Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP."

Transcrição

1 Simple Network Management Protocol (SNMP) Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 25/04/2005). Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas de Redes de Dados e Multisserviços, Sistemas Celulares e Sistemas de Supervisão e Controle. Ocupou posições de liderança na Pegasus Telecom (Gerente - Planejamento de Redes), na Compaq (Consultor - Sistemas Antifraude) e na Atech (Coordenador - Projeto Sivam). Atuou também na área de Sistemas de Supervisão e Controle como coordenador de projetos em empresas líderes desse mercado. Tem vasta experiência internacional, tendo trabalhado em projetos de Teleco nos EUA e de Sistemas de Supervisão e Controle na Suécia. Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Categoria: Banda Larga Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 08/06/2009 1

2 SNMP: O que é? Devido a diversidade de equipamentos das modernas redes de dados, tornou-se necessário unificar e padronizar as informações de gerência e o protocolo da administração dessas redes. Para atender essa necessidade, 2 protocolos principais surgiram: o SNMP (Simple Network Management Protocol) e o CSMIE/CMP (Common Management Information Service Element/Common Management Information). A idéia original era que os dois padrões deveriam convergir para permitir o acesso e o compartilhamento dos mesmos dados. Entretanto, esse objetivo não foi atingido, já que o CMOT (CMIP over TCP/IP) não teve o sucesso esperado, possibilitando que o SNMP se tornasse o padrão de mercado. A especificação de requisitos foi minimizada de modo que o desenvolvimento ocorresse mais rapidamente e, em poucos meses, o IETF (Internet Engineering Task Force) publicou a primeira RFC (recomendação) para o SNMP. Histórico No início de 1988 a necessidade de uma ferramenta da administração para as redes TCP/IP, mais particularmente para a Internet, já era um fato relevante. A partir dessa necessidade, o IAB (Internet Architecture Board) publicou em abril 1988 a recomendação RFC IAB Recommendations for the Development of Internet Network Management Standards. Esta RFC apresentava os requisitos para a padronização da gerência de redes. As primeiras recomendações para o SNMP foram publicadas ainda em 1998, e utilizavam parte dos conceitos já desenvolvidos para roteadores, principalmente o SGMP (Simple Gateway Monitoring Protocol). O desenvolvimento teve continuidade e, após a RFC ter sido reescrita com novas funções, a versão 1.0 do SNMP foi publicada em maio Vários grupos de trabalho contribuiram para o desenvolvimento do protocolo e criaram MIB's para todos os tipos de equipamentos de rede (bridges, roteadores, hubs, monitores ASCII e interfaces WAN, DS1, DS3, X.25, Frame Relay, Ethernet, Token Ring, FDDI, e etc.) e também para os protocolos proprietários. Em novembro de 1991 novos requisitos são adicionados para a integração de "probes" com a finalidade de permitir a verificação passinva do tráfego em um segmento da rede LAN para análises posteriores. Em abril de 1993, a versão 2 do SNMP é publicada, com funcionalidades de segurança e autenticação. Esta versão é criticada porque introduz complexidade e não é completamente compatível com a versão 1. Finalmente em 1997 a versão 3 do SNMP é publicada com funcionalidades adicionais de adminstração e segurança. Gerência de Redes Os sistemas de gerência de rede permitem ao administrador verificar os dispositivos interligados a rede e atualizar de suas informações de estado e configuração. O gerenciamento de redes TCP/IP e notadamente da Internet, têm com base o seguinte modelo: 2

3 O software Agent (Agente) é instalado em cada dispositivo da rede, com a finalidade interagir com o sistema de gerência para responder as requisições de informação recebidas, ou para executar os comandos solicitados. Esses Agentes também enviam informações espontâneas em situações de falhas ou na ocorrência de eventos significativos. O software Manager (Gerente) é instalado no sistema de gerência para solicitar as informações e enviar comandos para os dispositivos de rede e para receber as informações solicitadas ou os eventos espontâneos gerados por esses dispositivos, O software de Aplicação é responsável pela apresentação das informações do sistema de gerência e pela interface do sistema com o usuário. Essas aplicações ainda não possuem uma padronização de mercado, e diversos sistemas estão disponíveis oferencendo interfaces flexíveis e sofisticadas com o objetivos de facilitar e aperfeiçoar o gerenciamento de redes. Na arquitetura apresentada, o SNMP é o protocolo mais comumente utilizado nas comunicações entre os softwares Agent e Manager oferencendo a simplicidade e as funcionalidades necessárias para um efetivo gerenciamento de redes TCP/IP. 3

4 SNMP: Características O SNMP é baseado no modelo manager - agent apresentado, que é composto por um software manager e sua base de dados de gerenciamento de informações de rede instalado no sistema de gerência, por softwares agents e suas informações locais (objetos gerenciáveis) instalados nos diversos dispositivos de rede e pelo protocolo de gerenciamento propriamente dito. A figura a seguir ilustra esse modelo. O manager e o agent utilizam a estrutura de objetos denominada Management Information Base (MIB) e os comandos do protocolo SNMP para a troca de informações. As informações mais importantes foram padronizadas, no seu formato e conteúdo, para serem usadas e armazenadas nos diversos dispositivos de rede disponíveis no mercado. Além disso, a estrutura do modelo de gerência inclui uma forma bem definida para atribuir nomes aos diversos objeto armazenados. Estrutura da MIB A MIB possui uma estrutura em árvore padronizada que contém os objetos gerenciáveis de um determinado dispositivo de rede. Essa estrutura não tem limites e, de acordo com a necessidade, pode ser atualizada e expandida. Um objeto gerenciável é uma visão abstrata de um recurso de um dispositivo da rede. Ele corresponde a uma estrutura de dados e operações obtida a partir do modelamento dos recursos desse dispositivo de rede. Cada objeto possui as seguintes características: Um rótulo (label), em formato texto, e uma identificação única denominada Object IDentification (OID), que é composta por uma seqüência de números que identifica a posição do objeto na árvore da MIB (por exemplo: ). Atributos: tipo de dado, descrição e informações de status, configuraç.ão e estatíticas, entre outras. Operações que podem ser aplicadas ao objeto: leitura (read), escrita (write) e comando (set). A figura a seguir apresenta a estrutura da MIB-I, definida na primeira versão do SNMP. 4

5 No primeiro nível da árvore encontram-se os nós que definem 3 subárvores, destinadas aos órgãos responsáveis pela padronização das MIB's. No segundo e terceiro níveis encontram-se os nós que definem os órgãos responsáveis pela administração de uma determinada subárvore, que no caso apresentado é o DoD. A Internet está sob o nó DoD, e possui quatro subárvores: directory(1): contém informações sobre o serviço de diretórios OSI (X.500). mgmt(2): contém informações de gerenciamento de rede. experimental(3): contém os objetos que ainda estão sendo pesquisados pelo IAB. private(4): contém objetos definidos por outras organizações. Essa versão inicial tinha como objetivo atender aos requisitos de gerenciamento do protocolo TCP/IP na Internet, e concentrou sua estrutura na identificação das seguintes informações: Descrição do sistema. Número de interfaces de rede do sistema (interfaces Ethernet, portas seriais, etc.). Endereço IP de cada interface. Estatística de mensagens (datagramas) enviados e recebidos. Estatística de conexões TCP ativas. O IAB definiu inicialmente várias MIB's para alguns tipos de dispositivos de rede, tais como bridges e roteadores, afim de encorajar os fabricantes para desenvolverem as extensões necessárias para cada 5

6 tecnologia. Sua filosofia de concepção simplificada das MIB's usava os seguintes critérios: Definir inicialmente um pequeno conjunto essencial de objetos, aos quais podem ser adicionados outros objetos, de acordo com a necessidade. Definir objetos que sejam necessários tanto para o gerenciamento de falhas como para o gerenciamento de configuração. Considerar o uso e utilidade do objeto definido. Limitar o número total de objetos. Excluir objetos derivados de outros objetos. Evitar que seções críticas tenham muitos objetos. Após esses primeiros passos, uma nova versão denominada MIB-II foi definida, e adicionou a estrutura original várias informações importantes para o gerenciamento de redes propriamente dito. A figura a seguir apresenta a estrutura da MIB-II. Essa nova versão apresenta na subárvore MIB-II os seguintes grupos: Grupos system(1) interfaces(2) address translation(3) ip(4) icmp(5 ) tcp(6) udp(7) egp(8) cmot(9) transmission(10) snmp(11) Informações Sistema de operação dos dispositivos da rede Interface da rede com o meio físico Mapeamento de endereços IP em endereços físicos Protocolo IP Protocolo ICMP Protocolo TCP Protocolo UDP Protocolo EGP Protocolo CMOT Meios de transmissão Protocolo SNMP 6

7 Como facilidade adicional da MIB, na subárvore entreprises(1) dedicada às empresas privadas, definida sob o nó private(4), podem ser solicitadas subárvores aos órgão de padronização destinadas ao uso específico de um fabricante. O uso de objetos dessa subárvore e de objetos da subárvore SNMP permite a im dispositivo de rede se identificar de forma precisa. Como pode ser observado, a MIB define a estrutura que organiza os objetos gerenciáveis nos dispositivos de rede, mas o protocolo se utiliza do OID para identificar o tipo de informação a ser solicitada ou armazenada no dispositivo de rede, ou a operação a ser executada.. Notação ASN.1 A notação ASN.1 (Abstract Syntax Notation One) foi a linguagem desenvolvida pelo ITU-T e escolhida pela ISO para a definição dos objetos gerenciáveis da MIB. Ela utiliza conceitos de orientação a objeto para definir um recurso, seus atributos e as operações que podem ser executadas por este recurso, quando aplicável. Essa notação define: Datatypes: tipos de dados básico que definem o formato das informações, tais como Integer, Byte String, Object Identifier, Null, Enumerated, Boolean, entre outros. São atribuídos a informações básicas, tais como contadores (integer), texto descritivos (bytes string) e etc. Complex Constructed: tipos de dados mais complexos que formam estruturas definidas a partir dos tipos de dados básicos. São atribuídos a conjuntos mais complexos de informações, tais como objetos gerenciáveis ou mensagens. Macro Templates: modelos completos para a definição dos objetos gerenciáveis. Incluem todos os tipos de dados ou estruturas necessárias para o objeto, as faixas de valores aceitáveis para cada dado e os tipos de operações que podem ser executadas pelo objeto. A notação ASN.1 possui ainda um conjunto de regras denominado BER (Basic Encoding Rules) que define a forma através da qual um programa escrito nessa linguagem é compilado para ser traduzido para a linguagem de máquina do dispositivo de rede. Este programa compilado é então carregado e a MIB passa a ser interpretada corretamente pelo dispositivo. 7

8 SNMP: Protocolo Comandos e Mensagens O SNMP é um protocolo orientado a pacotes, e possui em sua estrutura cabeçalho, dados e informações de verificação do pacote. Esse pacote é denominado Protocol Data Unit (PDU) e na versão 1 possui os seguintes pacotes: Get Request Get-next Request Set Request Get Rresponse Trap Usado para solicitar o valor de uma ou mais variáveis da MIB. Usado para solicitar os valores de um conjunto seqüencial de variáveis da MIB. Geralmente é usado para solicitar valores de uma tabela da MIB. Após a solicitação do primeiro valor usando o comando Get, os valores seguintes são solicitados usando este comando. Usado para atribuir um valor a uma variável da MIB. Usado para enviar resposta aos comandos Get, Get-next e Set. Usado para enviar informações de alarme ou eventos significativos. A figura a seguir apresenta o fluxo de mensagens com base no modelo manager - agent apresentado. Nesses modelo ocorrem as seguintes interações: O manager envia um comando Get ou Get-next para solicitar uma ou mais variáveis e o agent responde com um Get-response enviando a informação solicitada, caso o dispositivo seja gerenciável. O manager envia um comando Set para alterar uma ou mais variáveis e o agent responde com um Get Response confirmando a alteração, caso esta seja permitida. O agent envia um Trap para o manager quando um evento ou alarme ocorre. 8

9 As mensagens do SNMP possuem o seguinte formato geral: 0 Conjunto de Dispositivos Gerenciáveis Comandos e Respostas do SNMP version community SNMP PDU Os formatos dos comandos e respostas dos pacotes PDU são os seguintes: Get Request [0], Get-next Request [1], Set Request [3] número da 0, 1, lista de variáveis da MIB solicitadas solicitação PDU type request id error-status error-index variables Get Response [2] 2 número da solicitação erro (se houver) complemento (se houver) lista de variáveis da MIB enviadas PDU type request id error-status error-index variables Trap [4] 4 tipo de objeto endereço do agente tipo de trap genérico tipo de trap específico hora do trap lista de variáveis da MIB relacionadas PDU type enterprise agent-addr generic-trap specific-trap time-trap variables Para cada um dos tipos de PDU's são enviadas informações relativas à MIB do dispositivo de rede. Nos pacotes Get Request e Get-next Request a lista de variáveis contém apenas a identificação das variáveis solicitadas. Nos pacotes Get Response, Set Request e Trap a lista de variáveis contém a identificação e os valores das variáveis. O agent analisa cada uma das identificações de variáveis recebidas de acordo com a sua MIB para verificar se o objeto informado é gerenciável ou alterável (no caso do comando Set Request). O manager usa a sua cópia local da MIB do dispositivo de rede para apresentar a identificação da variável e para interpretar os seus valores. Modelo em Camadas No modelo de redes que utilizam o TCP/IP, o SNMP é considerado um protocolo de aplicação tanto no 9

10 sistema de gerência da rede como nos dispositivos propriamente ditos. Para este tipo de arquitetura aplica-se o seguinte modelo de camadas desenvolvido para o TCP/IP: Nota-se que o SNMP utiliza os pacotes do tipo UDP para envio de suas mensagens. Por sua vez, os pacotes UDP utilizam os pacotes IP para efetuar o transporte de pacotes entre o manager, no sistema de gerência, e o agent, nos dispositivos de rede. A figura a seguir apresenta o pacote IP resultante. Datagrama IP Datagrama UDP Mensagem SNMP IP Header UDP Header version community SNMP PDU Desta forma, no modelo manager - agent a troca de informações entre o sistema de gerência e os dispositivos de rede usando o protocolo SNMP nas redes TCP/IP ocorre conforme mostra a figura a seguir: 10

11 11

12 SNMP: Aplicações O gerenciamento de redes tem sido um elemento importante para o aperfeiçoamento dos recursos computacionais nas diversas organizações. Seus grupos de Tecnologia da Informação certamente possuem sistemas de gerência de redes corporativas internamente ou através de prestadores de serviços. Esses sistemas baseiam-se em aplicações de Gerência de Rede que possuem atualmente funcionalidades bastante complexas que permitem ao administrador da rede obter informações detalhadas e em tempos de resposta compatíveis com as suas necessidades. Neste ambiente o SNMP tem um papel muito importante, como protocolo que implementa a infraestrutura de troca de informação entre os diversos elementos presentes nessas redes. Os exemplos de uso do SNMP apresentados a seguir estão focados no protocolo propriamente dito, abstraíndo-se dos software de aplicação dos sistemas de Gerência de Rede. Interface Ethernet A Ethernet é uma das tecnologias de interface de rede mais antigas e uma das primeiras a ter uma MIB específica definida, através de RFC 1398 (1998). Vários dispositivos de rede usando as interfaces Ethernet ou FastEthernet se conectam através dos cabos de pares trançados dos cabeamentos estruturados aos hubs ou switches que fornecem o meio de interligação física das rede corporativas. O protocolo de acesso a esse meio físico é o CSMA/CD (Carrier Sense Multiple Access with Collision Detection). Nesse tipo de protocolo, os dispositivos de rede só iniciam uma comunicação se a rede estiver disponível. Se dois ou mais dispositivos iniciam uma transmissão ao mesmo tempo ocorre uma colisão. Ambos os dispositivos aguardam um tempo aleatório antes de iniciar novamente a transmissão, o que evita que uma nova colisão ocorra. Desta forma, implementa-se uma regra de acesso ao meio físico simples e que tem se perpetuado até os nossos dias. A MIB para as interfaces Ethernet é identificada pelo OID [ ]. A sua estrutura contempla as seguintes informações: Uma tabela de estatísticas que contém o número de erros ocorridos na interface Ethernet. Uma tabela de estatísticas usada para construir um histograma de freqüência de colisões. Informações necessárias para configurar e gatilhar um teste de TDR (Time Domain Reflectometry), usado para teste de cabos e interfaces. Objetos gerenciáveis para os Chipset mais comumente encontrados no mercado. Com base nessas informações os sistemas de gerência de rede podem obter informações importantes sobre cada dispositivo da rede, podem iniciar testes de verificação de cabos e interfaces e podem verificar a qualidade de segmentos ou de toda a rede. Interface PPP O protocolo PPP foi desenvolvido e padronizado através da RFC 1548 (1993) com o objetivo de transportar 12

13 todo o tráfego entre 2 dispositivos de rede através de uma conexão física única. Embora seja um protocolo, o PPP encontra-se na lista de interfaces. Na prática, a interface PPP é implementada através de conexões físicas do tipo RS-232 ou Modens. Atualmente é possível usar conexões PPP até sobre Ethernet (PPPoE). A MIB para o PPP, identificada pela OID [ ], é constituida de diversos grupos definidos em RFC's distintas. Os mais comumente conhecidos são: PPP Link Group: composto por uma tabela de status da conexão (Link Status Table) e por uma tabela de configuração com parâmetros sugeridos (Link Configuration Table). PPP Link Quality Report Group: composto por uma tabela de parâmetros e estatística (número de: pacotes enviados e recebidos, pacotes com erros e descartados, e pacotes válidos) e por uma tabela de configuração, que contém informações acerca da qualidade da conexão. PPP Security Table: composta por variáveis de configuração e controle relacionadas com as funcionalidades de segurança do PPP. PPP IP Group: composta por variáveis de configuração, status e controle relacionadas com uso do protocolo IP sobre o PPP. PPP Bridge Group: composta por variáveis de configuração, status e controle relacionadas com uso de funcionalidade de Bridge sobre o PPP. Interface Frame Relay O protocolo Frame Relay é um protocolo orientado a pacotes oriundo de uma simplificação do protocolo X.25. O tutorial do Teleco Frame Relay detalha esse protocolo. A MIB para a interface Frame Relay é identificada pela OID [ ] e foi definida pela RFC 1315 (1992). Sua estrutura contempla os seguintes grupos: Data Link Connection Management Table: composta por informações de status e configuração da rede. Circuit Table: composta por informações de estatística, status e configuração para circuitos virtuais e interfaces existentes. FR Error Table: armazena os erros mais recentes para cada interface com informação de hora de ocorrência, separados de acordo com o tipo de erro ocorrido (data frame error, management frame error, etc.). Monitoração Com o advento do SNMP outras funcionalidades foram adicionadas aos sistemas de gerência de rede. A RFC 1271 (1991) define a Remote Network Monitoring Management Information Base (RMON MIB), como sendo a MIB a ser usada por um dispositivo de rede que tem como única funcionalidade monitorar a rede e fornecer informações sob demanda para o manager. A RMON MIB é identificada pela OID [ ]. Sua estrutura contempla os seguintes grupos: statistics ( ); history ( ); host ( ); 13

14 hosttopn ( ); matrix ( ); filter ( ); packet capture ( ); alarms ( ); events ( ). Com essas funcionalidades definidas e disponíveis, um dispositivo Monitor de Rede torna-se bastante flexível, porém bastante complexo para ser configurado, já que a sua MIB contém diversos parâmetros de configuração. Deve ser dada especial atenção para esses detalhes, de forma a obter as informações de acordo com as necessidades e especificação do sistema de Gerência de Rede. 14

15 SNMP: Novas Versões Este tutorial tem como foco apresentar os conceitos básicos do SNMP e foi focado principalmente na sua versão 1. Para ilustrar os aperfeiçoamentos e atualizações implementadas, apresenta-se a seguir um resumo das alterações introduzidas nas versões 2 e 3 do SNMP. SNMP v2 O SNMP v2 tornou-se um padrão em abril de 1993, com as publicação das RFC's 1442, 1443, 1444, 1448, 1449, 1450 e A nova versão apresentava novas funcionalidades que completavam a versão anterior, embora introduzisse complexidade e não fosse totalmente compatível com aquela versão. As principais alterações relativas à MIB dessa nova versão foram: Data Types: alguns tipos de dados foram expandidos para contemplar valores de 32 bits, e endereços de rede do padrão OSI / ISO. Foi definido também o BIT STRING, tipo de dado que permite o acesso bit a bit, para a definição de flags, entre outros usos, Setting Values: foram adicionadas funcionalidades de proteção para a alteração de valores nas MIB's, com forma de evitar erros. Table Rows Management: foram adicionadas funcionalidades para o gerenciamento de linhas em tabelas da MIB (inclusão, alteração e exclusão). Module Enhancements: foram adicionadas novas funcionalidades nos Macro templates que permitem manter o histórico de atualização do Módulo, criar novos objetos e tabelas e marcar objetos como inutilizados. O protocolo propriamente dito também sofreu as seguintes alterações: SNMP v3 Authentication: foram introduzidas funcionalidades de autenticação de mensagens, com a conseqüente alteração no formato dos PDU's SNMP. O procedimento de autenticação recomendado é o Digest Authentication Protocol, que adiciona a cada mensagem um código obtido através de uma operação matemática complexa realizada com a informação da mensagem e que garante a autenticidade da fonte e dos dados recebidos. New Operations: foram introduzidas 2 novos comandos no protocolo: Inform Request, para permitir a troca de informações entre 2 managers, e Get-bulk Request, para permitir a transferência de grandes quantidades de informação. A versão 3 foi publicada em janeiro de 1998 através das RFC's 2271 a A nova versão foi proposta com base nas duas versões anteriores, introduzindo melhorias e novas funcionalidades de administração e segurança. As principais alterações apresentadas foram: Authentication and Privacy: novos procedimentos de autenticação, para garantir a identidade do originador das mensagens, e de privacidade, para garantir a segurança do conteúdo da mensagem através de criptografia, foram definidos. Authorization and Access Control: novos procedimentos de autorização e controle de acesso, para definir quais dados podem ser acessados e quais operações podem ser realizadas, foram definidos. 15

16 Administrative Framework: novos procedimentos de administração e acesso remoto foram introduzidos com o objetivo de identificar usuários, provedores de serviços e promover o acesso remoto a informações via SNMP. Esta versão procura também promover a introdução das novas funcionalidades considerando ambas as versões anteriores (1 e 2) como forma de aumentar a compatibilidades entre todas as versões. 16

17 SNMP: Considerações Finais O protocolo SNMP foi desenvolvido para oferecer uma solução de infraestrutura para o gerenciamento de redes TCP/IP e, particularmente, da Internet. Como se pode observar, o princípio oferecer um protocolo simples com um conjunto mínimo de informações da rede e de seus dispositivos foi atingido, e tornou o SNMP um padrão bem aceito e utilizado pelo mercado. Entretanto, do ponto de vista dos Sistemas de Gerência de Rede propriamente ditos, a infraestrutura fornecida pelo SNMP não é suficiente para garantir que o sistema tenha funcionalidades e informações que atendam plenamente os adminsitradores de rede. O fornecimento de interfaces gráficas amigáveis, de informações completas e de fácil acesso, e de um conjunto significativo e filtrado de alarmes relevantes em caso de falhas vai além dos objetivos estabelecidos para o SNMP. Entretanto, para os fabricantes e desenvolvedores de produtos e soluções que necessitam prover um gerenciamento de dispositivos de forma remota através de uma rede dedicada ou corporativa certamente o SNMP é uma solução interessante e que tem flexibilidade suficiente para atender a todas as necessidades de gerenciamento de forma simplificada. Mas, como é apenas uma peça nesse intrincado mundo do Gerenciamento de Redes, outras peças adicionais devem ser consideradas para que a solução como um todo possa atender os requisitos globais desses sistemas. Referências IETF The Internet Engineering Task Force, órgão responsável pelo desenvolvimento de padronização para a Internet (RFC). 17

18 Principais Recomendações IETF para o SNMP (atualizado em 08/06/2009) Recom. Título RFC1155 Structure and identification of management information for TCP/IP-based internets RFC1157 Simple Network Management Protocol (SNMP) RFC1212 Concise MIB definitions RFC1213 Management Information Base for Network Management of TCP/IP-based internets:mib-ii RFC2578 Structure of Management Information for version 2 of the Simple Network Management Protocol (SNMPv2) (substituiu a RFC1902 e a RFC1442) RFC2579 Textual Conventions for version 2 of the Simple Network Management Protocol (SNMPv2) (substituiu a RFC1903 e a RFC1443) RFC2580 Conformance Statements for version 2 of the Simple Network Management Protocol (SNMPv2) (substituiu a RFC1904 e a RFC1444) RFC3416 Protocol Operations for version 2 of the Simple Network Management Protocol (SNMPv2) (substituiu a RFC1905 e a RFC1448) RFC3417 Transport Mappings for version 2 of the Simple Network Management Protocol (SNMPv2) (substituiu a RFC1906 e a RFC1449) RFC3418 Management Information Base for version 2 of the Simple Network Management Protocol (SNMPv2) (substituiu a RFC1907 e a RFC1450) RFC3584 Coexistence between version 1, Version 2, and Version 3 of the Internet-standard Network Management Framework (substituiu a RFC2576, a RFC1908 e a RFC1452) RFC2571 An Architecture for Describing SNMP Management Frameworks (substituiu a RFC2271) RFC3412 Message Processing and Dispatching for the Simple Network Management Protocol (SNMP) (substituiu a RFC2572 e a RFC2272) RFC3413 SNMPv3 Applications (substituiu a RFC2573 e a RFC2273) RFC3414 User-based Security Model (USM) for version 3 of the Simple Network Management Protocol (SNMPv3) (substituiu a RFC2574 e a RFC2274) RFC3415 View-based Access Control Model (VACM) for the Simple Network Management Protocol (SNMP) (substituiu a RFC2575 e a RFC2275) Outras recomendações sobre o SNMP podem ser encontradas no site do IETF. 18

19 SNMP: Teste seu Entendimento 1. Num sistema de gerencia de rede quais são os elementos que utilizam o protocolo SNMP? Aplicação e Manager. Aplicação e Agent. Aplicação e Administrador da Rede. Mananger e Agent. 2. Num dispositivo de rede compatível com o protocolo SNMP, qual é a estrutura de informações utilizada? Management Information Base (MIB). Management Database. Client-Server Database. Relational Database. 3. Quais comandos do protocolo SNMP são utilizados pelo Manager para obter informações de um dispositivo de rede? Set Request e Trap. Get Response e Inform Request. Get Request e Get-next Request. Get-bulk Request e Trap. 19

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Prof.: Helcio Wagner / Iguatemi Eduardo Agosto de 2009. p.1/50 Gerência Internet = Introdução Nos primórdios da Internet, as únicas ferramentas utilizadas

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Anderson Alves de Albuquerque

Anderson Alves de Albuquerque SNMP (Simple Network Management Protocol) Anderson Alves de Albuquerque 1 Introdução: O que é SNMP (Basicamente): Através de variáveis ou estruturas certos acontecimentos podem ser contabilizados (contados).

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ (UTP) ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES E SEGURANÇA DE REDES - ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ (UTP) ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES E SEGURANÇA DE REDES - ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA 0 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ (UTP) ESPECIALIZAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES E SEGURANÇA DE REDES - ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SNMP NO GERENCIAMENTO DE REDES CURITIBA 2014 1 CARLOS

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores SNMP Simple Network Management Protocol 1 Histórico No final dos anos 70 não haviam protocolos de gerenciamento. A única ferramenta efetivamente usada para gerenciamento foi o Internet

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO Introdução ao SNMP No final dos anos 70 as redes de computadores cresceram de simples

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

Capítulo 9 Gerenciamento de rede

Capítulo 9 Gerenciamento de rede Capítulo 9 Gerenciamento de rede Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT

Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT Aluno : André Mafinski Orientador : Prof. Sérgio Stringari ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO - Introdução; - Gerenciamento de Redes; - Considerações;

Leia mais

RMON Remote Network Monitoring

RMON Remote Network Monitoring RMON Remote Network Monitoring!"#$%&'(() $&*+, -. / /01 / 2 34 São dispositivos usados para estudar o trafego na rede como um todo, Produzem informação de sumário, incluindo estatísticas de erro, estatísticas

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Resumo 2 Conceitos Básicos de SNMP Introdução Arquitetura MIB Segurança SNMPv1, SNMPv2

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas TCP/IP x ISO/OSI A Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. Redes de Computadores

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education Redes de computadores e a Internet Capítulo 9 Gerenciamento de rede 9-3 Gerenciamento de rede Objetivos do capítulo: Introdução ao gerenciamento de redes Motivação Componentes principais Ambiente de gerenciamento

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

RMON e RMON2 Remote Network Monitoring

RMON e RMON2 Remote Network Monitoring RMON e RMON2 Remote Network Monitoring Luciano Paschoal Gaspary O protocolo SNMP e a MIB-II ainda são amplamente utilizados para o gerenciamento de equipamentos de rede. Agentes de software presentes nesses

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

3. O protocolo SNMP 1

3. O protocolo SNMP 1 3. O protocolo SNMP 1 Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas 161 e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

LDAP - Tópicos. O que é um Diretório? Introdução. História do LDAP. O que é o LDAP? 5/22/2009

LDAP - Tópicos. O que é um Diretório? Introdução. História do LDAP. O que é o LDAP? 5/22/2009 LDAP - Tópicos Leoncio Regal Dutra Mestre em Engenharia Elétrica Telecomunicações leoncioregal@gmail.com Introdução Definições Funcionamento Segurança Otimizações do LDAP Exemplos Conclusão 2 Introdução

Leia mais

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados Introdução Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados 1 Objetivo Apresentar os conceitos básicos do: Modelo de referência OSI. Modelo de referência TCP/IP.

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Pedro M. M. Marques pedromarques.eng@gmail.com 1 OBJECTIVOS Compreender a importância da manutenção na conservação do bom estado de uma rede de comunicação;

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

The Simple Network Management Protocol, version 1

The Simple Network Management Protocol, version 1 SNMPv1 The Simple Network Management Protocol, version 1, 2007 1 O Protocolo A versão original do SNMP derivou do Simple Gateway Monitoring Protocol (SGMP) em 1988 RFC1157, STD0015 A Simple Network Management

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Protocolos de gerência. Gerenciamento TCP/IP SNMP. Informações de gerência. Gerenciamento TCP/IP. Limitações de SNMP

Protocolos de gerência. Gerenciamento TCP/IP SNMP. Informações de gerência. Gerenciamento TCP/IP. Limitações de SNMP Protocolos de gerência SNMP Simple Network Management Protocol Criado pela IETF em 1988 Projetado para monitorar redes simples Dominante em redes TCP/IP CMIP Common Management Information Protocol Proposto

Leia mais

RMON REMOTE NETWORK MONITORING. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC.

RMON REMOTE NETWORK MONITORING. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. RMON REMOTE NETWORK MONITORING Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. RMON: Conceitos Básicos 2 A RMON fornece um modo efetivo e eficiente de monitorar o

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

GESTÃO Falhas Contabilidade Configuração Desempenho Segurança. FALHAS Determinar a falha Isolar a falha da rede Reconfigurar a rede Corrigir a falha

GESTÃO Falhas Contabilidade Configuração Desempenho Segurança. FALHAS Determinar a falha Isolar a falha da rede Reconfigurar a rede Corrigir a falha SCENÁRIO Recursos Controlo de custos Protocolos diversos Exigência dos utilizadores Diversidade de aplicações Controlo de acesso a aplicações e bases de dados Aumento qualitativo e quantitativo da area

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link.

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link. 3. O protocolo SNMP Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato Type

Leia mais

3. Arquitetura TCP/IP

3. Arquitetura TCP/IP 3. Arquitetura TCP/IP A arquitetura internet foi criada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o objetivo de se ter uma rede interligando várias universidades e órgãos do governo de maneira

Leia mais

Gerenciamento de Redes e Interconexões

Gerenciamento de Redes e Interconexões Gerenciamento de Redes e Interconexões Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Porque gerenciar? Controlar a complexidade Dimensao da rede Melhorar a

Leia mais

ACM MONITOR DE REDES: UMA FERRAMENTA WEB PARA GERENCIAMENTO DE REDES

ACM MONITOR DE REDES: UMA FERRAMENTA WEB PARA GERENCIAMENTO DE REDES ACM MONITOR DE REDES: UMA FERRAMENTA WEB PARA GERENCIAMENTO DE REDES Alisson Coimbra Moura¹, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador)² ¹Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores 04 - Remote Monitoring SNMP e MIBs em agentes só permitem analisar valores isolados (nos agentes) Como medir o tráfego em um segmento de rede? tráfego = 137 kbps tráfego

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 08 2006 V1.0 Conteúdo Arquitetura de Gerenciamento Porque Gerenciar a Rede Corporativa? Componentes MIB - Management Information

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MIB-BROWSER EM DELPHI

DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MIB-BROWSER EM DELPHI UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE INFORMÁTICA (BACHARELADO) DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE MIB-BROWSER EM DELPHI Relatório do Trabalho de

Leia mais

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Este tutorial apresenta o modelo TMN (Telecommunications Management Network) para gerenciamento de redes de Telecomunicações criado pelo ITU-T (International

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Arquitecturas de Gestão Arquitectura de Gestão SNMPv1 (Parte II) Sumário???? Módulo II: Arquitecturas de Gestão Conceito de arquitectura de Gestão

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA MIB SNMP PARA PABX INTELBRÁS

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA MIB SNMP PARA PABX INTELBRÁS INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA IF-SC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS ELETRÔNICOS IMPLEMENTAÇÃO DE UMA MIB SNMP PARA PABX INTELBRÁS PEDRO PAULO DA SILVA FLORIANÓPOLIS/SC

Leia mais

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um PROTOCOLO TCP/IP 1 INTRODUCÃO Foi inicialmente desenvolvido como parte de um projeto incentivado pela DARPA; Tinha como objetivo desenvolver tecnologias para que as máquinas interligadas em rede continuassem

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009 Network Management Joao Neves Digitally signed by Joao Neves DN: cn=joao Neves, o=feup, ou=deec, email=joao.neves@fe. up.pt, c=pt Date: 2009.12.16 00:12:07 Z G tã de Gestão d R Redes d Joao.Neves@fe.up.pt

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 08 2006 V1.0 Conteúdo Arquitetura de Gerenciamento Porque Gerenciar a Rede Corporativa? Gerenciamento TCP/IP Componentes

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Ferramentas de gestão de rede Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Maio de 2007 Ferramentas de gestão de rede Necessidade O Internet Activities Board recomenda que todas as implementações IP

Leia mais

DMG20 AGENTE SNMP MANUAL DO PRODUTO

DMG20 AGENTE SNMP MANUAL DO PRODUTO DMG20 DMG20 AGENTE SNMP MANUAL DO PRODUTO 204.0011.06 rev. 06 Data: 14/10/2005 GARANTIA Este produto é garantido contra defeitos de material e fabricação pelo período especificado na nota fiscal de venda.

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações

Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações Profa. Elizabeth Sueli Specialski, Dra. Elizabeth Sueli Specialski graduou-se em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do

Leia mais

Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes

Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes Professor: Paulo Cesar E-mail: pccbranco@gmail.com Situação Vigente Manter uma rede funcional e operando, implica em lidar com uma

Leia mais

GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES

GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES AGENDA Conceitos e evolução do gerenciamento de redes Elementos de análise estatística de dados Gerenciamento de redes no ambiente Internet Monitoração de Redes Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores

Gerenciamento de Redes de Computadores Gerenciamento de Redes de Computadores José Maurício dos Santos Pinheiro Versão 2.0 Agosto 2002 ÍNDICE Introdução... 4 Capítulo 1 - Gerenciamento em Redes de Computadores... 6 1.0 Gerência de Redes...

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

SENAI - FATESG. Gerência de Redes. Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc.

SENAI - FATESG. Gerência de Redes. Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc. SENAI - FATESG Gerência de Redes Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc. Introdução Redes de Computadores É um conjunto de computadores autônomos interconectados [Tanenbaum, 1997] Introdução Mainframe

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gerenciamento de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n O que Gerenciar? n Definição n Modelo de Gerenciamento n Infraestrutura de Gerenciamento

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Gestão de redes e SNMP. Laboratório de Redes 2008/2009

Gestão de redes e SNMP. Laboratório de Redes 2008/2009 Gestão de redes e SNMP Laboratório de Redes 2008/2009 Gestão de redes: Motivação Num mundo perfeito as redes não necessitariam de gestão, simplesmente funcionariam No entanto... O equipamento tende a avariar

Leia mais