PRODUTO P3 Parte 1/2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUTO P3 Parte 1/2"

Transcrição

1 PLANO ESTADUAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DO RIO GRANDE DO SUL - PELT/RS PRODUTO P3 Parte 1/2 ANÁLISE DO SISTEMA LOGÍSTICO ATUAL PORTO ALEGRE, JUNHO DE 214.

2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES ATIVIDADE 3: ANÁLISE DO SISTEMA LOGÍSTICO ATUAL Modal Rodoviário Considerações Preliminares Administração das Rodovias Concessões Rodoviárias Investimentos na Malha Rodoviária do Estado Programa de Pavimentação de Rodovias Programa de Duplicação de Rodovias Plano Nacional de Logística e Transportes - PNLT Programas de Restauração de Rodovias Principais Corredores de Tráfego Frota Circulante no Estado Tráfego Usuário nas Principais Rodovias (VDM) Relatório de Acidentes nas Rodovias Acessos aos Municípios Rodovias Municipais Principais Gargalos da Rede Viária Estruturas de Apoio aos Transportadores Modal Hidroviário Obras e Projetos Hidroviários Situação Atual dos Portos Movimentação de cargas Marco Regulatório para o setor Situação atual das hidrovias interiores Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental EVTEA Gargalos do Modal Hidroviário Modal Ferroviário Histórico Marco Regulatório para o Setor Estrutura Física e Operacional do RS Integração Ferroviária Gargalos da Ferrovia Obras e Projetos Ferroviários Modal Aeroviário Mapa de Situação Conhecimento do Problema O Estado do Rio Grande do Sul e as possibilidades do incremento do setor de carga aérea Demanda de carga no transporte aéreo do Brasil e do Rio Grande do Sul Dados dos Aeroportos administrados pela Infraero Estudo dos Municípios do Rio Grande do Sul de Interesse para o Plano Aeroviário Relatório Fotográfico Visita Técnica

3 Descrição e Avaliação da Oferta de Infraestrutura Logística e de Transportes no Modal Aeroviário Marco Regulatório Filosofia do Transporte de Cargas no Modelo Aeroviário Brasileiro Modal Dutoviário Histórico Considerações gerais Classificação das dutovias sobre processos relevantes Marco Regulatório do setor Estrutura Física e Operacional das Dutovias Análise Institucional do Setor de Transportes e Logística Considerações Iniciais O Transporte Ferroviário O Transporte Rodoviário de Cargas O Transporte Aquaviário O GEIPOT e o Planejamento dos Transportes Características institucionais da aviação comercial no Brasil Aspectos Gerais da Reconfiguração Organizacional de Transportes: a Lei 1.233/ A Criação da EPL Competências Institucionais dos Órgãos envolvidos no Transporte Multimodal de Cargas TMC Análise do Marco Institucional e Regulatório de Logística e Transportes de Órgãos Federais Análise do Marco Institucional e Regulatório de Logística e Transportes de Órgãos Estaduais Entrevistas junto às Empresas Transportadoras ATIVIDADE 4: DIAGNÓSTICO INICIAL DOS FLUXOS DE INSUMOS E PRODUTOS PRINCIPAIS Pesquisas com embarcadores e demais atores logísticos Considerações Iniciais Referências Seleção dos Produtos Identificação do Potencial de Plataformas Logísticas ATIVIDADE 7: PESQUISAS RODOVIÁRIAS ANEXOS ANEXO 1: TRÁFEGO USUÁRIO NAS PRINCIPAIS RODOVIAS Trechos de Rodovias Federais VDM Trechos de Rodovias Estaduais VDM VRS Trechos - VDM Coinc. Trechos - VDM ANEXO 2: AERÓDROMOS PÚBLICOS E ADMINISTRADOS PELO GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO 3: PESQUISAS RODOVIÁRIAS

4 1 INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta o seguinte Produto do Plano Estadual de Logística e Transportes do Rio Grande do Sul (PELT-RS): P3: Análise do Sistema Logístico Atual. As atividades e subatividades do Termo de Referência constam neste relatório da seguinte forma: ATIVIDADE SUB COMPOSIÇÃO ITEM CORRESPONDENTE 3.1 Caracterização da oferta atual das infraestruturas logística e de transporte a Análise do Sistema Logístico Atual Análise dos serviços de transporte de carga no Rio Grande do Sul Análise do marco institucional e regulatório de logística e transportes a a Caracterização e identificação de gargalos nos serviços de transporte de cargas a

5 2 DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES 2.1 ATIVIDADE 3: ANÁLISE DO SISTEMA LOGÍSTICO ATUAL Modal Rodoviário Considerações Preliminares A infraestrutura rodoviária no Estado apresenta um elenco de rodovias composto de: Rodovias Federais; Rodovias Estaduais; Rodovias Municipais; Rodovias Vicinais; Rodovias Estaduais Transitórias; Acessos Federais; Acessos Estaduais. Os principais eixos rodoviários são apresentados na Figura 1. Nas Tabelas 1 e 2, apresentadas a seguir, é retratado o conjunto das rodovias que compõem o Sistema Rodoviário Estadual, comparando dados de 1993 (Tabela 2) e de 214 (Tabela 1), destacando as seguintes situações: Rodovias planejadas; Rodovias em obras de implantação; Rodovias não pavimentadas (leito natural e implantadas); Rodovias em obras de pavimentação; Rodovias pavimentadas (pista simples, em obras de duplicação e duplicadas). 5

6 Figura 1: Principais eixos rodoviários Fonte: SEPLAG/DEPLAN, 214. A rede rodoviária federal e estadual é ilustrada na Figura 2. A partir das tabelas e da figura, é possível observar que, em termos de pavimentação, a rede federal apresenta uma condição razoável, com cerca de 97,5% da malha existente pavimentada. Na malha estadual, considerando as rodovias estaduais, estaduais transitórias e vicinais, a pavimentação atinge 67,7% da malha. Já nas rodovias municipais, a pavimentação se resume a 699 km, que representam apenas,5% da extensão total cadastrada. Entretanto, se observadas as extensões de rodovias duplicadas, em todos os casos, verificase a seguinte participação dessa condição sobre a malha pavimentada: Rodovias Federais: 6,1%; 6

7 Rodovias Estaduais: 2,8%; Rodovias Estaduais Transitórias:,7%; Rodovias Municipais:,9%. Figura 2: Rede rodoviária federal e estadual do RS Fonte: SEPLAG/DEPLAN, 214. Esses dados sugerem uma insuficiência do Sistema Rodoviário Estadual, no que diz respeito à melhor condição de tráfego das rodovias mais importantes, no sentido da maior fluidez e economicidade de deslocamentos nessas rotas. Essa condição se torna muito importante se considerados os corredores de transporte que constituem as principais rotas do Estado. Além disso, cabe salientar que o Rio Grande do Sul, com uma área de ,223 km² (pouco mais de 3% de todo o território nacional) é 7

8 uma das unidades da Federação líder no comércio exterior, tanto em exportação como em importação. É ainda o Estado mais próximo dos principais países integrantes do MERCOSUL, através do qual é efetivada a integração física entre seus sistemas viários. Entretanto todo esse potencial econômico é atendido por uma malha viária pavimentada cuja densidade é inferior a,5 km/km². Além disso, apenas 9,7% do total da malha do Estado é pavimentada, enquanto, no Brasil, esse índice é de 11,82%, conforme pode ser visto no Gráfico 1. 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Brasil Rio Grande do Sul Pavimentadas Não Pavimentadas Gráfico 1: Extensão total pavimentada (em km) no Brasil e no Rio Grande do Sul Fonte: Elaborado a partir de dados do DAER/RS 8

9 REDE RODOVIÁRIA - EXTENSÕES TOTAIS EM JAN/214 SITUAÇÃO REDE PLANEJADA (A) EM OBRAS DE IMPLANT. (B) LEITO NATURAL NÃO PAVIMENTADA IMPLANT. TOTAL (C) EM OBRAS DE PAVIMENT. (D) PAVIMENTO PISTA SIMPLES PAVIMENTADA EM OBRAS DE DUPLICAÇÃO DUPLICADAS TOTAL (E) TOTAL (A+B+C+D+E) RODOVIAS FEDERAIS 623,77 122,42 122,42 19, 5.1,43 329, , , ACESSOS FEDERAIS 1,1, 55,2 8, 63,2 64, RODOVIAS ESTADUAIS 1.41, , , , ,51 32,48 138, , , RODOVIAS VICINAIS 17,5 15,61 15,61 19,78 612,26 612,26 844, RODOVIAS EST. TRANSIT. 372,18 372,18 1, ,95 13, , , ACESSOS ESTADUAIS 61,73 35,71 35,71 91,1 24,39 2,8 26,47 394, TRAVESSIAS URBANAS 1,55 3,49 3,49,6 119,45 17,87 137,32 142,96 11 RODOVIAS MUNICIPAIS 1.993, , , , 693, 6, 699, , 12 TOTAL 3.829,24, , 22.75, , , ,19 32,48 515, , ,23 Tabela 1: Rede Rodoviária do Estado (jan/214) Fonte: Elaborada a partir de dados do DAER/RS

10 REDE RODOVIÁRIA - EXTENSÕES TOTAIS EM DEZ/1993 SITUAÇÃO REDE PLANEJADA (A) EM OBRAS DE IMPLANT. (B) LEITO NATURAL NÃO PAVIMENTADA IMPLANT. TOTAL (C) EM OBRAS DE PAVIMENT. (D) PAVIMENTO PISTA SIMPLES PAVIMENTADA EM OBRAS DE DUPLICAÇÃO DUPLICADAS TOTAL (E) TOTAL (A+B+C+D+E) RODOVIAS FEDERAIS 1.214,8 28,6 28, ,8 23,7 153, , , ACESSOS FEDERAIS, 44,9 3, 47,9 47, RODOVIAS ESTADUAIS 1.29, 149, , ,7 679,9 3.32,2 28,2 5, , , RODOVIAS VICINAIS 11,1 11,1 22,9 464,2 464,2 498, RODOVIAS EST. TRANSIT , ,9 187,7 829,6 2,6 13,3 845, ,1 1.4 ACESSOS ESTADUAIS 7,6 75,4 75,4 56,7 82,9 82,9 222,6 1.5 TRAVESSIAS URBANAS,,, 11 RODOVIAS MUNICIPAIS 1.88, 111.6, 11.85, , 317, 317, , 12 TOTAL 4.33,8 157, , , ,7 947, ,6 54,5 22, , ,5 Tabela 2: Rede Rodoviária do Estado (dez/1993) Fonte: Elaborado a partir de dados do DAER/RS

11 Administração das Rodovias A administração das rodovias estaduais está a cargo do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem DAER/RS, e as rodovias com pedágios comunitários, a cargo da EGR. As rodovias federais são encargo do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre DNIT Concessões Rodoviárias Concessões Federais O programa de concessões federais no Estado do Rio Grande do Sul abrange os trechos mostrados na Tabela 3. POLOS/ CONCESSIONÁRIAS RODOVIA TRECHO EXTENSÃO (km) BR/29 Osório Porto Alegre* CONCEPA BR/29 BR/11 (Osório) - BR/116 (Guaíba) 121,5 BR/116 (Camaquã) BR/392/471 (Pelotas) 123,4 BR/116 BR/392 (Pelotas) Jaguarão 137,1 Polo de Pelotas BR/293 BR/116 (Pelotas) BR/153 (Bagé) 161,1 ECOSUL Santana da Boa Vista BR/116 BR/392 (Pelotas) 128,4 BR/392 BR/116 (Pelotas) (Rio Grande) 73,4 Extensão Total do Polo (km) 623,4 TOTAL 744,9 Tabela 3: Trechos incluídos no programa de concessões federais * Obs.: A Concessão a cargo da CONCEPA foi ampliada de Eldorado até Guaíba. Concessões Estaduais O programa de concessões estaduais com o DAER como órgão concedente foi extinto em 213, em razão do término dos contratos. Na sequência, o Governo Estadual criou a Empresa Gaúcha de Rodovias EGR, para a qual foi delegada a administração dos pedágios comunitários já existentes e a administração dos pedágios cujos contratos findaram em 213, ficando todos sob o denominado Programa de Pedágios Comunitários. A Tabela 4 demonstra os locais das praças e as extensões dos trechos correspondentes:

12 RODOVIA LOCAL DA PRAÇA EXTENSÃO (km) ERS/135 Coxilha 78,33 ERS/239 Campo Bom 73,66 ERS/122 Portão 86,48 ERS/24 Portão 33,58 ERS/13/129 Encantado 24,85 RSC/453 Cruzeiro do Sul 49, ERS/287 Venâncio Aires Candelária 149, Tabela 4: Extensões dos trechos incluídos no Programa de Pedágios Comunitários Investimentos na Malha Rodoviária do Estado Investimentos do DAER RS Investimentos (em milhões de reais) * Total Geral 2/213 = R$ Olívio Dutra Germano Rigotto Yeda Crusius Tarso Genro Gráfico 2: Investimentos do DAER/RS (2 a 214) Fonte: Elaborado a partir de dados do DAER/RS * Previsão 12

13 Como se pode observar no Gráfico 1, nos últimos 1 anos os valores de investimentos foram os seguintes, expressos em milhões de reais: EXERCÍCIO MILHÕES DE REAIS Tabela 5: Valores de investimento nos últimos 1 anos Com exceção do ano de 21, com valor bastante destacado, obteve-se uma média anual de cerca de 35 milhões de reais nestes últimos dez anos. Investimentos do DNIT Superintendência do Rio Grande do Sul No caso do DNIT no Estado, os dados apresentados na Figura 3 dão uma clara ideia dos investimentos mês a mês nos últimos cinco anos. Nessa série, os anos de 21 e 213 destacam-se pelos volumes de recursos superiores a 1 bilhão de reais. Em termos de investimento, o DNIT está colocando 2,5 bilhões de reais nas obras em andamento, dos quais somente a duplicação da BR-116 demandará 1 bilhão de reais. 13

14 QUADRO RESUMO DA DA SUPERINTENDÊNCIA MEDIDO (em R$) (inclui todos os contratos, inclusive os encerrados e concluídos) Ano Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro 29 R$ ,4 R$ ,72 R$ ,25 R$ ,19 R$ ,88 R$ ,98 R$ ,21 R$ ,62 R$ ,7 R$ ,11 R$ ,2 R$ ,9 21 R$ ,33 R$ ,74 R$ ,93 R$ ,2 R$ ,1 R$ ,75 R$ ,51 R$ ,29 R$ ,24 R$ ,59 R$ ,37 R$ ,7 211 R$ ,1 R$ ,31 R$ ,89 R$ ,31 R$ ,7 R$ ,33 R$ ,25 R$ ,36 R$ ,3 R$ ,48 R$ ,9 R$ , R$ ,61 R$ ,38 R$ ,98 R$ ,38 R$ ,93 R$ ,22 R$ ,1 R$ ,6 R$ ,75 R$ ,93 R$ ,7 R$ ,6 213 R$ ,44 R$ ,86 R$ ,38 R$ ,13 R$ ,54 R$ ,57 R$ ,88 R$ ,66 R$ ,82 R$ ,37 R$ ,21 R$ , R$ ,49 Total R$ ,72 R$ ,85 R$ ,93 R$ ,1 R$ ,42 R$ ,49 PREVISÃO DE DESEMBOLSO (em R$) (abrange os contratos com programação realizada na SR) Setor Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Inicial Revisão Total MEDIDO POR SETOR (Ano Vigente) (em R$) (inclui todos os contratos, inclusive os encerrados e concluídos) Setor Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro CONSTRU ,34 MANUTEN ,15 PROJETO,,,,,,,,,,,, Total , , Milhões Atingiu até 18/2/ % da previsão de 213. TOTAL DE CONTRATOS SETOR ATIVO CADASTRADO CONCLUÍDO ENCERRADO PARALISADO TOTAL CONSTRUÇÃO MANUTENÇÃ PROJETO SINALIZAÇÃO TOTAL TEMPO MÉDIO DE PROCESSAMENTO DAS MEDIÇÕES (em dias) Ano UL/DNIT->Proces. SR/DNIT Proces. SR/DNIT->Aprovação Chefe Eng Total Para o cálculo da média foram considerados os contratos ATIVOS dos setores de CONSTRUÇÃO, MANUTENÇÃO E SINALIZAÇÃO EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA INSCRITO PAGO SALDO OGU* RAP ** Mês TOTAL Inicial Revisão Figura 3: Quadro Resumo da Superintendência Fonte: Elaborada a partir de dados da Superintendência Regional do Estado do Rio Grande do Sul * Recursos empenhados em 214 ** Saldo de empenho de anos anteriores e inscritos como RAP (Restos A Pagar). Fonte: SPO/MT.

15 Programa de Pavimentação de Rodovias A Tabela 6 apresenta os trechos das rodovias estaduais incluídos no Programa de Pavimentação no Estado, sob a responsabilidade do DAER. Rodovia Trecho Extensão (km) RS-571 Chiapeta Alegria 17, RS-324 Iraí Planalto 31, RS-137 Itatiba do Sul Entr. RST-48 27,7 RS-456 Pinhal da Serra Esmeralda 23,4 RS-456 Esmeralda Entr. BR , RS-43 Cachoeira do Sul Rio Pardo 24,4 RS-163 Entr. RST-472 Vista Gaúcha 24,9 RS-35 Crissiumal Padre Gonzales 22, RS-35 Horizontina Crissiumal 34,8 RS-541 Itacurubi Entr. RS , RS-41 Candelária Bexiga 28, RST-47 André da Rocha Nova Prata 21,9 RS-11 Entr. RSC- 453 Entr. RS-476 6,8 VRS-833 Entr. BR-116 km 2,54,5 RS-49 Acesso aeroporto Santo Ângelo 27, RS-332 Não Me Toque Lagoa dos Três Cantos 12, RS-265 Boa Vista Posto Branco 36,5 RS-126 Entr. RS-438 -Ibiraiaras 9,3 RSC-472 Entr. RS-168 (Porto Lucena) Entr. BR-392 (Porto Xavier) 22,4 RS-566 Entr. BR-29 (Alegrete) Entr. RS-529 L1 34,9 RST-473 Torquato Severo Entr. BR-293 (Bagé) 22,7 RS-176 Manoel Viana Entr. BR , RSC-392 Entr. RS-527 (Tupanciretã) Entr. RSC ,5 RS-118 Viamão Lami 18, RS-4 Viaduto da RS-118 Entr. RS-4 14, RS-33 São Bento Tesouras 32,7 VRS-326 Entr. RS-122 Alto Feliz 12,3 RSC-11 Entr. BR-11 Palmares-Tavares 11 RS-2 Cambará do Sul São José dos Ausentes 5,8 Tabela 6:Trechos rodoviários incluídos do Programa de Pavimentação do DAER 15

16 Programa de Duplicação de Rodovias Estão incluídos no Programa de Duplicação de Rodovias, sob responsabilidade do DNIT, dois trechos da BR-116, cuja extensão e situação atual são apresentadas na Tabela 7. No Programa de Duplicação de Rodovias, sob responsabilidade do DAER, estão incluídos trechos de sete rodovias estaduais, cuja extensão e situação atual são apresentadas na Tabela 8. Rodovia Trecho Extensão Situação BR-116 Porto Alegre Pelotas 21,72 Em obras BR-116 Contorno de Pelotas 18, Em obras Tabela 7: Situação das Rodovias Federais incluídas no Programa de Duplicação Rodovia Trecho Extensão Situação RS-118 Entr. BR-29 Entr. BR ,4 Em execução RS-734 Cassino BR/392 1,6 Em execução RS-47 Bento Gonçalves Farroupilha 17,3 A contratar RS-342 Cruz Alta Ijuí 45, A contratar RS- 47 Carlos Barbosa Bento Gonçalves 23,5 A contratar RS- 324 Passo Fundo Contorno de Marau 37,2 Em projeto RS-59 Santa Maria Camobi 4,3 Em execução Tabela 8: Situação das Rodovias Estaduais incluídas do Programa de Duplicação O mapa apresentado na Figura 4 ilustra os trechos considerados. 16

17 Figura 4: Programas de Pavimentação e Duplicação Plano Nacional de Logística e Transportes - PNLT A Tabela 9 apresenta os dados constantes no Plano Nacional de Logística e Transportes PNLT (9/212), referentes às rodovias do Estado do Rio Grande do Sul, integrantes do Portfólio de Projetos Prioritários do Vetor Sul (Modal Rodoviário). 17

18 PLANO NACIONAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES - PNLT Código do Projeto Agrup. Nome Tipo de Intervenção Invest. (R$ mil) Ext. (Km) TIRE Período Implantação RSU1RS1-163 RSU1RS1-165 RSU1RS1-166 RSU1RS RSU1RS RSU1RS1-2 RSU1RS1-22 RSU1RS C RSU1RS1-27 A32 A31 e A32 A37 A32 A32 A32 A32 A32 A32 INVESTIMENTOS TOTAIS (R$ milhões) BR-285: Carazinho/RS a Ijuí/RS BR-285: Passo Fundo/RS a Carazinho/RS BR-287: Santa Cruz do Sul/RS a Tabaí/RS BR-29: Pantano Grande/RS a Caçapava do Sul/RS BR-29: Caçapava do Sul/RS a Uruguaiana/RS BR-386: Soledade/RS a Lajeado/RS BR-386: Soledade/RS a Frederico Westphalen/RS BR-392: Santana da Boa Vista/RS a Canguçu/RS BR-158/BR-392: Cruz Alta/RS a Santana da Boa Vista BRASIL ,7% Terceira Faixa a 16% 215 Duplicação a 12% 216 a 219 Duplicação a 12% Até 215 Terceira Faixa Terceira Faixa a 24% Até a 12% Até 215 Duplicação a 12% 216 a 219 Terceira Faixa Terceira Faixa Terceira Faixa a 24% Até a 16% Até a 24% Até 215 PERCENTUAIS RS. TOTAIS CRONOGRAMA Terceira Faixa Até 215 VETOR SUL ,54% Duplicação a 219 RS Total Tabela 9: Portfólio de Projetos Prioritários do Vetor Sul para o Modal Rodoviário 18

19 Programas de Restauração de Rodovias Do DNIT O DNIT está implementando dois programas de recuperação das rodovias federais associados ao CREMA Contrato de Reabilitação e Manutenção de Rodovias. Os Programas são denominados CREMA 1ª Etapa e CREMA 2ª Etapa, os quais compreendem obras de recuperação funcional do pavimento das pistas e acostamentos, bem como serviços de manutenção do pavimento e conservação da faixa de domínio. O Prazo contratual dos programas é de dois anos. A Tabela 1 discrimina os trechos com obras contratadas, que também são apresentados nas Figuras 5 e 6. CREMA - 1ª ETAPA BR LOCAL DE INÍCIO LOCAL DE FIM km INICIAL km FINAL 19 Extensão 11 Div SC/RS (Rio Mampituba) Entr. BR-29 (Osório), 88,7 88,7 11 Tavares São José do Norte (Rio Grande) 281,1 41,7 129,6 116 Esmeralda Nova Petrópolis 79,5 184,1 14,4 116 Guaíba Camaquã 299,9 397,8 97,9 153 Entr. BR-287(B) (P/ Santa Maria) Entr. BR-29 (A) 373,6 436,8 94,2 153 Entr. BR-29(B) km 557,4 491,3 585,5 94,2 153 km 557,4 Entr. BR-473(B) (Aceguá) 585,5 699,1 113,6 158 Entr. RS-59 (P/Santa Maria) Entr. BR-29(A) (P/Rosário Do Sul) 322,1 446,6 124,5 158 Entr. BR-29(B) Fronteira Brasil/Uruguai (Santana do Livramento) 468,2 571,9 13,7 285 Entr. RS-11 (Bom Jesus) Entr. BR-116(A) (P/Vacaria) 58,6 119,1 6,5 285 Entr. BR-47(A) (Barreiros) Entr. RS-135(A) (Contorno de Passo Fundo) 186,1 29,4 14,3 285 Entr. RS-56 (P/Santa Bárbara do Sul) Entr. BR-287(B) (São Borja) 389,8 673, 283,2 285 Vacaria Lagoa Vermelha 119, 199,2 8,2 287 Entr. RS-59 (Camobí) Entr. RS-241 (P/ São Vicente Do Sul) 232,7 33,2 97,5 287 Entr. RS-241 (P/ São Vicente Do Sul) Entr. RS-168 (P/ Bossoroca) 33,2 49,3 79,1 287 Entr. RS-168 (P/ Bossoroca) Entr. BR-285(A)/472 (P/ Itaqui) 49,3 533,6 124,3 293 Entr. BR-158 (P/ Santana do Livramento) Entr. BR-377/RS-6 (Quaraí) 336,6 442,8 16,2 386 Entr. BR-158(A) (Divisa SC/RS) Entr. RS-44 (Sarandi), 2,1 2,1 386 Entr. RS-332 (P/ Arvorezinha) Tabaí 25,8 386, 135,2 392 Cerro Largo Porto Xavier 659,8 718, 58,2

20 CREMA - 1ª ETAPA BR LOCAL DE INÍCIO LOCAL DE FIM km INICIAL km FINAL Extensão 468 Entr. RS-569 (Palmeira das Missões) Entr. BR-472(B)/RS-35, 16,3 16,3 377 Entr. RS-223 Entr. BR-158(A) (Cruz Alta) 8,2 16, 25,8 471 Entr. BR-392(B) (Quinta) Fronteira Brasil/Uruguai (Chuí) 471,6 692,6 221, 471 Santa Cruz Pantano Grande 12,4 179,3 58,9 472 Entr. RS-21 (Boa Vista do Buricá) Entr. RS-344(A) (P/ Santa Rosa) 114,3 166,8 52,5 CREMA - 2ª ETAPA BR LOCAL DE INÍCIO LOCAL DE FIM km INICIAL km FINAL Extensão 158 Divisa SC/RS Júlio de Castilhos, 263, 263, 285 Entr. BR-158 (P/Panambí) São Borja 416, 675,5 259,5 Tabela 1: Trechos incluídos no CREMA Além destes, o DNIT também implementou o Programa PATO Plano Anual de Trabalho e Orçamento, que reúne elementos geradores de serviços para a licitação de obras e restauração estrutural da rodovia, além de serviços de manutenção e conservação por lote de rodovias. Este programa tem o prazo contratual de cinco anos. Somados, os dois Programas terão aplicação anual de 91 milhões de reais. 2

21 CREMA 1 - PREVISÃO CREMA 1 - EM EXECUÇÃO CREMA 2 CONSERVAÇÃO/ RESTAURAÇÃO ESTADO/ CONVÊNIO Figura 5: CREMA 1ª Etapa 21

22 Figura 6: CREMA 2ª Etapa Edital 18/8 4 Lotes Edital 181/8 5 Lotes Extensão: 3,27 mil km Do DAER Os Programas em Andamento no DAER para Restauração de Rodovias são: Programa CREMA PROREDES BIRD: Programa com recursos do Banco Mundial Programa CREMA Serra: Programa com recursos de contrapartida do Programa CREMA PROREDES BIRD Programa Emergencial O Programa CREMA Banco Mundial contempla, aproximadamente, 1.6 km, assim distribuídos: CREMA Erechim: 17,73 km; 22

23 RODOVIA CÓDIGO SRE TRECHO Extensão (m) 126ERS2 ENTR. BRS-285(B) (P/ LAGOA VERMELHA) - ENTR. ERS-467 (P/ IBIAÇÁ) 18.15, 126ERS3 ENTR. ERS-467 (P/IBIAÇÁ) - SANDUVA (INICIO TRV - MUN) 7.5, SÃO JOÃO DA URTIGA (INICIO TRV - MUN) - SÃO JOÃO DA URTIGA (FIM TRV - 126ERS75 47, MUN) ERS ERS8 SÃO JOÃO DA URTIGA (FIM TRV - MUN) - ENTR. ERS-477 (A) (P/ CENTENÁRIO) 13.15, 126ERS85 ENTR. ERS-477 (A) (P/ CENTENÁRIO) - ENTR. ERS-477 (B) (P/ PAIM FILHO) 4.34, 126ERS85 ENTR. ERS-477 (A) (P/ CENTENÁRIO) - ENTR. ERS-477 (B) (P/ PAIM FILHO) 9.3, 126ERS9 ENTR. ERS-477 (B) (P/ PAIM FILHO) - ENTR. ERS-28 (MAX. DE ALMEIDA) 8.87, ERS ERS3 ENTR. ERS-442 (MACHADINHO) - ENTR. ERS-126 (MAX. DE ALMEIDA) 16.22, 343ERS1 ENTR. RSC-47 (BARRACÃO) - ENTR. ERS-477 (A) (SÃO JOSÉ DO OURO) 18.95, ERS ERS2 ENTR. ERS-477 (A) (SÃO JOSÉ DO OURO) - ENTR. ERS-442 (P/ MACHADINHO) 1.3, 343ERS3 ENTR. ERS-442 (P/ MACHADINHO) - ENTR. ERS-477 (B) (CACIQUE DOBLE) 5.85, 343ERS5 ENTR. ERS-477 (B) (CACIQUE DOBLE) - ENTR. ERS-126 (SANANDUVA) 31.38, 467ERS1 ENTR. ERS-43 (TAPEJARA) - ENTR. ERS-463 (CONTORNO DE TAPEJARA) 76, ERS ERS2 ENTR. ERS-463 (CONTORNO DE TAPEJARA) - ACESSO OESTE A IBIAÇÁ 14.36, 467ERS25 ACESSO LESTE A IBIAÇÁ (CONTORNO) - ENTR. ERS-126 (TRÊS PORTEIRAS) 6, 467ERS3 ACESSO LESTE A IBIAÇÁ (CONTORNO) - ENTR. ERS-126 (TRÊS PORTEIRAS) 8.17, ERS ERS1 MAXIMILIANO DE ALMEIDA - BARRAGEM DE MACHADINHO 5.3, 6.6, EXTENSÃO TOTAL (m) 17.73, Tabela 11: CREMA Erechim CREMA Passo Fundo: aproximadamente 25, km; CREMA Cachoeira do Sul Santa Maria: aproximadamente 2, km; CREMA demais trechos: aproximadamente 1., km. Para estes lotes, ainda está sendo elaborado o estudo de priorização da malha rodoviária pavimentada para a posterior definição das rodovias que virão a fazer parte de cada lote. O Programa CREMA Serra possui extensão de 195,66 km. CREMA SERRA - LOTE 1 CÓDIGO TRECHO INÍCIO FIM EXT. (km) (km) (km) 324ERS23 ENTR. ERS-129 (B) (P/ GUAPORÉ) - ENTR. ERS-438 (P/ PARAÍ) 248,81 265,57 16,76 324ERS25 ENTR. ERS-438 (P/ PARAÍ) - NOVA ARAÇÁ 265,57 273,65 8,8 324ERS255 NOVA ARAÇÁ - ACESSO A NOVA BASSANO 273,65 282,18 8,53 324ERS26 ACESSO A NOVA BASSANO - ENTR. RSC-47 (NOVA PRATA) 282,18 292,13 9,95 47RSC385 ENTR. ERS-324 (NOVA PRATA) - ENTR. ERS-441 (P/ VISTA ALEGRE DO PRATA) 152,87 158,96 6,9 47RSC39 ENTR. ERS-441 (P/ VISTA ALEGRE DO PRATA) - ENTR. ERS-437 (P/ ANTÔNIO PRADO) 158,96 17,14 11,18 47RSC394 ENTR. ERS-437 (P/ ANTÔNIO PRADO) - ENTR. ERS-355 (P/ FAGUNDES VARELA) 17,14 172,28 2,14 47RSC395 ENTR. ERS-355 (P/ FAGUNDES VARELA) - ENTR. ERS-359 (VERANÓPOLIS) 178,68 6,4 47RSC4 ENTR. ERS-359 (VERANÓPOLIS) - ENTR. ERS-431 (P/ SÃO VALENTIM DO SUL) 178,68 21,5 31,37 TOTAL 1,5 Tabela 12: CREMA Serra - Lote 1 23

24 CREMA SERRA - LOTE 2 CÓDIGO TRECHO INÍCIO FIM EXT. (km) (km) (km) 122ERS17 ENTR. ERS-437 (A) (ANTÔNIO PRADO) - ENTR. ERS-437 (B) (IPÊ) 126,41 129,71 3,3 122ERS19 ENTR. ERS-437 (B) (IPÊ) - ENTR. BRS-116 (CAMPESTRE DA SERRA) 129,71 168,65 38,94 453RSC25 ENTR. BRS-116 (P/ SÃO MARCOS) - ENTR. ERS-476 (LAJEADO GRANDE) 147,89 2,81 52,92 TOTAL 95,16 Tabela 13: CREMA Serra - Lote 2 Já o Programa Emergencial contempla aproximadamente 8, km. Desses, 2 km têm previsão de início das obras em breve, e os outros 6 km têm previsão de entrega de projetos para dentro de um mês, a contar de maio. Previsão de Investimentos nos Programas Banco Mundial (valores estimados): EXERCÍCIO INVESTIMENTO (EM R$ X 1.) Tabela 14: Previsão de investimentos do Banco Mundial Programa CREMA Serra (valores aproximados): EXERCÍCIO INVESTIMENTO (EM R$ X 1.) , , ,6 24

25 217 3, ,2 219,9 Tabela 15: Previsão de investimentos no Programa CREMA Serra Programa Emergencial (valores estimados): EXERCÍCIO INVESTIMENTO (EM R$ X 1.) Demais Anos 19. Tabela 16: Previsão de investimentos no Programa Emergencial Principais Corredores de Tráfego Os principais corredores de tráfego no Estado são predominantemente constituídos de rodovias federais e algumas estaduais, alimentados por rodovias afluentes de menor expressão no conjunto dessas rotas, mas também importantes pelo escoamento da produção. Para uma análise mais representativa, foram estabelecidas as seguintes rotas básicas: Rotas de destino ao porto marítimo de Rio Grande; Rotas de destino aos portos secos com a Argentina; Rotas de destino aos portos secos do Uruguai; Rotas de destino ao restante do País. Complementarmente, são considerados, em sua atual condição, os acessos a pontos turísticos e históricos, as rodovias afluentes de tráfego significativo em sua região e, ainda, as rodovias municipais. Rotas de destino ao Porto de Rio Grande A principal via de acesso ao Porto de Rio Grande é a BR-116 Sul, em cujo início (Porto Alegre) carreia as cargas oriundas da BR-116 Norte, desde Caxias, da BR-386 (ao longo de seu traçado desde o norte do Estado) e de parte da BR-29 Leste. 25

26 A BR-392 é um via importante, que demanda diretamente a Pelotas e Rio Grande. Em Santa Maria, conecta-se com as BR-158 e BR-287, orienta-se para Pelotas e, daí, para o Porto. De menor participação em termos de volume de tráfego é a BR-293 que, do sudoeste do Estado, dirige-se também para Pelotas. De Pelotas para o Porto, as rotas se completam com o trecho final da BR-392 até Rio Grande, na extensão de 6 km. É importante destacar a necessidade de melhorias e ampliação de capacidade da BR-11/RS, trecho Osório São José do Norte, atualmente com acostamentos reduzidos e estrutura de pavimento insuficiente ao tráfego a ser gerado pela implantação dessa Travessia a Seco, considerando a redução de distância desde a Região Nordeste do Estado. Essa alternativa de ligação do Porto de Rio Grande com o norte do país, implicará uma redução de cerca de 7 km, acrescida da grande vantagem de evitar a travessia da Região Metropolitana de Porto Alegre. Figura 7: Rotas comerciais para o Porto de Rio Grande Finalmente, se considerada a duplicação da ERS-4, trecho Viamão Capivari do Sul, conectada com a duplicação da ERS-118, trecho Gravataí Viamão, será aumentada a atração de tráfego de bens e pessoas, eis que a distância virtual até Rio Grande será consideravelmente menor, quando comparada com a atual ligação via BR-116 e BR-392 (RMPA Pelotas Rio Grande). 26

Plano de Obras Rodoviárias 2012-2014. Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Plano de Obras Rodoviárias 2012-2014. Governo do Estado do Rio Grande do Sul Plano de Obras Rodoviárias 2012-2014 Governo do Estado do Rio Grande do Sul Plano de Obras - Síntese para o período 2012/2014 Programa Acessos Municipais Produto / Meta Iniciar 104 acessos e concluir no

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

ANEXO 21 PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2007. Relação de Empreendimentos:

ANEXO 21 PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2007. Relação de Empreendimentos: ANEXO 21 Unidade da Federação: RIO GRANDE DO SUL Processo nº 50000.061537/2006-18 Programa de Trabalho publicado no Diário Oficial da União, de 21 de dezembro de 2006, seção 1, pág. 118, na forma da portaria

Leia mais

ANEXO. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2007 2ª alteração. Relação de empreendimentos

ANEXO. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2007 2ª alteração. Relação de empreendimentos ANEXO Unidade da Federação: RIO GRANDE DO SUL Processo nº 50000.061537/2006-18 Programa de Trabalho contendo as alterações propostas pelo Estado recebidas em 25 de outubro de 2007 e publicado no Diário

Leia mais

SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0

SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0 SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0 Emitido em: 27/06/2014 Municipio CRS Valor pago ACEGUA 07 140,00 AGUA SANTA 06 120,00 AGUDO 04 1.530,00

Leia mais

Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS

Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS MACRORREGIÃO METROPOLITANA 430060 Alvorada 1 430087 Araricá 1 430310 Cachoeirinha 1 430390 Campo Bom 1 430460 Canoas 1 430640 Dois Irmãos 1 430760 Estância

Leia mais

Secretaria de Infraestrutura e Logística. Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Infraestrutura e Logística. Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Infraestrutura e Logística Governo do Estado do Rio Grande do Sul PLANO DE OBRAS RODOVIÁRIAS/2011 - MALHA RODOVIÁRIA PAVIMENTADA 7.353 Km - MALHA RODOVIÁRIA DUPLICADA 140 KM - EM OBRAS DE

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DETRAN/RS. Diagnóstico da Violência no Trânsito - RS

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DETRAN/RS. Diagnóstico da Violência no Trânsito - RS DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DETRAN/RS Diagnóstico da Violência no Trânsito - RS REESTRUTURAÇÃO E GESTÃO DO DETRAN/RS EIXOS DE AÇÃO: I. EFICIÊNCIA NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS A POPULAÇÃO; II. EDUCAÇÃO

Leia mais

CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS

CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS Cidade Aceguá Rosário do Sul 277 km 3h22min Agudo São Sepé 106 km 1h42min Alegrete Rosário do Sul 102 km 1h15min Alto Feliz Novo Hamburgo 62,5 km 1h05min Alvorada Sapucaia

Leia mais

ANEXO. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2007 1ª alteração. Relação de empreendimentos

ANEXO. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2007 1ª alteração. Relação de empreendimentos ANEXO Unidade da Federação: RIO GRANDE DO SUL Processo nº 50000.061537/2006-18 Programa de Trabalho contendo as alterações propostas pelo Estado recebidas em 20 de junho de 2007 e publicado no Diário Oficial

Leia mais

16 de fevereiro (Dia do Mun.) 04 de junho (C. Christi) 25 de julho (Dia do Colono) 31 de outubro (Dia da Reforma) 04 de junho (C.

16 de fevereiro (Dia do Mun.) 04 de junho (C. Christi) 25 de julho (Dia do Colono) 31 de outubro (Dia da Reforma) 04 de junho (C. FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2015 Dados atualizados em NOVEMBRO/2015 Conforme Ato nº 12/2014 Órgão Especial, não haverá expediente no Tribunal de Justiça e nos serviços forenses de primeira instância

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Município Bento Gonçalves (RS) Porto Alegre (RS) Carlos Barbosa (RS) Caxias do Sul (RS) Selbach (RS) Ivoti (RS) Veranópolis (RS) Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) IDHM, 2000 7 7 6 6 6 5 5 5 Nova Petrópolis

Leia mais

Porto Alegre e Delta do Jacuí. Vale do Rio dos Sinos

Porto Alegre e Delta do Jacuí. Vale do Rio dos Sinos MUNICÍPIOS Aceguá Água Santa Agudo Ajuricaba Alecrim Alegrete Alegria Almirante Tamandaré do Sul Alpestre Alto Alegre Alto Feliz Alvorada Amaral Ferrador Ametista do Sul André da Rocha Anta Gorda Antônio

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Fisioterapia e Terapia Ocupacional Fisioterapia e Terapia Ocupacional Tipo da Inscrição Quantidade Tipo da Inscrição Quantidade ACEGUÁ ÁGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALECRIM ALEGRETE 8 ALEGRIA ALPESTRE ALTO ALEGRE ALTO FELIZ ALVORADA 4 AMETISTA

Leia mais

FROTA EM CIRCULAÇÃO NO RS

FROTA EM CIRCULAÇÃO NO RS FROTA EM CIRCULAÇÃO NO RS Frota em circulação representa todos os veículos registrados e até a data deste relatório não foram baixados, transferidos para outra UF ou tiveram seus registros desativados.

Leia mais

1ª 2.347.086 TOTAL: 3.113.337

1ª 2.347.086 TOTAL: 3.113.337 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL PROPOSTA DE REFERÊNCIA- SETEC 10/04/2008 REDE DE ASSISTÊNCIA EM NEUROCIRURGIA 1Unidade/800.000 habitantes,

Leia mais

Porto Alegre, 07 de agosto de 2013.

Porto Alegre, 07 de agosto de 2013. Porto Alegre, 07 de agosto de 2013. Segunda relação dos Municípios integrantes do Núcleo Técnico-Científico de Telessaúde do Rio Grande do Sul TelessaúdeRS UFRGS aptos a receberem a segunda parcela do

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL ACEGUA AGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALECRIM ALEGRETE ALEGRIA ALMIRANTE TAMANDARE DO SUL ALPESTRE ALTO ALEGRE ALTO FELIZ ALVORADA

RIO GRANDE DO SUL ACEGUA AGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALECRIM ALEGRETE ALEGRIA ALMIRANTE TAMANDARE DO SUL ALPESTRE ALTO ALEGRE ALTO FELIZ ALVORADA RIO GRANDE DO SUL ACEGUA AGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALECRIM ALEGRETE ALEGRIA ALMIRANTE TAMANDARE DO SUL ALPESTRE ALTO ALEGRE ALTO FELIZ ALVORADA AMARAL FERRADOR AMETISTA DO SUL ANDRE DA ROCHA ANTA GORDA

Leia mais

Concessão de Registro

Concessão de Registro GABINETE DO MINISTRO DESPACHOS DO CHEFE DE GABINETE Em 9 de julho de 2009 Concessão de Registro No uso de suas atribuições legais e com fundamento na Portaria 186, publicada em 14 de abril de 2008, e Nota

Leia mais

Total de homens Total de mulheres

Total de homens Total de mulheres Nome do população população 4300034 Aceguá 0 2.303 2.091 1.059 3.335 4.394 4300059 Água Santa 4.127 1.880 1.846 1.447 2.279 3.726 4300109 Agudo 17.455 8.353 8.376 6.894 9.835 16.729 4300208 Ajuricaba 7.709

Leia mais

Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Fisioterapia e Terapia Ocupacional Fisioterapia e Terapia Ocupacional Tipo da Inscrição Quantidade Tipo da Inscrição Quantidade ACEGUÁ AGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALEGRETE 7 ALEGRIA ALPESTRE ALTO ALEGRE ALTO FELIZ ALVORADA Terapeuta Ocupacional

Leia mais

Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Fisioterapia e Terapia Ocupacional Fisioterapia e Terapia Ocupacional Tipo da Inscrição Quantidade Tipo da Inscrição Quantidade ACEGUÁ AGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALEGRETE 3 Licença Temporaria de Trabalho-TO 2 ALEGRIA ALPESTRE ALTO ALEGRE

Leia mais

CÓDIGOS DO RIO GRANDE DO SUL

CÓDIGOS DO RIO GRANDE DO SUL CÓDIGOS DO RIO GRANDE DO SUL Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 UF MUNICÍPIO CÓDIGO DE ÁREA RS ACEGUA 53 RS ÁGUA SANTA 54 RS AGUDO 55 RS AJURICABA 55 RS ALECRIM 55 RS ALEGRETE 55 RS ALEGRIA 55

Leia mais

ANEXO ÚNICO 1ª CRE - PORTO ALEGRE 2ª CRE - SÃO LEOPOLDO

ANEXO ÚNICO 1ª CRE - PORTO ALEGRE 2ª CRE - SÃO LEOPOLDO ANEXO ÚNICO 1ª CRE - PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE 1a/4a LP/CONHEC. LING. GUARANI 1a/4a LP/CONHEC. LING. KAINGANG ED ESP - DEFIC AUDITIVA/LIBRAS ED ESP - DEFIC MENTAL ED ESP - DEFIC MULTIPLA ED ESP - DEFIC

Leia mais

21.05.1878 Lei n. 1152 restabeleceu a Comarca de Caçapava, tendo como termo

21.05.1878 Lei n. 1152 restabeleceu a Comarca de Caçapava, tendo como termo &20$5&$&$d$3$9$'268/ &5,$d 2LEI N. 185 DE 22 DE OUTUBRO DE 1850. LEI N. 1152 DE 21 DE MAIO DE 1878. DECRETO N. 41, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1894. '$7$'(,167$/$d 2 (1'(5(d2'$6('('2)252 Rua Lúcio Jaime, 387

Leia mais

ARROZ EM CASCA - Área Plantada (ha)

ARROZ EM CASCA - Área Plantada (ha) Aceguá - RS 11.604 9.500 5.000 4.183 4.183 11.000 11.000 11.223 6.500 10.000 Água Santa - RS 10 10 4 4 2 2 2 2 - - Agudo - RS 8.100 8.100 8.100 8.986 9.000 9.255 8.792 9.255 9.074 9.184 Ajuricaba - RS

Leia mais

ARROZ EM CASCA - Rendimento Médio (kg/ha)

ARROZ EM CASCA - Rendimento Médio (kg/ha) Aceguá - RS 6.256 6.067 6.400 5.979 6.015 7.912 7.912 8.414 6.480 7.200 Água Santa - RS 1.000-1.000 1.000 1.000 1.000 1.000 1.000 - - Agudo - RS 6.430 7.500 6.921 7.100 7.634 8.007 5.439 8.301 8.525 8.196

Leia mais

FEIJÃO - Área Plantada (ha)

FEIJÃO - Área Plantada (ha) Aceguá - RS - - - - - - - - - - Água Santa - RS 160 30 96 80 80 80 60 40 10 22 Agudo - RS 500 500 500 500 300 270 250 240 310 360 Ajuricaba - RS 90 70 100 110 90 70 60 20 35 20 Alecrim - RS 80 60 61 61

Leia mais

34 - Taxa de Internação por Diabetes Mellitus e complicações na população de 30 anos ou mais

34 - Taxa de Internação por Diabetes Mellitus e complicações na população de 30 anos ou mais 34 - Taxa de Internação por Diabetes Mellitus e complicações na população de 30 anos ou mais Cod_Mun CRS Município Realizado Realizado Realizado Realizado Jan-Maio 2007 Jan-Jun 2007 Jan-Nov 2007 ANO 2007

Leia mais

8 - Razão entre exames preventivos do câncer do colo do útero em mulheres de 25 a 59 anos e a população feminina nesta faixa etária

8 - Razão entre exames preventivos do câncer do colo do útero em mulheres de 25 a 59 anos e a população feminina nesta faixa etária 8 - Razão entre exames preventivos do câncer do colo do útero em mulheres de 25 a 59 anos e a população feminina nesta faixa etária Cod_Mun Município CRS População CPs Realizado Jan-Dez 2007 Razão 4300034

Leia mais

Fisioterapia e Terapia Ocupacional

Fisioterapia e Terapia Ocupacional Fisioterapia e Terapia Ocupacional Tipo da Inscrição Quantidade Tipo da Inscrição Quantidade ACEGUÁ AGUA SANTA AGUDO AJURICABA ALEGRETE 4 ALEGRIA ALPESTRE ALTO ALEGRE ALTO FELIZ ALVORADA Terapeuta Ocupacional

Leia mais

Comarcas do Estado. Municípios Jurisdicionados. Municípios Jurisdicionados. Comarcas. Comarcas. Mariana Pimentel Sertão Santana

Comarcas do Estado. Municípios Jurisdicionados. Municípios Jurisdicionados. Comarcas. Comarcas. Mariana Pimentel Sertão Santana do Estado do Estado do Estado Agudo Alegrete Paraíso do Sul Barra do Ribeiro Mariana Pimentel Sertão Santana Alvorada Bento Gonçalves Monte Belo do Sul Santa Tereza Antônio Prado Ipê Nova Roma do Sul Capitão

Leia mais

Telefone Endereço E-mail. Rua Ipiranga, 140 CEP: 92.010-290, Canoas, RS

Telefone Endereço E-mail. Rua Ipiranga, 140 CEP: 92.010-290, Canoas, RS Como contratar? O Programa Gaúcho de Microcrédito é operacionalizado nas normas do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo e Orientado - PNMPO, que além de outros objetivos prevê que o atendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 108/13 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 108/13 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 108/13 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Portaria GM/MS nº 2.439/05, que institui a Política Nacional de Atenção Oncológica;

Leia mais

Distribuicao dos CD'S por suas especialidades no municipio: (ENDERECO EM OUTRO CRO) no ano de inscricao: TODOS. Especialidade

Distribuicao dos CD'S por suas especialidades no municipio: (ENDERECO EM OUTRO CRO) no ano de inscricao: TODOS. Especialidade C.R.O. - RIO GRANDE DO SUL Emitido em: 20/01/2015 Pagina: 00001 Distribuicao dos CD'S por suas especialidades no municipio: (ENDERECO EM OUTRO CRO) no ano de inscricao: TODOS CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCO

Leia mais

C.R.O. - RIO GRANDE DO SUL Emitido em: 26/01/2016 Pagina: 00001. CD - CIRURGIAO-DENTISTA'S pelos Municipios com a Respectiva Populacao

C.R.O. - RIO GRANDE DO SUL Emitido em: 26/01/2016 Pagina: 00001. CD - CIRURGIAO-DENTISTA'S pelos Municipios com a Respectiva Populacao C.R.O. - RIO GRANDE DO SUL Emitido em: 26/01/2016 Pagina: 00001 1) ACEGUA - RS 1 4.149 4.149 2) AGUA SANTA - RS 3 3.973 1.324 3) AGUDO - RS 13 17.917 1.378 4) AJURICABA - RS 8 7.463 932 5) ALECRIM - RS

Leia mais

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Parâmetros da consulta: SUL / Rio Grande do Sul Resumo da Seleção

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL. SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016

BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL. SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016 BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016 PREÇOS EM R$ PRODUTOS UNIDADE MÍNIMO MÉDIO MÁXIMO 50 Kg 37,00 40,32

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013 Índice 3 Paraná 3 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 6 Infraestrutura de Transportes

Leia mais

Relação de Núcleos de Assistentes Sociais (Nucress) vinculados ao CRESS/RS:

Relação de Núcleos de Assistentes Sociais (Nucress) vinculados ao CRESS/RS: NESTA PÁGINA VOCÊ ENCONTRA: Relação de Núcleos de Assistentes Sociais (Nucress) vinculados ao CRESS/RS, coordenações e contatos Municípios que compõem cada Nucress O que são os Nucress? Como fazer para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

REDE DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS - 2012. OM Cidade Área de Atuação

REDE DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS - 2012. OM Cidade Área de Atuação REDE DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS - 2012 OM Cidade Área de Atuação Cmdo 3ª RM SFPC/3 Porto Alegre(1) Porto Alegre 3º RCG (Ap) 8º B Log (Ap) 8º Esqd C Mec (Ap) Cmdo 3ª RM - SFPC/3 3º RCG (Ap)

Leia mais

EDITAL N.º 04/2013 CADASTRO DE CONTRATAÇÕES TEMPORÁRIAS ESPECIALISTA DE EDUCAÇÃO

EDITAL N.º 04/2013 CADASTRO DE CONTRATAÇÕES TEMPORÁRIAS ESPECIALISTA DE EDUCAÇÃO Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Educação Departamento de Recursos Humanos EDITAL N.º 04/2013 CADASTRO DE CONTRATAÇÕES TEMPORÁRIAS ESPECIALISTA DE EDUCAÇÃO O SECRETÁRIO DE ESTADO DA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO/SEDUC CHAMADA PÚBLICA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO/SEDUC CHAMADA PÚBLICA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO/SEDUC CHAMADA PÚBLICA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SELEÇÃO DE ALFABETIZADORES, COORDENADORES DE TURMAS E TRADUTORES-INTÉRPRETES DE LIBRAS PARA O PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO/RS.

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes DNIT Investimentos do Governo Federal no Estado do Rio Grande do Sul Rodovias Palestrante: Hideraldo Luiz Caron Diretor de Infra-estrutura Rodoviária do DNIT Outubro/2008 2 PROGRAMA

Leia mais

A concentração da arrecadação do ICMS e sua importância na distribuição regional de renda

A concentração da arrecadação do ICMS e sua importância na distribuição regional de renda A concentração da arrecadação do ICMS e sua importância na distribuição regional de renda Darcy Francisco Carvalho dos Santos 1 As diferenças na arrecadação do ICMS são reflexo das diferenças econômicas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI Este artigo tem como objetivo abordar a importância estratégica da Barragem Eclusa

Leia mais

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social.

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA O eixo de infraestrutura logística do PAC tem como objetivo ampliar a qualidade dos serviços de transporte, para aumentar a competitividade da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063/14 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 063/14 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais e considerando: RESOLUÇÃO Nº 063/14 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais e considerando: o trabalho de educação permanente e suporte assistencial desenvolvido pela equipe do

Leia mais

I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS

I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS Os Conselhos Municipais de Educação do Rio Grande do Sul, reunidos no Fórum Estadual de CMEs-RS, nos dias 26 e 27 de Outubro de 1995, após a realização

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS INFORMAÇÕES DISPONIBILIZADAS NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES PELOS LEGISLATIVOS E EXECUTIVOS MUNICIPAIS DO RS

LEVANTAMENTO DAS INFORMAÇÕES DISPONIBILIZADAS NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES PELOS LEGISLATIVOS E EXECUTIVOS MUNICIPAIS DO RS LEVANTAMENTO DAS INFORMAÇÕES DISPONIBILIZADAS NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES PELOS LEGISLATIVOS E EXECUTIVOS MUNICIPAIS DO RS O controle social, compreendido como a participação do cidadão no planejamento,

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES I - A Cooperativa de Economia e Credito Mútuo dos Funcionários dos Correios no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná CredCorreios, divulga o presente

Leia mais

LOCAIS ATENDIMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO RS

LOCAIS ATENDIMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO RS LOCAIS ATENDIMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO RS Local atendimento Telefones Município Hospital de Alvorada Alvorada Hospital Municipal de Pronto Dr. Nelson Marchezan Canoas Hospital

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Apoio: Apoio: Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Cidreira Ciríaco Cruzeiro do Sul David Canabarro

Leia mais

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL GEIPOT Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL Eixo Mercosul Chile Eixo Brasil Paraguai Bolívia Peru - Chile IIRSA Integração da Infra-estrutura Regional na

Leia mais

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES UF MUNICIPIO CNES NOME RS AGUDO 2234386 HOSPITAL AGUDO RS ALEGRETE 2248328 SANTA CASA DE ALEGRETE RS ALVORADA 2232081 HOSPITAL DE ALVORADA RS ANTONIO PRADO 2241072 HOSPITAL

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

GUIA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM DO RS

GUIA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM DO RS GUIA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM DO RS Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 2 EQUIPE TÉCNICA Governador do Estado

Leia mais

SINDICATO DOS BANCOS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DO RAMO FINANCEIRO

SINDICATO DOS BANCOS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DO RAMO FINANCEIRO SINDICATO DOS BANCOS NO E SANTA CATARINA Por este instrumento, de um lado, o SINDICATO DOS BANCOS NOS E SANTA CATARINA, e de outro, a FEDERAÇÃO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DO ESTADO DO

Leia mais

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL Lição III RIO GRANDE DO SUL - 41 - Na lição anterior estudamos sobre o Brasil. Vimos que existem 26 Estados e 1 Distrito Federal. E um desses Estados, é o Rio Grande do Sul, que fica no extremo sul do

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA INDÚSTRIA CATARINENSE Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Glauco José

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 152/09 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 152/09 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 152/09 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: - a necessidade de qualificação dos profissionais da Estratégia Saúde da Família (ESF)

Leia mais

AEROPORTO DE PELOTAS

AEROPORTO DE PELOTAS AEROPORTO DE PELOTAS FONTE: ITEPA/UCPEL REGIÃOsul 25 % DE CRESCIMENTO POPULACIONAL ATÉ 2020 INTER MODALIDADE RODOVIAS / HIDROVIAS / FERROVIAS / AEROPORTOS 12 DE CRESCIMENTO ECONÔMICO AO ANO ATÉ 2020. %

Leia mais

Balanço das Ações. Região da Serra. Agosto/2013

Balanço das Ações. Região da Serra. Agosto/2013 Balanço das Ações Região da Serra Agosto/2013 Política Industrial Revisão 2013 Programa de Fortalecimento das Cadeias e APLs - R$ 1,78 milhões 04 APLs apoiados pelo programa (Moveleiro, Polo de Moda, Automotivo

Leia mais

Secretaria de Infraestrutura e Logística

Secretaria de Infraestrutura e Logística Secretaria de Infraestrutura e Logística Investimento - 2011 Geração Transmissão Distribuição Total CEEE Realizado2011 R$13.071,26 R$65.019,92 R$118.149,60 R$196.240,78 Plano de Investimentos 2012-2014

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão Aeroviário Ferroviário Criciúma - Forquilinha/ Criciúma - Forquilinha/ Construção/Melhorias Não Planejado 8.081 N.A. Pós 2015 Florianópolis/ (Internacional Hercílio Luz) - Infraero Jaguaruna, Correia Pinto

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo Matriz de Transporte Modal Brasil Participação Estado de São Paulo Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Infraestrutura e Logística do Brasil Bahia Situação atual e perspectivas futuras Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Ministério dos Transportes Dimensão dos Transportes no Brasil/Bahia Malha Rodoviária Federal

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral sul de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

EDITAL N.º 01 / 2014 CADASTRO DE CONTRATAÇÕES EMERGENCIAIS DE SERVIDORES DE ESCOLA

EDITAL N.º 01 / 2014 CADASTRO DE CONTRATAÇÕES EMERGENCIAIS DE SERVIDORES DE ESCOLA Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Educação Departamento de Recursos Humanos EDITAL N.º 01 / 2014 CADASTRO DE CONTRATAÇÕES EMERGENCIAIS DE SERVIDORES DE ESCOLA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA

Leia mais

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão Angra dos Reis/ Angra dos Reis/ Ampliação/Melhorias Não Planejado 30.000 N.A. Pós 2015 Angra dos Reis: ampliação do Pátio de Aeronaves, Terminal de Passageiros e Ampliação de Pista. Área do Terminal: 450m2.

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Modal Rodoviário. 9 Paraná Modal Aquaviário. 14 Paraná Modal Aeroviário 17 Paraná Modal Ferroviário. Modal Rodoviário

Modal Rodoviário. 9 Paraná Modal Aquaviário. 14 Paraná Modal Aeroviário 17 Paraná Modal Ferroviário. Modal Rodoviário OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PPA 2012-2015 E AO PLO 2012 Índice 3 Paraná 3 Paraná Modal Rodoviário 9 Paraná Modal Aquaviário 14 Paraná

Leia mais

Mapa dos Investimentos RF 9 2011-2014

Mapa dos Investimentos RF 9 2011-2014 Mapa dos Investimentos RF 9 2011-2014 Gestão Pública Focos de Atuação Sociedade MAPA ESTRATÉGICO: Governo do Estado do Rio Grande do Sul Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Campanha Nacional dos Bancários 2009

Campanha Nacional dos Bancários 2009 ALEGRETE -PAB Centro Administrativa da Prefeitura BAGÉ -Ag.Centro -PAB Justiça do Trabalho BENTO GONÇALVES CACHOEIRA DO SUL CAMAQUÃ -Ag Cidade Alta -Ag. Cachoeira do Sul -PAB Justiça do Trabalho Ag. Camaquã

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS RODOVIAS ESTADUAIS DA REGIÃO CELEIRO

DIAGNÓSTICO DAS RODOVIAS ESTADUAIS DA REGIÃO CELEIRO DIAGNÓSTICO DAS RODOVIAS ESTADUAIS DA REGIÃO CELEIRO A Amuceleiro realizou um levantamento sobre o estado das Rodovias Estaduais da Região Celeiro. Na última semana todas as rodovias foram visitadas e

Leia mais

Secretaria da Educação

Secretaria da Educação 20 DIÁRIO OFICIAL Porto Alegre, quarta-feira, 26 de agosto de 2015 Secretaria da Educação Secretaria da Educação Secretário da Educação: CARLOS EDUARDO VIEIRA DA CUNHA End: Av. Borges de Medeiros, 1501

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06257/2011/RJ COGAP/SEAE/MF Em 25 de março de 2011. Referência: Processo n.º 18101.000131/2011-85. Assunto: Distribuição Gratuita

Leia mais

2008 Documentação Resumo - visão geral Vítimas por dia da semana e turno Acidentes por dia da semana e turno Acidentes fatais por via

2008 Documentação Resumo - visão geral Vítimas por dia da semana e turno Acidentes por dia da semana e turno Acidentes fatais por via Documentação 2 Resumo visão geral 3 Vítimas por dia da semana e turno 4 Acidentes por dia da semana e turno 5 Acidentes fatais por via 6 Vítimas por faixa etária e sexo 7 Perfil das Vítimas 8 Veículos

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM O início da construção do Porto Velho do Rio Grande data de 1869 e sua inauguração aconteceu em 11 de outubro de 1872. Em 2 de junho de 1910,começou a implantação do Porto Novo,

Leia mais

PRESÍDIO ESTADUAL DE ALEGRETE

PRESÍDIO ESTADUAL DE ALEGRETE DIAS E HORÁRIOS DE VISITAS EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS DO ESTADO ATENÇÃO: CONSULTAR O REGULAMENTO GERAL QUANTO ÀS CONDIÇÕES DE INGRESSO CIDADE ESTABELECIMENTO PRISIONAL DIAS, HORÁRIOS E OUTRAS OBSERVAÇÕES

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013 DEPLAN/SEDUC 1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013 Porto Alegre Outubro/2014 DEPLAN/SEDUC 2 Equipe

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 CADASTRO TEMPORÁRIO DE CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL PROFESSOR

EDITAL Nº 01/2015 CADASTRO TEMPORÁRIO DE CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL PROFESSOR Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Educação EDITAL Nº 01/2015 CADASTRO TEMPORÁRIO DE CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL PROFESSOR O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU)

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Legenda da priorização das propostas: Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida

Leia mais

Rodovia Perimetral Norte

Rodovia Perimetral Norte Buscando criar um novo caminho que integre as três rodovias Federais (Br s 101, 116 e 324), que cruzam Feira de Santana, a rodovia perimetral norte de 33 km, surge como uma alternativa muito importante

Leia mais