COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO"

Transcrição

1 COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO SECRETARIADO EXECUTIVO, ABUJA, OUTUBRO

2 CAPITULO 1º DISPOSIÇÕES GERAIS ARTGIGO 1º : OBJETO E ALCANCE O presente Estatuto do Pessoal da Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CEDEAO) elaborado em aplicação do Artigo 10, parágrafo 3 do Tratado revisto, define as condições gerais do emprego assim como os deveres, obrigações, direitos e privilégios do pessoal das Instituições da Comunidade. Ele assenta os grandes princípios em matéria de recrutamento e da administração do pessoal de suas instituições. ARTGIGO 2º : DEFINIÇÕES No presente estatuto, entendemos por: Comunidade, A Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental visado o artigo 2 do Tratado Revisto da CEDEAO; Conferência, a Conferência dos Chefes de Estado e de Governo criada pelo artigo 7 do Tratado Revisto da CEDEAO; Conselho, o Conselho de Ministros criado pelo artigo 10 do Tratado Revisto da CEDEAO; Secretariado Executivo, o Secretário Executivo nomeado em conformidade com as disposições do artigo 18 do Tratado Revisto; Secretário Executivo Adjunto, o funcionário nomeado de conformidade ao artigo 18, parágrafo 4º do Tratado Revisto; Secretariado, o Secretariado Executivo criado pelo artigo 17 do Tratado Revisto; Tratado, o Tratado Revisto da CEDEAO; Fundos, o Fundo de Cooperação, de Compensação e de Desenvolvimento criado pelo artigo 21 do Tratado Revisto; 2

3 Director Geral, o funcionário nomeado de conformidade com o artigo 28.1 do protocolo relativo ao Fundo; Director Geral Adjunto, o funcionário nomeado de conformidade ao artigo 28.1 do protocolo relativo ao Fundo; Funcionários Estatutários, o Secretário Executivo, os Secretários Executivos Adjuntos, o Director Geral do Fundo, o Director Geral Adjunto do Fundo, o Controlador financeiro, e qualquer outro funcionário da Comunidade designado como tal pela Conferência ou pelo Conselho; Chefe de Instituição, o Secretário executivo ou o Director geral ou o Chefe de toda outra Instituição da CEDEAO ao qual se aplica o presente Estatuto; Membro do Pessoal, um empregado assalariado das instituições da comunidade que não é consultor; Funcionário, toda a pessoa empregue pela comunidade de forma permanente ou temporária na base de salários ou de honorários mensais; 3

4 CAPITULO II DEVERES, OBRIGAÇÕES E PRIVILÉGIOS ARTGIGO 3 : DEVERES (a) Aceitando sua nomeação, cada membro do pessoal se compromete a exercer suas funções e a regularizar sua conduta tendo exclusivamente em vista os interesses da Comunidade. (b) Os membros do pessoal devem-se impor uma conduta conforme a bienséance e abster-se de toda acção incompatível com o código de conduta ao qual todo o membro do pessoal está atreito. Eles devem velar para que sua conduta, tanto a título oficial que privado, não seja de natureza a desacreditar a Comunidade. ARTGIGO 4 : OBRIGAÇÕES No cumprimento das suas funções: (a) Os membros do pessoal não devem nem solicitar, nem aceitar instruções de nenhum Governante ou de nenhuma autoridade externa à Comunidade. (b) Eles devem abster-se de toda actividade incompatível com o exercício normal de suas funções, ou de natureza à trazer dissabores à sua qualidade de membro do pessoal duma organização internacional responsável somente perante à Comunidade. (c) Eles devem evitar todo o acto e em particular toda a declaração pública de natureza à comprometer ou à desacreditar a Comunidade ou incompatível com a integridade, a independência e a imparcialidade que seu estatuto exige. (d) Eles devem observar a maior discrição perante factos e informações de que têm conhecimento no exercício ou na ocasião do exercício de suas funções. (e) Eles são obrigados a respeitar os princípios da hierarquia e da disciplina e a autoridade estabelecida no seio das instituições da Comunidade: Eles submetem-se à autoridade do chefe da 4

5 instituição que pode confiar-lhes tarefas ou postos em função de seus domínios de competência e de suas experiências. Eles devem respeitar todas as instruções específicas ou de carácter geral emanados de seus superiores hierárquicos e inscrevendo-se no quadro de funções e atribuições da Comunidade. (f) São-lhes formalmente proibidos de levar ou de destruir peças ou documentos oficiais sem autorização prévia. ARTGIGO 5 : JURAMENTO OU COMPROMISSO SOLENE (a) Aquando de suas entradas em função, os membros do pessoal devem prestar o juramento ou subscrever a declaração que se segue: Eu... juro servir lealmente e com fidelidade a Comunidade Económica dos Estados de África ocidental na minha qualidade de..., de não comunicar directa ou indirectamente, à ninguém que não seja a quem estou habilitado a os transmitir, nem de difundir todos os documentos ou informações que tiverem chegado ao meu conhecimento no exercício de minhas funções; nem de fazer desta informação que detenho de par minhas atribuições, um uso podendo trazer algum prejuízo à segurança ou aos interesses da Comunidade, mesmo depois de ter cessado todas as funções no seio desta Instituição. Juro igualmente exercer com lealdade, discrição e consciência, as funções que me foram confiadas, de os desempenhar e de (pautar) regularizar minha conduta, tendo exclusivamente em vista, os interesses da CEDEAO, sem solicitar, nem aceitar instruções de nenhum governo ou outra autoridade externa à Comunidade no exercício das minhas funções. (b) O juramento é prestado oralmente pelo Secretário Executivo aquando duma sessão pública da Conferência. Ele é prestado oralmente pelos outros funcionários estatutários aquando duma sessão pública do Conselho. Os outros membros do pessoal subscrevem um compromisso solene escrito, endereçado ao Chefe da Instituição em causa ou ao seu representante devidamente acreditado. 5

6 (c) O juramento prestado ou o compromisso solene subscrito não impedem os membros do pessoal de colaborar estreitamente com um governo, de conformidade ao acordo concluído entre aquele governo e a Comunidade. ARTGIGO 6 : PROTECÇÃO (a) Por força do exercício de suas funções, os membros do pessoal ao serviço da Comunidade têm direito à protecção. (b) A Comunidade é obrigada(chamada) a proteger os membros do pessoal contra as ameaças, ultrajes, violências, vias de facto, injúrias ou difamações aos quais podem ser objectos, em razão ou na ocasião do exercício de suas funções. A Comunidade se obriga, em casos de ocorrência de tais actos, a reparar os prejuízos sofridos pelos membros do pessoal. (c) A Comunidade assume a plena responsabilidade civil por todo erro profissional cometido por um membro do pessoal no exercício ou na ocasião do exercício de suas funções oficiais. Em casos idênticos, a Comunidade pode tomar todas as medidas apropriadas contra o pessoal em causa. ARTGIGO 7 : IMUNIDADES E PRIVILÉGIOS (a) Os membros do pessoal no exercício de suas funções e responsabilidades, beneficiam, em todos os estados membros, de imunidades e privilégios estipulados nas convenções internacionais. (b) As imunidades e privilégios reconhecidos aos membros do pessoal em virtude da Convenção Geral sobre os Privilégios e Imunidades da Comunidade Económica dos estados de África Ocidental de 22 de Abril 1978 assim como das disposições do Acordo da sede são conferidas no interesse da Comunidade. (c) Estas imunidades e privilégios não dispensam os membros do pessoal que deles beneficiam de executar suas obrigações privadas, nem de observar as leis e regulamentos de apólice em vigor. (d) O Secretariado Executivo detém qualidade exclusiva para decidir se há lugar de levantar as imunidades e privilégios. Nos casos onde 6

7 estas imunidades e privilégios estão em causa, o membro do pessoal interessado deverá informar imediatamente ao chefe da instituição, que empreenderá todas as acções apropriadas. CAPITULO III CLASSIFICAÇÃO DO PESSOAL E POSTOS ARTGIGO 8 : CATEGORIAS DO PESSOAL Os membros do pessoal da CEDEAO são todos dos oriundos dos Estados membros, repartidos nos seguintes grupos: (a) pessoal recrutado no plano internacional que compreende: (i) (ii) funcionários estatutários; pessoal profissional (D e P); (b) pessoal recrutado localmente que compreende: (i) (ii) pessoal de serviços gerais (G); pessoal auxiliar (M). CAPITULO IV NOMEAÇÕES, PROMOÇÕES, CONDIÇÕES GERAIS DE RECRUTAMENTO E DE ADIANTAMENTO ARTGIGO 9 : CONDIÇÕES GERAIS Todo o candidato à um posto nas instituições da CEDEAO deve preencher os seguintes requisitos: (a) ser oriundo de um estado membro da CEDEAO; (b) ter boa moralidade e ter um arquivo criminal virgem; 7

8 (c) Ser reconhecido fisicamente apto à executar as tarefas que lhe forem confiadas e não sofrer de nenhuma doença mental, temporária ou permanente; (d) Não ultrapassar a idade limite de recrutamento estipulada nos regulamentos do pessoal. ARTIGO 10 : NOMEAÇÕES (a) O Secretário executivo é nomeado pela Conferência de harmonia com o artigo 18, parágrafo 1 do Tratado; (b) Os outros funcionários estatutários são nomeados pelo Conselho em conformidade com o artigo 18, parágrafo 4 do Tratado; (c) Os membros do pessoal outros que não são funcionários estatutários são nomeados pelo Secretário Executivo ou o Director Geral do Fundo em conformidade com a artigo 19, parágrafo 3g do Tratado; (d) No momento da sua nomeação, cada membro do pessoal visado no parágrafo (c) do presente artigo, recebe uma carta de nomeação assinada pelo Chefe da Instituição. ARTIGO 11 : ESTATUTO E REGULAMENTO DO PESSOAL Sob reserva das disposições do artigo 10 acima descritos, a nomeação de todos os membros do pessoal é regido pelas disposições dos presentes Estatutos e Regulamentos do Pessoal: Um exemplar do Estatuto e um exemplar do Regulamento são entregues à cada membro do pessoal ao mesmo tempo que sua carta de nomeação. Aceitando sua nomeação, cada membro do pessoal deve confirmar por escrito, que tomou devidamente conhecimento do Estatuto e Regulamento do Pessoal e aceitou as condições que aí foram enunciadas. ARTIGO 12 : CRITÉRIOS DE NOMEAÇÃO A nomeação dos membros do pessoal faz-se sem distinção da raça, do sexo ou de religião. (a) Os funcionários estatutários são nomeados segundo o procedimento definido no artigo 18 do Tratado. A nomeação dos outros membros 8

9 do pessoal efectua-se por vias de concurso na base de modalidades fixadas pelo Chefe da Instituição. (b) Para a nomeação do pessoal profissional, toma-se acima de tudo em conta a necessidade de assegurar à Comunidade, os serviços de pessoas que possuem mais altas qualidades de trabalho, de competência, de eficácia e de integridade, duma repartição geográfica equitativa de postos entre os oriundos de todos os Estados membros. ARTIGO 13 : TIPOS DE NOMEAÇÕES As nomeações são feitas na base dum contrato permanente, de duração determinada ou temporária. (a) Uma nomeação é permanente quando diz respeito à uma duração indeterminada que não finda normalmente que na data da partida à reforma. Uma tal nomeação diz respeito somente às pessoas que não tenham atingido a idade de cinquenta anos na data do seu recrutamento. Os membros do pessoal que já estão em serviço no seio da Comunidade não estão abrangidos por este limite de idade. Um membro do pessoal nomeado de conformidade com as disposições do presente parágrafo é submetido à um período de aprovação(experiência) de um ano depois do qual sua nomeação pode ser confirmada. (b) Uma nomeação tem uma duração determinada quando ela cobre um período determinado na carta de engajamento. Uma tal nomeação não pode exceder três (3) anos e não pode ser renovada que por um outro período igual ou inferior a três (3) anos. Os contratos relativos aos projectos comunitários poderão todavia serem renovados até a execução total dos ditos projectos. Um membro do pessoal titular de um contrato à duração determinada por um período de ano (1) ou mais, é submetido à um período de aprovação de seis (6) meses depois do qual sua nomeação poderá ser confirmada para a duração do contrato. Os membros do pessoal contratados na base de um contrato permanente ou todas as outras pessoas que tenham sido despedidas não podem pretender a um contrato à duração determinada no seio das instituições da Comunidade. 9

10 (c) Uma nomeação é considerada como temporária quando a carta de nomeação do interessado estipula que a duração do contrato não ultrapassa os seis (6) meses. Esta nomeação pode ser renovada três (3) vezes, por um outro período que não ultrapassa cada um seis (6) meses. Os antigos empregados da Comunidade podem pretender à tais contratos temporários. ARTIGO 14 : ADIANTAMENTO (a) Os membros do pessoal têm direito à um adiantamento periódico de escalão sem mudança de grau. (b) O adiantamento de escalões se aplica aos membros do pessoal cuja performância é julgada satisfatória. (c) Para os fins de adiantamento, um relatório de avaliação da performância de cada membro do pessoal é submetido ao Secretário Executivo, de harmonia com as condições estipuladas na alínea (a) do artigo 19 do Regulamento do Pessoal. ARTIGO 15 : CONDIÇÕES E MODALIDADES As condições e modalidades da nomeação, do período de aprovação, da confirmação, da nomeação e de adiantamento estão definidas no Regulamento do Pessoal. CAPITULO V REMUNERAÇÃO ARTIGO 16: HONORÁRIOS, INDEMINIZAÇÕES E PRESTAÇÕES (a) Todo o funcionário em serviço da Comunidade tem direito à um salário, às indemnizações e à outras vantagens. (b) O Secretário Executivo propõe duma vez à outra à aprovação do Conselho, e por intermédio da Comissão de Administração e Finanças, os livros de conta revisto dos honorários, indemnizações e outras vantagens dos membros do pessoal, assim como as condições 10

11 e modalidades de outorga. Esses livros de conta, condições e modalidades estão enunciadas no Regulamento do Pessoal. (c) Com os fins de determinação das condições do emprego do pessoal recrutado localmente, tem-se devidamente conta das melhores condições do emprego oferecidas pelos governos dos países anfitriões e de todos os outros factores, em particular das condições de emprego oferecidas por outras organizações internacionais. Os honorários assim fixados não devem ser inferiores aos em vigor nos países anfitriões. (d) O Chefe da Instituição fixa os emolumentos das pessoas contratadas como consultores ou numa outra qualidade, mas que não têm o estatuto de funcionários recrutados à título permanente. (e) Todos os membros do pessoal têm obrigação de subscrever à uma caixa de reforma, uma pensão ou à um fundo de previdência em conformidade com as modalidades e condições fixadas pelo Regulamento do Pessoal. (f) Um membro do pessoal é considerado como estando em actividade quando ele exerce efectivamente as funções às quais ele foi nomeado; ele é igualmente considerado como estando em actividade quando ele se encontra, em conformidade com às disposições do Regulamento do Pessoal, em férias, em missão oficial ou em estágio de formação, de reciclagem ou de aperfeiçoamento. (g) O Chefe da Instituição vela pela aplicação das disposições relativas às condições de outorga de licenças, tais que estipuladas no Regulamento do Pessoal tendo em conta as exigências do serviço. CAPITULO VI FÉRIA ANUAL, FÉRIA AO DOMICILIO E FÉRIA ESPECIAL ARTIGO 17 : FÉRIA ANUAL, FÉRIA AO DOMICILIO E FÉRIA ESPECIAL (a) Os membros do pessoal têm direito à uma féria anual. (b) Os funcionários internacionais em posto fora dos seus países de origem têm direito à uma féria ao domicílio todos os dois anos. 11

12 (c) O Chefe da Instituição pode conceder uma féria especial em casos excepcionais. (d) O Regulamento do Pessoal define as condições e as modalidades que regem as férias dos funcionários. CAPITULO VII REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL ARTIGO 18 : REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL (a) O Chefe da instituição estabelece para o pessoal, um regime de segurança social prevenindo nomeadamente: (i) licenças por doença; (ii) licenças de maternidade e paternidade; (iii) (iv) (v) (vi) uma indemnização em caso de doença contraída no exercício ou na ocasião do exercício das funções de membro do pessoal; uma assistência médica; uma assistência em caso de óbito; uma caixa de aposentação (vii) um seguro acidente do grupo; (viii) um seguro vida do grupo. (b) As condições nas quais os funcionários dos diferentes grupos podem beneficiar deste regime de segurança social assim como todas as outras condições e modalidades estão definidas no Regulamento do Pessoal. 12

13 CAPITULO VIII VIAGENS OFICIAIS ARTGIGO 19 : VIAGENS OFICIAIS DO PESSOAL A CEDEAO custeia as despesas de viagem dos funcionários em missão oficial assim como dos funcionários e pessoas sob sua tutela nos seguintes casos: (a) Aquando da nomeação inicial, entre o país de origem do funcionário e o lugar de afectação, ou entre o lugar onde ele foi recrutado e o lugar de afectação; (b) Aquando das férias ao domicílio; (c) Aquando da mudança do lugar de afectação; (d) Aquando da cessação do serviço (e) Aquando de outras deslocações autorizadas de harmonia às disposições do regulamento do Pessoal. ARTGIGO 20 : TRANSPORTE DO MOBILIARIO E PERTENÇAS PESSOAIS DOS FUNCIONARIOS A Comunidade paga as despesas de transporte do mobiliário e pertenças pessoais dos funcionários, de conformidade com as disposições e modalidades definidas no Regulamento do Pessoal. ARTGIGO 21 : DEMISSÃO CAPITULO IX CESSAÇÃO DE SERVIÇO Os funcionários podem demitir-se endereçando ao Chefe da Instituição o pré-aviso requerido nos termos da sua nomeação ou do seu contrato, nas condições fixadas pelo Regulamento do Pessoal. 13

14 ARTGIGO 22 : LICENCIAMENTO De harmonia com as disposições do Regulamento do Pessoal, o Chefe da Instituição pode dar por findo, a todo o momento, o contrato dum funcionário por quaisquer das seguintes razões: (a) Se as exigências do serviço requererem a supressão dum posto ou a compressão de suas funções. (b) Se o membro do pessoal em questão não dá mais satisfação no exercício de suas funções. (c) Se por razões de saúde, o membro do pessoal não se encontra mais em condições de exercer as funções que lhe são confiadas. (d) Se os factos anteriores a nomeação do membro do pessoal mexendo com a sua aptidão, sua integridade e sua conduta vierem a ser constatados e que se tratam de factos que, se tivessem sido conhecidos antes, teriam impedido a sua nomeação. (e) Se o membro do pessoal for reconhecido culpado dum acto criminal, o que seria contrário às normas de boa conduta exigidas dum funcionário duma organização internacional e poderia desacreditar a Comunidade. (f) Se o funcionário se torne culpado duma conduta que traga prejuízos à Comunidade. (g) Todo o membro do pessoal licenciado pelas razões evocadas nas alíneas (a) e (c) em cima, tem o direito de receber todas as indemnizações enunciadas no Regulamento do Pessoal. ARTGIGO 23 : APOSENTAÇÃO (REFORMA) Com a excepção dos funcionários estatutários, do pessoal recrutado na base de um contrato à duração determinada, do pessoal temporário e dos consultores, todos os membros do pessoal devem obrigatoriamente fazer valer seus direitos à reforma na idade de sessenta (60) anos ou então se tiverem servido continuamente a Comunidade durante o período máximo estipulado no Regulamento do Pessoal. Os termos e condições que regem a partida voluntária e antecipada à reforma estão igualmente determinadas no Regulamento do Pessoal. 14

15 CAPITULO X ÓRGÃOS CONSULTIVOS EM MATÉRIA DO PESSOAL ARTGIGO 24 : COMITÉ CONSULTIVO CONJUNTO DE NOMEA- -ÇÕES, DE PROMOÇÕES E DE DISCIPLINA DO PESSOAL (a) Foi criado um Comité Consultivo Conjunto de Nomeações, de Promoções e de Disciplina do pessoal profissional da Comunidade. (b) As decisões relativas às nomeações e promoções assim como as medidas disciplinares especificadas no Regulamento do Pessoal são tomadas pelo Chefe da Instituição sob recomendação do Comité Consultivo. As decisões do chefe da Instituição e o relatório do Comité Consultivo Conjunto devem ser comunicadas aos Estados membros num prazo de trinta (30) dias a contar da data de tomada de decisão. (c) O Comité Consultivo limita-se no exercício de suas funções, às nomeações, promoções e medidas disciplinares dos quadros profissionais. Ele tem o poder de examinar, ao menos, uma vez por ano, as nomeações e as promoções do pessoal recrutado localmente afim de assegurar a uniformidade das normas no seio das duas Instituições da Comunidade. (d) O Regulamento do Pessoal fixa a composição e as regras de procedimento do Comité Consultivo. ARTGIGO 24 : COMITÉ CONSULTIVO DE NOMEAÇÕES, DE PROMOÇÕES E DE DISCIPLINA DO PESSOAL RECRUTADO LOCALMENTE (a) Foi criado no seio de cada uma das Instituições da Comunidade, um Comité Consultivo encarregue das nomeações, promoções e da disciplina do pessoal recrutado localmente. (b) O Comité exerce no seio de cada Instituição, as mesmas funções perante o pessoal recrutado localmente que o Comité Consultivo de nomeações, de promoções e de disciplina em relação ao pessoal profissional. (c) O Regulamento do Pessoal fixa a composição e as regras de procedimento do dito Comité. 15

16 CAPITULO XI DISCIPLINA ARTGIGO 26 : MEDIDAS DISCIPLINARES (a) O Chefe da Instituição pode tomar medidas disciplinares contra um membro do pessoal cuja conduta deixa a desejar. (b) Ele pedirá o parecer do Comité de Nomeações, de Promoções e de Disciplina apropriado sobre certas medidas disciplinares estipuladas no Regulamento do Pessoal. CAPITULO XII DIREITO DE RECURSO ARTGIGO 27: EXERCÍCIO DO DIREITO DE RECURSO Os membros do pessoal, os seus herdeiros ou seus representantes podem, por intermédio da Comissão de Administração e Finanças ou do Conselho de Administração do Fundo, recorrer de todas as medidas disciplinares tomadas contra si pelo Chefe da Instituição perante o Conselho de Ministros, se eles estimarem que as condições do emprego (compreendendo as disposições pertinentes do Estatuto do Pessoal) não foram observadas ou que a medida visada é contestável. Em caso de rejeição, o membro do pessoal concernente pode contactar a Corte da Justiça da Comunidade. CAPITULO XIII DISPOSIÇÕES DIVERSAS E FINAIS ARTGIGO 28: ENTRADA EM VIGOR O presente Estatuto será submetido à adopção do Conselho. Entrará em vigor de conformidade com as disposições do Tratado regendo a entrada em vigor dos Regulamentos. 16

17 ARTGIGO 29: DELEGAÇÃO DE PODERES O Chefe da Instituição pode delegar ao seu adjunto, uma das tarefas que lhe são confiadas nos termos do presente Estatuto. ARTGIGO 30: EMENDAS As disposições do presente Estatuto podem ser completadas ou emendadas pelo Conselho. ARTGIGO 31: REGULAMENTO DO PESSOAL O presente Estatuto é completado por um Regulamento do Pessoal cujas disposições devem ser compatíveis com os princípios que aí estão enunciados. ARTGIGO 32: AB-ROGAÇÃO O presente Estatuto ab-roga toda a disposição anterior contrária. ARTGIGO 33: LÍNGUAS DE PUBLICAÇÃO O presente Estatuto será publicado nas línguas de trabalho da Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental. 17

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira)

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Assembleia de Freguesia de Ferreira (Paços de Ferreira) PROJECTO DE REGIMENTO DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Regimento da Assembleia de Freguesia De FERREIRA (Paços de Ferreira)

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES.

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES. Resolução da Assembleia da República n.º 32/97 Tratado de Budapeste sobre o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Efeitos do Procedimento em Matéria de Patentes, adoptado em Budapeste

Leia mais

P A R L A M E N T O E U R O P E U

P A R L A M E N T O E U R O P E U P A R L A M E N T O E U R O P E U REGRAS INTERNAS RELATIVAS AOS ESTÁGIOS E VISITAS DE ESTUDO NO SECRETARIADO-GERAL DO PARLAMENTO EUROPEU PARTE I: ESTÁGIOS Capítulo 1 Disposições gerais Artigo 1º Os diferentes

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

REGULAMENTO NO. 2000/6 SOBRE O ESTABELECIMENTO DE UM GABINETE CENTRAL DE PAGAMENTOS DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO NO. 2000/6 SOBRE O ESTABELECIMENTO DE UM GABINETE CENTRAL DE PAGAMENTOS DE TIMOR LESTE UNITED NATIONS United Nations Transitional Administration in East Timor UNTAET NATIONS UNIES Administration Transitoire des Nations Unies au Timor Oriental UNTAET/REG/2000/6 22 de Janeiro de 2000 REGULAMENTO

Leia mais

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação e Natureza 1. A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

PROJECTO DOS ESTATUTOS DO FUNDO MONETÁRIO AFRICANO

PROJECTO DOS ESTATUTOS DO FUNDO MONETÁRIO AFRICANO EA9360 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA PROJECTO DOS ESTATUTOS DO FUNDO MONETÁRIO AFRICANO Page i ÍNDICE CAPÍTULO I: DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º : Definições. 1 Artigo 2º : Criação do Fundo....

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e isenção) 1. O advogado deve, no exercício da profissão

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS Aprovada em Nova Iorque, em 28 de Setembro de 1954 Entrada em vigor: 6 de Junho de 1960, em conformidade com o artigo 39.º As Altas Partes Contratantes, PREÂMBULO

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Edição A. Código de Conduta

Edição A. Código de Conduta Edição A Código de Conduta -- A 2011.09.26 1 de 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 PRINCÍPIOS E NORMAS GERAIS... 2 a) Trabalho Infantil... 2 b) Trabalho forçado... 2 c) Segurança e bem-estar no local de trabalho...

Leia mais

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 14 /2011 de 19 de Dezembro Havendo necessidade de se regulamentar o funcionamento das sociedades de cessão financeira (factoring), com vista a desenvolver a matéria estabelecida no Decreto Presidencial

Leia mais

R 25ª AULA = MODELOS 01 ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO COLETIVO:

R 25ª AULA = MODELOS 01 ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO COLETIVO: R 25ª AULA = MODELOS 01 ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO COLETIVO: Pelo presente instrumento, xxxxx (qualificar), com sede nesta Cidade, na Rua xxxxx nº xxxxx, Cep nº xxxxx Bairro xxxxx,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 244 22 de Dezembro de 2011 5373 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 64/2011 de 22 de Dezembro Modifica os procedimentos de recrutamento, selecção e provimento nos cargos

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Considerando a profunda reconversão por que passa a Administração Pública em ordem a adaptá-la às finalidades prosseguidas pelo processo revolucionário em curso; Considerando

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS /IBMEC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º 1. Com o fim de estimular a valorização profissional e a especialização nos diversos domínios da Música, a Fundação

Leia mais

PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I. Disposições gerais

PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I. Disposições gerais 1. Convenção sobre a Patente Europeia PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Direito europeu de concessão de patentes É instituído pela presente Convenção um

Leia mais

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD)

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Artigo 1.º...2 Artigo 2.º...3 Artigo 3.º...3 Artigo 4.º...3 Artigo 5.º...3 Artigo 6.º...4 Artigo 7.º...4

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A "ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE DIREITO DE SEGURO -

Leia mais

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 ESTATUTOS Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, OBJECTO, NATUREZA E SEDE Artº 1º - Denominação e Objecto Artº 2º - Âmbito e Duração Artº 3º -

Leia mais

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo)

CONTRATO-MODELO. Reembolso dos custos. para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) CONTRATO-MODELO Reembolso dos custos para projectos de demonstração (CE) (Versão montante fixo) NB: O presente contrato é utilizado quando a contribuição comunitária consiste num montante fixo. A contribuição

Leia mais

POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES. (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.

POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES. (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb. Banco Interamericano de Desenvolvimento POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.org 1 Í N D I C E Página

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Capítulo I Constituição, Âmbito, Objecto e Atribuição Artigo 1.º (Denominação e natureza) É constituída por tempo indeterminado, uma associação

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril

Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril O Decreto-Lei n.º 165/85, de 16 de Maio, instituiu o novo regime de formação profissional em cooperação entre o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais

Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, Âmbito e Sede O Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade

Leia mais

Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável

Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável As Partes deste Estatuto, desejando promover a difusão e a crescente utilização da energia renovável com vista ao desenvolvimento sustentável, inspiradas

Leia mais

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO. Preâmbulo

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO. Preâmbulo ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO Preâmbulo Mediante Acordo firmado em 29 de novembro de 1924, os Governos da Espanha, França, Grécia, Hungria, Itália, Luxemburgo, Portugal

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei da Observação Eleitoral LEI N.º 4/05 De 4 de Julho Convindo regular a observação eleitoral quer por nacionais quer por estrangeiros; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

CONVENÇÃO RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS

CONVENÇÃO RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS CONVENÇÃO RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS Adotada em 28 de julho de 1951 pela Conferência das Nações Unidas de plenipotenciários sobre o Estatuto dos Refugiados e Apátridas, convocada pela Resolução

Leia mais

Convenção relativa à Proteção das Crianças e a Cooperação em matéria de Adoção Internacional

Convenção relativa à Proteção das Crianças e a Cooperação em matéria de Adoção Internacional Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Proteção Internacional dos Direitos Humanos Convenção relativa à Proteção das Crianças e a Cooperação em matéria de Adoção Internacional Conclusão e

Leia mais

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006 Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Dezembro de 1996 relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p.

Leia mais

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 O regime jurídico das armas e munições, aprovado pela Lei n.º 5/2006, de 23 de Fevereiro,

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO)

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) PRAIA, 17 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA Sendo globalmente

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO

ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO 1 - OBJETIVO A auditoria de pessoal tem por objetivo certificar-se da regularidade dos atos praticados pela administração, relativos a nomeação, classificação,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

Contrato de Sociedade COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, SA. Aprovado pela Assembleia Geral de 23 de Agosto de 2004

Contrato de Sociedade COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, SA. Aprovado pela Assembleia Geral de 23 de Agosto de 2004 Contrato de Sociedade da COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, SA Aprovado pela Assembleia Geral de 23 de Agosto de 2004 Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1º A sociedade adopta

Leia mais

CHALENGE WOMEN 2014. Capítulo I PROVA

CHALENGE WOMEN 2014. Capítulo I PROVA CHALENGE WOMEN 2014 Capítulo I PROVA Artigo 1º. O CHALLENGE WOMEN 2014 será realizado no dia 29 de Novembro de 2014, no bairro de Jurerê Internacional, tendo como local de concentração a Avenida do Búzios

Leia mais

Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos Montepio Filarmónico

Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos Montepio Filarmónico Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos Montepio Filarmónico CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objectivos e fins) 1. Sem prejuízo do disposto no art.º 4º dos Estatutos, o Regulamento

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 12-A/88 Convenção Constitutiva da Agência Multilateral de Garantia dos Investimentos (MIGA)

Resolução da Assembleia da República n.º 12-A/88 Convenção Constitutiva da Agência Multilateral de Garantia dos Investimentos (MIGA) Resolução da Assembleia da República n.º 12-A/88 Convenção Constitutiva da Agência Multilateral de Garantia dos Investimentos (MIGA) Aprovação, para ratificação, da Convenção Constitutiva da Agência Multilateral

Leia mais

Regulamento dos Mestrados

Regulamento dos Mestrados Regulamento dos Mestrados 4.2.14 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Organização... 3 1.1 Coordenação... 3 1.2 Programas... 3 1.3 Planos curriculares... 3 1.4 Unidades curriculares... 3 2 Candidatura... 5 2.1

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

DECRETO Nº 2.682, DE 21 DE JULHO DE 1998 (DOU 22.07.1998) Promulga a Convenção nº 168 da OIT, relativa à Promoção do Emprego e à Proteção contra o

DECRETO Nº 2.682, DE 21 DE JULHO DE 1998 (DOU 22.07.1998) Promulga a Convenção nº 168 da OIT, relativa à Promoção do Emprego e à Proteção contra o DECRETO Nº 2.682, DE 21 DE JULHO DE 1998 (DOU 22.07.1998) Promulga a Convenção nº 168 da OIT, relativa à Promoção do Emprego e à Proteção contra o Desemprego. O Presidente da República, no uso das atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE FEIRA DE SANTANA BA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE FEIRA DE SANTANA BA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE FEIRA DE SANTANA BA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Conselho Tutelar de Feira de Santana, Órgão Permanente e Autônomo, não jurisdicional,

Leia mais

Porto de Leixões. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º. (Funções do Provedor)

Porto de Leixões. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º. (Funções do Provedor) Estatuto do Provedor do Cliente do Transporte Marítimo do Porto de Leixões Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Funções do Provedor) 1. O Provedor do Porto de Leixões, adiante designado como Provedor,

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

Promoção do Emprego e Proteção Contra o Desemprego

Promoção do Emprego e Proteção Contra o Desemprego 1 CONVENÇÃO N. 168 Promoção do Emprego e Proteção Contra o Desemprego I Aprovada na 75ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1988), entrou em vigor no plano internacional em 17.10.91.

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971

Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971 Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971 Os Estados Contratantes, animados pelo desejo de assegurar, em todos os países, a protecção dos direitos dos autores sobre

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA RIO DE JANEIRO 2012 I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento rege as atividades de Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Direito. Art. 2º -

Leia mais

REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS

REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS REGIME JURÍDICO GERAL DOS ARQUIVOS Lei nº 42/VI/2004 de 10 de Maio Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 174º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

Jornal da República. Convenção relativa à Protecção das Crianças e à Cooperação em matéria de Adopção Internacional. Haia 29/05/93

Jornal da República. Convenção relativa à Protecção das Crianças e à Cooperação em matéria de Adopção Internacional. Haia 29/05/93 mediante notificação por escrito dirigida ao Secretário-Geral das Nações Unidas. A denúncia tornar-se-á efetiva um ano após a data de recepção da notificação pelo Secretário- Geral. Convenção relativa

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE POLÍTICAS, DIREITO, ECONOMIA E TECNOLOGIAS DAS COMUNICAÇÕES CCOM/UnB

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE POLÍTICAS, DIREITO, ECONOMIA E TECNOLOGIAS DAS COMUNICAÇÕES CCOM/UnB REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE POLÍTICAS, DIREITO, ECONOMIA E TECNOLOGIAS DAS COMUNICAÇÕES CCOM/UnB Capítulo I Da Natureza e das Finalidades Art. 1º O Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 203, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina e estabelece outras

Leia mais

COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008

COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008 REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO INTERNO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS)

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais