Atividade Física. para a Saúde: recomendações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atividade Física. para a Saúde: recomendações"

Transcrição

1 Revista Factores de Risco, Nº29 ABR-JUN 2013 Pág Atividade Física para a Saúde: recomendações Moisés Henriques Médico Naval, Centro de Medicina Naval; Médico Interno de Medicina Física e de Reabilitação, Centro Hospitalar Lisboa Norte Resumo Introdução: A atividade física compreende qualquer movimento do corpo humano produzido pela contração muscular que implique um dispêndio energético superior ao do repouso. A prática de atividade física está associada a benefícios para a saúde, mas para os garantir é necessário cumprir alguns requisitos de quantidade e qualidade, os quais podem ser monitorizados com alguns instrumentos. Interessa pois saber quais são as recomendações atuais para a atividade física com efeitos na saúde. Resultados: Os jovens devem completar diariamente no mínimo 60 minutos de atividade física aeróbia de intensidade moderada a vigorosa e devem incorporar atividades de intensidade vigorosa que solicitem o sistema músculo-esquelético do tronco e membros três ou mais vezes por semana. Os adultos e os idosos devem acumular durante a semana no mínimo 150 minutos de atividade física aeróbia de intensidade moderada ou 75 minutos de atividade física aeróbia de intensidade vigorosa ou uma combinação equivalente das duas anteriores, e devem realizar exercícios de força de intensidade moderada a elevada duas ou mais vezes por semana. Os idosos devem ainda adicionar atividades que otimizem o equilíbrio em três ou mais dias da semana. Discussão: Os benefícios de ser fisicamente ativo ultrapassam em muito eventuais malefícios. Alguma atividade física é melhor que nenhuma e a sua prática acima dos mínimos recomendados induz benefícios adicionais. Para alcançar o volume total de atividade física deve preferir-se uma distribuição semanal equilibrada, podendo inclusive ser fracionada ao longo do dia em períodos nunca inferiores a 10 minutos. No sentido de cativar e promover a prática regular de atividade física devem ser combatidas as principais barreiras à participação. A situação portuguesa não é preocupante no que respeita à idade adulta mas denota insuficiência nos idosos e torna-se preocupante no que respeita aos jovens. Conclusões: A prática de atividade física nos moldes descritos é profícua para a saúde; as recomendações são consensuais. Cabe aos profissionais de saúde indagar o seu conhecimento, orientar a prática e reforçar a motivação para a tarefa, mas a escolha por um estilo de vida ativo é individual. Continua a ser possível tomar medidas concretas em diversas áreas de atuação no sentido de reduzir a prevalência da inatividade física. Palavras-chave: atividade física, saúde, recomendações. Material e Métodos: Para a elaboração deste estudo procedeu-se à análise das últimas recomendações específicas de algumas Instituições com reconhecida idoneidade nesta temática. Procedeu-se à descrição das recomendações de atividade física por grupo etário e análise das suas particularidades. Por fim, comentou-se a realidade portuguesa no âmbito da prática de atividade física. 37 Recebido para publicação: Novembro de 2012 Aceite para publicação: Novembro de 2012

2 Atividade Física para a Saúde: recomendações Introdução A atividade física compreende qualquer movimento do corpo humano produzido pela contração muscular que implique um dispêndio energético superior ao do repouso. (1) Genericamente inclui uma grande variedade de atividades, nomeadamente: Atividades da vida diária (p.e. limpar a casa, cozinhar); Atividade laboral; Atividades relacionadas com as deslocações (p.e. andar a pé ou de bicicleta); Atividades de recreação e lazer (p.e. passear pelo parque, correr, jogar futebol). Para efeitos de definição interessa distinguir atividade física de exercício físico e de desporto. Sendo dimensões da atividade física (Figura A), o exercício físico reporta-se à atividade realizada de forma planeada, estruturada e repetida com o objetivo de manter ou otimizar uma ou mais componentes da aptidão física (p.e. resistência aeróbia, força, flexibilidade); o desporto refere-se à atividade realizada sob um enquadramento de regras específico e com objetivos competitivos. (1) Figura A Relação entre atividade física, exercício físico e desporto. A evolução científica e os avanços tecnológicos ocorridos no último século foram proveitosos para a melhoria da qualidade de vida de muitas populações; porém, foram e são também responsáveis pelo aumento da prevalência do sedentarismo e das suas repercussões negativas (p.e. doenças parcialmente atribuíveis à ausência de movimento). (2) A inatividade física foi já identificada como o 4º maior fator de risco para a mortalidade global, seguindo-se à hipertensão arterial, tabagismo e hiperglicemia. (3) A diminuição dos níveis de atividade física repercutiu-se no aumento do número de casos de doenças não transmissíveis - assume-se que seja a principal causa de 21-25% dos casos de neoplasia da mama e do cólon, 27% dos casos de diabetes e 30% dos casos de doença cardíaca isquémica - e de presença de outros fatores de risco (p.e. hipertensão arterial, excesso de peso). (3,4) Notar as estimativas de que 6 em cada 10 mortes são atribuíveis a doenças não transmissíveis! (5) Não esquecendo que estamos perante um fator de risco modificável, sendo os malefícios associados passíveis de anulação, enaltece-se ainda a importância da atividade física para a promoção da saúde tendo em conta os variados benefícios, terapêuticos e/ou preventivos, já comprovados. A atividade física, desde que praticada em segurança, é benéfica para todos os indivíduos, independentemente do género, idade, raça, nível económico ou estado de saúde. (6) A sua prática regular influencia positivamente o perfil tensional, lipídico e glicémico; reduz o risco de contrair inúmeras patologias, nomeadamente, doença cardiovascular (incluindo acidentes vasculares cerebrais), diabetes tipo II, cancro (cólon e mama), osteoporose, obesidade, depressão e demência; e é essencial para um crescimento/envelhecimento saudável, na medida em que reduz o risco de mortalidade prematura e serve de tratamento para várias doenças crónicas. (2,4) Além disso, previne ou atrasa a senilidade e a perda de autonomia; diminui o stress e melhora o humor e a autoestima; melhora a qualidade do sono e aumenta a condição física geral. (2,4) Algumas das vantagens são particulares a determinado grupo de indivíduos, como é o caso dos idosos, onde a atividade física está igualmente associada a uma redução do risco de queda e de lesões daí resultantes. (2,7) Os efeitos benéficos da atividade física não se esgotam no indivíduo e expandem-se ao meio familiar, profissional e social. Por exemplo, a melhoria do bem-estar e o maior otimismo, repercute-se na diminuição do absentismo. A poupança resultante desta prática, seja em custos diretos ou indiretos com a saúde, não é de todo desprezível. Perante o manancial de vantagens que a atividade física traz à saúde das populações, torna-se relevante a emissão de orientações de boas práticas e recomendações para balizar os limites mínimos de atividade física necessários para alcançar os benefícios inerentes. Só é possível monitorizar a adesão às recomendações emitidas com a mensuração dos níveis de atividade física; existem atualmente várias ferramentas disponíveis para tal, nomeadamente, questionários, pedómetros e acelerómetros. Os questionários (p.e. Global Physical Activity Questionaire) são amplamente usados dada a facilidade de aplicação, baixo custo associado e grande adesão dos participantes, mas constitui um método subjetivo (concei- 38

3 Revista Factores de Risco, Nº29 ABR-JUN 2013 Pág to individual de atividade física pode ser restrito à mera participação desportiva e/ou subestimar atividade física realizada a uma intensidade ligeira a moderada) que desvirtua um resultado preciso. (2) Os pedómetros contabilizam os passos dados por um indivíduo, o que pode ser utilizado como medida da atividade física total, mas não são capazes de distinguir níveis de intensidade. (2) Os acelerómetros, por sua vez, dão uma medida objetiva da atividade física e a sua distribuição por diferentes intensidades. Material e Métodos Para a elaboração deste estudo de revisão procedeu- -se à análise das últimas recomendações específicas de algumas Instituições com reconhecida idoneidade na temática da atividade física, nomeadamente: World Health Organization, American College of Sports Medicine, American Heart Association, Australian Government Department of Health and Ageing, U.S. Department of Health and Human Services, Canadian Society for Exercise Physiology, British Heart Foundation Centre for Physical Activity and Health e Instituto do Desporto de Portugal. Estes documentos foram complementados com bibliografia disponível sobre esta temática. Procedeu-se à descrição das recomendações de atividade física por grupo etário e análise das particularidades das recomendações em geral. Por fim, teceram-se alguns comentários sobre a realidade portuguesa no âmbito da prática de atividade física. Resultados As recomendações para a prática de atividade física que se enumeram de seguida resultam da aglutinação dos inúmeros documentos publicados para esse efeito por diversas entidades, nacionais e internacionais, como é o caso da Organização Mundial da Saúde. (2,4,8-18) Estas destinam-se genericamente a indivíduos saudáveis, mas também podem ser consideradas nos casos de doença crónica e/ou incapacidade física (eventualmente com as devidas adaptações). As diretrizes baseiam-se em conceitos de frequência, duração, intensidade e tipo de atividade física. No processo de emissão de recomendações houve necessidade de distinguir três grupos etários dadas as suas particularidades: Crianças e adolescentes: até aos 18 anos de idade; Adultos: dos 18 aos 65 anos de idade; Idosos: 65 ou mais anos de idade. Crianças e Adolescentes Até 1 ano de idade: para um desenvolvimento saudável da criança, a atividade física deve ser encorajada logo após o nascimento desde que enquadrada num ambiente seguro, baseada em brincadeiras no chão e sob supervisão. Idade entre 1 a 5 anos: estas crianças devem acumular no mínimo 180 minutos de atividade física ao longo de cada dia, sempre num ambiente seguro e sob supervisão. Todas as crianças até aos 5 anos de idade não devem permanecer mais de uma hora inativos (p.e. ver televisão ou jogar no computador - proibitivo a crianças com idade inferior a 2 anos), exceto durante o sono. Idade entre 5 a 18 anos: este grupo etário deve completar diariamente no mínimo 60 minutos (pode perfazer várias horas), não necessariamente consecutivos, de atividade física aeróbia de intensidade moderada a vigorosa. Na sua prática devem incorporar atividades de intensidade vigorosa que solicitem o sistema músculo-esquelético do tronco e membros para melhorar a força muscular, a resistência óssea e a flexibilidade; isto três ou mais vezes por semana. Adultos Os adultos devem acumular durante a semana no mínimo 150 minutos de atividade física aeróbia de intensidade moderada (p.e 30 minutos/dia, 5 dias/semana) ou 75 minutos de atividade física aeróbia de intensidade vigorosa (p.e. 25 minutos/dia, 3 dias/semana) ou uma combinação equivalente das duas anteriores (p.e. 25 minutos/dia, intensidade moderada, 4 dias/semana + 25 minutos/dia, intensidade vigorosa, 1 dia/semana). Além disso devem realizar exercícios de força de intensidade moderada a elevada que envolvam grandes grupos musculares, duas ou mais vezes por semana. Idosos Apesar do envelhecimento inevitável, os idosos devem tentar cumprir as recomendações já enunciadas para os adultos, ou seja, a acumulação durante a semana de pelo menos 150 minutos de atividade física aeróbia de intensidade moderada ou 75 minutos de atividade física aeróbia de intensidade vigorosa ou uma combinação equivalente das duas anteriores; e a realização de exercícios de força de intensidade moderada a elevada, duas ou mais vezes por semana. É conveniente adicionar ainda a prática de atividades que otimizem o equilíbrio e contribuam para a prevenção de quedas (um terço dos idosos sofre pelo menos uma queda por ano) em três ou mais dias da semana. Discussão O racional das recomendações de prática de atividade física centra-se no pressuposto de que uma prática regular confere aos indivíduos vantagens na prevenção da doença e promoção da saúde. Esta realidade impulsionou a 39

4 Atividade Física para a Saúde: recomendações importância dada a esta medida de intervenção na saúde das populações, cuja relação custo-benefício é aliciante; reflexo disso é o crescente número de publicações sobre esta temática e a criação de organismos responsáveis pela monitorização e avaliação das diferentes políticas implementadas nesta matéria. Notar contudo que a prática de atividade física também tem os seus riscos! Ainda assim, os efeitos adversos relacionados com a atividade física, como lesões músculo- -esqueléticas (comuns, mas inocentes nas atividades de intensidade moderada), podem ser minimizados através de medidas específicas, nomeadamente, aumento progressivo do nível de atividade, escolha de atividades de baixo risco e execução prudente das atividades. (4,11,12,14,16) A verdade é que os benefícios de ser fisicamente ativo ultrapassam em muito eventuais malefícios. (11,12,14-16) O sedentarismo deve ser evitado, uma vez que alguma atividade física é melhor que nenhuma. (2,4,11,12,14,16,18) Esta premissa tem maior aplicabilidade nos indivíduos que, por alguma razão (médica ou outra), não conseguem cumprir as recomendações vigentes. Estas destinam-se genericamente a todos os indivíduos dos respetivos grupos etários, independentemente do género, raça, nível económico e estado de saúde. (4,6,12,15,14) Existem no entanto alguns considerandos relativamente ao estado de saúde: Devem ser excluídas contraindicações absolutas e/ou relativas antes do início da prática; (7) Alguns indivíduos (p.e. grávidas, puérperas, doentes cardíacos) devem procurar aconselhamento médico atempado e tomar precauções especiais; (4) Os idosos, independentemente do estado de saúde, devem procurar aconselhamento médico antes de participar em atividades de intensidade vigorosa devido ao risco que estas representam para a ocorrência de eventos cardiovasculares adversos e quedas; (2) Os indivíduos sedentários que tencionam iniciar a prática de atividade física e os indivíduos que tencionam aumentar o nível de atividade física devem ser previamente observados por um médico, tanto mais se forem doentes. (7,11,12,15,18) É conhecida a relação dose-efeito (hiperbólica - benefícios marginais para volumes de atividade física acima dos 300 minutos/semana de atividade de intensidade moderada, a par do aumento do risco de lesão (4,18) ) entre a atividade física e os benefícios para a saúde/qualidade de vida (Figura B). (7,11,12,14-16,18,19) Esta consubstancia o facto da realização de atividade física acima dos mínimos recomendados induzir benefícios adicionais de saúde e resultar em níveis superiores de condição física. (4,13,16,18) Assim sendo, no caso dos adultos e idosos, tal pode ser alcançado aumentando a atividade física aeróbia para 300 minutos/semana de intensidade moderada ou 150 minutos /semana de intensidade vigorosa ou uma combinação equivalente de atividades de intensidade moderada e vigorosa. (2,4,12,13) Figura B Relação dose-resposta entre atividade física e benefícios para a saúde em três situações distintas (A - indivíduo sedentário, B - indivíduo ativo, C - indivíduo treinado). Adaptado de WHO, Steps to health - A European Framework to Promote Physical Activity for Health, Para alcançar os tempos totais de prática de atividade física deve preferir-se uma distribuição semanal equilibrada, podendo inclusive ser fracionada ao longo do dia em períodos nunca inferiores a 10 minutos consecutivos. (2,4,6,7,11-16) Este último aspeto é de particular relevância na contabilização do volume de atividade física que produz efeitos na saúde. No sentido de cativar e promover a prática regular de atividade física devem ser combatidas as principais barreiras à participação (p.e. influência familiar, adesão, receio de lesão) identificadas em cada escalão etário. (7,11,12,14-16,18) Como tal e a título de exemplo, é conveniente: Incluir jogos e atividades lúdicas divertidas a realizar preferencialmente em grupo nas atividades físicas destinadas às crianças e adolescentes; Dar preponderância às atividades de intensidade moderada (menor risco de lesão e maior adesão); Adotar um plano de atividades por etapas e/ou por intervalos de prática (o aumento gradual da atividade física é mais agradável, minimiza o risco de lesão e reforça positivamente a autoconfiança e adesão); Dar ênfase à dimensão familiar e social da atividade física (atividades coletivas); Utilizar estratégias de prevenção de lesões (uma das principais razões que impede a prática regular de atividade física). A Tabela I enquadra a definição dos conceitos que constituem a base das recomendações aqui consideradas. O aspeto mais preponderante das recomendações parece ser o volume total de atividade e não tanto o tipo, intensidade ou frequência da mesma, apesar de se 40

5 Revista Factores de Risco, Nº29 ABR-JUN 2013 Pág aconselhar uma prática diária de atividades de intensidade moderada. (11,14) Não são aqui explanadas considerações sobre o que deve ser a estrutura de uma sessão de atividade física (p.e. no caso de uma sessão formal de exercício físico, esta deve ser tripartida em aquecimento, treino e arrefecimento) porque este enquadramento não é de todo obrigatório, mas estão publicados dados concretos sobre estas questões (p.e. tipo de exercícios, número de séries e de repetições no treino de força muscular). Tabela I Definição dos parâmetros de prescrição de atividade física. Conceito Tipo de Atividade Física Duração Frequência Intensidade Definição Forma de realização da atividade, a qual promove determinada(s) componente(s) da aptidão física (p.e. resistência aeróbia, força, flexibilidade). Quantidade de tempo em que a atividade é realizada. Expressa em minutos. Número de vezes que a atividade é praticada. Expressa em sessões ou episódios por semana. Quantidade de esforço necessário para efetuar a atividade. A intensidade do esforço é teoricamente classificada em equivalentes metabólicos (METs), sendo que 1 MET (consumo de oxigénio ±3,5mL/kg/min) corresponde ao dispêndio energético quando em repouso. Como as atividades podem ser quantificadas em múltiplos de METs (intensidade moderada = 3MET; intensidade vigorosa = 6MET), podem também ser comparáveis entre si apesar das suas diferenças (Figura C). (2) Notar contudo que os valores de corte apresentados variam com o dispêndio energético em repouso (superior nos jovens) e a aptidão física do indivíduo. (2) Uma forma mais prática, mas subjetiva, de avaliar a intensidade da atividade física é a utilização de uma escala numérica de 10 pontos, em que 0 e 10 correspondem a um esforço mínimo e máximo, respetivamente; nesta escala consideram-se de intensidade moderada os esforços percebidos entre 5 e 6 (condicionam um aumento moderado da frequência cardíaca e respiratória - consegue-se falar confortavelmente durante a atividade) e de intensidade vigorosa os esforços percebidos entre 7 e 8 (condicionam um aumento elevado da frequência cardíaca e respiratória - fala-se com dificuldade entre inspirações profundas). (2,4,6,11-13,18) Os acelerómetros são os instrumentos que podem fornecer uma avaliação objetiva deste parâmetro. Figura C Categorização de atividades físicas segundo os equivalentes metabólicos. Adaptado de Livro Verde da Atividade Física, Os pedómetros, apesar de não distinguirem os vários níveis de intensidade, traduzem uma medida de volume que pode ser usada para balizar o cumprimento ou não das recomendações de atividade física. Para tal, no caso dos adultos saudáveis, são considerados os valores explanados na tabela seguinte. (20) Sendo a marcha uma das principais atividades físicas praticadas pelos adultos e idosos, e o pedómetro um utensílio barato, a sua utilização constitui uma boa opção para a auto-monitorização da prática de atividade física. (2) Tabela II Nível de atividade física segundo o número de passos por dia para adultos saudáveis. Dados retirados de Tudor-Locke C et al., Nível de Atividade Física Sedentarismo Baixo Moderado Elevado Muito elevado Passos/dia < >

6 Atividade Física para a Saúde: recomendações Para caracterizar a realidade portuguesa no âmbito da prática de atividade física, o Observatório Nacional da Atividade Física e do Desporto (2) realizou um estudo entre 2006 e 2009 que incluiu a avaliação de 5231 portugueses (dos quais 3211 jovens com idade 10 anos, 1244 adultos e 776 idosos) com funcionamento físico independente, de ambos os sexos, em 18 distritos de 5 zonas de Portugal Continental. A atividade física foi quantificada através de acelerometria e expressa em tempo médio total e por períodos iguais ou superiores a 10 minutos de atividade física diária de intensidade pelo menos moderada - principal medida de comparação com as recomendações da atividade física para a saúde. Tendo em conta as recomendações para a prática de atividade física, nomeadamente a acumulação de 60 minutos por dia para os jovens e de 30 minutos por dia para os adultos e idosos de atividade física de intensidade pelo menos moderada em pelo menos 5 dias da semana, os resultados evidenciaram que: (2) Nos jovens, 31,0% dos rapazes e 10,4% das raparigas são suficientemente ativos; considerando os intervalos de idade, os mais novos são percentualmente mais ativos que os mais velhos (Tabela III); Nos adultos, 76,7% dos homens e 63,7% das mulheres são suficientemente ativos; Tabela III Percentagem de jovens suficientemente ativos, por idade e género. Dados retirados de Livro Verde da Atividade Física, anos 53,0% 23,1% anos 30,0% 8,3% anos 18,8% 5,1% anos 8,7% 1,8% Nos idosos, 44,6% dos homens e 27,8% das mulheres são suficientemente ativos. Considerando a distribuição dos indivíduos pelas várias regiões de Portugal verificaram-se discrepâncias consideráveis a ter em conta no processo de implementação geográfica de medidas de promoção da prática de atividade física (Tabela IV). Mas mais importante do que identificar os indivíduos que amealham a totalidade dos minutos de atividade física diária de intensidade pelo menos moderada (Gráfico 1), é saber quantos deles o fazem à custa da soma de períodos de atividade com duração igual ou superior a 10 minutos consecutivos (Gráfico 2). Se no primeiro caso apenas os adultos e os idosos do sexo masculino cumprem os mínimos (30 minutos/dia - linha contínua), no segundo todos ficam muito aquém do pretendido (Tabela V); isto revela que a atividade física com estas intensidades é mantida por períodos de tempo demasiado curtos, limitando desta forma o seu impacto na saúde cardiovascular. (2) Notar que o tempo de atividade sedentária ainda representa uma percentagem considerável do registo diário dos portugueses (jovens: 66,7% em raparigas e 63,4% em rapazes; adultos: 64,6% em mulheres e 68,7% em homens; idosos: 71,6% em mulheres e 73,6% em homens). Apesar do sedentarismo não implicar a ausência de prática de atividade física moderada e vigorosa, a sua quantificação tem ganho interesse no estudo dos seus efeitos na saúde. (2) A situação portuguesa não é preocupante no que respeita à idade adulta mas denota insuficiência nos idosos e torna-se preocupante no que respeita aos jovens. Posto isto, é necessário unir esforços para inverter esta situação e para tal deverão ser diligenciadas medidas de promoção da atividade física com especial enfoque nos jovens e idosos (particularmente do género feminino). (2) No caso dos jovens, é sabido que os hábitos ganhos na infância têm tendência a perdurar na vida adulta, razão pela qual as intervenções que envolvam a família, a escola e a comunidade devem ser privilegiadas. (21,22) Por sua vez, os idosos são os indivíduos menos ativos fisicamente e os que geram mais Tabela IV Percentagem de indivíduos suficientemente ativos, por grupo etário, género e região de Portugal. Dados retirados de Livro Verde da Atividade Física, Região Jovens Adultos Idosos Rapazes Raparigas Homens Mulheres Homens Mulheres Alentejo 27,8% 8,4% 80,2% 53,5% 20,0% 10,7% Algarve 24,0% 8,8% 76,7% 54,8% 34,5% 21,4% Centro 19,0% 4,6% 68,6% 65,1% 54,5% 42,9% Lisboa 33,7% 11,2% 71,6% 58,4% 51,5% 19,2% Norte 40,2% 16,0% 82,0% 73,5% 49,0% 32,8% 42

7 Revista Factores de Risco, Nº29 ABR-JUN 2013 Pág Gráfico 1 Valores médios do volume total de atividade física diária de intensidade moderada e/ou vigorosa por grupo etário e género - Portugal Continental. Adaptado de Livro Verde da Atividade Física, Gráfico 2 Valores médios do volume de atividade física diária de intensidade oderada e/ou vigorosa considerando apenas os períodos de duração igual ou superior a 10 minutos, por grupo etário e género - Portugal Continental. Adaptado de Livro Verde da Atividade Física, despesas com cuidados de saúde, além de que constituem o grupo etário com maior crescimento nos últimos anos (mais do que duplicou nos últimos 50 anos em Portugal, atingindo um valor de 19,15% em 2011 (23) ), tendência que se irá manter no futuro próximo. (7,11,14,18) Neste contexto particular é premente a atuação do poder local (p.e. juntas de freguesia, instituições privadas) para proporcionar acessibilidade a infraestruturas e implementar programas organizados em prol da crescente prática de atividade física. (2) Conclusões A prática de atividade física nos moldes anteriormente descritos é profícua para a saúde nas suas variadas dimensões. As atuais recomendações de atividade física são consensuais e estão bem definidas. A sua divulgação pela população em geral tem sido amplificada nos últimos tempos; ainda assim cabe aos profissionais de saúde indagar o seu conhecimento, orientar a prática e reforçar a motivação para a tarefa. Posto isto, cumpre a cada um enveredar por um estilo de vida ativo em prol do bem comum. É possível tomar medidas concretas em diversas áreas de atuação (p.e. desporto, saúde, educação, transportes, local de trabalho) no sentido de reduzir a prevalência da inatividade física. Haja força de vontade por parte dos intervenientes! Moisés Henriques Tabela V Valores médios do volume de atividade física diária de intensidade moderada e/ou vigorosa considerando apenas os períodos de duração igual ou superior a 10 minutos, por grupo etário e género - Portugal Continental. Dados retirados de Livro Verde da Atividade Física, Género Grupo Etário Jovens Adultos Idosos Masculino 5 ± 8 minutos 7 ± 14 minutos 5 ± 11 minutos Feminino 3 ± 6 minutos 8 ± 14 minutos 2 ± 6 minutos 43

8 Atividade Física para a Saúde: recomedações Bibliografia 1. Caspersen CJ, Powell KE, Christenson GM. Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health-related research. Public Health Rep. 1985;100(2): Livro Verde da Atividade Física. Instituto do Desporto de Portugal I.P., Lisboa, Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Geneva, World Health Organization, Global recommendations on physical activity for health. World Health Organization, Geneva, The global burden of disease: 2004 update. World Health Organization, Geneva, Warburton DER, Nicol CW, Bredin SSD. Prescribing exercise as preventive therapy. CMAJ. 2006;174(7): Nied RJ, Franklin B. Promoting and prescribing exercise for the elderly. Am Fam Physician. 2002;65: IDP, Orientações Europeias para a Actividade Física - Políticas para a Promoção da Saúde e Bem-Estar. Instituto do Desporto de Portugal ACSM, Guidelines for Exercise Testing and Prescription (8th ed.). Philadelphia: Lippincott, Williams & Wilkins Haskell WL, Lee IM, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Circulation. 2007;116(9): Australian Government Department of Health and Ageing. National physical activity recommendations for older Australians: discussion document. Canberra, HHS, Physical Activity Guidelines for Americans: be active, healthy and happy. Washington, DC: US Department of Health & Human Services Chodzko-Zajko WJ, Proctor DN, Singh MAF, Minson CT, Nigg CR, Salem GJ, et al. Exercise and Physical Activity for Older Adults. Medicine & Science in Sports & Exercise. 2009; Bull F, Biddle S, Buchner D, Ferguson R, Foster C, Fox K, et al. Physical activity guidelines in the U.K.: review and recommendations. School of Sport, Exercise and Health Sciences, Loughborough University, Canadian Society for Exercise Physiology. Canadian physical activity guidelines: clinical practice guideline development report Davies DS, Burns H, Jewell T, McBride M. Start Active, Stay Active: a report on physical activity for health from the four home countries Chief Medical Officers NASPE, Physical Activity for Children: A statement of guidelines for children ages 5-12 (2nd ed). Reston: National Association for Sport and Physical Education Nelson ME, Rejeski WJ, Blair SN, Duncan PW, Judge JO, King AC, et al. Physical activity and public health in older adults: recommendation from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Circulation. 2007;116(9): WHO, Steps to health - A European Framework to Promote Physical Activity for Health. Copenhagen: World Health Organization - Regional Office for Europe Tudor-Locke C, Bassett Jr DR. How many steps/day are enough? Preliminary pedometer indices for public health. Sports Med. 2004;34(1): NICE, Promoting Physical Activity, Active Play and Sport for Pre-school and School-age Children and Young People in Family, Pre-school, School and Community Settings. National Institute for Health and Clinical Excellence Telama R, Pate RR, Sallis JF, Freedson PS, Taylor WC, Dowda M, et al. Physical activity from childhood to adulthood: a 21- year tracking study. Am J Prev Med. 2005;28(3): Pordata [www.pordata.pt]. População residente segundo os Censos: total e por grandes grupos etários - Portugal [consultado a 23 de Setembro de 2012]. Disponível em: ndo+os+censos+total+e+por+grandes+grupos+etarios

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO

JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO JUVENTUDE E DESPORTO: A IMPORTÂNCIA DE UM ESTILO DE VIDA ACTIVO Segundo a Organização Mundial de Saúde, estima-se que nos países desenvolvidos mais de dois milhões de mortes são atribuíveis ao sedentarismo,

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum

Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum Promoção da Actividade Física nos Idosos Acção Integrada para um Objectivo Comum 1. Introdução O envelhecimento é um fenómeno universal, irreversível e inevitável em todos os seres vivos. Psicológico Social

Leia mais

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE OBESIDADE NO 1º CICLO DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE INTERVENÇÃO NUM ESTUDO TRANSVERSAL Joana Magalhães, Luís Cardoso, Luís Ferreira, Rui Silva, Beatriz Pereira e Graça Carvalho CIEC, Instituto

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Introdução Afirma-se que a

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Actividade física para manter a independência MEXA-SE MAIS!

ENVELHECER COM SABEDORIA Actividade física para manter a independência MEXA-SE MAIS! ENVELHECER COM SABEDORIA Actividade física para manter a independência MEXA-SE MAIS! 1. BENEFÍCIOS DA ACTIVIDADE FÍSICA A actividade física apresenta benefícios em todas as idades, para além de contribuir

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR

EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR EXERCÍCIO FÍSICO SEGURANÇA E BEM ESTAR VINHAIS FEVEREIRO 2006 Berta Nunes SEDENTARISMO UM PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA O Sedentarismo e a obesidade são os principais factores de risco para várias doenças

Leia mais

DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS

DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS UNIME UNIÃO METROPOLITANA DE EDUCAÇÃO DIRETRIZES PARA ATIVIDADE FÍSICA: CRIANÇAS E ADOLESCENTES, ADULTOS E IDOSOS Professora Dra Carmem Cristina Beck Professor Dr Francisco José Gondim Pitanga Salvador,

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA Área Temática: Saúde Fabricio Boscolo Del Vecchio (Coordenador da Ação de

Leia mais

Promoção para a Saúde

Promoção para a Saúde COLÉGIO RAINHA SANTA ISABEL ANO LETIVO 2013/2014 PROJETO Promoção para a Saúde - Estilos de Vida Saudável Organização: Departamento de Educação Física INTRODUÇÃO As Orientações da União Europeia para a

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

A bicicleta saudável. Basil Ribeiro Especialista e Mestre em Medicina Desportiva

A bicicleta saudável. Basil Ribeiro Especialista e Mestre em Medicina Desportiva A bicicleta saudável Basil Ribeiro Especialista e Mestre em Medicina Desportiva Ex-médico das equipas profissionais de ciclismo: Maia Milaneza MSS (2000 a 2005) Sport Lisboa e Benfica (2008) Custos do

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Pesquisador em ciências do Esporte Celafiscs - 1991 Prof. Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Prof. Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica 5 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência Dr.ª Vera Berbereia 3. Razões

Leia mais

Não fique parado. Pela sua saúde.

Não fique parado. Pela sua saúde. Não fique parado. Pela sua saúde. Programa Nacional de Promoção da Actividade Física e Desportiva Contributo da Actividade Física para a Promoção da Saúde Programa Nacional de Promoção da Actividade Física

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: EDUCAÇÃO

Leia mais

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA Resumo Desde o nascer da sociedade, pessoas caminham para realizar tarefas cotidianas com o objetivo de sobreviver e, para se caminhar, é preciso energia, energia

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT Giovanna Larissi S. Ribeiro João Batista Franco Borges giolsr@brturbo.com.br RESUMO Este texto trata a respeito da prática

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Conteúdo: Atividade Física e Saúde A AULA: 5.2 Habilidades: Compreender os benefícios dos exercícios físicos na promoção da saúde e qualidade de vida A BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE A Benefícios

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

8. Atividade física. Introdução

8. Atividade física. Introdução 8. Atividade física Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde, a prática de atividade física regular reduz o risco de mortes prematuras, doenças do coração, acidente vascular cerebral, câncer de

Leia mais

Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias

Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias 1 / 3 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias Luís Otávio Teles

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS 1Maria Isabel Ribeiro; 2 Carlos Ferreira; 2 Duarte Loio & 2 Luís Salsas 1Professora do Instituto Politécnico de Bragança, Investigadora do CETRAD e colaboradora

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Atividade Física e Saúde

Atividade Física e Saúde Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte Elaboração Final: 16 de Agosto de 2001 Autores: Carvalho T, Nóbrega ACL, Lazzoli JK, Magni JRT, Rezende L, Drummond FA, Oliveira MAB, De Rose EH, Araújo CGS,

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

NÚMERO DE PASSOS POR DIA E COLESTEROL TOTAL: ESTUDO ASSOCIATIVO EM ADOLESCENTES DE URUGUAIANA/RS

NÚMERO DE PASSOS POR DIA E COLESTEROL TOTAL: ESTUDO ASSOCIATIVO EM ADOLESCENTES DE URUGUAIANA/RS NÚMERO DE PASSOS POR DIA E COLESTEROL TOTAL: ESTUDO ASSOCIATIVO EM ADOLESCENTES DE URUGUAIANA/RS Autores: Mauren Lúcia de Araújo Bergmann (1) & Gabriel Gustavo Bergmann (1). Instituição: (1) Universidade

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS para sair do sedentarismo e INTRODUÇÃO De acordo com dados apurados em 2013 pelo Ministério da Saúde, 64% da população brasileira está com excesso de peso devido

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO CENTRO ESCOLAR NA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA DAS CRIANÇAS EM COMPARAÇÃO COM A PRÁTICA NA ESCOLA TRADICIONAL

A INFLUÊNCIA DO CENTRO ESCOLAR NA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA DAS CRIANÇAS EM COMPARAÇÃO COM A PRÁTICA NA ESCOLA TRADICIONAL A INFLUÊNCIA DO CENTRO ESCOLAR NA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA DAS CRIANÇAS EM COMPARAÇÃO COM A PRÁTICA NA ESCOLA TRADICIONAL Cátia Linhares, Fábio Pedrosa, Márcia Oliveira, Nuno Gonçalves, Beatriz Pereira

Leia mais

Promoção da Atividade Física e Saúde na Empresa

Promoção da Atividade Física e Saúde na Empresa Simpósio Internacional de Pesquisa em estilos de vida e saúde Minicurso-1 Promoção da Atividade Física e Saúde na Empresa Profa. Dra. Priscila M Nakamura Profa.Dra. Caroline de O Martins Profa.Dra. Elusa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL Autor: SARANÁDIA CAEIRA SERAFIM Orientador: RACHEL DE SÁ BARRETO LUNA CALLOU CRUZ Coautor(es):

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010 Plano Nacional de Saúde -2010 Avaliação de indicadores Maio de 2010 0 das Regiões (NUT II do D.L. de 1999) em relação ao do... 2 Evolução dos indicadores em relação à Meta para 2010... 9 1 das Regiões

Leia mais

Quanto mais atividade física melhor?

Quanto mais atividade física melhor? REVISÃO NARRATIVA Quanto mais atividade física melhor? Valter Silva I, Antonio José Grande I, Ana Laura Remédio Zeni Beretta II, Janaína Maria Ralo III Programa de Pós-graduação em Medicina Interna e Terapêutica,

Leia mais

COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL

COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL Autores: Rodrigo de Rosso Krug (1), Giovâni Firpo Del Duca (1), Kelly Samara da Silva

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável Orientações Programáticas 1 - Enquadramento Portugal era um dos poucos países Europeus que não dispunha de um programa nacional de alimentação,

Leia mais

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão 1 Alguns factos históricos da epidemia tabágica Consumo de cigarros raro em 1900 (EUA: 54 cig/pessoa/ano)

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Organização das Aulas Uma aula de Educação Física é composta por três partes sequenciais, cada uma com objetivos específicos. 1.1 Parte Inicial A parte inicial

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão!

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão! Praticando vitalidade Sedentarismo corra desse vilão! O que é sedentarismo? Sedentarismo é a diminuição de atividades ou exercícios físicos que uma pessoa pratica durante o dia. É sedentário aquele que

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

CONTANDO SAÚDE. Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul

CONTANDO SAÚDE. Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul CONTANDO SAÚDE Contadoria do Foro Central de Porto Alegre Responsáveis Técnicos: Magdala de Leon Distribuidora e

Leia mais

Aléxio Puim. alexiopuim@sdmsa.pt

Aléxio Puim. alexiopuim@sdmsa.pt Aléxio Puim Mestrado em Educação Física (FMH) Licenciatura em Ciências do Desporto (FMH) Instrutor de Musculação e Cardiofitness (CEF) Treinador de Andebol Grau 2 (FAP) alexiopuim@sdmsa.pt 21 de novembro

Leia mais

Flexibilidade em Escolares: Aptidão Física Direcionada à Qualidade de Vida

Flexibilidade em Escolares: Aptidão Física Direcionada à Qualidade de Vida 16 Flexibilidade em Escolares: Aptidão Física Direcionada à Qualidade de Vida Marcy Garcia Ramos Profa. Dra. da Faculdade de Educação Física Unicamp Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física

Leia mais

Departamento de Educação Física e Desporto

Departamento de Educação Física e Desporto ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Ano Letivo 2013-2014 Departamento de Educação Física e Desporto CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Disciplina de Educação Física Revisto em Departamento no dia

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Sessão Temática 5 O poder das águas termais na saúde. Pedro Cantista Presidente da Secção Europeia da Sociedade Internacional de Hidrologia Médica

Sessão Temática 5 O poder das águas termais na saúde. Pedro Cantista Presidente da Secção Europeia da Sociedade Internacional de Hidrologia Médica Sessão Temática 5 O poder das águas termais na saúde Pedro Cantista Presidente da Secção Europeia da Sociedade Internacional de Hidrologia Médica Resumo Ao longo da história a humanidade tem procurado

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

PROJETO. Saúde, um direito Cívico

PROJETO. Saúde, um direito Cívico PROJETO Saúde, um direito Cívico Projeto Mexa-se - Ano de 2014-2015 Página 1 " A manutenção da saúde assenta no contrariar a tendência para a redução de exercício. Não existe nenhuma forma de substituir

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE EM IDOSOS: EXERCÍCIO FÍSICO

PROMOÇÃO DA SAÚDE EM IDOSOS: EXERCÍCIO FÍSICO PROMOÇÃO DA SAÚDE EM IDOSOS: EXERCÍCIO FÍSICO 2012 Rita Sousa Morgadinho Licenciada em psicologia pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, e Mestre em psicologia clínica e da saúde pela Universidade

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011

www.ine.pt Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Titulo Saúde e Incapacidades em Portugal 2011 Editor Instituto Nacional de Estatística, IP Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa, Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 844 04 01 Presidente do Conselho

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Envelhecimento saudável e ativo

Envelhecimento saudável e ativo Envelhecimento saudável e ativo Nídia Braz Universidade de Salamanca A população portuguesa envelhece e torna-se progressivamente mais frágil 2 Idosos Saudáveis Capazes de vida autónoma, relacionam-se

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Teste de Competência em Leitura em Língua Estrangeira INGLÊS Edital 109/2012 (Aplicação: 21/10/2012) LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

Leia mais