Formulação de Propostas de Concepção Estratégica das Intervenções Operacionais no Domínio da Inclusão Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formulação de Propostas de Concepção Estratégica das Intervenções Operacionais no Domínio da Inclusão Social"

Transcrição

1 Protocolo entre a Direcção Geral de Desenvolvimento Regional e o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Formulação de Propostas de Concepção Estratégica das Intervenções Operacionais no Domínio da Inclusão Social Relatório Final Autoria Luís Capucha (coordenação) Maria das Dores Guerreiro Joaquim Bernardo Francisco Madelino Alexandre Calado Sónia Vladimira Correia Ana Raquel Cruz e Silva Julho de

2 ÍNDICE 1 Introdução Domínios dos Conceitos de Inclusão e Exclusão Social Principais indicadores de pobreza em Portugal: perspectiva comparada com a situação europeia Composição da pobreza em Portugal A Distância às Necessidades Básicas Actividade Económica, Emprego e Desemprego Emprego e Índices de Actividade Estrutura Sectorial do Emprego A segmentação do mercado de trabalho Disparidades na Distribuição do Rendimento Desemprego e Produtividade Educação e aprendizagem ao longo da vida As dinâmicas de inclusão/exclusão no sistema de educação e formação em Portugal A massificação do acesso à educação e à formação inicial e a (re)produção da exclusão O acesso a oportunidades de educação e formação para adultos O Acesso à sociedade da informação Para uma Política de Acção Inclusiva para a Educação Protecção Social e Programas de Luta Contra a Pobreza Família, Equipamentos e Serviços Mudança e diversidade nas relações familiares A evolução das políticas de apoio à família em Portugal Serviços e equipamentos de apoio às famílias Padrões de Territorialização Habitação: breve referência a um problema persistente Nota para uma abordagem da Saúde no contexto da Inclusão Social Categorias Vulneráveis à Pobreza e à Exclusão Social Grupos com handicap específico Pessoas com deficiência Imigrantes Grupos desqualificados Desempregados de longa duração Trabalhadores com qualificações baixas ou qualificações obsoletas Idosos Famílias monoparentais Grupos à margem Pessoas sem-abrigo

3 Toxicodependentes e ex-toxicodependentes Jovens em risco Detidos e ex-reclusos Breve conclusão Objectivos Estratégicos para a Inclusão no Horizonte Objectivos complementares Quanto à distribuição dos rendimentos Objectivos de enquadramento No domínio da distribuição dos rendimentos No sector da educação No domínio da demografia No sector do emprego No domínio da economia Correlação entre factores, domínios de política e indicadores de coesão Cenários prospectivos para o horizonte Cenário catastrófico Cenário de consolidação do modelo social e económico tradicional Cenário de Europeização Factores Críticos Critérios gerais para o sucesso dos objectivos da inclusão Bibliografia ÍNDICE DE GRÁFICOS E QUADROS Glossário ANEXOS

4 1 Introdução O presente relatório constitui o produto do protocolo estabelecido entre o ISCTE e a Direcção Geral de Desenvolvimento Regional (DG-DR) com vista à realização de um exercício de fixação de objectivos estratégicos para Portugal no horizonte 2013, baseados num diagnóstico da situação e abrindo para a identificação dos factores críticos necessários ao cumprimento desses objectivos. Para a concretização deste plano de trabalho, iniciou-se a abordagem ao presente estudo com um breve enquadramento teórico, em que se procurou introduzir e definir os conceitos de inclusão social, exclusão social e pobreza. O objectivo deste primeiro capítulo não passa por estabelecer um debate conceptual exaustivo destas noções, o que seria desajustado, mas explicitar o modo como são interpretados e tratados no presente estudo. Procurou-se então mostrar como a noção de exclusão social se liga a défices de participação dos cidadãos na vida social e de satisfação dos seus direitos essenciais de cidadania, desde logo o direito a condições materiais de vida dignas, pelo que a pobreza pode ser tomada como um indicador-chave da exclusão social. A exclusão social contraria, pois, a lógica de coesão social sobre a qual estão assentes e se legitimam as democracias ocidentais, e em particular as europeias. A primeira parte do relatório consta de um diagnóstico capaz de evidenciar a situação de Portugal, comparativamente à União Europeia, no que se refere às diversas dimensões e indicadores caracterizadores das situações de pobreza. Para o desenvolvimento deste ponto estruturou-se a exposição a partir de dois planos distintos, um em que se focalizam os factores associados às dinâmicas de exclusão/inclusão social, e outro que se refere às consequências, isto é, às categorias mais afectadas por estas dinâmicas. Assim, após a observação multidimensional do comportamento dos principais indicadores de pobreza, das desigualdades, da privação e de risco analisaram-se em alguma profundidade os principais domínios em que aqueles fenómenos se inscrevem. O terceiro capítulo centrou-se na análise da actividade económica e do mercado de trabalho, um dos eixos fundamentais do processo de inclusão social, na medida em que o trabalho constitui um factor central de integração social e de participação democrática. Naturalmente estão incluídos neste ponto indicadores como as taxas de emprego e desemprego e a distribuição dos rendimentos, entre um conjunto de 4

5 parâmetros relevantes para a caracterização da qualidade e dos factores de risco de exclusão associados ao nosso mercado de emprego. A educação e a aprendizagem ao longo da vida constitui outro dos eixos fundamentais para a compreensão global e multimensional dos cenários de exclusão social em Portugal. No capítulo quatro aprofundam-se, portanto, as problemáticas associadas aos níveis educacionais e às necessidades de reforma estrutural a promover neste domínio. Esta reforma afirma-se determinante no caminho para a integração em muitos dos outros domínios da inclusão social, sendo assim imperativo pensar numa política de acção inclusiva para a aprendizagem ao longo da vida. O capítulo cinco é dedicado aos programas de luta contra a pobreza e à protecção social, sector essencial para o desenvolvimento do bem-estar e da cidadania, e instrumento fundamental de redistribuição da riqueza e das oportunidades. À família e aos equipamentos sociais dedicamos um capítulo em que começamos por fazer uma breve alusão às mudanças nas relações familiares e à diversificação dos respectivos padrões ocorridas na última década procedendo depois a uma leitura das principais políticas de apoio às famílias, com particular destaque para as taxas de cobertura dos equipamentos e serviços sociais. No capítulo sete, Padrões de Territorialização, observou-se a distribuição do fenómeno da pobreza pelo território nacional, através de uma leitura transversal a todas as regiões do continente e arquipélagos autónomos. O objectivo que determina este plano analítico passa por complementar a análise das dimensões da pobreza ao nível nacional com uma análise enfocada no nível territorial, que nos permite perceber as diversidades internas das situações de exclusão, bem como os padrões tendenciais de espacialização da pobreza. Neste mesmo sentido, complementamos a análise com o estudo Tipificação das Situações de Exclusão em Portugal Continental (2005) realizado pelo Instituto de Segurança Social, onde se estabelece uma tipologia dos territórios de exclusão social no nosso país, sendo este dividido em seis territórios tipo, com especificidades no que se refere aos vários domínios da pobreza. Tendo em consideração os factores propiciadores de pobreza acima referidos, evidenciam-se algumas categorias particularmente vulneráveis que foram objecto de caracterização incluindo aspectos que dizem respeito a modalidades de inclusão/exclusão nos quadros societais. 5

6 Do diagnóstico desenvolvido resulta uma matriz compreensiva dos diversos cenários e situações associados aos conceitos que dirigem este estudo, permitindo-nos situar mais claramente os processos económicos, políticos e sociais em tendências de exclusão ou inclusão social. Ou seja, a análise da bateria de indicadores permite a identificação das principais áreas de carência e de privação em Portugal, tanto em valores absolutos como relativos, bem como a compreensão de dinâmicas sócioeconómicas potenciadores desses fenómenos. Por outro lado, a comparação que promovemos com os índices apresentados pelos parceiros europeus para estas mesmas áreas, possibilita a localização de Portugal no espaço comunitário europeu que se pretende coeso socialmente, e também a definição de metas para políticas a implementar e a continuar referentes às carências ou limitações referidas. É precisamente a partir da informação que recolhemos neste diagnóstico, que se produziu um quadro de objectivos fundamentais, que se definem enquanto bandeiras para a inclusão social, as quais são complementadas com um conjunto de outros objectivos de especificação e com um conjunto de objectivos condicionantes da evolução em direcção às metas propostas. Estes objectivos fundamentais, complementares e condicionantes dirigem-se simultaneamente para as áreas de principal carência ou subdesenvolvimento bem como para áreas consideradas estratégicas para o desenvolvimento social global. A evolução dos objectivos é apresentada tendo em conta dois horizontes possíveis, um primeiro em que se consideram apenas as actuais tendências sócio-económicas, e um segundo em que se definiu, para os mesmos indicadores, as metas políticas que devem constituir referência para uma tendência de europeização da sociedade portuguesa e para a inclusão social. Por fim, procurou-se identificar os factores críticos que deverão orientar as intervenções e o investimento político em Portugal no Horizonte 2013, julgados imprescindíveis para que as metas propostas, relativamente exigentes, possam ser efectrivamente atingidas. 6

7 2 Domínios dos Conceitos de Inclusão e Exclusão Social A integração social pode ser definida como pluralidade vasta, aberta e mutável de estilos de vida, todos partilhando a cidadania. Isto é, todos eles conservando, aprofundando e exprimindo capacidades de escolha. Trata-se não apenas da posse de competências virtuais ligadas à vida social, mas do efectivo uso delas. (Almeida, 1993: ). Quer essa posse, quer a possibilidade de uso que das capacidades pode ser feito joga-se a dois níveis distintos. De facto, o conceito de integração social tem sido utilizado para designar, no plano micro, o modo como os actores são incorporados num espaço social comum, e, no plano macro, o modo como são compatibilizados diferentes subsistemas sociais. O domínio da integração constitui, pois, uma das dimensões do problema da ordem na medida em que envolve os modos de padronização da vida social no âmbito das articulações problemáticas entre as partes e o todo (Pires, 1999: 9). Se aceitarmos os termos genéricos em que a questão da integração é aqui colocada, a noção de inclusão social remete para o modo como os actores constroem as relações que os ligam a um espaço comum e participam nele, por um lado, e para o modo como se organizam e compatibilizam estruturalmente subsistemas que a crescente diferenciação social vai tornando cada vez mais complexos. Explícita na ideia está também a de que a ordem social se joga nesse conceito. O que tem implícito que o inverso, isto é, a não compatibilização de subsistemas o que poderíamos designar por ruptura nos mecanismos de coesão social ou a não participação dos agentes pessoas individuais ou actores colectivos nos espaços sociais comuns, quer dizer, a exclusão social ou a não cidadania 1, constitui ameaça à ordem social, definida a partir das regras e dos recursos instituídos como direitos de cidadania. Os problemas da inclusão e da exclusão social, entendidas deste modo, são assim domínios políticos absolutamente centrais para os processos de desenvolvimento. Essa centralidade advém de dois conjuntos de razões. Em primeiro lugar, razões de ordem moral. Desde logo, a solidariedade é um valor cultural de fundo nas sociedades democráticas e a persistência de pessoas, famílias 1 Sendo a não exclusão o mesmo que a inclusão social (Almeida, 1993: 829). 7

8 e grupos a viver em condições de indignidade humana choca com esse valor. Também a justiça social é outro valor fundamental e o equilíbrio na vida colectiva depende de se conseguir proporcionar para quem vive em piores condições benefícios que as valorizam primeiro a elas, mas que repercutem depois na qualidade de vida de toda a sociedade (Rawls, 1987). Dois exemplos claros do modo como o combate à exclusão beneficia toda a sociedade podem ser encontrados na economia e na segurança, entendida no sentido lato que a ONU confere hoje à noção. Assim, se numa sociedade se promove a qualificação e o emprego dos mais desfavorecidos, o mercado de emprego alarga-se e qualifica-se no seu conjunto; se os rendimentos do trabalho dos mais pobres subirem, sobem também os de todas as categorias; se forem criados equipamentos de apoio à família que acolham as pessoas dependentes dos agregados mais vulneráveis, todos os outros terão tido também acesso a esses equipamentos e assim se melhora a capacidade de as empresas num território determinado atraírem e fixarem quadros e conciliarem o trabalho com a vida familiar; se os pobres e em particular certas categorias que adoptam comportamentos de risco tiverem acesso a cuidados de saúde reduzem-se os perigos para a saúde pública e todas as famílias terão melhores cuidados de saúde; quando uma cidade consegue integrar todos os seus habitantes reduz-se o sentimento de insegurança social, e assim sucessivamente. O segundo conjunto de razões é de ordem política. Nas democracias ocidentais, e nas europeias em particular, a legitimidade dos sistemas políticos assenta na ideia de desmercadorização e universalidade dos direitos sociais (Esping-Anderson, 1990). No fundo, a exclusão social constitui a demonstração de que o estado não foi ainda capaz de cumprir os compromissos em que se funda a legitimidade do exercício do poder e isso enfraquece a governabilidade e a confiança dos cidadãos na democracia. Entre esses direitos típicos do património comum do modelo social europeu pelo qual também no nosso país se deve aferir a qualidade do desenvolvimento económico e social, podemos eleger como mais relevantes 2 o direito ao rendimento e ao consumo, ao trabalho, à educação e à aprendizagem, aos equipamentos sociais de apoio à família, à 2 Não se pretende aqui estabelecer uma hierarquia em relação aos direitos de primeira e segunda geração (cívicos e políticos), nem aos direitos de quarta geração à fruição cultural, à identidade e ao ambiente. Referimo-nos apenas aos que costumam ser incluídos na chamada terceira geração de direitos (Marshall, 1973). O direito à saúde é, igualmente, um direito social central, não incluído neste trabalho por razões meramente operacionais, na medida em que apenas se referem aqueles que têm tido implicações directas na luta contra a exclusão, matéria que não tem preocupado o sistema de saúde português a não ser na pequena franja da prevenção da toxicodependência. 8

9 igualdade de oportunidades entre homens e mulheres em todas as esferas da vida e à habitação e qualidade do território. Se a participação plena na nossa sociedade ou, por outras palavras, estar incluído enquanto cidadão de pleno direito, significa (i) o acesso a níveis de rendimento originado no trabalho, nos direitos de propriedade ou no sistema de segurança social que assegure padrões minimamente aceitáveis de consumo, isto é, de acesso a bens e serviços; (ii) a participação no mercado de trabalho com direitos, propiciador de sentimentos de utilidade, satisfação pessoal e a posse de um estatuto socialmente valorizado; (iii) o acesso à educação e à aprendizagem ao longo da vida de forma a poder movimentar-se nos diferentes contextos institucionais e adaptar-se às mudanças que ocorrem nesses contextos; (iv) assegurar a todos os membros dependentes das famílias o acesso aos equipamentos sociais que permitam assegurar simultaneamente a qualidade de vida e a libertação de homens e mulheres em pé de igualdade de oportunidades para o mercado de trabalho, a vida pública e a partilha das responsabilidades domésticas; (v) o usufruto de uma habitação com condições de conforto mínimo e a residência num território dotado de infra-estruturas, de imagem positiva e propiciador da multiplicação dos contactos sociais e do enriquecimento do capital social, então estar em situação de exclusão social é o contrário de tudo isto. 3 Estar em situação de exclusão é (i) ser pobre e estar afastado do consumo de bens e serviços considerados normais; (ii) é estar fora do mercado de emprego, possuir o estatuto desvalorizado dessa situação, ou então apenas aceder aos segmentos do mercado de pior qualidade, desprotegidos de direitos, mal remunerados, sem qualidade intrínseca e extrínseca; (iii) é conhecer o insucesso escolar e não participar na sociedade do conhecimento e da informação; (iv) é não ter acesso aos equipamentos sociais; (v) é ser segregada/o por razões de género; (vi) não ter uma habitação condigna (ou não ter habitação de todo), ou consumir na habitação uma parte do rendimento que impede a satisfação de outras necessidades, é viver num território marginalizado material e simbolicamente, é pertencer a uma comunidade onde em vez de se aceder ao enriquecimento da vida social, ou se vive em zonas de quase desertificação social ou se compete por recursos escassos, pela sobrevivência quotidiana, por vezes sob domínio de 3 Dada a natureza sistémica e integrada das diferentes esferas da vida, a falha na integração num destes domínios tende a afectar todos os outros, pelo que não faz sentido, do ponto de vista empírico e olhando percursos de vida prolongados e não meros episódios biográficos pontuais, falar de exclusão social parcial. 9

10 tiranias oriundas de redes marginais que fazem dos territórios de exclusão o seu ambiente, enfim, onde as malhas sociais são as da pobreza instalada. As raízes da exclusão social estão para ser encontradas, como decorre da natureza dual dos mecanismos de integração, em factores ligados ao modo como operam factores de ordem estrutural e em factores ligados às atitudes e orientações culturais das próprias pessoas. 4 São factores de vulnerabilidade as transformações nos sistemas produtivos originados com a terceira vaga da revolução industrial ligada à emergência da economia do conhecimento e à segmentação dos mercados de emprego na nova economia globalizada, potenciada pela natureza simultaneamente mais eficiente e mais segregativa das novas formas emergentes da organização do trabalho e das organizações em rede; os critérios de competitividade e de reordenamento da especialização das economias que a nova ordem económica instaura, penalizando as empresas mais fechadas em relação à inovação; a incapacidade em larga medida prevalecente do sistema de ensino para evoluir no sentido de um sistema de aprendizagem e de o sistema de formação penetrar nos sectores mais refractários em relação à formação contínua; as limitações do sistema de protecção social para assegurar níveis de prestações para assegurar níveis de rendimento satisfatórios às pessoas que por razões de idade, saúde ou deficiência dependem desse sistema; transformações demográficas ligadas ao envelhecimento, às estruturas familiares, à mudança das formas da solidariedade social com a crescente diminuição da dimensão das famílias e a crescente individualização das formas de organização social ou a existência de barreiras do mais diverso tipo económicas, arquitectónicas, culturais, simbólicas de acesso a serviços e bens essenciais. Não se podem igualmente desprezar factores de ordem cultural, os quais sendo muitas vezes de mais difícil discernimento, não são porém menos poderosos. A representação dos pobres como classes perigosas, a estigmatização de certas categorias vulneráveis ou vítimas de integração em grupos problemáticos, a intolerância face aos mais pobres, a culpabilização dos pobres pela sua situação, a discriminação praticada em relação às mulheres ou em relação a grupos vulneráveis, a marginalização 4 Para uma análise em maior pormenor quer dos factores estruturais que se encontram na génese da exclusão social, quer das orientações culturais e dos modos de vida típicos das pessoas atingidas pelo fenómeno em Portugal, ver Capucha (no prelo). 10

11 e catalogação das categorias e dos territórios mais desfavorecidos, são apenas alguns exemplos de factores culturais ligados à perpetuação dos fenómenos de exclusão. Estes factores culturais têm geralmente um reflexo directo nas disposições dos grupos mais desfavorecidos, na forma de auto-estimas negativas, da incorporação das representações negativas, nas inibições das competências para a assumpção autónoma dos seus próprios interesses, correspondente quase sempre do envolvimento em relações de clientela face aos mais poderosos. Tais factores ganham eficácia operativa na medida em que coincidem com a forma como os factores institucionais se materializam na vida das pessoas, na forma de desemprego, emprego precário ou sem condições, de pensões e benefícios extremamente limitados, de insucesso escolar e de retracção face à aprendizagem, de inibição da capacidade de afirmação da própria vontade, de vitimação face à violência doméstica ou à distribuição das responsabilidades familiares, da opressão social por parte das redes de vizinhança, de estigmatização social, de isolamento, de abandono, entre um conjunto de outros fenómenos. Este conjunto de fenómenos estruturais e relacionais, materiais e simbólicos, tornam particularmente vulneráveis categorias como os trabalhadores de mais baixas qualificações ou inseridos nos segmentos de menor qualidade do mercado de trabalho, os imigrantes, os idosos em particular os que estão isolados e vivem de baixas pensões, as pessoas com deficiência, as famílias mono-parentais e as famílias de dimensões alargadas e categorias específicas como os reclusos, os toxicodependentes ou os jovens em risco. A avaliação da carência destas categorias implica verificar em que medida e com que intensidade elas se vêem afastadas da satisfação de necessidades básicas ou, dito de outro modo, do usufruto dos direitos básicos de cidadania. Estamos hoje na posse de conhecimentos metodológicos que nos permitiriam, em teoria, o conhecimento da referida medida de distância à satisfação dos direitos básicos. Tais conhecimentos não estão porém disponíveis nem foram objecto de aplicações extensivas que permitissem conhecer a real situação. Sendo assim, a melhor aproximação empírica extensiva que podemos ter à noção de inclusão e de exclusão social, ainda é a da pobreza, indicador de síntese e por isso mesmo redutor da condição de exclusão social. 11

12 Procuraremos, nos próximos capítulos, verificar os níveis de pobreza em Portugal e, depois, procurar correlações entre esse fenómeno e certos parâmetros básicos que o afectam, como a condição perante o trabalho, a educação, a organização da família, o sexo, a idade e o território. Como esses se configuram como factores relevantes, abordaremos cada um de modo aprofundado nos capítulos seguintes. 12

13 3 Principais indicadores de pobreza em Portugal: perspectiva comparada com a situação europeia Um dos parâmetros em que Portugal persiste numa situação de desvantagem relativamente à União Europeia, particularmente em relação aos seus parceiros mais antigos, é da vulnerabilidade à pobreza, quer em extensão, quer em intensidade. Esse é um domínio de pouca expressão da europeização da nossa sociedade. O fenómeno liga-se à natureza estrutural dos níveis de desigualdade resultantes essencialmente de processos históricos prolongados de subdesenvolvimento. Até à década de 60 Portugal era um país essencialmente agrícola. Quase metade da população activa portuguesa trabalhava no sector primário (43,6%), distribuindo-se a restante pelos sectores secundário (28,9%) e terciário (apenas 27,5%). Perto de um terço da população vivia ainda no interior rural do país. Uma outra característica da população portuguesa de então, que ainda hoje constitui um traço estrutural da sociedade, era o nível baixo de escolaridade. Mais de 30% dos portugueses, principalmente as mulheres, eram analfabetos, e menos de 1% da população da altura atingira o ensino médio ou superior (0,8%) (Machado e Costa, 1998:20). Ocorreram por esta época movimentos populacionais na procura de melhores condições de vida. Por um lado, tais movimentos deslocaram populações para o exterior do país, sendo alguns países da Europa, como a França ou a Alemanha, receptores de largos contingentes de emigrantes portugueses. Por outro lado, fizeram afluir aos centros urbanos e industrializados nacionais sobretudo na área de Lisboa grandes fluxos de pessoas, pelo que ocorreram importantes fenómenos de urbanização e, simultaneamente, de litoralização das populações e das actividades. Nas últimas décadas ocorreram porém transformações muito profundas, fazendo com que às debilidades resultantes do subdesenvolvimento histórico se ligassem cada vez mais novas clivagens sociais resultantes de dinâmicas de modernização (arrítmica e contrastada) que têm gerado a melhoria global, mas desigualmente distribuída, das condições de vida no nosso país. Sendo ainda um país relativamente pobre no contexto europeu em termos de capacidade produtiva, Portugal apresenta internamente níveis elevados de pobreza. 13

14 O problema é tanto mais relevante quanto mais se eleva o grau de exigência de satisfação de antigas e novas necessidades básicas. A situação da pobreza em Portugal constitui assim um problema central. Segundo os indicadores de medição da pobreza mais comummente utilizados quer ao nível da investigação científica quer da política social, Portugal é o país da UE15 com o valor monetário mais baixo do limiar de pobreza oficialmente utilizado no espaço europeu 60% do rendimento monetário equivalente mediano 5. Na União Europeia os valores passaram de /ano em 1995, para /ano em 2001 (crescimento de 30,9%), enquanto em Portugal a subida foi um pouco maior (32,6%) de /ano para /ano. Em 1995 e 2001 o limiar português representava respectivamente 59,4% e 60,2% da média europeia (ver Gráfico 1). Embora se verifique esta ligeira aproximação, Portugal continua longe dos padrões europeus. O nosso país está especialmente distante dos valores do conjunto de países como a Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Luxemburgo e Áustria, com os limiares mais altos em relação à média europeia da qual se aproximam França, Holanda e Reino Unido. Suécia e Finlândia estão em posição mais abaixo, mas ainda assim próximos da média. Em posições inferiores encontram-se Itália, Grécia e Espanha, países do sul, estando Portugal ainda bem distanciado dos restantes. No que se refere ao risco de pobreza após as transferências sociais (ver Gráfico 2) registaram-se melhorias tanto na UE como em Portugal verificando-se uma descida do risco de pobreza respectivamente de 17% para 15% e de 23% para 20%. 6 Uma vez mais Portugal aparece neste parâmetro próximo dos países do sul, aos quais se junta a Irlanda. Se olharmos o risco de pobreza antes das transferências sociais (ver Gráfico 3), verificamos que a descida do indicador evidenciada em Portugal foi principalmente o resultado do impacto dessas transferências, já que sem elas a pobreza estaria estabilizada nos 27%. Na UE a diminuição da pobreza foi semelhante à redução total de 2 pontos percentuais, tendo em conta somente os rendimentos primários. De qualquer modo, o mercado produz a mesma percentagem de pobres em Portugal e na Europa, contudo com mais desigualdade e de forma mais persistente no 5 Utilizando a escala de equivalência modificada da OCDE, que atribui ao primeiro adulto o ponderador 1, aos restantes adultos o ponderador 0,5 e às crianças o ponderador 0,3. 6 Também a intensidade distância entre os pobres e os não pobres e a severidade privação relativa entre os pobres da pobreza são particularmente marcadas (Rodrigues, 1999). 14

15 nosso país, num contexto em que há uma menor correcção introduzida pelas políticas sociais, cujos impactes são muito mais salientes nos países com níveis mais baixos de pobreza. Na UE a diferença entre o risco de pobreza antes e após as transferências sociais é de 9 pontos percentuais. Quando o número de pobres é mais reduzido, o impacto das transferências é maior, como acontece na França e na Suécia, com uma diferença de 9 e 17 pontos percentuais, enquanto essa redução se situa em valores de 3 a 4 por cento nos países do sul, Grécia, Espanha, Itália e Portugal. 15

16 Gráfico 1: Limiar de pobreza na EU15 (Euros/ano) Gráfico 2: Risco de pobreza após transferências sociais Limiar de Pobreza (60 % do rendimento monetário equivalente mediano) em paridade do poder de compra EU 15* Bélgica Dinamarca Alemanha Grécia Espanha França Irlanda Itália Luxemburgo Holanda Áustria Portugal Finlândia Suécia Reino Unido Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos Gráfico 3: Risco de pobreza antes das transferências sociais (pensões excluídas) (%) Risco de Pobreza antes de transferências sociais (pensões excluídas) EU 15* Bélgica Dinamarca Alemanha (%) Risco de Pobreza após transferências sociais Grécia Espanha França Irlanda Itália Luxemburgo Holanda Áustria Portugal Finlândia Suécia Reino Unido Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos Gráfico 4: Risco de Pobreza Persistente (%) Risco de Pobreza Persistente Dinamarca Alemanha Grécia Espanha França Irlanda Itália Luxemburgo Holanda Áustria Portugal EU 15* Bélgica Finlândia Suécia Reino Unido EU 15* Bélgica Dinamarca Alemanha Grécia Espanha França Irlanda Itália Luxemburgo Holanda Áustria Portugal Finlândia Reino Unido Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos Gráfico 5: Relação Interdecis (S80/20) na EU15 Medidas de Desigualdade da União Europeia: Relação Interquintis: S80/S20 Gráfico 6: Índice de Gini Índice de Gini 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 EU 15* Bélgica Dinamarca Alemanha Grécia Espanha França Irlanda Itália Luxemburgo Holanda Áustria Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos Portugal Finlândia Suécia Reino Unido EU 15* Bélgica Dinamarca Alemanha Grécia Espanha França Irlanda Itália Luxemburgo Holanda Áustria Portugal Finlândia Suécia Reino Unido Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos 16

17 Portugal destaca-se novamente, pela pior posição no contexto europeu, quando falamos de pobreza persistente, o indicador que dá conta da natureza mais ou menos consolidada/episódica da incidência da pobreza. No nosso país o indicador revela que 15% das pessoas se encontram naquela situação, o que representa 6 pontos percentuais acima da média europeia (ver Gráfico 4). Grécia, Itália e Irlanda estão também neste aspecto próximos do caso português. Os indicadores de desigualdade sublinham a gravidade do problema da pobreza em Portugal, onde ela atinge os maiores valores de toda a UE15. Assim, a proporção do rendimento dos 20% mais ricos relativamente aos 20% mais pobres (S80/S20) (ver Gráfico 5), tendo descido ligeiramente entre 1995 e 2001 de 7,4 para 6,5, é muito superior à média europeia, na qual se registou no período em referência uma descida mais ligeira de 5,1 para os 4,4 nos mesmos anos. Os países que também neste aspecto mais se aproximam da nossa situação são a Grécia, Espanha, Itália, Reino Unido e Irlanda. O índice de Gini (ver Gráfico 6) é outro indicador dos mais utilizados para avaliar o nível das desigualdades. O respectivo valor em Portugal em 2001 era de 37 (numa escala de 0 a 100, sendo este valor o limite máximo de desigualdade), o que nos coloca 9 pontos percentuais acima da média da UE15. O cenário mostra-se mais preocupante se verificarmos o facto de ter ocorrido uma descida de 1995 para 1998 e daqui para 2001 na UE15 (respectivamente 31, 29 e 28 em cada um daqueles anos), ao passo que em Portugal houve uma descida de 37 para 36 entre 1995 e 1998, mantendose o valor até 2000 para voltar a subir para 37 em Uma vez mais a tendência é partilhada com os países do sul europeu e as Ilhas Britânicas. 3.1 Composição da pobreza em Portugal Para termos uma visão mais concreta de alguns dos principais factores explicativos da situação que se vive no nosso país, analisaremos alguns indicadores complementares relacionados com a composição da pobreza. Uma das categorias mais vulneráveis ao risco de pobreza é a dos reformados com o valor daquele indicador situado 5 pontos percentuais acima da média, depois de ter estado 11 pontos acima em 1995 (ver Quadro 1). Também numa situação de 17

18 vulnerabilidade, mas mais grave, encontram-se os outros economicamente inactivos registando um risco de pobreza crescente desde 1995 a 2001, estando nesta data a 8 pontos percentuais acima da média europeia. Quadro 1: Percentagem da população em risco de pobreza por actividade mais frequente e segundo a escolaridade Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores por conta própria Desempregados Reformados Outros economicamente inactivos Em risco de pobreza - por grau de escolaridade Escolaridade < = Escolaridade = Escolaridade > Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos Podemos assim considerar que um dos principais factores de pobreza em Portugal é o baixo nível das prestações sociais, incluindo as pensões. A pensão mínima (velhice e invalidez) abrange pessoas e a pensão social (invalidez, velhice e sobrevivência) outras Não devemos deixar de lembrar que estas pessoas podem acumular outros rendimentos ou residir em agregados com rendimentos globais superiores ao limiar de pobreza, pelo que nem todos estes beneficiários de pensões serão necessariamente pobres. Mas é certamente muito elevado o risco de situações de pobreza intensa. De facto, a pensão social registou um crescimento na ordem dos 50% entre 1995 e 2001, mas neste ano não ia além dos 51,1% do limiar de pobreza, que conheceu uma subida mais moderada, de 32,6%. Uma situação um pouco melhor apresentam os valores da pensão mínima de regime geral da segurança social, que representam apenas 70% do limiar de pobreza de em 2001, apesar do acréscimo de 30,5% entre 1995 e

19 Quadro 2: Pensão social, pensão mínima, salário mínimo e salário médio face ao limiar de pobreza Limiar de Pobreza (60% Mediana) Pensão Social/ Ano Pensão Mínima Regime Geral Salário Médio Líquido [2000] Salário Mínimo (Geral) Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos; DGEEP MFCSS. Entre 1995 e 2001 registou-se um crescimento de cerca de 24,8% no valor do salário médio, que é 2,1 vezes superior ao limiar de pobreza. O salário mínimo apresenta um acréscimo superior, na ordem dos 28,9% no período referido. No entanto, a distância que o separa do limiar de pobreza agravou-se. Como se pode ver pela incidência da pobreza entre os activos (ver Quadro 1), as desigualdades salariais são um elemento importante a ter em linha de conta. Entre 1995 e 2001 deu-se um decréscimo no número de trabalhadores com baixos salários (Albuquerque e Bomba, 2001) o que se prendeu com a subida do peso dos ganhos dos 10 por cento de trabalhadores pior remunerados. Porém, as desigualdades salariais evidenciam-se quando olhamos a sua distribuição por decis. Os 10% de trabalhadores melhor remunerados abarcam cerca de 30% da massa salarial. É de salientar ainda que a diferença entre os trabalhadores pior remunerados e aqueles que auferem os salários mais elevados tem vindo a ser atenuada, sem contudo deixar de existir uma disparidade significativa e acentuada. Em Portugal, contrariamente ao conjunto de países desenvolvidos no contexto europeu, trabalhar não tende assegurar a cobertura do risco de pobreza. Entre os trabalhadores por conta de outrem esse risco é metade da média nacional (10%), embora o número de pessoas nesta situação 7 seja de cerca de Como uma das categorias mais vulneráveis são os trabalhadores por conta própria (incidência da pobreza de 30%, podendo abranger cerca de pessoas) 8 mesmo não esquecendo que é nesta categoria que a ocultação de rendimentos é mais frequente, a verdade é que aqui 7 A proporção de trabalhadores de baixos salários (menos de 2/3 da mediana) passou de cerca de 14% em 1995 para perto de 11% em 2000, valor próximo do dos trabalhadores pobres (Albuquerque e Bomba, 2001). 8 Os Trabalhadores por conta própria representavam 23,5% do total da população empregada (INE, Inquérito ao Emprego), sendo que desses 6,0% tinham pessoal a cargo. 19

20 encontramos trabalhadores em sectores como a construção civil, o comércio ou os serviços pessoais e domésticos reforça-se a presunção de que trabalhar não é condição suficiente para fugir à pobreza. Como em toda a Europa, também em Portugal um dos principais factores de risco de pobreza é o desemprego. Os desempregados apresentam uma taxa de pobreza crescente entre 1995 e 2001, passando de 31% no primeiro daqueles anos para 32% em 1998, disparando depois em 2001 até aos 38%. Podemos verificar facilmente que o nível das habilitações escolares é um elemento de influência considerável no risco de pobreza. A incidência situa-se nos 22% entre as pessoas com escolaridade inferior ao 9º ano, sendo de 8% naqueles que possuem o 12º ano e apenas de 2% nos que alcançaram um nível de qualificação superior ao 12º ano de escolaridade. Também os factores idade e género interferem na exposição ao risco de pobreza. Assim, apenas em 2001 os valores da respectiva taxa entre homens e mulheres se aproximam, depois de uma maior incidência sobre as mulheres nos anos antecedentes, desiderato que na Europa ainda não foi conseguido. Os idosos representam o grupo etário de maior vulnerabilidade, embora o risco de pobreza tenha conhecido um decréscimo no período de referência, passando de 38% em 1995 para 35% em 1998 e 30% em Contudo, na UE15 os valores médios não vão além dos 19%. Uma atenção especial deve ser dada ao facto de as crianças terem tido uma evolução contrária, ou seja, o risco de pobreza nesta categoria etária aumentou de 26% para 27% entre 1995 e Podemos depreender deste fenómeno que persiste o perigo de reprodução do fenómeno em termos geracionais. Quadro 3: Risco de pobreza infantil, dos idosos e das mulheres na UE e em Portugal UE P UE P UE P Risco de Pobreza Infantil Risco de Pobreza > 65 anos Risco de Pobreza Feminino Fonte: Eurostat, Painel Europeu de Agregados Domésticos 20

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

Caracterização e evolução da pobreza em Portugal

Caracterização e evolução da pobreza em Portugal Caracterização e evolução da pobreza em Portugal INTRODUÇÃO Para caracterizarmos a pobreza em Portugal é necessário começar por esclarecer sobre o que entendemos por pobreza. De facto, é hoje aceite que

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001 Comité da Protecção Social Comité da Protecção Social Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social Outubro de 2001 Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional 2º e 3º Ciclos Ensino Profissional Índice 1. A União Europeia O caminho da UE 2. Os Anos Europeus 3. 2010 Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) 4. 2010 AECPES. Pobreza e Exclusão

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 INCLUSÃO SOCIAL FERNANDA RODRIGUES Estrutura da Apresentação Inclusão Social vs Exclusão

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Rendimento e Condições de Vida 2013 16 de outubro de 2014 Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Por ocasião da comemoração do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza (17 de outubro), o INE apresenta

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

A questão da natalidade nos países da União Européia: desafios e alternativas em discussão 1.

A questão da natalidade nos países da União Européia: desafios e alternativas em discussão 1. Universidade do Vale do Itajaí Curso de Relações Internacionais LARI Laboratório de Análise de Relações Internacionais Região de Monitoramento: União Europeia LARI Fact Sheet Abril/Maio de 2011 A questão

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa AULA ABERTA - ECONOMIA INTERNACIONAL 28/11/2012 28 de Novembro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

Políticas Activas para a Inclusão Educativa

Políticas Activas para a Inclusão Educativa Seminário Internacional Educação Inclusiva Impacto das Referências Internacionais nas Políticas, nas Práticas e na Formação Inovação e Justiça: Políticas Activas para a Inclusão Educativa Lisboa, 05 de

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

1. Vantagens e desvantagens da utilização do limiar de pobreza da União Europeia

1. Vantagens e desvantagens da utilização do limiar de pobreza da União Europeia Para que serve um novo Limiar Oficial de Pobreza em Portugal? Luís Capucha A Assembleia da República resolveu manifestar preocupação com a pobreza e declarou que a pobreza conduz à violação dos direitos

Leia mais

Colóquio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.

Colóquio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn. Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Colóuio Desigualdade de Pobreza Pobreza e Vulnerabilidades Sociais na Cidade de Lisboa www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Indicadores sobre a pobreza

Indicadores sobre a pobreza Indicadores sobre a pobreza Dados Europeus e Nacionais A t u a l i z a ç ã o A g o s t o 2 0 1 2 EAPN Rede Europeia Anti-Pobreza/ Portugal Rua de Costa Cabral, 2368 4200-218 Porto Telefone 225 420 800

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal Principais resultados 1 A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados

CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados CARACTERIZAÇÃO SOCIAL DOS AGREGADOS FAMILIARES PORTUGUESES COM MENORES EM IDADE ESCOLAR Alguns resultados Os dados apresentados resultam do estudo: "Caracterização Social dos Agregados Familiares Portugueses

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706 Edgar Rocha Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 71-76 Nota sobre a população activa agrícola do sexo feminino, segundo o Recenseamento e segundo o Inquérito Permanente ao Emprego : em busca de 3 mulheres

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL JOSÉ M. VAREJÃO Enquadramento Trajectória desfavorável

Leia mais

Colóquio Dinâmicas actuais da pobreza e da exclusão social. Conceptualizações, políticas e intervenções

Colóquio Dinâmicas actuais da pobreza e da exclusão social. Conceptualizações, políticas e intervenções Colóquio Dinâmicas actuais da pobreza e da exclusão social. Conceptualizações, políticas e intervenções Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 25 de Novembro de 2010 Associação Portuguesa de Sociologia

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais

A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais Novembro de 2004 ÍNDICE 0 INTRODUÇÃO... 4 ESTRUTURA DO RELATÓRIO... 4 1 ENQUADRAMENTO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

Um mundo melhor começa aqui

Um mundo melhor começa aqui Um mundo melhor começa aqui h, 12 de junho de 2009 O Dia mundial contra o trabalho infantil vai ser celebrado a 12 de Junho de 2009. Este ano, o Dia mundial marca o décimo aniversário da adopção da importante

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 05 DEE NOVVEEMBBRRO DEE 2010 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 Metade dos agregados domésticos em Portugal

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

Consultores de Políticas Comunitarias

Consultores de Políticas Comunitarias Documento de Trabalho para a Programação 2014-2020: RESUMO DO DIAGNÓSTICO SOCIOECONÓMICO DA ZONA DE COOPERAÇÃO 16 de outubro de 2013 1. RESUMO DA ANÁLISE DO CONTEXTO ECONÓMICO, SOCIAL E TERRITORIAL DA

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004) Curso Científico Humanístico PROVA 312/6Págs. Duração da prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância 2010 PROVA

Leia mais

Portugués PRUEBA DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD 2012 BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR. Examen

Portugués PRUEBA DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD 2012 BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR. Examen PRUEBA DE ACCESO A LA 2012 Portugués BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR Examen Criterios de Corrección y Calificación Este exame tem duas opções. Deves responder a uma

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 1 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL Caracterização com base no Inquérito aos Orçamentos Familiares de 2000 >Rute

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais