Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos"

Transcrição

1 Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos Kenneth M. Zeichner Universidade de Wisconsin, Madison, Estados Unidos Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira Revisão técnica de Elsa Garrido Trabalho apresentado na XX Reunião Anual da ANPEd, Caxambu, setembro de Apresentarei neste artigo uma revisão dos mais importantes temas, questões e metodologias que têm caracterizado a pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos nos últimos anos e farei alguns comentários sobre a qualidade e a utilidade dessa pesquisa tanto nos Estados Unidos quanto para um público internacional. Comentarei também a relação entre a pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos, a maneira pela qual são conduzidos os cursos de formação de professores e a formulação de políticas nos níveis estadual e nacional. Inicialmente, desejo apresentar um breve quadro de como é organizada a formação de professores em meu país. São muitos os padrões existentes nos Estados Unidos para a condução tanto da formação inicial quanto da formação em serviço. 1 A formação de professores é responsabilidade de cada um dos estados e não do governo federal, embora haja muitos modos pelos quais influências nacionais e corporativas afetam os cursos em nível local (Cronin, 1 Ver Feiman-Nemser, ; Hargreaves, 1995; Tom, 1996; Popkewitz, 1993; Labaree, 1985). Há aproximadamente faculdades e universidades que respondem por cursos de formação inicial de professores. Entre esses programas há os de quatro ou cinco anos de duração para estudantes de graduação e os de um ou dois anos de duração realizados em nível de mestrado para estudantes que já tenham completado a graduação numa faculdade ou universidade. Além disso, mais de quarenta dos cinqüenta estados dos EUA legalizaram o assim chamado caminho alternativo para a formação de professores, que permite a pessoas com nível de graduação obterem o título de licenciatura tendo contato mínimo com os programas de formação de professores das universidades e faculdades. Esses cursos, que em alguns casos são essencialmente treinamento em serviço, foram uma resposta à necessidade urgente nos EUA de fornecer professores para as escolas dos grandes distritos urbanos. Os cursos regulares de formação de professores em faculdades e universidades não foram capazes de suprir com o número suficiente de professores qualificados essas escolas que, em sua maioria, atendem a alunos 76 Set/Out/Nov/Dez 1998 N º 9

2 Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos não-brancos de baixo nível socioeconômico. Cerca de 7% dos professores iniciantes cursam esses programas alternativos (Stoddart e Floden, 1996). Aproximadamente estudantes graduam-se anualmente nos programas de formação de professores dos EUA, o que é insuficiente para completar os quadros das escolas públicas norteamericanas. Cerca de 99% dos professores norteamericanos possuem pelo menos um curso universitário de graduação (ainda que não necessariamente na área em que estão lecionando) e cerca de 42% fizeram cursos de mestrado. Há comumente grave escassez de professores na maioria das grandes cidades dos Estados Unidos em determinadas disciplinas, tais como educação bilíngüe, ciências e matemática (Darling-Hammond e Cobb, 1995). Os cursos de formação de professores nos EUA continuam a formar muitos indivíduos que não seguem a carreira docente. Aproximadamente 30% a 50% dos professores que obtém o registro de licenciatura abandonam o ensino no final do quinto ano. O número de evasões do ensino é ainda mais elevado em determinadas áreas do país. Essa falta de compromisso com o ensino como carreira ocorre por razões variadas, entre as quais o baixo status da profissão docente na sociedade como um todo, as condições deficientes de trabalho e o baixo grau de autonomia profissional (Darling-Hammond e Cobb, 1995; Lieberman e Miller, 1992). Nos Estados Unidos, como na maioria dos países, os professores são principalmente mulheres. No nível da formação continuada, há também muitas opções para o desenvolvimento profissional dos professores. Muitas das opções implicam decisão isolada ou conjunta de um distrito escolar, uma universidade, um sindicato de professores sobre o que os professores precisam aprender e, a seguir, a organização de um curso regular ou intensivo para que o aprendam. Ultimamente, tem havido no país um crescimento de cursos organizados pelos próprios professores ou por outras pessoas, que lhes oferecem a oportunidade de determinar a natureza e o foco do trabalho de desenvolvimento profissional. Neste caso, tem-se observado um rápido aumento de grupos de estudo de professores, de docentes ligados pela internet e grupos de pesquisa-ação. Este tipo de formação em serviço tem possibilitado aos professores maior controle sobre o próprio desenvolvimento profissional e diminuído sua dependência de especialistas e acadêmicos como fonte de conhecimento sobre o ensino (por exemplo, Saavedra, 1996; Little, 1993). Em muitos lugares dos Estados Unidos, os professores estão produzindo conhecimento mediante pesquisa-ação e partilhando-o em congressos ou através de publicações (Caro-Bruce e McReadie, 1995; Cochran- Smith e Lytle, 1993). Tanto na formação inicial quanto na formação em serviço tem sido dada clara ênfase à preparação de professores como profissionais reflexivos (por exemplo, Valli, 1992). 2 Contudo, o significado disso nem sempre está claro e, em alguns casos, a pretensão de um compromisso com a idéia de reflexão e liderança do professor não passa de um modo mais sutil e manipulativo de exercer controle sobre os professores e mantê-los em posição subalterna (Zeichner e Liston, 1996). A pesquisa sobre formação de professores A pesquisa acadêmica sobre formação de professores constitui atividade relativamente nova nos Estados Unidos. Quando comecei minha carreira, em 1976, como formador de professores na universidade, o tipo predominante de pesquisa eram os estudos experimentais quantitativos sobre a eficácia de diferentes métodos para treinar os professores em tarefas específicas. Esse tipo de pesquisa mostrava que, sob certas condições, os professores podiam ser treinados para fazer quase tudo, pelo menos a curto prazo. Raramente foi pesquisado se esse treinamento possuía algum efeito duradouro sobre a forma como as pessoas ensinavam depois de concluírem o curso de formação inicial (Peck e Tucker, 1973). Àquela altura, sabíamos muito pouco a respeito do que real- 2 Reflective practitioner, no original. (N. E.) Revista Brasileira de Educação 77

3 Kenneth M. Zeichner mente se passava nos cursos de formação de professores ou na mente dos estudantes e professores desses cursos. A preocupação central era quase exclusivamente a da modelagem do comportamento do professor e do exame dos efeitos de determinadas estratégias de formação de professores, sem que se estudasse, realmente, como essas estratégias eram de fato conduzidas e interpretadas por seus beneficiários (Popkewitz, Tabachnick e Zeichner, 1979). Nos últimos quinze anos houve extraordinária mudança na natureza do campo da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos. Mais notadamente, houve um deslocamento, de uma dependência exclusiva em relação a estudos positivistas experimentais e quase experimentais sobre os efeitos do treinamento de professores no uso de determinadas habilidades docentes, para a utilização de uma variedade mais ampla de metodologias de pesquisa e para a investigação de uma gama mais ampla de questões e temas de pesquisa. Houve um crescimento substancial na utilização de métodos de pesquisa naturalistas ou interpretativos, tais como a etnografia e a investigação narrativa, bem como análises críticas (Kennedy, 1985; Lee e Yarger, 1996; Richardson, 1996; Zimpher e Howey, 1996). A partir desse período de mudança, o mundo da pesquisa educacional começou a reconhecer a existência do pensamento do professor e os pesquisadores começaram a examinar as maneiras pelas quais o curso de formação inicial influencia o desenvolvimento dos aspectos cognitivos e morais do professor (Clark e Peterson, 1986). Além dos psicólogos educacionais, que haviam dominado a pesquisa sobre formação de professores até a década de 1980, pesquisadores de outras disciplinas, tais como sociologia, antropologia, filosofia, história, as humanidades, e teóricos sociais começaram a dedicar sua atenção ao estudo da formação de professores. Em 1984, a Associação Norte-Americana de Pesquisa Educacional (American Educational Research Association), que é a mais importante associação de pesquisa educacional dos Estados Unidos, atribuiu ao campo de pesquisa sobre formação de professores o status de divisão. Essa é atualmente a segunda maior divisão dentro da associação, com mais de pesquisadores-membros. A criação de uma divisão para a pesquisa sobre ensino e sobre formação de professores representou a afirmação do elevado status atingido pela pesquisa nessa área. Infelizmente, essa ascensão do status da pesquisa sobre formação de professores não afetou o baixo status da prática da formação de professores na maioria das faculdades e universidades. A formação de professores continua a ser um trabalho de baixo status, mal reconhecido dentro da academia, e os cursos de formação de professores continuam a ser enormemente subfinanciados em comparação com outros cursos de formação profissional dentro das universidades (Clifford e Guthrie, 1988; Goodlad, 1990; Holmes Group, 1995; Liston, 1995). Principais linhas de pesquisa Muitos temas e problemas têm sido explorados pelos pesquisadores que investigam a formação de professores nos Estados Unidos. Dada a limitação de espaço, organizei todas essas pesquisas em quatro grandes categorias: pesquisa descritiva, pesquisa conceitual e histórica, estudos sobre a natureza e o impacto das atividades de formação de professores e estudos sobre o aprender a ensinar. Como toda categorização, estas categorias são de certo modo problemáticas. Não são mutuamente excludentes, mas apenas descrevem a ênfase em determinadas linhas de pesquisa. Por exemplo, a pesquisa descritiva não está livre de conceitos e de vieses teóricos, assim como a pesquisa conceitual não está isenta de material descritivo. As categorias, ainda que falhas, proporcionam um modo de obter uma visão rápida sobre o amplo espectro da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos. Pesquisa descritiva A primeira categoria importante da pesquisa contemporânea sobre a formação de professores nos Estados Unidos é a dos estudos descritivos. Eles ofe- 78 Set/Out/Nov/Dez 1998 N º 9

4 Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos recem à comunidade de pesquisadores, de professores e de administradores informações sobre o estado atual da formação de professores no país. São estudos nacionais em larga escala, que buscam descrever os padrões da formação de professores em todo o país, ou estudos de caso detalhados de determinados cursos ou programas de formação de professores. Tivemos diversas investigações em larga escala sobre a formação de professores em todo o país (por exemplo, AACTE, 1987, 1988, 1989, 1990, 1991, 1995; Goodlad, 1990). Esses trabalhos descreveram as características dos cursos de formação de professores (sua localização, a natureza de seu currículo e exigências para ingresso) e as características de seus estudantes e professores. A partir desses estudos, ficamos sabendo muita coisa, por exemplo, sobre as características acadêmicas, raciais, étnicas, de classe social e de gênero, tanto dos professores quanto dos estudantes em comparação com os estudantes e o corpo docente de outras áreas. Esses dados contestaram as percepções equivocadas da sociedade mais ampla de que os que vão para a carreira docente são academicamente inferiores aos estudantes que vão para outras áreas. No decorrer da última década, as exigências dos cursos de formação de professores elevaram-se e, hoje em dia, em muitas instituições norte-americanas constituem uma das áreas de mais difícil ingresso. Em muitas instituições dos Estados Unidos, os estudantes de cursos de formação de professores são academicamente tão capazes quanto quaisquer outros estudantes da universidade, apesar do status relativamente baixo da docência enquanto profissão (Darling-Hammond e Sclan, 1996). Graças a esses levantamentos em larga escala, ficamos sabendo também que, apesar das mudanças demográficas na população da escola pública norte-americana, onde há grande aumento do número de alunos não brancos/ou de alunos cuja primeira língua não é o inglês, bem como de alunos que vivem na pobreza, as faculdades e universidades continuam a admitir estudantes principalmente brancos e falantes apenas do inglês, e continuam a orientá-los principalmente para o ensino de alunos de classe média (Zimpher e Ashburn, 1992). Esse distanciamento entre as características culturais e lingüísticas de professores e de estudantes nos Estados Unidos tem representado um enorme problema na política de formulação de cursos de formação de professores (Zeichner e Hoeft, 1996). Como resposta a esse tipo de dados oferecido pelos levantamentos, já há algum tempo verificam-se importantes esforços para recrutar maior número de pessoas não brancas e indivíduos bilíngües para o ensino, para preparar todos os professores para se tornarem mais competentes interculturalmente (por exemplo, Ladson-Billings, 1995; Villegas e Clewell, no prelo), e preparar professores especificamente para lecionar a alunos que vivem na pobreza (por exemplo, Martin, 1995; Weiner, 1993). Apesar dos ganhos obtidos com esses levantamentos em larga escala, eles também têm sido restritos em sua utilidade. Por exemplo, muito embora hajam proporcionado alguma informação básica a respeito do currículo dos cursos de formação de professores, tais como o número de disciplinas e experiências de campo de diferentes tipos, esses levantamentos não se aprofundaram no exame da substância e da qualidade dessas experiências e de como elas são interpretadas pelos estudantes que delas participam. Além dos estudos em larga escala que têm oferecido um quadro amplo de determinados aspectos da formação de professores em todo o país, houve, nos últimos dez anos, grande aumento do número de estudos de caso de cursos e programas (por exemplo, Zimpher e Howey, 1989). Esses estudos de caso têm proporcionado uma visão bem próxima e detalhada das atividades específicas de formação e mostram qual é o aspecto de um curso de formação de professores quando visto de dentro, da perspectiva dos estudantes e do corpo docente. Os retratos da formação de professores fornecidos por esses estudos detalhados da prática freqüentemente são muito diferentes do que nos sugere a leitura dos boletins e catálogos dos cursos. Nos últimos sete anos, tenho dispendido parte considerável do tempo que dedico à pesquisa na produção de retratos detalhados de cursos de formação de professores em instituições consideradas Revista Brasileira de Educação 79

5 Kenneth M. Zeichner exemplares na preparação de docentes bem-sucedidos nas escolas públicas em áreas urbanas e rurais economicamente menos favorecidas. Isso tem exigido a leitura de grande quantidade de documentos a respeito desses cursos, entre os quais boletins e resumos das disciplinas e, depois, a ida até a instituição, dedicando ali muito tempo fazendo observações em classe, conversando com os estudantes, corpo docente e administradores e, posteriormente, a ida até as escolas e comunidades em que os estudantes fazem seus estágios para observá-los dando aulas e conversar com seus tutores na escola e na comunidade. 3 Em projeto de pesquisa que acaba de ser completado (e no qual fui um de oito pesquisadores), procuramos estudar sete cursos exemplares de formação de professores em todo o país. Eles possuem um bom desempenho na preparação de professores centrados no aluno, e seus egressos são bemsucedidos em escolas urbanas com alunado de diversos tipos. Numa análise transversal dos sete estudos de caso, pudemos identificar alguns elementos-chave que estavam presentes em todos os cursos e eram importantes para seu êxito (como o compromisso institucional com a formação de professores, uma formulação coerente sobre o bom ensino no curso e vínculos estreitos com escolas locais). A identificação de aspectos-chave de cursos bemsucedidos não virá de levantamentos em grande escala, que só examinam à distância a camada superficial dos cursos. Os estudos de caso detalhados, empregando uma combinação de métodos qualitativos e quantitativos, têm constituído parte importante das últimas pesquisas sobre a formação de professores nos Estados Unidos, porque os pesquisadores, para compreender os cursos de formação de professores, precisam dedicar muito tempo a eles. 3 Esses programas são o Projeto da Reserva Indígena Norte-Americana da Universidade de Indiana (Zeichner e Melnick, 1996), o Programa de Educação Urbana das Faculdades Associadas do Meio-Oeste (Melnick e Zeichner, 1997), o Programa Professores para o Alasca (Ongtooguk, 1994) e o programa de educação elementar da Faculdade Alverno (Zeichner, no prelo). Pesquisa conceitual e histórica A segunda maior linha de pesquisa sobre a formação de professores nos Estados Unidos nos últimos tempos tem sido a pesquisa conceitual e histórica. Assistimos aí a um crescimento dos estudos que têm procurado identificar e debater diferentes abordagens ideológicas da formação de professores. Esse trabalho discriminou, por exemplo, entre cursos que enfatizam a aquisição de conhecimento das disciplinas, programas que centram sua atenção especialmente em ajudar os professores a aprofundar seu conhecimento sobre o desenvolvimento e os padrões de crescimento dos alunos, cursos que têm enfatizado a aquisição de habilidades didáticas específicas e cursos que ajudam os professores a adquirir a aptidão e a capacidade de analisar e criticar as maneiras pelas quais as desigualdades sociais são consolidadas e fortalecidas nas práticas escolares correntes (por exemplo, Liston e Zeichner, 1991; Feiman-Nemser, 1990). Embora a maioria dos cursos de formação de professores façam algumas dessas coisas, alternativas conceituais claramente identificáveis têm sido discutidas na literatura, com base naquilo que cada curso enfatiza. Os pesquisadores têm proposto diferentes alternativas e tem havido muito empenho em desenvolver cursos de formação de professores em torno de determinadas tradições ou paradigmas tais como cursos de formação de professores reconstrucionistas sociais e democráticos ou em torno de determinadas palavras de ordem tais como o professor visto como um profissional reflexivo (por exemplo, Barnes, 1987; Novak, 1994; Liston e Zeichner, 1991; Valli, 1992). Outro aspecto dessa categoria de pesquisa inclui os trabalhos que têm discutido influências externas sobre os cursos de formação de professores, tais como forças macropolíticas, forças econômicas e influências ideológicas. Neste caso, encontramos análises a respeito do efeito das forças do mercado sobre o caráter e a qualidade dos cursos de formação de professores (por exemplo, Labaree, 1995) e do efeito do estado da economia e do clima polí- 80 Set/Out/Nov/Dez 1998 N º 9

6 Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos tico no país sobre o predomínio de determinadas influências ideológicas encontradas em cursos de formação de professores (por exemplo, Liston e Zeichner, 1991). Por exemplo, somente em épocas de grave depressão econômica e de desemprego maciço é que as propostas radicais dos reconstrucionistas sociais, de utilizar as escolas e a formação de professores como instrumentos para ajudar a construir uma sociedade mais justa, têm recebido algum apoio significativo. Recentemente, muitos pesquisadores têm documentado e analisado as maneiras pelas quais os governos estaduais, as fundações filantrópicas, os editores comerciais e os planejadores de testes, bem como muitos outros organismos governamentais e não-governamentais têm influenciado os cursos de formação de professores (por exemplo, Imig e Switzer, 1996). Alguns desses trabalhos empregaram teorias críticas e pós-estruturalistas para interpretar as maneiras pelas quais os padrões de raciocínio são muitas vezes impostos sutilmente ao mundo da formação de professores como, por exemplo, os que enfatizam definições tecnicistas e gerenciais para o ensino (Popkewitz, 1993; Popkewitz e Brennan, 1994). Finalmente, nos últimos dez anos assistimos a um grande aumento dos estudos históricos sobre a formação de professores nos Estados Unidos. Eles têm propiciado novas percepções a respeito do papel de fatores como a feminização do ensino e a classe social dos professores na formulação de cursos de formação de professores em diferentes tipos de instituições norte-americanas. Alguns desses trabalhos, por exemplo, vincularam a persistência do baixo status da pesquisa sobre formação de professores a diversos fatores sociais tais como o status na sociedade de profissões predominantemente femininas como o ensino; a variados fatores institucionais, tais como a diferença entre a carga de trabalho dos docentes que se dedicam à formação de professores e a de outros docentes da universidade; e a um sistema de recompensa que desestimula o esforço continuado de reforma de cursos de licenciatura pelo corpo docente (por exemplo, Clifford e Guthrie, 1988; Herbst, 1989; Liston, 1995; Schneider, 1987). Esses trabalhos históricos têm mostrado também de que modo determinadas perspectivas e práticas a respeito da formação de professores têm ressurgido continuamente sob formas diversas no correr de todo o século XX, tais como o continuado ressurgimento das visões tecnicista e gerencial do ensino sob diferentes rótulos (Liston e Zeichner, 1991). Estudos sobre a natureza e o impacto das atividades de formação de professores A terceira categoria mais importante da pesquisa recente sobre formação de professores nos Estados Unidos inclui estudos sobre a natureza e o impacto da utilização de estratégias instrucionais e padrões organizacionais específicos sobre os cursos de formação de professores. Nesse caso, assistimos a um crescimento de estudos feitos por formadores de professores sobre o uso de tecnologias eletrônicas, estudos de caso, métodos narrativos e de história de vida, imersão cultural, experiências de campo na comunidade e nas escolas e experiências de pesquisa-ação (por exemplo, Carter, 1993; Shulman, 1992; Willis e Mehlinger, 1996; Winitzky e Arends, 1991; Zeichner e Melnick, 1996). Assistimos também a discussões sobre o impacto relativo de diferentes estruturas de cursos (por exemplo, cursos de graduação ou pós-graduação, cursos mais ou menos baseados em trabalho de campo) e sobre maneiras específicas de organizar as disciplinas (por exemplo, propostas interdisciplinares ou disciplinas independentes, como em Kennedy, 1995). Muitos de meus trabalhos mais recentes têm sido centrados em cursos de formação de professores que utilizam a pesquisa-ação como estratégia instrucional para ajudar os futuros professores a se tornarem reflexivos a respeito de sua prática, de um modo que inclui atenção tanto aos aspectos técnicos e morais do ensino quanto aos contextos em que se dá o ensino. Nos Estados Unidos, há uma tendência das pessoas a procurar separar o moral e o político do técnico e a insistir com os futuros professores somente numa ênfase técnica, ignorando as Revista Brasileira de Educação 81

7 Kenneth M. Zeichner implicações políticas de seu trabalho docente. Em pesquisas que eu e meus colegas temos realizado nos últimos doze anos, temos demonstrado que determinadas maneiras de estruturar a reflexão do professor num contexto de pesquisa-ação são muito eficazes para ajudar os licenciandos a alargar a maneira pela qual analisam sua atividade docente incluindo considerações morais e políticas (Zeichner e Gore, 1995; Zeichner, 1995). Este programa de pesquisa, tal como grande parte das últimas pesquisas sobre formação de professores nos Estados Unidos, envolveu o estudo pelos formadores de professores de suas próprias práticas. Como parte desse estudo das práticas de formação de professores feito pelos próprios formadores, alguns trabalhos incluíram um componente autobiográfico de história de vida, no qual os formadores de professores escreveram sobre as conexões entre as trajetórias de suas próprias vidas e seu trabalho em cursos de formação de professores (por exemplo, Feiman-Nemser e Featherstone, 1992; Richardson, 1997; Russell e Korthagen, 1995; Tabachnick e Zeichner, 1991). Aspecto interessante desses relatos narrativos dos formadores de professores incluiu as histórias que eles contaram sobre sua luta para tentar fazer um bom trabalho de formação de professores em instituições que não valorizam essa atividade e em procurar implementar determinadas abordagens da formação de professores (por exemplo, democrática e reconstrucionista social) que vão contra a tendência natural ou a opinião majoritária nesses contextos institucionais (por exemplo, Elijah, 1996; McCall, 1996). Estudos sobre o aprender a ensinar A quarta e última categoria de pesquisas sobre a formação de professores nos Estados Unidos inclui trabalhos que têm procurado esclarecer a natureza do processo de aprender a ensinar em diferentes situações. Esses estudos, que utilizaram diversos quadros de referência para estruturar suas análises, têm procurado compreender a contribuição dos programas formais de formação no preparo dos futuros professores, tendo em vista as concepções e experiências anteriores que eles trazem consigo e a influência do local de trabalho da escola depois de graduados (por exemplo, Borko e Putnam, 1996; Britzman, 1991; Zeichner e Gore, 1990). Será que a formação acadêmica do professor faz alguma diferença? Será que os diferentes padrões de formação de professores existentes nos Estados Unidos têm importância em termos do tipo de ensino que praticam depois de formados? Essa linha de trabalho começou a nos dizer muita coisa a respeito de como maximizar o impacto das experiências de formação inicial sobre os futuros professores, através, por exemplo, da organização dos licenciandos em grupos e da utilização de determinadas estratégias que os ajudem a reexaminar as crenças, atitudes e concepções que trazem consigo quando entram nos cursos de formação. Tem havido um número crescente de estudos longitudinais que acompanham os estudantes durante todo um curso de formação de professores e seus primeiros anos de ensino e que documentam as oportunidades de aprender que estão presentes nos programas de formação de professores e as maneiras pelas quais os futuros professores as utilizam (por exemplo, Zeichner e Gore, 1990). Em alguns casos, ficamos sabendo que os futuros professores freqüentemente modificam os conceitos transmitidos nos cursos para ajustá-los às idéias preconcebidas que trazem consigo ao chegarem ao curso, às vezes de maneira que são conflitantes com as intenções e as expectativas dos formadores de professores (Feiman-Nemser e Buchmann, 1986). Conclusão Essas quatro categorias estudos descritivos, pesquisa conceitual e histórica, estudos sobre a natureza e impacto das atividades de formação de professores e estudos sobre o aprender a ensinar descrevem de maneira geral o estado atual da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos. Uma questão que deve ser proposta a respeito das pesquisas que descrevi diz respeito à sua relação com a prática da formação de professores nos Esta- 82 Set/Out/Nov/Dez 1998 N º 9

8 Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos dos Unidos e com a formulação de políticas em nível estadual e nacional. Em que medida os que trabalham na formação de professores, os políticos e os especialistas do governo consultam essas pesquisas ao desenvolver cursos, leis e padrões que limitam a esfera de ação e procuram dirigir a prática da formação de professores em determinadas direções? Há uma concordância generalizada a respeito da pequena influência da pesquisa sobre o modo como as autoridades governamentais determinam as políticas de formação de professores. As políticas governamentais têm constrangido a prática da formação de professores de muitas maneiras (limitando, por exemplo, o número de disciplinas pedagógicas que são permitidas em um curso, ou especificando determinado conteúdo que deve ser incluído no currículo de formação de professores de todos os cursos em determinado estado), mas geralmente os formuladores de políticas dão muito pouca atenção às pesquisas sobre formação de professores e aos formadores de professores (Gideonse, 1992). Com respeito à prática da formação de professores, há indícios de que os formadores de professores têm sido influenciados em certa medida pelo trabalho conceitual dos pesquisadores. Por exemplo, depois do muito que se escreveu sobre o conceito de prática reflexiva no ensino e na formação de professores, os formadores de professores por todo o país começaram a desenvolver seus cursos para promover versões da prática reflexiva pelos professores (por exemplo, Valli, 1992). Essa mesma efervescência ocorreu em relação a outras palavras de ordem educacionais, populares num certo momento, tal como o ensino construtivista (por exemplo, Richardson, 1997). Como disse anteriormente, o trabalho sobre a formação de professores reflexivos tem variado bastante porque os formadores de professores usaram a palavra de ordem prática reflexiva para promover seus próprios objetivos e, em alguns casos, acabaram por não fazer nada de fundamentalmente diferente do que faziam antes de implementarem as reformas. Por outro lado, não existem muitos indícios de que os formadores de professores levem em conta os resultados da pesquisa a respeito da eficácia de determinadas práticas ou das maneiras de organizar os cursos e programas. Por exemplo, embora pesquisas recentes sobre formação de professores tenham descoberto muita coisa sobre maneiras eficientes de preparar professores para transitar por diferenças culturais, raciais, étnicas e lingüísticas, muito poucos cursos incorporaram as práticas que se demonstrou serem as mais eficientes, tais como as experiências de campo na comunidade, a integração de conteúdo multicultural e anti-racista no conjunto de todo o programa, em vez de isolá-lo somente em determinadas disciplinas (Ladson-Billings, 1995; Zeichner e Hoeft, 1996). Parte do problema, nesse caso, é que a cultura da universidade nos Estados Unidos dá muito pouco valor à formação de professores e, conseqüentemente, a estrutura do trabalho dos formadores de professores e os sistemas de remuneração que controlam a promoção e os aumentos de salário solapam o processo de reforma de cursos de formação de professores que considerem cuidadosamente a literatura de pesquisa sobre o assunto e a implementação de cursos com propostas de formação coerentes. Nos últimos dois anos tenho participado de um grupo de estudos formado por docentes de minha própria universidade que começou a planejar algumas mudanças importantes em nossos cursos de formação de professores para a educação da criança pequena, a escola primária e a escola média. Durante esse processo, muito pouca ou nenhuma atenção se dedicou a quaisquer das pesquisas que descrevi anteriormente. Não é rara essa falta de atenção à pesquisa sobre formação de professores num trabalho de desenvolvimento de um novo curso. Os estudos que os formadores de professores fazem sobre suas próprias práticas passaram a ser aceitos recentemente como parte da pesquisa sobre formação de professores (Adler, 1993). Constituem o único setor em que acredito tenha havido uma estreita conexão entre pesquisa e prática. À medida que os formadores de professores trabalharam para melhor compreender e aperfeiçoar seu próprio ensino e para melhor orientar os futuros professores, no Revista Brasileira de Educação 83

9 Kenneth M. Zeichner âmbito de um quadro de pesquisa-ação, naturalmente incorporaram mudanças em suas ações como parte natural do próprio processo da pesquisa-ação. Em meu próprio caso, todos os estudos que tenho feito com meus colegas e estudantes de pósgraduação sobre nosso próprio trabalho, nos últimos 21 anos, influenciaram fortemente a maneira como leciono (por exemplo, Zeichner, 1995). Por exemplo, minhas interações com licenciandos e com professores que fazem pesquisa-ação sobre suas próprias práticas fizeram com que eu adquirisse uma perspectiva muito mais ampla sobre o processo da pesquisa-ação, pois ela permite uma variedade de formas pelas quais os professores podem estudar o próprio trabalho. Inicialmente, preocupava-me em impor uma perspectiva acadêmica da pesquisa-ação aos meus estudantes, a qual não se ajustava à sua maneira de estudar a própria prática. Somente depois que comecei a levar em consideração maneiras de fazer pesquisa-ação que diferiam das utilizadas na pesquisa acadêmica convencional é que comecei a ver os professores se entusiasmarem com as próprias investigações sobre o seu trabalho e a ver algumas transformações no pensamento e na prática. Apesar do progresso da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos durante os últimos vinte anos, na qual uma dependência exclusiva dos estudos comportamentais e positivistas ampliou-se para incluir grande número de trabalhos qualitativos e conceituais interessantes, há certas debilidades fundamentais nesse trabalho que restringem sua utilidade. Antes de mais nada está a natureza paroquial da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos. Faço parte da comissão editorial de diversas revistas internacionais de pesquisa sobre formação de professores e sou sempre capaz de dizer que um dado artigo é proveniente dos Estados Unidos em razão de sua incapacidade de reconhecer e mencionar qualquer trabalho de fora da América do Norte. Essa arrogância da comunidade de pesquisa norte-americana sobre formação de professores é algo perigoso por promover a utilização inadequada de conceitos e estratégias desenvolvidas nos Estados Unidos em outros contextos culturais e por privar os formadores de professores norte-americanos dos insights a respeito da formação de professores descobertos no resto do mundo. Tive muita sorte em haver interagido com formadores de professores de muitos países diferentes durante minha carreira. Em muitos casos, os formadores de professores de fora dos Estados Unidos têm conhecimento das pesquisas sobre formação de professores em grande número de países diferentes, além do seu próprio, e freqüentemente sabem ler trabalhos em várias línguas. 4 Outra ressalva que faço a respeito do atual estado da pesquisa norte-americana sobre formação de professores é que, devido à concentração de recursos econômicos para a publicação de pesquisas sobre formação de professores (ou seja, inúmeros periódicos, facilidades na publicação de livros e maior acesso ao financiamento externo em comparação com muitas outras partes do mundo), algumas das pesquisas norte-americanas têm condições de alcançar, no seio da comunidade acadêmica internacional, uma importância maior do que a merecida. A relativa facilidade de acesso a meios de publicação nos Estados Unidos é um dos fatores que contribuem para a utilização culturalmente inadequada de pesquisas norte-americanas sobre formação de professores em muitos países do mundo. Nos Estados Unidos, esses recursos são desigualmente alocados e concentram-se em grandes universidades de pesquisa, como a minha, e os estudos feitos por pesquisadores dessas grandes universidades, com mais fácil acesso a financiamentos, muitas vezes obscurecem, mais do que justificaria a qualidade do trabalho, as pesquisas feitas em instituições menores com menos acesso a recursos. Tendo passado os últimos 21 anos em uma dessas gran- 4 Um bom modo de testar essa afirmação é o exame do periódico sobre formação de professores da Grã-Bretanha Journal of Education for Teaching, que contém pesquisas sobre formação de professores provenientes de muitos países diferentes. Ver também a coletânea de artigos de revisão sobre a formação de professores em diferentes países encontrada em Tisher e Wideen (1996). 84 Set/Out/Nov/Dez 1998 N º 9

10 Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos des universidades de pesquisa, que recebe estímulo e apoio institucionais e que tem relativa facilidade para atrair financiamentos, fui evidentemente beneficiado por essa situação. Preocupo-me muito, no entanto, com o grande número de bons trabalhos realizados em instituições menores que não conseguem ter a visibilidade que merecem e com o grande número de pesquisas potencialmente boas que não puderam ser realizadas porque os formadores de professores não puderam dispor de tempo e de apoio financeiro necessários para executá-las. Poderia continuar desenvolvendo minhas preocupações a respeito de como se estrutura nos Estados Unidos o sistema de pesquisa educacional e a respeito da política econômica da produção de conhecimento na área da formação de professores, mas essa discussão escapa à finalidade do presente artigo. A pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos cresceu bastante durante os últimos dez anos, mas precisa passar a conectar-se melhor com a formulação de políticas e com a prática e a informar-se melhor sobre os estudos de pesquisadores que investigam a formação de professores no resto do mundo. Nós, dos Estados Unidos, temos muito a aprender com os estudos sobre formação de professores em outros países. Já é tempo de os pesquisadores sobre formação de professores dos Estados Unidos abandonarem o modelo de mão-única, atualmente dominante, de disseminação de sabedoria para o resto do mundo e passarem a interagir com nossos colegas de outros países de modo que possamos aprender uns com os outros. KENNETH M. ZEICHNER é professor da Universidade de Wisconsin, Madison, EUA. Entre suas obras, destaca-se A formação reflexiva de professores: idéias e práticas (Lisboa: Educa, 1993). Referências bibliográficas AACTE, (1987, 1988, 1989, 1990, 1991, 1995). Teaching teachers: facts and figures (Rate 1-6). Washington D.C.: American Association of Colleges for Teacher Education. ADLER, S., (1993). Teacher education: research as reflective practice. Teaching and Teacher Education, 9, (2), p BARNES, H., (1987). The conceptual basis for thematic teacher education programs. Journal of Teacher Education, 38, (4), p BORKO, H., PUTNAM, R., (1996). Learning to teach. In: BERLINER, D., CALFEE, R. (orgs.). Handbook of educational psychology. Nova York: Macmillan. BRITZMAN, D., (1991). Practice makes practice: a critical study of learning to teach. Albany: SUNY Press. CARO-BRUCE, C., MCREADIE, J., (1995). What happens when a school district supports action research? In: NOFFKE, S., STEVENSON, R. (orgs.). Educational action research. Nova York: Teachers College Press. CARTER, K., (1993). The place of story in the study of teaching and teacher education. Educational Researcher, 22, (1), CLARK, C., PETERSON, P., (1986). Teacher s thought processes. In: WITTROCK, M. (org.). Handbook of research on teaching. 3ª ed. Nova York: Macmillan. CLIFFORD, G., GUTHRIE, S. W., (1988). Ed School. Chicago: University of Chicago Press. COCHRAN-SMITH, M.S. & LYTLE, S.L., (1993). Inside/ outside: teacher research and knowledge. Nova York: Teachers College Press. CRONIN, J., (1983). State regulation of teacher preparation. In: SHULMAN, L., SYKES, G. (orgs.). Handbook of teaching and policy. Nova York: Longman. DARLING-HAMMOND, L., COBB, V., (1995). The changing context of teacher education. In: MURRAY, F. (org.). The teacher educator s handbook. São Francisco: Jossey Bass. DARLING-HAMMOND, L., SCLAN, M., (1996). Who teaches and why: building a profession for twenty-first century schools. In: SIKULA, J. (org.). Handbook of research on teacher education. 2ª ed. Nova York: Macmillan. DUCKWORTH, E., THE EXPERIENCED TEACHERS GROUP, (1997). Teacher to teacher: learning from each other. Nova York: Teachers College Press. ELIJAH, R., (1996). Professional lives; institutional contexts; coherence and contradictions. Teacher Education Quarterly, 23, (3), p FEIMAN-NEMSER, S., (1990). Teacher preparation: structural and conceptual alternatives. In: HOUSTON, W. R. (org.). Handbook of research on teacher education. Nova York: Macmillan. Revista Brasileira de Educação 85

11 Kenneth M. Zeichner FEIMAN-NEMSER, S., BUCHMANN, M., (1986). Pitfalls of experience in teacher education. Teachers College Record, 87, p , (1992). Pitfalls of experience in teacher preparation. In: RATHS, J., KATS, L. (orgs.). Advances in teacher education. Vol. 2. Norwood, NJ: Ablex. FEIMAN-NEMSER, S., FEATHERSTONE, H., (orgs.), (1992). Exploring teaching: reconstructing an introductory course. Nova York: Teachers College Press. FEIMAN-NEMSER, S., REMILLARD, J., (1995). Perspectives on learning to teach. In: MURRAY, F. (org.). The teacher educator s handbook. Washington, D.C.: American Association of Colleges for Teacher Education. GIDEONSE, H., (1992). Teacher education policy: narratives, stories, and cases. Albany: SUNY Press. GOODLAD, J., (1990). Teachers for our nation s schools. São Francisco: Jossey Bass. HARGREAVES, A., (1995). Toward a social geography of teacher education. In: SHIMARA, N., HOLOWINSKY, I. (orgs.). Teacher education in industrialized nations. Nova York: Garland. HERBST, J., (1989). And sadly teach. Madison: University of Wisconsin Press. HOLMES GROUP, (1995). Tomorrow s schools of education. East Lansing, MI: Author. IMIG, D., SWITZER, T., (1996). Changing teacher education programs: restructuring collegiate-based teacher education. In: SIKULA, J. (org.). Handbook of research on teacher education. 2ª ed. Nova York: Macmillan. KENNEDY, M., (1995). Research genres in teacher education. In: MURRAY, F.(org.). The teacher educator s handbook. Washington, D.C.: American Association of Colleges for Teacher Education. LABAREE, D., (1995). The lowly status of teacher education in the U.S.: the impact of markets and their implications for reform. In: SHIMAHARA, N., HOLOWINSKY, I. (orgs.). Teacher education in industrialized nations. Nova York: Garland. LADSON-BILLINGS, G., (1995). Multicultural teacher education: research, policy, and practice. In: BANKS, J. (org.). Handbook of research on multicultural education. Nova York: Macmillan. LEE, O., Yarger, S., (1996). Modes of inquiry in research on teacher education. In: SIKULA, J. (org.). Handbook of research on teacher education. 2ª ed. Nova York: Macmillan. LIEBERMAN, A., MILLER, L., (1992). Teachers: their world and their work. Nova York: Teachers College Press. LISTON, D., (1995). Work in teacher education: a current assessment of U.S. teacher education. In: SHIMAHARA, N., HOLOWINSKY, I. (orgs.). Teacher education in industrialized nations. Nova York: Garland. LISTON, D. & ZEICHNER, K., (1991). Teacher education and the social conditions of schooling. Nova York, Routledge. LITTLE, J. W., (1993). Teacher s professional development in a climate of educational reform. Educational Evaluation and Policy Analysis, 15, (2), p MARTIN, R., (org.), (1995). Practicicing what we preach: confronting diversity in teacher education. Albany: SUNY Press. MCCALL, A., (1996). Teaching by the rules, changing the rules in teacher education. Teacher Education Quarterly, 23, (3), p MELNICK, S., ZEICHNER, K., (1997). Enhancing the capacity of teacher education to address diversity issues. In: KING, J., HOLLINS, E., HAYMAN, W. (orgs.). Preparing teachers for cultural diversity. Nova York: Teachers College Press. NOVAK, J., (org.), (1994). Democratic teacher education. Albany: SUNY Press. ONGTOOGUK, P., (1994). Community field experiences in the Teachers for Alaska Program. In: ZEICHNER K., MELNICK, S. (orgs.). The role of community field experiences in preparing teachers for cultural diversity. East Lansing, MI: National Center for Research on Teacher Learning. PECK, R., TUCKER, J., (1973). Research on teacher education. In: TRAVERS, R. (org.). Second handbook of research on teaching. Nova York: Macmillan. POPKEWITZ, T., (1993). Changing patterns of power: social regulation and teacher education reform. Albany: SUNY Press. POPKEWITZ, T., BRENNAN, M., (1994). Certification to credentialing: reconstituting control mechanisms in teacher education. In: BORMAN, K., GREENMAN, N. (orgs.). Changing American education. Albany: SUNY Press. POPKEWITZ, T., TABACHNICK, B. R., ZEICHNER, K., (1979). Dulling the senses: research in teacher education. Journal of Teacher Education. 30, (5), p Set/Out/Nov/Dez 1998 N º 9

12 Tendências da pesquisa sobre formação de professores nos Estados Unidos RICHARDSON, V., (1995). The case for formal research and practical inquiry in teacher education. In: MURRAY, F. (org.). The teacher educator s handbook. Washington, D.C.: American Association of Colleges for Teacher Education., (org.), (1997). Constructivist teacher education. Londres: Falmer Press. RUSSELL, T., KORTHAGEN, F. (orgs.), (1995). Teachers who teach teachers. Londres: Falmer Press. SAAVEDRA, E., (1996). Teacher study groups: contexts for transformative learning and action. Theory into Practice, 35, (4), p SCHNEIDER, B., (1987). Tracing the provenance of teacher education. In: POPKEWITZ, T. (org.). Critical studies in teacher education. Londres: Falmer Press. SHULMAN, J., (org.), (1992). Case methods in teacher education. Nova York: Teachers College Press. STODDART, T., FLODEN, R., (1996). Traditional and alternative routes to teacher certification: issues, assumptions, and misconceptions. In: ZEICHNER, K., MEL- NICK S., GOMEZ, M. L. (orgs.). Currents of reform in preservice teacher education. Nova York: Teachers College Press. TABACHNICK, B. R., ZEICHNER, K. (orgs.), (1991). Issues and practices in inquiry-oriented teacher education. Londres: Falmer Press. TISHER, R., WIDEEN, M., (1996). Research in teacher education: international perspectives. Londres: Falmer Press. TOM, A., (1996). External influences on teacher education programs: national accreditation and state certification. In: ZEICHNER, K., MELNICK, S., GOMEZ, M. L. (orgs.). Currents of reform in preservice teacher education. Nova York: Teachers College Press. VALLI L., (org.), (1992). Reflective teacher education: cases and critiques. Albany: SUNY Press. VILLEGAS, A. M., CLEWELL, B., (no prelo). Increasing the supply of teachers of color by recruiting, supporting, and preparing paraprofessionals in teacher education. Theory into Practice. WEINER, L., (1993). Preparing teachers for urban schools: lessons from thirty years of school reform. Nova York: Teachers College Press. WILLIS, J., MEHLINGER, H., (1996). Information technology and teacher education. In: SIKULA, J. (org.). Handbook of research on teacher education. Nova York: Macmillan. WINITZKY, N., ARENDS, R., (1991). Translating research into practice: the effects of various forms of training and clinical experiences on preservice students knowledge, skills, and reflectiveness. Journal of Teacher Education, 42, (1), p WOOLFOLK, A., (org.), (1989). Research perspectives on the graduate preparation of teachers. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall. ZEICHNER, K., (1994). Action research and issues of equity and social justice in preservice teacher education. Comunicação apresentada na reunião anual da American Educational Research Association, Nova Orleans., (1995). Reflections of a teacher educator working for social change. In: RUSSELL, T., KORTHAGEN, F. (orgs.). Teachers who teach teachers: reflections on teacher education. Londres: Falmer Press., (no prelo). Ability-based teacher education: elementary teacher education at Alverno College. Nova York: Teachers College Press. ZEICHNER, K., GORE, J., (1990). Teacher socialization. In: HOUSTON, W. R. (org). Handbook of research on teacher education. Nova York: Macmillan., (1995). Using action research as a vehicle for student teacher reflection: a social reconstructionist approach. In: NOFFKE S., STEVENSON, R. (orgs.). Educational action research. Nova York: Teachers College Press. ZEICHNER, K., HOEFT, K., (1996). Teacher socialization for cultural diversity. In: SIKULA, J. (org.). Handbook of research on teacher education. 2ª ed. Nova York: Macmillan. ZEICHNER, K, LISTON, D., (1996). Reflective teaching. Mahwah, NJ: Erlbaum. ZEICHNER, K., MELNICK, S., (1996). The role of community field experiences in preparing teachers for cultural diversity. In: ZEICHNER, K., MELNICK, S., GO- MEZ, M. L. (orgs.). Currents of reform in preservice teacher education. Nova York: Teachers College Press. ZIMPHER, N., ASHBURN, E., (1992). Countering parochialism among teacher education candidates. In: DILL- WORTH, M. (org.). Diversity in teacher education. São Francisco: Jossey Bass. ZIMPHER, N., HOWEY, K., (1996). Scholarly inquiry into teacher education in the U.S. In: TISHER, R., WIDEEN, M. (orgs.). Research in teacher education: international perspectives. Londres: Falmer Press. Revista Brasileira de Educação 87

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

Formação de professores: constrangimentos e potencialidades

Formação de professores: constrangimentos e potencialidades Universidade do Minho Formação de professores: constrangimentos e potencialidades Maria Assunção Flores aflores@ie.uminho.pt Formação inicial: relevância e diversidade Diversidade de modelos, de contextos

Leia mais

MODELOS DE CERTIFICAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DE OITO PAÍSES 1. Palavras-chave: Certificação; Professores; Avaliação do trabalho docente.

MODELOS DE CERTIFICAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DE OITO PAÍSES 1. Palavras-chave: Certificação; Professores; Avaliação do trabalho docente. MODELOS DE CERTIFICAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DE OITO PAÍSES 1 Cristina Ap. LEITE (Letras Estrangeiras Modernas - UEL) Giovana Montini da SILVA (Letras Estrangeiras Modernas - UEL) Gladys QUEVEDO-CAMARGO

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL Profª Ms. Vanderlice dos Santos Andrade Sól 1. INTRODUÇÃO A construção da identidade profissional possui relações estreitas com o ambiente de formação

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E 03 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E ESTUDOS RECENTES ARTIGOS DE PESQUISA TEACHERS' TRAINING IN COMMUNITIES OF PRACTICE: THEORETICAL ASPECTS AND RECENT RESEARCHES

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE PESQUISA SOBRE FORMAÇÃO DOCENTE. Uma agenda de pesquisa para a formação docente

REVISTA BRASILEIRA DE PESQUISA SOBRE FORMAÇÃO DOCENTE. Uma agenda de pesquisa para a formação docente ARTIGOS Uma agenda de pesquisa para a formação docente Kenneth M. Zeichner 1 Tradução: Cristina Antunes RESUMO Este artigo examina os textos que fizeram parte do relatório final do painel da American Educational

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática

APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática APRENDENDO A SER PROFESSOR: do discurso à prática INTRODUÇÃO Moara Barboza Rodrigues O presente artigo tem como objetivo analisar o processo de formação docente atual por meio da leitura dos textos trabalhados

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Prepare os alunos para o sucesso. Prepare os alunos para o sucesso. A Rosetta Stone ajuda educadores locais, estaduais e municipais

Leia mais

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1

A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 A formação de professores/as e as possibilidades de mudança advindas da reflexão crítica 1 Leanna Evanesa ROSA Rosane Rocha PESSOA Faculdade de Letras - UFG leannarosa@yahoo.com.br Palavras-chave: língua;

Leia mais

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA Kelly Christinne Maia de Paula* Márcia Regina Ferreira de Brito** RESUMO O desenvolvimento das habilidades matemáticas das crianças é interesse de professores

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA AZEVEDO, Prof. Dr. Antulio José de antuliojose@uol.com.br Docente do Curso de Pedagogia da FAEF/ACEG BONADIMAN,

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

Programas de educação infantil: Currículos eficazes

Programas de educação infantil: Currículos eficazes PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Programas de educação infantil: Currículos eficazes Sharon Lynn Kagan, Ed.D, Kristie Kauerz, MA Teachers College, Universidade de Colúmbia, EUA Junho 2007 Introdução Programas

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Reflexões de professores de inglês em formação inicial sobre o uso de novas tecnologias 1

Reflexões de professores de inglês em formação inicial sobre o uso de novas tecnologias 1 Reflexões de professores de inglês em formação inicial sobre o uso de novas tecnologias 1 Reflections of English Teachers in Initial Training on the Use of New Technologies Janara Barbosa Baptista* Universidade

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)?

PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)? 2845 PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)? 0. Introdução Tatiana Diello BORGES - UFG/CAJ Neuda Alves

Leia mais

A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL

A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL MORAIS, Rafael Oliveira Lima Discente do curso de Pedagogia na Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RESUMO O profissional que entender que é importante

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA DE HERANÇA (PROFPOLH) Miami 20 a 22 de abril de 2012

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA DE HERANÇA (PROFPOLH) Miami 20 a 22 de abril de 2012 PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA DE HERANÇA (PROFPOLH) Miami 20 a 22 de abril de 2012 JUSTIFICATIVA Os programas e ações do Departamento Cultural (DC) no âmbito da difusão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 013/2010 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação Associado em Educação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG OLIVEIRA, Shirlene Bemfica de Oliveira 1 CARMO, Kamila Oliveira do 2 LEITE, Gabriela Maria Ferreira Leite 3 OLIVEIRA, Tatiane Morandi de 4 ROSSI,

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

MOTIVAR SEUS ALUNOS: SEMPRE UM DESAFIO POSSÍVEL. José Aloyseo Bzuneck 1

MOTIVAR SEUS ALUNOS: SEMPRE UM DESAFIO POSSÍVEL. José Aloyseo Bzuneck 1 MOTIVAR SEUS ALUNOS: SEMPRE UM DESAFIO POSSÍVEL José Aloyseo Bzuneck 1 No aluno, a motivação é considerada como a determinante talvez principal do êxito e da qualidade da aprendizagem escolar. Quem estuda

Leia mais

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA Zoraia Aguiar Bittencourt Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla Coordenação Geral: Eng. Jacob Gribbler 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - IFCE: UMA EXPERIÊNCIA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - IFCE: UMA EXPERIÊNCIA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - IFCE: UMA EXPERIÊNCIA LUCINEIDE PENHA TORRES DE FREITAS Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR (DIFFERENT METHODS OF TEACHING PHYSICAL EDUCATION SCHOOL) Camila Martins Ferreira; Andréia Cristina Metzner Centro Universitário UNIFAFIBE

Leia mais

IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IINTRODUÇÃO Educação a distância (EaD) é uma modalidade de educação na qual aluno e professor estão separados fisicamente, pautada no pressuposto de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA. EDITAL No.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA. EDITAL No. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA EDITAL No. 011/2009 Dados para o Edital do Concurso para Professor Assistente na área

Leia mais

scrita ISSN 2177-6288

scrita ISSN 2177-6288 113 e-scrita scrita ISSN 2177-6288 Tecnologia e educação: introdução à competência tecnológica para o ensino online Márcio Luiz Corrêa Vilaça 1 UNIGRANRIO Resumo: O uso da tecnologia na educação, inclusive

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1 Conteúdo A educação superior nos Estados Unidos... 2 O que é um Community College?... 2 O que é considerado uma instituição de educação superior?... 2 O que quer dizer ser credenciada regionalmente?...

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, MODELAGEM MATEMÁTICA E O PROJETO TEIA DO SABER

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, MODELAGEM MATEMÁTICA E O PROJETO TEIA DO SABER RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, MODELAGEM MATEMÁTICA E O PROJETO TEIA DO SABER Denise Helena Lombardo Ferreira. PUC-Campinas, lombardo@puc-campinas.edu.br Resumo: O projeto do governo do Estado de São Paulo, Brasil,

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE Joselaine de Araujo 1, Caroline Kraus Luvizotto 2 1 Discente do Programa de Mestrado em Educação

Leia mais

Andriceli Richit Unesp /Rio Claro: andricelirichit@gmail.com Rosana G. S. Miskulin Unesp/Rio Claro: misk@rc.unesp.br

Andriceli Richit Unesp /Rio Claro: andricelirichit@gmail.com Rosana G. S. Miskulin Unesp/Rio Claro: misk@rc.unesp.br Possibilidades didático-pedagógicas do Software GeoGebra no estudo de conceitos de Cálculo Diferencial e Integral: Perspectivas na Formação Continuada de Professores de Matemática Andriceli Richit Unesp

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

Formação Continuada 2015/1

Formação Continuada 2015/1 Formação Continuada 2015/1 Internacionalização de Currículos: Teoria e Prática Profª. Drª. Maria Elizabeth da Costa Gama Vice Reitorias Coordenadoria de Assuntos Internacionais CoAI 05/02/2015 Motivações

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto Exemplo de Vê Epistemológico O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1 Leonardo Sartori Porto Nosso projeto de pesquisa visa investigar se o uso de analogias no ensino de ciências pode facilitar

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15

Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15 Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15 Unidade curricular: / Curricular Unit: Sociologia da Comunicação Sociology of Communication Docente responsável e respectivas horas de contacto na unidade

Leia mais

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Valdir Amâncio da Silva 1 Angélica da Fontoura Garcia

Leia mais

Prefácio. Paulo Marchiori Buss

Prefácio. Paulo Marchiori Buss Prefácio Paulo Marchiori Buss SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional na saúde coletiva [online].

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR EM DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR EM DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR EM DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Alessandro Tomaz Barbosa (Bolsista PROLICEN/PRG/UFPB Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Teresa Mateiro Universidade do Estado de Santa Catarina Silvia Málbran Universidad de La Plata Edith Cisneros-Cohernour Universidad

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2013 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática

GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Análise dos Conceitos Mobilizados pelos Professores de Matemática da Educação Básica no Ensino de Simetria: um estudo baseado na análise dos resultados das provas Brasil/SAEB Bárbara Passadore GD7 Formação

Leia mais

Como preparar os professores para nossas escolas

Como preparar os professores para nossas escolas Como preparar os professores para nossas escolas Claudio de Moura Castro Não há bom ensino sem bons professores. E, claramente, o Brasil sofre de uma severa escassez de bons professores para suas escolas

Leia mais

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física Susana Schneid Scherer 1 - IFSUL-RS Carmem Lucia Lascano Pinto - IFSUL- RS Resumo: Partindo da premissa de que a profissão

Leia mais

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE MEIRELES, Mirelly Karolinny de Melo/UNIDERC 1 mirellyk@yahoo.com.br NASCIMENTO, Kaline Brasil Pereira/UEPB 2 k.aline.brasil@hotmail.com

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

O PAPEL DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIBRAS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS

O PAPEL DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIBRAS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS O PAPEL DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIBRAS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS Emanuele do Nascimento Paulino Pereira - UEVA emanuelepaulinolibras@gmail.com Elda Simões dos Santos - UEVA eldasimoes25@gmail.com Patrícia

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE DE BRASÍLIA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE DE BRASÍLIA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE DE BRASÍLIA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DIFICULDADES DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTUDANTES: RAIANE DA CUNHA BARROS E LANNY RENATA ORIENTADOR: EDLAMAR

Leia mais

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado UAb Session on Institutional Change Students and Teachers Lina Morgado Lina Morgado l SUMMARY 1 1. Pedagogical Model : Innovation Change 2. The context of teachers training program at UAb.pt 3. The teachers

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional 1 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional A Psicopedagogia e seus desdobramentos conceituais podem ser vistos, na atualidade, como um movimento de novas buscas e conhecimentos.

Leia mais

Serviços e programas que influenciam as transições escolares de crianças pequenas

Serviços e programas que influenciam as transições escolares de crianças pequenas TRANSIÇÃO ESCOLAR Serviços e programas que influenciam as transições escolares de crianças pequenas Diane Early, PhD. FPG Child Development Institute University of North Carolina at Chapel Hill,EUA Julho

Leia mais

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ALARCÃO, l. (1991). Reflexão crítica sobre o pensamento de Shön e os programas de formação. Cadernos CIDnE, 1, 5-22. Reproduzido em I. Alarcão (org.) (1996), Formação reflexiva

Leia mais

EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS

EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS a) FUNDAMENTAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DADOS DO CAMPO DE CONHECIMENTO Filosofia, Ética e 3 1 4 90 EMENTA: Correntes filosóficas da modernidade e seus fundamentos para

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

http://www.cchla.ufrn.br/saberes 124 REFLEXÕES ACERCA DOS CURRÍCULOS EDUCACIONAIS E A FUNÇÃO DA EDUCAÇÃO

http://www.cchla.ufrn.br/saberes 124 REFLEXÕES ACERCA DOS CURRÍCULOS EDUCACIONAIS E A FUNÇÃO DA EDUCAÇÃO http://www.cchla.ufrn.br/saberes 124 REFLEXÕES ACERCA DOS CURRÍCULOS EDUCACIONAIS E A FUNÇÃO DA EDUCAÇÃO Rodrigo Reis Lastra Cid * Resumo: O objetivo deste artigo é indicar qual a finalidade da educação

Leia mais

O PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) DO PARANÁ NA VISÃO DO PROFESSOR PARTICIPANTE

O PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) DO PARANÁ NA VISÃO DO PROFESSOR PARTICIPANTE O PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) DO PARANÁ NA VISÃO DO PROFESSOR PARTICIPANTE ANA CLAUDIA BIZ 1 Resumo: Este artigo traz alguns aspectos significativos sobre o Programa de Desenvolvimento

Leia mais

CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA

CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA José Enildo Elias Bezerra enildoelias@yahoo.com.br (Instituto Superior de Educação de Pesqueira ISEP) RESUMO: Este artigo destaca

Leia mais

Algumas Considerações sobre as Disciplinas Específicas e Pedagógicas na Formação Inicial de Professores de Matemática.

Algumas Considerações sobre as Disciplinas Específicas e Pedagógicas na Formação Inicial de Professores de Matemática. Algumas Considerações sobre as Disciplinas Específicas e Pedagógicas na Formação Inicial de Professores de Matemática. Resumo José Wilson dos Santos 1 Marcio Antonio da Silva 2 Este artigo tem origem a

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 3

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 3 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULOS DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

Alfabetização e seu impacto sobre o desenvolvimento infantil: Comentários sobre Tomblin e Sénéchal 1

Alfabetização e seu impacto sobre o desenvolvimento infantil: Comentários sobre Tomblin e Sénéchal 1 Alfabetização e seu impacto sobre o desenvolvimento infantil: Comentários sobre Tomblin e Sénéchal 1 Tema Linguagem e alfabetização LAURA M. JUSTICE, PhD Universidade de Virgínia, EUA (Publicado on-line,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORAS DE INGLÊS: AS MANHÃS DE SÁBADO DE UM GRUPO DE ESTUDOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORAS DE INGLÊS: AS MANHÃS DE SÁBADO DE UM GRUPO DE ESTUDOS 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONDIÇÕES E PROBLEMAS ATUAIS Bernardete A. Gatti - Fundação Carlos Chagas

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONDIÇÕES E PROBLEMAS ATUAIS Bernardete A. Gatti - Fundação Carlos Chagas FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONDIÇÕES E PROBLEMAS ATUAIS Bernardete A. Gatti Preocupações com a melhor qualificação da formação de professores e com suas condições de exercício profissional não são recentes.

Leia mais