DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS"

Transcrição

1 DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS Vanessa Almeida Santos Vanessa Perez Casado Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO De acordo com Mahan, Escott- Stump (2010) o envelhecimento é um processo normal, que começa na concepção e termina na morte. Durante os períodos de crescimento, os processos anabólicos excedem as mudanças catabólicas. Um vez que o organismo alcança a maturidade fisiológica, a taxa de mudança catabolica, ou degenerativa se torna maior que a taxa de regeneração celular anabólica. A perda resultante de células leva a vários graus de deficiência diminuída e função orgânica prejudicada Primeiramente como resultado de rupturas no cuidado da saúde, o numero de pessoas com mais de 65 anos de idade aumentou 4%, da população em 1900 para 1990 e espera-se que atinja 20% no ano de 2030 (MAHAN, ESCOTT-STUMP, 2010) Paula, et al. (2007) relata que de acordo com as projeções estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2025, a população brasileira aumentará cinco vezes, enquanto o grupo etário com idade superior a 60 anos estará se ampliando 15 vezes, representando cerca de 34 milhões de pessoas. Desta forma, o Brasil ocupará o sexto lugar do mundo em contingente de idosos. Para Kauen, et al (2008) o conhecimento das características e das transformações por que passam os indivíduos com o avanço da idade, sejam elas sistêmicas, fisiológicas ou anatômicas, além dos fatores relacionados à saúde que resultam do estilo de vida, assume um papel relevante no cuidado ao idoso. Nesse Discente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Filadélfia Unifil - Discente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Filadélfia Unifil - Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil

2 contexto, a deficiência nutricional é um problema relevante na população idosa, já que várias alterações fisiológicas e o uso de múltiplos medicamentos acabam por interferir no apetite, no consumo e na absorção dos nutrientes, podendo aumentar o risco de desnutrição nos idosos. Neste contexto, sabemos que a manutenção de um estado nutricional adequado na pessoa idosa é tarefa árdua, frente às doenças crônicas, à associação do uso de medicamentos, às modificações fisiológicas inerentes à idade que interferem no apetite, no consumo e na absorção de nutrientes, e às questões sociais e econômicas que muito prejudicam a prática para a conquista de uma alimentação saudável. Uma das principais alterações observadas na senescência é a modificação da composição corporal, na qual há o aumento e redistribuição da gordura corporal e redução de massa magra (água, tecido ósseo e tecido muscular). (BASLLER E LEI, 2008). Nesta população observa-se também que a gordura corporal diminui nas regiões periféricas e aumenta na região abdominal e no tronco. A massa magra reduz em todos os órgãos em virtude da redução da atividade física, alimentação inadequada, diminuição de água corporal e perda generalizada de massa muscular, comprometendo a força muscular, a capacidade funcional e a autonomia dos idosos. A redução de massa magra também é responsável pela redução concomitante do metabolismo basal, uma vez que representa os principais tecidos consumidores de oxigênio (GUEDES; GAMA E TIUSSI; 2008). Existem outras alterações com a chegada da terceira idade como a diminuição da estatura e da massa muscular, a alteração da elasticidade e compressibilidade da pele, as mudanças corporais no peso, na quantidade e no padrão de gordura corporal, nas pregas cutâneas e nas circunferências e para que o idoso também possa ter uma avaliação nutricional precisa, é feito algumas modificações comparadas a avaliação do individuo adulto. Duas formas de avaliação nutricional utilizadas na prática clínica são a Avaliação Subjetiva Global (ASG) e a Mini Avaliação Nutricional (MAN), desenvolvida especialmente para avaliação do idoso.

3 Segundo Ferreira; et al (2010) a Mini Avaliação Nutricional (MAN), cujo objetivo principal é avaliar risco de desnutrição e identificar aqueles que necessitam de uma intervenção precoce; é uma importante ferramenta usada para triagem e avaliação nutricional para idosos. Outro método, também utilizado para diagnosticar o estado nutricional de indivíduos, é a Avaliação Subjetiva Global (ASG), proposta por Detsky et al, um modelo de questionário-padrão que investiga aspectos da história clínica e de exame físico. É um instrumento simples, de baixo custo e de grande aceitação na prática clínica. Segundo Mastroeni (2010) a antropometria também tem sido muito utilizada em estudos epidemiológicos, devido principalmente ao seu baixo custo e fácil aplicação, um método não-invasivo relativamente simples, de execução rápida e que permite a identificação de distúrbios nutricionais nos idosos. O principal objetivo desse trabalho é verificar as mudanças que ocorrem nos idosos e quais os problemas encontrados na hora da avaliação nutricional dos mesmos. METODOLOGIA Este estudo consiste em uma revisão bibliográfica sobre o tema. Para a identificação dos artigos, realizou-se, em 2012, um rastreamento na base de dados MEDLINE (National Library of Medicine, Estados Unidos), LILACS (Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde) e SCIELO, de todos os estudos publicados no período de 2007 a Os critérios de seleção dos artigos foram: conter nos títulos os descritores, completos ou em parte: Estado Nutricional no idoso, Mini Avaliação Nutricional, Avaliação Subjetiva Global, e estarem escritos no idioma português. Foram selecionados estudos transversais, observacionais, longitudinais. RESULTADOS E DISCUSSÃO

4 Nos últimos anos os estudos tem mostrado prevalências altas de idosos desnutridos. Os valores oscilam entre 15 a 60% dependendo do local, de onde o idoso se encontra (hospitalizado, em casa ou asilo) e da técnica utilizada para diagnóstico. Verificou-se através de dados que há um aumento na expectativa de vida, consequentemente o aumento da população idosa, por isso, requer que os serviços de saúde estejam preparados para avaliar o risco nutricional desse grupo populacional (BASSLER, 2008). Considerado o método mais utilizado em avaliação nutricional de idosos, os dados antropométricos frequentemente utilizados para este grupo etário compreendem peso, estatura, dobras cutâneas e circunferências do braço, da cintura, do quadril e da panturrilha. Estudos mostram que a MAN os resultados são mais precisos, por identificar em idosos com idade maior ou igual que 65 anos riscos de desnutrição ou desnutrição, segundo Najas e Yamatto (2010) ela consiste em um questionário que pode ser completado em 10 minutos. Ele é dividido, além da triagem, em quatro partes: avaliação antropométrica (IMC, circunferência do braço, circunferência da panturrilha e perda de peso); avaliação global (perguntas relacionadas com o modo de vida, medicação, mobilidade e problemas psicológicos); avaliação dietética (perguntas relativas ao número de refeições, ingestão de alimentos e líquidos e autonomia na alimentação); e autoavaliação (a autopercepção da saúde e da condição nutricional). Ferreira, et al (2010) subestima a gravidade do estado nutricional dos pacientes quando relacionado a mini avaliação nutricional, portanto, não é considerada eficaz para o diagnóstico de desnutrição moderada quando comparada à a avaliação subjetiva global. Já Guedes; Gama e Tiussi (2008) relata que ambas são avaliações consolidadas na literatura, porém não há um padrão-ouro para esse diagnóstico. E que há poucos estudos realizaram a comparação entre a mini avaliação nutricional e a avaliação subjetiva global na avaliação de pacientes idosos sendo necessários, portanto, mais estudos que estabeleçam essa comparação. CONCLUSÕES

5 A avaliação diferenciada no idoso é muito importante, podendo diagnosticar riscos nutricionais que prejudicam a saúde do individuo. Os estudos mostram que existem dificuldades, porém houve diversas adaptações até chegar a avaliação nutricional que realmente estabeleça resultados eficazes e planejando estratégias de intervenção. Tanto a mini avaliação nutricional como a avaliação subjetiva global representam um bom indicador para detectar risco de complicações atribuídas à desnutrição para a população idosa. REFERÊNCIAS BASSLER, Thais Carolina; LEI, Doris Lucia Martini. Diagnóstico e monitoramento da situação nutricional da população idosa em município da região metropolitana de Curitiba (PR). Revista de Nutrição, Campinas, v. 21, n. 3, June FERREIRA, Ana C.D. BARICHELLO, Greice B. SILVA, Vanuska L. EL-KIK, Raquel M. Comparação entre métodos de avaliação do estado nutricional em idosos hospitalizados. Rio Grande do Sul, Brasil, GUEDES, Ana Carolina Bastos; GAMA, Carolina Rebêlo; TIUSSI, Adriani Cristini Rosa. Avaliação nutricional subjetiva do idoso: Avaliação Subjetiva Global (ASG) versus Mini Avaliação Nutricional (MAN ). Brasília, MASTROENI, Marco Fabio et al. Antropometria de idosos residentes no município de Joinville-SC, Brasil. São Paulo, NAJAS, Myrian; YAMATTO, Talita Hatsumi, Nutrição na maturidade, Avaliação do estado nutricional do idoso. Nestlé nutrition, PAULA, Hudsara A.A.1 OLIVEIRA, Fernanda C.E. JOSÉ, Jackline F.J.S GOMIDE, Carla I. ALFENAS, Rita C. G. Avaliação do estado nutricional de pacientes geriátricos. Rev Bras Nutr Clin, v. 22, Minas Gerais, RAUEN, Michelle Soares et al. Avaliação do estado nutricional de idosos institucionalizados. Revista Nutrição, Campinas, v. 21, n. 3, SPEROTTO, Francieli Marina; Spinelli, Roseana Baggio. Avaliação nutricional em idosos independentes de uma instituição de longa permanência no município de erechim-rs. São Paulo, 2010.

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS Vanessa dos Santos Ortega Jéssica de Paula Francisco Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO As crianças estão entre as populações

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS Flávia Regina Moleiro 1, Rose Mari Bennemann² RESUMO: O aumento da expectativa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES INTRODUÇÃO Bruna Barreto da Costa Cristina Faria de Souza Moreira Rafael Lima da Cruz Laudicéia Soares Urbano Embora a existência de creches

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Adrine Fernanda Pascoal Ayna Carolina Duarte Baia Priscila dos Santos Dantas Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO A escola pública no Brasil, além

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA Vanessa Mota Lins Eder Rodrigues Machado RESUMO: Introdução: Trata-se de um estudo que sintetizou o conhecimento produzido acerca

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

Lara Ribeiro Sisti Luisa de Albuquerque Philippsen Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO

Lara Ribeiro Sisti Luisa de Albuquerque Philippsen Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA ENTERAL ARTESANAL ADEQUADA PARA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 E HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR INTRODUÇÃO Lara Ribeiro Sisti Luisa

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR Resumo Lourival, N B S Fernandes, L S; A Educação nutricional ocorre devido ações educativas com a finalidade de um maior conhecimento

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

PREVALÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS PREVALÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Gomes RC¹, Pinto CS², Soar C³ Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP/ Nutrição/Av. Shishima Hifumi,2911- Urbanova São José dos Campos - SP Fone:

Leia mais

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas III SIMPÓSIO SOBRE FERIDAS E ESTOMAS EM PACIENTES ONCOLÓGICOS Letícia Faria Serpa A albumina é uma proteína presente em grande concentração

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL GISLAINE DOMINGUES CRN-3 12.129 SUELLEN CRISTINA MENDES MAGRO CRN-3 22.132

Leia mais

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade.

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Avaliação

Leia mais

CONHECIMENTO NUTRICIONAL DE PRATICANTE DE ATIVIDADES FÍSICAS: uma revisão sistemática

CONHECIMENTO NUTRICIONAL DE PRATICANTE DE ATIVIDADES FÍSICAS: uma revisão sistemática CONHECIMENTO NUTRICIONAL DE PRATICANTE DE ATIVIDADES FÍSICAS: uma revisão sistemática Aline Vernochi Graduanda em Nutrição Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Gabriela Bonilha de Souza Graduanda

Leia mais

INTERVENÇÃO NUTRICIONAL PARA A PREVENÇÃO E/OU TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO

INTERVENÇÃO NUTRICIONAL PARA A PREVENÇÃO E/OU TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO INTERVENÇÃO NUTRICIONAL PARA A PREVENÇÃO E/OU TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO Cicera Solange Lima Barros 5, Maria Socorro Vilar Ângelo 1, Paula Georgea de Sousa Esmeraldo 1, Mariana Machado Bueno 1.

Leia mais

USO IRRACIONAL DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTERÓIDES POR IDOSOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

USO IRRACIONAL DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTERÓIDES POR IDOSOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA USO IRRACIONAL DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTERÓIDES POR IDOSOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Karoll Moangella Andrade de Assis¹; Adriana Emanuelly da Silva Barros¹; Allana Brunna Sucupira Duarte¹; Isabelly

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS MORADORES DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA VILA VIDA-TRINDADE-GOIÁS RESUMO

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS MORADORES DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA VILA VIDA-TRINDADE-GOIÁS RESUMO Artigo apresentado no V Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2013-1 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS MORADORES DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA VILA VIDA-TRINDADE-GOIÁS RESUMO (Kamila Batista de Oliveira)

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB.

AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB. AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB. Lucas Ferreira da Silva¹; Karolyne de Fátima Nunes da Silva²; Mikaely Araújo Barros³; Jozilma de Medeiros

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO Adelita Iatskiu (UNICENTRO), Amanda Constantini (UNICENTRO), Carolina G. de Sá (UNICENTRO), Caroline M. Roth ((UNICENTRO), Cíntia C. S. Martignago (UNICENTRO),

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER

EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFFECTS OF PARTICIPATION IN THE PROGRAM " MENTE ATIVO" IN BALANCE AND COGNITIVE FUNCTION

Leia mais

Programa Corporativo Fitness Timbu

Programa Corporativo Fitness Timbu Programa Corporativo Fitness Timbu O que é? Series de exercícios físicos que utilizam movimentos naturais do ser humano, como pular, correr, puxar, agachar, girar e empurrar. O praticante ganha força,

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

DESNUTRIÇÃO DO IDOSO E SAÚDE PUBLICA NO BRASIL

DESNUTRIÇÃO DO IDOSO E SAÚDE PUBLICA NO BRASIL DESNUTRIÇÃO DO IDOSO E SAÚDE PUBLICA NO BRASIL Aline Coelho Viana 1 Fernanda Fumagalli 2 RESUMO O envelhecimento populacional está acarretando mudanças profundas em todos os setores da sociedade. O idoso

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

CONSUMO NA MATURIDADE: Indicadores, Roupas e Corpos. JAQUELINE FERREIRA HOLANDA DE MELO, MARIA ALICE VASCONCELOS ROCHA

CONSUMO NA MATURIDADE: Indicadores, Roupas e Corpos. JAQUELINE FERREIRA HOLANDA DE MELO, MARIA ALICE VASCONCELOS ROCHA 1 CONSUMO NA MATURIDADE: Indicadores, Roupas e Corpos. JAQUELINE FERREIRA HOLANDA DE MELO, MARIA ALICE VASCONCELOS ROCHA Introdução Considerando, as variações do corpo humano e tendo, ainda, como variáveis-chaves

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Angélica Aparecida De Almeida 2, Ligia Beatriz Bento Franz 3, Mabili Tresel Freitas 4, Vanessa Huber Idalêncio 5. 1 Pesquisa Institucional

Leia mais

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

Processo de envelhecimento

Processo de envelhecimento Fernando Santos Processo de envelhecimento O idoso não é uma versão mais velha do adulto jovem O idoso tem características metabólicas distintas que alteram as necessidades em relação a nutrientes específicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS ÉRICA QUINTILIANO OLIVEIRA DOURADOS MS 2015 ÉRICA QUINTILIANO OLIVEIRA DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE LABORATÓRIO DE ESTUDO EXPERIMENTAL DOS ALIMENTOS 4. DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO SENSORIAL DE BARRA

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição RESUMO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Título do Trabalho: Aspectos nutricionais de mulheres submetidas à cirurgia bariátrica relacionados ao período gestacional

Leia mais

SEXUALIDADE NA TERCEIRA IDADE: UMA REFLEXÃO PSICOSSOCIAL

SEXUALIDADE NA TERCEIRA IDADE: UMA REFLEXÃO PSICOSSOCIAL SEXUALIDADE NA TERCEIRA IDADE: UMA REFLEXÃO PSICOSSOCIAL Alanna Silva dos Santos 1*, Geilza Carla de Lima Silva 2 1 Graduanda em Psicologia, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) 2 Graduanda em Ciências

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

IV JORNADAS CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO FREQUÊNCIA DA DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇAS NEUROLÓGICAS. Monte da Caparica, 2015

IV JORNADAS CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO FREQUÊNCIA DA DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇAS NEUROLÓGICAS. Monte da Caparica, 2015 1 FREQUÊNCIA DA DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇAS NEUROLÓGICAS Rita Gomes 1, Diana Miranda 5, Paula Pereira 2, Catarina Godinho 2,3,5, Joaquim J. Ferreira 3,4, 1 Centro de Desenvolvimento

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria.

Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. Artigo Técnico Saúde Total Novembro / 2007 Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. O envelhecimento populacional fará com que os médicos e profissionais de saúde,

Leia mais

Goiás e seu reflexo na sociedade

Goiás e seu reflexo na sociedade Os dados do Censo Escolar da Educação Básica de 2013, divulgado recentemente, apontaram a diminuição do número de matrículas em Goiás tendo como referência o ano de 2010. Notadamente, os decréscimos ocorreram

Leia mais

PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS AO RISCO DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS AO RISCO DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS AO RISCO DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Saulo Victor e Silva Kenio Costa Lima Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva - PPGSCol Universidade Federal do

Leia mais

OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA

OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA Autor 1: Elza Maria Santos da Silveira Titulação:Fisioterapeuta Instituição: UniRitter Endereço eletrônico: elzamss@yahoo.com.br Autor 2: Denise Costa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITO DA PESSOA IDOSA: PROMOÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO

POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITO DA PESSOA IDOSA: PROMOÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITO DA PESSOA IDOSA: PROMOÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO Maria Joselita Alves (1) Docente (UNESC União de Ensino Superior Campina Grande PB) Disciplinas de Nutrição / Saúde da Criança e

Leia mais

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2

PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA. Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 DESNUTRIÇÃO PROTÉICO-CALÓRICACALÓRICA Prof a. Dr a. Andréia Madruga de Oliveira Nutrição p/ Enfermagem 2009/2 Desnutrição protéico-calóricacalórica Síndrome clínica em conseqüência de um balanço energético

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos.

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. TÍTULO DA PRÁTICA: Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. CÓDIGO DA PRÁTICA: T80 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO RESUMO ABSTRACT

DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO RESUMO ABSTRACT DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO Carolline Ferreira de Brito 1 Jesualdo Alves Avelar 2 Felipe Waschmuth Menhô Rabelo 3 RESUMO A desnutrição é um problema frequente enfrentado por

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG.

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG. DANILO RAIMUNDO GONZAGA JOÃO BOSCO DA SILVA ALEXANDRE PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

TRIAGEM DE OSTEOPOROSE E OSTEOPENIA EM PACIENTES DO SEXO FEMININO, ACIMA DE 45 ANOS E QUE JÁ ENTRARAM NA MENOPAUSA

TRIAGEM DE OSTEOPOROSE E OSTEOPENIA EM PACIENTES DO SEXO FEMININO, ACIMA DE 45 ANOS E QUE JÁ ENTRARAM NA MENOPAUSA TRIAGEM DE OSTEOPOROSE E OSTEOPENIA EM PACIENTES DO SEXO FEMININO, ACIMA DE 45 ANOS E QUE JÁ ENTRARAM NA MENOPAUSA PAULINO, Matheus Veloso 1 ; TAVEIRA, Roberto Brasil Rabelo 2 ; SILVA, Ana Paula Nascimento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE

AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE Monica Ferreira de Vasconcelos. NEPB/UFPB. vaskoncelos.vaskoncelos@hotmai.com Rebecca Buriti Matias. FACENE. rebecca_buriti_@hotmail.com

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO BALANCEADA EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO BALANCEADA EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO BALANCEADA EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Dalila FREIRE 1 Denise AGUIAR 2 Jacqueline RODRIGUES 2 Luciana RODRIGUES 2 Maria do Socorro COSTA 2 Rosirene MARTINS 2 Talita CUNHA 1

Leia mais

TÍTULO: PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ESQUIZOFRENIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ESQUIZOFRENIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA TÍTULO: PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ESQUIZOFRENIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO AUTOR(ES):

Leia mais

A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes

A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes Quelita Araújo Alves Freitas¹*(IC), Paulo Fabrício dos Santos Lima ²(IC), Emanuel Bruno da Silva Cruz³ (IC), Camila Pinheiro

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA

RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA Marcos José Andrade Lima Universidade Federal da Paraíba Faculdade Integrada de Patos marcosandrade.saude@hotmail.com Introdução O aparelho excretor tem a função

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DO AUTOCUIDADO DO IDOSO COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DO AUTOCUIDADO DO IDOSO COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DO AUTOCUIDADO DO IDOSO COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 Elinalva Maria da Silva elinalva_maria_silva@hotmail.com Jéssyca da Silva Martins Universidade Estadual da Paraíba/UEPB

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 4ª REGIÃO RJ - ES - MG

CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - 4ª REGIÃO RJ - ES - MG ATO CRN-4 Nº 78/ 2005 Dispõe sobre o Protocolo Mínimo para Avaliação Nutricional A Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas da 4ª Região, no uso das atribuições conferidas nos termos da Lei 6583/78,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NA SOCIEDADE BENEFICENTE JACINTO GODOY, EM ERECHIM, RS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NA SOCIEDADE BENEFICENTE JACINTO GODOY, EM ERECHIM, RS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NA SOCIEDADE BENEFICENTE JACINTO GODOY, EM ERECHIM, RS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NA SOCIEDADE BENEFICENTE JACINTO GODOY, EM

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OSTEOPOROSE E CONDUTA TERAPÊUTICA EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA ATENDIDAS POR UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE MANDAGUAÇU - PR

PREVALÊNCIA DE OSTEOPOROSE E CONDUTA TERAPÊUTICA EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA ATENDIDAS POR UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE MANDAGUAÇU - PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE OSTEOPOROSE E CONDUTA TERAPÊUTICA EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA ATENDIDAS POR UMA UNIDADE

Leia mais

NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS

NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS Mariana da Silva Ricoldy 1 ; Izabelle

Leia mais

O DESAFIO DE ENVELHECER COM SÍNDROME DE DOWN

O DESAFIO DE ENVELHECER COM SÍNDROME DE DOWN O DESAFIO DE ENVELHECER COM SÍNDROME DE DOWN Autores: Martins, Daniel Vilela¹; Barbosa, Rildo da Silva¹; Silva, Amanda Jessica Bernardo da ¹. ¹ Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) danielvilelamartins@gmail.com

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL Aline Santana dos Santos Graduanda em Enfermagem Maria Aparecida dos Santos Graduanda em Enfermagem Reginaldo Vicente

Leia mais

VISÃO MÉDICA E DO ENFERMEIRO NO MANEJO DE MEDICAÇÕES EM PESSOAS IDOSAS: UMA PROPOSTA PARA SEU USO RACIONAL

VISÃO MÉDICA E DO ENFERMEIRO NO MANEJO DE MEDICAÇÕES EM PESSOAS IDOSAS: UMA PROPOSTA PARA SEU USO RACIONAL VISÃO MÉDICA E DO ENFERMEIRO NO MANEJO DE MEDICAÇÕES EM PESSOAS IDOSAS: UMA PROPOSTA PARA SEU USO RACIONAL Autor: Francisco Júnior Pereira Leite; Co-autor: Aristófenes Rolim de Holanda Associação dos Auditores

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DAS CRIANÇAS DE 07 A 10 ANOS DE IDADE QUE FREQUENTAM O PROJETO, APRIMORAMENTO DAS AÇÕES MOTORAS ATRAVÉS DA GINÁSTICA ARTÍSTICA NO MEPROVI PEQUENINOS. França, Bruna S.* Silva, Janaina

Leia mais

Protocolos de Nutrição Clínica

Protocolos de Nutrição Clínica 1 Protocolos de Nutrição Clínica Teresina PI 2012 Sumário 2 1 Introdução... 02 2 Protocolo de Assistência Nutricional para Pacientes Internados... 03 3 Protocolo Mínimo de Avaliação Nutricional... 05 4

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico.

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. III CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ADULTO/PEDIATRIA Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. Nut. Eduila Couto eduilacouto@hotmail.com Estado

Leia mais

Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor

Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor O Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor contempla 3 fases que orientam progressivamente seus alunos

Leia mais

Alfredo Rosas de Lima Júnior ¹; Kátia Ramalho Bento Souza¹; Siomara Esther Vieira de Lucena¹; Ana Carolina Bezerra ¹; Wescley Alisson Gomes Farias²

Alfredo Rosas de Lima Júnior ¹; Kátia Ramalho Bento Souza¹; Siomara Esther Vieira de Lucena¹; Ana Carolina Bezerra ¹; Wescley Alisson Gomes Farias² A ATIVIDADE FÍSICA HABITUAL COM A APLICABILIDADE METODOLÓGICA DA GINÁSTICA LABORAL: COMO ELEMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE UAMA LAGOA

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

EXPERIÊNCIA ACADÊMICA COM O USO DE PACIENTE-PADRÃO EM SIMULAÇÃO NO ENSINO EM ENFERMAGEM: UMA REFLEXÃO ÉTICA

EXPERIÊNCIA ACADÊMICA COM O USO DE PACIENTE-PADRÃO EM SIMULAÇÃO NO ENSINO EM ENFERMAGEM: UMA REFLEXÃO ÉTICA EXPERIÊNCIA ACADÊMICA COM O USO DE PACIENTE-PADRÃO EM SIMULAÇÃO NO ENSINO EM ENFERMAGEM: UMA REFLEXÃO ÉTICA Wanda Barbosa de Assis Vieira 1 Raphael Raniere de Oliveira Costa 2 Soraya Maria de Medeiros

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA

Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA Nutrição PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico Utilização da Aveia x Índice Glicêmico MURIELE MARQUES JOB; SAHRA BRENA DE OLIVEIRA LIBANIO RESUMO: O conceito de índice glicêmico pode ser considerado uma extensão da hipótese da fibra dietética, sugerindo

Leia mais

ID:1919 NOTIFICAÇÕES DE SÍFILIS NA ATENÇÃO BÁSICA: POR QUE É IMPORTANTE FALAR EM SÍFILIS

ID:1919 NOTIFICAÇÕES DE SÍFILIS NA ATENÇÃO BÁSICA: POR QUE É IMPORTANTE FALAR EM SÍFILIS ID:1919 NOTIFICAÇÕES DE SÍFILIS NA ATENÇÃO BÁSICA: POR QUE É IMPORTANTE FALAR EM SÍFILIS Teixeira, Carmen Luisa; Zambrano Machado, Rebel; de Oliveira Soares, Jaqueline; da Silva Lentz; Deise. Brasil INTRODUÇÃO

Leia mais

Inês Silva Pereira. Relatório de Estágio. Universidade Fernando Pessoa. Faculdade Ciências da Saúde

Inês Silva Pereira. Relatório de Estágio. Universidade Fernando Pessoa. Faculdade Ciências da Saúde Inês Silva Pereira Relatório de Estágio Universidade Fernando Pessoa Faculdade Ciências da Saúde Porto, 2014 Inês Silva Pereira Relatório de Estágio Universidade Fernando Pessoa Faculdade Ciências da

Leia mais

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ÓSSEO Prevenção Sintomas Tratamento Prof. Germano Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ARTICULAR Prevenção

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais