MAPEAMENTO DA POBREZA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UM ESTUDO ATRAVÉS DE ANÁLISE MULTIVARIADA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO DA POBREZA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UM ESTUDO ATRAVÉS DE ANÁLISE MULTIVARIADA"

Transcrição

1 MAPEAMENTO DA POBREZA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: UM ESTUDO ATRAVÉS DE ANÁLISE MULTIVARIADA Vanessa Crstna dos Santos José de Jesus Sousa Lemos RESUMO Neste artgo estmou-se um índce de pobreza (IP) para cada um dos 91 muncípos do Estado do Ro de Janero, com dados do censo demográfco de 2000 do IBGE. Para estmar o IP utlzou-se a equação desenvolvda por Anand e Sen (1997) e modfcada por Lemos (1999). As varáves envolvdas foram prvações de: água encanada, saneamento, coleta de lxo, educação e renda, tendo w como os pesos. Esses pesos sofreram modfcações, conforme Lemos (1999), e foram gerados por métodos de análse multvarada. Assm, obteve-se um índce de pobreza parcal (IPP) pelo método de análse fatoral. Os resultados obtdos ndcaram um IP médo de 17,52% no Estado do Ro de Janero e a cdade de Nteró apresentou o menor índce de pobreza. As cdades com os maores índces de pobreza se encontram, prncpalmente, nas regões norte e noroeste do estado. Palavras chave: Prvações; Índce de Pobreza; Estado do Ro de Janero. ABSTRACT In ths paper was estmated an ndex of poverty (IP) for each one of 91 countes of the State of Ro de Janero wth data from IBGE demographc census of In order to estmate the IP t was used an equaton developed by Anand and Sen (1997) and mproved by Lemos (1999). The evolved varables were deprvatons of: canalzed water, santaton, garbage collecton, educaton and ncome, havng w as weght. These weghts suffered modfcatons, accordng to Lemos (1999), and were generated by multvarate methods of analyss. Therefore, we got an ndex of partal poverty (IPP) through the method of factor analyss. The results showed an average IP of 17,52% n Ro de Janero State and the cty of Nteró presented the shortest ndex of poverty. The ctes wth the hghest ndexes of poverty are found manly, n the regons north and northwest of the state. Key words: Deprvatons; Poverty Index; Ro de Janero State. Mestranda da Unversdade Estadual de Marngá PME/UEM e Professora do Departamento de Economa da Unversdade Católca de Petrópols - UCP. E-mal: Professor da Unversdade Federal do Ceará. Professor Convdado do Curso de Mestrado em Agroecologa da Unversdade Estadual do Maranhão; Ex-Professor Vstante da Unversdade da Calfórna, USA. E-mal: e

2 1 1. INTRODUÇÃO O Brasl é um país em desenvolvmento e que apresenta graves problemas estruturas; o país se caracterza pelos seus contrastes, como a exstênca de rqueza de recursos de um lado e, do outro, a pobreza do povo. Nas duas últmas décadas, o Brasl apresentou aumentos expressvos de desgualdade da dstrbução de renda e elevação da pobreza, prncpalmente pelo aumento populaconal. A década de 1990 veo nctar de forma prepotente o neolberalsmo e com a mplementação do Plano Real o país vveu uma crse generalzada de escassez de emprego, além de outros problemas conjunturas. Com o Governo do Presdente Lula, esses problemas anda fazem parte do cotdano da socedade braslera. No entanto, dspardades regonas são observadas no país e a necessdade de estudos mas regonalzados se tornam fundamentas para adoções de estratégas que vsem a redução da pobreza. Por esta ótca, a presente pesqusa desenvolverá um estudo para o Estado do Ro de Janero, onde o aumento da pobreza é evdente, tendo como malefícos a volênca generalzada e a exclusão socal. Ao longo de sua exstênca o Estado do Ro de Janero vvencou um ggantesco crescmento populaconal, prncpalmente, pela mportânca que o estado sempre evdencou na economa do país. Este processo de mgração ocorreu porque as pessoas procuravam melhores oportundades de vda. Como conseqüênca, o estado hoje apresenta um dos maores índces do país em densdade demográfca. A crse gerada com esse aumento demográfco sem controle fo (e é) desastroso na estrutura socal, acarretando desequlíbros do estado e destrução ambental generalzada. Com a expansão demográfca e a urbanzação acentuada crescem problemas como a pobreza, conforme salenta Lemos (1999): O constante e crescente empobrecmento do Brasl corre paralelamente ao processo de urbanzação da sua população. [...]. Este padrão elevado de urbanzação da população braslera ocorre como decorrênca de um processo mgratóro corrosvo [...]. O presente trabalho pretende responder a segunte questão: qual é a stuação dos muncípos flumnenses em relação ao nível de pobreza? Para consegur esta resposta utlzaremos um índce de pobreza (IP) para cada um dos muncípos do estado, utlzando a metodologa desenvolvda por Anand e Sen (1997) e modfcada por Lemos (1999). 2. OS PRINCIPAIS DETERMINANTES DA POBREZA O conceto de pobreza não segue uma defnção específca e unversal, podendo se referr à pobreza absoluta, relatva ou anda subjetva (SALAMA, 2001). Tanto o nível de pobreza absoluta quanto o nível de pobreza relatva podem ser combatdos através de polítcas de crescmento econômco específcas para cada país, desde que haja não somente polítcas redstrbutvas de renda, mas também programas especas de combate à pobreza. Podemos dzer que toda população necessta de um padrão mínmo para alcançar sua subsstênca. Entretanto, quando os rendmentos dos ndvíduos se tornam nsufcentes para esse padrão mínmo de vda condzente com as referêncas socalmente estabelecdas para cada país, dzemos que este ndvíduo se stua abaxo da lnha de pobreza.

3 2 Segundo Rocha (1997): Uma vez reconhecda a mportânca da renda como prncpal determnante do nível de bem-estar da população, o parâmetro denomnado lnha de pobreza (Lps) passa a desempenhar papel central na determnação da ncdênca da pobreza no que ela depende da capacdade de consumo prvado. O parâmetro serve anda como crvo de referênca para a caracterzação dos pobres em relação a outros aspectos da qualdade de vda não dretamente do nível de bem-estar, como as condções de acesso a servços públcos báscos. A partr desta lnha de racocíno percebemos a necessdade de aferr a pobreza em uma perspectva de prvações, pos desta forma a renda não será a únca ndcadora da exstênca da pobreza. O Brasl tem uma perversa estrutura de dstrbução de renda, apresentando elevadíssmos índces de desgualdades (coefcente de Gn e índce de Thel) de acordo com Barros et al. (2000) e a desgualdade de renda é consderada como um dos prncpas determnantes da pobreza. A orgem das desgualdades no Brasl tem raízes antgas segundo Salama (2001). Observa-se que, város são os fatores que contrbuíram para o quadro atual, dentre esses podem ser destacados: a colonzação dos ndígenas, a escravdão e as formas de mgração (voluntáras e nvoluntáras) e mas recentemente evdencam-se: a segunda fase da substtução de mportações, a longa crse nflaconára dos anos 80, a abertura da economa e a lberalzação dos mercados. Na esfera ambental, temos o problema dos esgotos e lxos que contamnam os solos e as águas. A polução ambental é resultado de dos fatores que estão assocados às condções de renda, de acordo com Baer (1998), que são: para as classes de renda alta, temos o padrão de consumo excessvo que resulta em grandes quantdades de lxo e também do uso de automóves altamente poluentes; e para as classes de baxa renda, deparamos com os problemas de habtações nadequadas, baxa nfra-estrutura (servços de água, esgoto e coleta de lxo precáros) provocando doenças endêmcas. A combnação da concentração de pessoas com uma nfra-estrutura nadequada provoca péssmas condções de vda para a população. A concentração de renda é outro entrave para o desenvolvmento econômco do país e tem sdo objeto de estudo de város autores. Destacando o estudo desenvolvdo por Rocha (1997), onde a autora ressalta que a concentração de renda é determnada por fatores conjunturas e por polítcas macroeconômcas. Os níves escolares são fundamentas para se vencer a pobreza emnente e no cálculo do IP (Índce de Pobreza) a varável educação é essencal para a modelagem de um índce desta natureza. A tabela 1 apresenta os níves e taxas de escolardade nas regões brasleras.

4 3 Tabela 1 Níves e Taxas de Escolardade (%) por Regão ( ) Período Regões Escolardade Centro- Anos Norte Nordeste Sudeste* Sul Oeste Total Menos de 1 ano de ,85 30,12 11,04 10,22 15,03 16,66 estudo 1 a 3 anos de estudo , ,69 15,16 15,65 15,88 4 a 7 anos de estudo ,13 25,87 34,8 39,01 33,83 32,83 8 e mas anos de estudo ,12 24,01 40,47 35,61 35,48 34,62 Total Menos de 1 ano de ,17 29,11 10,56 9,59 13,81 15,97 estudo 1 a 3 anos de estudo ,32 20,62 13,91 14,68 15,19 16,07 4 a 7 anos de estudo ,88 26,33 34,14 39,4 34,47 32,74 8 e mas anos de estudo ,62 23,93 41,38 36,33 36,52 35,22 Total Menos de 1 ano de ,78 27,6 9,91 9,28 12,71 15,1 estudo 1 a 3 anos de estudo ,05 20,31 13,31 14,14 14,71 15,57 4 a 7 anos de estudo ,3 26,39 32,98 37,98 34,56 31,99 8 e mas anos de estudo ,87 25,71 43,81 38,6 38,01 37,34 Total Menos de 1 ano de ,9 26,79 9,49 8,95 12,56 14,6 estudo 1 a 3 anos de estudo ,14 19,62 12,85 13,05 14,73 14,97 4 a 7 anos de estudo ,98 27,01 32, ,2 31,69 8 e mas anos de estudo ,97 26,58 45,01 40,99 39,51 38,74 Total Fonte: IBGE/Pesqusa Naconal por Amostra de Domcílos PNAD (2003). *Grfo nosso. Os dados da tabela 1 evdencam que a regão Nordeste apresentou a menor taxa de alfabetzação para os níves de escolardade mas altos. Por outro lado, as regões Sul e Sudeste apontaram para uma taxa de alfabetzação superor as demas regões no que dz respeto aos níves mas altos de escolardade. O problema da pobreza no Brasl deve-se muto ao baxo índce de escolardade. De acordo com o estudo do IPEA (2003), se toda a população braslera estudasse pelo menos 5 anos; a mséra se reduzra em até 6%. Se o período se estendesse para 10 anos; a mséra dmnura em 13%. Ressaltando-se, assm, a mportânca da educação para explcar o nível de pobreza. Logo, esta varável é fundamental para a mensuração de um ndcador desta natureza. Após esta análse de dados do Brasl, cuja essênca se encontra em dversos trabalhos desenvolvdos (naconas e nternaconas), pondera-se a questão de desgualdades em todas as regões. Sabendo-se dsto, este trabalho centrou-se, nexoravelmente, no Estado do Ro de Janero. Uma mensuração da pobreza será estabelecda a partr de um índce, que leva em consderação as varáves consderadas essencas ao se trabalhar com este tpo de ndcador, que são: prvação de água encanada, prvação de saneamento, prvação de coleta de lxo, prvação de educação e prvação de renda.

5 4 3. O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Consoante ao censo de 2000 do IBGE (2003) a população flumnense é formada por habtantes e o estado é composto por 91 muncípos. O mapa 1 apresenta as dvsões do estado flumnense em relação às mesorregões, mcrorregões e muncípos. MAPA 1 Ro de Janero Mesorregões, Mcrorregões e Muncípos (1999) Mesorregões Fonte: IBGE (2003). 1 Sul Flumnense (6,49%) 2 Metropoltana do Ro de Janero (80,23%) 3 Centro Flumnense (3,14%) 4 Baxadas (3,21%) 5 Norte Flumnense (4,86%) 6 Noroeste Flumnense (2,07%) As nformações entre parênteses ndcam o percentual da população em relação ao estado, segundo totas dsponblzados no censo demográfco de 2000 do IBGE. A concentração na regão metropoltana do Ro de Janero é muto sgnfcatva; correspondendo a mas de 80% da população flumnense. Do total da população do estado, temos que 96,04% corresponde à população urbana. O estado conta hoje com o efetvo de 52,05% sendo mulheres.

6 5 A tabela 2 apresenta os ntervalos de renda dos muncípos, conforme os dados do censo de 2000 do IBGE (2003): Tabela 2 Intervalos de Renda Méda dos Muncípos Flumnenses Intervalos de Quantdade Acumulada Acumulada Muncípos % de Muncípos Renda Muncípos (%) [300, 350) [350, 400) [400, 450) [450, 500) [500, 550) [550, 600) [600, 650) [650, 700) [700, 750) [750, 800) [800, 850) [850, 900) [900, 950) [950, 1000) [1350, 1400) [1700, 1750) Total Fonte: Elaboração própra a partr dos dados do censo de 2000 do IBGE (2003). Pela tabela 2 vsualza-se a renda méda da maora dos muncípos stuando-se entre R$400,00 e R$600,00, caracterzando uma renda baxa. A prvação de renda no estado se encontra no valor médo de 68,88%. Vale ressaltar que, dentre todas as varáves utlzadas esta obteve o maor resultado. 4. METODOLOGIA E FONTES DE DADOS Prmeramente, estma-se o índce de pobreza (IP) para cada muncípo do Ro de Janero. Para estmar o índce de pobreza (IP) utlza-se a segunte equação desenvolvda por Anand e Sen (1997): IP α = 1 = α w Y = 1 1 α α onde IP estabelece o índce de pobreza assocado ao -ésmo muncípo; Y são as varáves nserdas na construção do índce de pobreza; α é uma constante; e w são os pesos, arbtraramente assumdos no HDR de 1997 como sendo gual a 1. Desta forma, o IP representará o percentual de pobres exstentes em cada um dos muncípos do Ro de Janero. w

7 6 Neste trabalho, assm como em Lemos (1999), promove-se uma modfcação na forma de geração dos pesos, onde os pesos w serão gerados por métodos multvarados de análse. Dessa forma, constró-se um índce de pobreza parcal (IPP) que não repercute o percentual de pobres. Este índce serve apenas para fazer herarqua, tal como o faz o IDH, por exemplo. A cração deste IPP é obtda pelo método de análse fatoral e faz-se uso da propredade de ortogonaldade assocada aos escores fatoras Dscutndo Métodos de Análse Fatoral Segundo Hoffmann (1994) nos modelos de análse fatoral cada uma das n varáves é uma combnação lnear de m (com m < n) fatores comuns e de um fator específco. Para a -ésma varável temos: ou x = a f + a f a f + u Y j 1 1 j x j = 2 m p= 1 2 j a p f pj m + u Y j mj j onde f pj representa o valor do p-ésmo fator comum para a j-ésma observação, a p (com p = 1,..., m ) e u são coefcentes e Y j representa o valor do -ésmo fator específco para a j-ésma observação 1. Lemos (1999) acrescenta que: Em geral a estrutura ncal das estmatvas das cargas fatoras não é defntva. Para confrmar ou rejetar esta estrutura ncal, o método de análse fatoral proporcona a possbldade de fazer-se a rotação desta estrutura ncal. Aplcando esta metodologa de análse fatoral obtemos dos fatores, e utlzou-se o método varmax de rotação ortogonal dos fatores Estruturação do Índce de Pobreza (IP) Para construr o Índce Parcal de Pobreza (IPP) faz-se uso da propredade de ortogonaldade assocada aos escores fatoras estmados. Salenta-se que a ortogonaldade assocada à matrz de fatores não mplca necessaramente na ortogonaldade dos escores fatoras. Com este procedmento deve-se testar se os escores fatoras são ortogonas e observar a matrz de varânca e covarânca entre estes escores. A matrz encontrada deve ser uma dentdade para que os escores fatoras sejam ortogonas. Sendo assm, o índce parcal de pobreza IPP é estmado pela segunte equação: ( f + f + f ) 2 IPP = + j1 j2... jn onde IPP é o índce parcal de pobreza assocado ao -ésmo muncípo flumnense. Espera-se que todos os coefcentes assocados aos escores fatoras relevantes sejam postvos. Presume-se que os escores assocados aos muncípos tenham dstrbução smétrca em torno da méda zero. Desta forma, metade dos escores fatoras terá snas postvos e a outra metade terá snas negatvos. Os muncípos que apresentarem os menores IPP terão escores fatoras negatvos. Com o objetvo de 1 Para maores detalhes do desenvolvmento desta análse sugere-se consultar Hoffmann (1994).

8 7 evtar que altos escores fatoras negatvos elevem a magntude dos índces assocados a estes muncípos orgnando-se a segunte transformação nos escores fatoras tendo por objetvo trazer todos eles para o prmero quadrante: f j = f f max f mn f mn na qual f mn e f max são os valores mínmo e máxmo observados para os escores fatoras assocados aos muncípos, estabelecendo com este processo que todos os escores fatoras estarão contdos no ntervalo fechado entre zero e um. A partr dsto, utlza-se regressão lnear do IPP contra as varáves de sua composção. Através desta regressão é que serão estmados os pesos w que serão utlzados na equação de defnção do IP assocado ao -ésmo muncípo. As varáves que entram na construção do IP são: Y 1 = Prvação de educação (% das pessoas maores de 10 anos analfabetas ou com menos de um ano de escolardade); Y 2 = Prvação de água encanada (% dos domcílos nos muncípos que não tem acesso a água encanada). Obs.: poços foram consderados como água encanada; Y 3 = Prvação de saneamento (% dos domcílos que não têm sequer uma fossa rústca para depostar os dejetos humanos); Y 4 = Prvação de coleta de lxo (% dos domcílos que não têm acesso ao servço de coleta sstemátca de lxo); e Y 5 = Prvação de renda (% dos domcílos que não têm qualquer rendmento, ou que a renda total domclar é de no máxmo três saláros mínmos). Os dados utlzados na pesqusa provêm do censo demográfco de 2000 do IBGE (2003). 5. RESULTADOS A tabela 3 apresenta os resultados obtdos para os pesos métodos multvarados de análse. w que foram gerados por Tabela 3 Pesos Estmados para a Obtenção dos Índces de Pobreza dos Muncípos VARIÁVEL PESOS (w) Y Y Y Y Y Fonte: Elaboração própra a partr dos dados do censo de 2000 do IBGE (2003).

9 8 A partr da metodologa apresentada e dos pesos expostos na tabela 3 encontramos os seguntes índces de pobreza para cada muncípo (síntese). Observando-se que a tabela completa, com os 91 muncípos, pode ser vsualzada na tabela 5 do apêndce. Tabela 4 Índce de Pobreza para os Muncípos do Estado do Ro de Janero (síntese) Ordenação Muncípos IP (%) 1 São Francsco de Itabapoana Armação dos Búzos São José de Ubá São Sebastão do Alto Trajano de Moras Sumdouro Ro das Ostras Varre-Sa Arraal do Cabo Petrópols Resende Nlópols Macaé Volta Redonda Ro de Janero Nteró 8.24 Fonte: Elaboração própra a partr dos dados do censo de 2000 do IBGE (2003). O valor médo encontrado a partr da tabela 4 para o IP do Estado do Ro de Janero fo de 17,52% o que caracterza uma pequena queda em relação ao valor encontrado no trabalho de Lemos (1999) de 18,21% e acma do encontrado pela PNAD de 1999 de 14,04%. Os muncípos com maor percentual de pobreza no estado foram: São Francsco de Itabapoana (36,56%), Armação dos Búzos (35,08%), São José de Ubá (33,64%), São Sebastão do Alto (32,28%), Trajano de Moras (30,81%), Sumdouro (25,35%), Ro das Ostras (25,04%) e Varre-Sa (24,58%). Para as cdades com o menor IP destacou-se a cdade de Nteró (8,24%), logo depos a captal, Ro de Janero (9,71%), seguda por Volta Redonda (10,80%), Macaé (11,33%), Nlópols (11,68%), Resende (11,85%), Petrópols (12,46%) e Arraal do Cabo (12,80%). A cdade de Nteró, pertencente à regão metropoltana do estado, apresentou o menor IP. Além dsso, vale destacar, também, que a cdade caracterza-se por apresentar o melhor índce de vda do estado (RIO DE JANEIRO, 2003). Um dos fatores deste quadro favorável é a expansão do setor de servços. As atvdades econômcas relevantes da cdade são ndústra naval, ndústra em geral, comérco e pesca. Atualmente, ela conta com habtantes. Nteró possu uma área de 129,375 qulômetros quadrados, e está stuada a 5 metros acma do nível do mar (RIO DE JANEIRO, 2003). As cdades com os maores índces de pobreza se encontram, prncpalmente, nas regões norte e noroeste do estado, caracterzando um nbdo desenvolvmento em relação aos outros muncípos. Observa-se que grande parte da população nestas regões é desprovda de nfraestrutura, educação e renda. Refletndo o alto IP observado nestes muncípos.

10 9 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A vabldade econômca do combate à pobreza é mprescndível em qualquer socedade e justfca a mportânca de se estabelecer estratégas que não descartem a va do crescmento econômco, mas que enfatzem, sobretudo, o papel das polítcas redstrbutvas que enfrentam a desgualdade. A avalação da mportânca relatva da escassez de recursos e da sua dstrbução na determnação da pobreza no Brasl mostra que a orgem da pobreza braslera não está na escassez, absoluta ou relatva, de recursos e sm em dversos fatores provenentes desde a colonzação do país até a abertura da economa. Além dsso, observa-se que o enorme grau de desgualdade na dstrbução de renda, que persste na hstóra do país, consttu-se como prncpal determnante da pobreza. As smulações dos mpactos do crescmento econômco balanceado e da redução do grau de desgualdade na dstrbução de renda mostram que os níves de pobreza são mas sensíves a alterações neste últmo fator que no prmero. Apesar dsso, a experênca braslera no combate à pobreza esteve muto mas assocada aos efetos do crescmento econômco, relegando a um papel secundáro os potencas efetos das estratégas de redução da desgualdade, permtndo, em prmero lugar, entender a causa da nefcáca das polítcas de combate à pobreza adotadas nesse período e, em segundo, dzer que a socedade braslera ousara, com responsabldade, ao defnr a busca de maor eqüdade socal como elemento central de uma estratéga de combate à pobreza. O índce de pobreza, presente neste trabalho, levou em consderação varáves ndspensáves para sua mensuração, a saber: a questão da educação, saneamento, água encanada, coleta de lxo e renda. Essas são condções báscas para melhora de vda e seu desenvolvmento reflete no surgmento da oferta e qualdade de emprego em qualquer socedade. As cdades com os maores índces de pobreza se encontram, prncpalmente, nas regões norte e noroeste do estado, caracterzando um nbdo desenvolvmento em relação aos outros muncípos. A cdade de Nteró, pertencente à regão metropoltana do estado, apresentou o menor índce de pobreza sendo atualmente a cdade no estado com o melhor índce de vda. No entanto, um fato que não pode ser desconsderado é a questão da concentração de renda exstente nela, assm como ocorre na cdade do Ro de Janero. A pobreza é muto expressva nestas duas cdades e os problemas estruturas se agravam a cada ano, prncpalmente, na captal, onde exstem mas de cnco mlhões de habtantes. Por terem apresentado os menores índces de pobreza e maores níves de renda méda, pode-se chegar a conclusões errôneas, o que torna mprescndível a consderação da exclusão socal e os níves de concentração de renda. Em suma, meddas de combate à pobreza e cálculos que levem em consderação a mensuração da concentração de renda tornam-se fundamentas para melhor se adotar polítcas públcas. Neste sentdo, análses mas desagregadas (dentro dos muncípos) seram útes para o desenvolvmento sustentável dos muncípos flumnenses.

11 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMARAL, L.H. O Paradoxo da Mséra. Revsta Veja. São Paulo: Ed. Abrl, jan./2002. Edção ANAND, S.; SEN, A. K. Concepts of Human Development and Poverty: A Mult-dmensonal Perspectve. New York: UNDP/HDR, BARROS, R. P. et al. A Establdade Inacetável: Desgualdade e Pobreza no Brasl. Ro de Janero: IPEA, dez./2000. BARROS, R. P. et al. Saláro Mínmo e Pobreza no Brasl: Estmatvas que Consderam Efetos de Equlíbro Geral. Ro de Janero: IPEA, fev/2001. (Texto para dscussão nº 779). BAER, W. A Economa Braslera. São Paulo: Nobel, GROSSI, M. E. D. et al. Evolução da Pobreza no Brasl 1995/99. Campnas: IE/UNICAMP, nov./2001. (Texto para dscussão). GUJARATI, D. N. Econometra Básca. São Paulo: Makron Books, HOFFMANN, R. Componentes Prncpas e Análse Fatoral. Sére Ddátca nº 90. Praccaba: Unversdade de São Paulo, Mensuração da Desgualdade e da Pobreza no Brasl. Desgualdade e Pobreza no Brasl. Ro de Janero: IPEA, dez./2000. IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Ctações e referêncas a documentos eletrôncos. Dsponível em: < >. Acesso nos meses de jan. e jul IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Ctações e referêncas a documentos eletrôncos. Dsponível em: < >. Acesso nos meses de jan. e jul LEMOS, J. J. S. Pobreza Rural e Urbana no Brasl Pós Plano Real. In: XXXVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 1999, Foz do Iguaçu. Anas... Brasíla: SOBER, NERI, M. et al. A evolução da Pobreza e da Desgualdade Braslera ao Longo da Década de 90. Economa Aplcada, v.3, n. 3, RIO DE JANEIRO (Estado). Governo do Estado do Ro de Janero. Ctações e referêncas a documentos eletrôncos. Dsponível em: < Acesso em 15 out ROCHA, S. Tendênca Evolutva e Característcas da Pobreza no Ro de Janero. Ro de Janero: IPEA, dez./1997. (Texto para dscussão nº 536). SALAMA, P.; BELLUZO, L.G. O Tamanho da Pobreza. Garamond: Ro de Janero, 2001.

12 11 UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAM. Human Development Report, New York, Ctações e referêncas a documentos eletrôncos. Dsponível em: < Acesso em jul. e ago APÊNDICE Tabela 5 Índce de Pobreza para os Muncípos do Estado do Ro de Janero (completa) Ordenação Muncípos IP (%) 1 São Francsco de Itabapoana Armação dos Búzos São José de Ubá São Sebastão do Alto Trajano de Moras Sumdouro Ro das Ostras Varre-Sa Japer Itaboraí Cardoso Morera Cambuc Santa Mara Madalena Slva Jardm Iguaba Grande Laje do Muraé Itaocara Bom Jardm Paty do Alferes São Fdéls Sapucaa Ro das Flores Italva Duas Barras São João da Barra Porcúncula Qussamã Cachoeras de Macacu Tanguá Natvdade Ro Claro Aperbé Saquarema contnua

13 34 Cabo Fro Mracema Santo Antôno de Pádua Cantagalo Bom Jesus do Itabapoana Marcá São José do Vale do Ro Preto Comendador Levy Gasparan Carmo Guapmrm Conceção de Macabu Carapebus Macuco Paraíba do Sul Araruama Vassouras Quemados Ro Bonto Campos dos Goytacazes Engenhero Paulo de Frontn Magé Belford Roxo Porto Real Itaperuna Seropédca Quats Areal Praí Valença Mendes Três Ros Parat Duque de Caxas Casmro de Abreu Paracamb Itaguaí Nova Iguaçu São Pedro da Aldea Cordero São João de Mert Mangaratba Mguel Perera Pnheral Teresópols Barra do Praí São Gonçalo contnua 12

14 13 80 Barra Mansa Itataa Angra dos Res Nova Frburgo Arraal do Cabo Petrópols Resende Nlópols Macaé Volta Redonda Ro de Janero Nteró 8.24 Fonte: Elaboração própra a partr dos dados do censo de 2000 do IBGE (2003).

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Corregedor JUIZ ANTONIO AUGUSTO DE TOLEDO GASPAR Diretora -

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu Apresentação: Lançado pelo SEBRAE RJ, é um roteiro turístico composto por 10 municípios do Estado do Rio de Janeiro; 3 Regiões turísticas: Metropolitana, Serra Verde Imperial, Costa do Sol - integradas

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA RUBRICA: FLS.: 657 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA VOTO GC-2 1593/2014 PROCESSO: TCE-RJ N o 238.182-1/13 ORIGEM: COORDENADORIA DE AUDITORIA E

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro Nº 20080101 Janeiro - 2008 Fernando Cavallieri, Fabrício Leal de Oliveira - IPP/Prefeitura

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 *

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 * Análse da Stuação Ocupaconal de Cranças e Adolescentes nas Regões Sudeste e Nordeste do Brasl Utlzando Informações da PNAD 1999 * Phllppe George Perera Gumarães Lete PUC Ro/Depto. De Economa IBGE/ENCE

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

A influência das regiões de fronteira e de variáveis socioeconômicas na criminalidade no estado do Paraná

A influência das regiões de fronteira e de variáveis socioeconômicas na criminalidade no estado do Paraná PERSPECTIVA ECONÔMICA v. 6, n. 2:23-44 jul/dez 2010 ISSN 1808-575X do: 10.4013/pe.2010.62.02 A nfluênca das regões de frontera e de varáves socoeconômcas na crmnaldade no estado do Paraná Jonas Mauríco

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 s Centro Regional de Apoio Administrativo Institucional MUNICÍPIOS Promotorias de Justiça ÚNICAS, CÍVEIS e de Proteção à INFÂNCIA

Leia mais

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Jurisdição das cidades da 7ª Região. Delegacia Cidade/Bairro* Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Pinheiral Pirai

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando:

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando: RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 107 DE 22 DE MAIO DE 2013 APROVA NOVA DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E REVOGA A RESOLUÇÃO CERHI N 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 O CONSELHO ESTADUAL

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL 1 UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL Área 4 - Desenvolvmento, Pobreza e Eqüdade Patríca Ullmann Palermo (Doutoranda PPGE/UFRGS) Marcelo Savno Portugal (Professor do PPGE/UFRGS)

Leia mais

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro - 2010 Lista de Abreviaturas e Siglas FOB Significa livre a bordo (free on board) o vendedor encerra suas obrigações quando a mercadoria

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Uma Análise da Convergência Espacial do PIB per capita para os Municípios da Região Sul do Brasil (1999-2008)

Uma Análise da Convergência Espacial do PIB per capita para os Municípios da Região Sul do Brasil (1999-2008) Uma Análse da Convergênca Espacal do PIB per capta para os Muncípos da Regão Sul do Brasl (1999-2008) Letíca Xander Russo 1 Wesley Olvera Santos 2 José Luz Parré 3 Resumo Este artgo nvestga a hpótese de

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br

DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br Apresentação Oral-Desenvolvmento Rural, Terrtoral e regonal JONAS MAURÍCIO GONÇALVES; FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE; VALDIR

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

Parte III - Análises e estudos espaciais em condições de vida e saúde

Parte III - Análises e estudos espaciais em condições de vida e saúde Parte III - Análses e estudos espacas em condções de vda e saúde Desgualdades de bem-estar socal no muncípo do Ro de Janero: um exemplo de aplcação da ferramenta SIG Alberto Lopes Naar ScELO Books / ScELO

Leia mais

Biocombustíveis e inclusão social: impacto das normas ambientais sobre o mercado de trabalho

Biocombustíveis e inclusão social: impacto das normas ambientais sobre o mercado de trabalho Bocombustíves e nclusão socal: mpacto das normas ambentas sobre o mercado de trabalho Márca Azanha Ferraz Das de Moraes ESALQ/USP Colaboração: Fabíola Crstna Rbero de Olvera Luz Gustavo Antono de Souza

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (1995-2005)

CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (1995-2005) CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (995-005) Fernando Henrque Taques Mestrando em Economa pelo PEPGEP/PUC-SP Cao

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 Fixa as normas do Processo Seletivo para ingresso na 3ª Turma do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 ópco: Dspardades regonas - estudos comparados de desenvolvmento e gestão terrtoral Márco Antôno Salvato 2 Paola Fara Lucas de Souza 3 Resumo:

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil A mobldade ocupaconal das trabalhadoras doméstcas no Brasl Resumo Kata Sato Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo Vargas EESP-FGV André Portela Souza Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso.

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COORDENAÇÃO GERAL DO ESTÁGIO FORENSE XXXIX CONCURSO PARA ADMISSÃO AO ESTÁGIO FORENSE DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL *A Coordenadora

Leia mais

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA;

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA; DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV VIÇOSA - MG - BRASIL scgomes@unama.br

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Desemprego de Jovens no Brasil *

Desemprego de Jovens no Brasil * Desemprego de Jovens no Brasl * Prsclla Matas Flor Palavras-chave: desemprego; jovens; prmero emprego; Brasl. Resumo Este trabalho tem como objetvo analsar a estrutura do desemprego dos jovens no Brasl,

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos 1/14 1a. DP 4a. DP 5a. DP 6a. DP 7a. DP 9a. DP 10a. DP 12a. DP 13a. DP Totais Praça Mauá Praça da República Mem de Sá Cidade Nova Santa Teresa Catete Botafogo Copacabana Ipanema Homicídio doloso (total)

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER

SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER Rodrgo Cézar Lmera 1, Pedro Vera de Azevedo 2, Wagner de Aragão Bezerra 3, Josefa Morgana Vturno de Almeda 3 RESUMO: A modelagem consttu-se

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades *

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades * Novas Forças de Atração nas Grandes Cdades * Cro Bderman ** Resumo Este artgo procura explcar a atual desconcentração dos servços nas grandes áreas urbanas e o movmento paralelo de concentração para os

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL Poema Iss Andrade de Souza * Joaqum José Martns Gulhoto ** Raul da Mota Slvera Neto *** RESUMO

Leia mais

Economias de escala na oferta de serviços públicos de saúde: Um estudo para os municípios paulistas

Economias de escala na oferta de serviços públicos de saúde: Um estudo para os municípios paulistas Economas de escala na oferta de servços públcos de saúde: Um estudo para os muncípos paulstas Enlnson Mattos FGV-SP e CEPESP Fabana Rocha FEA-USP e CEPESP Lucas Novaes FGV-SP e CEPESP Paulo Arvate FGV-SP

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Testes do CAPM no Mercado de Ações do Setor de Energia Elétrica Brasileiro: Aplicações de Black, Jensen e Scholes (1972) e Fama e MacBeth (1973)

Testes do CAPM no Mercado de Ações do Setor de Energia Elétrica Brasileiro: Aplicações de Black, Jensen e Scholes (1972) e Fama e MacBeth (1973) Unversdade Federal de Pernambuco Centro de Cêncas Socas Aplcadas Departamento de Cêncas Admnstratvas Programa de Pós-Graduação em Admnstração - PROPAD Lucas Mlet do Amaral Mercês Testes do CAPM no Mercado

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Título: A Geografia do Voto no Brasil nas Eleições Municipais de 2008: Uma Análise Com Efeito Threshold.

Título: A Geografia do Voto no Brasil nas Eleições Municipais de 2008: Uma Análise Com Efeito Threshold. Título: A Geografa do Voto no Brasl nas Eleções Muncpas de 2008: Uma Análse Com Efeto Threshold. Pablo Urano de Carvalho Castelar Professor da Unversdade Federal do Ceará Campus Sobral e-mal: pcastelar@ufc.br

Leia mais