ABRAPP Relatório Social 2010 PERFIL DO SETOR E TRANSPARÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABRAPP Relatório Social 2010 PERFIL DO SETOR E TRANSPARÊNCIA"

Transcrição

1 ABRAPP Relatório Social PERFIL DO SETOR 15 GOVERNANÇA CORPORATIVA E TRANSPARÊNCIA

2 ABRAPP Relatório Social 1 Uma boa governança, além de contemplar a autogestão das organizações, limitando-se à preocupação com a prestação de contas, a transparência nos resultados e a proteção dos principais interessados, abrange também o importante tema Sustentabilidade. Essa temática caminha paralelamente à filosofia e à estratégia das EFPCs, pois trata de um esforço para a internalização de conceitos e ferramentas nos processos de gestão, de modo a subsidiar um modelo de tomada de decisão que contemple a um só tempo os aspectos financeiros, econômicos, atuariais e socioambientais, bem como os interesses dos diversos stakeholders no curto e longo prazos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), a busca de benefícios diretos na gestão pode ser melhor assimilada quando as organizações dispõem de boas práticas de governança, que podem possibilitar o acesso às organizações rumo à sustentabilidade, uma vez que tais práticas alinham-se a aspectos cada vez mais associados a esse campo, tais como estratégia de longo prazo, gerenciamento de riscos, consideração de aspectos intangíveis, qualidade do relacionamento com as partes interessadas e responsabilidade por suas práticas. 2 Essa temática é cada vez mais relevante também em razão da mudança do olhar da sociedade para as empresas. Atualmente, as atenções vão além do atendimento à legislação e englobam a existência de compromissos éticos, valores e transparência, assim como o enraizamento dessas questões na cultura organizacional. Nessa direção, as boas práticas de governança estão cada vez mais integradas às práticas de gestão, estrutura operacional, monitoramento, divulgação de indicadores específicos e ao diálogo dos Fundos de Pensão com as suas principais partes interessadas. O engajamento e os resultados dos Fundos com essa temática estão apresentados nas informações e indicadores abaixo. Estrutura e funcionamento dos Fundos de Pensão Demonstrando que os Fundos de Pensão apresentam estruturas de governança em sua gestão, 81,35% possuem estruturas consultivas, colegiadas e operacionais com divisões, unidades operacionais e outras instâncias (ligeira queda de 6,25% com relação ao ano de ). 3 Os Comitês de Recursos Humanos e os Comitês de Tecnologia da Informação, que não foram citados na Edição de, foram assinalados, respectivamente, em 12,5% e 21,9% nos Fundos em. Estruturas de governança existentes nos Fundos de Pensão Comitê de Risco Financeiro 15,6% 9,3% 15,6 Comitê de Gestão de Ativos 9,4% 9,4 Comitê de Investimentos 87,5% 87,5 87,5 Comitê de Planejamento Estratégico 28,1% 9,3% 18,8 28,1 Comitê de Ética 46,9% 43,8 46,9 Comitê de Sustentabilidade 13,3% 13,3 13,3 Comitê de Auditoria % -21,8% 28,1 Outros (Comitê Assistencial, Comitê Previdenciário, Controles Internos etc.) 43,8% - 46,9 43,8 Não possui ou não informou 1 Quando não houver menção em contrário, a data-base das informações é 31 de dezembro de Guia de Sustentabilidade para empresas, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, Não considerados os Conselhos Fiscal e Deliberativo, obrigatórios e exigidos pela Lei Complementar n o 109 de 2001.

3 ABRAPP Relatório Social 17 Instrumentos de governança e divulgação interna Como a maioria dos instrumentos que compõem as boas práticas de governança pesquisadas não são obrigatórios, pode-se inferir que os Fundos de Pensão participantes desta Edição estão engajados, pois 10 deles utilizam um ou mais dos instrumentos de governança. Entretanto, pode-se notar que algumas Entidades apresentaram redução entre os períodos analisados em alguns instrumentos de governança, sendo as mais significativas: Política de Comunicação (-12%); Avaliação dos Gestores (-13,3%) e outros instrumentos (-46,9%). Em consonância com as baixas citadas, entre as Edições de e de percebeu-se também uma diminuição de 14 pontos percentuais na publicação de Balanços Sociais ou Relatórios Anuais (que contemplam aspectos econômicos, sociais e ambientais). Demonstrando que os Fundos de Pensão estão engajados e preocupados com a orientação das ações de seus colaboradores e explicitação da sua postura social, verifica-se que houve crescimento na utilização do Código de Ética e nas Tabelas de Alçadas em 19,5% e 7,6%, respectivamente. Além da utilização das referidas ferramentas de governança, a sua divulgação interna é de suma importância para a orientação dos colaboradores e demais interessados em relação às diretrizes e premissas que devem orientar as tomadas de decisão. Os resultados dessa Edição indicam como os Fundos de Pensão estão divulgando mais intensamente seus principais instrumentos de governança. O nível de conhecimento interno da Missão e Visão da Entidade e do seu Código de Ética ou Evolução dos instrumentos de governança Missão e Visão claramente definidas 90,6% -1,9% Código de Ética ou Conduta 92,5 90,6 96,9% 77,4 96,9 19,5% Regimentos dos Conselhos da Diretoria 71,9% -7,2% 79,1 71,9 Tabela de Alçada 68,8% 7,6% 61,2 68,8 Política de Comunicação 65,6% -12, 77,6 65,6 Política de Contratação 75, 1,9% 7 75,0 Avaliação de Gestores 64,3% -13,3% 77,6 64,3 Manual de Políticas de Investimentos ou semelhantes 62,5% -13,6% 76,1 62,5 Gestão própria dos recursos 68,8% 1,7% Outros 18,8% -46,9% 67,1 68,8 65,7 18,8 Balanço Social ou Relatório Anual que contemplem aspectos econômicos, sociais e ambientais 5 67,2-14,1% 5

4 18 ABRAPP Relatório Social Divulgação dos instrumentos de governança para o público interno (%) Pouco conhecido Razoavelmente conhecido Muito conhecido Soma de Razoável e Muito Conhecido Missão e Visão 7,7% 26,9% 65,4% 92,3% Código de Ética 7,7% 26,9% 65,4% 92,3% Regimentos dos Conselhos 36,4% 40,9% 22,7% 63,6% Tabela de Alçada 15,8% 47,4% 36,8% 84,2% Política de Comunicação 23,5% 29,4% 47,1% 76,5% Política de Contratação 18,2% 54,5% 27,3% 81,8% Avaliação de Gestores 50, 18,8% 31,3% 50, Manual de Investimentos 29,4% 29,4% 41,2% 70,6% Política de Investimentos 7,4% 33,3% 59,3% 92,6% Gestão própria 33,3% 33,3% 33,3% 66,7% Balanço social 20, 26,7% 53,3% 80, Outros 0, 0, 100, 100, Conduta atinge patamares acima de 9, conforme demonstrado na tabela acima: Com a finalidade de dar maior transparência às partes interessadas, 69,6% dos Fundos de Pensão participantes desta Edição divulgam seu modelo de governança em estatuto ou relatório anual. Balanço social Com o objetivo de tornar pública a responsabilidade social corporativa, construindo vínculos mais intensos entre a entidade, a sociedade e o meio ambiente, 19,23% dos Fundos de Pensão participantes desta pesquisa publicam seu Balanço Social. Destas Entidades, 4 seguem o modelo Ibase, 2 utilizam indicadores ou orientações do Global Reporting Initiative (GRI), 1 utilizam o modelo de balanço social do Instituto Ethos e 5 utilizam outros modelos. Cabe ressaltar que distribuição dos modelos utilizados ultrapassam 10, pois a entidade pode utilizar mais de um modelo de Balanço Social na elaboração dos seus reportes. Divulgação dos Códigos de Ética 26,8% Exposto publicamente (material institucional, pelo seu website, por etc.) 3,6% Difundido entre seus parceiros externos 42,9% Utiliza ambos mecanismos de divulgação 26,8% Não divulgam A questão da ética nos Fundos de Pensão Mobilizados com a questão de manter vivos os valores básicos da organização, tais como compromissos com a honestidade, integridade e transparência, 42,9% dos Fundos de Pensão participantes desta pesquisa divulgam entre seus parceiros externos, além de disponibilizarem publicamente seus códigos de ética (material institucional, página na web ou ). Com o objetivo de apresentar os princípios que norteiam a relação das organizações com seus stakeholders por meio dos códigos de ética, 76,8% dos Fundos participantes informaram que seus códigos de ética reúnem diretrizes para orientar sua relação com uma ou mais de suas partes interessadas. Tais diretrizes são direcionadas para os colaboradores (75,); participantes (69,6%); patrocinadores e instituidores (62,5%); comunidade (42,9%); fornecedores (66,1%) e governo (44,6%). Os Códigos de Ética dos Fundos de Pensão, na regulação dos deveres de todos aqueles que estão subordinados a uma organização, relativamente aos superiores hierárquicos, e seus

5 ABRAPP Relatório Social 19 Temas abordados nos Códigos de Ética dos Fundos 5,4% Proibição da obtenção ilegal de vantagens 5,4% Proibição de práticas como corrupção, propina e suborno 64,3% Utiliza ambos os referidos temas 25, Não utilizam os referidos temas deveres com os colaboradores e demais interessados, apresentaram como principais temas: proibição da obtenção ilegal de vantagens, corrupção, propina e suborno. Elas estão distribuídas nos Códigos de Ética das EFPCs participantes da pesquisa de sustentabilidade de conforme o gráfico acima. Estes temas relacionam-se, diretamente, aos aspectos de responsabilidade legal e moral das Entidades e tratam de normas disciplinares, com o estabelecimento de ações preventivas e sanções, para fatos já ocorridos. No que se refere aos mecanismos para aplicação de sanções em caso de descumprimento do Código de Ética, em verifica-se que 68,8% dos Fundos participantes dispõem de aplicação de punições, uma queda de 18,8 pontos percentuais em relação à pesquisa de. Políticas e práticas de investimento A importância da adoção de critérios de caráter social nos investimentos vem sendo reconhecida de forma quase consensual no Sistema Fechado de Previdência Complementar Brasileiro, como indica a adesão dos Fundos de Pensão aos Princípios para o Investimento Responsável (PRI) e o estabelecimento de critérios de responsabilidade social nas políticas de investimento de várias Entidades. A incorporação desses critérios, além da consideração dos tradicionais aspectos econômicos, demonstra a preocupação das EFPCs com a perpetuidade dos investimentos e as posiciona como importantes promotoras de práticas que visam a um desenvolvimento mais sustentável. 4 Mesmo considerando ser um aspecto relevante, somente 30,4% dos Fundos de Pensão utilizam critérios de Responsabilidade Social na gestão de ativos, que são hoje aplicados tanto de forma eliminatória quanto como critério de desempate. Esses critérios são aplicados hoje em apenas 0,9% da carteira de participações em Fundos de Private Equity e Venture Capital, em 0,2% dos Direitos Creditórios e em 0,4% dos Fundos Imobiliários. Relacionamento com os participantes Entre os Fundos de Pensão pesquisados, 35,7% divulgam amplamente a votação para representatividade dos participantes nos órgãos estatutários por meio de jornais de grande circulação, website, informativos, jornal ou circulares próprios, além do envio de s, de acordo com seu compromisso principal com seus participantes e com a determinação das Leis Complementares nº 108/01 e nº 109/01. Os resultados da presente pesquisa indicam que 96,4% dos Fundos informaram possuir canais de divulgação próprios e periódicos ao alcance de Patrocinadoras, Instituidoras e Participantes para a divulgação de suas atividades, investimentos, recursos e situação financeira. Nesses canais, são divulgadas informações relacionadas à sua gestão e aos planos de benefício administrados. Nesta Edição, o informativo anual foi apontado como o principal canal das EFPCs com os participantes e assistidos para informação do custo de gestão dos planos (67,9%). Freqüência das comunicações periódicas com as partes INTERESSADAS 10 66,1 12,5 3,6 8,9 7,1 5,4 MENS. BIM. TRIM. SEM. ANUAL NÃO respondeu Com base nas informações obtidas junto às Entidades pesquisadas, podese notar que a frequência mais utilizada nas comunicações periódicas com as partes interessadas é a mensal, conforme apresentado no gráfico acima. Adicionalmente, também com o objetivo de divulgar as suas atividades, seus investimentos, recursos e situação financeira para as Patrocinadoras, Instituidoras e Participantes, 37,7% das Entidades participantes da pesquisa promovem eventos, atividades ou reuniões públicas de forma regular (duas ou mais vezes ao ano). Com o objetivo de medir o grau de satisfação de seus participantes, 12,5% dos Fundos de Pensão que responderam ao questionário promovem pesquisas de satisfação envolvendo participantes ativos, assistidos, pensionistas, aposentados e autopatrocinados. 4 A Resolução CMN n 3.792, em seu Capítulo V, que trata das políticas de investimento nos Fundos de Pensão, define que todos os Fundos de Pensão devem, além de possuir uma política de investimentos formalizada, indicar se observam ou não princípios de responsabilidade socioambiental, em um claro incentivo ao uso de critérios de sustentabilidade.

6 20 ABRAPP Relatório Social Governança nos comitês e nos conselhos A representatividade de Participantes e Patrocinadoras nos conselhos deliberativo, fiscal e diretoria é definida pelas legislações correspondentes, observandose a sua natureza como entidade pública ou privada. No caso das entidades fechadas de natureza privada, de acordo com a Lei Complementar nº 109, em seu artigo 35 1º, o estatuto deverá prever representação dos participantes e assistidos nos conselhos deliberativo e fiscal, assegurado a eles no mínimo um terço das vagas. Os Fundos de Pensão patrocinados pela iniciativa privada que participam desta pesquisa apresentaram a seguinte distribuição: Processos administrativos contra os Fundos de Pensão As Entidades pesquisadas apresentaram nos últimos cinco anos uma tendência predominante de aumento dos processos administrativos, arbitrais ou judiciais, movidos pelos participantes. As Patrocinadoras, fornecedores, comunidade, governo, empregados e sindicais foram as partes interessadas que demonstraram uma tendência de queda na abertura de ações movidas contra os Fundos, conforme gráfico abaixo. evolução dos processos administrativos por parte interessada dos Fundos de Pensão nos últimos CINCO anos Representatividade média de participantes e patrocinadoras nas Estruturas de Governança dos Fundos de Pensão vinculados à iniciativa privada PARTICIPANTES PatrocinadorEs 10 Fornecedores Comunidade 42,7 43,3 Governo Trabalhistas (empregados) Conselho Deliberativo Conselho Fiscal Sindicais (negociação coletiva) Tendência de Aumento Tendência de Diminuição No caso dos Fundos de Pensão patrocinados pelo Poder Público, a Lei Complementar nº 108, em seu artigo 11º, assegura a paridade entre representantes dos participantes e assistidos e dos patrocinadores.

7 ABRAPP Relatório Social 21 Compromissos com iniciativas voluntárias Atualmente, as sociedades vêm se deparando com inúmeros fatores relacionados aos problemas ambientais e, devido a este delicado fator, houve um perceptível aumento na preocupação de diversos órgãos nacionais e internacionais do Poder Público, de grupos de pesquisadores e ambientalistas quanto a questões econômicas e socioambientais. Frente a este fato, a temática da sustentabilidade tem sido crescente, o que fomentou o surgimento de documentos, acordos e princípios relacionados ao combate à crise ambiental. Demonstrando a mobilização quanto aos problemas socioambientais, os Fundos de Pensão estão acompanhando esse movimento demonstrando o comprometimento com iniciativas socioambientais e apresentando crescimento em quase todas as iniciativas mapeadas, inclusive com a utilização dos Princípios do Equador, que não foram apresentados como iniciativa aderida na Edição de. Os Objetivos do Milênio continuam em queda de em relação ao ano de. Comprometimento dos Fundos de Pensão com as iniciativas socioambientais nacionais e internacionais Princípios Básicos de Responsabilidade Social (Instituto Ethos-ABRAPP) 5 25, -9,4% 34,4 25,0 Princípios para o Investimento Responsável (PRI) 6 25, 6,2% 18,8 25,0 Secretaria de Previdência Complementar Avaliação da Transparência da Entidade (Guia do Participante) 43,8% 43,8 43,8 Pacto Global 9,4% 9,4 9,4 Princípios do Equador (Fundos de Investimentos em Participações) 0 Objetivos do Milênio -3,2% Carbon Disclosure Project 7 43,3% 8,9% 34,4 43,3 Outros (Andima, Anbid, Coep etc.) -3,2% 5 Os Princípios Básicos de Responsabilidade Social Instituto Ethos - ABRAPP são um conjunto de 11 critérios baseados em responsabilidade social que os Fundos de Pensão podem utilizar no momento em que decidem investir em empresas. Esses princípios são aplicáveis imediatamente após o Fundo de Pensão ter aplicado seu critério tradicional de análise de investimentos. 6 Os Princípios para o Investimento Responsável (PRI) foram elaborados por investidores institucionais líderes, com apoio da United Nations Environment Programme Finance Initiative (UNEP FI) e do Pacto Global das Nações Unidas. Os Princípios Para o Investimento Responsável (PRI) incluem critérios ambientais, sociais e de governança para alcançar melhores retornos de investimentos de longo prazo e mercados mais sustentáveis. Ver 7 O Carbon Disclosure Project (CDP) é uma ONG independente que objetiva criar um diálogo permanente entre investidores e empresas em torno das implicações sobre o valor das empresas e dos desafios apresentados pelas mudanças climáticas globais. Ver

8 Com a finalidade de dar maior transparência às partes interessadas, 69,6% dos Fundos de Pensão participantes desta Edição divulgam seu modelo de governança em estatuto ou relatório anual.

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos.

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos. TÍTULO Código de Conduta Ética da Organização Bradesco GESTOR Banco Bradesco S.A. ABRANGÊNCIA Unidades no Exterior, Agências, Departamentos, Empresas Ligadas DATA DE PUBLICAÇÃO 07/08/2015 Descrição: 1.

Leia mais

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS A Wilson Sons, por meio deste Guia Anticorrupção, pretende disseminar os valores morais e éticos que norteiam seus diversos negócios, reiterando seu princípio de combate

Leia mais

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade 1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade Curitiba 30 de outubro de 2012 Agenda Sustentabilidade: Várias Visões do Empresariado Desenvolvimento sustentável;

Leia mais

Manual de. Governança Corporativa

Manual de. Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição... 2. Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.2. A Identidade

Leia mais

Governança Corporativa e Sustentabilidade. Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@iname.com (11) 9221-7444

Governança Corporativa e Sustentabilidade. Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@iname.com (11) 9221-7444 Governança Corporativa e Sustentabilidade Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@iname.com (11) 9221-7444 Londrina, 21 de outubro de 2010 Conteúdo Governança Corporativa Sustentabilidade Cooperativas IBGC Perguntas

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

Dimensão Ambiental GRUPO IF

Dimensão Ambiental GRUPO IF Dimensão Ambiental GRUPO IF Serviços Financeiros Instituições Financeiras, Seguradoras Dimensão Ambiental 119 GRUPO IF... 118 CRITÉRIO I - POLÍTICA... 120 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A 75 AGENDA FUTURA PARA A SUSTENTABILIDADE Como o tema Sustentabilidade pode contribuir para o objetivo último dos Fundos de Pensão, que é o de zelar pela aposentadoria de milhões de trabalhadores? Esta

Leia mais

Questionário de Levantamento de Informações

Questionário de Levantamento de Informações Questionário de Levantamento de Informações Critérios para Inclusão de Empresas no Fundo Ethical 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos se observou um aumento significativo da preocupação das empresas com questões

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED VERSÃO 01 MAIO DE 2015 SUMÁRIO Capítulo 1 Objetivo do documento... 3 Capítulo 2 Público - Alvo / Aplicabilidade... 5 Capitulo 3 Responsabilidades...

Leia mais

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc Sustentabilidade em energia e o concreto Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL GRI IBASE Responsabilidade Social & Sustentabilidade Empresarial 1999 2001 a 2003 2006 AÇÃO

Leia mais

Workshop Políticas e Práticas Socioambientais nas Instituições Financeiras. São Paulo, 1º de dezembro de 2011

Workshop Políticas e Práticas Socioambientais nas Instituições Financeiras. São Paulo, 1º de dezembro de 2011 Workshop Políticas e Práticas Socioambientais nas Instituições Financeiras São Paulo, 1º de dezembro de 2011 Sistema Financeiro Nacional Políticas de RSA, Governança, Produtos e Gerenciamento de Risco

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL A Política de Prevenção à Corrupção tem como objetivo dar visibilidade e registrar os princípios e valores éticos que devem nortear a atuação dos empregados,

Leia mais

Comunicação de Progresso 2011. Empresa Júnior de Gestão de Negócios da UFRJ

Comunicação de Progresso 2011. Empresa Júnior de Gestão de Negócios da UFRJ Comunicação de Progresso 2011 1 Mensagem do Gestor Sr. Secretário-Geral, Gostaria de confirmar que a Ayra Consultoria apóia os Dez Princípios do Pacto Global, relacionados a Direitos Humanos, Direitos

Leia mais

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15 ética Programa de Integridade 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Última atualização em: Circular Bancoob Página: 1/15 Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Risco da prática de atos lesivos contra

Leia mais

Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12

Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12 Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12 Missão: MISSÃO Administrar os recursos previdenciários com segurança e rentabilidade,

Leia mais

apresentação código de ética

apresentação código de ética código de ética código de ética apresentação A Previsc é uma organização que, desde 1987, contribui para a construção de um futuro mais tranqüilo para os seus clientes, fornecendo soluções em gestão previdenciária

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Índice: 1 OBJETIVO 2 2 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 2 3

Leia mais

SUSTENTABILIDAD FAZ PARTE DO NOSSO NEGÓCIO JULHO DE 2012

SUSTENTABILIDAD FAZ PARTE DO NOSSO NEGÓCIO JULHO DE 2012 SUSTENTABILIDAD FAZ PARTE E DO NOSSO NEGÓCIO JULHO DE 2012 SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES * 14.756 AGÊNCIAS * 193.349 * FUNCIONÁRIOS * dezembro 2011 SANTANDER NO BRASIL 20,1 milhões CONTAS-CORRENTES

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

de pensão brasileiros. O reconhecimento de que aspectos sociais e ambientais trazem

de pensão brasileiros. O reconhecimento de que aspectos sociais e ambientais trazem Os últimos anos têm testemunhado a ampliação do tema de sustentabilidade entre os fundos de pensão brasileiros. O reconhecimento de que aspectos sociais e ambientais trazem oportunidades e riscos aos investimentos

Leia mais

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado na 135ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo, em 18 de dezembro de 2012 1 PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A O código de ética da Empresa Luz e Força Santa Maria S/A contempla as seguintes partes interessadas: empregados, fornecedores, meio ambiente, consumidores

Leia mais

Impacto dos projetos de sustentabilidade

Impacto dos projetos de sustentabilidade Impacto dos projetos de sustentabilidade Angelica Blanco 24 de Maio, 2010 0 CONTEÚDO Parte 1: Sustentabilidade Direcionando investimentos Parte 2: Retornos em Sustentabilidade 1 QUEM SOMOS Estudos e rankings

Leia mais

Principais estudos e a perspectiva dos investidores. Roberta Simonetti GVces

Principais estudos e a perspectiva dos investidores. Roberta Simonetti GVces O VALOR DO ISE Principais estudos e a perspectiva dos investidores Roberta Simonetti GVces Conteúdo Principais tendências: investidores e executivos Risco vs. Retorno Ganhos de valor Valores tangíveis

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA 1. OBJETIVO Em atendimento à Resolução do Banco Central do Brasil nº 4.327 de 25 de abril de 2014, que dispõe sobre as diretrizes que devem ser observadas no estabelecimento e na implementação da Política

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Questionário ISE. Dimensão Econômico-Financeira

Questionário ISE. Dimensão Econômico-Financeira Questionário ISE Dimensão Econômico-Financeira 2015 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. ESTRATÉGIA E RISCO CORPORATIVO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RISCOS E OPORTUNIDADES CORPORATIVOS...

Leia mais

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União LOGO Sumário da Apresentação Origens... Um pouco sobre Governança O papel da Unidade

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

relatório de SUSTENTABILIDADE

relatório de SUSTENTABILIDADE relatório de SUSTENTABILIDADE 2015 2015 relatório de SUSTENTABILIDADE O Pacto Global é uma iniciativa desenvolvida pelo ex secretário-geral da ONU, Kofi Annan, com o objetivo de mobilizar a comunidade

Leia mais

A Prática na Unimed João Pessoa

A Prática na Unimed João Pessoa A Prática na Unimed João Pessoa 27º Encontro Nacional de Núcleos de Desenvolvimento Humano e Comitês Educativos Unimed do Brasil São Paulo, Julho/2015 COOPERATIVISMO E GOVERNANÇA Princípios e Características

Leia mais

A Bolsa e a sustentabilidade

A Bolsa e a sustentabilidade A Bolsa e a sustentabilidade Izalco Sardenberg Diretor Instituto BM&FBOVESPA Outubro/2009 BM&FBOVESPA Quem somos Maior bolsa da América Latina. Uma das 5 maiores do mundo em valor de mercado (US$ 15 bilhões).

Leia mais

Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global

Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global 07/06/2013 Sumário 1. O Pacto Global... 3 2. A Klabin e o Pacto Global... 5 3. Avaliação das iniciativas da Klabin para o cumprimento

Leia mais

Dimensão Econômico-Financeira

Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Econômico-Financeira 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO... 3 INDICADOR 2. ATIVOS INTANGÍVEIS... 5 INDICADOR 3. DEFESA DA CONCORRÊNCIA... 6 CRITÉRIO II GESTÃO...

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO 1. OBJETIVO A Política Corporativa de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de reforçar o compromisso da empresa Via Boleto de cooperar

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL ANTICORRUPÇÃO

POLÍTICA INSTITUCIONAL ANTICORRUPÇÃO POLÍTICA INSTITUCIONAL ANTICORRUPÇÃO Belo Horizonte, Fevereiro de 2016. Diretoria Executiva de Controladoria, Compliance, PLD e Riscos Diretoria de Compliance, PLD e Riscos ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2.

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

Instrumento Normativo Mandatório Política Norma Procedimento. Impacta Matriz de Risco Não se aplica Sim (Controle de Referencia: )

Instrumento Normativo Mandatório Política Norma Procedimento. Impacta Matriz de Risco Não se aplica Sim (Controle de Referencia: ) Classificação 001 CCO Políticas da Organização Título 002 Admissão e Manutenção de Agente Autônomo de Investimento Responsáveis Diretoria Diretoria Executiva Superintendência(s) Área Autor(es) Fernanda

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA

FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA FUNDAMENTOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Ensino a distância ÍNDICE I) O QUE É PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? II) SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR III) MARCOS REGULATÓRIOS IV) PLANOS DE BENEFÍCIOS V) ENTIDADES

Leia mais

Pacto Global. Comunicação de Progresso 2007. O Boticário

Pacto Global. Comunicação de Progresso 2007. O Boticário Pacto Global Comunicação de Progresso 2007 O Boticário 1 São José dos Pinhais, 28 de março de 2008. Ban Ki-moon Secretário Geral Organização das Nações Unidas Sr. Secretário Geral, O Boticário sempre acreditou

Leia mais

O valor de ser sustentável

O valor de ser sustentável Visão Sustentável O valor de ser sustentável Os investimentos socialmente responsáveis vêm ganhando espaço mundialmente. No Brasil, há fundos de ações com foco em sustentabilidade, além do ISE Criselli

Leia mais

Guia de. Orientação. Ética

Guia de. Orientação. Ética Guia de Orientação Ética Guia de Orientação Ética 02 1ª Edição - V. 1 Publicação do Sindivarejista Presidente Sanae Murayama Saito Projeto Gráfico Communitas Comunicação ÍNDICE 04. Palavras da Presidente

Leia mais

Hermes Chipp Diretor Geral do ONS

Hermes Chipp Diretor Geral do ONS Nossa vida é feita de escolhas. Seja no âmbito pessoal ou profissional, a cada dia escolhemos caminhos a trilhar. A ética deve ser a premissa básica para pautar as nossas opções cotidianas. O ONS, desde

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

Responsabilidad Social y el Recurso Humano como Factor Estratégico

Responsabilidad Social y el Recurso Humano como Factor Estratégico Congreso Internacional de Recursos Humanos Sector Minería Responsabilidad Social y el Recurso Humano como Factor Estratégico Ralph Chelotti Chile Abril de 2006 Apresentação Institucional O Caso Samarco

Leia mais

Código de Conduta Ética da. Organização Bradesco

Código de Conduta Ética da. Organização Bradesco Código de Conduta Ética da Organização Bradesco Caros Colaboradores, O regime da livre iniciativa e concorrência impõe às empresas, seus representantes, prepostos e funcionários conduzirem-se dentro de

Leia mais

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência Código de Ética Conduzimos nossos negócios dentro de uma estrutura de padrões profissionais, legislações, regulamentações e políticas internas. Entretanto, temos consciência que essas normas não necessariamente

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE Comissão Técnica Nacional de Sustentabilidade novembro/2014 Sumário Desenvolver e aplicar análises ESG - ambiental,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental 1.0 PROPÓSITO A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ) do Banco CNH Industrial Capital S.A. tem, como finalidade, estabelecer princípios e diretrizes que norteiem as ações da Instituição

Leia mais

Conselho Deliberativo do ISE (CISE)

Conselho Deliberativo do ISE (CISE) 1 Conselho Deliberativo do ISE (CISE) Órgão máximo de governança do índice. Tem como missão garantir um processo transparente de construção do índice e de seleção das empresas. Composto por representantes

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 Propriedade de Banco do Nordeste do Brasil S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. I. ESCOPO 1.

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

CURSO 2014 MG GOVERNANÇA CORPORATIVA - PRINCÍPIOS E PRÁTICAS

CURSO 2014 MG GOVERNANÇA CORPORATIVA - PRINCÍPIOS E PRÁTICAS Apoio: CURSO 2014 MG GOVERNANÇA CORPORATIVA - PRINCÍPIOS E PRÁTICAS Neste curso o IBGC aborda, com uma visão prática, os motivadores para a aplicação dos instrumentos de Governança Corporativa. Destaca

Leia mais

Engajamento para Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil

Engajamento para Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil Engajamento para Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil Membros EXPEDIENTE Coordenação do GVces Mario Monzoni e Rachel Biderman Realização Fórum Latino-Americano de Finanças Sustentáveis LASFF Centro

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

1 Introdução. No Brasil, o Sistema Previdenciário é composto pela Previdência Social e pela Previdência Complementar.

1 Introdução. No Brasil, o Sistema Previdenciário é composto pela Previdência Social e pela Previdência Complementar. 1 Introdução A necessidade de uma Previdência Complementar no Brasil surgiu do momento de crise do Sistema Previdenciário Brasileiro, pois a Previdência Social não consegue pagar ao aposentado o mesmo

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. 1 INTRODUÇÃO O Grupo ISA e suas empresas avançam para metas a cada vez mais exigentes e ambiciosas, desenvolvendo suas práticas em contextos diversos e inovadores

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O Instituto LIFE é responsável pelo

O Instituto LIFE é responsável pelo LIFE CertificaçãoLIFE Lasting Initiative For Earth O Instituto LIFE é responsável pelo desenvolvimento e gestão do sistema de Certificação LIFE. A Certificação LIFE reconhece organizações que desenvolvem

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br Processo 2013 05 de março de 2013 www.isebvmf.com.br Conselho Deliberativo do ISE (CISE) Órgão máximo de governança do índice Tem como missão garantir um processo transparente de construção do índice e

Leia mais

5º ESTUDO DE SUSTENTABILIDADE

5º ESTUDO DE SUSTENTABILIDADE 5º ESTUDO DE SUSTENTABILIDADE UMA VISÃO DE MERCADO SOBRE OS INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NAS ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS 14 / 15 Sumário Prefácio 5 Sumário executivo 6 Aspectos gerais 8 Estratégia de negócios

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.2 do Anexo 3 PLANO DE QUALIDADE

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.2 do Anexo 3 PLANO DE QUALIDADE ANEXO DO CONTRATO Apêndice 3.2 do Anexo 3 PLANO DE QUALIDADE Dezembro - 2013 Apêndice 3.2 do Anexo 3: Plano de Qualidade Índice 1 Plano de Qualidade... 3 1.1 Características gerais... 3 1.2 Conteúdo do

Leia mais

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE A corrupção gera um sério impacto sobre o meio ambiente. Uma série de setores são particularmente vulneráveis à corrupção, incluindo a silvicultura, a proteção de espécies ameaçadas

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

7ª Conferência Municipal Produção Mais Limpa Cidade de São Paulo. São Paulo, 21 de Maio 2008. Maria Luiza Barbosa

7ª Conferência Municipal Produção Mais Limpa Cidade de São Paulo. São Paulo, 21 de Maio 2008. Maria Luiza Barbosa 7ª Conferência Municipal Produção Mais Limpa Cidade de São Paulo São Paulo, 21 de Maio 2008 Maria Luiza Barbosa Responsabilidade Social Projetos desenvolvidos pela UNICA Instituto Banco Mundial Programa

Leia mais

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores 00 12/02/2015 Original Natalia Simões Araujo (Coordenadora Funções Corporativas e Compliance) Antonio Ferreira Martins (Vice- Presidente Jurídico e

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 006/2014 EMENTA: Aprova Normas da Política de

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Principais destaques do período

Principais destaques do período Apresentação A Diretoria da Sabesprev apresenta a seus participantes o resultado de mais um exercício, marcado por uma gestão participativa, inserida nos preceitos da Governança Corporativa e com total

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. OBJETIVO A gestão de risco para a NexFuel é uma ferramenta pela qual são analisados e monitorados os riscos estratégicos, operacionais e financeiros bem como aqueles atrelados

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa 1/13 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO: ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CGPC nº13/2004 Apresenta e especifica estrutura, componentes e mecanismos corporativa na

Leia mais

Política de Relacionamento com Fornecedores

Política de Relacionamento com Fornecedores Política de Relacionamento com Fornecedores Publicado em: 25/06/2013 1. Conceito O Santander tem como compromisso promover a sustentabilidade, conduzindo seus negócios em plena conformidade com a legislação

Leia mais