CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA ANÁLISE DO TRÁFEGO DE REDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA ANÁLISE DO TRÁFEGO DE REDE"

Transcrição

1 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA ANÁLISE DO TRÁFEGO DE REDE Março / 2014 Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 1 / 41

2 1. INTRODUÇÃO Este docum ento apr esenta os r equis itos técnicos e de s er viç os para a AQUISIÇÃO de um a Solução para Colet a, Análise e Diagnóstico de Tráfego de Rede, incluindo software e/ou hardwar e, instalação, oper ação assistida e hands on, capac itaç ão, suporte e garantia. A oferta da PROPO NENTE dever á atender integralm ente aos requis itos técnic os detalhados no anex o Especific ação Técnica, aos requis itos de ser viç os, pr azos, docum entação e níveis de atendim ento detalhados no anexo Condições Ger ais de Contratação e pr eencher a tabela de pr ec ificação, de acor do c om o anexo Tabela de Prec ificação. Qualquer dúvida deve ser dir igida à gerência de com pras da CONTRATANTE, com ge.gov.br. Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 2 / 41

3 ANEXO II ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 3 / 41

4 ANEXO II - A ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 4 / 41

5 1. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E REQUISITOS GERAIS Será adquirida uma solução para coletar e capturar grandes volumes de tráfego de rede, analisar detalhadamente e profundamente os pacotes, realizar troubleshooting em tempo real, gerar relatórios customizados e monitorar o tráfego de rede em tempo real, incluindo software e/ou hardware, instalação, operação assistida e hands on, capacitação, suporte e garantia, com as características técnicas e requisitos gerais relacionados neste documento. A solução fornecida deverá atender à integralidade dos requisitos exigidos. Todas as funcionalidades descritas nesta especificação devem ser fornecidas ativas e licenciadas para USO imediato pela CONTRATANTE. Poderão ser tratadas como exceções aquelas funcionalidades que a CONTRATANTE explicitamente indicar serem objetos de contratações futuras CARACTERÍSTICAS GERAIS E REQUISITOS BÁSICOS a) O conjunto de hardware e software que integra a solução deve possuir versões compatíveis com os sistemas operacionais Windows ou Linux. b) A solução deve possuir a capacidade de coletar dado bruto independentimente da infraestrutura de rede atual da CONTRATANTE. c) Deve possuir interface gráfica estilo WEB para administração, customização e gerenciamento remoto, que suporte HTTP/HTTPS. d) Deve fornecer gerência centralizada para que seja possível acessar todas as funcionalidades da solução, de onde poderão ser lançadas e configuradas as interfaces de alerta, análise e resolução de problemas. e) Deve permitir a definição de diferentes perfis de usuários. f) A interface de usuário deve ser baseada em Web e permitir acesso simultâneo de pelo menos 5 usuários, sem afetar a performance. g) Os componentes da solução deverão possuir interfaces de 1 GigaEthernet e 10GigaEthernet. h) A solução deve ser capaz de coletar e armazenar o dado bruto (incluindo payload), em tempo de execução, possibilitar visibilidade e análise na granularidade de pelo menos 1s. i) A partir de uma coleta de dado bruto diretamente do segmento de rede, permitir a decodificação dos pacotes TCP/UDP, datagramas IP e frames Ethernet, VLAN e MPLS e permitir uma análise imediata da informação (tolerancia de refresh 30s), em tempo de execução (com granularidade mínima de coleta de 1ms) diretamente na janela do usuário. j) A solução deverá possuir a capacidade de realizar drill-down, ou seja, a partir de uma visualização de estatísticas gerenciais dos serviços de rede possibilitar uma outra visualização mais aprofundada a cerca das estatísticas presentes na visualização original chegando a nível de pacote e payload. k) A solução deve possuir a capacidade de armazenamento de, no mínimo, 12TB com possibilidade de expansão na mesma solução. l) A solução deve permitir o armazenamento contínuo de dado bruto e possibilitar a seleção de dados dentro de um intervalo de tempo, compatível com a capacidade de armazenamento disponível, (requisito RB-11) e a customização aplicada para cada protocolo, a fim de permitir análise histórica dos dados. Para esse intervalo, deve ser possível visualizar os pacotes e os Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 5 / 41

6 dados(payload) encapsulados com granularidade de no mínimo 1s e ainda as entidades existentes nas diferentes camadas ou cabeçalhos dos protocolos. m) Deve ser possível capturar pacotes a partir de 22 segmentos de rede, sendo 7 conexões de 10Gbps, 9 conexões de 1Gbps ambas em fibra monomodo e 6 conexões de 1Gbps em cabo UTP cat6. n) A solução deverá oferecer capacidade de processamento adequada aos ambientes a serem monitorados. o) Deve fornecer a capacidade de notificação de alarmes pelos seguintes meios: envio de execução de um script no servidor envio de Trap SNMP p) Os pacotes de rede capturados e armazenados devem poder ser exportadas no formato Pcap ou Cap para análise posterior. q) Possuir suporte a protocolos de análise de redes dinâmicas como no mínimo: Jflow Netflow Sflow NetStream IPFIX 1.2. COLETA E CAPTURA DO TRÁFEGO DE REDE a) A coleta de dados deverá ser de maneira continua, e não devendo ser por amostragem ou por período de tempo (polling). b) A solução deve ser capaz de coletar dado bruto de tráfego MPLS e VLANs. c) A solução deve permitir o armazenamento contínuo de dado bruto e possibilitar a seleção de dados dentro de um intervalo de tempo, compatível com a capacidade de armazenamento disponível, (requisito RB-11) e a customização aplicada para cada protocolo, a fim de fornecer estatísticas na granularidade de pelo menos 1s. d) Deve ser possível identificar o tamanho de pacotes (especificação de MTU) e configurar o tamanho do frame a ser capturado. e) A solução deverá ser capaz de coletar e armazenar todo o tráfego de rede em formato (.pcap). Deve, ainda, ser possível configurar o tamanho do frame a ser armazenado para cada tipo de protocolo capturado. f) Deve ser capaz de receber informações de TAPs, espelhamento (mirror), switches e roteadores através do protocolo SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3. g) Possuir suporte ao protocolo IPv6 e seus derivados (ICMPv6, DHCPv6, BGPv6, OSPFv6, EIGRPv6, etc) bem como identificar os cabeçalhos de extensões. h) As interfaces de recebimento do tráfego devem poder ser configuradas em modo full-duplex para receber os dados de TAPs que mostram o tráfego separado de Rx e Tx da interface. Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 6 / 41

7 1.3. ADMINISTRAÇÃO a) Permitir o acompanhamento em tempo de execução, através de paineis em um módulo centralizado, todas as informações e métricas definidas. b) Monitorar e acompanhar métricas: Para todos os valores de volumetria, permitir a configuração de alarmes a partir de limiares definidos parametrizáveis e baseados no histórico. Permitir integração com ferramenta de monitoramento de ativos e abertura de tickets de incidentes (Sugestão: SNMP/TRAP); Apresentação e medição das métricas definidas no acordo de níveis de serviço (SLA) disponibilidade. c) Apresentar as informações de volumetria, em tempo de execução (com granularidade mínima de coleta de 1ms) e histórico, na forma de paineis com instrumentos gráficos para apresentação de informações (dashboards) para acompanhamentos: gerenciais a serem customizadas e operacionais detalhadas ao longo do tempo. d) A visualização das informações para o monitoramento, tanto em tempo real, como para consulta aos dados históricos, deve ser baseada em painéis configuráveis que podem conter diferentes tabelas ou gráficos de informação. Estes painéis devem ser definidos por usuário e, caso seja necessário, um usuário deve ser capaz de compartilhar seu conjunto de painéis com outros usuários TROUBLESHOOTING E ANÁLISE DE PACOTES DE TRÁFEGO DE VOZ E VÍDEO a) Deve ser possível visualizar e categorizar percentual do número de fluxos de vídeo e de áudio analisados dentro de níveis aceitáveis baseado em métricas chaves de qualidade como: Percentual de eco na carga útil dos fluxos de voz Volume médio das conversações ativas medidas através da carga útil dos fluxos de voz Degradação média da qualidade de vídeo devido à compressão de dados Atraso médio de fluxos de voz com eco detectável Média da Relação sinal-ruído dos fluxos de voz b) A solução deve ser capaz de analisar o tráfego de voz sobre IP e videoconferência, e permitir decodificar e fazer troubleshooting de, pelo menos, os seguintes protocolos: H.323 (v4), incluindo: H.225 (v4) Call Signaling H.245 (V8) Media Control RAS (v4), Registration, Admission e Status H235 (v3) Security Cisco Skinny Client Control Protocol (SCCP) Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 7 / 41

8 SIP Session Initialization SDP Session Description SAP Session Announcement MGCP Media Gateway Control MEGACO / H.248 Media Gateway Control RTP Realtime Transport RTCP RTP Control RTSP Realtime Streaming Protocol H.261 Video Encoding H.263 Video Encoding H.264 Video Encoding c) Deve proporcionar visibilidade fim-a-fim para sessões correlacionando informações de rede, serviço e contexto do usuário para os protocolos: VoIP (H.323, RTP, SCCP, SIP) d) Deve apresentar métricas e códigos de erros inerentes às aplicações para serviços específicos como: Servidores de Chamadas (Call Server) latência de mensagens de registro, estabelecimento de chamada e conclusão de chamada Voz e Vídeo baseados em RTP número médio de streams ativos e completados, percentual de streams com problemas relativos à MOS, Perda de Pacotes e Jitter e) Analisar os erros dos protocolos de redes em tempo execução com refresh de, no mínimo 30 s e em granularidade mínima de 1s, em períodos definidos, apresentando as seguintes informações: Métricas para VoIP: Jitter; MOS; delay; loss rate. f) Identificar no volume de trafego de rede e analisar informações multimídia (dados, voz e vídeo) de acordo com as seguintes métricas, coletando através de dado bruto: Métricas de qualidade. Qualidade de chamadas Intensidade do áudio das chamadas Ruído das chamadas Eco das chamadas Gravação de codecs de áudio e vídeo e decodificação dos mesmos. Volume de chamadas de áudio e de vídeo, identificando e quantificando os nós de origem e destino; Registro detalhados de chamadas; g) Deve permitir construir filtros avançados com critérios de comparação como igual, diferente, maior que, menor que, maior ou igual a, menor ou igual a, relacionados a: Voice IP MOS, Voice IP Min MOS, Voice IP MOS degradado, Voice IP Max MOS degradado Video IP MOS, Video IP Min MOS, Video IP MOS degradado, Video IP Max MOS degradado Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 8 / 41

9 Número de pacotes recebidos, Percentual de perda de pacotes, Média de pacotes perdidos consecutivamente Jitter máximo (ms), Jitter mínimo(ms), Percentual de pacotes fora de sequência, Atraso no transporte IP (ms) LQ MOS, CQ MOS, Volume de voz, Relação sinal-ruído, Volume do ruído, CQ delay(ms) Taxa de bits de mídia (kbps), Taxa de quadros de vídeo (fps), Quadros de vídeo Duração do fluxo (seg), Tamanho da carga útil, Conversação única (muda), VLAN ID. h) Deve ser possível criar os seguintes filtros básicos: Uma ou mais origens das chamadas Um ou mais destinos das chamadas i) Deve permitir criar os seguintes filtros avançados: Um ou mais Codecs de Vídeo como H.261, H.263, H.263+/H.263++, H.264, MPEG-1 Video, MPEG-2 Video, MPEG-4 Visual, VC-1, JPEG, Celb, BT.656, DV, vídeo não comprimido, Realvideo,Theora, MS RTVideo, Windows Media Video 9. Um ou mais Codecs de Áudio como G.711A, G.711µ, G.723.1, G.729, G.722, G.728, GSM 06.10, AMR-NB, AMR-WB, G.722.1, G.722.1C, VMR-WB, ilbc, G.729D, G.729E, GSM-EFR, G.726 (16kbps, 24kbps, 32kbps, 40kbps), MS RTAudio NB, MS RTAudio WB, Siren 16kbps, EVRC, EVRC WB, SMV, AAC-LD, isac, ipcm-wb, EVRC-B. Um ou mais tipo de dispositivos como ATA, MCU, IP Phone, Media Gateway, Celular, Roteador NAT, Session Border Control, Set Top Box, Soft Phone, Video Conference Client, Video Conference Unit, Video IP Phone, Video Player. j) Para Qualidade de Escuta devem-se apresentar valores médios, mínimos e máximos para Relação Sinal-Ruído(dB), Volume de Voz(dBov) e Volume do Ruído(dBov). k) Para Qualidade de Conversação devem-se apresentar valores médios, mínimos e máximos para Atraso no Eco (ms) e Perda de Eco(dB). l) Deve detalhar o fluxo para apresentar um sumário das informações de rede para protocolo (VLAN, IP DiffServ, IP TTL) e métricas de pacote (Número total, Percentual de perda, Perda consecutiva de pacotes média e máxima, Jitter máximo e mínimo, Percentual de pacotes fora de sequência) TROUBLESHOOTING / ANÁLISE DE PACOTE a) Os gráficos devem possuir a capacidade de realizar drill-down, ou seja, baseado em uma visualização de estatísticas gerenciais dos serviços de rede apresentar outra com mais detalhes a cerca das estatísticas presentes na visualização original chegando até mesmo no nível de pacote/payload. b) Permitir a decodificação dos pacotes TCP/UDP, datagramas IP e frames Ethernet, VLAN e MPLS e análise em tempo de execução (com granularidade mínima de coleta de 1ms) diretamente na janela do usuário para permitir uma análise imediata da informação. c) Deve possuir a capacidade de filtrar tráfego para as portas destino baseado em: Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 9 / 41

10 Endereço MAC Endereço IP Identificação de VLAN Identificação de VPN MPLS Subredes IP Portas TCP/UDP d) Apresentar relatório estatístico de volume de tráfego de incidência de multicast e broadcast. -- Ser possível de definir níveis de broadcast e multicast para serem considerados na estatística. -- Avaliar multicast e broadcast em nível ethernet, no mínimo: Fragments Oversizes Runts Jabbers CRC e) Deve proporcionar visibilidade fim-a-fim para sessões correlacionando informações de rede, serviço e contexto do usuário para os protocolos: DHCP DNS (SMTP/POP3/IMAP) FTP LDAP RADIUS PROXY f) Deve permitir descobrir os tráfegos de aplicações cliente-a-cliente (Peer-to-Peer) assim como a atividade por portas TCP ou UDP não classificadas como aplicações conhecidas. g) Para cada conjunto dos dados disponíveis de um determinado intervalo selecionado, deve-se poder extrair as seguintes informações: Um resumo dos pacotes recebidos Erros nos pacotes recebidos Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 10 / 41

11 Tráfego por endereço IP associado com porta, rede, endereço IP, VLAN ID, etc. Tráfego por porta associado com o protocolo IP e a taxa de transmissão em pacotes/segundo ou bytes/segundo. Sub-redes e seu tráfego associado a endereços IP, bytes, e a taxa de transmissão Conversas entre as estações IP VLAN, mostrando estatísticas por VLAN h) Deve permitir criar filtros customizados para uma determinada ocorrência. Estes filtros devem ficar disponíveis para que possam ser acionados quando quiser analisar eventos recorrentes. i) Deve permitir análise de tráfego VN-Tag. (802.1Qbh) 1.6. ANÁLISE DE ERRO a) Diagnosticar a causa ou origem de eventos, anomalias ou falhas relacionados a protocolos, serviços e tráfego de rede. b) Detectar eventos, anomalias, erros e falhas relacionadas aos serviços de rede. Identificar sucessos, erros e tipos de erros. Drilldown no erro até o nível de pacote e payload para todos os tipos de serviços. Pelo menos os seguintes serviços de rede: DNS -- tempo de resposta, códigos de erros e falhas para mensagens do tipo A/AAAA, PTR- NAPTR, SRV e demais mensagens. PROXY FTP SMTP POP IMAP TN3270 OFTP STCP c) Analisar os erros dos protocolos de redes em tempo de execução com refresh de, no mínimo 30s e em granularidade mínima de 1s, em períodos definidos, apresentando as seguintes informações: Aplicações: DNS, SMTP, ICMP, PROXY. Protocolos de roteamento: BGP, MP-BGP, LDP Demais protocolos: TELNET, TN3270, SSH, FTP, SMB, NFS, TCP e UDP. d) Analisar os protocolos de redes, em períodos definidos, apresentando as seguintes informações: Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 11 / 41

12 I - Identificar erros por protocolos e serviços de rede, (no mínimo): * Aplicações: DNS, HTTP, HTTPS, SQL, SMTP, ICMP. * Protocolos de roteamento: BGP, MPBGP, LDP * Demais protocolos: TELNET, TN3270, SSH, FTP, SMB, NFS, TCP e UDP ANÁLISE HISTÓRICA a) Deve permitir a seleção de dados dentro de um intervalo de tempo para serem recuperados, a fim de permitir análise histórica dos dados. Para esse intervalo, deve ser possível ver as entidades existentes nas diferentes camadas ou cabeçalhos do tráfego assim como ver os pacotes e os dados(payload) encapsulados com granularidade de no mínimo 1s. b) Permitir a decodificação dos pacotes TCP/UDP, datagramas IP e frames Ethernet, VLAN e MPLS e análise em tempo de execução (com granularidade mínima de coleta de 1ms) diretamente na janela do usuário para permitir uma análise imediata da informação. c) Deve ser possível exibir, com granularidade de no mínimo 1s, a partir de dado bruto gráficos identificando as filas de QoS e ainda permitir realizar drill-down, nestas informações até chegar a nível de pacote e payload, para no mínimo as seguintes marcações DSCP e MPLS Explerimental Bits. EF (Expedited forward) / Topmost - Imposition 5 AF41 / Topmost - Imposition 4 AF31 / Topmost - Imposition 3 AF21 / Topmost - Imposition 2 BE (Best effort) / Topmost - Imposition 0 d) Deve ser possível classificar o tráfego analisado por: Número de porta TCP ou UDP Endereços de hosts combinados com portas TCP ou UDP e) Possibilitar todas as análises e troubleshooting previstas nos "Troubleshooting / Análise de Pacote" nos dados históricos ANÁLISE E RELATÓRIOS SOBRE QOS a) A solução deverá identificar e diferenciar os seguintes tipos de marcação QoS. DSCP Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 12 / 41

13 Experimental bits, (MPLS) ToS, (IPv4) Traffic Class, (IPv6) b) Deve ser possível inventariar filas de QoS para que cada uma delas seja vista como um enlace separado para permitir o monitoramento do tráfego transmitido e recebido de filas de QoS diferentes. c) Identificar no volume de trafego a classificação QoS e analisar informações de acordo com as seguintes métricas, coletando através de dado bruto: IP de origem e destino. Portas TCP e UDP. Payload type. d) Deve ser possível exibir, em tempo de execução, com granularidade de no mínimo 1s, a partir de dado bruto gráficos identificando as filas de QoS e ainda permitir realizar drill-down, nestas informações até chegar a nível de pacote e payload, para no mínimo as seguintes marcações DSCP e MPLS Explerimental Bits. EF (Expedited forward) / Topmost - Imposition 5 AF41 / Topmost - Imposition 4 AF31 / Topmost - Imposition 3 AF21 / Topmost - Imposition 2 BE (Best effort) / Topmost - Imposition MONITORAÇÃO EM TEMPO DE EXECUÇÃO a) A solução deve exibir, pelo menos, as seguintes estatísticas para o consumo da largura de banda: por aplicação, por cliente, por site, por servidor, por VLAN, por QoS e por intervalo de tempo. b) Exibir, em tempo de execução, com refresh de, no mínimo 30 s e em granularidade mínima de 1s, o volume do tráfego de rede, sob a perspectiva de: Interfaces Segmentos de rede Total c) Exibir, em tempo de execução, com refresh de, no mínimo 30 s e em granularidade mínima de 1s, o volume de tráfego MPLS e VLANs (incluindo trunk de VLANs), identificando: Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 13 / 41

14 Distinguir (nome e id) e exibir tráfego das diversas VRFs/VPN MPLS Origem por subredes (1 ou mais) cliente. Origem e destino por segmento Distinguir (nome e id) e exibir tráfego por VLAN. d) Exibir o tráfego de rede, em tempo de execução, com refresh de, no mínimo 30s e em granularidade mínima de 1s, por protocolo nas seguintes opções: Volume total, Total de pacotes por segundo, Total de bits por segundo Total de utilização sobre a perspectiva de Interface, Largura de banda. e) Identificar, por protocolo: Entidades geradoras de tráfego; origem e destino por ASN. f) Exibir, em tempo de execução, com refresh de, no mínimo 30 s e em granularidade mínima de 5 m, sobre os eventos TCP ou UDP. Total de transações Quantidade de pacotes perdidos (TCP somente) Retransmissão (TCP somente) Tempo esgotado. g) Monitorar a disponibilidade e o desempenho (no mínimo as medidas de consumo de banda, tempo de resposta da aplicação ou serviço, identificação de origem e destino) dos principais serviços de rede como, no mínimo: DNS Proxy Servidor de FTP SMTP POP IMAP Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 14 / 41

15 TN3270 OFTP STCP h) Exibir, em granularidade mínima de 1s, a porcentagem do tráfego em relação à interface física monitorada por: Pacotes por segundo. Bits por segundo. Total acumulado por interface. Bits por segundo por site. Bits por segundo por cliente. (conjunto de sites) i) Deve ser possível inventariar sub-redes de modo que cada uma delas é vista como um enlace/site separado para permitir o monitoramento do tráfego transmitido e recebido de diferentes segmentos de rede RELATÓRIOS a) Exibir relatório contendo estatísticas de erros. b) Os relatórios devem poder ser gerados, pelo menos, de duas formas: Instantânea: produzidos a partir de uma visualização em tempo real ou histórica Programada: gerados a cada certo período de tempo e enviados por em formato PDF ou armazenados no servidor central da solução oferecida para consulta posterior. c) Gerar e enviar por automaticamente relatórios de acordo com parametrização a ser configurada, apresentando no mínimo as seguintes informações: a. Gerar relatórios a partir do atingimento de threshoulds de percentil de consumo do link; b. Apresentar informações em relatório de forma gráfica e tabular; c. Apresentar informações dos links mais consumidos, baseados nos threshoulds máximos definidos; d. Apresentar informações dos links menos consumidos, baseados nos threshoulds mínimos definidos; d) Deve permitir a parametrização dos dias da semana e o horário em que serão exibidos no relatório gerado (por exemplo, exibir somente os dias úteis no horário de 08:00 às 18:00.) e) Apresentar relatório contendo o histórico do volume de tráfego MPLS e VLANs. (incluindo trunk de VLANs), identificando: Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 15 / 41

16 Tráfego das diversas VRFs/VPN MPLS Origem por site. Origem e destino por operadora. (segmento de rede) f) Montar e exibir para as entidades geradoras de trafego, os pontos (IP) de origem e destino ou ASN de origem e destino a matriz de conexões, tanto na forma numérica quanto gráfica, de pelo menos seguintes métricas: Total de bits por segundo, Largura de banda APLICATIVO AUXILIAR a) A solução deve vir acompanhada de um aplicativo auxiliar que possar ser instalado em equipamentos móveis (notebooks) para permitir análise de tráfego bruto. b) Avaliar, de forma retroativa, os dados coletados e salvos em um dispositivo de armazenamento. c) Processar arquivos do tipo (pcap) de forma independente, isto é: sem dependência da solução principal. d) Selecionar visualmente um intervalo de tempo de um arquivo de dado bruto pré-capturado para análise independente. e) Para cada conjunto dos dados disponíveis para cada intervalo tempo selecionado, deve ser possível extrair as seguintes informações: Resumo dos pacotes recebidos Erros nos pacotes recebidos Tráfego por endereço IP associado com porta, rede, endereço IP, VLAN ID, etc. Tráfego por porta associado com o protocolo IP e a taxa de transmissão em pacotes/segundo ou bytes/segundo. Sub-redes e seu tráfego associado a endereços IP, bytes, e a taxa de transmissão Conversas entre as estações IP VLAN, mostrando estatísticas por VLAN f) Mostrar dados no formato hexadecimal e interpretar os caracteres em ASCII ou EBCDIC. g) Mostrar o tempo absoluto e a data em que um quadro foi capturado. h) Permitir a criação de filtros customizados para uma determinada ocorrência. Estes filtros devem ficar disponíveis para que possam ser acionados quando se queria analisar eventos recorrentes. Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 16 / 41

17 i) Possuir opções de filtragem que podem ser selecionadas individualmente ou de forma combinada. Deve ser capaz de filtrar por: Endereço IP Endereço MAC Conversação entre duas estações por meio da seleção do nome ou endereço IP Protocolos Erros Padrões de dados (bytes e bits) permitindo a configuração de padrões dentro do quadro Tamanho do quadro Pacotes com erros j) Analisar as diferentes VLANs a partir dos quadros com tags 802.1q. k) Apresentar, pelo menos, as seguintes estatísticas para o consumo da largura de banda: por aplicação, por cliente, por servidor, por VLAN, por QoS e por intervalo de tempo DEMAIS CONDIÇÕES a) A instalação física e customização de diretivas, bem como atualização do sistema operacional, adequação de funcionalidades, ativação de licenças de software, tunning, etc, deverão ser de responsabilidade do fornecedor; b) O suporte técnico deve ser na língua portuguesa com especialistas do fabricante ou fornecedor contendo certificação avançada na plataforma licitada (Service Provider). O suporte deverá ser prestado no ambiente PRODEMGE, MG, BH, Lourdes - Rua da Bahia O suporte poderá ser executado remotamente (acesso remoto) ou em conferência, mas, somente através do consenso da equipe técnica PRODEMGE; c) Todos os equipamentos devem ser novos, sem prévia utilização, não remanufaturados e não recondicionados; d) Os modelos ofertados devem estar em linha de fabricação até a data de publicação deste edital. Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 17 / 41

18 ANEXO II - B CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 18 / 41

19 1. NÍVEIS DE SERVIÇO 1.1. DEFINIÇÕES E CONDIÇÕES GERAIS A PRO PONENTE deverá m anter todos com ponentes da solução fornecida com um índice de disponibilidade anual m ínim o de 99% ( noventa e nove por cento), apurados m ensalm ente, descons iderando as par adas planejadas e erros de configur ação oc asionados pela CONTRATANTE Par adas planej adas são m anutenç ões pr eviam ente agendadas entr e a PROPO NENTE e a CONTRATANTE para m anutenç ões na solução pr oposta Estas paralisações devem ser solic itadas com um m ínim o de 20 (vinte) dias úteis de antec edênc ia Par a apuraç ão do Índice de Dis ponibilidade da soluç ão e Tem po de Atendim ento para solução de pr oblem as, os cham ados são classificados em 4 (quatr o) Níveis de Sever idade, de ac ordo com a Tabela a seguir: Severidade 1 Escopo Um problema que tenha um impacto crítico na capacidade da CONTRATANTE em manter a solução ativa. A solução está inoperante ou severamente degradada. 2 Um problema que tenha um impacto na capacidade da CONTRATANTE em manter a solução ativa, cuja severidade seja significativa, porém não crítica, e que possa ser de natureza repetitiva. O funcionamento da solução é afetado, mas o desempenho não foi severamente degradado. 3 Um problema que não cause impacto na capacidade da CONTRATANTE em manter sua infraestrutura ativa. 4 Não é um problema e sim suporte para ajustes ou otimizações. TABELA 1 NÍVEIS DE SEVERIDADE Um cham ado som ente será consider ado contingenciado ou concluído com o ac eite da CO NTRATANTE Soluç ão de Contingência ou de Contor no é um a solução tem porária para um problem a que não elim ina a sua c aus a raiz. Es ta soluç ão res tabelece a disponibilidade do am biente, possibilitando assim a execuç ão plena de suas funções or iginais, m antendo o m esm o nível de desem penho anterior ao problem a Par a os cham ados classific ados com o de sever idade 01 (um ), a assistênc ia téc nic a s erá pres tada em regim e 24x7x365 (rem ota ou onsite), com atendim ento em até 02 (duas) horas corridas após o registr o do cham ado. Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 19 / 41

20 Caso o problem a não tenha sido contingenc iado após 6 (seis ) horas corr idas, a partir do regis tro do cham ado, o supor te técnico deverá ser on-site e a disponibilizaç ão da soluç ão de contingência não poderá ultr apassar 08 (oito) horas c orridas, após o registr o do c ham ado Par a os problem as classificados com o severidade 2 (dois), a assistência técnica ser á pres tada em regim e 24x7x365 (rem ota ou on-site), com atendim ento em até 2 (duas) horas c orridas após o registr o do c ham ado Caso o problem a não tenha s ido contingenc iado após 8 (oito) horas corr idas, a par tir do registr o do cham ado, a ass istência técnica deverá ser on-site e a disponibilizaç ão da soluç ão de contingência não poderá ultr apassar 10 (dez) hor as corr idas, após o registr o do c ham ado Par a os cham ados classificados com o severidade 3 (três), a assistência técnica ser á prestada em horário com ercial, em regim e 8 x 5 (rem ota), com atendim ento em até 4 ( quatr o) hor as úteis após o registr o do cham ado A PRO PONENTE ter á, no m áxim o, 40 (quarenta) horas úteis, após o registr o do cham ado, par a im plantar um a soluç ão de contingência Par a os cham ados classificados com o severidade 4 ( quatro), a assistênc ia técnic a s erá prestada em horário c om ercial, em regim e 8 x 5 (rem ota), com atendim ento em até 4 (quatro) hor as úteis após o registr o do c ham ado A PRO PONENTE terá, no m áxim o, 15 dias corridos par a responder ao c ham ado, após o seu registro Para problemas de hardw are, a solução definit iva não poderá ultrapassar 30 (trint a) dias corridos e para softw are, 2 (dois) meses Em caso de adoção de solução de contingência, sem prejuízo da solução definitiva cabível, a PROPONENTE deverá em itir laudos, na per iodicidade exigida pela CONTRATANTE, inform ando sobre a evoluç ão dos trabalhos para soluc ionar o problem a de form a definitiva Par a severidades 01 (um ) e 02 (dois) não c ontingenc iadas em até 12 (doze) horas corr idas após o regis tro do cham ado, ser á obr igatório o fornecim ento im ediato e tem porário de um a solução substituta, até que o problem a seja contingenc iado ou res olvido Em caso de necessidade de s ubstituiç ão de algum equipam ento, o s ubstituto dever á s er de m odelo equivalente ou s uperior Em caso de s ubstituiç ão perm anente, o equipam ento substituto deverá ter, no m ínim o, a m esm a capac idade e desem penho, ser novo, não rem anufaturado ou r econdicionado Em qualquer um dos casos acim a, a CONTRATANTE irá em itir laudo de recepção técnica atestando ou não o cum prim ento dos requis itos. Solução para Análise do Tráfego de Rede (Março/2014 ) 20 / 41

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

C O N S U LTA P Ú B L I C A

C O N S U LTA P Ú B L I C A Introdução E S P E C I F I C A Ç ÃO T É C N I C A C O N S U LTA P Ú B L I C A V A L I D A Ç Ã O D A E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A E L E V A N T A M E N T O D E P R E Ç O S P A R A A Q U I S I

Leia mais

C O N S U L T A P Ú B L I C A

C O N S U L T A P Ú B L I C A C O N S U L T A P Ú B L I C A VA L I D A Ç Ã O D A E S P E C I F I C A Ç ÃO T É C N I C A E L E VA N T A M E N T O DE P R E Ç O S P A R A A Q U I S I Ç Ã O DE R O T E A D O R E S C A R R I E R E T H E

Leia mais

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 001/2007 1 ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ESTABELECE, RESPONSABILIDADES DIVERSAS, TIPOS E HORÁRIO DE COBERTURA DE SUPORTE, E DEMAIS RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA RELATIVAS

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET 1. Objetivo 1.1. Contratação de serviços para fornecimento de uma solução de conexão IP Internet Protocol que suporte aplicações TCP/IP e disponibilize a PRODEB acesso a rede mundial de computadores Internet,

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos:

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos: ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 10/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) A ATA REGISTRO PREÇOS FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO SWITCH ÓPTICA E SWITCH BORDA A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA DO MUNICÍPIO SÃO PAULO

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

HP Router Advanced Implementation

HP Router Advanced Implementation HP Router Advanced Implementation Dados técnicos O HP Router Advanced Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto ao Cliente e na análise dos equipamentos existente,

Leia mais

ERRATA. 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência;

ERRATA. 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; ERRATA Este documento tem por objetivo retificar: 1. Item 4.1.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; 2. Item 7.9.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa.

Termo de Referência. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa. Termo de Referência Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa. CGAD/COAR - Gerenciamento de Impressão Plataforma Baixa / RQ DSAO nº xxx/2009 1/8 Termo de Referência Aquisição

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE Aquisição de Solução de Criptografia para Backbone da Rede da Dataprev ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE 1.1 Cada appliance deverá ser instalado em rack de 19 (dezenove) polegadas

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação Diretoria Técnica-Operacional Gerência de Tecnologia da Informação Termo de Referência Anexo II Especificação Técnica 1 - INTRODUÇÃO Página 2 de 9 do TR-007-3700 de Este anexo tem por objetivo detalhar

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS Esclarecimento I PERGUNTA 1: PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS 7.5.3. documentação técnica do fabricante dos componentes cotados, incluindo partes de manuais e catálogos, que comprovem o atendimento

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12 TERMO DE REFERÊNCIA I DEFINIÇÃO DO OBJETO O presente Projeto Básico tem por objeto a aquisição de equipamentos para implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. ITEM DESCRIÇÃO QUANTIDADE 1 Switch

Leia mais

Curso de Redes de Computadores

Curso de Redes de Computadores Curso de Redes de Computadores EMENTA Objetivo do curso: abordar conceitos básicos das principais tecnologias de rede e seus princípios de funcionamento. Instrutor: Emanuel Peixoto Conteúdo CAPÍTULO 1

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PREGÃO Nº XX/2011 PROVIMENTO DE ENLACE E TRANSITO INTERNET 1 Objeto Contratação de empresas ou consórcio de empresas, para instalação de enlace de conexão bidirecional entre

Leia mais

Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo:

Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo: Termo de Referência: Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo: Item Descrição Qtdade 1 MCU Dedicada 1 2 Terminal de Vídeo-conferência para salas de médio porte

Leia mais

Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS

Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ITEM 3478-_M.PDF Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS Item/subitem Descrição Exigência.. O appliance da solução

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk.

RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk. RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk. PERGUNTA 1: Sobre o Item Minuta Contratual: CONSIDERANDO QUE O ONS É UMA PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Manual do Usuário Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Índice INTRODUÇÃO E UTILIZAÇÕES GERAIS Funcionalidades...03 Introdução...04 Requisitos Necessários...04 Instalando o xconference...05-07

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA C O N S U LT A P Ú B L I C A S O L U Ç Ã O D E A N Á L I S E E S PAC I A L PA R A A P RO D E M G E. S e t e m b r o / 2 0 1 3

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA C O N S U LT A P Ú B L I C A S O L U Ç Ã O D E A N Á L I S E E S PAC I A L PA R A A P RO D E M G E. S e t e m b r o / 2 0 1 3 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA C O N S U LT A P Ú B L I C A S O L U Ç Ã O D E A N Á L I S E E S PAC I A L PA R A A P RO D E M G E S e t e m b r o / 2 0 1 3 ANEXO IIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO OBJETO E CONDIÇÕES

Leia mais

158009.532014.7640.4300.20286245778.358

158009.532014.7640.4300.20286245778.358 158009.532014.7640.4300.20286245778.358 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00053/2014

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Gerenciamento do Tráfego de Internet Edital de Licitação PREGÃO PRESENCIAL Nº 34/2010 Processo SAP nº 4180/2010 Perguntas e Respostas Página 1 /15 Pergunta n o 1: Os dispositivos de filtro de conteúdo

Leia mais

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX)

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX) ANEXO 2 INFORMAÇÕES GERAIS VISTORIA 1. É obrigatória a visita ao hospital, para que a empresa faça uma vistoria prévia das condições, instalações, capacidade dos equipamentos, migração do software e da

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. 1) Recebimento de eventuais questionamentos e/ou solicitações de esclarecimentos Até 18/02/2009 às 18:00 horas;

ATA DE REUNIÃO. 1) Recebimento de eventuais questionamentos e/ou solicitações de esclarecimentos Até 18/02/2009 às 18:00 horas; ATA DE REUNIÃO CONSULTA PÚBLICA PARA AQUISIÇÃO DE SOLUÇÃO WEB-EDI Troca Eletrônica de Dados. Local Dataprev Rua Cosme Velho nº 06 Cosme Velho Rio de Janeiro / RJ. Data: 06/03/2009 10:30 horas. Consolidação

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA EQUIPAMENTOS DE ACELERADORES WAN

APRESENTAÇÃO DE SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA EQUIPAMENTOS DE ACELERADORES WAN APRESENTAÇÃO DE SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA EQUIPAMENTOS DE ACELERADORES WAN Prezados Senhores, A Control Teleinformática Ltda. é uma empresa Grupo Mahvla, nacional, que foi criada para atender

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 009/2012 1 DO OBJETO 1.1 - Fornecimento de solução avançada de backup desduplicado, com serviços de assistência técnica e capacitação, visando a integração

Leia mais

Intelbras TIP 100. 1. Instalação

Intelbras TIP 100. 1. Instalação 1 Intelbras TIP 100 1. Instalação É necessário que o TIP 100 e seu computador estejam conectados à Internet através de banda larga. A conexão pode ser feita com hub ou switch ligado ao modem roteador ou

Leia mais

É desejável que o Proponente apresente sua proposta para ANS considerando a eficiência e conhecimento do seu produto/serviço.

É desejável que o Proponente apresente sua proposta para ANS considerando a eficiência e conhecimento do seu produto/serviço. 1 Dúvida: PROJETO BÁSICO Item 4.1.1.1.2 a) Entendemos que o Suporte aos usuários finais será realizado pelo PROPONENTE através de um intermédio da CONTRATANTE, que deverá abrir um chamado específico para

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A A P P L I A N C E A P P L I C AT I O N D E L I V E R Y - S W I T C H N I V E L 7 -

E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A A P P L I A N C E A P P L I C AT I O N D E L I V E R Y - S W I T C H N I V E L 7 - E S P E C I F I C A Ç Ã O T É C N I C A A P P L I A N C E A P P L I C AT I O N D E L I V E R Y - S W I T C H N I V E L 7 - FEVEREIRO / 2013 INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO Este documento apresenta os requisitos

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

HP Network Core Implementation

HP Network Core Implementation HP Network Core Implementation Dados técnicos O serviço HP Network Core Implementation tem como objetivo, através de uma análise técnica no ambiente de rede local, realizar a implementação de uma proposta

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

DESCRITIVO DE SERVIÇO COLOCATION TELEFÔNICA (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS)

DESCRITIVO DE SERVIÇO COLOCATION TELEFÔNICA (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) DESCRITIVO DE SERVIÇO COLOCATION TELEFÔNICA (ANEXO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS) 1. Descritivo e Considerações Gerais O serviço Colocation Telefônica permite à CONTRATANTE a colocação de

Leia mais

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10 Treinamentos pfsense Página 1 de 10 Definições, Acrônimos e Abreviações Abreviação / Sigla WAN LAN UTM pfsense BGP Descrição Wide Area Network - Rede de longa distância (interface de rede para links de

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

A partir do XMon é possível:

A partir do XMon é possível: Monitoramento XMon É uma ferramenta para gerenciar o seu ambiente de TI de forma centralizada e constante, obtendo informações precisas da performance de todos os seus ativos e previna possíveis problemas

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Sobre a OpServices Fabricante de software focada no gerenciamento de ambientes de TI e Telecom e processos de negócios. Mais de 12 anos de experiência no monitoramento de indicadores de infraestrutura;

Leia mais

ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP. O edital especifica em seu item 11.1.13.3, transcrito abaixo:

ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP. O edital especifica em seu item 11.1.13.3, transcrito abaixo: ESCLARECIMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 023/2015-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, em razão de solicitação da empresa TELEMAR NORTE LESTE S.A, torna público aos interessados,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com ENLACE X REDE A camada de enlace efetua de forma eficiente e com controle de erros o envio

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 Realização: FRAMINAS - http://www.gestaoconcurso.com.br - comunicacao@gestaoconcurso.com.br

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 Realização: FRAMINAS - http://www.gestaoconcurso.com.br - comunicacao@gestaoconcurso.com.br RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL 01/2014 A Cemig Telecomunicações S.A. - CEMIGTelecom, no uso de suas atribuições constitucionais, torna público as alterações abaixo especificadas relativas ao do Edital 01/2014

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Ementa Configuração de Serviços de Redes; Servidor Web; Servidor de Arquivos; Domínios; Servidor de Banco de Dados; SSH; SFTP;

Leia mais

Ponto Secullum 4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FUNCIONALIDADES FICHA TÉCNICA. Ficha Técnica

Ponto Secullum 4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FUNCIONALIDADES FICHA TÉCNICA. Ficha Técnica ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ponto Secullum 4 Sistema Operacional: compatível com Windows 98 ou superior Banco de Dados: Access, SQL Server ou Oracle; Computador Requerido: Processador com 500Mhz, Memória Ram

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ENVIO DE MENSAGENS SMS SHORT MESSAGE SERVICE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Responsável: Superintendência Central de Governança Eletrônica Objeto LOTE ITEM

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A Advanta tem uma parceria de representação e comercialização do sistema de gerenciamento de redes convergentes da AI METRIX.

APRESENTAÇÃO. A Advanta tem uma parceria de representação e comercialização do sistema de gerenciamento de redes convergentes da AI METRIX. APRESENTAÇÃO A Advanta tem uma parceria de representação e comercialização do sistema de gerenciamento de redes convergentes da AI METRIX. AI METRIX é o nome original da empresa que desenvolveu o software

Leia mais

Serviço de mensageria SMS

Serviço de mensageria SMS Termo de Referência Serviço de mensageria SMS Agosto/2014 1 1 OBJETO 1.1 Prestação de serviços de envio de até 1.680.000 (Um milhão seiscentos e oitenta mil) Mensagens de Texto SMS (Short Message Service)

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb.

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb. MEMORIAL DESCRITIVO Objeto 1.1 O objeto do presente Termo de Referência (TR) é a contratação de empresa, ou consórcio de empresas, para o provimento de serviço de acesso à rede Internet no município SANTO

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 3.0 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC Especificações de Referência Central Telefônica Código do Objeto TOIP00008 Descrição do Objeto Central Telefônica Data da Especificação de Referência Outubro de 2013 Validade da Especificação de Referência

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 IPv6 em rede de Campus Case UFSC &

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

CA Nimsoft para monitoramento de redes

CA Nimsoft para monitoramento de redes DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA CA Nimsoft para monitoramento de redes agility made possible sumário resumo executivo 3 Visão geral da solução 3 CA Nimsoft Monitor sondas especializadas 3 Sonda de conectividade de

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015 TE090 - Prof. Pedroso 17 de junho de 2015 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Suponha que um roteador foi configurado para descobrir rotas utilizando o protocolo RIP (Routing Information Protocol),

Leia mais