EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO"

Transcrição

1 EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO MARIA CRISTINA MOLINA LADEIRA Diretora de Transportes da EPTC

2 CIDADE DE PORTO ALEGRE Informações Básicas População = Hab. Área = 496,8 Km² Renda Percapita Anual= R$ ,00 Frota veículos particulares= Setembro 2013

3 Montenegro RS 240 RS 122 Capela de Santana Portão RS 122 Ivoti Estância Velha BR 116 Dois Irmãos Campo Bom Sapiranga RS 239 Nova Hartz Sistema Viário Estrutural da RMPA Araricá Parobé S. Leopoldo N. Hamburgo Taquara Triunfo BR 386 N. Sta. Rita Esteio Canoas Sapucaia do Sul RS 118 Gravataí RS 020 Glorinha RS 030 BR 290 Sto. Antônio da Patru Cachoeirinha RS 401 São Jerônimo Charqueadas Alvorada Porto Alegre rroio dos Ratos BR 290 Eldorado do Sul Viamão Guaíba RS 118 RS 040 BR 116 Limites Municipais Rodovias Federais (BR) Rodovias Estaduais (RS) Vias Estruturais

4 SEDE ADMINISTRATIVA 5 POSTOS DE CONTROLE AVANÇADO 2 POSTOS DE CONTROLE ESPECIAIS 526 AGENTES DE TRÂNSITO E TRANSPORTE 60 VIATURAS ( PICK-UPS, VANS E AUTOMÓVEIS ) CENTRAL DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO 50 MOTOCICLISTAS 30 BATEDORES 20 CICLISTAS 55 TÉCNICOS DE TRÂNSITO E TRANSPORTE 120 INTEGRANTES DA EQUIPE DE SINALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO ELÉTRICA E GRÁFICA 50 MOTOCICLETAS. 20 BICICLETAS. 20 CAMINHÕES EQUIPADOS PARA IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL CALL CENTER (118/156) CENTRAL DE PASSAGEM ESCOLAR E ISENÇÕES COLABORADORES FROTA ATENDIMENTO

5 5

6 Rede de Transporte de Porto Alegre e Metropolitano Trem Metropolitano: 1 Linha c/ 33,8 km 236 viag./dia pass./dia Ônibus Metropolitanos: 561 linhas viag./dia pass/dia Ônibus Urbanos: 423 linhas viag./dia pass/dia Sistema de Lotação: 29 linhas viag./dia pass./dia Rede de Táxi: carros 362 hab./taxi

7 MODAL CICLOVIÁRIO Ipiranga (primeiro trecho) Ipanema Icaraí Diário de Notícias Restinga

8 BIKE POA BICICLETAS DE ALUGUEL (40) Estação 1: Largo Glenio Peres Estação 2: Praça da Alfândega Estação 11: Ginásio Tesourinha

9 MODAL HIDROVIÁRIO - REDE PROPOSTA

10 AEROMÓVEL

11 Rede Atual de Transporte Coletivo Trem Metropolitano: 1 linha c/ 33,8 km 236 viag./dia útil pass./dia útil Ônibus Metropolitanos: 561 Linhas viag./dia útil pass/dia útil Ônibus Urbanos: 423 linhas veículos Idade Média=4,3a viag./dia útil pass/dia útil (rede 931km) Sistema de Lotação: 56 linhas / 403 veículos viag./dia útil pass./dia útil Táxi: veíc.; 360 hab./taxi km/dia; 164 pontos fixos e 153 livre Escolar 618 veículos 868 escolas estudantes 11

12 CIDADE DE PORTO ALEGRE Vistoria Mecânica Inspeção em toda a frota pública (30 a 120 dias, de acordo com o ano de fabricação) Operação Ar Puro ( Verificação de opacidade nas Empresas e via pública) Operações esporádicas noturnas nas Garagens (Elevadores, catracas, portas, etc.) Setembro 2013

13 CIDADE DE PORTO ALEGRE Qualificação da frota de transporte público Legislação Gerenciamento do Sistema Vistoria Mecânica Dados Operacionais Itens de Conforto Atendimento da Rede Setembro 2013

14 Legislação CIDADE DE PORTO ALEGRE Atendimento integral as legislações vigentes (ABNT NBR Acessibilidade) (ABNT NBR Fabricação) (Resolução 316 CONTRAN - segurança) Setembro 2013

15 Legislação CIDADE DE PORTO ALEGRE Legislação Municipal Própria Resolução 04/2012; Solicitação de aquisição de frota Indicação de tipo e modelo de veículo proposto Apresentação de projeto interno do veículo Apresentação de projeto de pintura Termo de Autorização para aquisição Prazo de 180 dias para aquisição Inspeção de conformidade em 100% da frota Setembro 2013

16 CIDADE DE PORTO ALEGRE Dados Operacionais do Sistema Frota de Ônibus = 1705 Idade Média = 4,3 anos Motorização Euro V = 103 Combustível com Biodiesel: 5% Utilização do Diesel S10 Reprovação por opacidade: 7% Setembro 2013

17 CIDADE DE PORTO ALEGRE Dados Operacionais do Sistema N.º de Linhas: Total = 423 DU = 378 Viagens DU= Passageiro Transp. DU= Rodagem DU= Km. Corredores Exclusivos= 55 Km Setembro 2013

18 CIDADE DE PORTO ALEGRE Itens de Conforto Veíc. Acessíveis = 991 (58%) Veíc. com motor traseiro/central = 820 (48%) Veíc. Com câmbio automático = 440 (26%) Priorização na oferta de lugares sentados Altura máxima degrau = 37 cm Portas largas Assentos estofados Setembro 2013

19 CIDADE DE PORTO ALEGRE Atendimento de rede Distribuição de linhas convencionais (radiais, transversais, alimentadoras, interbairros) Utilização de linhas Rápidas e Diretas Sistema Seletivo Complementar 403 veículos tipo micro-ônibus; Somente passageiros sentados; Poltronas com padrão interno Rodoviário; Tarifa 1,5 x tarifa ônibus (R$ 4,20) Setembro 2013

20 CIDADE DE PORTO ALEGRE Atendimento de rede Frota de Táxi: 3920 veículos na frota operante 100% veículos 4 portas c/ ar condicionado; Veículos diferenciados para o aeroporto 67% utilizam combustível GNV; Vistoria mecânica em 100% da frota (30 a 180 dias, de acordo com o ano de fabricação) Setembro 2013

21 BACIAS OPERACIONAIS TIPOS DE SERVIÇOS E LINHAS INTEGRAÇÃO FÍSICAS E OPERACIONAIS COMUNICAÇÃO VISUAL E PADRONIZAÇÃO DA FROTA BACIA EMPRESA FROTA TOTAL PASSAGEIROS DIA ÚTIL PÚBLICA CARRIS 21,8% ,4% CONORTE UNIBUS STS NAVEGANTES NORTRAN SOPAL ESTORIL GAZÔMETRO PRES. VARGAS SENTINELA SUDESTE VAP BELÉM NOVO CAMBARÁ VTC TREVO RESTINGA TOTAL 25,5% ,2% 22,4% ,8% 30,3% ,6%

22 Integração Bilhetagem Eletrônica 2008: passageiros => 1% 2009: passageiros => 6% 2010: passageiros => 7% 2011: passageiros => 9% 2012: passageiros => 11,7 %

23 Norte - Conorte Sul - STS

24 Pública - Carris Leste - Unibus

25 CIDADE DE PORTO ALEGRE Contribuições relevantes para o sistema nacional Influência direta nos projetos dos veículos BRT s: (Designe externo, distribuição interna, aplicação de portas largas e duplas, aplicação de novas tecnologias embarcadas). Distribuição dos operadores em Consórcios; Sistema complementar regulamentado (Sistema Lotação) Inspeção de conformidade e vistoria em 100% da frota Setembro 2013

26

27

28

EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE

EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO PLANOS DE MOBILIDADE EM PORTO ALEGRE/RS SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIDADE E MOBILIDADE PORTO ALEGRE, NOVEMBRO DE 2012 EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

Leia mais

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas Ministério das Cidades Apresentação: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - PMPA Secretaria Municipal dos Transportes - SMT Empresa Pública de Transporte e Circulação

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO A Capital: capital = principal; sede do governo estadual; onde são tomadas as decisões de interesse do estado;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO CUSTOS VARIÁVEIS COMBUSTÍVEL Tipo de Veículo Motor Ar Câmbio Coef. Frota Custo km LEVE (micro) DIANTEIRO SEM SEM 0,3210 1 R$0,65 LEVE DIANTEIRO SEM SEM 0,3970 0 R$0,00 LEVE TRASEIRO COM COM 0,5025 12 R$12,15

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte

Leia mais

BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus

BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS

ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS 1 1. Estrutura Física / Equipamentos de Garagens e Pátios de Estacionamento 1.1. Especificação do Padrão das Garagens e Pátios de Estacionamento

Leia mais

3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha

3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha 3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha Henrique Futuro Assessor Agência Metropolitana de Transportes Urbanos Rio Setembro de 2011 Panorama Location: southeast of Brazil (57% of the GNP); Area: 43.910

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

Textos para Discussão FEE N 112

Textos para Discussão FEE N 112 ISSN 1984 5588 Textos para Discussão FEE N 112 Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser Caracterização da Região Metropolitana

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO VEICULAR

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO VEICULAR ANEXO VI VEICULAR Para a prestação do serviço de Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do, as operadoras deverão utilizar veículos adequados às especificações veiculares definidas neste Anexo.

Leia mais

EDITAL Nº 17/2011 EDITAL COMPLEMENTAR - PROGRAMA DE BENEFÍCIOS 2011/1

EDITAL Nº 17/2011 EDITAL COMPLEMENTAR - PROGRAMA DE BENEFÍCIOS 2011/1 EDITAL Nº 17/2011 EDITAL COMPLEMENTAR - PROGRAMA DE BENEFÍCIOS 2011/1 O Diretor-Geral do -, no uso de suas atribuições, conferidas pela Portaria nº 16/2009, torna público que estão abertas as inscrições

Leia mais

Sistema Integrado de Transporte e o Metrô de Porto Alegre Março de 2008

Sistema Integrado de Transporte e o Metrô de Porto Alegre Março de 2008 Sistema Integrado de Transporte e o Metrô de Porto Alegre Março de 2008 Estudo de Planejamento Estratégico de Integração do Transporte Público Coletivo da RMPA Plano Integrado de Transporte e Mobilidade

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA DE TRANSPORTE E TRANSITO DE JOÃO PESSOA STTRANS EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 001/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010/047142 ANEXO IV DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DE 5 MUNICÍPIOS

PESQUISA-AÇÃO CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DE 5 MUNICÍPIOS PESQUISA-AÇÃO CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DE 5 MUNICÍPIOS O Projeto Um Plano Articulado para Cultura e Educação pretende colaborar para a formulação de um sistema educacional articulado entre as experiências

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Bem-vindo à Trensurb.

Bem-vindo à Trensurb. Bem-vindo à Trensurb. Este guia foi desenvolvido para orientar você sobre os destinos, horários e serviços disponibilizados pela empresa. Informe-se, saiba como utilizá-los e boa viagem. ESQUEMA DA LINHA...

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios 1 Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios Alexandre da Silva Medeiros UFRGS Juan Mario Fandiño Marino UFRGS Pedro Vargas Fernandes

Leia mais

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA)

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA) 1 INTRODUÇÃO Este relatório consolida os principais resultados obtidos com a pesquisa sobre acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasileiras pesquisa Renavam, efetuada como parte integrante do

Leia mais

Mobilidade Caminhos para o Futuro

Mobilidade Caminhos para o Futuro EVENTO DIÁLOGOS CAPITAIS: METRÓPOLES BRASILEIRAS O FUTURO PLANEJADO Mobilidade Caminhos para o Futuro Ricardo Young PPS Vereador Município de SP ricardoyoungvereador http://www.ricardoyoung.com.br/ 21/JULHO/2014

Leia mais

Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna.

Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna. OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna. Módulo III - A

Leia mais

CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013

CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013 CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013 ANEXO 01 DETALHAMENTO DO OBJETO, DO SISTEMA E DAS CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO 01 1 DETALHAMENTO DO OBJETO 1. O OBJETO da PERMISSÃO compreende os serviços

Leia mais

NUMERO N 1 INTRODUCAO

NUMERO N 1 INTRODUCAO NUMERO N 1 INTRODUCAO A disciplinação de cargas por eixo no Brasil foi introduzida pelo Estado de São Paulo, em 1960, que introduziu lei sobre o peso bruto dos veículos. Em 1961, o governo Federal baixou

Leia mais

Plano de Saneamento Regional e Municipais

Plano de Saneamento Regional e Municipais 3º Seminário Internacional de Saneamento e 1ª Conferência Regional dos Planos de Saneamento do Consórcio Pró-Sinos Plano de Saneamento Regional e Municipais FEEVALE Novo Hamburgo 02 e 03/12/2013 Resíduos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 003/2010

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 003/2010 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 003/2010 A GUAYÍ, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sediada na Rua José do Patrocínio 611, Bairro Cidade Baixa, Porto Alegre, RS, CEP 90050-003, torna público

Leia mais

EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE FORTALEZA - ETUFOR

EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE FORTALEZA - ETUFOR EMPRESA DE TRANSPORTE URBANO DE FORTALEZA - Objetivo Apresentar a e as principais características do STTP. Conceito de Transporte - Transporte é o movimento de pessoas e cargas de um ponto a outro utilizando

Leia mais

Transporte Hidroviário Urbano

Transporte Hidroviário Urbano PHD 2537 Introdução Contexto atual No Brasil, o transporte rodoviário é responsável por 96,02% da movimentação de passageiros Necessidade de expansão da infra-estrutura devido ao crescimento das cidades

Leia mais

Apoio à Elaboração de Projetos de Sistemas Integrados de Transporte Coletivo Urbano

Apoio à Elaboração de Projetos de Sistemas Integrados de Transporte Coletivo Urbano Programa 9989 Mobilidade Urbana Ações Orçamentárias Número de Ações 19 10SR0000 Apoio à Elaboração de Projetos de Sistemas Integrados de Transporte Coletivo Urbano Produto: Projeto elaborado Unidade de

Leia mais

Audiência Pública nº 014/2014. Revisão da Regulamentação de Fretamento nº 1.166/2005

Audiência Pública nº 014/2014. Revisão da Regulamentação de Fretamento nº 1.166/2005 Audiência Pública nº 014/2014 Revisão da Regulamentação de Fretamento nº 1.166/2005 Objeto Transporte Rodoviário Coletivo Interestadual ou Internacional de Passageiros realizado em regime de Fretamento

Leia mais

Mergulhão da Praça XV está interditado e a Av. Rio Branco opera em mão dupla, do Aterro à Av. Presidente Vargas

Mergulhão da Praça XV está interditado e a Av. Rio Branco opera em mão dupla, do Aterro à Av. Presidente Vargas Mergulhão da Praça XV está interditado e a Av. Rio Branco opera em mão dupla, do Aterro à Av. Presidente Vargas A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), da CET-Rio,

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL Relatório de Pesquisa Caracterização e Quadros de Análise Comparativa da Governança Metropolitana no Região Metropolitana de Porto Alegre Praça Marechal Deodoro da Fonseca

Leia mais

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 A Cidade... 2 1.2 Padrão de mobilidade... 5 1.2.1 Frota

Leia mais

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social.

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

Características e condições de moradia dos habitantes metropolitanos

Características e condições de moradia dos habitantes metropolitanos 1 Características e condições de moradia dos habitantes metropolitanos Iára Regina Castello UFRGS Os dados coletados nos Censos Demográficos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) incluem

Leia mais

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL Lição III RIO GRANDE DO SUL - 41 - Na lição anterior estudamos sobre o Brasil. Vimos que existem 26 Estados e 1 Distrito Federal. E um desses Estados, é o Rio Grande do Sul, que fica no extremo sul do

Leia mais

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Apoio: Apoio: Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Cidreira Ciríaco Cruzeiro do Sul David Canabarro

Leia mais

Bem-vindo à Trensurb.

Bem-vindo à Trensurb. Bem-vindo à Trensurb. 2 3 Este guia foi desenvolvido para orientar você sobre os destinos, horários e serviços disponibilizados pela empresa. Informe-se, saiba como utilizá-los e boa viagem. ESQUEMA DA

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo da Região Metropolitana de Goiânia

Sistema de Transporte Coletivo da Região Metropolitana de Goiânia Sistema de Transporte Coletivo da Região Metropolitana de Goiânia CRONOLOGIA 1975 Estadualização Criação Transurb 1976 1980 1984 1989 1991 1995 1997 1998 1999 2000 Sistema Tronco-Alimentado Corredor Anhanguera

Leia mais

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Otávio Vieira da Cunha Filho, Presidente Executivo da NTU Fórum Mobilidade Volvo, Curitiba PR 20 de maio de 2015 Estrutura 1. Visão;

Leia mais

SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS

SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL FL.: 1 de 5 SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 DATA: 12/03/13 19/03/13 08/04/13 10/07/13 EXECUÇÃO: DIEGO

Leia mais

Regulamenta a Categoria Táxi Preto para transporte individual remunerado de passageiros em veículo de aluguel no Município de São Paulo.

Regulamenta a Categoria Táxi Preto para transporte individual remunerado de passageiros em veículo de aluguel no Município de São Paulo. São Paulo, 16 de novembro de 2015 Portaria n.º 095/15-SMT.GAB. Regulamenta a Categoria Táxi Preto para transporte individual remunerado de passageiros em veículo de aluguel no Município de São Paulo. JILMAR

Leia mais

OBJETIVOS DO MILÊNIO: O QUÊ SE PODE ESPERAR DOS INDICADORES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ATÉ 2015 12.

OBJETIVOS DO MILÊNIO: O QUÊ SE PODE ESPERAR DOS INDICADORES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ATÉ 2015 12. ALAS Asociación Latinoamericana de Sociologia. XXIX Congreso Latinoamericano de Sociologia. 29 de setembro a 4 de outubro de 2013. FACSO, Santiago-Chile. Titulo: OBJETIVOS DO MILÊNIO: O QUÊ SE PODE ESPERAR

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

PADRÃO DE ÔNIBUS NO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PORTO ALEGRE

PADRÃO DE ÔNIBUS NO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PORTO ALEGRE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DOS TRANSPORTES EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO ANEXO V (Resolução nº 03/2012) PADRÃO DE ÔNIBUS NO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012. RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012. Dispõe sobre as características, especificações e padrões técnicos a serem observados nos ônibus utilizados na operação dos serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional

Leia mais

Plano Diretor de Trânsito e Transporte

Plano Diretor de Trânsito e Transporte Região Sudeste Rio de Janeiro servicospublicos@niteroi.rj.gov.br Baía de Guanabara Niterói Veículos = maior mobilidade, crescimento das cidades Aumento da frota = congestionamento menor mobilidade. Maiores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS GABINETE DO REITOR PRÓ-REITORIA DE INFRAESTRUTURA NÚCLEO DE TRANSPORTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS GABINETE DO REITOR PRÓ-REITORIA DE INFRAESTRUTURA NÚCLEO DE TRANSPORTE Memorando Circular nº 001/2013 Pelotas, 13 de junho de 2013. Do: Núcleo de Transporte Ao: Gabinete do Reitor, Pró-Reitorias, Unidades Acadêmicas e Administrativas, Órgãos Suplementares Procedimento padrão

Leia mais

Redução dos tempos de viagens e custos operacionais com a implantação da Linha Direta Ligeirão Boqueirão na cidade de Curitiba.

Redução dos tempos de viagens e custos operacionais com a implantação da Linha Direta Ligeirão Boqueirão na cidade de Curitiba. Redução dos tempos de viagens e custos operacionais com a implantação da Linha Direta Ligeirão Boqueirão na cidade de Curitiba. Astrid Cristianne Dilger Sanches¹; Olga Mara Prestes² 1 Engenheira Civil

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE SÃO

SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE SÃO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ/SC Situaçã ção o Atual (média de 2014) Passageiros transportados - 204.750 pas/mês Estudantes - 7.269 pas/mês Quilometragem 169.249

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VII Legislação Aplicável Anexo VII O presente anexo apresenta a relação da legislação principal aplicável a este procedimento licitatório e à operação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-290/RS & BR-116/RS 121,00 KM PORTO ALEGRE RS CONCEPA OSÓRIO PORTO ALEGRE - GUAÍBA

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-290/RS & BR-116/RS 121,00 KM PORTO ALEGRE RS CONCEPA OSÓRIO PORTO ALEGRE - GUAÍBA RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: CONCEPA BR-290/RS & BR-116/RS OSÓRIO PORTO ALEGRE - GUAÍBA 121,00 KM PORTO ALEGRE RS DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1. Informações

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

ENGENHARIA DE TRANSPORTES

ENGENHARIA DE TRANSPORTES ENGENHARIA DE TRANSPORTES INTRODUÇÃO Conceito: A engenharia de transportes que se relaciona com o projeto geométrico, planejamento e a operação do tráfego de estradas e vias urbanas, suas redes, os seus

Leia mais

PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO

PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO AGENDA DO DEBATE: Pedestres Bicicleta Transporte público: ônibus e trilhos Circulação viária carros, motos e caminhões Acessibilidade Educação e trânsito

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO

ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO 1. Perspectiva para o Sistema de Transporte Futuro 1.1. Introdução 1.2. Definições 2. Política Tarifária 3. Tecnologias

Leia mais

DIRETORIA DE TRANSPORTES

DIRETORIA DE TRANSPORTES O que é concessão? É o instrumento previsto em Lei que possibilita a transferência da execução de determinado serviço público a particulares, através da celebração de um contrato, por prazo certo e determinado,

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES REGULAMENTARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES REGULAMENTARES Expediente nº 004161/17/CO/2013 Portaria SUP/DER-033-29/07/2013 Regulamenta os procedimentos pertinentes a autorização para a realização de provas ou competições desportivas, assim como de eventos em geral

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS REDE INTEGRADA DE TRANSPORTE - RIT ASPECTOS INSTITUCIONAIS PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA

MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS REDE INTEGRADA DE TRANSPORTE - RIT ASPECTOS INSTITUCIONAIS PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS REDE INTEGRADA DE TRANSPORTE - RIT ASPECTOS INSTITUCIONAIS PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ENTIDADES ENVOLVIDAS URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A Av. Presidente Affonso Camargo,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRANSPORTE DE CARGA EM RODOVIAS NO RIO GRANDE DO SUL

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRANSPORTE DE CARGA EM RODOVIAS NO RIO GRANDE DO SUL DEFINIÇÕES 2. Para efeito destas Perguntas e Respostas, ficam estabelecidas as seguintes definições: 2.1. Balanço Traseiro é a distância compreendida entre o último eixo traseiro e o plano vertical que

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO SIM VEÍCULO LEVE SOBRE TRILHOS VLT

SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO SIM VEÍCULO LEVE SOBRE TRILHOS VLT SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO SIM VEÍCULO LEVE SOBRE TRILHOS VLT ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLITANAS ATENDIDAS CAMPINAS SÃO PAULO VALE DO PARAÍBA A EMTU/SP é responsável pela estruturação, gerenciamento

Leia mais

ESTRUTURA SOCIAL E SEGMENTAÇÃO URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE (RMPA), EM 2000

ESTRUTURA SOCIAL E SEGMENTAÇÃO URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE (RMPA), EM 2000 1 SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA Siegfried Emanuel Heuser ISSN 1676-1375 ISBN 978-85-7173-093-9 ESTRUTURA SOCIAL E SEGMENTAÇÃO URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE

Leia mais

MÍDIA NO TRENSURB. Rota universitária com seis instituições de ensino Dezenas de indústrias em 42 Km de extensão 2 milhões de pessoas/dia

MÍDIA NO TRENSURB. Rota universitária com seis instituições de ensino Dezenas de indústrias em 42 Km de extensão 2 milhões de pessoas/dia Mídia no Trem Apresentação A Linha 1 da Trensurb atende os municípios de Porto Alegre, Canoas, Esteio, Sapucaia do Sul, São Leopoldo e Novo Hamburgo, pertencentes à Região Metropolitana de Porto Alegre

Leia mais

DECRETO N.º 5.432, DE 16 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA, RS, no uso das atribuições que lhe confere a Lei, e

DECRETO N.º 5.432, DE 16 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA, RS, no uso das atribuições que lhe confere a Lei, e Dispõe sobre a prestação dos serviços de vistorias e inspeções técnicas em veículos destinados aos serviços de transportes, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA, RS, no uso das

Leia mais

De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais.

De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais. 2. A ORGANIZAÇÃO RODOVIÁRIA De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais. Esfera Federal de Governo DNIT - Departamento Nacional de Infra-estrutura

Leia mais

XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA. Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil

XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA. Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil 3 al 6 Noviembre Buenos Aires Argentina 2014 ATIVIDADES PLANEJADAS E EXECUTADAS PELO BRASIL 1.0

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Comissão de Análise da Tarifa - Decreto nº. 358/2013 Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Resumo Mar/13 URBS Urbanização de Curitiba S/A A URBS foi criada através de Lei Municipal, em Agosto de 1963

Leia mais

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mesa 1: Acessibilidade e qualidade do transporte coletivo e das calçadas de Belo Horizonte Em que medida o PlanMob-BH considerou e avançou

Leia mais

Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP

Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP São Paulo/SP, 28 de agosto de 2009 MOBILIDADE URBANA: Atributo

Leia mais

Oportunidades e dificuldades para melhoria da qualidade do Serviço do Transporte Público por Ônibus. -Visão da FABUS Setor Fabricante de Ônibus

Oportunidades e dificuldades para melhoria da qualidade do Serviço do Transporte Público por Ônibus. -Visão da FABUS Setor Fabricante de Ônibus Oportunidades e dificuldades para melhoria da qualidade do Serviço do Transporte Público por Ônibus -Visão da FABUS Setor Fabricante de Ônibus Síntese da Apresentação FABUS Reflexão! Obstáculos, Desafios

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 68.900, DE 03 DE DEZEMBRP DE 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 68.900, DE 03 DE DEZEMBRP DE 2007. AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 68.900, DE 03 DE DEZEMBRP DE 2007. A SUPERINTENDENTE EXECUTIVA DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL, no uso de suas competências, consoante o disposto

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET

MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET MANUAL DO USUÁRIO EXTERNO Introdução O Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito - SIAET é um sistema informatizado de prestação de serviços através da Internet, desenvolvido para solicitação,

Leia mais

Governança Metropolitana no Brasil

Governança Metropolitana no Brasil Governança Metropolitana no Brasil Relatório de Pesquisa Caracterização e Quadros de Análise Comparativa da Governança Metropolitana no Brasil: análise comparativa das funções públicas de interesse comum

Leia mais

8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre

8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre Gráfico da evolução percentual da tarifa decretada, da tarifa calculada com IPK fixo e do IGPM acumulado desde o Plano Real 8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre Tarifa IPK Ano Mês Var. Var. Tarifa

Leia mais

PLANO DIRETOR DE MOBILIDADE URBANA PORTO ALEGRE

PLANO DIRETOR DE MOBILIDADE URBANA PORTO ALEGRE +. ANEXO I PLANO DIRETOR DE MOBILIDADE URBANA PORTO ALEGRE 2 MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Prefeito José Alberto Reus Fortunati Vice-prefeito Sebastião de Araújo Melo - SMT - EPTC Secretário / Diretor-presidente

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa Organização da Copa 2014 PORTFÓLIOS UGPCOPA ARENA E ENTORNO INFRAESTRUTURA TURÍSTICA FAN PARKS LOC COPA DESPORTIVA EVENTOS DA FIFA GERENCIAMENTO DE PROJETOS OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS SUPRIMENTOS COPA TURÍSTICA

Leia mais

Habitação Popular e Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Porto Alegre

Habitação Popular e Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Porto Alegre Habitação Popular e Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Porto Alegre Arquiteto e Urbanista Régulo Franquine Ferrari rferrari@eptc.prefpoa.com.br BRASIL Ciclos econômicos: 1500 pau-brasil litoral

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo III - A Manual de Especificações da Frota do Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo III - A Manual de Especificações da Frota do Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo III - A Manual de Especificações da Frota do Transporte Coletivo por Ônibus de Porto Alegre ANEXO III - A Manual de Especificações da Frota do Transporte

Leia mais

METRÔ CURITIBANO. LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul. Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC

METRÔ CURITIBANO. LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul. Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC METRÔ CURITIBANO LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC PLANO DIRETOR LEI 11.266/2004 Diretrizes de Mobilidade Urbana e Transporte Capítulo II Da

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA REGULAMENTO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ESTE REGULAMENTO DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA NA REDE DE TRANSPORTE COLETIVO NÃO INTEGRADA DA REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a: Atualizada até LC 610/2007. LEI COMPLEMENTAR N.º 528 DE 18 DE ABRIL DE 2005 ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE VAGAS PARA ESTACIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM GERAL E A ADOÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS ÀS ATIVIDADES

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSPORTE E TRÂNSITO PREMISSAS CONSIDERADAS NO PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE, TRÂNSITO E MOBILIDADE URBANA:

POLÍTICA DE TRANSPORTE E TRÂNSITO PREMISSAS CONSIDERADAS NO PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE, TRÂNSITO E MOBILIDADE URBANA: POLÍTICA DE TRANSPORTE E TRÂNSITO PREMISSAS CONSIDERADAS NO PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE, TRÂNSITO E MOBILIDADE URBANA: O Plano Diretor de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana, tem como premissas básicas

Leia mais

Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: Deficiência Física Qual o papel do Governo?

Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: Deficiência Física Qual o papel do Governo? Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: A Integração do Portador de Deficiência Física Qual o papel do Governo? Evolução das Terminologias Portador de Deficiência Física??? NÃO... Pessoa com

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM VEÍCULOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS

ACESSIBILIDADE EM VEÍCULOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E DIREITOS HUMANOS

MOBILIDADE URBANA E DIREITOS HUMANOS MOBILIDADE URBANA E DIREITOS HUMANOS 40,9% (não motorizado) Divisão Modal 170 milhões viagens / dia 29,4% (coletivo) 26,1% 38,1% 3,3% 29,7% (individual) 2,8% 2,5% 27,2% ônibus metroferroviário automóvel

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO GPT/M012/10/R4 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES I - A Cooperativa de Economia e Credito Mútuo dos Funcionários dos Correios no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná CredCorreios, divulga o presente

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA Seminário Internacional sobre Cidades Inteligentes, Cidades do Futuro Comissão de Desenvolvimento Urbano CDU Câmara dos Deputados A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília 06

Leia mais

IV Conferência de Política Urbana. Eixo de Mobilidade: 29 de março de 2014

IV Conferência de Política Urbana. Eixo de Mobilidade: 29 de março de 2014 IV Conferência de Política Urbana Eixo de Mobilidade: Redução dos deslocamentos, melhoria da acessibilidade e estímulo ao transporte coletivo e não motorizado. 29 de março de 2014 Roteiro 2 1) Contexto

Leia mais

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 Contribuições ao debate do Conselho Deliberativo Metropolitano - CDM Por Mauri

Leia mais

Classificação do Sistema Viário Metropolitano 7

Classificação do Sistema Viário Metropolitano 7 2.2 MOBILIDADE URBANA E TRANSPORTE INTEGRADO 2.2.1 Sistema Viário de Circulação e Trânsito T O planejamento do sistema viário, de circulação e trânsito em Curitiba começa formalmente em 1943, com o Plano

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação AUDIÊNCIA PÚBLICA - PGIRS Engenheira Sanitarista Kátia Cristina de Souza Assessoria Técnica da Preifeitura de Cuiabá Cuiabá, 24 de Novembro de 2014 PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO Lucas Bach Adada 1 Conteúdo Programático Definição de Projeto Geométrico; Classificação das Vias e Rodovias ; Critérios

Leia mais

O Plano de Mobilidade Urbana Sustentável e a implantação do. MOVE, o BRT de Belo Horizonte

O Plano de Mobilidade Urbana Sustentável e a implantação do. MOVE, o BRT de Belo Horizonte O Plano de Mobilidade Urbana Sustentável e a implantação do MOVE, o BRT de Belo Horizonte BH, 2001-12 - Dinâmica recente: um colossal crescimento da frota de veículos automotores A frota de veículos mais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 444/10 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 444/10 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 444/10 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: o aumento do risco de ocorrência de surtos/epidemia de dengue no Rio Grande do Sul

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais