SNMP Simple Network Management Protocol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SNMP Simple Network Management Protocol"

Transcrição

1 SNMP SNMP Simple Network Management Protocol Baseado nos acetatos existentes em: Copyright 2001 by Aiko Pras Estes acetatos podem ser usados com fins educacionais 1

2 GESTÃO DE REDES: APROXIMAÇÃO AD-HOC SISTEMA LOCAL - EXEMPLOS: PING TRACEROUTE NETSTAT... SISTEMA REMOTO TELNET / RLOGIN (COMMAND LINE INTERFACE - CLI) INTERFACE WEB EXEMPLOS COM INTERFACE WEB: PING TRACEROUTE WHOIS NTOP... 2

3 GESTÃO DE REDES: NORMAS INTERNET INTERNET ENGINEERING TASK FORCE (IETF) OPERATIONS AND MANAGEMENT AREA SNMP ISO ISO-IEC/JTC 1/WG 4 OSI CMIP-CMIS ITU-T SG IV TMN Outros DMTF TM FORUM OMG IEEE... 3

4 CARACTERISTICAS IETF A GESTÃO DEVE SER SIMPLES APROXIMAÇÃO ORIENTADA ÀS VARIÁVEIS A TROCA DE INFORMAÇÃO NÃO É FIÁVEL ISO A GESTÃO DEVE SER POTENTE APROXIMAÇÃO ORIENTADA AOS OBJECTOS A TROCA DE INFORMAÇÃO DEVE SER REALIZADA DE FORMA FIÁVEL TMN DEFINE APENAS A ARQUITECTURA DE GESTÃO OS PROTOCOLOS ACTUAIS SÃO OS DA OSI GESTÃO FORA DE BANDA 4

5 HISTÓRIA SNMP OSI TMN

6 PORQUÊ O SUCESSO DO SNMP? AS NORMAS PODEM SER OBTIDAS DE GRAÇA AS NORMAS ESTÃO DISPONÍVEIS EM SERVIDORES FTP E WWW EM FORMATO ELECTRÓNICO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DAS NORMAS OS PROTÓTIPOS DEVEM DEMONSTRAR A NECESSIDADE E A POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DAS NORMAS 6

7 NORMALIZAÇÃO IETF WORKING DOCUMENT implementation experience must be obtained PROPOSED STANDARD after a maximum of 2 years HISTORICAL several independent implementations must interwork DRAFT STANDARD after a maximum of 4 years HISTORICAL FULL STANDARD 7

8 NORMALIZAÇÃO ISO WORKING DOCUMENT nobody implements! COMMITTEE DRAFT TECHNICAL REPORT still nobody implements!! DRAFT INTERNATIONAL STANDARD TECHNICAL REPORT FULL STANDARD 8

9 standard proposed standard full standard HISTÓRIA DO SNMP proposed standard implementation experience standard SGMP SNMP SNMP security SMP SNMPv2 (parties) SNMPv2 (community) SNMPv3 draft draft proposed standard draft standard CMOT HEMS/HEMP historic

10 VANTAGENS DO SNMP UBIQUIDADE PCs e CRAYs (supercomputadores) A INCLUSÃO DA GESTÃO NÃO DEVE SER DISPENDIOSA CÓDIGO PEQUENO FUNCIONALIDADE LIMITADA SÃO POSSÍVEIS EXTENSÕES À GESTÃO NOVAS MIBs A GESTÃO DEVE SER ROBUSTA TRANSPORTE CONNECTIONLESS 10

11 ESTRUTURA DO SNMP MANAGER AGENT Management Application MIB SNMP PDUs CONNECTIONLESS TRANSPORT SERVICE PROVIDER UDP 11

12 MODELO UTILIZADO PELO SNMP Entidades a gerir Agente de gestão SNMP Estação gestora SNMP Agente proxy Outro protocolo Entidades a gerir MIB 12

13 PRINCÍPIO DE OPERAÇÃO MANAGER SNMP AGENTS MIB 13

14 PRINCÍPIO DE OPERAÇÃO MANAGER POLLING TRAPS AGENTS MIB 14

15 PRINCÍPIO DE OPERAÇÃO MANAGER GET / SET TRAP AGENTS MIB 15

16 PRINCÍPIO DE OPERAÇÃO MANAGER AGENTS TABLES VARIABLES 16

17 NORMAS SMI STRUCTURE OF MANAGEMENT INFORMATION RFC 1155 MIB-II MANAGEMENT INFORMATION BASE RFC 1213 EXISTE UM GRANDE NÚMERO DE MIBs ADICIONAIS SNMP SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL RFC 1157 O NOME (SNMP) É UTILIZADO NUM SENTIDO MAIS GERAL NOVAS VERSÕES: SNMPv2 & SNMPv3 17

18 SMI STRUCTURE OF MANAGEMENT INFORMATION RFC 1155: SMIv1 RFC 1212: CONCISE MIB DEFINITIONS RFC 2578: SMIv2 RFC 2579: TEXTUAL CONVENTIONS TORNA A DEFINIÇÃO DAS (NOVAS) MIBs MAIS FÁCIL 18

19 SMI O SMI DEFINE AS REGRAS PARA DESCREVER A INFORMAÇÃO DE GESTÃO O SMI É DEFINIDO UTILIZANDO O ASN.1 O SMI VAI NA TERCEIRA GERAÇÃO SMIv1, SMIv2 e SMIng 19

20 SMI A INFORMAÇÃO DE GESTÃO NOS SISTEMAS A GERIR DEVE SER REPRESENTADA COMO: ESCALARES TABELAS (= MATRIZES BI-DIMENSIONAIS DE ESCALARES) O PROTOCOLO SNMP SÓ PODE TROCAR (LISTAS DE) ESCALARES DEFINIDA EM TERMOS DE CONSTRUTORES ASN.1 20

21 RFC1155-SMI DEFINITIONS ::= BEGIN DEFINIÇÃO DA SMIv1-1 EXPORTS -- EVERYTHING internet, directory, mgmt, experimental, private, enterprises, OBJECT-TYPE, ObjectName, ObjectSyntax, SimpleSyntax, ApplicationSyntax, NetworkAddress, IpAddress, Counter, Gauge, TimeTicks, Opaque; -- the path to the root internet OBJECT IDENTIFIER ::= { iso org(3) dod(6) 1 } directory OBJECT IDENTIFIER ::= { internet 1 } mgmt OBJECT IDENTIFIER ::= { internet 2 } experimental OBJECT IDENTIFIER ::= { internet 3 } private OBJECT IDENTIFIER ::= { internet 4 } enterprises OBJECT IDENTIFIER ::= { private 1 } -- definition of object types OBJECT-TYPE MACRO ::= BEGIN TYPE NOTATION ::= "SYNTAX" type (TYPE ObjectSyntax) "ACCESS" Access "STATUS" Status VALUE NOTATION ::= value (VALUE ObjectName) Access ::= "read-only" "read-write" "write-only" "not-accessible" Status ::= "mandatory" "optional" "obsolete" END 21

22 DEFINIÇÃO DA SMIv names of objects in the MIB ObjectName ::= OBJECT IDENTIFIER -- syntax of objects in the MIB ObjectSyntax ::= CHOICE { simple SimpleSyntax, -- note that simple SEQUENCEs are not directly -- mentioned here to keep things simple (i.e., -- prevent mis-use). However, application-wide -- types which are IMPLICITly encoded simple -- SEQUENCEs may appear in the following CHOICE application-wide ApplicationSyntax } 22

23 SimpleSyntax ::= CHOICE { number INTEGER, string OCTET STRING, object OBJECT IDENTIFIER, empty NULL } ApplicationSyntax ::= CHOICE { address NetworkAddress, counter Counter, gauge Gauge, ticks TimeTicks, arbitrary Opaque -- other application-wide types, as they are -- defined, will be added here } DEFINIÇÃO DA SMIv1-3 23

24 DEFINIÇÃO DA SMIv application-wide types NetworkAddress ::= CHOICE { internet IpAddress } IpAddress ::= [APPLICATION 0] -- in network-byte order IMPLICIT OCTET STRING (SIZE (4)) Counter ::= [APPLICATION 1] IMPLICIT INTEGER ( ) Gauge ::= [APPLICATION 2] IMPLICIT INTEGER ( ) TimeTicks ::= [APPLICATION 3] IMPLICIT INTEGER ( ) Opaque ::= [APPLICATION 4] -- arbitrary ASN.1 value, IMPLICIT OCTET STRING -- "double-wrapped" END 24

25 SMI: TIPOS DE DADOS PARA OS ESCALARES SIMPLE TYPES: SMIv1 INTEGER OCTET STRING OBJECT IDENTIFIER SMIv2 INTEGER OCTET STRING OBJECT IDENTIFIER - Integer32 APPLICATION-WIDE TYPES: PSEUDO TYPES: - Gauge Counter - TimeTicks IpAddress Opaque NetworkAddress - Unsigned32 Gauge32 Counter32 Counter64 TimeTicks IpAddress Opaque - BITS 25

26 EXEMPLO DE OBJECTOS ESCALARES MANAGED OBJECT INSTANCES address name uptime SNMP MANAGER AGENT 26

27 IDENTIFICAÇÃO DOS OBJECTOS INTRODUÇÃO ÀS ÁRVORES DE NOMES NEW-MIB: 1 address (1) info (2) name (1) uptime (2) printer AS FOLHAS DA ÁRVORE REPRESENTAM OS OBJECTOS GERIDOS OS NÓS EXISTEM PARA EFEITO DE CRIAR IDENTIFICAÇÕES ÚNICAS PARA OS OBJECTOS 27

28 IDENTIFICAÇÃO DOS OBJECTOS address Object ID = 1.1 Object Instance = Value of Instance = info Object ID = 1.2 NEW-MIB: 1 name Object ID = Object Instance = Value of Instance = printer-1 uptime Object ID = Alternativa: Object ID = NEW-MIB info uptime Object Instance = Value of Instance = address (1) info (2) name (1) uptime (2) printer

29 IDENTIFICAÇÃO DOS OBJECTOS : MIBs root ccitt (0) iso (1) joint-iso-ccitt (2) stnd (0) reg-auth (1) mb (2) org (3) dod (6) internet (1) directory (1) mngt (2) experimental (3) private (4) security (5) snmpv2 (6) mib-2 (1) enterprises (1) snmpdomains (1) snmpproxys (2) snmpmodules (3) 29

30 DEFINIÇÃO DO TIPO DOS OBJECTOS (Versão 2) OBJECT-TYPE: SYNTAX MAX-ACCESS STATUS DESCRIPTION INTEGER OCTET STRING OBJECT IDENTIFIER BITS IpAddress Integer32 Counter32 Counter64 Gauge32 TimeTicks Opaque New Type read-only read-write read-create accessible-for-notify not-accessible current deprecated obsolete "" 30

31 DEFINIÇÃO DO TIPO DOS OBJECTOS - EXEMPLO -- Definição de address address OBJECT-TYPE SYNTAX IpAddress MAX-ACCESS read-write STATUS current DESCRIPTION "The Internet address of this system" ::= {NEW-MIB 1} 31

32 DEFINIÇÃO DE OBJECTOS QUE NÃO SÃO FOLHAS Name OBJECT IDENTIFIER ::= {...} EXEMPLO: info OBJECT IDENTIFIER ::= {NEW-MIB 2} CONSTRUCÇÃO ALTERNATIVA: OBJECT IDENTITY EXEMPLO: info STATUS DESCRIPTION ::= {NEW-MIB 2} OBJECT-IDENTITY current "The node under which future scalar objects should be registered" 32

33 DEFINIÇÃO DE UMA MIB NEW-MIB DEFINITIONS ::= BEGIN declaração das importações END definição da identidade do módulo definição de todos os objectos dos nós e das folhas definição dos requisitos da implementação 33

34 IMPORTAÇÃO DUMA DECLARAÇÃO - EXEMPLO IMPORTS MODULE-IDENTITY, OBJECT-TYPE, TimeTicks, enterprises FROM SNMPv2-SMI; 34

35 IDENTIFICAÇÃO DUM MÓDULO O SNMPv2 INTRODUZ O CONCEITO DE MÓDULO DE INFORMAÇÃO, QUE ESPECIFICAM UM GRUPO DE DEFINIÇÕES RELACIONADAS. SÃO UTILIZADOS TRÊS TIPOS DE MÓDULOS DE INFORMAÇÃO: 1. MÓDULOS MIB, QUE CONTÊM DEFINIÇÕES DE OBJECTOS DE GESTÃO ENTRELACIONADOS, FAZENDO USO DAS MACRO OBJECT-TYPE E NOTIFICATION-TYPE 2. DECLARAÇÕES DE COMPLIANCE PARA OS MÓDULOS MIB, QUE FAZEM USO DE MACROS MODULE-COMPLIANCE E OBJECT-GROUP 3. DECLARAÇÕES DE CAPABILITY PARA IMPLEMENTAÇÕES DE AGENTES QUE UTILIZAM AS MACROS AGENT-CAPABILITIES. 35

36 IDENTIFICAÇÃO DUM MÓDULO MODULE-IDENTITY MACRO ::= BEGIN TYPE NOTATION ::= LAST UPDATED value(update UTCTime) ORGANIZATION Text CONTACT-INFO Text DESCRIPTION Text RevisionPart VALUE NOTATION ::= value (VALUE OBJECT IDENTIFIER) RevisionPart ::= Revisions empty Revisions ::= Revision Revisions Revision Revision ::= REVISION value(update UTCTime) DESCRIPTION Text -- uses the NVT ASCII character set Text ::= string END 36

37 IDENTIFICAÇÃO DUM MÓDULO - EXEMPLO newmibmodule MODULE-IDENTITY LAST-UPDATED " Z" ORGANIZATION "UT-TMG" CONTACT-INFO " TSS University of Twente POBox AE Enschede The Netherlands " DESCRIPTION "Experimental MIB for demo purposes" ::= { enterprises ut(785) 7 } 37

38 IDENTIFICAÇÃO DUM MÓDULO A MACRO OBJECT-IDENTITY É UTILIZADA PARA DOCUMENTAR OS OBJECTOS UTILIZADOS NUMA MIB OBJECT-IDENTITY MACRO ::= BEGIN TYPE NOTATION ::= STATUS Status DESCRIPTION Text ReferPart VALUE NOTATION ::= value(value OBJECT IDENTIFIER) Status ::= current obsolete ReferPart ::= REFERENCE Text empty Text ::= string END 38

39 TABELAS EXEMPLO: TABELA DE ROUTING DO NÓ 1 destination next PARA SE ACEDER A CADA UMA DAS ENTRADAS INDIVIDUAIS DA TABELA CADA ENTRADA DEVE TER UMA IDENTIFICAÇÃO 39

40 REFERÊNCIAS DAS ENTRADAS NAS TABELAS - I POSSIBILIDADE 1 (NÃO É UTILIZADA PELO SNMP): USAR NÚMEROS DE LINHA NEW-MIB: 1 address (1) info (2) routetable (3) name (1) uptime (2) dest(1) next(2) printer this is row EXEMPLO: O VALOR DE NEW-MIB routetable next 5 IS 3 40

41 REFERÊNCIAS DAS ENTRADAS NAS TABELAS - II POSSIBILIDADE 2 (UTILIZADA PELO SNMP): INTRODUZIR UMA COLUNA DE ÍNDICE NEW-MIB: 1 address (1) info (2) routetable (3) name (1) uptime (2) dest(1) next(2) printer EXEMPLO: O VALOR DE NEW-MIB routetable next 5 IS 2 41

42 INDEXAÇÃO DE TABELAS ) routetable (3) ESQUEMA GERAL uptime (2) X.C.I OID of Table Column number Index value EXEMPLOS: OID of Table = => => => => => => entry does not exist => entry does not exist dest(1) next(2)

43 INDEXAÇÃO DE TABELAS INDICE NÃO-INTEIRO UM INDICE NÃO NECESSITA SER UM INTEIRO routetable (3) dest (1) next (2) EXEMPLOS: OID of Table = => => => => =>

44 INDEXAÇÃO DE TABELAS ÍNDICE COM CAMPOS MÚLTIPLOS USO DE MÚLTIPLOS CAMPOS DE INDICE X.C.I1.I2 OID of Table Column number Index value 1 Index value 2 44

45 EXEMPLO: INDEXAÇÃO DE TABELAS MÚLTIPLOS CAMPOS DE INDÍCE 1 = low costs 2 = high reliability routetable (3) dest (1) policy (2) next (3) => =>

46 DEFINIÇÃO DE TABELAS -- Definição duma tabela de encaminhamento routetable OBJECT-TYPE SYNTAX SEQUENCE OF routeentry MAX-ACCESS not-accessible STATUS current DESCRIPTION "This entity s routing table" ::= {NEW-MIB 3} routeentry SYNTAX MAX-ACCESS STATUS DESCRIPTION INDEX ::= {routetable 1} OBJECT-TYPE RouteEntry not-accessible current "A route to a particular destination" {dest, policy} 46

47 DEFINIÇÃO DE TABELAS (cont. 1) RouteEntry ::= SEQUENCE { dest ipaddress, policy INTEGER, next ipaddress } 47

48 DEFINIÇÃO DE TABELAS (cont. 2) dest OBJECT-TYPE SYNTAX ipaddress ACCESS read-only STATUS current DESCRIPTION "The address of a particular destination" ::= {route-entry 1} policy OBJECT-TYPE SYNTAX INTEGER { costs(1) -- lowest delay reliability(2)} -- highest reliability ACCESS read-only STATUS current DESCRIPTION "The routing policy to reach that destination" ::= {route-entry 2} next OBJECT-TYPE SYNTAX ipaddress ACCESS read-write STATUS current DESCRIPTION "The internet address of the next hop" ::= {route-entry 3} 48

49 DEFINIÇÃO DE NOVOS TIPOS CONVENÇÕES TEXTUAIS PARA REFINAR A SEMÂNTICA DOS TIPOS EXISTENTES EXEMPLO: RunState ::= TEXTUAL CONVENTION STATUS current DESCRIPTION "..." SYNTAX INTEGER{ running(1) runable(2) waiting(3) exiting(4)} 49

50 MIBs MANAGEMENT INFORMATION BASES CONTÊM OS OBJECTOS GERIDOS (VARIÁVEIS) QUE REPRESENTAM OS RECURSOS DUM SISTEMA E QUE PODEM SER MONITORIZADOS E MODIFICADOS POR UM GESTOR (REMOTO) PARA CONTROLAR O COMPORTAMENTO DESSE SISTEMA SNMP MIB MANAGER AGENT 50

51 DEFINIÇÃO DA MIB E INSTÂNCIA DA MIB A DEFINIÇÃO DA MIB DEVE SER CONHECIDA POR: OS IMPLEMENTADORES DO SISTEMA A GERIR O GESTOR A MIB É INSTANCIADA NO SISTEMA GERIDO 51

52 MODULARIDADE OS OBJECTOS GERIDOS DUM SISTEMA SÃO USUALMENTE DEFINIDOS EM MÚLTIPLAS DEFINIÇÕES DA MIB MÓDULOS MÓDULOS DIFERENTES PODEM SER DEFINIDOS POR EQUIPAS DIFERENTES A FUNCIONALIDADE DA GESTÃO PODE SER EXTENDIDA GRADUALMENTE DIFERENTES TIPOS DE SISTEMAS PODEM SUPORTAR DIFERENTES TIPOS DE MÓDULOS OS VENDEDORES PODEM EXTENDER A FUNCIONALIDADE DA GESTÃO ATRAVÉS DE MIBs PROPRIETÁRIAS 52

53 MIBs DE HARDWARE HOST RESOURCES MIB MODEM MIB PRINTER MIB 53

54 FDDI ATM ADSL SONET... WWW MAIL DNS X.500 RDBMS SNMP... MIBs DE PROTOCOLOS APPLICATION TRANSPORT TCP UDP NETWORK OSPF BGP EGP TRANSMISSION IP INTERFACES ICMP ARP... 54

55 FDDI ATM ADSL SONET... WWW MAIL DNS X.500 RDBMS SNMP... MIBs DE PROTOCOLOS - EXEMPLO: MIB-II APPLICATION TRANSPORT TCP UDP NETWORK OSPF BGP EGP TRANSMISSION IP INTERFACES ICMP ARP... 55

56 NOMEAÇÃO DAS MIBs root ccitt (0) iso (1) joint-iso-ccitt (2) stnd (0) reg-auth (1) mb (2) org (3) dod (6) internet (1) directory (1) mngt (2) experimental (3) private (4) security (5) snmpv2 (6) mib-2 (1) system (1) interfaces (2)... transmission (10) snmp (11) ospf (14) bgp (15) ethernet (6) token ring (9) fddi (15) adsl (94)... 56

57 RELAÇÃO ENTRE MIBs - 1 INTERFACE STATISTICS IP, TCP & UDP STATISTICS SNMP STATISTICS HOST JOB COUNTS HOST FILE SYSTEM INFORMATION MIB-II HOST REPEATER BRIDGE RMON x x x x x LINK TESTING x x NETWORK TRAFFIC STATISTICS x x x TABLE WITH ALL MAC ADDRESSES x x STATISTICS PER HOST x x 57

58 RELAÇÃO ENTRE MIBs - 2 MIB-II HOST REPEATER BRIDGE RMON HISTORICAL STATISTICS SPANNING TREE PERFORMANCE WIDE AREA LINK PERFORMANCE TRESHOLDS FOR ANY VARIABLE CONFIGURABLE STATISTICS TRAFFIC MATRIX WITH ALL NODES HOST TOP N INFORMATION PACKET / PROTOCOL ANALYSIS DISTRIBUTED LOGGING x x x x x x x x x 58

59 MIB-II DEFINE AS VARIÁVEIS PARA GERIR A PILHA DE PROTOCOLOS TCP/IP 170 VARIÁVEIS RFC 1213 SMIv1 MELHORIAS DA MIB-I RFC 1156 Copyright 2001 by Aiko Pras These sheets may be used for educational purposes 59

60 CRITÉRIOS DE DESENHO ESSENCIAL PARA A GESTÃO DE FALHAS OU CONFIGURAÇÃO APENAS OBJECTOS DE CONTROLO FRACOS PEQUENO NÚMEROS DE OBJECTOS EVITAR REDUNDÂNCIA EVIDÊNCIA DE UTILIDADE NÃO PERTURBAR A OPERAÇÃO NORMAL SEM PORMENORES ESPECÍFICOS DE IMPLEMENTAÇÃO 60

61 ESTRUTURA MIB-II SYSTEM (1) AT (3) ICMP (5) UDP (7) TRANSMISSION (10) INTERFACES (2) IP (4) TCP (6) EGP (8) SNMP (11) 61

62 SNMP GRUPOS DA MIB-II NA PILHA DE PROTOCOLOS SYSTEM TCP UDP IP ICMP EGP AT INTERFACES TRANSMISSION 62

63 NOVAS VERSÕES SYSTEM GROUP => SNMPv2 MIB (RFC 1907) INTERFACES (IF) GROUP => IF-MIB (RFC 2863) ADDRESS TRANSLATION (AT) GROUP => DEPRECATED IP & ICMP GROUPS => IP-MIB (RFC 2011) TCP GROUP => TCP-MIB (RFC 2012) UDP GROUP => UDP-MIB (RFC 2013) EGP GROUP => OUTDATED (BGP) TRANSMISSION GROUP => IS PLACEHOLDER SNMP GROUP => SNMPv2 MIB (RFC 1907) 63

64 ADDRESS TRANSLATION GROUP at (3) attable (1) DEPRECATED STATUS 64

65 atifindex atphysaddress attable atnetaddress 1 2 aa.bb.cc.dd ee.ff.gg.hh n ww.xx.yy.zz 65

66 EGP GROUP EGP (8) egpinmsgs (1) egpinerrors (2) egpoutmsgs (3) egpouterrors (4) egpneightable (5) egpas (6) 66

67 TRANSMISSION GROUP transmission (10) (8) (9) FDDI (15) DS1/E1 (18) RS-232 (33) X.25 (38) LAPD (16) DS3/E3 (30) Par.Printer (34) SONET (39) 67

68 MIB SNMPv2 RFC 1907 STANDARD PROPOSTO GRUPO SYSTEM GRUPO SNMP SNMP MIBObjects GROUP snmptrap snmptraps snmpset (snmpsetserialno) Copyright 2001 by Aiko Pras These sheets may be used for educational purposes 68

69 GRUPO SYSTEM system (1) sysdescr (1) sysuptime (3) sysname (5) sysservices (7) sysortable (9) sysobjectid (2) syscontact (4) syslocation (6) sysorlastchange (8) 69

70 GRUPO ORIGINAL SYSTEM (MIB-II) system (1) sysdescr (1) sysuptime (3) sysname (5) sysservices (7) sysobjectid (2) syscontact (4) syslocation (6) 70

71 sysservices 0 x 0 0 x x x x physical layer (e.g. repeaters) data-link layer (e.g. bridges) internet layer (e.g. IP routers) end-to-end (e.g. IP Hosts) application (e.g. nfs-servers) 71

72 EXEMPLO sysdescr: sysobjectid: sysuptime: syscontact: sysname: syslocation: sysservices: "Cisco Gateway" (4 days, 7 h, 12 min, s) "utic01.cs.utwente.nl" "near logica meeting room" 6 (bridge and router functions) 72

73 PROTOCOLO SNMP MANAGER SNMP MESSAGES AGENT MIB UDP UDP IP IP LINK LINK 73

74 RESUMO DOS PDUs manager agent manager agent get MIB getnext MIB response response manager agent manager agent set MIB trap response 74

75 ESTRUTURA DA MENSAGEM & PDU variable bindings: NAME 1 VALUE 1 NAME 2 VALUE 2 NAME n VALUE n SNMP PDU: REQUEST ID PDU TYPE * ERROR VARIABLE BINDINGS STATUS ERROR INDEX SNMP message: VERSION COMMUNITY SNMP PDU 75

76 CONTROLO DOS AGENTES SOBRE OS GESTORES 1. Serviço de autenticação: O agente pode desejar limitar o acesso à MIB apenas a estações de gestão autorizadas. 2. Política de acessos: O agente pode querer dar diferentes privilégios de acesso a estações de gestão diferentes. 3. Serviço por procuração: Um agente pode actuar em beneficio de outras estações a gerir. Isso pode envolver a implementação dum serviço de autenticação e/ou uma política de acessos aos outros sistemas a gerir. 76

77 POLITICA DE ACESSO SNMP Tipo de acesso definido na MIB Modo de acesso SNMP READ-ONLY READ-WRITE read-only get e trap get e trap read-write get e trap get, set e trap write-only get e trap get, set e trap not-accessible indisponível indisponível 77

78 POLITICA DE ACESSO SNMP SNMP access policy SNMP community (community name) SNMP community profile SNMP agent Set of SNMP managers SNMP MIB view SNMP access mode 78

79 RFC1157- DEFINIÇÕES SNMP RFC1157-SNMP DEFINITIONS ::= BEGIN IMPORTS ObjectName, ObjectSyntax, NetworkAddress, IpAddress, TimeTicks FROM RFC1155-SMI; -- top-level message Message ::= SEQUENCE { version -- version-1 for this RFC INTEGER { version-1(0) }, community -- community name OCTET STRING, data -- e.g., PDUs if trivial authentication is being used ANY } 79

80 RFC1157- DEFINIÇÕES SNMP -- protocol data units PDUs ::= CHOICE { get-request GetRequest-PDU, get-next-request GetNextRequest-PDU, get-response GetResponse-PDU, set-request SetRequest-PDU, trap Trap-PDU } -- PDUs GetRequest-PDU ::= [0] IMPLICIT PDU GetNextRequest-PDU ::= [1] IMPLICIT PDU GetResponse-PDU ::= [2] IMPLICIT PDU SetRequest-PDU ::= [3] IMPLICIT PDU 80

81 RFC1157- DEFINIÇÕES SNMP PDU ::= SEQUENCE { request-id INTEGER, error-status -- sometimes ignored INTEGER { noerror(0), toobig(1), nosuchname(2), badvalue(3), readonly(4), generr(5) }, error-index -- sometimes ignored INTEGER, variable-bindings -- values are sometimes ignored VarBindList } 81

82 RFC1157- DEFINIÇÕES SNMP Trap-PDU ::= [4] IMPLICIT SEQUENCE { enterprise -- type of object generating trap OBJECT IDENTIFIER, agent-addr -- address of object generating NetworkAddress, -- trap generic-trap -- generic trap type INTEGER { coldstart(0), warmstart(1), linkdown(2), linkup(3), authenticationfailure(4), egpneighborloss(5), enterprisespecific(6) }, specific-trap -- specific code, present even } -- variable bindings VarBind ::= SEQUENCE { name value } VarBindList ::= SEQUENCE OF VarBind END time-stamp INTEGER, -- if generic-trap is not enterprisespecific -- time elapsed between the last TimeTicks, -- (re)initialization of the network entity and -- the generation of the trap variable-bindings -- "interesting" information VarBindList ObjectName, ObjectSyntax 82

83 GET manager get agent MIB response PARA PEDIR O VALOR DE UMA OU MAIS VARIÁVEIS ERROS POSSÍVEIS: nosuchname O objecto não existe / O objecto não é uma folha toobig O resultado não cabe num PDU response generr Todas as outras causas 83

84 EXEMPLO - MIB 1 address (1) info (2) route-table (3) name (1) uptime (2) route-entry (1) printer dest(1) policy(2) next(3)

85 EXEMPLOS - GET get(1.1.0) response(1.1.0 => ) get(1.2.0) response(error-status = nosuchname) get(1.1) response(error-status = nosuchname) get(1.1.0; ) response(1.1.0 => ; => ) get( ) response( => 2) get( ) response( => 5) get( , , ) response( => 5, => 1, => 2) 85

86 SET manager set agent MIB response PARA ATRIBUIR UM VALOR A UMA INSTÂNCIA DUM OBJECTO PARA CRIAR NOVAS INSTÂNCIAS TABLE ROWS O SET REQUEST É ATÓMICO ERROS POSSIVEIS : nosuchname badvalue toobig generr 86

87 EXEMPLOS - SET set( => my-printer) response(noerror; => my-printer) set( => my-printer, => 0) response(error-status = nosuchname; error-index = 2) DEVIDO AO SET SER ATÓMICO A INSTÂNCIA DO OBJECTO NÃO É AFECTADO 87

88 GET-NEXT manager getnext agent MIB response OBTÉM O NOME DA INSTÂNCIA E O VALOR DO PRÓXIMO (NEXT) ELEMENTO DA MIB PARA DESCOBRIR ESTRUTURAS DA MIB PARA OBTER LINHAS DUMA TABELA ERROS POSSÍVEIS : nosuchname (= FIM DA MIB) toobig generr 88

89 EXEMPLOS - GET-NEXT getnext(1) response(1.1.0 => ) getnext(1.1.0) response( => printer-1) getnext( ) response( => ) getnext( ) response( => 3) getnext( ; ; ) response( => 2; => 1; => 2) getnext( ; ; ) response( => 3; => 1; => 3) 89

90 EXEMPLO DE ACESSO A UMA TABELA iproutedest iproutemetric1 iproutenexthop iproutetable iprouteentry = x iproutedest x.1 iproutemetric1 x.3 iproutenexthop x.7 iproutedest x iproutedest x iproutedest x iproutemetric x iproutemetric x iproutemetric x iproutenexthop x iproutenexthop x iproutenexthop x

91 EXEMPLO DE ACESSO A UMA TABELA getnext(iproutedest, iproutmetric1, iproutenexthop) ou seja getnext( , , ) a resposta do agente deverá ser: response((iproutedest = ), (iproutemetric = 3), (iproutenexthop = )) O gestor poderá guardar estes valores e ir buscar a segunda linha através da seguinte forma: getnext(iproutedest , iproutmetric , iproutenexthop ) o agente responde: response((iproutedest = ), (iproutemetric = 5), (iproutenexthop = )) e, a seguir: getnext(iproutedest , iproutmetric , iproutenexthop ) response((iproutedest = ), (iproutemetric = 5), (iproutenexthop = )) Como o gestor não sabe a dimensão da tabela irá pedir a próxima linha: getnext(iproutedest , iproutmetric , iproutenexthop ) o agente responde com os objectos que, lexicograficamente, se seguem na VISTA ("view ) da MIB: response((iproutemetric = ), (iproutenexthop = 3), (ipnettomediaifindex.1.3 = 1)) 91

92 ORDENAÇÃO LEXICOGRÁFICA UMA MIB PODE SER CONSIDERADA COMO UMA LISTA ORDENADA INSTANCE ID INSTANCE VALUE printer

93 TRAP manager agent trap PARA SINALIZAR UM EVENTO A RECEPÇÃO DUM TRAP NÃO É CONFIRMADA (NÃO FIÁVEL) O POLLING CONTINUA NECESSÁRIO OS AGENTES PODEM SER CONFIGURADOS DE FORMA A QUE: NÃO SEJAM TRANSMITIDOS TRAPs OS TRAPs SEJAM TRANSMITIDOS APENAS PARA CERTOS GESTORES 93

94 TRAPs DEFINIDOS COLDSTART WARMSTART LINKDOWN LINKUP AUTHENTICATION FAILURE EGPNEIGHBOURLOSS ENTERPRISESPECIFICTRAP 94

95 FORMATO DO TRAP-PDU ENTERPRISE AGENT-ADDRESS GENERIC-TRAP SPECIFIC-TRAP TIME-STAMP VARIABLE-BINDINGS 95

96 CODIFICAÇÃO DA MENSAGEM SNMP MANAGER ABSTRACT SYNTAX AGENT MIB BER TRANSFER SYNTAX BER UDP UDP IP IP LINK LINK A DESCRIÇÃO DAS MIBs E DO FORMATO DAS MENSAGENS É BASEADO NA SINTAXE DO ASN.1 A CONVERSÃO DA SINTAXE ABSTRACTA PARA A SINTAXE DE TRANSFERÊNCIA É DEFINIDA PELO BASIC ENCODING RULES (BER) 96

97 BASIC ENCODING RULES CADA VALOR ASN.1 É CODIFICADO COMO UMA OCTET STRING ESTA CODIFICAÇÃO RESULTA NUMA SEQUÊNCIA DE ESTRUTURAS TAG, LENGTH, VALUE (TLV) QUE PODEM TER DIMENSÃO VARIÁVEL tag length value para a rede octeto

98 CAMPO TAG f primitive (=simple) / constructed (=structured) 0 0 = universal tag 0 1 = application-wide tag 1 0 = (context specific tag) 1 1 = (private tag) Universal tags Application-wide tags BIT PATTERN ASN.1 TYPE BIT PATTERN APPLICATION TYPE INTEGER IpAddress OCTET STRING Counter OBJECT IDENTIFIER Gauge Unsigned TimeTicks Opaque Counter64 98

99 EXPANSÃO DO CAMPO TAG class f

100 CLASSES DEFINIDAS NO ASN.1 ASN.1 define 4 classes de tipos: Universal: tipos independentes das aplicações Application-wide: específicos duma aplicação e utilizada por outras normas OSI Context-specific: específicos duma determinada aplicação num determinado contexto Private-use: não definido pela norma ASN.1 100

101 TIPOS DA CLASSE UNIVERSAL DO ASN.1 (SMIv1) OSI ASN.1 Universal Class Tag ASN.1 Type Internet Universal Class Tag 1 BOOLEAN 2 INTEGER 2 3 BIT STRING 4 OCTET STRING 4 5 NULL 5 6 OBJECT IDENTIFIER 6 7 ObjectDescriptor 8 EXTERNAL 9 REAL 10 ENUMERATED 11 ENCRYPTED Reserved for future use 16 SEQUENCE, SEQUENCE OF 17 SET, SET OF 18 NumericString 19 PrintableString 20 TeletexString 21 VideotextString 22 IA5String 23 UTCTime 24 GeneralizedType 25 GraphicsString 26 VisableString 27 GeneralString 28 CharacterString 29 Reserved for future use

102 CAMPO LENGTH (COMPRIMENTO) SHORT FORM: 0 LONG FORM: 1 n n (1 n 2) 102

103 EXEMPLO: INTEIRO class f number length contents (100) Os inteiros são representados no formato complemento para 2 103

104 EXEMPLO: OCTET STRING IST class f number length "I" "S" "T" 104

105 EXEMPLO: NULL class f number length 105

106 EXEMPLO: OID class f number length 40x

107 SEQUENCE n class f number length ObjectName tag ObjectName length ObjectName contents ObjectValue tag ObjectValue length ObjectValue contents 107

108 SEQUENCE OF n class f number length OtherType tag OtherType length ObjectType contents n octets 108

109 EXEMPLO DUMA MENSAGEM SNMP Message ::= SEQUENCE { version -- version-1 for this RFC INTEGER {version-1(0)}, community -- community name OCTET STRING, GetResponse-PDU ::= [2] IMPLICIT PDU SEQUENCE { request-id INTEGER, error-status -- sometimes ignored INTEGER { noerror(0), toobig(1), nosuchname(2), badvalue(3), readonly(4), generr(5) }, } } error-index -- sometimes ignored INTEGER, variable-bindings::= SEQUENCE OF SEQUENCE { name } value ObjectName, ObjectSyntax 109

110 EXEMPLO DUMA MENSAGEM SNMP 1 Message ::= 2 { { 30 2a 3 version version-1, 0, community "public" "public" c data { 6 get-response { [2] { a2 1d 7 request-id 17, 17, error-status noerror, 0, error-index 0, 0, variable-bindings { { { { name , b value { 14 simple { 15 string "IST" "IST" } } 17 } } 18 } } 19 } } 20 } 21 } 22 } 110

111 SNMPv2 RESUMO: LIMITAÇÕES DO SNMPv1 HISTÓRIA DO SNMPv2 HIERARQUIAS SEGURANÇA OPERAÇÕES DO PROTOCOLO SNMPv2 INDEPENDÊNCIA DO TRANSPORTE RFCs Copyright 2001 by Aiko Pras These sheets may be used for educational purposes 111

112 LIMITAÇÕES DO SNMPv1 REGRAS NÃO DOCUMENTADAS CÓDIGOS DE ERRO LIMITADOS TIPOS DE DADOS LIMITADOS NOTIFICAÇÕES LIMITADAS EFICIÊNCIA LIMITADA DEPENDÊNCIA DO TRANSPORTE FALTA DE HIERARQUIA FALTA DE SEGURANÇA 112

113 full standard HISTÓRIA DO SNMPv2 proposed standard proposed standard V2Usec V2*... draft standard draft standard full standard SNMP/SMI v1 SNMP security SMP SMIv2 SNMPv2 parties community SNMPv3 DISMAN

114 HIERARQUIAS: IDEIA ORIGINAL MANAGER TO MANAGER (M2M) MIB M inform command M poll M A A A A A APROXIMAÇÃO ATRAVÉS DE MIBs NORMALIZADA FUNCIONALIDADE LIMITADA COMPORTAMENTO EM RUN-TIME DEVE SER DEFINIDA QUANDO DA IMPLEMENTAÇÃO 114

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Arquitecturas de Gestão Arquitectura de Gestão SNMPv1 (Parte II) Sumário???? Módulo II: Arquitecturas de Gestão Conceito de arquitectura de Gestão

Leia mais

SNMP Simple Network Management Protocol

SNMP Simple Network Management Protocol SNMP SNMP Simple Network Management Protocol Baseado nos acetatos existentes em: www.simpleweb.com Copyright 2001 by Aiko Pras Estes acetatos podem ser usados com fins educacionais 1 SNMP 1. Introdução

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Prof.: Helcio Wagner / Iguatemi Eduardo Agosto de 2009. p.1/50 Gerência Internet = Introdução Nos primórdios da Internet, as únicas ferramentas utilizadas

Leia mais

Protocolo de Gerenciamento SNMPv1, MIB-2 e RMON

Protocolo de Gerenciamento SNMPv1, MIB-2 e RMON Protocolo de Gerenciamento SNMPv1, MIB-2 e RMON Componentes de Gerenciamento Agente e Gerente Base de Informação (MIB) Internet Protocolo de Comunicação (SNMP) Entidades de Gerenciamento Processo de Aplicação

Leia mais

3. O protocolo SNMP 1

3. O protocolo SNMP 1 3. O protocolo SNMP 1 Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas 161 e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 08 2006 V1.0 Conteúdo Arquitetura de Gerenciamento Porque Gerenciar a Rede Corporativa? Componentes MIB - Management Information

Leia mais

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link.

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link. 3. O protocolo SNMP Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato Type

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 08 2006 V1.0 Conteúdo Arquitetura de Gerenciamento Porque Gerenciar a Rede Corporativa? Gerenciamento TCP/IP Componentes

Leia mais

The Simple Network Management Protocol, version 1

The Simple Network Management Protocol, version 1 SNMPv1 The Simple Network Management Protocol, version 1, 2007 1 O Protocolo A versão original do SNMP derivou do Simple Gateway Monitoring Protocol (SGMP) em 1988 RFC1157, STD0015 A Simple Network Management

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores SNMP Simple Network Management Protocol 1 Histórico No final dos anos 70 não haviam protocolos de gerenciamento. A única ferramenta efetivamente usada para gerenciamento foi o Internet

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education Redes de computadores e a Internet Capítulo 9 Gerenciamento de rede 9-3 Gerenciamento de rede Objetivos do capítulo: Introdução ao gerenciamento de redes Motivação Componentes principais Ambiente de gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Gestão de redes e SNMP. Laboratório de Redes 2008/2009

Gestão de redes e SNMP. Laboratório de Redes 2008/2009 Gestão de redes e SNMP Laboratório de Redes 2008/2009 Gestão de redes: Motivação Num mundo perfeito as redes não necessitariam de gestão, simplesmente funcionariam No entanto... O equipamento tende a avariar

Leia mais

Introdução PROGRAMA A. FUNDAMENTOS & ARQUITECTURAS DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas

Introdução PROGRAMA A. FUNDAMENTOS & ARQUITECTURAS DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas Introdução PROGRAMA A. DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas pela OSI, IETF e DMTF. B. TECNOLOGIAS & MECANISMOS AVANÇADOS Apresentação do estado

Leia mais

Arquitectura(s) de gestão IETF

Arquitectura(s) de gestão IETF Arquitectura(s) de gestão IETF As arquitecturas definidas pelo IETF para a gestão de redes assentes no protocolo IP, possuem a seguinte característica geral: simplicidade Motivações para a gestão na Internet

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Ferramentas de gestão de rede Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Maio de 2007 Ferramentas de gestão de rede Necessidade O Internet Activities Board recomenda que todas as implementações IP

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Preparação da Dissertação. Fevereiro de 2008. Relatório Final

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Preparação da Dissertação. Fevereiro de 2008. Relatório Final Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação da Dissertação Fevereiro de 2008 Gestão de uma infra estrutura de rede Wi Fi com recurso ao SNMP Carlos Filipe Almeida Mendonça carlos.mendonca@fe.up.pt

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Resumo 2 Conceitos Básicos de SNMP Introdução Arquitetura MIB Segurança SNMPv1, SNMPv2

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

SNMPv2. As Limitações do SNMPv1

SNMPv2. As Limitações do SNMPv1 A evolução do SNMP João Neves, 2007 1 As Limitações do SNMPv1 Para a gestão de grandes redes o polling pode representar um problema de desempenho O SNMP não é adequado para a transferência de grandes quantidades

Leia mais

Capítulo 9 Gerenciamento de rede

Capítulo 9 Gerenciamento de rede Capítulo 9 Gerenciamento de rede Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para

Leia mais

Integração de Gerências SNMP em. um Ambiente Distribuído

Integração de Gerências SNMP em. um Ambiente Distribuído TET Departamento de Engenharia de Telecomunicações Orientador: Luiz Cláudio Schara Magalhães Integração de Gerências SNMP em um Ambiente Distribuído Autores: Cesar Henrique Pereira Ribeiro Matrícula: 100.41.040-8

Leia mais

Gestão de uma Infra-Estrutura de Rede Wi-Fi com recurso ao SNMP

Gestão de uma Infra-Estrutura de Rede Wi-Fi com recurso ao SNMP Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Gestão de uma Infra-Estrutura de Rede Wi-Fi com recurso ao SNMP Carlos Filipe Almeida Mendonça Versão Provisória Dissertação realizada no âmbito do Mestrado

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

Registo de resultados 1:

Registo de resultados 1: Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais III Relatório do 1º Guião Laboratorial para avaliação: Gestão de

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP. Simple Network Management Protocol (SNMP) Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 25/04/2005).

Leia mais

Inteligência em Gestão de Redes e Serviços

Inteligência em Gestão de Redes e Serviços Inteligência em Gestão de Redes e Serviços Gestão de Redes e Serviços Motivação Heterogeneidade e complexidade das redes e serviços Requisitos de diferentes participantes Eixos e pirâmide da gestão Diferentes

Leia mais

GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES

GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES AGENDA Conceitos e evolução do gerenciamento de redes Elementos de análise estatística de dados Gerenciamento de redes no ambiente Internet Monitoração de Redes Gerenciamento

Leia mais

ANEMONA: UMA LINGUAGEM DE CONFIGURAÇÃO PARA APLICAÇÕES DE MONITORAÇÃO DE REDES

ANEMONA: UMA LINGUAGEM DE CONFIGURAÇÃO PARA APLICAÇÕES DE MONITORAÇÃO DE REDES HENRIQUE DENES HILGENBERG FERNANDES ANEMONA: UMA LINGUAGEM DE CONFIGURAÇÃO PARA APLICAÇÕES DE MONITORAÇÃO DE REDES Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre, Curso de

Leia mais

Protocolos de gerência. Gerenciamento TCP/IP SNMP. Informações de gerência. Gerenciamento TCP/IP. Limitações de SNMP

Protocolos de gerência. Gerenciamento TCP/IP SNMP. Informações de gerência. Gerenciamento TCP/IP. Limitações de SNMP Protocolos de gerência SNMP Simple Network Management Protocol Criado pela IETF em 1988 Projetado para monitorar redes simples Dominante em redes TCP/IP CMIP Common Management Information Protocol Proposto

Leia mais

BASES DE INFORMAÇÃO DE GERENCIAMENTO. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

BASES DE INFORMAÇÃO DE GERENCIAMENTO. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro BASES DE INFORMAÇÃO DE GERENCIAMENTO Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 MIB Base de Informação de Gerenciamento É uma base de dados conceitual Os dados podem estar realmente em um SGBD Ex.: taxa de

Leia mais

Cap. 02 Modelo de Informação

Cap. 02 Modelo de Informação Cap. 02 Modelo de Informação 2.1 Padrões de Gerência de Redes 2.2 Arquitetura da Solucão SNMP 2.3 Objetos, Instâncias e MIBs 2.4 MIB-2 2.5 Structure of Management Information (SMI v1) 2.6 SMI V2 Luís F.

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP).

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Capítulo 15 Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Uma das mais importantes tarefas de um administrador de uma rede informática é monitorizar o tráfego na rede, Detectar perdas

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gerenciamento de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n O que Gerenciar? n Definição n Modelo de Gerenciamento n Infraestrutura de Gerenciamento

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações

Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações Profa. Elizabeth Sueli Specialski, Dra. Elizabeth Sueli Specialski graduou-se em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do

Leia mais

Action.NET. SNMP Manager Communication Protocol. Manual de Referência

Action.NET. SNMP Manager Communication Protocol. Manual de Referência SCLN212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinegenhria.com.br Action.NET SNMP Manager Communication Protocol Versão1.0.1 Manual de Referência

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009 Network Management Joao Neves Digitally signed by Joao Neves DN: cn=joao Neves, o=feup, ou=deec, email=joao.neves@fe. up.pt, c=pt Date: 2009.12.16 00:12:07 Z G tã de Gestão d R Redes d Joao.Neves@fe.up.pt

Leia mais

Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes

Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes Professor: Paulo Cesar E-mail: pccbranco@gmail.com Situação Vigente Manter uma rede funcional e operando, implica em lidar com uma

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP)

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP) GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP) OUTLINE SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL ESTRUTURA DA INFORMAÇÃO DE GESTÃO PROTOCOLO SNMPV1 SNMPV2 SNMPV3 SNMP NO IOS SNMP NO PACKET

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA MIB SNMP PARA PABX INTELBRÁS

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA MIB SNMP PARA PABX INTELBRÁS INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA IF-SC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS ELETRÔNICOS IMPLEMENTAÇÃO DE UMA MIB SNMP PARA PABX INTELBRÁS PEDRO PAULO DA SILVA FLORIANÓPOLIS/SC

Leia mais

Redes de Computadores. Mário Aquino mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino

Redes de Computadores. Mário Aquino mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino Redes de Computadores Mário mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino Modelo OSI e os dispositivos OSI Dispostivos de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Gateway Rede Enlace Física

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO Introdução ao SNMP No final dos anos 70 as redes de computadores cresceram de simples

Leia mais

Proposta de Arquitetura de Gerê ncia para a RedUnB usando a Plataforma Tivoli TME 10

Proposta de Arquitetura de Gerê ncia para a RedUnB usando a Plataforma Tivoli TME 10 Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Estágio Supervisionado 2 Proposta de Arquitetura de Gerê ncia para a RedUnB usando a Plataforma Tivoli TME 10 Autores:

Leia mais

Gerência de Redes. 1. Introdução

Gerência de Redes. 1. Introdução Gerência de Redes Fabiano Rocha Abreu, Herbert Domingues Pires Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense (UFF-RJ) - Campus da Praia Vermelha, Escola de Engenharia -

Leia mais

Gerenciamento de Redes e Interconexões

Gerenciamento de Redes e Interconexões Gerenciamento de Redes e Interconexões Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Porque gerenciar? Controlar a complexidade Dimensao da rede Melhorar a

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP Net-SNMP (http://www.net-snmp.org) é um conjunto de aplicações usado para implementar SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3.

Leia mais

S.N.M.P. Filipe Pedrosa, José Teixeira, Francisco Oliveira

S.N.M.P. Filipe Pedrosa, José Teixeira, Francisco Oliveira S.N.M.P. Filipe Pedrosa, José Teixeira, Francisco Oliveira Departamento de Ciência de Computadores, FCUP email: fpedrosa@dcc.online.pt, foliveira@dcc.online.pt, jteixeira@dcc.online.pt 17 de Maio de 2004

Leia mais

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Pedro M. M. Marques pedromarques.eng@gmail.com 1 OBJECTIVOS Compreender a importância da manutenção na conservação do bom estado de uma rede de comunicação;

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MIB-BROWSER EM DELPHI

DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MIB-BROWSER EM DELPHI UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE INFORMÁTICA (BACHARELADO) DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MIB-BROWSER EM DELPHI Relatório do Trabalho de

Leia mais

Anderson Alves de Albuquerque

Anderson Alves de Albuquerque SNMP (Simple Network Management Protocol) Anderson Alves de Albuquerque 1 Introdução: O que é SNMP (Basicamente): Através de variáveis ou estruturas certos acontecimentos podem ser contabilizados (contados).

Leia mais

Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT

Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT Aluno : André Mafinski Orientador : Prof. Sérgio Stringari ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO - Introdução; - Gerenciamento de Redes; - Considerações;

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM AGENTE SNMP PARA UMA REDE LOCAL UTILIZANDO A PLATAFORMA JDMK

PROTÓTIPO DE UM AGENTE SNMP PARA UMA REDE LOCAL UTILIZANDO A PLATAFORMA JDMK UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM AGENTE SNMP PARA UMA REDE LOCAL UTILIZANDO A PLATAFORMA JDMK TRABALHO

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores

Gerenciamento de Redes de Computadores Gerenciamento de Redes de Computadores José Maurício dos Santos Pinheiro Versão 2.0 Agosto 2002 ÍNDICE Introdução... 4 Capítulo 1 - Gerenciamento em Redes de Computadores... 6 1.0 Gerência de Redes...

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

RMON Remote Network Monitoring

RMON Remote Network Monitoring RMON Remote Network Monitoring!"#$%&'(() $&*+, -. / /01 / 2 34 São dispositivos usados para estudar o trafego na rede como um todo, Produzem informação de sumário, incluindo estatísticas de erro, estatísticas

Leia mais

Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM

Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM Relatório de Estágio Dinis Alexandre M. Félix Real Seguros SA. Orientador: Prof. Raul Oliveira Julho 2005 De forma a garantir a salvaguarda dos interesses da empresa,

Leia mais

PROJETO DE GERENCIAMENTO DE UNIDADES GEOGRAFICAMENTE DISTRIBUÍDAS A PARTIR DE UM NÓ CENTRAL

PROJETO DE GERENCIAMENTO DE UNIDADES GEOGRAFICAMENTE DISTRIBUÍDAS A PARTIR DE UM NÓ CENTRAL CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE UNIDADES GEOGRAFICAMENTE DISTRIBUÍDAS A PARTIR DE UM NÓ CENTRAL Flávio André Johann Lajeado, dezembro de 2013 Flávio

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

Sumário. Gerenciamento de Redes. Conceitos Básicos sobre os Protocolos SNMP e CMIP. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Sumário. Gerenciamento de Redes. Conceitos Básicos sobre os Protocolos SNMP e CMIP. Universidade Federal do Rio de Janeiro 1 de 64 18/3/2007 18:23 Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPE - Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia Programa de Engenharia Elétrica Gerenciamento de Redes Conceitos Básicos

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE FALHAS EM REDE ETHERNET BASEADA EM PROTOCOLO SNMP

FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE FALHAS EM REDE ETHERNET BASEADA EM PROTOCOLO SNMP UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES FERRAMENTA PARA GERENCIAMENTO DE FALHAS EM REDE ETHERNET BASEADA EM PROTOCOLO SNMP RODRIGO

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

The Management Information

The Management Information SMI & MIB The Management Information João Neves, 2009 1 A Estrutura da Informação de Gestão (SMI) do SNMPv1 RFC 1155, STD0016 - Structure and Identification of Management Information for TCP/IP-based Internets

Leia mais

José Messias Alves da Silva. Construção de Agentes SNMP em Ambientes Linux

José Messias Alves da Silva. Construção de Agentes SNMP em Ambientes Linux José Messias Alves da Silva Construção de Agentes SNMP em Ambientes Linux Monografia de Pós-Graduação Lato Sensu apresentada ao Departamento de Ciência da Computação para obtenção do título de Especialista

Leia mais

Uma Proposta de Solução de Gerenciamento de Contabilização utilizando Nagios e Cacti

Uma Proposta de Solução de Gerenciamento de Contabilização utilizando Nagios e Cacti UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS, GERÊNCIA E SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES MOISÉS KOCH Uma Proposta de Solução de Gerenciamento

Leia mais

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI TCP/IP Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI Protocolo TCP/IP Em 1974, Vinton Cerf e Bob Kahn definiram o TCP (Transmission Control Protocol); Largamente usado hoje em dia, nomeadamente na INTERNET. Conjunto

Leia mais

Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1

Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1 Desenvolvimento Web com Framework Demoiselle versão 1.1 Módulo 10: Monitoração de Ambientes Autor: Rodrigo Hjort SERPRO / Coordenação Estratégica de Tecnologia / Curitiba www.frameworkdemoiselle.org.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE REDES TCP/IP: MONITORAMENTO DA TAXA DE UTILIZAÇÃO DE ENLACES EM REDES ETHERNET USANDO A FERRAMENTA ZABBIX

GERENCIAMENTO DE REDES TCP/IP: MONITORAMENTO DA TAXA DE UTILIZAÇÃO DE ENLACES EM REDES ETHERNET USANDO A FERRAMENTA ZABBIX UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GERENCIAMENTO DE REDES TCP/IP: MONITORAMENTO DA TAXA DE UTILIZAÇÃO DE ENLACES EM REDES ETHERNET USANDO A FERRAMENTA

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas TCP/IP x ISO/OSI A Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. Redes de Computadores

Leia mais

GUSTAVO CARVALHO GOMES HABILITAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE GERENCIAMENTO SNMP PARA O SISTEMA WIRELESS DA UFLA

GUSTAVO CARVALHO GOMES HABILITAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE GERENCIAMENTO SNMP PARA O SISTEMA WIRELESS DA UFLA GUSTAVO CARVALHO GOMES HABILITAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE GERENCIAMENTO SNMP PARA O SISTEMA WIRELESS DA UFLA Monografia de Graduação apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNMS: PLATAFORMA UNIFICADA PARA O GERENCIAMENTO DE REDES Área de Redes de Computadores por

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Protocolo HTTP. Gestão de redes. Protocolo SNMP. 1 Transferência de Ficheiros em Rede Com o surgimento dos documentos de hiper texto em rede, o protocolo mais usado

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores GERÊNCIA DE REDES DE COMPUTADORES PROGRAMA

Gerência de Redes de Computadores GERÊNCIA DE REDES DE COMPUTADORES PROGRAMA Objetivos Gerais Gerência de Redes de Computadores Aprender os conceitos, protocolos, ferramentas e técnicas utilizados na gerência de uma rede de computadores. Ao terminar a disciplina, o aluno terá noções

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Módulo I Conceitos fundamentais

Módulo I Conceitos fundamentais Módulo I Conceitos fundamentais Tema: Estruturação da Gestão Problema 1 (1º Exame 99/00): 1. No seu entender, qual a razão da importância crescente da gestão ao nível de serviço? Justifique. Problema 2

Leia mais

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP. Data 10/05/2010, Revisão 1.1 Introdução Desenvolvimento Configurando o Protocolo SNMP Traps

Leia mais

MARLON GRIPP CHERMONT PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE UM AGENTE PROXY SNMP PARA GERENCIAMENTO DE REDES LONWORKS

MARLON GRIPP CHERMONT PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE UM AGENTE PROXY SNMP PARA GERENCIAMENTO DE REDES LONWORKS MARLON GRIPP CHERMONT PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE UM AGENTE PROXY SNMP PARA GERENCIAMENTO DE REDES LONWORKS São Paulo 2007 MARLON GRIPP CHERMONT PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO DE UM AGENTE PROXY SNMP PARA

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP Camadas do Modelo TCP TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Pilha de Protocolos TCP/IP 1 A estrutura da Internet foi desenvolvida sobre a arquitetura Camadas do Modelo TCP Pilha de Protocolos TCP/IP TCP/IP

Leia mais

GERENCIAMENTO DE REDES ATRAVÉS DE WEB SERVICES UMA ANÁLISE COMPARATIVA. Frederico Gonçalves. Dissertação de Mestrado Profissional

GERENCIAMENTO DE REDES ATRAVÉS DE WEB SERVICES UMA ANÁLISE COMPARATIVA. Frederico Gonçalves. Dissertação de Mestrado Profissional GERENCIAMENTO DE REDES ATRAVÉS DE WEB SERVICES UMA ANÁLISE COMPARATIVA Frederico Gonçalves Dissertação de Mestrado Profissional Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula)

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2013.09 v2 2013.09.10 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais