Palavras-chaves: Norte de Minas, especialização agropecuária, arranjos produtivos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chaves: Norte de Minas, especialização agropecuária, arranjos produtivos."

Transcrição

1 Especializações em atividades agropecuárias nos municípios da macrorregião Norte de Minas MG, a partir do Índice de Concentração normalizado (ICn) 1 Luciene Rodrigues - UNIMONTES Maria Elizete Gonçalves - CEDEPLAR Sara Antunes Gonçalves de Souza - UNIMONTES Gilmara Emília Teixeira - UNIMONTES Palavras-chaves: Norte de Minas, especialização agropecuária, arranjos produtivos. Resumo: A Região Norte de Minas é composta por 89 municípios e aproximadamente 1,5 milhões de habitantes. A maior parte desses municípios é de pequeno porte, com população inferior a 20 mil habitantes e tem no setor primário a principal fonte de geração de emprego e renda. Nos últimos anos investimentos públicos foram realizados no intuito de fomentar a base produtiva local, com destaque para os perímetros irrigados, como Projeto Jaíba, Gorutuba, Lagoa Grande e Pirapora que produzem uma variedade de frutas e outros produtos agrícolas. Verificar em que atividades a região é especializada constitui um ponto importante para maximizar o alcance das políticas de desenvolvimento regional. Assim, o objetivo do trabalho é identificar as atividades em que esses municípios são especializados, tendo-se como referência a economia do estado de Minas Gerais, a partir de informações sobre o valor da produção (agricultura) e quantidade efetiva (pecuária) para o ano de 2002, para o setor primário. O Índice de Concentração normalizado (ICn) é calculado a partir do Quociente Locacional (QLn), do Índice de Hirschman-Herfindhl (IHHn) e do Índice de Participação Relativa (IPRn). Uma vez identificadas as especializações, a partir do cálculo do ICn, são discutidas algumas implicações para o desenho de políticas voltadas para o desenvolvimento da agropecuária na Região. Os resultados são apresentados em tabelas e geo-referenciados de modo a localizar as atividades no território. 01- Introdução A produção primária é, historicamente, um ramo importante da economia brasileira, e no processo de desenvolvimento desempenhou várias das funções elencadas por JOHNSTON E MELLOR (1960) 2. Entre elas, a geração e permanente ampliação de excedente de alimentos e matérias-primas constituiu condição mínima para o desenvolvimento interno. Adicionalmente, a ampliação da disponibilidade de divisas é outra importante contribuição da agricultura, seja por meio de exportação direta de alimentos e matérias-primas in natura, beneficiados, ou indiretamente, via indústria de transformação. Esgotado o modelo de crescimento via substituição de importações, em meados dos anos 60, o crescimento da economia brasileira tem ocorrido com base no crescimento das exportações primárias, porém 1 Os resultados apresentados são partes da Pesquisa Um estudo das possibilidades de operação em Cluster a partir das especificidades setoriais dos municípios do Norte de Minas financiada pela FAPEMIG. 2 JOHNSTON E MELLOR (1961) atribuíram à agricultura as seguintes funções: (a) geração e permanente ampliação de um excedente de alimentos e matérias primas; (b) ampliação da disponibilidade de divisas; (c) transferência da mão-de-obra para outros os setores; (d) fornecimento de recursos para outros setores; e, (e) expansão do mercado interno.

2 diferente do modelo que vigorou até os anos 30, com uma diversificação de produtos e agregação de valor. A Região Norte de Minas, composta por 89 municípios e aproximadamente 1,5 milhões de habitantes, tem no setor primário a principal fonte de geração de emprego e renda. Nos últimos anos diversos investimentos públicos de grande porte foram realizados no intuito de fomentar a base produtiva local, com destaque para os perímetros irrigados, como Projeto Jaíba, Gorutuba, Lagoa Grande e Pirapora que produzem uma variedade de frutas e outros produtos agrícolas. Entretanto, apesar da capacidade produtiva de tais projetos, estes não têm sido capazes de dinamizar a economia local/regional. Diante da existência de atividades econômicas potenciais, porém ainda não indutoras do desenvolvimento regional, é que alguns analistas do Desenvolvimento Regional têm apontado para a importância do desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais (APLs) como estratégia de Desenvolvimento Econômico (e agrícola). Nesse sentido, o Brasil tem conduzido suas políticas buscando identificar e estimular o fortalecimento de aglomerações produtivas na forma de cluster, pólos tecnológicos, arranjos produtivos locais, entre outros. CASSIOLATO E LASTRES (2003) definem Arranjos Produtivos Locais como aglomerações territoriais de agentes econômicos, políticos e sociais - com foco em um conjunto específico de atividades econômicas - que apresentam vínculos mesmo que incipientes. Geralmente envolvem a participação e a interação de empresas, que podem ser desde produtoras de bens e serviços finais até fornecedoras de insumos e equipamentos, prestadoras de consultoria e serviços, comercializadoras, clientes, entre outros; e suas variadas formas de representação e associação. Incluem também diversas outras organizações públicas e privadas voltadas para formação e capacitação de recursos humanos, como escolas técnicas e universidades; pesquisa, desenvolvimento e engenharia; política, promoção e financiamento. A visão de APLs, além de incorporar espaço e território, adiciona às relações econômicas e técnicas, as relações políticas e sociais as quais conferem legitimidade e viabilidade da ação pública. Além disso, a abordagem dos APLs, ao necessitar para sua efetiva implementação de políticas, da participação local de todos os atores interessados, empresários, trabalhadores, políticos, garante a busca de soluções que sejam mais viáveis. Vários estudos mostraram que o agrupamento de empresas numa determinada base geográfica auxilia pequenas empresas (e produtores) a superar as limitações de crescimento, permitindo-lhes competir no mercado externo 3. A obtenção do crescimento setorial/regional estaria vinculada a uma importante estratégia: a articulação do Estado com as diversas entidades representativas da sociedade, mobilizando energias/sinergias e recursos. Considerando o sucesso de agrupamento setorial/geográfico em várias partes do mundo, inclusive no Brasil, a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) identificou, no ano de 1999, setores/regiões no Estado com capacidade de promover o desenvolvimento regional, a partir da implementação de medidas específicas pela iniciativa pública e privada. Entre os 26 setores, para a Região Norte de Minas foram identificados fruticultura, biotecnologia, produção de cachaça, têxtil e vestuário. Entre os setores selecionados, do total de 26, cinco foram considerados como pilotos, devido à suas potencialidades para aumentar o PIB e a geração de empregos: avicultura e suinocultura (Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba), bovinocultura (Triângulo Mineiro), fruticultura (Norte de Minas), biotecnologia e tecnologia da informação (Região Metropolitana de Belo Horizonte-RMBH, com uma extensão em Montes Claros, onde estão situadas duas empresas de peso neste setor). 3 Alguns resultados destes estudos podem ser acompanhados em GONÇALVES (2001).

3 No Norte de Minas, a FIEMG destacou a fruticultura como atividade potencial para capitanear o desenvolvimento regional. Esta atividade é praticada mais intensamente nos municípios de Janaúba, Nova Porteirinha, Pirapora e Jaíba/Matias Cardoso, devido à presença dos projetos públicos irrigados Gorutuba, Lagoa Grande, Pirapora e Jaíba, respectivamente. Medidas específicas vêm sendo adotadas por alguns atores públicos e privados, objetivando a promoção do setor por meio da integração dos diversos elos da cadeia produtiva. No entanto, certamente a região conta com outros setores e/ou atividades que podem ter um melhor desempenho econômico e produtivo a partir da sua operacionalização sob os pressupostos do modelo de APLs. Neste sentido, torna-se importante a realização de um mapeamento da região norte-mineira, visando identificar as atividades, dentro do setor primário, que podem vir a ter melhor desempenho a partir do agrupamento. A pesquisa foi direcionada para responder às seguintes questões: Em quais atividades do setor primário os municípios do Norte de Minas possuem concentração/especialização produtiva tendo-se como referência o estado de Minas Gerais? Que tipo de políticas econômicas podem ser desenhadas de modo a estimular arranjos produtivos que se beneficiem da concentração de produtores agrícolas e pecuaristas, proximidade geográfica e da ação conjunta? O objetivo deste trabalho é identificar, no setor primário, aquelas atividades em que os municípios do Norte de Minas são especializados tendo-se como economia de referência o estado de Minas Gerais. Os dados utilizados são referentes ao valor da produção (agricultura) e quantidade efetiva (pecuária) para o ano de 2002, extraídos da PAM (Produção Agrícola Municipal) e da PPM (Produção pecuária Municipal). O texto encontra-se organizado em quatro seções: esta introdução, a revisão da literatura, a apresentação da metodologia e a análise dos resultados; encerrando-se com as considerações finais. 2- Revisão de Literatura 2.1 Especificidades da produção na agricultura e desenvolvimento agrícola no Brasil A produção na agricultura tem especificidades em relação à produção na indústria. A importância da base natural - a terra -, a perecibilidade dos produtos, o ciclo biológico que requer maior tempo de rotação do capital e a dificuldade de compatibilizar o fluxo de gastos com o fluxo de receitas devem ser consideradas no desenho de políticas para o setor. No Brasil, até o início da década de 50, a necessidade de capital-dinheiro na agricultura era pequena devido à desmonetização parcial da produção. Isso se dava em virtude de relações atrasadas de produção, do baixo nível técnico ou ainda devido à produção de muitos insumos no interior da própria unidade produtiva. O desenvolvimento do capitalismo no campo reduziu as condições que minimizavam a necessidade do capital-dinheiro na produção agrícola. O produtor passou a necessitar, cada vez mais, de insumos e ferramentas da indústria e de outras instituições de suporte no processo produtivo. Em 1965, com a criação do Sistema Nacional de Crédito Rural, estabeleceram-se as bases para assegurar que parte dos recursos captados pelos bancos fosse dirigida para a agricultura. Essa foi uma forma de permitir a utilização dos insumos modernos e de articulação da camada dos proprietários rurais com a indústria e a agroindústria. O instrumento que viabilizou essa integração foi o crédito subsidiado. Assim, a agricultura não

4 operava com o mercado financeiro em geral, mas com o mercado financeiro agrícola, que era regido por condições mais favorecidas (KAGEYAMA, 1991). A partir de 1979, diante dos desequilíbrios macroeconômicos internos, ao buscar diminuir o déficit público, o Estado reduziu as possibilidades de financiamento da agricultura pelo Tesouro Nacional. As altas taxas de inflação e de juros nos anos 80 levaram a mudanças na captação dos depósitos em prejuízo para os depósitos a vista. Como o crédito rural concedido pelos bancos comerciais estava vinculado ao volume desses depósitos, resultou numa redução dos recursos disponíveis para investimento, custeio e comercialização agrícola. O crédito subsidiado foi o instrumento que possibilitou a utilização de insumos e procedimentos técnicos considerados modernos: O Estado buscou implantar um padrão técnico-econômico por cima das condições de mercado e transformá-lo no padrão dominante, modificando assim as próprias condições de concorrência e funcionamento dos mercados. (KAGEYAMA, 1990, p.162). Depois de 1979, houve, de um lado, redução no volume de recursos e, de outro lado, mudança nas condições de operação do crédito agrícola diferenciado. A agricultura perdeu o tratamento diferenciado em suas relações com o setor financeiro. Houve, em termos de política econômica para a agricultura, nos anos 80, um deslocamento da ênfase do crédito rural para a política de preços mínimos. A agricultura brasileira proporcionou divisas e contribuiu com o processo de industrialização na medida em que liberou mão-de-obra, consumiu máquinas e insumos da indústria química e produziu alimentos a preços baixos para a população urbana, de forma a baixar o custo da força de trabalho no setor industrial e a prosseguir a acumulação de capital. Para CASTRO (1968:145) (...) a agricultura, grosso modo, atendeu aos requisitos da industrialização. Para o autor, a industrialização brasileira não requereu certas funções daquelas definidas, ao nível teórico, por Mellor, adaptando-se às características imperantes na agricultura. A partir de 1960, estreitam as relações entre agricultura e indústria com o desenvolvimento dos complexos agroindustriais, em que a agricultura passou a se reestruturar a partir de sua inclusão no circuito da produção industrial. Isso ocorreu dos dois lados: (a) como consumidora de máquinas e insumos químicos; e (b) como produtora de matéria-prima para transformação industrial. Com isso, o crescimento da produção agrícola - para exportação ou para o mercado interno - da pequena e da grande propriedade passou a depender da existência da indústria. Grande parte dos latifundiários se transformou em modernas empresas capitalistas; e parcela significativa da pequena produção se integrou. Nesse processo, uma pequena parcela dos pequenos produtores se capitalizou e a maior parte continuou marginalizada, em acordo com a teoria de KAUTSKY (1980). O Estado desempenhou papel decisivo, com políticas deliberadas que induziram tal processo. Isto ocorreu ora estimulando a expansão das indústrias por meio de incentivos, ora assegurando mercado, via financiamento agrícola. Segundo HOMEM DE MELO (1991), três alterações ocorreram na produção e no comércio internacional a partir dos anos 60. A primeira delas, iniciada antes mesmo dos anos 60, foi relacionada com a mudança da demanda internacional de produtos tradicionais para o complexo de carnes: a demanda de importação dos países mais desenvolvidos deslocou-se dos chamados produtos tradicionais (como café, borracha, cacau, algodão, fumo, entre outros) para, predominantemente, produtos sintéticos e aqueles do complexo carnes, incluindo produtos de consumo final, como as carnes bovina, suína e de frangos, e os

5 de consumo intermediário (rações) como milho, soja e farelos (HOMEM DE MELO, p.1). A segunda mudança se referiu ao aumento generalizado da geração e difusão de inovações tecnológicas, a partir da Revolução Verde : (...) os últimos vinte anos apresentaram uma maior geração e disseminação de inovações tecnológicas entre vários países produtores, principalmente de produtos alimentares (HOMEM DE MELO, p.1). A conseqüência dos aumentos de produtividade, em decorrência das inovações tecnológicas, foi, segundo o autor, o surgimento de novos países exportadores no mercado internacional, assim como reduções de importações em países que se caracterizavam como importadores de alimentos. Por isso, tornou-se difícil, ao país, manter-se no comércio internacional, por via da exportação de certos produtos âncoras, abrindo espaço para a diversificação. Para SANTOS (1996) a modernização agrícola, a partir dos anos 60, se deu com políticas baseadas em: (a) promoção da produção; (b) aumento da produtividade; (c) aperfeiçoamento do mercado de trabalho rural e de capital; (d) instrumentos de aumento da produtividade (crédito, assistência técnica e pesquisa); e, (e) reforma agrária limitada e restrita, com fins produtivos. Na opinião do autor, o traço principal foi que a ação do Governo procurou moldar o processo de modernização à estrutura agrária vigente; a mesma ocorreu num momento de reorientação das políticas de substituição de importações para políticas de estímulo ao mercado externo. Desde então, a dinâmica da agricultura passou a ser apreendida a partir da dinâmica conjunta da indústria para a agricultura e da agricultura para a agroindústria. Dessa maneira, o ramo primário passou a ser dominado, de forma progressiva, pelo capital industrial e financeiro. 2.2 Arranjos Produtivos e seu potencial de induzir o desenvolvimento Alguns analistas do Desenvolvimento Regional têm apontado para estratégias de desenvolvimento regional baseadas em arranjos produtivos. Dentre esses novos modelos de crescimento, os arranjos produtivos locais têm sido estimulados no momento da formulação e execução das políticas espaciais. Na seqüência, serão tratados alguns aspectos do conceito de sistemas produtivos locais (ou arranjos produtivos); além de outros conceitos associados. Para LASTRES & CASSIOLATO (2003), Sistemas produtivos e inovativos locais são aqueles arranjos produtivos em que interdependência, articulação e vínculos consistentes resultam em interação, cooperação e aprendizagem, com potencial de gerar o incremento da capacidade inovativa endógena, da competitividade e do desenvolvimento local. A formação de arranjos e sistemas produtivos locais encontra-se geralmente associada a trajetórias históricas de construção de identidades e de formação de vínculos territoriais regionais e locais, a partir de uma base social, cultural, política e econômica comum. São mais propícios a desenvolverem-se em ambientes favoráveis à interação, cooperação e confiança entre os atores. A Cadeia produtiva refere-se a um conjunto de etapas consecutivas pelas quais passam e vão sendo transformados e transferidos os diversos insumos em ciclos de produção, distribuição e comercialização de bens e serviços. Implica em divisão de trabalho, na qual cada agente ou conjunto de agentes realiza etapas distintas do processo produtivo. Não se restringe, necessariamente, a uma mesma região ou localidade. O Distrito industrial refere-se a aglomerações de empresas, com elevado grau de especialização e interdependência, seja de caráter horizontal (entre empresas de um mesmo

6 segmento) ou vertical (entre empresas que desenvolvem atividades complementares em diferentes estágios da cadeia produtiva). No Brasil, freqüentemente utiliza-se a noção de distrito industrial para designar determinadas localidades ou regiões definidas para a instalação de empresas, muitas vezes contando com a concessão de incentivos governamentais. Pólos, parques científicos e tecnológicos, referem-se a aglomerações de empresas de base tecnológica articuladas a universidades e centros de pesquisa e desenvolvimento. Rede de empresas engloba formatos organizacionais definidos a partir de um conjunto de articulações entre empresas, que podem estar presentes em quaisquer dos aglomerados produtivos mencionados. Envolve a realização de transações e/ou o intercâmbio de informações e conhecimentos entre os agentes, não implicando necessariamente na proximidade espacial de seus integrantes. A participação de empresas (sobretudo as micro, pequenas e médias) em aglomerados produtivos, efetivada na forma de vínculos entre os diversos atores localizados num mesmo ambiente como os acima mencionado (distritos industriais, pólos tecnológicos, redes de empresas, etc) tem propiciado, segundo uma vasta literatura, a superação das barreiras ao crescimento. Importante introduzir nesta discussão o conceito de eficiência coletiva, definida por Schmitz (1997) como a vantagem competitiva derivada das economias externas locais e da ação conjunta. Enquanto autores como Porter (1998) enfatizam a competição entre as empresas como elemento estimulador da competitividade, Schmitz destaca a cooperação, os ganhos da interação conjunta. Assim, entre os principais benefícios relacionados a estes tipos de arranjos é possível mencionar o desenvolvimento de economias externas às firmas, já tratadas por Marshall no início do século XX. Portanto, estes ambientes favorecem a concentração de técnicos especializados, a redução dos custos de transportes, a negociação coletiva de insumos, a troca de infomações técnicas e mercadológicas, entre outros aspectos. Embora a ênfase na literatura seja dada à indústria, outros estudos (entre eles Gonçalves, 2001) têm apontado que a abordagem dos APLs, sob a ótica da interação entre os diversos atores envolvidos no processo produtivo, pode ser igualmente utilizada e com relativo sucesso no setor primário da economia (agricultura). A restrição refere-se à dificuldade de cooperação entre os atores locais, que reduz o fluxo de informações e os spillovers de conhecimento, limitando os ganhos da aglomeração. A despeito das restrições, o fato é que existem ganhos provenientes da aglomeração, mais especificamente, dos APLs. Neste sentido, torna-se importante e necessária a identificação de atividades potenciais que podem ser operacionalizadas sob os pressupostos dos APLs. O Norte de Minas, como será visto na 4ª seção, tem o setor agrícola como predominante na maioria dos seus municípios. Daí, a proposta deste estudo: identificar as atividades do setor primário em que os municípios da região são especializados, como meio de maximizar as políticas de desenvolvimento regional. Importante mencionar que o estudo só contempla a identificação das atividades potenciais (via ICn), não abrangendo, portanto, a questão da eficiência coletiva. 03- Procedimentos Metodológicos A existência de aglomerados agrícolas relevantes pode implicar em importante fator de desenvolvimento. As economias da aglomeração geram, em tese, externalidades positivas que podem resultar no aumento de oportunidades de emprego e renda dentro do próprio setor e nas atividades a eles correlatas. Assim, este estudo se propõe a identificar possíveis

7 economias de aglomeração ou, em última instância, municípios com especialização produtiva, relacionada à agropecuária, no Norte de Minas. 3.1 Base de dados e indicadores selecionados Os 89 municípios da região Norte de Minas Gerais constituem a unidade espacial deste estudo. A dimensão territorial constitui recorte específico de análise e de ação política, definindo o espaço como o locus no qual processos produtivos, inovativos e cooperativos têm lugar, como nos municípios ou conjunto de municípios. A proximidade ou concentração geográfica, levando ao compartilhamento de visões e valores econômicos, sociais e culturais, constitui fonte de dinamismo local, bem como de diversidade e de vantagens competitivas em relação a outras regiões. Seja para efeitos de formulação de políticas de descentralização industrial ou de conhecimento dos padrões regionais do crescimento econômico, pode-se utilizar um conjunto de medidas de localização e de especialização como métodos de análise regional. O ponto inicial para a utilização destas medidas é a construção de uma matriz de informações, que relaciona a distribuição setorial-espacial de uma variável base (HADDAD, 1989). O presente estudo faz uso do índice denominado Quociente Locacional (QL), com o objetivo de determinar os municípios que apresentam forte especialização produtiva. Este índice é utilizado para comparar a estrutura produtiva dos municípios do Norte de Minas com a estrutura produtiva do Estado, evidenciando, portanto, aquele setor mais representativo para o município em termos de valor da produção. Indicador 1: Quociente de Localização (QL) O Quociente de Localização (QL) permite identificar, para cada atividade específica, quais os municípios que apresentam uma participação relativa superior à verificada na média do estado. Se o valor do QL for superior a 1, o município é, em termos relativos, especializado no setor. O QL foi calculado tendo-se como economia de referência o Estado de Minas Gerais. Eij Ej QL ij = quociente locacional do setor i do município j; EiMG EMG Sendo: E ij o emprego no setor i no município j; Ei. o emprego no setor i do estado de Minas Gerais; E. j o emprego em todos os setores do município j; E.. o emprego em todos os setores do estado de Minas Gerais. Indicador 2: Índice de Hirschman-Herfindhl Para regiões pequenas, com emprego industrial diminuto e estrutura produtiva pouco diversificada, o QL tenderia a sobrevalorizar o peso de um determinado setor para a região. De forma simétrica, o QL também tenderia a subvalorizar a importância de determinados setores em regiões com uma estrutura produtiva bem diversificada, mesmo que esse setor possuísse peso significativo no contexto estadual. Para eliminar esse problema foi elaborado um segundo indicador, que procura captar o real significado do peso do setor na estrutura produtiva local. HHm = [E ij /Ei ] 2 - [E j /E MG ] 2 Indicador 3: Índice de Participação Relativa

8 Um terceiro indicador é utilizado para captar a importância do setor do município na economia estadual, ou seja, a participação relativa do setor no emprego total do setor no estado. PR = E ij / E MG Esses três indicadores fornecem os parâmetros necessários para a elaboração de um único indicador de concentração de um setor/atividade dentro de uma região o Índice de Concentração. Indicador de Especialização (Concentração) Produtiva: IC = QL + HHm + PR 3 Após determinar os três indicadores, procedeu-se à normalização de cada um deles calculando-se o QLn, HHmn e PRn considerando-se a média e desvio padrão de cada atividade, descrita como n = (x - x )/ δ em que n é o indicador normalizado; x é o valor do indicador da atividade i para o município j; x é o valor da média da atividade i para todos os municípios; e δ é o desvio padrão da atividade i para todos os municípios. O procedimento de normalizar as variáveis tem o propósito de garantir que todas elas possuam o mesmo peso para a constituição dos grupos. Depois de conhecidas as médias e desvios-padrão das variáveis e efetuada a sua transformação em novas variáveis, com média nula e desvio padrão unitário, calculou-se o Índice de Concentração a partir da média aritmética desses três indicadores (vide fórmula acima). 4- RESULTADOS 4.1 Caracterização geral da Região A Região Norte de Minas é composta por 89 municípios e conta com uma população total de aproximadamente 1,5 milhões de habitantes. Aproximadamente 76% desses municípios são de pequeno porte, com população inferior a 20 mil habitantes. Cerca de 18% dos municípios têm um contingente populacional entre 20 e 50 mil habitantes. Apenas 4,5% dos municípios são de porte médio, com população entre 50 a 100 mil habitantes (Janaúba, Januária, Pirapora e São Francisco). Somente o município de Montes Claros, cuja população é de 304,7 mil habitantes, pode ser considerado de grande porte. A densidade demográfica é bastante baixa em todos os municípios exceto neste último, como mostra a TAB 1. O MAP. 1 mostra o setor predominante em cada município da região, em termos de participação setorial segundo o valor do Produto interno. Nota-se que a maioria está assinalada com a cor amarela, referindo-se aos municípios em que o setor agrícola tem o maior peso no produto total do município. A formação econômica da Região é baseada predominantemente na atividade pecuária aliada à economia de subsistência. Nas últimas décadas, por intermédio da intervenção do Estado, houve uma diversificação da estrutura produtiva local. O Estado estimulou quatro eixos básicos de desenvolvimento: (a) reflorestamento de eucaliptos e pinhos em diversos municípios da região; (b) implantação de grandes projetos agropecuários; (c) instalação de indústrias; e, (d) implantação de perímetros de agricultura irrigada. Tanto projetos os industriais quanto os projetos de irrigação estão concentrados em poucos municípios.

9 01-Águas Vermelhas 24-Glaucilândia 47-Matias Cardoso 70-Rubelita 02-Berizal 25-Grão Mogol 48-Mato Verde 71-Salinas 03-Bocaiúva 26-Guaraciama 49-Mirabela 72-Santa Cruz de Salinas 04-Bonito de Minas 27-Ibiaí 50-Miravânia 73-Santa Fé de Minas 05-Botumirim 28-Ibiracatu 51-Montalvânia 74-Santo Ant. do Retiro 06-Brasília de Minas 29-Icaraí de Minas 52-Monte Azul 75-São Francisco 07-Buritizeiro 30-Indaiabira 53-Montes Claros 76-São João da Lagoa 08-Campo Azul 31-tacambira 54-Montezuma 77-São João da Ponte 09-Capitão Enéas 32-Itacarambi 55-Ninheira 78-São João das Missões 10-Catuti 33-Jaíba 56-Nova Porteirinha 79-São João do Pacuí 11-Chapada Gaúcha 34-Janaúba 57-Novorizonte 80-São João do Paraíso 12-Claro dos Poções 35-Januária 58-Olhos D'agua 81-São Romão 13-Cônego Marinho 36-Japonvar 59-Padre Carvalho 82-Serranópolis de Minas 14-Coração de Jesus 37-Jequitaí 60-Pai Pedro 83-Taiobeiras 15-Cristália 38-Josenópolis 61-Patis 84-Ubaí 16-Curral de Dentro 39-Juramento 62-Pedras de M. da Cruz 85-Urucuia 17-Divisa Alegre 40-Juvenília 63-Pintópolis 86-Vargem G. do Rio Pardo 18-Engenheiro Navarro 41-Lagoa dos Patos 64-Pirapora 87-Várzea da Palma 19-Espinosa 42-Lassance 65-Ponte Chique 88-Varzelândia 20-Francisco Dumont 43-Lontra 66-Porteirinha 89-Verdelândia 21-Francisco Sá 44-Luislândia 67-Riachinho 22-Fruta do Leite 45-Mamonas 68-Riacho dos Machados 23-Gameleiras 46-Manga 69-Rio Pardo de Minas Mapa 1: Importância do PIB setorial segundo municípios do Norte de Minas Fonte: Elaboração Própria a partir de dados do PIB da FJP.

10 Tabela 1: Número de municípios da Região Norte de Minas segundo classe de tamanho populacional e densidade demográfica, Classe Número de Municípios Densidade Demográfica (hab./km 2 ) Número Absoluto Proporção Relativa (%) < ,0 5, ,4 11, ,0 12, ,5 17, > ,1 85,74 TOTAL REGIÃO ,0 12,40 Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do Censo demográfico, IBGE O crescimento econômico do Norte de Minas foi possível com a presença ativa do Estado. De 1985 até 1995, o PIB da região cresceu a taxas superiores à da economia brasileira a ao estado de Minas Gerais. Nesse período, a taxa média anual de crescimento do PIB brasileiro foi de 2,28%; de Minas Gerais 2,45% e do Norte de Minas 3,70% (RODRIGUES, 2000). Nas últimas duas décadas, a região passou por mudanças estruturais em sua composição setorial, com perda relativa de participação do setor agropecuário de 22% em 1985 para 12% em 2000, e incremento do setor industrial, de 33% para 45%, no mesmo período como ilustram os GRAF. 1 e 2. Serviços 45% Agropecuária 22% Serviços 43% Agropecuária 12% Indústria 33% Indústria 45% Gráfico 1: Distribuição Setorial do PIB no Norte Gráfico 2: Distribuição Setorial do PIB no Norte Minas em 1985 Minas em 2000 Fonte: elaboração própria com base nos dados da FJP, 1985 e Na região observa-se, de um lado, o desenvolvimento de novas atividades produtivas, com tecnologia moderna, e capital intensiva e, de outro lado, a permanência de estruturas tradicionais. Na subestrutura primária, destacam-se quatro projetos públicos de irrigação nos municípios de Pirapora, Janaúba (Gorutuba), Jaiba/Matias Cardosos (Jaíba) e Nova Porteirinha (Lagoa Grande). 4.2 Especializações Produtivas Tendo-se como economia de referência o Estado de Minas Gerais e utilizando a variável valor da produção (agricultura) e quantidade efetiva (pecuária) nota-se que existem

11 diversas especializações na subestrutura primária dos municípios do Norte de Minas, conforme TAB. 3. Tabela 3: Atividades do SETOR PRIMÁRIO em que os municípios do Norte de Minas são especializados Cultura Município ICn Cultura Município ICn 1. Olericultura Fava Espinosa 1,5 Alho Francisco Sá 8,91 Lagoa dos Patos 1,8 Juramento 1,59 Mamonas 2,0 Batata doce Jequitaí 9,31 Riacho dos Machados 5,7 Batata inglesa Taiobeiras 6,44 Varzelândia 1,7 Cebola Jaíba 23,05 Feijão Gameleiras 1,1 Manga 2,01 Itacarambi 3,7 Matias Cardoso 10,90 Januária 4,9 Tomate Buritizeiro 5,70 Jequitaí 5,2 Coração de Jesus 1,39 Manga 2,0 Itacarambi 3,91 Pedras de Maria da cruz 1,8 Montes Claros 3,56 Riacho dos Machados 1,8 Salinas 3,20 Fumo Lassance 8,5 Taiobeiras 1,37 Porteirinha 7,2 2. Fruticultura Santa Cruz de Salinas 1,5 Abacate Fruta de Leite 3,85 São João do Pacuí 1,8 Novorizonte 2,44 Mamona Bonito de Minas 1,9 Rio Pardo de Minas 1,61 Cônego Marinho 1,4 Rubelita 2,46 Jaíba 1,7 Salinas 1,83 Mandioca Águas vermelhas 2,8 Santa Cruz de Salinas 1,97 Curral de Dentro 1,7 Abacaxi Bocaiúva 2,41 Januária 4,7 Divisa Alegre 2,02 Luislândia 1,1 Itacarambi 3,16 Patis 1,1 Josenópolis 1,98 Varzelândia 3,3 Pedras de M. da Cruz 1,92 Milho Mamonas 2,5 Banana Jaíba 3,63 Riachinho 1,7 Janaúba 6,77 Riacho dos Machados 1,4 Nova Porteirinha 2,82 Salinas 1,2 Verdelândia 2,18 Várzea da Palma 1,2 Coco Buritizeiro 1,76 Varzelândia 1,1 Francisco Sá 2,00 Sorgo Capitão Enéas 1,3 Gameleiras 1,10 Gameleiras 2,9 Jaíba 1,72 Guaraciama 2,4 Monte Azul 3,47 Mato Verde 2,9 Nova Porteirinha 4,01 Serranópolis de Minas 1,9 Pai Pedro 1,13 Urucum Jequitaí 5,2 Salinas 1,13 Soja Buritizeiro 3,70 São Francisco 4,54 Chapada Gaúcha 7,81 Goiaba Capitão Enéas 1,17 Januária 1,38 Montes Claros 2,03 Riachinho 1,35 Taiobeiras 8,76 4- Pecuária: Laranja Itacarambira 1,12 Pecuária Bovina Buritizeiro 4,34 Mirabela 1,17 Capitão Enéas 3,02 Novorizonte 2,93 Cônego Marinho 1,42 São Francisco 1,39 Coração de Jesus 1,81 Taiobeiras 1,57 Francisco Sá 6,11 Vargem G. Rio Pardo 1,97 Jaíba 2,02 Limão Jaíba 7,53 Janaúba 4,16

12 Continuação... Cultura Município ICn Cultura Município ICn Limão Nova Porteirinha 4,08 Pecuária Bovina Januária 2,19 Mamão Jaíba 8,93 Jequitaí 1,30 Montes Claros 1,68 Juvenília 1,06 Manga Buritizeiro 5,41 Lassance 1,50 Guaraciama 3,21 Matias Cardoso 2,16 São Romão 1,59 Montalvânia 1,43 Vargem G. Rio Pardo 4,14 Pedras de M.da Cruz 2,88 Maracujá Águas Vermelhas 3,60 Porteirinha 1,23 Curral de Dentro 2,34 Riachinho 3,40 Divisa Alegre 3,09 São Francisco 4,43 Jaíba 2,12 São João da Ponte 3,04 Taiobeiras 5,79 São Romão 1,80 Marmelo Itacarambira 1,47 Várzea da Palma 3,56 São João do Paraíso 9,13 Verdelândia 1,43 Melancia Indaiabira 3,75 Pecuária Suína Bocaiúva 1,54 Jaíba 5,90 Brasília de Minas 2,30 Taiobeiras 2,70 Buritizeiro 13,02 Vargem G. Rio Pardo 1,45 Campo Azul 1,71 Tangerina Ibiracatu 1,04 Gameleiras 1,50 Novorizonte 1,09 Ibiracatu 1,07 Pirapora 8,02 Japonvar 1,30 São Romão 1,04 Jequitaí 4,14 Uva Lassance 2,05 Juramento 1,16 Pirapora 8,66 Mamonas 1,85 3-Out.Culturas Nova Porteirinha 2,83 Algodão Catuti 3,38 Porteirinha 1,71 Espinosa 2,82 Salinas 2,55 Mato Verde 4,68 São Francisco 2,35 Monte Azul 4,99 São João da Ponte 1,65 Porteirinha 3,17 São João do Paraíso 1,12 Amendoim Cristália 1,2 Eqüinos Bonito de Minas 1,14 Gão Mogol 1,0 Buritizeiro 1,61 Fruta de Leite 1,1 Coração de Jesus 1,25 Padre Carvalho 2,1 Francisco Sá 2,31 Josenópolis 2,6 Januária 2,17 São João do Pacuí 1,8 Manga 1,89 Varzelândia 5,1 Miravânia 1,60 Arroz Buritizeiro 1,5 Ponto Chique 7,21 Chapada 1,2 São Francisco 3,03 Januária 5,7 Ubaí 21,39 Santa Fé de Minas 2,7 Avicultura Bocaiúva 1,64 Santo Ant. do Retiro 1,1 Coração de Jesus 1,35 Cana-de-açúcar Bocaiúva 6,97 Divisa Alegre 1,25 Coração de Jesus 1,90 Guaraciama 2,29 Engenheiro Navarro 1,49 Itacambira 2,45 Rio Pardo de Minas 1,10 Itacarambi 2,16 Café Buritizeiro 1,20 Itacarambi 2,16 Indaiabira 1,19 Montes Claros 17,80 Montezuma 1,43 Montezuma 1,70 Ninheira 1,98 Ninheira 1,03 Rio Pardo de Minas 1,88 Rio Pardo de Minas 1,99 Taiobeiras 1,41 Salinas 1,26 Urucuia 4,61 Vargem G. Rio Pardo 1,21 Fonte: Dados da Pesquisa, com base nas informações da PAM e PPM (IBGE) para o ano de 2002.

13 Na produção agrícola, há especializações nos produtos olerícolas como alho, batata doce, batata inglesa, cebola e tomate. Na área da fruticultura, há um pólo na região, com grande destaque para a produção de bananas. Além disso, existem especializações na produção de outras frutas como abacate, abacaxi, côco-da-baía, goiaba, laranja, limão, mamão, manga, maracujá, marmelo, melancia, tangerina e uva. A produção desses produtos foi estimulada via implantação de perímetros irrigados com financiamento público. São produtos de elasticidade renda mais elevada que os outros produtos tradicionalmente cultivados na região como os grãos alimentícios (arroz, feijão, milho). No item outras culturas, existem municípios da região especializados na produção de algodão, amendoim, arroz, cana-de-açúcar, café, fava, feijão, fumo, mamona, mandioca, milho, sorgo, soja e urucum. A cotinocultura foi, até anos recentes, uma das principais fontes de renda para os pequenos produtores de diversos municípios da região. Na segunda metade dos anos 80, a atividade reduziu substancialmente na região, impactando a renda e emprego nos municípios produtores. Todavia, mesmo com a redução da atividade, o estudo mostrou que em relação ao estado, a região permanece especializada na produção de algodão, destacando os municípios de Catuti, Espinosa, Mato Verde, Monte Azul e Porteirinha, com grande tradição no cultivo desse produto. Outros produtos tradicionalmente cultivados na região como cana-de-açúcar, mandioca, milho, arroz, feijão e mamona permanecem importantes na pauta de especialização de alguns municípios da região comparativamente ao estado. Mais recentemente, tem havido modificações estruturais no uso da terra, com a introdução de lavouras voltadas para a agroexportação como a produção de café e soja. A soja é uma lavoura temporária e os resultados da produção são logo captados no primeiro ano. O café é uma lavoura permanente, levando maior tempo para obter a primeira safra. Mesmo assim, os dados da produção agrícola já captaram a importância desse setor na região, que tende a se ampliar ainda mais, uma vez que a área plantada tem aumentado progressivamente em alguns municípios. No município de Buritizeiro, por exemplo, especializado na produção de Soja e Café, o preço de mercado da terra mais que triplicou nos últimos três anos, atraindo capital de outras regiões do país, especialmente dos estados de São Paulo e da região Sul do País. Quanto à criação de animais, mesmo com queda relativa da atividade no que se refere à pecuária bovina, 21 municípios da região são especializados na atividade de bovinocultura. Nessa área, o que se observa é uma conversão sistemática da pecuária de corte para a pecuária leiteira, embora haja predominância da primeira em termos absolutos. Essa modificação foi induzida pelo Estado via política creditícia, que estimulou o desenvolvimento da atividade leiteira na região. Existem ainda 16 municípios especializados na pecuária suína; 10 na criação de eqüinos e 13 na produção avícola. Essas aglomerações facilitam o desenvolvimento de pesquisas específicas, a troca de conhecimento técnico entre os produtores e o acesso a mercados. A TAB. 4 mostra os dados anteriores, organizados de modo distinto. A tabela anterior estava organizada por atividade e esta segundo os municípios. Assim, no desenho de políticas é possível selecionar o município e as atividades em que este é especializado. O primeiro recorte é útil para a formulação de políticas setoriais (por produto) e a presente tabela é útil para o desenho de políticas que privilegiem o recorte espacial.

14 Tabela 4: Municípios da Região Norte de Minas (MG) com ICn > 1 para a Agricultura e Pecuária, no ano de Municípios ICn > 1 Águas Vermelhas Mandioca (2,8); Maracujá (3,6) Berizal - Bocaiúva Abacaxi (2,4); Cana-de-açúcar (7,0); Suíno (1,5); Aves (1,7). Bonito de Minas Mamona (1,9); Eqüino (1,1) Botumirim - Brasília de Minas Suíno (2,3); Galinhas (1,5). Buritizeiro Arroz em casca (1,5); Soja em grão (3,7); Tomate (5,7); Café (1,2); Côco-da-baia (1,8); Manga (5,4); Bovino (4,3); Suíno (13,0); Eqüino (1,6). Campo Azul Suíno (1,7); Galinhas (1,5). Capitão Enéas Sorgo grão (1,3); Goiaba (1,2); Bovino (3,0) Catuti Algodão Herbáceo (3,4) Chapada Gaúcha Arroz em Casca (1,2); Soja (7,8); Claro dos Poções - Cônego Marinho Mamona (1,4); Bovino (1,4) Coração de Jesus Cana-de-açúcar (1,9); Tomate (1,4); Bovino (1,8); Eqüino (1,2); Aves (1,3). Cristália Amendoim (1,2); Galinhas (1,0) Curral de Dentro Mandioca (1,1); Maracujá (2,3); Urucum (7,7) Divisa Alegre Abacaxi (2,0); Maracujá (3,1); Aves (1,3). Engenheiro Navarro Cana-de-açúcar (1,5) Espinosa Algodão Herbáceo (2,9); Fava (1,5) Francisco Dumont - Francisco Sá Alho (9,0); Sorgo (2,9); Côco-da-baía (2,0); Bovino (6,1); Eqüino (2,3) Fruta de Leite Amendoim (1,1); Abacate ( 3,8) Gameleiras Feijão (1,1); Sorgo (1,0), Côco-da-baía (1,1); Suíno (1,5). Glaucilândia - Grão Mogol Amendoim (1,0) Guaraciama Sorgo (2,4); Manga (3,2); Aves (2,3). Ibiaí - Ibiracatu Tangerina (1,0); Suíno (1,1); Galinhas (1,5). Icaraí de Minas - Indaiabira Melancia (3,8); Café (1,2) Itacambira Fava (4,1); Laranja (1,1); Marmelo (1,5); Aves (2,5). Itacarambi Abacaxi (3,2); Feijão (3,7); Tomate (3,9); Aves (2,2). Jaíba Cebola (23,1); Mamona (1,7); Melancia (5,9); Sorgo (1,8); Banana (3,6); Côco-da-baía (1,7); Limão (7,5); Mamão (8,9); Maracujá (2,1); Bovino (2,2) Janaúba Banana (6,8); Bovino (4,2) Januária Arroz (5,7); Feijão (4,9); Mandioca (4,7); Soja (1,4); Bovino (2,2); Eqüino (2,2) Japonvar Suíno (1,3). Jequitaí Batata-doce (9,3); Urucum (5,2); Bovino (1,3); Suíno (4,1). Josenópolis Abacaxi (2,0); Amendoim (2,6) Juramento Alho (1,6); Suíno (1,2). Juvenília Bovino (1,1) Lagoa dos Patos Fava (1,8) Lassance Fumo (8,54); Uva (2,1); Bovino (1,5) Lontra - Luislândia Mandioca (1,1) Mamonas Fava (2,0); Milho (2,5); Suíno (1,9).

15 Municípios ICn > 1 Manga Cebola (2,0); Feijão (2,0); Eqüino (1,9) Matias Cardoso Cebola (10,9); Bovino (2,2) Mato Verde Algodão (4,7); Sorgo (2,9) Mirabela Laranja (1,2) Miravânia Eqüino (1,6) Montalvânia Bovino (1,4) Monte Azul Algodão (5,0); Côco-da-baía (3,5) Montes Claros Tomate (3,5); Goiaba (2,0); Mamão (1,2); Galinhas (23,6); Aves (17,8). Montezuma Café (1,4); Aves (1,7). Ninheira Café (2,0); Aves (1,0). Nova Porteirinha Banana (2,8) Côco-da-baía (4,0); Limão (4,1); Suíno (2,8). Novorizonte Abacate (2,4); Laranja (2,9); Tangerina (1,1) Olhos-d'Água - Padre Carvalho Amendoim (2,1) Pai Pedro Côco-da-baía (1,1) Patis Mandioca (1,1) Pedras de M. da Cruz Abacaxi (1,9); Feijão (1,8); Bovino (2,9) Pintópolis - Pirapora Tangerina (8,0); Uva (8,7) Ponto Chique Eqüino (7,2) Porteirinha Algodão (3,2); Fumo em folha (7,2); Soja (5,7); Bovino (1,2); Suíno (1,7). Riachinho Milho (1,7); Soja (1,4); Bovino (3,4) Riacho dos Machados Fava (5,7); Feijão (1,8); Milho (1,4) Rio Pardo de Minas Cana-de-açúcar (1,1); Abacate (1,6); Café (1,9); Galinhas (1,3); Aves (2,0). Rubelita Abacate (2,5) Salinas Milho (1,2); Tomate (3,2); Abacate (1,8); Côco-da-baía (1,1); Suíno (2,6); Aves (1,3). Santa Cruz de Salinas Fumo (1,5); Abacate (1,2) Santa Fé de Minas Arroz (2,7) Santo Antônio do Retiro Arroz (1,1) São Francisco Côco-da-baía (4,5); Laranja (1,4); Bovino (4,4); Suíno (2,4); Eqüino (3,0). São João da Lagoa - São João da Ponte Bovino (3,0); Suíno (1,7); Galinhas (1,2). São João das Missões - São João do Pacuí Amendoim (1,8); Fumo (1,8) São João do Paraíso Marmelo (9,1); Tangerina (1,0); Suíno (1,1). São Romão Manga (1,6); Tangerina (1,0); Bovino (1,8) Serranópolis de Minas Sorgo (1,9) Taiobeiras Batata-Inglesa (6,4), Melancia (2,7); Tomate (1,4); Café (1,4); Goiaba (8,8); Laranja (1,6) Maracujá (5,8) Ubaí Eqüino (21,4) Urucuia Café (4,6) Vargem G. Rio Pardo Melancia (1,5); Laranja (2,0); Manga (4,1); Aves (1,7). Várzea da Palma Milho (1,2); Bovino (3,6) Varzelândia Amendoim (5,1); Fava (1,7); Mandioca (3,3); Milho (1,1) Verdelândia Banana (2,2); Bovino (1,4) Fonte: Dados da Pesquisa, com base nas informações da PAM e PPM (IBGE) para o ano de 2002.

16 Na seqüência, serão apresentados os mapas 2, 3 e 4 que destacam os municípios norte mineiros especializados na fruticultura, bovinocultura, e na produção agroexportadora, respectivamente, em Mapa 2:Municípios do Norte de Minas especializados em Fruticultura O MAP. 2 permite visualizar os municípios da região com especialização na fruticultura. Na produção de ABACAXI destacam os municípios de Bocaiúva, Divisa Alegre, Itacarambi, Josenópolis, Pedras de Maria da Cruz. Na produção de MELANCIA sobressaem Indaiabira, Jaíba, Taiobeiras, Vargem Grande do Rio Pardo; Os municípios de Fruta de Leite, Novorizonte, Rio Pardo de Minas, Rubelita, Salinas e Santa Cruz de Salinas apresentam especialização na produção de ABACATE. Na de BANANA, o pólo é formado por Jaíba, Janaúba, Nova Porteirinha, Verdelândia. Buritizeiro, Francisco Sá, Gameleiras, Jaíba, Monte Azul, Nova Porteirinha, Pai Pedro, Salinas e São Francisco destacam na produção de CÔCO- DA-BAÍA; Na produção de GOIABA: Capitão Enéas, Montes Claros, Taiobeiras. Na de LARANJA: Itacambira, Mirabela, Novorizonte, São Francisco, Taiobeiras, Vargem Grande do Rio Pardo. Jaíba e Nova Porteirinha são especializados na produção de LIMÃO. Jaíba e Montes Claros, na de MAMÃO. Águas Vermelhas, Curral de Dentro, Divisa Alegre, Jaíba, Taiobeiras, na produção de MARACUJÁ. Itacambira, São João do Paraíso, em MARMELO. Ibiracatu, Novorizonte, Pirapora e São Romão se destacam no cultivo de TANGERINA. Por último, na produção de UVA, sobressaem os municípios de Lassance e Pirapora.

17 O MAP. 3 visualiza os municípios com especialização na bovinocultura, atividade tradicional na região e que nas últimas décadas vem perdendo importância relativa na economia da Região. O MAP. 4 mostra os municípios que estão vivenciando transformações estruturais, com relação crescente com o mercado agroexportador. Seja na produção de fruticultura ou de grãos, as políticas agrícolas têm contribuído para uma conversão produtiva local. Mapa 3:Municípios do Norte de Minas especializados na Bovinocultura

18 Mapa 4: Municípios do Norte de Minas especializados na Produção de CAFÉ e/ou SOJA Conclusão O trabalho mostrou a existência de aglomerações do setor agropecuário no Norte de Minas, tendo-se como referência o estado de Minas Gerais. Tais aglomerações são decorrentes de ação deliberada de políticas públicas e espontâneas, conforme tradições e aptidões locais. Todavia, existe uma lacuna a ser preenchida para que estas especializações possam evoluir em direção a arranjos produtivos locais. Não era objetivo desta pesquisa verificar a existência ou não de sinergias entre os produtores da Região, mas há fortes indícios de que é necessário incorporar no território atividades produtivas com linkages para frente e para trás. Desse modo, as ligações inter-firmas (verticais e horizontais) se tornariam mais intensas e surgiria o desenvolvimento de um sistema de firmas e instituições mais completo. Os produtores, individuais e coletivamente, avançariam em direção à produção de bens mais complexos tecnologicamente, pelo estabelecimento de uma rede de relações técnicas e econômicas. Para tanto, torna-se necessário uma coordenação para a formação de capacitações, de modo que as políticas públicas possam exercer um papel mais efetivo na dinamização das aglomerações e na sua transformação em efetivos sistemas produtivos. Estas,

19 por sua vez, não se referem apenas às políticas diretamente voltadas para o estabelecimento de cooperações a nível local, como o desenvolvimento de novas formas institucionais; devendo incluir, também, propostas que enfrentem a questão das formas de coordenação das cadeias produtivas. Para isso, é necessária a existência de uma forte identidade local ou regional que favoreçam a cooperação, a solidariedade e a reciprocidade aliadas a instituições locais capazes de promover o desenvolvimento. Com relação à questão da interação, é preocupante a falta de cooperação entre os atores locais, conforme constatado em pesquisa realizada pelo SEBRAE- MG (2002). Tal hiato tem que ser foco das políticas públicas. Afinal, independente do modelo a ser aplicado, a literatura (estudos feitos por Marshall e List, por exemplo, apontam nesta direção) dá destaque à concentração de esforços que, por conseguinte, contribuem para o desenvolvimento local por meio da redução de custos, concentração de conhecimento e tecnologia, bem como aumento da competitividade, entre outras vantagens. Os dados da pesquisa mostraram que a maior parte dos municípios do Norte de Minas possui padrão de rarefação populacional. A maioria deles é de pequeno porte, com até 20 mil habitantes e têm na agricultura a principal fonte de renda e emprego. Por isso, políticas voltadas para o fortalecimento da agricultura familiar e para a agregação de valor parecem ser as mais adequadas na promoção do desenvolvimento econômico e social. Ou seja, políticas que visem fixar agricultores no campo, buscando valorizar o conhecimento destes atores e inserir novas técnicas e possíbilidades econômicas que venham agregar valor ao que já existe. As especializações no setor primário demandam do Estado políticas de apoio ao fortalecimento do agronegócio e da agricultura familiar. No desenvolvimento do agronegócio, um dos fatores locacionais determinantes na ampliação dos investimentos e na atração de novas inversões é o tradicional custo do transporte. A fruticultura, por ser muito pesada no sentido de que necessita chegar rapidamente aos centros de consumo e em condições adequadas de acondicionamento, tem no item transporte um dos principais fatores competitivos. Nesse sentido, o poder público pode contribuir na criação de economias externas, investindo na ampliação e melhorias no sistema viário, incluindo as estradas vicinais e aeroportos nos municípios identificados neste setor. No que se refere ao desenvolvimento da agricultura familiar, esse deveria ser o grande foco das políticas públicas de cunho produtivo e desenvolvimento social. Os recursos para investimento são escassos e a prioridade deve ser dada àqueles segmentos sociais em desvantagem econômica. Os programas PROGER e PRONAF geraram alguns avanços nesse sentido, todavia não foram suficientes para provocar mudanças estruturais para aliviar e melhorar as condições de acesso aos serviços e ao capital para esses segmentos. Então, estudos específicos devem ser feitos para detalhar políticas concertadas para o público que têm na pequena produção agrícola sua principal ou única fonte de renda. Dado que a maior geração de emprego na região ocorre no setor primário, há fortes razões para se afirmar que as intervenções mais adequadas seriam aquelas que priorizassem o fortalecimento dos linkages entre as atividades do setor primário com o secundário, o que necessariamente redundaria na ampliação da demanda do setor serviços, contribuindo para sua expansão. E, nesse ponto, este estudo tem o mérito de identificar em quais atividades e em que municípios existem especialização, de tal forma que as políticas públicas possam ser potencializadas. O papel do Estado deve ser o de estimular iniciativas que no futuro possam ser autofinanciadas, mas que dificilmente surgirão se não houver um impulso inicial, por obviamente, não ser lugar comum de interesse da iniciativa privada. Neste aspecto, além da ação fundamental do Estado, a ação de entidades do terceiro setor se faz importante, à medida que podem contribuir com apoio técnico e organizacional.

20 Referências Bibliográficas ANUÁRIO estatístico de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, Secretaria do Planejamento e Coordenação Geral, CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. and Maciel, M. L. (eds) Systems of Innovation and Development Cheltenham: Elgar, CASTRO, A. B. A Agricultura e o Desenvolvimento Econômico no Brasil. In: Sete Ensaios sobre a Economia Brasileira. São Paulo, Forense, vol. I. GONÇALVES, M. E. O cluster da fruticultura no Norte de Minas: interpretação de uma alternativa ao desenvolvimento regional. Ênfase nos projetos Jaíba e Gorutuba. Belo Horizonte: Dissertação (Mestrado) Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional/UFMG, 2001 HOMEM DE MELO, F. B. A Competitividade Brasileira no Mercado Internacional de Produtos Agrícolas. In.: Cadernos de Economia no. 10. Programa Nacional de Pesquisa Econômica, Rio de Janeiro, novembro de p. IBGE. CENSO demográfico 2000: características da população e dos domicílios, resultado do universo. Rio de Janeiro: KAGEYAMA, A. et al.. O Novo Padrão Agrícola Brasileiro: Dos Complexos Rurais aos Complexos Agroindustriais. In: Delgado, G.C; Gasques, J.C. & Verde, C.M.V. Org. Agricultura e Políticas Públicas. Brasília, IPEA, pp KAUTSKY, K. A questão agrária. São Paulo, Proposta, 3 ª ed., KRUGMAN, P. Development, Geography and Economic Theory. The MIT Press, PORTER, M. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review, nov-dec RODRIGUES, C. G. & SIMÕES, R. Aglomerados Industriais e Desenvolvimento Sócio- Econômico: uma análise multivariada para Minas Gerais. ENSAIOS FEE 25(1), RODRIGUES, L. Formação Econômica do Norte de Minas e o Período Recente. In: OLIVEIRA, M.F.M; RODRIGUES, L. (Org.). Formação Social e Econômica do Norte de Minas. 2ª. ed. Montes Claros, 2000, v. 1, p SCHMITZ, H. (1997). Collective efficiency and increasing returns. IDS Working Paper 50. Brighton, IDS, March. SCHMITZ, H. On the clustering of small firms. IDS Bulletin, Briggton: University of Sussex/IDS, v.23, n.3, p.64-69, jul SEBRAE, Subsídios para a Identiuficação de Clusters no Brasil, Dezembro de SEBRAE-MG/IEL - Aglomerações Produtivas em Minas Gerais e Belo Horizonte: Identificação e Mapeamento de Arranjos Produtivos Locais. Abril de VEIGA, J.E. Desenvolvimento territorial do Brasil: do entulho varguista ao zoneamento ecológico-econômico. Anais, ANPEC, 2001.

URBANIZAÇÃO E POBREZA NA REGIÃO NORTE MINEIRA: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

URBANIZAÇÃO E POBREZA NA REGIÃO NORTE MINEIRA: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES URBANIZAÇÃO E POBREZA NA REGIÃO NORTE MINEIRA: CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Anete Marília PEREIRA 1 Beatriz Ribeiro SOARES 2 Considerações Iniciais O Norte de Minas é considerado a parte nordestina das Minas

Leia mais

LISTA DE CIDADES/SECRETARIAS DE SAÚDE DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDMED NORTE

LISTA DE CIDADES/SECRETARIAS DE SAÚDE DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDMED NORTE LISTA DE CIDADES/SECRETARIAS DE SAÚDE DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDMED NORTE ÁGUAS VERMELHAS (33) 3755-1202 BOCAIÚVA - (38) 3251-1785 / ENDEREÇO: RUA HENRIQUE FISTORINO, 247, - CEP: 39390-000 BONITO DE

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

JUVENÍLIA 250 MIRAVÂNIA 250 Subtotal 1.600 215 MONTALVÂNIA 750 Subtotal 750 FRUTA DE LEITE 420 JOSENÓPOLIS 446 216

JUVENÍLIA 250 MIRAVÂNIA 250 Subtotal 1.600 215 MONTALVÂNIA 750 Subtotal 750 FRUTA DE LEITE 420 JOSENÓPOLIS 446 216 ANEXO I (Retificação Nº2) EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO IDENE nº. 001/2014 RELAÇÃO DE ROTAS E COTAS DE DISTRIBUIÇÃO DO LEITE COD ROTA MUNICÍPIO COTA BOCAÍUVA 1.286 FRANCISCO DUMONT 200 200 ENGENHEIRO NAVARRO

Leia mais

O RURAL E O URBANO NO NORTE DE MINAS (MG): uma abordagem sob a ótica da paisagem. Resumo

O RURAL E O URBANO NO NORTE DE MINAS (MG): uma abordagem sob a ótica da paisagem. Resumo 1 O RURAL E O URBANO NO NORTE DE MINAS (MG): uma abordagem sob a ótica da paisagem Resumo Anete Marília Pereira Beatriz Ribeiro Soares** Propor uma discussão sobre o rural e o urbano na região norte-mineira

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

A GEOGRAFIA MÉDICA E A REEMERGÊNCIA DA DOENÇA DE CHAGAS NO SEMIÁRIDO NORTE MINEIRO

A GEOGRAFIA MÉDICA E A REEMERGÊNCIA DA DOENÇA DE CHAGAS NO SEMIÁRIDO NORTE MINEIRO A GEOGRAFIA MÉDICA E A REEMERGÊNCIA DA DOENÇA DE CHAGAS NO SEMIÁRIDO NORTE MINEIRO MÔNICA OLIVEIRA ALVES ACADÊMICA DO CURSO DE GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS /UNIMONTES, BOLSISTA DA

Leia mais

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO OUT/2014 SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Secretário Alceu José Torres Marques

Leia mais

5 AS ATIVIDADES ECONÔMICAS: PRODUÇÃO, EMPREGO E RENDA

5 AS ATIVIDADES ECONÔMICAS: PRODUÇÃO, EMPREGO E RENDA 5 AS ATIVIDADES ECONÔMICAS: PRODUÇÃO, EMPREGO E RENDA Neste quinto capítulo, se busca avaliar com mais profundidade as atividades econômicas do município, com o recorte centrado na produção, no emprego

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO 1 Desenvolvimento... o desenvolvimento é uma corrida de longa distância, e nela há um elemento de solidão,

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação:

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação: INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. ) Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação a construção de uma Unidade de Ensino Descentralizada do CEFETES na Região Noroeste do Estado do Espírito Santo.

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Análise do Nível de Desenvolvimento Socioeconômico da Região Norte de Minas Gerais Antes e Após a Implantação dos Perímetros Públicos de Irrigação

Análise do Nível de Desenvolvimento Socioeconômico da Região Norte de Minas Gerais Antes e Após a Implantação dos Perímetros Públicos de Irrigação Análise do Nível de Desenvolvimento Socioeconômico da Região Norte de Minas Gerais Antes e Após a Implantação dos Perímetros Públicos de Irrigação Resumo Autoria: Paulo Ricardo da Costa Reis Constituindo-se

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

FICHAS DOS ATOS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO EM MG Volume II

FICHAS DOS ATOS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO EM MG Volume II FICHAS DOS ATOS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO EM MG Volume II CLIENTE: Fundação Estadual de Meio Ambiente - FEAM Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD PROCESSO: 023-MG

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

RETIFICAÇÃO DA CHAMADA PÚBLICA DE ATES Nº01/2013

RETIFICAÇÃO DA CHAMADA PÚBLICA DE ATES Nº01/2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS RETIFICAÇÃO DA CHAMADA PÚBLICA DE ATES Nº01/2013 A Comissão designada

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri*

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* * Respectivamente, gerente setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

GT (01) (Desenvolvimento Rural: uma década da política pública de desenvolvimento territorial)

GT (01) (Desenvolvimento Rural: uma década da política pública de desenvolvimento territorial) 1 GT (01) (Desenvolvimento Rural: uma década da política pública de desenvolvimento territorial) Caracterização socioeconômica e proposição de ações para o Território Alto Rio Pardo - MG Luciene Pires

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Agropecuária 1. Federal. SEADE 153. 1 Este item está baseado na publicação do Censo Agropecuário 1995/96, número 26, Distrito

Agropecuária 1. Federal. SEADE 153. 1 Este item está baseado na publicação do Censo Agropecuário 1995/96, número 26, Distrito Agropecuária 1 O, desmembrado do Estado de Goiás, possui uma área de 5.794 km 2. Situado no Planalto Central, suas altitudes variam de 750 a 1.340 metros, com topografia suave, predominando superfícies

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos

SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos ÍNDICE Balanço Processo de consulta pública para alteração na Portaria 60/2012 Próximos passos BALANÇO - Brasil 43 UPBs detentoras do Selo Combustível

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

O Programa Nacional de Produção e Uso do

O Programa Nacional de Produção e Uso do O Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel PNPB PNPB e a Agricultura amiliar Balanço l do Selo Comb. Social il Participação da A. F. no PNPB Estratégia do MDA com a A.F. Pólos, Cooperativas, Crédito,

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Gestão Abras PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 - 2014 SETOR HOJE PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 Setor faturou R$ 242,9 bilhões em 2012 Supermercados respondem por 83,7% do

Leia mais

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS...

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... 7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... INTRODUÇÃO... 1 DETERMINANTES E EVOLUÇÃO DAS DISPARIDADES REGIONAIS: ENTENDIMENTO DO PROBLE- MA... 2 A ELEIÇÃO

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

Um plano da agricultura familiar para o Brasil

Um plano da agricultura familiar para o Brasil Um plano da agricultura familiar para o Brasil 1 Plano Safra da Agricultura Plano Safra Familiar da Agricultura Familiar 2008/09 2 Mais Alimentos Um plano da agricultura familiar para o Brasil 18 milhoes

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Mercado de Trabalho Documento Norteador

Mercado de Trabalho Documento Norteador Mercado de Trabalho Documento Norteador SENAR Administração Central DEP Departamento de Educação Profissional Novembro 2007 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 2 PREFÁCIO 3 INTRODUÇÃO 6 OBJETIVOS 8 Objetivo Geral 8 Objetivos

Leia mais

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP Piracicaba (SP), 10 de outubro de 2012 Ocupação e Uso do Solo: Gestão Territorial Claudio Spadotto e Equipe O território i rural é alterado por expansão, concentração,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO...

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. Safra 2013/2014

Diretoria de Agronegócios. Safra 2013/2014 Diretoria de Agronegócios Safra 2013/2014 Agricultura Empresarial Custeio Custeio MCR 6.2 e MCR 6.4 Equalizado 1) Limite recursos controlados: R$ 800 mil, por beneficiário/safra, independentemente da cultura;

Leia mais

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Patrine Soares Santos Ciências Econômicas Centro de Economia, Administração patrinedetaio@hotmail.com Nelly Maria Sansígolo

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins)

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) 1.1 Sobre o Projeto Contratante: ABPM- Associação Brasileira de Produtores de Maçãs Objetivo: Desenvolvimento de um projeto de Análise

Leia mais

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb RESSEGURO DO PROAGRO Eng Agr Angelo Gemignani Sb CRÉDITO RURAL Institucionalizado em 1965 através da Lei n 4.829, de 5-11-65 SEGURO RURAL Institucionalizado em 1966 através do Decreto-Lei n 73, de 21-11-66

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

Boletim DATALUTA Artigo do mês II: setembro de 2015. ISSN 2177-4463

Boletim DATALUTA Artigo do mês II: setembro de 2015. ISSN 2177-4463 MERCADOS INSTITUCIONAIS COMO ALTERNATIVA PARA O FORTALECIMENTO DOS MERCADOS LOCAIS DE ALIMENTOS: O CASO DO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS (PAA) NO MUNICÍPIO DE TUPI PAULISTA/SP Valmir José de Oliveira

Leia mais

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A produção de leite no Brasil envolvia quase 1,8 milhão de estabelecimentos produtores, segundo

Leia mais