Acadêmica: Letícia Leiko Shiroma Valim Profa. Orientadora: Dra. Rita Maria Monteiro Goulart

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acadêmica: Letícia Leiko Shiroma Valim Profa. Orientadora: Dra. Rita Maria Monteiro Goulart"

Transcrição

1 Avaliação do conhecimento e das atividades desenvolvidas por professores de escolas públicas de dois municípios de São Paulo em relação a promoção de alimentação saudável Acadêmica: Letícia Leiko Shiroma Valim Profa. Orientadora: Dra. Rita Maria Monteiro Goulart SÃO CAETANO DO SUL

2 1- INTRODUÇÃO A alimentação saudável atualmente é uma questão de saúde pública tendo em vista a prevalência e incidência elevada de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) ocasionadas por muitos fatores entre os quais destacam-se a mudança no estilo de vida, urbanização crescente, sedentarismo e a adoção de uma dieta rica em gorduras, sal e açúcar o que caracteriza a transição nutricional (FILHO, 2003; TOSCANO, 2004; ARNAIZ, 2010). As facilidades da vida moderna, entre elas os alimentos industrializados muitas vezes com baixo valor nutritivo e alta densidade energética, compõem cada vez mais o cardápio do brasileiro, por serem de fácil acesso e sem quase ou nenhum preparo (57º ASSEMBLÉIA MUNDIAL DE SAÚDE, 2004). O Brasil está em processo de transição demográfica, epidemiológica e nutricional. A transição do perfil epidemiológico da população brasileira, que antes era acometida principalmente por doenças infecciosas e atualmente em grande parte por doenças crônicas não transmissíveis como exemplos a obesidade, hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia e doenças cardiovasculares, tem entre os fatores determinantes a adoção de uma alimentação inadequada, ocupações que demandam menor esforço físico e fatores genéticos (FILHO, 2003; SCHRAMN e col. 2004). As doenças crônicas não transmissíveis devem ocupar papel de destaque no âmbito político, pois se não tomadas as devidas providências no nível de atenção primária com ações de prevenção, os custos serão elevados e o governo não dispõe de suporte para amparar todos os cidadãos necessitados de cuidados especiais no tratamento e cura das DCNTs, uma vez que na atenção terciária os custos são mais elevados que na atenção primária (SCHRAMN e col. 2004). Tendo em vista a transição demográfica que o país atravessa, aumentando a população idosa e sua expectativa de vida, e com tendência de diminuição da população em idade ativa, as gestões políticas devem refletir para tomar providências futuras para o enfrentamento desta mudança no perfil demográfico e consequentemente da demanda por serviços de saúde (BRITO, 2007). A 57ª Assembléia Mundial de Saúde (2004) teve como tema central a Estratégia Global em Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde, abordou estratégias para diminuir a carga das DCNTs que vem aumentando mundialmente, é importante destacar que 2

3 foi apontado como uma das causas principais para o desenvolvimento de DCNTs a alimentação pouco saudável. A obesidade vem aumentando alarmantemente na Europa, na Espanha, por exemplo, 16,0% das crianças estão acima do peso em comparação com 5,0% em 1980, assim como a população, nas demais faixas etárias, vem aumentando o peso também. Possivelmente, por incremento de alimentos com alta densidade energética na dieta combinada com a redução de atividade física. O estudo realizado por Arnaiz (2010) destaca a educação nutricional como uma ferramenta eficaz e bem compreendida. Em uma busca realizada no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) compreendendo o ano de 2010, todas as regiões do país, etnias e programas, em crianças de 5 a 10 anos de ambos os gêneros, mostrou que do total de crianças, 25,3% das crianças apresentaram risco de sobrepeso, sobrepeso e obesidade, considerado alarmante para que medidas públicas sejam tomadas o quanto antes. O quadro a seguir mostra em detalhes os dados obtidos: Quadro 1 Classificação de IMC por Idade em crianças de 5 a 10 anos inscritas no: SISVAN: Região Magreza acentuada IMC X Idade Magreza Eutrofia Risco de sobrepeso (0-5 anos)/ Sobrepeso (5-10 anos) Sobrepeso (0-5 anos)/ Obesidade (5-10 anos) Obesidade (0-5 anos)/ Obesidade Grave (5-10 anos) Total CENTRO- OESTE Quant. % Quant. % Quant. % Quant. % Quant. % Quant. % , , , , , , NORDESTE , , , , , , NORTE , , , , , , SUDESTE , , , , , , SUL , , , , , , Total geral , , , , , , * A avaliação nutricional entre menores de 5 anos é realizada com base nos parâmetros da OMS ** A avaliação nutricional de crianças de 5 a 10 anos é realizada com base nos parâmetros da OMS Fonte: SISVAN, Os hábitos alimentares são adquiridos desde a infância se estabelecendo na idade adulta, por isso a necessidade de programar ações para promoção da alimentação saudável e práticas de atividades físicas como forma de promoção da saúde e prevenção de doenças (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006). Observa-se menor interesse de escolas públicas em desenvolver projetos voltados aos bons hábitos alimentares, devido a falta de recursos suficientes, mas quando realizada 3

4 intervenção pelos professores, tem-se influência positiva na formação de hábitos alimentares de seus alunos, como observado também em instituições privadas (SOUZA e col., 2007). Segundo o mesmo autor, a rede pública de ensino não desenvolve projetos voltados a alimentação porque tentam demonstrar a alimentação saudável através do cardápio da merenda escolar, sem que haja necessidade de intervenção. Fernadez (2008), afirma que ainda não há uma proposta curricular pedagógica que tenha incluso o componente alimentação junto aos demais conteúdos ministrados em aula, havendo assim pouca articulação entre escola-comunidade. É recomendado que a escola, a comunidade e os serviços de saúde desenvolvam parcerias e aperfeiçoe recursos locais em ação integrada e articulada para o desenvolvimento de conhecimentos e habilidades para a vida, o estímulo a atitudes e práticas de promoção de saúde e educação na comunidade. A escola tem se mostrado um ambiente adequado para educação nutricional, pois representa o primeiro grupo social depois da família, além de promover a formação de diversos hábitos, inclusive os de saúde (MACEDO, 2008). Em 08 de maio de 2006 entrou em vigor a Portaria Interministerial nº que instituiu as diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas em âmbito nacional que dentre tantas considerações, destacou a orientação dos Parâmetros Curriculares Nacionais sobre a importância de abordar o tema saúde em todas as áreas de estudo (PIPITONE, 2003; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006; CECANE, 2007). Entretanto, o sucesso das ações de educação em alimentação e nutrição depende muito do grau de integração entre as disciplinas e situações de vivência dos escolares. Além de conhecimento sobre saúde, hábitos e estilo de vida saudáveis, a estratégia é fomentar mudanças, favorecendo escolhas saudáveis (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006; CECANE, 2007). A Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS, 2010) aprovada em 2006, aponta estratégias de organização das ações de promoção da saúde, na qual uma das ações priorizadas foi discutir nos espaços de formação e educação permanente de profissionais de saúde a proposta da PNPS e estimular a inclusão do tema nas grades curriculares. São muitas as recomendações de implementação de ações no ambiente escolar para alcançar uma alimentação saudável e uma delas refere-se à sensibilização e capacitação dos profissionais envolvidos com alimentação na escola. Destes, o educador é o profissional que 4

5 mais se destaca, pois é quem trabalha diária e diretamente com os alunos e possui similaridade comunicativa. Além disso, está inserido na mesma realidade social, o que determina maior eficácia da aprendizagem (DAVANÇO, 2004; GAGLIONE, 2006; LEONELLO, 2006). Uma das ações a nível federal foi a elaboração de um Manual Operacional para Profissionais de Saúde e Educação intitulado Promoção da alimentação saudável nas escolas, que reafirma a importância da capacitação de professores, bem como o uso de materiais técnicos e informativos. O Manual propõe metodologia para inclusão do tema Alimentação Saudável na escola, bem como traz informações técnicas e sugestões de atividades que podem ser realizadas na mesma (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008). A capacitação e atualização de professores são importantes para que antigos conceitos e valores que foram estabelecidos sejam revisados de forma que o processo ensinoaprendizagem seja otimizado e eficaz (FERNANDEZ, 2008). Portanto, a participação dos educadores na promoção à saúde no ambiente escolar é de incontestável relevância, pois são eles que articulam teoria e prática de acordo com a realidade do educando. No entanto, é imprescindível que estes profissionais estejam capacitados e tenham recursos disponíveis para serem os facilitadores deste processo. JUSTIFICATIVA O conhecimento sobre as ações de promoção de saúde desenvolvida junto à comunidade escolar é um fator importante para que medidas práticas tenham um encaminhamento coletivo de propostas e de compromisso de soluções participativas dos recursos disponíveis. 5

6 2- OBJETIVOS Geral Avaliar o conhecimento e as atividades desenvolvidas por professores de escolas públicas de dois municípios de São Paulo em relação a promoção de alimentação saudável Específicos Avaliar se os professores de escolas públicas trabalham o tema alimentação e nutrição com os alunos Verificar como são trabalhados e quais atividades são desenvolvidas pelos professores na abordagem do tema alimentação e nutrição Verificar as principais dificuldades para abordar o tema alimentação e nutrição na escola Verificar se os professores recebem capacitação sobre o tema alimentação e nutrição Verificar quais os meios utilizados pelos professores para adquirir conhecimento/ atualização sobre alimentação e nutrição. 6

7 3- MATERIAIS E MÉTODOS O estudo é de delineamento retrospectivo. Foi utilizado os dados coletados em dois municípios de São Paulo, Mairiporã e Carapicuíba, no período de 2008 e No município de Mairiporã foram entrevistados 70 professores de 17 escolas do ensino fundamental I da rede municipal de ensino público. No município de Carapicuíba foram entrevistados 106 professores de 8 escolas do ensino fundamental I da rede estadual de ensino público, totalizando 176 professores e 25 escolas. Para a coleta de dados foi utilizado um questionário de vinte e seis questões, sendo composto de dez perguntas abertas e dezesseis fechadas (ANEXO 3). As perguntas referem-se à abordagem do tema alimentação e nutrição no ambiente escolar, dificuldades encontradas pelos professores para trabalhar o tema, materiais utilizados e importância do tema na opinião dos professores. O questionário foi pré-testado e ajustado aos objetivos do estudo. Não foram estabelecidos critérios de exclusão, uma vez que mesmo os questionários que não foram completamente respondidos foram incluídos no estudo. ANÁLISE DOS DADOS Para análise quantitativa dos dados foi utilizado o programa Excel da Microsoft. 4 - RESULTADOS E DISCUSSÃO Dos 176 professores entrevistados, 80 (45,45%) lecionam para alunos de 1ª e 2ª séries, 78 (44,31%) lecionam para alunos de 3º e 4ª séries, 6 (3,41%) lecionam para alunos de 1ª a 4ª série, 7 (3,97%) professores não responderam e 5 (2,84%) responderam outros (Polivalente, Pré e Educação de Jovens e Adultos EJA ). O tempo de atuação na área pedagógica, referido pelos professores, variou entre menos de um ano a mais de vinte e um anos (Quadro 2), sendo que a maior frequencia encontra-se no período de 1 a 5 anos. 7

8 Quadro 2 Tempo de atuação como professores no ensino fundamental. Tempo (anos) Numero de professores % < 1 ano 7 3,98 1 a ,75 6 a ,5 11 a ,11 16 a ,20 > ,48 Não informado 7 3,98 Em relação ao curso de graduação, a maior parte dos entrevistados relatou ter realizado o curso de graduação em pedagogia (48,30%), letras (9,09%), Magistério (9,66%), pedagogia e outros cursos (7,39%), PEC Programa de Educação continuada (2,27%), outros (9,66%) e não informado (13,64%). Quando questionados sobre a realização de curso de pós-graduação, 55,11% não realizaram qualquer curso do tipo, 15,91% responderam que sim, variando na área pedagógica, gestão escolar, entre outros e 51% dos professores não responderam à questão. Sobre a relevância do tema Nutrição, a maior parte dos professores referiram que é importante trabalhar o tema em ambiente escolar devido a contribuição de uma alimentação saudável para melhor qualidade de vida dos alunos (Quadro 3 ). Quadro 3 Importância do tema nutrição segundo opinião dos professores. RESPOSTA N % Melhor qualidade de vida 87 49,5 Os alunos possuem maus hábitos alimentares 10 5,7 Prevenção de doenças 7 4,0 Para entender a importância dos alimentos 30 17,0 Não há informações no lar 3 1,7 Sim, é importante 15 8,5 Não informado 3 1,7 Diversos 21 11,9 TOTAL Do total, 92,6% dos professores, de ambos os municípios, referiram trabalhar o tema Nutrição com seus alunos, sendo 10,4% diariamente e 25,1% bimestralmente. 8

9 Apesar da maior parte dos professores trabalharem o tema, 39,7% relatou falta de materiais didáticos, 17,6% referiram não ter orientação pedagógica e 8% não tem conhecimento sobre o tema para ensinarem a seus alunos, como mostra a Figura 1. Figura 1 Quanto aos livros didáticos com conteúdo de nutrição, 57,95% dos professores referiram não receber da rede de ensino (RE), 2,27% refere receber, porém não especificaram qual tipo de material, 25,57% referem utilizar o livro de ciências que a RE oferece, 1,14% utiliza a cartilha Fome Zero, 4,55% aborda o tema através de revistas, jornais e internet, 2,27% referiram utilizar outras fontes e 6,25% não informou se faz uso de livro didático referente a Nutrição. Em relação ao conteúdo trabalhado em sala de aula sobre Alimentação Saudável (AS), 75,6% dos professores aborda sobre refeições equilibradas, 65,3% vitaminas e minerais, 56,2% os benefícios e malefícios das gorduras, 55,7% proteínas, 43,7% fast-foods e 36,4% alimentos funcionais e o fazem sob forma de projetos, pesquisa, textos, aulas dissertativas e outros recursos, como mostra a Figura 2. 9

10 Figura 2 Para trabalhar o tema AS, 89,8% dos professores referem que devem ter conhecimentos prévios em alimentos, 94,4% em nutrientes, 86,4% em doenças causadas pela má alimentação, 57,4% saber o perfil da população brasileira, 69,3 em obesidade, 71% em desnutrição, 49,4% em assuntos da atualidade e 8,5% em outros temas. Quando levantado se a Rede de Ensino (RE) oferece cursos de capacitação em nutrição e alimentação, 76,7% dos professores responderam que não, apenas 10,8% dos professores responderam que a RE oferece cursos voltados para alimentação saudável, 4% responderam que os cursos existentes eram voltados somente para as merendeiras da escola, 2,3% dos professores participaram do Projeto Merenda Legal oferecido pela RE, 1,1% participou de um curso de reaproveitamento dos alimentos e 0,5% têm cursos quando a escola solicita. Dos professores que participaram de cursos de capacitação em nutrição e alimentação, apenas 6,25% tiveram as expectativas atendidas, 62,5% não atendidas, 8,52% parcialmente atendidas e 22,72% não souberam informar, como mostra a Figura 3. 10

11 Figura 3 Foi questionado como os professores obtinham informações sobre Alimentação Saudável (AS). Os resultados podem ser vistos na Figura 4. É preocupante observar que 79,0% dos professores referiram que utilizam como meio de informação a TV, uma vez que, a maior parte das informações relacionadas a alimentos veiculadas na TV é de cunho comercial e frequentemente estimulam o consumo de alimentos com altos teores de sal, açúcar e gorduras. Figura 4 Na opinião de um dos professores, quando questionado sobre a percepção que ele tem de alimentação saudável e atitudes que um educador pode ter para motivação de hábitos saudáveis, referiu o seguinte as crianças desde pequenas estão acostumadas a comer errado. Não são estimuladas a fazer uma alimentação saudável e com isso, mundialmente falando, temos problemas sérissimos de saúde desde a infância, nós como educadores podemos incluir no currículo a obrigatoriedade de aulas com o tema. No geral as respostas 11

12 variam desde consumo de alimentos nutritivos e seu bom aproveitamento a uma alimentação bem fracionada como mostra a Figura 5. Figura 5: Quando questionados quanto ao que é possível realizar como educadores para motivarem seus alunos a cuidarem de sua alimentação, os professores responderam: ministrar cursos aos pais dos alunos (5,11%), aulas teóricas e práticas (32,95%), motivação de hábitos saudáveis (15,34%), projetos (3,41%), melhoria da merenda escolar e sua divulgação (3,41%), políticas públicas (4,54%) e não informado (35,23%). 5- DISCUSSÃO No presente estudo, observou-se que existe uma grande variabilidade de tempo do exercício da profissão entre os professores, sendo entre menos que um ano a mais que vinte e um anos e, os cursos realizados para exercer a profissão variam desde pedagogia (48,3%) a magistério (9,66%). Um estudo de Fernandez (2008), mostrou que 70,1% dos professores cursaram pedagogia, 5,2% magistério e 39,7% dos professores estavam cursando o ensino superior na época da coleta de dados do estudo. Rodrigues (2008) enfatiza a importância de aulas práticas para o aprendizado, desenvolveu um estudo que teve como proposta um modelo de atividade pedagógica de educação nutricional e observou que as crianças tornaram-se mais curiosas com relação a hortaliças e incentivavam os pais em casa pedindo saladas, estimulando assim seu consumo. 12

13 Em relação as fontes de consultas sobre Alimentação Saudável as respostas variaram entre televisão, jornais, livros, cursos e outros, lembrando que o público telespectador sofre grande influência midiática e deve-se tomar cuidado quanto a verosimilidade das informações, pois a velocidade de pesquisas referente a área de alimentação vem crescendo, consequentemente surgem controvérsias. Este estudo encontrou como principais fontes de consultas sobre o tema AS a televisão, o jornal e livros, 79,0%, 66,5% e 53,4% respectivamente. Em estudo realizado por Fernandez (2008), o livro de ciências fornecido pela RE foi a principal fonte de consulta, seguido de jornais e revistas de grande circulação, em terceiro lugar as revistas de alimentação, em quarto lugar os programas de televisão e por fim profissionais de saúde e manuais técnicos. Em relação aos conceitos que os professores têm sobre o que é ter uma AS e sua importância, a maior parte dos professores não responderam a questão, seguido de consumo de alimentos nutritivos e bons hábitos alimentares, prevenção de doenças, desenvolvimento físico e sócio-cultural. Boog (2002) também descreve a importância dos fatores econômicos, sociais e culturais inseridos na alimentação, sendo esta, portanto, considerada uma análise conjunta e não fatores individuais. A maioria dos professores referiu não ter tido cursos de capacitação em nutrição e alimentação (76,7%), sendo esta ferramenta de grande relevância, pois os educadores são os fornecedores de conhecimento. Schmitz e col. (2008) refere em seu estudo o sucesso de ações educativas em relação a alimentação saudável, não só para professores, como também para donos de cantina escolar. Para facilitar a construção de conhecimentos foram realizadas palestras interativas, discussões, atividades dinâmicas, aulas práticas, jogos, peças teatrais, etc. Um estudo de Yokota e col. (2010) com 2 grupos, sendo o primeiro grupo de profissionais capacitados (nutricionistas) e o segundo grupo de professores que receberam cursos e oficinas de capacitação, ambos realizaram atividades de educação nutricional em seus respectivos grupos de alunos. O resultado foi positivo em ambos os grupos, pois contribuíram efetivamente na transmissão de conhecimentos sobre nutrição. A autora sugere a 13

14 importância do nutricionista como um multiplicador de conhecimentos de hábitos alimentares saudáveis no ambiente escolar. Um fator que deve ser levado em consideração é a educação nutricional juntamente com o ambiente em que se vive, ou seja, planejar ações educativas de acordo com a realidade do educando, proporcionando um nível maior de abstração do conteúdo programático tendo assim, maiores chances de sucesso (BOOG, 2010). A educação nutricional em escolas promove melhorias nos hábitos alimentares dos alunos, mas deve-se levar em consideração políticas públicas para que essas ações sejam contínuas e não ações isoladas em determinado tempo. 6- CONCLUSÃO No estudo conclui-se que apesar das dificuldades para conseguirem trabalhar sobre alimentação e nutrição como falta de material didático, orientação pedagógica, falta de conhecimentos sobre o tema, entre outros, a maior parte dos professores abordam o tema com seus alunos desenvolvendo textos, pesquisas, aulas práticas como culinária e horta, etc. Entretanto, não há cursos de capacitação e orientação de profissionais suficientes para auxiliálos na construção de conhecimentos relacionados a alimentação saudável. Assim os educadores buscam informações e conhecimentos por meio de jornais, revistas, TV, livros e poucos através de cursos. Com este estudo observa-se a necessidade de propostas políticas com ações diretas que visem o aprimoramento de conhecimento dos educadores da Rede de Ensino para que assim possam contribuir com mudanças reais nos hábitos alimentares mais saudáveis dos futuros cidadãos do país. 14

15 REFERÊNCIAS 57ª Assembléia Mundial de Saúde. Estratégia global em alimentação saudável, atividade física e saúde; Batista Filho, Malaquias; Rissin, Anete. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Caderno de Saúde Pública: v.19, n.1, p , Boog, Maria CF. Educação nutricional: Por que e para que?. Jornal da Unicamp [periódico eletrônico]. Campinas, p. Disponível em: < Acesso em: 7 jun, BRASIL. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Portaria Interministerial MS/MEC nº de 8 de maio de Brasil. Ministério da Saúde. Manual operacional para profissionais de saúde e educação: Promoção da alimentação saudável nas escolas. Brasília, p. Disponível em: < 13 >. Acesso em: 10 jun BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília, Disponível em: [2010 abr 29]. Brito, Fausto. A transição demográfica no Brasil: as possibilidades e os desafios para a economia e a sociedade. In: Cedeplar, Face, UFMG. A transição demográfica e as políticas públicas no Brasil. Belo Horizonte, p , Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar (CECANE) - Região Sudeste. Idéias para promover a alimentação saudável na escola. Universidade Federal de São Paulo, Davanço, Giovana M.; Taddei, José A.A.C.; Gaglianone, Cristina P. Conhecimentos, atitudes e práticas de professores expostos e não expostos a Curso de Educação Nutricional. Revista de Nutrição, v.17, n.2, p ,

16 FERNANDEZ, Patrícia Martins; SILVA, Denise Oliveira e. Descrição das noções conceituais sobre os grupos alimentares por professores de 1ª a 4ª série: a necessidade de atualização dos conceitos. Ciências e Educação, Bauru, v. 3, n. 14, p , Macedo Irene C, Cervato Ana M, Gambardella Ana MD. Estratégias de capacitação nutricional para professores de educação infantil. Revista Nutrição Brasil. V.7 n.1, p , Pinheiro, Anelise R.O.; Freitas, Sérgio F.T.; Corso, Arlete C.T. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Revista de Nutrição: v.17, n. 4, p , Pipitone, Maria A.P; e col. A educação nutricional no programa de ciências para o ensino fundamental. Saúde em Revista: v.5, n.9, p.29-37, RODRIGUES, Lívia Penna Firme; RONCADA, Maria José. Educação nutricional no Brasil: evolução e descrição de proposta metodológica para escolas. Com. Ciências Saúde, Brasília, v. 4, n. 19, p , SCHMITZ, Bethsáida de Abreu Soares et al. A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis: uma proposta metodológica de capacitação para educadores e donos de cantina escolar. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 2, n. 24, p , Schramn, Joice M.A.; e col. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva: v.9, n.4, p , SISVAN Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. Brasília. Disponível em: < php>. Acesso em: 05 mai SOUZA, Eliana Carla Gomes et al. O papel da escola na formação do bom hábito alimentar. Revista Nutrição Brasil, Minas Gerais, v. 2, n. 6, p.64-67, mar Toscano, Cristiana M. As campanhas nacionais para detecção das doenças crônicas nãotransmissíveis: diabetes e hipertensão arterial. Ciência e Saúde Coletiva. V.9, n.4, p ,

17 YOKOTA, Renata Tiene de Carvalho et al. Projeto "a escola promovendo hábitos alimentares saudáveis": comparação de duas estratégias de educação nutricional do Distrito Federal, Brasil. Revista de Nutrição, Campinas, v. 1, n. 23, p.37-47, jan

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES INTRODUÇÃO Bruna Barreto da Costa Cristina Faria de Souza Moreira Rafael Lima da Cruz Laudicéia Soares Urbano Embora a existência de creches

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS.

O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS. O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Andressa Luíssa França Borralho (Licenciando em Ciências da Natureza - UFPI),

Leia mais

AVALIANDO E CONSCIENTIZANDO HÁBITOS SAUDÁVEIS NA CRECHE PÚBLICA EM CAMPINA GRANDE-PB

AVALIANDO E CONSCIENTIZANDO HÁBITOS SAUDÁVEIS NA CRECHE PÚBLICA EM CAMPINA GRANDE-PB AVALIANDO E CONSCIENTIZANDO HÁBITOS SAUDÁVEIS NA CRECHE PÚBLICA EM CAMPINA GRANDE-PB Elvira Bezerra Pessoa Profª Dra.Universidade Estadual da Paraíba bioelvira@gmail.com Adeilson Paulino de Barros Graduando

Leia mais

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento 9 Estilo de Vida Ativo: A Importância do Estímulo por parte dos Adultos Erika da Silva Maciel Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos - USP Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS Vanessa dos Santos Ortega Jéssica de Paula Francisco Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO As crianças estão entre as populações

Leia mais

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Introdução As ações educativas de promoção da saúde nas escolas remontam ao século passado,

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG.

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. 1.0 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar o conceito

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS Nayara Andrade de Oliveira 1, Vivian Rahmeier Fietz 2, Emmanuela Alves Inácio Carvalho 1 Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade Universitária de Dourados;

Leia mais

Título: Autoras: Unidade Acadêmica: Endereço eletrônico: Palavras-chave: Introdução

Título: Autoras: Unidade Acadêmica: Endereço eletrônico: Palavras-chave: Introdução Título: Ações de alimentação e nutrição em escolas participantes do Programa Saúde na Escola: proposta de instrumento de coleta de dados. Autoras: Maria Janaína Cavalcante NUNES; Estelamaris Tronco MONEGO;

Leia mais

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A obesidade é uma das patologias nutricionais que mais tem apresentado aumento em seus números, não apenas nos países ricos, mas também nos países industrializados. Nos últimos anos,

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ANÁLISES DE UM PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM UM CURSO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA MODALIDADE

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Ariana Aparecida Soares Leonel 1 Ana Paula Ferreira 2 Natália Pereira Inêz 3 Frank José Silvera Miranda 4 RESUMO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos

Prefeitura Municipal de Santos Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Seção de Suplência/ SESUPLE Parceiros do Saber Projeto de alfabetização de Jovens e Adultos Justificativa

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA EDUCAÇÃO FÍSICA: ANALISE DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Autor: Marcus Vinicius Candido de

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹

PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹ 453 PAPEL DO NUTRICIONISTA NO SISTEMA DE SAÚDE¹ Aparecida Elaine de Assis Cardoso 2, Jacira Francisca Matias 2, Mônica de Paula Jorge 2, Jaqueline Miranda 2, Maria Aparecida Resende Marques 2, Luciana

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO Deise Sachetti Pinar,Maria José Gomes Moreira de Miranda 2, Sumiko Hagiwara Sakae 3 Orientadora: Drª. Maria Tereza

Leia mais

A ESCOLA PROMOVENDO HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS: PROPOSTA DE ESTRATÉGIAS DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL

A ESCOLA PROMOVENDO HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS: PROPOSTA DE ESTRATÉGIAS DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL A ESCOLA PROMOVENDO HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS: PROPOSTA DE ESTRATÉGIAS DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL CRISPIM, Nara Rúbia Diniz 1,2, FIDELES, Mariana Cândido 1,3, MARTINS, Karine Anusca 4,5 ;

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

ALTERNATIVA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ALIMENTOS INTEGRADA COM A PIRÂMIDE ALIMENTAR BRASILEIRA

ALTERNATIVA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ALIMENTOS INTEGRADA COM A PIRÂMIDE ALIMENTAR BRASILEIRA ALTERNATIVA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ALIMENTOS INTEGRADA COM A PIRÂMIDE ALIMENTAR BRASILEIRA Lucas da Silva Monção¹; Antonio Alves Viana Neto¹; Bruno Gabriel Nunes Pralon² 1 Bolsistas PIBID da Universidade

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Promoção da Saúde. Educação em Saúde. Lúdico. Aprendizagem.

PALAVRAS-CHAVE Promoção da Saúde. Educação em Saúde. Lúdico. Aprendizagem. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA

AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA AÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NA PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS ENTRE ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A ESCOLA Margareth Machado e Silva Sousa (1), Maria Rizoneide Araújo Belarmino

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA Andréa Ott 1, Arléia Maria Gassen 1, Catiana de Moura Morcelli 1, Elisângela Maria Politowski 1, Débora Krolikowski 2 Palavras-chave: nutrição humana, criança, saúde. INTRODUÇÃO

Leia mais

PESQUISANDO O QUARTEL DO XX:

PESQUISANDO O QUARTEL DO XX: PESQUISANDO O QUARTEL DO XX: Um Olhar Sobre a Experiência de Integração Curricular no Curso de Conservação e Restauro na Modalidade EJA Renata Tavares de Brito Falleti* Diante do contexto pedagógico conflitante

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DAS PROPRIEDADES DE POTÊNCIAS

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DAS PROPRIEDADES DE POTÊNCIAS A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO ENSINO DAS PROPRIEDADES DE POTÊNCIAS Felipe de Almeida Duarte Bolsista PIBID 1 - UTFPR Campus Cornélio Procópio felipeaduart@hotmail.com Marila Torres de Aguiar Bolsista PIBID¹

Leia mais

A Horta Escolar como Eixo Gerador de Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável

A Horta Escolar como Eixo Gerador de Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável A Horta Escolar como Eixo Gerador de Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável MARIA DO CARMO DE ARAUJO FERNANDES Consultora Principal TCP/BRA/3003 SITUAÇÃO NUTRICIONAL

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A INTERDISCIPLINARIDADE COM O POEMA: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL I

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A INTERDISCIPLINARIDADE COM O POEMA: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL I EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A INTERDISCIPLINARIDADE COM O POEMA: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL I RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães¹; CAMPELO, Luciana Galdino de Azevedo²; ARAÚJO, Albanira

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural SENAR-AR/CE

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural SENAR-AR/CE Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROGRAMA AGRINHO: TEMA SAÚDE Qual a importância da discussão da saúde para nossa comunidade? A população da nossa comunidade tem problemas de saúde? Quais? Essa população

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO MONIKE CRISTINA SILVA BERTUCCI Universidade Federal de São Carlos mobertucci@yahoo.com.br RESUMO Este artigo relata uma

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS Alyson Fernandes de Oliveira 1 Hanna Maia Marques de Mello 2 Ana Paula de Almeida Saraiva Magalhães 3 Renata Emiko Basso Hayashi 4 Resumo: Com o elevado

Leia mais

PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS

PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS RESUMO Maria Márcia Melo de Castro Martins 1 Leandra Fernandes Nascimento 2 Maria Gorete de Gois 3

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA

FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ARTE-EDUCAÇÃO 1. Nome do Curso e Área do Conhecimento Curso de Especialização Lato Sensu

Leia mais

COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas. Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852

COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas. Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852 COMUNICAÇÃO SOCIAL: Habilitação em Relações Públicas Beatriz Alves Corrêa Nº USP: 7165852 CBD0282 Formas, Estados e Processos da Cultura na Atualidade A USP hoje e daqui a 20 anos SÃO PAULO JULHO DE 2014

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

Prova de qualidade. Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença EDUCAÇÃO

Prova de qualidade. Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença EDUCAÇÃO Prova de qualidade Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença Algumas ações simples, mas de grande eficiência, podem explicar por que alunos do SESI Por um Brasil Alfabetizado

Leia mais

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA Amanda Aparecida Rocha Machado Universidade Federal do Triângulo Mineiro E-mail: amandamachado_56@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE DE MÚSICA CARLOS GOMES

FACULDADE DE MÚSICA CARLOS GOMES FACULDADE DE MÚSICA CARLOS GOMES MANTIDA PELA ARTE E MÚSICA LTDA. REGULAMENTO DE ESTÁGIO APRESENTAÇÃO O Núcleo de Coordenação de Estágios tem por objetivo propiciar orientações praticas sobre o estágio

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA Luiz Cleber Soares Padilha Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande lcspadilha@hotmail.com Resumo: Neste relato apresentaremos

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR EM MATEMÁTICA RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA GESTAR II Sidnei Luís da Silva Escola Municipal Vereador Benedito Batista Congatem - MG sidneiluisdasilva@yahoo.com.br Camila

Leia mais

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR.

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. Autores: FRANCISCO MACHADO GOUVEIA LINS NETO e CELIA MARIA MARTINS DE SOUZA Introdução Atualmente,

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Patrick Pedreira Silva patrick.silva@usc.br Universidade Sagrado Coração, Centro de Ciências Exatas

Leia mais

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ISSN 2177-9139 O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS Edimar Fonseca da Fonseca edyyfon@yahoo.com.br Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Caçapava do

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

ÉTICA HUMANA E O CUIDADO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UM ESTUDO COM PROFESORES DA DISCIPLINA

ÉTICA HUMANA E O CUIDADO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UM ESTUDO COM PROFESORES DA DISCIPLINA ÉTICA HUMANA E O CUIDADO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UM ESTUDO COM PROFESORES DA DISCIPLINA Heraldo Simões Ferreira 1 Felipe Nogueira Catunda 2 Universidade Estadual do Ceará (UECE) - Fortaleza Ceará Brasil.

Leia mais

ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS

ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS ESTIMULANDO A PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E BONS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS SILVA 1,Sabrina RadamesFerreira MASSA 2, Joquebéde Barbosa OLIVEIRA 2, Anderson Juliano

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG 369 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG Jacira Francisca Matias 2 Jaqueline Miranda Lopes 2, Eliene da Silva Martins Viana 3 Resumo: A formação dos hábitos

Leia mais

DOCUMENTO NORTEADOR PARA COMISSÕES DE AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSO DE PEDAGOGIA

DOCUMENTO NORTEADOR PARA COMISSÕES DE AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSO DE PEDAGOGIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DO ENSINO DE PEDAGOGIA

Leia mais

PAULA REGINA CAMPOS NUTRIÇÃO E SAUDE PUBLICA

PAULA REGINA CAMPOS NUTRIÇÃO E SAUDE PUBLICA PAULA REGINA CAMPOS NUTRIÇÃO E SAUDE PUBLICA ...O grande valor do trabalho associativo se faz notar quando a competição é substituída pela concorrência conjunta e solidária. Concorrer, nesse caso, significa

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO.

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ZAGO, Márcio Fernando Cardoso 1 ; COUTO, Daiane Borges Sousa do 2 ; SILVEIRA, Nusa

Leia mais

I FÓRUM OBSERVATÓRIO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BATATAIS

I FÓRUM OBSERVATÓRIO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BATATAIS I FÓRUM OBSERVATÓRIO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BATATAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BATATAIS PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR Introdução OBERJAN ROCHA KOZAN FABIANA LEIFELD RAFAEL TRENTIN SCREMIN FACULDADE SANT ANA, PONTA GROSSA/ PARANÁ/ BRASIL oberjan_15@hotmail.com O objeto de

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

Nathallia Maria Cotta e Oliveira 1, Larissa Marques Bittencourt 1, Vânia Mayumi Nakajima 2

Nathallia Maria Cotta e Oliveira 1, Larissa Marques Bittencourt 1, Vânia Mayumi Nakajima 2 105 CARACTERIZAÇÃO DOS PACIENTES ATENDIDOS NO SETOR DE NUTRIÇÃO DA UNICLÍNICA, DA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - UNIVIÇOSA, LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG Nathallia Maria Cotta e

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA Resumo MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Clara Celina Ferreira Dias Universidade Federal de Santa Maria UFSM claracelinafd@professor.rs.gov.br

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores O CURSO DE EXTENSÃO DA UNIRIO EDUCAÇÃO INFANTIL: ARTE, CORPO E NATUREZA : RELATO DE EXPERIÊNCIA.

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS Mirian Vieira Batista Dias Universidade Federal de São Carlos/Secretaria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Angélica Aparecida De Almeida 2, Ligia Beatriz Bento Franz 3, Mabili Tresel Freitas 4, Vanessa Huber Idalêncio 5. 1 Pesquisa Institucional

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: CONSCIENTIZAÇÃO DOS ADOLECENTES SOBRE AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES E OS MEIOS DE PREVENÇÃO

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: CONSCIENTIZAÇÃO DOS ADOLECENTES SOBRE AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES E OS MEIOS DE PREVENÇÃO EDUCAÇÃO EM SAÚDE: CONSCIENTIZAÇÃO DOS ADOLECENTES SOBRE AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES E OS MEIOS DE PREVENÇÃO BRAGA 1, Valdir. Professor colaborador. FRANÇA-SILVA 2, Maria S. Professor orientador. MONTENEGRO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

Nome da Ação 1.2: Descrição da Ação 1.2: Nome da Ação 1.3: Descrição da Ação 1.3: Nome da Ação 1.4: Descrição da Ação 1.4:

Nome da Ação 1.2: Descrição da Ação 1.2: Nome da Ação 1.3: Descrição da Ação 1.3: Nome da Ação 1.4: Descrição da Ação 1.4: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Cassilândia 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO DO PROJETO:

PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO DO PROJETO: PROJETO DE ETENSÃO TÍTULO DO PROJETO: Educação nutricional para promoção de uma alimentação saudável NATUREZA: ( ) Pesquisa ( x) Extensão / Local: Fundação Metodista DOCENTES: Titular: ( ) Doutor ( x )

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais