FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CASSIO AUGUSTO BOSSONI. A gestão de estoques no almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CASSIO AUGUSTO BOSSONI. A gestão de estoques no almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CASSIO AUGUSTO BOSSONI A gestão de estoques no almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário São Paulo 2009

2 1 CASSIO AUGUSTO BOSSONI A gestão de estoques no almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Logística com ênfase em transporte na FATEC ZL como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Logística com ênfase em Transporte. São Paulo 2009

3 Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte. 2 Catalogação da Publicação Faculdade de Tecnologia da Zona Leste BOSSONI, Cassio Augusto. A gestão de estoques no almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário / Cassio Augusto Bossoni São Paulo, SP: [s.n], fls. Orientador :Prof Ms. João Gilbertos Mendes Reis Dissertação (Tecnólogo em Logística) Faculdade de Tecnologia da Zona Leste.

4 3 Nome: BOSSONI, Cassio Augusto Título: A gestão de estoques no almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário Dissertação apresentada à Faculdade de Tecnologia da Zona Leste para a obtenção de título de tecnólogo em Logística com ênfase em transporte. Aprovado em: Banca Examinadora Prof: Julgamento: Instituição: Assinatura: Prof: Julgamento: Instituição: Assinatura: Prof: Julgamento: Instituição: Assinatura:

5 4 A todos que me incentivaram e colaboraram com o desenvolvimento desse trabalho.

6 5 AGRADECIMENTOS Aos meus pais Antonio Celso Bossoni e Claudia Corsini Bossoni. Ao professor João Gilberto Mendes Reis pela orientação. A todos do almoxarifado da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos que colaboraram com informações para o desenvolvimento desse trabalho. Aos meus grandes e eternos amigos: Paula Nishimura, Ighor Pregnolatto, Amanda Zago, Raphael Anderaos, Renato Felipe, Antônio Vinicius, Alexandre Kitagawa, Richard Magalhães, Marcos Paulo, Kelly Hanriete, Mallu Souza, Raphaela Bortolazzi e a tantos outros que me ajudaram nessa etapa mais importante da vida.

7 6 A atenção é a mais importante de todas as faculdades para o desenvolvimento da inteligência humana. Charles Darwin

8 7 RESUMO BOSSONI, Cassio Augusto. A gestão de estoques no almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário f. Dissertação (Tecnólogo em Logística) - Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, São Paulo, Muitas organizações, para sobreviverem nos atuais tempos de crise global, adotam como método de sobrevivência a redução dos custos. Numa empresa, onde os custos de armazenagem apresentam grande relevância no custo total da operação, deve-se repensar o papel de um almoxarifado. Métodos inadequados de gestão podem representar grandes custos. Numa empresa pública, onde os recursos são limitados, é de vital importância apresentar baixos custos de armazenagem. O objetivo dessa monografia é identificar as principais estratégias de gestão de estoques utilizadas no almoxarifado da CPTM no atendimento aos clientes internos, interpretando-as a partir dos fundamentos teóricos de gestão em estoque nos almoxarifados. O trabalho apresenta a importância da eficiente administração do estoque de um almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário. Sendo assim, é necessário considerar o estudo realizado de todos os procedimentos que a empresa possui para maior controle do recebimento, acondicionamento e expedição dos mesmos. Neste aspecto, a armazenagem e administração dos materiais surgem como essenciais atividades logísticas utilizadas. Assim, é possível perceber a grande atenção as requisições que são realizadas para o melhor pronto atendimento dos pedidos. Considerando a empresa pública analisada, a eficiência destes recursos é baseada na gestão de estoques que reduz os custos e aumentam o nível do serviço prestado, onde se aplicam positivamente para administração do patrimônio público. Palavras-chave: armazenagem, almoxarifado, estoque

9 8 ABSTRACT BOSSONI, Cassio Augusto. The management of inventory in the warehouse of a public railway p. Dissertação (Technologist in Logistic) - College of Technology of the Zone East, São Paulo, Many organizations, to survive in the current times of global crisis, adopting a method of survival to reduce costs. In a company, where storage costs have great relevance in the total cost, it should rethink the role of a warehouse. Inappropriate methods of management can represent significant costs. In a public company, where resources are limited, it s vital to show low storage costs. The purpose of this monograph is to identify the main management strategies used in the CPTM s warehouse in the attendment to internal customers, interpreting them from the theoretical foundations of stock management in the warehouse. This work presents the importance of efficient stock administration in a warehouse of a public railway company. However, it s necessary to consider the study of all the procedures that the company has for a greater control to the receipt, packaging and expedition them. In this aspect, storage and administration of the materials emerge as key logistics activities used. So, it s possible to notice how much attention the requests that are made for the better responsiveness of applications. Whereas a public company analyzed, the efficiency of these resources is based on stock management that reduces costs and increases the level of service, where to apply positively to the administration of public property. Keywords: storage, warehouse, stock

10 9 LISTA DE FOTOGRAFIAS FOTOGRAFIA 1 Empilhamento FOTOGRAFIA 2 Porta-palete FOTOGRAFIA 3 Cantilever FOTOGRAFIA 4 Flow-rack FOTOGRAFIA 5 Rack FOTOGRAFIA 6 Gaiola FOTOGRAFIA 7 Drive-in FOTOGRAFIA 8 Drive- Through FOTOGRAFIA 9 Armazenagem Push-back FOTOGRAFIA 10 Almoxarifado com a plataforma obstruída FOTOGRAFIA 11 Materiais espalhados pelo chão do almoxarifado FOTOGRAFIA 12 Almoxarifado após a arrumação da atual chefia FOTOGRAFIA 13 Plataforma após a Programa Rua Limpa... 87

11 10 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 Demonstrativo dos itens requisitados GRÁFICO 2 Demonstrativo da curva ABC dos itens cadastrados no almoxarifado B GRÁFICO 3 Demonstrativo da curva ABC dos itens cadastrados no almoxarifado B GRÁFICO 4 Demonstrativo da curva ABC dos itens cadastrados no almoxarifado B GRÁFICO 5 Demonstrativo da curva ABC dos itens cadastrados no almoxarifado B GRÁFICO 6 Demonstrativo da curva ABC dos itens cadastrados no almoxarifado B GRÁFICO 7 Demonstrativo da curva ABC dos itens cadastrados no almoxarifado... 84

12 11 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Locais de armazenagem dos almoxarifados TABELA 2 Quadro de funcionários do almoxarifado TABELA 3 Distribuição do quadro ideal de funcionários no almoxarifado TABELA 4 Materiais cadastrados no sistema do almoxarifado TABELA 5 Equipamentos para código de barras... 91

13 12 LISTAS DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABAM ABMM ASLOG CLM CPTM IMAN PBR Associação Brasileira de Administração de Materiais Associação Brasileira de Movimentação de Materiais Associação Brasileira de Logística Concil of Logistics Management Companhia Paulista de Trens Metropolitanos Instituto de Movimentação e Armazenagem de Materiais Palete Padrão Brasileiro

14 13 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Atividades logísticas na cadeia de suprimentos imediata da empresa FIGURA 2 Armazenagem Centralizada FIGURA 3 Atividades do Almoxarifado FIGURA 4 Requisição de Material FIGURA 5 Planilha de Requisição de Material FIGURA 6 Leiaute do Almoxarifado da CPTM... 96

15 14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO LOGÍSTICA História Conceito Atividade Logística ARMAZENAGEM Conceito Estruturas de Armazenagem Empilhamento Porta-palete Cantilever Flow rack Racks Gaiolas Armazenagem drive-in e drive-through Armazenagem Push back Armazenagem centralizada com Cross-docking Armazenagem centralizada ALMOXARIFADO Conceito Importância do Almoxarifado Atividades do Almoxarifado Entrada de Materiais Armazenagem Expedição Leiaute Almoxarifes no serviço público Natureza do trabalho do almoxarife Atribuições do almoxarife no Serviço Público Curva ABC Código de Barra Inventário... 58

16 15 5 METODOLOGIA CIENTÍFICA Etapas da Pesquisa Científica Tipos de Pesquisa Classificação da pesquisa de acordo com a natureza dos dados Classificação da pesquisa de acordo com os objetivos Classificação da pesquisa de acordo com os procedimentos ESTUDO DE CASO História da CPTM e do Almoxarifado Resumo das Atividades Procedimento para o Recebimento de Materiais Procedimento para estocagem e arrumação de materiais Procedimento para separação e expedição de materiais Quadro de Pessoal Resumo das atividades dos atuais empregados do almoxarifado Gestor de Estoque Supervisor de Almoxarifado Técnico de Almoxarifado Almoxarife Ajudante de Almoxarife Equipamentos de Armazenagem Equipamentos de Armazenagem Existentes Equipamentos de Armazenagem Necessários Materiais estocados no almoxarifado Gráficos de produção e curvas ABC dos almoxarifados do DFPM Melhorias no almoxarifados e providências Proposta de gestão de almoxarifado Sistema Operacional Código de Barra Instalações Físicas do Almoxarifado Leiaute do almoxarifado CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

17 16 1 INTRODUÇÃO No atual contexto global, evidenciam-se situações econômicas que aumentam a competição tanto no mercado local como global. As empresas recorrem para técnicas de redução de custo para fortalecer sua margem de lucro. Dessa maneira, as organizações podem buscar na gestão de estoques recursos para obter vantagens competitivas através redução de gastos com armazenagem. Com o propósito de combater possíveis pressões impostas pela crise global, temas envolvendo gestão de materiais apóiam-se em manter estoques em nível mínimo, possibilitando a redução dos custos envolvidos. Entretanto países como China e Estados Unidos, num determinado ramo de atividade, adotaram uma estratégia de planejamento em longo prazo mantendo elevado o acervo de materiais. Nos Estados Unidos, nos últimos 10 anos, o custo relacionado à gestão de estoques aumentou mais do que os índices de preços ao consumidor. Este caso, verificado também em outros países, está sendo conduzido a especialistas na área de logística para maior atenção à redução dos custos com maior eficiência operacional com a introdução de técnicas de gestão de estoques. Segundo Castels, 1999 A gestão de estoques teve grande impacto nos últimos anos. A partir da década de 1970, a economia mundial passou por uma série de transformações.chegou ao fim um modelo de crescimento baseado na capacidade dos governos nacionais em expandir os mercados internos sem aumentar o endividamento e gerar inflação, corroendo assim as bases de acumulação capitalistas. Isso levou a uma grande mudança nas estratégias das firmas, que buscaram reduzir custos de produção; ampliar o mercado; aumentar a produtividade e acelerar o giro do capital. Nos últimos anos, no Brasil, com a estabilização econômica advinda do Plano Real, surgiu uma acentuada preocupação relacionada à administração de materiais nas empresas. A alta taxa de inflação trouxe conseqüências onde se tornou necessário reduzir os níveis dos estoques. A questão chave de todo o processo é o quanto manter em seus

18 17 estoques. Com o objetivo de não correr o risco de não atender sua demanda, muitas empresas têm utilizado estoques de produtos acabados e/ou de seus componentes. Essa postura leva a um aumento dos custos de manutenção dos mesmos onde a gestão de armazenagem apresenta uma grande atuação na rentabilidade da organização. Antigamente, o local reservado para a armazenagem de materiais era um depósito, que era um local não utilizado pelas empresas com condições precárias, onde os produtos eram armazenados sem nenhum cuidado específico. Com o passar do tempo, surgiram melhores estruturas e técnicas de manuseio que proporcionava rapidez na obtenção de informações e segurança nas operações. Dentro desse contexto, algumas organizações públicas devem agir como as empresas privadas no que se refere a administrar suas funções com eficiência e eficácia, onde o serviço público deve ser gerenciado buscando a minimização dos custos. No caso específico dessa monografia, o estudo em questão aborda o almoxarifado da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), responsável pelo recebimento, armazenagem e distribuição de todo o material adquirido pela CPTM. Serão estudados temas como a estrutura e organização do almoxarifado, perfil do almoxarife e suas atribuições, controle físico de estoques, estoque contábil e inventários, recebimento de materiais, eliminação de estoques, estocagem dos itens, preservação de materiais, entre outros. De acordo com Teixeira e Kerber (2002), [...] a principal justificativa para o tema exposto está relacionada à atmosfera econômica do Brasil e ao avanço das condições tecnológicas capazes de interagir para a eficiência e eficácia de uma instituição, seja ela privada ou até mesmo pública. Em tempos de crise global, para uma empresa sobreviver em um mercado tão competitivo, a redução de custos torna-se um ponto essencial para sua sobrevivência. Dessa forma, a gestão de estoques oferece ferramentas que auxiliam a organizar o acervo de materiais estratégicos para atingir uma posição avançada no mercado para enfrentar os desafios

19 18 ocasionados em épocas de instabilidade no mercado internacional. Este trabalho, que tem como tema a gestão de estoque em almoxarifados, mostra a necessidade de administrar de forma coerente os recursos colocados à disposição da administração pública. O almoxarifado é a unidade administrativa responsável pelo controle e pela movimentação dos bens de consumo, que são registrados de acordo com as normas vigentes. (AUDIN, 2006). Segundo Viana (2000), [...] um dos objetivos do Almoxarifado é impedir divergências de inventário e perdas de qualquer natureza. Para cumprir sua finalidade, o Almoxarifado deverá possuir instalações adequadas, bem como recursos de movimentação e distribuição suficiente a um atendimento rápido e eficiente. A principal função do almoxarifado é entregar o produto para o cliente quando for requisitado. Os clientes não se importam se o produto estiver a 1 km de distância ou na maior altura da prateleira. O que eles querem é ter o produto no menor tempo possível. Assim sendo, é de extrema importância coordenar o fluxo de produtos para que estes cheguem ao cliente com níveis de serviços cada vez mais altos em relação ao tempo de atendimento e disponibilidade de estoque. Os custos logísticos relativos à armazenagem estão ficando cada vez mais significativos para as empresas, devido ao aumento da complexidade operacional nos almoxarifados. Diante deste novo cenário empresarial, que exige menores tempos de atendimento, menor tolerância a erros de separação de requisições, a busca pela redução dos níveis de estoque, torna-se necessário a aplicação de novas técnicas de modernização gerencial relacionados a almoxarifados. O almoxarifado tem a finalidade de prover todo material de suporte para todas as áreas da CPTM. Diante desta afirmação, surge o cenário que originou o tema desse trabalho: a gestão de estoques no almoxarifado de uma empresa pública de transporte ferroviário. Com o intuito de analisar a operação de recursos materiais nos sistemas de almoxarifados da CPTM, desenvolveu-se o presente trabalho. O gerenciamento de materiais através da aplicação de conceitos apoiados em

20 19 experiências no ramo empresarial tem por fim desenvolver na CPTM, um cenário mais próximo à realidade empresarial privada. O objetivo geral dessa monografia é identificar as estratégias de gestão de estoques utilizadas no almoxarifado da CPTM no atendimento aos clientes internos e interpretá-las a partir dos fundamentos teóricos de gestão em estoque nos almoxarifados. Os objetivos específicos são os seguintes: a) Analisar os fundamentos das principais políticas de gestão de estoques em almoxarifados; b) Conceituar definições relativas à gestão de estoques e almoxarifados; c) Sugerir propostas de gestão de estoques no almoxarifado da CPTM, buscando eficiência no sistema de controle de estoques. A falta de métodos e técnicas na gestão de materiais do almoxarifado provoca o estrangulamento de melhores possibilidades de gerenciamento de estoques. Quando se tem um capital empregado relacionado à gestão de estoques, o gestor deve providenciar para que os custos envolvidos com estoque tenham o menor valor possível. Tratando-se de uma administração pública, deve-se administrar racionalmente os recursos colocados à disposição da empresa. Problemas relacionados com a falta de planejamento acarretam tomadas de decisões em curto prazo, trazendo conseqüências como estoques elevados de material fazendo com que alguns produtos fiquem parados por anos no armazém. A obsolescência de materiais é altamente prejudicial para a empresa diante do cenário atual do mercado altamente competitivo e globalizado. Este trabalho visa analisar o estado atual dos problemas envolvendo o almoxarifado da CPTM com relação à: Excesso de gastos; Obsolescência de materiais; Movimentação de materiais; Tramitação de documentos referentes à movimentação;

21 20 Trabalho exercido pelos almoxarifes; Técnicas de gestão; Contraste do saldo físico com o contábil do material. Quais as melhores técnicas de gestão de estoque no almoxarifado da CPTM para atingir eficiência na redução de custos e atendimento ao cliente? Este trabalho busca verificar as seguintes hipóteses: a) A aplicação de métodos modernos de gestão de estoques no almoxarifado que podem auxiliar a redução de custos e aumentam o nível de serviço prestado aos clientes internos da CPTM; b) A gestão racional dos recursos do patrimônio público baseado em técnicas modernas utilizadas em empresas privadas podem atingir a eficiência e eficácia nas operações internas nos almoxarifados da CPTM. A pesquisa quanto à natureza, será de abordagem qualitativa, onde o processo e seus significados são focos da abordagem e o ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados. Quanto aos objetivos, a pesquisa se caracteriza como descritiva, detalhando as características do almoxarifado, fazendo levantamento de técnicas de gestão de estoques. Do ponto de vista dos procedimentos técnicos, a pesquisa tem o caráter de estudo de caso, fazendo um estudo profundo nos métodos de gestão utilizadas na CPTM. Conforme GIL (1991), estudos de caso caracterizam-se por grande flexibilidade. Sendo assim, a pesquisa será feita em etapas específicas. Sendo elas a delimitação de unidade-caso, coleta de dados, análise e interpretação de dados e redação de relatório. A delimitação da unidade-caso é o almoxarifado da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, escolhida pelo fácil acesso e manipulação dos dados. A coleta de dados será feita a partir de consultas a arquivos e banco de dados do almoxarifado. A análise e interpretação de dados constituíram-se na aplicação dos estudos sobre gestão de estoques em almoxarifados. Posteriormente os resultados foram analisados e procedeu-se a elaboração do relatório.

22 21 2 LOGÍSTICA 2.1 História O termo logística, que vem do francês logistique, têm em seus significados, definições de caráter militar, explicando a necessidade de uma logística eficaz relacionada ao transporte e manutenção de suprimentos utilizados em campos de batalhas nas guerras. (SO ARTIGOS, 2009) Desde os primórdios do tempo, a logística tem sido utilizada pelo homem, em razão da necessidade de deslocamentos constantes das tribos nômades. Estes deslocamentos ocorriam em função da escassez de alimentos, mudanças climáticas ou até mesmo por ameaças de tribos rivais. Nas épocas mais antigas da História documentada da humanidade, as mercadorias mais necessárias não eram feitas perto dos lugares nos quais eram mais consumidas, nem estavam disponíveis nas épocas de maior procura. Alimentos e outras commodities eram espalhados pelas regiões mais distantes, sendo abundantes e acessíveis apenas em determinadas ocasiões do ano. Os povos mais antigos consumiam os produtos em seus lugares de origem ou os levaram para algum local profundo ou armazenando-os para utilização posterior. Contudo, devido à inexistência de sistemas desenvolvidos de transporte e armazenamento, o movimento das mercadorias limitava-se àquilo que a pessoa conseguia fazer por suas próprias forças, e os bens perecíveis só podiam permanecer guardados por prazos muito curtos. Todo esse limitado sistema de transporte-armazenamento normalmente obrigava as pessoas a viver perto das fontes de produção e as limitava ao consumo de uma escassa gama de mercadorias. (BALLOU, p. 25) Em épocas antigas, onde as guerras eram longas e duravam décadas, às vezes séculos, desenvolveram-se técnicas relacionadas à atividade de suprimentos. Nessa época, as práticas de logísticas eram consideradas grandes táticas militares. Ela estava presente na hora de definir a melhor rota a seguir, com o menor caminho para não cansar os soldados, trechos onde encontrariam água-potável ou algum alimento disponível para o consumo. (ARTIGONAL, 2009) Sabe-se que um dos primeiros a utilizar técnicas de logísticas nas guerras foi o exército persa. Em 481 a.c., em uma expedição comandada por

23 22 Xerxes na luta contra os gregos, foram utilizados mais de navios de transporte para sustentar o exército durante a guerra. (TIGERLOG, 2009) Grandes nomes que se tornaram lendas, como Júlio César, Napoleão e Alexandre, utilizaram a logística como estratégia. Alexandre conquistou vários países como a Grécia, Pérsia e Índia, utilizando diversos aspectos como a inclusão da logística em seu planejamento estratégico. Criou uma equipe treinada de engenheiros que desempenharam um papel importante para seu sucesso. Eles estudavam como reduzir a resistência das cidades que seriam atacadas. Contava com uma equipe de contramestres que operacionalizavam o melhor sistema logístico para uma determinada situação. Eles eram responsáveis pela compra de todos os suprimentos necessários e montar armazéns no trajeto para a guerra. Com isso sua tropa corria milhares de quilômetros, tornando-se o mais móvel e rápido exército da época. (TIGERLOG, 2009) Técnicas de estratégias logísticas eram utilizadas pelos Aliados liderados pelos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, onde para obter a vitória, deslocavam suas tropas e todo suprimento necessário para sobreviver na guerra. (SCRIBD, 2009) Com o passar do tempo, a logística foi conquistando seu espaço. A partir da década de 50, surgiram diversos artigos publicados por instituições de grande nome como a Harvard Business School, analisando o conceito de custo total na área de logística. (SO ARTIGOS, 2009) Na década de 60, onde as empresas adotavam como estratégia conquistar o cliente através da satisfação e controle da qualidade, nota-se o grande crescimento da logística. Com isso surgiram grandes empresas especializadas com a intenção de fidelizar o novo perfil do cliente mais exigente e determinado. Faculdades como a Michigan State University e a The Ohio State University começavam a ministrar cursos de graduação em logística devidamente reconhecidos pelo governo americano. (TIGERLOG, 2009) Nesta mesma época, criou-se a primeira organização a congregar profissionais de logística em todas as áreas com o propósito de educação e treinamento, a National Council of Physical Distribuition Management, mais tarde mudado para Concil of Logistics Management (CLM). (SO ARTIGOS, 2009)

24 23 Nos anos 70, vários fatores impulsionaram a abrangência da logística no mundo. Em 1976, a CLM publicou um estudo sobre os componentes do custo de manutenção dos estoques, apresentando uma metodologia para o seu cálculo. Surgem as transportadoras com objetivo de agregar valor ao produto para atender a crescente demanda no ramo. Eram especializadas em proporcionar ao cliente preços e prazos acessíveis, aumentando a competição dentro do mercado. (ARTIGONAL, 2009) [...] os grandes ganhos das empresas que já estavam no mercado fizeram co que outros competidores entrassem no negócio, além dos contínuos investimentos em capacidade produtiva destas organizações já instaladas, resultando num aumento acelerado da oferta de produtos, equilibrando-se com a demanda da década de Foi nesta época que começaram a surgir investimentos em qualidade e marketing. (MOURA, p. 07) No Brasil a história da Logística é ainda muito recente.. Como exemplo, no setor automobilístico, devido à complexidade dos componentes de um automóvel, começaram a desenvolver técnicas de movimentação e armazenagem de peças. No setor de energia elétrica, definiam-se normas para embalagem, armazenagem e transporte de materiais. Em 1977 foram criadas a Associação Brasileira de Administração de Materiais (ABAM) e a Associação Brasileira de Movimentação de Materiais (ABMM). Posteriormente, em 1979, é criado o Instituto de Movimentação e Armazenagem de Materiais (IMAN). (SCRIBD, 2009) Na década de 80 houve um crescimento na utilização de computadores para resolução de diversas atividades relacionadas à área de administração e logística. Com isso, surgiram diversas técnicas provando a eficácia das práticas logísticas. Nessa época surgiram publicações mostrando a necessidade de a alta administração reconhecer a importância da administração logística. (TIGERLOG, 2009) O estágio atual, que se iniciou em 1980, vindo até os dias de hoje, caracterizou a Logística pela importância dada à integração externa, ou seja, entre os diferentes elos da cadeia de suprimentos. Podem-se destacar o grande desenvolvimento dos sistemas de informações e a disseminação do conceito da Gestão da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management SCM). (FARIA; COSTA, p. 19)

25 24 Aqui no Brasil surgem as primeiras definições e diretrizes para diferenciar transportes de distribuição e de logística. Em 1982 foram implementados o primeiro sistema moderno de logística integrada, o Justin in Time e o Kambam. Em 1984 surge o primeiro grupo de Benchmarking em logística para discutir e analisar as relações entre fornecedores e supermercados. Muitos outros fatos relevantes aconteceram nessa época, como a instalação do primeiro Operador Logístico, a criação do Palete Padrão Brasileiro (PBR) e a Associação Brasileira de Logística (ASLOG). (SCRIBD, 2009) A partir dos anos 90, com a estabilização da economia com o Plano Real, surgiram softwares para o gerenciamento das informações de armazéns, como o WMS, código de Barras e sistemas para roteirização de entregas. Segundo MOURA (1998, p. 07), nesta década, a competição está obrigando as empresas a procurarem novos mercados e a derrubarem as barreiras internacionais. Estes anos estão sendo marcados pela formação dos blocos de livre comércio. 2.2 Conceito O termo logística é um novo conceito aplicado a práticas exercidas há muito tempo relacionadas a atividades de movimentação armazenagem. Com o passar do tempo, as empresas começaram a perceber que essas atividades agregavam valor ao produto. Daí a importância de administrar essas práticas de forma coordenada, dando forma a um novo conceito de logística. Atualmente, a Logística ainda é conceituada numa visão militar. Segundo o dicionário Webster s New Wncyclopedic Dictionary, esta é o ramo da ciência militar que lida com a obtenção, manutenção e o transporte de material, pessoal e instalações. Essa definição não engloba todos os aspectos da gestão da logística empresarial. Uma representação mais fiel desse campo pode ser aquela refletida na definição promulgada pelo Council of Logistics Management (CLM), uma organização de gestores logísticos, educadores e profissionais da área

26 25 criada em 1962 para incentivar o ensino nesse campo e incentivas o intercâmbio de idéias, definindo a logística como o processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de atender às exigências dos clientes. (BALLOU, p.27) Esta definição tem o seu mérito ao explicar o fluxo das mercadorias deve ser acompanhado desde o seu ponto de origem até o destino final. Mas ela traz consigo que a logística é parte do processo da cadeia de suprimentos, e não do processo inteiro, trazendo questionamentos como a definição de gerenciamento da cadeia de suprimentos. Segundo Mentzer et al. 1 (2001 apud BALLOU; Ronald H., 2006, p.28), o gerenciamento da cadeia de suprimentos é definido como a coordenação estratégica sistemática das tradicionais funções de negócios e das táticas ao longo dessas funções de negócios no âmbito de uma determinada empresa e ao longo dos negócios no âmbito da cadeia de suprimentos, com o objetivo de aperfeiçoar o desempenho a longo prazo das empresas isoladamente e da cadeia de suprimentos como um todo. Muitos consideram que o gerenciamento da cadeia de suprimentos é apenas um sinônimo de logística, pois ambos têm a missão de colocar os produtos ou serviços certos no lugar certo, no momento certo, nas condições desejadas. Segundo Hara (2005, p.19), [...] a ótica da cadeia de suprimentos vê os mercados apenas como ponto de destino, enquanto que a logística de mercado, ao considerar as exigências do mercado-alvo em primeiro ligar, e a partir daí projetar a cadeia de suprimento em um processo retroativo, torna-se mais eficiente, enfatizando a importância da logística na administração mercadológica. Com relação às definições de logística e a gestão da cadeia de suprimentos, vale ressaltar um ponto que os diferencia. As atividades logísticas direcionam seu foco no ponto de vista de uma empresa individual, enquanto que a gestão da cadeia de suprimentos envolve todos os elos da cadeia, desde os fornecedores de matérias primas, seguindo pelos centros de manufatura aos 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de suprimentos/logística empresarial.p.33

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO

ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO Maira Silva de Aguiar (UNIFEI) aguiarmaira@hotmail.com Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima74@gmail.com

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

MBA Executivo - Gestão do Varejo e Vendas

MBA Executivo - Gestão do Varejo e Vendas MBA Executivo - Gestão do Varejo e Vendas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Gestão do Varejo e Vendas possibilita ao participante conhecer a respeito dos processos envolvidos na gestão de

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 SISTEMA LOGÍSTICO EMPRESARIAL Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 Creonice Silva de Moura Shirley Aparecida Fida Prof. Engº. Helder Boccaletti Fatec Tatuí

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

CAPÍTULO II LOGÍSTICA

CAPÍTULO II LOGÍSTICA CAPÍTULO II LOGÍSTICA Uma boa estrutura organizacional não produz por si só um bom desempenho - assim como uma boa Constituição não garante grandes presidentes, ou boas leis, ou uma sociedade moral. Mas

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Ensino Técnico Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

CAROLINE MARQUES FERNANDES

CAROLINE MARQUES FERNANDES FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CAROLINE MARQUES FERNANDES Proposta para a organização do almoxarifado de uma Escola Técnica Estadual São Paulo 2010 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CAROLINE

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente.

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente. 116 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING LOGÍSTICO 5.1. LOGÍSTICA Na atualidade, devido a acirrada concorrência no mercado globalizado, as empresas necessitam ser altamente competitivas. Não se pode

Leia mais

Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA

Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA Anderson Costa Pantoja (anderrsoncostacrist.008@gmail.com / UEPA) Bruno Gilberto Motta Oliveira Maia (brunocar21@outlook.com

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Unidade II 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DE CAPITAL Morgado (01) afirma que a importância do planejamento e do controle financeiro em uma empresa está intimamente

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. Disciplina o recebimento, a armazenagem, a estocagem e a distribuição de materiais pelos almoxarifados da UDESC. O Pró-Reitor de Administração

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA Antonia Maria Gimenes¹, Marcio Jabour de Oliveira², William Gonçalves São Leão⁴

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 18 B2C: A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA 1. INTRODUÇÃO O Business-to-Consumer (B2C) refere-se à realização

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais