Adaptação dinâmica do Timeout para Detectores de Defeito usando Informações do Protocolo SNMP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adaptação dinâmica do Timeout para Detectores de Defeito usando Informações do Protocolo SNMP."

Transcrição

1 Adaptação dinâmica do Timeout para Detectores de Defeito usando Informações do Protocolo SNMP. Francisco Carlos Vogt Raul Ceretta Nunes CT Centro de Tecnologia PPGEP Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Laboratório de Tolerância a Falhas GMicro/DELC Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Santa Maria, RS Brasil. Abstract: Fault Detector in distributed systems, as in the Internet, provides a bigger degree of reliable for consensus applications. The trustworthiness is acquired when communication times are respected. This communication of distributed processes depends on the behavior of the net to be carried through. The information of SNMP protocol is used as reference to carry through dynamic adaptation of timeout in Wavelets filters. Resumo: Detectores de defeitos em sistemas distribuídos, como na internet, para prover um maior grau de confiança para aplicações de consenso. A confiabilidade é adquirida quando tempos de comunicação são respeitados. Esta comunicação de processos distribuídos depende do comportamento da rede para ser realizado. As informações do protocolo SNMP são utilizadas como referência para realizar adaptação dinâmica do timeout em filtros Wavelets. Palavras-chaves: Adaptação de Timeout, Detectores de defeito e SNMP. Introdução Aplicações distribuídas são cada vez mais populares e cada vez mais somos dependentes de seu bom funcionamento. Para garantir que aplicações distribuídas não parem e causem prejuízos materiais e temporais devemos aplicar mecanismos que tolerem eventuais falhas. Um dos grandes problemas encontrados para a realização de computação distribuída é não confiabilidade da rede que interconecta os processos distribuídos associado a sua característica não-determinística. Como conseqüência não podemos precisar a eficiência na troca de mensagens entre os membros das aplicações distribuídas.

2 Do ponto de vista teórico, num modelo de rede parcialmente síncrono, onde num tempo finito os tempos de comunicação serão conhecidos, o problema do indeterminismo pode ser resolvido e pode-se criar um oráculo que substitui a noção de tempo pela noção de estado, ou seja, pode-se criar um detector de defeitos não confiável [Chandra e Toueg, 1996]. Para tal, deve se empregar um tempo To (timeout), no detector de defeitos, para o recebimento de mensagens de controle. Na prática, dentro de um período de tempo To um processo monitor q deve receber uma mensagem de um processo monitorado p para ter consciência de que o processo está correto. Com o passar do tempo o timeout deve ser atualizado para dar suporte aos atrasos motivados pelo tráfego de rede. Para que o timeout seja adaptado aos atrasos, provocados pela rede, uma maneira é utilizar estatísticas sobre tempos de chegada das últimas mensagens de controle. Cada tempo é assim uma amostra usada num preditor, resultando numa estimativa probabilística para o timeout [Chandra e Toueg, 1996 e 2000] [Nunes, 2003]. Uma outra forma de adaptar o timeout é utilizando informações do protocolo SNMP (Simple Network Management Protocol) [Tanenbaum, 1997] [Subramanian, 2000]. O protocolo SNMP é um protocolo de gerência de rede que pode fornecer informações sobre seu estado. Usar o SNMP também permite a detecção de defeitos associando um timeout em mensagens trap enviadas pelo agente [Reichenbach, 2002] ou através de informações coletas do SNMP e analisadas em uma rede neural que gere uma estimativa de To e que considere os atrasos para o recebimento de mensagens [Lima e Mâcedo, 2005]. No presente artigo apresentamos e discutimos o problema de adaptação do timeout em sistema parcialmente síncrono usando informações do protocolo SNMP. Através deste protocolo avalia-se o comportamento de rede e a influência o atraso das mensagens de controle, a fim de gerar uma estimativa para o novo To dos detectores de defeitos presentes no serviço de detecção de defeitos adaptativo AFDService [Nunes, 2003]. Para analisar as informações SNMP e determinar com maior precisão o To usa-se Wavelets, como em [Barford et. al., 2002]. O artigo divide-se nas seguintes partes: a seção 2 apresenta os elementos do protocolo SNMP úteis para a resolução do problema; a seção 3 detalha os detectores de defeito e a seção 4 aborda os trabalhos relacionados com o desenvolvimento de adaptação de timeout para detectores de defeito baseados em informações do protocolo SNMP. Finalmente a seção 5 discute as soluções propostas e realiza as considerações finais. 2. Protocolo SNMP O protocolo SNMP foi projetado para realizar o gerenciamento de rede. O protocolo SNMP é divido em três partes: agentes, gerentes e MIB (Management Information Base) [Mccloghire e Rose, 1991]. Cada dispositivo na rede deve manter uma MIB SNMP que armazena as informações de forma padronizada permitindo que qualquer gerente de rede acesse o dispositivo e leia as informações, permitindo realizar a coleta das informações de

3 rede. As informações encontradas na MIB são organizadas em objetos que descrevem o comportamento dos dispositivos da rede, como por exemplo: saturação, tempo de comunicação, perda de pacotes, retransmissão entre outras 175 informações disponíveis. O protocolo pode operar em UDP (User Datagram Protocol) ou TCP (Transmission Control Protocol) [Subramanian, 2000] pela porta 161 e o gerente pela porta 162. As mensagens são implementas usando dois modelos de envio, o pull e push [Nunes, 2003]. No modelo push, de tempos em tempos o agente envia informações do estado de algumas variáveis através de mensagens conhecidas como Traps [Tanenbaum, 1997] [Subramanian, 2000] [Reichenbach, 2002]. No modelo pull as informações são requisitadas pelo gerente a um agente. Neste caso um timeout é aberto até o recebimento da resposta, caso contrario é declarado falho aquele dispositivo. 3. Detectores de Defeitos Usamos detectores de defeito para atribuir confiabilidade aos sistemas distribuídos implementados sobre redes assíncronas, onde não são conhecidos os tempos de chegada de mensagens heartbeat I`m alive!. Para permitir o controle temporal [Chandra e Toueg, 1996] utilizam o modelo parcialmente síncrono, permitindo o controle do tempo para o recebimento das mensagens heartbeat. Os detectores defeito funcionam como oráculos para aplicações de consenso, retirando a responsabilidade de realizar o controle do indeterminismo gerado pela comunicação de rede.. O uso de detectores de defeito não confiáveis, propostos por [Chandra e Toueg, 1996], aplica duas propriedades básicas: completeness e accuracy, que dizendo respeito à capacidade do detector de identificar os processos falhos e encontrar com precisão o processo falho evitando falsas suspeitas. Os processos suspeitos são adicionados em uma lista de suspeitos [Chandra e Toueg, 1996], e para declarar a falha de um processo suspeito, o processo suspeito é monitorado. Nos modelos propostos encontramos métricas que definem o QoS (Qualidade de Serviço) para os detectores de defeito. As métricas aplicadas aos detectores de defeito proposto devem atender os requisitos de Qos propostos por [Chen, Toueg e Aguilera, 1999], sendo eles: Detection time(td): Mistake recurrence time (T MR ): Mistake duration(t M ): É tempo de detecção de defeitos. É o tempo de recuperação entre duas suspeitas. E o tempo de duração de uma suspeita que apresenta quanto tempo foi necessário para corrigir uma falsa suspeita.

4 O uso das métricas é fundamental para comparar os resultados de abordagens diferentes de desenvolvimento empregadas para a construção de detectores de defeito e como é realizada das estimativas de timeout das mensagens de controle. 4. Adaptação de timeout baseado em informações SNMP O timeout em sistemas parcialmente síncronos não pode ser estático, devido à variação dos tempos de comunicação ao longo do tempo, o que poderia levar os detectores de defeitos a tomarem decisões equivocadas sobre o estado dos processos. Para minimizar o problema o To é corrigido com o passar do tempo para que ele seja adequado para atender os requisitos de qualidade de serviço (QoS) do detector. A maior parte dos modelos são baseado em estatísticas realizadas com os tempos das mensagens recebidas para determinar o timeout. Para resolver o problema de adaptação dinâmica de timeout podemos utilizar informações dos protocolos de rede como amostra do comportamento da rede. Em especial o protocolo SNMP, que disponibiliza informações padronizadas do comportamento de redes, trazendo benefícios para a composição do timeout. Entre os benefícios encontramos a diminuição da possibilidade de suspeitar de processos corretos ou indicar processos falhos como corretos. Usando informações de gerenciamento de redes do protocolo SNMP, existem três possibilidades para realizar a detecção de defeitos. Na primeira, usada para detectar defeitos, fica restrita a localização e correção dos problemas de rede usando o protocolo SNMP. Mas, foi encontrada uma contribuição importante que diz respeito a isolar e dividir em grupos de problemas de rede. Através do uso de variáveis do protocolo e filtros Wavelets [Barford et al, 2002]. Que também demonstra facilmente a ocorrência de ciclos diários, semanais e mensais do tráfego de rede. O modelo de [Barford et al, 2002] é implementado utilizado as seguintes variáveis SNMP: ifhcinoctets, ifhcoutoctets, ifhcinucastpktse e ifhcoutucastpkts. As variáveis descrevem a entrada e saída de octetos e pacotes unicast ajudando a determinar o desempenho da rede no momento da coleta. Na segunda, o detector de defeitos é próprio serviço SNMP, através das mensagens do protocolo são analisada a estabilidade dos estado dos processos O protocolo SNMP fornece a ferramenta fundamental verificar o funcionamento do agente, as mensagens, semelhante à idéia de [Chandra e Toueg, 1996], a qual usa mensagens de controle heartbeat. Neste caso as mensagens trap, vindas de um agente do protocolo SNMP, funcionam como heartbeats. Os nodos gerenciados devem possuir uma MIB própria contendo informações de qual gerente deve reportar as mensagens [Reichenbach, 2002]. Na terceira, o detector de defeitos utiliza mensagens heartbeat, mas adapta o timeout usando informações do SNMP. As informações SNMP são extraídas da MIB do dispositivo de rede e usadas para alimentar uma rede neural [Lima e Mâcedo]. A rede neural é capaz de aprender o comportamento da rede e indicar o melhor timeout a ser utilizado. As

5 estimativas devem suportar o atraso que a rede pode gerar, devido a congestionamentos e queda de links. Este modelo faz uso das seguintes variáveis SNMP: ifinucastptks: ifoutucastptks: ifoutqlen: udpindatagrams: udpoutdatagrams: udpnoports: Taxa de pacotes unicast recebidos Número total de pacotes Unicast transmitidos. total de pacotes na fila de saída Taxa de datagramas recebidos Taxa de datagramas enviados Taxa de datagramas que não foram enviados para uma porta válida 5. Solução proposta A solução que estamos propondo visa utilizar as informações do protocolo SNMP para adaptar dinamicamente o timeout das mensagens de controle, semelhante ao encontrado em [Lima e Mâcedo]. A diferença é que ao invés de redes neurais estamos investigando o uso de Wavelets [Barford et al, 2002] para gerar a estimativa do timeout. Um timeout inicial To é gerado pelo preditor wavelet baseado nas amostras armazenadas, as quais são responsáveis pela descrição do comportamento da rede em um período de tempo analisado. As informações de rede são coletadas no momento da chegada de um heartbeat e colocadas em um arquivo ou anexadas a uma estrutura de dados em uso na memória principal. O arquivo de amostras armazena os seguintes dados: o tempo de chegada e as respectivas informações do protocolo SNMP. Para realizar a estimativa inicial do To o preditor é alimentado com as amostras coletadas anteriormente. Então o timeout inicial To é estabelecido para o detector de defeitos e o timeout para a próxima mensagem é adaptado dinamicamente no preditor usando o tempo de chegada da última mensagem e as variáveis SNMP. O preditor utilizado pelo AFDService implementa vários métodos probabilísticos, entre eles um baseado em séries temporais [Nunes, 2003]. A nossa nova abordagem de preditor de defeitos é baseada em Wavelets, que nada mais é do que um filtro probabilístico baseado na freqüência das ocorrências. Desta forma, as amostras estarão sendo analisadas para gerar uma estimativa para o timeout. Empregado em detectores de defeito, o preditor deve produzir estimativas de timeout adaptando-se dinamicamente às condições de funcionamento da rede, e evitando que processos sejam adicionados na lista de suspeitos, permitindo que não ocorra um aumentando de overhead do sistema e por conseqüência atendendo os requisitos de QoS do detector. O Digrama abaixo demonstra o funcionamento do modelo (Figura 1). Os resultado da nova abordagem serão analisados e avaliados de forma comparativa com os resultados obtidos pelos vários modelos empregados no AFDService, em especial

6 com os resultados obtidos pelo preditor baseado em séries temporais, a fim de determinar se atinge-se os mesmos níveis de QoS. Figura 1 Diagrama do detector de defeitos baseado em informações SNMP para adaptação dinâmica de timeout. Considerações finais No presente trabalho apresentamos o problema da detecção de defeitos em sistemas distribuídos assíncronos e foi discutindo alguns elementos o nosso modelo para resolver o problema de adaptação dinâmica do timeout baseado informações do protocolo SNMP,

7 onde as estimativas são geradas por preditores baseados em wavelets. Entendemos que este é um caminho promissor para ser implementado como preditor de timeout, devido à possibilidade de isolar determinadas características encontradas nas amostras. Atualmente estamos trabalhando para determinar com precisão dos parâmetros e variáveis da MIB que melhor indicam o comportamento de rede e que devem ser analisadas. Além disto, também devemos determinar qual o melhor algoritmo de wavelet que deve ser utilizado para resolver o problema da adaptação dinâmica do timeout em detectores de defeitos. Referências Bibliográficas K. MCCLOGHIRE, M. ROSE; Management Information Base for Network Management of TCP/IP-based internets: MIB-II - Internet Request for Comments (RFC) Março Lima, Fábio; Mâcedo, Raimundo - Adapting Failure Detectors to Communication Network Load Fluctuations Using SNMP and Artificial Neural Nets - Distributed Systems Laboratory LaSiD - Computing Science Department, Federal University of Bahia Salvador, BA Brazil Lima, Fábio Ramon Lima; Macêdo, Raimundo José de Araújo; - Improving the Quality of Service of Failure Detectors with SNMP and Artificial Neural Networks Laboratório de Sistemas Distribuídos LaSiD - Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia - Salvador-BA, Brazil. Reichenbach, Fabien Service SNMP de détection de faute pour des Systèmes Répartis Laboratoire de Système Répartis Ecole Polytechique Fédérale de Lausanne EPFL Départament d Informatique Février Barford, Paul; Kline, Jeffery; Plonka, David; Ron, Amos A Signal Analysis of Network Traffic Anomalies - Dep. Computer Sciences - University of Wisconsin IMW 02 - Marseille França Chandra, T.; Toueg, S., - Unreliable Failure Detectors for Reliable Distributed - Systems Journal of the ACM, 43(2): March Chandra, T.; Hadzilacos, V.; Toueg S. - The Weakest Failure Detector for Solving Consensus - Journal of the ACM, 43(4): July Chen, W.; Toueg, S.; Aguilera, M. - On the quality of service of failure detectors - Proc. of the First Int. Conf. on Dependable Systems and Networks Tanenbaum, Andrew S. Redes de Computadores. 3. ed. Rio de Janeiro - Editora Campus, Subramanian, Mani - Network Management Principles and Practice Georgia Institute of Technology Nunes, Ceretta Raul Adaptação Dinâmica de Timeout de Detectors de Defeito através de uso de Séries Temporais - (Tese de Doutorado) UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática - Programa de pós-graduação em Computação Porto Alegre - Setembro, 2003.

8 Barford, Paul; Kline, Jeffery; Plonka, David; Ron, Amos A Signal Analysis of Network Traffic Anomalies - Dep. Computer Sciences - University of Wisconsin IMW 02 - Marseille França 2002.

Desenvolvimento de um Detector de Defeitos para Sistemas Distribuídos baseado em Redes Neurais Artificiais

Desenvolvimento de um Detector de Defeitos para Sistemas Distribuídos baseado em Redes Neurais Artificiais Desenvolvimento de um Detector de Defeitos para Sistemas Distribuídos baseado em Redes Neurais Artificiais Nivea Ferreira 1, Raimundo Macêdo Laboratório de Sistemas Distribuídos - LaSiD Universidade Federal

Leia mais

Detectores de Defeitos para Redes Wireless Ad Hoc

Detectores de Defeitos para Redes Wireless Ad Hoc Detectores de Defeitos para Redes Wireless Ad Hoc Giovani Gracioli e Raul Ceretta Nunes 1 GMICRO/CT Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Campus Camobi - 97105-900 Santa Maria/RS {giovani,ceretta}@inf.ufsm.br

Leia mais

Um Serviço Baseado em SNMP para Detecção de Falhas de Processos Distribuídos em Múltiplos Sistemas Autônomos

Um Serviço Baseado em SNMP para Detecção de Falhas de Processos Distribuídos em Múltiplos Sistemas Autônomos XXVIII Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 771 Um Serviço Baseado em SNMP para Detecção de Falhas de Processos Distribuídos em Múltiplos Sistemas Autônomos Dionei M. Moraes,

Leia mais

Implementação e Análise de Desempenho de um Mecanismo Adaptativo para Tolerância a Falhas em Sistemas Distribuídos com QoS

Implementação e Análise de Desempenho de um Mecanismo Adaptativo para Tolerância a Falhas em Sistemas Distribuídos com QoS Implementação e Análise de Desempenho de um Mecanismo Adaptativo para Tolerância a Falhas em Sistemas Distribuídos com QoS Sérgio Gorender 1, Raimundo J. A. Macêdo, Matheus Cunha Laboratório de Sistemas

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores

Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores Lisandro Zambenedetti Granville, Liane Margarida R. Tarouco Instituto de Informática - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Caixa Postal

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE DETECTORES DE FALHAS PARA REDES MÓVEIS 1 A COMPARISON OF FAILURE DETECTORS DESIGNED TO MOBILE NETWORKS

ANÁLISE COMPARATIVA DE DETECTORES DE FALHAS PARA REDES MÓVEIS 1 A COMPARISON OF FAILURE DETECTORS DESIGNED TO MOBILE NETWORKS Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 7, n. 1, p. 135-145, 2006. 137 ISSN 1981-2841 ANÁLISE COMPARATIVA DE DETECTORES DE FALHAS PARA REDES MÓVEIS 1 A COMPARISON OF FAILURE

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Fundamentos de desempenho e otimização de redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Gerência de redes 3. Fundamentos

Leia mais

Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos

Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos Ricardo Nabinger Sanchez Ciência da Computação - bolsista renovado Pibic/CNPq Luciano Paschoal Gaspary Orientador Universidade do Vale

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Leonardo Lemes Fagundes leonardo@exatas.unisinos.br São Leopoldo, 15 de outubro de 2004 Roteiro Apresentação da disciplina Objetivos Conteúdo programático Metodologia

Leia mais

Comunicação entre processos (grupos) COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo. Comunicação entre processos (grupos)

Comunicação entre processos (grupos) COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo. Comunicação entre processos (grupos) Comunicação one-to-one Forma mais simples de comunicação entre processos point-to-point, ou unicast COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo Algumas aplicações comunicação entre grupos de processos

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

Concretização de um protocolo de difusão atómica em sistemas com ligações intermitentes

Concretização de um protocolo de difusão atómica em sistemas com ligações intermitentes Concretização de um protocolo de difusão atómica em sistemas com ligações intermitentes Sérgio Cardoso Escola Sup. Gestão de Santarém Politécnico de Santarém s.cardoso@mail.telepac.pt Luís Rodrigues Faculdade

Leia mais

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação Tópicos em Sistemas Distribuídos Modelos de Comunicação Comunicação em SD Comunicação entre processos Sockets UDP/TCP Comunicação em grupo Broadcast Multicast Comunicação entre processos Conceitos básicos

Leia mais

Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa

Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa Grupo de Trabalho em Segurança GTS2007 Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa Apresentador: Émerson Virti Autores: Émerson Virti, Liane Tarouco Índice 1. Motivação 2. Conceitos 3. IDS Proposto 4. Testes

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Impacto de Métricas de QoS no Desempenho de Detectores Auto-gerenciáveis de Defeitos para Sistemas Distribuídos

Impacto de Métricas de QoS no Desempenho de Detectores Auto-gerenciáveis de Defeitos para Sistemas Distribuídos 742 Anais Impacto de Métricas de QoS no Desempenho de Detectores Auto-gerenciáveis de Defeitos para Sistemas Distribuídos Alirio Santos de Sá 1, Raimundo José de Araújo Macêdo 1 1 Laboratório de Sistemas

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sincronização Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 995 Seção. pág. 36-325 2 Conteúdo Relógios lógicos Algoritmo de Lamport Relógios físicos Algoritmos para sincronização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte UDP Slide 1 Camada de Transporte Fornece uma comunicação lógica entre processos de aplicações em diferentes hosts através da camada de rede; São implementados

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP

Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP Ewerton Monteiro Salvador Grupo de Redes de Computadores Instituto de Informática - UFRGS 26/06/2006 Grupo de Redes de Computadores 1 Agenda Introdução

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

Monitoramento de Defeitos numa rede de marca passos Bolsa de Iniciação Científica

Monitoramento de Defeitos numa rede de marca passos Bolsa de Iniciação Científica Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Curso de Ciência da Computação Grupo de Microeletrônica Monitoramento de Defeitos numa rede de marca passos Bolsa de Iniciação Científica Bolsista:

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Diego Passos Universidade Federal Fluminense Diego Passos Defesa de Mestrado 1/49 Diego Passos

Leia mais

Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI

Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI Disciplina: Gerenciamento e Segurança de Redes Prof.: Edmar Roberto Santana de Rezende Faculdade de Engenharia de Computação Centro de Ciências Exatas, Ambientais

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

DIBSet: Um Detector de Intrusão por Anomalias Baseado em Séries Temporais

DIBSet: Um Detector de Intrusão por Anomalias Baseado em Séries Temporais VIII Simpósio Brasileiro em Segurança da Informação e de Sistemas Computacionais DIBSet: Um Detector de Intrusão por Anomalias Baseado em Séries Temporais Universidade Federal de Santa Maria Centro de

Leia mais

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 07. Prof. Moises P. Renjiffo

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 07. Prof. Moises P. Renjiffo Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 07 DETALHAMENTO DA CAMADA DE REDE: 1- Endereçamento Físico. MAC Da camada de Enlace. 2- Endereçamento Logico. IP Endereço

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 10

Sistemas Distribuídos Aula 10 Sistemas Distribuídos Aula 10 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Sincronização Comunicação

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015 TE090 - Prof. Pedroso 17 de junho de 2015 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Suponha que um roteador foi configurado para descobrir rotas utilizando o protocolo RIP (Routing Information Protocol),

Leia mais

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto Computadores Digitais 2 Linguagens de Programação DEL-Poli/UFRJ Prof. Miguel Campista ATENÇÃO Esta apresentação foi retirada e adaptada dos seguintes trabalhos: Notas de aula do Prof. Miguel Campista da

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS

PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS Acadêmico: Luciano Waltrick Goeten Orientador: Prof. Sérgio Stringari

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Comunicação. Parte II

Comunicação. Parte II Comunicação Parte II Carlos Ferraz 2002 Tópicos Comunicação Cliente-Servidor RPC Comunicação de objetos distribuídos Comunicação em Grupo Transações Atômicas Comunicação Stream 2 Comunicação cliente-servidor

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Tolerância a Falhas Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org January 14, 2015 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol

Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol Tiago Fonseca João Gondim Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Agenda

Leia mais

Distributed Systems Principles and Paradigms

Distributed Systems Principles and Paradigms Distributed Systems Principles and Paradigms Maarten van Steen VU Amsterdam, Dept. Computer Science (Tradução e Adaptação Ricardo Anido - IC/Unicamp) Capítulo 04: Comunicação Versão: 20 de março de 2014

Leia mais

Comunicação entre processos (grupos) COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo. Comunicação entre processos (grupos)

Comunicação entre processos (grupos) COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo. Comunicação entre processos (grupos) COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo Comunicação one-to-one Forma mais simples de comunicação entre processos point -to-point, ou unicast Algumas aplicações requerem comunicação envolvendo

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

Redes de Computadores I Internet - Conceitos

Redes de Computadores I Internet - Conceitos Redes de Computadores I Internet - Conceitos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2012/1 v1-2012.03.29 O que é a Internet Milhões de elementos de computação interligados: Hosts,

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SOFTWARE GERENCIADOR DO SERVIDOR WEB UTILIZANDO O PROTOCOLO SNMP

PROTÓTIPO DE UM SOFTWARE GERENCIADOR DO SERVIDOR WEB UTILIZANDO O PROTOCOLO SNMP PROTÓTIPO DE UM SOFTWARE GERENCIADOR DO SERVIDOR WEB UTILIZANDO O PROTOCOLO SNMP MARCIANO DOVAL DALLMANN Orientador: SÉRGIO STRINGARI Roteiro Introdução Objetivo Gerência de redes Protocolo SNMP Management

Leia mais

Um esquema de otimização do protocolo RLSMP usando broadcast atômico na atualização de células líderes

Um esquema de otimização do protocolo RLSMP usando broadcast atômico na atualização de células líderes Um esquema de otimização do protocolo RLSMP usando broadcast atômico na atualização de células líderes A scheme for optimizing the protocol RLSMP using atomic broadcast in updating cell leaders Cristiane

Leia mais

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores Sérgio A. Meyenberg Jr Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Curitiba, outubro de 2010 Resumo O objetivo deste Artigo é demonstrar as funcionalidades

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Laboratório de Gerência de Redes Introdução. Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais

Laboratório de Gerência de Redes Introdução. Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Introdução Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Gerência de redes Monitoração e controle da rede a fim de garantir seu funcionamento correto e seu valor

Leia mais

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks Renfei Wang ¹, Cristiano Rezende ¹, Heitor S. Ramos ¹, ², ³ Richard W. Pazzi ¹, Azzedine Boukerche ¹, Antonio A.F.

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro MONITORAÇÃO DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 2 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Resumo 2 Conceitos Básicos de SNMP Introdução Arquitetura MIB Segurança SNMPv1, SNMPv2

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Camada Transporte Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Algoritmo de Janela Deslizante em TCP O TCP clássico emprega um protocolo de janela deslizante com confirmação positiva e sem repetição seletiva. O TCP

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Tutorial NTP. Importânica e Funcionamento do Sincronismo de Tempo na Internet e do NTP

Tutorial NTP. Importânica e Funcionamento do Sincronismo de Tempo na Internet e do NTP Tutorial NTP Importânica e Funcionamento do Sincronismo de Tempo na Internet e do NTP Tutorial NTP 07/04/2010 Agenda Importância do NTP Conceito de tempo Escalas de tempo NTP x SNTP Funcionamento do daemon

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS

Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores. TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP Serviços Diferenciados - QoS Equipe: Afonso Sousa, Jhonatan Cavalcante, Israel Bezerra, Wendel Marinho Professor: Fabio

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores na camada de rede na camada de transporte Redes de Computadores Aula 4: 24 de março de 2010 na camada de rede na camada de transporte 1 Princípios Causas e custos do congestionamento 2 Princípios gerais

Leia mais

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Eduardo Perez Pereira 1, Rodrigo Costa de Moura 1 1 Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPel) Félix da Cunha, 412 - Pelotas

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais