SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1"

Transcrição

1 SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 ADILSON VENTURA DA SILVA Departamento de Estudos Linguísticos e Literários Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Estrada do Bem Querer, km 4 Centro Vitória da Conquista - BA - Brasil Resumo: Por ser considerado um objeto de estudos principalmente da Literatura, o estudo de certos aspectos da poesia chama a atenção de poucos pesquisadores da área da Linguística, o que, de certo modo, deixa certas discussões importantes de lado e também certas questões que poderiam suscitar várias discussões nem chegam a ser elaboradas. Colocando-nos na posição de que a poesia é um lugar importante para as pesquisas linguísticas, principalmente na área da Semântica, vamos, neste trabalho, observar os sentidos da palavra Amor no soneto Amor é fogo que arde sem se ver... de Camões. Para atingir este objetivo, nos posicionaremos teoricamente na Semântica do Acontecimento, teoria semântica que considera o estudo da enunciação (o acontecimento do dizer) como o lugar em que se deve analisar o sentido da linguagem, e deixa o enunciado como lugar em que se deve observar o sentido. E, como método, iremos utilizar dois procedimentos de agenciamento enunciativo, que são as reescrituras e as articulações desta palavra dentro do poema e, além desses dois procedimentos, iremos nos ater à constituição da cena enunciativa. A partir desses procedimentos, iremos estabelecer qual o DSD (Domínio Semântico de Determinação) desta palavra. Palavras-chave: Sentido; poesia; semântica do acontecimento; amor Abstract: Considered to be the main objects of analysis of Literature, the studies on certain features of poetry have not much interest to the linguists, which, somehow makes some important discussions aside and some issues that could raise several discussions are not even set. Considering that poetry is an important field to linguistic research, mainly in Semantics, in this paper, we aim to analyse the meanings of the word Amor in the Camoes s sonnet Amor é fogo que arde sem se ver.... Bearing in mind our goals, this work is based on the theoretical and methodological devices of Semantics of the Event. According to this theory, on one hand, the study of enunciation (the event of saying) is seen as the place where the meaning of language is analysed. On the other, it makes the statement as a place so that the meaning can be investigated. Methodologically, we will use two 1 Trabalho que faz parte de nosso projeto de pesquisa na UESB, intitulado: Os Sentidos da Palavra Amor em Sonetos de Camões: Um Estudo Semântico-Enunciativo. 1

2 procedures of assemblage of enunciation, which are the rewritings and articulation of the word Amor within the poem, and besides these two procedures, we will also use the concept of constitution of enunciative scene. From these procedures, we will set the Semantic Domain of Determination (SDD) of the word Amor. Keywords: Meaning; poetry; semantics of event; love 1. Introdução e Semântica do Acontecimento Quando se fala a respeito de atribuir sentidos a algum texto, temos, em nossa sociedade, algumas práticas já estabilizadas que norteiam quais os sentidos que podemos atribuir-lhe. Um dos lugares que estão estabilizados diz respeito que, ao se entrar em contato com algum texto, geralmente um dos primeiros passos para se analisálo é observar em qual gênero textual ele está inserido. Sabemos que o gênero textual traz algumas especificidades para se compreender a análise, porém, temos que pensar que, de certa forma, a análise já fica tomada por alguns pressupostos que podem comprometer alguns aspectos do trabalho, pois pode ocorrer a busca por confirmar o que o próprio gênero textual afirma, ou seja, se já se sabe o que determinado gênero textual aponta, a análise já busca observar esses fatores. E isso fica mais evidente quando se trata de um texto vindo da literatura, em que, normalmente, se leva em consideração o autor, a época, etc. Não que estes aspectos não sejam importantes, porém queremos tratar algumas questões linguísticas sem que estes dados sejam os principais na construção da análise, apesar de estarem presentes. Assim, uma questão que nos é posta é pensar na construção de outros modos para se atribuir sentidos a um texto. Colocando-nos no lugar de semanticista, em que questões relacionadas ao sentido são fundamentais, trazer alguns métodos de análises podem ser muito úteis para a construção de uma desautomatização da análise de um texto (e até mesmo da própria leitura). Por conta disso, para essa análise que propomos, vamos observar uma forma específica em um texto, sem levar em consideração a que gênero textual ele pertence. Essa é uma prática difícil, já que, como já dissemos, há uma certa estabilização no modo de como se analisar um texto. Também acreditamos que, apesar de nossa análise se incidir somente em uma palavra específica, uma maior compreensão dessa palavra e, como consequência direta desse método, observar como o sentido dessa palavra é construído neste texto específico contribuem decisivamente para a compreensão do próprio texto como um todo. Levando em conta o que dissemos nos dois parágrafos acima, vamos nos colocar no lugar teórico da Semântica do Acontecimento para observar o funcionamento da palavra Amor em um conhecido soneto de Camões, Amor é fogo que arde sem se ver.... Ou seja, colocando-nos nessa posição estabelecemos como objetivo entender o sentido de uma palavra específica, que é Amor. Para isso iremos utilizar somente a teoria e a metodologia específica da Semântica do Acontecimento, sem levar em conta outros estudos a respeito deste soneto. A análise se incidirá sobre este poema por tratar diretamente da palavra Amor, que faz parte de nosso projeto de pesquisa que estamos iniciando na UESB, intitulado: Os Sentidos da Palavra Amor em Sonetos de Camões: 2

3 Um Estudo Semântico-Enunciativo que possui o intuito de verificar os sentidos dessa palavra em sonetos de Camões. Para esta análise, vamos observar as reescrituras e articulações da palavra Amor, assim constituindo o DSD dessa palavra, e também observar a constituição da cena enunciativa. Deste modo, como semanticista, pretendemos apontar os sentidos que a palavra Amor possui neste soneto (texto). A questão do sentido, para a Semântica do Acontecimento, deve ser observada na enunciação, isto é, no acontecimento do dizer. E, conforme Guimarães, o acontecimento é o que faz diferença na sua própria ordem. (GUIMARÃES, 2011, p.15). Ou seja, o acontecimento temporaliza, recortando um memorável e, ao mesmo tempo, tendo uma latência de futuro. Não é que a partir de um sentido possamos saber qual o sentido que irá ter futuramente, mas sim que há possíveis futuridades a partir de um memorável recortado. O que traz também a possibilidade de se recortar diferentes memoráveis, os quais irão alterar os sentidos da palavra em estudo. Com relação à enunciação, observaremos as reescrituras, que, conforme Guimarães é o procedimento pelo qual a enunciação de um texto rediz insistentemente o que já foi dito fazendo interpretar uma forma como diferente de si. Este procedimento atribui (predica) algo ao reescriturado (GUIMARÃES, 2004, p.17). Quanto à articulação, Guimarães nos diz: procedimentos de articulação dizem respeito às relações próprias das contiguidades locais. De como o funcionamento de certas formas afetam outras que elas não redizem. (Idem, 2004, p.18). Ou seja, a articulação é o procedimento pelo qual se observa as relações de determinada palavra (ou de suas reescrituras) com outras palavras em um enunciado, sendo que se deve considerar este enunciado como fazendo parte de um texto. Através desses procedimentos, poderemos dizer o que um nome designa, o que é, para Guimarães, constituir o Domínio Semântico de Determinação (DSD). Quanto à cena enunciativa, ela se constitui na divisão do sujeito. Assim temos, nessa divisão, o Locutor, que é o lugar que se representa, no próprio dizer, como sendo fonte desse dizer. Ele não é uma figura una e homogênea. Este Locutor é tomado por um lugar social, ou seja, ele só pode dizer enquanto é predicado por um lugar social, que é chamado de locutor-x. Como um exemplo, se considerarmos que alguém fala algo porque é um linguista, temos locutor-linguista. Porém, para que o Locutor diga algo, há um apagamento de que ele fala por estar em um lugar social. Este apagamento se dá através de uma outra figura presente na cena enunciativa, que é o enunciador, que é o lugar de dizer. Este enunciador, para Guimarães, pode ser individual, genérico ou universal. A partir desses procedimentos que apresentamos logo acima, iremos analisar a palavra Amor neste Soneto de Camões. 2. Análise O texto que iremos analisar é de um conhecido autor literário de Língua Portuguesa, que é Camões. Levando em consideração o gênero textual, temos aqui um poema, um soneto 2 não nomeado, dividido em dois quartetos e dois tercetos. Porém, 2 Reproduzimos aqui o soneto por completo: Amor é fogo que arte sem se ver/ é ferida que dói e não se sente / é um contentamento descontente / é dor que desatina sem doer / É um não querer mais que bem querer / é um andar solitário entre a gente / é nunca contentar se de contente / é um cuidar que ganha em 3

4 para os nossos interesses na análise, o que nos chama a atenção é a presença da palavra Amor logo no começo do texto, inclusive sendo a primeira palavra. No decorrer do texto temos uma reescritura por repetição no final do texto. Assim já temos que a palavra Amor abre e fecha o texto. Chamamos a atenção para esta reescritura por repetição, pois ela possui uma articulação muito interessante: se tão contrário a si é o mesmo Amor? 3 A palavra Amor aqui está em uma relação direta a contrário a si, ou seja, temos aqui uma articulação entre Amor e contrário a si em que é construído, no texto, uma oposição de Amor com o próprio Amor, o que podemos visualizar do seguinte modo: Amor Amor Obs.: ler a linha como oposição Além dessa oposição, podemos observar que do 1º ao 11º versos o que se apresenta é uma explicação do que é o Amor, ou seja, temos, nestes versos, uma reescritura desta palavra por especificação (definição) e por enumeração. O que, conforme Guimarães (2009), são duas formas de expansão. O que chama a atenção é que esta especificação traz, em cada verso, uma oposição para definir o que é o Amor. Sendo assim, podemos visualizar melhor estas reescrituras da seguinte forma: É fogo que arde É ferida que dói É um contentamento É dor que desatina É um não querer É um andar solitário É nunca contentar É um cuidar que ganha É querer estar preso É servir a quem vence É ter com quem nos mata Sem se ver E não se sente Descontente Sem doer Mais que bem querer Entre a gente Se de contente Em se perder Por vontade O vencedor Lealdade Temos aqui então, de um modo geral, na coluna um, as reescrituras da palavra Amor em que há uma explicação direta do que é o Amor. Na coluna dois, temos uma explicação da coluna um, ou seja, temos uma explicação da definição que é apresentada para Amor, porém esta explicação traz uma ideia oposta daquela que é apresentada na se perder / É querer estar preso por vontade / é servir a quem vence, o vencedor / é ter com quem nos mata, lealdade / Mas como causar pode seu favor / nos corações humanos amizade / se tão contrário a si é o mesmo Amor? 3 Grifos nosso 4

5 coluna um. Assim, temos na coluna um uma explicação que traz um sentido negativo para Amor, enquanto que na coluna dois há um sentido positivo. Porém no 3º verso temos uma inversão, em que a coluna um é que traz um sentido positivo e a coluna dois um sentido negativo. Mas, como no restante do texto, há uma oposição entre a definição do Amor e a explicação dessa definição, o que, de certo modo, não traz nenhuma complicação para a nossa análise. Para construirmos a nossa análise, vamos nos valer aqui de um procedimento de paráfrase. Desse modo, podemos colocar esta separação que fizemos no seguinte enunciado: 1- O Amor, por um lado, traz dor e prisão, por outro lado, traz felicidade e liberdade. O que, por sua vez, nos traz o seguinte DSD Dor Prisão Amor Liberdade Amor Felicidade Obs.: ler como determina e como antônimo O que podemos observar é que há uma tentativa de definir o que é o Amor de um modo racional, ou seja, definir objetivamente o que é este conceito. Mas o que se observa pela análise é que no mesmo momento em que aparece uma definição, essa definição também é dada pelo seu contrário. Isso coloca essa palavra Amor, nesse soneto de Camões, como sendo difícil de se explicar, ou seja, temos Amor Indefinível A partir desta indefinição do que é o amor, podemos pensar no acontecimento, em que temos um memorável recortado de que o Amor é algo a ser explicado e passível de se ter uma explicação racional. Também podemos observar que se abre uma futuridade, em que o Amor recebe definições as mais variadas que são, inclusive, opostas. Ou seja, temos circulando em nosso espaço de enunciação vários sentidos para esta palavra em que, de certo modo, podemos falar que deixam o sentido dessa palavra como indefinível, sem uma definição única. Além disso, temos a cena enunciativa, em que temos um Locutor, um locutorpoeta e o enunciador, que é universal. E este universal, por colocar opostos como verdadeiros, aponta exatamente para a dificuldade de se apontar o que é verdadeiro ou falso. 5

6 3. Considerações Finais Pela análise que fizemos, podemos observar que todo o texto é uma tentativa de se explicar o que é o Amor. Partindo das reescrituras e das articulações, temos que esta palavra acaba por ser determinada por dor e prisão, entrando em uma relação de antonímia com a própria palavra Amor, que, por sua vez, está sendo determinada por liberdade e felicidade. Assim podemos dizer que, através dessa relação exposta pelo DSD dessa palavra, ela é determinada por indefinível, ou seja, o sentido dela nesse texto é de indefinível. 4. Referências Bibliográficas GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento. Campinas: Pontes, História da semântica sujeito, sentido e gramática no Brasil. Campinas: Pontes, Domínio Semântico de Determinação. A palavra: forma e sentido. Campinas: RG/Pontes, Análise de Texto - procedimentos, análises, ensino. Campinas: RG, SILVA, A.V. A Poesia em Ducrot. Dissertação de mestrado. Unicamp. Campinas, SP, O sentido da palavra poesia nas ciências da linguagem Tese de doutorado. Unicamp. Campinas, SP,

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

TAMBÉM: UM OPERADOR ARGUMENTATIVO 1

TAMBÉM: UM OPERADOR ARGUMENTATIVO 1 TAMBÉM: UM OPERADOR ARGUMENTATIVO 1 Adilson Ventura da Silva UESB Vitória da Conquista RESUMO: De uma perspectiva enunciativa, este artigo discute a categoria gramatical da palavra também, e apresenta

Leia mais

AUTORIDADE DA INFORMAÇÃO

AUTORIDADE DA INFORMAÇÃO AUTORIDADE DA INFORMAÇÃO Eduardo Guimarães DL-IEL/Labeurb - UNICAMP RESUMO: Este artigo traz uma análise da afirmação Se não está no Google, não existe, na relação com a pergunta Se não está no Google,

Leia mais

ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA

ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA Andréia Gaeta de Pontes Geraldo andreia17nov@hotmail.com Aline Sirlene de Souza alinesouza_guap@hotmail.com Josiane

Leia mais

Amor. Amor Livre. Amor Livre

Amor. Amor Livre. Amor Livre ...Se o desejo de ser amado for mais forte e você se prender a alguém com insistência, ele se aborrecerá e acabará se afastando de você. O primeiro estágio do amor é a simpatia. A simpatia aumenta e se

Leia mais

Palavras. chave: texto; poesia; recorte; enunciação; Manuel Bandeira.

Palavras. chave: texto; poesia; recorte; enunciação; Manuel Bandeira. 197 Eduardo Guimarães 1 Resumo esumo: Este texto tem como objetivo analisar o poema Andorinha, de Manuel Bandeira, a partir de um dispositivo de análise semântica do texto. Para isso, apresenta uma posição

Leia mais

UM PERCURSO PELA HISTÓRIA DA SEMÂNTICA DA ENUNCIAÇÃO

UM PERCURSO PELA HISTÓRIA DA SEMÂNTICA DA ENUNCIAÇÃO Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 UM PERCURSO PELA HISTÓRIA DA SEMÂNTICA DA ENUNCIAÇÃO Ana Cláudia Fernandes Ferreira (Univás) anaclau@ymail.com Introdução O presente trabalho faz

Leia mais

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS.

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. Carolina de Paula Machado 1 A análise semântica de uma palavra, que não se paute por uma visão formal,

Leia mais

A REESCRITURA DA EXPRESSÃO POPULAÇÃO NEGRA EM TEXTOS DA POLÍTICA NACIONAL DA IGUALDADE RACIAL

A REESCRITURA DA EXPRESSÃO POPULAÇÃO NEGRA EM TEXTOS DA POLÍTICA NACIONAL DA IGUALDADE RACIAL Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 A REESCRITURA DA EXPRESSÃO POPULAÇÃO NEGRA EM TEXTOS DA POLÍTICA NACIONAL DA IGUALDADE RACIAL Águeda Aparecida da Cruz Borges 1 (UFMT/UNICAMP) O primeiro

Leia mais

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira Descritor 15 Estabelecer relações lógicodiscursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

Programação para Internet 2

Programação para Internet 2 Programação para Internet 2 Exercícios Unidade 01 - HTML Professor: Edwar Saliba Júnior Para resolver os exercícios a seguir, utilize apenas HTML. 1) Utilizando HTML e sua imaginação, crie um site bem

Leia mais

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO CENTRO UNIVERSITÁRIO FIEO Osasco 2009 MARLI DA COSTA RAMOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Dramaturgia. Oralidade. Ator. Improvisação. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Dramaturgia. Oralidade. Ator. Improvisação. ABSTRACT SILVEIRA, Patrícia dos Santos. Jogos de linguagem e oralidade na construção do texto teatral. Florianópolis: UDESC; CAPES; Mestrado; Orientador Prof. Dr. Stephan Baumgärtel. Atriz. RESUMO Este artigo visa

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

Figuras de linguagem

Figuras de linguagem Figuras de linguagem Figuras de estilo / figuras de retórica (Portugal) ou figuras de linguagem (Brasil) são estratégias que o escritor pode aplicar ao texto para conseguir um determinado efeito na interpretação

Leia mais

MATO GROSSO: DE DESCRIÇÃO A NOME - UM PERCURSO ENUNCIATIVO

MATO GROSSO: DE DESCRIÇÃO A NOME - UM PERCURSO ENUNCIATIVO MATO GROSSO: DE DESCRIÇÃO A NOME - Taisir Mahmudo Karim * Universidade do Estado do Mato Grosso Resumo: Este artigo apresenta uma análise enunciativa do nome Mato Grosso, considerando sua construção morfossintática,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

A Astronomia em Exames Vestibulares: uma análise das questões quanto à temática e a problematização

A Astronomia em Exames Vestibulares: uma análise das questões quanto à temática e a problematização A Astronomia em Exames Vestibulares: uma análise das questões quanto à temática e a problematização Astronomy in university entrance exam and in ENEM: an analysis of issues regarding theme and problematization

Leia mais

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA 55 Edvaldo José de Oliveira Júnior, Rita de Cássia Cornetti Oliveira, José Ricardo Silva Faculdade de Presidente

Leia mais

Palavras-chaves: paradoxos sorites; vagueza; ambiguidade; relatividade; teoria epistêmica.

Palavras-chaves: paradoxos sorites; vagueza; ambiguidade; relatividade; teoria epistêmica. OBSERVAÇÕES INTRODUTÓRIAS SOBRE OS PARADOXOS SORITES E O FENÔMENO DA VAGUEZA NA LINGUAGEM NATURAL Eduardo Dayrell de Andrade Goulart Universidade Federal de Minas Gerais Resumo: O objetivo deste artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

O PAPEL DA DISCURSIVIDADE NA CONFIGURAÇÃO DE LUGARES SINTÁTICOS: UMA ANÁLISE DO COMPLEMENTO VERBAL

O PAPEL DA DISCURSIVIDADE NA CONFIGURAÇÃO DE LUGARES SINTÁTICOS: UMA ANÁLISE DO COMPLEMENTO VERBAL As construções apositivas (conexão ø e conector por exemplo ): interface com movimentos argumentativos O PAPEL DA DISCURSIVIDADE NA CONFIGURAÇÃO DE LUGARES SINTÁTICOS: UMA ANÁLISE DO COMPLEMENTO VERBAL

Leia mais

A prática como controle para produzir enquadramentos: uma reflexão sobre a formação continuada de professores baseada na metodologia de projetos.

A prática como controle para produzir enquadramentos: uma reflexão sobre a formação continuada de professores baseada na metodologia de projetos. A prática como controle para produzir enquadramentos: uma reflexão sobre a formação continuada de professores baseada na metodologia de projetos. Rita Maria Fonseca Matos Chagas Instituto de Letras e Lingüística

Leia mais

Lígia Pinto Rosso 1. Profª Especialista em Leitura, Produção, Análise e Reescritura Textual da URI Campus de Santiago/RS (ligiarosso@ibest.com.br).

Lígia Pinto Rosso 1. Profª Especialista em Leitura, Produção, Análise e Reescritura Textual da URI Campus de Santiago/RS (ligiarosso@ibest.com.br). Relato de experiência sobre o ensino da língua inglesa no 9º semestre de letras da URI Santiago leituras e releituras na perspectiva da Análise Crítica do Discurso (ACD) 1 O presente trabalho é um relato

Leia mais

O ensino de língua inglesa para crianças

O ensino de língua inglesa para crianças O ensino de língua inglesa para crianças Débora Leffa Dimer 1 Adriana Soares 2 Resumo: No presente artigo, iremos analisar como ocorre o aprendizado de uma língua estrangeira, no caso, a Língua Inglesa,

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

A designação da palavra preconceito em dicionários atuais 1. Carolina de Paula MACHADO

A designação da palavra preconceito em dicionários atuais 1. Carolina de Paula MACHADO A designação da palavra preconceito em dicionários atuais 1 Carolina de Paula MACHADO Resumo: Realizamos um estudo dos sentidos da palavra preconceito analisando suas designações a partir da teoria da

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Documentos oficiais: o político para o ensino da língua portuguesa no Brasil 1 Prof. Dr. Wilton James Bernardo-Santos DLE/UFS Resumo

Documentos oficiais: o político para o ensino da língua portuguesa no Brasil 1 Prof. Dr. Wilton James Bernardo-Santos DLE/UFS Resumo Documentos oficiais: o político para o ensino da língua portuguesa no Brasil 1 Prof. Dr. Wilton James Bernardo-Santos DLE/UFS Resumo O artigo traz a síntese de uma reflexão sobre o impacto da legislação

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com.

II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com. II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com.br O TEXTO LITERÁRIO COMO OBJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: A INTERTEXTUALIDADE

Leia mais

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO NEUZA APARECIDA GIBIM PONÇANO Presidente Prudente SP

Leia mais

Computadores podem pensar?

Computadores podem pensar? Computadores podem pensar? Descubra você mesmo 2008-2013 Menno Mafait (http://mafait.org) 1 Índice 1. Introdução...4 1.1. O conceito Thinknowlogy...4 2. A álgebra e lógica em linguagem natural...5 2.1.

Leia mais

DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA

DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA A MÚSICA POSITIVISMO DE NOEL ROSA E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DA DIRETIVIDADE ARGUMENTATIVA NO PROCESSO DE LEITURA Josegleide Elioterio dos Santos gleideelioterio@hotmail.com

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA CRÔNICA PAIS, DE LUIS FERNANDO VERÍSSIMO

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA CRÔNICA PAIS, DE LUIS FERNANDO VERÍSSIMO UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA CRÔNICA PAIS, DE LUIS FERNANDO VERÍSSIMO Adriana de Alcântara Oliveira* RESUMO: A Análise do Discurso (AD) é uma corrente de estudos que oferece um campo bastante fértil para

Leia mais

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006.

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006. O SUJEITO DA AD: UM CONCEITO EM TRANSFORMAÇÃO Tatiana PICCARDI (Universidade de São Paulo) ABSTRACT: the concept Subject in discourse analysis, specially in French discourse analysis, is changing. In fact,

Leia mais

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature PSICOLOGIA ARGUMENTO doi: 10.7213/psicol.argum.5895 ARTIGOS [T] Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature [R] [A] Pedro Fernando Bendassolli Resumo Received

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA.

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. OLIVEIRA, Graciela Aparecida Bueno de. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail : gracielagabo@hotmail.com

Leia mais

UNIJUI - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANE TREULIEB DOS SANTOS

UNIJUI - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANE TREULIEB DOS SANTOS UNIJUI - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANE TREULIEB DOS SANTOS BULLYING ESCOLAR E JUSTIÇA RESTAURATIVA MECANISMOS ALTERNATIVOS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS ENTRE ADOLESCENTES

Leia mais

GOOLGLEANDO SEMÂNTICA E SEUS DOMÍNIOS SEMÂNTICOS DE DETERMINAÇÃO

GOOLGLEANDO SEMÂNTICA E SEUS DOMÍNIOS SEMÂNTICOS DE DETERMINAÇÃO Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 GOOLGLEANDO SEMÂNTICA E SEUS DOMÍNIOS SEMÂNTICOS DE DETERMINAÇÃO Claudia Freitas Reis 1 (UNICAMP) Você já googleou...? -Você já googleou...? Tenho

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

A DESIGNAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO NA REVISTA CARTA CAPITAL

A DESIGNAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO NA REVISTA CARTA CAPITAL A DESIGNAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO NA REVISTA CARTA CAPITAL Fernando Ramos Campos 1 UEMS Rosimar Regina Rodrigues de Oliveira UEMS/FUNDECT/CNPq Resumo Neste trabalho procuramos apresentar uma análise do sentido

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS

DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS Luiza Alice Lima Rocha 1 (UFC) Resumo: Frente ao avanço das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), buscamos inseri-las

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO. CURITIBA 2005 FERNANDO WOLFF MENDONÇA A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO ATRAVÉS DO ATENDIMENTO DE VENDAS: um estudo de caso na Indústria de Bebidas Refrigerantes Minas Gerais.

AVALIAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO ATRAVÉS DO ATENDIMENTO DE VENDAS: um estudo de caso na Indústria de Bebidas Refrigerantes Minas Gerais. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO AVALIAÇÃO DO MARKETING

Leia mais

Um novo olhar sobre as embalagens numa perspectiva inovadora

Um novo olhar sobre as embalagens numa perspectiva inovadora Um novo olhar sobre as embalagens numa perspectiva inovadora Jair Benevute Gardas RESUMO Este trabalho pretende mostrar numa perspectiva inovadora os resultados obtidos de uma pesquisa sobre o uso adequado

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO BRASIL CONTEXTO HISTÓRICO E CONTEMPORANEIDADE RESUMO

EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO BRASIL CONTEXTO HISTÓRICO E CONTEMPORANEIDADE RESUMO EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO BRASIL CONTEXTO HISTÓRICO E CONTEMPORANEIDADE Maricélia Tomáz de Souto 1 (mariceliatomaz@gmail.com) Beatriz da Silva Lima 1 (beatrizslima7@gmail.com) Erica Domingos Pereira 1 (ericadp.domingos@gmail.com)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura

A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura A Fábula A Cigarra e a Formiga: Uma Sugestão de como Trabalhar com Estratégias de Leitura A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura * ** Resumo: úteis na construção dos sentidos durante

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE

UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE Juciele Pereira Dias 1 27 de janeiro de 2013: Acordo e atendo o celular... Ligo a televisão... Ligo o computador... Entro no Facebook...

Leia mais

PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA

PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA Franciela Mara Córdova Ransolin Resumo: A formação de professores é um tema relevante entre as políticas públicas posto que

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

AS ESTRUTURAS SOCIOECONOMICAS E DEMOGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO-BA

AS ESTRUTURAS SOCIOECONOMICAS E DEMOGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO-BA Evolvere Scientia, V. 3, N. 1, 2014 ARTIGO AS ESTRUTURAS SOCIOECONOMICAS E DEMOGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO-BA Juciara Késsia Sousa Nascimento 1*, Monica Aparecida Tomé Pereira 1 e Alania Caroline

Leia mais

Língua Portuguesa 1ºEM

Língua Portuguesa 1ºEM ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PROVÍNCIA DO PARANÁ Colégio Social Madre Clélia Língua Portuguesa 1ºEM Prof. Eliana Martens A prova de redação é extremamente importante em vestibulares e em concursos Avalia diferentes

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Referencial teórico: ciência linguística e divulgação científica

Referencial teórico: ciência linguística e divulgação científica A CIRCULAÇÃO DA CIÊNCIA DA LINGUAGEM NO JORNALISMO CIENTÍFICO Andréa F. Weber 1 Introdução O jornalismo científico teve início com o próprio advento da imprensa de tipos móveis, em meados do século XV,

Leia mais

Psicopedagogia Institucional

Psicopedagogia Institucional Psicopedagogia Institucional Pós-graduação 03 Módulo A: Introdução à Psicopedagogia Teorias da Aprendizagem Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Desafio Profissional. Enunciado O tema deste

Leia mais

CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX

CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX Rita Andrade (FAV/UFG) Aline O. T. Monteiro (FAV/UFG) RESUMO Esse artigo apresenta três autores que escreveram sobre

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS Valeria Fernandes Nunes Mestranda em Linguística (UERJ) valeriafernandesrj@hotmail.com RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência

Leia mais

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Maria Angela da Silva INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Dissertação de Mestrado apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Letras

Leia mais

Placa de vídeo em CUDA

Placa de vídeo em CUDA Placa de vídeo em CUDA Matheus Costa Leone de Souza Krystian Aparacido Resumo Quando você tem um cálculo que possa ser grande demais para você realizar a mão, a primeira solução que lhe vem a cabeça é

Leia mais

O TRABALHO DO PEDAGOGO NO DISCURSO DOS COORDENADORES DE CURSOS DE PEDAGOGIA: UMA VISÃO A PARTIR DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS

O TRABALHO DO PEDAGOGO NO DISCURSO DOS COORDENADORES DE CURSOS DE PEDAGOGIA: UMA VISÃO A PARTIR DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS O TRABALHO DO PEDAGOGO NO DISCURSO DOS COORDENADORES DE CURSOS DE PEDAGOGIA: UMA VISÃO A PARTIR DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS ALVES FIORIN, Bruna Pereira 1 ; FERREIRA, Liliana Soares 2 Resumo: Este estudo foi

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA 1 2015 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º.

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE 1 PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE Prof. Dr. Flávio Villaça Professor Titular de Planejamento Urbano da FAU-USP Versão de 20/12/04 Flavila@uol.com.br INTRODUÇÀO Este texto foi elaborando

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Da aula de língua inglesa ao plurilinguismo: propostas didáticas

Da aula de língua inglesa ao plurilinguismo: propostas didáticas Encontros com o LALE (Laboratório Aberto para a Aprendizagem de Línguas Estrangeiras) Educação plurilingue e intercultural: percursos e possibilidades em contexto educativo português 11 e 12 de outubro

Leia mais

Thais Pereira Teixeira

Thais Pereira Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Thais Pereira Teixeira ESTRATÉGIA COMPETITIVA E COMÉRCIO ELETRÔNICO: ESTUDOS

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES Jamires Nobre Menezes de Oliveira ( UNEB). RESUMO Este trabalho apresenta os elementos constituintes do discurso estabelecidos entre

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

Apresentação V.B.M.P.S.

Apresentação V.B.M.P.S. ISSN 0102-7077 the ESP São Paulo Vol. 25 nº 1 p. 1-106 2004 The Especialist/Centro de Pesquisas, Recursos e Informação em Leitura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo CEPRIL. V. 1, n. 1 (1980)-.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais