Cliente/Servidor. Objetos Distribuídos. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cliente/Servidor. Objetos Distribuídos. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1"

Transcrição

1 Cliente/Servidor Objetos Distribuídos Graça Bressan Graça Bressan/LARC

2 Objetos São entidades de software que encapsulam dados, ou atributos, e código e que são acessados através de funções ou métodos. Provêm capacidades de reutilização de código e herança. Existe uma separação entre a interface (como o objeto é utilizado) e a implementação. Aplicações legadas podem ser encapsulados como objetos. Objetos Distribuídos São objetos que podem residir em qualquer lugar de uma rede. Podem ser acessado pelos clientes remotos através da invocação dos métodos. A linguagem utilizada para implementar os objetos é transparentes ao usuário remoto. Clientes não precisam saber onde um objeto distribuído reside ou por qual sistema operacional é executado. São dinâmicos, isto é, podem ser criados ou se moverem de um lugar a outro da rede dinâmicamente. Componentes São objetos distribuídos independentes que podem executar em diferentes sistemas operacionais e rede. Não estão ligados a uma linguagem ou implementação específicos. É o elemento ideal para a criação de aplicações distribuídas. Revoluciona o modo como as aplicações são desenvolvidas: aplicações cliente/servidor complexas poderão ser construídas através de montagem e extensão de componentes adequados. Graça Bressan/LARC

3 Benefícios de Objetos Distribuídos Plug and Play Interoperabilidade Portabilidade Coexistência Graça Bressan/LARC

4 Auto-gerenciamento Componentes: Características Desejáveis Segurança Um componente deve se defender e defender os recursos que gerencia contra ataques externos. Deve autenticar a si próprio para seus clientes e vice versa. Deve manter registro de seu uso. Licenciamento Deve ser capaz de implementar políticas de licenciamento incluindo métricas de licenciamento por utilização. Deve permitir a remuneração de seus vendedores pelo uso de seus componentes. Versão Deve prever controle de versão para permitir que clientes se assegurem de utilizarem a versão correta. Gerenciamento de ciclo de vida Um componente deve gerenciar sua criação, arquivamento ee destruição. Deve ser capaz de produzir clones de se próprio, externalizar seu conteúdo e mover de uma localização para outra. Suporte a especificação aberta de paletas de ferramentas Um componente deve permitir a si próprio ser importado dentro de um padrão de paletas de ferramenta tal como os que suportam módulos OLE, OCXs ou OpenDocs. Um componente que se adeqüe a regras de ferramentas de paletização abertas, pode ser agregado a outros componentes utilizando técnicas de drag-and-drop e outras técnicas visuais. Graça Bressan/LARC

5 Notificação de eventos Um componente deve ser capaz de notificar as partes interessadas da ocorrência de eventos. Gerenciamento de configuração e de propriedade Um componente deve prover uma interface para permitir a configuração de suas propriedades e scripts. Scripting Um componente deve permitir suas interfaces serem controladas através de linguagens de script. Esta interface deve ser autodescrita e suportar linkagem a posteriori. Meta-dados e introspeção Um componente deve ser capaz de prover, sob requisição, informações sobre si próprio, incluindo descrição de interfaces, atributos e padrões que suporta. Controle transacional e chaves para bloqueios Um componente deve proteger transacionalmente os seus recursos e cooperar com outros componentes para prover integridade no modo tudo ou nada. Deve prover chaves de bloqueios para serializar o acesso a recursos compartilhados. Persistência Deve ser capaz de salvar seu estado em memória persistente para ser restaurada posteriormente. Relacionamentos Um componente deve ser capaz de manter associações permanentes ou dinâmicas com outros componentes. Por exemplo, um componente pode conter outros componentes. Facilidade de utilização Um componente deve prover um número limitado de operações para encorajar sua utilização e reutilização. O nível de abstração deve ser o mais alto possível para incentivar o seu uso. Auto-teste O componente de ser capaz de se auto-testar. Deve ser capaz de executar componentes de diagnóstico para a determinação de Graça Bressan/LARC

6 problemas. Semântica de mensagens Um componente deve ser capaz de entender o vocabulário de um conjunto particular e as extensões específicas do domínio que suporta. Auto-instalação Um componente deve ser capaz de instalar a si próprio e registrar automaticamente sua criação no sistema operacional ou no componente de registro do sistema. O componente deve ser capaz de remover a si próprio do disco e do sistema quando assim solicitado. Arquiteturas de Objetos Distribuídos CORBA - Common Object Request Broker Architecture Definida pela OMG CORBA CORBA CORBA 3.0 DCOM - Distributed Component Object Model Definida pela Microsoft Object Management Group - OMG Entidade constituída em 1989 para desenvolver, adotar e promover padrões para o desenvolvimento de aplicações em ambientes distribuídos heterogêneos. É um consórcio de mais de 700 empresas da área de computação, usuários, instituições de pesquisas e universidades. Não produz software, produz especificações abertas. A OMG emite RFP's, Request For Proposals, e seus membros contribuem com idéias. Graça Bressan/LARC

7 CORBA - Common Object Request Broker Architecture É uma arquitetura que provê um meio para que um objeto interopere com qualquer outro, em um ambiente de rede ou localmente. Implementações comerciais: Mico - Micro Corba freeware Orbix - Iona Som IBM Visibroker - Visigenic Object Brocker - Digital NEO - Sun ORB Plus - HP Outros: PowerBroker (Expersoft), Black Widow (Post Modern). Benefícios do CORBA Utiliza paradigma de Orientação a Objetos em todo o ciclo de desenvolvimento. UML: Unified Modeling Language. Permite a interoperabilidade das diferentes ferramentas adquiridas, interconectando diferentes aplicações herdadas através de interfaces definidas em IDL, facilitando as transições de tecnologia. Maximiza a produtividade do desenvolvedor, pela reutilização de serviços já implementados. Provê uma coleção dinâmica de clientes e componentes implementados por objetos, configurados e conectados em tempo de execução para atacar o problema em questão. OMA - Object Management Architecture Consiste de um Modelo de Objeto e um Modelo de Referência. Modelo de Objeto: define como os objetos são distribuídos ao longo de um ambiente heterogêneo. Modelo de Referência: caracteriza as interações entre esses objetos. "Deve haver uma linguagem comum para todas as aplicações, ou nossa visão de componentes de software plug-and-play não se realizará. Esta linguagem comum é a Object Management Architecture da OMG" Graça Bressan/LARC

8 No modelo de objeto do OMA, um objeto é uma entidade encapsulada com uma identidade imutável distinta e cujos serviços são acessados através de interfaces bem definidas. Clientes emitem requisições a objetos para realizar serviços. A localização e implementação de cada objeto é escondida do cliente que emite a requisição. Componentes do OMA Corretor de Requisições a Objetos - ORB (Object Requester Broker) é canal de acesso a objetos. É um componente responsável por facilitar a comunicação entre clientes e objetos. Serviços comuns de objetos uma infra-estrutura no nível de sistema que estende os serviços do canal ORB. Facilidades Comuns que define infra-estruturas de aplicações horizontais e verticais que podem ser utilizadas diretamente por objetos de negócios. Objetos de aplicações são os objetos de negócios e aplicações usuárias da infra-estrutura CORBA. A Estrutura OMA Graça Bressan/LARC

9 OMA Interface Definition Language IDL OMG IDL é uma linguagem declarativa disponível para definir as interfaces de componentes. Provê uma notação universal para especificar API's e cobre aspectos importantes de tratamento de erros. Métodos especificados em IDL podem ser escritos e invocados de qualquer linguagem que possua ligação com CORBA. Provê interfaces independentes de sistema operacional e linguagem de programação para todos os serviços que residem no canal de comunicação CORBA. IDL suporta interfaces de bibliotecas de funções bem como objetos distribuídos através da rede. Graça Bressan/LARC

10 Interface Definition Language IDL ORB - Object Request Broker É uma infra-estrutura de comunicação entre objetos. Permite que objetos realizem de forma transparente as requisições, e receba respostas, de outros objetos localizados localmente ou remotamente, sem precisar conhecer como o outro objeto foi localizado, ativado ou o servidor que o contém. Permite que objetos sejam localizados em tempo de execução e tenham seus serviços invocados. É um middleware para cliente/servidor mais sofisticado que RPCs, stored procedures e serviços peer-to-peer. Provê um rico conjunto de serviços de middleware distribuído. Características do ORB Invocação estática ou dinâmica de métodos: a chamada do método pode ser definida estaticamente em tempo de compilação ou dinamicamente em tempo de execução. Invocação em linguagens de alto nível: métodos nos objetos servidores podem ser invocados utilizando linguagens de alto nível tais como C, C++ ADA, Smaltalk, entre outras. É irrelevante a linguagem utilizada para implementar os objetos. Sistema auto-descritivo: provê meta-dado de tempo de execução para a descrição de cada interface de serviço conhecida pelo sistema. Graça Bressan/LARC

11 Transparência de localização: o ORB pode executar isoladamente ou interconectado com outros ORBs do universo, (com os serviços inter-orb do CORBA 2.0). Implementa transações e segurança: o ORB inclui informações de contexto em suas mensagens para tratar a segurança e transações, através de fronteiras de máquinas e de ORBs Polimorfismo em mensagens: o ORB invoca uma função remota em um objeto específico. A mesma função terá diferentes efeitos dependendo de qual objeto for invocado. Interoperabilidade entre ORB's Não há diferença ao invocar um objeto remoto ou um objeto local A Estrutura do CORBA ORB O CORBA ORB possui dois tipos de API, resultantes da fusão de duas propostas: Invocação Estática: API estática originada de proposta da SUN e HP. A ligação é mais rápida e em tempo de projeto. Invocação Dinâmica: API dinâmica originada de proposta de Digital e Hyperdesk. A ligação é mais lenta e em tempo de execução. Graça Bressan/LARC

12 Repositório de Interface É um banco de dados on-line de definições de objetos. A especificação CORBA detalha como a informação é organizada e consultada no repositório. Provê checagem de tipo de assinaturas de métodos Ajuda a conectar ORBs distintos Provê informações de meta-dados a clientes e ferramentas Provê objetos auto-descritivos. Interfaces de Invocação Invocação Estática Ligação mais rápida Em tempo de projeto Invocação Dinâmica Ligação mais lenta Em tempo de execução Graça Bressan/LARC

13 Interfaces do Lado Cliente do ORB Stubs IDL Cliente: provê interfaces estáticas aos serviços do objeto. Os serviços são definidos utilizando IDL. O cliente deve ter um Stub IDL para cada interface utilizada no servidor. O Stub inclui código para realizar marshaling, isto é, codifica e decodifica as operações e parâmetros antes de montar as mensagens. Interface de Invocação Dinâmica (Dynamic Invocation Interface - DII): permite descobrir os métodos a serem chamados em tempo de execução. CORBA define padrões de API para localizar o meta-dado que define a interface do servidor, gerando os parâmetros, emitindo a chamada remota e obtendo os resultados. API de Repositório de interfaces: permite obter e modificar todas as descrições de interfaces de componentes registradas. O CORBA chama estas definições de assinaturas de métodos. O Repositório de Interface é uma base de dados de tempo de execução que que contém versões das interfaces IDL definidas. Interface ORB: consiste das APIS para serviços locais que podem ser de interesse de uma aplicação. Por exemplo, CORBA prove APIs para obter uma referencia a um objeto em string e vice-versa. Estas chamadas são úteis para armazenar e comunicar referências a objetos. Interfaces do Lado Servidor do ORB Stubs IDL Servidor (chamadas esqueletos): provê interfaces estáticas para cada serviço exportado pelo servidor. Os serviços são definidos utilizando IDL. Estes Stubs, de forma análoga aos do cliente são criados utilizando o compilador IDL. Esqueleto de Interface Dinâmica (Dinamic Skeleton Interface - DSI): Provê um mecanismo de ligação em tempo de execução para servidores que precisam manipular chamada de métodos de componentes que não possem esqueletos definido e compilado em IDL. Adaptador de Objeto: se apoia no topo dos serviços de comunicação do núcleo do ORB e aceita requisições de serviços a serem executados pelos objetos do servidor. Provê um ambiente de tempo de execução para instanciação dos objetos do servidor, passando as requisições e associando a eles um ID de objeto. Esse Id é chamado ID de referência a objeto. O adaptador de objetos também registra as classes que suporta e suas instâncias de tempo de execução com o Repositório de Implementações. O CORBA especifica que cada ORB deve suportar um Graça Bressan/LARC

14 adaptador padrão denominado BOA (Basic Object Adapter). Repositório de Implementações: prove um repositório de tempo de execução sobre as classes suportadas pelo servidor, os objetos que estão instanciados e seus IDs. Também serve como um lugar comum para adicionar informações associadas com a implementação do ORB. Exemplos: informações de trace, audit trails, segurança e outros dados administrativos. Interface ORB: consiste de APIs locais, que são idênticas às providas pelo lado cliente. Construindo um Objeto CORBA Serviços CORBA Serviços de ciclo de vida: define as operações de criação, copia, movimentação e supressão de componentes no canal de comunicação. Serviços de objetos persistentes: provê uma única interface para armazenamento de componentes persistentes em uma variedade de servidores de memória, incluindo bases de dados de objetos (ODBMS), bases de dados relacionais (RDBMS) e simples arquivos. Serviços de nomes: permite aos componentes no canal localizar outros componentes pelo nome. O serviço permite a ligação a diretórios ou serviços de nomes de rede tais como X.500, DSE e NIS+ da SUN. Graça Bressan/LARC

15 Serviço de eventos: permite a componentes no canal registrar ou desregistrar eventos específicos no qual tem interesse. Serviço de relacionamento: prove um meio de criar associações dinâmicas, ou links, entre componentes que não sabem nada sobre o outro. Serviços de externalização: prove um meio padrão para obter dados e enviar dados a componentes usando um mecanismo tipo stream. Serviço de consulta: provê operações de consulta a objetos. É um super-conjunto da especificação SQL 3 e do Object Query Language (OQL) definido pela Object Database Management Group (ODMG). Serviço de licenciamento de objetos: provê operações de medida do uso de componentes. Suporta cobrança por sessão, por nó, por criação de instância e por site. Serviço de propriedade: provê operações que associam valores ou propriedades com qualquer componente. Usando este serviço, é possível associar propriedades com estado de componentes, tais como título ou data. Serviço de transações: provê coordenação entre componentes através de two-phase commit utilizando transações flat ou aninhadas. Serviço de controle de concorrência: provê gerenciador de bloqueios que permite obter chaves em conta de transações ou threads. Serviço de tempo: provê interfaces para sincronização de tempo em ambientes de objetos distribuídos. Também provê operações que permitem definir e gerenciar eventos disparados por tempo. Serviço de coleções de objetos: provê interfaces para criar e manipular os tipos mais comuns de coleções. Serviços de segurança: provê uma infra-estrutura completa para a segurança de objetos distribuídos. Suporta autenticação, listas de controle de acesso, confidencialidade e não repudiação. Também gerencia a delegação de credenciais entre objetos. Serviço de negociação (trader): é uma lista amarela de objetos. Permite que objetos divulguem seus serviços. Opera em conjunto com o serviço de nomes. Serviço de inicialização de objetos: permite a inicialização do objeto quando o serviço for requisitado através do ORB. Graça Bressan/LARC

16 Facilidades CORBA São objetos de aplicação, que fazem uso dos serviços CORBA, de modo a padronizar e compartilhar os dados e funcionalidades no nível da aplicação em questão. Mapeamento ao Modelo OSI GIOP - General Inter-ORB Protocol Especifica um conjunto de formatos de mensagens e uma representação comum de dados para comunicação entre ORBs. Exige um protocolo de transporte orientado a conexão. IIOP - Internet Inter-ORB Protocol Especifica como as mensagens GIOP são trocadas sobre uma rede TCP/IP IIOP torna possível o uso da Internet como backbone de comunicação entre ORBs. Pode-se utilizar bridges para conectar ORBs de ambientes heterogêneos. Graça Bressan/LARC

17 ESIOP - Enviroment-Specific Inter ORB Protocols Definem como as mensagens GIOP serão trocadas num ambiente de rede específico. CORBA 2.0 especifica DCE/EISOP, que suporta IORs (Interoperable Object References) usando DCE tagged profiles. CORBA em Ambiente Web Microsoft OLE/DCOM OLE DCOM DCOM - Distributed Computing Model OLE - Object Linking and Embeding É a arquitetura de objetos distribuídos definida pela Microsoft É a um conjunto de serviços comuns que permitem que componentes colaborem inteligentemente, de forma análoga ao CORBA. Ainda não apresenta as características de distribuição do CORBA. Prove o canal e serviços para distribuição de objetos. Graça Bressan/LARC

18 Especifica interfaces entre objetos componentes dentro de uma mesma aplicação ou entre aplicações. Fim do Módulo Objetos Distribuídos Graça Bressan/LARC

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

INE5380 - Sistemas Distribuídos

INE5380 - Sistemas Distribuídos INE5380 - Sistemas Distribuídos Object Request Broker e CORBA Por: Léo Willian Kölln - 0513227-4 Novembro de 2006 ORB Object Request Broker ORB aqui será tratado como um Middleware que permite a construção

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos CORBA Common Object Request Broker Architecture Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos Introdução OMG (Object Management Group): uma organização formada por empresas

Leia mais

Arquiteturas de Sistemas Distribuídos

Arquiteturas de Sistemas Distribuídos Arquiteturas de Sistemas Distribuídos Sistema distribuído O processamento de informações é distribuído em vários computadores ao invés de confinado em uma única máquina. Bastante comum em qualquer organização

Leia mais

Laboratório de Computação VI JAVA IDL. Fabricio Aparecido Breve - 981648-9

Laboratório de Computação VI JAVA IDL. Fabricio Aparecido Breve - 981648-9 Laboratório de Computação VI JAVA IDL Fabricio Aparecido Breve - 981648-9 O que é Java IDL? Java IDL é uma tecnologia para objetos distribuídos, ou seja, objetos em diferentes plataformas interagindo através

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker Padrões Arquiteturais Sistemas Distribuídos: Broker Sistemas Distribuídos Tendências: Sistemas Comp. com múltiplas CPUs Redes locais com centenas de hospedeiros Benefícios Economia Desempenho e escalabilidade

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

2 Ferramentas Utilizadas

2 Ferramentas Utilizadas 2 Ferramentas Utilizadas Esta dissertação utiliza vários outros trabalhos para implementar os mecanismos de adaptação abordados. Essas ferramentas são descritas nas seções seguintes. 2.1 Lua Lua [7, 8]

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Este capítulo apresenta trabalhos relacionados ao problema da travessia de firewalls/nat por aplicações CORBA, alguns dos quais tiveram grande influência no desenvolvimento desta

Leia mais

OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces. Domain Interfaces. Domain. Interfaces. Object Request Broker (ORB) Object Services

OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces. Domain Interfaces. Domain. Interfaces. Object Request Broker (ORB) Object Services 1 Copyright 1998, 1999 Francisco Reverbel OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces Domain Domain Interfaces Interfaces Object Request Broker (ORB) Object Services 2 Copyright 1998,

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

ANEXO V Edital nº 03508/2008

ANEXO V Edital nº 03508/2008 ANEXO V Edital nº 03508/2008 Projeto de integração das informações de mandado de prisão e processos dos Tribunais Regionais Federais e do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios O objetivo

Leia mais

O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações

O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações ABR. MAI. JUN. 2004 ANO X, N º 37 157-163 INTEGRAÇÃO 157 O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo Nos últimos anos, os sistemas de informação nas empresas têm evoluído

Leia mais

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos Luiz Affonso Guedes Introdução Conceitos básicos programação distribuída + programação orientada a objetos = Objetos distribuídos Motivação

Leia mais

Object Brokers. Tecnologias de Middleware 2004/2005 André Santos

Object Brokers. Tecnologias de Middleware 2004/2005 André Santos Object Brokers Tecnologias de Middleware 2004/2005 André Santos Resumo O que são Object Brokers? Como surgiu o conceito? CORBA Exemplos de utilização Comparação com Java RMI Actualidade (J2EE,.NET) O que

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Aula 19-20: Arquitetura CORBA (continuação) Exemplo de cliente e servidor em CORBA Interfaces IDL Shape e ShapeList Exemplo de cliente e servidor

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO Dado, Informação e Conhecimento DADO: Estímulos captados pelos sentidos humanos; Símbolos gráficos ou sonoros; Ocorrências registradas (em memória, papel, etc.); Indica uma situação

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Introdução RMI Tecnologias Semelhantes Arquitetura RMI Funcionamento Serialização dos dados Criando Aplicações Distribuídas com RMI Segurança Exemplo prático Referências

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Processos I Prof. MSc. Hugo Souza Até agora vimos a organização como um todo dos SDS, com o mapeamento estrutural e suas devidas características descritas em elementos, regras, conceitos,

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Até agora vimos como é formada a infraestrutura física e lógica das bases de dados com os principais componentes

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares Sistemas Distribuídos Arquiteturas s Arquitetura Arquitetura de um sistema é sua estrutura em termos dos componentes e seus relacionamentos Objetivo: garantir que a estrutura satisfará as demandas presentes

Leia mais

Questão 1. Benefícios. Benefícios. Desafios. Desafios. 1. Quais são os desafios e benefícios em potencial da computação distribuída?

Questão 1. Benefícios. Benefícios. Desafios. Desafios. 1. Quais são os desafios e benefícios em potencial da computação distribuída? Questão 1 1. Quais são os desafios e benefícios em potencial da computação distribuída? Processamento Paralelo Correção Simulado Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/01 - INF02799 Com

Leia mais

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Sistemas Operacionais Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Conteúdo Programático CONTAS DE E GRUPOS DE O Microsoft Management Console - MMC Permissões de Segurança de um Console Contas de Usuários

Leia mais

SISTEMA DISTRIBUÍDO COM O PADRÃO DE ARQUITETURA CORBA

SISTEMA DISTRIBUÍDO COM O PADRÃO DE ARQUITETURA CORBA LEONARDO LINCOLN BIANCHETTI SISTEMA DISTRIBUÍDO COM O PADRÃO DE ARQUITETURA CORBA Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de Ciência da Computação. UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Orientador:

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Gestão de projectos na Web

Gestão de projectos na Web Gestão de projectos na Web Relatório de desenho de alto nível Versão 1.0, 5 de Maio de 2003 Telmo Pedro Gomes Amaral (mee02013@fe.up.pt) (Grupo 15) Aplicações na Web Mestrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SÍMBOLOS CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 27 CAPÍTULO 2 - SISTEMAS DISTRIBUÍDOS BASEADOS EM OBJETOS... 33 CAPÍTULO 3 - SUPORTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34 Comunicação em Sistemas Distribuídos Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34 Comunicação em Sistemas Distribuídos Protocolos regras que os processos que estão se comunicando tem de seguir Protocolos

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos...2 Antes da instalação Motorola Phone Tools...3 Instalar Motorola Phone Tools...4 Instalação e configuração do dispositivo móvel...6 Registro

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware.

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware. Camadas de Software - o Middleware Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas Modelos de Arquitecturas para sistemas distribuidos Interfaces e Objectos Requerimentos para Arquitecturas Distribuídas

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE. Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução.

CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE. Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução. CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução. 3.1 ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR Primeiramente, surgiu a arquitetura centralizada

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Marabá Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Distribuídos Prof.: Warley Junior warleyjunior05@gmail.com Plano de Ensino. Turma SI

Leia mais

Resolução de Problemas de Rede. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Resolução de Problemas de Rede. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Resolução de Problemas de Rede Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Ferramentas para manter o desempenho do sistema Desfragmentador de disco: Consolida arquivos e pastas fragmentados Aumenta

Leia mais

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Explicar as vantagens e desvantagens das arquiteturas de sistemas distribuídos

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

Middleware. Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos

Middleware. Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos Middleware Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos Alternativas de comunicação entre processos (IPC) Mecanismos de IPC tradicionais (ou de baixo nível) Memória compartilhada, filas de mensagens,

Leia mais

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos Principais conceitos Paradigmas de Programação PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA X PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Paradigma Programação estruturada Na programação estrutura

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12 Índice 1. Serviços Orientados à Conexão...3 1.1 O protocolo IP... 3 2. Serviços não Orientados à Conexão...4 2.1 Tecnologias de redes token ring... 4

Leia mais

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Tipos de GED: Document imaging Document management Document Imaging / Document Management O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Mundo analógico Criação Revisão Processamento Arquivo Mundo digital

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação Remota Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Comunicação entre processos está no coração de todo sistema distribuído. Não tem sentido estudar sistemas distribuídos

Leia mais

Especificação do 3º Trabalho

Especificação do 3º Trabalho Especificação do 3º Trabalho I. Introdução O objetivo deste trabalho é abordar a prática da programação orientada a objetos usando a linguagem Java envolvendo os conceitos de classe, objeto, associação,

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

Java 2 Standard Edition. Fundamentos de. Objetos Remotos. Helder da Rocha www.argonavis.com.br

Java 2 Standard Edition. Fundamentos de. Objetos Remotos. Helder da Rocha www.argonavis.com.br Java 2 Standard Edition Fundamentos de Objetos Remotos Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Sobre este módulo Este módulo tem como objetivo dar uma visão geral, porém prática, da criação e uso de objetos

Leia mais

Sistemas Cliente-Servidor

Sistemas Cliente-Servidor Sistemas Cliente-Servidor Disciplina Bancos de Dados II (INE 5616 2006-1) Curso de Sistemas de Informação Prof. Renato Fileto INE/CTC/UFSC 1 1 Cliente - Servidor Arquitetura cliente/servidor: Os servidores

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Professor Jeferson

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Professor Jeferson SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Professor Jeferson 1 Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados ou a um conjunto de informações, no sentido de preservar o valor que possuem para

Leia mais