Gerência de redes LTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerência de redes LTE"

Transcrição

1 Gerência de redes LTE Cyntia Yumiko Arakaki, Jadir Antonio da Silva *, Dick Carrillo Melgarejo, Flávia Martinho Ferreira Rocha Este artigo apresenta uma proposta de arquitetura da solução de gerência de rede denominada GW-LTE (Sistema de Gerência Wireless para LTE) para suportar a operação e o gerenciamento remoto dos elementos da rede LTE uma rede de acesso sem fio banda larga multisserviço. Sob a ótica dos conceitos que estão na fronteira do estado da arte para atender a uma grande abrangência de cenários de usuários de serviços móveis banda larga, esta solução tem o objetivo de contribuir para a continuidade e a disponibilidade da entrega dos serviços, de forma eficiente, para diferentes segmentos do setor. O modelo de referência, a concepção da arquitetura e as aplicações de gerência de rede apresentados neste trabalho são baseados em pesquisas de fornecedores de soluções de gerência e nos fóruns de padronização ITU-T, TM Forum e 3GPP. Palavras-chave: Gerência de rede. LTE. Tecnologia de acesso banda larga. Introdução A gerência de rede tem como principal propósito controlar, realizar a manutenção e garantir o funcionamento contínuo da rede e dos elementos que a compõem, assegurando a qualidade e a disponibilidade dos serviços oferecidos aos usuários suportados por essa rede. As tarefas de gerenciamento dos elementos variam de acordo com as operações de gerência envolvidas nas redes gerenciadas. O gerenciamento de elementos da rede LTE (Long Term Evolution) é considerado de alta complexidade por envolver elementos de alta tecnologia com variadas funções e múltiplos procedimentos de operação. A tecnologia LTE é considerada atualmente pelas comunidades científicas a principal solução banda larga móvel rumo à quarta geração (4G) para transmissão de informações (comunicação de voz, dados e vídeo), o que fomenta a nova era de comunicação banda larga móvel. Novas tecnologias geralmente implicam novas técnicas e entidades a serem gerenciadas, bem como novas funcionalidades a serem suportadas pelas aplicações de gerência. Certamente novos desafios tecnológicos serão enfrentados para solucionar a questão de gerenciamento da rede LTE. O desafio tecnológico envolvido no gerenciamento dos elementos da rede banda larga móvel em tempo quase real, suportando banda de dezenas de MHz e com grande número de elementos de rede e UEs (User Equipment) conectados, vem da necessidade de prover qualidade e disponibilidade dos serviços aos usuários finais, numa janela de tempo compatível com sua solicitação. Assim, muitas funcionalidades de gerência deverão ser autonômicas, com mínima intervenção humana. O processamento das informações de gerência, de forma precisa e rápida, será vital para promover a entrega dos serviços com qualidade e dentro de uma janela de tempo adequada aos usuários finais. Diante das necessidades apontadas, este artigo propõe uma arquitetura funcional de gerência dos elementos da rede LTE capaz de suportar os desafios dessa evolução tecnológica com diferenciais associados à gerência autonômica e à gerência de tráfego (ARAKAKI, et al, 2011). Este trabalho está sendo desenvolvido no âmbito do Projeto RASFA Redes de Acesso Sem Fio Avançadas, cujo objetivo é desenvolver uma solução tecnológica de rede de acesso sem fio banda larga multisserviço, baseada em conceitos que estão na fronteira da tecnologia e capaz de atender a uma grande abrangência de cenários de aplicação, contribuindo assim para a expansão das políticas de universalização no Brasil e ampliando a disponibilidade e a eficiência da infraestrutura de comunicações para diferentes segmentos da economia. 1 Sistema LTE O LTE é um sistema de comunicação sem fio para serviços móveis baseado em pacotes (packet switched), que foi especificado pelo 3GPP por meio do Release 8 (3GPP, 2010d). Algumas das características do LTE são alta eficiência espectral e consequente aumento de capacidade de transmissão de dados, menor latência na transferência de dados, maior flexibilidade de uso de espectro com várias opções de largura de banda e esquema de configuração multiantena com possibilidade de até quatro camadas de transmissão tanto para downlink como para uplink. *Autor a quem a correspondência deve ser dirigida: Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez. 2012

2 2 Topologia de operação Uma topologia de operação e gerência da rede E-UTRAN (Evolved Universal Terrestrial Radio Access Network) é apresentada na Figura 1. Nessa topologia, a rede de acesso E-UTRAN (3GPP, 2010d) consiste em enodebs (evolved Node B) (ou estações radiobase) interconectadas entre si através de interface X2 e conectadas à rede núcleo EPC (Evolved Packet Core), composta pelos elementos MME (Mobility Management Entity), S-GW (Serving Gateway) e P-GW (Packet Data Network Gateway), através da interface S1. Os elementos UE representam equipamentos e terminais de usuários de serviços móveis. As células de usuários são áreas de cobertura das enodebs. NOC (Network Operations Center) ou Centro de Suporte às Operações representa o local onde são instalados os sistemas de gerência de rede que suportam a operação e o gerenciamento dos elementos da rede, a rede e os serviços de maneira centralizada. Os clientes Web são clientes dos servidores de sistema de gerência que possibilitam aos operadores e provedores de serviços comodidade e independência de localização física para remotamente realizar atividades de operação e gerenciamento das redes que suportam os serviços dos usuários. 3 Modelo de referência A Figura 2 apresenta um modelo de referência de arquitetura de gerência para suportar a operação e a gerência das redes LTE baseado nos padrões definidos pelo 3GPP (3GPP, 2010b). Neste modelo são identificadas as interfaces e as entidades envolvidas para o provimento de gerência de elemento (EM), gerência de rede (NM) e gerência de serviços (SM). As interfaces são entidades que proveem a comunicação e as trocas de informações de gerência entre sistemas de gerência, entre sistemas de gerência e elementos de rede (NE) de uma mesma organização e entre as diferentes organizações. Os seguintes tipos de interface são suportados no modelo de referência da Figura 2: (1) Interface entre elemento de rede (NE) e gerência de elemento (EM) da organização A; (2) Interface entre gerência de elemento (EM) e gerência de rede (NM) da organização A. A gerência de elemento pode residir no próprio NE. Neste caso, o elemento de rede (NE) tem interface direta com a gerência de rede (NM); (3) Interface entre gerência de rede (NM) e gerência de serviço (SM) da organização A; (4) Interface entre os sistemas de gerência de rede (NM) da organização A; Figura 1 Topologia de operação e gerência da rede E-UTRAN 34 Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez. 2012

3 (4a) Interface entre os sistemas de gerência de domínio (DM) da organização A; (5) Interface entre sistemas de gerência de serviços (SM) e sistemas de gerência de rede de diferentes organizações (A e B); (5a) Interfaces entre sistemas de gerência de domínio de diferentes organizações (A e B); (6) Interfaces entre os elementos de rede (NE). Pontos de referência de integração (IPRs) podem ser implementados para as interfaces 2 a 5. 4 Modelo de gerência do sistema LTE A Figura 3 apresenta o modelo concebido para a gerência do sistema LTE no âmbito do Projeto RASFA. Os elementos de rede (NE) são as entidades enodeb, UE e EPC. Os sistemas de gerência de elemento de rede (enodebs, UEs e EPC) são integrados aos sistemas de gerência de rede e de serviços. O modelo provê interfaces abertas e padronizadas para integração entre os sistemas de gerência. Figura 2 Modelo de referência de arquitetura de gerência Figura 3 Modelo de gerência do sistema LTE Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez

4 5 Concepção da solução de gerência de elemento de rede (enodebs e UEs) A Figura 4 apresenta a solução de gerência, no modelo gerente-agente, concebida para gerenciamento remoto dos elementos da rede LTE (enodebs e UEs) e baseada no modelo de gerência apresentado na Figura 3. Nesse modelo, o agente é a entidade que se comunica com os recursos gerenciados. Ele é responsável pela execução das operações solicitadas pelo gerente sobre os recursos gerenciados, pelo envio das respostas a essas solicitações ao gerente e pela emissão de notificações ao gerente, informando as alterações ocorridas nos recursos gerenciados. Além disso, o agente implementa e mantém os objetos que representam logicamente os recursos reais gerenciados. Esses objetos gerenciados são definidos por atributos (operações a que podem ser submetidos, notificações que podem emitir e por relacionamentos/associações com outros objetos gerenciados). O conjunto de objetos gerenciados, com seus atributos, operações, notificações e associações, constitui a base de informações de gerência (Management Information Base MIB). O gerente, por sua vez, é responsável pela orquestração das atividades de operação e pelo gerenciamento dos objetos através do envio de solicitações ao agente. A comunicação entre gerente e agente para trocas de informações de gerência é realizada através de protocolo de gerência e via rede IP. Não há restrições no uso de perfis de protocolo para a solução concebida. A padronização 3GPP concentra-se na especificação de modelos de informação e permite o mapeamento de vários perfis de protocolos para gerenciamento, tais como: SNMP, SOAP (suportado pelo protocolo TR-069) e XML. A solução concebida considera objetos gerenciados os recursos/componentes dos elementos enodeb e UE da rede LTE. Para suportar a solução concebida, os elementos gerenciados enodeb e UE devem possuir agente. 6 Arquitetura funcional de gerência de elemento de rede A Figura 5 apresenta a arquitetura funcional de gerência concebida para a solução de gerência dos elementos enodebs e UEs, denominada GW-LTE (Sistema de Gerência Wireless para LTE). Figura 4 Solução de gerência de elemento de rede (UEs e enodebs) Figura 5 Arquitetura funcional do sistema GW-LTE 36 Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez. 2012

5 Essa arquitetura é totalmente modular. A modularidade visa a obtenção da escalabilidade das aplicações e das funcionalidades de gerência e é suportada por interfaces abertas que permitem trocar informações de gerência de maneira estruturada. Além disso, provê suporte à evolução tecnológica. O acesso às informações de gerência e a execução das tarefas de operação podem ser realizados remotamente através da interface Web. O protocolo SNMP é adotado na solução de gerência para trocas de informações entre o sistema de gerência e os elementos da rede LTE. A escolha desse protocolo é por apresentar facilidade de implementação e por ser o protocolo mais empregado nas soluções de gerência (PEREIRA et al., 2011). Os módulos que compõem o sistema GW-LTE são apresentados a seguir. 6.1 Interfaces Interface southbound: SNMP, CLI (SSH,Telnet) e FTP. Interface Web: HTTP/HTTPS. Interface northbound: XML, SNMP ou baseada em arquivos (transferência de arquivo de dados viasecure File Transfer Protocol SFTP). 6.2 Aplicações de gerência Gerência de Falhas Gerência de Desempenho Gerência de Configuração Gerência de Software Gerência de Inventário Gerência de Segurança 6.3 Base de dados Falhas Desempenho Configuração Software Inventário Segurança 6.4 Cliente/Servidor Web As aplicações/funcionalidades de gerência do sistema GW-LTE podem ser acessadas através de um navegador Web. 7 Descrição dos módulos de aplicação de gerência As principais funções desempenhadas pelos módulos de aplicação de gerência são descritas nesta seção. São funções que suportam grande parte das atividades de operação e manutenção de redes LTE. 7.1 Gerência de Falhas Realiza a supervisão de alarmes dos recursos gerenciados e identifica as falhas nos recursos, provendo informações relacionadas a: grau de severidade, causa provável e localização das falhas. Também provê informações para realização de diagnóstico e eliminação de falhas. As principais funcionalidades deste módulo são: a) tratamento de traps SNMP notificados pelos agentes dos elementos de rede, identificando os alarmes ocorridos nos recursos associados; b) navegador de alarmes e eventos: trata-se de uma ferramenta de visualização de alarmes e eventos, integrada aos mapas da rede. Permite a utilização de filtros para a visualização dos alarmes e eventos e suporta a realização das operações mais comuns do processo de gerenciamento de alarmes (reconhecimento, normalização e exclusão de alarmes e eventos); c) propagação de eventos: possibilita a notificação de eventos da rede e do próprio sistema de gerência a entidades externas, através de envio de e/ou trap SNMP; d) log de alarmes e eventos: registra todos os alarmes e eventos recebidos da rede e do próprio sistema de gerência em base de dados, com data/hora de ocorrência. 7.2 Gerência de Desempenho A principal tarefa deste módulo é a monitoração de desempenho dos elementos da rede em tempo quase real, através da configuração e execução de coleta de dados e do processamento dos dados coletados, refletindo o desempenho dos recursos gerenciados através de parâmetros de desempenho. As principais funcionalidades deste módulo são: a) configuração da coleta de dados de desempenho; b) coleta de dados de desempenho nos agentes dos elementos de rede; c) tratamento de dados de desempenho; d) configuração de limiares de desempenho; e) detecção de violação de limiares de desempenho; f) geração de alarmes de violação de Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez

6 limiares de desempenho e eventos de degradação de desempenho; g) visualização gráfica de dados de desempenho correntes e históricos dos elementos de rede. 7.3 Gerência de Configuração Responsável pela configuração dos recursos gerenciados da rede, pela monitoração e pelo controle do estado dos recursos gerenciados. As principais funcionalidades deste módulo são: a) configuração de elementos de rede; b) sincronização de dados de configuração e de alarmes entre a base de dados do sistema de gerência e a base de informações de gerência (MIB) dos agentes do elemento de rede; c) visão topológica da rede: mapa de rede estruturado por domínios administrativos, tecnológicos e geográficos, provendo o mapeamento de cada um dos elementos descobertos nos domínios configurados pelo usuário; d) configuração massiva de elementos de rede. 7.4 Gerência de Segurança Realiza as tarefas de supervisão de segurança dos elementos da rede, provendo suporte a detecção e proteção contra ameaças internas ou externas, acidentais ou maliciosas (destrutivas e fraudulentas) na operação e manutenção dos elementos da rede. Realiza o controle de acesso através de funções de autenticação e autorização, impedindo o acesso não autorizado a quaisquer entidades, como, por exemplo, elementos da rede e sistemas e aplicações de gerência. As principais funcionalidades deste módulo são: a) cadastro de usuários do sistema; b) controle de acesso ao sistema; c) auditoria de operações realizadas pelos usuários do sistema. 7.5 Gerência de Inventário Este módulo se destina ao gerenciamento dos recursos estáticos, como, por exemplo, as unidades de hardware (HW) dos elementos da rede. Oferece subsídios ao planejamento, à operação/manutenção da rede e ao gerenciamento da força de trabalho, principalmente ao prover acesso remoto às informações de dados estáticos dos elementos da rede. As principais funcionalidades deste módulo são: a) descoberta automática dos elementos na rede; b) cadastro de elementos de rede. 7.6 Gerência de Software Responsável pelo controle das versões de software (SW) e firmware (FW) dos dispositivos que constituem os elementos de rede e pela atualização e ativação de SW e FW nesses dispositivos. As principais funcionalidades deste módulo são: a) atualização de SW e FW de elementos de rede; b) ativação de SW e FW de elementos de rede. 7.7 Relatórios Responsável pela geração de relatórios específicos de cada módulo de aplicação de gerência. Os seguintes relatórios são disponibilizados pelo sistema: a) relatórios de histórico de alarmes e eventos; b) relatórios de desempenho; c) relatório de inventário de equipamentos; d) relatórios de auditoria de operações realizadas pelos usuários do sistema. 8 Gerência Autonômica Conceitos de SON (Self-Organizing Networks) para a rede E-UTRAN foram introduzidos pelo 3GPP (Release 8) e envolvem a automatização de processos de configuração e otimização (selfconfiguration e self-optimization) (3GPP, 2010d). Especificamente com relação aos processos de autoconfiguração, as funções de descoberta automática, cadastro de elementos de rede e atualização de SW e FW dos elementos de rede são suportadas pelos seguintes módulos de aplicação do sistema GW-LTE: Gerência de Configuração, Gerência de Inventário e Gerência de Software. Ainda no âmbito de processos de autoconfiguração, a função ANR (Automatic Neighbour Relation) (3GPP, 2010d) implementada nas enodebs provê o gerenciamento automático da lista de células vizinhas desses elementos. A função ANR também permite o gerenciamento da lista de células vizinhas por um sistema de gerência. A Figura 6 apresenta a respectiva arquitetura funcional do GW-LTE, agregando elementos que constituem um diferencial à solução de gerência GW-LTE (ARAKAKI, et al., 2011). A função é composta dos seguintes blocos funcionais: a) Recepção de NRs (Neighbour Relations): responsável pela recepção e pelo envio de informações de células vizinhas recebidas de enodebs ao módulo de processamento de NRs; 38 Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez. 2012

7 Figura 6 Arquitetura funcional para gerenciamento de NRs de enodebs b) Processamento de NRs: processa as informações de células vizinhas de enodebs e as armazena na base de dados do sistema. Classifica as células em habilitadas (whilelist) e não habilitadas (blacklist), de modo que sejam célulasalvo em procedimentos de handover; c) Configuração de NRs: permite adição, remoção e alteração de células e dados de células vizinhas armazenadas na base de dados. Permite ainda o envio de informações de células vizinhas atualizadas pelo usuário do sistema de gerência às enodebs; d) Base de informação de NRs: base de dados de células vizinhas de enodebs. A comunicação entre o gerente_enb_arn e o agente_enb_arn é realizada através de protocolo de gerência SNMP. 9 Gerência de Tráfego A Gerência de Tráfego suporta a monitoração e o controle de tráfego da rede LTE, com o objetivo de solucionar de forma quase on-line problemas de congestionamento que podem afetar o desempenho da rede e, consequentemente, a qualidade dos serviços providos aos usuários. O módulo de aplicação Gerência de Tráfego é outro diferencial da solução de gerência GW-LTE e é constituído das seguintes funcionalidades (ARAKAKI, et al., 2011): a) Monitoração de tráfego de setores: suporta a análise específica de setores de enodebs, permitindo a identificação de: saturação da capacidade de setores a partir da monitoração de tráfego em tempo real (throughput) no uplink e no downlink; principais ofensores de capacidade de setores (saturação no uplink e no downlink); UEs registrados; UEs com maior tráfego; setores que não apresentam eficiência no uso da modulação adaptativa no uplink e no downlink. b) Controle de tráfego: responsável pela aplicação de um conjunto de regras para controle de tráfego de usuários, de forma a otimizar o desempenho do setor. A aplicação de regras é baseada na análise dos setores de estações radiobase, que é suportada pela funcionalidade Monitoração de tráfego de setores. Para a aplicação de regras, o módulo dispõe de interfaces para integração com entidades da arquitetura PCC (Policy and Charging Control) (3GPP, 2010a), tais como: SPR (Subscription Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez

8 Profile Repository) e PCRF (Policy and Charging Rule Function). Conclusão Neste artigo foi apresentada uma solução de arquitetura funcional de gerência que contempla os módulos de aplicação de um sistema de gerência de elemento de rede para suportar a operação e o gerenciamento dos elementos da rede de acesso do sistema LTE. A abrangência das aplicações de gerência da solução apresentada segue as recomendações dos principais órgãos internacionais de padronização no escopo de gerência de elemento de rede e de rede de telecomunicações: 3GPP, ITU-T e TM Forum. Já os módulos de aplicação Gerência Autonômica e Gerência de Tráfego constituem os diferenciais da solução apresentada. A gerência autonômica agiliza processos e minimiza os custos operacionais da rede por meio da redução e eliminação de configuração manual de parâmetros operacionais da rede por ocasião de seu planejamento, implantação, operação e otimização. A gerência de tráfego auxilia a otimização do desempenho da rede móvel, que se apresenta cada vez mais complexa em função da diversidade de serviços e da crescente demanda de usuários. Vale observar que as funcionalidades de gerência que suportam os módulos de aplicação de gerência são dependentes dos reference designs adotados na solução do projeto de desenvolvimento dos equipamentos enodeb e UE e, principalmente, da implementação do software do agente, uma vez que os agentes refletem as capacidades de gerência suportadas pelos elementos do sistema LTE. Considerando as características modular e escalável da arquitetura de gerência concebida, novas funcionalidades e módulos de aplicação de gerência podem ser incorporados à solução, tornando-se fator relevante para suportar e permitir a monitoração de novos serviços de novas tecnologias de redes em constante evolução. Agradecimentos Os autores agradecem o apoio dado a este trabalho, desenvolvido no âmbito do Projeto RASFA Redes de Acesso Sem Fio Avançadas, que contou com recursos do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (FUNTTEL), do Ministério das Comunicações, através do convênio n o com a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). Referências 3rd GENERATION PARTNERSHIP PROJECT (3GPP). 3GPP TS ( ): Technical Security Management concept and requirements (Release 8). V a.. 3GPP TS : Technical Performance Management (PM); Concept and requirements (Release 8). V b.. 3GPP TS : Technical Aspects;Telecommunication management; Configuration Management (CM); Concept and high-level requirements (Release 8). V c.. 3GPP TS : Technical Configuration Management (CM); Generic network resources Integration Reference Point (IRP); Requirements (Release 8). V d.. 3GPP TS : Technical Inventory Management (IM); Requirements (Release 8). V e.. 3GPP TS : Technical Inventory Management (IM) network resources Integration Reference Point (IRP); Network Resource Model (NRM) (Release 8). V f.. 3GPP TS : Technical Fault Management; Part 1: 3G fault management requirements (Release 8). V a.. 3GPP TS : Technical Architecture (Release 8). V b.. 3GPP TS : Digital cellular telecommunications system (Phase 2+); Universal Mobile Telecommunications System (UMTS); LTE; Policy and charging control architecture (Release 8). V a.. 3GPP TS : Technical Aspects;Telecommunication management; Principles and high level requirements (Release 8). V b. 40 Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez. 2012

9 . 3GPP TS : Technical Software Management (SwM); Concepts and Integration Reference Point (IRP) requirements (Release 8). V c.. 3GPP TS : Technical Specification Group Radio Access Network; Evolved Universal Terrestrial Radio Access (E- UTRA) and Evolved Universal Terrestrial Radio Access Network (E-UTRAN); Overall description; Stage 2 (Release 8). V d. ARAKAKI, C. Y. Especificação de Requisitos do Sistema de Gerência de Elemento de Rede LTE. Código do documento. Campinas: CPqD, maio (Relatório técnico). ARAKAKI, C. Y. et al. Monitoração tecnológica em redes LTE Monitoramento de Oportunidades de Inovação em Redes LTE. PD.30.RA.A A/RT-04-AA. Campinas: CPqD, abr (Relatório técnico). INTERNATIONAL TELECOMMUNICATION UNION/TELECOMMUNICATION STANDARDIZATION SECTOR (ITU-T). Recommendation M.3010: Principles for a Abstract telecommunications management network. 2000a.. Recommendation M.3400: TMN management functions. 2000b.. Recommendation X.731: Information technology - Open Systems Interconnection - Systems Management: State management function. 1992a. Recommendation X.733: Information technology - Open Systems Interconnection - Systems Management: Alarm reporting function. 1992b.. Recommendation M : Security for the management plane: Security requirements TM FORUM. Business Process Framework (etom): GB921 Concepts and Principles. Release 8.1, Version 8.5, Mar Guide to Applying the Business Process Framework: GB921 Addendum G. Release 8.1. Version Apr PEREIRA, L. C. P. et al. Missão Índia Visita aos Fornecedores de Tecnologia LTE (Visão Sistêmica). PD.30.RA.A A/RT-07-AA. Campinas: CPqD, jan (Relatório técnico). This article presents the network management architecture to support the operation and remote management of the LTE network elements. From the perspective of the concepts that are on the border of technical state to meet a wide range of user scenarios of mobile broadband, this solution aims to contribute to the continued availability of an efficient service delivery to different segments of the economy. The reference model, architecture and network management applications are based on researching of solutions suppliers and standardization forums as ITU-T, TM Forum and 3GPP. Key words: Network Management. LTE-Advanced. Wireless broadband access technologies. Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 8, n. 2, p , jul./dez

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Parâmetros de qualidade em redes LTE

Parâmetros de qualidade em redes LTE REDES MÓVEIS 80 RTI AGO 2015 Parâmetros de qualidade em redes LTE Luciano Henrique Duque, da LHD Engenharia O artigo apresenta uma forma de extrair os indicadores de qualidade de banda larga em redes 4G

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

QUALIDADE DE SERVIÇO EM REDES MÓVEIS DE 4º GERAÇÃO LTE

QUALIDADE DE SERVIÇO EM REDES MÓVEIS DE 4º GERAÇÃO LTE QUALIDADE DE SERVIÇO EM REDES MÓVEIS DE 4º GERAÇÃO LTE Tiago Barros de Souza, Paulo Roberto Guardieiro Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia MG tiagobs007@gmail.com,

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Leonardo Lemes Fagundes leonardo@exatas.unisinos.br São Leopoldo, 15 de outubro de 2004 Roteiro Apresentação da disciplina Objetivos Conteúdo programático Metodologia

Leia mais

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo A tecnologia LTE tem sido considerada uma tendência natural para a convergência dos sistemas de telefonia celular de segunda e terceira geração. Essa tecnologia, entretanto,

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution)

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) 23 2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) O LTE (Long Term Evolution) surge como uma evolução das redes 2G (GSM) e 3G (UMTS) existentes. Espera-se que o LTE seja capaz de absorver, eficientemente o crescente

Leia mais

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI GOVERNANÇA DE TI Unidade IV 4 etom ENHANCED TELECOM OPERATIONS MAP 1 Em 1986, o International Telecommunications Union Telecommunications (ITU-T) definiu uma arquitetura-padrão para o gerenciamento de

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Arquitetura de gerência de rede WiMAX

Arquitetura de gerência de rede WiMAX Cyntia Yumiko Arakaki *, José Luís Schifferli Lopes, Fabrício Lira Figueiredo Este artigo apresenta uma arquitetura funcional de gerência de rede para suporte à gerência de infraestrutura de rede baseada

Leia mais

Categoria: Banda Larga, Infraestrutura para Telecomunicações e Telefonia Celular. Inicial

Categoria: Banda Larga, Infraestrutura para Telecomunicações e Telefonia Celular. Inicial Tutorial: Extração de Parâmetros da Qualidade em Rede LTE Fazendo Uso do CDR (Call Detail Record) Esse tutorial apresenta uma forma de extrair indicadores de qualidade banda larga em redes 4G (LTE) por

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

LTE - Aplicações. Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD

LTE - Aplicações. Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD LTE - Aplicações Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD Contexto Tecnologia Móvel e Tráfego de Dados Source: Cisco VNI Mobile, 2015 Terminais Móveis e Dados http://www.coadydiemar.cm/html/rb_volume6_2012.html

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

MANUAL CLIENTE TODA A

MANUAL CLIENTE TODA A MANUAL CLIENTE TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho dos serviços de telecomunicações

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

SENAI - FATESG. Gerência de Redes. Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc.

SENAI - FATESG. Gerência de Redes. Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc. SENAI - FATESG Gerência de Redes Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc. Introdução Redes de Computadores É um conjunto de computadores autônomos interconectados [Tanenbaum, 1997] Introdução Mainframe

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Avaya Virtualization Provisioning Service

Avaya Virtualization Provisioning Service Avaya Virtualization Provisioning Service Uma solução que fornece visibilidade, validação, automatização e geração de relatórios ao longo dos diferentes servidores, aplicações e dispositivos de rede para

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Painel MSP. Guia da solução

Painel MSP. Guia da solução Guia da solução Painel MSP Este documento aborda o painel de serviços gerenciados Cisco Meraki, que contém recursos criados especialmente para provedores de serviços gerenciados que oferecem redes gerenciadas

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

CA Nimsoft para monitoramento de redes

CA Nimsoft para monitoramento de redes DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA CA Nimsoft para monitoramento de redes agility made possible sumário resumo executivo 3 Visão geral da solução 3 CA Nimsoft Monitor sondas especializadas 3 Sonda de conectividade de

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Este tutorial apresenta o modelo TMN (Telecommunications Management Network) para gerenciamento de redes de Telecomunicações criado pelo ITU-T (International

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

A Gerência em Redes de Computadores

A Gerência em Redes de Computadores A Gerência em Redes de Computadores Gerência de Redes Redes Ferramenta fundamental Tecnicamente: constante expansão, tanto fisicamente como em complexidade. O que o usuário espera da rede? Disponibilidade

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Nine Developing Network Management Strategies Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Gerencia da Rede Contribui para atingir os objetivos dos requisitos Contribui

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision Software de gerenciamento de impressoras MarkVision O MarkVision para Windows 95/98/2000, Windows NT 4.0 e Macintosh é fornecido com a sua impressora no CD Drivers, MarkVision e Utilitários. 1 A interface

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

Enfrente os atuais desafios de BYOD

Enfrente os atuais desafios de BYOD Folheto Enfrente os atuais desafios de BYOD HP Intelligent Management Center para BYOD Quem é você? Seu dispositivo está em conformidade? Atribuído para redes de aplicativos virtuais de identidade Usuário

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular. Uma parceria de sucesso!

Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular. Uma parceria de sucesso! Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular Location Based System Monitoramento 24 Horas www.portpac.com.br +55 (16) 3942 4053 Uma parceria de sucesso! SeG Sistemas de Controle Ltda ME CNPJ:

Leia mais

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS)

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Hoje é fundamental para as empresas poder contar com recursos de comunicação, mobilidade, flexibilidade

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços

GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços Este Tutorial apresenta os conceitos básicos de Gerência Integrada de Redes e Serviços (GIRS) como defina pela UIT sob o título de TMN(Telecommunications Management

Leia mais

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012.

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012. Bem Brasília vindos 9 de Maio de 2012 AGENDA REFER TELECOM Desafios da Modernização Interoperabilidade Operação Ferroviária Modelo de negócio Gestão de Telecomunicações Gestão do Património Engenharia

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS Prof. Roberto A. Dias, Dr. Eng CEFET-SC Igor Thiago Marques Mendonça Reginaldo

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

ACCESSNET -T IP Técnica do sistema TETRA da Hytera. www.hytera.de

ACCESSNET -T IP Técnica do sistema TETRA da Hytera. www.hytera.de Técnica do sistema TETRA da Hytera é a solução abrangente e eficiente para todas as aplicações em transmissão móvel profissional. www.hytera.de Num piscar de olhos Para comunicação TETRA profissional TETRA

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

Folha de Especificações ASTRO 25 Core

Folha de Especificações ASTRO 25 Core CONFIGURAÇÕES FLEXÍVEIS E ESCALÁVEIS ASTRO 25 CORE Um pequeno povoado ou uma grande cidade um único departamento ou vários órgãos seu sistema de rádio deve adaptar-se às suas necessidades e ao seu orçamento.

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Redes de Gestão de Telecomunicações (TMN - Telecommunications Management Network) João Pires Redes de Telecomunicações 285 João Pires Redes de Telecomunicações 286 O que é o TMN?

Leia mais

1. Funcionalidades TMN

1. Funcionalidades TMN 1. Funcionalidades TMN Uma TMN pretende suportar uma ampla variedade de áreas gerenciais que abrange o planejamento, instalação, operação, administração, manutenção e provisionamento de serviços de telecomunicações.

Leia mais

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G.

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G. Interoperabilidade UMTS-to-GSM (IRAT Inter-Radio Access Technology) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Interoperabilidade entre os sistemas UMTS e GSM (IRAT Inter-Radio Access

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Fortaleza Digital. Aker FIREWALL UTM. Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital.

Fortaleza Digital. Aker FIREWALL UTM. Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital. Aker FIREWALL UTM Fortaleza Digital Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital. Ideal para o ambiente corporativo, com o Aker Firewall UTM você tem o controle total das informações

Leia mais

www.aker.com.br parcerias de sucesso 200 maiores Construindo top Sobre a Aker Curiosidades Aker Security Solutions A Aker está entre as

www.aker.com.br parcerias de sucesso 200 maiores Construindo top Sobre a Aker Curiosidades Aker Security Solutions A Aker está entre as Sobre a Aker Investir em tecnologia de ponta é garantir a segurança dos dados de sua empresa, aumentando a produtividade de seus funcionários e a rentabilidade do seu negócio. A Aker Security Solutions,

Leia mais

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Índice Interfaces e Interligação Obrigações legais Numeração, Nomes e Endereçamento 2 Interfaces e Interligação Modelo de Evolução da Interligação

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV

ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV www.scati.com info@scati.com Índice Scati Suite Caraterísticas gerais Gravação Aplicações cliente de gestão Outras funcionalidades Scati

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS.

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA FOLHETO COM TANTOS EQUIPAMENTOS MÓVEIS... VOCÊ, DEFINITIVAMENTE, QUER CRIAR UM APLICATIVO COMPATÍVEL COM TODOS ELES. COM RHOELEMENTS,

Leia mais

LAGF. Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli

LAGF. Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli LAGF Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli Setembro/2013 Agenda Smart Utilities & Smart Network Gestão integrada da Rede Conclusão Smart Utilities - Vetores da Governança Visão, Direção

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security Administration Kit Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security O Kaspersky Administration Kit é uma ferramenta de administração centralizada

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais