Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2013 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2014 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito Municipal e do Responsável pelo Controle Interno (Deliberação TCE-RJ nº 164/92 c/c o artigo 7º da Deliberação TCE-RJ nº 180/94 e inciso IX, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96). Obs.: O município que no exercício de 2013 teve como gestor mais de um prefeito municipal deverá enviar os cadastros de todos que em algum momento assumiram este cargo, informando o período de gestão de cada responsável. Declaração informando a data da abertura da Sessão Legislativa da Câmara Municipal no exercício de ESTRUTURA MUNICIPAL Relação informando os Órgãos, as Entidades e os Fundos Especiais da Administração Municipal (Direta e Indireta) existentes no exercício de 2013, citando o número da lei de criação e suas alterações, destacando se as entidades encontravam-se operacionalizadas ou não e se possuíam contabilidade própria (demonstrativos contábeis separados da contabilidade da Prefeitura); Obs. 1: No caso das empresas estatais (empresa pública e sociedade de economia mista), informar se as mesmas encontravam-se na condição de empresas dependentes no exercício de 2013, conforme estabelecido no inciso III do artigo 2º da Lei Complementar Federal nº 101/00. Página 1

2 RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO Relatório do Órgão Central do Controle Interno do Poder Executivo (inciso VIII, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96 e incisos I e II do artigo 74 da Constituição Federal/88), contendo: a) demonstração das alterações orçamentárias efetuadas no exercício de 2013, indicando o orçamento inicial, suas alterações (créditos suplementares, especiais e extraordinários) e o orçamento final, este consoante ao registrado pela contabilidade como despesa total autorizada - anexo 11 - consolidado; b) cumprimento às normas constitucionais e legais, quanto: b.1) à Consolidação das Contas Públicas (inciso III, artigo 50 da LRF c/c o artigo 2º da Del. TCE/RJ nº 199/96); b.2) ao Limite para Abertura de Créditos Adicionais estabelecido na LOA (inciso I do artigo 7º da Lei Federal nº 4.320/64); b.3) à Autorização para Abertura de Créditos Adicionais e à existência das respectivas Fontes de Recursos (inciso V, artigo 167 da CF/88); b.4) aos Limites com Endividamento: Operações de Crédito, Dívida Consolidada Liquida DCL, Concessão de Garantias (Resoluções do Senado Federal n os 40/01 e 43/01); b.5) ao Limite com Gastos com Pessoal (artigo 20 da Lei Complementar Federal nº 101/00); b.6) aos Limites com Gastos em FUNDEB e Educação (artigo 22 da Lei Federal nº /07, artigo 212 da CF/88 e artigos da Lei Orgânica Municipal); b.7) ao Limite com Gasto em Saúde (Emenda Constitucional nº 29/00 c/c o artigo 7º da Lei Complementar nº 141/12 e artigos da Lei Orgânica Municipal); b.8) à Aplicação dos recursos dos Royalties (artigo 8º da Lei Federal nº 7.990/89, alterada pela Lei Federal nº /01, e Lei Federal nº /13); b.9) à Transferência Financeira para a Câmara Municipal (artigo 29-A da CF/88); Página 2

3 b.10) ao Repasse das Contribuições Previdenciárias (artigo 40 da CF/88 c/c o inciso II, artigo 1º da Lei Federal nº 9.717/98); b.11) Outros Aspectos Relevantes (especificar); c) informações acerca das providências adotadas para cumprimento das determinações deste Tribunal contidas no relatório da Prestação de Contas de Administração Financeira do município dos exercícios de 2011 e 2012; d) avaliação do cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a execução dos programas de governo e do orçamento; e) comprovação da legalidade e avaliação dos resultados, quanto à eficácia e eficiência da gestão orçamentária, financeira e patrimonial, nos órgãos e entidades da administração municipal, bem como a aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado; e f) informações a respeito do controle efetuado nas operações de crédito, avais e garantias, bem como dos direitos e haveres do município. EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA LEIS MUNICIPAIS Publicação da Lei do Plano Plurianual PPA, que abrange o exercício de 2013, acompanhada dos respectivos Anexos (inciso I, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96); Publicação da Lei das Diretrizes Orçamentárias LDO, para o exercício de 2013, acompanhada do ANEXO DE METAS FISCAIS e demais elementos (artigo 4º da Lei Complementar Federal n.º 101/00, conforme o inciso II, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96); Publicação da Lei dos Orçamentos Anuais LOA, relativa ao exercício de 2013, acompanhada de todos os seus anexos (artigo 2º da Lei Federal nº 4.320/64 e artigo 5º da Lei Complementar Federal n.º 101/00, inciso III, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96). Página 3

4 DECRETOS DE ABERTURA DE CRÉDITOS ADICIONAIS Relação consolidada, IMPRESSA E EM MEIO MAGNÉTICO (EXCEL), de todos os decretos de abertura de créditos adicionais suplementares (Administração Direta e Indireta), abertos com base em autorização na Lei Orçamentária Anual LOA, podendo ser utilizado o modelo sugerido no QUADRO A.1, em anexo, ou outro demonstrativo, desde que contenha todos os elementos citados no referido Quadro A.1. Relação consolidada, IMPRESSA E EM MEIO MAGNÉTICO (EXCEL), de todos os decretos de abertura de créditos adicionais suplementares, especiais e extraordinários (Administração Direta e Indireta), abertos com base nas demais leis autorizativas, podendo ser utilizado o modelo sugerido no QUADRO A.2, em anexo, ou outro demonstrativo, desde que contenha todos os elementos citados no referido Quadro A.2. Obs.: Caso o município tenha aberto créditos adicionais somente com base na LOA, deverá ser apresentada Declaração quanto à inexistência de abertura de Créditos por leis específicas. Páginas originais legíveis dos periódicos onde constem as publicações dos Decretos (inciso IV, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96). Páginas originais legíveis dos periódicos onde constem as publicações das respectivas Leis Autorizativas (inciso IV, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96). Caso sejam abertos créditos adicionais extraordinários, encaminhar: - Publicação do Decreto Municipal que declarou situação caracterizada como estado de calamidade pública; - Publicação do Decreto Estadual que homologou o estado de calamidade pública; - Elementos que comprovem que a Câmara Municipal tomou ciência dos Decretos que abriram crédito adicional extraordinário. Para os créditos adicionais abertos em 2013, com base em leis autorizativas promulgadas nos últimos quatro meses do exercício de 2012, enviar documentação contábil comprovando que as dotações orçamentárias abertas no exercício de 2013 não foram efetivamente utilizadas em Página 4

5 Obs. 1: Encaminhar somente as páginas onde estão presentes as publicações dos decretos e das leis autorizativas, não sendo necessária a remessa integral do periódico. Obs. 2: Para os créditos adicionais abertos com base em fonte de recurso de superávit do exercício anterior (2012), deverão os respectivos decretos estar acompanhados da documentação comprobatória do referido superávit, como o balancete contábil registrando o total do ATIVO e do PASSIVO de cada FONTE utilizada, nos moldes do QUADRO B, em anexo. Relação informando os códigos e as descrições das FONTES DE RECUROS utilizadas pelo município (Impostos e Transferências de Impostos, Próprios/Ordinários, FUNDEB, FNDE, SUS, ROYALTIES, etc.). Cópias das Atas das Audiências Públicas realizadas até o final dos meses de fevereiro/2013, maio/2013 e setembro/2013 (parágrafo único, inciso I, artigo 8º da Deliberação TCE-RJ nº 218/00). DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Encaminhar os demonstrativos relacionados, a seguir, organizados por Órgão/Entidade (artigo 101 da Lei Federal nº 4.320/64): CONSOLIDADO, abrangendo todos os Órgãos, Entidades e Fundos Especiais da Administração Direta e Indireta do Município, incluindo os dados do Poder Legislativo e das Empresas Estatais Dependentes: ANEXO 2 - Demonstração da Receita e Natureza da Despesa segundo as categorias econômicas - Adendo III: ANEXO 7 - Programa de Trabalho de Governo - Demonstrativo de Funções, Programas e Subprogramas por Projetos e Atividades - Adendo VI; Página 5

6 ANEXO 8 - Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas conforme o vínculo com os recursos - Adendo VII; ANEXO 10 - Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada; ANEXO 11 - Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada; ANEXO 12 - Balanço Orçamentário; ANEXO 13 - Balanço Financeiro; ANEXO 14 - Balanço Patrimonial; ANEXO 15 - Demonstração das Variações Patrimoniais; ANEXO 16 - Demonstrativo da Dívida Fundada Interna; ANEXO 17 - Demonstrativo da Dívida Flutuante. PREFEITURA MUNICIPAL ANEXO 2 - Demonstração da Receita e Natureza da Despesa segundo as categorias econômicas - Adendo III; ANEXO 6 - Programa de Trabalho - Adendo V; ANEXO 7 - Programa de Trabalho de Governo - Demonstrativo de Funções, Programas e Subprogramas por Projetos e Atividades - Adendo VI; ANEXO 8 - Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas conforme o vínculo com os recursos - Adendo VII; ANEXO 10 - Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada; ANEXO 11 - Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada; ANEXO 12 - Balanço Orçamentário; ANEXO 13 - Balanço Financeiro; ANEXO 14 - Balanço Patrimonial; ANEXO 15 - Demonstração das Variações Patrimoniais; Página 6

7 ANEXO 16 - Demonstrativo da Dívida Fundada Interna; ANEXO 17 - Demonstrativo da Dívida Flutuante. CÂMARA MUNICIPAL ANEXO 2 - Demonstração da Receita e Natureza da Despesa segundo as categorias econômicas - Adendo III; ANEXO 6 - Programa de Trabalho - Adendo V; ANEXO 7 - Programa de Trabalho de Governo - Demonstrativo de Funções, Programas e Subprogramas por Projetos e Atividades - Adendo VI; ANEXO 8 - Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas conforme o vínculo com os recursos - Adendo VII; ANEXO 11 - Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada; ANEXO 12 - Balanço Orçamentário; ANEXO 13 - Balanço Financeiro; ANEXO 14 - Balanço Patrimonial; ANEXO 15 - Demonstração das Variações Patrimoniais; ANEXO 16 - Demonstrativo da Dívida Fundada Interna; ANEXO 17 - Demonstrativo da Dívida Flutuante. De cada AUTARQUIA e FUNDAÇÃO PÚBLICA que compõem a Administração Municipal ANEXO 8 - Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas conforme o vínculo com os recursos - Adendo VII; ANEXO 10 - Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada; ANEXO 11 - Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada; ANEXO 12 - Balanço Orçamentário; ANEXO 13 - Balanço Financeiro; Página 7

8 ANEXO 14 - Balanço Patrimonial; ANEXO 15 - Demonstração das Variações Patrimoniais; ANEXO 16 - Demonstrativo da Dívida Fundada Interna; ANEXO 17 - Demonstrativo da Dívida Flutuante. De cada FUNDO ESPECIAL que compõe a Administração Municipal ANEXO 8 - Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas conforme o vínculo com os recursos - Adendo VII; ANEXO 10 - Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada; ANEXO 11 - Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada; ANEXO 12 - Balanço Orçamentário; ANEXO 13 - Balanço Financeiro; ANEXO 14 - Balanço Patrimonial; ANEXO 15 - Demonstração das Variações Patrimoniais; ANEXO 16 - Demonstrativo da Dívida Fundada Interna; ANEXO 17 - Demonstrativo da Dívida Flutuante. De cada EMPRESA PÚBLICA e SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA que compõem a Administração Municipal Balanço Patrimonial (inciso I, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais n os /07 e /09); Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados (inciso II, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nos /07 e /09); Demonstração do Resultado do Exercício, (inciso III, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nos /07 e /09); Demonstração dos Fluxos de Caixa, se for o caso (inciso IV, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nos /07 e /09); Página 8

9 Se companhia aberta, Demonstração do Valor Adicionado (inciso V, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais n os /07 e /09); Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis ( 4º, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nos /07 e /09); Parecer de Auditoria, quando for o caso. Obs.: Os Demonstrativos Contábeis Consolidados devem estar assinados pelo Prefeito Municipal e pelo Contador responsável. Os demais demonstrativos devem estar assinados pela autoridade responsável pelo Órgão ou Entidade, bem como pelo respectivo contador. DÍVIDA PÚBLICA Relação das Operações de Crédito, das Operações de Crédito por Antecipação de Receita (ARO) e das Garantias e Contragarantias de Valores, contendo a identificação da instituição financeira, a data da celebração da operação, o número do contrato correspondente, o valor contraído e seu objeto/finalidade; Cópias das publicações das leis que autorizaram a realização das operações de crédito no exercício. Obs.: Caso não tenha sido realizada qualquer operação, encaminhar declaração expressa da inexistência das mesmas. GASTOS COM EDUCAÇÃO Demonstrativo Consolidado extraído do Sistema Contábil do Município evidenciando o total das despesas realizadas no ENSINO por função (12 - Educação) e por SUBFUNÇÃO (361, 365, etc.), EMPENHADAS, LIQUIDADAS e PAGAS, realizadas com as seguintes fontes de recursos: Página 9

10 A) IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS (no caso de o município utilizar somente a fonte Ordinários/Próprios, informar em Nota Explicativa) B) FUNDEB, informando separadamente: - A parcela referente à remuneração dos profissionais do magistério (60%); - A parcela referente às demais despesas (40%). C) Demais fontes de recursos: - FNDE; - Royalties; - Convênios; - Outras Fontes Obs. 1: Atentar que o somatório das despesas empenhadas em cada Fonte (itens A, B, C) deve guardar paridade com o total das despesas empenhadas registradas no Anexo 08 Consolidado Demonstrativo da Despesa por funções, programas e subprogramas conforme o vínculo com os recursos da Função 12; Obs. 2: No caso de existência de gastos em subfunção atípica especificar a modalidade de ensino correspondente, a exemplo: Despesas na função 12, subfunção 122: Demonstrar o montante correspondente ao ensino fundamental, médio, profissional, superior, infantil, jovens e adultos e especial; Obs. 3: No caso de existência de gastos nas subfunções 366 Educação de Jovens e Adultos e 367 Educação Especial especificar a modalidade de ensino correspondente: ensino fundamental, médio, infantil, etc.; Obs. 4: Os Demonstrativos devem estar assinados pelo Prefeito, Contador e Responsável pelo Controle Interno. Relações, uma para a fonte de recursos IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS e outra para a fonte FUNDEB, contendo os cancelamentos de Restos a Pagar (Função 12) realizados no exercício de 2014 até a data da entrega da Prestação de Contas, relativos ao exercício de Obs.: Caso não tenha sido realizado qualquer cancelamento no exercício de 2014 relativo a restos a pagar de 2013, encaminhar declaração expressa da inexistência do mesmo. Página 10

11 FUNDEB Quanto à Execução Orçamentária: Relação dos decretos, contendo data, número e valor, referente aos créditos adicionais abertos com base em fonte de recurso do superávit financeiro da conta FUNDEB do exercício anterior (2012), se for o caso. Quanto à Movimentação Financeira/Patrimonial: Balancete Contábil de verificação da conta FUNDEB em 31/12/2013, nos moldes do Quadro C, em anexo; Conciliação bancária da conta FUNDEB em 31/12/2013; Extratos bancários da conta FUNDEB do ano de 2013 (01/01/2013 a 31/12/2013); Relação dos Restos a Pagar (do exercício de 2013 e de exercícios anteriores) do FUNDEB, porventura existentes em 31/12/2013; Relação das Consignações e outros passivos do FUNDEB porventura existentes em 31/12/2013; Demonstrativo evidenciando a movimentação financeira dos recursos do FUNDEB, na forma disposta no Quadro D, em anexo; Cancelamento de passivos financeiros (Restos a Pagar, Consignações e outros passivos) efetuados no exercício de 2013; Obs.: Caso não tenha sido efetuado qualquer cancelamento, encaminhar declaração expressa da inexistência de cancelamentos. Parecer emitido pelo Conselho de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB, a propósito da repartição, transferência e aplicação dos recursos do FUNDEB, abrangendo todo o exercício de 2013 (artigo 24 da Lei nº /07). Obs.: Atentar que o Parecer deve conter a assinatura dos membros do Conselho. Página 11

12 GASTOS COM SAÚDE Demonstrativo Consolidado, extraído do Sistema Contábil do Município, evidenciando o total das despesas realizadas em ações e serviços públicos de SAÚDE - ASPS (FUNÇÃO 10), independente da fonte de recurso, segregadas em despesas EMPENHADAS, LIQUIDADAS e PAGAS, acompanhado do Quadro E, em anexo. Obs. 1: Atentar que o total do Demonstrativo, referente às despesas EMPENHADAS, deve guardar paridade com o total evidenciado nos demonstrativos contábeis, mais especificamente, o Anexo 08 Consolidado Demonstrativo da Despesa por funções, programas e subprogramas conforme o vínculo com os recursos da Função 10. Obs. 2: Atentar que os demonstrativos apresentados devem evidenciar as despesas em ações e serviços públicos de SAÚDE - ASPS, TOTALIZADAS por Grupo de Natureza de Despesa GND, quais sejam: 1 - Pessoal e Encargos Sociais; 2 - Juros e Encargos da Dívida; 3 - Outras Despesas Correntes; 4 - Investimentos; 5 - Inversões Financeiras; 6 - Amortização da Dívida. Demonstrativo Consolidado, extraído do Sistema Contábil do Município, evidenciando o total das despesas EMPENHADAS, LIQUIDADAS e PAGAS, em ações e serviços público de SAÚDE - ASPS (função 10), custeadas com a fonte de recursos de IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS. Obs. 1: No caso do município utilizar somente a fonte Ordinários/Próprios, informar em Nota Explicativa. Demonstrativo Consolidado, extraído do Sistema Contábil do Município, evidenciando o total das despesas EMPENHADAS, LIQUIDADAS e PAGAS, em ações e serviços público de SAÚDE - ASPS (função 10), custeadas com as demais fontes de recursos: SUS, Operações de Crédito, ROYALTIES e outras Receitas Vinculadas. Página 12

13 Balancete Contábil de verificação, nos moldes do QUADRO F, em anexo, demonstrando a disponibilidade financeira e obrigações do Fundo Municipal de Saúde - FMS, bem como de outras Unidades Gestoras, se for o caso, na fonte de recurso: IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS, acompanhado dos seguintes documentos comprobatórios: Conciliação bancária em 31/12/2013; Extrato bancário da conta movimento, referente ao mês de dezembro de 2013; Relação de Restos a Pagar (Processados e Não Processados) existentes em 31/12/2013 Relação das Consignações/DDO e outros passivos financeiros, se for o caso, existentes em 31/12/2013 Obs. 1: TODOS os Demonstrativos devem estar assinados pelo Prefeito, Contador e Responsável pelo Controle Interno; Obs. 2: No caso do município utilizar somente a fonte Ordinários/Próprios, informar em Nota Explicativa. Demonstrativo informando as despesas EMPENHADAS, LIQUIDADAS e PAGAS, em ações e serviços públicos de SAÚDE - ASPS, realizadas com recursos de IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS, conforme Plano Municipal de Saúde e Lei Complementar Federal nº 141/12, na forma do QUADRO G, em anexo; Atas das Audiências Públicas realizadas nos meses de fevereiro/2013, maio/2013 e setembro/2013, nas quais foram apresentados, pelo gestor do SUS, Relatórios detalhados referente ao quadrimestre anterior ( 5 o e caput do artigo 36 da Lei Complementar n. 141/12); Parecer do Conselho Municipal de Saúde quanto à fiscalização da aplicação dos recursos destinados às ações e serviços públicos de saúde, abrangendo todo o exercício de 2013 ( 3º, artigo 77 do ADCT c/c 3º, artigo 36 da Lei Complementar n. 141/12). Obs.: Atentar que o parecer deve conter a assinatura dos membros do Conselho. Relação contendo os cancelamentos de Restos a Pagar (Função 10) da fonte de recursos de IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS, realizados no exercício de 2014 até a data da entrega da Prestação de Contas, relativos ao exercício de Página 13

14 Obs.: Caso não tenha sido realizado qualquer cancelamento no exercício de 2014, relativo a restos a pagar de 2013 (Função 10), encaminhar declaração expressa da inexistência do mesmo. ROYALTIES Demonstrativo Consolidado extraído do Sistema Contábil do Município evidenciando os montantes das despesas EMPENHADAS, LIQUIDADAS e PAGAS no exercício de 2013, por Grupo de Natureza de Despesa GND e por Fonte de Recurso utilizada: Grupo de Natureza de Despesa - GND: 1 - Pessoal e Encargos Sociais; 2 - Juros e Encargos da Dívida; 3 - Outras Despesas Correntes; 4 Investimentos; 5 - Inversões Financeiras; 6 - Amortização da Dívida. Fontes de Recursos: 1 - Transferência da União, divididas em: Compensação Financeira de Recursos Hídricos; Compensação Financeira de Recursos Minerais; Compensação Financeira pela Exploração do Petróleo, Xisto e Gás Natural, discriminado por: Royalties pela Produção; Royalties pelo Excedente da Produção; Participação Especial; Fundo Especial do Petróleo; 2 - Transferência do Estado; 3 - Outras Compensações Financeiras; 4 - Aplicações Financeiras; 5 Lei Federal nº /13 (se for o caso). Página 14

15 Obs: os demonstrativos devem evidenciar as despesas realizadas em cada fonte de recurso. Demonstrativo extraído do Sistema Contábil do Município informando o valor recebido a título de Royalties do Petróleo previsto na Lei Federal nº /13 ou declaração de não recebimento dessa receita; Demonstrativo extraído do Sistema Contábil do Município informando os valores EMPENHADOS, LIQUIDADOS e PAGOS nas Funções 10 (saúde) e 12 (educação) com os recursos dos Royalties previstos na Lei Federal nº /13; Demonstrativo extraído do Sistema Contábil do Município informando o montante dos recursos financeiros dos Royalties repassados ao RPPS para capitalização do Instituto; Demonstrativo extraído do Sistema Contábil do Município informando o montante dos recursos financeiros dos Royalties repassados ao RPPS não destinados à capitalização. Obs.: Encaminhar declaração expressa no caso de não ter ocorrido repasse de recursos financeiros dos royalties para o RPPS. Demonstrativo Consolidado extraído do Sistema Contábil do Município informando as despesas empenhadas no exercício de 2013 por FUNÇÃO e por SUBFUNÇÃO, custeadas com Royalties. Obs. : Atentar que o total das despesas empenhadas informado em cada um dos dois Demonstrativos citados anteriormente deve guardar paridade entre si. REPASSE FINANCEIRO À CÂMARA MUNICIPAL Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada Consolidado, referente ao exercício de ANEXO 10 da Lei Federal nº 4.320/64, conforme artigo 101 do mesmo diploma legal; Cópia do comprovante de devolução da sobra financeira efetuada pela Câmara Municipal à Prefeitura, se for o caso. Página 15

16 RELATÓRIO DE ATIVIDADES TRIBUTÁRIAS Relatório contendo as providências adotadas no âmbito da fiscalização das receitas e combate à sonegação, as ações de recuperação de créditos nas instâncias administrativa e judicial, bem como as demais medidas para incremento das receitas tributárias e de contribuições (artigo 58 da Lei Complementar Federal nº 101/00). CHECKLIST Em anexo checklist (Quadro H) para auxiliar a elaboração do processo de Prestação de Contas de Administração Financeira, no qual o jurisdicionado poderá indicar os documentos encaminhados ao Tribunal e as folhas onde os mesmos se encontram. Cabe ressaltar que todos os documentos do Poder Executivo deverão estar assinados pelos Responsáveis Página 16

17 DECRETO Nº DATA DA PUBLICAÇÃO DO DECRETO QUADRO A.1 - LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL - LOA Nº SUPERÁVIT FONTES DE RECURSO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO CONVÊNIOS OUTROS ANULAÇÃO OPERAÇÕES DE CRÉDITO EXCEÇÕES PREVISTAS NA LOA (nota explicativa) TOTAL - R$ a b c d e QUADRO A.2 - LEIS ESPECÍFICAS LEI AUTORIZATIVA Nº/ANO DECRETO Nº DATA DA PUBLICAÇÃO DO DECRETO SUPERÁVIT FONTE DE RECURSO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO CONVÊNIOS OUTROS ANULAÇÃO OPERAÇÕES DE CRÉDITO TIPO DE CRÉDITO* TOTAL f g h i j * S - Suplementar E - Especial Ex - Extraordinário DESCRIÇÃO VALOR (R$) VALOR (R$) (1) Orçamento Inicial - LOA Valor previsto na LOA (2) Alterações = ( ) 2.1 -Créditos Extraordinários Somatório das letras a, b, c, d, e, f, g, h, i, j Créditos Suplementares Créditos Especiais (3) Anulações de Dotações (deduzir) Somatório das letras d, i (4) ORÇAMENTO FINAL APURADO (1+2-3) Total Contabilizado (anexo 11 Consolidado) Deve ser igual ao valor contabilizado registrado no total das despesas autorizadas do anexo 11 - consolidado Assinatura do Prefeito Assinatura do Contador - CRC/RJ Assinatura do Controle Interno Página 17

18 QUADRO B BALANCETE CONTÁBIL DE VERIFICAÇÃO EM 31/12/2012 Conta Vinculada: Decretos Relacionados: n os 1 ATIVO Circulante/Financeiro PASSIVO Circulante/Financeiro Disponibilidades 2 Obrigações 3 Superávit 4 Total Total Contador-CRC Controle Interno Notas: 1 Nome e número da conta corrente vinculada utilizada como fonte de recurso quando da abertura do Crédito Adicional, relacionando os decretos referentes aos créditos que foram abertos em razão desse superávit; 2 Saldo financeiro conciliado (contábil) da conta corrente em 31/12/2012; 3 Saldo das obrigações porventura existentes em 31/12/2012 Restos a Pagar e Outros Passivos; 4 Informar o superávit financeiro existente (2-3). Página 18

19 QUADRO C BALANCETE CONTÁBIL DE VERIFICAÇÃO EM 31/12/2013 Conta FUNDEB nº ATIVO Circulante/Financeiro PASSIVO Circulante/Financeiro Disponibilidades 1 2 Obrigações Déficit 3 Superávit 4 Total Total Contador-CRC Controle Interno Notas: 1 Saldo financeiro conciliado (contábil) da conta corrente do FUNDEB em 31/12/2013 (anexar conciliação bancária acompanhada do extrato da respectiva conta corrente); 2 Saldo das obrigações existentes em 31/12/2013 Restos a Pagar, Consignações e Outros Passivos (anexar a respectiva relação); 3 Informar, se for o caso, o déficit financeiro existente (2-1); ou 4 Informar, se for o caso, o superávit financeiro existente (1-2). Página 19

20 QUADRO D FUNDEB MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA - EXERCÍCIO DE 2013 C/C nº VALOR - R$ I Saldo Financeiro Conciliado (contábil) do Exercício Anterior (31/12/2012) ENTRADAS II Recursos Recebidos do FUNDEB III Receitas de Aplicações Financeiras IV Créditos Referentes a Consignações (se for o caso) V Outros Créditos (especificar em Nota Explicativa) VI Total dos Recursos Financeiros (I+II+III+IV+V) - SAÍDAS VII Despesa Orçamentária Paga Exclusivamente com Recursos do FUNDEB VIII Restos a Pagar pagos Exclusivamente com Recursos do FUNDEB IX Consignações Pagas Exclusivamente com Recursos do FUNDEB (se for o caso) X Outros Débitos (especificar em Nota Explicativa) XI Total de Despesas Pagas (VII+VIII+IX+X) - XII Saldo Financeiro Apurado (VI-XI) - XIII Saldo Financeiro Conciliado (contábil) registrado em 31/12/2013 XIV Diferença Apurada (caso ocorra apresentar razões em Nota Explicativa) (XII-XIII) - OBS: devem ser anexados os documentos contábeis relativos aos itens IV, V, VIII, IX, X, XIV NOTAS EXPLICATIVAS: Prefeito Municipal Contador Controle Interno Página 20

21 QUADRO E Exercício de 2013 TOTAL DAS DESPESAS REALIZADAS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE - ASPS DESCRIÇÃO DESPESA EMPENHADA DESPESA LIQUIDADA DESPESA PAGA PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA OUTRAS DESPESAS CORRENTES INVESTIMENTOS INVERSÕES FINANCEIRAS AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA TOTAL Obs.: Neste Quadro incluir as despesas gerais na função 10 - Saúde, independente da fonte de recurso. Prefeito Municipal Contador Controle Interno Página 21

22 QUADRO F BALANCETE DE VERIFICAÇÃO EM 31/12/2013 RECURSOS DE IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIA DE IMPOSTOS DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE - FMS ATIVO FINANCEIRO PASSIVO FINANCEIRO DISPONIBILIDADES DDO/CONSIGNAÇÕES RP PROCESSADOS RP PROCESSADOS ANOS ANTERIORES RP NÃO PROCESSADOS RP NÃO PROCESSADOS ANOS ANTERIORES OUTROS PASSIVOS FINANCEIROS DEFICIT SUPERÁVIT TOTAL TOTAL (no caso de o município utilizar somente a fonte Ordinários/Próprios, informar em Nota Explicativa) Prefeito Municipal Contador Controle Interno OBS.: Caso tenha ocorrido a aplicação de recursos de impostos e transferências de impostos na Função 10 (Saúde) por outras Unidades Gestoras, além do FMS, atentar para a elaboração de um Quandro F para cada Unidade. Página 22

23 QUADRO G DESPESAS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE REALIZADAS COM RECURSOS DE IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS EM 2013, CONFORME PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE E LC nº 141/12 I II Art. 3º - Lei Complementar Federal nº 141/12 vigilância em saúde, incluindo a epidemiológica e a sanitária atenção integral e universal à saúde em todos os níveis de complexidade, incluindo assistência terapêutica e recuperação de deficiências nutricionais EMPENHADAS R$ LIQUIDADAS R$ PAGAS R$ III capacitação do pessoal de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) IV desenvolvimento científico e tecnológico e controle de qualidade promovidos por instituições do SUS V produção, aquisição e distribuição de insumos específicos dos serviços de saúde do SUS, tais como: imunobiológicos, sangue e hemoderivados, medicamentos e equipamentos médico-odontológicos VI saneamento básico de domicílios ou de pequenas comunidades, desde que seja aprovado pelo Conselho de Saúde do ente da Federação financiador da ação e esteja de acordo com as diretrizes das demais determinações previstas nesta Lei Complementar VII saneamento básico dos distritos sanitários especiais indígenas e de comunidades remanescentes de quilombos VIII IX X XI XII manejo ambiental vinculado diretamente ao controle de vetores de doenças investimento na rede física do SUS, incluindo a execução de obras de recuperação, reforma, ampliação e construção de estabelecimentos públicos de saúde remuneração do pessoal ativo da área de saúde em atividade nas ações de que trata este artigo, incluindo os encargos sociais ações de apoio administrativo realizadas pelas instituições públicas do SUS e imprescindíveis à execução das ações e serviços públicos de saúde gestão do sistema público de saúde e operação de unidades prestadoras de serviços públicos de saúde Subtotal Outras Despesas, se houver (especificar) TOTAL DAS DESPESAS REALIZADAS COM RECURSOS DE IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS OBS: o total apontado no quadro acima deve ser compatível com o valor registrado pela contabilidade, referente aos gastos com ações e serviços públicos de saúde realizados com recursos de impostos e transferências de impostos Prefeito Municipal Contador Controle Interno Página 23

24 QUADRO H MUNICÍPIO Elementos Apresentação S N N/A Fls. Responsabilização Cadastros do Prefeito Municipal e do Responsável pelo Controle Interno, na forma da Deliberação TCE-RJ nº 164/92 c/c o artigo 7º da Deliberação TCE-RJ nº 180/94 e inciso IX, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96. Obs.: O município que no exercício de 2013 foi gerido por mais de um prefeito municipal deverá enviar os cadastros de todos que em algum momento assumiram este cargo, informando o período de gestão de cada responsável. Documento informando a data da abertura da Sessão Legislativa do exercício de Publicação da Lei das Diretrizes Orçamentárias - LDO, para o exercício de 2013, acompanhada do ANEXO DE METAS FISCAIS e demais elementos previstos no artigo 4º da Lei Complementar Federal nº 101/00, conforme o inciso II, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96. Publicação da Lei dos Orçamentos Anuais - LOA, relativa ao exercício de 2013, acompanhada de todos os seus anexos previstos no artigo 2º da Lei Federal nº 4.320/64 e artigo 5º da Lei Complementar Federal nº 101/00, conforme o inciso III, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96. Relação consolidada, IMPRESSA E EM MEIO MAGNÉTICO (EXCEL), de todos os decretos de abertura de créditos adicionais suplementares, especiais e extraordinários (Administração Direta e Indireta), abertos com base nas demais leis autorizativas, podendo ser utilizado o modelo sugerido no QUADRO A.2 ou outro demonstrativo, desde que contenha todos os elementos citados no referido Quadro A.2. Obs.: Caso o município tenha aberto créditos adicionais somente com base na LOA, deverá ser apresentada Declaração quanto à inexistência de abertura de Créditos por leis específicas. Páginas originais legíveis dos periódicos onde constem as publicações dos Decretos e das respectivas Leis Autorizativas, conforme o inciso IV, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96. Para os créditos adicionais abertos com base em fonte de recurso de superávit financeiro do exercício anterior (2012), deverão os respectivos decretos estar acompanhados da documentação comprobatória do referido superávit, como o balancete contábil registrando o total do ATIVO e do PASSIVO de cada FONTE utilizada, nos moldes do Quadro B. Caso sejam abertos créditos adicionais extraordinários, encaminhar: Publicação do Decreto Municipal que declarou situação caracterizada como estado de calamidade pública; Publicação do Decreto Estadual que homologou o estado de calamidade pública; Estrutura Municipal Relação informando os Órgãos, as Entidades e os Fundos Especiais da Administração Municipal (Direta e Indireta) no exercício de 2013, citando o número da lei de criação e suas alterações, destacando se as entidades encontravam-se operacionalizadas ou não e se possuíam contabilidade própria (demonstrativos contábeis separados da contabilidade da Prefeitura). Obs.: No caso das empresas estatais (empresa pública e sociedade de economia mista), informar se as mesmas encontravam-se na condição de empresas dependentes no exercício de 2013, conforme estabelecido no inciso III do artigo 2º da Lei Complementar Federal nº 101/00. Relatório do Controle Interno Relatório do Órgão Central do Controle Interno do Poder Executivo, conforme o inciso VIII, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96 e incisos I e II do artigo 74 da Constituição Federal/88, contendo as informações solicitadas no Ofício-Cirular. Execução Orçamentária Publicação da Lei do Plano Plurianual - PPA -, que abrange o exercício de 2013, acompanhada dos respectivos Anexos, conforme o inciso I, artigo 3º da Deliberação TCE-RJ nº 199/96. Relação consolidada, IMPRESSA E EM MEIO MAGNÉTICO (EXCEL), de todos os decretos de abertura de créditos adicionais suplementares (Administração Direta e Indireta), abertos com base em autorização na Lei Orçamentária Anual LOA, podendo ser utilizado o modelo sugerido no QUADRO A.1 ou outro demonstrativo, desde que contenha todos os elementos citados no referido Quadro A.1. Elementos que comprovem que a Câmara Municipal tomou ciência dos Decretos que abriram crédito adicional extraordinário. Para os créditos adicionais abertos em 2013, com base em leis autorizativas promulgadas nos últimos quatro meses do exercício de 2012, enviar documentação contábil comprovando que as dotações orçamentárias abertas no exercício de 2013 não foram efetivamente utilizadas em Relação informando os códigos e as descrições das fontes de recursos utilizadas pelo município (Impostos e Transferências de Impostos, Próprios/Ordinários, FUNDEB, FNDE, SUS, ROYALTIES, etc.). Cópias das Atas das Audiências Públicas realizadas até o final dos meses de fevereiro/2013, maio/2013 e setembro/2013, conforme parágrafo único, inciso I, artigo 8º da Deliberação TCE-RJ nº 218/00. Página 24

25 a) Demonstrativos Consolidados Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada - Anexo 10 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Financeiro - Anexo 13 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Dívida Fundada Interna - Anexo 16 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Dívida Flutuante - Anexo 17 da Lei Federal nº 4.320/64. b) Prefeitura Municipal Programa de Trabalho - Anexo 06 da Lei Federal nº 4.320/64. Programa de Trabalho de Governo - Demonstrativo de Funções, Programas e Subprogramas por Projetos e Atividades - Anexo 07 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas, conforme o vínculo com os recursos - Anexo 8 da Lei Federal nº 4.320/64. Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada - Anexo 10 da Lei Federal nº 4.320/64. Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada - Anexo 11 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Orçamentário - Anexo 12 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Financeiro - Anexo 13 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Patrimonial - Anexo 14 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Dívida Fundada Interna - Anexo 16 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Dívida Flutuante - Anexo 17 da Lei Federal nº 4.320/64. c) Câmara Municipal Demonstração da Receita e Natureza da Despesa segundo as Categorias Econômicas - Anexo 02 da Lei Federal nº 4.320/64. Programa de Trabalho - Anexo 06 da Lei Federal nº 4.320/64. Programa de Trabalho de Governo - Demonstrativo de Funções, Programas e Subprogramas por Projetos e Atividades - Anexo 07 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas, conforme vínculo de Recursos - Anexo 08 da Lei Federal nº 4.320/64. Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada - Anexo 11 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Orçamentário - Anexo 12 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Financeiro - Anexo 13 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Patrimonial - Anexo 14 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Dívida Fundada Interna - Anexo 16 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Divida Flutuante - Anexo 17 da Lei Federal nº 4.320/64. d) Autarquias e Fundações Públicas d.1) Demonstrativos Contábeis (Lei Federal nº 4.320/64 e Lei Federal nº 6.404/76 alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09) Demonstração da Receita e Natureza da Despesa segundo as Categorias Econômicas - Anexo 02 da Lei Federal nº 4.320/64. Programa de Trabalho de Governo - Demonstrativo de Funções, Programas e Subprogramas por Projetos e Atividades - Anexo 7 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas, conforme o vínculo com os recursos - Anexo 8 da Lei Federal nº 4.320/64. Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada - Anexo 11 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Orçamentário - Anexo 12 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Patrimonial - Anexo 14 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstração da Receita e Natureza da Despesa segundo as Categorias Econômicas - Anexo 02 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas, conforme vínculo de Recursos - Anexo 08 da Lei Federal nº 4.320/64. Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada - Anexo 10 da Lei Federal nº 4.320/64. Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada - Anexo 11 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Orçamentário - Anexo 12 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Financeiro - Anexo 13 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Patrimonial - Anexo 14 da Lei Federal nº 4.320/64. Página 25

26 Demonstração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Dívida Fundada Interna - Anexo 16 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Divida Flutuante - Anexo 17 da Lei Federal nº 4.320/64. e) Fundos Especiais e.1) Demonstrativo da Despesa por Funções, Programas e Subprogramas, conforme vínculo de Recursos - Anexo 08 da Lei Federal nº 4.320/64. Comparativo da Receita Orçada com a Arrecadada - Anexo 10 da Lei Federal nº 4.320/64. Comparativo da Despesa Autorizada com a Realizada - Anexo 11 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Orçamentário - Anexo 12 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Financeiro - Anexo 13 da Lei Federal nº 4.320/64. Balanço Patrimonial - Anexo 14 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Dívida Fundada Interna - Anexo 16 da Lei Federal nº 4.320/64. Demonstrativo da Divida Flutuante - Anexo 17 da Lei Federal nº 4.320/64. f) Empresas Públicas f.1) Balanço Patrimonial, conforme o inciso I, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados, conforme o inciso II, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Obs.: A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados poderá ser incluída na demonstração das mutações do patrimônio líquido, se elaborada e publicada pela companhia. Demonstração do Resultado do Exercício, conforme o inciso III, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Demonstração dos Fluxos de Caixa, conforme o inciso IV, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Obs.: A companhia fechada com patrimônio líquido, na data do balanço, inferior a R$ ,00 não será obrigada à elaboração e publicação da demonstração dos fluxos de caixa. Demonstração do Valor Adicionado, se companhia aberta, conforme o inciso V, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis, conforme o 4º, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Parecer de Auditoria, quando for o caso. g) Sociedades de Economia Mista g.1) Balanço Patrimonial, conforme o inciso I, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados, conforme o inciso II, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Obs.: A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados poderá ser incluída na demonstração das mutações do patrimônio líquido, se elaborada e publicada pela companhia. Demonstração do Resultado do Exercício, conforme o inciso III, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Demonstração dos Fluxos de Caixa, conforme o inciso IV, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Obs.: A companhia fechada com patrimônio líquido, na data do balanço, inferior a R$ ,00 não será obrigada à elaboração e publicação da demonstração dos fluxos de caixa. Demonstração do Valor Adicionado, se companhia aberta, conforme o inciso V, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis, conforme o 4º, artigo 176 da Lei Federal nº 6.404/76, alterada pelas Leis Federais nº /07 e /09. Parecer de Auditoria, quando for o caso. Página 26

27 Dívida Pública Relação das Operações de Crédito, das Operações de Crédito por Antecipação de Receita (ARO) e das Garantias e Contragarantias de Valores, contendo a identificação da instituição financeira, a data da celebração da operação, o número do contrato correspondente, o valor contraído e seu objeto/finalidade. Obs.: Caso não tenha sido realizada qualquer operação, encaminhar declaração expressa da inexistência da mesma. Cópias das publicações das leis que autorizaram a realização das operações de crédito no exercício. Gastos com Educação Demonstrativo Consolidado extraído do Sistema Contábil do Município evidenciando o total das despesas realizadas no ENSINO (função 12 - Educação), por SUBFUNÇÃO (361, 365, etc.), empenhadas, liquidadas e pagas com fonte de recursos de IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS, FUNDEB e demais fontes de recursos (FNDE, Royalties, Covênios e outras fontes), informando ainda: - A parcela referente à despesa empenhada com recursos do FUNDEB, referente à remuneração dos profissionais do magistério (60%) da educação básica em efetivo exercício na rede pública; - A parcela referente às despesas empenhadas com recursos do FUNDEB, referente às demais despesas (40%). Obs.: Em relação à fonte de recursos de IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS, no caso do município utilizar somente a fonte Relações contendo os cancelamentos de Restos a Pagar (Função 12) da fonte de recursos de IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS e do FUNDEB, realizados no exercício de 2014 até a data da entrega da Prestação de Contas, relativos ao exercício de Obs.: Caso não tenha sido realizado qualquer cancelamento no exercício de 2014 relativos a restos a pagar de 2013, encaminhar declaração expressa da inexistênciados mesmos. FUNDEB EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA Relação dos decretos, contendo data, número e valor, referente aos créditos adicionais abertos com base em fonte de recurso do superávit financeiro da conta FUNDEB do exercício anterior (2012), se for o caso. MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA/PATRIMONIAL Balancete Contábil de verificação da conta corrente FUNDEB em 31/12/2013, nos moldes do Quadro C. Conciliações bancárias da conta corrente FUNDEB em 31/12/2013. Extratos bancários da conta corrente FUNDEB de 01-janeiro-2013 a 31-dezembro Relação de Restos a Pagar (do exercício de 2013 e de exercícios anteriores) do FUNDEB, porventura existentes em 31/12/2013. Relação das Consignações e outros passivos do FUNDEB porventura existentes em 31/12/2013. Demonstrativo evidenciando a movimentação financeira dos recursos do FUNDEB, na forma disposta no QUADRO D. Documentação comprobatória do QUADRO D (itens IV, V, VIII, IX, X e XIV). Cancelamento de pasivos financeiros (Restos a Pagar, Consignações e outros passivos) efetuados no exercício de Obs.: Caso não tenha sido realizado qualquer cancelamento, encaminhar declaração expressa da inexistência dos mesmos. Parecer emitido pelo Conselho de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB a que se refere o artigo 24 da Lei nº /07, a propósito da repartição, transferência e aplicação dos recursos do FUNDEB, abrangendo todo o exercício de Obs.: Atentar que o parecer deve conter a assinatura dos membros do Conselho. Página 27

28 Gastos com Saúde Demonstrativo Consolidado, extraído do Sistema Contábil do Município, evidenciando o total das despesas realizadas em ações e serviços públicos de SAÚDE - ASPS (FUNÇÃO 10), independente da fonte de recurso, segregadas em despesas empenhadas, liquidadas e pagas, acompanhado do Quadro E. Obs. 1: Atentar que o total do Demonstrativo, referente às despesas EMPENHADAS, deve guardar paridade com o total evidenciado nos demonstrativos contábeis, mais especificamente, o Anexo 08 Consolidado Demonstrativo da Despesa por funções, programas e subprogramas conforme o vínculo com os recursos da Função 10. Obs. 2: Atentar que os demonstrativos apresentados devem evidenciar as despesas em ações e serviços públicos de SAÚDE - ASPS, TOTALIZADAS por Grupo de Natureza de Despesa GND, quais sejam: 1 - Pessoal e Encargos Sociais; 2 - Juros e Encargos da Dívida; 3 - Outras Despesas Correntes; 4 Investimentos; 5 - Inversões Financeiras; 6 - Amortização da Dívida. Demonstrativo Consolidado, extraído do Sistema Contábil do Município, evidenciando o total das despesas empenhadas, liquidadas e pagas, em ações e serviços público de SAÚDE - ASPS (função 10), custeadas com a fonte de recursos de IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS. Obs.:No caso do município utilizar somente a fonte Ordinários/Próprios, informar em Nota Explicativa. Demonstrativo Consolidado, extraído do Sistema Contábil do Município, evidenciando o total das despesas empenhadas, liquidadas e pagas, em ações e serviços público de SAÚDE - ASPS (função 10), custeadas com as demais fontes de recursos: SUS, Operações de Crédito, ROYALTIES, outras Receitas Vinculadas. Balancete Contábil de verificação, nos moldes do QUADRO F, demonstrando a disponibilidade financeira e obrigações do Fundo Municipal de Saúde - FMS, bem como de outras Unidades Gestoras, se for o caso, na fonte de recurso: IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS, acompanhado dos seguintes documentos comprobatórios: - Conciliação bancária em 31/12/2013; - Extrato bancário da conta movimento, referente ao mês de dezembro de 2013; - Relação de Restos a Pagar (Processados e Não Processados) existentes em 31/12/2013; - Relação das Consignações/DDO e outros passivos financeiros, se for o caso, existentes em 31/12/2013. Obs. 1: TODOS os Demonstrativos devem estar assinados pelo Prefeito, Contador e Responsável pelo Controle Interno; Obs. 2: No caso do município utilizar somente a fonte Ordinários/Próprios, informar em Nota Explicativa. Demonstrativo informando as despesas empenhadas, liquidadas e pagas, em ações e serviços públicos de SAÚDE - ASPS, realizadas com recursos de IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS, conforme Plano Municipal de Saúde e Lei Complementar Federal nº 141/12, na forma do QUADRO G. Atas das Audiências Públicas realizadas nos meses de fevereiro/2013, maio/2013 e setembro/2013, nas quais foram apresentados, pelo gestor do SUS, Relatórios detalhados referente ao quadrimestre anterior, conforme determina 5º e caput do artigo 36 da Lei Complementar n. 141/12 Parecer do Conselho Municipal de Saúde quanto à fiscalização da aplicação dos recursos destinados às ações e serviços públicos de saúde, abrangendo todo o exercício de 2013, na forma do 3º, artigo 77 do ADCT c/c 3º, artigo 36 da Lei Complementar n. 141/12. Obs.: Atentar que o parecer deve conter a assinatura dos membros do Conselho. Relação contendo os cancelamentos de Restos a Pagar (Função 10) da fonte de recursos de IMPOSTOS e TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS, realizados no exercício de 2014 até a data da entrega da Prestação de Contas, relativos ao exercício de Obs.: Caso não tenha sido realizado qualquer cancelamento no exercício de 2014, relativo a restos a pagar de 2013 (Função 10), encaminhar declaração expressa da inexistência do mesmo. Royalties Demonstrativo Consolidado extraído do Sistema Contábil do Município informando os montantes das despesas empenhadas, liquidadas e pagas no exercício de 2013, por Grupo de Natureza de Despesa - GND e por Fonte de Recurso utilizada. Demonstrativo extraído do Sistema Contábil do Município informando o valor recebido a título de Royalties do Petróleo previsto na Lei Federal nº /13 ou DECLARAÇÃO de não recebimento dessa receita. Demonstrativo extraído do Sistema Contábil do Município informando os valores empenhados, liquidados e pagos nas Funções 10 (Saúde) e 12 (Educação) com os recursos dos Royalties previstos na Lei Federal nº /13. Demonstrativo extraído do Sistema Contábil do Município informando o montante dos recursos financeiros dos Royalties repassados ao RPPS em 2013 para capitalização do Instituto ou DECLARAÇÃO expressa da não ocorrência. Demonstrativo extraído do Sistema Contábil do Município informando o montante dos recursos financeiros dos Royalties repassados ao RPPS em 2013 não destinados à capitalização do Instituto ou DECLARAÇÃO expressa da não ocorrência. Página 28

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2014 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2015 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO PCP 08/00199278 UNIDADE Município de Joinville RESPONSÁVEL Sr. Marco Antonio Tebaldi - Prefeito Municipal

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto.

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto. DECRETO N.º 961/08 De 01 de julho de 2008. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA CENTRAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE VALE DO SOL, no uso de suas atribuições

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Versão 2008 Janeiro/2009 SIGFIS-Sistema Integrado de Gestão Fiscal : Manual

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05

R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05 TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05 Estabelece normas para a apresentação da documentação mensal da receita e despesa e da prestação de contas anual de Prefeituras

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº13./TCER-2004 Dispõe sobre as informações e documentos a serem encaminhados pelos gestores e demais responsáveis pela Administração Direta e Indireta do Estado e dos Municípios;

Leia mais

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde A Regulamentação 9 anos de tramitação no Congresso Nacional A Lei foi editada com a seguinte estrutura: - Disposições preliminares;

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. Fixa normas para a execução orçamentária e financeira do exercício de 2012 e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO RIO GRANDE

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 09

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 09 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 09 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Fundo Municipal dos Direitos do Idoso. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, usando de suas atribuições legais, e de acordo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana

Prefeitura Municipal de Santana Segunda 30 de janeiro de 2012 Prefeitura Municipal de Santana 6 Bimestre e 3 de 2011 http://www.tribunanet.com.br/?tipo=1&gs=2&cidade=20&anos=&imagefield.x=51&imagefield.y=17 Prefeitura Municipal de Santana

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.117, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015. Dispõe sobre as Diretrizes para a elaboração e execução da lei orçamentária de 2016. O Prefeito Municipal no uso de suas atribuições legais de acordo com o Art.

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO ANUAL DE CONTROLE INTERNO OBJETO: 2014 GESTOR/ORDENADOR DE DESPESAS:

COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO ANUAL DE CONTROLE INTERNO OBJETO: 2014 GESTOR/ORDENADOR DE DESPESAS: COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO ANUAL DE CONTROLE INTERNO OBJETO: Contas relativas ao exercício de 2014 GESTOR/ORDENADOR DE DESPESAS: Vereadora Maria das Dores Campos A. Lousado I APRESENTAÇÃO Em

Leia mais

AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013

AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 Em cumprimento à Instrução Normativa nº 14, de 14.12.2011, especificamente do seu art. 10, e à Decisão Normativa nº 009/2013, ambas do Tribunal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA Página 1 de 28 ESTADO DE GOIÁS PÁG: 001 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RREO ANEXO 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas a e b do inciso II e 1º) R$ RECEITAS PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS NO BIMESTRE % ATÉ BIMESTRE

Leia mais

Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem

Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem Módulo 10 - Resultado Primário e Resultado Nominal

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de s Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos Municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64 e Empresas Estatais Dependentes

Leia mais

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO 2014/ BIMESTRE NOVEMBRODEZEMBRO RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

APROVAÇÃO DAS LEIS ORÇAMENTÁRIAS. Kilmer Távora Teixeira Auditor Governamental CGE/PI

APROVAÇÃO DAS LEIS ORÇAMENTÁRIAS. Kilmer Távora Teixeira Auditor Governamental CGE/PI APROVAÇÃO DAS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Kilmer Távora Teixeira Auditor Governamental CGE/PI BASE LEGAL Constituição Federal de 1988, Título VI, artigos 165 a 169; Lei 4.320, de 17/03/64; Lei de Responsabilidade

Leia mais

MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF

MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF MODELO / SUGESTÃO PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS METAS DO TERCEIRO

Leia mais

Lei 141/2012 - Comentários

Lei 141/2012 - Comentários Lei 141/2012 - Comentários Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP/USP e do Departamento de Economia da PUC-SP agosto/2012 BREVE CONTEXTO DA LEI 141/2012 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP)

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Conceitos gerais de gestão pública: princípios e regras da administração pública, processos de licitação, contratos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Guaranésia

Prefeitura Municipal de Guaranésia LEI 1.652, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE GUARANÉSIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2007. O Prefeito Municipal de Guaranésia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.115 DE 20 DE ABRIL DE 2015 (publicada no DOU de 21/01/2014, Seção 1, página 1) Estima a receita e fixa a despesa da União

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE DE ABRIL DE 2010 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº DE DE ABRIL DE 2010 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº DE DE ABRIL DE 2010 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA LEI DO ORÇAMENTO ANUAL DE 2011 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 LEI N.º 741/2009 EMENTA: Dispõe sobre a instituição do Sistema de Controle Interno SCI do Poder Legislativo Municipal, cria o Órgão Central do SCI e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL

CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF 1 Legislação Aplicável Lei nº 11.107/05 dispõe sobre

Leia mais

ANEXOS Resolução TCE Nº 1.604/07 (Administração Estadual)

ANEXOS Resolução TCE Nº 1.604/07 (Administração Estadual) ANEXO I DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DOS RECURSOS RECEBIDOS Código Receita Ingressos 00 RECURSOS DO TESOURO (PESSOAL) 00 RECURSOS DO TESOURO (CUSTEIO E INVESTIMENTOS) 10 RECURSOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 100, DE VINTE E SEIS DE ABRIL DE 2006.

RESOLUÇÃO N. 100, DE VINTE E SEIS DE ABRIL DE 2006. RESOLUÇÃO N. 100, DE VINTE E SEIS DE ABRIL DE 2006. Dispõe sobre a estrutura do roteiro básico destinado à elaboração de Relatórios de Informação Técnica das prestações de contas anuais das entidades e

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 4: Programação Orçamentária e Financeira) Professor: Bruno César

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 06/2016. TÍTULO: Tratamento Contábil da Integralização da Complementação da União ao FUNDEB

NOTA TÉCNICA Nº 06/2016. TÍTULO: Tratamento Contábil da Integralização da Complementação da União ao FUNDEB NOTA TÉCNICA Nº 06/2016 Brasília, 22 de janeiro de 2016. ÁREAS: Contabilidade Pública e Educação TÍTULO: Tratamento Contábil da Integralização da Complementação da União ao FUNDEB REFERÊNCIA(S): Portaria

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO Denise Rocha Assessora de Política Fiscal e Orçamentária São Luís - MA 23 a 27 de agosto de 2004 1ª ETAPA - ENTENDENDO O ORÇAMENTO PÚBLICO A importância do orçamento

Leia mais

Descentralização mediante convênio.

Descentralização mediante convênio. PARCERIAS PÚBLICAS Descentralização A descentralização é um princípio administrativo consagrado pelo art. 10 do Decreto-lei n 200, de 1967, que firmou, como uma das práticas principais, descentralizar

Leia mais

Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014.

Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014. Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014. Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2015 e da outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL Faço saber que a Câmara Municipal decreta e

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Brasília-DF Dezembro/2013 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Assunto: Orientação

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner

Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Versão 1.0 - Junho/2012 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sérgio Gabrielli Secretaria da Fazenda Luiz Alberto Bastos Petitinga Superintendência de Orçamento Público

Leia mais

Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013

Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013 Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013 Julgue os itens a seguir, relativos ao orçamento público. 96.O orçamento público tem caráter e força de lei, em sentido

Leia mais

COMUNICADO SDG Nº 02/2013

COMUNICADO SDG Nº 02/2013 COMUNICADO SDG Nº 02/2013 O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo divulga aos órgãos jurisdicionados da área municipal o calendário de obrigações para 2013 necessárias ao atendimento das exigências

Leia mais

Prefeitura do Município de Três Pontas - MG TERRA DO PADRE VICTOR

Prefeitura do Município de Três Pontas - MG TERRA DO PADRE VICTOR Prefeitura do Município de Três Pontas - MG TERRA DO PADRE VICTOR LEI Nº 3.409, DE 19 DE JULHO DE 2013 Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2014 e dá outras providências.

Leia mais

Não Possui Prestadora de Serviços de Informática Nome: DELTA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA LTDA CNPJ: 03703992000101 Telefone: (51)32354200

Não Possui Prestadora de Serviços de Informática Nome: DELTA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA LTDA CNPJ: 03703992000101 Telefone: (51)32354200 Neste RVE estão incluídos: Sim Não Modelos da LRF do Legislativo 1. Informações da Entidade 1.1 Dados Cadastrais da Administração Atual CNPJ: 04526121000122 Período: 01/01/2015 a 31/12/2015-6º Bimestre

Leia mais

Orçamento Público Conceitos Básicos

Orçamento Público Conceitos Básicos Gestão Orçamentária e Financeira no SUAS Orçamento Público Conceitos Básicos Agosto de 2013 Ciclo Orçamentário Brasileiro Plano Plurianual Lei Orçamentária Anual Lei de Diretrizes Orçamentárias Plano Plurianual

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA PORTARIA Nº 238/GABS/SEF/SC, DE 20 DE JULHO DE 2015.

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA PORTARIA Nº 238/GABS/SEF/SC, DE 20 DE JULHO DE 2015. SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA PORTARIA Nº 238/GABS/SEF/SC, DE 20 DE JULHO DE 2015. Torna público o Relatório Resumido da Execução Orçamentária da Administração Direta e Indireta, relativo aos meses de

Leia mais

REQUERIMENTO Nº 139/2013

REQUERIMENTO Nº 139/2013 CÂMARA MUNICIPAL DE ESTEIO GABINETE DO VEREADOR LEONARDO PASCOAL RUA 24 DE AGOSTO, 535, CENTRO, SALA 06 3º ANDAR CEP: 93280-000 - ESTEIO - RS TELEFONE (51) 3458-5015 - FAX (51) 3458-3366 E-MAIL: contato@leonardopascoal.com.br

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MPS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL SPPS DEPARTAMENTO DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO DRPSP COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA, ATUÁRIA, CONTABILIDADE

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO GOIÂNIA / MAIO / 2011

CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO GOIÂNIA / MAIO / 2011 GOIÂNIA / MAIO / 2011 MARCONI FERREIRA PERILLO JÚNIOR Governador do Estado JOSÉ CARLOS SIQUEIRA Secretário de Estado-Chefe da Controladoria Geral SIMÃO CIRINEU DIAS Secretário de Estado da Fazenda ANDRÉ

Leia mais

8ª Secretaria de Controle Externo

8ª Secretaria de Controle Externo Fls. 12 À Auditora de Controle Externo, Maria Clara Seabra de Mello Costa, para proferir Orientação Técnica. Em 23 de janeiro de 2014. JOSÉ AUGUSTO MARTINS MEIRELLES FILHO Secretário da 8ª Secretaria de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE GUABIRABA PE Palácio Municipal Dr. Franklin Farias Neves

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE GUABIRABA PE Palácio Municipal Dr. Franklin Farias Neves L E I N º 2 7 6 / 2 0 1 3..... ( L O A ) EMENTA: Dispõe sobre o Orçamento Fiscal do Município da Barra de Guabiraba, para o exercício financeiro de 2014 e da outras providencias. O PREFEITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012

RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012 RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade da criação do controle interno nos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, bem como no Ministério Público e Tribunal de Contas,

Leia mais

172337 Transferências a Consórcios Públicos A - - -

172337 Transferências a Consórcios Públicos A - - - 17 Umuarama Ilustrado LEI Nº. 212/2011 SÚMUL: Dispõe sobre as Diretrizes para a Elaboração da Lei Orçamentária do Município de lto Paraíso para o exercício de e dá outras providências. CÂMR MUNICIPL DE

Leia mais

Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento

Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento Agosto de 2007 1. O que é orçamento? O orçamento é uma forma de planejar e executar despesas que tanto os indivíduos quanto as instituições

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996 Dispõe sobre a instauração e organização de processos de prestação de contas, tomada de contas e tomada de contas especial, no âmbito da Administração Estadual,

Leia mais

LRFWeb 2015. RESOLUÇÃO 193/2003 atualizada pelas

LRFWeb 2015. RESOLUÇÃO 193/2003 atualizada pelas LRFWeb 2015 RESOLUÇÃO 193/2003 atualizada pelas Resolução 197/2004 Resolução 201/2005 Resolução 202/2005 Resolução 270/2014 Portaria Normativa 16/2004 Portaria Normativa 19/2004 Portaria Normativa 45/2004

Leia mais

Financiamento da Saúde

Financiamento da Saúde Financiamento da Saúde Goiânia, 18 de junho de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 1 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº

Leia mais

16/05/2014 Página 1 de 9 10:57:00 28/01/201411:11:23. Para uso do Tribunal de Contas Fl. Rubrica

16/05/2014 Página 1 de 9 10:57:00 28/01/201411:11:23. Para uso do Tribunal de Contas Fl. Rubrica ÍNDICE Neste RVE estão incluídos 1. Informações da Entidade 1.1 Dados Cadastrais da Administração Atual 1.2 Prestadora de Serviços de Informática 1.3 Sistemas Informatizados 2. Informações Contábeis 2.2

Leia mais

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I VOLUME I I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário previsto no art. 7o, 4o, desta Lei; 4 VOLUME I II - Recursos destinados

Leia mais

www.paperlessprinter.com

www.paperlessprinter.com Santa Catarina Balanço da Execução Orçamentária e Financeira - Administração Indireta - PLANO DE SAUDE ASSIST.SOCIAL DOS SERV. PUBL.-PLASS GESTÃO FINANCEIRA E ECONÔMICA BALANÇO FINANCEIRO Exercício 2008

Leia mais

CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS

CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS SAD-PE/2010- FINANÇAS PÚBLICAS 15)A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados orçamentos. Tendo por parâmetro as normas

Leia mais

Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO.

Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO. Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO Exercício de 2007 1. Implantação do Sistema e Histórico Legal Na qualidade de responsáveis

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014 Solicitação de Trabalho nº 252/2014 CONOF Solicitante: Deputado Pauderney Avelino ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014 ASPECTOS ORÇAMENTÁRIOS E FINANCEIROS SOBRE A INCLUSÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR COMO DESPESA DE MANUTENÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS Resolução Normativa n.º 001/2003 Dispõe sobre os Movimentos Contábeis da Execução Orçamentária e Financeira Mensais, Tomadas e Prestações de Contas dos órgãos e entidades do Poder Executivo, Legislativo,

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO Consultor de Orçamento: Ricardo Volpe E mail: ricardo.volpe@camara.gov.br PROCESSO ORÇAMENTÁRIO SOCIEDADE E GOVERNO ASPECTO POLÍTICO E LEGAL ASPECTO ECONÔMICO E FISCAL ASPECTO ADMINISTRATIVO

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES A Lei 8.666/93 foi alterada em 11 de julho de 2011 (artigos 27 e 29), pela Lei 12.440, sendo implementada a exigência

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 16.04.2015 PROJETO DE LEI Nº 322 DE 15 DE ABRIL DE 2015 A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 16.04.2015 PROJETO DE LEI Nº 322 DE 15 DE ABRIL DE 2015 A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, Publicado no D.O. de 16.04.2015 PROJETO DE LEI Nº 322 DE 15 DE ABRIL DE 2015 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA LEI DO ORÇAMENTO ANUAL DE 2016 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001 DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001 DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001 DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece normas de organização e de apresentação ao Tribunal de Contas do Estado, das prestações de contas do exercício orçamentário e financeiro

Leia mais

PARECER DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO SOBRE AS CONTAS ANUAIS DE GOVERNO DO EXERCICIO 2012

PARECER DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO SOBRE AS CONTAS ANUAIS DE GOVERNO DO EXERCICIO 2012 PARECER DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO SOBRE AS CONTAS ANUAIS DE GOVERNO DO EXERCICIO 2012 ÓRGÃO : PREFEITURA MUNICIPAL PORTO ALEGRE DO NORTE/ MT CNPJ : 03.238.672/0001-28 ASSUNTO : CONTAS ANUAIS DE GESTÃO

Leia mais

ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0

ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA GERAL DE INFORMÁTICA ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0 Atualizado em 28/01/2011 Colaboração Secretaria Geral de Controle Externo Secretaria

Leia mais

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/137713/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER DA COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO

RELATÓRIO E PARECER DA COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO E PARECER DA COMISSÃO DE CONTROLE INTERNO Na qualidade de responsáveis pelo órgão de Controle Interno do Município de Ilópolis/RS, apresentamos Relatório e Parecer sobre as contas do Poder Executivo,

Leia mais

COMENTÁRIOS PROVA CGU 2008

COMENTÁRIOS PROVA CGU 2008 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (PROVA 2) 32- No Brasil, para que o controle orçamentário se tornasse mais eficaz, ao longo dos anos, tornou-se necessário estabelecer alguns princípios que orientassem

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da evolução da administração e do processo administrativo, julgue os itens que se seguem. 51 A organização que adotar em seu planejamento a metodologia do balanced

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO RELATÓRIO O Projeto de Lei nº 160/2012, de autoria do Governo do Estado, oriundo da Mensagem Governamental nº 098/2012, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração e execução da Lei Orçamentária para

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE AFC/CGU

ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE AFC/CGU ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE AFC/CGU 2003/2004 (Prova aplicada em 18/01/2004) 08- Sobre a Contabilidade Pública no Brasil, não podemos afirmar que: a) é instrumento de registro e controle da execução

Leia mais

COMPETÊNCIAS E DESAFIOS DO SECRETÁRIO DE FINANÇAS. Fernando Carlos Almeida

COMPETÊNCIAS E DESAFIOS DO SECRETÁRIO DE FINANÇAS. Fernando Carlos Almeida COMPETÊNCIAS E DESAFIOS DO SECRETÁRIO DE FINANÇAS Fernando Carlos Almeida A QUESTÃO Quais os compromissos do Secretário Municipal de Finanças com a gestão financeira moderna e responsável, com a execução

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Diário Oficial DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ

Diário Oficial DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ Diário Oficial DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ Publicação dos atos ofi ciais da Prefeitura Municipal de Ji-Paraná, de acordo com a Lei Municipal n.º 070, de 02/07/200 0 ANO IX - DIÁRIO OFICIAL NÚMERO 856 Ji-Paraná

Leia mais

LEI Nº 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964

LEI Nº 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964 LEI Nº 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964 Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Faço saber

Leia mais

Fontes. Executivo 2.707.918 406.554 3.114.472 87,92. Legislativo 119.200 100 119.300 3,37. Judiciário 236.004 8.900 244.904 6,91

Fontes. Executivo 2.707.918 406.554 3.114.472 87,92. Legislativo 119.200 100 119.300 3,37. Judiciário 236.004 8.900 244.904 6,91 RELATÓRIO O Balanço Geral do Estado do exercício de 2004 traz em primeiro plano as demonstrações consolidadas composta pela Administração Direta, representada pelos Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 13 DE JANEIRO DE 2012. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 13 DE JANEIRO DE 2012. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Regulamenta o 3o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, Estados, Distrito Federal

Leia mais

Prefeitura Municipal de Domingos Martins

Prefeitura Municipal de Domingos Martins Prefeitura Municipal de Domingos Martins ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Rua Bernardino Monteiro,22 Centro Domingos Martins Espírito Santo CEP 29260-000 Fone: (27) 3268-1344 / 1239 www.domingosmartins.es.gov.br

Leia mais

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) ROL DE DOCUMENTOS 1. PROJETO DE LEI 2. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS 3. MENSAGEM 4. LEGISLAÇÃO CITADA PROJETO DE LEI Nº 36, DE 2014 Altera

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") R$ 1,00 DESPESA COM PESSOAL LIQUIDADAS

RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea a) R$ 1,00 DESPESA COM PESSOAL LIQUIDADAS DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") R$ 1,00 DESPESAS EXECUTADAS DESPESA COM PESSOAL LIQUIDADAS (a) (Últimos 12 Meses) INSCRITAS EM RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS

Leia mais

Consultoria e Assessoria Pública Ltda COMUNICADO

Consultoria e Assessoria Pública Ltda COMUNICADO COMUNICADO Araçatuba, 21 de Março de 2012. Vimos, pelo presente, tecer nossos comentários e dar nossa singela contribuição para o entendimento e aplicação prática da Portaria nº 72 de 1º de Fevereiro de

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE FÁTIMA Avenida Tancredo Neves s/n Centro Fátima Bahia CEP: 48.415-000 CNPJ: 13.393.

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE FÁTIMA Avenida Tancredo Neves s/n Centro Fátima Bahia CEP: 48.415-000 CNPJ: 13.393. ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE FÁTIMA Avenida Tancredo Neves s/n Centro Fátima Bahia CEP: 48.415-000 CNPJ: 13.393.152/0001-43 LEI Nº402/2014. DE 22 DE JULHO DE 2014. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES

Leia mais

VI Fórum Catarinense de

VI Fórum Catarinense de VI Fórum Catarinense de Gestores Municipais de Cultura I - A Política Orçamentária na Gestão da Cultura II - Captação de Recursos Chapeco, SC, 30 de Março de 2016 1 Maio Planejamento Planejado Receita

Leia mais

03/06/2013. Tendo em vista a necessidade de diminuir o custo do controle e evitar a duplicidade de remessa de dados, o SICOM substituirá outros

03/06/2013. Tendo em vista a necessidade de diminuir o custo do controle e evitar a duplicidade de remessa de dados, o SICOM substituirá outros O SICOM é um instrumento de suporte ao controle concomitante e de obtenção de dados sobre os jurisdicionados que permite conhecer as especificidades e a realidade dos órgãos e entidades, além de subsidiar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAJEDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAJEDO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NO QUADRO PERMANENTE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE LAJEDO RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº 01/2009 A Prefeitura Municipal de Lajedo, Estado de Pernambuco, torna

Leia mais

Abril / 2015. Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

Abril / 2015. Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Abril / 2015 Dom Seg Ter Qua Qui Se Sáb 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Data 03/04 07/04 Obrigações Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Obras -SCO

Leia mais

JADER RIEFFE JULIANELLI AFONSO Secretário de Estado de Fazenda CPF: 799.453.091-53

JADER RIEFFE JULIANELLI AFONSO Secretário de Estado de Fazenda CPF: 799.453.091-53 CONSOLIDADO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL RGF ANEXO 1 (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") R$ 1,00 DESPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 Meses) DESPESA COM PESSOAL INSCRITAS EM LIQUIDADAS RESTOS A PAGAR

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA MARCONDES DA SILVA BOMFIM ANALISTA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO Slide 1 Ementa Oficina nº 8 - Elaboração do PLOA Carga Horária: 08 Conteúdo: 1.

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais