A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS. A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS. A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima"

Transcrição

1 1 A MONSTRUOSIDADE E SUAS FACES EM NOTRE-DAME DE PARIS Maria Conceição Lima Santos (UFS/DLE) I. INTRODUÇÃO A obra Notre-Dame de Paris de Victor Hugo tornou-se uma fonte de matéria-prima que vem contribuindo para o estudo da Literatura. Nela podem ser encontrados diversos temas, inclusive o da monstruosidade que será o eixo temático que direcionará esta pesquisa. A intenção de estudar a monstruosidade pela perspectiva literária, tenta conduzir o leitor deste trabalho a uma reflexão sobre as questões sociais que envolvem o sujeito na ficção e o sujeito na vida real. (...) No encontro com a literatura (ou com a arte em geral) os homens têm a oportunidade de ampliar, transformar ou enriquecer sua própria experiência de vida.... (COELHO,1997). A Monstruosidade, cujo nome significa aquilo que é monstruoso, abominável e assombroso, será estudada em duas nuances: a monstruosidade física e a monstruosidade mental ou de caráter. A primeira tratará do aspecto exterior e será ilustrada através da personagem de Quasímodo O Corcunda, cuja deformidade enquadra-o na categoria de monstro. Já a segunda envolve as ações torpes, de padrão dissimulado, cujo objetivo encobre muitos crimes e pecados, e poderá ser identificada na personagem do padre Claude Frollo. A realidade do mundo atual encontra-se bem retratada na obra de Notre-Dame de Paris, mesmo sendo este um romance histórico (1831) da época do Romantismo Francês. Este romance cumpre fielmente o papel da literatura, que é representar a vida de forma verossímil

2 2 nas suas problemáticas, tensões, reflexões e comportamentos. Desse modo, o presente trabalho pretende apresentar considerações que enfatizem a importância da temática a ser estudada como uma forma de entender o comportamento do ser humano. II. A MONSTRUOSIDADE NA LITERATURA O monstruoso é algo que incomoda, mesmo na sociedade atual. A beleza vem sendo usada como uma espécie de máscara que encobre a verdadeira face das pessoas. Desse modo, a monstruosidade torna-se a representação da feiúra externa e interna e pode ser retratada na literatura através de personagens que são verdadeiros monstros ou que praticam atos de crueldade. Victor Hugo procurou externar essa visão de feiúra através da criação de Quasímodo, um corcunda considerado um monstro, não por praticar a maldade, mas por ser feio e deformado. Essa personagem retrata a monstruosidade física. O autor também criou a personagem do padre Claude Frollo, um religioso que se fazia praticante da bondade e, no entanto, escondia em sua mente a culpa de crimes pecaminosos. Essa outra personagem retrata a monstruosidade mental ou de caráter. Em suma, a personagem de Quasímodo mostra que a face grotesca de um homem devido a suas deformidades físicas, eleva-o a propriedade de um ser monstruoso. E a personagem de Claude Frollo mostra que a face espectra do mal em um homem, devido a suas deformidades mentais, eleva-o também a mesma propriedade de um ser monstruoso. A leitura de um romance, ou qualquer obra literária, pode revelar ou confirmar fatos e características de um determinado lugar em uma determinada época. Notre-Dame de Paris publicado em 1831 traz em seu conteúdo uma crítica à sociedade da época. Nele Victor Hugo

3 3 mostra que a beleza e a riqueza eram fatores que definiam os valores morais formadores do caráter humano, ou seja, o que definiria o caráter de uma pessoa seria o prestígio que esta tinha na sociedade, e não apenas as boas ações. O ato de pré-julgamento é natural da fraqueza humana. Por ser sujeito ao erro, o homem acostumou-se a fazer julgamentos prévios sem antes conhecer o próximo. Julgamentos baseados na aparência física e social. Essa visão pode ser reforçada através de um dos fragmentos dos pensamentos de Blaise Pascal. Este filósofo francês dizia que (...) o homem não é senão um sujeito cheio de erro, natural e indelével (...). 1 É comum encontrar personagens feias fisicamente e boas interiormente, assim como também, personagens sem caráter, capazes de qualquer ato para se darem bem. Estas características podem ser visualizadas na vida real. Pessoas são estereotipadas de feias por não terem atributos físicos que as enquadre nos padrões de beleza impostos pela sociedade do mundo pós-moderno. Porém esses homens e mulheres são capazes de atos de bondade. Existem também pessoas que trazem o mal em seus corações. São seres ambiciosos e egoístas; capazes de qualquer coisa para se darem bem, até mesmo de matar. Este desejo de tentar adquirir o que não tem, acontece devido a perda da razão. De acordo com Rousseau quando o homem perde a razão o seu instinto leva-o a cometer atos cruéis e sanguinários. Rousseau (1985, p.91) dizia que: Isso acontece porque o homem civil é limitado pelo instinto e pela razão que o protege do mal que o ameaça. E assim ele é impedido pela piedade de fazer mal a alguém. Nos primeiros capítulos de Notre-Dame de Paris o narrador descreve acontecimentos específicos da época situando o leitor no tempo e no espaço. Essa descrição expõe o modo 1 Trecho tirado do fragmento número 83 dos pensamentos de Blaise Pascal.

4 4 como Quasímodo (o sineiro da catedral de Notre-Dame - um homem corcunda, coxo, caolho e surdo) era tratado pela sociedade. Ele era ridicularizado, menosprezado e associado a um ciclope 2. Nos capítulos seguintes são apresentadas outras personagens, como por exemplo, a cigana Esmeralda, uma moça bonita que vivia dançando na praça e que tornou-se o objeto de desejo do Padre Frollo. O Padre pertencia a uma família burguesa; era um homem sombrio e triste; criou e educou Quasimodo adotando-o quando este ainda era criança. Porém sua verdadeira natureza abrigava uma paixão obsessiva pela cigana. Este sentimento leva-o a cometer crimes pecaminosos. O livro termina com a morte de Esmeralda, de Claude Frollo e do corcunda. A obra estudada é um drama, e a escolha por esse tipo de gênero deve-se ao fato de Victor Hugo acreditar que o drama era a pintura total da realidade dos seres e através dele era possível retratar a vida nas suas diversidades. Não apenas Victor Hugo, mas outros autores literários criaram personagens monstruosas como uma forma de criticar valores morais incutidos na alma humana. É o caso de Jeanne-Marie Leprince de Beaumont (Madame Beaumont) autora da obra A bela e a fera. A personagem da Fera, um homem com cara e instintos animalescos, foi criada para mostrar o julgamento do homem diante daquilo que não conhece. Julgamentos precipitados com base no estereótipo de beleza, os quais causam preconceitos, ou mesmo a exclusão social. A criação da imagem do monstro na cabeça das pessoas pode ser uma forma de abordar aquilo que ainda não conhece e que causa medo. Assim, a imagem de monstro pode 2 HUGO, 1950,p. 24,

5 5 ser qualquer coisa que provoque nojo, repulsa, desespero... Eis então, a preocupação da Literatura em retratar tais sentimentos humanos. Nós contemplamos com prazer as imagens mais exatas daquelas mesmas coisas que olhamos com repugnância, por exemplo, as representações de animais ferozes e cadáveres. Causa é que aprender não só muito apraz aos filósofos, mas também aos demais homens, se bem que menos participem dele. Efetivamente, tal é o motivo por que se deleitam perante imagens: olhando-as, aprendem e discorrem sobre o que seja cada uma delas, e dirão por exemplo, esse é tal. (ARISTÓTELES, 1966, p 71) Por julgar o que verdadeiramente desconhece, as pessoas acabam sendo preconceituosas e egoístas, pois acreditam serem certas as verdades incutidas em suas mentes, mesmo que estas verdades acabem por machucar ao próximo. Aqueles que sofrem a exclusão social terminam por isolar-se com medo da rejeição. Foi o que aconteceu com Quasímodo, ao ser marginalizado pelas pessoas ele isolou-se na catedral, tornando-se amigo dos sinos, pois acreditava que estes não lhe fariam mal. E na vida real quantas pessoas se isolam por causa dessa marginalização? Mais uma vez pode ser verificado o papel da literatura ao retratar o homem em seu convívio social. Dessa maneira, pode-se concluir que a preocupação em observar e reproduzir cenas da vida real faz da literatura, a arte de representar os fenômenos humanos, um meio de ajudar o leitor a identificar temas como a monstruosidade e relacioná-los a momentos vividos na vida cotidiana. III. CONCLUSÃO

6 6 Após análise de referências acerca do assunto em pauta, inerente as facetas que a monstruosidade possui e a forma como elas podem ser percebidas em personagens literárias, esta análise deixa claro que este estudo só tornou-se possível pela propriedade que a literatura tem em retratar a realidade de forma verossímil e fiel. Constatou-se também que esta preocupação em retratar o real acontece porque o autor da obra é um ser humano e como tal, ele também está sujeito a emoções, a erros e a pecados. Assim, quando escolhe um tema para narrar ou para poetizar o autor busca neles ou em outros homens material que lhe sirva de objeto de estudo. A temática que este artigo se propôs trabalhar reforça a visão da relação das obras literárias com o mundo externo e interno dos seus autores. Ao observar os homens o escritor literário verifica até que ponto alguém pode chegar para externar seus medos, suas alegrias, enfim suas emoções. Assim, a arte literária é para refletir, e não se podem desconsiderar o universo contextual do autor e o tipo de reprodução que ele realiza para que se trilhem horizontes de transformações pessoais e sociais. Ao verificar a importância que a literatura vem assumindo na sociedade, este trabalho visa dar contribuições ao estudo acadêmico de sobremaneira, que o ensino literário venha ser cada vez mais prazeroso.

7 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARISTÓTELES. Poética. Trad. por Eudoro de Souza. Porto Alegre: Edições Globo, COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise e didática. 6.ed. São Paulo: Editora Ática,1997. HUGO, Victor. Notre-Dame de Paris. Paris: Librairie Hachette, O corcunda de Notre-Dame. Trad. por Jean Melville. São Paulo: Editora Martin Claret, PASCAL, B. Pensamentos (Pensées). Trad. de Sérgio Milliet (Trad. e org.) et CH. M. Des Granges (introdução e notas). Rio de Janeiro: Tecnoprint Gráfica S.A, ROUSSEAU, Jean- Jacques. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Trad. por Iracema Gomes Soares e Maria Cristina Roveri Nagle. Brasília: Editora Universidade Federal de Brasília, 1985.

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social

IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social A diversidade através dos tempos Obra: O corcunda de Notre-Dame Autor: Victor Hugo Adaptador: Jiro Takahashi Ilustrador: Jayme Leão

Leia mais

Viollet-le-Duc (1814-1879)

Viollet-le-Duc (1814-1879) Viollet-le-Duc (1814-1879) Retrato de Viollet-le Duc by Félix Nadar, 1879 Restaurador de monumentos francês nascido em Paris; Um dos responsáveis pelo reconhecimento do gótico como uma das mais importantes

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

De Victor Hugo a Walt Disney: uma releitura de O Corcunda de Notre-Dame

De Victor Hugo a Walt Disney: uma releitura de O Corcunda de Notre-Dame De Victor Hugo a Walt Disney: uma releitura de O Corcunda de Notre-Dame PINHEIRO, Carlos Eduardo Brefore (UNITOLEDO) RESUMO: A viagem a uma Paris medieval, cenário da trágica história de amor entre uma

Leia mais

O Corcunda e a Cigana

O Corcunda e a Cigana GRIOT Associação Cultural Rua Palmira Bastos, nº 32 3º Esq. C. Postal 2835 44 Lavradio, Barreiro, Portugal Web: griot-associacaocultural.blogspot.com Endereço Electrónico: teatro.griot@hotmail.com Telemóveis:

Leia mais

Prof. Paulo Alexandre

Prof. Paulo Alexandre Prof. Paulo Alexandre As indicações mostradas nesta apresentação funcionam como guia de estudos do Realismo e do Naturalismo. Todas as informações devem ser complementadas pelo aluno, com a utilização

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO

PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO ESTEREÓTIPO : categoria favorável ou desfavorável que é partilhada por um grupo social ou cultural e que se refere a características pessoais, especialmente a traços

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22

UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22 UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22 INTRODUÇÃO: O texto bíblico registrado no capítulo 19 do evangelho de São Mateus, relata o diálogo do Senhor Jesus e um homem desejoso de alcançar a salvação.

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

Objetivos. 1. A organização e o sentido da sociabilidade entre os homens: noções gerais

Objetivos. 1. A organização e o sentido da sociabilidade entre os homens: noções gerais Objetivos Mostrar maneira de organização dos grupos humanos: apresentação de diferentes realidades culturais; O uso da Antropologia como interlocutora das realidades simbólicas e materiais dos grupos humanos:

Leia mais

i. Existe alguma relação entre culpa e arrependimento.

i. Existe alguma relação entre culpa e arrependimento. A Culpa Claudio C. Conti www.ccconti.com Objetivo: Analisar o sentimento de culpa, seus efeitos e consequências. Procedimento: O sentimento de culpa foi analisado sob várias abordagens: a. Efeito no aprimoramento

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO

PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO 1268 PROJETOS DE EXTENSÃO: UM DIFERENCIAL PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO Rodrigo Rodrigues Menegon, Sérgio Augusto Gouveia Júnior, Marcia Regina Canhoto Lima, José Milton Lima Universidade Estadual Paulista

Leia mais

OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França

OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França amandi'a_07@hotmail.com Jaqueline dos Santos Costa santoscosta_jaqueline@hotmail.com Mirsa Gabriela gabiflorosa@hotmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Rúbia Emmel, UNIJUÍ Alexandre José Krul, UNIJUÍ RESUMO: Este recorte de pesquisa em educação tem por objetivo refletir sobre

Leia mais

Educação Espírita da Criança 1. 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças?

Educação Espírita da Criança 1. 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças? Educação Espírita da Criança 1 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças? Jáder Sampaio Na concepção espírita, a infância é um estado passageiro no qual um espírito tem a oportunidade

Leia mais

Revelando as muitas. Áfricas. O imaginário e a. construção do preconceito

Revelando as muitas. Áfricas. O imaginário e a. construção do preconceito Revelando as muitas Áfricas. O imaginário e a construção do preconceito PAÍS OU CONTINENTE? Utilizada, a princípio, pio, para designar apenas a porção norte do litoral africano, passa a ser empregada

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças. Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva

Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças. Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva Desafiando o preconceito: convivendo com as diferenças Ana Flávia Crispim Lima Luan Frederico Paiva da Silva Pontifícia Universidade Católica de Goiás anaflavia17012010@hotmail.com luan_frederico@yahoo.com

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS

O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS Fabiana Maria das Graças Soares de Oliveira 1 Com o tema O Futuro se faz com a conscientização das Diferenças 2, a Federação Nacional das APAEs, em

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI, NO CALENDÁRIO OFICIAL DE DATAS E EVENTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL, A 'SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE ÉTICA E CIDADANIA', E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS."

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL GESTALT Max WERTHEIMER (1880 1943) Kurt KOFFKA (1886 1941) Wolfgang KÖHLER (1887 1967) Alemanha, 1912 O TERMO ALEMÃO QUER DIZER FORMA OU CONFIGURAÇÃO. Os gestaltistas

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC Hebe Laghi de Souza DARWIN e KARDEC U M D I Á L O G O P O S S Í V E L CAMPINAS SP 2007 Sumário prefácio...xvii Capítulo 1 novos conhecimentos... 1 Dois livros, duas teorias um novo rumo...1 Detonando o

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

Ler para estudar. Mirta Torres REALIZAÇÃO PATROCÍNIO

Ler para estudar. Mirta Torres REALIZAÇÃO PATROCÍNIO Ler para estudar Mirta Torres REALIZAÇÃO PATROCÍNIO Ler para estudar Ler e estudar Constituem uma dupla reversível Ler é um dos caminhos de acesso ao saber: lemos e estudamos para saber, para estarmos

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Caro (a) Chesfiano (a), Você está recebendo uma série de publicações intitulada Para Viver Melhor, com informações atualizadas sobre temas diversos no campo da saúde física

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

O que a Bíblia diz sobre o dinheiro

O que a Bíblia diz sobre o dinheiro Seção 2 O que a Bíblia diz sobre o A questão do e das posses é mencionada muitas vezes na Bíblia. Esta seção examina o que a Bíblia nos ensina sobre a nossa atitude para com o. Ela vai nos ajudar a considerar

Leia mais

Edison Mendes. A realidade de uma vida

Edison Mendes. A realidade de uma vida Edison Mendes A realidade de uma vida Rio de Janeiro Barra Livros 2014 Copyright 2014 by Edison Mendes Todos os direitos reservados à Barra Livros Proibida a reprodução desta obra, total ou parcialmente,

Leia mais

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira Metodologia da Catequese com Crianças Ligia Aparecida de Oliveira O que é ser Criança? Watson, Piaget ou Freud? Eis a Questão. John B. Watson, psicólogo americano, é o principal responsável pela teoria

Leia mais

A importância da literatura na infância

A importância da literatura na infância A importância da literatura na infância [...] a literatura infantil éum capítulo da literatura. O conhecimento de teoria da literatura e do maior número possível de obras literárias para adultos é bagagem

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos 2 3 Artigo 1º, Direito à Igualdade Você nasce livre e igual em direitos como qualquer outro ser humano. Você tem capacidade de pensar e distinguir o certo do errado.você

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO:

NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO: NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO: Andreia Winkelmann Ineiva Teresinha Kreutz Louzada INTRODUÇÃO: O tema da adoção instiga muita curiosidade e torna-se extremamente necessário à

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 59 Discurso em ato comemorativo do

Leia mais

A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS

A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS 1 A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS Daniel de Souza Costa Daisy Moreira Cunha RESUMO: O trabalho aqui apresentado teve como objetivo discutir

Leia mais

FERNANDA CRISTINA DE SOUZA

FERNANDA CRISTINA DE SOUZA FERNANDA CRISTINA DE SOUZA O PAPA DOS LOUCOS : REFLEXÕES SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA DIFERENÇA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DA OBRA O CORCUNDA DE NOTRE-DAME DE VICTOR HUGO Projeto apresentado para a

Leia mais

Como as instruções maçônicas mudaram minha vida

Como as instruções maçônicas mudaram minha vida 1 TEMA Como as instruções maçônicas mudaram minha vida Paulo Cesar de Freitas Machado - A M CAD. Nº 8064 2 A Glória do Grande Arquiteto do Universo Como as instruções maçônicas mudaram minha vida INTRODUÇÃO:

Leia mais

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França)

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) 1 Trinta anos de experiência num serviço de psiquiatria infantil especializado

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Anotacões. 1 - ANOTAÇÕES PARA FACILITAR A COMPREENSÃO(a) DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS QUE SE SEGUEM, E PARA AJUDAR TANTO QUEM OS DÁ COMO QUEM OS RECEBE

Anotacões. 1 - ANOTAÇÕES PARA FACILITAR A COMPREENSÃO(a) DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS QUE SE SEGUEM, E PARA AJUDAR TANTO QUEM OS DÁ COMO QUEM OS RECEBE 1 - ANOTAÇÕES PARA FACILITAR A COMPREENSÃO(a) DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS QUE SE SEGUEM, E PARA AJUDAR TANTO QUEM OS DÁ COMO QUEM OS RECEBE 1ª Anotação.(001) Por esta expressão, Exercícios Espirituais,

Leia mais

4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.

4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat. A Declaração Universal dos Direitos do Animal foi proclamada na UNESCO em 15 de Outubro de 1978. 1 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida. 2 - Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção

Leia mais

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA Projeto Pedagógico ÁGUIA SONHADORA 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro narra a história de uma águia inquieta para alçar o primeiro voo; ainda criança, sai pela floresta

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

De olho na mídia. Beltrina Côrte

De olho na mídia. Beltrina Côrte De olho na mídia Beltrina Côrte Na sociedade contemporânea, a mídia ocupa o papel central na vida de muitas pessoas, e a comunicação está legitimando discursos, comportamentos e ações. A mídia veicula

Leia mais

Navegar pelas letras

Navegar pelas letras Página322 Navegar pelas letras RESENHA Adriana Carrion de Oliveira 1 Resenha do Livro: BUENO, Edna, PARREIRAS, Ninfa, SOARES, Lucília. Navegar pelas letras: as literaturas de língua portuguesa. Rio de

Leia mais

Cais da Leitura: leitura em ação

Cais da Leitura: leitura em ação Cais da Leitura: leitura em ação Conceição Flores. Universidade Potiguar (UnP). Carla Rosiane C. Andrade. Universidade Potiguar (UnP). Nos últimos tempos, estamos sendo quase que cotidianamente bombardeados

Leia mais

LITERATURA E DIFERENÇAS: UMA LEITURA SOBRE O PAPA DOS LOUCOS NA OBRA O CORCUNDA DE NOTRE-DAME, DE VICTOR HUGO

LITERATURA E DIFERENÇAS: UMA LEITURA SOBRE O PAPA DOS LOUCOS NA OBRA O CORCUNDA DE NOTRE-DAME, DE VICTOR HUGO LITERATURA E DIFERENÇAS: UMA LEITURA SOBRE O PAPA DOS LOUCOS NA OBRA O CORCUNDA DE NOTRE-DAME, DE VICTOR HUGO Fernanda Cristina de SOUZA (FEUSP) 1 César Donizetti Pereira LEITE (UNESP Rio Claro) 2 RESUMO:

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.

Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. PRIMEIRA LEI ESPIRITUAL: O AMOR DE DEUS TEXTO: João 3:16 Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Jo 3:16 1 Qual

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. Vivian Flores BRANCO 1

TRABALHO INFANTIL. Vivian Flores BRANCO 1 TRABALHO INFANTIL Vivian Flores BRANCO 1 RESUMO: O presente artigo trata do início do trabalho infantil, assim como as causas que levam crianças e adolescentes a se incorporarem no mercado de trabalho

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

O ESPAÇO URBANO E O RURAL EM LIMA BARRETO Denise Vilela Rodrigues (PBIC/UEG) 1 denise-vilela@hotmail.com Ewerton de Freitas Ignácio (UEG) 2

O ESPAÇO URBANO E O RURAL EM LIMA BARRETO Denise Vilela Rodrigues (PBIC/UEG) 1 denise-vilela@hotmail.com Ewerton de Freitas Ignácio (UEG) 2 O ESPAÇO URBANO E O RURAL EM LIMA BARRETO Denise Vilela Rodrigues (PBIC/UEG) 1 denise-vilela@hotmail.com Ewerton de Freitas Ignácio (UEG) 2 ewertondefreitas@uol.com.br INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b)

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b) Evangelho A palavra Evangelho significa: Boas Novas. Portando, não temos quatro evangelhos, mas quatro evangelistas que escreveram, cada um, conforme sua visão, as boas-novas de salvação, acerca do Senhor

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam Lição 1 Leis no tempo de Cristo Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam 2) Lei Civil do A.T. = Tinha a ver com os costumes

Leia mais

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder Waldênia Klésia Maciel Vargas SOUSA (FL/UFG) Bolsista CAPES waldeniaklesia10@hotmail.com Eliane

Leia mais

Coordenador da Apoio

Coordenador da Apoio Coordenador da Apoio 1 2 Resultados de investigação realizada entre criminosos de alta periculosidade nos EUA, concluiram que seus crimes teriam relação com histórico de abuso familiar e crueldade com

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3).

Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3). Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3). O capítulo três do Evangelho de João conta uma história muito interessante, dizendo que certa noite

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

A VISÃO DE MEIO AMBIENTE DE ALUNOS DO SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANÁLISE DE DESENHOS

A VISÃO DE MEIO AMBIENTE DE ALUNOS DO SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANÁLISE DE DESENHOS A VISÃO DE MEIO AMBIENTE DE ALUNOS DO SEGUNDO CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANÁLISE DE DESENHOS Maria Carolina de Carvalho Luciana M. Lunardi Campos (orientadora) Departamento de Educação IBB -UNESP Rubião

Leia mais

VIOLÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR: UMA ANÁLISE A PARTIR DA ESCOLA CAMPO

VIOLÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR: UMA ANÁLISE A PARTIR DA ESCOLA CAMPO VIOLÊNCIA NO ESPAÇO ESCOLAR: UMA ANÁLISE A PARTIR DA ESCOLA CAMPO Franscimere Cordeiro de Souza franscimere@gmail.com Nayara Katiucia de Lima Domingues Dias nanalima1923@hotmail.com Maria Geralda de Almeida

Leia mais