ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA: a realidade dos idosos do abrigo São Vicente de Paulo em Campina Grande/PB

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA: a realidade dos idosos do abrigo São Vicente de Paulo em Campina Grande/PB"

Transcrição

1 ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA: a realidade dos idosos do abrigo São Vicente de Paulo em Campina Grande/PB Rochele Sidartha Pimenta de Oliveira 1 Juliana Kelly Dantas da Silva 2 Kelly Hyanny Fernandes Farias 3 Resumo: Na atualidade envelhecimento e qualidade de vida expressam múltiplas dimensões, necessitando de maiores enfoques. Dessa forma, o presente estudo centrou-se na análise da qualidade de vida dos idosos, que encontram-se no Abrigo São Vicente de Paulo em Campina Grande/Pb. Para tanto, utilizamos à pesquisa de campo, de caráter qualitativo e quantitativo. Segundo os resultados, verificamos que 80% dos entrevistados revelaram terem qualidade de vida, enquanto 20% afirmaram que não possuem qualidade de vida, o que foi atribuído a aspectos subjetivos, como: mau humor, ansiedade e depressão. Portanto, a maioria dos idosos reconhecem que tem qualidade de vida no referido abrigo. Palavras-chave: Qualidade de vida, envelhecimento, idosos. Abstract: Nowadays age and quality of life express multiple dimensions, requiring greater focus. Thus, this study focused on the analysis of quality of life of older people who are at the shelter São Vicente de Paulo in Campina Grande/Pb. For this, use the field research, qualitative and quantitative in nature. According to the results show that 80% of respondents revealed they have quality of life, while 20% said they have no quality of life, which was attributed to subjective aspects such as: bad mood, anxiety and depression. Therefore, most patients must recognize that quality of life in the shelter. Key words: Quality of life, aging, elderly. 1 Graduanda. Universidade Estadual da Paraíba. 2 Graduanda. Universidade Estadual da Paraíba. 3 Graduanda. Universidade Estadual da Paraíba.

2 1 INTRODUÇÃO O crescimento da população idosa é, hoje, um proeminente fenômeno mundial. Isso significa um crescimento mais elevado da população idosa com relação aos demais grupos etários. No caso do Brasil, a participação da população maior de 60 anos, no qual registra um percentual de 8,6% da população total. Tem-se ainda uma projeção de cerca de 30,9 milhões de indivíduos que terão mais de 60 anos de idade no ano de 2020 (BELTRÃO, et al., 2004, p.71). A denominada Terceira Idade traz consigo limitações sobre um corpo já muito vivido. No qual não se tem a mesma vitalidade da jovialidade, diminuição dos movimentos e do raciocínio. Existindo mais tempo disponível, porém muitos dos idosos não sabem como aproveitá-lo. Do ponto de vista físico, o fator mais importante na manutenção da saúde é o cuidado com a alimentação. Uma alimentação saudável implica em suprir o organismo com todos os nutrientes de que ele necessita para o seu bom funcionamento e para a conservação de um peso estável, fatores importantes na prevenção de várias doenças. Visitas regulares ao médico são fundamentais para prevenir, diagnosticar e tratar possíveis doenças que possam diminuir a qualidade de vida. Juntamente com a prática regular de atividades aeróbicas e exercícios contribuindo para a conservação da saúde. Esta integração é de suma importância para o idoso, uma vez que um de seus maiores prazeres consiste em relatar fatos acontecidos em sua vida e perceber que as pessoas que o cercam dão-lhe a atenção devida. Entre outros inúmeros fatores, os citados acima direcionam para obtenção e/ou manutenção da qualidade de vida, porém, podemos dizer em linhas gerais que, qualidade de vida engloba aspectos objetivos e subjetivos. Neste contexto, encontra-se o nosso objeto de estudo que intentou analisar a qualidade de vida dos idosos, que encontram-se no Abrigo São Vicente de Paulo em Campina Grande/Pb. Tratou-se de uma pesquisa de campo, em que articulamos metodologias qualitativas e quantitativas. Os sujeitos da pesquisa, foram 25 idosos abrigados, dentre homens e mulheres, o que corresponde a uma amostra de 33,33%. Para a interpretação dos dados utilizamos como instrumentos: a análise de conteúdo e de conjuntura.

3 2 O FENÔMENO DO ENVELHECIMENTO A percepção do fato de que os organismos vivos envelhecem não gera controvérsias, pois a partir da simples observação da realidade, é possível perceber esse fenômeno, porém, vários pontos de controvérsia surgem no momento de estabelecer indicadores para as variáveis envolvidas no processo. Assim, estabelece-se a dificuldade de construir conceitos fundamentais que possam ser articulados em construções lógicas explicativas do envelhecimento. No entanto, pode-se considerar o envelhecimento, como admite a maioria dos biogerontologistas, como a fase de um continuum que é a vida, começando esta com a concepção e terminando com a morte. O envelhecimento é conceituado como um processo dinâmico e progressivo, no qual há modificações morfológicas, funcionais, bioquímicas e psicológicas que determinam a perda da capacidade de adaptação do indivíduo ao meio ambiente, ocasionando maior vulnerabilidade. Este conceito pode ser complementado com o elaborado por Comfort (1979), segundo o qual o envelhecimento se caracteriza por redução da capacidade de adaptação homeostática, perante situações de sobrecarga funcional do organismo. As manifestações somáticas da velhice pode ser caracterizada por redução da capacidade funcional e do trabalho, assim como da resistência, entre outras, associam-se perdas dos papéis sociais, solidão e perdas psicológicas, motoras e afetivas. A aproximação da velhice não reduz drasticamente qualquer faculdade do indivíduo ao ponto de impedí-lo de continuar ativo e útil ao grupo social a que pertence. O comportamento do ser humano independente da idade, não pode ser padronizado ou generalizado. A velhice trata-se de uma fase esperada na vida das pessoas, mas quando esta chega, o idoso acaba sofrendo significativas perdas, seu papel na sociedade sofre modificações, além da perda de amigos e familiares, a substituição de suas ocupações profissionais e o aparecimento de doenças crônicas (PASCHOAL, 2000). Existem cada vez mais evidências cientificas apontando o efeito benéfico de um modo de vida ativa na manutenção da capacidade funcional e da autonomia física durante o processo de envelhecimento. Além dos benefícios da atividade aeróbica, existem também

4 importantes benefícios do treinamento de força muscular no adulto e na terceira idade, quais sejam: melhora da velocidade de andar, melhora do equilíbrio, aumento do nível de atividade física espontânea, melhora da auto-eficácia, contribuição na manutenção e/ou aumento da densidade óssea, ajuda no controle da diabete, artrite e doenças cardíacas, além da melhora na ingestão alimentar. Acreditamos que ao se discutir a etapa do envelhecimento humano, é preciso considerar tanto os critérios cronológicos, como os eventos biológicos que ocorrem ao longo desse período. A idade em si não representa o estado do envelhecimento de uma pessoa, mas a combinação de vários fatores associados, embora seja difícil tal avaliação. Nesse sentido, percebemos que o envelhecimento, como muitas outras situações de vida, se apresenta diferente para cada ser humano (HAYFLICK, 1996, p ). 3 QUALIDADE DE VIDA O termo qualidade explica por que boa qualidade tem significados diferentes, para diferentes pessoas, em lugares e ocasiões diferentes. É por isso que há inúmeros conceitos de qualidade de vida. Assim, qualidade de vida é um conceito que está submetido a múltiplos pontos de vista e que tem variado de época para época, de país para país, de cultura para cultura, de classe social para classe social e, até mesmo de indivíduo para indivíduo. Portanto, o conceito de qualidade de vida varia de autor para autor, sendo um conceito subjetivo dependente do nível sociocultural, da faixa etária e da forma de pensar de cada indivíduo. Qualidade de vida está relacionado à auto-estima e ao bem-estar pessoal e abrange uma série de aspectos como a capacidade funcional, o nível socioeconômico, o estado emocional, a interação social, a atividade intelectual, o autocuidado, o suporte familiar, o próprio estado de saúde, os valores culturais, éticos e a religiosidade (SANTOS et al., 2002, p ). O termo qualidade de vida tem significados divergente, para diferentes pessoas, em lugares e ocasiões diversas, gerando deste modo inúmeras conceituações do termo, pois este conceito está submetido a múltiplos pontos de vista variáveis de acordo com a cultura, classe social, temporalidade, estado emocional e características individuais (GUYATT et al., 1993, p ).

5 3.1 Qualidade de Vida na Velhice O estudo e a avaliação da qualidade de vida se revela como sendo importantes para a população idosa, pois o envelhecimento é uma experiência heterogênea, vez que cada indivíduo pautará sua vida de acordo com padrões, normas, expectativas, desejos, valores e princípios diferentes. Lawton (1983) construiu um modelo de qualidade de vida na velhice em que a multiplicidade de aspectos e influências inerentes ao fenômeno é representada em quatro dimensões inter-relacionadas, quais sejam: a primeira, refere-se as condições ambientais, ou seja, diz respeito ao contexto físico, ecológico. A segunda, a competência comportamental, o que depende do comportamento de cada indivíduo, de seu potencial, suas experiências, condições de vida e dos valores. A terceira, qualidade de vida percebida, reflete a avaliação da própria vida, influenciada pelos valores que o indivíduo foi agregando e pelas expectativas pessoais e sociais e por fim, a quarta, relacionada ao bem-estar subjetivo, significa satisfação com apropria vida, satisfação global e satisfação específica em relação a determinados aspectos da vida. 4 RESULTADOS O abrigo São Vicente de Paulo - lócus da pesquisa - foi fundado no ano de 1979, pelas filhas da caridade São Vicente de Paulo, com o objetivo de abrigar os idosos carentes. Atualmente vivem na instituição 75 idosos entre homens e mulheres. Esta instituição é caracterizada como não-governamental, funcionando com recursos advindos da sociedade civil. No que se refere ao estado civil dos entrevistados, constatamos que 30% são casados, 30% são viúvos, 20% são divorciados e 20% nunca casaram. Foi observado que a maioria, não possui memória ativa e baixo nível de escolaridade. Foi verificado também que 50% dos entrevistados acreditam ter uma boa saúde, o que para muitos justifica possuir qualidade de vida, outros 50% se queixam de dores de cabeça e uma certa dificuldade de se locomover, tornando-se dependentes dos remédios, inclusive para conseguir dormir, visto que nesta idade o sono se torna mais um problema, conforme depoimento de uma idosa entrevistada.

6 Quanto a concepção dos idosos entrevistados acerca da qualidade de vida, verificamos, surpreendentemente - antes da pesquisa, tínhamos como hipótese, que aqueles que residiam no abrigo eram indivíduos mal cuidados, tristes, depressivos, mal humorados e que não gostavam do abrigo, estando insatisfeitos que 80% avaliaram que estão satisfeitos com o modo como vivem no abrigo e que possuem qualidade de vida, mesmo diante de limitações e dificuldades, enquanto outros 20% revelaram não terem qualidade de vida, o que foi atribuído a aspectos subjetivos, como: ansiedade, depressão, mau humor. De acordo com as observações, os idosos são atendidos de acordo com as suas necessidades individuais, como: alimentação, saúde, lazer, etc. Também verificamos uma grande importância para o desenvolvimento das atividades em grupo. Os grupos de convivências estimulam a independência individual e a autodeterminação de superar desafios, cada integrante funciona como apoio para os demais membros, estimulando-os a adquirir maior autonomia, melhorando a sua auto-estima, qualidade de vida, senso de humor e promovendo inclusão social (CHACRA, 2002). Nos grupos também são relatados as experiências vivenciadas pelos idosos participantes, o que possibilita a socialização entre os mesmos, pois, como sabemos, nesta fase da vida muitos se sentem excluídos perante a sociedade e a convivência com seus familiares é reduzida. A participação dos idosos em grupos de socialização desvincula o idoso a uma possível ociosidade, deste modo permite um envelhecimento mais saudável, pois promove ao idoso uma ocupação de forma lúdica e prazerosa (FERRAZ e PEIXOTO, 1997, p. 316). 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base no que foi abordado neste trabalho é notório que conceituar e avaliar qualidade de vida não é uma tarefa das mais fáceis, dada a complexidade das variáveis envolvidas, principalmente quando envolve a população idosa, pois a qualidade de vida em idosos e sua avaliação sofrem os efeitos de numerosos fatores, sendo uma questão não apenas metodológica, mas também ética, tendo em vista que o padrão de qualidade de vida é um fenômeno altamente pessoal.

7 Tal compreensão é afirmada quando a maioria dos idosos revelaram terem qualidade de vida no abrigo São Vicente de Paulo, demonstrando que cada um tem um conceito acerca do que consideram qualidade de vida. Porém, devemos ter clareza que envelhecer em um país com tantos problemas sociais, econômicos e estruturais, constitui-se um grande desafio. Apesar de todo aparato legalmente instituído a esse segmento populacional, especialmente com o Estatuto do Idoso, ainda há muito a fazer, principalmente na implantação e implementação de novas políticas sociais direcionadas para melhorar a qualidade de vida dos nossos idosos. REFERÊNCIAS BELTRÃO, K. I.; CAMARANO, A. A.; KANSO, S. Dinâmica populacional brasileira na virada do século XX. Rio de Janeiro: Ipea, p. 71. COMFORT, A. The biology of senescence, 3 ed. Edinburgh: Church Livingstone, CHACRA, F. C. Empatia e comunicação na relação médico-paciente: uma semiologia autopoiética do vínculo Tese (Doutorado) - Faculdade de Ciência Médicas, UNICAMP, Campinas. FERRAZ, A. F.; PEIXOTO, M. R. B. Qualidade de vida na velhice: estudo de uma instituição pública de recreação para idosos. Revista da Escola de Enfermagem USP. v. 31, n. 2, p GUYATT, G. H.; FEENY, D. H.; PATRICK, D. L. Measuring health-related quality of life. Ann Intern Med. v. 118, n. 8, HAYFLICK L. Como e por que envelhecemos. Rio de Janeiro: Editora Campus, p LAWTON, M.P. Environment and other determinants of well-being in older people. Berontologist., p MINAYO, M. C. S.; DESLANDE, S. F.; CRUZ NETO, O.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 8. ed. Petrópolis: Vozes, MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo - Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 1999.

8 MOREIRA, M. M. S. Trabalho, qualidade de vida e envelhecimento Dissertação (Mestrado) - Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro. PASCHOAL, S. M. P. Epidemiologia do envelhecimento. In: PAPALÉO NETTO, M. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu, p PASCHOAL, S. M. P. Qualidade de vida do idoso: elaboração de um instrumento que privilegia sua opinião Dissertação (Mestrado em Medicina) - Faculdade de Medicina, Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo. PINHEIRO, A. R. O.; RECINE, E.; CARVALHO, M. F. O que é uma alimentação saudável? Considerações sobre o conceito, princípios e características: uma abordagem ampliada. Brasília: Ministério da Saúde, SANTOS, S. R.; SANTOS, I. B. C.; FERNANDES, M. G. M.; HENRIQUES, M. E. R. M. Elderly quality of life in the community: application of the Flanagan s Scale. Revista Latino Americana de Enfermagem. v. 10, n. 6, p SILVA, Y. F. Cuidando de si ou violência corporal? A produção da velhice na mídia Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA

A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA A ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA Ana Karina da Cruz Machado Faculdade Mauricio de Nassau e-mail: ana.cruz@mauriciodenassau.edu.br INTRODUÇÃO: A questão do envelhecimento

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER

BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER Kenia Anifled de Oliveira Leite Professora do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande-PB. kaleite@ig.com.br Carla Giullianna Meira

Leia mais

CLÁUDIA REGINA VIEIRA LIMA

CLÁUDIA REGINA VIEIRA LIMA CLÁUDIA REGINA VIEIRA LIMA POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A TERCEIRA IDADE NO DISTRITO FEDERAL: Instituições de Longa Permanência & Centros de Convivência Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação Nota Introdutória O presente projeto de intervenção surge da constatação do elevado número da população idosa na estrutura demográfica do concelho de Alter do Chão, do conhecimento e do contato direto

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS

A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS Autoria: Ramon Fagner de Queiroz Macedo (UEPB - pro.ram.fag@hotmail.com) Co-autorias: Alexandre de Souza Cruz (UEPB - mistercruz1@gmail.com) Jorge

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR 17 ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Ramão Américo Godoy Tatiane Barbosa Serrou da Silva Ana Maria de Oliveira Alves Resumo Este documento

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE Angélica da Silva Santos 1, Cicera Rócila Pereira Araújo¹, Lourdes Lanes Ferreira Pereira¹,

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA

OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA Autor 1: Elza Maria Santos da Silveira Titulação:Fisioterapeuta Instituição: UniRitter Endereço eletrônico: elzamss@yahoo.com.br Autor 2: Denise Costa

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

LABORE Laboratório de Estudos Contemporâneos POLÊM!CA Revista Eletrônica A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO - QVT E SUA INFLUÊNCIA NA VIDA DOS BANCÁRIOS

LABORE Laboratório de Estudos Contemporâneos POLÊM!CA Revista Eletrônica A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO - QVT E SUA INFLUÊNCIA NA VIDA DOS BANCÁRIOS 74 A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO - QVT E SUA INFLUÊNCIA NA VIDA DOS BANCÁRIOS DANNYEL VIANA RANGEL DUARTE Graduando em Administração da Unisuam. ELAINE CAVALCANTE PEIXOTO BORIN Professora Adjunta da

Leia mais

Palavras-chaves: Educação em Saúde, Qualidade de vida, Abrigo.

Palavras-chaves: Educação em Saúde, Qualidade de vida, Abrigo. EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UMA INSTITUIÇÃO BENEFICENTE À TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA Cláudia Karine Carmo de Noronha FACID 1 Brena Luiza Gomes de Castro FACID 1 Camila Ravenna Carmo Noronha CEUT 2

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

O ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE MONTES CLAROS, MG

O ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE MONTES CLAROS, MG XXVIENANGRAD O ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE MONTES CLAROS MG June Marize Castro Silva Martins Simarly Maria Soares Barbara Novaes Medeiros Leandro André

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS INTERNADOS NA CLINICA MÉDICA E CLÍNICA CIRÚRGICA EM UM HOSPITAL DE GUARAPUAVA PARANÁ Michele Teixeira (CVI-UNICENTRO), Evani Marques Pereira (UNICENTRO), Evani Marques Pereira

Leia mais

COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014

COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014 COMPOSIÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA MACRORREGIÃO OESTE DO PARANÁ, 2014 Gabriela Souza Alves 1 Manoela de Carvalho Maria Lúcia Frizon Rizzotto Neide Tiemi Murofuse RESUMO: Trata-se de um

Leia mais

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID.

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. Resumo Alcenir Amorim de Sousa 1 1 Instituto Federal de educação

Leia mais

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE Marcela Cristina Vergilio Lipori 1 Renan Augusto de Ramos 2 Clóris Regina Blanski Grden 3 Emanoel Severo 4 Lílian Maria Pinheiro

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

ESTUDO DAS PARASITOSES INTESTINAIS EM ALUNOS DA 5ª SÉRIE DO COLÉGIO DA POLICIA MILITAR (CPM) DE FEIRA DE SANTANA-BAHIA 3

ESTUDO DAS PARASITOSES INTESTINAIS EM ALUNOS DA 5ª SÉRIE DO COLÉGIO DA POLICIA MILITAR (CPM) DE FEIRA DE SANTANA-BAHIA 3 1 ESTUDO DAS PARASITOSES INTESTINAIS EM ALUNOS DA 5ª SÉRIE DO COLÉGIO DA POLICIA MILITAR (CPM) DE FEIRA DE SANTANA-BAHIA 3 Alcione Assunção Correia Danusa Sampaio Brandão Lycia Bárbara Ribeiro 4 RESUMO:

Leia mais

A Prática de ciências/ biologia para o incentivo dos educandos PROJETO PEDAGÓGICO: NO STRESS : DOUTORES DO FUTURO CONTRA O STRESS

A Prática de ciências/ biologia para o incentivo dos educandos PROJETO PEDAGÓGICO: NO STRESS : DOUTORES DO FUTURO CONTRA O STRESS A Prática de ciências/ biologia para o incentivo dos educandos PROJETO PEDAGÓGICO: NO STRESS : DOUTORES DO FUTURO CONTRA O STRESS Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual de ensino/

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

Envelhecimento e atividade física: Análise das relações pedagógicas professor/aluno

Envelhecimento e atividade física: Análise das relações pedagógicas professor/aluno OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 345-350 INTEGRAÇÃO 345 Envelhecimento e atividade física: Análise das relações pedagógicas professor/aluno GLÁUCIA REGINA FALSARELLA* mariangela gagliardi caro

Leia mais

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE Jarlson Carneiro Amorim da Silva¹, Luciano Meireles de Pontes² ¹Programa Associado de Pós-graduação

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DO AUTOCUIDADO DO IDOSO COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DO AUTOCUIDADO DO IDOSO COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DO AUTOCUIDADO DO IDOSO COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 Elinalva Maria da Silva elinalva_maria_silva@hotmail.com Jéssyca da Silva Martins Universidade Estadual da Paraíba/UEPB

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS câncer. 3 Atualmente, fatores como envelhecimento populacional, intenso processo de TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS João Evangelista da Costa - UFRN. hevan33@oi.com.br

Leia mais

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS Rogéria Lopes Gularte 1 Resumo: No presente trabalho procuramos primeiramente definir o que é motivação, e como devemos nos comportar com as diferentes necessidades,

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 102 A PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE ENTRE CRIANÇAS POR MEIO DA RISOTERAPIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Profa. Esp. Andréa Savietto (UNIANCHIETA)

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL DO IDOSO: REALIDADE CATOLEENSE

INCLUSÃO DIGITAL DO IDOSO: REALIDADE CATOLEENSE INCLUSÃO DIGITAL DO IDOSO: REALIDADE CATOLEENSE ¹ VÉRAS, MÁRIO LENO MARTINS; 2 SILVA, JAIRO BEZERRA; 3 ALVES, LUNARA DE SOUSA; 4 OLIVEIRA, AUGUSTO BEZERRA DE; 5 ANDRADE, ALEXANDRO DE FIGUEIREDO. 1 Aluno

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Atividades lúdicas na terceira idade: benefícios para um grupo de mulheres da cidade de Jaborandi

Atividades lúdicas na terceira idade: benefícios para um grupo de mulheres da cidade de Jaborandi Atividades lúdicas na terceira idade: benefícios para um grupo de mulheres da cidade de Jaborandi (Playful activities in elderly: benefits to a women group in Jaborandi - Brazil) Andreia Cristina Metzner

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7 PERCEPÇÃO DA PUÉRPERA EM RELAÇÃO À ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Viana, J.C 1 ; Mota, L.L 2 ; Corrêa, A.L³; Perroni, C. A. 4 jamilli-viana@bol.com.br; lidiener @hotmail.com.br;

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO Renata Juliana Pereira de Moraes Trindade Crislene Kelly Guedes Lopes Luiza Jamila Silva da Costa Maria

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais

O CONCEITO DA LUZ CIRCADIANA E SUAS IMPLICAÇÕES NA ARQUITETURA

O CONCEITO DA LUZ CIRCADIANA E SUAS IMPLICAÇÕES NA ARQUITETURA ANAIS DA 67ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - SÃO CARLOS - SP - JULHO/2015 O CONCEITO DA LUZ CIRCADIANA E SUAS IMPLICAÇÕES NA ARQUITETURA Dra. Betina Tschiedel Martau Arquiteta e Urbanista, Professora Adjunta III

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.com RESUMO Este artigo teve como foco o termo depressão infantil, que é

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do Doente com Diabetes Domiciliado

APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do Doente com Diabetes Domiciliado APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do ACES Porto Oriental / Centro de Saúde de Campanhã Unidade de Saúde de S. Roque da Lameira Emília Aparício, Assistente Social Cristina Campos, Psicóloga

Leia mais

Respeito às pessoas idosas. Respeito às pessoas idosas

Respeito às pessoas idosas. Respeito às pessoas idosas Respeito às pessoas idosas Respeito às pessoas idosas Gostaria de contribuir com as pessoas idosas..., mas acredito que preciso conhecer o Estatuto do Idoso. Posso ajudar você, dando lhe algumas dicas!

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL RESUMO Luana da Mata (UEPB) 1 Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) 2 Este artigo tem como objetivo refletir como as brincadeiras

Leia mais

PROBLEMAS DE SAÚDE CONSEQUENTES À MÁ TRITURAÇÃO DOS ALIMENTOS: PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO DE NUTRIÇÃO.

PROBLEMAS DE SAÚDE CONSEQUENTES À MÁ TRITURAÇÃO DOS ALIMENTOS: PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO DE NUTRIÇÃO. PROBLEMAS DE SAÚDE CONSEQUENTES À MÁ TRITURAÇÃO DOS ALIMENTOS: PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO DE NUTRIÇÃO. Ana Claudia Gonçalves Mota, Sara Tavares Malheiro Quinderé, Sâmia Varlyan Nunes de Alcantara,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DEPENDÊNCIA E TRATAMENTO DO CONSUMO DE TABACO Andréia Souza Grespan

Leia mais

Recrutamento e seleção de pessoal: análise comparativa entre a iniciativa privada e a pública

Recrutamento e seleção de pessoal: análise comparativa entre a iniciativa privada e a pública Recrutamento e seleção de pessoal: análise comparativa entre a iniciativa privada e a pública ADRIANO SÉRGIO DA CUNHA * & FERNANDO ROSSONI CAVALCANTI ** Resumo Este artigo objetiva comparar características

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Cuidando do Cuidador

Cuidando do Cuidador 31 Cuidando do Cuidador Wanda Pereira Patrocinio Muito se tem falado sobre o crescimento da longevidade dos brasileiros e do número de idosos na população brasileira, e sobre a consequente falta de preparo

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. OTAVIO LEITE) Regulamenta a Profissão de Cuidador de Pessoa, delimita o âmbito de atuação, fixa remuneração mínima e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO BOM PROGRESSO- RS 2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM PROGRESSO Administração: Armindo Heinle CNPJ. 94726353/0001-17 End. Av. Castelo Branco, n 658 Centro CEP:

Leia mais

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO

PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO PERCEPÇÃO DE PACIENTES IDOSOS ACERCA DA HUMANIZAÇÀO PROFISSIONAL NAS UNIDADES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL NO ALTO SERTÃO PARAIBANO Janaíne Chiara Oliveira Moraes Universidade Federal da Paraíba;

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

TRABALHANDO COM GRUPOS: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL COM MULHERES GRÁVIDAS. 1. SOBRE GRAVIDEZ E O TRABALHO COM GRUPOS EM SAÚDE MENTAL.

TRABALHANDO COM GRUPOS: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL COM MULHERES GRÁVIDAS. 1. SOBRE GRAVIDEZ E O TRABALHO COM GRUPOS EM SAÚDE MENTAL. TRABALHANDO COM GRUPOS: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL COM MULHERES GRÁVIDAS. Raiza Barros de Figuerêdo (raizafigueredo@gmail.com) Karina Pontes Santos Lima (karypontes@hotmail.com) Maria

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009

Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 QUALIDADE DE VIDA DE COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO SUPERMERCADISTA DA CIDADE DE PONTA GROSSA

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Bloco Temático 1: Procedimentos Didáticos, Acadêmicos e Científicos

Bloco Temático 1: Procedimentos Didáticos, Acadêmicos e Científicos Bloco Temático 1: Procedimentos Didáticos, Acadêmicos e Científicos Tema 2: Trabalhos acadêmico-científicos 2.1: Pesquisa Científica/Ética e Pesquisa Pesquisa científica Vamos entender o que é pesquisa?

Leia mais

A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em. hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS

A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em. hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS A importância do palhaço cuidador na assistência à criança em hospitalização: Relato de Experiência do Projeto PalhaSUS BRITO JUNIOR¹, José Félix CORREIA², Bruna Valério COSTEIRA³, Aldenildo A.M.F NASCIMENTO

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

O CITY TOUR COMO ESTRATÉGIA DE (RE) INSERÇÃO DO IDOSO ASILADO NA SOCIEDADE

O CITY TOUR COMO ESTRATÉGIA DE (RE) INSERÇÃO DO IDOSO ASILADO NA SOCIEDADE O CITY TOUR COMO ESTRATÉGIA DE (RE) INSERÇÃO DO IDOSO ASILADO NA SOCIEDADE Letícia Veiga Souza¹; Ednéia Albino Nunes Cerchiari²; Patrícia Cristina Statella Martins³ 1 Acadêmica do Curso de Turismo com

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Atividade Física x Exercício Físico Atividade Física: é qualquer movimento corporal com gasto energético acima do nível de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Angélica Aparecida De Almeida 2, Ligia Beatriz Bento Franz 3, Mabili Tresel Freitas 4, Vanessa Huber Idalêncio 5. 1 Pesquisa Institucional

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CARÁTER DAS ORGANIZAÇÕES DE CONSUMO COLETIVO PARA IDOSOS (AS) DA CIDADE E DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE

AVALIAÇÃO DO CARÁTER DAS ORGANIZAÇÕES DE CONSUMO COLETIVO PARA IDOSOS (AS) DA CIDADE E DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE AVALIAÇÃO DO CARÁTER DAS ORGANIZAÇÕES DE CONSUMO COLETIVO PARA IDOSOS (AS) DA CIDADE E DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE Tamires Carolina Marques Fabrício. Universidade Federal Rural de Pernambuco/UFRPE,

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE CATEGORIA:

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

O uso do computador na escola sob o olhar de Valente

O uso do computador na escola sob o olhar de Valente O uso do computador na escola sob o olhar de Valente The role of computer use at school through the vision of Valente Carlos Alessandro Barbosa carlosalessandrob@gmail.com Instituto de Ensino Superior

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais