CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO TÍTULO VERSÃO POSTES DE CONCRETO COM CAIXA INCORPORADA PARA ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA"

Transcrição

1 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN ENTRADA DE UNIDADE CONSUMIDORA 0 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES

2 SUMÁRIO. OBJETIVO HISTÓRICO DAS REVISÕES APLICAÇÃO REFERÊNCIAS EXTERNAS DEFINIÇÕES DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES REQUISITOS GERAIS Identificação Acabamento Manuseio, armazenamento e transporte Furos Comprimento de engastamento Carga nominal Dimensionamento das seções do poste REQUISITOS ESPECÍFICOS Fabricação Elasticidade Carga de ruptura (Cr) Armadura Cura Liberação para manuseio e transporte INSPEÇÃO E ENSAIOS Inspeção geral Condições de inspeção HOMOLOGAÇÃO REGISTROS DA QUALIDADE ANEXOS... 8 PÁGINA 2 DE 2

3 . OBJETIVO Esta especificação estabelece e fixa requisitos mínimos exigíveis para fabricação e aceitação de postes de concreto armado com caixa incorporada, a serem utilizados em padrões de entrada na área de concessão da EDP ESCELSA. 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES Versão Início da Vigência Responsáveis Seções atingidas / Descrição 0 /0/205 Elaboração: Heber Costa Beber, Rafael Furtado Seeberger 3. APLICAÇÃO Aplica-se a EDP ESCELSA.. REFERÊNCIAS EXTERNAS Aprovação: Marcelo Poltronieri Emissão inicial. Este documento substitui os padrões PT.RD e PT.RD Para a aplicação deste documento deverá ser consultada as seguintes normas e resolução em suas últimas revisões: 5. DEFINIÇÕES NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e de transmissão de energia elétrica - Parte : Requisitos; NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e de transmissão de energia elétrica - Parte 3: Ensaios mecânicos, cobrimento da armadura e inspeção geral; NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e de transmissão de energia elétrica - Parte : Determinação da absorção de água; NBR Postes de concreto armado e protendido para redes de distribuição e de transmissão de energia elétrica - Parte 5: Postes de concreto para entrada de serviço até kv. Para os efeitos desta Especificação são adotadas as definições constantes nas NBR 85- e NBR DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES 6.. REQUISITOS GERAIS 6... Identificação Os postes devem apresentar a identificação gravada diretamente no concreto, de forma legível e indelével. A identificação feita diretamente no concreto deve atender aos seguintes requisitos: Traço demarcatório do engastamento a uma distância de.200 mm da base; Traço de referência a uma distância de ± 50 mm da base; O início da identificação deverá ser a ± 50 mm da base. A identificação deve conter ainda: Comprimento nominal em metros [m]; Carga nominal em decanewtons [dan]; Nome ou marca comercial do fabricante; Data (dia, mês e ano) de fabricação: dd/mm/aa; Número de série sequencial por tipo de poste, reiniciando a cada ano; PÁGINA 3 DE 2

4 6..2. Acabamento Sinal demarcatório indicando a posição do centro de gravidade. O sinal demarcatório deve ser composto de dois traços de no mínimo 30 mm de comprimento cada, marcados das bordas do poste para o centro ou composto de um X inscrito em um círculo com 0 mm de diâmetro; A identificação deverá ser feita na parte lisa do poste. Os postes devem apresentar superfícies externas suficientemente lisas, sem apresentar ninhos de concretagem, armadura aparente, fendas ou fraturas, não sendo permitida pintura nem cobertura superficial com o objetivo de cobrir ninhos de concretagem ou fissuras Manuseio, armazenamento e transporte 6... Furos O manuseio, o armazenamento e o transporte devem seguir as recomendações da ABNT NBR 85-:20, anexo B. Os furos devem ser cilíndricos ou ligeiramente tronco-cônicos, permitindo-se o arremate na saída dos furos para garantir a obtenção de uma superfície tal que não dificulte a instalação. Devem atender ainda as seguintes exigências: a) Devem ser previstos oito furos em cada face, afastados 00 mm entre si. A posição dos furos deve variar a partir da extremidade superior (topo), iniciando a 50 mm em uma das faces e a 00 mm na face adjacente; b) Os furos devem ser totalmente desobstruídos; Comprimento de engastamento Adota-se,20 metro de comprimento de engastamento Carga nominal Os postes devem ter carga nominal Cn = 00 dan Dimensionamento das seções do poste Todo poste deve ser dimensionado de modo a atender ao diagrama de momentos fletores nominais, em cada direção considerada visando atender aos esforços excepcionais de instalação de componentes da estrutura no topo do poste REQUISITOS ESPECÍFICOS Fabricação Na fabricação dos postes, os componentes devem ser verificados seguindo as seguintes Normas: a) Cimento conforme as ABNT NBR 5732, ABNT NBR 5733, ABNT NBR 5735, ABNT NBR 5736, ABNT NBR 5737, ABNT NBR 578 ou ABNT NBR 2989; b) Agregado conforme a ABNT NBR 72; c) Água destinada ao amassamento do concreto e isenta de teores prejudiciais de substâncias estranhas, conforme a ABNT NBR 5900-; d) Barras, fios e cordoalhas de aço utilizados para as armaduras conforme as ABNT NBR 780, ABNT NBR 78, ABNT NBR 782 ou ABNT NBR 783; e) Concreto dosagem e controle tecnológico do concreto conforme a ABNT NBR A resistência característica do concreto (fck) deve atender no mínimo à classe de agressividade ambiental III da Tabela 2 da ABNT NBR 2655:2006. Todo o processo produtivo deve ser controlado a fim de garantir a qualidade final do produto Elasticidade a. Flecha Os postes submetidos a um esforço de tração igual à carga nominal, não podem apresentar flechas superiores a: PÁGINA DE 2

5 6.2.2.b. 3,5% do comprimento nominal, quando a tração for aplicada na direção de maior inércia do poste (face B); 5,0% do comprimento nominal, quando a tração for aplicada na direção de menor inércia do poste (face A). A flecha residual, medida depois que se anula a aplicação de um esforço correspondente à carga de limite elástico (0 dan) no plano de aplicação da carga nominal dos esforços reais, não pode ser superior a: 0,35% do comprimento nominal, quando a tração for aplicada na direção de maior inércia do poste (face B); 0,5% do comprimento nominal, quando a tração for aplicada na direção de menor inércia do poste (face A). Fissura a) Ensaio de elasticidade Todos os postes submetidos à carga nominal não podem apresentar fissuras superiores a 0,2 mm, com medição através de fissurômetro de lâminas. As fissuras que aparecem durante a aplicação do esforço correspondente a 0 dan, após a retirada deste esforço, devem fechar-se ou tornar-se capilares. b) Ensaio de momento fletor (MA) e de carga vertical nominal Carga de ruptura (Cr) As fissuras que aparecem durante a aplicação das cargas definidas para os ensaios de momento fletor MA e de carga vertical nominal não podem ser superiores a 0,2 mm, medidas através de fissurômetro de lâminas. Após a retirada deste esforço, devem fechar-se ou tornar-se capilares. A carga de ruptura não poderá ser inferior a duas vezes a carga nominal no lado de maior inércia. Na direção de menor inércia, a resistência deverá ser igual a 50% da indicada para a direção de maior inércia Armadura 6.2..a b Cura Cobrimento Qualquer parte das armaduras longitudinal e transversal deve ter cobrimento de concreto com espessura mínima de 5 mm, com exceção dos furos, que não podem ter armadura exposta. As extremidades da armadura longitudinal devem estar localizadas a 20 mm da base e do topo do poste, admitindo-se uma tolerância de 0 mm e 5 mm. Afastamento, espaçamento e emendas Os estribos devem ser distribuídos ao longo de todo o poste, necessariamente até as extremidades da armadura longitudinal. Recomenda-se espaçamento máximo entre os estribos de 300 mm. As emendas das barras longitudinais devem atender às exigências da ABNT NBR 68. As armaduras longitudinais e transversais (estribos) devem ser dimensionadas para carga nominal, cargas de manuseio e montagem. Após a pega do cimento, o concreto continua a ganhar resistência desde que não falte água necessária para a continuidade das reações de hidratação. Por esse motivo, nos serviços de execução de estruturas em concreto, a cura é uma das etapas mais importantes, pela influência que exerce não só no desenvolvimento da resistência como também na durabilidade do concreto. Cura é o processo usado para manter um adequado teor de umidade a uma temperatura favorável no interior do concreto, durante a hidratação dos materiais aglomerantes, de modo a propiciar o adequado desenvolvimento de suas propriedades. PÁGINA 5 DE 2

6 A cura deve ser iniciada imediatamente após a concretagem do poste, podendo ser realizada com o auxílio de coberturas (lonas plásticas, exceto as de cor preta) colocadas sobre as formas ou outros processos equivalentes, até o momento da desforma, quando deve ser iniciada a cura definitiva conforme orientações descritas nos itens a e b a. Cura com água Recomenda-se a cura com água por ser o processo mais indicado para aplicação, por sua facilidade de execução e grande eficiência, além de favorecer a dissipação superficial da temperatura, que se desenvolve na massa do concreto devido à hidratação do cimento. O estabelecimento do período de duração da cura está intimamente ligado ao tipo de cimento utilizado na fabricação do concreto, devendo ter duração mínima de 3 dias b c. Cura térmica A cura térmica pode ser iniciada antes da desforma. Recomenda-se a cura térmica nas situações em que o endurecimento do concreto pode ser acelerado por meio de tratamento térmico adequado e devidamente controlado, não se dispensando as medidas de proteção contra a secagem de acordo com O tratamento térmico deve ser cuidadosamente controlado, levando-se em conta as seguintes fases: Tempo de espera entre o fim da concretagem e o início da aplicação do calor; Velocidade máxima da elevação da temperatura; Temperatura máxima; Tempo de aplicação do calor; Esfriamento. As condições de cada uma destas fases devem ser criteriosamente estabelecidas através de ensaios experimentais, que devem levar em conta os tipos de aglomerantes agregados e aditivos utilizados, o fator água/cimento, assim como as resistências mecânicas que devem ser atingidas pelo concreto por ocasião da aplicação da protensão, da desmoldagem, do manuseio e transporte, da montagem e do uso final. Na cura a vapor sob pressão atmosférica devem ser tomados cuidados especiais para que os postes de concreto sejam aquecidos uniformemente. A cura térmica deve ser efetuada em ambiente vedado por material isolante (lonas, lençóis plásticos ou outro material adequado) de maneira a garantir a saturação de vapor e impedir, excessiva perda de calor e umidade. A vedação deve impedir, também, a formação de correntes de ar frio do exterior. As saídas dos pontos de alimentação de vapor devem ser posicionadas de forma a evitar da descarga direta sobre a superfície do concreto e das fôrmas ou sobre os corpos de prova. As temperaturas da câmara de vapor e do poste de concreto devem ser convenientemente controladas. Ao se utilizar a cura a vapor deve-se estabelecer a curva de temperatura em função do tempo mais conveniente para o processo de produção. Cura química Processo de cobrimento com produto químico, aplicado após a desforma da peça, capaz de formar película plástica (barreira física) que impede a saída da água do interior da massa de concreto Liberação para manuseio e transporte O prazo entre as datas de fabricação e de recebimento deve ser de 28 dias. É permitida a liberação prévia do elemento estrutural, desde que a resistência característica à compressão do concreto (fck) atenda ao requisito previsto em projeto, respeitando o tempo mínimo de 7 dias. Os postes devem ser içados em pontos adequados definidos em projeto pelo fabricante, por intermédio de máquinas, equipamentos e acessórios apropriados, de maneira a não provocar fissuras, exceto as capilares, evitando-se choques e movimentos abruptos. As máquinas para o Içamento, balancins, cabos de aço, ganchos e outros dispositivos devem se compatíveis com o peso do próprio poste e os seus esforços solicitantes. PÁGINA 6 DE 2

7 Recomenda-se que o tempo para retirada do poste recém-fabricado do leito da fôrma seja condicionado à comprovação da resistência à compressão na data requerida para atender às condições de projeto INSPEÇÃO E ENSAIOS Inspeção geral Deve-se fazer uma inspeção geral para comprovar a conformidade dos postes produzidos com os elementos característicos, verificando: a) Acabamento; b) Dimensões; c) Retilineidade; d) Furação (posição, diâmetro e desobstrução); e) Conformidade entre o protótipo e o projeto encaminhado; f) Identificação Condições de inspeção O fabricante deve dispor de pessoal e aparelhagem necessária para a realização das inspeções de homologação. 6.. HOMOLOGAÇÃO O fabricante, para aprovação dos postes, deve submeter os seguintes documentos para aprovação do órgão competente da ESCELSA: Certidão de Registro e Quitação de Pessoa Física do Técnico profissional responsável pela empresa (com comprovação de recolhimento junto ao Conselho regional pertinente); Certidão de Registro e Quitação de Pessoa Jurídica obtida junto ao Conselho Regional Pertinente; Projeto do protótipo proposto (assinado pelo responsável técnico) devendo o mesmo conter as seguintes informações: Ferragens: Quantidade, bitolas, espaçamento e dimensões dos ferros transversais e longitudinais; detalhes dos estribos e tipo de aço utilizado; Indicar a NBR's pertinentes; Valores de carga nominal e de ruptura em dan; Mostrar seções em cortes da parte inferior, no meio e na parte superior do poste. Cotar as dimensões; Diâmetro e localização dos furos. Obs.: Os furos no topo do poste são de 20mm; Informar FCK do concreto utilizado - mínimo 20 Mpa; O desenho deve mostrar (localização no poste) a identificação do fabricante, comprimento, resistência nominal do poste e a data fabricação; Mostrar as cotas das cavas para instalação do medidor e disjuntor. O protótipo deve ser inspecionado acompanhado de memorial descritivo contendo informações técnicas do produto, conforme abaixo: Material com o qual o poste foi fabricado; Especificação dos acessórios componentes do poste; Para a homologação de fabricação e comercialização após a aprovação do protótipo, deverão ser encaminhados ao setor de Engenharia da EDP ESCELSA os documentos originais abaixo relacionados: Termo de responsabilidade conforme anexo B, assinado e com firma reconhecida em cartório. A ESCELSA, em qualquer tempo, poderá exercer fiscalização dos postes comercializados em sua área de concessão, para verificação da conformidade com o protótipo aprovado. Eventuais custos para realização de ensaios de verificação de conformidade são de responsabilidade do fabricante. PÁGINA 7 DE 2

8 7. REGISTROS DA QUALIDADE Não aplicável. 8. ANEXOS A. DESENHOS 00. Poste Pré-fabricado para um Consumidor Monofásico ou Polifásico 002. Poste Pré-fabricado para 2 Consumidores Monofásicos 003. Poste Pré-fabricado para Consumidor Monofásico 5000W e Consumidor Bifásico 9000W PÁGINA 8 DE 2

9 ANEXO A DESENHOS PÁGINA 9 DE 2

10 ESPECIFICAÇÃO A CORTE B-B 00 CORTE A-A ENTRADA AÉREA MEDIÇÃO CAIXA EM POLICARBONATO COM VISOR TRANSPARENTE PROTEÇÃO CAIXA EM POLICARBONATO COM VISOR TRANSPARENTE 2 3 SAÍDA SUBTERRÂNEA SAÍDA AÉREA (CARGA) VER DETALHES C TUBULAÇÃO DE SAÍDA AÉREA DETALHE B C CORTE C-C TUBULAÇÃO DE ENTRADA APARENTE 3 CAVA PARA ALOJAMENTO DA CAIXA DE MEDIÇÃO (MEDIDOR) CAVA PARA ALOJAMENTO DA CAIXA DE PROTEÇÃO (DISJUNTOR) SAÍDA SUBTERRÂNEA 350 A 200 SAÍDA ATERRAMENTO DETALHE A 00. Poste Pré-fabricado para um Consumidor Monofásico ou Polifásico Páginas 0 / 02 PÁGINA 0 DE 2

11 Características do Poste Carga Nominal 00 dan Carga Permissível 0 dan Carga de Ruptura 200 dan Comprimento [mm] Engastamento [mm] Peso [kg] Topo do Poste [mm] x 00 Notas:. As dimensões das caixas e tampas devem ser adequadas às dimensões das cavas do poste; 2. As caixas de abrigo da medição e proteção deverão ser fundidas às cavas do poste; 3. A caixa de abrigo da medição deverá ser de fabricante homologado pela EDP ESCELSA e fabricada em policarbonato com visor transparente;. A caixa de abrigo da medição deverá ser conectada ao aterramento no ponto definido pelo fabricante da mesma. 5. A caixa de abrigo do disjuntor deverá ser de fabricante homologado pela EDP ESCELSA e fabricada em policarbonato com visor transparente; 6. As cotas estão em milímetros. Item Especificação dos Componentes Caixa em policarbonato com tampa transparente de fabricante homologado pela EDP ESCELSA 2 Curva de entrada de 35 ou cabeçote 3 Eletroduto conforme tabela abaixo Mangueira de PVC de ¾ Quadro de Carga / Proteção / Eletrodutos Carga Disjuntores Condutores Condutores Categoria de Instalada Consumidor Entrada Aterramento Entrada Aterramento 27/220 V 220/380 V [kw] 27/220 V 27/220 V 220/380 V 220/380 V Eletroduto Monofásico até 5,0 50 A 50 A 0 mm² 0 mm² 0 mm² 0 mm² PVC 32 mm Monofásico 5, a 9,0 63 A 50 A 6 mm² 0 mm² 0 mm² 0 mm² PVC 32 mm Bifásico até 9,0 0 A 32 A 6 mm² 0 mm² 0 mm² 0 mm² PVC 0 mm Bifásico 9, a 5,0 63 A 0 A 6 mm² 0 mm² 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm Trifásico até 5,0 0 A 32 A 6 mm² 0 mm² 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm Trifásico 5, a 26,0 63 A 0 A 6 mm² 0 mm² 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm Trifásico 26, a 3,0 80 A 50 A 25 mm² 0 mm² 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm 00. Poste Pré-fabricado para um Consumidor Monofásico ou Polifásico Páginas 02 / 02 PÁGINA DE 2

12 VISTA DE FRENTE A 00 CORTE A-A ENTRADA AÉREA MEDIÇÃO CAIXA EM POLICARBONATO COM VISOR TRANSPARENTE 2 3 SAÍDAS SUBTERRÂNEAS SAÍDA AÉREA (CARGA) 2 PROTEÇÃO GERAL CAIXA EM POLICARBONATO COM VISOR TRANSPARENTE E DISPOSITIVO DE LACRE PROTEÇÕES INDIVIDUAIS CAIXA EM POLICARBONATO COM VISOR TRANSPARENTE VER NOTA VER DETALHES SAÍDAS SUBTERRÂNEAS E ATERRAMENTOS A Poste Pré-fabricado para 2 Consumidores Monofásicos Páginas 0 / 0 PÁGINA 2 DE 2

13 DETALHES DAS INTERLIGAÇÕES TUBULAÇÃO DE SAÍDA AÉREA TUBULAÇÃO DE ENTRADA APARENTE 3 3 CORTE B-B CORTE C-C CORTE D-D CAVA PARA ALOJAMENTO DA CAIXA DE PROTEÇÃO GERAL CAVAS PARA ALOJAMENTO DAS CAIXAS DE MEDIÇÃO (MEDIDOR) CAVA PARA ALOJAMENTO DA CAIXA DE MEDIÇÃO (MEDIDOR) CAVA PARA ALOJAMENTO DA CAIXA DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL OU CAIXA DE PASSAGEM SAÍDA SUBTERRÂNEA SAÍDA ATERRAMENTO 002. Poste Pré-fabricado para 2 Consumidores Monofásicos Páginas 02 / 0 PÁGINA 3 DE 2

14 Características do Poste Carga Nominal 00 dan Carga Permissível 0 dan Carga de Ruptura 200 dan Comprimento [mm] Engastamento [mm] Peso [kg] Topo do Poste [mm] x 00 Notas:. As dimensões das caixas e tampas devem ser adequadas às dimensões das cavas do poste; 2. As caixas de abrigo da medição e proteção deverão ser fundidas às cavas do poste; 3. A caixa de abrigo da medição deverá ser de fabricante homologado pela EDP ESCELSA e fabricada em policarbonato com visor transparente;. A caixa de abrigo da medição deverá ser conectada ao aterramento no ponto definido pelo fabricante da mesma. 5. A caixa de abrigo do disjuntor deverá ser de fabricante homologado pela EDP ESCELSA e fabricada em policarbonato com visor transparente; 6. Os aterramentos deverão ser independentes e individuais para cada caixa; 7. Os condutores de entrada deverão ser individuais, contendo 2 condutores fase e dois condutores neutro; 8. Os condutores de saída deverão ser individuais; 9. Os postes deverão ser ensaiados conforme NBR-85; 0. Os postes devem ter identificação conforme item 6.. desta especificação;. As cotas estão em milímetros; 2. Caso a caixa de abrigo dos medidores seja com disjuntor incorporado, a caixa de abrigo dos disjuntores de saída deverá ser utilizada como caixa de passagem. Item Especificação dos Componentes Caixa em policarbonato com tampa transparente de fabricante homologado pela EDP ESCELSA 2 Curva de entrada de 35 ou cabeçote 3 Eletroduto conforme tabela abaixo Mangueira de PVC de ¾ 002. Poste Pré-fabricado para 2 Consumidores Monofásicos Páginas 03 / 0 PÁGINA DE 2

15 Categoria de Consumidor 2 x Monofásicos Individuais 2 x Monofásicos Individuais 2 x Monofásicos Individuais Categoria de Consumidor 2 x Monofásicos Individuais 2 x Monofásicos Individuais 2 x Monofásicos Individuais Quadro de Carga / Proteção / Eletrodutos / Entrada 27/220 V Disjuntor Geral Disjunto Condutores Cobre PVC Carga Instalada Bipolar Individual 70 [W] x até 5000 x até 5000 x até 5000 x até 9000 x até 9000 x até /220 V 27/220 V 63 A 80 A 80 A x 50 A x 50 A x 50 A x 63 A x 63 A x 63 A Entrada 27/220 V Aterramento 27/220 V Eletroduto 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm 25 mm² 0 mm² PVC 0 mm 25 mm² 0 mm² PVC 0 mm Quadro de Carga / Proteção / Eletrodutos / Entrada 220/380 V Disjuntor Geral Disjunto Condutores Cobre PVC Carga Instalada Bipolar Individual 70 [W] x até 5000 x até 5000 x até 5000 x até 9000 x até 9000 x até /380 V 220/380 V 63 A 63 A 63 A x 50 A x 50 A x 50 A x 50 A x 50 A x 50 A Entrada 220/380 V Aterramento 220/380 V Eletroduto 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm Notas:. Compreende como sendo entrada o ponto de conexão do ramal de ligação aéreo até o disjuntor de proteção individual de cada conjunto de medição Poste Pré-fabricado para 2 Consumidores Monofásicos Páginas 0 / 0 PÁGINA 5 DE 2

16 VISTA DE FRENTE A 00 CORTE A-A ENTRADA AÉREA MEDIÇÃO CAIXA EM POLICARBONATO COM VISOR TRANSPARENTE 2 3 SAÍDAS SUBTERRÂNEAS SAÍDA AÉREA (CARGA) 2 PROTEÇÃO GERAL CAIXA EM POLICARBONATO COM VISOR TRANSPARENTE E DISPOSITIVO DE LACRE PROTEÇÕES INDIVIDUAIS CAIXA EM POLICARBONATO COM VISOR TRANSPARENTE VER NOTA VER DETALHES SAÍDAS SUBTERRÂNEAS E ATERRAMENTOS A Poste Pré-fabricado para Consumidor Monofásico 5000W e Consumidor Bifásico 9000W Páginas 0 / 0 PÁGINA 6 DE 2

17 DETALHES DAS INTERLIGAÇÕES TUBULAÇÃO DE SAÍDA AÉREA TUBULAÇÃO DE ENTRADA APARENTE 3 3 CORTE B-B CORTE C-C CORTE D-D CAVA PARA ALOJAMENTO DA CAIXA DE PROTEÇÃO GERAL CAVAS PARA ALOJAMENTO DAS CAIXAS DE MEDIÇÃO (MEDIDOR) CAVA PARA ALOJAMENTO DA CAIXA DE MEDIÇÃO (MEDIDOR) CAVA PARA ALOJAMENTO DA CAIXA DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL OU CAIXA DE PASSAGEM SAÍDA SUBTERRÂNEA SAÍDA ATERRAMENTO 003. Poste Pré-fabricado para Consumidor Monofásico 5000W e Consumidor Bifásico 9000W Páginas 02 / 0 PÁGINA 7 DE 2

18 Características do Poste Carga Nominal 00 dan Carga Permissível 0 dan Carga de Ruptura 200 dan Comprimento [mm] Engastamento [mm] Peso [kg] Topo do Poste [mm] x 00 Notas:. As dimensões das caixas e tampas devem ser adequadas às dimensões das cavas do poste; 2. As caixas de abrigo da medição e proteção deverão ser fundidas às cavas do poste; 3. A caixa de abrigo da medição deverá ser de fabricante homologado pela EDP ESCELSA e fabricada em policarbonato com visor transparente;. A caixa de abrigo da medição deverá ser conectada ao aterramento no ponto definido pelo fabricante da mesma. 5. A caixa de abrigo do disjuntor deverá ser de fabricante homologado pela EDP ESCELSA e fabricada em policarbonato com visor transparente; 6. Os aterramentos deverão ser independentes e individuais para cada caixa; 7. Os condutores de entrada deverão ser individuais, contendo 3 condutores fase (Uma fase para monofásico e Duas fases para bifásico) e dois condutores neutros; 8. Os condutores de saída deverão ser individuais; 9. Os postes deverão ser ensaiados conforme NBR-85; 0. Os postes devem ter identificação conforme item 6.. desta especificação;. As cotas estão em milímetros; 2. Caso a caixa de abrigo dos medidores seja com disjuntor incorporado, a caixa de abrigo dos disjuntores de saída deverá ser utilizada como caixa de passagem. Item Especificação dos Componentes Caixa em policarbonato com tampa transparente de fabricante homologado pela EDP ESCELSA 2 Curva de entrada de 35 ou cabeçote 3 Eletroduto conforme tabela abaixo Mangueira de PVC de 003. Poste Pré-fabricado para Consumidor Monofásico 5000W e Consumidor Bifásico 9000W Páginas 03 / 0 PÁGINA 8 DE 2

19 Categoria de Consumidor x Monofásico x Bifásico Quadro de Carga / Proteção / Eletrodutos / Entrada 27/220 V Disjuntor Geral Disjunto Condutores Cobre PVC Carga Instalada Bipolar Individual 70 [W] x até 5000 x até /220 V 27/220 V 63 A x 50 A x 0 A Entrada 27/220 V Aterramento 27/220 V Eletroduto 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm Categoria de Consumidor x Monofásico x Bifásico Quadro de Carga / Proteção / Eletrodutos / Entrada 220/380 V Disjuntor Geral Disjunto Condutores Cobre PVC Carga Instalada Bipolar Individual 70 [W] x até 5000 x até /380 V 220/380 V 50 A x 0 A x 0 A Entrada 220/380 V Aterramento 220/380 V Eletroduto 6 mm² 0 mm² PVC 0 mm Notas:. Compreende como sendo entrada o ponto de conexão do ramal de ligação aéreo até o disjuntor de proteção individual de cada conjunto de medição Poste Pré-fabricado para Consumidor Monofásico 5000W e Consumidor Bifásico 9000W Páginas 0 / 0 PÁGINA 9 DE 2

20 ANEXO B TERMO DE RESPONSABILIDADE PÁGINA 20 DE 2

21 TERMO DE RESPONSABILIDADE A Empresa... situada... CEP:..., inscrita no CNPJ sob o nº..., designada fornecedora, declara, por seus representantes legais abaixo assinados, ter conhecimento na íntegra, de todas as determinações legais vigentes na especificação técnica da EDP ESCELSA relativos a postes padrão entrada de energia elétrica, comprometendo-se a cumpri-los fielmente, inclusive quanto a necessidade de homologação prévia de protótipos para fabricação e comercialização destes produtos, utilizados em entradas de serviço na área de concessão da Espírito Santo Centrais Elétricas EDP ESCELSA. Ao mesmo tempo, a Fornecedora declara assumir, integral e exclusivamente, a responsabilidade civil pela colocação do produto no mercado em condições adequadas, independentemente de culpa pelos danos causados pelos produtos postos em circulação, ressalvados casos previstos em lei, sem prejuízo da eventual responsabilidade fiscal e criminal, além do ressarcimento de eventuais prejuízos decorrentes de lucros cessantes, perdas e danos de qualquer espécie, causados à EDP ESCELSA, a seus consumidores e a terceiros, bem como todas e quaisquer despesas necessárias para visita de inspeção/avaliação empresarial e regularização dos produtos. Por este termo de Responsabilidade, a Empresa Fornecedora fica, ainda, ciente e concorda de forma irrevogável e irretratável, que na hipótese de se comprovar, por qualquer meio e a qualquer tempo, a colocação do produto no mercado, em desacordo com a Especificação Técnica e padrões acima mencionados, parte integrante deste documento, estará a Concessionária autorizada, mediante simples aviso, a promover a exclusão do Fabricante do Cadastro de Fornecedores e simultaneamente cancelar sua autorização para comercializar o produto na área de concessão da Concessionária, sem prejuízo das responsabilidades acima descritas assumidas junto à EDP ESCELSA, ficando ainda o Fornecedor obrigado a recolher no mercado todo o material colocado que esteja em desacordo com os padrões técnicos. O Foro da Comarca da cidade de Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, é o único competente para apreciar e dirimir dúvidas e controvérsias porventura decorrente da interpretação e execução deste contrato. Fornecedora - Sócio Fornecedora - Sócio 2 Nome: Nome : CPF: CPF:, de de Reconhecimento de firma em cartório dos sócios e/ou dos representantes legais. Anexo a este termo, deverá ser encaminhada cópia autenticada do contrato social atualizado. PÁGINA 2 DE 2

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 POSTES DE CONCRETO EMISSÃO 17 08-01-15 Página 1 de 20 1 OBJETIVO. SUMARIO 2 DEFINIÇÕES E CONVENÇÕES. 2.1

Leia mais

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência)

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) Critérios de Avaliação Fabril Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) O presente subitem tem como objetivo orientar fabricantes de artefatos de concreto para redes de distribuição

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 POSTES DE CONCRETO ARMADO FOLHA DE CONTROLE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO Código

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos CERCAMENTO DE ÁREAS MUROS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015 REGULAMENTO DO 22º CONCURSO 1/12 APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2015 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a capacidade dos competidores no desenvolvimento de elementos estruturais que resistam

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23

QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 QUADRO DE MEDIDORES PARA PRÉDIO DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS NTD-23 INDICE 1- OBJETIVO... 03 2- CONDIÇÕES GERAIS... 03 2.1- GENERALIDADES... 03 2.2- IDENTIFICAÇÃO... 03 3- CONDIÇÕES ESPECÍFICAS...

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição ESP ESPECIFICAÇÃO ESP - 205 POSTES DE CONCRETO PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO ESP - 205 edição vigência aprovação Revisão 02 Agosto/98 DDPP Página 1 1. FINALIDADE Esta Especificação tem por finalidade

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS

DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS DER/PR ES-OA 06/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: ESCORAMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica;

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica; 1 1. INFORMAÇÕES GERAIS Função O Chuveiro tem como função principal fornecer água com vazão adequada à higiene pessoal. Aplicação Utilizado para higiene pessoal em banheiros ou áreas externas como piscinas.

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.015 Folha 6ª 1 DE 23 29/05/2012 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Anexo I Caderno de Especificações Técnicas Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Porto Alegre/RS 1. Considerações Gerais Antes do início de quaisquer

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO MEMORIAL TÉCNICO: TROCA DE TRANSFORMADOR, CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO EM POSTE SIMPLES COM CABINA DE MEDIÇÃO INDIRETA EM BT DE ENERGIA ELÉTRICA E ADEQUAÇÃO AS NORMAS VIGENTES USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR Manual do Proprietário Utilização e Instalação S A Desd e1 94 6 BO MB AS EF ILTR OS - Consumidores - Representantes - Revendedores Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

Tabela 4 Poste de seção duplo T, tipo D, na direção de menor inércia... 13

Tabela 4 Poste de seção duplo T, tipo D, na direção de menor inércia... 13 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. REFERÊNCIAS... 3 3. CONDIÇÕES GERAIS... 5 4. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 8 5. Requisitos Específicos... 13 6. Inspeção... 19 7. INFORMAÇÕES A SEREM FORNECIDAS COM A PROPOSTA...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN.

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1- GENERALIDADES 1.1- Trata a presente Licitação na execução

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO A) FUNDAÇÕES 1.0 ESTACA BROCA Executada por perfuração com trado e posterior concretagem, sobre as estacas

Leia mais

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO CAPÍTULO 1 Volume 1 MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO 1 1.1- Introdução Concreto: agregados + cimento + água + aditivos. Sua resistência depende: do consumo de cimento, fator água-cimento, grau de adensamento,

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

NORMA TÉCNICA 40/2014

NORMA TÉCNICA 40/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 40/2014 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO 1. OBJETIVO O presente memorial tem pôr objetivo conceituar, definir e apresentar as bases do sistema de ar condicionado que irá atender ao imóvel

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA - EDIFICAÇÕES INDIVIDUAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA - EDIFICAÇÕES INDIVIDUAIS Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-22/04/2014 25/04/2014 MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 5 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 5

Leia mais

ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM

ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM 1.Serviços Preliminares 1.1.Acesso CIDADE: CAMPOS/RJ O local onde

Leia mais

ED-25 ESTUFA MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA. DEOX MÁQUINAS LTDA www.deox.com.br

ED-25 ESTUFA MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA. DEOX MÁQUINAS LTDA www.deox.com.br ED-25 ESTUFA MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 7 SUMÁRIO 1 ESTUFA... 2 2 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 3 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 3 4 INSTALAÇÃO... 3 4.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m²

MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² MEMORIAL DE DIMENSIONAMENTO DOS PROJETOS DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES DA PRAÇA SAUDAVÉL MODELO 01 1.500m² Este memorial se baseia no programa de necessidades para elaboração de projetos executivos:

Leia mais

- - primeira qualidade de primeira 1.8 - Execução dos Serviços e Acesso à Obra

- - primeira qualidade de primeira 1.8 - Execução dos Serviços e Acesso à Obra MEMORIAL DESCRITIVO OBRA : AMPLIAÇÃO DE ESCOLA EM ALVENARIA PROPRIETÁRO: PREFEITURA MUNICIPAL DE ERECHIM - ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CARAS PINTADAS ENDEREÇO: PARTE DA CHÁCARA NUMERO 19 LOTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ESTRUTURA DE CONCRETO CIRCULAR. LT 138kV LAGES RB VIDAL RAMOS JR LT 25716

ESPECIFICAÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ESTRUTURA DE CONCRETO CIRCULAR. LT 138kV LAGES RB VIDAL RAMOS JR LT 25716 DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ESTRUTURA DE CONCRETO CIRCULAR LT 138kV LAGES RB VIDAL RAMOS JR LT 25716

Leia mais

Tanque vertical. Reservatório vertical em filamento contínuo. Manual de Instalação, Manutenção e Garantia

Tanque vertical. Reservatório vertical em filamento contínuo. Manual de Instalação, Manutenção e Garantia Tanque vertical Reservatório vertical em filamento contínuo Manual de Instalação, Manutenção e Garantia 1 - Descrição do equipamento Tanque vertical fabricado em PRFV (poliéster reforçado com fibra de

Leia mais

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NORMA TÉCNICA NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais Cuiabá Mato Grosso - Brasil ÍNDICE Pág. APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO OBRA: C.E.P. EM ARTES BASILEU FRANÇA E ESCOLA DE ARTES VEIGA VALLE LOCAL: GOIÂNIA - GO ASSUNTO: REFORMA NA COBERTURA, FORRO, ESQUADRIAS, INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, PINTURA E PISO. DATA: 15/04/2005. MEMORIAL

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES MEMORIAL DESCRITIVO Memorial Descritivo Elétrico Projeto: Marcelo

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo CONVITE N. 44/2012 MEMORIAL DESCRITIVO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE AJUSTES E CORREÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO SESC COMÉRCIO, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE

Leia mais

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 1993 NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

SAM BLOCO F EDIFÍCIO SEDE BRASÍLIA DF CEP 70.620-000 E-MAIL: terracap@terracap.df.gov.br Internet : www.terracap.df.gov.br

SAM BLOCO F EDIFÍCIO SEDE BRASÍLIA DF CEP 70.620-000 E-MAIL: terracap@terracap.df.gov.br Internet : www.terracap.df.gov.br SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO SEDUH COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP DIRETORIA TÉCNICA E DE FISCALIZAÇÃO DITEC GERÊNCIA DE ENGENHARIA - GEREN TERMO DE REFERÊNCIA PARA SUBSIDIAR

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 Procedimentos para validação de Subestações Blindadas Classes 15 kv e 36,2 kv Este procedimento se encontra na sua Revisão 2 cancelando e substituindo o

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO FORNECIMENTO E EXECUÇÃO

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

Poste Quadrado de Aço para Entrada de Energia Elétrica

Poste Quadrado de Aço para Entrada de Energia Elétrica 1 de 32 NTE - 6.003 Poste Quadrado de Aço para Entrada de Energia Elétrica Especificação Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerencia de Serviços Técnicos Elaborado por: Verificado por: Aprovado

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição e de Transmissão Especificação e Padronização.

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição e de Transmissão Especificação e Padronização. NORMA TÉCNICA CELG Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição e de Transmissão Especificação e Padronização NTC-01 Revisão 4 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio

Ministério da Indústria e do Comércio Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 111 de 20 de setembro de 1983 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÂMARA SUBTERRÂNEA PARA INSTALAÇÃO DE CHAVE DE TRANSFERÊNCIA ATE CHAVE

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÂMARA SUBTERRÂNEA PARA INSTALAÇÃO DE CHAVE DE TRANSFERÊNCIA ATE CHAVE 2040 2400 A 500 855 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E 1/7 TAMPÃO ARTICULADO BI-PARTIDO Y SISTEMA DE TRAVAS 1000 1000 Ø1200 X X PLANTA SUPERIOR TAMPÃO 1050 MM Y TAMPÃO PARA ACESSO DE PESSOAL 200 C 200

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. 1 I INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE GOIÁS. 1.0 - DADOS BÁSICOS: 1.1 - Edifício: Prédio

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO, RECARGA E TESTE HIDROSTÁTICO EM EXTITORES DE INCÊNDIO DO SESC/AR/DF CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Este documento

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

MANUAL DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS

MANUAL DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS MANUAL DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS FRESADORA E BROQUEADORA DE SEDE FBS 2000 1- ÁREA PARA INSTALAÇÃO PROCEDIMENTOS INICIAIS Recomenda-se instalar a máquina em lugares sem a presença de agentes corrosivos e

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA...

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 4.3.3 Estruturas DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DIVISÃO DE SUBESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 1 Í N D I C E SEÇÃO I OBJETO

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 01/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 01/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 01/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO 1.1 O objeto do Pregão Presencial é a aquisição desinstalação e instalação por demanda de 13 aparelhos de ar condicionado

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ES

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ES Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica - Poder Público Contrato nº: DCPP ES 271/2014 Estrutura Tarifária: Baixa Tensão DISTRIBUIDORA Razão Social: Espírito Santo Centrais Elétricas S/A - ESCELSA

Leia mais

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.

A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO. Fornecimento de Energia Elétrica Nos banheiros deverão ser instalados um disjuntor bifásico no quadro de energia existente de cada quadrante conforme projeto. Deste quadro sairá a alimentação para os banheiros.

Leia mais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais FL.: 1/16 REV.: 00 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTALAÇÃO ELÉTRICA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 145, de 30 de dezembro de 1999 O PRESIDENTE

Leia mais