MONITORAÇÃO DE REDES E SISTEMAS DE SUPERVISÃO ATRAVÉS DE PROTOCOLO SNMP NO SAGE CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA - CEPEL BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAÇÃO DE REDES E SISTEMAS DE SUPERVISÃO ATRAVÉS DE PROTOCOLO SNMP NO SAGE CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA - CEPEL BRASIL"

Transcrição

1 MONITORAÇÃO DE REDES E SISTEMAS DE SUPERVISÃO ATRAVÉS DE PROTOCOLO SNMP NO SAGE DANIEL A. M. VILLELA AYRU L. OLIVEIRA FILHO CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA - CEPEL BRASIL RESUMO Em sistemas industriais como no caso do setor elétrico, a comunicação de dados para os sistemas de supervisão e de controle requer alta confiabilidade. Ferramentas de gerência de rede podem ser utilizadas para, através de aplicativos baseados em protocolos como SNMP, monitorar a infra-estrutura do sistema de supervisão e controle e até mesmo o próprio sistema de supervisão e controle. O objetivo de gerência de infra-estrutura de sistemas de supervisão encontra-se no esforço desenvolvido para padronização de objetos de gerência pela organização International Electrotechnical Commission (IEC) em norma integrante da série IEC [1][2]. Este artigo apresenta o trabalho realizado pelo CEPEL para capacitar o Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia (SAGE) a monitorar equipamentos de rede em sistemas SAGE e também a permitir que o próprio SAGE possa ser monitorado remotamente utilizando ferramentas com protocolo SNMP. Este trabalho teve origem por iniciativa de projeto P&D ANEEL (Monisup Monitoração de Redes em Sistemas de Supervisão) apoiado por CHESF, FURNAS, ELETRONORTE e ELETROSUL. Este artigo apresenta os conceitos desenvolvidos, descreve a implementação dos produtos gerados durante o projeto e ainda descreve resultados obtidos em testes. Os resultados foram satisfatórios e os produtos concebidos ao longo do projeto encontram-se disponíveis para os usuários do SAGE em todo Brasil. PALAVRAS CHAVE Gerência SNMP, Monitoração SCADA, Sistemas de Supervisão e Controle (*)Av. Horácio Macedo, 354, Cidade Universitária Rio de Janeiro, RJ, CEP Tel.: (21) r FAX: (21)

2 1. Introdução Um sistema de supervisão e controle está relacionado não somente aos equipamentos elétricos propriamente ditos como, por exemplo, disjuntores, transformadores, chaves seccionadoras etc., mas também a equipamentos necessários ao sistema de comunicação de dados e à infra-estrutura computacional tais como roteadores, switches, servidores, estações de operação, etc. Um problema em centros de supervisão e controle decorre da necessidade de manutenção desta infra-estrutura computacional e de comunicação. Em muitos casos, subestações são operadas apenas remotamente, sem a presença de operador no local. Nestes casos, como garantir que todos os equipamentos da infra-estrutura estão funcionando corretamente, em especial os equipamentos redundantes, utilizados no caso de falhas no equipamento principal? Também é importante saber se todos os processos do sistema SCADA estão funcionando normalmente, se há disponibilidade de capacidade computacional e, também, se os canais de comunicação com os equipamentos e sistemas remotos estão respondendo conforme esperado. O SAGE é um sistema EMS/SCADA com capacidade de se comunicar com diversos equipamentos de campo como UTRs, concentradores de dados, relés de proteção e também com outros sistemas SCADA [3]. Possui extensa biblioteca de protocolos implementada em seu código, que permite obter informações sobre o estado de equipamentos em campo (disjuntores, chave seccionadora etc.) de forma remota como parte das operações de supervisão e controle. Um primeiro objetivo neste trabalho foi incorporar ao SAGE mecanismos para monitoramento de infra-estrutura (roteadores, firewalls, terminal servers etc.) de comunicação de dados de sistemas SCADA. Desta forma, informações sobre a infraestrutura computacional e de comunicação passam a integrar a base de dados do sistema supervisório da mesma forma que as informações obtidas do sistema elétrico supervisionado. Estas novas informações são agora tratadas pelos mesmos mecanismos SCADA, sendo possível sua exibição em telas, geração de alarmes relacionados, armazenamento em bases históricas etc. Neste sentido, o protocolo SNMP [4][5], elaborado no âmbito do IETF (Internet Engineering Task Force) para suprir necessidades de monitoramento de redes de computadores de forma genérica, é adequado para gerência de rede de comunicação de dados de centros de controle e subestações. O protocolo SNMP pode ser utilizado para inquirir equipamentos gerenciáveis como roteadores, terminal servers e estações com funções de gateway de comunicação ou função IHM (Interface Humano-Máquina). Um primeiro objetivo deste trabalho foi incorporar ao SAGE capacidade para monitorar os equipamentos do próprio sistema de comunicação de dados. Em particular, suprir este objetivo já é de grande valia em sistemas de comunicação de dados das empresas de energia elétrica. Um segundo objetivo foi dotar o SAGE, como um sistema EMS/SCADA, da capacidade de oferecer informações sobre seu próprio funcionamento para fins de monitoração remota e controle através de software externos de gerência SNMP. Por exemplo, um interesse seria monitoramento do SAGE em operação em uma subestação de forma remota a partir de um centro de controle. Para este objetivo, foi idealizado incorporar também ao SAGE um módulo que ofereça uma interface SNMP de maneira que o próprio sistema de supervisão informe sobre estado de ligações, estado de processos no sistema e outros dados. Foram implementados processos específicos como conversor de protocolos e transportador de protocolos SNMP que permitem configurar um sistema SAGE como ferramenta de gerência de rede, ou seja, como um gerente SNMP. Estes módulos são 2

3 responsáveis por requisições SNMP e tratamento de dados, como cálculo de médias, e inserção das informações na base de dados SCADA. Foram desenvolvidos uma descrição (MIB-SAGE) de informações sobre sua própria operação que o SAGE tem capacidade de reportar e um agente SAGE SNMP que implementa a interface SNMP para reportar tais informações. O projeto incluiu desde a concepção de gerência de redes em um sistema SCADA, passando por sua implementação, testes em campo em instalação da CHESF. Os objetivos foram plenamente satisfeitos, sendo que as funcionalidades mencionadas já se encontram em operação em alguns centros de controle suportados pelo SAGE. 2. SNMP aplicado a um sistema SCADA 2.1. Modelo SCADA no SAGE Informações de monitoração de sistema em um sistema SCADA encontram-se armazenadas em pontos. Pontos correspondem, portanto, a medidas que são armazenadas em tabela de banco de dados de um sistema SCADA. Em uma situação ideal, apenas um protocolo seria utilizado para monitoração de medidas. No entanto, é comum ter infra-estrutura heterogênea onde mais de um protocolo é usado para monitorar equipamentos. O SAGE como sistema SCADA possui uma estrutura própria em sua base de dados para armazenar pontos. Ao monitorar equipamentos, atributos de configuração de pontos para protocolos específicos fazem parte das entradas em tabelas referentes a pontos. Por uma questão de isolamento, o modelo de dados do SAGE prevê que informações com informações específicas de protocolos estão armazenadas em pontos físicos. Informações que são independentes dos protocolos são armazenadas em pontos lógicos. No SAGE, existe um processo responsável por atuar como gerente de aquisição de dados e de controle, o processo sac. O processo sac é o componente da arquitetura SAGE que armazena dados referentes a pontos lógicos. Ao requisitar monitoração que envolvem pontos físicos, torna-se necessário fazer a devida monitoração usando-se um processo, cujo tipo é chamado conversor de protocolo, que entende a configuração dos protocolos associados a estes pontos físicos. Estes processos monitoram dados e entregam a informação ao sac que as armazena em pontos lógicos. Conversores de protocolo são responsáveis também por várias outras tarefas, como controlar intervalos de tempo para espera (timeouts) e encarregar-se de trocar unidades remotas para monitoramento (procedimento chamado failover). Os pontos lógicos podem ser distribuídos para uma entidade em outro sistema de supervisão utilizando-se um protocolo distinto do que foi utilizado durante a monitoração. Por este comportamento de receber dados em formato específico de um protocolo e repassar a uma estrutura que pode ser convertida para qualquer outro protocolo, estes processos são chamados conversores de protocolo. Um exemplo é a aquisição de dados de IEDs que respondem via IEC Os dados são armazenados em estrutura interna do SAGE e possivelmente são distribuídos em outro protocolo como ICCP para distribuição entre centros de controle. Portanto, neste caso, há um conversor de protocolo que tem capacidade de entender configuração para IEC e na distribuição há um conversor de protocolo com capacidade para entender ICCP. Por questões de isolamento de funcionalidade, as requisições de protocolo propriamente ditas são feitas ainda por um outro tipo de processo denominado transportador de protocolo que atua em conjunto com o conversor de protocolo. 3

4 O processo gcd cuida da instanciação em rede de múltiplos processos, como por exemplo os processos conversores de protocolo, processo sac e outros. Em caso de um processo encerrar execução por motivo espúrio, o gcd tem capacidade para ordenar outro nó na rede de sistema de supervisão para assumir o controle. Como o SAGE é um sistema de monitoração de tempo-real, durante operação de um sistema os dados estão armazenados em memória compartilhada distribuída, também chamada base de dados de tempo real. Em um único sistema SAGE, múltiplas máquinas podem estar configuradas para atender este sistema. Dentro dos conceitos de arquitetura do SAGE, todas as máquinas configuradas têm capacidade de acessar a base de tempo real que é global para todos os elementos do sistema Protocolo SNMP em um sistema SCADA O protocolo SNMP baseia-se no paradigma cliente-servidor comum a vários protocolos. No caso do SNMP, no entanto, a terminologia é diferenciada falando-se em gerente SNMP e agente SNMP. O gerente requisita informações ao agente através de pedidos SNMP. Trata-se, portanto, de um cliente. O agente serve informações aos pedidos de um ou mais clientes. Trata-se, portanto, de servidor. A forma como as informações são estruturadas é definida por um conjunto de metainformação chamado Management Information Base (MIB). As MIBs têm como objetivo armazenar informações gerenciais relativas a dispositivos habilitados para comunicação em rede. Estas informações são organizadas e disponibilizadas de maneira padronizada na MIB. Isso é feito de modo que informações específicas possam ser consultadas por um ou mais gerentes SNMP, bastando que a estrutura da MIB seja conhecida pelo gerente que fará a consulta. Uma MIB é descrita em linguagem própria para definir meta-informação para acesso a um agente SNMP. Portanto, ao especificar que determinada implementação de agente SNMP tem suporte a MIB HOST-Resources, por exemplo, está dito que o agente é capaz de responder a requisições SNMP referentes às informações especificadas na MIB. Em uma MIB a meta-informação é estruturada em forma hierárquica, mais especificamente em árvore. Cada nó recebe um número seqüencial dentre todos os nós oriundos de um mesmo nó-ancestral. Cada informação é, portanto, descrita por um identificador único global, Object Identifier (OID), cuja notação é justamente a seqüência de números relativos aos nós atravessados até chegar à folha que representa a informação. O OID para uma determinada informação como tempo de operação de uma máquina é encontrado na MIB e é utilizado como interface do protocolo para obter o tempo de operação de uma máquina a um agente SNMP. Por exemplo, o OID para referenciar o tempo de operação de um agente SNMP em um elemento de rede é definido na MIB II como Para requisitar o tempo de operação de um agente é necessário construir uma mensagem GET utilizando como referência o OID , que é a referência para esta informação na MIB II. Há naturalmente que se preencher a mensagem com endereçamento e outros detalhes. Mas para o agente SNMP, a referência do OID é suficiente para determinar o que deve ser informado ao cliente. O agente SNMP então busca a informação requisitada, no caso o tempo de operação, e envia uma resposta ao cliente. Estas mensagens permitem fazer monitoração periódica (polling) de um conjunto de informações. Existem ferramentas de gerência que permitem configurar um conjunto de informações a serem monitoradas e, então, se encarregam de realizar monitoração periódica, eventualmente emitir alarmes, relatórios etc. Como os tipos de mensagens definidos permitem efetuar consultas periódicas, um sistema SCADA, em particular o SAGE, pode assumir a monitoração de equipamentos de 4

5 rede de comunicação de dados do próprio sistema de supervisão. A metodologia é implementar funções dentro do SAGE que possuam caráter de gerente SNMP, ou seja, possam fazer pedidos e monitorar equipamentos. Juntamente com características já implementadas no SAGE como recursos de alarmes, distribuição de dados, tal implementação permite utilizar o SAGE como uma ferramenta de gerência. Para tal, é necessário definir as informações a serem monitoradas em uma base de dados com configuração de medidas, alarmes, etc. e elaborar telas para visualização de medidas. Uma outra capacidade adicional a um sistema SCADA diz respeito a poder monitorar o SAGE como sistema, de modo a obter informação sobre status de ligações entre centros de controle, status de ligações entre operação e unidade terminal remota, taxa de mensagens enviadas e outros tipos de informações. Para tal, é necessário ao SAGE responder requisições vindas de gerentes SNMP por informações do próprio SAGE. Portanto, sob esta perspectiva, o SAGE opera como um agente SNMP. 3. Módulo agente SNMP para o SAGE Como informações são disponibilizadas a gerentes SNMP através da definição de MIBs, para o SAGE é necessário definir a estrutura da MIB-SAGE usando a Structure of Management Information [6]. Esta estrutura, assim como outras MIBs privadas, tem sua raiz localizada em iso.org.dod.internet.private.enterprises. Dessa forma, foi obtido junto ao órgão internacional competente (Internet Assigned Numbers Authority - IANA) um identificador para a localização de todas as informações disponíveis na MIB-SAGE: iso.org.dod.internet.private.enterprises.cepel.sage ( ) O documento que compõe a MIB do SAGE contém mais de linhas e está disponível a público. Como exemplos, as informações disponíveis na MIB do SAGE são: o o o o o Status dos Processos do SAGE Variáveis de Ambiente: informa o valor corrente de várias variáveis de ambiente relacionadas ao software SAGE. Informações sobre ligações SCADA: status, identificador, nomes de ligação, tipo de conversor de protocolo associado e outras informações. Informações sobre nós no sistema SCADA: status, identificador, número de processos em execução e outras informações. Informações sobre equipamentos de monitoração: status, equipamento reserva ou principal e outras informações 3.1. Processo Agente SNMP Para disponibilizar as informações gerenciais descritas, é necessário que haja na rede SAGE um agente SNMP em execução com funcionalidade para responder a requisições sobre a MIB-SAGE. Esse agente pode ser executado em qualquer um dos nós da rede SAGE, podendo também ser executado em mais de um nó simultaneamente. O funcionamento básico do agente consiste em receber uma mensagem SNMP (get) contendo um dos OIDs da MIB-SAGE, executar os procedimentos necessários para a geração / obtenção da informação correspondente e, finalmente, enviar uma mensagem (get-response) para o gerente contendo a informação propriamente dita. Vale ressaltar que a resposta obtida por um gerente através de uma consulta à MIB-SAGE independe do agente consultado. Isso acontece porque as informações são obtidas, em última análise, através de consultas por parte do Agente à base de tempo real do SAGE, que é única em toda a rede, podendo ser acessada por um ou mais Agentes localizados em um ou mais nós SAGE. 5

6 Portanto, a possibilidade de haver mais de um Agente em uma mesma rede SAGE pode ser vista como um mecanismo de redundância para aumentar a disponibilidade do sistema de gerenciamento da rede SAGE caso um Agente falhe. O agente foi implementado como um módulo do pacote open source NET-SNMP (http://www.net-snmp.org). O pacote NET-SNMP contém aplicativos de linha de comando para executar operações como GET, GETNEXT, SET, dentre outras. Contém também um agente SNMP com suporte a várias MIBs como por exemplo HOST-RESOURCES [ 7], MIB- II [8] e UCD-SNMP (http://www.net-snmp.org). O agente foi implementado como um módulo do agente NET-SNMP que é inserido como um plugin ao instanciar o agente. Como o agente depende da base de dados de tempo real e é controlado pelo processo gcd, caso o SAGE saia de operação, o processo também sai de operação. Em máquinas que fazem parte de uma rede SAGE, caso informações independentes do SAGE sejam de interesse em ser monitoradas, o recomendado é instanciar um segundo agente SNMP que não carregue o módulo SAGE SNMP, de forma que mesmo que o SAGE não esteja em operação, seja ainda possível monitorar informações como taxa de transmissão em rede, consumo de memória, tempo de operação etc. Foi também implementado um módulo adicional e opcional para informar se o SAGE está em execução. Como o SAGE é um sistema distribuído, o conceito de estar em execução pode gerar algumas dúvidas. As duas opções adotadas são informar se o gerente de memória distribuída (gmcd) está em execução ou se há pelo menos uma ligação em atividade. Este módulo pode ser executado junto a um agente SNMP sem dependência da operação do SAGE. 4. Implementação de um conversor de protocolo SNMP e transportador de protocolo SNMP O objetivo do conversor de protocolo SNMP e do transportador de protocolo SNMP é tornar o SAGE capaz de monitorar equipamentos de rede e máquinas de um sistema supervisório, de modo que o SAGE tenha funcionalidade de gerente SNMP para requisitar informações dos equipamentos conectados à rede de tempo real. São possíveis de serem monitoradas as próprias máquinas onde o SAGE é executado no ambiente de tempo real, bem como os dispositivos genéricos de rede tais como roteadores, switches e servidores de terminais (terminal servers), desde que estes tenham capacidade de gerenciamento SNMP. O conversor de protocolo SNMP organiza a forma como as medidas configuradas serão monitoradas. Esta organização inclui número de tentativas a acessar determinada informação, tempo a esperar (timeout), dentre outras características, e também inclui o processamento de médias. As informações são armazenadas na base de dados de tempo real do SAGE BDTR seguindo modelos já utilizados de pontos digitais e analógicos e também de estruturas próprias do Sistema SAGE. Procura-se obter métricas que possam indicar reais problemas na rede. Por exemplo, um consumo de CPU elevado em um intervalo de 5 segundos não indica necessariamente um problema de limitação de CPU visto que a CPU de fato pode chegar a alta utilização por breves períodos de tempo, mas pode manter-se com baixo nível de consumo se for tomada a média em um intervalo mais amplo, por exemplo, 1 minuto. Portanto, para algumas medidas é interessante registrar suas variações de modo estatístico em diferentes escalas de tempo. Define-se então como medidas multiescalares aquelas que são calculadas em múltiplos intervalos de tempo. Para medidas multiescalares 6

7 o gerente deve recolher informações amostradas em intervalos de tempo. Com valores amostrados, o módulo de gerente pode então, por exemplo, calcular médias ou tomar valores máximos em determinado intervalo de tempo. O modelo multiescalar definido permite processamento de médias em 1 minuto, 10 minutos, 1 hora, e 1 dia. Outro tipo de medida é obtido calculando-se uma média móvel com pesos exponenciais (MMPE - média ponderada tomando-se o valor instantâneo da métrica desejada e valores anteriores, onde os pesos são dados por uma progressão geométrica). Uma maneira bem simples de realizar este cálculo é utilizar uma fórmula recursiva do tipo x k = a x + (1-a) x k-1, onde x é a medida instantânea, x k a medida obtida no k-ésimo intervalo de tempo e a é uma constante tal que 0 < a < 1. Em uma visualização gráfica da métrica calculada, o efeito de aplicar este cálculo é suavizar a curva dada pelos valores instantâneos. Desta forma, um valor instantâneo alto e valores recentes altos vão resultar em uma média alta, mas se os valores recentes forem baixos, a média será descontada de um fator dado por a. As medidas no passado têm um peso dado por uma potência de 1-a. Portanto, uma medida no k-ésimo intervalo de tempo terá um fator para medida no i-ésimo intervalo de tempo dado por (1-a) k-i. Como o valor de 1-a é menor do que 1, à medida que a medida é mais antiga (menor o valor de i) menor será o peso considerado para a média. Em resumo, valores antigos têm progressivamente menor peso no cálculo da média exponencial. O conversor também é capaz de computar não só dados instantâneos, mas também taxas em tempo ou diferença entre consultas em sequência. Um exemplo é taxa de transmissão em rede. Como a informação definida na MIB-II é o número de bytes transmitidos em uma interface desde entrada em operação, o conversor cuida de requisitar consultas e computar taxas dada a diferença entre consultas e sua razão pelo intervalo de tempo decorrido. A definição sobre o tipo de medida (taxa, diferença, instantânea etc.) é feita em configuração de base de dados. Dados também podem ser obtidos como função de um ou mais pontos obtidos pelo par conversor de protocolo e transportador de protocolo. Por exemplo, consumo de CPU é um valor estimado pela proporção entre o tempo utilizado pela CPU para os processos e o tempo total (tempo ocioso somado ao tempo de processos). No SAGE já há recursos próprios para realizar tal cálculo que é um ponto calculado, que se trata de um ponto lógico, mas com configuração especial para cálculo de uma ou mais parcelas. O transportador de protocolo SNMP é o processo que efetivamente faz as requisições SNMP e encaminha respostas ao conversor de protocolo. As respostas são tratadas de modo que os cálculos efetuados geram dados a serem colocados em pontos da base de dados. O conversor de protocolo possui interface com o processo SAC (serviço de aquisição e controle) de maneira a armazenar informações de pontos lógicos na base de dados. A implementação do conversor gsnmp e do transportador tsnmp foi realizada para serem dois processos distintos. A implementação é em linguagem C, com utilização de funções da biblioteca net-snmp. 5. Geração automática de base A configuração de base (pontos lógicos, pontos físicos e outras entidades do modelo de dados do SAGE) é um procedimento que demanda bastante tempo e requer conhecimento de OIDs para configuração de medidas a serem armazenadas em base de dados do SAGE. Torna-se uma facilidade uma ferramenta automática de geração de base para criar as entradas necessárias para várias tabelas do SAGE quando se deseja ter o SAGE como gerente SNMP de uma infra-estrutura computacional. Vale frisar que para apenas acessar o SAGE via SNMP, utilizando o agente SAGE SNMP sem configurar medidas a serem monitoradas, não é necessário gerar muitas entradas em tabelas de base de dados do SAGE. No caso de utilizar o SAGE como ferramenta de gerência, isto é, configurar uma base de dados para configurar pontos a 7

8 monitorar elementos em uma rede ou um sistema SAGE utilizando os recursos do SAGE como alarmes, distribuição de pontos etc, é necessário gerar entradas a serem incluídas em número significativo de tabelas da base fonte do SAGE. O conceito desenvolvido para a ferramenta de geração automática de base fonte é de que o projetista da base coloque as informações em um único arquivo padronizado que descreve todas as informações a serem monitoradas. Em uma primeira etapa, a ferramenta de geração lê este arquivo de configuração de base e gera arquivos com entradas em tabelas de base fonte. Em uma segunda etapa, a ferramenta concatena os arquivos respectivos às medidas SNMP com os arquivos da base fonte que são independentes de medidas SNMP. Um exemplo de configuração consta a seguir: [HOST] ID = srv1 IP_ADDR1 = :1027 SNMP_VERSAO = 1 SNMP_COMMUNITY = public PDS DEBUG PAS HOST_UPTIME KCONV INC max1h PAS DISCO_USO KCONV IND 4 PAS ETH0TX TIPM ED KCONV1 125 KCONV2 0.2 IND 2 No exemplo acima, há uma definição de informações a acessar um determinado agente SNMP na máquina com ID srv1. A máquina tem endereço IP configurado por IP_ADDR1 e versão SNMP e campo community definidos. Em seguida, são definidas as informações a serem monitoradas aqui para cada linha pode ser gerados um ou mais pontos a constar na base final. A sintaxe para cada linha é TIPO INFO [opções] onde opções = TIPM x KCONV1 y KCONV2 w IND z INC max1h med1min med10min med1h med1d As opções referem-se a tipo de medida (TIPM) a ser computada (diferença, instantânea, etc.), a índices de tabela (IND), fatores de conversão (KCONV1, KCONV2) e inclusão (INC) de médias. 6. Experimentação e Resultados 6.1. Testes Locais Plataforma Foram realizados experimentos em plataforma de testes montada no Laboratório de Supervisão e Controle (LASC) do CEPEL. Nesta plataforma há dois servidores SAGE srv1 e srv2, duas estações SAGE de interface com usuário ihm1 e ihm2. As estações srv1 e srv2 estão habilitadas a estabelecer comunicação via ICCP. Portanto há em cada uma das estações srv1 e srv2 uma instância de conversor de protocolo ICCP. Há uma estação que distribui pontos via protocolo ICCP (estb). A infra-estrutura de rede ainda consiste em um switch 3COM, um terminal server Cyclades TS100, um roteador Cisco e um firewall CiscoPix. As estações srv1, srv2, ihm1 e ihm2 tem o sistema operacional linux instalado. Há difusão de dados entre as estações servidoras srv1 e srv2 e as estações de interface ihm1 e 8

9 ihm2. É estabelecida uma associação ICCP entre o sistema SAGE local (srv1 e srv2) com a máquina de distribuição ICCP (estb). Cada estação na plataforma executa uma instância de agente SNMP (NET-SNMP) que responde requisições SNMP por informações que estejam na MIB-II, HOST-RESOURCES- MIB, UCD-SNMP-MIB. A máquina srv1 executa também uma instância do agente SAGE- SNMP que responde por requisições SNMP por informações que se encontrem na MIB- SAGE. As máquinas srv1 e srv2 executam instâncias do conversor de protocolo SNMP e transportador de protocolo SNMP. Os equipamentos switch, roteador, firewall e terminal server são gerenciáveis e implementam agentes SNMP implementados por seus respectivos fabricantes. Há também um gerente externo instalado em máquina independente da rede de difusão do SAGE que é capaz de fazer requisições SNMP e de receber traps SNMP. O gerente externo consiste no pacote opennms (http://www.opennms.org) que realiza monitoramento via SNMP e implementa uma interface Web acessível por Web browser. Este gerente está habilitado a receber mensagens do tipo trap sinalizando quando ligações (ICCP, SNMP) são ativadas ou desativadas. A base criada para testes contém um total de 504 pontos pertencentes a ligações SCADA SNMP. Figura 1: Tela com informações referentes à estação srv1 obtidas via SNMP Resultados A Figura 1 apresenta tela elaborada para apresentar medições de consumo de memória, espaço em disco, CPU, status da ligação ICCP, status e disponibilidade dos processos no 9

10 SAGE, taxa de transmissão e recepção na interface de rede Ethernet e outras informações. A imagem apresentada da tela foi capturada durante operação da plataforma de testes. Figura 2: Tela que apresenta status de portas no switch de rede da plataforma de testes locais. A Figura 2 apresenta tela elaborada para mostrar informações do switch na plataforma de testes. São apresentados status de 48 portas deste switch em caixas separadas, utilizando-se a cor verde ou cor vermelha. A cor verde significa em operação, ao passo que a cor vermelha significa fora de operação. Há também uma tabela para apresentar por interface (porta) as respectivas taxas de transmissão e recepção Testes realizados em campo Foram realizados testes em campo nas instalações da Companhia Hidro-Elétrica do São Francisco (CHESF). A plataforma de testes na CHESF consistiu primeiramente em um ambiente isolado com SAGE em dois servidores utilizando-se a base de dados do regional leste (CROL). Nestes servidores foi instanciado o agente SAGE SNMP. Uma outra estação ihm1-mon foi configurada com base para monitoração de dados por SNMP. Portanto, o SAGE instalado nesta máquina atua como gerente SNMP. Em segunda etapa, o teste consiste na monitoração dos sistemas SAGE implementados no centro do sistema (COOS) e na regional leste efetivamente (CROL). O conjunto de máquinas monitorado foi um subconjunto dos equipamentos presentes nestas duas instalações. Nas instalações do COOS, foi configurada a monitoração de dois servidores, cinco estações IHM, um switch de rede e um time server. Nas instalações do CROL, foi configurada a monitoração de dois servidores, três estações IHM, três gateways, um switch de rede e um time server. Os servidores, estações IHM e gateways são equipamentos da Sun Microsystems com sistema operacional Sun Solaris (algumas máquinas com versões Solaris 6, mais antiga, e outras com versão Solaris 10, mais recente). 10

11 O número de pontos definido na base de gerência foi da ordem de 3000 pontos lógicos (digitais e analógicos). Os resultados dos testes em campo foram satisfatórios. Foi possível monitorar estações SAGE e estações IHM, monitorar estados de ligações e monitorar estado de múltiplas interfaces em switch de rede, assim como a taxa de transmissão e recepção de dados em cada interface do switch em questão. 7. Conclusão Este projeto permitiu ao CEPEL incorporar a gama de protocolos que o SAGE utiliza como interface com outros sistemas o protocolo SNMP. Foram implementados um conversor de protocolos e transportador de protocolos SNMP que permitem configurar um sistema SAGE como ferramenta de gerência de rede. Foi implementado um módulo que é instanciado como plugin do agente SNMP do pacote NET-SNMP para permitir ao SAGE ser gerenciável, isto é, permite que o SAGE possa responder a requisições SNMP. Estes componentes encontram-se disponíveis no SAGE, desde a atualização de número 18 do SAGE para todos os usuários. O projeto incluiu desde a concepção de gerência de redes em um sistema SCADA, passando por sua implementação, testes em campo e treinamento para as empresas CHESF, FURNAS, ELETROSUL e ELETRONORTE. Os objetivos foram plenamente satisfeitos e o CEPEL planeja evoluir continuamente estes produtos, além deste projeto. Bibliografia [1] F. Cleveland, IEC TC57 Security Standards for the Power System s Information Infrastructure Beyond Simple Encryption, Proceeding of Transmission and Distribution Conference and Exhibition, 2005/2006 IEEE PES, maio de 2006, pp [2] IEC - INTERNATIONAL ELECTROTECHNICAL COMMISSION, Power systems management and associated information exchange - Data and communications security, IEC 62351, junho de [3] A. J. Silva, A. Oliveira Filho, L. Pereira, L. Lima, N. Lambert, M. F. Amorim, G. Azevedo, SAGE: Architecture for Power System Competitive Environments, VI SEPOPE, 1998, Salvador. [4] W. Stallings, SNMP and SNMPv2: the Infrastructure for Network Management, IEEE Communications Magazine, março de [5] W. Stallings, SNMPV3: A Security Enhancement for SNMP, IEEE Communications Surveys, Vol. 1, N. 1, [6] K. McCloghrie, D. Perkins, J. Schoenwaelder, Structure of Management Information Version 2, RFC 2578, abril de [7] S. Waldbusser, P. Grillo, Host Resources MIB, RFC 2790, março de [8] K. McCloghrie, M. Rose, Management Information Base for Network Management of TCP/IP-based internets: MIB-II, RFC1213, março de

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul Pablo Humeres Flores Eletrosul Brasil Diogo Vargas Marcos Eletrosul RESUMO O trabalho apresenta uma aplicação do protocolo SNMP na gerência

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - Eletronorte Responsável: Uriel de Almeida Papa Equipe: Sérgio de Souza Cruz, Willams

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS

PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS Acadêmico: Luciano Waltrick Goeten Orientador: Prof. Sérgio Stringari

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto GRUPO V ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E COMUNICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA (GPC) PROJETO CEB A INTEGRAÇÃO COMPLETA ENTRE COS, EMS, DMS, REDE CORPORATIVA, CORs, SUBESTAÇÕES E CHAVES DE POSTE Robson

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores Sérgio A. Meyenberg Jr Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Curitiba, outubro de 2010 Resumo O objetivo deste Artigo é demonstrar as funcionalidades

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

LDAP - Tópicos. O que é um Diretório? Introdução. História do LDAP. O que é o LDAP? 5/22/2009

LDAP - Tópicos. O que é um Diretório? Introdução. História do LDAP. O que é o LDAP? 5/22/2009 LDAP - Tópicos Leoncio Regal Dutra Mestre em Engenharia Elétrica Telecomunicações leoncioregal@gmail.com Introdução Definições Funcionamento Segurança Otimizações do LDAP Exemplos Conclusão 2 Introdução

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Nota de Aplicação. Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Nota de Aplicação. Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP. HI Tecnologia. Documento de acesso público Nota de Aplicação Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00030 Versão 1.00 setembro-2013 HI Tecnologia Integrando controladores em rede

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL - 11 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS

TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS TÍTULO: APLICAÇÃO DE REDE DE SENSORES SEM FIO PARA SENSORES DE FLUXO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES PREDIAIS E INDUSTRIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa

Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa Grupo de Trabalho em Segurança GTS2007 Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa Apresentador: Émerson Virti Autores: Émerson Virti, Liane Tarouco Índice 1. Motivação 2. Conceitos 3. IDS Proposto 4. Testes

Leia mais

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP).

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Capítulo 15 Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Uma das mais importantes tarefas de um administrador de uma rede informática é monitorizar o tráfego na rede, Detectar perdas

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850 O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos

Leia mais

COMPREENDENDO A IMPORTÂNCIA DO PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO SNMP

COMPREENDENDO A IMPORTÂNCIA DO PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO SNMP COMPREENDENDO A IMPORTÂNCIA DO PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO SNMP César Augusto Vieira 1, Júlio César Pereira 2 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí Paraná Brasil cesar.vieira@sanepar.com.br juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência

Projeto de Redes de Computadores. Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência Segurança e Gerência são aspectos importantes do projeto lógico de uma rede São freqüentemente esquecidos por projetistas por serem consideradas questões

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet.

Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet. Como utilizar o ScadaBR para monitorar os sensores da linha Comet. Para acessar os dados dos monitores de temperatura da linha Comet utilizando a solução open source ScadaBR, basta seguir a rotina abaixo.

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision Software de gerenciamento de impressoras MarkVision O MarkVision para Windows 95/98/2000, Windows NT 4.0 e Macintosh é fornecido com a sua impressora no CD Drivers, MarkVision e Utilitários. 1 A interface

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos

Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos Ricardo Nabinger Sanchez Ciência da Computação - bolsista renovado Pibic/CNPq Luciano Paschoal Gaspary Orientador Universidade do Vale

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

FACSENAC. WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede

FACSENAC. WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede FACSENAC WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede Versão: 1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização:

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR GERENCIA DE REDES DE COMPUTADORES 4º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Erik de Oliveira, Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João

Leia mais

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para controlar a subestação da Usina Termelétrica de Linhares,

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont.

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont. Gerência de Rede A importância estratégica crescente das redes envolve: Aplicações indispensáveis à organização Quanto mais complexo o ambiente maior o risco de coisas erradas acontecerem. Como manter

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education Redes de computadores e a Internet Capítulo 9 Gerenciamento de rede 9-3 Gerenciamento de rede Objetivos do capítulo: Introdução ao gerenciamento de redes Motivação Componentes principais Ambiente de gerenciamento

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO Introdução ao SNMP No final dos anos 70 as redes de computadores cresceram de simples

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais