Sistema Operacional Linux Curso Básico. Leonardo Brenner Paulo Fernandes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Operacional Linux Curso Básico. Leonardo Brenner Paulo Fernandes"

Transcrição

1 Sistema Operacional Linux Curso Básico Leonardo Brenner Paulo Fernandes

2 i Sumário 1 Apresentação e Conceitos Histórico Sistema de Arquivos Instalação e Inicialização Como Instalar Inicializando o Sistema Shell Básico Conceitos Capacidades e Funcionalidades Comandos Básicos do Usuário ls cp mv rm man Compactar e Descompactar Pipe e Filtros Funções com Diretórios Gerenciamento de Usuários e Permissões Adicionar e Remover Usuários Mudar Permissões e Atributos de Arquivos Conceitos Avançados Gerenciamento de Pacotes Gerenciamento de Dispositivos Funções de Rede Sistema X Windows Conceitos Interfaces (GNOME e KDE) Inicialização e Configurações Elementares

3 8 Principais Aplicativos Gráficos Navegadores Suites

4 Capítulo 1 Apresentação e Conceitos O que é Linux? Por que usá-lo? Quais as vantagens que ele tem? Vamos com calma, o Linux é o sistema operacional baseado em Unix, desenvolvido para rodar sobre computadores PC AT e compatíveis. Linux é um sistema livre e aberto, ou seja, você não precisa pagar por ele e ainda tem os fontes acessíveis para que qualquer usuário possa olhá-los e/ou modificá-los. As vantagens são várias, o Linux é um sistema operacional sólido, não fica dando erro a toda hora, você pode atualizar o sistema quando quiser sem pagar nada por isso, é menos sucetível a vírus e várias outras vantagens que você só vai perceber usando. Mas ele não tem desvantagens? Claro que tem, ainda não muitos desenvolvedores para Linux, então tecnologias novas, produtos muitos recentes demoram pouco para serem reconhecidos pelo Linux, mas isso está mudando a medida que cada vez mais usuários estão aderindo ao sistema e precionando as empresas a lançarem drivers para Linux como hoje é feito para Windows. 1.1 Histórico O Linux surgiu oficialmente em 05 de outubro de 1991, quando um estudante de Ciência da Computação da Universidade de Helsinque, na Finlândia anunciou que havia conseguido implementar o kernel (núcleo) do sistema e rodado algumas funções básicas existente nos sistemas Unix. Esse jovem estudante chamava-se Linus Torvalds e tinha apenas 21 anos na época. Linus colocou em prática um desejo que muitos usuários tinham, ou seja, uma alternativa sólida e barata ao Microsoft Windows, claro que já havia outras opções de sistemas, como Unix, Xenix e mesmo o Minix (um pequeno Unix desenvolvido por Andy Tannenbaum), mas quase todos tinham custos inacessíveis para usuários comuns e/ou nenhum deles implementava tudo o que os usuários precivasam. Em outubro de 1991, Linus colocou então na internet a versão 0.02 do Linux colocando a seguinte mensagem: Você suspira por melhores dias do Minix 1.1, quando homens serão homens e escreverão seus próprios device drivers? Você está sem um bom projeto e está morrendo

5 1.2. SISTEMA DE ARQUIVOS 2 de vontade de colocar as mãos em um S.O. no qual você possa modificar de acordo com suas necessidades? Você está achando frustrante quando algo não funciona em Minix? Chega de atravessar noites para obter programas que trabalhem correto? Então esta mensagem pode ser exatamente para você? Como eu mencionei a um mês atrás, estou trabalhando em uma versão independente de um S.O. similar ao Minix para computadores AT-386. Ele está, finalmente, próximo ao estágio em que poderá ser utilizado (embora possa não ser o que você esteja esperando), e eu estou disposto a colocar os fontes para ampla distribuição. Ele está na versão , contudo, eu tive sucesso rodando bash, gcc, gnu-make, gnu-sed, compress, etc. nele. O que a maioria julgava que seria a derrota do Linux, a livre distribuição dos códigos fontes, foi o que mais impulsionou o sistema. Vários usuários ao redor do mundo contribuiram e continuam a contribuir para tornar o Linux cada vez melhor, e tudo isso sem pedir nada em troca. O Linux é mais do que um sistema operacional, é uma nova filosofia de desenvolvimento e distribuição de software voltado para o usuário e não para a empresa que o produz. 1.2 Sistema de Arquivos O Linux trabalha com um sistema de arquivos o qual foi baseado em Unix e é um pouco diferente do sistema de arquivos do Windows ou mesmo do antigo DOS, por isso não fique deserperado se você não encontrar seu driver de disquete a primeira vista, ele está lá, é só procurar no lugar certo. O Linux usa a idéia de diretório, não existe C:, A: ou qualquer outra letra qualquer para nomear um driver, cada um destes dispositivos é montado então como um diretório, por exemplo, o driver de disquete é comumente montado no diretório /mnt/floppy, ou seja, se você copiar um arquivo para o diretório /mnt/floppy, na verdade você estará copiando um arquivo para o disquete. Isso pode ser feito também para os drivers de CD- ROM (normalmente no diretório /mnt/cdrom, e mesmo para um outro HD que você deseja instalar. Mais adiante é explicado como montar cada driver.

6 Capítulo 2 Instalação e Inicialização Ao contrário das primeiras distribuições do sistema Linux, as distribuições mais recentes do sistema estão bem mais amigáveis ao usuário leigo. Muitas delas já trazem um assistente que dá suporte a todo o processo de instalação. Nas seções que seguem são dados os primeiros passos no Linux, ou seja, a instalação e a inicialização do sistema. 2.1 Como Instalar Uma das principais dificuldades de quem precisava aprender Linux era a instalação, precisava-se conhecer detalhes da máquina que muitas vezes não estavam disponíveis, nas versões mais recentes isso já não é tão necessário, pois muitas distribuições já detectam as configurações da máquina automaticamente. Mas vamos com calma, não vá tentar instalar a última distribuição no XT que estava esquecido no porão. As primeiras versões do Linux rodavam tranquilamente em máquina pouco poderosas, as últimas já precisam de máquinas melhores para ter um bom desempenho. Porém, para uma instalação mínima um processador 386, 300 a 450 Mb de espaço em disco e 16 Mb de memória RAM já servem, porém é necessário lembram que há várias distribuições de Linux e esses dados podem váriar um pouco. Vamos agora ao que interessa. Os passo necessários para a instalação do Linux 1 inicializar o sistema pelo CD-ROM escolher o modo de instalação, o padrão é o modo gráfico e é só teclar <ENTER> escolher o idioma em que se seguirá a instalação escolher o modelo e layout do teclado, caso você não saiba no momento, isso não vai afetar o funcionamento do sistema e poderá ser trocado a qualquer momento escolher o modelo do mouse, caso não saiba use o genérico 1 Vamos citar o caso da distribuição RedHat 7.2, mas a maioria das distribuições recentes seguem os mesmos princípios.

7 2.2. INICIALIZANDO O SISTEMA 4 escolher o tipo de instalação, de preferência a workstation fazer o particionamento da unidade de disco esperar a cópia dos arquivos necessários caso tem uma placa de rede, configurar os dados ou ativar o DHCP escolher o monitor, normalmente é detectado automaticamente escolher a placa de vídeo, normalmente também detectada automaticamente informar a senha do administrador informar qual o sistema de inicialização, o padrão é o LILO espere o Linux terminar a instalação e reinicialize o sistema Outros passos podem ser solicitados conforme as escolhas nos passos anteriores, mas na grande maioria dos casos não influenciam no resultado final da instalação. 2.2 Inicializando o Sistema Por ser um sistema multi-usuário o primeiro passo no Linux é fazer um login no sistema para ter acesso a sua conta. Para isso deve-se iniciar uma seção informando o nome de usuário (username) e a senha. Você só vai conseguir se logar no sistema caso seja um usuário cadastrado, não adianta informar qualquer nome e senha que o sistema não aceita. Se você não sabe seu username e senha peça para o administrador. Existe dois tipos principais de usuários, os usuários comuns e o administrador. Quando você entre com usuário comum, você só precisa informar seu username e sua senha para efetuar o login. A sua linha de comando será identificada por $. Caso você entre como administrador do sistema, no username deve ser informado root e em seguida a senha do administrador (aquela cadastrada na instalação) e a linha de comando será identificada por #. Depois de se logar no sistema, você está apto a utilizar todos os recursos disponibilizados para você, assim como, ter acesso aos seus dados particulares. Para sair do sistema dois comando podem ser usados: logout ou exit, os dois abandonam a seção em que estão e ficam esperando o login de um novo usuário. Caso você queria desligar a máquina, deve-se digitar poweroff ou mesmo halt, os dois param o sistema, porém o administrador pode não liberar esses comandos para o usuário comum, ficando sob responsabilidade exclusivamente dele desligar ou reinicializar o sistema.

8 Capítulo 3 Shell Básico 3.1 Conceitos O shell é o interpretador de comandos padrão para o sistema Linux, quando este está operando em modo textual. O shell nada mais é do que uma interface onde o usuário digita os comandos que deseja executar, encarregando o shell de fazer as chamadas ao núcleo do sistema, poupando o usuário de ter que lembrar um conjunto de chamadas ao núcleo, precisando apenas lembrar o nome do comando. O Linux possui várias opções de shell, cada uma com características diferenciadas, mas todas implementam as funções mais comuns. O shell padrão para o Linux é o Bourne Again Shell, mais conhecido como bash. É importante ressaltar que todos os shells diferem letras maiúsculas e minúsculas, ou seja, caso o nome do comando esteja em minúsculo, não irá funcionar se você digitar em letras maiúsculas. Combinações entre maiúsculas, minúsculas e outros caracteres são aceitos como nomes de arquivos. 3.2 Capacidades e Funcionalidades O shell possui vários recursos interessantes, um dos mais usados é a finalização de comandos. Atráves da tecla <TAB> o shell finaliza o comando iniciado pelo usuário. Este é um recurso bastante útil para comando longos e principalmente quando há mais de um comando que inicie com as mesma letras, o shell exibe todas as opções de comandos disponíveis iniciadas por aquela seqüência, facilitando principalmente se o usuário não sabe todo o comando, mas tem alguma idéia e pode procurar por tentativas. Esta mesma funcionalidadeestá disponível para os nomes de arquivos que são passados como parâmetros de comandos. Digita-se o início do nome do arquivo e preciona-se <TAB>. Outra funcionalidades bastante usada no shell são os scripts. Os scripts são uma seqüência de comandos armazenados em um arquivo textual com permissão de execução. O shell lê esse arquivo e executa o conjunto de comandos descrito nele. Essa funcionalidade é muito usada para grande seqüências de comandos que precisam ser repetidas várias vezes. No Windows esse tipo de script é conhecido com arquivo de lote (batch) e

9 3.2. CAPACIDADES E FUNCIONALIDADES 6 normalmente tem a extensão bat. O arquivo com o script pode ser editado em qualquer editor de texto, como o vi por exemplo, o único porém é que deve-se cuidar para que o arquivo tenha permissão de execução, isso é feito com o comando chmod, que veremos mais adiante.

10 Capítulo 4 Comandos Básicos do Usuário Os comandos básicos compreendem um conjunto de instruções mais usadas no dia-a-dia de um usuário comum. Nas seções abaixo será apresentado cada um destes comandos, seu equivalente em DOS e os parâmetros necessários a cada um. 4.1 ls Lista os arquivos de um diretório. Comando Linux Comando DOS ls [parâmetros] [arquivos] dir Parâmetros Usuais -a lista todos os arquivos, incluindo arquivos ocultos; -l lista arquivos e suas propriedades (permissões, dono, tamanho e data), pode ser substituído pelo comando ll; -s lista arquivos por ordem alfabética; -S lista arquivos por ordem de tamanho, do maior para o menor; -t lista arquivos por ordem modificação, dos mais recentes para os mais antigos; -X lista arquivos por ordem alfabética da extensão. Vários parâmetros podem ser usados em conjunto, por exemplo, ls -sl. Para procurar por um arquivo específico ou ver o conteúdo de um diretório, usa-se o nome do arquivo ou diretório após os parâmetros espeficicados.

11 4.2. CP cp Copia arquivos Comando Linux Comando DOS cp [parâmetros] fonte destino copy Parâmetros Usuais -R copia diretórios recursivamente; -i modo interativo, pede confirmação antes de sobrescrever arquivos; -f não pede confirmação para sobrescrever. Fonte reference aos arquivos fontes, de onde vão ser copiados os dados e destino, para onde vão ser copiados. O destino pode ser tanto um diretório diferente, como apenas um nome diferente para o arquivo no mesmo diretório. 4.3 mv O comando mv move um ou mais arquivos de lugar. Comando Linux Comando DOS mv [parâmetros] fonte destino move Parâmetros Usuais -i modo interativo, pede confirmação antes de sobrescrever arquivos. O comando mv funciona da mesma maneira que o comanda cp. O comando mv também é usado para renomear arquivos ou diretórios, isso acontece quando se move um arquivo ou diretório para o mesmo lugar onde se encontra, apenas com nomes diferentes. 4.4 rm Remove um ou mais arquivos. Comando Linux Comando DOS rm [parâmetros] arquivos del

12 4.5. MAN 9 Parâmetros Usuais -i modo interativo, pede confirmação antes de apagar o arquivo; -r apaga diretórios recursivamente; -f nunca pede confirmação. 4.5 man Um dos comandos mais úteis encontrados no linux, o comando man exibe os manuais de cada comando. Comando Linux man comando Comando reference ao comando do qual se busca alguma ajuda. 4.6 Compactar e Descompactar O sistema Linux oferece ao usuário vários processos de compactação e descompactação. Veja os mais comuns. Comando Linux gzip [parâmetros] fonte [>] [destino] Parâmetros Usuais -d descompacta os arquivos contidos em fonte; -c compacta os arquivos especificados em fonte e os coloca em destino, para compactar é necessário o uso do sinal > entre os arquivos fontes e destino; Comando Linux tar [parâmetros] [destino] fonte Parâmetros Usuais -f especifica o nome do arquivo destino, no caso de compactação, ou fonte, no caso de descompactação; -x descompacta os arquivos contidos em fonte; -v verifica a existência de erros; -c compacta os arquivos especificados em fonte e os coloca em destino; -z utiliza em conjunto o processo de compactação gzip. O compactador tar é um dos mais usados em conjunto com o gzip. Para descompactar arquivos com extensão zip, padrão em Windows, utiliza-se os comando unzip nome do arquivo.

13 4.7. PIPE E FILTROS Pipe e Filtros As funções de pipe e filtros são usadas para combinar comandos. Comando Linux para Pipe comando comando Comando DOS O comando pipe, representado por coloca o resultado gerado pelo primeiro comando como entrada para o segundo. Comando Linux para Filtro grep expressão O comando grep é usado para filtrar uma entrada procurando por linhas que contenham as expressões solicitadas no comando. O comando grep é comumente usado em conjunto com outros comandos, principalmente o comando pipe. 4.8 Funções com Diretórios As funções exclusivas para diretórios são basicamente três: criação, remoção e mudança de diretório. Comando Linux para Criação de Diretório mkdir diretório Comando DOS md Comando Linux para Remoção de Diretório rmdir diretório Comando DOS rd Comando Linux para Mundança de Diretório cd diretório Comando DOS cd Os comandos de diretório são bastante simples de serem usados, não necessitando de maiores parâmetros além do nome do diretório.

14 Capítulo 5 Gerenciamento de Usuários e Permissões As funções de gerenciamento das contas dos usuários do sistema são normalmente de uso exclusivo do administrador, no entanto, este pode extender essas funções para outros usuários. Por outro lado, as funções que alteram as permissões e atributos de arquivos podem ser executados pelo próprio usuário. 5.1 Adicionar e Remover Usuários Comando para Criar Usuário useradd usuário É necessário também criar uma senha inicial para o usuário recém criado, para isso é usado o comando passwd, mostrado abaixo. Comando para Remover Usuário userdel usuário Parâmetros Usuais -r remove todos os dados e diretório do usuário. Caso o parâmetro não seja especificado apenas as permissões de acesso são retiradas do usuário, porém seus dados permanecem guardados. Comando para Troca ou Definição de Senha passwd [usuário] Caso esse comando seja executado pelo administrador, não é necessário informar a senha atual do usuário para que seja efetuada a mudança, porém é necessário informar o nome do usuário que se deseja fazer a mudança. Quando executado pelo próprio usuário, é necessário informar a senha atual para depois informar a nova.

15 5.2. MUDAR PERMISSÕES E ATRIBUTOS DE ARQUIVOS Mudar Permissões e Atributos de Arquivos No sistema Linux, cada arquivo possui um conjunto de atributos que define o dono do arquivo, a qual grupo pertence, e as permissões de leitura( ), escrita( ) e execução( ), para dono, o grupo e outros usuários. Comando para Trocar o Dono do Arquivo chown usuário arquivo Comando para Trocar o Grupo do Arquivo chgrp grupo arquivo Os comandos para trocar o dono e o grupo do arquivos são de uso do administrador, não sendo permitida a utilização pelo usuário comum. Comando para Trocar as Permissões do Arquivo chmod parâmetros arquivo Parâmetros Usuais r muda as permissões de leitura; w muda as permissões de escrita; x muda as permissões de execução; - remove as permissões; + adiciona as permissões. e devem ser usados em conjuntos com os parâmetros + e -, por exemplo, chmod -x *, ou seja, remove a permissão de execução de todos os arquivos do diretório. Outra maneira de especificar as permissões é através de um conjunto de três número, os quais dizem as permissões e restrições para o usuário, o grupo e outros. Por exemplo, para ativar todas as permissões para o usuário e nenhuma para os usuários do seu grupo ou usuários em geral usa-se, chmod 700 *. Os parâmetros,

16 Capítulo 6 Conceitos Avançados Esta seção de Conceitos Avançados será limitada aos comandos mais simples e mais utilizados. Na sua maioria, esse comando são de uso do administrador do sistema e não são comumente usados pelos usuários comuns. 6.1 Gerenciamento de Pacotes A função de gerenciamento de pacotes 1 é feita no Linux pelo comando rpm. Os arquivos RPM contém um conjunto de arquivos e instruções de onde e como devem ser instalado cada arquivo necessário ao pacote. Comando para Gerenciamento de Pacotes rpm parâmetros pacote Parâmetros Usuais -i instala o programa contido em pacote; -e desinstala o programa especificado em pacote. 6.2 Gerenciamento de Dispositivos A parte de gerenciamento de dispositivos refere-se principalmente a questão de montar e desmontar unidades de disco, ativar e desativar funções de comunicação e outros. Abaixo estão as funções mais usadas. Comando para Montar Unidades de Disco mount dispositivo 1 O Linux trata como pacote, um conjunto de arquivos que compõe um determinado programa.

17 6.3. FUNÇÕES DE REDE 14 Unidades Padrão /mnt/floppy monta unidade de disquete em /mnt/floppy; /mnt/cdrom monta unidade de cd-rom em /mnt/cdrom. Comando para Desmontar Unidades de Disco As unidades padrão são as mesma do comando mount 6.3 Funções de Rede umount dispositivo O Linux prove um conjunto de funções para tratar as interfaces de rede e comunicação. Essas funções dividem-se em dois tipos, as funções para configurar as interfaces e as para testar seu funcionamento. Entre as funções de configuração, normalmente executadas pelo administrador estão: Comando para Ativar Interfaces ifup interface Interfaces Padrão eth0 interface de rede ethernet; lo interface interna. Comando para Desativar Interfaces ifdown interface As interfaces padrão são as mesma do comando ifup Para obter informações sobre qual o estado em que se encontra as interfaces usa-se o comando ifconfig. Algumas funções de redes são especialmente interessantes ao usuário comum, como por exemplo, testar a alcançabilidade de um ponto. As duas principais funções são as a seguir: Comando para Testar Alcance ping endereço Comando para Mostrar Conexões netstat Os dois comandos acima exibe informações de como se encontram as conexões de rede, por exemplo, tempo de transmição, pacotes perdidos e outros.

18 Capítulo 7 Sistema X Windows 7.1 Conceitos O sistema X (www.xfree.org) é a interface gráfica do sistema Linux. O Linux é basicamente um sistema textual que funciona atráves de linha de comando, entretanto um conjunto de programas e bibliotecas proporciona a execução de uma interface gráfica no sistema. O Linux pode por sua vez iniciar diretamente na interface gráfica ou em modo texto e após o próprio usuário carrega a interface gráfica atráves de linha de comando. 7.2 Interfaces (GNOME e KDE) Devido a interface gráfica ser um conjunto de programas e bibliotecas que rodam sobre a interface textual, existem várias interfaces diferentes que podem ser instaladas junto com o Linux, entretanto, apenas uma pode ser carregada de cada vez. As duas interfaces gráficas mais difundidas entre as distribuições Linux são Gnome (www.gnome.org) e KDE (www.kde.org). As duas interfaces funcionam de maneira bastante parecida entre si e também tem muito em comum com o Windows. Muitas das funções implementadas em Linux já tem sua versão gráfica, mas ainda há algumas que precisam ser rodado em ambiente textual, para isso apenas inicia-se uma janela textual dentro da própria interface gráfica, não sendo necessário voltar para a interface textual só para rodar um comando. 7.3 Inicialização e Configurações Elementares Caso a opção de inicialização do sistema for pela interface gráfica, nenhum comando a mais é necessário, o login do usuário já será feito no ambiente gráfico. Caso o sistema seja inicializado no seu modo textual, o usuário deverá, após o login no sitema, digitar o comando startx, para carregar a interface gráfica padrão. A trocar de um sistema X para outro, por exemplo, do KDE para o Gnome, é feito pelo aplicativo Desktop Switching Tool em Programs -> System -> Desktop Switching

19 7.3. INICIALIZAÇÃO E CONFIGURAÇÕES ELEMENTARES 16 Tool na interface Gnome e System -> Desktop Switching Tool na interface KDE. Esse aplicativo exibe as opções de interfaces gráficas instaladas no sistema, é só selecionar a opção desejada e reinicializar a interface gráfica para que a mudança tenha efeito.

20 Capítulo 8 Principais Aplicativos Gráficos Como já mencionado anteriormente, muitos aplicativos textuais já foram portados para o ambiente gráfico, e alguns funcionam exclusivamente em nesses ambientes. Os dois principais tipos de aplicativos para este ambiente são os navegadores de internet e as suites, muito comuns para edição de texto e cálculos. Logo a seguir é dada uma introdução ao uso desses dois aplicativos. 8.1 Navegadores Os dois principais navegadores para Linux são Netscape e Mozilla. Os dois navegadores são quase iguais, diferindo um pouco em funções mais avançadas. No entanto neste documento trataremos apenas do Mozilla por ser um pouco mais avançado. As funções de um navegador no Linux são as mesma que de um navegador em Windows ou qualquer outro sistema operacional, é necessário digitar apenas o endereço o qual se deseja acessar. Para configurar o deve-se primeiramente abrir a função de em Tasks -> mail dentro do próprio navegador. Para cadastrar uma nova conta segue os passos: Clicar em Edit Clicar em Mail/News Account Settings Clicar em New Account Selecionar ISP or provider e clicar em Next Escreve o nome e endereço de nos respectivos campos e clicar novamente em Next Selecionar a opção POP e digitar o endereço do servidor de Escreve o nome de usuário

21 8.2. SUITES 18 Escreve o nome da conta, como a conta será referenciada Finalizar a criação da conta Para altera o servidor de envio de mensagens deve-se seguir os passos abaixo: Clicar em Edit Clicar em Mail/News Account Settings Selecionar Outgoing Server(SMTP) no menu a esquerda Informar o endereço do servidor de SMTP e o nome do usuário Finalizar a alteração do endereço do servidor Com os passos acima o usuário está apto a recebe e enviar pelo Linux. 8.2 Suites Suites são um conjunto de softwares que compreende normalmente de um editor de textos, uma planilha de cálculo e um editor para apresentações. A suite mais conhecida para Windows é o Microsoft Office, porém além do Office não ter um código aberto, ele não funciona em Linux. Existem várias alternativas ao uso do Microsoft Office, uma das mais consolidadas é o StarOffice. O StarOffice é um conjunto de softwares desenvolvido pela empresa Sun Microsystems com versões tanto para Linux quanto Windows. Figura 8.1: Tela inicial do StarOffice Dentre os softwares que integram a suite StarOffice os mais usados estão mostrados abaixo.

22 8.2. SUITES 19 StarWriter StarWriter é um software de edição de documentos e páginas HTML, funciona de maneira semelhante ao Microsoft Word, e consegue tanto abrir como salvar documento para esse software. Figura 8.2: Tela do StarWriter StarCalc StarCalc é o software de planilha de cálculo da suite StarOffice, da mesma maneira que o StarWriter, o StarCalc é semelhante ao Microsoft Excel, podem também abrir e salvar arquivo para este. Figura 8.3: Tela do StarCalc

23 8.2. SUITES 20 StarImpress StarImpress é o software utilizado para criar e exibir apresentações, pode abrir e salvar arquivo para o Microsoft PowerPoint e já tem vários modelos pré-definidos. Figura 8.4: Tela do StarImpress

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

OpenOffice.org 1.1. Guia de Instalação. Junho 2003, Revisão A

OpenOffice.org 1.1. Guia de Instalação. Junho 2003, Revisão A OpenOffice.org 1.1 Guia de Instalação Junho 2003, Revisão A Public Documentation License O conteúdo deste documento está licenciado sob a licença Public Documentation License, Versão 1.0. Você somente

Leia mais

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS Objetivo da unidade Objetivo Geral Apontar as noções básicas do Windows Praticar o aprendizado sobre o Sistema Operacional Objetivos Específicos Entender como

Leia mais

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo.

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. (n=1 a 6) Alterna para o terminal (1 a 6).

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br Virtual Box Guia De Instalação E Utilização 1 Sumário Instalação do Linux Ubuntu através de um gerenciador de Máquinas Virtuais 1.1 Introdução, 3 1.2 Instalação do Virtual Box, 3 1.3 Configuração do Virtual

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Sistema Operacional GNU/Linux

Sistema Operacional GNU/Linux Sistema Operacional GNU/Linux Histórico: 1969 Bell Labs anuncia a primeira versão do Unix 1983 Criação do Projeto GNU 1987 Andrew Tenenbaum anuncia o Minux, versão do Unix para Desktops 1990 Microsoft

Leia mais

LABORATÓRIO UNIDADES 1 REVISÃO LINUX E COMANDOS BÁSICOS ABRINDO A MÁQUINA VIRTUAL UBUNTU SERVER 14.04.1 PELO VIRTUALBOX

LABORATÓRIO UNIDADES 1 REVISÃO LINUX E COMANDOS BÁSICOS ABRINDO A MÁQUINA VIRTUAL UBUNTU SERVER 14.04.1 PELO VIRTUALBOX LABORATÓRIO UNIDADES 1 REVISÃO LINUX E COMANDOS BÁSICOS ABRINDO A MÁQUINA VIRTUAL UBUNTU SERVER 14.04.1 PELO VIRTUALBOX Procure no MENU INICIAR PROGRAMAS o ícone do VirtualBox e execute-o. Em seguida clique

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0

Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 2007 Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 Por: Rafael Nink de Carvalho Web site: 2 Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 Por: Rafael Nink de Carvalho Machadinho D Oeste RO Agosto 2007

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central.

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central. APRESENTAÇÃO O presente documento Aplicativos de E-mail / Webmail Nível Básico Perguntas e Respostas tem como principal objetivo disponibilizar aos servidores das Escolas Estaduais do Estado de Minas Gerais

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO APLICATIVO CADASTRAMENTO ÚNICO ENTRADA E MANUTENÇÃO DE DADOS VERSÃO 6.0.3

MANUAL DE INSTALAÇÃO APLICATIVO CADASTRAMENTO ÚNICO ENTRADA E MANUTENÇÃO DE DADOS VERSÃO 6.0.3 MANUAL DE INSTALAÇÃO APLICATIVO CADASTRAMENTO ÚNICO ENTRADA E MANUTENÇÃO DE DADOS VERSÃO 6.0.3 Manual de Instalação da V. 6.0.3 1. Apresentação...3 2. Conceitos...4 2.1. Rede...4 2.2. Servidor...4 2.3.

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Lync Acessando o Lync Web App

Lync Acessando o Lync Web App Lync Acessando o Lync Web App Saiba como ingressar em uma reunião, quais são os recursos disponíveis, as configurações e conheça o layout do Lync Web App. Sumário Lync Web App... 1 Ingressar em uma Reunião

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo. Comandos LINUX. principais vi ifconfig.

Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo. Comandos LINUX. principais vi ifconfig. Comandos LINUX Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo Comandos LINUX principais vi ifconfig Comando Descrição Exemplo cd Muda o diretório corrente cd

Leia mais

Manual de Instalação SNEP 1.3.12 Asterisk 1.4.44

Manual de Instalação SNEP 1.3.12 Asterisk 1.4.44 Manual de Instalação SNEP 1.3.12 Asterisk 1.4.44 2015 Autoria: Flávio Henrique Somensi Colaboradores: Jean Carlos Coelho, Kauê Santos, Urik Barbosa da Silva, Eduardo Sotero por OpenS Tecnologia LTDA. Rua

Leia mais

Simulado Informática Concurso Correios - IDEAL INFO

Simulado Informática Concurso Correios - IDEAL INFO Simulado Informática Concurso Correios - IDEAL INFO Esta prova de informática é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha seguindo o molde adotado pela UnB/CESPE. O tempo para a realização deste

Leia mais

Problemas básicos nos. Serviços Gladius MP

Problemas básicos nos. Serviços Gladius MP Problemas básicos nos Serviços Gladius MP I. Quando um funcionário não consegue marcar ponto a) Problemas de Nível Operacional b) Um ponto de ajuda c) Identificando em que fase o problema está d) Problemas

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

SISTEMAS OPERATIVOS I

SISTEMAS OPERATIVOS I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Informática SISTEMAS OPERATIVOS I Introdução ao Unix baseado no livro UNIX For Application Developers William A. Parrete Abril de 2002

Leia mais

Guia do Usuário. idocs Content Server v.2.0-1 -

Guia do Usuário. idocs Content Server v.2.0-1 - Guia do Usuário idocs Content Server v.2.0-1 - 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 4 Inicializando a aplicação... 6 Ambiente... 7 Alterando o ambiente... 8 Senhas... 10 Alterando senhas... 10 Elementos

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Atualizações de Software Guia do Usuário

Atualizações de Software Guia do Usuário Atualizações de Software Guia do Usuário Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. Aviso sobre o produto

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

Jackson Barbosa de Azevedo

Jackson Barbosa de Azevedo <jacksonbazevedo@hotmail.com> Autor: Jackson Barbosa de Azevedo Revisores: Aecio Pires 1 Conteúdo Sobre o OpenSUSE... 3 Procedimento de Instalação... 3 Preparando a Instalação do

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios. Visão geral

Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios. Visão geral Instalação do software e de opções da Série Polycom RealPresence Group e acessórios Visão geral Quando você atualiza o software Polycom ou adquire opções adicionais do sistema, sua organização pode continuar

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. As informações

Leia mais

Preparação: Verifique se a máquina virtual já está copiada em sua máquina Execute o VMWare Acesse o Linux com o usuário asa e senha aslinux12

Preparação: Verifique se a máquina virtual já está copiada em sua máquina Execute o VMWare Acesse o Linux com o usuário asa e senha aslinux12 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNC. E TEC. DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM TELEMÁTICA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS PROFESSOR: ANDERSON COSTA ASSUNTO: MÓDULOS, DISPOSITIVOS DE

Leia mais

NAPNE / SIEP. Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS

NAPNE / SIEP. Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS NAPNE / SIEP Softwares Educativos MANUAL GCOMPRIS Janeiro de 2009 1 ÍNDICE Introdução 3 Requisitos básicos 3 Instalação 3 Interface do usuário 4 Janela principal 4 Administração de GCompris 5 Seleção de

Leia mais

Noções de Informática

Noções de Informática Noções de Informática Caderno 2 CONTEÚDO MS-Excel 2010: estrutura básica das planilhas, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com Microsoft Windows 1 Professor Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net Email: mirandathiago@gmail.com Conceitos básicos de SO O que é um sistema operacional? É um programa ou conjunto de programas

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0)

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0) Parte:Manual Atualização: OriginalPágina 1 Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária () Instalação Se houver alguma versão do FireBird Instalada na máquina desinstale antes de

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Revisão: Seg, 21 de Março de 2011 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4 1.1. Pré Requisitos...4 1.2. Na Prática...4 1.2.1. Download...4

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Criado por: Flavio Henrique Somensi flavio@opens.com.br Revisão: qui, 25 de abril de 2013 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4

Leia mais

Índice. Índice... 1. Apresentando o Nextsite... 3. Recursos... 4. Recursos Opcionais... 6. Componentes externos... 7. Gerenciando sua conta...

Índice. Índice... 1. Apresentando o Nextsite... 3. Recursos... 4. Recursos Opcionais... 6. Componentes externos... 7. Gerenciando sua conta... Índice Índice... 1 Apresentando o Nextsite... 3 Recursos... 4 Recursos Opcionais... 6 Componentes externos... 7 Gerenciando sua conta... 8 Visualização Geral... 9 Central de mensagens... 12 Minha conta...

Leia mais

Instruções de operação Guia de segurança

Instruções de operação Guia de segurança Instruções de operação Guia de segurança Para um uso seguro e correto, certifique-se de ler as Informações de segurança em 'Leia isto primeiro' antes de usar o equipamento. CONTEÚDO 1. Instruções iniciais

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações

Leia mais

HSC MailInspector Guia de Instalação da Versão 3.2

HSC MailInspector Guia de Instalação da Versão 3.2 HSC MailInspector Guia de Instalação da Versão 3.2 Dezembro 2013 Aviso Legal Copyright 2013. HSC Brasil. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento poderá ser reproduzida, no todo ou em

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Manual do Usuário. Windows 7/Vista/XP. iotablet Driver

Manual do Usuário. Windows 7/Vista/XP. iotablet Driver Manual do Usuário Windows 7/Vista/XP iotablet Driver I. Informações Gerais 2 1. Aspectos Gerais 2 2. Função da Mesa digitalizadora 2 3. Requisitos do Sistema 2 4. Instalação do Driver 3 5. Instalação do

Leia mais

Manual comandos Básicos para instalar e desinstalar Firebird em Sistema operacional Linux

Manual comandos Básicos para instalar e desinstalar Firebird em Sistema operacional Linux Manual comandos Básicos para instalar e desinstalar Firebird em Sistema operacional Linux Primeiramente certifique se que o Administrador de rede tem o Samba configurado no Linux,e se já não existe um

Leia mais

Instalando e Configurando o Ubuntu Desktop e suas Edições

Instalando e Configurando o Ubuntu Desktop e suas Edições Instalando e Configurando o Ubuntu Desktop e suas Edições Instalar o Ubuntu Desktop v14.04 Dual Boot Windows 7 Módulo - VI versão: 1.3-29/05/2014 Professor do Curso de GNU/Linux Ubuntu Desktop Prof. Robson

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

Software Planejamento Tributário

Software Planejamento Tributário Software Planejamento Tributário Bem vindo ao segundo manual de instalação do software de Planejamento Tributário, este irá lhe mostrar os passos para o término da instalação e configuração do software

Leia mais

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Informática Aula 03 Sistema Operacional Linux Objetivos Entender

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

http://introcomp.pet.inf.ufes.br

http://introcomp.pet.inf.ufes.br O SITE http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br O MOODLE http://introcomp.pet.inf.ufes.br/moodle http://introcomp.pet.inf.ufes.br/moodle

Leia mais

Guia Rápido de Instalação e Uso

Guia Rápido de Instalação e Uso Guia Rápido de Instalação e Uso Copyright 2004 Equipe Conectiva Copyright 2004 - Conectiva S.A. Linux é uma marca registrada e concedida por Linus Torvalds, seu criador e cedente. Windows é uma marca registrada

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br INFORMÁTICA AULA 11

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br INFORMÁTICA AULA 11 INFORMÁTICA AULA 11 INTERNET (CONTINUAÇÃO) Outlook EXPRESS A janela principal do Outlook Express pode ser divida basicamente em: Área de Comando (superior) - Contém a barra de botões e a barra de menus.

Leia mais

Paragon NTFS para Mac OS X

Paragon NTFS para Mac OS X PARAGON Software GmbH Heinrich-von-Stephan-Str. 5c 79100 Freiburg, Germany Tel. +49 (0) 761 59018201 Fax +49 (0) 761 59018130 Internet www.paragon-software.com E-mail sales@paragon-software.com Paragon

Leia mais

Linux Desktop. Tulio Marcus Ribeiro Calixto Técnico em Informática. Centro de Informática de Ribeirão Preto CIRP - USP

Linux Desktop. Tulio Marcus Ribeiro Calixto Técnico em Informática. Centro de Informática de Ribeirão Preto CIRP - USP Tulio Marcus Ribeiro Calixto Técnico em Informática Introdução: Sistema Operacional é um conjunto de softwares (programa de computador) que interage diretamente com o hardware (parte física do computador)

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Manual do Usuário Publicador

Manual do Usuário Publicador Manual do Usuário Publicador Portal STN SERPRO Superintendência de Desenvolvimento SUPDE Setor de Desenvolvimento de Sítios e Portais DEDS2 Versão 1.1 Fevereiro 2014 Sumário Sobre o Manual... 3 Objetivo...

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS 1) Clique duas vezes no arquivo ControlGasSetup.exe. Será exibida a tela de boas vindas do instalador: 2) Clique em avançar e aparecerá a tela a seguir: Manual de Instalação

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 6-21/09/2007 1 Ementa Conceitos Básicos de Computação (Hardware, Software e Internet) Softwares Aplicativos Tutorial: Word Tutorial:

Leia mais

TUTORIAL DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE PONTO CORPORATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA VERSÃO WINDOWS

TUTORIAL DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE PONTO CORPORATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA VERSÃO WINDOWS TUTORIAL DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE PONTO CORPORATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA VERSÃO WINDOWS Fortaleza - CE 1 HISTÓRICO DE MUDANÇAS Data de criação Descrição Responsável Revisão Aprovado

Leia mais

Manual de Usuário do sistema institucional Nuvem IFSP

Manual de Usuário do sistema institucional Nuvem IFSP Manual de Usuário do sistema institucional Nuvem IFSP Janeiro, 2015 Índice 1. Interface... 1 1.1 Tela inicial... 1 1.1.1 Fazendo login... 1 1.2 Tela principal... 2 1.2.1 Área de visualização... 2 1.2.2

Leia mais

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia LGTi Tecnologia Soluções Inteligentes Manual - Outlook Web App Siner Engenharia Sumário Acessando o Outlook Web App (Webmail)... 3 Email no Outlook Web App... 5 Criar uma nova mensagem... 6 Trabalhando

Leia mais

TUTORIAL DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE PONTO CORPORATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA

TUTORIAL DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE PONTO CORPORATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA TUTORIAL DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE PONTO CORPORATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA Fortaleza - CE 1 1 HISTÓRICO DE MUDANÇAS Data de criação Descrição Responsável Revisão Aprovado Versão 13/10/2015

Leia mais

Manual Carteiro Virtual

Manual Carteiro Virtual Manual Carteiro Virtual CONFIGURAÇÕES INICIAIS Introdução...3 Como acessar o Carteiro Virtual...4 Personalizando seus dados de acesso...6 LISTAS DE CONTATOS Criando Lista de Contatos...8 Inserindo contatos

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft O OneDrive é um serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft que oferece a opção de guardar até 7 GB de arquivos grátis na rede. Ou seja, o usuário pode

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Manual do software de e-mail pessoal Palm VersaMail

Manual do software de e-mail pessoal Palm VersaMail Manual do software de e-mail pessoal Palm VersaMail Copyright 2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti, HotSync, MultiMail, PalmModem e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais de Rede Linux. Prof. Michel Moron Munhoz michel.moron@aes.edu.br

Administração de Sistemas Operacionais de Rede Linux. Prof. Michel Moron Munhoz michel.moron@aes.edu.br Administração de Sistemas Operacionais de Rede Linux Prof. Michel Moron Munhoz michel.moron@aes.edu.br Conteúdo da disciplina (1 de 2) Visão Geral (multitarefa, mono-tarefa, memória virtual, ambiente gráfico

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.2. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.2. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.2 ExpressoMG 16/12/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME APRESENTAÇÃO Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE WORD 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha. Programador:

Leia mais

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado).

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Os disquetes Linux são úteis em diversas situações, tais como: Testes de um novo kernel; Recuperação

Leia mais

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP. Versão 1.2.0.1

Padrão ix. Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP. Versão 1.2.0.1 Padrão ix Q-Ware Cloud File Publisher Manual do Usuário QWCFP Versão 1.2.0.1 Copyright 2000-2014 Padrão ix Sistemas Abertos Ltda. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual estão

Leia mais

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows Abril de 2015 Inicialização rápida O Novell Filr permite que você acesse facilmente todos os seus arquivos e pastas do desktop,

Leia mais

Desenvolvido por: Rafael Botelho botelhotech@gmail.com http://rafaelbotelho.com

Desenvolvido por: Rafael Botelho botelhotech@gmail.com http://rafaelbotelho.com Desenvolvido por: Rafael Botelho botelhotech@gmail.com http://rafaelbotelho.com Guia de Instalação do BRlix Como tenho visto no fórum do BRlix que muitas pessoas estão encontrando dificuldades na instalação

Leia mais

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft.

O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. WINDOWS O WINDOWS 98 é um sistema operacional gráfico, multitarefa, produzido pela Microsoft. Área de Trabalho Ligada a máquina e concluída a etapa de inicialização, aparecerá uma tela, cujo plano de fundo

Leia mais

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Mac Abril de 2015 Inicialização rápida O Novell Filr permite que você acesse facilmente todos os seus arquivos e pastas do desktop, browser

Leia mais

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem 1 de 20 Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem Resolvi documentar uma solução que encontrei para fazer minhas cópias de segurança. Utilizo um software gratuito chamado Cobian Backup

Leia mais

FileMaker. Guia de instalação e novos recursos. do FileMaker Pro 15 e FileMaker Pro 15 Advanced

FileMaker. Guia de instalação e novos recursos. do FileMaker Pro 15 e FileMaker Pro 15 Advanced FileMaker Guia de instalação e novos recursos do FileMaker Pro 15 e FileMaker Pro 15 Advanced 2007-2016 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa P OW ERPOI NT 1 INTRODUÇÃO... 3 1. Iniciando o PowerPoint... 3 2. Assistente de AutoConteúdo... 4 3. Modelo... 5 4. Iniciar uma apresentação em branco... 6 5. Modo de Exibição... 6 6. Slide Mestre... 7

Leia mais

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 DESENVOLVEDOR JORGE ALDRUEI FUNARI ALVES 1 Sistema de ordem de serviço HMV Apresentação HMV/OS 4.0 O sistema HMV/OS foi desenvolvido por Comtrate

Leia mais

Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I.

Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I. Manual do Usuário ipedidos MILI S.A. - D.T.I. MILI S.A. - D.T.I. Índice 1 ACESSANDO O PORTAL IPEDIDOS... 3 1.1 Login...5 1.2 Tela Principal, Mensagens e Atendimento On-line...6 2 CADASTRAR... 10 2.1 Pedido...10

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Conteúdo Programático Login e Logout Iniciando e Desligando o Sistema Tipos de arquivo Texto Binário Arquivos e Diretório Manipulação de

Leia mais