EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO. Expansão Marítima

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO. Expansão Marítima"

Transcrição

1 EXPANSÃO MARÍTIMA REFORMA RELIGIOSA RENASCIMENTO Expansão Marítima Muitas expedições europeias não retornavam. Isto alimentava o imaginário dos europeus de que o oceano estaria repleto de criaturas místicas, misteriosas e perigosas. Mercantilismo: - O Estado, visando se fortalecer e acumular riquezas, passou a incentivar e proteger as atividades econômicas, entendidas agora como negócios também do estado. - Um dos principais objetivos da intervenção do Estado na economia era atender às necessidades sem comprar produtos de outros países, enriquecendo sua nação e diminuindo a riqueza dos demais Estados. - Características:. Metalismo -> a quantidade de riqueza que um país possui é a quantidade de metais preciosos (ouro, prata) que acumula.. Balança comercial favorável -> vender mais e comprar menos para garantir o lucro.. Protecionismo -> aumento dos impostos para produtos estrangeiros, protegendo os produtos locais da concorrência e gerando dinheiro para o Estado. Fatores que influenciaram e favoreceram a Expansão Marítima: - Turcos tomam o oriente e mercadores Gênova e Veneza controlam o comércio do Mediterrâneo, tornando cada vez mais difícil o comércio de especiarias orientais. - A centralização política facilitou a mobilização de recursos nos projetos marítimos; - Avanços na técnica náutica; - Busca por fiéis em novas terras (Companhia de Jesus); - Busca por metais preciosos. Fatores para o pioneirismo português: - Posição geográfica favorável -> grande extensão litorânea que facilitava as atividades marítimas, como a pesca. 1

2 - Centralização política -> incentivo por parte do Estado, que concedia privilégios às atividades comerciais e a quem estava envolvido nelas. Aliás, grande parte da nobreza era constituída por grupos mercantis. - Domínio de técnicas náuticas -> Portugal teve contato com os árabes, que trouxeram vários instrumentos de navegação (bússola, astrolábio, etc.) que foram incorporados e aperfeiçoados pelos navegadores portugueses. AS REFORMAS RELIGIOSAS E SEUS CONTEXTOS A Reforma representou um dos movimentos históricos fundamentais do inicio dos Tempos Modernos. Foi motivada por um complexo conjunto de causas que ultrapassaram os limites de mera contestação religiosa a Igreja Católica. O homem do século XVI fez transparecer no plano religioso toda uma série de descontentamentos que refletiam sua condição de vida material e toda uma postura política, social e econômica. A Igreja Católica sofreu diretamente o impacto das transformações ocorridas na sociedade européia durante o século XVI. Vários movimentos religiosos deixaram de reconhecer os dogmas estabelecidos pela Igreja e a autoridade do Papa. Esses movimentos religiosos, conhecidos genericamente como Reforma, tinham intimas ligações com o desenvolvimento do comercio e com a formação de uma nova categoria social: a Burguesia. A concepção católica de mundo já não mais atendia aos anseios e as novas formas do pensar e de viver difundidas pelo Renascimento. E como a Igreja católica tinha um pensamento de continuidade e mantinha-se fiel aos princípios do Feudalismo, que lhe dava inúmeras regalias, houve uma forte reação por parte dos novos setores da sociedade, que elaboraram uma nova vertente do cristianismo, mais adaptada às necessidades burguesas. Não houve propriamente uma ruptura no campo religioso do ocidente, pois as Igrejas Protestantes que surgem continuam com a doutrina crista, porém com uma releitura desta para o novo contexto que se delineava na sociedade européia naquela ocasião. REFORMA PROTESTANTE Deu-se o nome de Protestantismo a todos os movimentos que nesse período criticavam e romperam laços com a Igreja Católica. Dentre os fatores que motivaram modificações ideológicas e doutrinarias podemos apontar: O homem do Renascimento foi profundamente influenciado pelo Humanismo, isto é, elegeu o conhecimento sobre si mesmo como o centro das atenções e dos estudos, sendo que as criticas a Igreja se baseavam exatamente nesse humanismo renascentista. Erasmo de Roterdam, por exemplo, criticava a Igreja por ter se distanciado dos ideais de humildade e pobreza e ter passado a valorizar a riqueza, o luxo, o prazer e a ociosidade. Ele lembrava que a Igreja crista primitiva era exatamente oposta, pois buscava a simplicidade, a piedade e o amor ao próximo. A Igreja dos Papas renascentistas era a Igreja do luxo, que acumulava riquezas com a venda de relíquias tidas como sagradas. Isto fazia com que junto à população às criticas a Igreja aumentassem ainda mais. A própria formação das Monarquias Nacionais, com um rei dominando um território nacional, contribuiu para aumentar o conflito com a Igreja e diminuir sua autoridade. Cada rei representava uma nação e a idéia de monarquia nacional se opunha frontalmente ao universalismo católico medieval. A consolidação e ampliação da autoridade do rei se fazia em detrimento da autoridade temporal dos Papas. 2

3 Um dos fatores mais importantes do movimento da Reforma estava relacionado com a questão do lucro e da usura. A Igreja Católica acumulava riquezas materiais através de artigos de luxo, obras de arte e terras, mas condenava o lucro que os demais segmentos sociais obtinham em suas atividades considerandoo pecaminoso e a cobrança de juros no empréstimo de dinheiro, como roubo. Era impossível conciliar essas posições e as pessoas não queriam agir contra as leis divinas. Quanto a esta última questão, os pregadores calvinistas passaram a difundir a idéia de que aquele que ganhasse dinheiro legalmente e o acumulasse estava, na verdade, agindo segundo os caminhos de Deus. Por esta razão, a burguesia em algumas partes da Europa aderiu quase inteiramente as idéias da Reforma, com, por exemplo, à Holanda, em outras regiões tal fato não ocorreu na mesma intensidade. Quando se fala em Reforma, uma questão surge quase que automaticamente: Porque a Reforma começou na Alemanha? Enquanto a França, Portugal, Espanha e Inglaterra ram países unificados politicamente, com um rei no poder, a Alemanha não existia enquanto nação. Era um grande conjunto de Estados independentes chamado de Sacro Império Romano Germânico. Isso significava que não havia um governo central, mas sim uma autoridade teórica exercida por um imperador com pouquíssima força política. Na verdade, o poder estava distribuído entre diversos pequenos Estados dominados por príncipes, nobres e membros do alto clero. Sempre que um imperador tentava centralizar o poder, tanto a Igreja quanto os príncipes e nobres em geral se uniam para lutar contra essa tentativa. A Igreja católica representava tudo o que estava ligado às praticas feudais. Os impostos que a Igreja mandava para Roma enfraqueciam ainda mais o poder do imperador. Ao mesmo tempo a burguesia alemã bastante fraca se comparada à inglesa e a francesa, via a Igreja como serio obstáculo a suas atividades. A própria nobreza alemã tinha seus motivos para ser contra a Igreja Católica, que era a maior proprietária de terras na Alemanha. As camponesas também tinham suas razões para discordar dos rumos que a Igreja vinha tomando. Isto porque os impostos cobrados pela Igreja eram pesados e exigiam duras jornadas de trabalho. Foi nesse contexto que eclodiu a Reforma Protestante nos Estados Alemães. A doutrina protestante passa a ter como base a Teologia Agostiniana (defendida por Santo Agostinho) que sustentava a fé como única fonte de salvação e defendia o principio da predestinação. Para os protestantes luteranos a Bíblia era a autentica base da religião e, portanto, o culto dever-se-ia reduzir a leitura e ao comentário das Sagradas Escrituras, com a livre interpretação das mesmas. Também só deviam ser conservadas as praticas instituídas por Cristo e por ele transmitidas através do Novo Testamento. Nesta mesma linha de idéias foi negada a existência do purgatório e dos sete sacramentos, reconhecendo apenas dois: batismo e eucaristia. Não aceitavam o culto das imagens, da Virgem Maria e dos Santos. Nos cultos religiosos adotou-se a língua nacional no lugar do latim e os ministros religiosos deveriam integrarse o mais possível na comunidade dos fieis abolindo-se assim o celibato clerical. Os luteranos e os calvinistas ainda extinguiram a hierarquia eclesiástica da organização de suas Igrejas. A transformação no campo religioso representou uma mudança nas sociedades em que se instalou, principalmente no que diz respeito ao poder político: à medida que a supremacia milenar da Igreja se rompia em alguns países europeus, o poder antes concentrado na Igreja, passa a ser transferido para a figura do monarca. 3

4 A Reforma Protestante trouxe consigo assim, mudanças que possibilitaram a expansão do capitalismo.os ideais reformistas apesar de estarem intimamente ligados as idéias renascentistas, não romperam definitivamente com o mundo feudal é certo, porém que podem ser associadas às idéias renascentistas à medida que colocaram o homem como um ser capaz de pensar e de agir por si mesmo. CONTRA-REFORMA Com o movimento protestante, a Igreja Católica sentia-se bastante enfraquecida, a Inglaterra já não era mais católica, grande parte da Alemanha havia se convertido ao luteranismo. Diante dos movimentos que se espalhavam por toda Europa, tendo somente Portugal Espanha e Itália como exceções, a reação inicial da Igreja Católica foi a de punir os lideres rebeldes, na esperança de que as idéias dos reformadores não se propagassem e de que o mundo cristão recuperasse a unidade perdida. Essa tática, entretanto, não deu bons resultados, uma vez que o movimento protestante avançou pela Europa, conquistando crescente número de seguidores. Era, portanto, necessário reconhecer o Cisma do Ocidente, 500 anos após os ortodoxos ter conquistado sua autonomia no Cristianismo. Inicio-se dentro do Catolicismo, um amplo movimento de moralização do clero e de reorganização das estruturas administrativas da Igreja. Esse movimento de reformulação da Igreja Católica passou a ser conhecido como Contra-Reforma ou Reforma Católica. Todo um conjunto de medidas foi colocado em pratica para atuar contra o continuo avanço protestante ou na pior das hipóteses, atenuar seus efeitos sobre a sociedade européia. Verifica-se, portanto, que o catolicismo foi obrigado a adequar-se aos novos valores e padrões provenientes das mudanças em curso. A Reforma Católica se destaca pela busca da restauração da antiga ordem baseada na tradição medievalfeudal. Tem o objetivo de combater as doutrinas protestantes, o que foi idealizado pelo Concilio de Trento ( ), pelo qual se reafirmou os dogmas e os preceitos Tomistas (defendidos pelo teólogo São Tomás de Aquino) do catolicismo, que pelo principio do livre arbítrio, ou seja, pela concepção de que cada indivíduo escolhe sua salvação ou o caminho da perdição e a salvação decorre da conjugação da fé do individuo e das boas obras que ele realiza. No entanto, proíbe a venda de Indulgências e cargos eclesiásticos, para esses últimos visando a melhor formação dos clérigos, criou-se os Seminários, escolas especiais para a formação de padres. Uma das primeiras armas utilizadas pela Igreja Católica foi à reativação do antigotribunal do Santo Oficio da Inquisição, que havia sido esquecido no final da Idade Média. Pelo Tribunal da Inquisição seriam julgados todos aqueles que fossem suspeitos de difundir novas idéais religiosas, ou seja, o Protestantismo. Com isso a vida de um protestante num país católico tornava-se praticamente impossível. Além do tribunal inquisitório, a Igreja criou o Índex, uma lista de títulos de livro considerados proibidos para um católico ler, pois poderia trazer idéias profanas e pecaminosas, gerando um entrave ao progresso cultural e cientifico europeu no período. A Reforma Católica foi reforçada com o surgimento de novas ordens religiosas. Uma dessas ordens foi a Companhia de Jesus, constituída pelos jesuítas, que tinham em sua organização a rigidez militar. A Companhia de Jesus fortaleceu o catolicismo dentro dos países que permaneceram fieis a Igreja Católica, exercendo principalmente uma função educadora, com o claro objetivo de dar continuidade ao catolicismo e barrar a infiltração de idéias protestantes. 4

5 É importante lembrar que todo estes acontecimentos ocorreram no mesmo instante que as Monarquias Nacionais se fortaleciam tornando-se absolutas. * Texto elaborado por Vitor Hugo Garaeis, graduado em História pela ULBRA. RENASCIMENTO CULTURAL 1. Renascimento, conceituação:. O que foi: Foi a efervescência artística e cultural vivida nos séculos XV e XVI na Europa Ocidental que marca o início da Era Moderna e o nascimento do universo burguês, especificamente em sua face cultural. No Renascimento, fica claro o rompimento com a Idade Média em grande parte de seus elementos. É, sobretudo, a exposição do universo e dos valores da nova classe emergente, a burguesia.. Quando e onde: O Renascimento foi um movimento restrito à Europa Ocidental católica. Seu epicentro foi certamente a Itália e de modo mais específico, a cidade de Florença. Desde o meio da Baixa Idade Média já se via um florescimento das artes e da cultura, mas isso tomou uma forma ampla mesmo apenas no século XV. A partir deste momento ela sairá da Itália e ganhará todo o espaço da Europa Ocidental. 2. Elementos do Renascimento:. Estudo dos clássicos greco-romanos: Um dos elementos que sublinham o afastamento com a Idade Média é a visitação dos textos e livros clássicos da Antiga Grécia e do Império Romano. Reliam-se os textos políticos, admirava-se a arte daqueles povos e os seus conhecimentos sobre a natureza e o mundo. Inclusive a religião pagã desses povos antigos traz interesse, mas o catolicismo não chega a perder força diante disto.. Humanismo: Ao contrário do extremo peso que tinha a Igreja e Deus na cultura medieval, agora a atenção é voltada para o homem. Este, agora, constrói o seu mundo, o homem pode construir o seu conhecimento, conhecimento que pode modificar o mundo. O próprio conhecimento e as ações do homem na Terra não se justificam mais unicamente por Deus. Fala-se de um antropocentrismo o homem no centro de tudo moderno ante um teocentrismo medieval.. O indivíduo e a razão: A noção individual do mundo passa a ser valorizada contra uma visão mais comunal ou religiosa, característica da Idade Média. E esse indivíduo usa a razão para compreender o mundo. A razão, durante a Idade Média, era menos importante do que a fé, era submissa a esta.. Avanço do conhecimento e da técnica: Surge nesse período a origem do que depois será chamado de ciência. A razão agora será valorizada, mas ainda não será mais importante do que a fé. O conhecimento racional das coisas começa a ganhar corpo para depois triunfar no Iluminismo no XVIII. Durante o Renascimento e os séculos seguintes, constata-se um grande avanço de todos os campos do conhecimento e da técnica.. As artes: De forma bem ampla, as artes vão ser renovadas. Novas técnicas, novas formas de se fazer arte e também novos elementos artísticos serão introduzidos enriquecendo e diversificando bastante o campo das artes na Europa. As artes vão ser financiadas pelos mecenas, homens ricos burgueses ou nobres que patrocinavam os artistas para que estes fizessem as suas obras de arte. Com esse financiamento, surgem alguns artistas profissionais, o que antes não existia. Essa arte, porém, não é voltada para as massas, mas para uma pequena elite apenas. 5

6 . A imprensa, as línguas e as grandes obras literárias: Um grande avanço técnico do período é a invenção da imprensa. Com ela, as obras literárias serão difundidas mais rapidamente, haverá um pequeno impulso para a redução do analfabetismo, mas a maioria da população européia ainda continuará analfabeta. Nesse momento surgirão as línguas nacionais, principalmente a partir de grandes obras literárias nacionais. Cada país que se unifica e ganha a sua línguaprópria, tendo também a sua própria obra-mãe. Assim, Os Lusíadas de Luís de Camões é tido como a certidão de nascimento da língua portuguesa, junto com outros escritos portugueses do mesmo período. Dom Quixote de Miguel de Cervantes é a principal obra espanhola do período e é um marco para a fundação do idioma castelhano. A Utopia de Thomas Morus e as obras de Shakespeare são marcos fundamentais da língua inglesa e assim por diante.. O elitismo do Renascimento: Vale lembrar que nessa época poucos eram os que sabiam ler e também eram poucos os que tinham acesso à arte. Essa arte que surge no Renascimento era fortemente elitista, poucos tinham acesso a esta arte e poucos também podiam entendê-la. EXERCÍCIOS 1. (Uespi 2012) A Igreja Católica centralizou ações políticas e não se descuidou de aumentar seu poderio econômico na Idade Média. Teve, também, presença na formulação do pensamento e na construção da cultura da época. Um dos pensadores mais expressivos foi Santo Agostinho, que: a) era favorável ao fim das crenças baseadas apenas na fé, procurando seguir os princípios das concepções de mundo de Platão. b) escreveu As Confissões, obra de valor para o catolicismo, responsável pela defesa da razão e da igualdade social entre os seus adeptos. c) construiu reflexões que influenciaram Calvino e Lutero na efetivação da reforma protestante nos tempos modernos. d) compartilhou com as teorias de Tomás de Aquino, todas voltadas para defesa da fé absoluta no poder de Deus. e) criticou os excessos cometidos pelos papas da época, exigiu maior liberdade religiosa e o fim das crenças politeístas. 3. (Ufg 2010) No século XVI, com a ocorrência da Reforma e da Contra-reforma, católicos e protestantes, apesar de manterem o tronco comum no cristianismo, passam a divergir quanto às práticas e às explicações para suas crenças. Considerando as divergências, conclui-se que, em relação à hierarquia religiosa: a) os católicos aceitaram o poder temporal dos Reis, constituindo uma relação de submissão da Igreja em relação ao Estado. b) os luteranos aceitaram a relação direta entre Deus e o fiel por meio da oração, sem dispensar a figura de um religioso. c) os católicos negavam a autoridade dos clérigos, indignados com o privilégio que eles tinham como intérpretes das Escrituras. d) os calvinistas conservaram o ritual litúrgico determinado por Roma, mantendo o culto aos santos e à Virgem Maria. 6

7 e) os luteranos aboliram os sacramentos do batismo e da eucaristia, rompendo com o ordenamento proposto pelo cristianismo. 9. (Ufpi 2007) Em relação ao contexto das reformas religiosas do século XVI, é correto afirmar que: a) a Reforma Puritana possibilitou à Coroa Portuguesa efetivar seu rompimento definitivo com o Catolicismo Romano. b) a Contra-reforma procurou conciliar a visão religiosa dos seguidores de Lutero com o pensamento dos seguidores de Calvino. c) os Tribunais da Inquisição ficaram responsáveis pela punição dos infiéis e pela censura aos livros considerados ofensivos à fé católica. d) a Contra-reforma opôs-se à Companhia de Jesus e delegou à Igreja Anglicana a tarefa de combater a expansão protestante na Europa. e) a Reforma Protestante fortaleceu a venda de relíquias sagradas e aplicou o dinheiro das indulgências na edificação de templos católicos. 10. (Ufpel 2007) Arrancada a confissão do réu, os inquisidores proferiam a sentença em uma sessão pública denominada sermão geral. As sentenças previam três tipos básicos de penas: confiscação de bens, prisão e morte. A maioria dos condenados à morte eram queimados vivos numa grande fogueira. Somente a alguns permitia-se o estrangulamento antes de serem lançados ao fogo. COTRIM, Gilberto. 6a ed. São Paulo: Saraiva, O texto didático faz uma análise das ações do Tribunal da Inquisição, criado pela: a) Igreja Anglicana, durante a Reforma Religiosa. b) Religião muçulmana, no período das Cruzadas. c) França dos Huguenotes, no período da Contra-Reforma. d) Reforma Protestante, liderada por Lutero, no fim da Idade Média. e) Igreja Católica Romana, durante a Idade Média. 11. (Ufpr 2006) A Reforma protestante e a Contra-Reforma envolveram aspectos ligados à doutrina da religião cristã e à forma como se organizava a Igreja Católica com sede em Roma. No contexto desses movimentos, considere as afirmativas a seguir: I. Os protestantes eram contrários à autoridade do Papa e à intermediação dos padres na leitura da Bíblia. II. Os protestantes eram contrários ao casamento dos padres e ao sacramento da confissão. III. As ideias protestantes tiveram grande aceitação por parte dos monarcas portugueses, espanhóis e ingleses. IV. Os jesuítas foram designados para a ação missionária nas terras da América, Ásia e África, a fim de garantir a expansão da fé católica. V. O Concílio de Trento definiu algumas ações para reagir à expansão do protestantismo, como o fortalecimento dos sacramentos e uma melhor formação do clero para o atendimento dos fiéis. 7

8 Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas II e III são verdadeiras. b) Somente as afirmativas I e II são verdadeiras. c) Somente as afirmativas I, IV e V são verdadeiras. d) Somente a afirmativa IV é verdadeira. e) Somente as afirmativas III e V são verdadeiras. 12. O Renascimento foi o período de renovação de idéias. Teve início na Itália e depois se espalhou pelo Europa. O Renascimento foi também uma época de grandes artistas e escritores, como Leonardo da Vinci, Michelângelo e Shakespeare. A vida cultural deixou de ser controlada pela Igreja Católica e foi influenciada por estudiosos da Antiguidade grego-romana chamados de humanistas. SCHMIDT, Mário. Nova História Crítica. 6ª série. São Paulo: Nova Geração, 1999, p. 112 O Renascimento teve como características, EXCETO a) inspiração na Antiguidade Clássica b) valorização do homem c) desejo de romper com a cultura Medieval d) valorização da cultura teocêntrica 13. Ousados foram os artistas do Renascimento, que inventaram novas formas, cores e idéias e que nos legaram obras maravilhosas. Mona Lisa, Pietá e Primavera são, respectivamente, obras de: a) Leonardo da Vinci Michelângelo Botticelli b) Michelângelo Rafael Leonardo da Vinci c) Botticelli Michelângelo Rafael d) Leonardo da Vinci Donatelo Michelângelo 14. Leia este trecho, em que se faz referência à construção do mundo moderno:... os modernos são os primeiros a demonstrar que o conhecimento verdadeiro só pode nascer do trabalho interior realizado pela razão, graças a seu próprio esforço, sem aceitar dogmas religiosos, preconceitos sociais, censuras políticas e os dados imediatos fornecidos pelos sentidos. CHAUÍ, Marilena. "Primeira filosofia". 4. ed. São Paulo: Brasiliense, p. 80. A leitura do trecho nos permite identificar características do Renascimento. Assinale a afirmativa que contém essas características. a) Deismo e ceticismo. b) Teocentrismo e Racionalismo. c) Racionalismo e Antropocentrismo. 8

9 d) Classicismo e Ceticismo. 15. O homem vale tanto quanto o valor que dá a si próprio. (François Rabelais) "O bom pintor é aquele capaz de representar duas coisas principais, chamadas homem e os trabalhos da mente do homem'." (Leonardo Da Vinci) As frases acima expressam um dos princípios fundamentais do renascimento cultural que é o: a) Hedonismo, valorizando o prazer do homem. b) Teocentrismo em contraposição a visão estática do mundo medieval. c) Antropocentrismo, valorizando o homem em contraposição as idéias católicas medievais. d) Humanismo, valorizando a o pensamento racional. e) pensamento empírico como forma de valorização do homem. 16. O Renascimento Cultural é visto, pelo senso comum, como um movimento artístico. Sabemos, no entanto, que esse movimento é muito mais abrangente. Sobre o Renascimento, é correto afirmar: a) O Renascimento foi um movimento de mudança de mentalidade da sociedade européia e repercutiu nas mais diversas áreas. b) A força das idéias humanistas combateram o cristianismo e impôs o pensamento ateu. c) As ciências em geral não tiveram grande desenvolvimento, porque no período renascentista não havia uma preocupação com a questão empírica. d) O Renascimento resgatou o pensamento humanista que se manteve forte durante a Idade Média no combate às heresias. 17. Qual das alternativas abaixo apresenta características do Renascimento Cultural? A - Teocentrismo; valorização da cultura egípcia; valorização da religião; estética fora da realidade. B - Geocentrismo; valorização apenas de temas religiosos; influência do misticismo; estética monocromática. C - Temas não relacionados com a realidade; pobreza de cores nas pinturas; Teocentrismo; valorização de temas abstratos. D - Antropocentrismo; valorização da cultura greco-romana; valorização da Ciência e da razão; busca do conhecimento em várias áreas. 18. Vários artistas italianos se destacaram no Renascimento Cultural. Qual das alternativas abaixo apresenta nomes de artistas italianos renascentistas? A - Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafael Sanzio, Botticelli e Tintoretto. B - Pablo Picasso, Van Gogh, Galileu Galilei e Lucas Mantovanni. C - Pitágoras, Renoir, Portinari, Monet e Laurentino Schiatti. D - Lucas Mantovanni, Pablo Picasso, Monet, Girondinelli e Renoir. 9

10 17. Na Itália Renascentista quem eram os mecenas? A - Governantes que atuavam como artistas, fazendo esculturas e pinturas. B - Pintores que ajudavam financeiramente os burgueses da época. C - Burgueses e governantes que protegiam e patrocinavam financeiramente os artístas renascentistas. D - Religiosos que perseguiam os artísticas que faziam obras de arte que criticavam os fundamentos da Igreja Católica. 19. Sobre Leonardo da Vinci, é verdadeira afirmar que: A - Foi o mais importante escultor e poeta do Renascimento Italiano. B - Foi um importante pintor, escultor, cientista, engenheiro, escritor e físico do Renascimento. C - Foi um importante governante italiano que patrocinou vários artistas e cientistas do período renascentista. D - Foi um importante escultor e pintor italiano do Renascimento, cuja principal obra é Pietá. 20. Qual dos países abaixo é considerado o berço do Renascimento? A - França B - Itália C - Espanha D - Holanda 21. (UFAL) Ao contrário dos portugueses, que buscavam atingir as Índias contornando a costa africana, Colombo: a) concentrou suas navegações na parte Leste, em busca de uma passagem Noroeste para as Índias. b) concentrou suas navegações na parte Norte da América, em busca de uma passagem ao Noroeste para o continente asiático; c) dirigiu-se para o Oeste em busca da passagem Sudeste para o continente asiático; d) Navegou pelo Oceano Atlântico em direção ao Canal da Mancha e Mar do Norte, seguindo as instruções do Rei de Portugal; e) planejou atingir o Leste, onde se encontravam as Índias, viajando no sentido Oeste; 22. (UNIP) "... Diziam os mareantes, que depois desse cabo não há nem gente nem povoado algum; a terra não é menos arenosa que os desertos da Líbia, onde não há água, nem árvores, nem erva verde; e o mar é tão baixo, que a uma légua da terra não há fundo mais que uma braça." O texto faz referência à época: a) da Revolução Industrial na Idade Contemporânea; b) das Grandes Navegações no início da Idade Média; c) das navegações fenícias; d) do expansionismo marítimo lusitano; 10

11 e) do neocolonialismo. 23. A esquadra enviada por D. Manuel, rei de Portugal, às Índias, sob o comando de Pedro Álvares Cabral, tinha como objetivo a) combater a pirataria nas Colônias portuguesas na costa oeste da África; b) confirmar a existência de minas de metais preciosos no sul da Ásia; c) estabelecer uma sólida relação comercial e política com os povos do Oriente; d) procurar outro caminho que conduzisse ao Oriente sem utilizar o Mediterrâneo; e) verificar as possibilidades de exploração de mão-de-obra escrava. 24. (UNIFENAS) Destaca-se como resultado das descobertas e da expansão luso-espanhola nos tempos modernos a: a) abertura de uma nova era de navegação e comércio, não mais concentrada no Mediterrâneo e sim no Oceano Atlântico; b) defesa das culturas nativas das Américas pelo Clero e pelo Estado; c) diminuição do comércio entre Europa e Novo Mundo, com a hegemonia do mar Mediterrâneo; d) formação de novos impérios na África e na Ásia, com a ampliação do comércio entre os dois continentes; e) preservação da autonomia política das nações conquistadas, a exemplo do México e do Peru. 25. "O apoio financeiro da classe mercantil foi decisivo para o sucesso do movimento revolucionário, que faz surgir um novo Estado Nacional, mais forte e mais centralizado, e eminentemente mercantilista." O movimento revolucionário mencionado no texto e referente à História de Portugal está ligado: a) à ascensão do Mestre de Avis ao trono português; b) à atuação de Afonso Henrique de Borgonha, fundador do Reino de Portugal; c) à dominação dos Felipes sobre Portugal; d) à Reconquista cristã do território português aos árabes; e) à Restauração Portuguesa, que marca o fim da dominação espanhola. 26. Sobre as Navegações e os Descobrimentos, assinale a alternativa falsa: a) A Conquista de Ceuta foi o passo inicial para o início da expansão portuguesa. b) A Escola de Sagres foi um espaço para que jovens pudessem estudar e serem navegadores. c) A Espanha retardou a sua participação na Expansão Marítima porque estava ainda em luta com os mouros e em processo de unificação política. d) Com os Descobrimentos, o eixo-econômico transferiu-se do Mediterrâneo para o Atlântico. e) O que melhor explica o pioneirismo luso nas navegações é a posição geográfica de Portugal. 11

12 27. Sobre as Navegações e os Descobrimentos, assinale a alternativa falsa: a) A Conquista de Ceuta foi o passo inicial para o início da expansão portuguesa. b) A Escola de Sagres foi um espaço para que jovens pudessem estudar e serem navegadores. c) A Espanha retardou a sua participação na Expansão Marítima porque estava ainda em luta com os mouros e em processo de unificação política. d) Com os Descobrimentos, o eixo-econômico transferiu-se do Mediterrâneo para o Atlântico. e) O que melhor explica o pioneirismo luso nas navegações é a posição geográfica de Portugal. 12

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa.

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Habilidade: Identificar os elementos que caracterizaram as transformações sociais e científicas na Europa

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014. Ano: 7º Turma: 7.1

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014. Ano: 7º Turma: 7.1 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: HISTORIA Professor (a): RODRIGO CUNHA Ano: 7º Turma: 7.1 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 9 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP FINALIDADE: Estudar dois movimentos ocorridos na Europa no início dos tempos

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim

Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim Lista de Exercício de História - 1ª Série do Ensino Médio/ II trim 1. Qual das alternativas abaixo apresenta características do Renascimento Cultural? A - Teocentrismo; valorização da cultura egípcia;

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Conceito: O Renascimento foi um movimento importante, de renovação cultural e artística que se originou na Itália no séc. XIV e marcou a mudança da idade Média para a idade Moderna.

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira

RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira RENASCIMENTO E HUMANISMO Profª Erô Cirqueira Definição: Movimento científico e científico ocorrido na Europa durante a transição entre as idades Média e Moderna. Fatores: A expansão marítima e o renascimento

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA PROVA FINAL/2015

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA PROVA FINAL/2015 ESCOLA ADVENTISTA SANTA EFIGÊNIA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL Rua Prof Guilherme Butler, 792 - Barreirinha - CEP 82.700-000 - Curitiba/PR Fone: (41) 3053-8636 - e-mail: ease.acp@adventistas.org.br

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Aula 23- Renascimento cultural

Aula 23- Renascimento cultural FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 23- Renascimento cultural DeOlhoNoEnem H1 - Interpretar historicamente e/ou geograficamente fontes documentais acerca de aspectos da cultura. H3 - Associar as manifestações

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 1ª SÉRIE

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais

Assinale a alternativa que NÃO tem característica(s) do Renascimento:

Assinale a alternativa que NÃO tem característica(s) do Renascimento: Questão 01) Leia a definição de renascença. 1. Ato ou efeito de renascer; renascimento 2. Qualquer movimento caracterizado pela ideia de renovação, de restauração; retorno 3. Nova vida, nova existência.

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante OBJETIVOS Elaborar uma linha histórica que retrate os marcos significativos da Reforma Protestante. Citar dados biográficos dos principais reformadores. Explicar a importância da Reforma Protestante no

Leia mais

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal.

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. Conteúdo para recuperação do I Semestre I Bimestre II Bimestre 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. As Reformas Religiosas; A África. Feudalismo; Sistema político, econômico e social que se formou

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES Capítulo 6 RENASCIMENTO CULTURAL 1. O Renascimento surgiu primeiro na região onde hoje é a Itália. Sobre as razões para que o movimento renascentista europeu se iniciasse na Península Itálica afirmamos

Leia mais

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA IDADE ANTIGA CULTURA GRECO-ROMANA ANTROPOCÊNTRICA ANTROPO = Homem CÊNTRICA = centro

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

Prof.: Thiago Oliveira

Prof.: Thiago Oliveira Prof.: Thiago Oliveira O Renascimento foi um conjunto de transformações (Sociais, Econômicas, Políticas, Religiosas, Científicas e Artísticas) ocorridas na Europa a partir do Séc. XI, tendo seu auge durante

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Yann/Lamarão Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

História. Cultura Renascentista

História. Cultura Renascentista Cultura Renascentista Índice Clique sobre tema desejado: Origem e conceito Origem e conceito Origem Itália Crise feudal (séc. XIV-XVI) Florença Centro do renascimento Conceito Movimento de renovação cultural,

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS ALTA IDADE MÉDIA É costume dividir o período medieval em duas grandes fases: a Alta Idade Média, que se estende do século V ao século XI e a Baixa Idade Média, do século XII ao século XV. A primeira fase

Leia mais

TEXTO BASE: Roma Antiga Império (27 a.c. 476)

TEXTO BASE: Roma Antiga Império (27 a.c. 476) TEXTO BASE: Roma Antiga Império (27 a.c. 476) Divide-se em duas fases: Alto Império (séc. I a.c. ao séc. III) Baixo Império (séc. III ao séc. V) ALTO IMPÉRIO O período do Alto Império Romano é caracterizado

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO 01) O Estado moderno, que representou o fim das concepções políticas medievais, encontrou vários teóricos. Entre eles merecem destaque Maquiavel,

Leia mais

O Renascimento Cultural

O Renascimento Cultural O Renascimento Cultural Antecedentes Renascimento comercial e urbano; Ascensão social da burguesia (lucro e sucesso individual) Mecenato; Expansão Marítima e Comercial; Novas descobertas científicas; Conquista

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano DICAS DO PROFESSOR História 7º Ano A REFORMA PROTESTANTE AS PRINCIPAIS CRÍTICAS DE LUTERO Vida desregrada; Opulência; Luxo do alto clero; Venda de cargos; Venda de relíquias sagradas; Venda de indulgências.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - ÁRABES E BIZANTINOS

LISTA DE EXERCÍCIOS - ÁRABES E BIZANTINOS 1. (Uftm 2012) Observe a fotografia de 31 de outubro de 2010 que registrou peregrinos no círculo da Caaba na Grande Mesquita, em Meca, Arábia Saudita. 3. (Espm 2012) Observe a imagem, leia o texto e responda:

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Divisão clássica da História da humanidade

Divisão clássica da História da humanidade 6. Idade Moderna Séc. XVII: A Química como Ciência Independente 1 Divisão clássica da História da humanidade História Moderna: entre o final do século XV - início das grandes navegações - conquista de

Leia mais

CONCEITOS. Expansão e mudanças nos séculos XV e XVI. O expansionismo europeu SIGNIFICADO. CONCEITOS Navegação astronómica

CONCEITOS. Expansão e mudanças nos séculos XV e XVI. O expansionismo europeu SIGNIFICADO. CONCEITOS Navegação astronómica GLOSSÁRIO 8º Ano Expansão e mudanças nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Navegação astronómica Capitão donatário Colonização Feitoria Mare clausum Império colonial Monopólio comercial Navegação

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima Prof.ª. Maria Auxiliadora Mudanças no final da Idade Média Política - Nobreza e Clero perdem o poder - Rei centraliza o poder

Leia mais

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja A REFORMA RELIGIOSA A REFORMA, FOI UM MOVIMENTO RELIGIOSO EM OPOSIÇÃO À IGREJA CATÓLICA PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos História da Educação I Prof. Fernando Roberto Campos Reflexão A torneira seca (mas pior: a falta de sede). a luz apagada (mas pior: o gosto do escuro). a porta fechada (mas pior: a chave por dentro). José

Leia mais

RENASCIMENTO CULTURAL PROFESSOR JR. SOARES

RENASCIMENTO CULTURAL PROFESSOR JR. SOARES RENASCIMENTO CULTURAL PROFESSOR JR. SOARES RENASCIMENTO Definição: movimento cultural e artístico que rompeu com o padrão de pensamento vigente no mundo medieval, introduzindo a cultura laica (não religiosa);

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano)

Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano) Sugestão de Atividade / História / 6ª Série (7º Ano) COMPONENTE CURRICULAR: História SÉRIE/ANO: 6ª SÉRIE (7º Ano) INTERDISCIPLINARIDADE: Artes CONTEÚDO: Renascimento Cultural Eixo Temático I de Artes:

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra)

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Apresentamos um conjunto de 8 PowerPoint que abordam todos os conteúdos programáticos e das Metas Curriculares do 8.º ano. Estes obedecem

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- 1. Procure e marque, no diagrama de letras, as palavras em destaque no texto.

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- 1. Procure e marque, no diagrama de letras, as palavras em destaque no texto. Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA História PROFESSOR(A) Magela ANO SEMESTRE DATA 7º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Procure e marque, no diagrama de letras, as

Leia mais

- Transição da Idade Média para Idade Moderna

- Transição da Idade Média para Idade Moderna Renascimento - Transição da Idade Média para Idade Moderna - Movimento que começou na Itália por volta do século XV devido ao grande desenvolvimento econômico das cidades italianas (Genova, Veneza, Milão,

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

História - Claudiomar

História - Claudiomar RENASCIMENTO CULTURAL O Renascimento foi um movimento cultural e artístico que rompeu com o padrão de pensamento vigente no mundo medieval, introduzindo a cultura laica. PERÍODO: entre os séculos XIV e

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ANTIGUIDADE PARA A IDADE MÉDIA NA EUROPA

TRANSIÇÃO DA ANTIGUIDADE PARA A IDADE MÉDIA NA EUROPA TRANSIÇÃO DA ANTIGUIDADE PARA A IDADE MÉDIA NA EUROPA O processo de transição Fim do Império Romano do Ocidente: diversos fatores; Cultura dos povos bárbaros + cultura dos povos romanos = base para as

Leia mais

O Renascimento Cultural. 1. O Renascimento

O Renascimento Cultural. 1. O Renascimento 1. O Renascimento O Renascimento Cultural Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, muda-se o ser, muda-se a confiança; todo o mundo é composto de mudança, tomando sempre novas qualidades. (Luís Vaz de

Leia mais

RENASCIMENTO ITALIANO

RENASCIMENTO ITALIANO ARTES / 2º ANO PROF.MÍLTON COELHO RENASCIMENTO ITALIANO Contexto histórico O termo significa reviver os ideais greco-romanos; na verdade o Renascimento foi mais amplo, pois aumentou a herança recebida

Leia mais

O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada.

O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada. O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada. Nessa altura o imperador Augusto, determinou o recenseamento de

Leia mais

FEUDALISMO PROF. OTTO TERRA

FEUDALISMO PROF. OTTO TERRA FEUDALISMO DIVISÃO HISTÓRICA ALTA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA Inicia-se no século V até o século X; Inicia-se no século XI até o século XV; Acentua-se as principais características do feudalismo; Apresenta

Leia mais

HISTÓRIA Resolução OBJETIVO 2001

HISTÓRIA Resolução OBJETIVO 2001 1 Tito Lívio, em História de Roma, referindo-se às lutas entre patrícios e plebeus que se estenderam do século V ao IV a.c., escreveu: "... apesar da oposição da nobreza, houve eleições consulares em que

Leia mais

IDADE MODERNA (1453 1789)

IDADE MODERNA (1453 1789) IDADE MODERNA (1453 1789) RENASCIMENTO Definição: movimento cultural e artístico que rompeu com o padrão de pensamento vigente no mundo medieval, introduzindo a cultura laica (não religiosa); Quando: entre

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

Roma. Profª. Maria Auxiliadora

Roma. Profª. Maria Auxiliadora Roma Profª. Maria Auxiliadora Economia: Agricultura e Pastoreiro Organização Política: MONARQUIA 753 a.c. 509 a.c. Rex = Rei (chefe supremo, sacerdote e juiz) Conselho de Anciãos = Senado (legislativo)

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

O RENASCIMENTO. A pintura do Renascimento confirma as três conquistas que os artistas do último período gótico HISTORICISMO

O RENASCIMENTO. A pintura do Renascimento confirma as três conquistas que os artistas do último período gótico HISTORICISMO HISTORICISMO 1308 Dante Alighieri começa a escrever A Divina Comédia. 1333 Simoni de Martini pinta O Anjo e a Anunciação. 1415 Navegadores portugueses chegam a Ceuta. 1448 Gutenberg inventa a imprensa.

Leia mais

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Expansionismo Romano - Etapas 1ª.

Leia mais

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido.

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Orientação de Estudos Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Porém, a leitura do livro texto é indispensável para compreensão e fixação do conteúdo. 3EM - Antiguidade

Leia mais

O surgimento do Mundo Moderno

O surgimento do Mundo Moderno Módulo 2 Unidade 4 O surgimento do Mundo Moderno Para início de conversa... Você já viu ou ouviu propagandas que atribuem a qualidade de moderno para um produto ou serviço? Um supermercado moderno e eficiente,

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

REFORMAS RELIGIOSAS LISTA DE EXERCÍCIOS

REFORMAS RELIGIOSAS LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Fgvrj 2013) A Reforma, a despeito de sua hostilidade à magia, estimulara o espírito de profecia. A abolição dos intermediários entre o homem e a divindade, bem como a ênfase na consciência individual,

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Reformas religiosas Reforma protestante

Reformas religiosas Reforma protestante Reformas religiosas Reforma protestante Durante a Idade Média, o poder tanto político quanto econômico estava nas mãos da Igreja Católica. Contrariando alguns ensinamentos do cristianismo tradicional,

Leia mais

COLÉGIO COOPEMIG. Disciplina: História TRABALHO EM GRUPO Valor: 04 Pontos Turma: 101 Professor: Edley Reis de Oliveira Data: 20/02/2014

COLÉGIO COOPEMIG. Disciplina: História TRABALHO EM GRUPO Valor: 04 Pontos Turma: 101 Professor: Edley Reis de Oliveira Data: 20/02/2014 COLÉGIO COOPEMIG Disciplina: História TRABALHO EM GRUPO Valor: 04 Pontos Turma: 101 Professor: Edley Reis de Oliveira Data: 20/02/2014 ROTEIRO DE ANÁLISE DO DOCUMENTÁRIO O MUNDO DE DA VINCI ETAPAS DO TRABALHO:

Leia mais

Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia

Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia A Crise Européia dos Séculos XIV e XV - fatores - econômicos - monopólio do comércio Veneza / falta de metais - políticos - Guerra dos Cem Anos - naturais - peste

Leia mais

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Professora: Marcela Szymanski Disciplina: História Série: 7º B, E 1º Trimestre. Conteúdo Estruturante

Leia mais

01. A religião muçulmana, que contribuiu para unificar os povos de origem árabe e lhes forneceu amparo espiritual ao longo de sua expansão,

01. A religião muçulmana, que contribuiu para unificar os povos de origem árabe e lhes forneceu amparo espiritual ao longo de sua expansão, Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 1ª. Disciplina: História (p1,1ª,chamada, 4º. Bimestre) prova dia 23 de outubro de 2015.

Leia mais

Buridan. Teoria do impetus. Astronomia. Astronomia. Jean Buridan (1300-1358) 3 - A Ciência no Renascimento. História e Epistemologia da Física

Buridan. Teoria do impetus. Astronomia. Astronomia. Jean Buridan (1300-1358) 3 - A Ciência no Renascimento. História e Epistemologia da Física 3 - A Ciência no Renascimento Jean Buridan (1300-1358) História e Epistemologia da Física 12-fev-2014 www.fisica-interessante.com 1/84 12-fev-2014 www.fisica-interessante.com 2/84 Buridan sacerdote francês

Leia mais

Os movimentos de libertação colonial

Os movimentos de libertação colonial Os movimentos de libertação colonial Fatores determinantes Em fins do século XVIII, iniciaram-se os movimentos que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. Deste momento

Leia mais

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado Professor Dejalma Cremonese A ocupação econômica das terras americanas constitui um episódio da expansão comercial da Europa. O comércio interno europeu, em intenso

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Liberalismo Conceitos Importantes A palavra liberal é um adjetivo derivado do latim liberale, termo que se designava o homem livre na antiguidade romana. Uma

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

IDADE MODERNA O RENASCIMENTO CULTURAL

IDADE MODERNA O RENASCIMENTO CULTURAL Definição: Movimento cultural, artístico, filosófico, científico que rompeu com o padrão de pensamento vigente no mundo medieval, introduzindo a cultura laica (não religiosa); Quando: séculos XIV e XVI;

Leia mais