A Cadeia de Valor na Administração Pública

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Cadeia de Valor na Administração Pública"

Transcrição

1 A Cadeia de Valor na Administração Pública Marcelo Motta Veiga Departamento de Estratégias de Gestão Escola de Administração Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Resumo A dinâmica do mundo moderno cria uma demanda social por novos instrumentos de controle e de avaliação nas organizações públicas ressaltando ainda mais as ineficiências do setor público. Muitos desses instrumentos para lidar com esses novos desafios já estão incorporados na administração privada. Contudo, na administração pública, respostas e utilização de instrumentos de estratégia tendem a ser mais lentas. Na administração pública existe a tendência de serem adotadas e cooptadas ferramentas do setor privado para uma análise de desempenho na sua forma mais estratégica. O gestor público deve selecionar como muita prudência que arcabouço estratégico utilizar em cada caso específico. A utilização de modelos estratégicos teóricos, como o da Cadeia de Valor de Porter, devem ser adaptados para aumentar a possibilidade de sucesso. Este estudo analisa a aplicabilidade e a eficiência de se utilizar essa ferramenta de gestão estratégica comumente utilizada na administração privada, a análise de cadeia de valor, no contexto da administração pública. A utilização Cadeia de Valor como ferramenta estratégica já conta com uma longa história de sucesso na administração privada, mas ainda carecem de mais estudos de sua aplicabilidade no setor público. A utilização de ferramentas estratégicas, na maioria das vezes necessitaria de ser bastante emendada para se adaptar ao contexto estratégico e particularidades das diferentes atividades, objetivos e instituições públicas. As experiências práticas demonstram que a simples aplicação da ferramenta da Cadeia de Valor sem as adaptações necessárias levaria ao provável fracasso e frustração. A aplicação da Cadeia de Valor, na sua forma adaptada, pode oferecer uma perspectiva bastante abrangente, holística e estratégica das atividades desenvolvidas e que criam valor nas instituições públicas. Por isso, a administração pública, de forma geral, pode se beneficiar da utilização de ferramentas da gestão estratégica privada, na distribuição de seus bens e serviços simplesmente por entender melhor como se relacionam os elos de sua cadeia de valor. Contudo, os gestores públicos não devem assumir que as técnicas, ferramentas, e abordagens do setor privado possam ser transferidas para o setor público desrespeitando suas particularidades e diferenças. Não devem considerar as atividades que agregam ou não agregam valor numa determinada cadeia de valor, sem uma análise criteriosa e sem entender perfeitamente a forma como esta cadeia opera. A adaptação da cadeia de valor as especificidades contextuais é fundamental para o sucesso da avaliação de desempenho e sucesso da administração pública. Na administração pública, o ambiente externo de uma 1

2 organização cria diferenciais que, normalmente, são considerados como ameaças pelos gestores, mas que também poderiam ser encarados como oportunidades dentro da visão estratégica orientada pela cadeia de valor. Estas diferenças ambientais são compreensíveis devido a todas as restrições de ordem legal, fiscal, política, burocrática e social que uma organização pública está submetida. Portanto, com a utilização de ferramentas da gestão da administração estratégica privada no setor público, torna-se possível melhorar o desempenho e a qualidade dos bens e serviços públicos fornecidos. Desta forma, se utilizado de forma adequada e adaptada, a cadeia de valor de Porter pode ser um instrumento útil para subsidiar o processo decisório dos gestores públicos. Palavras-chaves: Administração Pública; Cadeia de Valor; Porter; Estratégia Introdução No complexo e competitivo mundo atual, as organizações públicas de todo o mundo sofrem uma enorme pressão social e política para serem mais eficientes e competitivas. Essa dinâmica de mercados complexos cria novos desafios. Os avanços tecnológicos e o aumento nas demandas sociais são exemplos deste dinamismo, onde as organizações públicas têm que prover mais bens e serviços com cada vez menos recursos (McInerney and Barrows, 2002). O sucesso destas organizações está associado à capacidade de sua gestão em identificar e em construir competências que agreguem valor para todos os atores sociais envolvidos (clientes internos e externos). A maior motivação nas mudanças provocadas na forma de gestão dentro de organizações públicas é a necessidade de se desenvolver instrumentos de verificação de desempenho (Kloot, 2000; Bryson et al, 2007). Muito embora as avaliações de desempenho e da qualidade na administração pública sejam necessárias para subsidiar os gestores públicos nos seus processos decisório, elas não ocorrem com freqüência. As complexidades e as particularidades presentes na administração pública dificultam uma delimitação clara das responsabilidades dos gestores públicos e, ainda, a implantação de instrumentos eficientes de controle. 2

3 Nesse aspecto, os indicadores de desempenho organizacionais das instituições públicas devem subsidiar os processos decisórios fornecendo informações fundamentais aos gestores públicos, sobre o nível de efetividade, de eficácia, de eficiência e de qualidade sobre cada etapa das atividades e processos de produção e de criação de bens e serviços públicos. A estratégia de gestão é se utilizar uma das ferramentas para planejar, gerir e controlar a administração pública. Porter (1985) propõe a utilização estratégica do modelo da cadeia de valor como forma de análise sistemática de todas as atividades executadas por uma organização. Porter, ainda, ressalta a importância de se considerar as diversas alternativas de configuração da cadeia de valor, uma vez que estas seriam limitadas pelas condições ambientais (internas e externas) organizacionais. Para Porter, qualquer restrição imposta a uma cadeia de valor de uma determinada organização deve ser considerada como temporária, dentro de um sistema dinâmico, uma vez que decisões gerenciais podem alterar os recursos disponíveis por qualquer organização (Porter, 1991 e 1996). Além disso, o papel da história de uma organização na obtenção e desenvolvimento de competências organizacionais críticas, juntamente com a importância das diferentes rotinas organizacionais para explicar as diferenças de eficiência entre organizações se constituem num complemento à análise estratégica de Porter, onde a estratégia futura da organização estaria condicionada pelas suas escolhas no passado. Essa visão de Porter da limitação na estratégia organizacional, onde a configuração da cadeia de valor está limitada pelos recursos existentes, premissa do Resource-Based View, é discutida por diversos autores, com destaque para Hamel e Prahalad (1994) que fazem uma clara distinção entre recursos e competências. Os recursos seriam elementos básicos, não específicos da organização e que podem ser adquiridos a qualquer tempo. Por outro lado, as competências seriam elementos essenciais, específicos da organização, resultantes do aprendizado organizacional e da combinação única de vários recursos. Prahalad e Hamel (1990) utilizam o termo core 3

4 competencies (competências essenciais) e consideram que estas são o real aprendizado coletivo da organização na busca da eficiência. Com isso, novas ferramentas podem ser incorporadas a gestão estratégica. Para isso, a utilização dos conceitos relativos à cadeia de valor, defendidos por Michael Porter na década de 80 podem ser valiosos. Segundo Porter, uma cadeia de valor designa uma série de atividades relacionadas e desenvolvidas por uma organização (que pode ser uma instituição pública) devendo satisfazer as necessidades dos seus clientes, internos e externos (Porter, 1991 e 1996). Essa cadeia de valor proposta por Porter é composta por conjuntos de atividades organizacionais, primárias e de apoio, que se relacionam entre si e agregam valor a uma determinada organização, quer seja pela margem de valor acrescentado por cada uma das atividades, quer seja pela importância das relações estabelecidas entre essas atividades (Porter, 1991 e 1996). Para efeito de avaliação de desempenho, considera-se que uma organização pode ser decomposta em diversas atividades segundo a sua relevância estratégica. Essa decomposição da organização possibilita analisar o comportamento de cada componente que compõe a cadeia de valor de uma organização, ou seja, avaliar, separadamente, cada atividade organizacional que está integrada formando um sistema de cadeia de valores. Ao decompor uma cadeia de valor pode-se dividir uma organização segundo seus processos estratégicos, finalísticos e de suporte, capturando, assim, a riqueza e a heterogeneidade dos diversos setores organizacionais, viabilizando uma estrutura disciplinada de análise organizacional, que deve incluir tanto os clientes internos, quanto os clientes externos (Porter, 1991 e 1996). Stabell and Fjeldstad (1998) argumentam que a cadeia de valor seria apenas um dos três modelos de configurações teóricos que criam valor numa organização. Eles afirmam que além da cadeia de valor (value chain), haveria ainda os modelos da valor de compra (value shop) e do valor de rede (value network). O valor de compra seria aquele criado onde a organização é configurada de modo a mobilizar seus recursos e atividades para resolver um determinado problema de um cliente. O valor de rede seria aquele valor 4

5 criado por uma organização que é configurada para facilitar a relação em rede. Para eles, a análise de cadeia de valor deveria ser transformada numa análise da configuração de valor para esclarecer os pressupostos principais da análise de competitividade. De qualquer forma, não cabe a discussão sobre a importância de uma avaliação de desempenho das instituições. O que se procura buscar são instrumentos eficientes e viáveis de avaliação. Por isso, este estudo visa identificar através de revisão da literatura e busca de estudo de casos, a viabilidade da utilização dos conceitos associados à cadeia de valor de Porter na avaliação de desempenho de instituições pertencentes à administração pública. Diferentes atividades possuem diferentes modelos econômicos, que contribuem de forma diferente para a cadeia de valor. O modelo da Cadeia de Valor proposto por Porter permite desenhar critérios de desempenho específicos e adequados a cada organização, respeitando sua complexidade e particularidade. Por isso, considera-se que a lógica básica do modelo da cadeia de valor de Porter, na sua concepção mais genérica poderia ser utilizada em qualquer tipo de organização, seja pública ou seja privada. Contudo, a grande contribuição encontrada na academia e nas atividades profissionais da cadeia de valor sempre foi direcionada para instituições privadas (Stabell e Fjeldstad, 1998). Por isso, este estudo visa analisar a aplicabilidade e a eficiência de se utilizar essa ferramenta de gestão estratégica comumente utilizada na administração privada, a análise de cadeia de valor, no contexto da administração pública. A hipótese central é de que a ferramenta da cadeia de valor pode ser utilizada com eficiência, nas organizações públicas, muito embora, na sua aplicação se deva adaptá-la, respeitando as diferenças significativas entre os setores públicos e privados. O desenvolvimento e a incorporação de novas ferramentas de gestão no setor público se fazem necessários. No modelo tradicional da administração pública torna-se complicada qualquer avaliação criteriosa e, por conseguinte, difícil de ser melhorada. A Gestão Estratégica na Administração Pública 5

6 A administração pública é a materialização jurídica da competência executiva estatal, atribuída por lei, para atingir uma finalidade pública, devendo sempre ser submetida ao controle social, isso dentro de uma perspectiva organizacional. A idéia de que a administração pública seria auto controlada pelo instituto da responsabilização administrativa pode ser considerada um paradigma (Lynn, 2003). Desde o início do século XX, já se considerava que o gestor público cumpre o seu papel quando age dentro da lei, gerencia de forma responsável e criativa todas as oportunidades e ameaças que aparecem. Contudo, gestores públicos são seres humanos, que tentam fazer o melhor, mesmo sob situações complexas. Nesse sentido, administração pública está associada, também, a bom senso. Porém, por muitas vezes, a administração pública pode autorizar pessoas imperfeitas a utilizar procedimentos inadequados para lidar com problemas insolúveis. O resultado poderia ser catastrófico, dado as condições em que foram realizados. Por isso, a administração pública sempre necessita ser monitorada (Lynn, 2003). Bertelli e Lynn (2001) identificaram quatro atributos necessários à administração pública e que constituiriam a base da avaliação dos gestores: accountability, ponderação, equilíbrio, e racionalidade. Gestores públicos devem ser sempre responsabilizados pelos seus atos e decisões e estes institutos tornariam possível indicar quais são valores devem ser relevantes no seu processo decisório. Comparando a administração privada e a pública, os gestores públicos e privados lidariam de uma forma geral, com os mesmos problemas. Eles gerenciam uma quantidade escassa de recursos, onde a principal tarefa é fazer o melhor uso possível desses recursos. Tanto os gestores públicos quanto os gestores privados devem encontrar a melhor maneira de utilizar os recursos a eles confiados, produzindo bens e serviços com a finalidade de atingir os resultados esperados com o menor custo possível. Dentro desse nível de abstração, os desafios das administrações públicas e privadas seriam semelhantes. Contudo, ao se incluir os aspectos, sociais, econômicos e políticos a que cada um dos gestores está submetido, essa diferenciação se mostra mais evidente (Moore, 1995). 6

7 No setor público, a principal fonte de recursos financeiros e operacionais não segue a lógica capitalista e financeira, ou seja, não se trata de investidores decidindo se investem ou não em determinado projeto. Esses recursos têm sua origem nos cidadãos, contribuintes e representantes eleitos. Gestores públicos não garantem os recursos que necessitam vendendo produtos ou serviços para consumidores individuais, mas, vendendo uma concepção de valor público criado aos representantes eleitos pelo povo que ocupam cargos no legislativo e no executivo (Blaug et al, 1996). Grande parte dos recursos da administração pública se origina do executivo com autorização do legislativo. Com isso, nessa fase inicial de cadeia de valor pública (upstream), quem autoriza o recurso público para determinada finalidade pública são verdadeiros clientes do gestor público. Isso explicaria porque os verdadeiros usuários dos serviços e bens públicos, normalmente, têm pouca influência neste processo decisório, e ainda, porque muitas vezes a finalidade pública privilegia bens e serviços a um determinado grupo ou classe de indivíduos (Moore, 1995; Blaug et al, 1996). Os modelos mais recentes de Políticas Públicas já começam a refletir este afastamento das teorias tradicionais de gestão na administração pública e do desenho organizacional, e ainda, incluem um processo sistemático de criação e melhoria contínua do desempenho. Estas mudanças já estão presentes nas estruturas e nos processos de muitas organizações públicas (McInerney and Barrows, 2002). Essas novas dinâmicas sociais que configuram a gestão pública mostraram que a normatividade do modelo burocrático tradicional se constituía num labirinto, onde aspectos como flexibilidade e inovação encontravam poucos espaços. Devido a constantes alterações sociais, diversos autores tem se preocupado com novos modelos de gestão pública que pudessem atender de forma mais eficiente essas demandas (Poeta et al, 2000). Originalmente, as burocracias eram consideradas os modelos mais eficientes de gerir a coisa pública. Mas, do ponto de vista gerencial esses modelos burocráticos sempre foram muito criticados e tidos como ineficientes. Na década de 80, o modelo de gestão que incorporou as ferramentas gerenciais a essa administração burocrática, ficou conhecido como Novo Administração Pública (NPM). 7

8 O NPM ficou associado ao modelo que conseguiu incorporar o gerenciamento ao burocratismo. Enquanto os modelos burocráticos se preocupavam com responsabilidade administrativa e manutenção da ordem pública através do modelo hierárquico tradicional, no NPM, o foco é na gestão (não na política), na avaliação de desempenho e da eficiência. O NPM é tipicamente uma gestão estratégica que privilegia a eficiência (Steurer, 2007). A partir da década de 80 constituiu-se um novo modelo de gestão pública, conhecido pela expressão em inglês New Public Management (NPM) que se trata de uma tendência de reforma baseada nos modelos de gestão de negócios da administração privada. O NPM nasce num ambiente externo de incerteza, ambigüidade e envolvimento dos atores sociais em todas as fases do processo decisório. Trata-se de uma gestão mais estratégica que carece de novos métodos e ferramentas que importarão numa mudança do modelo tradicional de gestão pública (Crawford et al, 2003). Os princípios que norteiam o NPM já estão inseridos nas novas teorias sobre administração pública. Contudo, ainda se questiona a possibilidade e a eficiência de se utilizarem modelos e ferramentas comumente aplicados na administração privada para auxiliar na prática da gestão pública (Williams e Lewis, 2008). Contudo, NPM pressupõe que a competição expulsa do mercado organizações menos eficientes. Com isso, o típico instrumento de política do NPM é o outsourcing dos serviços e bens fornecidos pelas instituições públicas. A lógica da eficiência de mercado seria um teste para as instituições públicas, ou seja, deve se estimular um ambiente de livre competição entre instituições públicas e privadas, privatizar instituições públicas e desmembrar estruturas departamentais em agências de serviços, onde cada agência seria responsável por um produto específico (Steurer, 2007). De uma forma geral, NPM não resolve o problema da administração pública, mas reforça um modelo baseado em agências (agencification). Por focar na gestão intraorganizacional, o NPM pode ajudar a melhorar a eficiência da administração pública. Contudo, o NPM muitas vezes desconsidera as possíveis colaborações interorganizacionais entre os diversos setores (Steurer, 2007). 8

9 Esta tendência em desagregação foi uma das forças que impulsionaram uma nova reforma administrativa dos modelos de gestão da administração pública, conhecida como Nova Governança, se distancia dos modelos hierárquicos (tradicional) e mercadológicos (NPM). Esse novo modelo de administração pública (Nova Governança) está dirigido para a extensão que uma determinada atividade atinge seus objetivos (efetividade), ao contrário do NPM que estava preocupado com os custos de uma determinada atividade para atingir seus objetivos (eficiência). Essa nova governança estimula que as atividades sejam desenvolvidas de forma mais cooperativa, em redes interorganizacionais e em network trans-setoriais. Um resumo da evolução da gestão pública está descrita no Quadro 1. Burocracia Nova Adm. Pública (NPM) Nova Governança Período atual Principal Desafio Ordem Pública e Responsabilização (legalidade e legitimidade) Falha na gestão devido à falta de eficiência (ineficiência) Falha na gestão devido a complexidade (inefetividade) Abordagem Burocratismo Gerenciamento Governança Princípio Accountability Eficiência Efetividade Modo de Governança Mecanismo de Governança Escopo Organizacional Hierarquia Mercado Network Comando-e-controle Competição Colaboração/Cooperação Intra-departamental Intra-organizacional Inter-organizacional Quadro 1: Alterações na Gestão da Administração Pública desde a década de 20 (Steurer, 2007 adpatado) Contudo, os modelos de gestão pública ainda necessitam de maior integração nas suas políticas e necessitam incorporar novas ferramentas associadas à gestão estratégica. A utilização de teorias e práticas da administração privada na administração pública 9

10 parece incompatível, porque buscam diferentes objetivos e seguem regras e mecanismos distintos (Steurer, 2007). Porém, as experiências das últimas décadas demonstraram que em termos de estratégia e planejamento os setores, público e privado, estavam bastante relacionados. A utilização das ferramentas de estratégia, com a cadeia de valor de Porter parece um boa tentativa de ajudar uma gestão pública mais efetiva e capaz de integrar diferentes políticas. Analisando a cadeia de valor de diversos bens e serviços públicos pode-se analisar quais desses bens e serviços realmente criam valores públicos. A Análise da Cadeia de Valor O desafio de gerenciar e desenvolver organizações públicas que sejam responsáveis, inovadoras, alto desempenho e atendam as necessidades sociais, pode ser mais bem entendida pelo conceito do valor criado. O modelo da cadeia de valor de Michael Porter ilustra como as atividades de uma determinada organização são compatíveis e interrelacionados. A cadeia de valor é definida como o levantamento de toda a atividade ou processo necessário para gerar ou entregar produtos ou serviços a um beneficiário. É uma representação das atividades de uma organização e permite melhor visualização do valor ou do benefício agregado no processo, sendo utilizada amplamente na definição dos resultados e impactos de organizações. Mensurar o desempenho da organização (ou outros objetos) com base nesses elementos da cadeia de valor permite que os gestores analisem as principais variáveis associadas ao cumprimento dos objetivos: quantos e quais insumos são requeridos, quais ações (processos, projetos etc.) são executadas, quantos e quais produtos/serviços são entregues e quais são os impactos finais alcançados. 10

11 A cadeia de valor descreve todas as atividades dos bens e serviços desde a concepção, passando por todas as fases de produção, até a entrega ao consumidor, incluindo a disposição final pós-consumo. A análise da cadeia de valor é uma importante ferramenta para se entender a competitividade dentro de uma visão sistêmica. A análise e a identificação das competências fundamentais (core competences) nas organizações direciona as atividades para qual ela não possui competência relevante (Kaplinksy and Morris, 2001). Mapeando os fluxos de entrada e saída (bens e serviços) na cadeia de valor, permite avaliar que atividades contribuem e não contribuem para agregar valor. Naquelas atividades em que as organizações não conseguem internalizar o valor criado nas suas operações de forma eficiente, devem ser mais bem analisadas e monitoradas. Originariamente utilizada em auditorias, Michael Porter (1985) incorporou essa ferramenta no dia-a-dia da gestão estratégica, enfatizando os elos internos e externos das atividades que agregam valor a uma organização. Porter diferencia atividades primárias e de apoio, ver figura 1. Atividades primárias seriam todas as atividades de uma organização relacionadas com a criação e entrega do bem ou serviço. Elas podem ser agrupadas em cinco áreas: logística interna, operações, logística externa, marketing/vendas e serviços. Cada uma dessas atividades está relacionada em colaborar em aumentar a eficiência e a efetividade dos bens e serviços. Por outro lado, existem quatro áreas de apoio: infraestrutura, recursos humanos, tecnologia e compras. As atividades de apoio também são capazes de agregar valor e são essenciais às atividades primárias. 11

12 Figura 1 Cadeia de Valor de Porter (Porter, 1985) A análise da cadeia de valor avalia quanto uma atividade em particular contribui para criar valor em bens e serviços para uma organização. A idéia é que uma organização é mais do que uma compilação aleatória de equipamentos, pessoas e dinheiro. Dentro de um mercado competitivo, somente se esses recursos estiverem organizados dentro de uma visão sistêmica eficiente os consumidores estariam dispostos a pagar o preço. Porter defende a hipótese de que a capacidade de executar uma atividade em particular com eficiência, gerenciando as interrelações entre as atividades é a fonte da vantagem competitiva (Kaplinksy and Morris, 2001). Mensurar o desempenho da organização (ou outros objetos) com base nesses elementos da cadeia de valor permite que as organizações analisem suas principais variáveis associadas ao cumprimento dos seus objetivos: quantos e quais insumos são requeridos, quais ações (processos, projetos etc.) são executadas, quantos e quais produtos/serviços são entregues e quais são os impactos finais alcançados (Elloumi, 2004). A análise da cadeia de valor contribui para que a organização determine que tipo de vantagem competitiva deva investir e como investir nela. Existem dois componentes na análise da cadeia de valor: cadeia de valor do mercado e cadeia de valor interna da organização. A cadeia de valor interna da organização é a que já foi discutida. 12

13 A cadeia de valor do mercado é composta de todas as atividades que criam valor dentro de um determinado mercado. Michael Porter (1985) identificou 5 forças competitivas que interagem dentro de um determinada mercado: Concorrentes, Entrantes, Substitutos, Compradores e Fornecedores. Analisando como essas forças interagem pode revelar importantes determinantes da competitividade de um determinado mercado. A atratividade estrutural de um determinado bem ou serviço pode ser determinado analisando essas mesmas cinco forças (Elloumi, 2004). Portanto, a atratividade competitiva de um serviço ou bem público pode ser analisado esse modelo das 5 forças competitivas de Porter. A análise da cadeia de valor reconhece o fato de que as atividades dentro de uma organização não são independentes, mas sim interdependentes. Ao reconhecer essas interdependências, a análise da cadeia de valor admite a possibilidade que o aumento de custos em uma atividade pode gerar diminuição de custos totais. O mais importante na análise da cadeia de valor na administração pública é perceber em quais atividades criou-se vantagem competitiva, depois gerenciar estas atividades para que sejam aprimoradas (Elloumi, 2004). Portanto, a análise da cadeia de valor reconhece explicitamente as interdependências existentes, explorando as relações todas as atividades que criam valor dentro de uma determinada organização. Os elementos básicos de uma cadeia de valor são: Insumos (inputs); Processos/Projetos (actions); Produtos/serviços (outputs); e Impactos (outcomes). No setor público, a análise pode ajudar na distinção entre atividades e empresas públicas que criariam um maior valor público se fossem privatizadas. A Cadeia de Valor na Administração Pública Na administração pública existe a tendência de serem adotadas e cooptadas ferramentas do setor privado para uma análise de desempenho na sua forma mais estratégica. O gestor público deve selecionar como muita prudência que arcabouço estratégico utilizar em cada caso específico. A utilização de modelos estratégicos teóricos, como o da Cadeia de Valor de Porter, devem ser adaptados para aumentar a possibilidade de sucesso. 13

14 A utilização Cadeia de Valor como ferramenta estratégica já conta com uma longa história de sucesso na administração privada, mas ainda carecem de mais estudos de sua aplicabilidade no setor público. A utilização de ferramentas estratégicas, na maioria das vezes necessitaria de ser bastante emendada para se adaptar ao contexto estratégico e particularidades das diferentes atividades, objetivos e instituições públicas. As experiências práticas demonstram que a simples aplicação da ferramenta da Cadeia de Valor sem as adaptações necessárias levaria ao um provável fracasso e frustração (Williams and Lewis, 2008). Contudo, a aplicação da Cadeia de Valor, na sua forma adaptada, pode oferecer uma perspectiva bastante abrangente, holística e estratégica das atividades desenvolvidas e que criam valor nas instituições públicas. Por isso, a administração pública, de forma geral, pode se beneficiar da utilização de ferramentas da gestão estratégica privada, na distribuição de seus bens e serviços simplesmente por entender melhor como se relacionam os elos de sua cadeia de valor. Especialmente, no setor público, a análise estratégica da cadeia de valor deve ser o mais abrangente possível, envolver todos os atores sociais, e trabalhar em network (em rede). Essa análise em rede permite uma visão sistêmica de toda a cadeia de criação de valor dentro de uma organização. Logo, a cadeia de valor pode ser considerada como uma forma de abordagem inicial eficiente para avaliar em que atividades uma organização perde e ganha valor. No caso das cadeias de valor de distribuição de bens e serviços dentro do setor público, o objetivo seria aumentar a satisfação dos cidadãos, através de um maior confiança nos produtos públicos (bens e serviços). Esta satisfação estaria relacionada com diversos aspectos da cadeia de valor na administração pública, com destaque para o desempenho da gestão e o gerenciamento dos recursos humanos. A relação entre engajamento dos servidores públicos (satisfação e compromisso) e a satisfação dos clientes do setor público, e a relação entre a satisfação dos clientes do setor público e a confiança dos cidadãos, estabeleceriam os elos da cadeia de valor no setor público, e conseqüentemente a criação, ou não, de valor público (Heintzman e Marson, 2005). 14

15 No estudo de Heintzman e Marson (2005) foram identificados como os principais desafios da gestão de uma cadeia de valor de serviço na administração pública: a melhoria da satisfação e compromisso dos servidores; melhoria da qualidade do serviço; e melhoria a confiança nas instituições públicas. Além disso, devem-se identificar quais são os fatores que contribuem para atingir os objetivos esperados. Logo, a análise da cadeia de valor de serviços na administração pública mostra aos gestores públicos que eles devem atentar para formas de responsabilização e de avaliação de desempenho, tanto internas quanto externas. Um trabalho de Williams e Lewis (2008) analisou e comparou a utilização real da ferramenta da cadeia de valor em diversas instituições públicas. As instituições estudadas demandavam diferentes análises estratégicas de acordo com suas atividades específicas, que variaram nos seus objetivos esperados. Em cada uma dessas instituições públicas foi necessário utilizar diferente adaptações da ferramenta de análise da cadeia de valor, considerando as diferentes abordagens metodológicas. A utilização do modelo de cadeia valor na sua forma tradicional ou genérica não é sempre que permite focar no contexto e nos objetivos específicos esperados. Contudo, o método da cadeia de valor se mostrou bastante preservado, na sua forma padronizada e na forma de coleta de informações, demonstrando sua viabilidade e eficiência. Destaca-se que todos os estudos envolveram a participação efetiva de todos os atores sociais envolvidos, sendo esta uma condicionante do sucesso de qualquer análise de cadeia de valor. Por outro lado, já houve diversos autores que defenderam a utilização do modelo tradicional da cadeia de valor de Porter em qualquer situação, sem a devida adaptação. O estudo de Williams e Lewis (2008) demonstrou que a ferramenta da Cadeia de Valor é muito valorosa à análise estratégica, mas que, realmente, necessita ser adaptada aos objetivos e as atividades específicas de cada organização. Caso contrário, o processo pode invalidar seus resultados e análises, especialmente em se tratando de instituições públicas. Desta forma, qualquer abordagem tradicional da cadeia de valor em uma organização tende a não representar corretamente todas as atividades que criam valor. 15

16 Ainda no estudo de Williams e Lewis (2008) ficou demonstrada a importância de uma análise mais abrangente das relações das atividades em rede dentre todo o setor público, envolvendo também a relação inter-organizacional. Essa análise, normalmente, lida com divergência de interesses entre os atores sociais. Uma das principais conclusões do estudo foi que não restam dúvidas sobre a utilidade, necessidade e eficiência do uso de ferramentas estratégicas para uma melhor gestão. Contudo, essas ferramentas, como a da cadeia de valor, especialmente no setor público, devem ser adaptadas para mais bem atender as especificidades de cada contexto e ambiente (interno e externo). Esse nível de contextualização não pode ser prédeterminado, pois depende de uma análise caso a caso, mas está atrelado a um conjunto de critérios pré-definidos. Conclusões Entende-se que, a administração pública, como qualquer organização privada, necessita ser eficiente e competitiva, devendo direcionar suas estratégias para aprimorar seus mecanismos de gestão. A dinâmica do mundo moderno cria uma demanda social por novos instrumentos de controle e de avaliação nas organizações públicas ressaltam ainda mais as ineficiências do setor público. Muitos desses instrumentos para lidar com esses novos desafios já estão incorporados na administração privada. Contudo, na administração pública, respostas e utilização de instrumentos de estratégia tendem a ser mais lentas. Numa abordagem estratégica visando aumentar a competitividade das organizações (públicas e privadas), Porter (1985) sugeriu que as atividades de uma determinada organização devem ser agrupadas em duas categorias principais: atividades primárias e atividades de apoio. Atividades primárias são aquelas relacionadas à produção direta dos bens e serviços. Atividades de apoio são aquelas que não estão diretamente envolvidas na produção dos bens e serviços, muito embora, influenciem na eficiência e eficácia da cadeia de valor. 16

17 Na prática, é muito difícil uma organização contar com atividades primárias e de apoio semelhantes a de outras organizações, justificando a inviabilidade de uma ferramenta de gestão que atenda indiscriminadamente todas as situações e atividades. Neste contexto, a análise da cadeia de valor seria um método de se examinar em detalhes os processos internos de uma determinada organização, identificando quais atividades ela possui vantagem competitiva e quais atividades poderiam ser mais bem providas por outras organizações. Os princípios que balizam qualquer processo estratégico de gestão e planejamento, seja no setor público ou no setor privado, diz respeito às mudanças que devem ser implementadas. O maior problema neste processo estratégico está em como implementar essas mudanças; quem deve gerenciar essas mudanças; e como planejar os avanços que levariam a um melhor desempenho da organização. A gestão estratégica eficiente de uma organização está associada à criação de valor. O que conhecemos como vantagem competitiva deve ser sempre considerado na sua forma relativa, ou seja, comparativa com os competidores atuais e potenciais. A lógica da análise da cadeia de valor é uma análise da posição competitiva de uma empresa baseada nos pressupostos de liderança. A complexidade das atividades e finalidades da administração pública não deve inibir os gestores públicos de procurarem instrumentos mais eficientes de avaliação de desempenho e no planejamento estratégico das atividades das instituições públicas. O entendimento é que a análise da cadeia de valor pode auxiliar na administração pública, tanto nos aspectos operacionais, quanto nos aspectos estratégicos. Contudo, os gestores públicos não devem assumir que as técnicas, ferramentas, e abordagens do setor privado possam ser transferidas para o setor público desrespeitando suas particularidades e diferenças. Não devem considerar as atividades que agregam ou não agregam valor numa determinada cadeia de valor, sem uma análise criteriosa e sem entender perfeitamente a forma como esta cadeia opera. A adaptação da cadeia de valor as especificidades contextuais é fundamental para o sucesso da avaliação de desempenho e sucesso da administração pública. 17

18 Na administração pública, o ambiente externo de uma organização cria diferenciais que, normalmente, são considerados como ameaças pelos gestores, mas que também poderiam ser encarados como oportunidades dentro da visão estratégica orientada pela cadeia de valor. Estas diferenças ambientais são compreensíveis devido a todas as restrições de ordem legal, fiscal, política, burocrática e social que uma organização pública está submetida. Portanto, com a utilização de ferramentas da gestão da administração estratégica privada no setor público, torna-se possível melhorar o desempenho e a qualidade dos bens e serviços públicos fornecidos. Desta forma, se utilizado de forma adequada e adaptada, a cadeia de valor de Porter pode ser um instrumento útil para subsidiar o processo decisório dos gestores públicos. Referências Bertelli, Anthony M. and Laurence E. Lynn, Jr A Precept of Managerial Responsibility: Securing Collective Justice in Institutional Reform Litigation, Fordham Urban Law Journal, 29(1).October 2001: Blaug, Ricardo; Horner, Louise; Lekhi, Rohit. Public value, politics and public management. A literature review. The Work Foundation Bryson J; Ackermann F; Eden C. Putting the resource-based view of strategy and distinctive competencies to work in public organizations. Public Administration Review. Volume: 67, Issue: 4, Publisher. Blackwell, 2007: Crawford, L; Costello, K; Pollack, J; Bentley, L. Managing soft change projects in the public sector. International Journal of Project Management : Elloumi, F. (2004). Value chain analysis: A strategic approach to online learning. In T. Anderson, & F. Elloumi (Eds.), Theory and practice of online learning, (pp ). 18

19 Hamel, G.; Prahalad, C. K. Competing for the future. Harvard Business Press, Heintzman, Ralph; Marson, Brian. People, service and trust: is there a public sector service value chain? International Review of Administrative Sciences, 2005, 71(40): Kaplinksy, R. and M. Morris. Handbook for value chain research. Report prepared for IDRC, Canada Kloot, L. Strategic performance management: A balanced approach to performance management issues in local government. Management Accounting Research. Volume: 11, Issue: 2, Publisher: Academic Press Inc., 2000: Lynn, Laurence E. Public Management. Handbook of Public Administration. B Guy Peters & Jon Pierre (Editors) Sage Publications McInerney, R and Barrows, D.. Management Tools For Creating Government Responsiveness: The Liquor Control Board of Ontario as a Context for Creating Change. Acessado em Jun/2011; 2002: Moore, M. (1995). Creating public value. Cambridge, MA: Harvard University Press. Porter, Michael. Competitive advantage: creating and sustaining performance. Free Press Towards a dynamic theory of strategy. Strategic Management Journal, v.12, 1991: What is strategy? Harvard Business Review,, Nov./Dec. 1996: Prahalad, C. K.; Hamel, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, May/June 1990: Stabell, Chareles; Fjeldstad, Oystein, D. Configuring value for competitive advantage: on chains, shops, network. Strategic Management Journal. Vol. 19, 1998:

20 Steurer, Reinhard. From Government Strategies to Strategic Public Management: an Exploratory Outlook on the Pursuit of Cross-Sectoral Policy Integration Eur. Env. 17, 2007: Williams,W; Lewis, D. Strategic management tools and public sector management. Public Management Review. Volume 10, Issue 5, 2008:

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA

GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA http://www.administradores.com.br/artigos/ GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração (FAE), Especialista em Gestão de Negócios

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

PROBLEMA, MUDANÇA E VISÃO

PROBLEMA, MUDANÇA E VISÃO PROBLEMA, MUDANÇA E VISÃO Esse é o ponta-pé inicial da sua campanha. Se você não tem um problema, não tem porque fazer uma campanha. Se você tem um problema mas não quer muda-lo, também não tem porque

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Pesquisa Etnográfica

Pesquisa Etnográfica Pesquisa Etnográfica Pesquisa etnográfica Frequentemente, as fontes de dados têm dificuldade em dar informações realmente significativas sobre a vida das pessoas. A pesquisa etnográfica é um processo pelo

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais