Ficha Técnica Copyright 2010 by Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha Técnica Copyright 2010 by Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas"

Transcrição

1 A I U G OLE R T N TO O N C E DE AM R R O U D T DE FA N O E D RE E P L M A E L U A D I U DO V N I IND ÇÃO A A RA D A A L IC DEC MPLIF SI BRASÍLIA 2010

2 Ficha Técnica Copyright 2010 by Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Todos os direitos reservados - É permitida a reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio, desde que divulgadas as fontes. Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: Adelmir Araújo Santana Diretor Presidente: Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico: Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças: José Claudio dos Santos Gerente da Unidade de Atendimento Individual: Ênio Duarte Pinto Colaboradores: Joana Bona Pereira, Ivana Ferreira Lima, Geraldo Magela de Souza, Hugo Nakatani, Loreane Evelyn Nazareth Brandizzi, Antonio Viegas. Autores: André Silva Spínola e Lusia Angelete S758 Spínola, André. Guia de controle do faturamento do empreendedor e declaração anual simplificada / André Spínola e Lusia Angelete. -- Brasília : SEBRAE, p. : il. 1. Empreendedor individual. 2. Receita bruta. 3. Declaração de imposto de renda. I. Angelete, Lusia. II. Título CDU Sebrae Nacional SGAS 604/605 - Módulos 30 e 31 - Asa Sul Brasília - DF Tel.: (61) Fax: (61) Este guia tem caráter meramente informativo. Os dados e as informações foram obtidos de material de divulgação das instituições citadas, e, portanto, o Sebrae não se responsabiliza pela sua veracidade ou pela sua atualização. As análises, as opiniões e as recomendações do Guia são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam necessariamente a posição institucional do Sebrae. 02

3 Sumário Apresentação 4 O que é o empreendedor Individual? 4 Relatório Mensal de Receitas e Declaração Anual 5 Relatório Mensal das Receitas Brutas 6 Como preencher o Relatório Mensal de Receitas brutas 6 Declaração Anual do Microempreendedor Individual - DAS SIMEI 10 Como preencher a Declaração Anual 10 Faturamento superior a R$ Onde obter ajuda 18 Referências 19 03

4 Apresentação O que é o Empreendedor Individual? A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008 criou o Empreendedor Individual, tornando possível a legalização de empreendimentos informais que poderão se registrar no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), que facilita a abertura de conta bancária, o pedido de empréstimos e a emissão de notas fiscais. Para ser um Empreendedor Individual, é necessário faturar até R$ 36 mil por ano, não ter participação em outra empresa como sócio ou titular e possuir, no máximo, um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria. Poderão se inscrever como Empreendedor Individual os empresários que exercem atividades de comércio, indústria e serviços de natureza não intelectual/sem regulamentação legal. O Empreendedor Individual é enquadrado no Simples Nacional e ficará isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL). O custo máximo de formalização é de R$ 62,10 por mês: R$ 56,10 (11% sobre o salário mínimo) para a Previdência Social; R$ 1,00 de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) para indústria e comércio; R$ 5,00 de ISS (Imposto sobre Serviços) para prestadores de serviços. Essas quantias serão atualizadas anualmente, de acordo com o salário mínimo. Por fim, vale ressaltar que o Empreendedor Individual terá acesso a benefícios como auxílio-maternidade, auxílio-doença, aposentadoria, entre outros. A formalização do Empreendedor Individual é feita pela internet no endereço 04

5 Relatório Mensal de Receitas e Declaração Anual O Empreendedor Individual está dispensado de contabilidade formal e, portanto, não precisa escriturar nenhum livro. Todo mês, até o dia 20, o Empreendedor Individual deverá preencher o Relatório Mensal das Receitas que obteve no mês anterior, portanto, deve guardar as notas de compra de mercadorias, os documentos do empregado contratado e o canhoto das notas fiscais que emitir. Além disso, todos os anos, o Empreendedor Individual deve declarar o valor do faturamento do ano anterior. No caso da primeira declaração, o Empreendedor Individual também pode contar gratuitamente com a ajuda do contador. O SEBRAE desenvolveu este Guia para ajudar o Empreendedor Individual a cumprir suas obrigações fiscais, elaborando corretamente os seguintes documentos: Relatório Mensal das Receitas Brutas; Declaração Anual do Microempreendedor Individual DASN SIMEI. É importante que o Empreendedor Individual se familiarize com esses controles que são essenciais no planejamento e desenvolvimento do seu negócio. Os controles permitem avaliar, por exemplo, se o faturamento é suficiente para pagar os compromissos assumidos ou se permite sobras para a ampliação das atividades. 05

6 Relatório Mensal das Receitas Brutas O Empreendedor Individual precisa fazer o controle mensal do faturamento para comprovar o cumprimento do limite estabelecido por lei para manutenção dos benefícios fiscais do SIMPLES Nacional. Esse controle é feito no Relatório Mensal das Receitas Brutas. O Relatório deve ser preenchido até o dia 20 do mês seguinte ao das vendas, no f o r m u l á r i o p a d r ã o o b t i d o n o P o r t a l d o E m p r e e n d e d o r (www.portaldoempreendedor.gov.br) e que você também encontra no Anexo I deste Guia. Atenção: Você deve preencher um formulário para cada mês do ano. Dicas importantes: O Relatório pode ser preenchido manualmente.. Comprovantes de compras de materiais/mercadorias e serviços e as notas fiscais emitidas nas vendas ou nos serviços prestados devem ser anexadas Relatório de cada mês. Guarde todos os Relatórios Mensais em arquivo à disposição do Fisco. O preenchimento correto do Relatório Mensal de Receitas Brutas facilitará bastante a Declaração Anual do Empreendedor Individual, como veremos mais adiante. ao Como preencher o Relatório Mensal de Receitas Brutas Na parte de cima do formulário, você deve informar o número do CNPJ, o seu nome empresarial e o mês/ano do Relatório. Veja um exemplo de preenchimento: Relatório Mensal das Receitas Brutas CNPJ: / Empreendedor Individual: José da Silva Período de Apuração: janeiro/

7 Em seguida, considere a natureza das atividades do seu empreendimento para continuar preenchendo formulário. Para cada atividade, devem ser preenchidas as seguintes informações: Na primeira linha, você deve informar o total das receitas sem nota fiscal. Na segunda linha, deve ser preenchido o total das vendas ou serviços prestados com notas fiscais. Na terceira linha, você deve somar os valores das duas linhas acima e informar o total da receita no mês. No final do formulário, campo X, preencha o valor total das atividades. Dicas importantes: Se você revende mercadorias adquiridas de outras empresas, a sua atividade é COMÉRCIO e você deve preencher os campos I, II e III (veja exemplo 1 abaixo); Se você vende produtos que você mesmo fabrica, a sua atividade é INDÚSTRIA e você deve preencher os campos IV, V e VI (exemplo 2); Se trabalhar na prestação de SERVIÇOS, preencha os campos VII, VIII e IX (exemplo 3); Se o empreendedor tiver duas ou mais atividades, deve preencher os campos de cada atividade e somar as receitas na última linha do formulário. Exemplo: Se o empreendimento atua em COMÉRCIO e SERVIÇOS devem ser preenchidos os campos I, II, III, VII, VIII e IX (exemplo 4). Atenção: Não deixe de informar todas as receitas do empreendimento. A omissão de receitas pode acarretar a perda dos benefícios. Veja alguns exemplos de preenchimento para cada atividade. 07

8 Exemplo 1 - Atividade de COMÉRCIO: RECEITA BRUTA MENSAL - REVENDA DE MERCADORIAS (COMÉRCIO) I - Revenda de mercadorias com dispensa de emissão de documento fiscal II - Revenda de mercadorias com documento fiscal emitido III - Total das receitas com revenda de mercadorias (I + II) RECEITA BRUTA MENSAL - VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (INDÚSTRIA) IV - Venda de produtos industrializados com dispensa de emissão de documento fiscal V - Venda de produtos industrializados com documento fiscal emitido VI - Total das receitas com venda de produtos industrializados (IV + V) RECEITA BRUTA MENSAL - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VII - Receita com prestação de serviços com dispensa de emissão de documento fiscal VIII - Receita com prestação de serviços com documento fiscal emitido IX - Total das receitas com prestação de serviços (VII + VIII) X - Total geral das receitas brutas no mês (III + VI + IX) Exemplo 2 - Atividade de INDÚSTRIA: RECEITA BRUTA MENSAL - REVENDA DE MERCADORIAS (COMÉRCIO) I - Revenda de mercadorias com dispensa de emissão de documento fiscal II - Revenda de mercadorias com documento fiscal emitido III - Total das receitas com revenda de mercadorias (I + II) RECEITA BRUTA MENSAL - VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (INDÚSTRIA) IV - Venda de produtos industrializados com dispensa de emissão de documento fiscal V - Venda de produtos industrializados com documento fiscal emitido VI - Total das receitas com venda de produtos industrializados (IV + V) RECEITA BRUTA MENSAL - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VII - Receita com prestação de serviços com dispensa de emissão de documento fiscal VIII - Receita com prestação de serviços com documento fiscal emitido IX - Total das receitas com prestação de serviços (VII + VIII) X - Total geral das receitas brutas no mês (III + VI + IX) Exemplo 3 - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: RECEITA BRUTA MENSAL - REVENDA DE MERCADORIAS (COMÉRCIO) I - Revenda de mercadorias com dispensa de emissão de documento fiscal II - Revenda de mercadorias com documento fiscal emitido III - Total das receitas com revenda de mercadorias (I + II) R$ 0,00 RECEITA BRUTA MENSAL - VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (INDÚSTRIA) IV - Venda de produtos industrializados com dispensa de emissão de documento fiscal V - Venda de produtos industrializados com documento fiscal emitido VI - Total das receitas com venda de produtos industrializados (IV + V) RECEITA BRUTA MENSAL - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VII - Receita com prestação de serviços com dispensa de emissão de documento fiscal VIII - Receita com prestação de serviços com documento fiscal emitido IX - Total das receitas com prestação de serviços (VII + VIII) X - Total geral das receitas brutas no mês (III + VI + IX) R$ 500,00 R$ 2.000,00 R$ 2.500,00 R$ 2.500,00 R$ 800,00 R$ 1.900,00 R$ 2.700,00 R$ 2.700,00 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 08

9 Exemplo 4 - COMÉRCIO E SERVIÇOS: RECEITA BRUTA MENSAL - REVENDA DE MERCADORIAS (COMÉRCIO) I - Revenda de mercadorias com dispensa de emissão de documento fiscal R$ 500,00 II - Revenda de mercadorias com documento fiscal emitido R$ 2.000,00 III - Total das receitas com revenda de mercadorias (I + II) R$ 2.500,00 RECEITA BRUTA MENSAL - VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (INDÚSTRIA) IV - Venda de produtos industrializados com dispensa de emissão de documento fiscal V - Venda de produtos industrializados com documento fiscal emitido VI - Total das receitas com venda de produtos industrializados (IV + V) RECEITA BRUTA MENSAL - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VII - Receita com prestação de serviços com dispensa de emissão de documento fiscal VIII - Receita com prestação de serviços com documento fiscal emitido IX - Total das receitas com prestação de serviços (VII + VIII) X - Total geral das receitas brutas no mês (III + VI + IX) R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 R$ 3.500,00 A seguir, o relatório deve ser datado e assinado. É preciso anexar as notas fiscais de venda ou de serviços emitidas e os comprovantes das compras (mercadorias ou serviços) realizadas durante o mês. Guarde o relatório em arquivo para apresentação ao Fisco, quando solicitado. LOCAL E DATA: ASSINATURA DO EMPRESÁRIO: ENCONTRAM-SE ANEXADOS A ESTE RELATÓRIO: - Os documentos fiscais comprobatórios das entradas de mercadorias e serviços tomados referentes ao período; - As notas fiscais relativas às operações ou prestações realizadas eventualmente emitidas. 09

10 Declaração Anual do Microempreendedor Individual DAS SIMEI O faturamento anual do empreendedor deve ser declarado à Secretaria da Receita Federal do Brasil através da Declaração Anual do Microempreendedor Individual - DAS SIMEI. Atenção: A declaração deve ser entregue até o ultimo dia útil do mês de janeiro de cada ano, com informações do ano anterior. Se a Declaração Anual não for entregue no prazo, o empreendedor ficará sujeito à multa de R$ 50,00 e não poderá imprimir as guias de pagamento (DAS) do próximo ano. Como preencher a Declaração Anual A Declaração Anual somente pode ser preenchida on line, utilizando o aplicativo eletrônico disponível no Portal do SIMPLES NACIONAL na Internet. Para acessar o aplicativo da Declaração, o usuário deve entrar no Portal do SIMPLES NACIONAL no endereço escolher Contribuintes e SIMEI no canto superior direito e, na página seguinte, DASN SIMEI, conforme indicado abaixo. O acesso é automático, sem necessidade de senha ou de assinatura digital. 10

11 Abertura da Declaração Na seguinte tela, o empreendedor deve informar o número do CNPJ de sua empresa e digitar os caracteres da imagem ao lado. Clique em continuar. 11

12 Comandos úteis Note que o sistema da Declaração contém os seguintes comandos que podem ser úteis e podem ser acessados a qualquer momento: Ajuda: para solucionar dúvidas do empreendedor sobre o preenchimento Sair: para suspender o preenchimento da declaração a qualquer momento. Declarar: utilizado para dar continuidade a uma declaração já iniciada Ano da Declaração O empreendedor deve indicar o ano da declaração, na linha correspondente ao tipo de declaração a ser apresentada (Original ou Retificadora). Depois, clique em Continuar. Dica: Se esta é a primeira vez que você preenche a Declaração no ano, o tipo é Original. Se está refazendo a Declaração para corrigir alguma informação, ela é do tipo Retificadora. 12

13 Atenção: Lembre-se de que, em janeiro, você estará preenchendo a Declaração referente ao ano anterior. Exemplo: Em janeiro/2011, você irá preencher os dados de 2010, então deve selecionar o ano O ano corrente será preenchido apenas pelos empreendedores individuais com inscrições baixadas no período (situação especial). Exemplo: Se durante o ano de 2011, você efetivou a baixa do seu registro de Empreendedor Individual, você deverá preencher a Declaração referente a Informações sobre a Receita Bruta A próxima tela da Declaração solicita o total das receitas do Empreendedor Individual no ano da Declaração, de duas formas: a) Receita bruta total; b) Receita bruta total referente às atividades sujeitas ao ICMS (indústria e comercio). Dica: Para preencher esses campos, consulte os Relatórios das Receitas Brutas Mensais que você preparou durante o ano. 13

14 A soma dos totais das receitas indicadas nos Relatórios Mensais deve ser informada no campo Receita Bruta Total. Se a atividade do empreendimento for INDÚSTRIA ou COMÉRCIO, informe, em separado, a receita bruta total sujeita ao ICMS no campo abaixo. Este valor corresponde à soma dos totais dos campos dos relatórios mensais, relativos ao COMERCIO e/ou à INDÚSTRIA, e deverá ser informado na linha Receita Bruta total referente às atividades sujeitas ao ICMS. Se a atividade for somente prestação de serviços, este campo não precisa ser preenchido e pode ser deixado em branco. Dica: Se você ainda tem dúvidas se sua atividade é COMÉRCIO ou SERVIÇOS, volte e leia as Dicas Importantes da página 7 deste Guia. Nesta tela, o empreendedor também deve informar se teve empregado durante o ano da Declaração. Mesmo que você tenha tido empregado apenas durante um mês do ano, deve informar que sim na Declaração. Confira as informações e clique em continuar. Veja um exemplo de preenchimento abaixo. 14

15 Exemplo Dados das receitas dos Relatórios Mensais: Serviços Indústria Total Janeiro 1.000, , ,00 Fevereiro 800, ,00 Marco ,00 Abril ,00 Maio ,00 Junho ,00 Julho ,00 Agosto ,00 Setembro ,00 Outubro ,00 Novembro ,00 Dezembro ,00 TOTAL , , ,00 Confirmação dos Tributos e Transmissão da Declaração Na próxima tela, o sistema apresentará os tributos apurados durante o ano. O sistema informará as parcelas pagas e as parcelas em atraso. Havendo pendencias, providencie o pagamento o mais rápido possível para não perder os benefícios. 15

16 Dica: Se você atrasou o pagamento de alguma parcela, volte ao Portal do Empreendedor (www.portaldoempreendedor.gov.br) para gerar uma nova guia (DAS), com os valores devidos, somados à multa e aos juros pelo atraso. Em caso de dúvida, volte às telas anteriores e confira ou altere as informações prestadas. Para finalizar, clique em Transmitir. O sistema informa a transmissão bem sucedida na tela seguinte. Escolha Imprimir para obter o recibo impresso. 16

17 No recibo impresso constarão as informações prestadas, o dia e a hora da transmissão e o respectivo número. Guarde esse recibo junto com os demais documentos do ano. Exemplo de Recibo: Após a transmissão da Declaração, você já pode imprimir no sistema as Guias de Pagamento do próximo ano. Se desejar, aproveite e imprima as 12 guias. 17

18 Faturamento Anual Superior a R$ ,00 Uma das condições para ser Microempreendedor Individual é ter faturamento anual de até R$ ,00. No ano de inicio de atividades, o faturamento não pode superar o resultado da multiplicação do número de meses em atividade por R$ 3.000,00. Se o faturamento anual superou o limite legal, é preciso pagar a diferença de tributos e comunicar o fato até o ultimo dia útil do mês seguinte no Portal do Simples Nacional (http://www8.receita.fazenda.gov.br/simplesnacional/mei). Se o faturamento anual foi maior do que R$ ,00 e inferior a R$ ,00, o seu empreendimento será classificado como microempresa a partir de Nesse caso, calcule a diferença do imposto sobre o valor excedente e faça o pagamento, sem juros e sem multa, até o ultimo dia útil do janeiro de Se o faturamento anual foi superior a R$ ,00, a classificação como microempresa será retroativa ao início de janeiro/2010. Nesse caso, NÃO APRESENTE A DECLARAÇÃO DASSIMEI, MAS A DECLARAÇÃO DO SIMPLES NACIONAL DASN, conforme instruções do Portal. Calcule os tributos devidos nos meses de 2010 conforme as regras do SIMPLES NACIONAL e acrescente os juros e a multa pelo atraso. Lembre-se: Com a classificação de microempresa no SIMPLES NACIONAL, o seu empreendimento passará a pagar impostos no valor de 4% a 17,42% do faturamento mensal. Onde obter ajuda Lembre-se de que o SEBRAE está disponível para orientá-lo e tirar suas dúvidas. Procure o ponto de atendimento do SEBRAE mais próximo, entre em contato com nossa Central de Relacionamento pelo telefone ou acesse o nosso portal em No Portal do Empreendedor (www.portaldoempreendedor.gov.br), você também encontra a lista de contadores credenciados que estão à disposição para apoiar gratuitamente a inscrição do Empreendedor Individual e a preparação da primeira Declaração Anual. 18

19 Referências Portal do Empreendedor SEBRAE Receita Federal 19

20 ANEXO Formulário padrão para o Relatório Mensal de Receitas Brutas RELATÓRIO MENSAL DAS RECEITAS BRUTAS CNPJ: / Empreendedor individual: Jose da Silva Período de apuração: janeiro/2010 RECEITA BRUTA MENSAL - REVENDA DE MERCADORIAS (COMÉRCIO) I - Revenda de mercadorias com dispensa de emissão de documento fiscal II - Revenda de mercadorias com documento fiscal emitido III - Total das receitas com revenda de mercadorias (I + II) RECEITA BRUTA MENSAL - VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (INDÚSTRIA) IV - Venda de produtos industrializados com dispensa de emissão de documento fiscal V - Venda de produtos industrializados com documento fiscal emitido VI - Total das receitas com venda de produtos industrializados (IV + V) RECEITA BRUTA MENSAL - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VII - Receita com prestação de serviços com dispensa de emissão de documento fiscal VIII - Receita com prestação de serviços com documento fiscal emitido IX - Total das receitas com prestação de serviços (VII + VIII) X - Total geral das receitas brutas no mês (III + VI + IX) R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 LOCAL E DATA: ENCONTRAM-SE ANEXADOS A ESTE RELATÓRIO: - Os documentos fiscais comprobatórios das entradas de mercadorias e serviços tomados referentes ao período; ASSINATURA DO EMPRESÁRIO: - As notas fiscais relativas às operações ou prestações realizadas eventualmente emitidas. 20

21 GUIA DE CONTROLE DO FATURAMENTO DO EMPREENDEDOR E DECLARAÇÃO ANUAL SIMPLIFICADA

EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual

EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São Paulo ANPEI Associação

Leia mais

MEI 2015 DECLARAÇÃO DE RENDA 17 DICAS PARA VOCÊ NÃO TER DOR DE CABEÇA COM A SUA DECLARAÇÃO DE RENDA

MEI 2015 DECLARAÇÃO DE RENDA 17 DICAS PARA VOCÊ NÃO TER DOR DE CABEÇA COM A SUA DECLARAÇÃO DE RENDA DECLARAÇÃO DE RENDA MEI 2015 17 DICAS PARA VOCÊ NÃO TER DOR DE CABEÇA COM A SUA DECLARAÇÃO DE RENDA Por Alexandre João da Silveira Consultor Contador credenciado do SEBRAE-SC Fique atento no passo a passo

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

Você vai aprender como atualmente, no Brasil, é fácil e rápido resolver essa situação.

Você vai aprender como atualmente, no Brasil, é fácil e rápido resolver essa situação. APRESENTAÇÃO O objetivo do e-book COMO REGULARIZAR SEU NEGÓCIO DE DOCES é ajudar você que está começando ou que já tem o seu pequeno negócio de doces, mas ainda trabalha na informalidade. Você vai aprender

Leia mais

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2014

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2014 EI, VOCÊ AÍ! Regularize a situação da sua empresa com as dicas do Sebrae-SP e aproveite todos os benefícios da formalização. Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual

Leia mais

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2015

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2015 EI, VOCÊ AÍ! Regularize a situação da sua empresa com as dicas do Sebrae-SP e aproveite todos os benefícios da formalização. Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011

BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011 BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011 S U M Á R I O 1 - MATÉRIAS FEDERAIS 1 2 - MATÉRIAS ESTADUAIS 3 3 - MATÉRIAS MUNICIPAIS 4 4 - MATÉRIAS TRABALHISTAS 4 5 - MATÉRIAS DIVERSAS 5 1 - MATÉRIAS FEDERAIS DECLARAÇÃO

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!!

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! P R O F M S K E I L L A L O P E S M E S T R E E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P E L A U F B A E S P E C I A L I S T A E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L P E L A U E F S G R A

Leia mais

Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe. Manual de acesso e utilização do sistema

Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe. Manual de acesso e utilização do sistema PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe Manual de acesso e utilização do sistema Versão: 1.0.30 Maio/2011 SUMÁRIO 1. TELA INICIAL... 3 2. CADASTRO DO PRESTADOR... 4

Leia mais

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!!

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! P R O F M S K E I L L A L O P E S M E S T R E E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P E L A U F B A E S P E C I A L I S T A E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L P E L A U E F S G R A

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRIPÁ ESTADO DA BAHIA C.N.P.J. 13.694.658/0001-92

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRIPÁ ESTADO DA BAHIA C.N.P.J. 13.694.658/0001-92 Decreto n 015/2015 Piripá, 19 de maio de 2015. Regulamenta o gerenciamento da Nota Fiscal Eletrônica de Serviços - NFS-e Sped, sua escrituração, a emissão de guia de recolhimento do Imposto sobre Serviços

Leia mais

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Organização: Patrícia Bianchi Machado, membro da Secretaria Executiva do Comitê Gestor do Simples Nacional V 1.01-05.02.2010

Leia mais

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8 Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 O QUE É GISSONLINE?... 6 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 6 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Sistema Serviço de Valet

Sistema Serviço de Valet Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Página 1 Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Versão 1.0.0 Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Página 2 Índice 1. Informações gerais... 3 2. Passo-a-passo...

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES. NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e)

ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES. NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e) ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e) Diretoria Geral de Tributos Biguaçu, Janeiro de 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica.

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica. EIRELI A EIRELI é uma empresa individual de responsabilidade limitada. Com a publicação da Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, foi alterado o Código Civil, com a finalidade de autorizar a criação das

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Fecomércio MG Jurídico MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Outubro de 2014 www.fecomerciomg.org.br S umário O que é o Simples Nacional... 3 Quem pode optar pelo Simples Nacional... 4 Modificações...5 Principais modificações

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TIETÊ

PREFEITURA MUNICIPAL DE TIETÊ PREFEITURA MUNICIPAL DE TIETÊ Nota Fiscal Digital de Serviços A Nota Fiscal Digital é um documento cujo valor é de um arquivo eletrônico assinado digitalmente, que apresenta algumas características como

Leia mais

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Manual Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Sumário DASN-SIMEI 1. Definições...2 2. Acesso à Declaração...3 3. Apresentação do Programa...3 4. Requisitos Tecnológicos...4

Leia mais

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE Versão 1.0.5 Março/2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 6 2.

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

AOS: INSPETORES SETORIAIS Manaus, 28 de janeiro de 2009. Solicito aos Inspetores Setoriais que orientem os Órgãos sob sua inspeção o seguinte:

AOS: INSPETORES SETORIAIS Manaus, 28 de janeiro de 2009. Solicito aos Inspetores Setoriais que orientem os Órgãos sob sua inspeção o seguinte: COMUNICAÇÃO INTERNA Nº 02 AOS: INSPETORES SETORIAIS Manaus, 28 de janeiro de 2009 Solicito aos Inspetores Setoriais que orientem os Órgãos sob sua inspeção o seguinte: 1 EMISSÃO DA GUIA DE RECOLHIMENTO

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições

Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições Roteiro de Escrituração das Contribuições Sociais (Pessoa Jurídica

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. Introduz as alterações que menciona no Decreto Municipal nº 1751/2004, de 29 de junho de 2004 e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO,

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL FIQUE DE OLHO Se você é Pessoa Jurídica ou seja possui CNPJ, precisa emitir Notas Fiscais nas vendas e ou quando realizar serviços. Se você vende somente para Pessoa Física, está

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

www.icert.com.br / www.gestortotal.com.br

www.icert.com.br / www.gestortotal.com.br Empreendedorismo Pequeno empreendedor: Saiba como começar sua empresa 1. Como financiar um negócio 2. O MEI Microempreendedor Individual 3. Benefícios em formalizar sua empresa 4. Local para se formalizar

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MANUAL DE CONSULTA DE SITUAÇÃO E REGULARIZAÇÃO Araçuaí-MG - Vale do Jequitinhonha 2015 CNPJ 10.643.596/0001-12 INSC. MUNICIPAL 1810-11 CRC-MG 9106/O R. Dr. Túlio Hostílio,

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica A REFORMULAÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E

Leia mais

Microempreendedor Individual Aspectos Tributários

Microempreendedor Individual Aspectos Tributários Microempreendedor Individual Aspectos Tributários SILAS SANTIAGO Vitória, 28 de julho de 2009. Gestão do Simples Nacional Gestão do Simples Nacional Comitê-Gestor do Simples Nacional (CGSN) órgão colegiado

Leia mais

o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual

o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual sumário >> Introdução... 3 >> Você sabe o que é MEI?... 5 >> Quais as vantagens em ser um MEI?... 11 >> Quais as responsabilidades do MEI?... 14 >> Como

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

Indenização adicional a data base da categoria. Neste bip. Você Sabia? Geração do arquivo Homolognet. Edição 58 Junho de 2015

Indenização adicional a data base da categoria. Neste bip. Você Sabia? Geração do arquivo Homolognet. Edição 58 Junho de 2015 Neste bip Indenização Artigo 9º, Lei n.º 7.238/84... 1 Geração do arquivo Homolognet... 1 Escrituração Contábil Digital... 2 Você Sabia? Que no sistema rumo é possível emitir o recibo de devolução e entrega

Leia mais

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO.

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. Acrescentado pelo Decreto 24.441 de 14 de agosto de 2008. Publicado no DOE de 14.08.2008 Convênio ICMS nº 143/02 e

Leia mais

Como consultar o histórico de pagamentos

Como consultar o histórico de pagamentos Histórico de Pagamentos Como consultar o histórico de pagamentos O histórico de pagamentos registra todos os pagamentos feitos no estabelecimento para todos os tipos de vendas. Pode ser considerado uma

Leia mais

EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual

EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual EI, você aí! Conheça os tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do Empreendedor Individual SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São

Leia mais

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e?

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e? O QUE MUDA COM A NF-e 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e, previamente credenciada segundo as normas ditadas pela Secretaria de Fazenda de

Leia mais

Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social.

Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social. Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social. Documentos que possuem validade fiscal perante o fisco

Leia mais

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE?

NFe e NFCe Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? Como emitir nota fiscal pelo Lince? COMO EMITIR NOTA FISCAL PELO LINCE? O que é a Nota Fiscal Eletrônica? Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) tem como intuito emitir e armazenar eletronicamente, para fins fiscais,

Leia mais

Copyright 2004/2014 - VLC

Copyright 2004/2014 - VLC Escrituração Fiscal Manual do Usuário Versão 7.2 Copyright 2004/2014 - VLC As informações contidas neste manual são de propriedade da VLC Soluções Empresariais Ltda., e não poderão ser usadas, reproduzidas

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 37 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 1.2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA NFS-E... 4 1.3. CONTRIBUINTES IMPEDIDOS DA EMISSÃO

Leia mais

OBS: Para auxílo na configuração de impostos e quais CFOPs(operações fiscais) usar, sempre consultar informações com o contador da empresa.

OBS: Para auxílo na configuração de impostos e quais CFOPs(operações fiscais) usar, sempre consultar informações com o contador da empresa. Como fazer uma NFe de Importação? A NFe de importação tem algumas particularidades. Resumidamente O fornecedor final precisa estar localizado em uma cidade do Exterior; Tem algumas diferenciações nos impostos

Leia mais

CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e

CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e Contador: Mardonedes Camelo de Paiva CRC/DF 010925-O-1 Contadora: Ozineide Paiva CRC/DF 024791/P-2 Bacharel: Pedro Henrique Brasília-DF /

Leia mais

GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0. Janeiro de 2012

GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0. Janeiro de 2012 GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0 Janeiro de 2012 AS INFORMAÇÕES (LEIS, DECRETOS, PORTARIAS, LAYOUTS) AQUI CONTIDAS FORAM EXTRAÍDAS DE VÁRIAS FONTES E PODEM TER

Leia mais

CFEM FÁCIL Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais

CFEM FÁCIL Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente FÁCIL Fundação Estadual do Meio Ambiente Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - Sisema Secretaria

Leia mais

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta a Lei Complementar nº. 92/07 de 13 de Dezembro de 2007, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) - que altera o sistema

Leia mais

Acesso ao Credenciamento

Acesso ao Credenciamento 2 1 Credenciamento Para todas as pessoas jurídicas que acessarem o sistema da NFS-e, será necessário inicialmente efetuar o credenciamento. O credenciamento é obrigatório para todas as empresas estabelecidas

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo:

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: GUIA DE ORIENTAÇÃO 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: 1.1 - ACESSAR O SITE DA PREFEITURA: 1.2 - CLICAR NA OPÇÃO: SERVIÇOS >> NOTA FISCAAL ELETRÔNICA 1.3 - Aguarde carregar

Leia mais

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009 Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe Respostas Perguntas Frequentes versão 02/2009 I. Conceito, uso e obrigatoriedade da CTe 1. O que é o Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe? Podemos conceituar

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO SISTEMA EMISSOR DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-E

MANUAL DE INSTRUÇÃO SISTEMA EMISSOR DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-E MANUAL DE INSTRUÇÃO SISTEMA EMISSOR DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-E SELECIONE A EMPRESA EMISSORA DA NFE CLIQUE EM INICIAR TELA DE AVISOS FAÇA A LEITURA DOS AVISOS E CLIQUE EM FECHAR EMISSÃO DA NOTA FISCAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS. NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS. NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA PINHAIS - 2014 SUMÁRIO 2 1. Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e)... 3 1.1 Considerações Iniciais...

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 IPI LIVRO DE ENTRADA - NORMAS PARA ESCRITURAÇÃO DETERMINADAS PELO RIPI... Pág. 407 ICMS MS/MT/RO CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e - NOTA CARIOCA

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e - NOTA CARIOCA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e - NOTA CARIOCA Acesso ao Sistema - Pessoa Jurídica Página 2 de 125 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 6 1.1. DEFINIÇÃO... 6 2. REGRAS PARA CADASTRAMENTO...

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA

PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA 1º PASSO Certificado Digital ou Senha Web? Existem duas formas de acessar o sistema para a emissão da NFS-e, uma com o Certificado Digital e a outra pela Senha

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DO USO DE ECF, PARÂMETROS DETERMINANTES:

OBRIGATORIEDADE DO USO DE ECF, PARÂMETROS DETERMINANTES: OBRIGATORIEDADE DO USO DE ECF, PARÂMETROS DETERMINANTES: Venda de mercadorias ou prestação de serviços sujeitos a incidência do imposto para pessoas (física ou jurídica) não inscritas como contribuintes

Leia mais

EI, VOCÊ AÍ! Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor Individual

EI, VOCÊ AÍ! Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor Individual EI, VOCÊ AÍ! Regularize a situação da sua empresa com as dicas do Sebrae-SP e aproveite todos os benefícios da formalização. Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor

Leia mais

PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL

PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL PESSOAL CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL Não somente os empregados, mas também os empregadores e empresas, sejam urbanos ou rurais, estão obrigados a contribuir anualmente para o sindicato representativo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA AÇÕES DO ESTADO PERANTE O MEI 20/04/2010

VIDEOCONFERÊNCIA AÇÕES DO ESTADO PERANTE O MEI 20/04/2010 VIDEOCONFERÊNCIA AÇÕES DO ESTADO PERANTE O MEI 20/04/2010 1 MEI-MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMBASAMENTO LEGAL: MEI - é o empresário individual definido no art. 966 do Código Civil - Lei 10.406/2002; Art.18-A,

Leia mais

Manual. Declaração Anual do Simples Nacional DASN 2011

Manual. Declaração Anual do Simples Nacional DASN 2011 Manual da Declaração Anual do Simples Nacional DASN 2011 1 Sumário 1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 2 1.1. ACESSO... 2 1.2. APRESENTAÇÃO... 3 1.2.1. A quem se destina... 4 1.3. O QUE HÁ NO PROGRAMA... 5

Leia mais

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO -

- GUIA DO EMPRESÁRIO - - GUIA DO EMPRESÁRIO - NF ELETRONICA LUCRO PRESUMIDO MUNICIPIO DE SÃO PAULO Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/14 Este é um roteiro para emissão de NF-eletronica.

Leia mais

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Organização: Patrícia Bianchi Machado, membro da Secretaria Executiva do Comitê Gestor do Simples Nacional V 3.0 06.12.2012

Leia mais

MANUAL PARA EMPRESAS. EMISSÃO E ESCRITURAÇÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA NFS-e

MANUAL PARA EMPRESAS. EMISSÃO E ESCRITURAÇÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA NFS-e MANUAL PARA EMPRESAS EMISSÃO E ESCRITURAÇÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA NFS-e Este manual é um passo-a-passo para as empresas estabelecidas no município de Ilhabela e devidamente cadastradas no SEGISS Sistema

Leia mais

Art. 1º - Fica instituída a Declaração de Serviços DS, de periodicidade trimestral, a partir de janeiro de 2000.

Art. 1º - Fica instituída a Declaração de Serviços DS, de periodicidade trimestral, a partir de janeiro de 2000. DECRETO DE Nº 18.409/99 DE 05 DE NOVEMBRO DE 1999. EMENTA: Institui a Declaração de Serviços - DS. O PREFEITO DA CIDADE DO RECIFE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso IV do artigo 54 da Lei

Leia mais

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS O que é SPED? É um arquivo de texto que detalha todas as movimentações fiscais da empresa em um determinado período, listando todas as operações de compra (Notas de compra)

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

- No primeiro campo informe o numero da empresa que serão copiadas as informações.(ex: 9999)

- No primeiro campo informe o numero da empresa que serão copiadas as informações.(ex: 9999) 1 2 1. Duplicação das informações de uma empresa para outra Juntamente com a instalação do sistema Office encaminhamos anexada a empresa modelo, que contem cadastros que podem ser utilizados nas empresas

Leia mais

MANUAL DO ISS ONLINE

MANUAL DO ISS ONLINE MANUAL DO ISS ONLINE Exploradores de Rodovias Índice 1 - Regularização Cadastral... 3 2 - Login... 5 3 - Acessos ao Sistema... 7 6 - Escriturações Eletrônica... 10 7 - Emissões de Guia de ISS... 11 Manual

Leia mais

MANUAL DO CADASTRO ELETRÔNICO SRF-SEFAZ/SP

MANUAL DO CADASTRO ELETRÔNICO SRF-SEFAZ/SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA MANUAL DO CADASTRO ELETRÔNICO SRF-SEFAZ/SP VERSÃO PARA PESSOA JURÍDICA Elaborado por: EDNA ALEXANDRE JOSÉ ROBERTO PEROZIM MARCO

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT :

INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT : INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT : Importar tabela IBPT Através desta tela você pode importar a tabela Ibptax, fornecida pelo instituto brasileiro de planejamento tributário (IBPT). Esta tabela

Leia mais

ISS DIGITAL MANUAL DO USUÁRIO INTERSOL SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA

ISS DIGITAL MANUAL DO USUÁRIO INTERSOL SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA ISS DIGITAL MANUAL DO USUÁRIO INTERSOL SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA Este Manual de Instruções destina-se aos usuários do Sistema de ISS Digital, desenvolvido e mantido por Intersol Serviços de Informática

Leia mais

MEI Microempreendedor Individual. O que é?

MEI Microempreendedor Individual. O que é? Secretaria Municipal do Trabalho e Renda Microempreendedor Individual MEI MEI Microempreendedor Individual. O que é? É a pessoa que possui seu próprio negócio, sem a ajuda de sócios, com faturamento de

Leia mais

ESPECIAL. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? Fique por dentro. Prazos e multas. As novidades de 2014. Tire suas dúvidas.

ESPECIAL. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? Fique por dentro. Prazos e multas. As novidades de 2014. Tire suas dúvidas. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? de 0 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Vida e. Março de 0 de 0 Foi dada a largada para o acerto de contas

Leia mais

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes CeC Cadastro Eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Usuário Externo Março/2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Objetivos... 3 3. Solicitação de CeC... 4 3.1. Cadastro de pessoas físicas... 5 3.1.1. Cadastro

Leia mais

IRPF IR2012. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2012. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2012 Especial IRPF 2012 Chegou a hora de declarar o IR2012 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

TUTORIAL DE REGISTRO NO PORTAL DO EMPREENDEDOR

TUTORIAL DE REGISTRO NO PORTAL DO EMPREENDEDOR TUTORIAL DE REGISTRO NO PORTAL DO EMPREENDEDOR Tela inicial do Portal do Empreendedor O Portal do Empreendedor concentra os esclarecimentos e procedimentos para formalização do empreendedor individual.

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

Conta Fácil. Manual do usuário - 8 a. edição. Financeiro, compras, vendas, estoque, faturamento, cobrança, serviços e livros. fiscais.

Conta Fácil. Manual do usuário - 8 a. edição. Financeiro, compras, vendas, estoque, faturamento, cobrança, serviços e livros. fiscais. Conta Fácil Financeiro, compras, vendas, estoque, faturamento, cobrança, serviços e livros fiscais. Manual do usuário - 8 a. edição Tecnologia que simplifica Allsoft 1 Informática Ltda. Tecnologia que

Leia mais