Introdução à Tecnologia de redes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Tecnologia de redes"

Transcrição

1 Introdução à Tecnologia de redes

2 Capítulo 1 O que é uma Rede de Computadores?

3 O que é uma rede de Computadores? Capítulo 1 Uma Rede provê o compartilhamento de informações e recursos. Trabalhar em um ambiente de rede permite que pessoas ou grupos compartilhem estas informações e recursos. Vantagens: 1. Distribuição geográfica de computadores e dispositivos; 2. Redução de Custos (quando comparamos com soluções anteriores); 3. Flexibilidade de Configuração 4. Simplicidade (usuários de computadores pessoais têm facilidades de migração para um ambiente de rede);

4 Modelos de computação Computação centralizada; Computação distribuída (recursos distribuídos) Rede colaborativa (processamento distribuído).

5 Rede corporativa Típica As redes de computadores foram criadas para interligar computadores de uso pessoal, e acabaram substituindo os mesmos, devido às vantagens vistas anteriormente. Até então, os computadores pessoais eram vistos com reservas pelos profissionais da área. Atualmente uma rede corporativa pode ser composta por várias redes interligadas. MATRIZ - Curitiba FILIAL - SP Roteador de borda Frame relay Roteador de borda VPN IPSec Roteador VPN Modem ADSL Internet Modem ADSL Roteador VPN VPN Virtual Private Network IPSec Internet Protocol Security ADSL Asynchronous Digital Subscriber Line

6 A comunicação entre os dispositivos de diferentes especificações e características em uma única rede só é possível por conta dos padrões de rede que garantem a interoperabilidade. Estes padrões baseiam-se em modelos de referência em camadas, sendo que o mais conhecido é o modelo (Open Systems Interconnection), que possui camadas.

7 Computação Centralizada Basicamente, os mainframes também eram usados para armazenar, organizar e processar dados. No entanto, trata-se de um único processador, que na época era compartilhado por diversos usuários, através do acesso via terminais locais ou remotos. O mainframe divide sua capacidade de processamento entre as aplicações executadas pelos diversos terminais (time sharing). Mainframes Estações de Trabalho Impressora

8 Mainframe Computação Distribuída Em vez de centralizar todo o processamento em um único mainframe, a computação distribuída utiliza vários computadores menores para obter os mesmos resultados. Token Ring Servidor Estação de Trabalho Hub Ethernet Roteador Servidor

9 Rede Colaborativa Mainframes Roteador O modelo de Rede Colaborativa considera o processamento distribuído entre os computadores de toda a rede. Ou seja, ocorre o compartilhamento da capacidade de processamento. Poucos ambientes hoje podem ser citados como exemplos de ambientes de Rede Colaborativa. Switch Servidores Estações de Trabalho

10 O avanço das Redes Atualmente, as redes de computadores incluem diversos tipos de dispositivos e computadores, executando diversos sistemas operacionais associados às mais diversas aplicações, que não se limitam mais ao mero armazenamento, organização e processamento de dados. Uma rede típica pode incluir dispositivos como telefones IP, câmeras de vídeo, sistemas de vídeo-conferência, sensores e dispositivos industriais etc.

11 O avanço das Redes Rede Local (LAN). Rede Metropolitana (MAN). Rede de longo alcance (WAN).

12 LAN (Local Area Network) Uma rede local (LAN) refere-se a um ambiente que normalmente encontra-se distribuído nos limites de uma organização. Os limites de abrangência geográfica são muito variáveis, a depender dos meios físicos e equipamentos utilizados. Tipicamente, utiliza meios de propriedade da organização, e, também graças a isto, oferece elevada performance para suas aplicações.

13 LAN (Local Area Network) As principais características de uma LAN são: Perímetro normalmente associado aos limites da organização atendida; Performance elevada; Taxas de erros extremamente baixas; Compartilhamento de recursos de hardware e software; Meios físicos de propriedade da organização atendida;

14 LAN (Local Area Network)

15 Os principais equipamentos de comunicação utilizados em uma rede local são: Hubs Bridges Switches Roteadores Equipamentos Utilizados em Redes

16 Redes MAN (Metropolitan Area Network) As redes MAN, por definição, estão distribuídas dentro de uma área metropolitana (cidade), com distâncias que podem chegar a dezenas de quilômetros; Normalmente envolvem a utilização de serviços oferecidos por empresas públicas de telecomunicações, porém oferecem performance compatível com as redes locais; Os meios de transmissão normalmente utilizados são a fibra óptica e, em alguns casos, padrões wireless, como o Wi-Max (IEEE802.16).

17 Redes WAN (Wide Area Network) Por definição: Uma WAN é uma rede que conecta redes de diferentes localidades, tipicamente utilizando meios físicos de operadoras de telecomunicações. Uma WAN pode envolver enormes distâncias, provendo conectividade até internacional, ou podem ser implementadas devido a limitações geográficas/físicas ou operacionais, que impedem o uso de meios físicos proprietários.

18 Redes WAN (Wide Area Network) As principais características de uma WAN são: Não há limite de perímetro; Performance normalmente limitada devido ao custo; Utilizam meios físicos de propriedade de operadoras de telecomunicações; Tipicamente baseadas em canais de alta performance, porém esta é dividida entre os diversos usuários; Tipicamente utilizam protocolos específicos para WAN.

19 Os principais equipamentos de comunicação utilizados em uma rede WAN são: Modems; Roteadores; Servidores de comunicação. Redes WAN (Wide Area Network)

20 Institutos Normativos: ITU-T - lnternational Telecommunication Union-Telecommunication Standardization Sector; ISO - International Organization for Standardization; IETF - lnternet Engineering Task Force; EIA - Electronic lndustries Association; Redes WAN (Wide Area Network) TIA - Telecommunications lndustries Association;

21 Simple Data Link Control Protocol (SDLC); High-Level Data Link Control (HDLC); Serial Line Interface Protocol (SLIP); Point-to-Point Protocol (PPP); Frame Relay; Link Access Procedure Balanced (LAPB); Link Access Procedure D-channel (LAPD); Link Access Procedure Frame (LAPF). Protocolos para WAN

22 Tecnologias WAN Serviços Comutados por Circuito: POTS (Plain Old Telephone Service): 1. É um modelo de rede de comunicações de longa distância incrivelmente confiável e fácil de usar; 2. O meio típico de transmissão é o fio de cobre de par trançado; 3. Utilizado nas conexões discadas.

23 Tecnologias WAN Serviços Comutados por Circuito: Narrowband ISDN (Integrated Services Digital Network) 1. Tecnologia historicamente importante, versátil e difundida; 2. Foi o primeiro serviço dial-up totalmente digital; 3. Custo moderado (tipicamente baseado em modelo similar à telefonia) 4. Largura de banda típica de 128 kbps para BRI (Basic Rate Interface) e de aproximadamente 3 Mbps para PRI (Primary Rate lnterface);

24 Tecnologias WAN Serviços comutados por pacotes: X25; Frame Relay. Serviços comutados por células: ATM (Asynchronous Transfer Mode); SMDS (Switched Multimegabit Data Service)

25 Redes WAN (Wide Area Network) Outros canais WAN típicos: T1,T3 e E1,E3 xdsl (Digital Subscriber Line e família) SONET (Synchronous Optical Network) Modems dial-up (analógico comutado); Cable Modems (analógico compartilhado); Wireless (terrestre e satélites)

26 Capítulo 2 O Modelo OSI (Open System Interconnection)

27 Modelo OSI (Open System Interconnection) Uma rede tipicamente envolve 3 partes: Dois ou mais dispositivos que se comunicam; Um canal de comunicação entre os dispositivos Cabo elétrico (metálico), ótica (fibra ótica) ou wireless; Protocolos de comunicação O modelo OSI surgiu para padronizar os protocolos

28 Modelo OSI (Open System Interconnection) Os protocolos existem para atender a aplicações, oferecendo serviços; Estes serviços normalmente envolvem hardware e software que exercem uma função específica.

29 Modelo OSI (Open System Interconnection) Tipicamente é feita uma distinção entre os seguintes tipos de solicitantes e fornecedores de serviço: Servidores (Servers) Clientes (Clients) Pontos (Peers) Servidor Cliente Ponto - a - Ponto

30 Modelo OSI (Open System Interconnection) Estas entidades são diferenciadas pelo que podem fazer em uma rede: Os servidores tipicamente apenas fornecem serviços; O clientes tipicamente solicitam serviços dos servidores; Os pontos (peers) fazem as duas coisas simultaneamente.

31 Modelo OSI (Open System Interconnection) Os servidores oferecem seus dados armazenados, sua capacidade de processamento e seus recursos de entrada/saída para os clientes. Freqüentemente, a maioria das aplicações que fornecem serviços de rede se combinam em um único Network Operating System (NOS) Os principais serviços oferecidos pelos sistemas operacionais de redes são: Serviços de arquivo Serviços de banco de dados Serviços de impressão Serviços de mensagem Serviços de aplicação

32 Modelo OSI (Open System Interconnection) As camadas do modelo OSI APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA

33 Camada 1 Física Esta camada tem por objetivo realizar a transmissão de bits através de um canal de comunicação que conecta dois ou mais equipamentos, através da troca de sinais usando uma interface física, seja ela eletromecânica, optoeletrônica ou de outra natureza.

34 Camada 1 Física Nessa camada, são especificadas as características mecânicas, elétricas, físicas e procedurais das interfaces entre os equipamentos e o meio físico de transmissão. Mecânicas: formato do conector, número de pinos etc Elétricas: tensão elétrica, corrente etc Físicas: comprimento de onda, freqüência etc Procedurais: modo de transmissão (half-duplex, full-duplex etc), entre outras coisas.

35 Camada 2 Link de Dados (Enlace) Esta camada tem por objetivo realizar a transferência de dados sobre uma conexão física de maneira confiável. Ela deve prover funções e procedimentos que permitam ativar, manter e desativar um enlace físico, possuindo mecanismos de detecção e, se aplicável, de correção de erros da camada física.

36 Camada 2 Link de Dados (Enlace) As pricipais funções da camada são: Montagem e delimitação de quadros Controle de erro Controle de fluxo

37 Camada 3 Rede Esta camada tem por objetivo possibilitar a transferência de informações, ou mover dados para localizações específicas entre sistemas finais. Esta função é semelhante àquela que a camada de Enlace ou Link de Dados, realiza através do endereçamento do dispositivo físico.

38 Camada 3 Rede As principais funções da camada de rede são: Roteamento: a função de roteamento permite determinar rotas apropriadas entre endereços de rede. Multiplexação da conexão de rede: várias conexões de rede podem ser multiplexadas sobre uma única conexão de enlace, a fim de otimizar a utilização desta última;

39 Camada 4 Transporte A camada de Transporte destina-se a ocultar a complexidade da estrutura da rede de computadores para o processo da camada superior sem se preocupar com quaisquer aspectos relativos ao roteamento de tais unidades de dados através das sub-redes utilizadas, uma vez que tais funções são exercidas pela camada de rede. Ela organiza mensagens de nível mais alto em segmentos e entrega-os, de modo confiável, á Sessão ou processos mais altos da camada.

40 Camada 4 Transporte As três principais funções da camada de transporte são: Endereçamento Desenvolvimento de segmentos Serviços de conexão

41 Camada 4 Transporte Endereçamento: usa dois métodos de identificação: Identificador de conexões, usando este identificador, um fornecedor de serviços, como um servidor de impressão, pode se comunicar ao mesmo tempo com mais de um cliente. Identificador de transações, é semelhante aos identificadores de conexões, mas eles se referem a uma unidade que é menor do que conversação. Uma transação é composta de um pedido e uma resposta.

42 Camada 4 Transporte Desenvolvimento de segmentos: algumas das mensagens geradas pelas entidades da rede são muito grandes para que a camada de Rede e as camadas inferiores as manipulem, esta função da camada realiza a divisão dessas mensagens.

43 Camada 4 Transporte A camada de Transporte pode combinar várias mensagens pequenas, direcionadas para o mesmo destino, em um segmento de combinação para reduzir o overhead da rede. (Cada uma das mensagens menores é identificada por seu próprio header, que contém um identificador de conexões.) Endereço de rede (Lógico) Endereço de Dispositivo (Físico) Endereço de Serviço Identificador de Conexões Identificador de Conexões ABC. 100 SA1 CID 1 DADOS CID 2 DADOS

44 Camada 4 Transporte Serviço de Conexão: os serviços de conexão da camada de Transporte podem ser necessários para obter conexões ponto-a-ponto confiáveis, mesmo que serviços de conexão de outras camadas sejam fornecidos ou não. Serviços sem conexões não confirmados Serviços orientados por conexão Serviços sem conexões confirmados

45 Camada 5 Sessão A camada de Sessão facilita a comunicação entre fornecedores e solicitantes de serviços. As sessões de comunicação são controladas através de mecanismos que estabelecem, mantêm, sincronizam e gerenciam o diálogo entre entidades de comunicação, esta camada também ajuda as camadas superiores a identificar e se conectar aos serviços disponíveis na rede.

46 Camada 5 Sessão O principal objetivo da camada é de administração da sessão por atender os fornecedores e os solicitantes de serviço estabelecendo e mantendo a comunicação entre os equipamentos interligados. Na prática, esta função pode ser dividida em três tarefas: Estabelecimento da Conexão Transferência de Dados Liberação da Conexão

47 Camada 5 Sessão Estabelecimento da Conexão: O estabelecimento da conexão inclui todas as subtarefas que devem ser realizadas para que as entidades reconheçam uma às outras e concordem em se comunicar. Verificar as senhas e os nomes de login do usuário. Estabelecer os números da identificação da conexão. Concordar sobre quais serviços são necessários e sua duração. Determinar em qual entidade começa a conversação. Coordenar os reconhecimentos dos procedimentos de retransmissão e de numeração.

48 Camada 5 Sessão Transferência de Dados: As tarefas da transferência de dados mantêm a conexão e a comunicação e passam as mensagens entre duas entidades. As subtarefas abaixo são sempre realizadas: Transferência de dados atual. Reconhecimento do recebimento de dados (incluindo o nãoreconhecimento quando os dados não são recebidos). Restabelecer comunicações interrompidas.

49 Camada 5 Sessão Liberação da Conexão: A liberação da conexão é a tarefa de finalizar uma sessão de comunicação. Pode ser feita através de um acordo entre duas entidades, como duas pessoas que dizem "tchau" ao final de uma conversa ao telefone; ou através de uma perda de conexão óbvia, como alguém que, acidentalmente, desliga o telefone.

50 Camada 6 Apresentação A camada de Apresentação converte os dados para um formato comum (sintaxe de transferência), que possa ser entendido por cada aplicativo da rede e pelos computadores no qual eles são executados. A camada de Apresentação pode também comprimir ou expandir, criptografar ou decodificar dados.

51 Camada 6 Apresentação Conversão: Quando dois computadores que usam conjuntos de regras diferentes tentam se comunicar, eles devem realizar algum tipo de conversão. Os padrões de conversão estão descritos a seguir: Conversão de Ordem de bits Conversão de Ordem de Bytes Conversão de Códigos de Caracteres Conversão de Sintaxe de Arquivos

52 Camada 6 Apresentação Criptografia: Criptografia é um termo geral que descreve os métodos de misturar dados. Transposição Substituição Algébrico Métodos mais usados: Códigos particulares Códigos públicos

53 Camada 7 Aplicação Os serviços que os protocolos da camada de Aplicação suportam incluem os serviços de banco de dados, arquivos, impressão, mensagens e aplicações. A camada de Aplicação não inclui pacotes de software do usuário como o Word ou Excel e etc., mas as tecnologias que permitem que o software do usuário tire proveito dos serviços da rede.

54 Camada 7 Aplicação Divulgação de Serviços: Os servidores divulgam os serviços de rede fornecidos aos clientes da rede. Os servidores usam os diferentes métodos de divulgação do serviço mostrados abaixo: Divulgação do serviço ativo Divulgação do serviço passivo

55 Camada 7 Aplicação Divulgação do Serviço Ativo: Ao realizar a divulgação do serviço ativo, cada servidor envia mensagens periódicas (incluindo endereços de serviços) para anuncia sua disponibilidade. Os clientes também podem fazer o poli dos dispositivos na rede procurando por um tipo de serviço. Os clientes da rede coletam divulgações e constroem tabelas dos serviços atualmente disponíveis.

56 Divulgação do Serviço Passivo: Camada 7 Aplicação Os servidores realizam a divulgação do serviço passivo registrando o serviço e o endereço em um diretório. Quando os clientes querem identificar os serviços disponíveis, eles simplesmente pedem ao diretório para localizar o serviço e fornecer o endereço do serviço.

57 Camada 7 Aplicação Métodos de Uso do Serviço: Para que um serviço de rede possa ser usado, ele deve estar disponível para o sistema operacional local do computador. Há uma variedade de métodos para que isso seja feito, mas cada método pode ser definido pelo local ou nível onde o sistema operacional local reconhece o sistema operacional da rede.

58 Capítulo 3 As Tecnologias Fibre Channel, ATM, ISDN, xdsl, Cable Modem, Frame Relay, VoIP e Centrex

59 O Padrão Fibre Channel - FC Meio físico - cabos ópticos com taxas de até 2 Gbps; Ideal para: - armazenamento de alta performance (servers); - grandes bases de dados; - sistemas de back-up e recuperação; - implementação de clusters entre servers; - armazenamento em rede e workgroups de alta velocidade; - campus backbone e Redes com áudio e vídeo digitais.

60 - Backbones em FC usando Switches e Hubs ; - Aplicação em Sistemas em Rede de vários níveis de criticidade ; O Padrão Fibre Channel - FC

61 O Padrão Fibre Channel - FC Por oferecer: segurança, escalabilidade fluxo de dados sem congestionamento, largura de banda Gigabit, compatibilidade com várias topologias e protocolos, controle de fluxo, auto gerenciamento, hot swap velocidade, excelente custo/benefício, Torna-se ideal para transferência de grandes quantidades de dados, sua a aplicação mais popular é em SANs (Storage Area Networks).

62 O Padrão Fibre Channel - FC Divide-se em 05 níveis: FC-0: refere-se ao nível Físico; FC-1: nesta camada ocorre a codificação/decodificação e a transmissão; FC-2: é o nível dos sinais lógicos; FC-3: nível dos serviços comuns (listagem, busca de grupos e multicast), relacionado aos serviços entre NÓS ; FC-4: responsável pelo interfaceamento entre os protocolosde mais alto nível.

63 ATM (Asynchronous Transfer Mode) A tecnologia ATM é uma das classes de tecnologias de packetswitching que proporcionam o tráfego de informações por um endereço contido dentro do pacote. As tecnologias de packetswitching não são novas; o X-25 e a Arpanet foram introduzidas no mercado em meados dos anos 70. Os principais packet-switching desenvolvidos usavam pacotes com comprimentos variáveis. Por isso, uma latência considerável era introduzida na rede, pois o hardware do processador usava temporizadores especiais e delimitadores para assegurar que o todos os dados estivessem presentes no pacote a ser transmitido.

64 ATM (Asynchronous Transfer Mode) O ATM pode alcançar velocidades de 2.5 Gbps, 10 Gbps para uso limitado e 40 Gbps, tornando-se uma excelente opção para a integração de redes espalhadas geograficamente, com as aplicações atuais. As informações (dados, voz e imagem) são divididas em pacotes (células) de 53 bytes (tamanho fixo), 5 com função de header e 48 para as informações. As células podem estar carregando informações de voz, dados ou imagem, digitalizados. Quando as células atingem seu destino, a estação receptora decodifica-os no formato original.

65 ATM (Asynchronous Transfer Mode) A movimentação das informações contidas nas células é realizada por meio de Switches ATM (equipamentos que fazem o roteamento dos dados, encapsulados em células, dentro da rede ATM). As informações são enviadas conforme a maior necessidade dos transmissores. O ATM opera dando prioridade a determinadas células (imagem por exemplo) que não devem sofrer atrasos, por serem transmissões em tempo real (real time). Esse recurso promove uma alocação dinâmica de banda, dando maior throughput para as células.

66 ATM (Asynchronous Transfer Mode) É importante ressaltar que o ATM, a despeito do que diz o seu nome, NÃO transfere células de forma assíncrona. Este assincronismo apresenta-se na solicitação de transmissão efetuada. Quer dizer, as células de uma informação são transmitidas de forma síncrona, contínua ininterrupta. A característica assíncrona origina-se do tempo aleatório, ou indeterminado, quando iniciará a próxima unidade de informação lógica da conexão estabelecida.

67 ATM (Asynchronous Transfer Mode) Podemos afirmar que se trata de uma opção, até mesmo para sistemas em rede local, porém o custo do hardware envolvido é altíssimo, se comparado às tecnologias já existentes, como o padrão FDDI, Fast- Ethernet, etc. O ATM é considerado um tipo específico de Cell Relay, definido como ISDN de Banda Larga (B-ISDN).

68 ATM (Asynchronous Transfer Mode) Como referência temos: Largura de banda comutada e topologia estrela; Cabo UTP Cat.5e em 2 pares 155 Mbps até 100 m; Cabeamento em fibra óptica multimodo 155 Mbps = m / m; Cabeamento em fibra óptica monomodo 155 Mbps = m; Cabeamento em fibra óptica multimodo 622 Mbps = 300 m / 500 m; Cabeamento em fibra óptica monomodo 622 Mbps = m;

69 ATM (Asynchronous Transfer Mode) Algumas aplicações do ATM: conexão entre mainframes; circuitos de videoconferência; conexão entre equipamentos de PABX; conexão entre LANs; serviços multimídia com dispositivos de alta velocidade; conexão a estações de trabalho;

70 ATM (Asynchronous Transfer Mode)

71 ATM (Asynchronous Transfer Mode) Características de interfaceamento definidas pelo Forum ATM: Cabo UTP cat.5e em 2 pares (12-78) para até 155 Mbps = 100m; Cabeamento óptico MMF - 155Mbps = 1000m/2000m; Cabeamento óptico SMF Mbps = 15000m; Cabeamento óptico MMF- 622 Mbps = 300/500m; Cabeamento óptico SMF Mbps = 15000m.

72 A tecnologia ISDN (Integrated Services Digital Network) O conceito da ISDN ou RDSI (Rede Digital de Serviços Integrados) foi originalmente introduzido nos Estados Unidos no início dos anos 80. Trata-se, basicamente, de uma evolução das aplicações de telefonia, oferecendo conectividade digital desde a central telefônica até o equipamento do assinante. Isto permite que o ambiente opere em uma ampla gama de serviços, incluindo dados, voz e vídeo, por meio de um conjunto de interfaces de usuários com necessidades e objetivos diversos.

73 A tecnologia ISDN Eis algumas aplicações da ISDN: Vídeo-conferência; Serviços de banda larga residencial; Transmissão de FAX de alta resolução; Serviços de trunking e comunicação celular; Conexão de sistemas PABX.

74 A tecnologia ISDN A arquitetura ISDN inclui processadores de aplicações para transporte e gerenciamento de comunicações, além de alguns serviços de controle do usuário, como por exemplo: - Mensagens de voz; - Centros de distribuição de recados de voz; - Mensagens de texto; - Tráfego de dados.

75 A tecnologia ISDN Segundo norma do CCITT (atual ITU), são usadas duas interfaces ISDN para conexão ao equipamento do usuário. Os canais B e D do ISDN são combinados na interface BRI (Basic Rate Interface), com o uso de dois canais B + 1 canal D, e na interface PRI (Primary Rate Interface), com o uso de 23 canais B + 1 canal D ou 30B+D, esta última uma versão internacional da ISDN PRI.

76 A tecnologia ISDN Algumas operadoras, como a AT&T, compartilham um canal D simples para múltiplos PRIs. O canal D em uma configuração 23B+D pode ser utilizado para controlar o número de conexões PRI 24B.

77 A tecnologia ISDN O nó de rede ISDN oferece, também, interligações para quatro tipos de redes: - redes de canais; - redes de circuitos; - redes de pacotes; - redes de sinalização de canal comum. Os três primeiros tipos referem-se à tecnologia de switching.

78 Os elementos que compõem o ISDN são basicamente: 1. NT (Network Terminal); 2. TE (Terminal Equipment); 3. TA (Terminal Adapter); 4. Barramento; 5. Rede Interna; 6. Roteador. A tecnologia ISDN

79 A tecnologia xdsl O xdsl baseia-se na divisão do sinal telefônico em canais diferenciados faixas de freqüência. Esta divisão é efetuada por meio de técnicas conhecidas como FDM (Frequency Division Multiplexing) ou pelo cancelamento de ecos e outros ruídos eletronicamente. Splitter

80 A tecnologia xdsl Desde o início de 1997, foi desenvolvida uma grande variedade de técnicas xdsl. As mais conhecidas se enquadram em uma das cinco categorias relacionadas na tabela abaixo. Categoria Taxa de dados típica Upstream Downstream ADSL (Asymmetrical Digital Subscriber Line) 1 Mbps 8 Mbps HDSL (High bit rate Digital Subscriber Line) 1,544/2,048 1,544/2,048 Mbps RDSL (Rate Adaptive Digital Subscribr Line) 784 Kbps 4 Mbps SDSL (Symmetric Digital Subscriber Line) 2 Mbps 2 Mbps VDSL (Very high bit rate Digital Subscriber Line 1,5 Mbps 52 Mbps

81 A tecnologia xdsl ADSL, HDSL, RDSL, SDSL, VDSL, A padronização ADSL ou (Assinante de Linha Digital Assimétrica), vem sendo oferecida pelas operadoras de telefonia para suporte a aplicações de banda larga sobre o mesmo canal que o usuário pode continuar usando para ligações telefônicas convencionais.

82 A tecnologia xdsl Entre as principais aplicações para a tecnologia ADSL estão os canais de banda larga residenciais e para o mercado SOHO. Diversas aplicações são possíveis. No desenho abaixo, um exemplo de vídeo sob demanda para treinamento. Fibra Ótica atécentral Rede Unidade ADSL de Rede 1- Canal de Upstreem 2,048 Mbit/s 1 - Canal Downstreem de 16 kbit/s 1 - Canal de Voz telefônico analógico de 4 khz Linha de Assinante Unidade ADSL de Assinante Usuário Vídeo em Demanda Telefone Conversor MPEG 2

83 A tecnologia CABLE MODEM Basicamente, qualquer infra-estrutura de transmissão de sinais que chegue à residência ou empresa poderia ser utilizada para transmissão de dados. A tecnologia Cable Modem utiliza os canais de TV por assinatura para esta função.

84 A tecnologia CABLE MODEM Tendo em vista que a TV a cabo é atualmente uma tecnologia analógica, são necessários modems para transmitir dados sobre a infra-estrutura de TV a cabo. A maioria dos sistemas de TV a cabo são unidirecionais. Por isso, alguns modems a cabo desenvolvidos durante os últimos anos da década de 1990 incluíam um modem V.34 embutido para transmissão upstream através da linha telefônica.

85 A figura representa o esquema de conexão via CABLE- MODEM bidirecional e unidirecional. A tecnologia CABLE MODEM Televisor Televisor Headend Splitter Headend Splitter Download e Upload Cable modem Computador Linha Telefônica Download Upload Cable modem Computador

86 A tecnologia CABLE MODEM

87 VOIP (voice over IP) - Voz sobre IP Ao contrário da utilização de canais de voz para transportar dados, desde o ISDN se busca uma solução para transmitir voz sobre canais de dados já existentes. A tecnologia VoIP, que evoluiu para a Telefonia IP, e hoje para as NGNs (Next Generation Networks), integrou os dois mundos. Com o uso da Internet, a larga disponibilidade de canais de dados acabou criando uma infra-estrutura que trouxe também a redução de custos como uma das grandes vantagens desta integração.

88 VOIP (voice over IP) - Voz sobre IP Topologia de implementação de uma solução VOIP

89 Centrex (Central Office exchange Service) Trata-se de um serviço de última geração das companhias telefônicas locais. O Serviço CENTREX, tende a substituir gradativamente os sistemas PBX. Dentro deste pacote de serviços, existe ainda o DID (Direct Inward Dialing), que provê para cada cliente números individuais sem a necessidade da presença de uma linha física dentro do PBX para cada possível conexão.

90 Centrex (Central Office exchange Service) Este serviço vem sendo disponibilizado em algumas regiões do país, e como principais características, podemos destacar: - Não há necessidade de aquisição de um PABX; - Dispensa infra-estrutura local; - Manutenção e atualizações técnicas realizadas pela operadora; - Facilidade de ampliação ou reduções de ramais; - Acesso a correio de voz; - Discagem direta a ramal DDR; - Distribuidor automático de chamadas; - Tarifação por ramal ou única por assinant ; - Bloqueio de chamadas DDI.

91 Frame Relay O Frame Relay é um protocolo WAN de alta performance que opera nas camadas Física e Enlace do modelo OSI. Esta tecnologia utiliza a comutação por pacotes para promover a interface com outras redes através de dispositivos de borda (roteadores), compartilhando dinamicamente os meios de transmissão e a largura de banda disponível de forma mais eficiente e flexível.

92 Frame Relay Esta tecnologia é chamado de tecnologia multiacesso e pode conectar vários dispositivos de rede em uma WAN multiponto. Para operar, cada roteador necessita apenas de uma conexão (interface física) para promover a comunicação entre o usuário e a operadora fornecedora da solução. Sua flexibilidade permite também a utilização do Frame Relay na implementação de redes privadas. O serviço é oferecido pelas operadoras através de um PVC (Permanent Virtual Circuit), que é um enlace de dados não confiável (por não fornecer a confirmação da entrega dos dados) entre o cliente e a operadora. Por este motivo é uma alternativa econômica para os projetos de WAN ponto-a-ponto.

93 VPN (Virtual Private Network) Também é um solução desenvolvida para se utilizar a Rede Pública como meio de transporte para redes corporativas. As VPNs (Virtual Private Networks) ou Redes Privadas Virtuais são conexões privadas e seguras, que estendem as redes corporativas de uma empresa para seus escritórios remotos, usuários remotos e parceiros de negócios utilizando os recursos da Internet. Reduz custos com as comunicações corporativas por dispensarem os links dedicados ou discados, substituindo-os pela Internet.

94 VPN (Virtual Private Network) A segurança é garantida pela criação de túneis (criptografados) entre os pontos autorizados para tal. O VPN IPSec Router é o dispositivo (hardware) responsável pela criptografia e gerenciamento das conexões seguras aos demais equipamentos de VPN e clientes remotos.

95 VPN (Virtual Private Network) Características mínimas importantes para a implementação de uma VPN: Usuários: Recurso de Autenticação de forma a restringir o acesso somente a pessoas autorizadas. Endereços: Gerenciamento de modo a não se permitir que estranhos tenham acesso a rede corporativa. Dados: Estabelece a comunicação com recurso de Criptografia (garante a segurança para o trafego). Chaves de Criptografia: São as chaves de criptografia que garantem que somente VPN Routers autorizados compartilhem informações. Portanto deve-se manter controle constante sobre as mesmas, bem como promover a troca sistemática destas chaves de forma a proteger as VPNs.

96 VPN (Virtual Private Network) FILIAL - SP Roteador de borda Frame relay Roteador de borda VPN IPSec Roteador VPN Modem ADSL Internet Modem ADSL Roteador VPN

97 Capítulo 4 Soluções Wireless (WLANs)

98 Soluções Wireless (WLANs) Redes sem fio => operam como as redes locais convencionais viabilizam o acesso aos servidores e demais recursos da rede sem o uso de cabos: Infravermelho LASER RF - Rádio freqüência Apresentam baixa taxa de transmissão (Mbps)

99 Soluções Wireless (WLANs) IEEE => aprovou um protocolo WLAN - Wireless LAN que define a camada física e o MAC para LANs sem fio (WLAN s) Preocupação com o MAC: CSMA/CA - Carrier Sense Multiple Access with Collision Avoidance

100 Soluções Wireless (WLANs) O CSMA/CA garante que os dados serão enviados apenas com canal livre, o usuário que deseja transmitir envia um RTS (Request to send); Só transmite ao receber o CTS (Clear to send) não recebendo o CTS => canal ocupado, tentar mais tarde;

101 Por que o CSMA/CA? Comunicação one-way em cada etapa menor complexidade de hardware menor custo final. Soluções Wireless (WLANs) O IEEE define duas freqüências de RF => tecnologia spread spectrum A transmissão de sinais é espalhada por uma ampla escala de freqüência do espectro de rádio

102 Spread spectrum => maior segurança Soluções Wireless (WLANs) duas técnicas de spread spectrum: DSSS Direct Sequence Spread Spectrum FHSS Frequency Hopping Spread Spectrum operam em freqüências de 2,4 GHz a 2,4835GHz DSSS => velocidades de 1 ou 2 Mbps FHSS => velocidades de 1 ou 2 Mbps Nos meados do ano de 2000 foi aprovado um novo protocolo para Wireless, denominado IEEE b na velocidade de 11Mbps.

103 Soluções Wireless (WLANs) Direct Sequence Spread Spectrum espalhamento de um sinal por uma ampla faixa em 2,4 GHz => B = 900 MHz Frequency Hopping Spread Spectrum método adotado pela maioria dos fabricantes de produtos WLAN em vez de espalhar o sinal em uma banda de freqüência, o FHSS utiliza hoppings => hop sequence => vários canais

104 Soluções Wireless (WLANs)

105 Soluções Wireless (WLANs)

106 Links a laser Soluções Wireless (WLANs) Os enlaces a laser, como opção para o wireless, permite a transmissão de sinais entre 2 pontos a distâncias da ordem de 1500m, sem a necessidade da instalação de cabos ou reserva de espectro de freqüência. As velocidades são compatíveis com o padrão ethernet (10Mbps), e o link inclui conversores eletro-óptico e optoelétrico, telescópio transmissor e receptor de alta resolução.

107 Soluções Wireless (WLANs) Como características de um enlace a laser, temos: -Dispensa a instalação de cabos e fibras ópticas e não sofre interferências eletromagnéticas. Flexibilidade para relocação do enlace óptico; -Comunicação inviolável, velocidades compatíveis de transmissão LAN; -Ideal para ambientes ruidosos, como centrais elétricas e fábricas automatizadas ou implementações de conexões em campus; -Em centros urbanos onde exista saturação no espectro de freqüência;

108 Soluções Wireless (WLANs)

109 Soluções Wireless (WLANs) Uma variante da tecnologia WIRELESS está sendo bastante empregada em sistemas de telefonia FIXA e em acessos a INTERNET via rádio. Pode receber o nome de LAST MILE (última milha) ou como é mais conhecida WLL ou Wireless Local Loop.

110 Tecnologia WLL Outra aplicação consiste na implementação de um sistema de distribuição de dados do tipo ponto-a-multiponto, ou seja a partir de um ponto central, que possui acesso a INTERNET, é oferecida, por meio de uma antena OMNI-DIRECIONAL, banda de acesso para ser compartilhada por várias LAN s numa MAN. Esta solução normalmente é oferecida por um provedor para escolas ou empresas.

111 Tecnologia WLL

112 Central de Telefonia Wireless Tecnologia WLL Estação de Rádio Base Estação de Rádio Base Outras empresas de telefonia Conexão via microondas ou fibra óptica Terminal Fixo Acesso sem fio - Wireless - Terminal Fixo

113 Capítulo 5 Técnicas de Comunicação

114 Técnicas de comunicação Informação - analógica ou digital (áudio, vídeo ou dados); Transmissor - condiciona o sinal de saída para o meio físico (canal); Canal - caminho entre a entrada e saída com atrasos e atenuação; Receptor - condiciona o sinal de entrada do meio físico (canal);

115 Técnicas de comunicação Sinal Digital Sinal Analógico

116 Modulação de pulso (LANs) Para a transmissão de informações através de um sinal digital, é necessário codificar o sinal digital através da modulação do mesmo. Um dos tipos mais conhecidos de modulação de pulso é o PCM (Pulse Code Modulation). Eis algumas variações possíveis: PAM (Pulse Amplitude Modulation); PWM (Pulse Width Modulation); PPM (Pulse Position Modulation). DM (modulação por atraso de pulso Delay Modulation)

117 PCM codificação Manchester (LANs) Nas redes ethernet a 10Mbps, tipicamente é utilizado o PCM Manchester, conforme especificação Ethernet (IEEE 802.3), desenvolvida pela XEROX Corporation.

118 Confiabilidade (LANs) Existem diversos métodos para detecção e correção de erro utilizados nas redes ethernet. As confiabilidades típicas de cada um dos métodos são: 65% para o VRC 85% para o LRC 99,99995% para o CRC.

119 Tecnologias de Redes (LANs) A alguns anos atrás, diversas tecnologias de LAN disputavam o mercado. As três tecnologias de LANs mais aceitas e utilizadas naquela época possuiam características bastante distintas, cada uma com sua própria topologia física e lógica e respectivos meios físicos (cabos e conectores). Atualmente, apenas as redes ethernet dominam o mercado das LANs. Ethernet Token-Ring FDDI

120 NORMAS IEEE (Aplicáveis a LANs) O IEEE (Institute of Electrical and Electronic Engineers) é uma organização norte americana responsável por desenvolver padrões na área de engenharia elétrica e eletrônica. Fundado em 1884, é responsável também pelos principais protocolos de redes de computadores, inclusive o Ethernet, definido pelo protocolo IEEE802.3, e com diversas variações, representadas por sufixos como IEEE802.3z (Gigabit Ethernet), IEEE802.3ad (Ethernet Trunking) etc.

121 NORMAS IEEE (Aplicáveis a LANs) A Série IEEE/ISO 802.X/ 8802.X Em 1985, o comitê do Computer Society's Project 802 do Institute of Electrical Electronic Engineers (IEEE) publicou uma série de padrões das camadas Física e de Link de Dados que foram adotados pelo ANSI (American National Standard Industrie). Esses padrões foram também revisados e publicados novamente pela ISO, onde são chamados de protocolos ISO 8802.

122 NORMAS IEEE (Aplicáveis a LANs) Resumo de Protocolos IEEE 802.X: IEEE Implementação de protocolos IEEE Especificações de Ethernet IEEE Redes Industriais (Token-Bus) IEEE Especificações Token-Ring IEEE Implementações de MAN IEEE Transmissão de dados baixa velocidade. IEEE Implementações em Wireless (Wi-Fi) IEEE Implementações 100VG-AnyLAN

123 Ethernet (10 Mbps) Desenvolvido pela Xerox, DEC e Intel em 1972, com uma largura de banda de 1 Mbps, mais tarde padronizado a 10 Mbps pelo IEEE, sob a norma IEEE 802.3, e inicialmente introduzido na topologia em barramento. cabo coaxial cheapernet terminadores de 50 ohms utp aui transceiver Cabo coaxial yellow cable conectores BNC e T cada NÓ terminadores de 50 ohms

124 Ethernet (10 Mbps) Coaxial 10Base2 - conector BNC, para um máximo de 30 nós e 185 metros por segmento; Coaxial 10Base5- conector AUI, para um máximo de 100 nós e 500 metros por segmento; Par trançado 10 Base T - conector RJ45, para um máximo de 100 metros por segmento; Fibra óptica 10 BASE FL - conector ST, máximo de metros por segmento;

125 Controle de acesso à midia MAC (Media Access Control) CSMA/CD (Carrier Sense Multiple Access with Collision Detection)

126 O quadro Ethernet O quadro Ethernet 802.3, conhecido como frame Ethernet tipo II, possui os campos abaixo: (incluindo o cabeçalho do protocolo de camada 3)

127 Fast Ethernet (100Base-T) A tecnologia Fast Ethernet (100BaseT), uma versão de 100 Mbps da popular Ethernet 10BaseT, foi oficialmente adotada pelo IEEE como nova especificação em maio de Essa tecnologia foi oficialmente denominada de padrão IEEE 802.3u e é um padrão suplementar ao já existente, o IEEE

128 Fast Ethernet (100Base-T)

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Redes de Computadores. Topologias de Rede. Topologias das Redes. O Avanço das Redes. O Avanço das Redes. LAN - Local Area Network

Redes de Computadores. Topologias de Rede. Topologias das Redes. O Avanço das Redes. O Avanço das Redes. LAN - Local Area Network Redes de Computadores Topologias de Rede Conceitos sobre LAN, MAN, WAN Tecnologia Ethernet Tecnologias Wireless Módulo 2 Quais as topologias disponíveis? Onde são utilizadas? Quais as limitações envolvidas?

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Redes de Computadores Concursos de TI

Redes de Computadores Concursos de TI Redes de Computadores Concursos de TI CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Prof. Bruno Guilhen Arquitetura e Protocolo de Redes www.concursosdeti.com.br E1 E9 Conceito de Protocolo E2 N1 R1 R3 R2 N5 R4 Como esses

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1 MODELO OSI/ISO 01(CESPE STF 2008 Q93) Na arquitetura do modelo OSI da ISO, protocolos de transporte podem ser não-orientados a conexão e localizam-se na terceira camada. As responsabilidades desses protocolos

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes Fundamentos de Rede Aula 01 - Introdução e Redes Contextualização Séculos XVIII e XIX - Revolução Industrial máquinas mecânicas, taylorismo, fábricas hierarquia, centralização da decisão, mainframes Séculos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Modelo de referência OSI Camada 6 Apresentação Também chamada camada de Tradução, esta camada converte o formato do dado recebido pela camada de Aplicação

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Robert Metcalf, Xerox, 1973 1 Barra 2 Barra-Estrela: HUBS 3 Hubs, Concentradores e Switches Hub ou Switch 4 Barra 5 Arquitetura OSI Aplicação Apresentação Sessão Transporte

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

TRABALHO SOBRE ETHERNET

TRABALHO SOBRE ETHERNET TRABALHO SOBRE ETHERNET Centro de Formação de Alcoitão UFCD 0831 Topologias de redes Ethernet Formador(a): Daniela Azevedo Formandos: António Rocha, Célia Silva e Rui Bárcia Índice Introdução Características

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Redes 10 Gigabit Ethernet

Redes 10 Gigabit Ethernet Redes 10 Gigabit Ethernet Ederson Luis Posselt 1, Joel Henri Walter 2 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Bairro Universitário na Av. Independência 2293 Santa Cruz do Sul

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Prof. Bruno Guilhen Brasília Setembro CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Arquitetura e Protocolo de Redes Realidade atual Motivação Ampla adoção das diversas tecnologias de

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS CONCEITUAÇÃO Norma Prática tornada obrigatória por entidades técnicas e/ou regulamentadoras. Padrão Prática recomendada e de ampla aceitação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet REDES DE COMPUTADORES Tecnologias de LAN - Ethernet Agenda Tecnologias de LANs Porque Ethernet Origem Endereçamento Frame Ethernet Padrão Fast Ethernet Gigabit Ethernet Tecnologias para LANs Por que Ethernet?

Leia mais

Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella

Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella Este material foi baseado na apresentação de rede do Prof. Marco Aurélio Moschella Prof. Engº esp Luiz Antonio Vargas Pinto 21 de abril de 2001 Atualizado em 16 de Agosto de 2015 www.vargasp.com Redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio III DISPOSITIVOS

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais