A Inovação e a Competitividade na Indústria Portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Inovação e a Competitividade na Indústria Portuguesa"

Transcrição

1 A Inovação e a Competitividade na Indústria Portuguesa Mário Abreu 1 Economista. Vice-Presidente do Instituto Nacional de Engenharia e Tecnologia Industrial (INETI) s economias mais desenvolvidas da Europa, da América e, de forma crescente, as da Baía do Pacífico possuem um denominador comum, entre outros, distintivo em termos de padrão de desenvolvimento conseguido e de capacidade de defesa das posições conquistadas no quadro da economia global, que se traduz na capacidade de inovação, pela qual novos produtos e serviços são concebidos, produzidos e comercializados nos mercados regionais e globais. De facto, a I&DT e a Inovação têm vindo a assumir um papel de crescente importância e a ganhar uma dimensão económica determinante. A inovação, em si mesma resultante complexa da interacção de comportamentos e dinâmicas diversificadas, constitui uma variável essencial das estratégias empresariais, dela decorrendo, designadamente, o reforço da competitividade das empresas, dos sectores e, a um outro nível, do próprio progresso económico e social das sociedades contemporâneas. Neste contexto, para que Portugal possa enfrentar, com sucesso, os desafios do futuro, reveste uma importância cada vez mais determinante para o desenvolvimento sustentado da sua economia, designadamente da indústria, o crescimento da sua competitividade, o que depende, cada vez mais, do sucesso das interacções entre o progresso científico e tecnológico ("science push"), da identificação das perspectivas e necessidades do mercado ("market pull") e da difusão e fácil acesso às tecnologias disponíveis. A importância da adopção de políticas governamentais no domínio da inovação e da tecnologia Datam de há já algumas décadas os primeiros estudos sobre o impacto da I&DT e da inovação no crescimento e desenvolvimento das economias mais industrializadas. Incidindo, inicialmente, na medição dos efeitos do 1 Trabalho elaborado a partir de elementos preparados pelo Centro de Gestão de Tecnologia e de Inovação (CEGTI) do INETI esforço em I&D no desenvolvimento económico e na procura dos modelos e dos indicadores mais adequados a essa medição e a comparações de âmbito internacional, esses estudos acabaram por convergir na conclusão da importância da I&DT como factor de dinamização económica e social. Tiveram, igualmente, o mérito de alertar para um conjunto de questões que, ainda hoje, são tema de debate. São exemplo disso as diferentes formas que assumia a I&D e a inovação consoante o país em análise, bem como as políticas de apoio mais ou menos explícitas, que este sector recebia e sua relação com os níveis de desempenho económico desses países. Os estudos referidos anteriormente tiveram, ainda, o mérito, não menos importante, de reflectir e equacionar os efeitos negativos que, paradoxalmente, são igualmente associados ao progresso tecnológico. Apesar de tudo e como corolário dos estudos desenvolvidos, os benefícios que são normalmente associados à inovação industrial são de tal ordem que os governos da maioria dos países industrializados reconheceram, já, que não podem passar sem políticas específicas de inovação. O reconhecimento dessa necessidade aumentou, como resultado de alguns factores de peso, nomeadamente as alterações verificadas ao nível da ordem económica internacional, a imposição de uma maior competitividade industrial, problemas nas balanças de pagamentos, e, finalmente, a aceitação generalizada e largamente discutida por muitos economistas de que a inovação pode desempenhar um papel importante no estímulo ao desenvolvimento económico.

2 Entende-se hoje, cada vez mais, que as políticas conducentes à inovação tecnológica devem traduzir a necessária convergência entre a política industrial e a política científica e tecnológica, contendo elementos de ambas, podendo, ainda, constituir uma das vias para alterar a actual estagnação económica, que caracteriza as economias dos EUA e Europeia, em zonas em que as políticas económicas e científicas tradicionais se têm revelado pouco eficazes. Coloca-se, no entanto, a questão de saber qual a forma mais eficaz de intervenção governamental no processo de inovação industrial, como e quando intervir e quais as opções ideais do ponto de vista económico e social e como conjugá-las. Os efeitos reais daquela intervenção ao nível das empresas individuais começa, agora, a poder ser medido através de indicadores de output, como, por exemplo, a rentabilidade do investimento, que permitem tirar algumas ilacções sobre o resultado das políticas de inovação adoptadas. Quando se pretende, contudo, estabelecer comparações internacionais, alargando o âmbito da análise, deparam-se problemas de natureza vária, aos quais não são alheias as diferentes ponderações dadas nos vários países aos seus objectivos em matéria de política tecnológica. No entanto, se atendermos ao exemplo de países como a Alemanha, a Holanda, os EUA e Japão, poderemos concluir, sem margem para dúvidas, da importância das políticas tecnológicas e de inovação. A característica mais importante das políticas de inovação é, talvez, a tentativa de atingir simultaneamente objectivos sociais, tecnológicos e económicos, normalmente de difícil conciliação. Por um lado, há a preocupação de manter ou aumentar o nível de vida da população. Por outro lado, aumentam as pressões no sentido de serem efectuadas opções entre várias novas tecnologias alternativas, minimizando os efeitos externos prejudiciais da mudança tecnológica. Tal como já referimos, existem diferenças consideráveis entre as políticas tecnológicas adoptadas pelos diferentes países. Alguns deles optam, claramente, por políticas de âmbito mais global, com o objectivo de criar ambientes propícios à inovação. Outros países intervêm mais directamente no processo de inovação, adoptando a combinação de medidas não selectivas de carácter tecnológico ou industrial, de natureza horizontal, com medidas de política tecnológica e industrial selectivas, de carácter vertical. Mais recentemente, tem-se verificado alguma tendência para a adopção de políticas que envolvem a selecção e o apoio a áreas prioritárias. Quaisquer que sejam as combinações ou o tipo de políticas adoptadas, pode afirmar-se com alguma certeza, que elas devem ter em consideração as seguintes características: Coerência: As acções das várias instituições envolvidas na formulação e implementação de políticas devem ser concertadas por forma a evitar a promulgação de medidas contraditórias, nomeadamente entre a inovação e outras políticas. Através desta característica, deve procurar-se a optimização de todas as sinergias possíveis. Consistência: As políticas de inovação devem ser consistentes com as políticas estratégicas referentes a eventuais programas de restruturação industrial. Flexibilidade: As políticas de inovação devem ser igualmente capazes de responder às constantes alterações às necessidades, ameaças e oportunidades sentidas pela indústria. Nesse sentido, as medidas adoptadas devem incorporar sistemas de avaliação contínua, que possibilitem alterações e melhorias atempadas nas políticas em implementação. Complementaridade: para além de se complementarem entre si, as várias políticas adoptadas, devem igualmente entrar em consideração com o interesse estratégico das empresas nacionais. Isto significa que, para a definição de políticas de inovação, deverão ser tidas em consideração as grandes linhas de orientação estratégica das empresas nacionais de maior relevância. Realismo: Deve ser inerente à definição de políticas nestes domínios a preocupação de aderência à realidade, tomando por base o potencial industrial existente. A inovação tecnológica como factor de competitividade Um dos aspectos mais relevantes da inovação tecnológica e do progresso tecnológico que lhe está associado é, sem dúvida, o seu contributo para a competitividade das empresas, sendo-lhe atribuído um papel preponderante na alteração das regras tradicionais de competitividade.

3 Apesar da sua importância, contudo, a relação entre inovação tecnológica e competitividade deve ser analisada com algum cuidado. De facto, de acordo com Porter, nem todo o processo de inovação é benéfico, por si só. Pode, na realidade, enfraquecer uma posição competitiva, não garantindo, necessariamente, rentabilidade se não for suficientemente tomado em consideração o impacto da tecnologia a adoptar, ou seja, se não for assumida uma postura estratégica relativamente aos objectivos a atingir com a implementação e desenvolvimento de novas tecnologias. De facto, tudo o que uma empresa produz envolve um leque variado de tecnologia. A importância da tecnologia na competitividade não é função do seu mérito científico, ou da sua preponderância em determinado produto ou processo. Qualquer das tecnologias presentes numa empresa pode ser relevante para a competitividade, desde que aumente significativamente as suas vantagens competitivas ou melhore a estrutura industrial. Assim, é possível identificar alguns dos efeitos mais significativos da inovação tecnológica no seio das empresas. Efeitos da tecnologia na cadeia de valor Esta questão tem a ver com o facto de qualquer actividade da empresa requerer tecnologia própria, que pode ir desde o simples conjunto de procedimentos utilizados pelo pessoal, passando pela tecnologia incorporada nos inputs adquiridos e pela tecnologia associada às actividades de apoio, nomeadamente CAD e tecnologias de informação, até à tecnologia de produção que pode estar, por seu turno, intimamente ligada à tecnologia de assistência pós-venda. Desta forma, uma escolha tecnológica numa zona da cadeia de valor pode ter implicações noutras áreas da cadeia. Efeitos da inovação tecnológica na determinação de posições relativas mais vantajosas A introdução de novas tecnologias pode conduzir ao desenvolvimento de factores de competitividade, como sejam ganhos de produtividade, redução de custos de fabrico, antecipação no mercado. Efeitos da tecnologia na estrutura industrial A tecnologia é, ainda, um factor determinante da estrutura global da indústria se a sua adopção em determinado sector da cadeia de valor se disseminar. Esta difusão pode afectar de forma positiva ou negativa qualquer um dos factores de competitividade inerentes à empresa, tornando-a mais ou menos atractiva, respectivamente. O potencial efeito estruturante da inovação tecnológica implica, como já vimos, a ponderação dos seus impactos no meio envolvente. Devem, assim, ser tomados em consideração os efeitos da inovação tecnológica nos seguintes domínios: - alteração na relação com o consumidor, podendo implicar uma maior facilidade de acesso ao produto por parte do consumidor; - alteração na relação com o fornecedor, diminuindo ou alargando o poder negocial; - alterações na posição relativa face à concorrência; - alterações da dimensão das fronteiras da empresa. A inovação tecnológica afecta de forma diversa as fronteiras da empresa. Pode, por exemplo, reduzir os custos de transporte ou outros, alargando, por esta via, a dimensão do mercado. A este nível o efeito mais significativo da inovação tecnológica na estrutura industrial é o provocado pela substituição de produtos ou substituição de utilizações (o plástico e a madeira substituídos pela fibra de vidro, as máquinas de escrever pelo processamento de texto ou os fogões pelos fornos microondas). A política tecnológica no âmbito do Ministério da Indústria e Energia (MIE) Também a nível nacional, uma das componentes prioritárias da Política Industrial assenta no desenvolvimento da I&DT e da Inovação industrialmente orientadas. Neste domínio Portugal apresenta, ainda e apesar das melhorias verificadas, uma situação desfavorável, quando comparada com a média dos outros países europeus. Assim e segundo os últimos dados disponíveis, que datam de 1990, nesse ano, Portugal tinha um nível de investimento nas actividades de I&DT inferior á generalidade dos países membros da Comunidade Europeia. Tal situação abrangia quer a parte das despesas de I&DT no PIB (0,61) quer o peso do pessoal afecto às actividades de I&DT na população activa (2,5%) colocando o país na zona de tecnologia madura. A análise desses dados permite verificar que as empresas executam uma parte reduzida do esforço de I&DT nacional, 26,1%, o que é inferior à média comunitária, a qual é de 50%. De qualquer modo e como seria de esperar, o esforço empresarial concentra-se nos sectores mais evoluídos do ponto de vista tecnológico. Quanto aos sectores designados por tradicionais, com forte peso na economia do país, o seu peso nas despesas de I&DT é, ainda, muito baixo. O reconhecimento desta situação tem levado à adopção de medidas e programas específicos de apoio financeiro a projectos de I&DT de natureza empresarial, implementados nas empresas industriais, por si só ou em colaboração com os centros de investigação, os laboratórios do Estado e as Universidades. Esta última forma de projectos, com o recurso, pela empresa, para o desenvolvimento de uma ou

4 mais componentes do projecto, à sub-contratação das instituições de I&D, tem sido e continuará a ser particularmente apoiada pelo MIE, designadamente no âmbito do PEDIP e do PEDIP-II, com vista ao desenvolvimento dos canais e mecanismos de transferência de tecnologia das entidades do sistema científico para as empresas. O reconhecimento de que outra das falhas neste domínio tem residido, também, na existência de uma rede débil de infraestruturas tecnológicas que assegurassem essa transferência, levou a que o MIE, através do PEDIP, tivesse promovido e apoiado um vasto programa de apoio à criação e desenvolvimento de infraestruturas tecnológicas. Existem, assim e neste momento, completada que está a fase de investimento, um conjunto de infraestruturas tecnológicas, que podem assegurar uma ligação mais eficaz à indústria, como sejam os Centros Tecnológicos, os Centros de Transferência, as Unidades de Demonstração, os Institutos de Novas Tecnologias, os Polos Tecnológicos e os Centros de Incubação de Empresas. Actualmente, no âmbito do novo Quadro Comunitário de Apoio (QCA), a existência de políticas de carácter tecnológico enquadra-se, tal como no Quadro anterior, no contexto mais genérico da Política Industrial, constituindo uma das suas vertentes principais. Assim, a política industrial portuguesa visa dar corpo às seguintes grandes "orientações sectoriais" 2 : 1. "Modernização e reestruturação dos sectores industriais tradicionais", designadamente através da introdução de novas tecnologias; 2. "Aproveitamento industrial dos recursos naturais maximizando o valor acrescentado nacional"; 3. "Consolidação e desenvolvimento do complexo electromecânico e indústrias ligadas"; 4. "Avanço para novas produções e serviços de maior conteúdo tecnológico (ou de alta tecnicidade), ligados ao desenvolvimento de bens de equipamento, bens intermédios e serviços de suporte, quer para reforço dos nossos "clusters", quer para aproveitamento de núcleos de mercado competitivos em áreas em que já começámos a ter competência e "know-how" tecnológicos ou em que é possível captar investimento estrangeiro com efeitos dinamizadores sobre a estrutura industrial portuguesa"; 2 "Política Industrial Portuguesa. Os Desafios dos anos 90: Competitividade e Internacionalização". Intervenção de S.Ex 4. o Ministro da Indústria e Energia, Eng Luís Mira Amaral. Sessão de Divulgação do PEDIP-II, Porto, 6 de julho de "Complementar a base industrial exportadora através do sector de serviços internacionais: intermediação comercial e financeira, telecomunicações e transportes". A situação da inovação na indústria portuguesa foi objecto de estudo 3 pelo Observatório Inovação do MIE, numa altura em que alguns dos efeitos do lançamento do Programa Específico de Desenvolvimento da Indústria Portuguesa (PEDIP), que vigorou, em termos de apreciação de candidaturas, até final de 92, estariam já a fazer-se sentir. Apesar da eventual desactualização dos dados que serviram de base ao referido estudo, as suas principais conclusões, que sinteticamente se apresentam, mantêm a sua actualidade e merecem uma reflexão mais aprofundada. Relativamente aos factores que induzem à inovação referidos pelos empresários portugueses, aparecem, ainda, em primeiro lugar a compra de equipamento e as pressões do mercado, nomeadamente o desenvolvimento e melhoria de produtos, a adaptação ao gosto do consumidor e/ou às especificações de clientes e à pressão da concorrência. O facto de serem estes os factores que maior presão exercem nos empresários com vista à inovação, justifica e condiciona o carácter da inovação na indústria, que tem sido fundamentalmente passivo e adaptativo. Outros factores que poderiam traduzir uma maior agressiviade comercial ou um maior domínio tecnológico como, por exemplo, a preocupação de manter uma carteira de projectos de investigação na área do produto ou do processo com vista à manutenção e conquista de quotas de mercado ou a ligação a Centros de I&D, Universidades, etc., são, ainda e apesar das melhorias verificadas, relegados para segundo plano. A tipologia das inovações levadas a cabo e analisadas no âmbito do estudo referido anteriormente 4 abrange o seguinte conjunto: - inovação de processo - é o tipo de inovação com maior incidência, destacandose neste grupo as melhorias dos processos existentes e a preocupação com a gestão da qualidade. Como resultado destas inovações, as empresas referem especialmente o aumento da produtividade, a melhoria da qualidade e a reciclagem dos recursos humanos. Os sectores mais dinâmicos neste campo foram, para além das indústrias eléctricas e electrónicas, as extractivas, a cortiça, as artes gráficas e a cerâmica. - inovação de produto - a este nível registaram-se, principalmente, melhorias de produtos existentes, embora o aparecimento de novos produtos se tenha manifestado de forma preponderante em sectores como a química ligeira, o material eléctrico e electrónico, o automóvel e a refinação 3 Inovação - Indústria Portuguesa, CEP/MIE, Abril de Inovação - Indústria Portuguesa, CEP/MIE, Abril de 1992

5 de petróleo. Também é nítida a separação entre as empresas com predominância de capital estrangeiro e as de capital nacional, privado ou público, sendo as primeiras significativamente mais inovadoras. Como resultado deste tipo de inovação, as empresas revelaram ter conseguido um aumento das quotas de mercado nacional e uma maior penetração em mercados externos. - inovação na gestão - nesta área é dominante a informatização da gestão, seguida de inovações no tocante à análise de mercados e à formação profissional. Constatou-se, no entanto, que neste domínio as práticas de gestão se revelam ainda bastante conservadoras, centralizadas e pouco flexíveis. No que se refere às barreiras à inovação, são sentidas, aparentemente, com maior acuidade pelos empresários as relacionadas com a deficiente qualificação dos trabalhadores, as dificuldades de financiamento inerente aos projectos desta natureza e a falta de apoio estatal. A hierarquização de barreiras aqui referida, é, aliás, convergente com uma postura, ainda existente, de relativa passividade face à inovação, já anteriormente mencionada. Na verdade, continua a manifestar-se, por parte de um número ainda significativo de empresas, uma certa dificuldade em identificar e ultrapassar as reais barreiras à inovação. A constatação desta situação e a consciência de que o Estado, no seu papel regulador/incentivador dos mecanismos de mercado, pode e deve ter uma intervenção nestes domínios, levou à consagração no quadro da política industrial portuguesa, designadamente no PEDIP II, de medidas específicas de apoio à I&DT e à Inovação. Os instrumentos de apoio à Inovação consagrados no PEDIP II Enquadrada na filosofia de base do PEDIP II, nomeadamente nas vertentes de reforço da envolvente técnica às empresas industriais, de reforço da competitividade sustentada das empresas, de alteração das atitudes empresariais, de dinamização das actividades de I&DT e na promoção de projectos mobilizadores, a inovação tecnológica encontra-se bem contemplada nas várias medidas que integram o Programa, varrendo os seus principais eixos de actuação. Desta forma, o Eixo 1, que tem como objectivo principal a dinamização do ambiente de eficiência empresarial, constitui um dos meios para o conseguir o reforço da envolvente de assistência tecnológica e do ambiente favorável ao desenvolvimento do processo de inovação. Neste caso, as acções dirigir-se-ão essencialmente à consolidação das infraestruturas tecnológicas já criadas e/ou apoiadas no PEDIP anterior, nomeadamente através da análise e apoio à implementação dos seus planos estratégicos de desenvolvimento. No Eixo 2, que visa a dinamização do potencial estratégico e do desenvolvimento empresarial integrado, as empresas poderão dispor de incentivos directos com o objectivo de acelerar o processo de inovação, determinante para a sua competitividade. Nesse sentido, foi criada a Medida Aquisição e Desenvolvimento de Tecnologias, para apoiar os investimentos de investigação e desenvolvimento promovidos por empresas industriais. Pretende-se, ainda, incentivar os projectos decorrentes de contrato específico entre as empresas e as infraestruturas tecnológicas, para transferência de tecnologias destas para as empresas, promovendo-se ainda os projectos de dimensão apropriada veiculados por conjuntos de empresas. Esta medida abrange, assim, o apoio a projectos de I&DT, visando estimular o desenvolvimento de novos produtos (desde a fase de protótipo à pré-série) e de novos processos/sistemas (desde a fase experimental à fase piloto), nos diversos domínios tecnológicos. Finalmente, através do Eixo 3, que visa a promoção de estratégias de produtividade, qualidade, internacionalização e de recursos humanos, será dinamizado um conjunto de acções de carácter voluntarista para ecelerar o aparecimento de novos produtos e processos com interesse para o desenvolvimento industrial, bem como para promover o processo de transferência de tecnologia do Sistema Científico e Tecnológico Nacional para as empresas. No âmbito deste último Eixo destacaremos a Medida Inovação e Transferência Tecnológica, que abrange duas vertentes de actuação de natureza distinta sendo a primeira dedicada à promoção da inovação e à transferência tecnológica e a segunda ao apoio a projectos mobilizadores para o desenvolvimento tecnológico.

6 Na primeira vertente são contempladas acções que visam, prioritariamente, a criação de um ambiente favorável à inovação empresarial e o estímulo à transferência de tecnologia. Esta preocupação advém do reconhecimento, já anteriormente referido, da fraca sensibilização de muitos empresários face à importância da inovação nas suas empresas, pelo que se procura, por esta via, levá-los a investir em I&DT sempre que este factor dinâmico de competitividade for decisivo para o desenvolvimento da empresa. As acções em causa englobam, entre outras, a promoção de seminários e conferências, a realização de acções de demonstração itinerantes e a criação de uma rede de agentes de mediação tecnológica que facilitem o contacto entre os detentores do conhecimento e os seus utilizadores no tecido industrial. Na segunda vertente enquadram-se os designados "projectos mobilizadores", que, sendo projectos estratégicos de desenvolvimento tecnológico e indutores de impactos inovadores multi-sectoriais e de interacção de capacidades produtivas e de tecnologias, aglutinem empresas industriais e entidades do Sistema Científico e Tecnológico, nomeadamente sob a forma de consórcio, potenciando sinergias e complementaridades. Finalmente, deve sublinhar-se que uma das grandes inovações deste PEDIP II, relativamente ao anterior, consiste no reforço da vertente voluntarista (todo o Eixo 3) do programa que, embora já se tivesse manifestado no programa anterior, existia, apenas, com carácter pontual e com uma expressão mais reduzida. Com o alargamento desta vertente foi criado um espaço que, estando fechado à entrada de projectos e candidaturas em fluxo contínuo através de medidas prédefinidas, visa o reforço do diálogo e da colaboração entre a Administração, as empresas e outros agentes económicos, no sentido de contribuir para uma correcta e oportuna definição e implementação de acções voluntaristas que, como tal, deverão surgir como resultado da necessidade de dar resposta a falhas detectadas através dessa colaboração ou de estudos realizados. A criação desse espaço de reflexão e diálogo, que deverá conduzir ao lançamento de iniciativas e projectos de natureza variada, sempre que for detectada a sua oportunidade, justifica-se pelo reconhecimento da existência de falhas de mercado que urge colmatar, com o objectivo de acelerar o ritmo natural das transformações necessárias à garantia da competitividade da indústria nacional.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS EM CO-PROMOÇÃO AVISO N.º 0 / SI/ 0 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Victor Francisco Responsável Unidade Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Seminário Gestão da Inovação - ACIB 25 de Março 2010 1 Sumário

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião do Encerramento do Seminário AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONTRATAÇÃO PÚBLICA promovido

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos cruciais

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

Software Livre Expectativas e realidades

Software Livre Expectativas e realidades Software Livre Expectativas e realidades Bruno Dias ( GP PCP ) Patrocinadores Principais Patrocinadores Globais Software Livre Expectativas e realidades Bruno Dias Grupo Parlamentar do PCP gp_pcp@pcp.parlamento.pt

Leia mais

Congresso LiderA 2010 Centro Habitat Prof. Vitor Ferreira

Congresso LiderA 2010 Centro Habitat Prof. Vitor Ferreira Prioridades no cluster Habitat Sustentável para o QREN Victor Ferreira Lisboa, 19/05/2010 II Congresso LiderA 2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção

Leia mais

Apresentação do Projeto

Apresentação do Projeto Apresentação do Projeto CTCV, 14 de dezembro 2012 filomena.egreja@iapmei.pt Índice Fundamentos e características do projeto Atividades executadas Empresas e setores: algumas constatações Análise SWOT Empresas

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

(2004/C 10/16) 1. Resumo

(2004/C 10/16) 1. Resumo Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões: Política de inovação actualizar

Leia mais

Apoio à Inovação no sector agro-alimentar

Apoio à Inovação no sector agro-alimentar Apoio à Inovação no sector agro-alimentar O Cluster A colaboração entre empresas/entidades: Inovação 1 Posicionamento do Cluster INTERNACIONALIZAÇÃO INOVAÇÃO Invest. & Desenv. Ao Serviço das EMPRESAS COMPETIVIDADE

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos:

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: exemplificação em territórios de baixa densidade* Tema 1: Desenvolvimento, competitividade e cooperação inter-municipal

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 de Março de 2013 Centro de Congressos de Lisboa A- A evolução e o comportamento do sector exportador superaram todas as previsões e análises prospectivas

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião da Cerimónia de Abertura do Diálogo Estratégico sobre as Tecnologias da Informação e

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

PLANO PARA O DESIGN NOS SECTORES PRODUTIVOS. Promoção de marcas portuguesas e acesso a mercados exteriores. Sinopse do programa

PLANO PARA O DESIGN NOS SECTORES PRODUTIVOS. Promoção de marcas portuguesas e acesso a mercados exteriores. Sinopse do programa PLANO PARA O DESIGN NOS SECTORES PRODUTIVOS Promoção de marcas portuguesas e acesso a mercados exteriores Sinopse do programa Enquadramento O DESIGNmais, tem como principal ambição efectuar as ligações

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Sumário executivo... 3. I. Conjuntura económica actual... 6. II. Missão, Visão e Valores... 8. III. Análise da envolvente... 10

Sumário executivo... 3. I. Conjuntura económica actual... 6. II. Missão, Visão e Valores... 8. III. Análise da envolvente... 10 Plano Anual 2011 ÍNDICE Sumário executivo... 3 I. Conjuntura económica actual... 6 II. Missão, Visão e Valores... 8 III. Análise da envolvente... 10 IV. Objectivos estratégicos... 17 V. Objectivos operacionais...

Leia mais

Convergência e Regulação

Convergência e Regulação Consulta pública Convergência e Regulação Contribuição da ONITELECOM 2002.04.15 I. CONDIDERAÇÕES GERAIS O fenómeno da convergência dos sectores das telecomunicações, dos meios de comunicação social e das

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade»

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» SISTEMA DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO DAS EMPRESAS 1 Os sistemas de incentivos ao investimento das empresas são um dos instrumentos

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO Workshop Vale Mais Centro PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO ÍNDICE 1. O PROGRAMA VALE I&DT 2. O PROGRAMA VALE INOVAÇÃO 3. AS ENTIDADES

Leia mais

REGULAMENTO. Projectos de Investigação e Desenvolvimento em Consórcio entre Empresas e Instituições de I&D

REGULAMENTO. Projectos de Investigação e Desenvolvimento em Consórcio entre Empresas e Instituições de I&D REGULAMENTO Projectos de Investigação e Desenvolvimento em Consórcio entre Empresas e Instituições de I&D Financiamento no âmbito dos programas operacionais Ciência, Tecnologia, Inovação (POCTI) e Sociedade

Leia mais

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação

PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação 1 PORTUGALPLUS - Investimento e Exportação Excelência na execução como alavanca de crescimento no mercado Alemão Apresentação das primeiras conclusões do estudo Maio, 2013 FÓRUM PARA A COMPETITIVIDADE

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Mobilidade Territorial Convite Público à Apresentação de Candidaturas no domínio dos Sistemas ferroviários ligeiros (metro) MT/01/2008 MOBILIDADE TERRITORIAL

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

PRODUTECH 2.0 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO. PRODUTECH Página 1

PRODUTECH 2.0 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO. PRODUTECH Página 1 PRODUTECH 2.0 PROGRAMA DE ACÇÃO PRODUTECH Página 1 ÍNDICE 1 Introdução... 3 2 Enquadramento... 3 3 Estratégia... 4 3.1 O contexto da indústria transformadora na Europa em Portugal... 4 3.2 As tecnologias

Leia mais

Declaração conjunta dos governos da República Portuguesa e da República Popular da China sobre o reforço das relações bilaterais

Declaração conjunta dos governos da República Portuguesa e da República Popular da China sobre o reforço das relações bilaterais Declaração conjunta dos governos da República Portuguesa e da República Popular da China sobre o reforço das relações bilaterais A convite de Sua Excelência o Primeiro- -Ministro da República Portuguesa,

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais