REPRESENTAÇÕES NO ESTUDO DAS FUNÇÕES RACIONAIS 1. Lígia Isabel Carvalho Bolseira da FCT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPRESENTAÇÕES NO ESTUDO DAS FUNÇÕES RACIONAIS 1. Lígia Isabel Carvalho Bolseira da FCT ligiaimcarvalho@gmail.com"

Transcrição

1 Resumo REPRESENTAÇÕES NO ESTUDO DAS FUNÇÕES RACIONAIS 1 Lígia Isabel Carvalho Bolseira da FCT Rosa Antónia Tomás Ferreira Faculdade de Ciências da Universidade do Porto & CMUP João Pedro da Ponte Instituto de Educação, Universidade de Lisboa Este trabalho analisa as representações usadas por uma aluna do 11.º ano na resolução de tarefas de natureza diversificada envolvendo funções racionais. O seu objetivo é compreender o modo como esta entende e analisa algumas propriedades das funções racionais, como relaciona diferentes representações de funções racionais e como relaciona transformações de uma função racional numa mesma representação. Os dados foram recolhidos em duas entrevistas com tarefas, numa abordagem de caráter interpretativo. Verificou-se que a aluna se baseia na representação gráfica para exprimir a sua compreensão sobre os conceitos, embora na resolução das tarefas recorra principalmente à representação algébrica. Além disso, revela dificuldades em transformar e em relacionar representações algébricas e gráficas de uma função racional. Os resultados reforçam a importância de trabalhar de modo fluente com tratamentos e conversões entre várias representações para desenvolver a compreensão das funções racionais. Palavras-chave: representações, aprendizagem, funções racionais. Introdução As representações assumem um papel importante no ensino-aprendizagem da Matemática. Este papel é salientado em documentos curriculares como, por exemplo, os Princípios e Normas para a Matemática Escolar (NCTM, 2007) que refere que quando os alunos conseguem aceder às representações matemáticas e às ideias que elas expressam, ficam com um conjunto de ferramentas que aumentam significativamente a sua capacidade de pensar matematicamente (p.75). Também em Portugal tem sido realçada a importância das representações e do desenvolvimento da capacidade de relacionar múltiplas representações dos conceitos matemáticos. Em particular, no ensino 1 Este trabalho é financiado por fundos nacionais através da FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no âmbito do Projeto Práticas Profissionais dos Professores de Matemática (contrato PTDC/CPE-CED/098931/2008) e L. I. Carvalho recebeu uma bolsa de doutoramento (ref. SFRH/BD /28594/2006) financiada por fundos nacionais do MCTES e cofinanciada pelo FSE, sob a orientação de R. A. Ferreira e J. P. Ponte, no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

2 secundário, no estudo das funções e no cálculo diferencial é muito valorizada a combinação das resoluções algébrica (também referida como analítica), numérica e gráfica de problemas (Silva, Fonseca, Martins, Fonseca & Lopes, 2001). O conceito de função é central em Matemática mas tem-se revelado difícil de entender e de ensinar (Evangelidou, Spyrou, Elia & Gagatsis, 2004; Kaldrimidou & Ikonomou, 1998_ENREF_7). Um dos problemas apontados para as dificuldades envolvidas no ensino e aprendizagem da noção de função é precisamente a existência de várias formas de representar uma função (entre as quais, algébrica ou simbólica, numérica ou tabular, gráfica) e as dificuldades em estabelecer ligações entre essas diferentes representações (Artigue, 1992; Elia, Panaoura, Eracleous & Gagatsis, 2007). Nesta comunicação analisamos a compreensão que uma aluna do 11.º ano revela das propriedades das funções racionais e o modo como usa, relaciona e transforma as diferentes representações quando resolve tarefas de natureza diversificada envolvendo funções racionais. Representações e Funções Uma representação é uma configuração (de carateres, imagens, objetos concretos ) que denota, simboliza, ou seja, representa algo (Goldin, 2008). As representações individuais (por exemplo, palavras, números, gráficos ou equações algébricas) raramente podem ser entendidas isoladamente. Estas representações fazem sentido se vistas como parte de um sistema mais amplo, com significados e convenções estabelecidos e com uma estrutura que permita relacionar de forma significativa diferentes representações pertencentes ao mesmo sistema (Goldin & Shteingold, 2001). Pode distinguir-se sistemas de representação externa de sistemas de representação interna. Os sistemas de representação externa referem-se a configurações observáveis, incluindo, entre outros, os sistemas simbólicos convencionais da Matemática (como a numeração em base dez, a notação algébrica formal ou a representação em coordenadas cartesianas). Os sistemas de representação interna referem-se a configurações mentais dos indivíduos, incluindo, entre outros, o processamento individual da linguagem natural, configurações pessoais de sistemas simbólicos convencionais da Matemática, imagética visual e espacial (Goldin, 2008). A respeito da imagética visual, Presmeg (1986) classifica em cinco grupos as imagens visuais usadas pelos alunos: (i) imagens concretas, pictóricas, ou seja, imagens do tipo

3 imagem-na-mente; (ii) imagens de padrões, ou seja, imagens que representam relações matemáticas abstratas de uma forma visual; (iii) imagens memorizadas de fórmulas, isto é, ver, na sua mente, uma fórmula como se estivesse escrita no quadro ou num livro de texto; (iv) imagens cinestésicas, ou seja, imagens que são criadas, transformadas ou comunicadas com a ajuda de movimentos físicos, e (v) imagens dinâmicas, isto é, imagens com movimento na mente (pp ). Devemos estar conscientes que não é possível observar as representações internas de um indivíduo, sendo o nosso interesse inferir sobre tais representações através do seu comportamento observável, quando interage com representações externas. Reforçando esta ideia, Duval (2006) afirma que os objetos matemáticos apenas são acessíveis através de representações, em registos adequados: A única forma de aceder e lidar com eles é através do uso de signos e representações semióticas (p.107), podendo um mesmo objeto matemático ser denotado através de diferentes representações. Para este autor, qualquer atividade matemática requer, então, o uso de representações semióticas. Na perspetiva de Duval (2006), existem dois tipos de transformação de representações semióticas em que os alunos devem ser fluentes: tratamentos e conversões. Os tratamentos são transformações dentro do mesmo sistema de representação (por exemplo, manipulação algébrica), dependendo das possibilidades de transformação específicas do sistema utilizado. As conversões são transformações de representações que consistem numa mudança de sistema, conservando os objetos denotados (por exemplo, passar da representação algébrica de uma função para a sua representação gráfica). O autor refere que as conversões são mais complexas do que os tratamentos, dado que requerem em primeiro lugar, o reconhecimento do mesmo objeto matemático entre duas representações cujos conteúdos não têm, muitas vezes, nada em comum (p. 112). Além disso, a mudança de um sistema de representação para outro, muda não apenas os meios de tratamento, mas também as propriedades que podem ser explicitadas (p. 114). Assim, considera essencial para a compreensão matemática que o aluno reconheça o mesmo objeto em diferentes sistemas de representação e consiga distinguir, em cada representação, o que é matematicamente relevante. O ensino do conceito de função deve recorrer a diferentes representações, de modo a promover a compreensão por parte dos alunos. Diversos estudos têm revelado que aqueles que são capazes de coordenar e relacionar diferentes modos de representação de

4 um conceito, escolhendo os mais adequados para cada situação, mostram um conhecimento matemático mais profundo desse conceito (Ainsworth, 2006; Arcavi, 2003). No entanto, os alunos têm evidenciado dificuldades em interligar as diferentes formas de representar uma função, nomeadamente as representações algébrica, gráfica e tabular (Artigue, 1992; Elia et al., 2007; Kaldrimidou & Ikonomou, 1998). No domínio das funções racionais, a interligação das várias representações pode assumir um importante papel para uma compreensão profunda das suas propriedades, dado que este parece ser um terreno fértil para a criação de concepções erróneas (Dotson, 2009), como por exemplo a ideia de que o gráfico de uma função racional possui sempre uma assíntota vertical nos valores em que a função não está definida. Metodologia Esta comunicação tem por base um estudo exploratório, realizado durante o 2.º período de 2010/11, cujo principal objetivo é informar a construção de uma experiência de ensino no 11.º ano de Matemática A, no domínio das funções racionais. A investigação segue uma abordagem qualitativa e interpretativa e tem um design de estudo de caso (Yin, 1994). O caso, Vera, é uma aluna do 11.º ano de escolaridade, de uma escola da área urbana do distrito do Porto. É uma aluna média (classificação de 14 valores no 1.º período de 2010/11) com uma preferência clara pela utilização de métodos visuais na resolução de problemas, segundo os resultados obtidos no Instrumento de Processamento Matemático de Presmeg (1985, consultado em Galindo-Morales, 1994) e aplicado à turma no âmbito de um estudo mais vasto. A primeira autora desta comunicação assistiu a aproximadamente metade das aulas lecionadas sobre o tópico das funções racionais. Após a lecionação deste tópico, realizou duas entrevistas semiestruturadas com tarefas a Vera, cada uma com duração aproximada de 50 minutos. Durante as entrevistas, procurámos acompanhar detalhadamente o raciocínio da aluna enquanto resolvia tarefas de natureza diversificada que apelavam ao conhecimento das propriedades das funções racionais e à utilização de tratamentos e conversões em representações várias de funções racionais. No total, Vera resolveu sete tarefas. Abordamos nesta comunicação as resoluções de três dessas tarefas. Nas duas entrevistas a aluna teve disponível a calculadora gráfica, que podia utilizar sempre que quisesse, exceto numa das tarefas. As entrevistas foram

5 videogravadas e posteriormente transcritas. Foram também recolhidas as produções escritas da aluna durante as entrevistas. A análise de dados é estruturada segundo os seguintes pontos: abordagem às propriedades de uma função racional, tratamentos entre representações de funções racionais e conversões entre representações de funções racionais. Abordagem às Propriedades de uma Função Racional Na resolução da tarefa 1 da primeira entrevista (Figura 1), Vera evidencia alguns conhecimentos sobre funções racionais e suas propriedades. Figura 1: Tarefa 1 da primeira entrevista Vera define domínio de uma função como o conjunto dos objetos e contradomínio como o conjunto das imagens. Ao resolver em voz alta a tarefa, mostra ter uma ideia de domínio e contradomínio associada à representação gráfica da função. No entanto, quando determina o domínio recorre à expressão algébrica da função: Entrevistadora: E como é que vês o domínio de uma função? Vera: Quando por exemplo temos um gráfico e a professora pede para vermos o domínio. É até onde a função Relativamente ao eixo dos xx, não é? [Faz o gesto de uma reta horizontal.] Começa... E acaba ( ) E: Contradomínio Pensas em quê? Vera: Vejo o gráfico e penso assim [Faz o gesto de uma reta vertical.] ( ) E: E neste caso? Tens aqui uma expressão, f x está a pensar para ver o domínio? Vera: O domínio é IR exceto 20. E: Porquê? Vera: Porque esta [aponta para 20] é a assíntota vertical. E: Como é que tu chegaste lá? À assíntota vertical? Vera: Por causa da expressão 3 x 20. Como é que

6 Para Vera, o gráfico de uma função racional possui uma assíntota vertical nos valores onde a função não está definida. Na determinação das assíntotas verticais, faz de imediato esta associação, embora a sua ideia de assíntota seja apoiada na representação gráfica: Vera: [Uma assíntota] é onde o gráfico não toca. É uma exceção do gráfico. Ali o gráfico não toca, tanto na vertical como na horizontal. [Faz gestos a tentar ilustrar a assíntota] Entrevistadora: E tu vês pelo gráfico, então. Vera: Vejo pelo gráfico. E: Mas tu agora não foste à máquina Vera: Tanto pelo gráfico como pela expressão. Porque a expressão aqui Eu aqui [aponta para o denominador x 20 ] vejo que é assíntota vertical. E: Porquê? Vera: Porque me indica aqui x 20. Se fosse + era 20, como é é 20. Porque aqui neste sítio da expressão, a professora ensinou que era aí que nós víamos Vera mostra dificuldades na averiguação da existência de assíntotas horizontais. Recorrendo à expressão algébrica, é levada a dizer que o gráfico de f x 3 x 20 não tem assíntotas horizontais. Procura relacionar os parâmetros da expressão algébrica de uma função racional, quando escrita na forma b a cx d, com as assíntotas mas, na expressão algébrica da função f, não consegue identificar o parâmetro a. Quando recorre à representação gráfica da função, a aluna procura uma reta horizontal da qual o gráfico se aproxime cada vez mais, sem chegar a intersetar, mas não consegue identificar a equação dessa reta. Com os gestos que faz para explicar os conceitos, a aluna parece ter imagens cinestésicas de domínio, contradomínio e assíntotas. Além disso, o modo como se refere oralmente a estes conceitos levaria a pensar que a sua resolução seria fundamentalmente apoiada na representação gráfica. No entanto, recorre à expressão algébrica, tentando repetir procedimentos que parecem memorizados, mostrando pouca compreensão. Na determinação dos pontos de interseção do gráfico de f com os eixos coordenados, Vera visualiza a representação gráfica da função na calculadora, constatando que o gráfico não interseta o eixo dos xx. Para determinar o ponto de interseção com o eixo

7 dos yy, recorre à expressão algébrica, substituindo x por zero. Reconhece que poderia ter recorrido à calculadora gráfica mas parece pouco confortável com os comandos a usar: Também dava para ver [recorrendo à calculadora]. Eu ainda tentei interseção mas depois pensei que também dava para calcular como valor. Sabia que o x era zero e então deu-me o y. Tinha feito analiticamente. E depois fui à máquina porque lembrei-me que também dava para calcular pela máquina e confirmei Relativamente ao estudo da monotonia da função, Vera começa por dizer que a função é sempre decrescente. No entanto, enquanto aponta para a representação gráfica na calculadora, refere que quanto mais o objeto vai aumentando mais a imagem vai diminuindo, considerando cada ramo da hipérbole separadamente. Ao tentar escrever os intervalos de monotonia revela insegurança e dúvidas: É decrescente de a Não, não estou a dizer bem porque eu tenho que dizer um número ( ) É decrescente de zero Não de 20. Eu sabia isto mas esqueci-me Embora este assunto tenha sido discutido nas aulas, Vera revela dificuldades em reconhecer que a função não é sempre decrescente e em indicar os intervalos de monotonia. Na resolução da tarefa, a aluna parece ter um conhecimento muito baseado na memorização de conceitos e procedimentos. Tratamentos entre Representações de Funções Racionais Na resolução das tarefas propostas, Vera utiliza as representações algébrica e gráfica e mostra dificuldades em efetuar tratamentos nestes dois sistemas de representação. As transformações das representações gráficas observadas no seu trabalho referem-se ao ajustamento da janela de visualização na calculadora, de modo a encontrar uma representação gráfica representativa do gráfico da função. A aluna mostra dificuldades em encontrar uma janela de visualização adequada para a representação gráfica da função f x 3 x 20. Começa por usar a janela de visualização standard da calculadora gráfica, 10,10 10,10, não conseguindo obter uma imagem representativa do gráfico (Figura 2).

8 Figura 2: Representação gráfica obtida por Vera na janela 10,10 10,10. Vera altera a janela para 0,10 10,0, continuando sem conseguir visualizar o gráfico e mostrando-se confusa: Isto continua a dar uma coisa assim estranha Mesmo depois de uma chamada de atenção para o facto de a assíntota vertical do gráfico ser x 20, a aluna mostra dificuldades em escolher uma janela adequada e, por tentativa erro, escolhe sucessivamente as janelas de visualização 0, 20 20,0 (Figura 3) e 0, 25 20,0. Figura 3: Representação gráfica obtida por Vera na janela 0, 20 20,0. Embora Vera pareça reconhecer que uma janela de visualização adequada deveria permitir-lhe visualizar as assíntotas e os dois ramos que compõem o gráfico da função, não mobiliza o seu conhecimento sobre as assíntotas do gráfico para procurar uma janela razoável. Vai escolhendo janelas de visualização que denotam pouca reflexão e interligação entre os conceitos, parecendo não compreender os efeitos da escolha da janela na representação gráfica da função. Vera evidencia também dificuldades em efetuar transformações dentro das representações algébricas, nomeadamente na factorização e na divisão de polinómios, e na simplificação de frações racionais. Por exemplo, ao simplificar a expressão algébrica 2 e x x 2 (Figura 5), demonstra dificuldades em identificar e utilizar o caso notável x 4

9 da diferença de quadrados e em identificar o domínio onde é válida a simplificação. Começa por escrever o denominador como x x 4. Depois de lhe ser sugerido que efetue a multiplicação de x por (x-4), vê que a transformação que fez não está correta e escreve o denominador como x 4 x 4. Apenas com alguma ajuda fatoriza o polinómio do denominador escrevendo x 2 ( x 2). Na simplificação da fração, não refere que, para a simplificação ser válida, x tem que ser diferente de 2, mostrando não reconhecer o domínio de validade da simplificação: Vera: Agora estes dois são iguais [ x 2 aparece no numerador e o denominador, e a aluna risca-os]. Fica 1 sobre x 2. Entrevistadora: Tens que ter cuidado com alguma coisa quando fazes esta simplificação? Quando simplificas o x 2 com o x 2 Vera: Cuidado? Como assim? x 2 E: Isto [indica 2 x 4 ] é igual a isto [indica 1 x 2 ]? Vera: Não é igual E: Então? Vera: Eu é que posso É como dividir Na tarefa 1 da segunda entrevista (Figura 4), Vera sente necessidade de efetuar a divisão de 2 x 2 por 1 x, para transformar a expressão algébrica da função g. Figura 4: Tarefa 1 da segunda entrevista. A aluna realiza a divisão dos polinómios recorrendo ao algoritmo da divisão e comete vários erros que vai corrigindo, por vezes sozinha e outras vezes com ajuda. Depois de concluir a divisão dos polinómios escreve, de modo aparentemente automático, a expressão transformada de g x como 3 x 1 : x 1 Entrevistadora: E como é que sabes que fica assim?

10 Vera: Porque Porque eu quando estudei isto decorei uma fórmula para entender. Fazia assim, [chamava] A [ao resto], B [ao quociente] e C [ao divisor]. Sabia que o C ficava aqui [apontou para o denominador na expressão transformada] até porque costumava ser a letra onde nós víamos o domínio. ( ) E isto, aqui ficava o B [apontou para x 1, na expressão transformada] e aqui ficava o A [apontou para o numerador na expressão transformada]. Ao expressar-se assim, Vera parece ter uma imagem memorizada de fórmula que lhe permite usar o divisor, o resto e quociente da divisão de polinómios para transformar a expressão algébrica sem, no entanto, entender a relação entre estes conceitos. Deste modo, Vera apresenta dificuldades na manipulação algébrica, que lhe dificultam o reconhecimento de diferentes formas de representar algebricamente uma mesma função racional. Conversões entre Representações de Funções Racionais Na resolução da tarefa 2 da primeira entrevista (Figura 5), Vera evidencia algumas dificuldades na conversão entre as representações algébrica e gráfica. Para estabelecer a correspondência entre as expressões algébricas e as representações gráficas, a aluna baseia-se essencialmente nas assíntotas verticais, que relaciona com os zeros do denominador: Nestes aqui [gráficos 1 e 2] eu posso ver pelo gráfico que a assíntota vertical vai ser negativa. Logo, na expressão, tem que estar x mais Por 1 isso [indica o gráfico 1] talvez seja esta a x x 3, por exemplo. Aqui troca [indica a expressão b x ] Estas duas [ a x e corresponder a estes dois [gráfico 1 e gráfico 2]. b x ] vão

11 Figura 5: Tarefa 2 da primeira entrevista Inicialmente, Vera faz uma correspondência incorreta. No entanto, resolve mudar e, quando questionada sobre como pensou, reconhece que recorreu à imagem de gráfico normal que se lembra das aulas: Porque me lembro das aulas Que a função o normal, o normal vá Costumava ser positiva e a função era sempre assim [gesticula querendo representar o gráfico como uma hipérbole semelhante ao gráfico de 1 y ]. Enquanto que esta aqui [aponta para b(x) e para o gráfico 1] já x está, vá ao contrário Vera parece não pensar explicitamente em transformações de funções, fazendo antes uma associação com imagens de gráficos que memorizou. Também não utiliza as

12 expressões algébricas para determinar coordenadas de pontos dos gráficos das funções que lhe permitiriam, em alguns casos, dissipar dúvidas quanto às correspondências a fazer. Poderia também recorrer à tabela de valores da função mas não o faz, apesar de isso ter sido abordado nas aulas. O recurso à memória, sem interligar os conceitos e os dados que tem disponíveis, limita-a quando colocada perante situações novas como no caso do gráfico 4. A aluna reconhece que não tinha ainda sido confrontada com um gráfico assim e não consegue atribuir-lhe uma das expressões algébricas. Manifesta dificuldades em discriminar propriedades das expressões algébricas que lhe permitam reconhecer o gráfico correspondente. Quando determina o domínio da função e, Vera demonstra, mais uma vez, a concepção errónea de que os pontos que não pertencem ao domínio correspondem a assíntotas verticais. Conclui que 2 e 2 não pertencem ao domínio e isso confunde-a porque nenhum dos gráficos disponíveis tem duas assíntotas. No entanto, depois de simplificar a expressão e x, para o que necessitou de alguma ajuda, consegue fazer-lhe corresponder o respetivo gráfico. Vera corresponde com facilidade o gráfico 5 à expressão d x. Ao olhar para a expressão, não espera encontrar uma assímptota no gráfico, reconhecendo a razão de existência de um ponto aberto: Entrevistadora: E porque é que está aqui esta bola aberta? [indica o gráfico 5] Vera: Porque acaba por ser uma falha. ( ) Porque neste ponto [indica o ponto aberto] Não tem imagem Aqui nesta zona E: Qual será a abcissa desse ponto? Vera: 2. E: Porquê? Vera: Porque se aqui [expressão x diferente de 2. Expressões como d x ] fizer x menos 2 diferente de 0 dá d x foram discutidas durante as aulas, o que terá contribuído para o desempenho de Vera nesta correspondência. No entanto, não manifesta fluência no estabelecimento de relações entre as representações algébrica e gráfica de uma função racional.

13 Conclusão O modo como Vera resolve as tarefas propostas mostra um forte apoio na memorização de procedimentos. A aluna tende a repetir modos de resolução sem grande reflexão, mostrando dificuldades em mobilizar os seus conhecimentos para novas situações. A utilização de imagens memorizadas de fórmulas reforça este apoio na memorização. É interessante notar que, embora tenha revelado preferências por métodos visuais quando resolve problemas (de acordo com o teste de Presmeg) e utilize imagens cinestésicas para exprimir a sua compreensão dos conceitos, não revela preferência pela utilização da representação gráfica na resolução das tarefas. Parece entender os conceitos de modo gráfico mas operacionalizá-los de modo algébrico. Este estudo reforça a importância da interligação das várias representações para o desenvolvimento da compreensão matemática, como defendido por Duval (2006) e Goldin e Shteingold (2001). Os obstáculos que Vera encontrou na resolução das tarefas devem-se essencialmente às suas dificuldades em relacionar as representações gráfica e algébrica e em reconhecer diferentes modos de representar algebricamente uma função. Mesmo a concepção errónea de que os pontos que não pertencem ao domínio de uma função racional correspondem a assíntotas verticais parece advir destas dificuldades e gerar ainda mais dificuldades. O seu aproveitamento das potencialidades da calculadora gráfica poderia beneficiar com uma maior destreza na interligação das várias representações, incluindo a numérica, a que a aluna não recorre apesar de ter sido utilizada nas aulas. Por exemplo, a procura de uma janela de visualização adequada para a representação gráfica de uma função racional beneficiaria de uma melhor inter-relação entre as várias representações. Duval (2006_ENREF_5) refere que as conversões são mais complexas do que os tratamentos. No entanto, para Vera, a complexidade dos dois processos parece semelhante. A conversão entre as representações algébrica e gráfica de funções racionais pode beneficiar especialmente com a fluência na manipulação algébrica, isto é, tratamentos dentro do sistema de representação algébrica, domínio em que revela bastantes dificuldades. Embora uma maior fluência na manipulação algébrica seja importante, o desenvolvimento de uma compreensão mais profunda no domínio das funções racionais não se restringe a isso. Desenvolver momentos de reflexão sobre os procedimentos

14 utilizados e explorar tarefas que promovam a manipulação gráfica de funções racionais, como transformações de funções, pode ser uma via para uma compreensão mais profunda deste tema. A exploração de transformações de funções racionais, relacionando as representações algébrica e gráfica, pode promover a construção de imagens dinâmicas dos gráficos, contribuindo para uma maior flexibilidade no trabalho com essas funções. A utilização da calculadora gráfica ou de software gráfico pode ser uma mais-valia na construção deste tipo de imagens, que deve ser aproveitada. Referências Ainsworth, S. (2006). DeFT: A conceptual framework for considering learning with multiple representations. Learning and Instruction, 16, Arcavi, A. (2003). The role of visual representations in the learning of Mathematics. Educational Studies in Mathematics, 52, Artigue, M. (1992). Functions from an algebraic and graphic point of view: Cognitive difficulties and teaching practices. In G. Harel & E. Dubinsky (Eds.), The concept of function: Aspects of epistemology and pedagogy (pp ). Washington, DC: MAA. Dotson, G. T. (2009). Collegiate mathematics students misconceptions of domain and zeros of rational functions (Tese de doutoramento, University of Kansas). Duval, R. (2006). A cognitive analysis of problems of comprehension in a learning of Mathematics. Educational Studies in Mathematics, 61, Elia, I., Panaoura, A., Eracleous, A., & Gagatsis, A. (2007). Relations between secondary pupils conceptions about functions and problem solving in different representations. International Journal of Science and Mathematics Education, 5, Evangelidou, A., Spyrou, P., Elia, I., & Gagatsis, A. (2004). University students conceptions of function. In M. J. Hoines & A. B. Fuglestad (Eds.), Proceedings of the 28 th PME International Conference, (Vol. 2, pp ); Bergen, Norway. Galindo-Morales, E. (1994). Visualization in the calculus class: Relationship between cognitive style, gender, and use of technology (Tese de doutoramento, Ohio State University). Goldin, G. (2008). Perspectives on representation in mathematical learning and problem solving. In L. D. English (Ed.), Handbook of international research in mathematics education (2 nd ed., pp ): New Yor, NY:Routledge. Goldin, G., & Shteingold, N. (2001). Systems of representations and the development of mathematical concepts. In A. Cuoco (Ed.), The roles of representation in school mathematics (pp. 1-23). Reston, VA: NCTM. Kaldrimidou, M., & Ikonomou, A. (1998). Epistemological and metacognitive factors involved in the learning of mathematics: The case of graphic representations of functions. In H. Stenbring, M. B. Bussi & A. Sierpinska (Eds.), Language and communication in the mathematics classroom (pp ): Reston, VA: NCTM. NCTM (2007). Princípios e normas para a matemática escolar. Lisboa: APM. Presmeg, N. (1986). Visualization in high school mathematics. For the Learning of Mathematics, 6(3), Silva, J., Fonseca, G., Martins, A., Fonseca, C., & Lopes, I. (2001). Matemática A: Programa 10.º ano. Lisboa: Ministério da Educação.

15 Yin, R. (1994). Case study research: Design and methods. Thousand Oaks, CA: SAGE.

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

Aplicação do Software GeoGebra no ensino de Funções

Aplicação do Software GeoGebra no ensino de Funções Ricardo Antonio Faustino da Silva Braz Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA Brasil ricardobraz@ufersa.edu.br Jean Michel Moura Bezerra Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA Brasil

Leia mais

DESENVOLVIMENTO-DO-RACIOCÍNIO-MATEMÁTICO-E-AS- PRÁTICAS-DE-COMUNICAÇÃO-NUMA-AULA 1 -

DESENVOLVIMENTO-DO-RACIOCÍNIO-MATEMÁTICO-E-AS- PRÁTICAS-DE-COMUNICAÇÃO-NUMA-AULA 1 - PráticasdeEnsinodaMatemática DESENVOLVIMENTODORACIOCÍNIOMATEMÁTICOEAS PRÁTICASDECOMUNICAÇÃONUMAAULA 1 CláudiaDomingues Escola#Secundária#de#Caldas#das#Taipas# cmadom@gmail.com MariaHelenaMartinho CIEd#

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática A 10º ano Ano Letivo 2015/2016 TEMA

Leia mais

Margarida Uva Nunes Silva margaridasilvaani@gmail.com. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades PROFMAT 2011 - Lisboa

Margarida Uva Nunes Silva margaridasilvaani@gmail.com. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades PROFMAT 2011 - Lisboa Margarida Uva Nunes Silva margaridasilvaani@gmail.com Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades PROFMAT - Lisboa Tábua da multiplicação 2 Tábua da multiplicação Uma visão geométrica 3 I. Construção da

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Caracterização dos conceitos matemáticos avançados no ensino superior: o caso da sucessão convergente

Caracterização dos conceitos matemáticos avançados no ensino superior: o caso da sucessão convergente Caracterização dos conceitos matemáticos avançados no ensino superior: o caso da sucessão convergente António Domingos Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNL amdd@fct.unl.pt

Leia mais

GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO

GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO João Paulo G. Vassallo ( FEVRE) Marcus Vinicius F. Soares (FEUFF) Projeto Fundão IM/UFRJ pfundao@im.ufrj.br 1. Histórico O conceito de função vem sendo

Leia mais

LINHAS DE INVESTIGAÇÃO E RESULTADOS DO PROJETO PROBLEM@WEB: TECNOLOGIAS, ATITUDES E CRIATIVIDADE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS *

LINHAS DE INVESTIGAÇÃO E RESULTADOS DO PROJETO PROBLEM@WEB: TECNOLOGIAS, ATITUDES E CRIATIVIDADE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS * LINHAS DE INVESTIGAÇÃO E RESULTADOS DO PROJETO PROBLEM@WEB: TECNOLOGIAS, ATITUDES E CRIATIVIDADE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS * Susana Carreira 1 ; Nélia Amado 1 ; Rosa Antónia Ferreira 2 ; Jaime Carvalho

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

PIBID Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência Subprojeto: Matemática Ensino Fundamental. Desenvolvimento de atividades

PIBID Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência Subprojeto: Matemática Ensino Fundamental. Desenvolvimento de atividades PIBID Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência Subprojeto: Matemática Ensino Fundamental 1. Atividade: Aula de reforço Desenvolvimento de atividades 2. Objetivo da atividade: Identificar

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

AS VARIÁVEIS VISUAIS NA COORDENAÇÃO DE REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE INEQUAÇÕES A PARTIR DA COMPARAÇÃO DE FUNÇÕES

AS VARIÁVEIS VISUAIS NA COORDENAÇÃO DE REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE INEQUAÇÕES A PARTIR DA COMPARAÇÃO DE FUNÇÕES AS VARIÁVEIS VISUAIS NA COORDENAÇÃO DE REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE INEQUAÇÕES A PARTIR DA COMPARAÇÃO DE FUNÇÕES MARIANI, Rita de Cássia Pistóia URI Santiago/RS rcpmariani@urisantiago.br

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM)

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM) A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ANÁLISE DA COMPREENSÃO DO CONCEITO DE M.D.C. (MÁXIMO DIVISOR COMUM) Angelo Pedrote Caon 1 Tânia da Silveira Cardona 2 Resumo 1 UFJF/Instituto de Ciências

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES Dircélia dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul dirceliafg@yahoo.com.br Elisabeta D' Elia Gallicchio Universidade

Leia mais

Prova Escrita de Matemática B

Prova Escrita de Matemática B Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Matemática B 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 735/1.ª Fase Critérios de Classificação 14 Páginas 2014 Prova

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

Resumo. 1. Introdução

Resumo. 1. Introdução O SIGNIFICADO DE TERMOS RELATIVOS À ORDENAÇÃO NO TEMPO: A INFLUÊNCIA DO USO COTIDIANO EM UM CONHECIMENTO MATEMÁTICO. IGLIORI, S.; MARANHÃO, C. e SENTELHAS, S. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo,

Leia mais

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO José Fanica Agrupamento de escolas de Romeu Correia joseffanica@hotmail.com

Leia mais

A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo

A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo A discussão de controvérsias sócio-científicas a partir de documentários em vídeo Elisabete Linhares 1 e Pedro Reis 2 1 Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém, Santarém, Portugal,

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

Teste Intermédio de Matemática A Matemática A Versão 1 10.º Ano de Escolaridade

Teste Intermédio de Matemática A Matemática A Versão 1 10.º Ano de Escolaridade Teste Intermédio de Matemática A Versão 1 Teste Intermédio Matemática A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 28.05.2008 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Nome do aluno N.º

Leia mais

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto Exemplo de Vê Epistemológico O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1 Leonardo Sartori Porto Nosso projeto de pesquisa visa investigar se o uso de analogias no ensino de ciências pode facilitar

Leia mais

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO CINTIA APARECIDA BENTO DOS SANTOS (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL), EDDA CURI (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL). Resumo Este artigo

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi

Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi COLÉGIO ESTADUAL VISCONDE DE BOM RETIRO Plano de aula 1 março de 2015 Atividades para 1º ano do ensino médio Bolsistas: Fabiana Reczko, Fernanda Menegotto, Jéssica Tumelero e Maiara Ghiggi Supervisora:

Leia mais

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática As habilidades na Solução de Problemas em Matemática Érica Valeria Alves O que diferencia a espécie humana das demais espécies do reino animal é a capacidade de pensar, raciocinar, formular hipóteses,

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA

ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA Resumo DIONIZIO, Fátima Queiroz UEPG faqdionizio@hotmail.com BRANDT, Célia Finck UEPG brandt@bighost.com.br Eixo Temático:

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico Álgebra Cadeia de tarefas I Contextos Numéricos Tabelas coloridas A Maria desenhou uma tabela com números de 1 a 25 e depois construiu as cinco tabelas com padrões coloridos e sem números. Qual teria sido

Leia mais

Raciocínio Matemático na Aprendizagem das Funções: Um Estudo de Caso 1

Raciocínio Matemático na Aprendizagem das Funções: Um Estudo de Caso 1 Raciocínio Matemático na Aprendizagem das Funções: Um Estudo de Caso 1 Arminda Azevedo Escola Secundária Dr. José Afonso, Seixal João Pedro da Ponte Instituto de Educação, Universidade de Lisboa Resumo:

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra

Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra Simone Cristina do Amaral Porto 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Resumo do trabalho. Este artigo discute um projeto

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental Antonia Zulmira da Silva (autor) 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar, analisar

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

NO ESTUDO DE FUNÇÕES

NO ESTUDO DE FUNÇÕES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SEMANA DA MATEMÁTICA 2014 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES GRÁFICOS NO ESTUDO DE FUNÇÕES PIBID MATEMÁTICA 2009 CURITIBA

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Tendências atuais sobre o ensino de funções no Ensino Médio 1

Tendências atuais sobre o ensino de funções no Ensino Médio 1 Tendências atuais sobre o ensino de funções no Ensino Médio 1 Marina Menna Barreto Neste artigo pretendemos, através de uma análise da literatura, trazer resultados de pesquisas na área da Educação Matemática

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRANDO - GILSON DO NASCIMENTO GOUVÊA VICTORIANO

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

Organização e tratamento d. e dados

Organização e tratamento d. e dados Organização e tratamento d e dados Proposta de cadeia de tarefas para o 7.º ano - 3.º ciclo Equações Setembro de 2009 Equações Página 1 Índice Introdução Proposta de planificação Tarefas 1A Balanças 1B

Leia mais

Estudo do Sinal de uma Função

Estudo do Sinal de uma Função Capítulo 4 Estudo do Sinal de uma Função 4.1 Introdução Neste Capítulo discutimos o problema do estudo do sinal de uma função, assunto muitas vezes tratado de forma rápida e supercial nos ensinos básico

Leia mais

Estudo do Sinal de uma Função

Estudo do Sinal de uma Função Capítulo 1 Estudo do Sinal de uma Função 11 Introdução Neste Capítulo discutimos o problema do estudo do sinal de uma função, assunto muitas vezes tratado de forma rápida e supercial nos ensinos básico

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

O Significado do Sinal de Igualdade na Jornada pelos Três Mundos da Matemática

O Significado do Sinal de Igualdade na Jornada pelos Três Mundos da Matemática O Significado do Sinal de Igualdade na Jornada pelos Três Mundos da Matemática Josias Nogueira Badaró 1 Rosana Nogueira de Lima 2 Programa de Estudos Pós- Graduados em Educação Matemática Universidade

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE DOMOS GEODÉSICOS. Palavras-chave: resolução de problemas, geometria plana, poliedros convexos.

CONSTRUÇÃO DE DOMOS GEODÉSICOS. Palavras-chave: resolução de problemas, geometria plana, poliedros convexos. 1 CONSTRUÇÃO DE DOMOS GEODÉSICOS Guy Grebot 1, Universidade de Brasília, guy@mat.unb.br Kevin Szczpanski 1, Universidade de Brasília, kevinszczpanski@hotmail.com RESUMO Este minicurso apresenta resultados

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Estratégias matemáticas, operações fundamentais, educação matemática.

RESUMO. Palavras-chave: Estratégias matemáticas, operações fundamentais, educação matemática. ESTRATÉGIAS FORMAIS E INFORMAIS DE OPERAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS POR CRIANÇAS NO TRABALHO E NA ESCOLA Alan Gonçalves Lacerda & Marinalva Silva Oliveira Universidade Federal do Amapá NEC- alan-lacerda@uol.com.br

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo F- TIPO D-6 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 6º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avali ar o desempenho dos alunos do 6 o ano

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR

PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR Laís Cristina Viel Gereti Universidade Estadual de Londrina laisvielg@hotmail.com Angela Marta Pereira das Dores Savioli Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Entrevistas clínicas para estudar a flexibilidade no cálculo numérico

Entrevistas clínicas para estudar a flexibilidade no cálculo numérico Entrevistas clínicas para estudar a flexibilidade no cálculo numérico Joana Brocardo Fátima Mendes Catarina Delgado Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal Introdução No âmbito

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

O USO DO TESTE STACK NO ENSINO B-LEARNING

O USO DO TESTE STACK NO ENSINO B-LEARNING O USO DO TESTE STACK NO ENSINO B-LEARNING Cristina M.R. Caridade Instituto Superior de Engenharia de Coimbra caridade@isec.pt Maria do Céu Faulhaber Instituto Superior de Engenharia de Coimbra amorim@isec.pt

Leia mais

SIGNIFICADO DO SÍMBOLO = NO CONTEXTO DAS FUNÇÕES E AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO

SIGNIFICADO DO SÍMBOLO = NO CONTEXTO DAS FUNÇÕES E AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO SIGNIFICADO DO SÍMBOLO = NO CONTEXTO DAS FUNÇÕES E AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO José Dilson Beserra Cavalcanti Grupo de Pesquisa Fenômenos Didáticos na Classe de Matemática-UFPE SME-TUPANATINGA/SEDUC/PE

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA PLANOS DE CURSO PARA 6º E 7º ANOS Campina Grande, 2011 -

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010 Tarefa: As roupas do Tomás ESE/IPS 8 de Julho de 2010 Enquadramento Curricular: Tema: Números

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR Luiz Gonzaga Xavier de Barros 1 Monica Karrer 2 Este artigo expõe as vantagens pedagógicas da utilização

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO INTERVENÇÃO NA REALIDADE DA ESCOLA PARCEIRA NO CONTEXTO DO PIBID DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO INTERVENÇÃO NA REALIDADE DA ESCOLA PARCEIRA NO CONTEXTO DO PIBID DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO INTERVENÇÃO NA REALIDADE DA ESCOLA PARCEIRA NO CONTEXTO DO PIBID DE MATEMÁTICA Vinicius A. S. Guissi vinnyguissi@hotmail.com Thays R. S. Couto couto_thays@hotmail.com Paulo H.

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: : SÃO CARLOS Área de conhecimento:ciencias DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: : MATEMATICA

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

Análise de Atividades Gráficas Desenvolvidas no Curso de Pedagogia

Análise de Atividades Gráficas Desenvolvidas no Curso de Pedagogia Análise de Atividades Gráficas Desenvolvidas no Curso de Pedagogia Patrícia Lemos 1, UFPI - PUC/SP 2, Brasil - mpflemos@gmail.com Maria José Ferreira da Silva, PUC/SP, Brasil - zeze@pucsp.br Área Temática:

Leia mais

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa Aula 12: Funções Nesta aula explicaremos o que são e como usar funções nos seus programas em JavaScript. Você aprenderá como elas podem receber e retornar valores à estrutura que as acionou. Entenderá

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS, INTERDISCIPLINARIDADE E O ESTUDO DAS FUNÇÕES

NOVAS TECNOLOGIAS, INTERDISCIPLINARIDADE E O ESTUDO DAS FUNÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS, INTERDISCIPLINARIDADE E O ESTUDO DAS FUNÇÕES Profa. Mirian Buss Gonçalves, Dra. Universidade Federal de Santa Catarina 22 de Outubro de 2007 O MOMENTO ATUAL Busca-se tornar a Matemática

Leia mais

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*)

Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) Rafael Domingos G Luís Universidade da Madeira/Escola Básica /3 São Roque Departamento de Matemática Gráficos de funções em calculadoras e com lápis e papel (*) A difusão de calculadoras gráficas tem levado

Leia mais

CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EXPLORANDO GRÁFICOS DE BARRAS

CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EXPLORANDO GRÁFICOS DE BARRAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EXPLORANDO GRÁFICOS DE BARRAS SELVA, Ana Coelho Vieira - UFPE GT: Educação Matemática / n. 19 Agência Financiadora: Capes Este estudo constituiu-se em uma pesquisa de caráter

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática A 10º ano 2014/2015 Início Fim

Leia mais

EXPLORAR TAREFAS MATEMÁTICAS

EXPLORAR TAREFAS MATEMÁTICAS EXPLORAR TAREFAS MATEMÁTICAS Ana Paula Canavarro Universidade de Évora e Unidade de Investigação do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa apc@uevora.pt Leonor Santos Instituto de Educação e UIDEF

Leia mais

FUNÇÕES POLINOMIAIS DO SEGUNDO GRAU MEDIADOS PELO SOFTWARE GEOGEBRA NA PERSPECTIVA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA

FUNÇÕES POLINOMIAIS DO SEGUNDO GRAU MEDIADOS PELO SOFTWARE GEOGEBRA NA PERSPECTIVA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA FUNÇÕES POLINOMIAIS DO SEGUNDO GRAU MEDIADOS PELO SOFTWARE GEOGEBRA NA PERSPECTIVA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA Modalidade: Relato de experiência Izaias Cordeiro Néri Mestrando em Educação

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 1.º Período Conteúdos Programados Previstas Dadas Números e Operações Utilizar corretamente os numerais ordinais até vigésimo. Ler e representar

Leia mais