O MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO. DRA.VALÉRIA OTA DE AMORIM Farmacêutica homeopata

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO. DRA.VALÉRIA OTA DE AMORIM Farmacêutica homeopata"

Transcrição

1 O MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO DRA.VALÉRIA OTA DE AMORIM Farmacêutica homeopata

2 O MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO É toda substância vegetal, animal ou mineral; simples ou complexa; capaz de produzir no homem são, através das experimentação, um quadro sintomático que é denominado patogenesia

3 O MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO ORGANIZAÇÃO TERRENA SER HUMANO (só lido, lí quido, gasoso, té rmico) corpo fí sico, eté rico, astral, e organizaç ã o do EU REINO MINERAL (só lido) corpo fí sico REINO VEGETAL (só lido e lí quido) corpo fí sico e eté rico REINO ANIMAL (só lido, lí quido e gasoso) - corpo fí sico eté rico e astral

4 MEDICAMENTO DE ORIGEM VEGETAL Planta inteira: Belladonna, Chamomilla Folha: Rhus tox., Thuya occidentalis Casca: China off., Rhamnus pursh. Raiz: Ipeca, Valeriana off. Flores: Calendula off., Cactus grand. Prod.fisiológico: Aloe soc.(muscilagem) Prod.patológico: Secale corn.(esporão)

5 MEDICAMENTO DE ORIGEM ANIMAL Animal inteiro: Apis mell., Blatta or. Parte de animal: Thyreoide, Ovarinum Secreção fisiológica: Sepia succus(tinta), Lachesis muta(veneno da surucucu) Secreção patológica: Streptococcinum (bactéria), Staphylotoxinum(toxina)

6 MEDICAMENTO DE ORIGEM MINERAL Natural: Aurum metal.(ouro), Sulphur(enxôfre), Phoshorus(fósforo) Industrial: Kalium bichromicum (dicromato de potássio) Homeopático: Causticum(cal viva calcinada), Hepar sulphur (enxôfre+casca de ostra), Mercurius sol. (mercúrio precipitado com prata)

7 NOMENCLATURA DO MEDICAMENTO Nome Homeopático descrito em matérias médicas, farmacopéias e obras homeopáticas relativa imutabilidade escrito com letras maiúsculas Nome Científico regras internacionais trabalhos científicos como sinônimo Exemplos: Pulsatilla nigricans Aconitum napellus Aurum metalicum

8 ABREVIATURA DO MEDICAMENTO Será permitido desde que não dê erros e confusões no aviamento Permitido substituir três zeros por M Exemplos Kalium chloric.(kalium chloricum) Kalium chlorat.(kalium chloratum) Belladonna( Atropa belladonna) Ipeca FC( Ipeca 100M FC)

9 SINÔNIMOS O uso restringe-se aos constantes em obras científicas consagradas na Farmácia e Medicina Denominação arbitrária são considerados medicamentos secretos Nomes arbitrários são proibidos tanto por legislação farmacêutica como pela referente à homeopatia

10 SÍMBOLOS EM HOMEOPATIA TM ou Tintura-mãe CH Escala Centesimal e Método Hahnemanniano D Escala Decimal FC Método Fluxo Contínuo LM Método Cinquenta Milesimal K Método Korsakov

11 VEÍCULOS E EXCIPIENTES EM HOMEOPATIA Segundo Hahnemann( &269), a potência curativa está em estado latente e é preciso despertá-la. Esta ativação se faz pela destruição da MATÉRIA PRIMITIVA, a qual obtém-se com a ajuda do veículo - água, álcool, lactose - que recebe a VIRTUDE MEDICINAL

12 VEÍCULOS E EXCIPIENTES Devem ser destituídos de qualquer atividade Suas funções consistem em: 1. DILUIR o medicamento 2. SOLUBILIZAR o medicamento 3. VEICULAR e FACILITAR a administração

13 VEÍCULOS - FORMAS LÍQUIDAS ÁLCOOL - obtido da cana e de cereais, é usado para o preparo das TM, alcoolaturas e dinamizações ÁGUA - obtida por destilação e ultrafiltração, é usada para diluição do álcool nas suas várias concentrações GLICERINA - usada para o preparo de organoterápicos e bioterápicos

14 EXCIPIENTES - FORMAS SÓLIDAS LACTOSE - obtida a partir do açúcar do leite, é usada para triturar substâncias insolúveis no álcool, venenos; e para a compressão de tabletes e comprimidos GLÓBULO E MICROGLÓBULO - obtido do drageamento do açúcar de cana, é usado como suporte para veicular a informação homeopática

15 EXCIPIENTES - FORMAS SÓLIDAS COMPRIMIDO OU PASTILHA - obtido por compressão da lactose, sendo usado também como suporte para veicular a informação homeopática

XI- MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS DERIVADAS

XI- MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS DERIVADAS XI- MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS DERIVADAS As formas farmacêuticas derivadas são preparadas nas escalas decimal, centesimal e cinquenta milesimal. A preparação deve seguir os métodos

Leia mais

Faculdade Independente do Nordeste Credenciada pela Portaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada no D.O.U. de 09/07/2001.

Faculdade Independente do Nordeste Credenciada pela Portaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada no D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 Dgendo OU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Farmacotécnica Homeopática Código: FAR - 113 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 Dgendo OU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 Dgendo OU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 Dgendo OU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Farmacotécnica Homeopática Código: FAR - 113 Pré-requisito: - Período

Leia mais

Homeopatia Popular: A Prática Gerando Autonomia na Produção Ecológica

Homeopatia Popular: A Prática Gerando Autonomia na Produção Ecológica Homeopatia Popular: A Prática Gerando Autonomia na Produção Ecológica Grisa, Simone. Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor (CAPA), simonegrisa@hotmail.com; Toledo, Marcia. Instituto Emater; jasmar32@hotmail.com;

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Farmacotécnica Homeopática Código: FAR 113 Pré-requisito: ---- Período Letivo: 2016.1 Professor:

Leia mais

21/9/2009. Para prepará-los podemos empregar:

21/9/2009. Para prepará-los podemos empregar: O QUE SÃO FORMAS FARMACÊUTICAS DERIVADAS? MÉTODOS DE DINAMIZAÇÃO E ESCALAS DAS FORMAS FARMACÊUTICAS DERIVADAS Resultado do processo de dinamização, que consiste na concentração decrescente de insumos ativos

Leia mais

Avenoc. Medicamento homeopático tradicionalmente utilizado no tratamento das hemorróidas não complicadas. COMPOSIÇÃO POSOLOGIA

Avenoc. Medicamento homeopático tradicionalmente utilizado no tratamento das hemorróidas não complicadas. COMPOSIÇÃO POSOLOGIA STO CMP 1 SET11 ARN CMP 1 SET11 Avenoc Medicamento homeopático tradicionalmente utilizado no tratamento das hemorróidas não complicadas. Embalagem de 10 supositórios. Via rectal. Um supositório de manhã

Leia mais

ORIGEM DOS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS E NOMENCLATURA. Farmácia UNIP

ORIGEM DOS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS E NOMENCLATURA. Farmácia UNIP ORIGEM DOS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS E NOMENCLATURA Farmácia UNIP Medicamento Homeopático Apresentação farmacêutica destinada a ser ministrada segundo o princípio da similitude, com a finalidade preventiva

Leia mais

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA Multicelularidade = Novidade evolutiva Diversificação a partir de espécie ancestral = Ramificação da linhagem Para entendermos toda esta diversidade é necessário nomeá-la

Leia mais

TRABALHO - Curso de Fitoterapia e Bioenergética

TRABALHO - Curso de Fitoterapia e Bioenergética TRABALHO - Curso de Fitoterapia e Bioenergética Renato Pereira Lima São Paulo 24 de setembro de 2009-09-24 O que é Homeopatia? Homeopatia é uma terapia alternativa que cura as doenças usando doses mínimas

Leia mais

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água V Fórum Regional de Agroecologia e VIII Semana do Meio Ambiente Pensar Globalmente, Agir localmente e utilizar ecologicamente 08 a 10 de novembro de 2012 Patogenesia de Rhus toxicodendron na água MARIANE

Leia mais

Medicamento Homeopático

Medicamento Homeopático Dependem fundalmente de sua constituição química. Ação terapêutica agindo de form estranha estranha ao organismo Medicamento Homeopático Medicamento: produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado,

Leia mais

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1 FARMACOGNOSIA Matéria-Prima Vegetal 2011.1 O que é farmacognosia? A palavra Farmacognosia vem de dois vocábulos gregos e quer dizer Pharmakon droga e fármaco gnosis conhecimento. Farmacognosia é uma ciência

Leia mais

Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V 2º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE

Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V 2º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE Vila Velha, de de 01. Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE Eixo temático: Sabor de tradição regional Total de pontos Média Pontos obtidos

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE HOMEOPATIA - 1º ANO/ 400 HORAS

PROGRAMA DO CURSO DE HOMEOPATIA - 1º ANO/ 400 HORAS PROGRAMA DO CURSO DE HOMEOPATIA - 1º ANO/ 400 HORAS 1º MÓDULO: Conceito da Homeopatia. Quem foi Hahnemann. História de Hahnemann e sua trajetória ao desenvolvimento da Homeopatia. Introdução ao Organon.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação:

Leia mais

Homeopatia Passado e Presente

Homeopatia Passado e Presente Homeopatia Passado e Presente Dra. Silvana B. Mantovani Dra. Silvana Bezerra Mantovani Farmacêutica especialista em Homeopatia Vice presidente e coordenadora do Curso de pós graduação do Instituto Homeopático

Leia mais

RESUMO OBJETIVOS (1) SORTINO, C. B. (2) HOMEM-DE-MELLO, M.L. (3) CARILLO JR, R. (4) PUSTIGLIONE, M.

RESUMO OBJETIVOS (1) SORTINO, C. B. (2) HOMEM-DE-MELLO, M.L. (3) CARILLO JR, R. (4) PUSTIGLIONE, M. ESTUDO DA EFETIVIDADE DO TRATAMENTO HOMEOPÁTICO DE MULHERES PORTADORAS DA SÍNDROME DO CLIMATÉRIO TRATADAS NO AMBULATÓRIO DE GINECOLOGIA DA UNIDADE DE HOMEOPATIA (U.H) DO HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL

Leia mais

O que é Homeopatia? Princípios Fundamentais 21/9/2011. HIPÓCRATES (468 a.c. 377 a.c.) História, princípios e fundamentos da homeopatia

O que é Homeopatia? Princípios Fundamentais 21/9/2011. HIPÓCRATES (468 a.c. 377 a.c.) História, princípios e fundamentos da homeopatia História, princípios e fundamentos da homeopatia Profa. Ms. Paula Cressoni Martini paulacmartini@yahoo.com.br HIPÓCRATES (468 a.c. 377 a.c.) Dizia que: similia similibus curantur (o semelhante será curado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO FAR04754 FARMACOTÉCNICA HOMEOPÁTICA Departamento: Ciências Farmacêuticas Professor: Fabíola Cristiane de Macedo Mota Carga Horária: 60 h Teórico: 30 h Exercício: 0 h Laboratório: 30 h Curso:

Leia mais

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS 98-99% dos organismos são constituído por: -Sódio (Na) -Potássio (K) -Magnésio (Mg) -Cloro (Cl) -Carbono (C) -Hidrogênio (H -Nitrogênio (N) -Oxigênio (O) 1-2% restante:

Leia mais

MATERIAL DESTINADO ÀS CATERINGS DOS JOGOS OLÍMPICOS E PARALÍMPICOS RIO 2016. Foto: Marcos Melo

MATERIAL DESTINADO ÀS CATERINGS DOS JOGOS OLÍMPICOS E PARALÍMPICOS RIO 2016. Foto: Marcos Melo MATERIAL DESTINADO ÀS CATERINGS DOS JOGOS OLÍMPICOS E PARALÍMPICOS RIO 2016 Foto: Marcos Melo APRESENTAÇÃO ESTE MATERIAL FOI PREPARADO ESPECIALMENTE PARA OS PROFISSIONAIS E AS CATERINGS COM A NOBRE MISSÃO

Leia mais

0 cosmo revela-se ao homem inicialmente do lado da Terra e do lado do mundo extra terrestre, do mundo das estrelas.

0 cosmo revela-se ao homem inicialmente do lado da Terra e do lado do mundo extra terrestre, do mundo das estrelas. 0 cosmo revela-se ao homem inicialmente do lado da Terra e do lado do mundo extra terrestre, do mundo das estrelas. 0 homem se sente aparentado com a Terra e suas forças. A própria vida instrui-o claramente

Leia mais

1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA

1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA 1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA CENSO AGROPECUÁRIO, FLORESTAL E/OU AQÜÍCOLA 1. INFORMAÇÕES SOBRE FLORESTAS PRODUÇÃO DA EXTRAÇÃO VEGETAL E DA SILVICULTURA OBJETIVO

Leia mais

Universidade de Cuiabá - Disciplina: Homeopatia Profª Ivana Maria Póvoa Violante VITALISMO

Universidade de Cuiabá - Disciplina: Homeopatia Profª Ivana Maria Póvoa Violante VITALISMO HISTÓRICO DO VITALISMO VITALISMO Na Grécia: Hipócrates (460-377 a.c.) Admitia que nos homens e animais havia uma natureza instintiva e racional, que fazia crescer e nutrir todos os seres vivos, e manter

Leia mais

POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues SOLO O que é solo? Formação do solo Horizontes do solo Evolução da Ocupação do Solo O que é o Solo? Solo é um corpo de material

Leia mais

EDT 19 FUNDAÇÃO ESTATAL SAÚDE DA FAMILÍA ESTADO DA BAHIA INSTRUÇÕES R E F. E D I T A L N º 1 / 2 0 1 0 - C O N C U R S O P Ú B L I C O

EDT 19 FUNDAÇÃO ESTATAL SAÚDE DA FAMILÍA ESTADO DA BAHIA INSTRUÇÕES R E F. E D I T A L N º 1 / 2 0 1 0 - C O N C U R S O P Ú B L I C O FUNDAÇÃO ESTATAL SAÚDE DA FAMILÍA ESTADO DA BAHIA REALIZAÇÃO R E F. E D I T A L N º 1 / 2 0 1 0 - C O N C U R S O P Ú B L I C O INSTRUÇÕES 1- Você está recebendo do fiscal um Caderno de Questões com 50

Leia mais

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico:

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

Origem do nome. Forma Farmacêutica Básica (Tintura Mãe) Tintura Mãe. Processo de obtenção da TM

Origem do nome. Forma Farmacêutica Básica (Tintura Mãe) Tintura Mãe. Processo de obtenção da TM Forma Farmacêutica Básica (Tintura Mãe) Profa. Valéria Ota de Amorim ne Tintura Mãe Tintura-mãe(Φ ou TM): é preparação líquida, resultante da ação dissolvente e/ou extrativa de insumo inerte hidroalcoólico

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Carne suína e dietas saudáveis para o coração. Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas

Carne suína e dietas saudáveis para o coração. Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas Carne suína e dietas saudáveis para o coração Semíramis Martins Álvares Domene Prof a. Titular Fac. Nutrição PUC-Campinas As doenças cardiovasculares representam uma preocupação crescente para os profissionais

Leia mais

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor.

Liquido saturado é aquele que está numa determinada temperatura e pressão eminente de iniciar a transformação para o estado vapor. Módulo IV Propriedades de Substâncias Puras: Relações P-V-T e Diagramas P-V, P-T e T-V, Título, Propriedades Termodinâmicas, Tabelas Termodinâmicas, Energia Interna, Entalpia, Calores Espercíficos c v

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS, AROMÁTICAS E CONDIMENTARES. Camila Azevedo

PLANTAS MEDICINAIS, AROMÁTICAS E CONDIMENTARES. Camila Azevedo UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA BACHARELADO EM AGROECOLOGIA COMPONENTE: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA DE PLANTAS MEDICINAIS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES PLANTAS MEDICINAIS, AROMÁTICAS E CONDIMENTARES Camila Azevedo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

CURSOS. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSOS. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2007/1 BIOLOGIA CURSOS Agronomia, Ciências Biológicas, Curso Superior de Tecnologia em Agropecuária, Curso Superior de Tecnologia em Alimentos, Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia,

Leia mais

Escola Municipal Professor Mello Cançado Regional Barreiro Projeto Prato Colorido Belo Horizonte, março/2012

Escola Municipal Professor Mello Cançado Regional Barreiro Projeto Prato Colorido Belo Horizonte, março/2012 Escola Municipal Professor Mello Cançado Regional Barreiro Projeto Prato Colorido Belo Horizonte, março/2012 Toda a escola se envolveu nesse projeto pedagógico, desde a direção, coordenação, professoras,

Leia mais

Consulta Pública nº 03, de 24 de janeiro de 2012

Consulta Pública nº 03, de 24 de janeiro de 2012 Consulta Pública nº 03, de 24 de janeiro de 2012 O Secretário Municipal de Saúde, no uso das atribuições adota a seguinte Consulta Pública e determina a sua publicação: Art. 1º Fica aberto, a contar da

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 7º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0/2,0) 3º e 4º Bimestres A - Introdução Neste semestre, fizemos um estudo sobre os invertebrados e sua ampla

Leia mais

INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino. Curso de Formação de Especialista em Homeopatia. Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA

INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino. Curso de Formação de Especialista em Homeopatia. Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL Departamento de Ensino Curso de Formação de Especialista em Homeopatia Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA ESTUDO CRÍTICO DAS MONOGRAFIAS PRODUZIDAS PELOS ALUNOS

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

DRÁGEAS COMPRIMIDOS REVESTIDOS

DRÁGEAS COMPRIMIDOS REVESTIDOS FORMAS FARMACÊUTICAS REVESTIDAS DRÁGEAS COMPRIMIDOS REVESTIDOS OBJETIVOS DA AULA Definir Formas Farmacêuticas Revestidas (FFR) e apresentar seus diferentes tipos. Apresentar os critérios Biofarmacotécnicos

Leia mais

TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL

TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA E SOLOS TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL Prof.: Daniel M. Tapia T. O que é alimento? Substância ou mistura de substâncias

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- O Índice de Massa Corporal (IMC) é o número obtido pela divisão da massa de um indivíduo adulto, em quilogramas, pelo quadrado da altura, medida em metros. É uma referência adotada pela Organização

Leia mais

Michèle BOIRON Farmacêutica

Michèle BOIRON Farmacêutica «Desde de manhã, não me sinto muito bem, Tenho calofrios e estou dolorido.» La pathologie A gripe é uma doença infecciosa e contagiosa, devido aos Myxovirus influenzae A B e C. A gripe é uma doença viral,

Leia mais

Guia de Integração Desconto por meio de pagamento

Guia de Integração Desconto por meio de pagamento Guia de Integração Desconto por meio de pagamento DESCONTO POR MEIO DE PAGAMENTO 2 Histórico de Versões DATA DESCRIÇÃO 12/09/2014 Visão Geral Copyright Todos os direitos reservados. O UOL é uma marca comercial

Leia mais

FLORAIS DE BACH. Florais de Bach

FLORAIS DE BACH. Florais de Bach FLORAIS DE BACH Florais de Bach A SABEDORIA MILENAR O oleiro faz um vaso, manipulando a argila, mas é o oco que lhe dá utilidade. 26/10/2010 2 Casas são massas com paredes, portas, mas somente o vácuo

Leia mais

/HYDQWDUÃDOJXQVÃWHPDVÃUHODWDUÃH[SHULrQFLDVÃHPÃWRUQRÃGHVVHVÃWHPDVÃGHEDWrORVÃDSRQWDGRÃ VXDÃGLPHQVmRÃHÃSRVVLELOLGDGHVÃGHÃWUDEDOKRVÃEXVFDÃGHÃXPÃGLDJQyVWLFRÃSDUDÃFRPSUHHQGHUÃ RÃFRPSOH[RÃGHQWURÃGHÃXPDÃUHDOLGDGHÃUHVJDWDQGRÃRÃFRWLGLDQRÃLQtFLRÃGDÃSUREOHPDWL]DomR

Leia mais

FORMAÇÃO DO SOLO E AS CONSEQÜÊNCIAS DA EROSÃO

FORMAÇÃO DO SOLO E AS CONSEQÜÊNCIAS DA EROSÃO FORMAÇÃO DO SOLO E AS CONSEQÜÊNCIAS DA EROSÃO Lucieli Lopes Marques Supervisora: Mara Regina Dorcidônio Molina CONTEXTUALIZAÇÃO A presente proposta de trabalho tem como tema a formação e erosão do solo

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO- MATEMÁTICA 6º ANO-PROFA. M.LUISA-2º BIMESTRE MÚLTIPLOS, DIVISORES, FATORAÇÃO, MDC.MMC,PROBLEMAS

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO- MATEMÁTICA 6º ANO-PROFA. M.LUISA-2º BIMESTRE MÚLTIPLOS, DIVISORES, FATORAÇÃO, MDC.MMC,PROBLEMAS EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO- MATEMÁTICA 6º ANO-PROFA. M.LUISA-2º BIMESTRE ALUNO: Nº TURMA: MÚLTIPLOS, DIVISORES, FATORAÇÃO, MDC.MMC,PROBLEMAS 1. Considere os números 2 000; 2 001; 2 002; 2 003; 2 004; 2

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

SOLUÇÕES. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas.

SOLUÇÕES. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas. QUÍMICA PROF - 3C13 SOLUÇÕES As misturas podem ser homogêneas ou heterogêneas. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas. Solução é

Leia mais

Escola Municipal Professor Mello Cançado Projeto Prato Colorido Março, 2012

Escola Municipal Professor Mello Cançado Projeto Prato Colorido Março, 2012 Escola Municipal Professor Mello Cançado Projeto Prato Colorido Março, 2012 Toda a escola se envolveu nesse projeto pedagógico, desde a direção, coordenação, professoras, alunos, cantineiras, pais, bibliotecária

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização da Home

Manual de Instalação e Utilização da Home Manual de Instalação e Utilização da Home MOBUSS CONSTRUÇÃO Versão 1.0 Data 21/08/2013 Este material é de propriedade da Teclógica Serviços em Informática Ltda., sendo proibida a sua reprodução em qualquer

Leia mais

MONITOR COM HABILIDADE EM MÚSICA VIOLÃO CONHECIMENTOS GERAIS. A Inteligência Animal

MONITOR COM HABILIDADE EM MÚSICA VIOLÃO CONHECIMENTOS GERAIS. A Inteligência Animal MONITOR COM HABILIDADE EM MÚSICA VIOLÃO CONHECIMENTOS GERAIS PORTUGUÊS A Inteligência Animal Há muito vem sendo estudada a possibilidade de haver, no reino animal, outros tipos de inteligência além da

Leia mais

O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR?

O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR? O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR? ALGUMAS SUGESTÕES CURIOSIDADES: SABIAS QUE A ORIGEM DO IOGURTE No período 10.000

Leia mais

Os lipídeos se encontram distribuídos em todos os tecidos, principalmente nas membranas celulares.

Os lipídeos se encontram distribuídos em todos os tecidos, principalmente nas membranas celulares. LIPÍDEOS Os lipídeos se encontram distribuídos em todos os tecidos, principalmente nas membranas celulares. Por convenção (Congresso Internacional de Bioquímica em 1922) ésteres de ácidos graxos, ou seja,

Leia mais

A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O

A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O i I N F O R M A Ç Ã O F I S C A L N º 3 J a n e i r o 2 0 1 3 A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O N o s e g u i m e n t o d a L e i d o O r ç a m e n t o d o E s t a d o p a r a 2 0 1 2 e,

Leia mais

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em Módulo: Responsabilidade Socioambiental Educador: Flavio Furtado. O que é compostagem? é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal

Leia mais

GESTÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA: O CASO NOVA PRATA

GESTÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA: O CASO NOVA PRATA GESTÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA: O CASO NOVA PRATA Biólogo João Augusto Bagatini Resp. Técnico da Arborização Urbana de Nova Prata Secretaria Municipal de Planejamento e Ambiente Membro da Sociedade Brasileira

Leia mais

PROMOÇÃO COMERCIAL DE ALIMENTOS INFANTIS

PROMOÇÃO COMERCIAL DE ALIMENTOS INFANTIS PROMOÇÃO COMERCIAL DE ALIMENTOS INFANTIS Regulamento Técnico para Promoção Comercial dos Alimentos para Lactentes e Crianças da Primeira Infância (Consulta Pública) Objetivo Regulamentar a promoção comercial

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA A IMPLANTAÇÃO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NOS MUNICÍPIO DE ITUMBIARA-GO, PANAMÁ-GO E ARAPORÃ-MG.

CAPACITAÇÃO PARA A IMPLANTAÇÃO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NOS MUNICÍPIO DE ITUMBIARA-GO, PANAMÁ-GO E ARAPORÃ-MG. CAPACITAÇÃO PARA A IMPLANTAÇÃO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NOS MUNICÍPIO DE ITUMBIARA-GO, PANAMÁ-GO E ARAPORÃ-MG. Este trabalho é o produto técnico da Dissertação de Mestrado intitulada

Leia mais

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Fernando Caetano Universidade Aberta fcaetano@univ-ab.pt As necessidades actuais 85% da energia consumida mundialmente, provém

Leia mais

Passo a passo para emissão de Nota Fiscal de Produtor Eletrônica NFP-e

Passo a passo para emissão de Nota Fiscal de Produtor Eletrônica NFP-e Passo a passo para emissão de Nota Fiscal de Produtor Eletrônica NFP-e Natureza 12 Retorno Simbólico-Parceria Pecuária Por causa do sigilo fiscal, foram hachurados os dados do contribuinte. Toda NFP-e

Leia mais

ATIVIDADE EXTRA 7º ANO

ATIVIDADE EXTRA 7º ANO ATIVIDADE EXTRA 7º ANO DISCIPLINA CIÊNCIAS 1) Organização do corpo dos poríferos. O corpo de um porífero possui células que apresentam uma certa divisão de trabalho. Algumas dessas células são organizadas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS

CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS CONSULTAR Disciplina: Microbiologia Geral CLASSIFICAÇÃO DOS MICRORGANISMOS Microbiologia Tortora, G. J.; Funke, B. R.; Case, C. L.. Capítulo 1 Pag. 2-6 Capítulo 2 Pag. 276-284 Classificação dos microrganismos

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

Disciplina: Matemática Data da realização: 26/10/2015

Disciplina: Matemática Data da realização: 26/10/2015 Ficha da semana 4º ano A/ B/ C Instruções: 1. Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue à professora no dia seguinte. 2. As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM EVOLUÇÃO DO HOMEM A PARTIR DO AUSTRALOPITECUS, QUE VIVEU HÁ 1.200.000 ANOS Fixação 1) Recentes análises do DNA de chimpanzés permitiram concluir que o

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

ACORDO DE COOPERAÇÃO GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL ACORDO DE COOPERAÇÃO entre o GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL e a ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL O Governo da República Federativa do Brasil (doravante denominado GOVERNO) e a

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO - LO

LICENÇA DE OPERAÇÃO - LO LICENÇA DE OPERAÇÃO - LO Autoriza o início da atividade, do empreendimento ou da pesquisa científica, após a verificação do efetivo cumprimento das medidas de controle ambiental e condicionantes determinadas

Leia mais

Caminhos da Espiritualidade. Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII

Caminhos da Espiritualidade. Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII Caminhos da Espiritualidade Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII Espiritualidade O termo não está na Bíblia. Embora a palavra espiritualidade não esteja presente nas Escrituras, o conceito está. Obras da

Leia mais

O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista

O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista 20 de maio de 2011 Inmetro - Principais Atividades Metrologia Científica e Industrial Metrologia

Leia mais

Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica. Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica. Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Sócrates 469 399 a.c. Divisor de águas na filosofia grega

Leia mais

DISPERSÕES. Prof. Tatiane Kuchnier de Moura

DISPERSÕES. Prof. Tatiane Kuchnier de Moura DISPERSÕES Prof. Tatiane Kuchnier de Moura DISPERSÃO Mistura DISPERSO + DISPERSANTE Classificação das Dispersões Nome da dispersão Diâmetro médio das partículas dispersas Exemplos Solução verdadeira Entre

Leia mais

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali Javali A4 Regiões Litorâneas A3 http://pt.wikipedia.org/wiki/javali https://meadd.com/seviero/43049322 O javali tem uma grande distribuição geográfica. Aparece em parte da Europa e Norte da África (juntamente

Leia mais

CONTEÚDOS AVALIATIVOS 3ª ETAPA NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO ENSINO FUNDAMENTAL (ANOS INICIAIS) Período: 19 a 26 de novembro de 2010

CONTEÚDOS AVALIATIVOS 3ª ETAPA NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO ENSINO FUNDAMENTAL (ANOS INICIAIS) Período: 19 a 26 de novembro de 2010 1 º Ano A Ensino Religioso Língua Portuguesa Cores secundárias. Mosaico. Releitura de obras. Dobradura. O desenvolvimento dos animais. Animais ovíparos e vivíparos. Animais mamíferos. Animais aquáticos.

Leia mais

Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas

Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas Certificados de qualidade para matrizes homeopáticas Amarilys de Toledo Cesar 1 ; Virgínia Tereza Cegalla 2 Resumo Os medicamentos homeopáticos são manipulados em farmácias, que precisam de matérias primas,

Leia mais

Fatos e Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes, Normas e Valores

Fatos e Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes, Normas e Valores Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA Disciplina: FARMACOBOTÂNICA Professor(es): FÁTIMA MARIA MOTTER MAGRI Carga horária: DRT: 1125359 Código da Disciplina: 061.1303.6

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 12 de setembro de 2014 em 12/09/2014 Economia Ministério da Agricultura reduz estimativa de crescimento do valor bruto

Leia mais

Jornal de Piracicaba Piracicaba, SP, Em 22 de julho de 1990 à página 20. Reencontre seu cão

Jornal de Piracicaba Piracicaba, SP, Em 22 de julho de 1990 à página 20. Reencontre seu cão Jornal de Piracicaba Piracicaba, SP, Em 22 de julho de 1990 à página 20. Reencontre seu cão Em seu artigo publicado na revista americana Dog World de dezembro de 1987, Shannon T. Hiatt alerta todos os

Leia mais

Seja amigo! SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Iniciativa: Apoio:

Seja amigo! SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Iniciativa: Apoio: Bullying, Seja amigo! Iniciativa: Apoio: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO O que é Bullying? É uma prática que compreende todas as atitudes agressivas, intencionais e repetitivas, adotadas, na escola, por

Leia mais

6ª série / 7º ano U. E 05

6ª série / 7º ano U. E 05 6ª série / 7º ano U. E 05 O sistema solar Cada um dos planetas do sistema solar é constituído basicamente dos mesmos elementos e substâncias químicas, embora cada planeta tenha características próprias.

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. Sistema (Conceitos) Sistema (Conceitos) Sistemas de Informação Bancos de Dados

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. Sistema (Conceitos) Sistema (Conceitos) Sistemas de Informação Bancos de Dados TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de Informação Bancos de Dados Paulo Roberto de Lima Carvalho, MSc. Home: www.paulocarvalho.adv.br E-mail: paulocarvalho@paulocarvalho.adv.br Sistema (Conceitos) (...)

Leia mais

Motivando Equipes em Tempos de Crise. Rackel Valadares Maio/2013

Motivando Equipes em Tempos de Crise. Rackel Valadares Maio/2013 Motivando Equipes em Tempos de Crise Rackel Valadares Maio/2013 Motivando Equipes em Tempos de Crise O que é Motivação? August 26, 2013 Slide 2 2009 GXS, Inc. Motivando Equipes em Tempos de Crise Motivação

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 5 - Poluição e Degradação do Solo Professor: Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015 Solo camada

Leia mais

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Fitoterapia e a prática do Nutricionista Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Nutrição Clínica Anos 70 Dietoterapia Hospitalar Anos 80 Dietoterapia em Consultório Anos 90 Fitoquímicos isolados e fitoterápicos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista, atribuindo-lhe competência para, nas modalidades que especifica, prescrever plantas medicinais, drogas vegetais

Leia mais

Uma reflexão sobre A Missão de Deus de Christopher Wright

Uma reflexão sobre A Missão de Deus de Christopher Wright Uma reflexão sobre A Missão de Deus de Christopher Wright A MISSÃO DE DEUS Christopher Wright Christopher Wright faz duas contribuições importantes. Primeiro, ele demonstra que a Bíblia, do início até

Leia mais

Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a. Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG

Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a. Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG Desenvolvimento de Produtos, Inovação e a Pós-Graduação Prof. Dr. João Irineu de Resende Miranda Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI/UEPG Propriedade Intelectual - Conceito A Propriedade

Leia mais

Construção e Energias Renováveis. Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Construção e Energias Renováveis. Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Construção e Energias Renováveis Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

SOLUÇÕES. Curvas de Solubilidade

SOLUÇÕES. Curvas de Solubilidade QUÍMICA SOLUÇÕES 1. INTRODUÇÃO Soluções são misturas homogêneas, ou seja, misturas entre dois ou mais componentes apresentando uma única fase. Exemplos: Água + Álcool Água + Sal + Açucar Curvas de Solubilidade

Leia mais

Atendimento as crianças do Educandário Romão Duarte. Dra. Elisa Bulhões 19/09/15

Atendimento as crianças do Educandário Romão Duarte. Dra. Elisa Bulhões 19/09/15 Atendimento as crianças do Educandário Romão Duarte Dra. Elisa Bulhões 19/09/15 1º CASO A.R.T.S. Sexo feminino Nascimento: 04/02/14 Naturalidade: Rio de Janeiro 1ª Consulta Data: 13/10/14. Com 8 meses.

Leia mais

Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev.

Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev. Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev. OSTEOPREVIX D carbonato de cálcio colecalciferol APRESENTAÇÕES

Leia mais