4.1. Instalação, manutenção e utilização de redes locais REDES LOCAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4.1. Instalação, manutenção e utilização de redes locais 4.1.1. REDES LOCAIS"

Transcrição

1 4.1. Instalação, manutenção e utilização de redes locais REDES LOCAIS 1

2 O QUE É UMA REDE? Grupo de computadores interligados através de um conjunto de componentes de hardware e software, que permite a partilha de informações e aceder a outros recursos presentes em outros computadores. 2

3 VANTAGENS/BENEFÍCIOS DE UMA REDE Normalmente, uma rede de computadores é implementada para (objectivos fundamentais das redes): Permitir a partilha de programas; Permitir a partilha de periféricos (discos, impressoras,..); Permitir a partilha de ficheiros de dados ou documentos; Trocar mensagens entre os computadores, através de correio electrónico; 3

4 VANTAGENS/BENEFÍCIOS DE UMA REDE Compartilhar e controlar o acesso à Internet; Disponibilizar uma Intranet; Sem dúvida, uma rede de computadores pode aumentar sensivelmente a produtividade, o nível de serviços prestados aos clientes. Por outro lado, as redes de computadores são uma excelente ferramenta de redução de custos nas empresas. 4

5 SERVIDOR Numa rede de computadores, designamos por servidor o computador responsável por partilhar um conjunto de recursos de hardware, software e informação com vários computadores/terminais. 5

6 CATEGORIAS DE SERVIDORES Existem diferentes categorias de servidores: Dedicado o computador utilizado como servidor dedica-se exclusivamente à gestão da rede. Não Dedicado o computador-servidor pode ser utilizado como servidor e estação de trabalho. 6

7 CATEGORIAS DE SERVIDORES Para além do servidor da rede, podem existir também servidores de funções como, por exemplo: Servidor de Base de Dados Para partilha exclusiva de Base de Dados. Servidor de Disco Para um grande nº de estações de trabalho vários discos. Servidor de Impressora Para partilha de várias impressoras pelas estações de trabalho. 7

8 ESTAÇÃO DE TRABALHO Cada computador pessoal em comunicação com o servidor pode ser designado por estação de trabalho. Nas redes locais actuais, o processamento dos dados é efectuado na estação de trabalho e não no servidor. 8

9 PROTOCOLO Em qualquer comunicação, é necessário que os envolvidos conheçam uma linguagem comum, ou seja um idioma ou uma linguagem de sinais; algum tipo de padrão deve existir para que a comunicação ocorra. 9

10 PROTOCOLO Cont. O protocolo exerce exactamente esse papel na comunicação de dados. Ele é o idioma da comunicação de dados, um padrão bem definido, detalhando os bits e bytes trocados entre dois computadores, sempre com o objectivo de trocar informação digital. 10

11 PROTOCOLO Cont. O protocolo pode tratar ainda: Como os erros de comunicação são verificados e as acções que devem ser tomadas no caso de erros; Como o dado pode ser comprimido para aumentar a performance de transmissão; Como o computador que enviou a mensagem indicará que ela foi enviada completamente; Como o computador que recebeu a mensagem indicará que realmente a recebeu. 11

12 PROTOCOLO Cont. Os principais protocolos de rede utilizados na actualidade são os seguintes: TCP/IP NetBUI IPX/SPX 12

13 O MODELO OSI O Modelo OSI, foi criado pela ISO, uma das organizações internacionais que definem padrões técnicos, como, por exemplo, ISO O termo OSI significa Open System Interconnection, ou Interconexão de Sistemas Abertos. 13

14 O MODELO OSI Cont. Definição: Conjunto de protocolos abertos (convenções ou normas que podem ser adoptadas livremente) para o fabrico de equipamentos e desenvolvimento de software, destinados a funcionar em redes de computadores. 14

15 O MODELO OSI Cont. Objectivo deste modelo: O seu objectivo é padronizar as formas de comunicação de dados, sendo utilizada no desenvolvimento de soluções de comunicação, como na criação de protocolos, equipamentos de rede e tecnologias recentes. 15

16 O MODELO OSI Cont. O modelo OSI é formado por 7 camadas, e o conceito determina que cada um dos envolvidos na comunicação deve criar formas de conexão entre as camadas. Por exemplo, a camada 4 no sistema que envia uma mensagem deve se comunicar na mesma camada com o sistema que receberá a mensagem. 16

17 O MODELO OSI Cont. As camadas inferiores possuem menos complexidade, iniciando normalmente por meios físicos de comunicação, enquanto as camadas superiores possuem maior inteligência, tipicamente representada pela aplicação de comunicação em si (como o próprio Internet Explorer ou um cliente de .) 17

18 O MODELO OSI Cont. 18

19 O MODELO OSI Cont. As 7 camadas do modelo OSI: Camada 1 - Física Camada 2 - Ligação de dados Camada 3 - Rede Camada 4 - Transporte Camada 5 - Sessão Camada 6 - Apresentação Camada 7 - Aplicação 19

20 O MODELO OSI Cont. CAMADA FÍSICA Define características do meio físico de transmissão de rede, conectores, interfaces, codificação ou modulação dos sinais, etc. Está intimamente associada ao hardware utilizado na comunicação. Exemplos de protocolos de camada 1 são o RS232, Fast Ethernet e ATM. 20

21 O MODELO OSI Cont. CAMADA DE LIGAÇÃO DE DADOS É nesta camada, que os pacotes são codificados e descodificados em bits no formato apropriado à sua transmissão na rede. Trata dos erros físicos de transmissão, controla o acesso aos meios físicos de transmissão e o fluxo dos pacotes entre os nós da rede. 21

22 O MODELO OSI Cont. CAMADA DE REDE É nesta camada que se estabelece, com base nos endereços dos pacotes das mensagens, um caminho, através dos nós da rede ou interligação de redes, para o percurso das mensagens até ao destino. Controles de congestionamento também são implementados nesta camada. 22

23 O MODELO OSI Cont. CAMADA DE TRANSPORTE É nesta camada que, se dá a transferência de dados entre emissor e receptor. Trata do controle de erros na transmissão, assim como o fluxo de dado em si. O dado deve ser entregue e sua entrega garantida, se o protocolo o exigir como é o caso do TCP/IP. 23

24 O MODELO OSI Cont. CAMADA DE SESSÃO As sessões são conexões entre aplicações. Esta camada trata do estabelecimento, gestão e manutenção dessas sessões. 24

25 O MODELO OSI Cont. CAMADA DE APRESENTAÇÃO Esta camada tem a função de converter dados do formato da aplicação para o formato da rede. A encriptação de dados é um exemplo de utilização nesta camada. 25

26 O MODELO OSI Cont. CAMADA DE APLICAÇÃO Esta camada implementa a aplicação de comunicação em si, é a interface com o utilizador. Recursos como autenticação, sintaxe dos dados e a interface em si são implementadas neste nível. Exemplos de aplicações incluem tanto aplicações clientes, como o IE como aplicações no lado do servidor, como servidores de Correio Electrónico. 26

27 MÚLTIPLOS PROTOCOLOS E PADRÕES DE REDES SÃO AGRUPADOS EM 2 CONJUNTOS: Protocolos de nível inferior Ao nível das 1ªs 2ª ou 3ª camadas do modelo OSI Definem: Interfaces de rede; Modo de acesso dos computadores ao meio físico de transmissão; 27

28 MÚLTIPLOS PROTOCOLOS E PADRÕES DE REDES SÃO AGRUPADOS EM 2 CONJUNTOS: Protocolos de nível inferior (Cont.) Formato dos pacotes de mensagens que circulam na rede. Protocolos de nível superior Ao nível das camadas superiores. 28

29 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL O que são sinais eléctricos? A informação é transmitida dentro de um circuito electrónico ou entre diferentes circuitos por sinais eléctricos. Estes sinais nada mais são que variações no nível de tensão eléctrica (V) no meio de transmissão (fios, conectores, etc), ao longo do tempo (t). 29

30 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Sinais analógicos Originalmente a maioria dos sinais usados em electrónica eram do tipo analógico. Estes caracterizam-se por variarem de forma contínua ao longo do tempo. Este tipo de sinal era e ainda é muito utilizado nos amplificadores de som, microfones, sistemas de vídeo, etc., dispositivos cujo tipo de informação se adapta bem às características deste género de sinal. 30

31 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) O ruído O ruído é a alteração indesejável de um sinal devido a interferências externas. Infelizmente os meios de transmissão nunca estão completamente isentos de ruído. Motores eléctricos, cabos de alta tensão, e quaisquer outros equipamentos que gerem campos magnéticos interferem nos sinais eléctricos. Portanto a informação que estes carregam é ligeiramente alterada durante o percurso 31

32 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Os sinais analógicos não são pois 100% fiáveis! Como o sinal analógico varia de forma contínua, é impossível saber se um certo valor deste é o correcto ou o resultado de interferências. Ou seja, não é possível retirar o ruído de um sinal analógico e reconstruir a sua forma original. Esta pouco fiabilidade é aceitável em dispositivos de som ou imagem, mas não em computadores, onde é absolutamente essencial que a informação seja transmitida sem qualquer alteração. Os sistemas informáticos requerem um tipo de sinal eléctrico capaz de resistir ao ruído. 32

33 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Sinais digitais Os sinais digitais são sinais eléctricos que variam aos saltos, ou seja, de forma descontínua. Um sinal digital só pode ter um conjunto limitado e bem definido de valores, passando todo o tempo a saltar entre eles. Se só existirem dois valores, o sinal digital diz-se binário, e cada sinal representa um bit (0 ou 1). 33

34 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Os sinais digitais são fiáveis Porque um sinal digital só pode ter um conjunto limitado de valores, é fácil filtrar o ruído deste e reconstruir a sua forma original. Assim a informação transmitida é muito fiável. Este é o motivo pelo qual todos os sistemas informáticos utilizam sinais digitais 34

35 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Sinais binários Os sinais digitais mais utilizados são os binários. Isto deve-se ao facto de estes apresentarem muitas vantagens sobre os restantes: Simplicidade Maior tolerância dos componentes dos circuitos integrados, principalmente resistências e transístores Maior versatilidade na interligação de circuitos integrados Aumento da imunidade ao ruído, pois utilizam-se apenas dois níveis de tensão, bem separados 35

36 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Detecção de erros nos sinais binários Os sinais binários podem oferecer grande imunidade ao ruído, mas esta obviamente nunca pode ser total. Existe sempre a hipótese de ocorrer uma interferência tão grande que ultrapasse os limites impostos à variação do sinal. Isto pode levar a uma reconstrução errada deste. 36

37 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Recuperação de erros Para lidar com o problema da possível reconstrução errada de um sinal binário, é normalmente adicionada a este informação extra de verificação. Ou seja, são adicionados aos sinais transmitidos alguns novos, cuja única função é permitir testar no destino a fiabilidade dos restantes. O método mais utilizado consiste no chamado bit de paridade. Sempre que se envia um conjunto de bits, normalmente 7 ou 8, o sistema transmite um extra. Este diz se o número de bits com valor 1 naquele lote foi par ou ímpar. Se um desses bits tiver sido alterado a contagem vai ser incorrecta, e o erro de transmissão detectado. 37

38 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Exemplos de utilização do bit de paridade Suponha-se que foram enviados os seguintes oito bits: Este lote tem cinco 1s, um número ímpar. Logo, se consideramos que o bit extra toma o valor 0 para indicar um número ímpar de 1s, então o nono bit enviado, o de paridade, será 0. Ou seja, no total enviam-se nove bits, , dos quais os oito primeiros são dados, e o nono permite verificar se os restantes estão correctos. Aqui estão outros exemplos de grupos de oito bits a transmitir: Dados a transmitir Dados transmitidos, com bit extra de paridade

39 REDES LOCAIS TIPOS DE SINAL (Cont.) Outras técnicas de detecção de erros O bit de paridade permite normalmente detectar se ocorreram erros na transmissão, embora não permita reconstruir os dados alterados. Isto porque obviamente não existe informação sobre que bit foi alterado, só que um o foi. Além disso se a interferência for tão grande que dois ou mais bits são alterados, o método pode falhar. Estas situações são contudo (felizmente) muito raras. Existem métodos de recuperação de erros mais avançados, que consistem basicamente em adicionar ainda mais bits extra a cada lote de bits enviados. Em geral quantos mais bits extra, maior a capacidade de o receptor detectar e reconstruir a mensagem original. Mas estas técnicas só são usadas pontualmente, pois aumentam grandemente o volume de dados a transmitir. 39

40 CLASSIFICAÇÃO DAS REDES QUANTO À SUA DIMENSÃO (Distribuição Geográfica) Redes Locais (LAN) Redes Intermédias (MAN) Rede Campus Redes Área Metropolitana Redes Alargadas (WAN) 40

41 CLASSIFICAÇÃO DAS REDES QUANTO À SUA DIMENSÃO (Cont.) LAN - Local Area Network 41

42 CLASSIFICAÇÃO DAS REDES QUANTO À SUA DIMENSÃO (Cont.) LAN - Local Area Network Uma sala ou edifício; Poucas centenas de metros. Exemplo, conectar os vários computadores na sede de uma empresa. As principais tecnologias que uma LAN pode utilizar são a Ethernet, Token Ring, o ARCNET e o FDDI. 42

43 CLASSIFICAÇÃO DAS REDES QUANTO À SUA DIMENSÃO (Cont.) MAN - Media Area Network Rede Área Metropolitana Área de uma grande cidade ou região urbana Interligação de entidades (Ex.: Polícia) Internet (qualquer conjunto de redes interligadas) 43

44 CLASSIFICAÇÃO DAS REDES QUANTO À SUA DIMENSÃO (Cont.) MAN - Media Area Network Rede Campus Várias redes locais (LAN) ligadas entre si Vários edifícios vizinhos (Ex: Universidade) Intranet 44

45 CLASSIFICAÇÃO DAS REDES QUANTO À SUA DIMENSÃO (Cont.) WAN - Wide Area Network 45

46 CLASSIFICAÇÃO DAS REDES QUANTO À SUA DIMENSÃO (Cont.) WAN - Wide Area Network Até à totalidade do Globo; Internet. Distinguem-se duma LAN ou MAN pelo seu porte e estrutura de telecomunicações Exemplo, conectar vários balcões regionais de um banco a um computador central em Lisboa. 46

47 PADRÕES DE REDE Existem vários padrões de redes baseadas em protocolos de nível inferior, como: Ethernet; Token-Ring; FDDI; X.25; Frame Relay; A arquitectura mais utilizada em redes de 47 computadores na actualidade é a Ethernet.

48 PADRÕES DE REDE (Cont.) ETHERNET A comunicação em uma rede Ethernet ocorre da seguinte forma: Quando uma estação transmite algum dado, surge um sinal no canal Ethernet. Cada estação deve aguardar até que nenhum sinal esteja no canal Ethernet para transmitir algum dado. Como o sinal leva um determinado tempo para correr o canal todo, pode acontecer que duas ou mais estações comecem a transmitir simultaneamente. Neste caso ocorre uma colisão no canal, pára a transmissão dos dados e reenvia os pacotes um a um; 48

49 PADRÕES DE REDE (Cont.) ETHERNET Esse controle é feito através de regras presentes no firmware (chip) de todas as placas de rede Ethernet; Esse mecanismo de controle dos dados, é chamado CSMA/CD (Carrier Sense Multiple Access/ Collision Detection)e foi definido pelo padrão do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers); 49

50 PADRÕES DE REDE (Cont.) ETHERNET A largura de banda do padrão Ethernet é de 10Mbps. Mais recentemente, o padrão Fast Ethernet proporcionou taxas de 100 Mbps, utilizando o mesmo padrão 802.3; A passagem de 10Mbps para 100Mbps é fácil uma vez que ambas utilizam o protocolo CSMA/CD; 50

51 PADRÕES DE REDE (Cont.) ETHERNET Esta passagem de 10Mbps para 100Mbps reduz o tamanho máximo que a rede pode ter: para um comprimento máximo de 500 metros a 10Mbps passa-se para cerca de 200 metros a 100Mbps. Para se conseguirem distâncias superiores a 205 metros numa rede de 100Mbps é necessário instalar repetidores em cada 200 metros; 51

52 PADRÕES DE REDE (Cont.) ETHERNET O pacote (ou frame) consiste em uma sequência de bits que contém todas as informações necessárias para a comunicação, como os endereços de origem e destino, bits para controle de erros e o dados em si; Grande difusão em topologias BUS com cabos coaxiais; Com os hubs, tornaram-se mais comuns em topologia ESTRELA, com cabos UTP. 52

53 PADRÕES DE REDE (Cont.) TOKEN RING Numa rede token ring, todos os computadores estão ligados em ANEL ou ESTRELA; O protocolo Token-Ring da IBM deu origem a uma versão normalizada, vindo a ser especificada como IEEE 802.5; A taxa de transmissão de dados neste tipo de LAN é de 4 ou 6 Mbps; 53

54 PADRÕES DE REDE (Cont.) TOKEN RING O protocolo Token-Ring é o 2º mais utilizado em LAN depois do protocolo Ethernet; Nesta rede é usado um bit (testemunho ou token) por forma a evitar colisões de dados entre computadores que pretendem enviar mensagens ao mesmo tempo; O computador que envia mensagens é que está na posse do Token; 54

55 PADRÕES DE REDE (Cont.) TOKEN RING A comunicação em uma rede Token-Ring, ocorre da seguinte forma: Existe um pacote vazio que circula permanentemente na rede. Assim que um computador pretende enviar uma mensagem insere um token no pacote vazio, o que consiste apenas na mudança de um 0 para 1 de um bit algures no pacote. A seguir é inserida a mensagem nesse pacote e o destinatário. 55

56 PADRÕES DE REDE (Cont.) TOKEN RING O pacote é examinado por cada computador, até que chega a vez do destinatário da mensagem que copia então a mensagem do pacote e muda o token para 0. Quando o pacote chega de novo ao emissor este ao ver que o token está a 0 sabe que a mensagem foi recebida e copiada, removendo então a mensagem do pacote. O pacote continua a circular vazio pronto a ser agarrado por um computador que necessite de enviar uma mensagem. 56

57 TOPOLOGIAS DE REDE A topologia de uma rede é devida a vários factores, desde restrições nas capacidades do equipamento utilizado, até às características das tecnologias utilizadas. A organização das redes pode reduzir-se a 3 casos tipo que são, a topologia em barramento ou bus, topologia em estrela ou star, e a topologia em anel ou ring. 57

58 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) ANEL (RING) 58

59 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) ANEL (RING) Nesta topologia os dispositivos estão ligados a um mesmo circuito, formando um círculo; O último dispositivo não está primeiro; conectado ao No caso de falha de um dos computadores, a comunicação em toda a rede é comprometida e a 59 localização da falha é mais complexa;

60 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) ANEL (RING) Esta topologia física é utilizada nas redes Token- Ring da IBM; As mensagens circulam dentro do cabo em anel, passando sequencialmente até ao destinatário; Esta topologia, tal como acontece, com a topologia de barramento é pouco utilizada actualmente. 60

61 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) BARRAMENTO (BUS) Como acontece no interior dos computadores, o barramento é um caminho de transmissão de sinais numa rede. Os sinais são largados no barramento e lidos pelos dispositivos cujo endereço foi especificado. No caso de uma rede com esta topologia em vez de sinais temos pacotes de dados, cujo cabeçalho contém o endereço do destinatário. 61

62 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) BARRAMENTO (Cont.) 62

63 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) BARRAMENTO (Cont.) Como pode observar na figura uma topologia em barramento, consiste num cabo com dois pontos terminais e com diversos dispositivos ligados ao barramento (bus); Todos os dispositivos estão ligados directamente à linha por onde circulam os pacotes, pelo que todos os dispositivos da rede vêm os pacotes; 63

64 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) BARRAMENTO (Cont.) Cada dispositivo da rede tem um endereço único, que permite através da análise dos pacotes seleccionar os que lhe são destinatários; Neste tipo de topologia, é necessário terminar o barramento, ou seja, inserir um dispositivo terminador nas duas extremidades do cabo; 64

65 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) BARRAMENTO (Cont.) Esta topologia é pouco utilizada actualmente; A única vantagem que este tipo de rede pode oferecer é o baixo custo, sendo ideal quando implementada em lugares pequenos. 65

66 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) ESTRELA (STAR) Como o nome indica esta topologia tem a forma de uma estrela, e consiste em vários cabos que unem cada dispositivo a um ponto central. As redes Ethernet a 10Mbps (10Base-T) são baseadas numa estrutura em estrela, e onde cada dispositivo da rede está ligado a um hub 10Base-T por um cabo de par entrançado (ou RJ45). 66

67 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) ESTRELA (Cont.) 67

68 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) ESTRELA (Cont.) Para que uma rede tenha topologia em estrela não é necessário ter uma disposição em forma de estrela, é necessário apenas que cada dispositivo da rede esteja ligado por um cabo próprio a um ponto central; Nos dias que correm as topologias em estrela e suas derivadas são as preferidas dos instaladores de redes pois facilitam a adição de novos dispositivos de rede; 68

69 TOPOLOGIAS DE REDE (Cont.) ESTRELA (Cont.) Com esta topologia a localização de problemas fica mais fácil; Se um problema ocorrer num segmento os outros permanecem em actividade; A rede Estrela geralmente oferece taxas de transmissão superiores às outras topologias. 69

70 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO Protocolo TCP/IP No fim dos anos 60, o Departamento de Defesa do Estados Unidos (DoD), demonstrou o seu interesse que alguma investigação académica fosse efectuada sobre sistemas de "redes de comunicação alargadas baseadas em sistemas de comutação de pacotes". O DoD queria utilizar esta tecnologia para a defesa nacional, como forma de partilhar dados da rede dos radares e distribuir controle e comandos no caso de um ataque nuclear. 70

71 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) Deste modo, o sistema continuaria operacional mesmo que um dos centros de comando fosse destruído. A agencia do DoD que se encarregou da investigação foi a "Advanced Research Projects Agency" (ARPA), que posteriormente passou a utilizar o prefixo "Defense" no inicio do seu nome e passou a ser conhecida como DARPA. 71

72 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) Durante os anos 60, a DARPA patrocina diversos estudos académicos que culminam no estabelecimento da ARPANET, em 1969, com apenas 4 nós de Rede (UCLA,U.Standord, UCSB e Utah). Nos anos 70, a Arpanet sofre várias evoluções e as tecnologias são divulgadas um pouco por todo o mundo: 72

73 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) Mais universidades ligadas; Primeiras ligações internacionais (Inglaterra e Noruega); Primeiras Aplicações Telnet, e FTP; Protocolos TCP/IP; Nos anos 80, a Arpanet transforma-se na Internet. A ARPANET evoluiu para a Internet ao passar a incluir organismos e universidades de diferentes países e ao passar, mais tarde, a incluir ligações de empresas comerciais. 73

74 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) A Internet chega a Portugal e migra para os protocolos TCP/IP. Surgem os serviços de Resolução de Nomes (DNS) e o IRC (Internet Relay Chat). É criada a IEFT The Internet Engineering Task Force (www.ietf.org) com várias redes académicas em todo o mundo. Em 1989, acaba a ARPANET com nós e inicia-se o ciclo da Internet. 74

75 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) O conjunto de protocolos de TCP/IP (Transmission Control Protocol/ Internet Protocol) são o pilar das comunicações na Internet. O TCP/IP é um conjunto de protocolos estruturado por camadas, estando a camada TCP acima da camada IP. A camada TCP gere o envio das mensagens ou ficheiros, necessitando por vezes de dividi-los em vários pacotes de tamanho apropriado. 75

76 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) No receptor, a aplicação que implementa a camada TCP será responsável pela sua reconstrução. A camada IP tem a responsabilidade de fazer chegar o pacote ao endereço IP de destino. O pacote de dados é- lhe entregue pela camada TCP juntamente com o endereço do computador a que se destina. Durante a viagem passará eventualmente por vários sistemas, onde será verificado o endereço do destinatário de forma reencaminhar o melhor trajecto possível. 76

77 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) No ambiente TCP/IP: Cada protocolo tem funções bem especificas por forma a permitir comunicações fiáveis entre sistemas computacionais distintos; Estes sistemas poderão estar em qualquer parte do mundo; 77

78 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) A informação é passada entre os diferentes sistemas intermédios pelos mais variados equipamentos de interligação (Routers, Hubs, Switches, etc...); A informação viaja pelos mais variados meios de transmissão (linhas analógicas, linhas RDIS, circuitos alugados, links satélite, ADSL, TV por Cabo, Wireless, etc...). 78

79 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) A arquitectura de protocolos TCP/IP varia ligeiramente das camadas do modelo OSI, embora sejam garantidas todas as especificações e funcionalidades definidas no OSI. O conjunto de protocolos do TCP/IP tem 4 camadas principais que correspondem às 7 camadas do modelo OSI. 79

80 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) O TCP/IP divide a sua pilha de protocolos em 4 camadas: 80

81 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) A figura CAMADAS seguinte ilustra a analogia das camadas do TCP/IP com as camadas do modelo OSI: 81

82 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) Vamos agora, observar a função de cada destas camadas: Esta camada: Define a forma como um host se liga à rede; Providência a capacidade de comunicação entre hosts; Indica que existe TCP/IP sobre uma determinada tecnologia de rede. 82

83 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) Esta camada: Define a unidade básica de transferência de informação na rede; Inclui endereçamento global e encaminhamento; Proporciona comunicação computador a computador; 83

84 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) A camada de rede tem como objectivo principal lidar com o endereçamento entre sistemas. Os quatro principais protocolos nesta camada são: 1. IP (Internet Protocol) - encontra o caminho para os dados e transporta-os ao seu destino. O IP é o protocolo onde os endereços de rede e sistema são colocados. 84

85 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) 2. ICMP (Internet Control Message Protocol) -O ICMP é um subprotocolo do IP e também se encarrega das mensagens de controlo ao nível da rede. 3. ARP (Address Resolution Protocol) - converte um endereço IP num endereço físico. O ARP resolve endereços IP para endereços físicos, por forma permitir a entrega dos pacotes aos sistemas finais. 85

86 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) 4. RARP (Reverse Address Resolution Protocol) -o RARP é utilizado por sistemas que conhecem o seu endereço físico mas não o seu endereço IP (por exemplo, estações de trabalho sem disco). 86

87 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): É ao IP que compete levar a informação de um extremo ao outro de uma Internet, atravessando várias redes, potencialmente diferentes. Competências: Endereçamento Empacotamento Encaminhamento 87

88 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): É um protocolo simples; Não orientado a conexão; Não garante a fiabilidade às camadas superiores; Não oferece correcção de erros ou controlo de fluxo; Os pacotes podem ser entregues fora de ordem; 88

89 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Apenas se encarrega de enviar a informação entre os dois sistemas; Em cada sistema podem residir múltiplas aplicações à espera de dados, mas a identificação da aplicação à qual se destinam os dados é feita no TCP, onde existem os campos de porto de origem e porto de 89 destino.

90 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): A função do IP é a de fornecer o mecanismo de entrega de datagramas de e para a camada de transporte. O IP fornece duas grandes funcionalidades: 1. Serviço não orientado à conexão, sem garantias de entrega da informação; Fragmentação e reassemblagem de pacotes.

91 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Fragmentação O que é????? Para assegurar a eficácia na transmissão, o IP escolhe um limite máximo para o tamanho do Datagrama, baseado num elemento chamado Unidade Máxima de Transmissão (MTU Maximum Transmission Unit). 91

92 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Fragmentação (Cont.) Se tamanho do datagrama IP for superior ao MTU de uma rede é necessário fragmentá-lo em datagramas mais pequenos; Depois de fragmentado, só é reconstruído no destino; Um datagrama pode ser fragmentado mais que uma vez. 92

93 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Fragmentação (Cont.) Rede MTU (bytes) Ethernet 1500 PPP

94 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP Classes de Endereços Existem várias Classes IP, definidas e normalizadas a nível mundial: Classes A, B, C, D e E 94

95 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): 95 Endereçamento IP (Cont.) Classes de Endereços (Cont.)

96 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Classes de Endereços (Cont.) Analisando os números referentes a cada Classe de IP, verifica-se que: Nos endereços tipo Classe A, há poucas redes e muitos computadores por rede; Nos endereços tipo Classe B, temos algumas redes com alguns computadores por rede; 96

97 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Classes de Endereços (Cont.) Nos endereços tipo Classe C, temos muitas redes e poucos computadores por rede. Em termos de representação binária (bit a bit) de cada classe IP v.4, temos a seguinte distribuição: 97

98 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): 98 Endereçamento IP (Cont.) Classes de Endereços (Cont.)

99 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Classes de Endereços (Cont.) De acordo com a tabela anterior, as faixas de endereços IPs foram definidas da seguinte forma: Classe Faixa de Endereços Nº Redes A até B até C até D E até até Nº Hosts 99

100 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): 100 Endereçamento IP (Cont.) Classes de Endereços (Cont.)

101 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Classes de Endereços (Cont.) De acordo com a Classe de endereço definem-se as seguintes máscaras: 101

102 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) O Endereço IP identifica uma rede e uma ligação a essa rede! Um endereço é composto por duas partes: 102

103 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Neste contexto, um endereço IP é um número de 32 bits, que por motivos de uma mais fácil manipulação para os humanos tem como representação comum 4 números entre 0 e 255,separados por pontos, como por exemplo:

104 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Cada um dos números de 0 a 255 representa um conjunto de 8 bits (assim temos 4 x 8 = 32 bits). Sempre é mais simples entender do que que é a representação equivalente em binário. 104

105 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) A forma de detecção e separação entre redes e máquinas (hosts) dessas redes é assegurada pela máscara. A máscara é um filtro que permite calcular através da operação, lógica AND, qual a rede e máquina dessa rede a 105 que pertence determinado IP.

106 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) A parte da rede é mascarada a "1" com 255 A parte de máquinas dessa rede é mascarada a "0" com 0 106

107 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Por exemplo, a rede a que pertence o IP é a rede , porque: 107

108 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Por exemplo, um endereço tem uma máscara o que nos indica, ao efectuarmos a operação AND lógica dos bits do endereço com os bits da máscara, que temos o endereço de rede e a máquina dessa rede. 108

109 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) 109

110 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Vejamos mais exemplos: Exemplo 1: Consideremos o endereço com a máscara , temos a rede? e a máquina.?. 110

111 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Vejamos mais exemplos: Resposta do exemplo 1: A rede é e a máquina

112 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Vejamos mais exemplos: Exemplo 2: com a máscara , temos a rede? e a máquina?. 112

113 PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO (Cont.) Protocolo TCP/IP (Cont.) IP (Internet Protocol): Endereçamento IP (Cont.) Vejamos mais exemplos: Resposta do exemplo 2: A rede é e a máquina

Ficha de trabalho Redes locais

Ficha de trabalho Redes locais Ficha de trabalho Redes locais 1.Arquitectura Ethernet, necessidade de um dispositivo concentrador, um switch para ligar os computadores. 2.Funciona como concentrador de tomadas, nao possui circuito electronico,

Leia mais

Guia de Estudo. Redes e Internet

Guia de Estudo. Redes e Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Redes e Internet Aspectos Genéricos Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

Estrutura do tema ISC

Estrutura do tema ISC Introdução aos Sistemas de Computação (5) 6. Da comunicação de dados às redes de computadores Uma Rede de Computadores é constituida por: Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): Eng.º Vitor M. N. Fernandes E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário Comunicação de Dados,

Leia mais

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial.

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial. Topologia É um diagrama que descreve como os elementos de uma rede estão interligados. Esses elementos são chamados de NÓS, e podem ser computadores, impressoras e outros equipamentos. 1 Topologias de

Leia mais

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Prof. George Silva

Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática. Prof. George Silva Módulo de Transmissão e Ativos de Rede Curso Técnico de Informática Prof. George Silva FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA COMPONENTES ATIVOS DE REDES AULA 04 Objetivo Entender o encapsulamento de dados

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2 Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt Ulbra Canoas - 2012-2 Apresentação Professor: Dissertação de Mestrado: Uma Plataforma para Integrar Dispositivos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Prof. Bruno Guilhen Brasília Setembro CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Arquitetura e Protocolo de Redes Realidade atual Motivação Ampla adoção das diversas tecnologias de

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Camada de enlace: domínio de colisão e domínio de broadcast, segmentação, modos de switching para encaminhamento de quadros Versão 1.0 Março de 2016 Prof. Jairo jairo@uninove.br professor@jairo.pro.br

Leia mais

Introdução a redes de computadores UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado O que é uma rede Transmissão de dados em meios físicos Tipos de transmissão Classificação

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

António Lopes Paulo Matos

António Lopes Paulo Matos António Lopes Paulo Matos ÍNDICE 1 REDES- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 2 2 LAN - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Computação Aplicada. Redes de Computadores. Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 9

Computação Aplicada. Redes de Computadores. Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 9 Computação Aplicada Redes de Computadores Professor Emanuel Ferreira Coutinho Aula 9 Sumário Definição Estrutura Categorias 2 Definição Conjunto de computadores (estações de trabalho), que compartilham

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Funcionamento. Protocolos de roteamento

Funcionamento. Protocolos de roteamento 1 Redes de Computadores Aula 06/10/2009 Roteador é um equipamento usado para fazer a comutação de protocolos, a comunicação entre diferentes redes de computadores provendo a comunicação entre computadores

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Índice NETWORK ESSENTIALS

Índice NETWORK ESSENTIALS NETWORK ESSENTIALS Índice Estruturas Físicas... 3 Adaptador de Rede... 4 Tipos de par trançado... 5 Coaxial... 6 Tipos de cabos coaxial... 6 Fibra Óptica... 7 Tecnologias comunicação sem fios... 8 Topologias

Leia mais

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS

PLANIFICAÇÕES ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS PLANIFICAÇÕES CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO MULTIMÉDIA PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 10º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS M1 Redes e protocolos Introdução às Redes Informáticas

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

GRUPO DISICPLINAR - Informática

GRUPO DISICPLINAR - Informática Curso: Tecnológico de Informática ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 1ª UNIDADE DE ENSINO-APRENDIZAGEM: Fundamentos de Transmissão CARGA HORÁRIA: 10 UNIDADES LECTIVAS 1º PERÍODO Noções Básicas de Transmissão

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Cabeamento Estruturado O Cabeamento

Cabeamento Estruturado O Cabeamento Cabeamento Estruturado O Cabeamento Prof. Msc. Otávio Massashi omine@catolica-es.edu.br Tópicos Introdução às Redes O Cabeamento Categorias (par trançado) Blindagem Introdução às Redes As redes de computadores

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 7 IEEE 802.3 Padrão Ethernet 10BASE5 É o padrão IEEE 802.3 original, taxa de transmissão de 10Mbps. Utiliza um tipo de cabo coaxial grosso

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Comunicação entre computadores o Modelo OSI

Comunicação entre computadores o Modelo OSI Comunicação entre computadores o Modelo OSI Antes de avançar, vamos ver o significado de alguns conceitos. A nível das tecnologias de informação, há um conjunto de normas, padrões e protocolos que são

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade (Modelo de Camadas) Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira como requisito final

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva as suas respostas apenas na folha

Leia mais

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP Prof. MSc. Hugo Souza É uma pilha de protocolos de comunicação formulada em passos sequenciais de acordo com os serviços subsequentes das camadas pela

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch.

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Redes de Computadores. Origem, Conceitos e Métodos

Redes de Computadores. Origem, Conceitos e Métodos Redes de Computadores Origem, Conceitos e Métodos Rede de Computadores Uma rede de computadores consiste em 2 ou mais computadores e outros dispositivos interligados entre si, de modo que possam compartilhar

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO

FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO CURSO EFA 2012 / 2013 Formando: Data: / / ÁREA/Assunto: Formador / Mediador: Avaliação Formando Formador FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO Standard IEE 802 Para que as

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

19/09/2009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO. REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS George Gomes Cabral FIO DE PAR TRANÇADO

19/09/2009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO. REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS George Gomes Cabral FIO DE PAR TRANÇADO MEIOS DE COMUNICAÇÃO No caso de armazenamento de dados, o termo meio significa o meio de armazenamento usado. No contexto atual, meio significa aos fios, cabos e outros recursos para transferência de dados.

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Noções básicas de redes

Noções básicas de redes Noções básicas de redes Bits Pacotes Largura de banda pac/seg, bit/seg Tempo de transmissão Congestionamento Exercícios... Taxa de bits/seg para pac/seg e vice-versa Tempo de transmissão de pacotes com

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 14 Agenda : Pontes entre LANs 802.x e 802.y Interligação de redes locais Pontes de árvores

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados Introdução Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados 1 Objetivo Apresentar os conceitos básicos do: Modelo de referência OSI. Modelo de referência TCP/IP.

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais