1998. 1ed. PARTE 6, TÍTULO 7. 2

NO DOCUMENTO MANUAL DE DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. RECIFE: CPRH/GTz, 1998. 1ed. PARTE 6, TÍTULO 7. 2 TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL - EIA E RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL - RIMA RELACIONADO À IMPLANTAÇÃO DE RODOVIAS 1 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é estabelecer

Leia mais

LEVANTAMENTO AMBIENTAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO DE REDES RURAIS

LEVANTAMENTO AMBIENTAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO DE REDES RURAIS Página 1 de 6 Treinamento Recomendado: - formal - leitura (sem necessidade de manter em registro) Controle de Revisão Revisão Data Item Descrição das Alterações - 27/02/2004 - Emissão inicial A 20/05/2005

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) SISTEMA DE COMUNICAÇÃO CÓDIGO 30.00 GRUPO/ATIVIDADES SISTEMA DE COMUNICAÇÃO PPD 30.01 Estação de Rádio Base para Telefonia Móvel M 30.02 Estação Repetidora Sistema de Telecomunicações

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO.

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO. 1 OBJETIVO Estabelecer parâmetros para orientar a elaboração do relatório trimestral de monitoramento da atividade de extração mineral, referente ao avanço de lavra, as medidas mitigadoras implantadas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR ANEXO 7 - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial para a elaboração do Relatório de Controle

Leia mais

RELATÓRIO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO - SCG.

RELATÓRIO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO - SCG. RELATÓRIO PROCESSO: 48500.006731/2006-69. INTERESSADO: Empresa Foz do Rio Claro Energia S/A. RELATOR: Diretor Romeu Donizete Rufino. RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal TERMO DE REFERÊNCIA TR PARA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) P/ A ATIVIDADE DE AQUICULTURA (Este TR aplica-se a empreendimentos desenvolvidos em viveiros escavados a partir de 10,00 ha) O Instituto de

Leia mais

BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS

BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS Formulário para licenciamento BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REUTER

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REUTER REQUERIMENTO PARA ABERTURA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO..., de CPF/CNPJ nº... requer análise (Nome / Razão Social) das informações anexas para solicitação de... (Tipo de Documento Licenciatório) para a atividade

Leia mais

ATENÇÃO! FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

ATENÇÃO! FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ATENÇÃO! O PROCESSO DE LICENCIAMENTO NÃO PODERÁ SER ABERTO SEM O CORRETO PREENCHIMENTO. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida qualquer inclusão, exclusão

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS ATENÇÃO! O PROCESSO DE LICENCIAMENTO NÃO PODERÁ SER ABERTO SEM O CORRETO PREENCHIMENTO. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria Disciplina o processo de licenciamento ambiental de condomínios residenciais

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS OBRIGAÇÕES LEGAIS EDIÇÃO 3 - ANO 2016 OBRIGAÇÕES LEGAIS ESFERA FEDERAL INSCRIÇÃO NO CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF (LEI FEDERAL 6.938/1981) Obrigatória para o registro das pessoas físicas ou jurídicas que,

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA e/ou INSTALAÇÃO LAVA-JATO E SIMILARES

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA e/ou INSTALAÇÃO LAVA-JATO E SIMILARES I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA e/ou INSTALAÇÃO LAVA-JATO E SIMILARES ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições legais previstas no art.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 10 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto;

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto; MEMORIAL DESCRITIVO Município: Piratini/RS Local da obra: Rua 24 de Maio, Rua Princesa Isabel e Rua Rui Ramos. Área total: 12.057,36 m² 1) Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO)

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) APÊNDICE H- INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) CAPITULO : PROCEDIMENTOS GERAIS PARA AVALIAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL - PROJETOS DE

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL COMPENSAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL O instrumento da Compensação Ambiental está contido expressamente no Art. 36 da Lei N o 9985 de 18 Julho de 2000 que institui o Sistema Nacional

Leia mais

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 1. INTRODUÇÃO O presente termo de referência visa subsidiar a análise dos impactos ambientais

Leia mais

INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CANTEIRO DE OBRAS E ACAMPAMENTOS

INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CANTEIRO DE OBRAS E ACAMPAMENTOS EXTENSÃO: 191,4 Km LOTE: 02 1 - CUSTO DE INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRAS E ALOJAMENTOS 1.1 - CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 - Edificações Área Fator de Area Custo / m2 Custo Total Equivalente ( m2 ) 5 S 01 000

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

Passivos Ambientais Mineração. Marcelo Jorge Medeiros Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano

Passivos Ambientais Mineração. Marcelo Jorge Medeiros Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Passivos Ambientais Mineração Marcelo Jorge Medeiros Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano ATIVIDADE DE MINERAÇÃO A mineração está sempre entre as atividades para as quais, em quase todos os

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Ofício nº /2010/SPI/MP. Brasília, de abril de 2010. A Sua Senhoria o Senhor Nilo Sérgio de Melo Diniz Diretor do CONAMA Edifício Marie Prendi Cruz, W2 Norte, quadra 505, lote 2, bloco B, 1º andar Brasília/DF

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO O Licenciamento Ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental (IBAMA, IAP, Secretarias Municipais de Meio Ambiente), verificando o atendimento

Leia mais

ANEXO VIII Características Geométricas e Perfis Viários Propostos 1. CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DAS VIAS MUNICIPAIS

ANEXO VIII Características Geométricas e Perfis Viários Propostos 1. CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DAS VIAS MUNICIPAIS ANEXO VIII Características Geométricas e Perfis Viários Propostos 1. CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DAS VIAS MUNICIPAIS CATEGORIAS DAS VIAS MUNICIPAIS SEÇÃO NORMAL DA VIA (m) PISTA DE ROLAMENTO (m) FAIXA

Leia mais

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008.

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Dispõe sobre parâmetros de caracterização e uniformização dos

Leia mais

RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento;

RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento; RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento; Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; Cadastro Descritivo da Atividade ; Cópia da Outorga de Lavra do DNPM,

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 Disciplina a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção

Leia mais

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail:

Leia mais

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014.

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições constitucionais previstas no Art. 71, inciso IV, da Constituição do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

A PROMOVER A INSTALAÇÃO RELATIVA À ATIVIDADE DE: BARRAGEM PARA GERAÇÃO DE ENERGIA, USINA HIDRELÉTRICA

A PROMOVER A INSTALAÇÃO RELATIVA À ATIVIDADE DE: BARRAGEM PARA GERAÇÃO DE ENERGIA, USINA HIDRELÉTRICA 1249 / 2009-DL LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI Nº A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente PROCESSO DE LICENCIAMENTO DOCUMENTOS MÍNIMOS NECESSARIOS PARA AQUICULTURA CARCINICULTURA LICENÇA PRÉVIA (LP) 1 Requerimento de LP; 2 Cadastro técnico; 3 Guia de recolhimento devidamente quitada; 4 Comprovação

Leia mais

Regulamentação do acesso territorial a tanques-rede em área de preservação permanente (APP), no Estado de São Paulo 1

Regulamentação do acesso territorial a tanques-rede em área de preservação permanente (APP), no Estado de São Paulo 1 Regulamentação do acesso territorial a tanques-rede em área de preservação permanente (APP), no Estado de São Paulo 1 Daercy Maria Monteiro de Rezende Ayroza 2 Fernanda de Paiva Badiz Furlaneto 3 Luiz

Leia mais

Módulo 2. Legislação. 2.1. Legislação Aplicável ao Licenciamento Ambiental. Exercícios.

Módulo 2. Legislação. 2.1. Legislação Aplicável ao Licenciamento Ambiental. Exercícios. Módulo 2 Legislação 2.1. Legislação Aplicável ao Licenciamento Ambiental. Exercícios. Legislação Aplicável ao Licenciamento Ambiental Constituição Federal 1988 Leis Federais Resoluções CONAMA Outras Leis

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) AGROPECUÁRIA CÓDIGO 01.00 GRUPO/ATIVIDADES AGROPECUÁRIA PPD AGRUPAMENTO NORMATIVO 01.01 Criação de Animais Sem Abate(avicultura,ovinocaprinocultura,suino M cultura,bovinocultura,escargot, ranicultura)

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira

Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 25 de fevereiro de 2016 Conceitos Principais Licenciamento ambiental Procedimento

Leia mais

5.4 Passivos Ambientais

5.4 Passivos Ambientais 5.4 Passivos Ambientais 5.4.1 Considerações Gerais Considerase Passivo Ambiental como toda a ocorrência decorrente de: Falha na construção, restauração ou manutenção de rodovia, capaz de atuar como fator

Leia mais

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM

ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM ATIVIDADE DE COMPOSTAGEM 1. Identificação Epresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-ail: Atividade: Localização do epreendiento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DECRETO Nº 6796 Altera e atualiza o Zoneamento Ecológico Econômico da Área de Proteção Ambiental denominada APA do Rio Verde. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA COMPLEXO ECOTURÍSTICO RESERVA GARAÚ CONDE / PB INTERESSADO: LORD NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA. ELABORAÇÃO: GEOCONSULT CONSULTORIA, GEOLOGIA & MEIO AMBIENTE LTDA. CNPJ. n.º

Leia mais

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP Diretrizes para apresentação projeto licenciamento Licença Prévia LP A documentação técnica abaixo relacionada ve servir para análise e posterior emissão ou inferimento Licença Prévia - LP. A documentação

Leia mais

MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO Licença Ambiental Prévia - LAP

MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO Licença Ambiental Prévia - LAP MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO Licença Ambiental Prévia - LAP IN-22 INSTRUÇÕES GERAIS: 1. Requerimento com endereço completo do requerente com justificativa; 2. Certidão atualizada do Registro de Imóveis

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA :

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : 1- INFORMAÇÕES GERAIS : IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO : Trata-se de um Auto Posto de Serviços e Comércio de Combustíveis para Veículos Automotores. OBS : Sem

Leia mais

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia SMAMA DDRGA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005

AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005 08/11/2006 Pág 1 AUTORIZAÇÃO PARA INTERVENÇÃO DE QUALQUER Substitui a IS-19 NATUREZA NA VEGETAÇÃO NATURAL OU IMPLANTADA de 16/08/2005 1. FINALIDADE 1.1 Esta Instrução tem por finalidade estabelecer critérios

Leia mais

ISENÇÃO DE LICENCIAMENTO

ISENÇÃO DE LICENCIAMENTO ISENÇÃO DE LICENCIAMENTO 1. IDENTIFICAÇÃO Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

ISF 224: PROJETO DE DESAPROPRIAÇÃO

ISF 224: PROJETO DE DESAPROPRIAÇÃO ISF 224: PROJETO DE DESAPROPRIAÇÃO 1. OBJETIVO Estabelecer a orientação a adotar na elaboração do Projeto de Desapropriação nos Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO Será elaborado em

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL

CADASTRO AMBIENTAL RURAL INSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA E FLORESTAL DO ESPÍRITO SANTO IDAF INSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA E FLORESTAL DO ESPÍRITO SANTO IDAF INSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA E FLORESTAL DO ESPÍRITO SANTO IDAF

Leia mais

PORTARIA MA/CGCA Nº 001 DE 29 DE ABRIL DE 2013, (DOM 30/04/2013)*

PORTARIA MA/CGCA Nº 001 DE 29 DE ABRIL DE 2013, (DOM 30/04/2013)* PORTARIA MA/CGCA Nº 001 DE 29 DE ABRIL DE 2013, (DOM 30/04/2013)* Estabelece novos modelos de Formulário de Caracterização da Atividade (FCA) e do Termo de Responsabilidade Ambiental (TRA) e dá outras

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES MONUMENTO NATURAL DAS ÁRVORES FOSSILIZADAS RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES MONUMENTO NATURAL DAS ÁRVORES FOSSILIZADAS RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES MONUMENTO NATURAL DAS ÁRVORES FOSSILIZADAS MÊS OUTUBRO/ 2013 RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MISSÃO: Realizar a gestão da UC visando a conservação do patrimônio fossilífero, da biodiversidade

Leia mais

Consolidação da legislação ambiental brasileira

Consolidação da legislação ambiental brasileira Consolidação da legislação ambiental brasileira Objetivos da consolidação ordenar as normas em vigor (e facilitar um posterior trabalho de codificação) mostrar os conflitos e as lacunas existentes revogar

Leia mais

CAPÍTULO 6 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICADA. Na página 82, 1º parágrafo, onde se lê:

CAPÍTULO 6 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICADA. Na página 82, 1º parágrafo, onde se lê: CAPÍTULO 6 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL APLICADA Na página 82, 1º parágrafo, onde se lê: Neste capítulo serão abordados e analisados os aspectos legais pertinentes que têm interface com a implantação e a operação

Leia mais

PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002

PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002 PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002 "Estabelece que a exploração e a supressão de produtos florestais nativos em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina, dependem da emissão,

Leia mais

Impressão de Ato Jurídico

Impressão de Ato Jurídico 1 de 18 11/09/2015 15:12 Impressão de Ato Jurídico Ato: RESL-CONAMA-470-2015 Orgão: CONAMA Tipo: Resolução Data do Ato: 27/08/2015 Publicação: 28/08/2015 Âmbito: BR Revogado: Não CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA INSTRUÇÃO TÉCNICA CEAM/DILAM Nº 14/2015 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA E SEU RESPECTIVO RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA PARA ANÁLISE DA VIABILIDADE AMBIENTAL PARA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo atender as Resoluções CONAMA Nº 237/1997, 273/2000 e 319/2002, Norma Técnica da ABNT NBR 14973:2004, bem como outras normas da Associação Brasileira

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI N.º Processo n.º 688 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais