Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT"

Transcrição

1 Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT

2 Multi Protocol Label Switching - MPLS Mecanismo eficiente de encapsulamento Pacotes MPLS podem rodar sobre outras tecnologias de camada 2, como ATM, FR, PPP, Ethernet Outras tecnologias de camada 2 podem rodar sobre uma rede MPLS MPLS é uma tecnologia de entrega de serviços IP Concebida inicialmente como uma tecnologia para permitir aos roteadores dos provedores encaminhar pacotes baseados num cabeçalho simplificado, evoluiu para VPN MPLS e Engenharia de Tráfego 2

3 Multi Protocol Label Switching - MPLS Combina o melhor das camadas de rede 2 e 3 Camada 2 (ATM/FR): encaminhamento eficiente e engenharia de tráfego Camada 3 (IP): flexível e escalável Plano de encaminhamento MPLS Usa rótulos (labels) para encaminhar tráfego de camada 2/3 Pacotes rotulados são chaveados em vez de roteados Melhora a eficiência de encaminhamento da camada 2 Plano de controle/sinalização MPLS Usa extensões de protocolos de controle IP existentes combinados com novos protocolos para troca de informação de rótulos Melhora a flexibilidade e escalabilidade do protocolo de controle de camada 3 3

4 Tecnologia MPLS 4

5 Virtual Routing and Forwarding - VRF 5

6 O rótulo (label) MPLS 6

7 Operações do MPLS 7

8 Classe equivalente de encaminhamento Forwarding Equivalent Class FEC Mecanismo para mapear pacotes de camada 2 ou 3 em caminhos de encaminhamento de rótulos (Label Swiched Path LSP) no roteador de borda de entrada (ingress PE) Possíveis FECs Prefixo IP ou endereço IP de hosts Grupo de enderços/sites (VPN x) Usado em L3VPNs Identificador de circuito de camada 2 (ATM, FR, PPP, HDLC, Ethernet) Usado em Pseudo fios (L2VPNs) Uma instância de Ponte/Switch (VSI), usada em virtualização Usado em VPLS (L2VPNs) Interface de Túnel Usado em Engenharia de Tráfego MPLS (TE) 8

9 Protocolo de distribuição de rótulos - LDP Label Distribution Protocol LDP Nós MPLS precisam trocar info sobre os rótulos Nó de entrada PE (operação de inserção) Tem de saber o rótulo a usar para uma determinada FEC a ser enviada ao nó vizinho Nó do núcleo P (operação de troca swap) Necessita saber o rótulo a usar para os pacotes recebidos com rótulos Nó de saída PE (operação de remoção) Precisa informar o vizinho anterior (upstream) que rótulo usar para a FEC específica de acordo com o LDP Além do LDP, outros protocolos são usados para a troca de informação de rótulos (labels) 9

10 Protocolo LDP (Cont.) Atribui, distribui e instala (no encaminhamento) rótulos para prefixos difundidos por protocolos de roteamento unicast OSPF, IS-IS, EIGRP, etc Usa UDP (porta 646) para a descoberta de sessão e TCP (porta 646) para a troca de mensagens LDP Operações LDP Descoberta de nós pares (Peer Discovery) Estabelecimento de Sessão (Session Establishment) Alocação e distribuição de rótulos MPLS e atualização de encaminhamento MPLS Repositórios de informações usados pelo LDP LIB: Label Information Database (leitura/escrita) RIB: Routing Information DataBase/routing table (leitura) 10

11 Funcionamento do LDP Inicialização Rótulos locais atribuídos aos prefixos RIB e armazenados na LIB Descoberta de pares e estabelecimento de sessão Troca de info de associação de rótulos MPLS Programação do encaminhamento MPLS Baseada na info CEF/MFI da LIB CEF: Cisco Express Forwarding MFI: MPLS Forwarding Infrastructure (subsitui a LFIB Label Forwarding Information Base) 11

12 Planos de Controle e Encaminhamento do MPLS Plano de controle Usado para distribuir rótulos e definir os LSPs Tipicamente suportado pelo LDP, mas pode ser também via protocolos RSVP e BGP Rótulos definem o destino e o serviço Plano de encaminhamento Usado para inserção, troca e remoção de rótulos Independente do tipo de plano de controle usado Rótulos separam o encaminhamento do roteamento baseado no endereço IP FIB: Forwarding Information Base MFI: MPLS Forwarding Infrastructure 12

13 Exemplo de encaminhamento de pacote no MPLS 13

14 Exemplo de encaminhamento de pacote no MPLS (Cont.) Passo 1: Convergência do roteamento IP (Internal Gateway Protocolo - IGP) 14

15 Exemplo de encaminhamento de pacote no MPLS (Cont.) Passo 2a: o LDP atribui os rótulos locais 15

16 Exemplo de encaminhamento de pacote no MPLS (Cont.) Passo 2b: o LDP atribui os rótulos remotos 16

17 Exemplo de encaminhamento de pacote no MPLS (Cont.) Passo 3: Encaminhando os pacotes MPLS 17

18 Resumo: passos do encaminhamento MPLS Cada nó mantém informação de roteamento IP via IGP Tabela de roteamento IP (RIB) e tabela de encaminhamento IP (FIB) O LDP aprimora as info do roteamento IGP Após o IGP convergir, ocorre a troca de info sobre o mapeamento de rótulo do LDP entre os nós MPLS LDP depende da convergência do IGP As info de associações de rótulos são armazenas na LIB Assim que o LDP recebe as info de associações de rótulos remotas o encaminhamento MPLS é atualizado As info de associações de rótulos são recebidas dos pares LDP remotos O encaminhamento MPLS ocorre via a MFI 18

19 Resumo: Protocolos MPLS IGP: OSPF, IS-IS, EIGRP nos roteadores P e PE RSVP e/ou LDP nos roteadore P e PE MP-iBGP nos roteadores PE (para serviços MPLS) 19

20 MPLS: Virtual Private Network - VPN Proporciona comunição segura entre um conjunto de sites ou grupos Tipicamente sobre um infraestrutura, pública ou privada, compartilhada Definida por um conjunto de política de administração Políticas por parte dos próprios clientes da VPN Políticas pelos provedores da VPN (gerenciadas ou não gerenciadas) Possibilita conectividade inter-site Possibilita interligação de diferente organizações Pode envolver vários provedores 20

21 MPLS: Virtual Private Network VPN (Cont.) Enlace PE-CE: Conecta redes de clientes à rede do provedor camada 2 ou camada 3 VPN: Conectividade segura dedicada sobre uma infraestrutura compartilhada 21

22 MPLS: VPN de camada 3 Roteador do cliente (CE) possui uma conexão peering com o roteador de borda (PE) na rede MPLS Roteamento/encaminhamento IP no enlace PE-CE A rede VPN do MPLS é responsável por distribuir as info de roteamento para os sites VPN remotos É parte do domínio de roteamento do cliente IP Requer configuração apenas nos nós PE Conectividade no núcleo da rede ocorre via sinalização BGP 22

23 VPN de camada 3: componentes Enlace PE-CE Qualquer tipo de conexão de camada (ex., FR, Ethernet) CE roteia tráfego IP para/de roteador PE adjacente Opções de roteamento: rotas estáticas, ebgp, OSPF, IS-IS Plano de contole da VPN camada 3 O roteamento dos clientes fica separado por tabelas de roteamento VPN virtual As interfaces do cliente são conectadas a tabelas de roteamento virtual no PE Rotas do cliente são trocadas via BGP entre os PEs Plano de encaminhamento da VPN camada 3 Tráfego VPN do cliente é separado por rótulo VPN adicional PE de entrada usa o rótulo VPN para identificar tabela de roteamento VPN 23

24 MPLS: Virtual Routing and Forwarding Virtual Routing and Forwading instance (VRF) Usualmente há uma VRF no PE para cada cliente VPN A VRF é associada com uma ou mais interface do cliente A VRF possui sua própria instância de tabela de roteamento (RIB), bem como de tabela de encaminhamento (CEF) Também possui sua própria instância para o protocolo de roteamento PE-CE configurado 24

25 MPLS: Distribuição de rota VPN Formam-se BGP sessões completamente conectadas (full meshed) entre todos os roteadores PE Multi-Protocol BGP (MP-iBGP) Tipicamente usa-se o BGP Route Reflector (RR) por escalabilidade 25

26 VPN: Processamento do plano de controle Etapas de processamento: 1. CE1 redistribui rota IPv4 p/ PE1 via ebgp 2. PE1 aloca rótulo VPN para os prefixos informados por CE1 a fim de criar rota VPNv4 exclusiva 3. PE1 redistribui rota VPNv4 p/ MPiBGP, se define como o roteador next hop e encaminha as rotas do site da VPN para PE2 4. PE2 recebe a rota VPNv4 e, processando na VRF local (verde), Rotaúnicas para os clientes Route Distinguisher (RD): campo de 8 bytes, parâmetros VRF ; valor de VPN exclusivo atribuído pelo provedor VPNv4 address: prefixo IP RD+VPN Distribuição seletiva de rotas para os clientes Route Target (RT): campo de 8 bytes, parâmetros VRF, valor exclusivo de regras de importação/exportação para rotas VPNv4 redistribui a rota original IPv4 p/ CE2 MP-iBGP: difunde prefixos VPNv4* + 26

27 VPN: Processamento do plano de encaminhamento Etapas de processamento: CE2 encaminha o pacote IPv4 para PE2 PE2 insere rótulo VPN pré-alocado (informado pelo MP-iBGP) no pacote IPv4 proveniente de CE2 PE2 insere rótulo IGP externo (informado pelo LDP) e encaminha o pacote rotulado para o roteador next hop P2 Os roteadores P1 e P2 trocam o rótulo externo IGP and encaminham o pacote rotulado para PE1 PE1 remove o rótulo VPN e encaminha o pacote IPv4 para CE1 27

28 VPN MPLS para separação de tráfego Uma VPN MPLS para cada grupo 28

29 VPN MPLS para simplificar design do site VPNs MPLS proporcionam redução no número de pares de roteamento no site central Sem MPLS Com MPLS 29

30 Exercício 1: VPN camada 3 com MPLS Rede MPLS do Provedor 30

31 Exercício 1: habilitando o OSPF no provedor P1(config)# interface loopback0 P1(config-if)# ip address P1(config-if)# ip ospf 1 area 0 P2(config)# interface loopback0 P2(config-if)# ip address P2(config-if)# ip ospf 1 area 0 PE1(config)# interface f1/0 PE1(config)# ip ospf 1 area 0 PE1(config)# interface loopback0 PE1(config-if)# ip address PE1(config-if)# ip ospf 1 area 0 PE2(config)# interface f0/0 PE2(config)# ip ospf 1 area 0 PE2(config)# interface loopback0 PE2(config-if)# ip address PE2(config-if)# ip ospf 1 area 0 31

32 Exercício 1: habilitando o OSPF nos CEs CE1A(config)# int loopback0 CE1A(config-if)# ip address CE1A(config-if)# no shut CE1A(config-if# router ospf 2 CE1A(config-router)# network area 0 CE1B(config)# int loopback0 CE1B(config-if)# ip address CE1B(config-if)# no shut CE1B(config-if# router ospf 3 CE1B(config-router)# network area 0 CE2A(config)# int loopback0 CE2A(config-if)# ip address CE2A(config-if)# no shut CE2A(config-if# router ospf 2 CE2A(config-router)# network area 0 CE2B(config)# int loopback0 CE2B(config-if)# ip address CE2B(config-if)# no shut CE2B(config-if# router ospf 3 CE2B(config-router)# network area 0 32

33 Exercício 1: habilitando o MPLS nos roteadores P1(config)# interface f0/0 P1(config-if)# mpls ip P1(config-if)# interface f0/1 P1(config-if)# mpls ip P1(config-if)# do show mpls interfaces Interface IP Tunnel Operational FastEthernet0/0 Yes (ldp) No Yes FastEthernet0/1 Yes (ldp) No Yes P2(config)# interface f0/0 P2(config-if)# mpls ip P2(config-if)# interface f0/1 P2(config-if)# mpls ip Para verificar as adjacencias do LDP PE1(config)# interface f1/0 PE1(config-if)# mpls ip PE2(config)# interface f0/0 PE2(config-if)# mpls ip P1# show mpls ldp neighbor 33

34 Exercício 1: criando e atribuindo as VRFs Próximo passo é criar as VRFs para os clientes nos roteadores PE e atribuir as interfaces ligadas ao cliente a esses roteadores PE1(config)# ip vrf Cliente_A PE1(config-vrf)# rd 1500:1 PE1(config-vrf)# route-target both 1500:1 PE1(config-vrf)# ip vrf Cliente_B PE1(config-vrf)# rd 1500:2 PE1(config-vrf)# route-target both 1500:2 PE2(config)# ip vrf Cliente_A PE2(config-vrf)# rd 1500:1 PE2(config-vrf)# route-target both 1500:1 PE2(config-vrf)# ip vrf Cliente_B PE2(config-vrf)# rd 1500:2 PE2(config-vrf)# route-target both 1500:2 Para cada VRF deve ser atibuído um Route Distinguisher (RD) para identificar prefixos como sendo exclusivamente daquela VRF Também dever atribuir a cada VRF uma ou mais Route Target (RT) para se especificar como as rotas devem ser importadas/exportadas da VRF RT: <ASN>:<número do cliente 34

35 Exercício 1: criando e atribuindo as VRFs (Cont.) Deve-se atribuir as interfaces adequadas a cada VRF e aplicar novamente o seus correspondentes endereço IP PE1(config)# interface f0/0 PE1(config-if)# ip vrf forwarding Cliente_A PE1(config-if)# ip address PE1(config-if)# interface f0/1 PE1(config-if)# ip vrf forwarding Cliente_B PE1(config-if)# ip address PE1(config-if)# ^Z PE1# show ip vrf interfaces Interface IP-Address VRF Protocol Fa0/ Cliente_A up Fa0/ Cliente_B up 35

36 Exercício 1: criando e atribuindo as VRFs (Cont.) Deve-se atribuir as interfaces adequadas a cada VRF e aplicar novamente o seus correspondentes endereço IP PE2(config)# interface f0/0 PE2(config-if)# ip vrf forwarding Cliente_A PE2(config-if)# ip address PE2(config-if)# interface f1/0 PE2(config-if)# ip vrf forwarding Cliente_B PE2(config-if)# ip address PE2(config-if)# ^Z PE2# show ip vrf interfaces Interface IP-Address VRF Protocol Fa0/ Cliente_A up Fa1/ Cliente_B up 36

37 Exercício 1: configurando o MP-BGP nos roteadores PE O protocolo Multiprotocol BGP (MP-BGP) deve ser configurado para difusão das rotas VRF entre os PEs PE1(config)# router bgp 1500 PE1(config-router)# neighbor remote-as 1500 PE1(config-router)# neighbor update-source loopback 0 PE1(config-router)# address-family vpnv4 PE1(config-router-af)# neighbor activate PE2(config)# router bgp 1500 PE2(config-router)# neighbor remote-as 1500 PE2(config-router)# neighbor update-source loopback 0 PE2(config-router)# address-family vpnv4 PE2(config-router-af)# neighbor activate Para verificar as configurações PE1# show running-config section router bgp PE1# show bgp vpnv4 unicast all summary 37

38 Exercício 1: configurando o OSPF entre PE-CE Um IGP entre cada roteador PE e seu roteador CE correspondente (em vez do OSPF poderia ser o RIP ou EIGRP) esses processos do OSPF estão isolados da topologia OSPF do provedor 38

39 Exercício 1: configurando o OSPF entre PE-CE (Cont.) Três processos OSPF rodam nos roteadores PE Provedor: pocesso OSPF 1 Cliente_A: processo OSPF 2 Cliente_B: processo OSPF 3 O processos OSPF do provedor ficam na tabela de roteamento global, e os dois processos dos CE são atribuídos cada 39

40 Exercício 1: configurando o OSPF entre PE-CE (Cont.) PE1(config)# router ospf 2 vrf Cliente_A PE1(config-router)# router-id PE1(config-router)# interface f0/0 PE1(config-if)# ip ospf 2 area 0 PE1(config-if)# router ospf 3 vrf Cliente_B PE1(config-router)# router-id PE1(config-router)# interface f0/1 PE1(config-if)# ip ospf 3 area 0 PE2(config)# router ospf 2 vrf Cliente_A PE2(config-router)# router-id PE2(config-router)# interface f0/0 PE2(config-if)# ip ospf 2 area 0 PE2(config-if)# router ospf 3 vrf Cliente_B PE2(config-router)# router-id PE2(config-router)# interface f1/0 PE2(config-if)# ip ospf 3 area 0 Para verificar as configurações PE1# show ip route vrf Cliente_A PE1# show ip route vrf Cliente_B 40

41 Exercício 1: configurando a redistribuição de rotas Redistribuição das rotas CE em cada VRF no MP-BGP PE1(config)# router bgp 1500 PE1(config-router)# address-family ipv4 vrf Cliente_A PE1(config-router-af)# redistribute ospf 2 PE1(config-router-af)# address-family ipv4 vrf Cliente_B PE1(config-router-af)# redistribute ospf 3 PE2(config)# router bgp 1500 PE2(config-router)# address-family ipv4 vrf Cliente_A PE2(config-router-af)# redistribute ospf 2 PE2(config-router-af)# address-family ipv4 vrf Cliente_B PE2(config-router-af)# redistribute ospf 3 Verificar as configurações PE1# show ip bgp vpnv4 vrf Cliente_A PE1# show ip bgp vpnv4 vrf Cliente_B 41

42 Exercício 1: configurando a redistribuição de rotas (Cont.) Redistribuição das rotas BGP no processo OSPF de cada cliente PE1(config)# router ospf 2 PE1(config-router)# redistribute bgp 1500 subnets PE1(config-router)# router ospf 3 PE1(config-router)# redistribute bgp 1500 subnets PE2(config)# router ospf 2 PE2(config-router)# redistribute bgp 1500 subnets PE2(config-router)# router ospf 3 PE2(config-router)# redistribute bgp 1500 subnets Verificar as configurações com os testes: CE1A# show ip route CE2A# show ip route CE1A# ping CE1A# traceroute

43 MPLS: Engenharia de Tráfego (TE) 43

44 MPLS: Engenharia de Tráfego (TE) MPLS usa túneis entre sites para carregar tráfego com QoS distinto A TE (Traffic Engineering) é um processo de manipulação de tráfego da rede a fim de proporcionar melhor uso da capacidade da rede utiliza capacidade que seria de outra forma desperdiçada 44

45 MPLS: Engenharia de Tráfego (TE) (Cont.) Redes IP convencionais usam a métrica do menor caminho na busca por rota Agregação de tráfego nas rotas mais curtas pode sobrecarregá-las e deixar as rotas alternativas subutilizadas Desperdício de banda passante TE proporciona redução de custo por otimização de uso de banda passante 45

46 Roteamento pelo menor caminho 46

47 Roteamento por Engenharia de Tráfego do MPLS 47

48 MPLS: Engenharia de Tráfego Problema para a Engenharia de Tráfego 48

49 MPLS: Engenharia de Tráfego (Cont.) Motivações: Dificuldade em se conseguir rede simétricas Demandas inesperadas 49

50 MPLS: Engenharia de Tráfego (Cont.) Alteração de métrica do enlace move o congestionamento : 50

51 MPLS: Engenharia de Tráfego (Cont.) Métricas iguais invocam o algoritmo Equal Cost MultiPah (ECMP) para o balanceamento de carga 51

52 MPLS: Engenharia de Tráfego (Cont.) Além do problema de engenharia de tráfego, o MPLS TE pode Controle de admissão (Admission Control) Direcionamento de tráfego (Route Pinning) Recuperação rápida de rota (fast reroute/traffic Protection) 52

53 MPLS-TE: estabelecimento de caminhos Exemplo de criação de túnel MPLS TE 53

54 MPLS-TE: estabelecimento de caminhos (Cont.) Exemplo de criação de túnel MPLS TE Divulgação de labels (label advertisement) Substituição de labels (label switching) 54

55 MPLS: Proteção de Tráfego (Fast ReRoute) Garantir Alta Disponibilidade torna-se a cada mais importante para um provedor Falhas na rede são comuns IGPs não conseguem rapidez desejada Portanto: o tráfego em redes MPLS deve ser protegido contra falhas na rede Falhas de: Nós ou Links (enlaces) Recuperação rápida (Fast Restoration) pode ser baseada no RSVP-TE e dividida em: Path Protection (proteção fim-a-fim) Local Protection Link protection Node protection 55

56 MPLS: Proteção de Tráfego (FRR) Path protection: usa túnel backup Link protection Node protection 56

57 Exercício MPLS Engenharia de Tráfego FAST REROUTE FAST LINK RECOVERY FAST NODE RECOVERY Túnel 1 Backup apenas de tunnel

58 Configuração do MPLS-TE e OSPF nos Roteadores MPLS com Engenharia de Tráfego R1(config)# mpls label protocol ldp R1(config)# mpls ip R1(config)# mpls traffic-eng tunnel R1(config-if)# no shut R1(config-if)# router ospf 1 R1(config-router)# network area 0 OSPF com Engenharia de Tráfego R1(config)# int loopback 0 R1(config-if)# ip address R1(config-if)# ip ospf 1 area 0 R1(config-if)# no shut R1(config-if)# router ospf 1 R1(config-router)# network area 0 R1(config-router)# traffic-eng area 0 R1(config-router)# traffic-eng router-id loopback 0 Demais roteadores são análogos. Só muda o endereço da interface Loopback 58

59 Configuração dos tuneis fim-a-fim Túnel 1000 R1(config)# int tunnel 1000 R1(config-if)# ip unnumbered loopback 0 R1(config-if)# tunnel mode mpls traffic-eng R1(config-if)# tunnel destination R1(config-if)# tunnel mpls traffic-eng bandwidth sub-pool 10 R1(config-if)# tunnel mpls traffic-eng path-option 1 explicit name LSP_PRICIPAL R1(config-if)# tunnel mpls traffic-eng autoroute announce R1(config-if)# exit Túnel 2000 R1(config)# int tunnel 2000 R1(config-if)# ip unnumbered loopback 0 R1(config-if)# tunnel mode mpls traffic-eng R1(config-if)# tunnel destination R1(config-if)# tunnel mpls traffic-eng bandwidth 5 R1(config-if)# tunnel mpls traffic-eng path-option 1 explicit name LSP_PRINCIPAL R1(config-if)# tunnel mpls traffic-eng autoroute announce R1(config-if)# exit 59

60 Configuração do caminho explícito e do fast-reroute Caminho explícito R1(config)# ip explicit-path name LSP_PRINCIPAL R1(config-if)# tunnel destination R1(config-if)# tunnel destination R1(config-if)# tunnel destination R1(config-if)# tunnel destination Verifique: sh mpls traffic-eng tunnels summary Fast ReRoute para os dois túneis R1(config)#int tunnel 1000 R1(config-if)# tunnel mpls traffic-eng fast-reroute R1(config)#int tunnel 2000 R1(config-if)# tunnel mpls traffic-eng fast-reroute bw-protect R1(config-if)# exit 60

61 Configuração do protocolo RSVP p/ sinalizar falhas Algumas arquiteturas de rede, como a Ethernet, não possuem mecanismo de detecção de falha nó-a-nó rápido o suficiente para o exigido na detecção de falhas de enlaces (links) As mensagens RSVP Hello possibilitam essa detecção de falhas e portanto podem ser usadas em FRR para notificações de falhas de link R2(config)# ip rsvp signalling hello R2(config# int f1/0 R2(config-if)# ip rsvp signalling hello R3(config)# ip rsvp signalling hello R3(config# int f0/0 R3(config-if)# ip rsvp signalling hello NOTA As mesagens Hello devem ser configuradas globalmente no roteador na interface específica para o FRR 61

62 Configuração de R2 p/ proteção de link entre R2 e R3 Primeiro túnel de backup (túnel 1) protege o link R2-R3 R2(config)# int tunnel 1 R2(config-if)# ip unnumbered loopback 0 R2(config-if)# tunnel mode mpls traffic-eng R2(config-if)# tunnel destination R2(config-if)# tunnel mpls traffic-eng path-option 1 explicit name EVITE_LINK R2(config-if)# tunnel mpls traffic-eng autoroute announce R2(config-if)# exit R2(config)# ip explicit-path name EVITE_LINK R2(config)# exclude-address R2(config-if)# exit Configurando túnel 1 como túnel de backup da interface protegida R2(config)# int f1/0 R2(config-if)# mpls traffic-eng backup-path tunnel 1 R2(config-if)# exit 62

63 Configuração de R2 p/ proteção do nó R3 Segundo túnel de backup (túnel 2) protege falha no nó R3 R2(config)# int tunnel 2 R2(config-if)# ip unnumbered loopback 0 R2(config-if)# tunnel mode mpls traffic-eng R2(config-if)# tunnel destination R2(config-if)# tunnel mpls traffic-eng path-option 1 explicit name EVITE_NO R2(config-if)# tunnel mpls traffic-eng autoroute announce R2(config-if)# exit R2(config)# ip explicit-path name EVITE_NO R2(config)# exclude-address R2(config-if)# exit Configurando túnel 2 como túnel de backup da interface protegida R2(config)# int f1/0 R2(config-if)# mpls traffic-eng backup-path tunnel 2 R2(config-if)# exit Verificações R2# sh ip int br R2# sh ip rsvp sender R2# sh ip rsvp sender detail R2# sh mpls traffic-eng tunnels br R2# sh mpls traffic-eng fast-reroute database R2# sh mpls traffic-eng tunnels backup R2# sh ip rsvp reservation 63

64 Configuração de R2 (opcional) QoS Túnel 1 é backup apenas de LSPs que usam reserva de banda do tipo pool global (neste caso o túnel 2000) Túnel 2 é backup apenas de LSPs que usam reserva de banda do tipo sub-pool (neste caso o túnel 1000) R2(config)# int tunnel 1 R2(config-if)# tunnel mpls traffic-eng backup-bw global-pool unlimited R2(config-if)# exit R2(config)# int tunnel 2 R2(config-if)# tunnel mpls traffic-eng backup-bw sub-pool 1000 R2(config-if)# exit Verificações após as falhas no link R2-R3 e nó 3 R2# sh mpls forwarding-table R2# sh mpls forwarding-table detail R2# sh ip rsvp sender detail R2# sh mpls traffic-eng fast-reroute database R2# sh ip rsvp reservation NÓ 3 R2# sh mpls traffic-eng fast-reroute database detail 64

65 Verificações Avaliação da atuação do fast reroute R2# sh ip interface brief R2# sh ip rsvp sender R2# sh ip rsvp sender detail R2# sh mpls traffic-eng fast-reroute database R2# sh mpls traffic-eng fast-reroute database detail R2# sh mpls traffic-eng tunnels brief Depois da falha no link R2-R3 R2# sh mpls traffic-eng fast-reroute database Nota-se aqui que não há indicação de falha, pois os dois túneis principais têm backup para essa situação. O mesmo resultado para R1 Depois da falha no R3 R1# sh ip int brief R2# sh ip int brief Mostraram o tunel 1 em R2 estará inativo e o mesmo para o tunel R 2000 em R1 65

66 Leitura Complementar 6a00800a6c11.shtml _docbase_0900e4b180753c36_4container_external_docbase_0900e4b c.html Documents/Technical_Documents/Swit ches/h3c_s9500e_series_switches/configuration/operation_manual/h3c_s9500e_c G-Release1825P01-6W180/09/201302/774601_1285_0.htm 66

67 Bibliografia Básica 1. Redes de Computadores e a Internet: Uma Abordagem Top- Down, 5ª edição, J. F. Kurose e K. W. Ross, Addison Wesley, MPLS Fundamentals, Luc De Ghein. Cisco Press, MPLS and VPN Architectures, Pepelnjak and Guichard, Edition 1, Cisco Press, Layer 2 VPN Architectures, Dmitry Bokotey, Edition 1, Cisco Press, Traffic Engineering with MPLS, Osborne and Simha, Edition 1, Cisco Press,

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Acesso à Internet a partir de uma VPN MPLS usando uma tabela de roteamento global

Acesso à Internet a partir de uma VPN MPLS usando uma tabela de roteamento global Acesso à Internet a partir de uma VPN MPLS usando uma tabela de roteamento global Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Material de Suporte Convenções Configurar Diagrama de

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Roberto J. L. Mendonça 1, Alessandra B. S. Almeida 2 1 Superintendência de Operações Serviço Federal de Processamento de

Leia mais

Failover com EIGRP usando o exemplo da configuração de VRF

Failover com EIGRP usando o exemplo da configuração de VRF Failover com EIGRP usando o exemplo da configuração de VRF Índice Introdução Pré-requisitos Versões de hardware e software onvenções onfigurar iagrama de Rede onfigurações Verificar comandos show Informações

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

Estudo e Implementação de MPLS/BGP IPv6 VPNs em GNU/Linux

Estudo e Implementação de MPLS/BGP IPv6 VPNs em GNU/Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RENATO WESTPHAL Estudo e Implementação de MPLS/BGP IPv6 VPNs em GNU/Linux Trabalho de Graduação. Prof.

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs Apostila 05 Multiprotocol t l Label Switching (MPLS) MPLS - Definição O MPLS ou Multiprotocol Label Switching É uma arquitetura t de rede, que tem como principal i característica a utilização de labels

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Formação para Sistemas Autônomos. Boas Práticas BGP. Formação para Sistemas Autônomos

Formação para Sistemas Autônomos. Boas Práticas BGP. Formação para Sistemas Autônomos Boas Práticas BGP Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9.1 INTRODUÇÃO Representa a convergência de duas técnicas usadas em redes de dados: datagrama e circuito virtual. IP: o envio de datagramas é feito através de caminhos

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer Protocolo de roteamento EIGRP Cronograma Introdução Formato das mensagens Módulos independentes de protocolos Tipos de pacote Protocolo Hello Atualizações associadas Algoritmo DUAL Distância administrativa

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão OESTE G0/1 172.16.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 (DCE) 10.1.1.1 255.255.255.252 N/A Tunnel0 172.16.12.1

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO Instrutor: Rinaldo Vaz Analista de Redes Responsável técnico pelo AS 28135 Versão do material: 1.0 1.1 INTRODUÇÃO autor: Rinaldo Vaz rinaldopvaz@gmail.com

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso

Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso Filipe M. S. Serpa Brandão 1, Sergio C. Oliveira 2 1 FITec Fundações para Inovações Tecnológicas Universidade de Pernambuco (UPE) Recife, Brasil 2 Universidade

Leia mais

Tecnologia MPLS/VPN. Introdução

Tecnologia MPLS/VPN. Introdução Tecnologia MPLS/VPN Pedro Henrique Braga e Silva Curso de Pós-graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, 1 de março de 2010. Introdução O objetivo deste

Leia mais

REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução ao BGP Sistema Autonômo Fundamentos do BGP Sessão BGP Cabeçalho BGP Mensagem BGP Tabelas BGP Estados do BGP Border Gateway Protocol (BGP)

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

Mutiprotocol Label Switching (MPLS)

Mutiprotocol Label Switching (MPLS) Mutiprotocol Label Switching (MPLS) Paradigima de Roteamento Tradicional Sabemos que a arquitetura tradicional de roteamento utiliza como base o IP de destino de um pacote para tomar a descisão de roteamento

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

RTBH Remote Triggered Black Role

RTBH Remote Triggered Black Role RTBH Remote Triggered Black Role Hugo de Sousa Ricardo, Samuel Tabanes Menon Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2010 Resumo Apresentamos aqui

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Metro-LANs Ligação ao Backbone

Metro-LANs Ligação ao Backbone Metro-LANs Ligação ao Backbone Conhecimentos assumidos na apresentação Tecnologias LAN / VLAN / L2 Switching MPLS / RSVP Protocolos IGP BGP / LDP Conceitos Rede de operador (Service Provider Network) VPNs

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Roteamento Estático (2)

Roteamento Estático (2) Roteamento Estático (2) Rotas Alternativas Alternative Routes Rotas Alternativas (cont.) Suponha que: Um novo novo link seja adicionado entre Pooh e Eeyore; Por uma decisão administrativa, todos os pacotes

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 3 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada de Rede Forma de ligação Endereçamento de máquinas Controle de rotas Controle de tráfego Forma de ligação Circuito Virtual

Leia mais

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6

IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Leonardo Jalkauskas IPv6 - Introdução Internet Protocol versão 6 Agosto 2010 Redes de Computadores e Telecomunicações 2 IPv6 Internet Protocol versão 6 Características e Limitações do IPv4 Objetivos e

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 OSPF Open Shortest Path First - OSPF Protocolo aberto e padronizado pelo IETF (RFC 2328), o que permite que diversas plataformas

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito 1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Análise dos Aspectos de Segurança das VPNs MPLS

Análise dos Aspectos de Segurança das VPNs MPLS Análise dos Aspectos de Segurança das VPNs MPLS Marcos A. de Siqueira 1,2, Marcel C. de Castro 1,2, Emílio T. Nakamura 1 1 CPqD Telecom & IT Solutions, Centro de P&D em Telecomunicações Rod. Campinas Mogi-Mirim

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Border Gateway Protocol - BGP Professor: Jefferson Silva Roteiro Características Terminologia utilizada PTT, PIX, ASN Configurações Práticas Referências Característcas É um

Leia mais

Roteamento Unicast e Multicast. Profa. Priscila Solís Barreto

Roteamento Unicast e Multicast. Profa. Priscila Solís Barreto Roteamento Unicast e Multicast Profa. Priscila Solís Barreto Entrega A camada de rede supervisiona a manipulação dos pacotes nas redes física subjacente. Essa manipulação é definida como a entrega de um

Leia mais

IPv6 - Características do IP Next Generation

IPv6 - Características do IP Next Generation IPv6 - Características do IP Next Generation 1 - Introdução As três das principais motivações que conduziram à necessidade de superar as limitações de crescimento da versão atual do protocolo IP (Internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais