V-De Conto-Brasil-1 INFORMAÇÕES DOS GERENTES SOBRE SITUAÇÕES DE MANEJO E DESTINO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NO ÂMBITO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V-De Conto-Brasil-1 INFORMAÇÕES DOS GERENTES SOBRE SITUAÇÕES DE MANEJO E DESTINO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NO ÂMBITO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM."

Transcrição

1 V-De Conto-Brasil-1 INFORMAÇÕES DOS GERENTES SOBRE SITUAÇÕES DE MANEJO E DESTINO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NO ÂMBITO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Suzana Maria De Conto (1) Engenheira Química. Mestre em Engenharia Civil na área de Hidráulica e Saneamento (EESC-USP). Doutora em Educação (UFSCar). Professora Aplicar no Departamento de Engenharia Química e no Mestrado em Turismo e pesquisadora no Instituto de Saneamento Ambiental na Universidade de Foto Caxias do Sul (UCS). Neide Pessin Bióloga. Mestre em Engenharia Civil na área de Hidráulica e Saneamento pela EESC-USP. Doutoranda em Biologia Ambiental pela Universidade de Leon, Espanha. Professora do Departamento de Engenharia Química e pesquisadora no Instituto de Saneamento Ambiental da Universidade de Caxias do Sul (UCS). Marcia Telh Engenheira Química. Mestre em Engenharia Civil na área de Hidráulica e Saneamento (EESC-USP). Bolsista DTI/CNPq. Josmari Cadore Tecnóloga Ambiental. Modalidade Resíduos Industriais pelo CEFET Medianeira PR. Bolsista DTI/CNPq. Daniela Rovatti Graduanda em Engenharia Ambiental pela UCS, Bolsista ITI/CNPq. Robson Elói Boff Graduando em Engenharia Ambiental na UCS. Bolsista ITI/CNPq. (1) Rua Flores da Cunha, 1775/22 CEP: Caxias do Sul/RS ou Universidade de Caxias do Sul Instituto de Saneamento Ambiental. Caixa Postal 1352, CEP Caxias do Sul-RS Fone: RESUMO É importante descobrir situações de manejo de resíduos sólidos em meios de hospedagem, uma vez que esse conhecimento permite identificar ações a serem previstas no plano de gerenciamento desses resíduos. Nesse sentido é útil investigar informações dos administradores dos meios de hospedagem relacionadas às situações de geração, manejo e destino final dos resíduos gerados. Este trabalho, desenvolvido através da rede de Pesquisa PROSAB/FINEP no município de Canela/RS, é parte integrante do Projeto: Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Aplicação a um Município Turístico da Serra Gaúcha. Para a coleta de dados, foi elaborado um roteiro de entrevista de forma a obter dados de identificação do entrevistado, do meio de hospedagem e da realidade ambiental do estabelecimento, principalmente sobre o gerenciamento de resíduos sólidos. No roteiro de entrevistas foram examinadas 32 perguntas que englobam dados sobre gerenciamento dos resíduos sólidos gerados no meio de hospedagem. No presente trabalho foram analisadas apenas as informações relacionadas aos abrigos para armazenamento de resíduos sólidos e ao destino final dos mesmos. Este estudo é relevante, uma vez que busca identificar lacunas, relacionadas às responsabilidades da fonte geradora de resíduos quanto ao armazenamento e destino final dos mesmos, buscando auxiliar o poder público e privado em seus regulamentos relacionados à aprovação dos planos de gerenciamento de resíduos sólidos nos meios de hospedagem e dos projetos arquitetônicos desses empreendimentos, no sentido de prever o espaço para os resíduos sólidos. Palavras-chave: Resíduos sólidos, meios de hospedagem, abrigos de resíduos, destino de resíduos.

2 INTRODUÇÃO A geração de resíduos sólidos vem se tornando cada vez mais um problema nos empreendimentos turísticos, necessitando, portanto, do desenvolvimento de programas de gerenciamento integrado desses resíduos. Nessa direção, De Conto (2001) evidencia a importância de desenvolver estudos relacionados ao comportamento de turistas e prestadores de serviços turísticos em relação ao manejo de resíduos sólidos no âmbito dos hotéis. A relevância do estudo sobre gerenciamento de resíduos sólidos em hotéis está fundamentada em diferentes aspectos: a) necessidade de implantar uma política de gerenciamento integrado desses resíduos; b) carência de estudos que examinam os processos produtores de resíduos sólidos no âmbito das redes hoteleiras e c) carência de estudos que examinam condutas dos agentes do turismo quanto ao manejo dos resíduos. Realizar estudos e pesquisas sobre o manejo de resíduos sólidos no âmbito de hotéis, identificando suas características e determinantes, pode auxiliar no esclarecimento de possibilidades de melhoria na construção de relações entre diferentes etapas do gerenciamento desses resíduos, que constituem crescentes problemas sociais e ambientais (DE CONTO, 2001). No que tange ao papel ambiental dos meios de hospedagem podem ser destacados os estudos de Abreu (2001), Bonilla e De Conto (2003), Gonçalves (2004), Pertschi (2006), Ramos, Ricci (2002), Rues (1995), Viera e Hoffmann (2006) e Webster (2000). Com relação ao gerenciamento de resíduos sólidos desses empreendimentos, pesquisas vêm sendo desenvolvidos na Universidade de Caxias do Sul Brasil desde 2001, destacando-se os estudos de Bonatto (2003), Cesa (2003), Cesa e De Conto (2003), De Conto (2005), De Conto et al. (2006), De Conto (2001), De Conto et al. (2005) e Pessin et al. (2005). Um meio de hospedagem destaca-se como um empreendimento que gera uma produção significativa de resíduos sólidos, que é determinada por diferentes fatores, entre os quais se destacam: o número de hóspedes; número de funcionários contratados e terceirizados; variação sazonal; classificação do hotel; serviços oferecidos aos hóspedes; faixa etária dos hóspedes; poder aquisitivo dos hóspedes; motivo da hospedagem; entre outros (DE CONTO, 2005). É importante descobrir situações de manejo de resíduos sólidos em meios de hospedagem, uma vez que esse conhecimento permite identificar ações a serem previstas no plano de gerenciamento desses resíduos. Nesse sentido é útil investigar informações dos administradores dos meios de hospedagem relacionadas às situações de geração, manejo e destino final dos resíduos gerados. Este trabalho, desenvolvido através da rede de Pesquisa PROSAB/FINEP no município de Canela/RS, é parte integrante do Projeto: Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos Aplicação a um Município Turístico da Serra Gaúcha. O objetivo principal deste trabalho é a identificação e análise de informações que os gerentes/proprietários dos meios de hospedagem têm sobre geração, manejo e disposição dos resíduos sólidos gerados em seu meio de hospedagem. Este estudo é relevante uma vez que busca identificar lacunas relacionadas às responsabilidades da fonte geradora de resíduos quanto à estocagem e destino final dos mesmos, buscando auxiliar o poder público e privado em seus regulamentos relacionados à aprovação de projetos arquitetônicos de meios de hospedagem. METODOLOGIA O município de Canela, situado na Serra Geral, na porção nordeste do Estado do Rio Grande do Sul, compõe a Região das Hortênsias, juntamente com os municípios de Gramado, Nova Petrópolis e São Francisco de Paula, constituindo-se esta região, num dos mais importantes pólos turísticos do sul do país. Sensível ao potencial turístico da região, a Universidade de Caxias do Sul, visando atender a demanda gerada pelos hotéis ali consolidados implantou, no município de Canela, os cursos de Graduação: Tecnologia em Hotelaria e Turismo.

3 Atualmente, os reflexos da atividade turística em Canela têm como decorrência inúmeros impactos: rede hoteleira em expansão, amplo mercado imobiliário, comércio diversificado, uso e ocupação do solo desordenado, concentração da geração de resíduos sólidos em períodos sazonais, entre outros. O aumento do fluxo turístico em Canela e o grande número de meios de hospedagem, aproximadamente 60 (3.737 leitos), justifica um estudo do gerenciamento integrado de resíduos sólidos gerados nesses meios. Para a coleta de dados, foi elaborado um roteiro de entrevista, que foi pré-testado em três meios de hospedagem, fora do âmbito da pesquisa, localizados na cidade de Caxias do Sul. Com base nos resultados dos pré-testes foram efetivadas as reformulações da entrevista. Com a aprovação desta procedeu-se o agendamento das entrevistas com os gerentes/proprietários dos meios de hospedagem do município alvo. Antes da realização da entrevista foi apresentado o termo de consentimento livre e esclarecido, formulado segundo orientações do Comitê de Ética em Pesquisa, o qual foi lido e assinado pelo entrevistado e entrevistador, sendo que cada uma das partes ficou com cópia do mesmo. O roteiro de entrevista foi elaborado de forma a obter dados de identificação do entrevistado, do meio de hospedagem e da realidade ambiental do estabelecimento, principalmente sobre o gerenciamento de resíduos sólidos. No roteiro de entrevistas foram examinadas 32 perguntas que englobam dados sobre gerenciamento dos resíduos sólidos gerados no meio de hospedagem. No presente trabalho, apenas as informações relacionadas aos abrigos de armazenamento de resíduos sólidos e destino final dos resíduos gerados nos meios de hospedagem foram analisadas. Os dados obtidos foram tabelados e organizados segundo a classificação do meio de hospedagem, conforme o Quadro 1, utilizando-se o número de unidades habitacionais. Quadro 1 Classificação dos meios de hospedagem conforme o número de unidades habitacionais. Número de Unidades Habitacionais Porte 1 a 25 Pequeno 26 a 80 Médio Acima de 80 Grande RESULTADOS As Tabelas 1, 2 e 3 apresentam dados relacionados às informações dos sujeitos sobre o abrigo de resíduos sólidos e ao destino final dos mesmos. Tabela 1 Distribuição de ocorrências e porcentagens de indicações dos sujeitos sobre abrigos internos para armazenamento de resíduo sólidos segundo a classificação do meio de hospedagem. Classificação do meio de hospedagem Informações Pequeno Médio Grande Total Existência de abrigo N % N % N % N % Existe 24 48, , ,33 Não existe 25 50, , ,00 Não respondeu 1 2, ,67 TOTAL

4 Tabela 2 Distribuição de ocorrências e porcentagens de indicações dos sujeitos sobre abrigos externos para armazenamento de resíduo sólidos segundo a classificação do meio de hospedagem. Informações Classificação do Meio de Hospedagem Pequeno Médio Grande Total N % N % N % N % Existência de Existe , ,66 abrigo Não existe , ,34 TOTAL Os dados obtidos apontam que 55% dos sujeitos declaram a inexistência de abrigos internos e 28,34% declaram a inexistência de abrigos externos para o armazenamento de resíduos. Apesar de 71,7% relatarem à existência de abrigos, é possível afirmar que os mesmos não são específicos para o armazenamento de resíduos sólidos. Durante a observação direta realizada nos meios de hospedagem, constatou-se a existência de locais improvisados utilizados para o armazenamento provisório dos resíduos sólidos: área de serviço, garagem, cozinha, pátio, rouparia, debaixo de escada, árvore, churrasqueira, entrada da garagem, saída da garagem, entre outros. Mandelli (1997) ao estudar o comportamento das pessoas em relação ao manejo de resíduos sólidos domésticos, identificou diferentes locais para a estocagem desses resíduos no âmbito das residências: garagem, área de serviço, pátio, porão da casa, cozinha, sacada, galpão, muros, árvores, churrasqueiras, parede externa da residência, entre outros. A autora, a partir dos resultados de sua pesquisa, comenta que uma residência reflete espacialmente as atividades nela desenvolvidas, porém, parece não considerar o espaço para um produto dessas atividades: os resíduos sólidos. Nessa direção, também a hotelaria necessita de uma maior clareza quanto à importância da organização do espaço para o manejo de seus resíduos sólidos. Em consonância com Mandelli (1997), essa multiplicidade de locais destinados para a estocagem de resíduos sólidos reflete a falta de preocupação com a geração de resíduos sólidos ainda na elaboração do projeto arquitetônico dos meios de hospedagem. A Tabela 3 apresenta as informações dos sujeitos sobre o destino dos resíduos sólidos dos meios de hospedagem. Tabela 3 Distribuição de ocorrências e porcentagens de indicações dos sujeitos sobre o destino dos resíduos sólidos segundo a classificação do meio de hospedagem. Classificação do Meio de Hospedagem Informações Pequeno Médio Grande Total Conhece o N % N % N % N % destino dos Sim 34 68, , , ,66 resíduos sólidos Não 16 32, , , ,33 Total Aterro sanitário 25 43, , ,65 Reciclagem 27 46, , ,65 Lixão 3 5, ,42 Compostagem 1 1, , ,95 Destino Criadores de animais 1 1, ,47 Triagem i i i i i 1 1, ,47 Instituição social ,47 Caminhão da prefeitura ,33 1 1,47 Total

5 Cabe destacar que 66,66% dos sujeitos afirmam conhecer o destino dos resíduos gerados no seu empreendimento. De acordo com a Tabela 3 diferentes informações são apresentadas para o destino. Porém, 93,3% dos mesmos declaram não possuir as licenças de operação (LO) das empresas responsáveis pela coleta e tratamento de seus resíduos. A Política de Gestão dos Resíduos Sólidos do estado do Rio Grande do Sul (RIO GRANDE DO SUL, 1998) é clara quanto à responsabilidade da fonte geradora pelo gerenciamento de seus resíduos sólidos. Também, de acordo com lei estadual, no caso de contratação de terceiros, de direito público ou privado, para execução da coleta, tratamento e ou disposição final, configurar-se-á responsabilidade solidária. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os estudos realizados permitem concluir que: a) a escassez de informações sobre o destino dos resíduos sólidos, aliada à inexistência das licenças de operação (LO) dos terceirizados para coletar e tratar os resíduos dos meios de hospedagem revela a falta de clareza dos administradores sobre a responsabilidade desses empreendimentos sobre a geração e manejo desses resíduos; b) há a necessidade de construir abrigos para o armazenamento dos resíduos sólidos. Apesar de os sujeitos declararem a existência desses abrigos, cabe destacar que não são específicos para a função de armazenamento de resíduos sólidos. Recomenda-se o desenvolvimento de programas de sensibilização para a alta administração e colaboradores sobre o gerenciamento de resíduos sólidos, dando ênfase à minimização da geração de resíduos sólidos, com reaproveitamento de embalagens de produtos de limpeza e de matéria orgânica, com o desenvolvimento da compostagem no âmbito dos empreendimentos, principalmente naqueles que possuem jardins, parques e hortas. Em geral, não há previsão e utilização de locais de estocagem apropriados para os resíduos sólidos gerados nos meios de hospedagem e há vários problemas de conhecimento das pessoas em relação a esse recurso. A necessidade de projetar abrigos e recipientes para a estocagem de resíduos nesses meios de hospedagem fica evidenciada, junto com a importância de reavaliar o código de obras dos municípios, no sentido de prever ainda no projeto arquitetônico um local específico para os resíduos sólidos. REFERÊNCIAS 1. ABREU, D. Os ilustres hóspedes verdes. Salvador: Casa da Qualidade, BONATTO, G. Geração de resíduos sólidos no âmbito de hotelaria estudo de caso f. Dissertação (Mestrado em Turismo) Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, BONILLA, J; DE CONTO, S. M. Planejamento de um meio de hospedagem ecológico. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM TURISMO DO MERCOSUL, 1., 2003, Caxias do Sul. Anais... Caxias do Sul: Programa de Mestrado em Turismo da Universidade de Caxias do Sul, CD-ROM. 4. CESA, P. P. P. Manejo de resíduos sólidos em meios de hospedagem: seis estabelecimentos f. Dissertação (Mestrado em Turismo) - Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul: UCS, CESA, P. P. P.; DE CONTO, S. M. Manejo de resíduos sólidos perigosos e sobras alimentares em meios de hospedagem. Turismo em Análise, São Paulo, v. 14, p , Número 2 - Novembro de DE CONTO, S. M. Gerenciamento de resíduos sólidos em meios de hospedagem. In: TRIGO, L. G. G. (Ed.). Análises regionais e globais do turismo brasileiro. São Paulo: Roca, Cap DE CONTO, S. M. et al. Compostagem de resíduos sólidos em meios de hospedagem prevenção de impactos ambientais em municípios turísticos. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM TURISMO DO MERCOSUL, 4., 2006, Caxias do Sul. Anais... Caxias do Sul: UCS, CD-ROM. 8. DE CONTO, S. M. O estudo do comportamento de turistas e prestadores de serviços turísticos no manejo de resíduos sólidos gerados no âmbito dos hotéis. In: BARRETTO, M. e REJOWSKI,

6 M. (Orgs.). Turismo: interfaces, desafios e incertezas. Caxias do Sul: EDUCS, 2001, p (Coleção Turismo). 9. DE CONTO, S. M. et al. Geração de resíduos sólidos em um meio de hospedagem: um estudo de caso. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ICTR 2004 E CICLO DE CONFERÊNCIAS SOBRE POLÍTICA E GESTÃO AMBIENTAL NISAM 2004, 2004, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ICTR, NISAM, CD-ROM, p GONÇALVES, L. C. Gestão ambiental em meios de hospedagem. São Paulo: Aleph, MANDELLI, S. M. De C. Variáveis que interferem no comportamento da população urbana no manejo de resíduos sólidos domésticos no âmbito das residências f. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 12. PERTSCHI, I. K. Gestão ambiental na hotelaria: um estudo da aplicação de indicadores ambientais. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM TURISMO DO MERCOSUL, 4., 2006, Caxias do Sul. Anais... Caxias do Sul: UCS, CD-ROM. 13. PESSIN, N.; DE CONTO, S. M.; SCHNEIDER, V. E.; CADORE, J.; ROVATTI, D. Desenvolvimento de composteiras para fração orgânica dos resíduos gerados em município com missão turística. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 23., 2005, Campo Grande. Anais... Campo Grande: ABES, CD-ROM. 14. RAMOS, S. E V. de C. Sistemas de gestão ambiental adotados pela hotelaria da estrada das Cataratas em Foz do Iguassú PR. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM TURISMO DO MERCOSUL, 4., 2006, Caxias do Sul. Anais... Caxias do Sul: UCS, CD-ROM. 15. RICCI, R. Hotel: gestão competitiva no século XXI: ferramentas práticas de gerenciamento aplicadas a hotelaria. Rio de Janeiro: Qualitimark Ed., RIO GRANDE DO SUL. Decreto n , de 01 de abril de Aprova o Regulamento da Lei n 9.921, de 27 de julho de 1993, que dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos no Estado do Rio Grande do Sul. Secretaria Estadual do Meio Ambiente - Legislação. Porto Alegre, RS, Disponível em: Acesso em 23 dez RUES, E. Eco-hotel management: Conciencia ecológica em la administración hotelera. México: Grupo editorial Iberoamérica, VIERA, E.V.de; HOFFMANN, V.E. Práticas de sustentabilidade ambiental para empreendimentos turísticos hoteleiros: aplicação de um modelo. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM TURISMO DO MERCOSUL, 4., 2006, Caxias do Sul. Anais... Caxias do Sul: UCS, CD-ROM. 19. WEBSTER, K. Environmental management in the hospitality industry a guide for students and managers. London: Cassel, AGRADECIMENTOS: FINEP/PROSAB, CNPq, CAIXA, Secretaria Municipal de Turismo de Canela/RS.

III-143 ESPAÇO PARA O ARMAZENAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM: UMA NECESSIDADE NO PLANEJAMENTO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

III-143 ESPAÇO PARA O ARMAZENAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM: UMA NECESSIDADE NO PLANEJAMENTO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS III-143 ESPAÇO PARA O ARMAZENAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM: UMA NECESSIDADE NO PLANEJAMENTO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Suzana Maria De Conto (1) Engenheira Química pela Universidade

Leia mais

V-Pessin-Brasil-1 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CANELA RS.

V-Pessin-Brasil-1 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CANELA RS. V-Pessin-Brasil-1 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CANELA RS. Neide Pessin (1) Bióloga. Mestre em Engenharia Civil na Área de Hidráulica e Saneamento pela

Leia mais

Compostagem de Resíduos Sólidos em Meios de Hospedagem Prevenção de Impactos Ambientais em Municípios Turísticos.

Compostagem de Resíduos Sólidos em Meios de Hospedagem Prevenção de Impactos Ambientais em Municípios Turísticos. 1 Compostagem de Resíduos Sólidos em Meios de Hospedagem Prevenção de Impactos Ambientais em Municípios Turísticos. Suzana Maria De Conto 1 Neide Pessin 2 Gilberto Bonatto 3 Marcia Telh 4 Josmari Cadore

Leia mais

INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM

INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM Patrícia P. P. Cesa 1 Suzana Maria De Conto 2 Resumo Quais são as informações que os responsáveis

Leia mais

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001.

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. Vania Elisabete Schneider (1)(*) : Departamento de Ciências Exatas e da Natureza (DCEN/CARVI).

Leia mais

O Papel de Colaboradores de um Meio de Hospedagem no Sistema de Gestão Ambiental

O Papel de Colaboradores de um Meio de Hospedagem no Sistema de Gestão Ambiental O Papel de Colaboradores de um Meio de Hospedagem no Sistema de Gestão Ambiental Suzana Maria De Conto 1 Marcelo Zaro 2 Josiane Pistorello 3 Universidade de Caxias do Sul Resumo: Na implementação de sistemas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM UMA PROPOSTA DE ESTUDO Patrícia Flores Ferrari 1

ANÁLISE ECONÔMICA DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM UMA PROPOSTA DE ESTUDO Patrícia Flores Ferrari 1 ANÁLISE ECONÔMICA DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM UMA PROPOSTA DE ESTUDO Patrícia Flores Ferrari 1 Suzana Maria De Conto 2 Resumo O gerenciamento integrado de resíduos

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM MEIO DE HOSPEDAGEM: UM

Leia mais

A Gestão Ambiental como Objeto de Estudos no Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul 1

A Gestão Ambiental como Objeto de Estudos no Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul 1 A Gestão Ambiental como Objeto de Estudos no Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul 1 Gisele Silva Pereira 2 Suzana Maria De Conto 3 Universidade de Caxias do Sul Resumo O presente estudo tem por

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Flores da Cunha /RS - Junho, 2015.

APRESENTAÇÃO. Flores da Cunha /RS - Junho, 2015. APRESENTAÇÃO A Biossplena - Projetos Ecodinâmicos é uma empresa que atua há cinco anos no Brasil, desenvolvendo e assessorando projetos para EMPREENDIMENTOS URBANÍSTICOS, com foco nas comunidades planejadas,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Centrais de Triagem, Catadores, Cursos de Capacitação.

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Centrais de Triagem, Catadores, Cursos de Capacitação. III-456 - INFORMAÇÕES SOBRE AS DIFICULDADES ENFRENTADAS NAS CENTRAIS DE TRIAGEM OBTIDAS DE CATADORES DURANTE A REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM CAXIAS DO SUL Matheus Poletto (1) Engenheiro

Leia mais

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH Júlio Eymard Werneck Costa Graduando em Engenharia Civil pela UFMG. Bolsista de iniciação científica. Tainá Ulhoa

Leia mais

Morgana Klipp Demori 1 Marina Borghetti Bertoldo 2 Jaciel Gustavo Kunz 3 Suzana Maria de Conto 4. Universidade de Caxias do Sul - UCS

Morgana Klipp Demori 1 Marina Borghetti Bertoldo 2 Jaciel Gustavo Kunz 3 Suzana Maria de Conto 4. Universidade de Caxias do Sul - UCS 1 A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM AEROPORTOS COMO OBJETO DE ESTUDO EM EVENTOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TURISMO: UMA ANÁLISE DOS SEMINÁRIOS DA ANPTUR E SEMINTUR Morgana Klipp Demori 1 Marina Borghetti Bertoldo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 042, DE 11 DE MAIO DE 2011 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 297ª Reunião Ordinária, realizada em 11 de maio de 2011, e considerando

Leia mais

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA Kelma Maria Nobre Vitorino (Orientadora) Química industrial pela UFC, 1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE 0 PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PRORAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEA PLANO DE AÇÃO Montanha ES 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 02 2. JUSTIFICATIVA... 03 3. OBJETIVO GERAL...

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO

ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO ESTUDO DE CASO DA QUANTIDADE E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DOMICILIARES DO BAIRRO URUPÁ NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO Rafael Ranconi Bezerra ¹ Graduando em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços CHECK LIST LEVANTAMENTO DE CAMPO Prestadores de Serviços Data: 01) Informações sobre cada serviço prestado no gerenciamento de resíduos sólidos: Coleta Domiciliar Multirões Coleta da Capina Coleta Manual

Leia mais

A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário

A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário Regina da Silva Ferreira 1 regina-s-ferreira@hotmail.com Resumo: O presente trabalho teve como objetivo demonstrar

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE

III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE José Daltro Filho (1) Engenheiro Civil (UFBA,1975); Doutor em Engenharia (Hidráulica/Saneamento-EESC-USP,

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E AS COOPERATIVAS DE CATADORES

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS PROPOSTAS PARA REELABORAÇÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Texto de referência TEMA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS 1 O processo de preparação

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Comissão de Sustentabilidade Campus Verde Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG - CEP 37.130-000 Fone (35) 3299-1062 http://www.unifal-mg.edu.br/sustentabilidade

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental III-032 - PROPOSTA ALTERNATIVA PARA A COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DE CAMPO GRANDE/MS, VALORIZANDO A PARTICIPAÇÃO DOS CATADORES. Ana Luzia de Almeida Batista Martins Abrão (1)

Leia mais

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI ABELARDO LUZ - SC Agosto de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS Renata Soares Pinto (*), Washington Luiz Nunes Apolinário, Carlos Fernando Lemos, Denise

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O COMPROMISSO AMBIENTAL DE FUNCIONÁRIOS DE MEIOS DE HOSPEDAGEM, BOA VISTA, RORAIMA 1

INFORMAÇÕES SOBRE O COMPROMISSO AMBIENTAL DE FUNCIONÁRIOS DE MEIOS DE HOSPEDAGEM, BOA VISTA, RORAIMA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O COMPROMISSO AMBIENTAL DE FUNCIONÁRIOS DE MEIOS DE HOSPEDAGEM, BOA VISTA, RORAIMA 1 Rhaina Peris Reis 2 Thiago José Costa Alves 3 Resumo: Este artigo tem como objeto de estudo analisar

Leia mais

Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores.

Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores. Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores. Álvaro Luis Machado 1 Suzana Maria De Conto 2 Universidade de Caxias do Sul RESUMO:

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS o o In In te g rr a d a R de es s e íd d í u o s ã t s Só Só l i i l d d e o o G s s Apoio: Proposta de Atuação na Cadeia da Reciclagem e na Gestão dos Resíduos Sólidos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO PGRSS DO HU ANO 2015 ESTRUTURA FÍSICA Reestruturação dos locais para o armazenamento interno dos resíduos Definir local para sala de utilidades por andar Evitar o contato dos

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUS SÓLIDOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM: DIAGNÓSTICO DA ATUAÇÃO DE HOTÉIS CARIOCAS

GESTÃO DE RESÍDUS SÓLIDOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM: DIAGNÓSTICO DA ATUAÇÃO DE HOTÉIS CARIOCAS GESTÃO DE RESÍDUS SÓLIDOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM: DIAGNÓSTICO DA ATUAÇÃO DE HOTÉIS CARIOCAS Suellen Alice Lamas lamas.suellena@gmail.com Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo CEFET/RJ Nova

Leia mais

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Lei 12.305/2010 Estão sujeitos à elaboração de plano de gerenciamento de resíduos sólidos: I - os geradores de resíduos sólidos previstos

Leia mais

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária Dados Estatísticos Guarulhos Região metropolitana Estado de São Paulo de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil Tem extensão territorial de 320 km², sendo composta por 47 Bairros

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

Palavras-Chave: ensino; hospitalidade; lixo; restaurantes; sustentabilidade.

Palavras-Chave: ensino; hospitalidade; lixo; restaurantes; sustentabilidade. Lixo e Hospitalidade: o ensino consciente como estratégia para redução do volume de resíduos produzidos pela indústria de hospitalidade e ferramenta de capacitação profissional gerando benefício social.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Caro, candidato(a) à prefeito(a), após mais de 20 anos de tramitação

Leia mais

Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões em Aterros de Resíduos Sólidos

Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões em Aterros de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Qualidade Ambiental nos Assentamento Humanos MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

III-215 - APLICAÇÃO DO SOFTWARE SIMGERE PARA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS/SP

III-215 - APLICAÇÃO DO SOFTWARE SIMGERE PARA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS/SP III-215 - APLICAÇÃO DO SOFTWARE SIMGERE PARA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS/SP Luciana Miyoko Massukado (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal

Leia mais

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção.

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Nádia D. de Souza 1 Kátia G. de Laia 2 Mariana O. Silva 3 Estevão L. M. Gomes 4 Tiago L. A.

Leia mais

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS NATAL/OUT/2013 RDC 306/04/ANVISA RESIDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS REGULAMENTAÇÃO HARMONIZAÇÃO ENTRE CONAMA E ANVISA Aprimorar, atualizar e complementar RDC 306/04/ANVISA

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) 1 1. Apresentação do Projeto O presente documento tem por finalidade apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Panorama da geração de resíduos em Minas Gerais Zuleika S. Chiacchio Torquetti Diretora de Qualidade e Gestão Ambiental FEAM Outubro 2008 POLÍCIA Projeto

Leia mais

I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL

I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL I-059 - ESTUDO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ÓBIDOS-PA E DETERMINAÇÃO DA PRODUÇÃO PER CAPITA MUNICIPAL Davi Edson Sales De Souza (1) Engenheiro Sanitarista pela

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO (leis 12.305/2010, 11.445/2007 e 12.187/2009) Implementando a Política Nacional de Resíduos Sólidos na Cidade de São Paulo PROCESSO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS PESQUISAS REALIZADAS NO INVERNO DE 2003 EM GRAMADO,RS: PERFIL DO VISITANTE E SATISFAÇÃO NOS RESTAURANTES.

ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS PESQUISAS REALIZADAS NO INVERNO DE 2003 EM GRAMADO,RS: PERFIL DO VISITANTE E SATISFAÇÃO NOS RESTAURANTES. ESTUDO COMPARATIVO DE DUAS PESQUISAS REALIZADAS NO INVERNO DE 2003 EM GRAMADO,RS: PERFIL DO VISITANTE E SATISFAÇÃO NOS RESTAURANTES. Me. Sandra Ferrapontoff Lemos 1 Resumo Este estudo visa cruzar e analisar

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA REFINARIA DE PETRÓLEO IPIRANGA

Leia mais

Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV

Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV Área Temática de Meio Ambiente Resumo

Leia mais

Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental

Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental Título do Trabalho: Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental Tema: Resíduos Sólidos Apresentador Edinilson Ferreira dos Santos Graduando em Gestão de Cidades,

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB 203 Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB Tarcísio Valério da Costa Universidade Federal da Paraíba/Pró

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

Desenvolvimento do Turismo no Vale do Rio dos Sinos: um levantamento sobre a contribuição das associações ligadas a atividade turística

Desenvolvimento do Turismo no Vale do Rio dos Sinos: um levantamento sobre a contribuição das associações ligadas a atividade turística 2927 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Desenvolvimento do Turismo no Vale do Rio dos Sinos: um levantamento sobre a contribuição das associações ligadas a atividade turística Bolsista de Iniciação

Leia mais

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008.

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008. DECRETO Nº 25974 de 15 de dezembro de 2008. Institui o GEOPARQUE CICLO DO OURO DE GUARULHOS e dá diretrizes para sua estruturação com o objetivo de implantação e forma de gestão. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Toda a imponência que seu negócio merece

Toda a imponência que seu negócio merece Toda a imponência que seu negócio merece A economia de Caxias do Sul desenvolveu-se a partir da cultura da uva, que para ser transformada em vinho necessitava ser processada na própria região, isso propiciou

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL Taís Natália Cruz Pereira RESUMO: Este estudo realizado nos balneários da Barra do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS

PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS Odilon G. Amado Jr. Diretor Regional Sul Julho / 2011 Perfil do Setor de Tratamento de Resíduos 1 ABETRE Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos

Leia mais

A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho

A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho 1 A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho Autor: Roberto do Nascimento e Silva.* Universidade de Caxias do Sul - Aluno

Leia mais

FÓRUM LIXO&CIDADANIA: extemporâneo face a PNRS?

FÓRUM LIXO&CIDADANIA: extemporâneo face a PNRS? ---------------------------------------- FÓRUM LIXO&CIDADANIA: extemporâneo face a PNRS? Emília Wanda Rutkowski a motivação inicial Diário de Pernambuco, 16.04.1994. 1998 PARCEIROS [17] * ABES - Associação

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS EM GARANHUNS, PERNAMBUCO: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA

RESÍDUOS SÓLIDOS EM GARANHUNS, PERNAMBUCO: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA RESÍDUOS SÓLIDOS EM GARANHUNS, PERNAMBUCO: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Arcoverde, G.C.L; (1) Araújo, M.S.L.C. (1) janecardozo2008@hotmail.com (1) Faculdade de Ciências, Educação e Tecnologia de Garanhuns,

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO Josanídia Santana Lima (1) Bióloga, Profa. Adjunto do Instituto de Biologia da

Leia mais

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) do Hospital das Clínicas da FMUSP Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Responsável pelo trabalho: Vânia Rodrigues

Leia mais

Prefeitura de Mogi Guaçu PROGRAMA MUNICIPAL DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS

Prefeitura de Mogi Guaçu PROGRAMA MUNICIPAL DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS Objetivo Geral: Oferecer metodologias adequadas para gestão de resíduos da construção civil, demolição e volumosos, originados de atividades diversas no município de Mogi Guaçu. Objetivos Específicos:

Leia mais

PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA

PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA AUTOR E APRESENTADOR: Cristina Garvil Diretora da Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba SAE Arquiteta, Mestranda em Engenharia de Produção com Ênfase em Gestão da Inovação

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES Gustavo Luiz Araújo Souto BATISTA 1, Gustavo Fontes de SOUSA 1, Aristóteles Santos LIRA 1, Felipe Fernandes Duarte de Oliveira LIMA

Leia mais

Eixo: LOGISTICA REVERSA

Eixo: LOGISTICA REVERSA PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS LEI 11.445/2007 Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Legislação Conceitos Atores Mobilização Social Reavaliação Prazos 1 LEGISLAÇÃO Constituição Federal Art. 23 É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos 2.14 DEMANDA TURÍSTICA ATUAL E POTENCIAL Neste capítulo foi analisada e avaliada a demanda turística da Área de Planejamento do Pólo Capixaba do Verde e das Águas, considerando-se a caracterização do perfil

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/09/2015 de 19/10/2015.

Leia mais