ÍNDICE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. leitejuniorbr@yahoo.com.br"

Transcrição

1 ÍNDICE REDES DE COMPUTADORES...4 EXTENSÃO GEOGRÁFICA...4 SAN(STORAGE AREA NETWORK)...4 RAN(REGIONAL AREA NETWORK)...4 CAN(CAMPUS AREA NETWORK)...4 PAN(PERSONAL AREA NETWORK) / WPAN(WIRELESS PERSONAL AREA NETWORK)...4 LAN(LOCAL AREA NETWORK)...4 MAN(METROPOLITAN AREA NETWORK)...5 WAN(WIDE AREA NETWORK)...5 WLAN(WIRELESS LOCAL AREA NETWORK)...5 TOPOLOGIA...6 ANEL...6 BARRAMENTO OU BARRA(BUS)...6 ESTRELA...6 ÁRVORE...6 ARQUITETURAS DE REDES...7 ARQUITETURA ETHERNET(IEEE 802.3)...7 CARACTERÍSTICAS GERAIS...7 ACESSO CSMA-CD...7 GERAÇÕES...7 VELOCIDADES - PADRÃO VBASEC(VELOCIDADE BASE CABO)...7 TIPOS DE CABOS...7 CABO COAXIAL GROSSO...7 CABO COAXIAL FINO...8 CABO DE PAR-TRANÇADO...8 MONTAGEM DOS CABOS...9 CABO DIRETO(STRAIGHT) T-568A E T-568B...9 PADRÃO T-568A...9 PADRÃO T-568B...9 CABO INVERTIDO (CROSS-OVER)...10 PADRÃO T-568-A...10 PADRÃO T-568-B...10 CABO DE FIBRA ÓPTICA...10 TIPOS DE FIBRAS...11 ARQUITETURA WLAN / WIRELESS FIDELITY(WI-FI) IEEE CARACTERÍSTICAS GERAIS...11 ACESSO CSMA-CA...11 FORMAS DE COMUNICAÇÃO...11 TIPO DE TRANSMISSÃO...11 INFRAVERMELHO (IrDA)...11 BLUETOOTH...12 IEEE IEEE a...13 IEEE b...13 IEEE g...13 IEEE n...13 ARQUITETURA WMAN / WIRELESS MAN(WI-MAX) IEEE CARACTERÍSTICAS GERAIS...14 HARDWARE DE REDE...15 PLACA DE REDE...15 ENDEREÇO MAC(Media Access Cntrl)...15 HUB...15 CASCATEAMENTO (HUB)...16 REPETIDOR...16 PONTE / BRIDGE

2 PONTE SEGMENTADORA...16 PONTE TRADUTORA...17 ACCESS POINT - AP...17 SWITCH...17 ROTEADOR - ROUTER...18 ROTEADORES ESTÁTICOS...18 ROTEADORES DINÂMICOS...18 NAT - NETWORK ADDRESS TRANSLATION...18 SERVIDORES...19 TIPOS DE SERVIDORES...19 GATEWAY...19 O QUE É INTRANET?...20 USAMOS UMA INTRANET PARA...20 CONTEÚDOS USADOS EM UMA INTRANET...20 QUE É EXTRANET?...21 USAMOS UMA EXTRANET PARA...21 A INTERNET...21 BACKBONE...22 RNP - REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA...22 PROVEDOR DE ACESSO...22 TIPOS DE CONEXÃO...23 DIAL-UP / DISCADA...23 ISDN / RDSI...23 ADSL - BANDA LARGA...23 REDE ELÉTRICA / BPL / PLC...24 LAN REDE LOCAL...25 TV A CABO...25 CONEXÃO 3G...25 DOMÍNIO DE INTERNET...26 DOMÍNIO GEOGRÁFICO 1º. NÍVEL...26 DOMINIO DE TIPO 2º. NÍVEL...26 DOMINIO DE INSTITUIÇÃO 3º. NÍVEL...26 ONDE REGISTRAR UM DOMÍNIO...26 URL UNIFORM RESOURCE LOCATOR...26 PROTOCOLOS...27 MODELO DE CAMADA OSI E TCP/IP...27 CAMADA 1 - FÍSICA...27 DISPOSITIVOS DA CAMADA...27 CAMADA 2 - LIGAÇÃO DE DADOS (ENLACE)...27 DISPOSITIVOS DA CAMADA...27 CAMADA 3 - REDE...28 DISPOSITIVOS DA CAMADA...28 IP -INTERNET PROTOCOL...28 ICMP - INTERNET CONTROL MESSAGE PROTOCOL...28 ARP ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL...29 RARP - REVERSE ARP...29 CAMADA 4 - TRANSPORTE...29 TCP - TRANSMISSION CONTROL PROTOCOL...29 UDP - USER DATAGRAM PROTOCOL...29 CAMADA 5 - SESSÃO...29 CAMADA 6 - APRESENTAÇÃO...29 CAMADA 7 - APLICAÇÃO...29 PORTAS DE COMUNICAÇÃO...29 HTTP HYPER TEXT TRANSFER PROTOCOL...30 HTTPS HYPER TEXT TRANSFER PROTOCOL SECURE...30 SSL - SECURE SOCKETS LAYER...30 TLS - TRANSPORT LAYER SECURITY...30 DHCP - DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL...31 IRC - INTERNET RELAY CHAT...31 SNMP - SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL...31 POP - POST OFFICE PROTOCOL...31 IMAP - INTERNET MESSAGE ACCESS PROTOCOL...31 SMTP - SIMPLE MAIL TRANSFER PROTOCOL

3 FTP - FILE TRANSFER PROTOCOL...31 TFTP TRIVIAL FILE TRANSFER PROTOCOL...32 TELNET - TERMINAL EMULATOR...32 SSH - SECURE SHELL...32 NTP NETWORK TIME PROTOCOL...32 NNTP NETWORK NEWS TRANSFER PROTOCOL...32 DNS DOMAIN NAME SERVICE...32 KERBEROS...33 VPN VIRTUAL PRIVATE NETWORK...34 INTRODUÇÃO...34 ACESSO REMOTO VIA INTERNET...34 CONEXÃO DE COMPUTADORES NUMA INTRANET...34 REQUISITOS BÁSICOS...35 TUNELAMENTO...35 IPSEC INTERNET PROTOCOL SECURITY

4 REDES DE COMPUTADORES Sã dis u mais cmputadres ligads entre si cm a finalidade de cmpartilhar aplicativs, recurs, dads e periférics. EXTENSÃO GEOGRÁFICA SAN(STORAGE AREA NETWORK) Rede cuj bjetiv é armazenament de dads cm alt desempenh. RAN(REGIONAL AREA NETWORK) Rede de dads que intercnecta negócis, residências e gverns em uma regiã gegráfica específica. Sã maires que as LANs MANs, mas menres que WANs. Sã cmumente caracterizadas pelas cnexões de alta velcidade utilizand cab de fibra ótica u utra mídia digital. CAN(CAMPUS AREA NETWORK) Rede que usa ligações entre cmputadres lcalizads em áreas de edifícis u prédis diferentes, cm em campus universitáris u cmplexs industriais. PAN(PERSONAL AREA NETWORK) / WPAN(WIRELESS PERSONAL AREA NETWORK) Pssui dispsitivs ligads para um únic usuári. Nrmalmente um dispsitiv bluetth é usad neste tip de rede. LAN(LOCAL AREA NETWORK) Sã denminadas lcais pr cbrirem apenas uma área limitada. Utilizadas para cnectar estações, servidres, periférics e utrs dispsitivs que pssuam capacidade de prcessament em uma casa, escritóri, escla e edifícis próxims. 4

5 MAN(METROPOLITAN AREA NETWORK) Pde abranger um grup de escritóris vizinhs u uma cidade inteira, pdend ser privada u pública. Esse tip de rede é capaz de transprtar dads e vz, pdend inclusive ser assciad a rede de televisã a cab lcal. WAN(WIDE AREA NETWORK) Rede de cmputadres que abrange uma grande área gegráfica. A Internet é um exempl de WAN. WLAN(WIRELESS LOCAL AREA NETWORK) Rede lcal sem fi. Cnhecida pr Wi-Fi(Wireless Fidelity - fidelidade sem fis). Cnecta seus cmpnentes usand ndas de rádi freqüência. 5

6 TOPOLOGIA Define cm s cmputadres estã ligads fisicamente a uma rede. ANEL A tplgia de rede em anel cnsiste em estações cnectadas através de um circuit fechad, em série. As cnfigurações mais usuais sã unidirecinais. O padrã mais cnhecid é Tken Ring(IEEE 802.5). Um pacte(tken) fica circuland n anel, pegand dads das máquinas e distribuind para destin. Smente um dad pde ser transmitid pr vez neste pacte. Nesta tplgia cada estaçã está cnectada a apenas duas utras estações. Uma desvantagem é que se uma máquina falhar, tda a rede pde ser cmprmetida. BARRAMENTO OU BARRA(BUS) Tdas as estações cmpartilham um mesm cab. Essa tplgia utiliza cab caxial. O tamanh máxim d trech da rede está limitad a limite d cab, 185 metrs n cas d cab caxial fin. Transfere dads pr Bradcast(difusã). Tds s receptres recebem sinal. Cm tdas as estações cmpartilham um mesm cab, smente uma transaçã pde ser efetuada pr vez, ist é, nã há cm mais de um micr transmitir dads pr vez. Lg, quant mais cmputadres ligads a rede, mais lenta ela fica. Diferente da rede em anel, se uma das máquinas falhar, a rede nã é cmprmetida. ESTRELA Esta é a tplgia mais recmendada e usada atualmente. Tdas as estações sã cnectadas a um periféric CONCENTRADOR(hub u switch). Utilizand um HUB, a tplgia fisicamente será em estrela, prém lgicamente ela cntinua send uma rede de tplgia de barra. O Hub é um periféric que repete para tdas as suas prtas s pactes que chegam, assim cm crre na tplgia de barra(bradcast). Utilizand um SWITCH, a rede será tant fisicamente quant lgicamente em estrela. Ele analisa cabeçalh de endereçament ds pactes de dads, enviand s dads diretamente a destin, sem replicá-l desnecessariamente para tdas as suas prtas. Iss faz cm que a rede trnese mais segura e muit mais rápida, pis praticamente elimina prblemas de clisã. Além diss, duas u mais transmissões pdem ser efetuadas simultaneamente, desde que tenham rigem e destins diferentes. ÁRVORE 6 É equivalente a várias redes em estrela ligadas entre si. É cas de cnexões de múltipls hubs u switches. Na figura a lad, primeir nó da rede é switch. Nele estã ligads 4(quatr) hubs, e em cada um deles estã ligads 4(quatr) cmputadres.

7 ARQUITETURAS DE REDES Cnjunts de características que especificam cm uma rede funcina. Ethernet: Cm fi. IEEE WLan - Wireless Fidelity(Wi-Fi). Sem fi. IEEE WMan - Wireless Man(Wi-Max). Sem fi. IEEE ARQUITETURA ETHERNET(IEEE 802.3) CARACTERÍSTICAS GERAIS O IEEE(Institute f Electrical and Electrnics Engineers) ds Estads Unids, é um ds grups que lideram a padrnizaçã de redes n mund. A Ethernet fi padrnizada pel IEEE cm códig 802.3(IEEE 802.3). ACESSO CSMA-CD Carrier Sense Multiple Access with Cllisin Detectin. CS: As placas de rede "escutam" a rede para ver se é pssível transmitir; MA: É pssível que haja acess múltipl (duas u mais placas acessam a mesm temp); CD: Se huver acess múltipl, detecta e crrige a clisã. GERAÇÕES Ethernet: 10Mbps usava cabs caxiais (10base2, 10base5) u cabs de par-trançad (10baseT). Fast Ethernet: 100Mbps cm par-trançad (100baseT) u fibra óptica (100baseF). Giga Ethernet: 1000Mbps (1Gbps) cm diverss tips de cabs. VELOCIDADES - PADRÃO VBASEC(VELOCIDADE BASE CABO) 10base5: cab caxial grss(thick) 500m de distância. 10base2: cab caxial fin(thin) 185m de distância. 10baseT: cab de par-trançad 100m de distância. 100baseT2: par-trançad cat. 3; usa 2 ds 4 pares de fis d cab. 100m de extensã. 100baseT4: par-trançad cat. 3; usa 2 ds 4 pares de fis d cab. 100m de extensã. 100baseTX: par-trançad cat. 5; usa 2 ds 4 pares de fis d cab. 100m de extensã. 100baseFX: fibra óptica. 2 km de extensã. 1000baseT: par-trançad cat m de extensã. 1000baseCX: cab twiaxial(caxial cm 2 núcles). 25m de extensã. 1000baseSX: fibra-óptica multimd. 550m de extensã. 1000baseLX: fibra-óptica mnmd. Cerca de 5.000m de extensã. TIPOS DE CABOS CABO COAXIAL GROSSO Chamad "Thick Ethernet/Thicknet" u 10Base5. É cnectad à placa de rede através de um transceiver. Especificaçã RG-213 A/U(Núcle de fi trançad) u RG-213 /U (Núcle de cbre sólid). Velcidade de 10 Mbps. Cada segment de rede pde ter, n máxim, 500 metrs. Cada segment de rede pde ter, n máxim, 100 nós(pnts de cnexã). Distância mínima de 2,5m entre cada nó da rede. 7

8 CABO COAXIAL FINO Chamad de "Thin Ethernet/Thinnet" u 10Base2. Utiliza a especificaçã RG-58 A/U(Núcle de fi trançad) u RG-58 /U(Núcle de cbre sólid). Cada segment da rede pde ter, n máxim, 200m(185 metrs). Cada segment pde ter, n máxim, 30 nós(pnts). Distância mínima de 0,5m entre cada nó(pnt) da rede. Velcidade de transferência é de 10 Mbps(1,25 MB/s). Utiliza cnectr BNC para intercnexã. CABO DE PAR-TRANÇADO É frmadr pr pares de fis se entrelaçam pr tda a extensã d cab minimizand interferências externas u d sinal de um ds fis para utr. Utiliza cnectr RJ-11(telefne) u RJ-45(cmputadr). Distância limite é de 100 metrs. 10/100BaseT. Tips de Cabs Cat 1: Usad em sistemas telefônics. Cat 5: Mais usad atualmente em redes de cmputadres. Pssui 4(quatr) pares de fis. UTP(Unshielded Twisted Pair nã blindad): Sã 4(quatr) pares de fis entrelaçads e revestids pr uma capa de PVC. Mais usad atualmente e mais barat. STP (Shield Twisted Pair - blindad): Pssui uma prteçã metálica entre s pares e envlvend tds eles, minimizand risc de interferências. 8

9 Cnectres RJ-11: Cnectr cm 4(quatr)/6(pins) pins. Usand em sistemas telefônics cm cabs UTP Cat 1. RJ-45: Cnectr cm 8(it) pins. Usand em redes lcais cm cabs UTP Cat 5. Alicate de Crimpar Usad para crimpar cab de par-trançad a cnectr RJ-45. MONTAGEM DOS CABOS Existem dis padrões de mntagem ds cabs. CABO DIRETO(STRAIGHT) T-568A E T-568B utilizad para ligaçã da placa de rede(micr) a hub. PADRÃO T-568A 1- Branc cm 2- Verde 3- Branc cm 4- Azul 5- Branc cm 6- Laranja 7- Branc cm 8- Marrm PADRÃO T-568B 1- Branc cm 2- Laranja 3- Branc cm 4- Azul 5- Branc cm 6- Verde 7- Branc cm 8- Marrm Verde Laranja Azul Marrm Laranja Verde Azul Marrm 9

10 CABO INVERTIDO (CROSS-OVER) Utilizad para ligaçã entre 2(dis) hubs (cascateament) u para ligar 2(dis) micrs pela placa de rede (padrã RJ-45) sem a utilizaçã de hub. PADRÃO T-568-A 1- Branc cm Verde 2- Verde 3- Branc cm Laranja 4- Azul 5- Branc cm Azul 6- Laranja 7- Branc cm Marrm 8- Marrm PADRÃO T-568-B 1- Branc cm Laranja 2- Laranja 3- Branc cm Verde 4- Azul 5- Branc cm Azul 6- Verde 7- Branc cm Marrm 8- Marrm Características da Mntagem Sã mntads usand apenas 2(dis) pares de fis nas implementações atuais(half-duplex) pins 1 e 2 (para enviar); 3 e 6 (para receber). HALF-DUPLEX: Este term é usad em relaçã a placas de rede e utrs dispsitivs de cmunicaçã. Operand neste md, dispsitiv pde transmitir e receber dads, mas uma cisa de cada vez. Exempl, Walk-Talk. FULL-DUPLEX: Os dads pdem ser transmitids e recebids simultaneamente. Exempl, aparelh telefônic. CABO DE FIBRA ÓPTICA Permite transmissã de dads em alta velcidade e sã cmpletamente imunes a qualquer tip de interferência eletrmagnética, prém, sã muit mais cars e difíceis de instalar. Cm s cabs sã feits de plástic e fibra de vidr(a invés de metal) sã resistentes à crrsã. O cab de fibra óptica é frmad pr um núcle extremamente fin de vidr, u de um tip especial de plástic, cbert pr fibra de vidr que envlve e prtege núcle, uma camada de plástic prtetra chamada de cladding, uma camada de islament e finalmente uma capa externa chamada bainha. 10

11 TIPOS DE FIBRAS MULTIMODO: fibra óptica cm núcle mais grss. Admite a transmissã de váris sinais simultaneamente (váris feixes). Cust mens alt. MONOMODO: fibra cm núcle mais fin transmite apenas um feixe. Cnseguem transmitir pr extensões maires de cab. Cust mais alt. Multimd Mnmd ARQUITETURA WLAN / WIRELESS FIDELITY(WI-FI) IEEE CARACTERÍSTICAS GERAIS É um cnjunt de padrões de cmpatibilidade basead nas especificações IEEE É uma rede interligada sem fis chamada de WLan(Wireless LAN). ACESSO CSMA-CA Carrier Sense Multiple Access with Cllisin Avidance. CS: As placas de rede "escutam" a rede para ver se é pssível transmitir. MA: É pssível que haja acess múltipl (duas u mais placas acessam a mesm temp); CA: Se huver acess múltipl, evitar clisã. FORMAS DE COMUNICAÇÃO Md infraestrutura: nrmalmente mais encntrad, utiliza um cncentradr de acess (Access PintAP). Md pnt a pnt (ad-hc): permite que um pequen grup de máquinas se cmunique diretamente, sem a necessidade de um AP(Access Pint). TIPO DE TRANSMISSÃO INFRAVERMELHO (IrDA) IrDA(Infrared Data Assciatin) desenvlveu padrã utilizad ns transmissres infravermelhs que equipam s PCs, ntebks, impressras e handhelds atuais. Utiliza cm mei de cmunicaçã a radiaçã infravermelha. Pssuem um alcance bem limitad, cerca de 1(um) metr. Nã deve ter barreiras entre s pnts de cmunicaçã. O transmissr deve estar apntad diretamente para receptr. Baixa velcidade de transmissã até 115Kbps(14,3KB/s). 11

12 BLUETOOTH É uma tecnlgia que permite uma cmunicaçã simples, rápida, segura e barata entre cmputadres, smartphnes, telefnes celulares, muses, teclads, fnes de uvid, impressras e utrs dispsitivs, utilizand ndas de rádi n lugar de cabs. Pssibilita a cmunicaçã desses dispsitivs uns cm s utrs quand estã dentr d rai de alcance. Os dispsitivs usam um sistema de cmunicaçã via rádi, pr iss nã necessitam estar na linha de visã um d utr, e pdem estar até em utrs ambientes, cntant que a transmissã recebida seja suficientemente ptente. Classe: Ptência - Distância Classe 1: ptência máxima de 100 mw Classe 2: ptência máxima de 2,5 mw Classe 3: ptência máxima de 1 mw Cada dispsitiv é dtad de um númer únic de 48 bits(6 Bytes) que serve de identificaçã, n frmat 00:00:00:00:00:00. Esse númer é denminad "Endereç de Bluetth"(Bluetth Address) e sã únics e exclusivs para cada dispsitiv fabricad, assim cm Endereç MAC das placas de rede. Versã - Taxa de Transferência Versã 1.2 Versã EDR Versã 3.0(Em desenvlviment) - alcance de até 100(cem) metrs. - alcance de até 10(dez) metrs. - alcance de até 1(um) metr. - 1 Mbps(0,12MB/s). - 3 Mbps(0,37MB/s) Mbps(60 MB/s). 12

13 IEEE Estabelece nrmas para a criaçã e para us de redes sem fi. A transmissã dessa rede é feita pr sinais de radifreqüência, que se prpagam pel ar e pdem cbrir áreas na casa das centenas de metrs. Para uma rede desse tip ser estabelecida, é necessári que s dispsitivs (STA - de "statin") se cnectem a aparelhs que frnecem acess. Estes sã genericamente denminads Access Pint(AP). Quand um u mais STAs se cnectam a um AP, tem-se, prtant, uma rede denminada Basic Service Set(BSS). Service Set Identifier(SSID) é nme dad(pel usuári) a sua rede sem fi. Prtcls de segurança para redes sem fi. WEP(Wired Equivalent Privacity) Usa algritm RC4 de criptgrafia simétrica(chave de cifragem = chave de decifragem) WPA(Wi-Fi Prtected Access) Mais segura que WEP. Esse prtcl usa chaves de 256 bits. IEEE a Velcidades de 6 Mbps, 9 Mbps, 12 Mbps, 18 Mbps, 24 Mbps, 36 Mbps, 48 Mbps e 54 Mbps(6,75MB/s). Pde chegar a 108 Mbps(13,5MB/s) pr fabricantes nã padrnizads. Alcance gegráfic de sua transmissã é de cerca de 50 metrs. Freqüência de peraçã é 5GHz. Incmpatibilidade cm s padrões b/g. IEEE b Velcidade de transmissã: 1 Mbps, 2 Mbps, 5,5 Mbps e 11 Mbps(1,3MB/s). Opera na freqüência de 2.4GHz. Área de cbertura é de 400 metrs em ambientes aberts Área de cbertura de 50 metrs em lugares fechads(escritóris e residências). Pde sfrer interferência na transmissã e recepçã de sinais pr funcina na mesma freqüência ds telefnes móveis, frns micrndas e dispsitivs Bluetth. IEEE g Cmpatibilidade cm s dispsitivs b Velcidade de 54Mbps(6,75MB/s). Funcina dentr da freqüência de 2,4 GHz. Vantagem e desvantagem: a mesma d b. IEEE n Iniciu seu desenvlviment em Em fase final de hmlgaçã. Opera nas faixas de 2,4GHz e 5GHz. Sucessr d g, tal cm este fi d b. O n tem cm principal característica us de um esquema chamad Multiple-Input Multiple-Output(MIMO), capaz de aumentar cnsideravelmente as taxas de transferência de dads através da cmbinaçã de várias vias de transmissã. Pde fazer transmissões na faixa de 300Mbps(37,5MB/s) e, tericamente, pde atingir taxas de até 600Mbps(75MB/s). 13

14 ARQUITETURA WMAN / WIRELESS MAN(WI-MAX) IEEE CARACTERÍSTICAS GERAIS metrplitanas sem fi de us crprativ que atravessam cidades e estads. Utilizada entre s prvedres de acess e seus pnts de distribuiçã. A WiMax pssui padrã que é um ds últims padrões de banda larga para rede MAN(Metrplitan Area Netwrk/Rede de Área Metrplitana) definid pel IEEE. Tem cm bjetiv estabelecer a parte final da infra-estrutura de cnexã de banda-larga (last mile) ferecend cnectividade para mais diverss fins: pr exempl us dméstic, htspt e empresarial. Capacidade de estabelecer uma rede MESH(rede em malha), cmpartilhand recurss e diminuind custs da rede. Estabelecer uma cnexã mais direta da rede dmestica cm a rede principal(cre netwrk) da internet. Oferece cnexã de até 75 Mbps(9 MB/s) em um rai de 50 km. Pssui especificaçã de espectr de RF de 2 a 66Ghz. 14

15 HARDWARE DE REDE Sã dispsitivs usads para a intercnexã de periférics e transferência de dads. PLACA DE REDE Chamada de adaptadr de rede u interface de rede u NIC(Netwrk Interface Cnnectin) u Placa Ethernet. Nã entende pactes TCP/IP, apenas endereçs MAC (endereçs físics). Opera na CAMADA DE ENLACE (camada 2) d mdel OSI. É respnsável pela cnexã d cmputadr a estrutura da rede. Cada cmputadr tem que ter sua própria placa de rede. Velcidade de transmissã: 10 Mbps(Ethernet), 100 Mbps(Fast Ethernet) e 1000 Mbps(Giga Ethernet) ENDEREÇO MAC(Media Access Cntrl). Usad para identificar fisicamente a placa de rede. Sã endereçs de 48 bits, representads através de 12 dígits hexadecimais (00:15:00:4B:68:DB). Sã gravads na ROM da própria placa, durante sua fabricaçã. Cada placa de rede pssui um únic endereç MAC. HUB Embra s terms "frame" e "pacte" sejam freqüentemente usads cm sinônims, existe uma diferença entre eles. O term "pacte" é usad quand estiver se referind as pactes TCP e term "frame" quand estiver se referind às transmissões efetuadas pelas placas de rede. N frame é inserid endereç de rigem e de destin ds dads, além de 32 bits de CRC, que sã usads pela placa de destin para verificar a integridade d frame recebid. Sempre que um frame chega crrmpid, a placa slicita sua retransmissã, de frma a garantir que s dads recebids sã sempre s mesms que fram enviads. Este sistema permite que as redes Ethernet sejam usadas em redes cm qualquer prtcl, sem ficarem restritas a TCP/IP. A rede age cm uma camada genérica de transprte, cm suas próprias regras, que se limita a transprtar infrmações de um pnt a utr, sem tentar entender cnteúd ds pactes. É element central de uma rede baseada em cab par-trançad. Opera na CAMADA FÍSICA (camada 1) d mdel OSI. Tem cm funçã regenerar s sinais e s transmitir para as suas prtas (BROADCAST). Nã entende endereç MAC. Os nós (estações) sã cnectads as prtas d hub e se huver algum prblema em uma estaçã, a rede nã será afetada. A rede só será paralisada se hub apresentar algum prblema. 15

16 CASCATEAMENTO (HUB) Pde-se cnectar dis u mais hubs entre si usand uma prta chamada Up Link. Basta ligar as prtas Up Link de ambs s hubs, usand um cab de rede nrmal. Existem alguns hubs que nã pssuem a prta Up Link, usand um cab crss-ver pde-se cnectar s dis hubs. A única diferença neste cas é que a invés de usar as prtas Up Link, usará duas prtas cmuns. REPETIDOR Utilizad para interligaçã de redes idênticas. Opera na CAMADA FÍSICA (camada 1) d mdel OSI. Amplifica e regenera eletricamente s sinais transmitids n mei físic. PONTE / BRIDGE Utilizada para segmentar uma rede grande em duas redes menres aumentand seu desempenh. Opera na CAMADA DE ENLACE (camada 2) d mdel OSI. É capaz de entender endereçs MAC filtrand tráfegs entre segments de uma rede, só tem um prblema, nã filtra cnteúd enviad pr bradcast. Permite tráfeg de qualquer tip de prtcl. Interligar redes que pssuem mesma arquitetura(segmentadra) e arquiteturas diferentes(tradutra). É cmpsta de duas prtas que cnectam s segments de uma rede. O tráfeg gerad pr um segment fica cnfinad n mesm evitand assim que haja interferência n tráfeg d utr segment. O tráfeg só atravessará para utr segment, se a estações rigem e destin nã estiverem n mesm segment. PONTE SEGMENTADORA 16

17 PONTE TRADUTORA ACCESS POINT - AP É um dispsitiv que atua cm pnte entre uma rede sem fi e uma rede tradicinal. O Access Pint(AP) transfrma tráfeg da rede cnvencinal(via cabs) em sinal de rádi Wi-Fi. Pr mei de Access Pints, usuáris de PDAs u ntebks equipads cm Wi-Fi pdem acessar a rede lcal da empresa u navegar pela Internet. Td sinal Wi-Fi é prveniente de um pnt de acess. Os pnts de acess (Access Pints) pdem perar n padrã a, 11b u 11g. SWITCH Um switch é bem mais espert que um hub e uma pnte. Opera na CAMADA DE ENLACE (camada 2) d mdel OSI. Nã entende TCP/IP. O switch faz uma cmutaçã (ligaçã) entre as máquinas rigem e destin, island as demais prtas desse prcess. Pssui uma tabela de encaminhament chamada TABELA MAC. Nessa tabela está especificad a assciaçã das máquinas as prtas d switch. 17

18 ROTEADOR - ROUTER Equipament utilizad em redes de mair prte. Opera na CAMADA DE REDE (camada 3) d mdel OSI. Entende endereçs MAC e endereçs IP. Permite uma cmunicaçã cmplexa entre diverss segments de redes cm prtcls e arquiteturas diferenciadas. Sabe endereç de cada segment, tend a capacidade de determinar qual melhr caminh para envi de dads, além de filtrar tráfeg de bradcast. Pdems dizer que um rteadr é uma pnte/switch melhrad. Frnece melhr gerenciament d tráfeg, pde cmpartilhar status de cnexã e infrmações cm utr rteadres e usar essa infrmaçã para driblar cnexões lentas u instáveis. Pdem ter firewall. ROTEADORES ESTÁTICOS Este tip é mais barat e é fcad em esclher sempre menr caminh para s dads, sem cnsiderar se caminh tem u nã cngestinament. Cnfigurad manualmente pel administradr da rede. ROTEADORES DINÂMICOS Mais sfisticad(e cnseqüentemente mais car), cnsidera se há u nã cngestinament na rede. Ele trabalha para fazer caminh mais rápid, mesm que seja caminh mais lng. Nã adianta utilizar menr caminh se esse estiver cngestinad. Muits ds rteadres dinâmics sã capazes de fazer cmpressã de dads para elevar a taxa de transferência. Use rteadr para... Enviar pactes diretamente a um cmputadr de destin em utras redes u segments. Reduzir a pressã sbre a rede. Dar velcidade à rede. NAT - NETWORK ADDRESS TRANSLATION Graças a um serviç d rteadr chamad NAT, ele realiza uma traduçã de endereçs IPs privads da rede interna traduzind-s para um IP válid, que está cnfigurad na interface d rteadr cnectad a internet. Iss é pssível prque existe uma faixa de IPs reservads que pdem ser usads em uma rede interna. Um ds grandes benefícis d NAT é fat de que a sua rede interna fica escndida da Internet, prque tds s pactes que irã trafegar pela internet partind de sua rede interna, terã na verdade cm endereç rigem, endereç IP válid da interface de saída d rteadr. Opera na CAMADA DE REDE (camada 3) d mdel OSI. Rede usand NAT 18

19 SERVIDORES É um sistema de cmputaçã que frnece serviçs a uma rede de cmputadres. O term servidr é largamente aplicad a cmputadres cmplets, embra um servidr pssa equivaler a um sftware u a partes de um sistema cmputacinal, u até mesm a uma máquina que nã seja necessariamente um cmputadr. Os cmputadres que acessam s serviçs de um servidr sã chamads clientes. As redes que utilizam servidres sã d tip cliente-servidr. TIPOS DE SERVIDORES Servidr de Arquivs: Servidr que armazena arquivs de diverss usuáris. Servidr Web: Servidr respnsável pel armazenament de páginas de um determinad site, requisitads pels clientes através de brwsers. Servidr de Servidr respnsável pel armazenament, envi e recebiment de mensagens de crrei eletrônic. Servidr de impressã: Servidr respnsável pr cntrlar pedids de impressã de arquivs ds diverss clientes. Servidr de banc de dads: Servidr que pssui e manipula infrmações cntidas em um banc de dads, cm, pr exempl, um cadastr de usuáris. Servidr DNS: Servidres respnsáveis pela cnversã de endereçs de sites em endereçs IP e viceversa. DNS é um acrônim de Dmain Name System, u sistema de nmes de dmínis. Servidr Prxy: Atua cm um intermediadr entre usuári e a Internet. Usad para cmpartilhar uma cnexã de Internet cm váris cmputadres. Servidr de imagens: Tip especial de servidr de banc de dads, especializad em armazenar imagens digitais. GATEWAY Significa prtã de entrada. Opera na CAMADA DE TRANSPORTE (gateway de transprte) e APLICAÇÃO (gateway de aplicaçã) d mdel OSI. GATEWAYS DE TRANSPORTE: Cnectam dis cmputadres (u redes) que utilizem diferentes prtcls de transprte rientads a cnexã. Exempl: interligaçã de uma rede TCP/IP cm uma rede ATM(Asynchrnus Transfer Mde de alta velcidade). GATEWAYS DE APLICAÇÃO: Recnhecem frmat e cnteúd ds dads e cnvertem mensagens e um frmat para utr. Exempl: um gateway de crrei eletrônic pderia cnverter mensagens da Internet em mensagens SMS para telefnes celulares. Habilita a cmunicaçã entre diferentes arquiteturas e ambientes. Realiza a cnversã ds dads de um ambiente para utr de md que cada ambiente seja capaz de entender s dads. ROUTER/ROTEADOR e FIREWALL, sã exempls de gateway. Um PROXY pde ser interpretad cm um gateway, já que serve cm intermediadr de uma cnexã. 19

20 O QUE É INTRANET? USAMOS É uma aplicaçã interna de uma empresa que visa frnecer cnteúd, infrmaçã e aplicativs que facilitem trabalh de seus clabradres, muitas vezes em grup u através de wrkplaces(lcais de trabalh). Geralmente uma Intranet é acessada smente pr funcináris e seu acess é restrit de dentr da cmpanhia, nã pdend acessar fra de sua rede interna. O bjetiv é permitir que a Intranet seja utilizada cm ferramenta de cmunicaçã e clabraçã, refletind espírit da empresa em manter a cultura rganizacinal já existente. Uma Intranet é uma rede de cmputadres privada que assenta sbre a suite de prtcls da Internet(TCP/IP). Resumidamente, cnceit de intranet pde ser interpretad cm "uma versã privada da Internet", u uma mini-internet cnfinada a uma rganizaçã. UMA INTRANET PARA... Móduls para cmunidade e clabraçã nline (blgs, fóruns, enquetes); Persnalizar infrmações para clabradres de cada departament; Atualizar cnteúd pr gestres de cada área da empresa; Gestã e disseminaçã d cnheciment unificada (gerenciament de cnteúd); CONTEÚDOS USADOS EM UMA INTRANET... Cnteúd de recurss humans cm nrmas e prcediments; Lista de ramais; Aniversariantes da semana; Infrmações úteis (dicas de restaurantes, farmácias, etc); Cardápi d restaurante; , chat, fóruns, etc; Ferramentas de cmunicaçã; Cmpartilhament de arquivs, dentre utrs. Uma Intranet também pde ser acessada pr parceirs u pr clabradres remtamente e pde ser chamada de Extranet. 20

21 QUE É EXTRANET? USAMOS Uma EXTRANET é uma rede privada, semelhante à uma Intranet, que usa recurs de telecmunicações para permitir acess remt, usand s prtcls da Internet. O bjetiv de uma Extranet é cmpartilhar cm segurança infrmações de negóci de uma empresa entre seus clabradres, parceirs e frnecedres. Uma Extranet também pde ser vista cm uma extensã de uma Intranet. UMA EXTRANET PARA... Trcar grandes vlumes de dads usand Electrnic Data Interchange (EDI); Cmpartilhar catálgs de prduts cm parceirs e representantes; Clabrar cm utras empresas na junçã de esfrçs de desenvlviment; Us cmpartilhad de prgramas de treinament cm utras empresas; Frnecer acess a serviçs para utras cmpanhias; Cmpartilhar ntícias e infrmações interessantes cm parceirs. A INTERNET Mair cnjunt de redes interligadas d Mund. Nã é uma rede e sim, um cnjunt de várias redes ligadas pr rteadres baseada na pilha de prtcls TCP/IP. Nasceu em 1970 cm um prjet de defesa ds EUA. N Brasil, chegu n final da década de 80, incentivada pela RNP Rede Nacinal de Ensin e Pesquisa. Embratel e RNP sã alguns BACKBONEs n Brasil. 21

22 BACKBONE Significa, espinha drsal. Sã áreas de alta velcidade interligand grandes empresas de telecmunicações pel mund. RNP - REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA Criada pel Ministéri da Ciência e Tecnlgia para interligar ambiente acadêmic brasileir, tant em nível nacinal cm internacinal. PROVEDOR DE ACESSO Para cnectar a Internet é necessári se cnectar a uma estrutura de rede que a cmpõe. O PROVEDOR é a empresa que permite esse tip de cnectividade, cnectand-se diretamente a um BACKBONE. 22

23 TIPOS DE CONEXÃO Existem várias frmas de cnectar a Internet usand velcidades diferenciadas. Vejams algumas abaix: DIAL-UP / DISCADA Utiliza um mdem(v.90) e uma linha telefônica para se ligar a um nó de uma rede de cmputadres d ISP(Internet Service Prvider/Frnecedr de Acess a Internet). A partir desse mment, ISP se encarrega de fazer ruting para a Internet. Velcidade da cnexã de n máxim de 56Kbps(7KB/s), muit baixa para s dias de hje. Utiliza prtcls SLIP e PPP da rede de telefnia. O PPP (pnt a pnt) é um prtcl da camada de enlace usada pelas redes de telefnia. Cust variad, pis depende d temp que se mantém cnectad. Discadr, Placa de Fax/Mdem e Mdem ISDN / RDSI Significa, Rede Digital de Serviçs Integrads. Utiliza 3 canais de cmunicaçã diferentes. Dis canais de 64 Kbps cada u 128 Kbps (junts) para transmissã de dads e um canal de 16 Kbps para transferência de sinais de cntrle. Os dis canais sã duas linhas que pdem ser usadas e cnjunt u separada transmitind dads e vz. Esquema ISDN ADSL - BANDA LARGA Significa, ASYMMETRIC DIGITAL SUBSCRIBER LINE Linha de Assinante Assíncrna Digital. Utiliza linha telefônica para transmissã de dads em alta velcidade, separand vz e dads. Um Mdem ADSL é usad para estabelecer a cnexã entre usuári e a central telefônica. Pde ser cnectad a cmputadr usand uma prta USB u RJ-45 da placa de rede. Velcidade de dwnlad(baixar) pdem ir de 256 Kbps(32 KB/ s)a 6 Mbps(0,75 MB/s). Velcidade de uplad(subir) pdem ir de 16 Kbps(2 KB/s) a 640 Kbps(80 KB/s). Para separar vz de dads na linha telefônica é instalad na linha d usuári um pequen aparelh chamad SPLITTER. Caminh da infrmaçã: central telefônica > rteadr > Prvedr > Internet. Os dads vã para um equipament chamad DSLAM (Digital Subscriber Line Access Multiplexer), que limita a velcidade d usuári e uni várias linhas ADSL. O sinal é enviad para uma linha ATM (Asynchrnus Transfer Mde) de alta velcidade que está cnectada à internet. Utiliza prtcl PPPE (Pint-t-Pint ver Ethernet - RFC 2516) que emula uma ligaçã telefônica usand uma rede lcal. RFC (Request fr Cmments). É um dcument que descreve s padrões de cada prtcl da Internet. Cust fix, mesm usand 24x7(24 hras pr 7 dias). 23 Mdem ADSL

24 REDE ELÉTRICA / BPL / PLC BPL - Bradband ver Pwer Lines, u PLC - Pwer Line Cmmunicatins é nada mais que a injeçã de sinais de alta frequência na fiaçã elétrica para transmitir dads e vz em banda larga pela rede de energia elétrica, utiizand uma infra-estrutura já dispnível, nã necessitand de bras em uma edificaçã para ser implantada. Os sinais de Internet sã transmitids pela rede elétrica usand uma frequência diferente, entre 30 e 91,7 MHz, cntra s 50 e 60 Hz da rede elétrica. A cnexã cm cmputadr cncretiza-se pr um mdem ligad diretamente na tmada. Este tip de internet de alta velcidade já vem send pesquisada a ans, e agra está saind da fase de testes e passand para a cmercializaçã. O sistema já existe e fi regulamentad n dia 13 de abril de 2009 pela Anatel-Agência Nacinal de Telecmunicações. Em agst de 2009 a ANEEL-Agência Nacinal de Energia Elétrica aprvu e regulamentu a tecnlgia. VELOCIDADE Ns testes realizads em prédis d bairr de Mema na zna sul de Sã Paul pela AES Telecm, empresa da Eletrpaul, permitiram chegar a 80 mbps pr edifíci. A distribuiçã da banda será de acrd cm a demanda de cada usuári. A velcidade mínima para essa internet é de 20mbps, para cada transfrmadr na rua. Cada transfrmadr terá capacidade para distribuir a internet para 50 casas, u seja, se 50 casas estiverem utilizand a internet em simultâne, a velcidade cai para 50 kbps pr casa, iss se equivale a uma internet discada. PREÇO Os mdems custam cerca de R$3 mil cada um, mas, deverã baratear de acrd cm que a demanda aumenta. Segund dads iniciais, a internet pr rede elétrica custará cerca de 50% mais barat d que as tecnlgias em internet hje em dia. INTERFERÊNCIA Aparelhs cm liquidificadr, micr-ndas, secadr de cabels, etc, pdem causar interferências que geram uma diminuiçã na velcidade da cnexã. DISTRIBUIÇÃO N iníci crrerá a distribuiçã principalmente a edifícis e cndmínis, pel alt cust que é de adquirir e instalar s equipaments necessáris para a distribuiçã. 24

25 LAN REDE LOCAL É uma frma de ligar váris cmputadres, em uma LAN, a uma única cnexã cm a Internet. Pde ser ADSL, Cab u Dial Up. Cnecta-se a LAN a um rteadr e este permanece ligad a prvedr de acess, que frnecerá apenas um endereç IP para a rede tda, send intermediad pel rteadr. NAT (Netwrk Address Translatin - Traduçã de Endereçs de Rede) é um prtcl, lcalizad n Gateway da rede que permite que váris cmputadres, cm endereçs IP válids internamente, pssam acessar a Internet pr mei de um únic endereç IP válid. Rede LAN. TV A CABO Utiliza as redes de transmissã de TV pr cab cnvencinais (chamadas de CATV - Cmmunity Antenna Televisin) para transmitir dads em alta velcidade. As velcidades variam de 256 Kbps(32 KB/s) a 30 Mbps(3,75 MB/s), fazend us da prçã de banda nã utilizada pela TV a cab. Utiliza um mdem especial chamad CABLE MODEM. Pde ser cnectad usand uma placa de rede Ethernet u prta USB. Cable Mdem CONEXÃO 3G É a terceira geraçã de padrões e tecnlgias de telefnia móvel, substituind 2G. Permitem a telefnia pr vz e a transmissã de dads a lngas distâncias, tud em um ambiente móvel. Nrmalmente, sã frnecids serviçs cm taxas de 5 a 10 Megabits pr segund. Celular, Mdem e Cartã 25

26 DOMÍNIO DE INTERNET Sã nmes que respeitam regras hierárquicas de psicinament mundial. Tems cm exempl. Para interpretar dmíni tems que entender s níveis de dmíni. DOMÍNIO GEOGRÁFICO 1º. NÍVEL O.br infrma país nde dmíni fi registrad. N cas, Brasil. Existem utrs representações de dmíni espalhada pel planeta, cm.pt(prtugal),.it(itália),.fr(frança), etc. Quand dmíni nã pssui esta representaçã pdems afirmar que dmíni fi registrad na estrutura ds Estads Unids u pdems dizer que é um dmíni Internacinal. DOMINIO DE TIPO 2º. NÍVEL Identifica a classe a que pertence dmíni. O mais tradicinal é.cm(cmercial). Existe também.gv(gvernamental),.edu(educacinal),.rg(rganizacinal), etc. DOMINIO DE INSTITUIÇÃO 3º. NÍVEL Identifica nme da entidade. N cas, leitejunir. ONDE REGISTRAR UM DOMÍNIO Existe um site, que permite fazer cadastr u cnsulta de dmínis brasileirs. URL UNIFORM RESOURCE LOCATOR É endereç únic de um cnteúd na web. Tems cm exempl O endereç representa PROTOCOLO://DOMÍNIO/PASTA/ARQUIVO. 26

27 PROTOCOLOS Cnjunt de regras cm bjetiv de permitir a cmunicaçã entre cmputadres. Regras que gvernam a transmissã de dads, incluind inicializaçã, verificaçã, cleta de dads, endereçament e crreçã de errs. MODELO DE CAMADA OSI E TCP/IP OSI - Open Systems Intercnnectin - Intercnexã de Sistemas Aberts. ISO - Internatinal Organizatin fr Standardizatin. TCP/IP É um cnjunt de prtcls de cmunicaçã usad na Internet. É frmad pel nme ds dis prtcls mais imprtantes da Internet. O TCP-Transmissin Cntrl Prtcl e IP-Internet Prtcl. Usad para facilitar prcess de padrnizaçã e bter intercnectividade entre máquinas de diferentes sistemas perativs. Esse mdel serve de base para qualquer tip de rede, seja de curta, média u de lnga distância. CAMADAS OSI 7 - APLICAÇÃO PROTOCOLOS TCP/IP HTTP, IRC, SNMP, POP3, IMAP, SMTP, FTP, TELNET 6 - APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 - SESSÃO 4 - TRANSPORTE TCP e UDP 4 TRANSPORTE 3 REDE IPv4, IPv6, rteadr, ICMP, ARP, RARP, RIP, OSPF 3 REDE 2 - LIGAÇÃO DE DADOS Switch, CSMA/CD, CSMA/CA, Ethernet, IEEE , Tken 2 LIGAÇÃO (ENLACE) Ring DADOS (ENLACE) 1 FÍSICA DE HUB, cabs UTP, Caxial, Fibra Óptica, repetidres, ndas de 1 - FÍSICA RF CAMADA 1 - FÍSICA Esta camada está diretamente ligada a equipament de cabeament u utr canal de cmunicaçã e é aquela que se cmunica diretamente cm cntrladr da interface de rede. Define as características elétricas e mecânicas d mei, taxa de transferência ds bits, vltagens, etc... Mve bits através de um mei físic (elétric, lumins u eletrmagnétic). Cnfirmaçã e retransmissã de frames. DISPOSITIVOS DA CAMADA HUB, cab par-trançad, cnectres (RJ-45 e BNC), cab de fibra óptica, cab caxial, repetidres, ndas de rádi frequência, infravermelh. CAMADA 2 - LIGAÇÃO DE DADOS (ENLACE) Prtcls e equipaments pdem manipular dad brut dand a ele algum significad. Pega s dads recebids da camada de Rede e s transfrma em quadrs (frames) que serã trafegads pela rede adicinand infrmações cm endereç da placa de rede de rigem endereç da placa de rede de destin. Camada que detecta e crrige errs que pssam acntecer n nível físic (clisões). Respnsável pela transmissã e recepçã de quadrs e pel cntrle de flux. Estabelece um prtcl de cmunicaçã entre sistemas diretamente cnectads. DISPOSITIVOS DA CAMADA Switch, pntes, prtcls CSMA/CD e CSMA/CA, diversas tecnlgias de redes, cm, Ethernet, IEEE , Tken Ring, ATM, FDDI. 27

28 CAMADA 3 - REDE É respnsável pel endereçament ds quadrs (frames) entre uma rigem e um destin, independentes d ambiente de redes em que eles se encntram. Mvimenta pactes a partir de sua fnte riginal até seu destin através de um u mais enlaces. Nã se precupa cm a rdenaçã ds quadrs (frames) nem cm cntrle d flux. Onde, primeir a sair (rigem) pde ser quint a chegar (destin). Os prtcls dessa camada têm a funçã de encntrar a melhr rta para entrega ds quadrs (frames). Utiliza endereç IP que tem a funçã de lcalizar as máquinas da rigem e destin, mesm que as máquinas estejam em redes diferentes. DISPOSITIVOS DA CAMADA Rteadr, endereç IP, ICMP, ARP, RARP. IP -INTERNET PROTOCOL É mais imprtante da pilha TCP/IP, tend duas funções, rtear mensagens entre uma rigem e destin e endereçar estações. Manipula pequenas unidades de infrmaçã chamadas de pactes u datagramas IP. O datagrama cntém endereç d remetente e d destinatári, temp de vida (TTL-Time T Live), prtcl de transprte, etc. É um prtcl nã rientad a cnexã, pis emissr nã tem a garantia de que datagrama chegará destin. É um endereç numéric, únic, que identifica qualquer equipament u cnexã realizada em uma intercnexã de redes. É frmad pr númers bináris(bits) representads em uma ntaçã decimal. Endereç IP em representaçã decimal: Sã usads númers que pdem variar de 0 a 255. Endereç IP em representaçã binária: A cada blc de 8 bits é clcad um pnt para facilitar a visualizaçã. Internamente esse pnt nã existe. Pde-se dizer que IP é frmad pr 4 bytes u 4 ctets u 32 bits. IP Fix: Cnfigurad diretamente n cmputadr pel usuári u administrad da rede. Nrmalmente, usad em servidres u quand se quer identificar de frma direta um cmputadr. IP Dinâmic: Cnfigurad para ser recebid autmaticamente pr um cmputadr quand este se cnecta a rede. O IP Dinâmic é frnecid pr um servidr que usa prtcl DHCP(Dynamic Hst Cnfiguratin Prtcl). Versã IPv4: Versã usada atualmente, frmada pr 4 bytes (4 ctets u 32 bits). Versã IPv6: Usa endereçs cm 16 bytes(16 ctets u 128 bits). Pde ser representad em hexadecimal. Criad para substituir IPv4, pis, a quantidade de IPv4 que existe está se esgtand. ICMP - INTERNET CONTROL MESSAGE PROTOCOL Utilizad para enviar mensagens de cntrle entre uma rigem e um destin, retrnand valres dessas mensagens. As mensagens ICMP geralmente sã enviadas autmaticamente em uma das seguintes situações: Um pacte IP nã cnsegue chegar a seu destin (temp de vida d pacte expirad). O Gateway nã cnsegue retransmitir s pactes na frequência adequada (Gateway cngestinad. O Rteadr indica uma rta melhr para a máquina a enviar pactes. Digitand cmand PING n prmpt de cmand d Windws, tems. 28

29 ARP ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL Permite assciar um endereç IP a um endereç MAC. É usad smente na rede lcal. A estaçã manda um pacte de bradcast (chamad "ARP Request"), cntend endereç IP d hst destin e ele respnde cm seu endereç MAC. Digitand cmand ARP -a n prmpt de cmand d Windws, tems. RARP - REVERSE ARP Faz prcess invers d ARP, permite assciar um endereç MAC a um endereç IP. Os dispsitivs que usam RARP exigem que haja um servidr RARP presente na rede para respnder às slicitações RARP. O DHCP utiliza RARP. A receber pacte de bradcast enviad pr uma estaçã, servidr DHCP sabe apenas endereç MAC da estaçã e nã seu endereç IP. Ele é capaz de respnder à slicitaçã graças a RARP. Sem ele, nã teríams DHCP. CAMADA 4 - TRANSPORTE Realiza cmunicaçã, cnfiável u nã, entre a rigem e destin, garantind u nã flux ds pactes. Recebe s dads da camada superir e s divide, entregand a camada de rede. TCP - TRANSMISSION CONTROL PROTOCOL Significa, Prtcl de Cntrle de Transmissã. É um ds prtcls sb s quais assenta núcle da Internet ns dias de hje. Verifica se s dads sã enviads de frma crreta, na sequência aprpriada e sem errs. Recebe as mensagens ds prtcls acima dele e divide em pactes identificand a rigem e destin. Orientad à cnexã - a aplicaçã envia um pedid de cnexã para destin e usa a "cnexã" para transferir dads. Cnfiabilidade - usa várias técnicas para prprcinar uma entrega cnfiável ds pactes de dads. Crrigind a falta de um determinad pacte, a entrega fra de rdem e duplicidade. UDP - USER DATAGRAM PROTOCOL Significa, Prtcl de Datagramas de Usuári. A entrega nã é cnfiável, pis, s pactes pdem ser entregues fra de rdem u até perdids. Nã é rientad à cnexã. Feit para transmitir dads puc sensíveis, cm streaming de áudi e víde. CAMADA 5 - SESSÃO Permite que duas aplicações em cmputadres diferentes estabeleçam uma sessã de cmunicaçã. Nesta sessã, essas aplicações definem cm será feita a transmissã de dads e clca marcações ns dads que estã send transmitids. Se pr ventura a rede falhar, s cmputadres reiniciam a transmissã ds dads a partir da última marcaçã recebida pel cmputadr receptr. O LOGON (infrmaçã de usuári e senha) em um sistema é um exempl de iníci de uma sessã. CAMADA 6 - APRESENTAÇÃO Esta camada frmata e encripta s dads para serem transmitids através da rede, evitand prblemas de cmpatibilidade. Às vezes é chamada de camada de Traduçã. CAMADA 7 - APLICAÇÃO PORTAS Faz a interface entre prtcl de cmunicaçã e aplicativ que slicitu. Permite que usuári pssa interagir cm s recurss d sistema. Acess a , navegaçã na Internet, bate pap, transferência de arquivs, etc. DE COMUNICAÇÃO Cada prtcl desta camada utiliza uma prta TCP/UDP para transmissã e recepçã ds dads. A td sã prtas TCP/UDP, mas, usams apenas 1024 prtas TCP/UDP. As prtas TCP mais usadas pdem ser chamadas de "WELL KNOWN PORTS". 29

30 HTTP HYPER TEXT TRANSFER PROTOCOL Significa, Prtcl de Transferência de Hipertext. Utiliza a prta 80 d TCP. Realiza a transferência de páginas na Wrld Wide Web(WWW). Utiliza a linguagem HTML(Hipertext Markup Language), linguagem básica de cnstruçã de página web. Transferind as páginas d servidr para a máquina d usuári utilizand um navegadr(brwser). HTTPS HYPER TEXT TRANSFER PROTOCOL SECURE Significa, Prtcl de Transferência de Hipertext cm Segurança(criptgrafad). Utiliza a prta 443 d TCP. Utiliza recurss de criptgrafia para efetuar a transferência ds dads, utilizad um prtcl de segurança SSL (Secure Sckets Layer). Nã é 100% segur, nã evita a interceptaçã ds dads, mas, dificulta a legibilidade ds dads. SSL - SECURE SOCKETS LAYER Significa, Camada de Ligaçã(cliente/servidr) Segura. É um padrã glbal em tecnlgia de segurança que cria um canal criptgrafad entre um servidr web e um navegadr (brwser) para garantir que tds s dads transmitids sejam sigilss e segurs. TLS - TRANSPORT LAYER SECURITY Significa, Camada de Transprte Segura. É uma versã mais atual que a d SSL. Tem as mesmas características d SSL. 30

31 DHCP - DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL Significa, Prtcl de Cnfiguraçã Dinâmica de Hst. Utiliza a prta 546 (cliente) e 547 (servidr) d TCP/UDP. Oferece cnfiguraçã dinâmica de hst(cmputadres), cm cncessã de endereçs IP e utrs parâmetrs de cnfiguraçã (máscara, gateway, etc) IRC - INTERNET RELAY CHAT Significa, Prtcl de Mensagem Instantânea (bate-pap). Utiliza a prta 6667 d TCP. Utilizad basicamente cm bate-pap (chat) e trca de arquivs, permitind a cnversa em grup u privada, send antecessr ds mensageirs instantânes atuais. N sistema perativ Windws, mais fams é mirc. SNMP - SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL Significa, Prtcl de Gerenciament Simples de. Utiliza a prta 161 d UDP. Facilita intercâmbi de infrmaçã entre s dispsitivs de rede. Pssibilita as administradres de rede gerir desempenh da rede, encntrar e reslver prblemas de rede, e planejar seu cresciment. POP - POST OFFICE PROTOCOL Significa, Prtcl de Pstagem de Dcuments. Utiliza a prta 110 d TCP. O POP3 é a versã mais utilizada. Permite que tdas as mensagens cntidas numa caixa de crrei eletrônic sejam transferidas para um cmputadr lcal, retirand as mensagens d servidr. Existem cnfigurações que permitem deixar uma cópia da mensagem n servidr. IMAP - INTERNET MESSAGE ACCESS PROTOCOL Significa, Prtcl de Acess a Mensagens na Internet. Utiliza a prta 143 d TCP. É um prtcl de gerenciament de crrei eletrônic superir em recurss a POP3. A última versã é IMAP4. As mensagens ficam armazenadas n servidr e internauta pde ter acess a suas pastas e mensagens em qualquer cmputadr, tant pr webmail cm pr cliente de crrei eletrônic. Outra vantagem deste prtcl é cmpartilhament de caixas pstais. SMTP - SIMPLE MAIL TRANSFER PROTOCOL Significa, Prtcl de Transferência Simples de . É respnsável pel envi de através da Internet. Utiliza a prta 25 d TCP. FTP - FILE TRANSFER PROTOCOL Significa, Prtcl de Transferência de Arquivs. Utiliza a prta 20 d TCP para transferência de dads, transparente para usuári. Utiliza a prta 21 d TCP para transferência de infrmações de autenticaçã (lgin, senha, etc). Usad para transferir arquivs entre sistemas. Nrmalmente transferims arquivs grandes. Um exempl de um servidr de transferência é ftp.leitejunir.cm.br. Um sftware de acess FTP é usad para validar acess a servidr. 31

32 TFTP TRIVIAL FILE TRANSFER PROTOCOL É uma versã simplificada d FTP, que utiliza prtas UDP para a transferência ds dads e nã inclui suprte à crreçã de errs. Utiliza a prta 69 d UDP. Ele pde ser usad para transferência de arquivs em geral, send mais usad em sistemas de bt remt, cm, BIOS de placa de rede, permitind que sistema peracinal seja carregad diretamente através da rede, sem precisar de um HD u utra unidade de armazenament. TELNET - TERMINAL EMULATOR Significa, Emuladr de Terminal. Utiliza a prta 23 d TCP. É um prtcl cliente/servidr que permite que um cmputadr pssa ser um terminal d utr. Permitind acess remt a esse cmputadr. Utiliza cmand de text pur, facilitand a captura ds dads transmitids. Este prtcl vem send gradualmente substituíd pel SSH. SSH - SECURE SHELL Significa, Interface Segura. Utiliza a prta 22 d TCP. Pssui as mesmas funcinalidades d TELNET, cm a vantagem da cnexã entre cliente e servidr ser criptgrafada. NTP NETWORK TIME PROTOCOL Significa, Prtcl de Temp de Rede. Utiliza a prta 123 d UDP. Usad para sincrnizar relógi d sistema em relaçã a utras máquinas da rede u da Internet. N Windws XP, pr exempl, a pçã de usar NTP está dispnível n "Painel de Cntrle / Data e hra / Hrári da Internet". NNTP NETWORK NEWS TRANSFER PROTOCOL Significa, Prtcl de Transferência de Ntícias na Rede. Utiliza a prta 119 d TCP. Usad n serviç de News, reunind váris usuáris de grups de ntícias (newsgrup). Pdend ser cnfigurad em clientes de cm Outlk Express. DNS DOMAIN NAME SERVICE Significa, Serviç de Nme de Dmíni. Utiliza a prta 53 d UDP. Usad para traduzir nmes de dmínis (URL - Unifrm Resurce Lcatr) em endereç IP. A digitar endereç é enviad a servidr de DNS que efetua a trca d referid endereç pel respectiv IP. 32

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

PAN(PERSONAL AREA NETWORK) Possui dispositivos ligados para um único usuário.

PAN(PERSONAL AREA NETWORK) Possui dispositivos ligados para um único usuário. REDES DE COMPUTADORES São dois ou mais computadores ligados entre si com a finalidade de compartilhar aplicativos, recurso, dados e periféricos. EXTENSÃO GEOGRÁFICA (COM FIO) PAN(PERSONAL AREA NETWORK)

Leia mais

PAN(PERSONAL AREA NETWORK) Possui dispositivos ligados para um único usuário.

PAN(PERSONAL AREA NETWORK) Possui dispositivos ligados para um único usuário. REDES DE COMPUTADORES São dois ou mais computadores ligados entre si com a finalidade de compartilhar aplicativos, recurso, dados e periféricos. EXTENSÃO GEOGRÁFICA (COM FIO) PAN(PERSONAL AREA NETWORK)

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

UMG 100. User Media Gateway to E1 and VoIP. Transcoding nos 30 canais. Cancelamento de eco. Suporte SNMP. CDR personalizável

UMG 100. User Media Gateway to E1 and VoIP. Transcoding nos 30 canais. Cancelamento de eco. Suporte SNMP. CDR personalizável UMG 100 User Media Gateway t E1 and VIP Transcding ns 30 canais Cancelament de ec Suprte SNMP CDR persnalizável Design Clean e facilidade de instalaçã O UMG 100 é um user gateway da linha de Media Gateways

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Cmputadres Observe a seguir a representaçã de uma rede de cmputadres, bserve que s cmputadres estã interligads, desta frma, pdend cmpartilhar dads e recurss entre eles. Alcance da rede As redes

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento Pabx Alcatel - APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office A Cnintel apresenta para mercad a linha de prduts cnvergentes PABX Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel Mdular, escalável, pders, flexível,

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET INTERNET Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br Surgimento da Internet Projeto militar dos Estados Unidos, em 1969 o departamento de defesa norte americano (DoD), por meio da ARPA (Advanced

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES www.professormarcelomoreira.com.br falecom@professormarcelomoreira.com.br Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

GRUPO DISICPLINAR - Informática

GRUPO DISICPLINAR - Informática Curso: Tecnológico de Informática ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 1ª UNIDADE DE ENSINO-APRENDIZAGEM: Fundamentos de Transmissão CARGA HORÁRIA: 10 UNIDADES LECTIVAS 1º PERÍODO Noções Básicas de Transmissão

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP Camadas do Modelo TCP TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Pilha de Protocolos TCP/IP 1 A estrutura da Internet foi desenvolvida sobre a arquitetura Camadas do Modelo TCP Pilha de Protocolos TCP/IP TCP/IP

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes

Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.3 Visão Geral de Protocolos de Redes 2 Bibliografia

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Redes e Sub-redes Prf.

Leia mais

Glossário de Redes de Computadores

Glossário de Redes de Computadores Glossário de Redes de Computadores 10Base-2 Ethernet - uma implementação da tecnologia Ethernet, com velocidades até 10Mbps e transmissão através de cabo coaxial com comprimento máximo de 185 metros por

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

Cliente / Servidor. Servidor. Cliente. Cliente. Cliente. Cliente

Cliente / Servidor. Servidor. Cliente. Cliente. Cliente. Cliente Internet e Intranet Cliente / Servidor Cliente Servidor Cliente Cliente Cliente Cliente / Servidor SERVIDOR Computador ou equipamento que fornece algum tipo de serviço em redes (Armazenamento e compartilhamento

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Módulo GPRS/GSM Instalação e Manual do Usuário

Guia de Instalação SIAM. Módulo GPRS/GSM Instalação e Manual do Usuário Guia de Instalaçã SIAM Módul GPRS/GSM Instalaçã e Manual d Usuári Dcument Gerad pr: Amir Bavar Criad em: 02/06/2006 Última mdificaçã: 28/09/2008 SIAM Módul GPRS/GSM Intrduçã: O módul GPRS/GSM é uma pçã

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais