NEWSLETTER CETC promete... JANEIRO 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEWSLETTER CETC. 2014 promete... JANEIRO 2014"

Transcrição

1 JA N E I R O E M D E S T A Q U E : NEWSLETTER CETC JANEIRO 2014 Plano de actividades V O L U M E I I, N E W S L E T T E R C E T G M A I L. C O M Torneio Gerações Arbitragem 2014 promete... As diversas superfície do ténis. N E S T A E D I Ç Ã O : TORNEIO 2 GERAÇÕES CALENDÁRIO REGRAS DO 4 TÉNIS ADRIANO 6 CARVALHO Recentemente, a Direção deu a conhecer, em Assembleia Geral, o Plano de Atividades para o corrente ano, revelando uma forte dinâmica de trabalho, assente num orçamento de rigor, com vista a um equilíbrio financeiro sustentado. O conjunto de iniciativas projetadas para 2014 vão desde as diversas provas do calendário federativo, com destaque para o torneio internacional feminino, Cantanhede Ladies Open, às iniciativas dirigidas aos sócios, componente importante da prática associativa. As classes de competição merecem, mais uma vez, uma atenção muito especial, na medida do investimento técnico e financeiro do clube, dos jogadores e dos pais. Também as iniciativas dirigidas ao fomento, assumem um papel importante na captação de novos praticantes para a Escola de Ténis do Clube. Merece também destaque, a realização do torneio Gerações, que será disputado no dia 22 de Fevereiro. Esta prova, organizada pela Comissão de Pais dos Atletas de Competição, tem como principais objectivos contribuir para a dinamização do Clube, através da promoção do espírito de convívio e reforçar o apoio aos atletas de competição juvenil, que tanto têm contribuído para o sucesso alcançado, prestigiando o nome do Clube Escola de Ténis de Cantanhede. RANKING NACIONAL ROLLAND GARRIDO II JOGAR TÉNIS FAZ BEM! ÚLTIMA HORA!

2 P Á G I N A 2 TORNEIO GERAÇÕES O torneio será uma oportunidade de convívio entre sócios e simpatizantes. A Comissão de Pais dos Atletas de Competição vai realizar o torneio Gerações no próximo dia 22 de Fevereiro (sábado). Trata-se de uma prova interna que tem como principais objetivos contribuir para a dinamização do Clube, através da promoção do espírito de convívio e reforçar o apoio aos atletas de competição juvenil, que tanto têm contribuído para o sucesso alcançado, prestigiando o nome do Clube Escola de Ténis de Cantanhede Este bloco pode conter entre 100 e 150 palavras. Os temas que podem aparecer nos boletins são virtualmente ilimitados. Pode incluir histórias sobre tecnologias ou inovações actuais na sua área de negócios. Também poderá indicar tendências comerciais ou económicas ou fazer previsões para os seus clientes. Se o boletim for distribuído Vamos todos participar e mostrar a força do nosso clube! N E W S L E T T E R C E T C J A N E I R O

3 V O L U M E I I, E D I Ç Ã O 1 P Á G I N A 3 CALENDÁRIO DE ACTIVIDADES /16 FEVEREIRO - TORNEIO DE ABERTURA (FPT), SUB12 &SUB16 22 FEVEREIRO - TORNEIO GERAÇÕES 1/2 MARÇO - ETAPA SMASHTOUR (TODOS OS ESCALÕES) 12/13 ABRIL - TAÇA PRIMAVERA (FPT), SUB12 &SUB16 1 MAIO - VIAGEM DOS SÓCIOS E PRATICANTES DO CETC AO PORTUGAL OPEN 24 MAIO/1 JUNHO - CANTANHEDE LADIES OPEN 14/15 JUNHO - TORNEIO SANTOS POPULARES (FPT), SUB12 & SENIORES 12 JULHO - FESTA DO TÉNIS 18/20 JULHO - TORNEIO FESTAS DA CIDADE (FPT), VET. 45, 55, 55 E 65 13/14 SETEMBRO - TORNEIO DE SÓCIOS, PARES 4/5 OUTUBRO - BENJAMIM TÉNIS TOUR 10/13 OUTUBRO - PROVA INTERNACIONAL DE VETERANOS MASCULINOS E FEMININOS 30 OUTUBRO/ 2 NOVEMBRO - PROVA CATEGORIA B, SUB12 6/7 DEZEMBRO - TORNEIO DE ENCERRAMENTO, SENIORES

4 P Á G I N A SEGUNDO SERVIÇO Se o primeiro serviço for falta, o servidor sem demora deverá servir outra vez, por detrás da mesma metade do campo da qual ele serviu a falta, a menos que o serviço tenha sido executado da metade errada. 21. QUANDO SERVIR E RECEBER O árbitro António Garrido continua a explicar-nos as regras do ténis. O servidor não deve servir até que o recebedor esteja preparado. Contudo, o recebedor deve jogar para o ritmo razoável do servidor e deve estar preparado para receber dentro de tempo razoável no momento que o servidor está preparado. Um recebedor que tentar devolver o serviço, deverá ser considerado como se estivesse preparado. Se é demonstrado que o recebedor não está preparado, não pode ser marcada uma falta no serviço. 22. LET DURANTE UM SERVIÇO É um Let no serviço, se: A bola servida tocar a rede, cinta ou fita e é de qualquer maneira boa ou, depois de tocar na rede, cinta ou fita, toca no recebedor ou parceiro do recebedor, ou qualquer coisa que eles vistam ou carreguem, antes de tocar o solo; Uma bola é servida quando o recebedor não está preparado. No caso de um serviço Let, esse respectivo serviço não deve contar e o servidor deve servir novamente, mas um Let não anula uma falta anterior. N E W S L E T T E R C E T C J A N E I R O

5 V O L U M E I I, E D I Ç Ã O O LET P Á G I N A 5 Em todos os casos quando um Let tem que ser ordenado, o ponto completo deverá ser repetido, excepto quando um Let é chamado num segundo serviço. Caso 1: Enquanto a bola está em jogo, outra bola rola para dentro do campo. Um Let é chamado. Previamente o servidor já tinha servido uma falta. O servidor tem agora direito ao primeiro ou segundo serviço? Decisão: Primeiro serviço. O ponto completo tem que ser repetido. 24. O JOGADOR PERDE O PONTO.O ponto é perdido se: O jogador serve duas faltas consecutivas; O jogador não golpear a bola em jogo antes desta bater duas vezes consecutivas no solo; O jogador devolver a bola em jogo de modo que ela atinja o solo, ou um objecto, fora das linhas que delimitam o campo do seu adversário; O jogador devolver a bola em jogo de modo que, antes de atingir o solo bate num acessório permanente; O jogador deliberadamente carrega ou a apanha a bola com sua raqueta ou deliberadamente a toca com sua raqueta mais do que uma vez; O jogador ou sua raquete (na sua mão ou não) ou qualquer coisa que ele vista ou carregue, tocar na rede, poste, sticks de singulares, cabo, fita ou faixa, ou o solo dentro do campo do seu adversário, em qualquer momento enquanto a bola está em jogo; O jogador bate na bola antes que ela tenha passado a rede; A bola em jogo tocar no jogador ou em qualquer coisa que ele vista ou carregue, excepto sua raqueta; Uma bola em jogo toca na raquete quando o jogador não está a agarrá-la; O jogador deliberadamente e materialmente mude o formato de sua raquete durante o ponto; Em pares, ambos os jogadores tocam na bola ao golpeá-la.

6 P Á G I N A 6 As diferentes superfícies de jogo no ténis e as suas implicações. (Capitulo 4) Este é o último capítulo dedicado às diferentes superfícies de jogo no ténis. Para começar, serão abordadas as características dos pisos rápidos e sintéticos e as adaptações técnicas, tácticas, físicas e mentais que aquelas podem implicar no estilo de jogo a usar. Adriano Carvalho, treinador das equipas de competição do CETC. O que mais influencia as decisões de um jogador é o contexto. Tal como foi referido no primeiro capítulo deste artigo, as características específicas das superfícies rápidas e sintéticas situam-se no meio de dois extremos: a superfície de terra batida e a superfície de relva. Ou seja, a velocidade e altura de ressalto da bola encontram-se entre estes dois pólos: um pouco mais lenta e alta do que na relva, mas um pouco mais rápida e baixa do que na terra batida. Assim sendo, não surpreende que o estilo de jogo a utilizar nestas superfícies tenha algumas características do jogo mais consistente e cauteloso da terra batida, mas também tenha muitas situações do jogo mais ofensivo, normalmente praticado na relva. Parece-me razoável afirmar que nas superfícies rápidas e sintéticas, devido ao carácter eclético das características de jogo, é muito importante um jogador possuir todo o tipo de soluções tácticas e técnicas, para que se possa adaptar facilmente a todas as situações de jogo que, naturalmente, surgem neste tipo de superfícies. Até mesmo mentalmente um jogador deve estar preparado para, nas superfícies rápidas e sintéticas, ter que mudar, a qualquer momento, o seu estilo de jogo ou reagir à mudança de estilo de jogo do adversário. N E W S L E T T E R C E T C J A N E I R O

7 V O L U M E I I, E D I Ç Ã O 1 P Á G I N A 7 As diferentes superfícies de jogo no ténis e as suas implicações. Para concluir esta temática das várias superfícies de jogo e as implicações que estas podem significar no estilo de jogo a usar, gostaria de salientar um aspecto que, pessoalmente, considero de extrema importância: mais importante que o jogador perceber as características das diferentes superfícies de jogo e as adaptações que estas vão implicar na sua performance, mais importante que o jogador conhecer e dominar os padrões de jogo de cada superfície, é perceber que não existem soluções únicas e estáticas no jogo do ténis. Ou seja, actualmente o ténis é jogado de uma forma muito versátil, onde já se verifica jogadores a subirem frequentemente à rede em terra batida, como também se vêem jogadores com estratégias mais defensivas e de contenção em superfícies rápidas porquê? Porque o que mais influencia as decisões de um jogador é o contexto, sendo que o contexto não é só a superfície de jogo mas também o adversário e as suas características, as condições meteorológicas, a ronda que se está a jogar, a importância do ponto em causa, o enquadramento emotivo e de performance em que o jogador se encontra, etc. Assim sendo, quando um jogador decide o estilo de jogo a usar não deve apenas considerar a superfície de jogo em que se encontra, mas também todos os aspectos contextuais que envolvem a performance no jogo em causa.

8 V O L U M E I I, E D I Ç Ã O 1 P Á G I N A 8 CLASSIFICAÇÕES NACIONAIS Durante o mês de Janeiro, a Federação Portuguesa de Ténis procedeu à actualização dos diversos rankings nacionais. Na tabela apresentada, podemos ver a classificação dos diversos jovens atletas de competição do nosso clube. A título de curiosidade, é possível verificar que os nossos dois atletas mais bem posicionados, já estão, na realidade, entre os 50 melhores jogadores nacionais no escalão de sub 12 anos. Contudo, a posição em que aparecem na tabela oficial é mais baixa porque a mesma ainda inclui jogadores que já passaram para o escalão sub 14 anos. Desta forma, uma das metas do projeto de competição foi alcançada, uma vez que no final do primeiro ano no escalão sub12, o CETC consegue colocar dois atletas no Top 50 nacional. JOGADOR RANKING Nº PONTOS FRANCISCO MIRANDA 78 (39) 493 LEONARDO SAMAGAIO 94 (49) 390 PEDRO CLEMENTE HUGO FERREIRA AFONSO CLARO AFONSO LOURENÇO TOMÁS LOPES 390 5

9 P Á G I N A 9 ROLLAND GARRIDO 2013/2014 Durante o mês de Janeiro, apenas se realizou uma partida a contar para o torneio escada Rolland Garrido 2013/2014: Fábio Azevedo vs CarmoTeixeira 6/0 6/1 TOP 5 Durante o mês de Janeiro, apenas se disputou uma Amílcar Falcão: 26,624 pontos partida no ROLLAND GARRIDO II! José Malta: 18,490 pontos Diogo Dias: 4,459 pontos Fábio Azevedo: 1,343 pontos Leonardo Samagaio: 1,254 pontos N E W S L E T T E R C E T C J A N E I R O

10 P Á G I N A 10 AS 12 VANTAGENS E BENEFÍCIOS DA PRÁTICA DO TÉNIS 1. Proporcionar o desenvolvimento social, atividades de lazer e qualidade de vida; 2. Possibilitar o aumento de confiança e autoestima; 3. Contribuir para a autorealização do potencial intelectual e emocional; EXPERIMENTE JOGAR TÉNIS! 4. Promover a saúde dos jogadores, trabalhando o sistema cardiorespiratório e reduzindo os riscos de ataques cardíacos e outras doenças vasculares; 5. Descobrir novos talentos, apoiando a participação em jogos amigáveis e torneios; 6. Promover a ocupação saudável dos tempos livres dos jovens e adultos; 7. Atividade física completa, porque durante a jogo ou o treino, o tenista trabalha todo o corpo e a força muscular (exige um grande esforço das pernas para se locomover, do abdómen para sustentação e dos braços, ombros e costas para os movimentos com a raquete); 8. Possibilitar elevado gasto calórico para quem quer perder peso. Uma hora de treino pode queimar entre 200 e 500 calorias, dependendo do nível do tenista; 9. Ajuda na prevenção da osteoporose; 10. Auxilia no bem-estar físico e mental, diminuindo a ansiedade, o stress e a depressão; 11. Trata-se de uma atividade bastante intensa e que exige rápidos movimentos, melhorando a coordenação motora e os reflexos de quem a pratica; 12. Não há contra indicações, qualquer pessoa de qualquer idade pode jogar ténis, desde que respeite os seus limites. N E W S L E T T E R C E T C J A N E I R O

11 P Á G I N A 11 ÚLTIMA HORA! Surpreendentemente, ou talvez não, a adesão de todos os amigos do CETC a esta iniciativa está a superar a expectativa da organização. Com a data limite das inscrições ainda bem longe, registe-se o facto de já haver cerca de 10 pares inscritos! De facto, esta significativa adesão ao torneio, vem demonstrar uma forte dinâmica do CETC, que nos apraz registar.

NEWSLETTER CETC ABRIL 2014

NEWSLETTER CETC ABRIL 2014 NEWSLETTER CETC ABRIL 2014 A B R I L 2 0 1 4 E M D E S T A Q U E : ABRIL 2014 Competição juvenil Os fundamentos do ténis V O L U M E I I, N º 4 N E W S L E T T E R C E T C @ G M A I L. C O M Adriano Carvalho

Leia mais

CETC NEWSLETTER. Nesta edição: DEZEMBRO 2015. Editorial. Torneio Inter-Equipas. Estoril Open 2016 Torneio de Natal. Torneio Presente de Natal

CETC NEWSLETTER. Nesta edição: DEZEMBRO 2015. Editorial. Torneio Inter-Equipas. Estoril Open 2016 Torneio de Natal. Torneio Presente de Natal DEZEMBRO 2015 CETC NEWSLETTER Nesta edição: Editorial 2 Torneio Inter-Equipas 3 Estoril Open 2016 4 Torneio de Natal 5 Torneio Presente de Natal 6 Torneio Gerações 2016 7 Calendário CETC 2016 8 Torneio

Leia mais

CANTANHEDE CLUBE ESCOLA DE TÉNIS NEWSLETTER SETEMBRO 2013

CANTANHEDE CLUBE ESCOLA DE TÉNIS NEWSLETTER SETEMBRO 2013 CLUBE ESCOLA DE TÉNIS CANTANHEDE www.clubeteniscantanhede.com NEWSLETTER SETEMBRO 2013 newslettercetc@gmail.com Nesta edição: PAIS DE UM JOVEM TENISTA: QUE COMPORTAMENTO ANTÓNIO GARRIDO: REGRAS DO TÉNIS

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Introdução A Federação Portuguesa de Rugby (FPR) acordou com o Gabinete do Desporto Escolar o lançamento do Projecto Nestum, Rugby nas Escolas. A NESTUM apoia este

Leia mais

OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO

OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO Tênis é em grande parte um jogo mental. Um bom tenista deve ser mentalmente forte para conseguir lidar com as adversidades e manter um jogo consistente.

Leia mais

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol 102 Recursos do Professor Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo do Futebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

COPA DAS FEDERAÇÕES REGULAMENTO GERAL PARA 2014

COPA DAS FEDERAÇÕES REGULAMENTO GERAL PARA 2014 COPA DAS FEDERAÇÕES REGULAMENTO GERAL PARA 2014 1. DO CAMPEONATO Anualmente a CBT - Confederação Brasileira de Tênis promoverá a Copa das Federações, para definir o Estado Campeão Brasileiro. A Copa das

Leia mais

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO 1 CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS E CONFIGURAÇÃO DOS JOGOS O número de praticantes desportivos por equipa que podem ser inscritos no boletim de jogo é os seguintes: 2º Ciclo: 4 jogadores (Jogos 2x2); 3º Ciclo

Leia mais

CETC NEWSLETTER. Nesta edição: OUTUBRO 2015 CETC NEWSLETTER. Editorial 2. Torneio Inter-Equipas 3. Ténis by Adriano Carvalho. Festa do Ténis 2015 6

CETC NEWSLETTER. Nesta edição: OUTUBRO 2015 CETC NEWSLETTER. Editorial 2. Torneio Inter-Equipas 3. Ténis by Adriano Carvalho. Festa do Ténis 2015 6 OUTUBRO 2015 CETC NEWSLETTER Nesta edição: Editorial 2 Torneio Inter-Equipas 3 Ténis by Adriano Carvalho 4 Festa do Ténis 2015 6 Torneio Prova B 9 International Senior Cantanhede I 14 O Mundo do Ténis

Leia mais

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Escola Superior de Desporto de Rio Maior Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Docentes: António Graça Paulo Paixão Miguel Discentes: Turma 1 e 2 da UC de Teoria e Metodologia do Treino Rio Maior, 2009_10

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

NÍVEL I INTRODUÇÃO OBJECTIVOS:

NÍVEL I INTRODUÇÃO OBJECTIVOS: INTRODUÇÃO NÍVEL I O Gira-Volei é um jogo de iniciação à modalidade destinada aos jovens com idades compreendidas entre os 8 e 15 anos, onde através do jogo simplificado (2x2) e utilização do passe faz

Leia mais

Coaching Para a EXCELÊNCIA

Coaching Para a EXCELÊNCIA Coaching Para a EXCELÊNCIA António Santos António Santos Coaching ferramenta que permite elevar o nível de lucidez Mudanças que alargam horizontes. COACHING para a EXCELÊNCIA Mudanças que alargam horizontes.

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

Rua Visconde de Aguiar Toledo, 296 - Campo Belo - São Paulo/SP - CEP 04612-100 - Tel.: (11) 3051-6688 Web site: www.tenispaulista.com.

Rua Visconde de Aguiar Toledo, 296 - Campo Belo - São Paulo/SP - CEP 04612-100 - Tel.: (11) 3051-6688 Web site: www.tenispaulista.com. R E G R A S D E T Ê N I S Regra 1 A QUADRA A quadra deve ser um retângulo de 23,77m de comprimento por 8,23m de largura, para os jogos de simples. Para os jogos de duplas e quadra deve medir 10,97m de

Leia mais

Direcções Executivas Projecto Gira Volei 2013/2014

Direcções Executivas Projecto Gira Volei 2013/2014 Direcções Executivas Projecto Gira Volei 2013/2014 16 de Julho de 2013 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO... 4 3. OBJECTIVOS DA AVM... 4 3.1. OBJECTIVOS GERAIS... 4 3.2. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS...

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09 Capacidades Motoras Caderno de Exercícios Bruno Torres 1 Modelo de Activação Funcional 2 Operacionalização: Activação Funcional. Grupos de

Leia mais

Efeitos das Regras na Arbitragem e na Performance dos Árbitros no Voleibol Moderno Parte 3

Efeitos das Regras na Arbitragem e na Performance dos Árbitros no Voleibol Moderno Parte 3 Efeitos das Regras na Arbitragem e na Performance dos Árbitros no Voleibol Moderno Parte 3 Sandy Steel, CLJ/FIVB Quais são os critérios rios que procuramos e o que podemos fazer para lál chegar? Conhece

Leia mais

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias 1 Posição Básica Ofensiva; Passe (Peito e Picado) /recepção; Drible de Avaliar a prestação motora

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado)

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado) PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016 Versão 19 de janeiro. 2016 Índice Introdução... 3 I - Estrutura Técnica do Programa... 3 a) Tempo e música... 4 b) Categorias e

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

BARRAGEM TENNIS OPEN 2015

BARRAGEM TENNIS OPEN 2015 REGULAMENTO BARRAGEM TENNIS OPEN 2015 I - Da barragem: Art. 1 - Os Torneios e a Barragem têm como principal objetivo a integração dos alunos e maior variedade de parceiros, bem como a manutenção e garantia

Leia mais

REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO

REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 2 2. Classificação dos Praticantes em Regime de Alta Competição... 3 (Portaria nº947/95 de 1 de Agosto) 3. Níveis de Qualificação... 5 4. Critérios

Leia mais

O CLUBE SPORT BENFICA E CASTELO BRANCO O QUE É A CHUTALBI ESCOLA DE FUTEBOL? ESPIRITO CHUTALBI

O CLUBE SPORT BENFICA E CASTELO BRANCO O QUE É A CHUTALBI ESCOLA DE FUTEBOL? ESPIRITO CHUTALBI O CLUBE SPORT BENFICA E CASTELO BRANCO O Sport Benfica e Castelo Branco é um clube da cidade de Castelo Branco com 84 anos de história, foi fundado em 24 de Março de 1924. Destaca-se o facto de ser a filial

Leia mais

Futebol Feminino no Desporto Escolar. Plano Plurianual de desenvolvimento do projeto 2015/2016

Futebol Feminino no Desporto Escolar. Plano Plurianual de desenvolvimento do projeto 2015/2016 Futebol Feminino no Desporto Escolar Plano Plurianual de desenvolvimento do projeto 2015/2016 INTRODUÇÃO O Futebol Feminino é uma atividade que tem crescido nos últimos tempos em Portugal e por isso, sentimos

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

REGULAMENTO DA 2ª ETAPA DA COPA SESI DE NATAÇÃO 2015 CAPÍTULO I CAPÍTULO IV CAPÍTULO II CAPÍTULO III

REGULAMENTO DA 2ª ETAPA DA COPA SESI DE NATAÇÃO 2015 CAPÍTULO I CAPÍTULO IV CAPÍTULO II CAPÍTULO III REGULAMENTO DA 2ª ETAPA DA COPA SESI DE NATAÇÃO 2015 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES: Art. 1º - A Copa SESI de Natação visa desenvolver a natação entre os atletas não federados no Estado de Goiás. Com o objetivo

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo.

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo. INTRODUÇÃO As Regras de Jogo regulamentam as funções dos juízes de linha, a sua localização (27.1) e as suas responsabilidades (27.2). Além disso, a Regra 28.2 indica os gestos oficiais com as bandeirolas

Leia mais

O boletim de jogo é preenchido em 4 vias, que, no fim do jogo, serão entregues: I. ANTES DO INÍCIO DO JOGO

O boletim de jogo é preenchido em 4 vias, que, no fim do jogo, serão entregues: I. ANTES DO INÍCIO DO JOGO INTRODUÇÃO O Boletim de Jogo é um documento oficial, cujo preenchimento é da responsabilidade do Marcador, de acordo com as regras e instruções que se apresentam de seguida. O marcador além de ter de saber

Leia mais

Intervenção do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Dr. Fernando Gomes 26.08.2014

Intervenção do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Dr. Fernando Gomes 26.08.2014 Intervenção do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Dr. Fernando Gomes 26.08.2014 Há exatamente dois meses a Seleção Nacional A efetuou o seu último jogo no Campeonato do Mundo disputado no Brasil.

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Badminton. História. Regulamento da modalidade

Badminton. História. Regulamento da modalidade Badminton História As origens do Badminton deixam dúvidas nos historiadores, assim temos: China no ano 3500 a.c, Índia, na cidade de Poona, por volta do ano de 1800. Em 1862, o duque Beaufort organizou

Leia mais

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO PROJETO TREINAMENTO OLÍMPICO DE PÓLO AQUÁTICO PROCESSO: 58701.000695/2010-92 SLIE: 1000.112-33 Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos - CBDA ATIVIDADES DO PROFESSOR

Leia mais

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4 Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM Árbitro ou Oficial de Mesa. Uma forma diferente de jogar Basquetebol NOV 2015 Nº 01 Índice: PAG. 2 CO N CENTRAÇÃO PAG. 3 CRITÉRIO PAG. 4 COMUNICAÇÃO

Leia mais

O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora.

O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora. O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora. Conta na sua equipa com um conjunto de profissionais habilitados

Leia mais

Kimberly Willis. The Little Book Of Diet Help. Inês Rodrigues. Liliana Lourenço. Tradução de. Ilustrações de

Kimberly Willis. The Little Book Of Diet Help. Inês Rodrigues. Liliana Lourenço. Tradução de. Ilustrações de Kimberly Willis The Little Book Of Diet Help Tradução de Inês Rodrigues Ilustrações de Liliana Lourenço PARTE 1 > SOBRE ESTE LIVRO 9 PARTE 2 > VAMOS COMEÇAR 19 PARTE 3 > MUDE A FORMA COMO SE SENTE 49

Leia mais

A. Disposições Gerais

A. Disposições Gerais FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ATLETISMO Direcção Técnica Nacional Sector juvenil Versão de 29 de Maio de 2008 REGULAMENTO GERAL DE COMPETIÇÕES NORMAS RELACIONADAS COM OS ESCALÕES DO ATLETISMO JUVENIL A. Disposições

Leia mais

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS SEMINÁRIOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE PROJECTOS 2007 Victor Ávila & Associados - Victor Ávila & Associados Centro Empresarial PORTUGAL GLOBAL, Rua do Passeio Alegre, nº 20 4150- Seminários Avançados de Gestão

Leia mais

Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 COMPONENTES CRÍTICAS

Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 COMPONENTES CRÍTICAS Plano de Aula Professora estagiária: Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 Data: 19/01/10 Horário: 11h50-13h20 Duração: 90 min. Local: Pavilhão Número de

Leia mais

BENFICA FUTSAL TRAINING CAMP

BENFICA FUTSAL TRAINING CAMP SPORT LISBOA E BENFICA O Sport Lisboa e Benfica, Clube fundado em 28 de Fevereiro de 1904, é o maior Clube do Mundo. Está presente em 70 países através dos 14 Milhões de adeptos e tem a Águia como símbolo,

Leia mais

O sonho do treinador específico = Sonho de guarda-redes Apenas 32 equipas profissionais, o que não impede a exigência de profissionalismo noutras divisões Num mundo de poucas oportunidades, só a qualidade

Leia mais

CETC NEWSLETTER. Nesta edição: NOVEMBRO 2015 CETC NEWSLETTER. Editorial 2. Torneio Inter-Equipas 3. Competição: os primeiros passos

CETC NEWSLETTER. Nesta edição: NOVEMBRO 2015 CETC NEWSLETTER. Editorial 2. Torneio Inter-Equipas 3. Competição: os primeiros passos NOVEMBRO 2015 CETC NEWSLETTER Nesta edição: Editorial 2 Torneio Inter-Equipas 3 Competição: os primeiros passos 4 Torneio de Inverno 11 Notícias do CETC 19 Torneio PROVA B 20 Férias desportivas 26 Agenda

Leia mais

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 REGULAMENTO GERAL DE PROVAS DESPORTIVAS 1. PROVAS FEDERATIVAS 1.1. São consideras Provas Federativas

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Circular n.º 023/2014 Portal F.P.T. - Inscrições Exmo. Sr. Presidente, No seguimento da Circular Nº 021/2014 Inscrições em Provas F.P.T. e depois de disponibilizarmos a possibilidade de testar/treinar

Leia mais

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 INTRODUÇÃO OBSERVAÇÕES SOBRE AS REGRAS DO JOGO AS REGRAS DO JOGO EXPLICADAS AS MUDANÇAS ÀS REGRAS PARA 2016/17 - TEXTO ANTIGO -

Leia mais

PROJECTO PORTUGAL GOLFE TEAM. 12 de Março 2015

PROJECTO PORTUGAL GOLFE TEAM. 12 de Março 2015 PROJECTO PORTUGAL GOLFE TEAM 12 de Março 2015 INTRODUÇÃO A PORTUGAL GOLFE TEAM visa apoiar e aconselhar profissionais de golfe no inicio ou no desenrolar da sua carreira. Uma iniciativa importante que

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

Uma paixão pelo herói que está na sombra UM ESTADO DE VIDA! Hugo Oliveira

Uma paixão pelo herói que está na sombra UM ESTADO DE VIDA! Hugo Oliveira No guarda-redes encontramos tudo o que procuramos num desportista: reflexos e sincronização, força e velocidade, espectacularidade e movimentos perfeitos e competitividade e valentia. (John Hodgson) Uma

Leia mais

Índice. Capitulo I Disposições Gerais. pág.1. Capitulo II Disposições Técnicas... pág.1. Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág.

Índice. Capitulo I Disposições Gerais. pág.1. Capitulo II Disposições Técnicas... pág.1. Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág. Regras e Normas Competitivas - Época 2015 Índice Capitulo I Disposições Gerais. pág.1 Capitulo II Disposições Técnicas..... pág.1 Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág.1 Capitulo IV Filiação

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II

SISTEMÁTICA DO DESPORTO II INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Escola Superior de Desporto de Rio Maior Ano Lectivo 2009/20010 SISTEMÁTICA DO DESPORTO II Licenciatura em Desporto: Variante de Condição Física Regente: Hugo Louro Docentes:

Leia mais

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Começo por agradecer a todos terem vindo a este seminário. Em especial à Senhora Secretária de Estado que muito nos honra com a sua presença

Leia mais

Poderá participar qualquer Tenista residente ou não residente na cidade de Paulínia-SP, que esteja de acordo com o regulamento do ranking Itapoan.

Poderá participar qualquer Tenista residente ou não residente na cidade de Paulínia-SP, que esteja de acordo com o regulamento do ranking Itapoan. REGULAMENTO DO RANKING TÊNIS ITAPOAN Versão 3.0 Sumário 1. ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO RANKING 2 2. PARTICIPAÇÃO NO RANKING 2 2.1. Nível Técnico dos Jogadores 2 3. RANKING 2 3.1. Ingresso ao Ranking 3 3.2.

Leia mais

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013 REGULAMENTO PARA O VOLEIBOL EQUIPES Uma equipe é formada por 10 jogadores. E somente 6 jogadores podem participar do jogo tendo como obrigatoriedade 3 homens e 3 mulheres em quadra para condições de jogo.

Leia mais

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto Voleibol Professor:Pedro Engler Neto Histórico O voleibol foi criado por William G. Morgam em 09 de fevereiro de 1895. Na Associação Cristã de Moços,HoYolke Massachussets, Eua. E a intenção de Morgan era

Leia mais

Aberto do Brasil reunirá atletas de onze países na Arena Santos

Aberto do Brasil reunirá atletas de onze países na Arena Santos Aberto do Brasil reunirá atletas de onze países na Arena Santos Com a participação de 72 atletas de 11 países, será disputado entre os dias 08 e 11 desse mês o Aberto do Brasil, etapa do Circuito Mundial

Leia mais

Diego Gobbi. _atleta profissional de squash Ranking Profissional Brasileiro 259# Ranking Professional Squash Association (PSA Mundial)

Diego Gobbi. _atleta profissional de squash Ranking Profissional Brasileiro 259# Ranking Professional Squash Association (PSA Mundial) _atleta profissional de squash Ranking Profissional Brasileiro 4# Ranking Professional Squash Association (PSA Mundial) 259# Atual Campeão Brasileiro e Sul-Americano Juvenil de Squash _perfil Nome: Diego

Leia mais

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS O QUE É O Gira Volei é um jogo fácil, divertido e competitivo destinado aos jovens com idade compreendida entre os 8 e os 16 onde apenas se pode utilizar uma técnica: o passe. OBJECTIVOS: Contribuir para

Leia mais

PROJETO. Saúde, um direito Cívico

PROJETO. Saúde, um direito Cívico PROJETO Saúde, um direito Cívico Projeto Mexa-se - Ano de 2014-2015 Página 1 " A manutenção da saúde assenta no contrariar a tendência para a redução de exercício. Não existe nenhuma forma de substituir

Leia mais

ICC Europe Howzat Text Portuguese Version

ICC Europe Howzat Text Portuguese Version ICC Europe Howzat Text Portuguese Version Bem-vindo ao Howzat! A ECB Coach Education em parceria com a ICC Europe está empenhada em disponibilizar recursos de nível mundial; o Howzat! foi pensado para

Leia mais

Copa Diarinho tem craques para mostrar

Copa Diarinho tem craques para mostrar DIÁRIO DO VALE 1 Sul-Fluminense, Terça-feira, 4 de agosto de 2015 - Suplemento especial do Diário do Vale - Não pode ser vendido separadamente Copa Diarinho tem craques para mostrar Do goleiro ao atacante,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C /RAÍZES (GRAU I) 2015 2016 1- Organização O curso de treinadores de Futebol UEFA C /RAÍZES (Grau I) - será organizado

Leia mais

Índice: 1) Identificação.Pág.2. 2) Descrição geral, justificação e funcionamento Pág.2. 3) Objectivos..Pág.5. 4) Duração do programa...pág.

Índice: 1) Identificação.Pág.2. 2) Descrição geral, justificação e funcionamento Pág.2. 3) Objectivos..Pág.5. 4) Duração do programa...pág. Índice: 1) Identificação.Pág.2 2) Descrição geral, justificação e funcionamento Pág.2 3) Objectivos..Pág.5 4) Duração do programa...pág.8 5) Público-alvo..Pág.8 6) Recursos Pág.10 7) Construção, obras

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE TÉNIS DE MESA DE LISBOA

ASSOCIAÇÃO DE TÉNIS DE MESA DE LISBOA Época 2008/2009 COMUNICADO Nº. 3 3 de Dezembro de 2008 Para conhecimento das Entidades Oficiais, Federação Portuguesa de Ténis de Mesa, Associações Distritais, Associação Portuguesa de Árbitros, Juízes

Leia mais

REGRAS DO JOGO DE TÉNIS

REGRAS DO JOGO DE TÉNIS REGRAS DO JOGO DE TÉNIS Traduzido pelo Conselho de Arbitragem 31/01/ INDICE Prólogo 3 1. O Campo 4 2. Acessórios Permanentes 5 3. A Bola 5 4. A Raqueta 6 5. Pontuação num Jogo 6 6. Pontuação num Set 7

Leia mais

R E G R A S D E T Ê N I S

R E G R A S D E T Ê N I S R E G R A S D E T Ê N I S Regra 1 A QUADRA (Antiga 1 e 34) A quadra deve ser um retângulo de 23,77 m de comprimento por 8,23 m de largura, para os jogos de simples. Para os jogos de duplas e quadra deve

Leia mais

Actividades Desenvolvidas

Actividades Desenvolvidas Departamento de hóquei em Campo do Casa Pia Atlético Clube Introdução Em Outubro de 2013, iniciamos as actividades da modalidade de hóquei em Campo nos CED s da Casa Pia de Lisboa. A modalidade de hóquei

Leia mais

AS REGRAS DO TAMBORÉU

AS REGRAS DO TAMBORÉU AS REGRAS DO TAMBORÉU TÍTULO I - O JOGO DE TAMBORÉU art. 1º - O tamboréu é esporte jogado por atletas colocados em posições opostas em cada metade da quadra, que é dividida por uma rede. O objetivo de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL O Andebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas (cada equipa tem: 7 jogadores em campo e 5 suplentes), cujo objectivo é introduzir a bola na baliza da equipa

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE PETECA CBP REGRAS OFICIAIS

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE PETECA CBP REGRAS OFICIAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE PETECA CBP REGRAS OFICIAIS Regra nº 1.0 Da quadra, suas dimensões e equipamentos 1.1 A quadra tem a dimensão de 15 metros por 7,50 metros para o jogo de duplas e de 15 metros

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013. (Do Sr. JOSÉ STÉDILE)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013. (Do Sr. JOSÉ STÉDILE) PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. JOSÉ STÉDILE) Determina que empresas de direito público, no âmbito federal, ao patrocinarem clubes de futebol, destinem 5% do valor do patrocínio para ser utilizado em

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014

REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014 REGULAMENTO DO CAMPEONATO NACIONAL DE GIRA-PRAIA DE SUB. 16,18 e 20-2014 ARTIGO 1º O Campeonato Nacional de Gira- Praia de Subs é uma competição de Voleibol de Praia de âmbito nacional, organizada pela

Leia mais

Regulamento do Circuito Smashtour 2013

Regulamento do Circuito Smashtour 2013 REGULAMENTO CIRCUITO SMASHTOUR 2014 Regulamento do Circuito Smashtour 2013 1 - O Circuito será disputado em três fases, com um mínimo de 19 provas de cada fase de desenvolvimento Mínimo de 1 e máximo de

Leia mais

Circular nº 05 2015/2016 24-09-2015 Carambola - Época 2015/2016

Circular nº 05 2015/2016 24-09-2015 Carambola - Época 2015/2016 Instituição de Utilidade Pública Instituição de Utilidade Pública Desportiva Membro do Comité Olímpico de Portugal Membro da Confederação do Desporto de Portugal Membro da Confédération Européenne de Billard

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES / 2011. O ano de 2011 ficará marcado pelas eleições para os órgãos sociais, que se realizarão no mês de Fevereiro.

PLANO DE ACTIVIDADES / 2011. O ano de 2011 ficará marcado pelas eleições para os órgãos sociais, que se realizarão no mês de Fevereiro. PLANO DE ACTIVIDADES / 2011 O ano de 2011 ficará marcado pelas eleições para os órgãos sociais, que se realizarão no mês de Fevereiro. Nesta sequência, a actual Direcção propõe um conjunto de actividades

Leia mais

Curso de Árbitros inicia a 13 de fevereiro

Curso de Árbitros inicia a 13 de fevereiro Newsletter da Associação de Futebol de Leiria Ano VI n.º73 10-02-2016 Curso de Árbitros inicia a 13 de fevereiro pág.6 pág.2 Site da A.F. Leiria com nova imagem A.F. Leiria já disponibiliza os resultados

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

Projeto Pedagógico C.A.T.L. Sala Campeões

Projeto Pedagógico C.A.T.L. Sala Campeões Projeto Pedagógico C.A.T.L Sala Campeões Ano Letivo 2013-2014 1 Índice 1-Introdução... 3 2- Caraterização do grupo... 5 3-Organização e Gestão do Tempo... 6 4- Fundamentação teórica... 6 5- Competências

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias

Leia mais

Í N D I C E. Página - 2 - Índice 2. Índice de Gráfico...3. Índice de Quadros...4. Introdução... 5. 1.Objectivos...6. 2. Dados Caracterizadores...

Í N D I C E. Página - 2 - Índice 2. Índice de Gráfico...3. Índice de Quadros...4. Introdução... 5. 1.Objectivos...6. 2. Dados Caracterizadores... PLANO DE ACTIVIDADES ÉPOCA 2009/2010 O U T U B RO D E 2009 Í N D I C E Índice 2 Índice de Gráfico......3 Índice de Quadros...4 Introdução... 5 1.Objectivos.....6 2. Dados Caracterizadores....7 2.1 - Elementos

Leia mais

Atividade física: pratique essa ideia.

Atividade física: pratique essa ideia. Atividade física: pratique essa ideia. Quando o assunto é qualidade de vida, não dá para ficar parado. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a atividade física é o principal fator de promoção do bem-estar

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL

SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO QUADROS COMPETITIVOS NACIONAIS A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) apresentou, a 4 de Abril de 2005, uma proposta de alteração

Leia mais

PROJECTO ODIVELAS FUTEBOL CLUBE PROJECTO ODIVELAS FC 2012

PROJECTO ODIVELAS FUTEBOL CLUBE PROJECTO ODIVELAS FC 2012 PROJECTO ODIVELAS FUTEBOL CLUBE PROJECTO ODIVELAS FC 2012 Quem somos: Um grupo de sócios que por amor ao Clube e à sua Cidade se uniu com o objectivo único de dar continuidade a este emblema histórico.

Leia mais

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog Formado em Educação Física Unisalesiano Lins Especialista em Fisiologia do Exercício UFSCar Especialista em Biomecânica, Avaliação Física e Prescrição de Exercícios

Leia mais

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco

VOLEIBOL 7ºano. Voleibol HISTÓRICO E REGRAS. Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette 07/05/2013. Brasil 1915 Pernambuco VOLEIBOL 7ºano. HISTÓRICO E REGRAS Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982

Leia mais

FUTEBOL DE CAMPO CATEGORIA / IDADE - MASCULINO: CATEGORIAS / IDADE - FEMININO:

FUTEBOL DE CAMPO CATEGORIA / IDADE - MASCULINO: CATEGORIAS / IDADE - FEMININO: FUTEBOL DE CAMPO Todos os atletas deverão apresentar o Documento Original (conforme Art.do Regulamento Geral) É obrigatório (e indispensável) o uso de caneleiras para todos os atletas participantes das

Leia mais

Caro Aluno (a) Porto, 25 de Agosto de 2011

Caro Aluno (a) Porto, 25 de Agosto de 2011 Caro Aluno (a) Porto, 25 de Agosto de 2011 Assuntos: i Introdução ii Breve resumo do que fizemos iii O que vamos fazer a partir de Setembro. x Introdução Tenho três filhos e nenhum joga ténis. É caso para

Leia mais

09H30 AF Vila Real / AF Braga. 09H30 AF Viana Castelo / AF Porto. 15H00 Apuramento do 3º e 4º classificados. 16H00 Final

09H30 AF Vila Real / AF Braga. 09H30 AF Viana Castelo / AF Porto. 15H00 Apuramento do 3º e 4º classificados. 16H00 Final 09H30 AF Vila Real / AF Braga 09H30 AF Viana Castelo / AF Porto 15H00 Apuramento do 3º e 4º classificados 16H00 Final XXVII TORNEIO DE NATAL 2013 SUB/14 DR.MACEDO VIEIRA PROGRAMA GERAL 23.DEZ.13 (2ª Feira)

Leia mais

Feminino 2ª Divisão 2010_11. FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO

Feminino 2ª Divisão 2010_11. FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO Campeonato Nacional Feminino 2ª Divisão 2010_11 FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO A. Clubes Apurados B. Modelo Competitivo C. Marcação de Jogos D. Arbitragem E. Inscrição das

Leia mais

PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL 1 Na concretização destas políticas dar-se-á seguimento à execução do actual Plano para a Integração dos Imigrantes onde o Governo contará com os contributos da sociedade

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE REGRAS TÊNIS DE CAMPO PROF. PATRICIA MEDRADO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE REGRAS TÊNIS DE CAMPO PROF. PATRICIA MEDRADO CURSO DE ATUALIZAÇÃO DE REGRAS PROF. PATRICIA MEDRADO Ao ensinar as regras do esporte é importante situar o jogo como um embate amigável, onde estarão presentes a oposição e a cooperação, bem como frisar

Leia mais