Universidade Federal de Campina Grande Centro de Saúde e Tecnologia Rural Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Campina Grande Centro de Saúde e Tecnologia Rural Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária"

Transcrição

1 Slide 1 Universidade Federal de Campina Grande Centro de Saúde e Tecnologia Rural Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária DOENÇAS DE AVES E SUÍNOS PROF. DR. SILVANO HIGINO 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 1

2 Slide 2 Bouba Aviária Doença viral que afeta tanto espécies de aves domésticas como também as silvestres; 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 2

3 Slide 3 Introdução Disseminação lenta e formação de lesões proliferativas da pele, nas regiões desprovidas de pena (forma cutânea); ou lesões fibro-necróticas na mucosa do trato respiratório superior, boca e esôfago (forma diftérica); Sinonímia: varíola aviária, difteria aviária, Epitelioma Contagioso, Bexiga das Aves). 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 3

4 Slide 4 Família Poxiviridae; Etiologia Gênero Avipoxvirus; Há 4 cepas, poxvírus aviário, de pombos, de perus e de canários; Vírus DNA envelopado. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 4

5 Slide 5 Resistencia Bastante resistente no ambiente e a desinfetantes; Resiste no solo: + de 1 ano; São inativados por soda cáustica a 1% e por aquecimento a 50ºC por 30 minutos; 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 5

6 Slide 6 Patogenia Vírus infecta células epiteliais e há formação de inclusões citoplasmáticas eosinofílicas (Corpúsculos de Bollinger) ou pode entrar via respiratória e causar lesões diftéricas em sistema respiratório e/ou digestório. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 6

7 Slide 7 Mortalidade baixa; Epidemiologia Amplamente difundida e descrita em mais de 60 espécies; Afeta machos e fêmeas de qualquer idade; Vírus com longo período de incubação (entre 4 a 10 dias) com lenta difusão. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 7

8 Slide 8 Transmissão Porta de entrada: contato direto, lesões cutâneas (brigas/ação mecânica) ou por insetos (moscas e mosquitos); *Cepa do vírus de pombo em galinhas causa somente lesão no local de inoculação. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 8

9 Slide 9 Sinais clínicos Diminuição do ganho de peso, queda na produção de ovos, lesões oculares (cegueira), apatia, encorujamento, febre; Forma Cutânea: verifica-se lesões crostosas em crista, barbela, pálpebras e áreas não cobertas por penas; Forma Diftérica: presença de placas amarelas na boca, faringe, esôfago e traqueia levando a dificuldade de alimentação, dispneia, caquexia e desidratação. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 9

10 Slide 10 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 10

11 Slide 11 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 11

12 Slide 12 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 12

13 Slide 13 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 13

14 Slide 14 Lesões F. cutânea: Presença de pápulas, vesículas, pústulas e crostas, dependendo do momento da observação; F. diftérica: placas sobressalentes de cor amarelada; Microscópicas: presença de corpúsculos de inclusão (Corpúsculos de Bollinger) patognomônicos. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 14

15 Slide 15 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 15

16 Slide 16 Diagnóstico Isolamento do vírus em ovos embrionados: macerado das lesões inoculados em embriões SPF com 12 dias e após 7 dias verificase presença de nódulos esbranquiçados; Histologia: presença de corpúsculos de inclusão (Corpúsculos de Bollinger); Sorologia: ELISA, PCR e Imunodifusão. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 16

17 Slide 17 Não há tratamento efetivo; Tratamento Remoção das crostas volumosas e cauterização das feridas com tintura de iodo 3% ou nitrato de prata; As placas diftéricas podem ser lavadas com soluções fracas de permanganato de potássio; Deve ser usado antibióticos para evitar e tratar as infecções secundárias. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 17

18 Slide 18 Controle e profilaxia Isolamento das aves infectadas e desinfecção das superfícies expostas a aves infectadas; Hidróxido de potássio (KOH) A 1%, o hidróxido de sódio (Na0H) a 2% e o fenol a 5%; Manejo adequado: evitar excesso de lotação, boa debicagem, controle de insetos e evitar canibalismo; Vacinação. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 18

19 Slide 19 Vacinação É muito variável e depende da região ou criação; Vacinação In ovo (18 dia de vida embrionária); Aves de 1 dia cepa suave; 21 dias e reforço com 16 semanas; Observar o inchaço 7 dias após a vacinação pega ; 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 19

20 Slide 20 Cuidados gerais Adquirir pintos de incubatórios idôneos; O aviário deve estar localizado em local tranquilo, rodeado por arvores não frutíferas e cercado com tela de arame, para evitar o livre acesso; Após a retirada do lote, fazer limpeza completa do aviário; Caiar o aviário; 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 20

21 Slide 21 Cuidados gerais Evitar transito de pessoas, animais e veículos próximo aos aviários; Fazer a troca obrigatória de calçados e roupas (se possível, adotar a pratica de tomar banho) antes de entrar na granja; Todos as acessos ao aviário devem possuir um recipiente com solução desinfetante para que as pessoas desinfetem os calçados (pedilúvios); Onde houver transito de veículos, utilizar o rodolúvio; 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 21

22 Slide 22 "todos dentro, todos fora"; Cuidados gerais Observar o vazio sanitário de pelo menos 10 dias entre um lote e outro de frangos; Observar diariamente a limpeza dos bebedouros bem como do aviário e suas imediações; Fazer o controle de animais sinantrópicos; 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 22

23 Slide 23 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 23

24 Slide 24 Bronquite Infecciosa da Galinhas Doença altamente infecciosa, de origem viral, de caráter agudo que acomete aves, em ambos os sexos, nas mais diferentes idades, em praticamente todas as regiões do mundo onde existe Avicultura Industrial ou não. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 24

25 Slide 25 Histórico Descrita pela primeira vez em 1931 na Dakota do Norte, EUA, espalhando-se rapidamente por todo o país; Nos anos 60, a síndrome nefrite-nefrose foi relatada na Austrália; No Brasil, foi diagnosticada pela primeira vez no ano de 1957 no Estado de Minas Gerais. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 25

26 Slide 26 Agente etiológico Coronavírus que acomete a espécie Gallus gallus domesticus, infectando células dos aparelhos respiratórios e geniturinário; Ordem Nidovirales; Família Coronaviridae. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 26

27 Slide 27 Agente Epiteliotrópico, pleomórfico (predominância de partículas esféricas); 120 nm de diâmetro; O vírion apresenta envelope lipídico (alta sensibilidade às condições ambientais e aos desinfetantes); Projeções superficiais: peplômeros (semelhante a uma coroa); GP S1. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 27

28 Slide 28 Resistência Inativado em 15 minutos a 56ºC; Resiste a refrigeração por 80 dias; 4ºC dias; Resiste a ph ácido (2,0) por 1 hora; Sensível a desinfetantes e UV. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 28

29 Slide 29 Dinâmica viral O vírus, após a adsorção e penetração, é multiplicado no citoplasma e a formação de partículas virais ocorre no retículo end. rugoso e no complexo de golgi; Os vírions são liberados da célula infectada por exocitose, não promovendo, desta forma, a lise celular. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 29

30 Slide 30 Importância Econômica Diminuição na produção e qualidade interna e externa dos SH2 ovos; "falsas poedeiras ; Diminuição da eclodibilidade; Diminuição da eficiência alimentar e do ganho de peso; Aumento da mortalidade e da condenação de carcaças ao abate; Gastos com medicamentos para debelar infecções secundárias. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 30

31 Slide 31 Morbidade 100%; Epidemiologia Mortalidade baixa (dependendo...); Com o aumento na idade, diminui a mortalidade e aumenta a ocorrência das lesões renais e do oviduto; Vias de Eliminação - muco, secreções conjuntival/nasal; Eliminação nas fezes (20 semanas após a infecção). 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 31

32 Slide 32 Epidemiologia Direta (ave para ave): aerossóis, fezes; Indireta: Vetores mecânicos: Pessoal técnico que transita de uma granja para outra; Veículos; água, ração, bandejas de ovos e equipamentos contaminados; Não necessita de vetores; Aves recuperadas são susceptíveis à infecção por outro sorotipo. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 32

33 Slide 33 Ocorrência no mundo 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 33

34 Slide 34 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 34

35 Slide 35 Patogenia PI 18 A 36 hs Replicado nas células ciliadas da mucosa do aparelho respiratório (traqueia) Danos no aparelho respiratório, geniturinário e digestivo Viremia (1 a 2 dias após a infecção) Distribuição viral para os tecidos (tropismo) 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 35

36 Slide 36 Depende do tropismo da cepa: Sinais Clínicos Espirros, tosse, lacrimejamento, sinusite, conjuntivite; Diarreia desidratação e graves lesões renais como nefrite, nefrose e urolitíase; Ovos com alteração de casca (fina e porosa) ou alteração no formato; 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 36

37 Slide 37 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 37

38 Slide 38 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 38

39 Slide 39 Lesões Em infecções secundárias: pericardite, hepatite e peritonite; Lesões renais com vários graus de comprometimento; 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 39

40 Slide 40 Lesões Diminuição dos cílios, descamação do epitélio, presença de células inflamatórias; BIG atípica: miopatia bilateral dos músculos peitorais (superficial e profundo) - deposição de imunocomplexos; Exsudato seroso, catarral, ou caseoso na traqueia, passagem nasal e sinusite. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 40

41 Slide 41 Diagnóstico Isolamento do agente: Swab traqueal, fezes; Imunofluorescência; ELISA; Inoculação de macerado de órgãos na cavidade alantoide de ovos SPF, com 9 e 11 dias de incubação; Cultivo celular; PCR. SH1 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 41

42 Slide 42 Controle e profilaxia Biosseguridade (isolamento, higiene, lotes com idade única, controle de trânsito de veículos e pessoas, "all-in-all-out" e vazio sanitário); Vacinação (pintinhos de 1 dia) por aspersão, spray, óculo-nasal e intramuscular; Estão disponíveis no Brasil, vacinas vivas liofilizadas do sorotipo Massachusetts (Mass) amostra H120, único sorotipo permito no Brasil. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 42

43 Slide 43 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 43

44 Slide 44 Atenção Antimicrobianos: cloranfenicol, neomicina, estreptomicina, sulfonamidas podem ter efeito imunosupressor, ou ainda agir diretamente sobre vacinas, diminuindo sua atividade imunogênica; Mesmo com diferentes estratégias de vacinação, o VBIG continua causando significativas perdas econômicas na produção avícola de corte e postura no Brasil e no mundo. 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 44

45 Slide 45 Obrigado!!! 16/08/2017 EPIDEMIOLOGIA, DIAGNÓSTICO E CONTROLE DA BOUBA E BRONQUITE AVIÁRIA 45

Patologia Aviária SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA EDS-76

Patologia Aviária SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA EDS-76 Patologia Aviária SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA EDS-76 Sindrome da Queda de Postura / EDS-76 Queda de postura em poedeiras vermelhas e reprodutoras pesadas; Presença de ovos com cascas finas Ovos sem casca,

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral BOUBA AVIÁRIA

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral BOUBA AVIÁRIA BOUBA AVIÁRIA MOÇO, Helder Filippi DIAS, Lauriane Conceição ANDOLFATO, Luiz Henrique M. ALVES, Maria Luiza BRONZATTO, Andresa RAYA, Diego Abdo Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia

Leia mais

Encefalomielite Aviária

Encefalomielite Aviária Patologia Aviária Encefalomielite Aviária Prof. Bruno Antunes Soares 1. Importância Doença infecto contagiosa Acomete aves de até 3 semanas de idade Enterotropismo e Neurotropismo Ataxia e Tremores Aves

Leia mais

Laringotraqueíte Infecciosa das Galinhas

Laringotraqueíte Infecciosa das Galinhas Laringotraqueíte Infecciosa das Galinhas Patologia Aviária Prof. Bruno Antunes Soares 1. Importância LTI doença viral aguda do trato respiratório Altas perdas econômicas: alta morbidade e mortalidade,

Leia mais

19/11/2009. Ricardo M. Hayashi Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR

19/11/2009. Ricardo M. Hayashi Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR BRONQUITE INFECCIOSA DAS GALINHAS Ricardo M. Hayashi Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR CONCEITO: - Doença infecciosa viral, altamente contagiosa, que afeta principalmente o trato respiratório e reprodutivo

Leia mais

Enfermidades Micóticas

Enfermidades Micóticas Enfermidades Micóticas Msc. Larissa Pickler Departamento de Medicina Veterinária Universidade Federal do Paraná Disciplina de Doenças das Aves Curitiba Paraná Brasil 2011 Enfermidades Micóticas Infecções

Leia mais

Avicultura e Ornitopatologia Prof. Bruno Antunes Soares. Influenza Aviária

Avicultura e Ornitopatologia Prof. Bruno Antunes Soares. Influenza Aviária Avicultura e Ornitopatologia Prof. Bruno Antunes Soares Influenza Aviária 1 Importância Exótica para avicultura COMERCIAL brasileira; 2 Importância Notificação obrigatória, lista da OIE (Organização Mundial

Leia mais

A bronquite infecciosa (BI) é uma doença viral e contagiosa das aves, disseminada no mundo todo.

A bronquite infecciosa (BI) é uma doença viral e contagiosa das aves, disseminada no mundo todo. iara.trevisol@embrapa.br A bronquite infecciosa (BI) é uma doença viral e contagiosa das aves, disseminada no mundo todo. Coronaviridae, gênero Coronavírus. Três grupos compõem o gênero Coronavírus, o

Leia mais

Anemia Infecciosa das Galinhas

Anemia Infecciosa das Galinhas Anemia Infecciosa das Galinhas Leonardo Bozzi Miglino Programa de Pós-graduação - UFPR Mestrado Ciências Veterinárias 2010 Histórico: Isolado e descrito no Japão (1979), chamado de agente da anemia das

Leia mais

DOENÇA DE NEWCASTLE. Figura 1: Distribuição da doença de Newcastle. Julho a Dezembro de Fonte: OIE.

DOENÇA DE NEWCASTLE. Figura 1: Distribuição da doença de Newcastle. Julho a Dezembro de Fonte: OIE. INTRODUÇÃO DOENÇA DE NEWCASTLE A doença de Newcastle (DNC) é uma enfermidade viral, aguda, altamente contagiosa, que acomete aves silvestres e comerciais, com sinais respiratórios, freqüentemente seguidos

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Centro de Saúde e Tecnologia Rural Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária

Universidade Federal de Campina Grande Centro de Saúde e Tecnologia Rural Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária Slide 1 Universidade Federal de Campina Grande Centro de Saúde e Tecnologia Rural Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária PNEUMONIA ENZOÓTICA E SÍNDROME REPRODUTIVA E RESPIRATÓRIA PROF. DR. SILVANO HIGINO

Leia mais

SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA

SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA Autores FOLHARI, Érica Pieroli VÁGULA, Maílha Ruiz Email: erica_vet@hotmail.com Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED PEREIRA, Rose Elisabeth

Leia mais

Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA

Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA REGISTRO, FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DE ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE REPRODUÇÃO E COMERCIAIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56/07 Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA Importância

Leia mais

Avicultura e Ornitopatologia DOENÇA DE NEWCASTLE. Prof. Bruno Antunes Soares

Avicultura e Ornitopatologia DOENÇA DE NEWCASTLE. Prof. Bruno Antunes Soares Avicultura e Ornitopatologia DOENÇA DE NEWCASTLE Prof. Bruno Antunes Soares 1 Newcastle (1927) UK Doença de Newcastle ( DN) tem controle oficial pelo PNSA. Exótica na Avicultura Industrial Brasileira Orientação

Leia mais

CLOSTRIDIOSES EM AVES

CLOSTRIDIOSES EM AVES CLOSTRIDIOSES EM AVES Instituto Biológico Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Avícola Greice Filomena Zanatta Stoppa CLOSTRIDIOSE Infecções provocadas por toxinas ou bactérias do gênero

Leia mais

DOENÇA DE NEWCASTLE PRODUÇÃO, NUTRIÇÀO & SANIDADE ANIMAL. PROF. MSc MARCOS FABIO P N S A. IFRJ -

DOENÇA DE NEWCASTLE PRODUÇÃO, NUTRIÇÀO & SANIDADE ANIMAL. PROF. MSc MARCOS FABIO P N S A. IFRJ - DOENÇA DE NEWCASTLE PROF. MSc MARCOS FABIO MED.VET COORDENADOR AVICULTURA E FÁBRICA DE RAÇÃO IFRJ - marcosfabiovet@uol.com.br É uma doença de origem asiática, e foi relatada pela primeira vez por Kraneveld

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Medicina Veterinária EMENTA OBJETIVOS

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Medicina Veterinária EMENTA OBJETIVOS Faculdade Anísio Teixeira Portaria nº 552 de 22 de março de 2001 D.O.U. de 26/03/2001. Curso de Medicina Veterinária. Autorização: Portaria nº 1.687 de 24 de novembro de 2009 - D.O.U. de 25/11/2009 PROGRAMA

Leia mais

DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS

DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS Colégio Energia Barreiros 1º Ano Professor João DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS Arboviroses (transmitidas por artrópodes) DENGUE Agente etiológico: flavivírus; Vetor: mosquito Aedes aegypti (principal); Transmissão:

Leia mais

Frangos de corte, poedeiras comerciais e pintos de um dia Aula 5. Professora Me Mariana Belloni 06/09/2016

Frangos de corte, poedeiras comerciais e pintos de um dia Aula 5. Professora Me Mariana Belloni 06/09/2016 Frangos de corte, poedeiras comerciais e pintos de um dia Aula 5 Professora Me Mariana Belloni 06/09/2016 CRIAÇÃO E MANEJO DE FRANGOS DE CORTE Limpeza e Desinfecção das Instalações Remoção de toda matéria

Leia mais

19/11/2009. Doenças Neoplásicas. Doença de Marek. Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose. 1907, Marek:

19/11/2009. Doenças Neoplásicas. Doença de Marek. Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose. 1907, Marek: DOENÇAS NEOPLÁSICAS Tatiana Brognolli d Aquino de Sousa Programa de Pós-graduação - UFPR Mestrado Ciências Veterinárias 2009 Doenças Neoplásicas Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose Causam alta

Leia mais

Infecção ocorre por meio de secreções nasais, fômites e fezes e cama contaminada. Afeta principalmente galinhas, mas pode

Infecção ocorre por meio de secreções nasais, fômites e fezes e cama contaminada. Afeta principalmente galinhas, mas pode Infecção ocorre por meio de secreções nasais, fômites e fezes e cama contaminada. Leandro Nagae Kuritza Larissa Pickler Notificação 10 de Novembro de 2010; Visita de técnicos do Instituto Mineiro de Afeta

Leia mais

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose Zoonoses Salmonelose Leptospirose Tuberculose SALMONELOSE EDINAIDY SUIANNY ROCHA DE MOURA MENEZES É uma doença infecciosa provocada por um grupo de bactérias do gênero Salmonella, que pertencem à família

Leia mais

(seleção, sexagem, vacinação, condições de armazenagem, temperatura umidade e ventilação da sala, expedição dos pintos).

(seleção, sexagem, vacinação, condições de armazenagem, temperatura umidade e ventilação da sala, expedição dos pintos). a arte de incubar parte 4 sala de pintos (seleção, sexagem, vacinação, condições de armazenagem, temperatura umidade e ventilação da sala, expedição dos pintos). Os manejos de Sala de Pintos dependem da

Leia mais

Doença Infecciosa da Bolsa Doença de Gumboro

Doença Infecciosa da Bolsa Doença de Gumboro Patologia Aviária Doença Infecciosa da Bolsa Doença de Gumboro Prof. Bruno Antunes Soares Anatomia do Sistema Imune das Aves Bolsa DE FABRICIUS 2 Anatomia do Sistema Imune das Aves Bolsa cloacal ou de

Leia mais

ANEMIA INFECCIOSA EQÜINA OU FEBRE DOS PÂNTANOS ETIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA. FAMÍLIA: Retroviridae SUBFAMÍLIA: Lentivirinae

ANEMIA INFECCIOSA EQÜINA OU FEBRE DOS PÂNTANOS ETIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA. FAMÍLIA: Retroviridae SUBFAMÍLIA: Lentivirinae ANEMIA INFECCIOSA EQÜINA OU FEBRE DOS PÂNTANOS Prof. Msc. Aline Moreira de Souza ETIOLOGIA FAMÍLIA: Retroviridae SUBFAMÍLIA: Lentivirinae Vírus RNA envelopado. Tem transcriptase reversa. Glicoproteínas

Leia mais

Patologia Aviária. Doença de Marek. Prof. Bruno Antunes Soares

Patologia Aviária. Doença de Marek. Prof. Bruno Antunes Soares Patologia Aviária Doença de Marek Prof. Bruno Antunes Soares Doença de Marek 1. Importância Doença linfoproliferativa causada por um alfaherpesvírus, de transmissão horizontal e aerógena, principalmente

Leia mais

VACINAS EM AVES. Prof. Esp. Walderson Zuza

VACINAS EM AVES. Prof. Esp. Walderson Zuza VACINAS EM AVES 1 Prof. Esp. Walderson Zuza DOENÇAS Doenças dependem da resistência dos animais (vacinações), mas dependem da quantidade e virulência dos agentes de doenças. A maioria dos agentes de doença

Leia mais

ENFERMAGEM DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS. OUTRAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS. OUTRAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS Aula 5 Profª. Tatiane da Silva Campos Difteria amígdalas, faringe, laringe, nariz. Manifestação clínica típica: presença de placas pseudomembranosas branco-acinzentadas

Leia mais

Atualização sobre salmonelas fatores de risco e disseminação

Atualização sobre salmonelas fatores de risco e disseminação Atualização sobre salmonelas fatores de risco e disseminação ANGELO BERCHIERI JUNIOR FCAV-Unesp, Jaboticabal-SP E-mail: berchier@fcav.unesp.br Brasília, 2014 Gênero Espécie Subespécie enterica 2.610 sorovares.

Leia mais

Introdução. Desinfecção e Desinfetantes. Benefícios. Conceitos. Conceitos 19/05/2014. Limpeza e desinfecção. Prevenção de doenças

Introdução. Desinfecção e Desinfetantes. Benefícios. Conceitos. Conceitos 19/05/2014. Limpeza e desinfecção. Prevenção de doenças Introdução Desinfecção e Desinfetantes Limpeza e desinfecção Prevenção de doenças Microrganismos no ambiente Jean Berg Risco de infecções Sanidade e produtividade animal 1 2 Benefícios Produtividade Doenças

Leia mais

Início no final do século XIX; Agentes infecciosos capazes de passar por filtros que retinham bactérias; Evolução técnico-científica; Nem todos

Início no final do século XIX; Agentes infecciosos capazes de passar por filtros que retinham bactérias; Evolução técnico-científica; Nem todos Início no final do século XIX; Agentes infecciosos capazes de passar por filtros que retinham bactérias; Evolução técnico-científica; Nem todos agentes filtráveis podiam ser classificados como vírus; Vírus:

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

Agente etiológico. Leishmania brasiliensis

Agente etiológico. Leishmania brasiliensis Leishmaniose Agente etiológico A leishmaniose é causada por protozoários flagelados chamados Leishmania brasiliensis e Leishmania chagasi, que invadem e se reproduzem dentro das células que fazem parte

Leia mais

PREVALÊNCIA DE MYCOPLASMAGALLISEPTICUM EM FRANGOS DA REGIÃO DA GRANDE ARAGUAÍNA, ESTADO DO TOCANTINS

PREVALÊNCIA DE MYCOPLASMAGALLISEPTICUM EM FRANGOS DA REGIÃO DA GRANDE ARAGUAÍNA, ESTADO DO TOCANTINS PREVALÊNCIA DE MYCOPLASMAGALLISEPTICUM EM FRANGOS DA REGIÃO DA GRANDE ARAGUAÍNA, ESTADO DO TOCANTINS Aléxia Lohanna Monteiro Lima¹; Francisco Baptista² 1 Aluna do Curso de Medicina Veterinária; Campus

Leia mais

Incubação Artificial de Ovos Parte I Ovos no Matrizeiro

Incubação Artificial de Ovos Parte I Ovos no Matrizeiro Prof. Bruno Antunes Soares Médico Veterinário (UFLA) Mestre em Imunologia e Doenças Drn. Ciência Animal (UFMG) C. Vale Cooperativa Agroindustrial Avicultura e Ornitopatologia Incubação Artificial de Ovos

Leia mais

Vacina viva liofilizada complexo-imune para prevenção da Doença de Gumboro

Vacina viva liofilizada complexo-imune para prevenção da Doença de Gumboro CEVA TRANSMUNE IBD Vacina viva liofilizada complexo-imune para prevenção da Doença de Gumboro Contém o vírus de Gumboro da cepa Winterfield 2512 na forma de Complexoimune. INDICAÇÃO Indicado para prevenção

Leia mais

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA INTRODUÇÃO Alto índice de produtividade Nutrição Manejo Genética Saúde animal Desenvolvimento e tecnificação Saúde animal INTRODUÇÃO BIOSSEGURIDADE Brasil Destaque na produção

Leia mais

GALLIFORMES. Aluno : Guilherme Maroldi Kida

GALLIFORMES. Aluno : Guilherme Maroldi Kida GALLIFORMES Aluno : Guilherme Maroldi Kida Galliformes Ordem Galliformes 258 spp. Divide-se em 5 famílias: Cracidae Megapodiidae Phasianidae Numididae Odontophoridae Representantes -Mutum -Jacu -Galinha

Leia mais

SÍNDROME DA CABEÇA INCHADA EM FRANGOS DE CORTE 1

SÍNDROME DA CABEÇA INCHADA EM FRANGOS DE CORTE 1 SÍNDROME DA CABEÇA INCHADA EM FRANGOS DE CORTE 1 FRIEBEL, Jaqueline 2 ; RADTKE, Thays Regina 2 ; GONZATTI, Matheus Henrique³ e EBLING, Patrícia Diniz 4 Palavras chaves: Avicultura, biosseguridade, testes

Leia mais

VIROSES...as doenças causadas pelos vírus

VIROSES...as doenças causadas pelos vírus VIROSES..as doenças causadas pelos vírus VIROSES ASSOCIADAS À PELE ASSOCIADAS AO SISTEMA NERVOSO ASSOCIADAS AOS SISTEMAS CARDIOVASCULAR E LINFÁTICO ASSOCIADAS AOS SISTEMAS DIGESTÓRIO ASSOCIADAS AO SISTEMA

Leia mais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais O Mormo é uma doença infecto-contagiosa que acomete os Equinos e Asininos e tem como agente causador a bactéria Burkholderia mallei; Mormo é uma Zoonose porque

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais Profa. Claudia Vitral Importância do diagnóstico laboratorial virológico Determinar a etiologia e acompanhar o curso de uma infecção viral Avaliar a eficácia

Leia mais

Patogenia Viral II. Rafael B. Varella Prof. Virologia UFF

Patogenia Viral II. Rafael B. Varella Prof. Virologia UFF Patogenia Viral II Rafael B. Varella Prof. Virologia UFF Patogenia: interação de fatores do vírus e do hospedeiro, com consequente produção de doença Patogenia das viroses Processo de desenvolvimento de

Leia mais

Produção de aves e ovos de maneira tecnificada com maior proximidade do natural.

Produção de aves e ovos de maneira tecnificada com maior proximidade do natural. Avicultura caipira? Produção de aves e ovos de maneira tecnificada com maior proximidade do natural. Essa atividade representa muitas vezes a viabilidade econômica de uma propriedade. Avicultura caipira

Leia mais

(FONTE: ANVISA, FAO, MAPA, OMS, UBA E USDA)

(FONTE: ANVISA, FAO, MAPA, OMS, UBA E USDA) ESCLARECIMENTOS E MEDIDAS DE PREVENÇÃO A SEREM ADOTADAS PELOS PRODUTORES RURAIS A FIM DE EVITAR O INGRESSO DA INFLUENZA AVIÁRIA (GRIPE AVIÁRIA) NAS GRANJAS AVÍCOLAS 1. O que é Influenza Aviária (IA)? (FONTE:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS Adriéli Wendlant Hepatites virais Grave problema de saúde pública No Brasil, as hepatites virais

Leia mais

Direcção Geral de Veterinária. Febre Catarral do Carneiro. Língua Azul

Direcção Geral de Veterinária. Febre Catarral do Carneiro. Língua Azul Direcção Geral de Veterinária Febre Catarral do Carneiro Língua Azul Etiologia Classificação do agente causual Vírus da família dos Reoviridae, do género Orbivirus Foram identificados 24 serótipos Nenhuma

Leia mais

Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo

Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo Vírus da Diarréia Epidêmica Suína (PEDV) Albert Rovira, Nubia Macedo Diarréia Epidêmica Suína PED é causada por um coronavírus (PEDV) PEDV causa diarréia e vômito em suínos de todas as idades Mortalidade

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO VIRAL Danielly Cantarelli

MULTIPLICAÇÃO VIRAL Danielly Cantarelli MULTIPLICAÇÃO VIRAL Danielly Cantarelli 1 Os vírus não possuem enzimas para a produção de energia nem para a síntese protéica Para que um vírus se multiplique, ele deve invadir uma célula hospedeira e

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais Profa. Claudia Vitral Importância do diagnóstico laboratorial virológico Determinar a etiologia e acompanhar o curso de uma infecção viral Avaliar a eficácia

Leia mais

Índice Produtivo - GPD

Índice Produtivo - GPD CASO CLÍNICO Doença de Glasser Histórico Uma granja localizada no interior de São Paulo com 2.000 matrizes e sistema de produção de dois sítios separados, porém, muito próximos, com distância de 200 metros

Leia mais

Desafios e Oportunidades

Desafios e Oportunidades Workshop sobre PEDV ABEGS, ABCS, Embrapa Suínos e Aves e MAPA Desafios e Oportunidades Janice Reis Ciacci Zanella 28 de março de 2014 Brasília, DF Biossegurança Cumprir os passos que assegurem práticas

Leia mais

A r g avo v s o s Ep E i p de d m e i m ol o óg ó i g co c s CON O CEI E T I OS DOE O N E ÇA

A r g avo v s o s Ep E i p de d m e i m ol o óg ó i g co c s CON O CEI E T I OS DOE O N E ÇA Agravos Epidemiológicos Parte - 01 PROFa. MSc. MARISE RAMOS CONCEITOS DOENÇA Desajustamento ou uma falha nos mecanismos de adaptação do organismo ou uma ausência de reação aos estímulos a cuja ação está

Leia mais

Vírus associados à surtos alimentares (Rotavirus, Norovirus e Hepatite A)

Vírus associados à surtos alimentares (Rotavirus, Norovirus e Hepatite A) Vírus associados à surtos alimentares (Rotavirus, Norovirus e Hepatite A) Disciplina : Microbiologia Curso: Nutrição Professora: Adriana de Abreu Corrêa (adrianacorrea@id.uff.br) DOENÇAS TRANSMITIDAS POR

Leia mais

POEDEIRAS COMERCIAIS

POEDEIRAS COMERCIAIS NUTRIÇÃO SANIDADE & MANEJO POEDEIRAS COMERCIAIS MARCOS FABIO DE LIMA Medico Veterinário/ M.Sc. Produção Animal www.centrodepesquisasavicolas.com.br 01. INTRODUÇÃO Passos importantes para iniciar a criação:

Leia mais

Pestvirus. Msc. Anne Caroline Ramos dos Santos

Pestvirus. Msc. Anne Caroline Ramos dos Santos Pestvirus Msc. Anne Caroline Ramos dos Santos Artigo Material e Métodos Animais: o Leitões de 8 semanas de idade o Livres de BVDV Vírus: o BVDV-1b não-citopático estirpe St. Oedenrode isolado de tonsila

Leia mais

Prevenção e controle das infecções virais

Prevenção e controle das infecções virais Prevenção e controle das infecções virais 1 Medidas de prevenção de doenças virais Redução do risco de exposição Introdução de melhorias sanitárias (ex. infecções entéricas) Veiculação de informações para

Leia mais

CADEIA EPIDEMIOLÓGICA DAS ENFERMIDADES TRANSMISSÍVEIS

CADEIA EPIDEMIOLÓGICA DAS ENFERMIDADES TRANSMISSÍVEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NÚCLEO BIOTECNOLOGIA CADEIA EPIDEMIOLÓGICA DAS ENFERMIDADES TRANSMISSÍVEIS CLÁUDIA PINHO HARTLEBEN MÉDICA VETERINÁRIA ÁREA SAÚDE PÚBLICA

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ZOO434 Produção Avícola

Programa Analítico de Disciplina ZOO434 Produção Avícola 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Zootecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 4 0 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS 1

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS 1 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS VÍRUS São agentes infecciosos com características diferenciadas; Não são visualizados ao Microscópio de Luz; Não são isolados in vitro

Leia mais

COMPARATIVE CLINICAL PATHOLOGY. Fator de Impacto: 0,9

COMPARATIVE CLINICAL PATHOLOGY. Fator de Impacto: 0,9 COMPARATIVE CLINICAL PATHOLOGY Fator de Impacto: 0,9 Introdução 50% dos tratamentos Sistema Imune Particularidades Anatômicas e fisiológicas Trato respiratório FALHA Transferência de imunidade ESTRESSE

Leia mais

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio.

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. INTRODUÇÃO A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. - conjunto de reações químicas do metabolismo energético (respiração celular). RESPIRAÇÃO CELULAR

Leia mais

SALMONELOSES EN AVICULTURA

SALMONELOSES EN AVICULTURA SALMONELOSES EN AVICULTURA Recente recolhimento de ovos comerciais nos EUA Mais de 500 mi de ovos Mais de 1000 casos humanos relacionados Salmonelas Enterobactéria Bactéria gram negativa Trato intestinal

Leia mais

Toxoplasmose. Zoonoses e Administração em Saúde Pública. Prof. Fábio Raphael Pascoti Bruhn

Toxoplasmose. Zoonoses e Administração em Saúde Pública. Prof. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Prof. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Soroprevalência

Leia mais

PROFILAXIA E CONTROLE SANITÁRIO EM CRIAÇÕES ALTERNATIVAS. Prof. Dr. William Cardoso Maciel FAVET / UECE

PROFILAXIA E CONTROLE SANITÁRIO EM CRIAÇÕES ALTERNATIVAS. Prof. Dr. William Cardoso Maciel FAVET / UECE PROFILAXIA E CONTROLE SANITÁRIO EM CRIAÇÕES ALTERNATIVAS 1 Prof. Dr. William Cardoso Maciel FAVET / UECE 1 CRIAÇÕES ALTERNATIVAS AVES INDUSTRIAIS AVES SILVESTRES AVES EXÓTICAS AVES DE COMPANHIA AVES ALTERNATIVAS

Leia mais

INFLUENZA INFLUENZA INFLUENZA INFLUENZA INFLUENZA 1. ETIOLOGIA INFLUÊNCIA INFLUENZA 7. BIBLIOGRAFIARECOMENDADARECOMENDADA INFLUENZA

INFLUENZA INFLUENZA INFLUENZA INFLUENZA INFLUENZA 1. ETIOLOGIA INFLUÊNCIA INFLUENZA 7. BIBLIOGRAFIARECOMENDADARECOMENDADA INFLUENZA 2. 3. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DE S 4. AVIÁRIA 5. SUÍNA 6. PANDEMIAS DE HUMANA 7. BIBLIOGRAFIARECOMENDADARECOMENDADA Prof. Dr. Paulo Eduardo Brandão VPS/FMVZ/USP? = INFLUÊNCIA FAMÍLIA ORTHOMYXOVIRIDAE

Leia mais

Avicultura e Ornitopatologia

Avicultura e Ornitopatologia Avicultura e Ornitopatologia Aula 01 e 02 Avicultura e Ornitopatologia Aula 01: Introdução à Avicultura Prof. Bruno Antunes Soares Médico Veterinário - UFLA Mestre em Imunologia e Doenças Infecciosas -

Leia mais

INFLUENZA SUÍNA 1. Eduarda Almeida 2, Quezia Neu 2, Flavio Vincenzi Junior 3 ; Patrícia Diniz Ebling 4

INFLUENZA SUÍNA 1. Eduarda Almeida 2, Quezia Neu 2, Flavio Vincenzi Junior 3 ; Patrícia Diniz Ebling 4 INFLUENZA SUÍNA 1 Eduarda Almeida 2, Quezia Neu 2, Flavio Vincenzi Junior 3 ; Patrícia Diniz Ebling 4 Palavras-chaves: Biosseguridade, biossegurança, doença emergente, zoonose. INTRODUÇÃO A suinocultura

Leia mais

BIOSSEGURANÇA E REGISTRO DE GRANJAS DE POSTURA COMERCIAL

BIOSSEGURANÇA E REGISTRO DE GRANJAS DE POSTURA COMERCIAL BIOSSEGURANÇA E REGISTRO DE GRANJAS DE POSTURA COMERCIAL III ENCONTRO DE CAPACITAÇÃO E INOVAÇÃO - OVOS RS EDIÇÃO ESPECIAL ADESÃO AO SIF FLÁVIO CHASSOT LOUREIRO FISCAL ESTADUAL AGROPECUÁRIO PROGRAMA ESTADUAL

Leia mais

Processos de interação vírus célula. e replicação viral

Processos de interação vírus célula. e replicação viral Processos de interação vírus célula e replicação viral Adsorção: ligação do receptor celular e antirreceptor viral. Exemplo poliovírus: 1 Adsorção: ligação do receptor celular e antirreceptor viral. Hepatite

Leia mais

Carbúnculo ou antraz Bacillus anthracis

Carbúnculo ou antraz Bacillus anthracis Carbúnculo ou antraz Bacillus anthracis CARBÚNCULO OU ANTRAZ (EM INGLÊS, ANTHRAX) É UMA DOENÇA INFECCIOSA AGUDA PROVOCADA PELA BACTÉRIA BACILLUS ANTHRACIS O NOME DA DOENÇA VEM DO GREGO, ANTHRAX, QUE QUER

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRUTURA

CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRUTURA VÍRUS DEFINIÇÃO São agentes infecciosos não-celulares, cujo genoma pode ser DNA ou RNA. Replicam-se somente em células vivas, utilizando toda a maquinaria de biossíntese e de produção de energia da célula

Leia mais

Enfermidades Infecciosas em Bubalinos. Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1

Enfermidades Infecciosas em Bubalinos. Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1 Enfermidades Infecciosas em Bubalinos Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1 Doenças Infecciosas Grupo I Problemas Reprodutivos Brucelose, Leptospirose, Rinotraqueíte Infecciosa (IBR) e Metrites

Leia mais

Curso de Nivelamento de Biologia

Curso de Nivelamento de Biologia Curso de Nivelamento de Biologia Vírus Aula 2-2017 Profª. Priscila Brustin Especialista Biotecnologia e Meio Ambiente DEFINIÇÃO: VÍRUS Vírus (do latim virus, "veneno" ou "toxina"). Parasitas intracelulares

Leia mais

ENFERMAGEM DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS. OUTRAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS. OUTRAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS Aula 4. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS Aula 4 Profª. Tatiane da Silva Campos Caxumba = Parotidite Infecciosa aguda, caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE BIOSSEGURIDADE MÍNIMA PARA A PREVENÇÃO DA PESTE SUÍNA CLÁSSICA NA ZONA LIVRE E DE MEDIDAS DE CONTROLE NA ZONA NÃO LIVRE

PROCEDIMENTOS DE BIOSSEGURIDADE MÍNIMA PARA A PREVENÇÃO DA PESTE SUÍNA CLÁSSICA NA ZONA LIVRE E DE MEDIDAS DE CONTROLE NA ZONA NÃO LIVRE Brasília, 12 de dezembro de 2018 Ofício nº 050/2018 PROCEDIMENTOS DE BIOSSEGURIDADE MÍNIMA PARA A PREVENÇÃO DA PESTE SUÍNA CLÁSSICA NA ZONA LIVRE E DE MEDIDAS DE CONTROLE NA ZONA NÃO LIVRE Como é de conhecimento

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ZOO424 Avicultura

Programa Analítico de Disciplina ZOO424 Avicultura 0 Programa Analítico de Disciplina ZOO Avicultura Departamento de Zootecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 0 Períodos

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus 02-2017 1- Quais foram as observações feitas por Adolf Mayer que permitiram concluir que o agente etiológico da Doença do Mosaico do tabaco era um

Leia mais

Doença Respiratória Bovina: gerenciamento de risco e impacto no desempenho dos animais confinados

Doença Respiratória Bovina: gerenciamento de risco e impacto no desempenho dos animais confinados Doença Respiratória Bovina: gerenciamento de risco e impacto no desempenho dos animais confinados Marcelo de Oliveira Furtado Consultor em Pecuária Médico Veterinário Especialista em Produção de Ruminantes

Leia mais

Qual é a estrutura típica de um vírus?

Qual é a estrutura típica de um vírus? Vírus Qual é a estrutura típica de um vírus? CICLOS REPRODUTIVOS Em relação a reprodução dos vírus, podemos dizer que eles podem realizar um ciclo lítico ou um ciclo lisogênico. Qual é a principal

Leia mais

Fontes de m.o. 16/09/2015. Fontes de m.o. Plantas. algumas plantas produzem metabolitos antimicrobianos. interiores geralmente estéreis

Fontes de m.o. 16/09/2015. Fontes de m.o. Plantas. algumas plantas produzem metabolitos antimicrobianos. interiores geralmente estéreis 1 2 Plantas interiores geralmente estéreis algumas plantas produzem metabolitos antimicrobianos frutos e hortícolas têm m.o. superficiais variam com: tipo de solo fertilizantes e água qualidade do ar 1

Leia mais

Epidemiologia e Controle de Salmonella na Produção de Aves

Epidemiologia e Controle de Salmonella na Produção de Aves Mercolab Cascavel/PR, Brasil (09 Out. 2014) Epidemiologia e Controle de Salmonella na Produção de Aves Marcos H. Rostagno Consultor Técnico Global Professor Adjunto Salmonella e sua complexidade Daniel

Leia mais

Tratamento (Coquetel Anti- HIV)

Tratamento (Coquetel Anti- HIV) VIROSES 1 2 Tratamento (Coquetel Anti- HIV) inibidores da transcriptase reversa inibidores de protease inibidores de fusão OBS.: Apesar de agirem de formas diferentes, todos os medicamentos impedem a reprodução

Leia mais

BEM-ESTAR EM AVES. DEFINIÇÃO OIE (World Organization For Animal Health)

BEM-ESTAR EM AVES. DEFINIÇÃO OIE (World Organization For Animal Health) Flávia Bornancini Borges Fortes Médica Veterinária, MsC. CRMV 8269 Fiscal Estadual Agropecuário Programa Estadual de Sanidade Avícola Seminário de Responsabilidade Técnica Sanidade Animal e Saúde Pública

Leia mais

Caracterização do genoma e teste de proteção vacinal para amostras do vírus da bronquite infecciosa das aves associadas a surtos atípicos da doença

Caracterização do genoma e teste de proteção vacinal para amostras do vírus da bronquite infecciosa das aves associadas a surtos atípicos da doença CAPÍTULO 11 Caracterização do genoma e teste de proteção vacinal para amostras do vírus da bronquite infecciosa das aves associadas a surtos atípicos da doença Iara Maria Trevisol Fátima Regina Ferreira

Leia mais

MANUAL DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS. Embrapa 051 (Produção em parques)

MANUAL DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS. Embrapa 051 (Produção em parques) MANUAL DE MANEJO DAS POEDEIRAS COLONIAIS DE OVOS CASTANHOS Embrapa 051 (Produção em parques) 1 Características das poedeiras Embrapa 051 As poedeiras coloniais Embrapa 051 são galinhas híbridas, resultantes

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Doenças Infecciosas dos Animais Domésticos II Código da Disciplian: VET247 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 8 P Faculdade responsável: Medicina

Leia mais

BIOSEGURIDADE em rebanhos suinícolas. Mínimo de Doenças ou Alto Estatus de Saúde. Alto Estatus de Saúde. Alto Estatus de Saúde BIOSSEGURIDADE

BIOSEGURIDADE em rebanhos suinícolas. Mínimo de Doenças ou Alto Estatus de Saúde. Alto Estatus de Saúde. Alto Estatus de Saúde BIOSSEGURIDADE Universidade Federal do Paraná AZ-044 Suinocultura BIOSEGURIDADE em rebanhos suinícolas Prof. Marson Bruck Warpechowski BIOSSEGURIDADE Segurança de seres vivos através da diminuição do risco de ocorrência

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Registro da Doença de Marek, Leucose aviária e Doença Infecciosa da bolsa na Região do Triângulo Mineiro, no período de 1999 a 2003 Eliane de Sousa

Leia mais

FORT DODGE Saúde Animal Ltda Rua Luiz Fernando Rodrigues, 1701 V. Boa Vista CEP Campinas SP - Brasil

FORT DODGE Saúde Animal Ltda Rua Luiz Fernando Rodrigues, 1701 V. Boa Vista CEP Campinas SP - Brasil 1. Histórico. Micoplasmas são bactérias pertencentes à classe Mollicutes, família Micoplasmatales. São geneticamente relacionados às bactérias Gram positivas, das quais descendem provavelmente por evolução

Leia mais

Para estudarmos a reprodução viral vamos analisar a reprodução do bacteriófago, parasito intracelular de bactérias. Bacteriófago

Para estudarmos a reprodução viral vamos analisar a reprodução do bacteriófago, parasito intracelular de bactérias. Bacteriófago 6) Reprodução Viral o Os vírus só se reproduzem no interior de uma célula hospedeira. o O ácido nucléico dos vírus possui somente uma pequena parte dos genes necessários para a síntese de novos vírus.

Leia mais

HELTON FERNANDES DOS SANTOS LABVIR ICBS - UFRGS

HELTON FERNANDES DOS SANTOS LABVIR ICBS - UFRGS HELTON FERNANDES DOS SANTOS LABVIR ICBS - UFRGS Altamente contagioso. Antes da vacina: 90% das crianças antes de completar 15 anos. 2 milhões de mortes 15.000 a 60.000 casos de cegueira anualmente. Descrito

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres Versão em português baseada na versão original em inglês de Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres Versão em português baseada na versão original em inglês de Versão não oficial (OIE) DOENÇAS DE AVES CAPÍTULO 2.7.1 Doença Infecciosa Da Bursa (Doença de Gumboro) Artigo 2.7.1.1. Para fins do Código Sanitário, o período de incubação da doença infecciosa da bursa é de 7 dias. Os padrões

Leia mais

Padrões das infecções virais no homem

Padrões das infecções virais no homem Padrões das infecções virais no homem Patogenicidade e Virulência Patogenicidade: efeitos que contribuem para a propagação de um determinado vírus no hospedeiro (célula, homem, população). capacidade de

Leia mais

Biosseguridade para Granjas de suínos - Produtores

Biosseguridade para Granjas de suínos - Produtores Biosseguridade para Granjas de suínos - Produtores Nelson Morés mores@cnpsa.embrapa.br Avisulat 2016 23 de novembro de 2016 BIOSSEGURANÇA PARA REBANHOS SUÍNOS DEFINIÇÃO: É o conjunto de fatores ou medidas

Leia mais

Cryptosporidium Do grego Kryptos = escondido, spora = Semente

Cryptosporidium Do grego Kryptos = escondido, spora = Semente 1 2 Cryptosporidium Cryptosporidium spp Cryptosporidium Do grego Kryptos = escondido, spora = Semente Coccídio ~ 4 a 8 µm de diâmetro Filo: Apicomplexa Classe: Sporozoea Ordem: Eucoccidiida Família: Cryptosporididae

Leia mais

Hepatites Virais. Prof. Claudia L. Vitral

Hepatites Virais. Prof. Claudia L. Vitral Hepatites Virais Prof. Claudia L. Vitral Hepatites virais Hepatite A Hepatite B Hepatite C Hepatite D Hepatite E Agente etiológico HAV HBV HCV HDV HEV Classificação (família) Picornaviridae Hepadnaviridae

Leia mais

Doenças Exantemáticas Agudas (DEAS)

Doenças Exantemáticas Agudas (DEAS) Doenças Exantemáticas Agudas (DEAS) Definição - Doença infecciosa sistêmica - Manifestação cutânea que acompanha o quadro clínico - Dado fundamental para o diagnóstico Exantema - Etiologia H. contágio

Leia mais