CHAMADA PÚBLICA 2014/01 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. AES SUL Distribuidora Gaúcha de Energia S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHAMADA PÚBLICA 2014/01 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. AES SUL Distribuidora Gaúcha de Energia S.A."

Transcrição

1 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES SUL Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. 1

2 CHAMADA PÚBLICA AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. ( AES Sul ) concessionária de serviços públicos de distribuição de energia elétrica, com sede na Cidade de Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul, na Rua Dona Laura, 320, 14º andar, Bairro Moinhos de Vento, Cidade de Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul, inscrita no CNPJ/MF sob o nº / , neste ato representada na forma de seu Estatuto Social, doravante denominada ( AES SUL ), vem, pela presente, noticiar a realização da CHAMADA PÚBLICA para a finalidade de selecionar propostas de projetos de conservação de energia e uso racional de energia elétrica para integrar o Programa de Eficiência Energética da AES Sul ( Chamada Pública ), cumprindo o disposto na legislação federal de energia elétrica e da regulamentação emanada da Agência Nacional de Energia Elétrica ( ANEEL ), em especial a Lei n 9.991, de 24 de julho de 2000, Lei n , de 28 de março de 2007, Lei n , de 20 de janeiro de 2010 e a Resolução Normativa n 556, de 18 de junho de 2013, ou a que vier substituí-la. 2

3 SUMÁRIO CHAMADA PÚBLICA INTRODUÇÃO OBJETIVO CONSUMIDORES PARTICIPANTES RECURSOS FINANCEIROS TIPOLOGIAS ELEGÍVEIS DE PROJETOS CRONOGRAMA DA CHAMADA PÚBLICA PARÂMETROS DEFINIDOS PELA ANEEL PARÂMETROS DEFINIDOS PELA AES SUL FASES DA CHAMADA PÚBLICA FORMA DE APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS CRITÉRIOS PARA PONTUAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DAS PROPOSTAS PRAZO DE APRESENTAÇÃO E PROTOCOLO DE ENTREGA COMISSÃO JULGADORA DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS RECURSOS CONSUMIDORES COM FINS LUCRATIVOS CONSUMIDORES SEM FINS LUCRATIVOS DOCUMENTOS DA CHAMADA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES ANEXO A - SEGURANÇA DO TRABALHO...43 ANEXO B - RESPONSÁBILIDADES AMBIENTAIS...65 ANEXO C - CARTA DE APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA DE PROJETO...80 ANEXO D - TERMO DE ACEITE AS EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA DO TRAB

4 ANEXO E - QUESTIONÁRIO DE PRÉ QUALIFICAÇÃO...82 ANEXO F CONTRATO DE DESEMPENHO (CLIENTES COM FINS LUCRATIVOS)...83 ANEXO G CRONOGRAMA FÍSICO ANEXO H CRONOGRAMA FINANCEIRO ANEXO I MODELO DE RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO MENSAL DE EXECUÇÃO DE PROJETO ANEXO J CRITÉRIOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS EM CLIENTES QUE DESENVOLVAM ATIVIDADES COM FINS LUCRATIVOS ANEXO K CONVÊNIO (CLIENTES SEM FINS LUCRATIVOS) ANEXO L COMPLIANCE DUE DILIGENCE QUESTIONNAIRE (DDQ) ANEXO M TERMO CONTRATUAL DE COMPLIANCE

5 1. INTRODUÇÃO O Programa de Eficiência Energética - PEE da AES Sul é executado anualmente em atendimento à cláusula do CONTRATO DE CONCESSÃO Nº 12/97 PARA DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA, celebrado entre a AES Sul e a UNIÃO, datado de 06 de novembro de 1997, o qual foi aditado em 06 de junho de 2005 e em 30 de maio de A legislação aplicável à matéria determina que as concessionárias e permissionárias de serviços públicos de distribuição de energia elétrica devem aplicar, anualmente, a partir de abril 2007, o valor equivalente a 0,50% (zero vírgula cinquenta por cento) de sua receita operacional líquida anual no desenvolvimento de programa para o incremento da eficiência energética no uso final de energia elétrica, através de projetos executados em instalações de consumidores, comunidades de baixa renda e projetos de pesquisa e desenvolvimento. Os critérios para aplicação dos recursos e procedimentos necessários para apresentação do Programa da ANEEL estão estabelecidos na Resolução Normativa ANEEL n 556, de 18 de junho de 2013, e nas normas que porventura venham a substituí-la. 2. OBJETIVO Selecionar por meio da presente Chamada Pública propostas de projetos de eficiência energética no uso final de energia elétrica, para unidades consumidoras pertencentes à área de concessão da AES Sul, visando o cumprimento de obrigações legais da AES Sul perante a ANEEL, nos termos ditados nas Leis n 9.991/2000, n /2007 e n /2010, que tem por objetivo incentivar o desenvolvimento de medidas que promovam a eficiência energética e o combate ao desperdício de energia elétrica. 5

6 3. CONSUMIDORES PARTICIPANTES Poderão participar da Chamada Pública, todos os consumidores atendidos na área de concessão da AES Sul, que estejam em dia com suas obrigações legais perante a AES Sul até a data definida no item 6 ( Proponente ). 4. RECURSOS FINANCEIROS O valor total disponibilizado para o investimento do projeto escolhido no âmbito da Chamada Pública é de R$ ,00 (dois milhões e duzentos mil reais) contemplando as tipologias de projetos relacionadas no item 5. Na eventualidade de existir saldo financeiro disponível na conta do Programa de Eficiência Energética da AES Sul, nos termos da legislação aplicável, poderão ser aprovadas propostas de projetos acima dos valores disponibilizados, desde que atendam os requisitos especificados e os critérios eleitos para sua seleção, conforme estabelecido na Chamada Pública. 5. TIPOLOGIAS ELEGÍVEIS DE PROJETOS Poderão ser apresentadas as seguintes tipologias de projeto, de acordo com as tipologias definidas por meio da Resolução Normativa n 556, de 18 de junho de 2013, da ANEEL. Nesta Chamada Pública não serão aceitos projetos de Gestão Energética Municipal, Educacionais nem Baixa Renda. Projetos Possíveis Tipologia Recursos Industrial R$ ,00 Melhoria na Instalação Residencial R$ ,00 Poder Público R$ ,00 Iluminação Pública 6

7 6. CRONOGRAMA DA CHAMADA PÚBLICA Nesta seção estão descritas, em ordem cronológica, todas as datas pertinentes para a seleção de Propostas de Projetos na Chamada Pública. No quadro a seguir estão indicadas as datas da primeira fase da Chamada Pública, referentes à fase inicial de pré-diagnóstico energético. DATA DESCRIÇÃO PRIMEIRA FASE 21/10/2014 Abertura da Chamada Pública 21/11/ h Prazo limite para solicitação de esclarecimentos 02/12/2014 9h - Inicio do recebimento das propostas de projeto 12/12/ /01/ h - Prazo limite para a entrega das propostas de projeto Encerramento da Chamada Pública Divulgação das propostas de projeto qualificadas a segunda fase da chamada Inicio do prazo para interposição de recursos 02/02/ h - Prazo limite para a interposição dos recursos 04/02/2015 Divulgação dos resultados da interposição dos recursos 09/02/2015 9h Início do recebimento dos Diagnósticos Inicio da segunda-fase da chamada 02/03/ h Fim do recebimento dos Diagnósticos 02/04/2015 Divulgação dos projetos qualificados na segunda fase 7. PARÂMETROS DEFINIDOS PELA ANEEL Todas as Propostas de Projetos deverão obedecer, obrigatoriamente, todas as disposições constantes no documento Procedimentos do Programa de Eficiência Energética - PROPEE, elaborado pela ANEEL, conforme a versão vigente à época da disponibilização da Chamada Pública. 7

8 8. PARÂMETROS DEFINIDOS PELA AES SUL A AES Sul define os seguintes parâmetros que deverão ser utilizados na elaboração das Propostas de Projetos. Todas as Propostas de Projeto deverão atender os parâmetros definidos pela concessionária. As questões de Compliance, Segurança e Meio Ambiente fazem parte da governança corporativa da AES Sul sendo incontestáveis e eliminatórias DEFINIÇÕES PARA AS PROPOSTAS DE PROJETOS Para as Propostas de Projetos com mais de uma unidade consumidora e com níveis de tensão de fornecimento diferentes, o detalhamento deve ser feito por unidade consumidora estipulando o resultado esperado em cada uma delas. Caso não seja possível o detalhamento separado por cada unidade consumidora beneficiada, o beneficio do projeto deverá sempre ser valorado considerando o nível mais alto de tensão. Para cada unidade consumidora da Proposta de Projeto com o mesmo nível de tensão, deverá ser apresentado o seu detalhamento e os resultados esperados. Cada Proposta de Projeto poderá contemplar consumidores com fins lucrativos ou sem fins lucrativos. Caso a proposta beneficie simultaneamente consumidores com ou sem fins lucrativos será classificada automaticamente como com fins lucrativos. Uma mesma unidade consumidora não poderá fazer parte de mais de 1 (uma) Proposta de Projeto. Caso sejam apresentadas 2 (duas) ou mais Propostas de Projetos, objetivando a eficientização de uma mesma unidade consumidora, será considerada somente a Proposta de Projeto melhor classificada de acordo com os critérios estabelecidos no item 11.1 desta Chamada Pública, ficando as demais automaticamente desclassificadas. As Propostas de Projetos que consideram a substituição parcial ou total da energia elétrica por gás, energéticos fósseis ou biomassa não serão aceitas. Serão somente 8

9 aceitas as Propostas de Projetos que aceitam a eficientização do uso final da energia elétrica. i. As Propostas de Projetos que contemplem deslocamento de cargas ou automação de processos serão aceitas, desde que, também estejam contempladas a eficientização energética dos usos finais envolvidos. ii. As Propostas de Projetos deverão contemplar, no item avaliação, a medição e verificação dos resultados em conformidade ao Protocolo Internacional de Medição e Verificação de Performance - PIMVP - Janeiro de EVO :2012 (Br), obedecendo os requisitos mínimos estabelecidos no item PARÂMETROS DEFINIDOS PARA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS A vida útil e perdas aplicadas a materiais e equipamentos deverão ser comprovadas através de catálogos técnicos dos fabricantes, ou outro documento que comprove o comprometimento do fabricante quanto à vida útil informada. Caso a Proposta de Projeto contemple a substituição de um equipamento que foi instalado com recurso do Programa de Eficiência Energética PEE anterior e que ainda esteja dentro do seu período de vida útil, a Proposta de Projeto apresentada será automaticamente desqualificada. Quando a Proposta de Projeto tratar de uma unidade consumidora beneficiada em um Programa de Eficiência Energética PEE anterior, deve ser comprovado dentro do pré-diagnóstico energético que os equipamentos existentes não foram adquiridos com recursos advindos desse programa. Para a Propostas de Projeto que contemple a substituição do sistema de iluminação, deve ser respeitada a as normas relativas a Iluminação. Todos os projetos luminotécnicos devem seguir os níveis de iluminância constantes na ISO 8995 para cada tipo de ambiente. A iluminância em qualquer ponto da área da tarefa não deve ser inferior a 70% (setenta por cento) da iluminância média. Considerar na elaboração dos projetos, 20% (vinte por cento) de depreciação dos equipamentos. 9

10 Para a elaboração dos projetos luminotécnicos os equipamentos utilizados devem ser os mesmos da proposta técnica provada e, consequentemente os utilizados na implantação do projeto (obra). Os equipamentos de uso final de energia elétrica utilizados nas Propostas de Projetos deverão ser, obrigatoriamente, energeticamente eficientes. No âmbito desta Chamada Pública, considera-se equipamento energeticamente eficiente aquele que: i. Possuir o selo PROCEL de economia de energia, ou simplesmente selo PROCEL. ii. Caso não existam no mercado nacional os equipamentos com selo PROCEL necessários ao projeto, deverão ser adquiridos equipamentos com etiqueta A de desempenho energético (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia - ENCE), do Programa Brasileiro de Etiquetagem - PBE. iii. Na eventualidade de não existirem equipamentos com selo PROCEL ou com etiqueta A de desempenho energético (ENCE), deverão ser adquiridos os equipamentos mais eficientes dentro da listagem do PBE, devendo escolher obrigatoriamente o equipamento mais eficiente disponível. Neste caso, a escolha do equipamento deverá ser devidamente justificada, apresentando a tabela do PBE mais recente. iv. Caso os equipamentos necessários ao projeto não sejam contemplados pelo PBE, poderão ser utilizados os equipamentos mais eficientes disponíveis. Para a Proposta de Projeto que contemple o uso final condicionamento ambiental, os coeficientes de eficiência energética dos equipamentos existentes poderão ser obtidos através de: i. Dados do Programa Brasileiro de Etiquetagem - PBE, disponibilizado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia- INMETRO. ii. Dados de fabricantes, através de dados de placa ou catálogos. iii. Dados de medições realizadas. No caso de obtenção através de medições, deverão ser apresentadas na Proposta de Projeto as medições gráficas, realizadas com equipamento analisador de energia durante um período maior ou igual a 24 (vinte e quatro) horas, apresentando o detalhamento das condições de apuração, certificado de calibração do equipamento de medição emitido com data de inferior a 1 (um) ano da medição, 10

11 procedimentos de medição utilizada, bem como todas as informações necessárias para comprovar o regime de utilização do sistema a ser eficientizado. A comissão julgadora da presente Chamada Pública poderá solicitar ao consumidor a repetição das medições na presença de técnicos da concessionária. Para a Proposta de Projeto que contemple o uso final sistemas motrizes, carregamento, o rendimento nominal e o rendimento no ponto de carregamento do equipamento existente poderá ser obtido através de: i. Dados de medições realizadas, procedendo a estimativa através do software BDmotor, disponível no endereço eletrônico do PROCEL INFO, na seção simuladores (www.procelinfo.com.br). No caso de obtenção através de medições, deverão ser apresentados na proposta de projeto as medições gráficas, realizadas com equipamento analisador de energia durante um período maior ou igual a 24 (vinte e quatro) horas, detalhamento das condições de apuração, certificado de calibração do equipamento de medição emitido com data de inferior a 1 (um) ano da medição, procedimentos de medição utilizada, bem como todas as informações necessárias para comprovar o regime de utilização do sistema a ser eficientizado. A comissão julgadora da Chamada Pública poderá solicitar ao consumidor a repetição das medições na presença de técnicos da concessionária. Para a Proposta de Projeto que contemple o uso final sistemas de refrigeração, os dados de consumo dos equipamentos existentes poderão ser obtidos através de: i. Dados do Programa Brasileiro de Etiquetagem - PBE3, disponibilizado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia- INMETRO. ii. Dados de fabricantes, através de dados de placa ou catálogos. iii. Dados de medições realizadas. No caso de obtenção através de medições, deverão ser apresentadas na proposta de projeto as medições gráficas, realizadas com equipamento analisador de energia durante um período maior ou igual a 24 (vinte e quatro) horas, apresentando o detalhamento das condições de apuração, certificado de calibração do equipamento de medição emitido com data de inferior 11

12 a 1 (um) ano da medição, procedimentos de medição utilizada, bem como todas as informações necessárias para comprovar o regime de utilização do sistema a ser eficientizado. A comissão julgadora da Chamada Pública poderá solicitar ao consumidor a repetição das medições na presença de técnicos da concessionária. Todos os materiais e equipamentos que vierem a ser substituídos nas Propostas de Projetos deverão, obrigatoriamente, serem descartados de acordo com as regras estabelecidas no anexo B desta Chamada Pública. Caso o descarte de equipamentos contidos na Proposta de Projeto não esteja contemplado no anexo B e nem nas Diretrizes Básicas de Segurança e Meio Ambiente da AES Sul, os equipamentos deverão obrigatoriamente serem descartados de acordo Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei n , de 2 de agosto de 2010), pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA e demais normas aplicáveis à matéria. No caso da substituição de equipamentos de condicionamento ambiental e/ou refrigeração, a(s) empresa(s) contratada(s) para realização do descarte deverá(ão), obrigatoriamente, obedecer o disposto na ABNT NBR Manufatura reversa - Aparelhos de refrigeração. 8.3 REQUISITOS SOBRE CUSTOS E ORÇAMENTOS Os custos para elaboração do diagnóstico energético deverão ser alocados dentro da rubrica mão de obra de terceiros. As Propostas de Projeto devem apresentar os custos de materiais e equipamentos, mão de obra de terceiros, marketing, treinamento e capacitação, descarte de materiais e medição e verificação compatíveis com a média de preços praticada pelo mercado, nas regiões onde o projeto será executado. Para os custos computados como contrapartida nas Propostas de Projeto, deverão ser apresentadas as devidas comprovações destes custos. No caso de uso da mão de obra do próprio consumidor, apresentação de 2 (dois) orçamentos mais a estimativa de custo do uso da mão de obra do próprio consumidor, através da apresentação dos profissionais envolvidos, acompanhado de uma estimativa de horas de trabalho de cada um e do respectivo custo de homem-hora. 12

13 No caso da utilização da mão de obra do próprio consumidor, os custos advindos da utilização desta mão de obra não serão de forma alguma reembolsados com recurso do Programa de Eficiência Energética - PEE, devendo ser computados obrigatoriamente como contrapartida. Não serão aceitas contrapartidas nos custos inerentes à AES Sul (mão de obra própria, transporte e administração própria). A contratação que trata esta especificação será feita no regime de turn-key, onde o Proponente será responsável integralmente por toda a condução e execução do projeto, incluindo o fornecimento de todos os materiais e equipamentos necessários. Todos os custos referentes a esse procedimento deverão ser considerados na Proposta de Projeto. As Propostas de Projetos devem considerar os custos necessários para atender os requisitos de segurança no trabalho, meio ambiente, seguros e Compliance. 8.4 VALORES LIMITE PARA AS PROPOSTAS DE PROJETOS A soma dos custos com recursos do projeto de mão de obra de terceiros, descarte de materiais e medição e verificação não poderá ser maior que 30% (trinta por cento) do custo com recursos próprios do item materiais e equipamentos. O custo com recursos do projeto com acessórios (fita isolante, soquetes, parafusos, conectores, etc) não poderá ser maior que 1% (um por cento) do custo de recursos próprios do item materiais e equipamentos. O custo com recursos do projeto de medição e verificação não poderá ser maior que 5% (cinco por cento) do custo total com recursos próprios da proposta de projeto. A soma dos custos totais com administração própria e marketing não poderá ser maior que 5% (cinco por cento) do custo total da proposta de projeto. O custo total da Proposta de Projeto com treinamento e capacitação não poderá ser maior que 5% (cinco por cento) do custo total da Proposta de Projeto. O custo com diagnóstico energético não poderá ser maior do que 5% (cinco por cento) do custo total do projeto. As Propostas de Projeto devem ter um valor mínimo de R$ ,00 (trezentos mil reais). 13

14 Os valores das Propostas de Projetos que ultrapassarem os valores limite estabelecidos para esta Chamada Pública deverão ser, obrigatoriamente, computados como contrapartida, sendo que estes recursos poderão advir do próprio consumidor e de terceiros. 8.5 FATOR DE COINCIDÊNCIA NA PONTA FCP Fator a ser considerado para o cálculo da potência média na ponta, que é utilizado para o cálculo de redução de demanda no horário de ponta. O valor do fator de coincidência na ponta deverá ser menor ou igual a 1 (um) e o cálculo deste fator deverá utilizar a equação abaixo para todos os usos finais, com exceção do uso final aquecimento solar de água, que deverá utilizar a metodologia proposta no item 8.7. nup: Número de horas por dia de utilização do sistema a ser eficientizado no horário de ponta. Para a AES Sul, horário de ponta a ser considerado deverá ser o período compreendido entre 18h e 21h. nd: Número de dias úteis (segunda-feira a sexta-feira) ao longo do mês em que se utiliza o sistema a ser eficientizado no horário de ponta. Nesta Chamada Pública considera-se um mês padrão com 22 (vinte e dois) dias úteis mensais. nm: Número de meses, no período de um ano, em que se utiliza o sistema a ser eficientizado. Considera-se um ano padrão com 12 (doze) meses. 792: Número de horas equivalente às horas de ponta disponíveis ao longo de um ano (3 horas de ponta diárias x 22 dias úteis por mês x 12 meses por ano). Deve-se apresentar memória de cálculo, horários de utilização da carga e demais informações necessárias para comprovar o FCP proposto. Os valores de nup, nd e nm deverão ser compatíveis com as informações apresentadas no pré-diagnóstico energético. Caso a equação acima não seja compatível com o regime de utilização do sistema a ser eficientizado, deverá ser apresentado na Proposta de Projeto cálculo detalhado do 14

15 FCP, justificando cada parâmetro utilizado. Todos os parâmetros deverão ser compatíveis com as informações apresentadas no pré-diagnóstico energético 8.6 FATOR DE UTILIZAÇÃO FU O fator de utilização a ser considerado nas Propostas de Projetos deverá ser menor ou igual a 1 (um), devendo ser apresentadas todas as informações necessárias para comprovar o fator de utilização proposto. 8.7 AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Para Propostas de Projetos que utilizarem sistemas de aquecimento solar de água, para a fração solar deve-se utilizar FS = 0,50. Para o cálculo do fator de coincidência na ponta - FCP, deverão ser apresentados os cálculos de forma detalhada, sempre justificando cada parâmetro utilizado. O valor do FCP deverá ser menor ou igual a 1 (um), podendo ser utilizada a equação abaixo para sua determinação: nbp: Número médio de banhos por dia no horário de ponta por unidade consumidora. tb: Tempo médio de banho, em minutos. nc: Número de chuveiros por unidade consumidora. 180: Minutos equivalente a 3 (três) horas de ponta. Em caso de dificuldades na obtenção do fator de diversidade utilizar FCP = 0, MEDIÇÃO E VERIFICAÇÃO DE RESULTADOS A medição e verificação - M&V de resultados é uma etapa muito importante para a execução dos projetos de eficiência energética. Todo o processo deverá ser elaborado 15

16 em conformidade ao estabelecido no Procedimentos do Programa de Eficiência Energética - PROPEE, conforme item 7 desta Chamada Pública, e ao Protocolo Internacional de Medição e Verificação de Performance - PIMVP - Janeiro de EVO :2012 (Br). Quanto ao processo de M&V, o mesmo é dividido em 3 (três) etapas principais a serem executadas em diferentes estágios de projetos de eficiência energética Estratégia de Medição e Verificação A estratégia de M&V deverá ser elaborada de forma preliminar na fase de prédiagnóstico energético, uma vez que se dispõe do conhecimento obtido sobre a estrutura (materiais e equipamentos) e o funcionamento da instalação, onde se conhece o uso da energia e sua relação com a rotina da instalação. Neste ponto devem ser definidas as bases para as atividades de M&V: a. Variáveis independentes: Verificar quais variáveis (clima, produção, ocupação, etc.) explicam a variação da energia e como poderão ser medidas (local, equipamentos, períodos de medição linha de base e de determinação da economia). b. Fronteira de medição: Determina o limite, dentro da instalação, onde serão observados os efeitos da ação de eficiência energética, isolado por medidores, e eventuais efeitos interativos com o resto da instalação. c. Opção do PIMVP: Preferencialmente as opções A ou B PIMVP. c.1 Opção C: Admite-se seu uso quando for substituído um único equipamento em uma instalação e quando o consumo deste for igual ou maior a 10% (dez por cento) do total da instalação. Esta opção também poderá ser utilizada quando o desempenho energético de toda a instalação estiver sendo avaliado, não apenas o da ação de eficiência energética. c.2 Opção D: Admite-se nos casos em que nenhuma outra opção seja praticável, atendendo a todas as disposições constantes no PIMVP. 16

17 d. Modelo do consumo da linha de base: Em geral, uma análise de regressão entre a energia medida e as variáveis independentes. e. Amostragem: O processo de amostragem cria erros, uma vez que nem todas as unidades em estudo são medidas, portanto deve-se tomar cuidado para obter os níveis de precisão (10%) e de confiança (95%) almejados. f. Cálculo das economias: definir como será calculada a economia de energia e a redução de demanda na ponta ( consumo evitado ou economia normalizada ). No caso da Proposta de Projeto ser aprovada e passar para a fase de diagnóstico energético, a estratégia de M&V proposta deverá ser consolidada a partir dos novos dados coletados. A estratégia de M&V deverá fazer parte do relatório de diagnóstico energético Plano de medição e verificação Após as medições do período de referência (período de linha de base) e o estabelecimento completo do modelo do consumo e demanda da linha de base, devese elaborar o plano de M&V, contendo todos os procedimentos e considerações para o cálculo das economias, conforme o Capítulo 5 do PIMVP e demais disposições da ANEEL sobre o assunto, conforme item 7 desta Chamada Pública. Em resumo, o plano de M&V deve ser estabelecido após a realização das medições dos equipamentos existentes nas instalações beneficiadas pelas Propostas de Projetos, seguindo os procedimentos estabelecidos na estratégia de M&V, devendo incluir a discussão dos seguintes tópicos, os quais estão descritos com maior profundidade no PIMVP. Objetivo das ações de eficiência energética. Opção do PIMVP selecionada e fronteira de medição. Linha de base, período, energia e condições. Período de determinação da economia. Bases para o ajuste. Procedimento de análise. Preço da energia. Especificações dos medidores. Responsabilidades de monitoramento. 17

18 Precisão esperada (conforme definido pela ANEEL, neste caso deverá ser perseguida uma meta 95/10, ou seja, 10% de precisão com 95% de confiabilidade). Orçamento. Formato de relatório. Garantia de qualidade. Também deverão ser incluídos os tópicos específicos adicionais previstos no Capítulo 5 do PIMVP, referentes à utilização da opção A e da opção D Relatório de medição e verificação Uma vez terminada a implantação das ações de eficiência energética, devem ser procedidas as medições de consumo e demanda e das variáveis independentes relativas ao mesmo período, observando o estabelecido na estratégia de M&V e no plano de M&V, de acordo com o Capítulo 6 do PIMVP e demais documentos pertinentes, conforme item 7 desta Chamada Pública. Em resumo, o relatório de M&V deve ser estabelecido após a realização das medições dos equipamentos propostos na instalação beneficiada pela Proposta de Projeto, seguindo os procedimentos estabelecidos na estratégia e no plano de M&V, devendo conter uma analise completa dos dados observando as seguintes questões, as quais estão descritas com maior profundidade no PIMVP. Observação dos dados durante o período de determinação da economia. Descrição e justificação de quaisquer correções feitas aos dados observados. Para a Opção A deverão ser apresentados os valores estimados acordados. Informação de preços utilizados de demanda e energia elétrica. Todos os pormenores de qualquer ajuste não periódico da linha de base efetuado. A economia calculada em unidades de energia e monetárias (conforme definição da ANEEL, as economias deverão ser valoradas sob os pontos de vista do sistema elétrico e do consumidor). Justificativas (caso sejam observados desvios em relação à avaliação ex ante, os mesmos deverão ser considerados e devidamente justificados). 18

19 8.9 TAXA DE DESCONTO A taxa de desconto a considerar será a mesma especificada no Plano Nacional de Energia PN, vigente na data de submissão do projeto. Para a presente Chamada Pública deve-se considera a taxa de desconto de 8% (oito por cento) ao ano MÃO DE OBRA PRÓPRIA Este item refere-se às despesas com mão de obra da AES Sul. Todas as Propostas de Projetos deverão apresentar as despesas referentes à mão de obra própria da AES Sul, no valor de 5% (cinco por cento) sobre os custos diretos (materiais, equipamentos, mão de obra de terceiros e transporte) TRANSPORTE Este item refere-se às despesas da AES Sul com reuniões de acompanhamento e inspeção dos serviços a serem realizados durante a execução do projeto. Todas as Propostas de Projetos deverão prever despesas de transporte no valor de R$ 1.000,00 (mil reais) ADMINISTRAÇÃO PRÓPRIA E MARKETING Este item refere-se às despesas com ações de conscientização sobre eficiência energética e ações para a divulgação do projeto. Todas as Propostas de Projetos deverão prever despesas de marketing no valor de 5% (cinco por cento) sobre os custos totais do projeto. As ações de marketing consistem na divulgação das ações executadas em projetos de eficiência energética, buscando disseminar o conhecimento e as práticas voltadas à eficiência energética, promovendo a mudança de comportamento do consumidor. Toda e qualquer ação de marketing e divulgação dentro da Chamada Pública deverá seguir as regras estabelecidas pelo Procedimentos do Programa de Eficiência Energética - PROPEE, observando especialmente o uso das logomarcas do Programa de Eficiência Energética - PEE e da ANEEL, disponíveis em 19

20 e da logomarca da AES Sul Toda e qualquer divulgação deve ser previamente aprovada pela AES Sul, devendo obrigatoriamente fazer menção ao Programa de Eficiência Energética - PEE, executado pela AES Sul e regulado pela ANEEL OUTROS BENEFICIOS MESURÁVEIS E NÃO MENSURAVEIS Caso a proposta de projeto apresente outros benefícios mensuráveis ou não mensuráveis além dos energéticos conforme regras estabelecidas pelo Procedimento do Programa de Eficiência Energética PEE Módulo 7, tais benefícios devem estar detalhados nas propostas de projeto, onde esses poderão será avaliados pela AES Sul no calculo da RCB. Para tal o proponente deve fornecer memória de calculo e todas as informações necessárias para a perfeita compreensão dos benefícios TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO As ações de treinamento e capacitação visam estimular e consolidar as práticas de eficiência energética nas instalações onde houver projetos do Programa de Eficiência Energética - PEE, bem como difundir os seus conceitos. A execução de ações de treinamento e capacitação caracteriza-se como uma atividade obrigatória, devendo estar prevista em toda e qualquer Proposta de Projeto submetida a esta Chamada Pública. Toda e qualquer ação de treinamento e capacitação dentro da Chamada Pública deverá seguir as regras estabelecidas pelo Procedimentos do Programa de Eficiência Energética - PROPEE, observando especialmente o disposto no Módulo 4 - Tipologias de Projeto, Seção Outras Ações Integrantes de Projeto, Item 3 - Treinamento e Capacitação do PROPEE. 20

21 8.15 CUSTO EVITADO DE ENERGIA E DEMANDA Este item refere-se ao Custo da Energia Evitada (CEE) e ao Custo Evitado de Demanda (CED) que deverão ser utilizados nas Propostas de Projetos a serem apresentados na presente CHAMADA PÚBLICA. Para cálculo da relação custo-benefício (RCB) das Propostas de Projeto, deverão ser utilizados os valores de CEE e CED da tabela a seguir: Nível de Tensão CEE (R$/MWh) CED (R$/kW ano) A2 88kV a 138kV 206,66 112,92 A3a 30kV a 44kV 210,61 114,08 A4 2,3kV a 25kV 214,57 324,14 B1 Residencial 231,74 388,97 Fonte: Resolução ANEEL para FC= 75% e k=0, SEGUROS Cabe ao Proponente a contratação de apólice de Seguros Responsabilidade Civil Geral segurando no mínimo 30% (trinta por cento) do valor dos serviços previstos no contrato a ser firmado entre o Proponente e a AES Sul ( Contrato ) e apólice de Seguro de Garantia de Performance no montante mínimo de 5% (cinco por cento) do valor do Contrato. Os seguros devem compreender as seguintes garantias coberturas: i. Responsabilidade Civil Geral, com as coberturas básicas de RC Empregador, Prestação de Serviços em Locais de Terceiros e Danos Morais; ii. Seguro de Garantia de Performance (Execução contratual), com cobertura para riscos trabalhistas pelo prazo adicional de 2 (dois) anos ao término do Contrato; e/ou Fiança Bancária, e/ou Caução em dinheiro. iii. iv. No caso do seguro de garantia de performance será aceito o seguro e/ou fiança bancária, e/ou caução em dinheiro. Em se tratando de fiança bancária, deverá ser emitida por instituição financeira previamente aprovada pela AES Sul, no valor a ser acordado em contrato, 21

22 com validade de 2 (dois) anos adicionais ao término do Contrato. Na hipótese de caução em dinheiro, o Proponente deverá depositar, na Tesouraria da AES Sul, a quantia estabelecida em Contrato. Dessa caução serão descontadas eventuais multas, penalidades, reembolsos, despesas e indenizações de qualquer natureza, devidos pelo Proponente, pelo não cumprimento das condições estabelecidas neste instrumento e/ou em Contrato a ser celebrado entre a AES Sul e o Proponente. Nesse caso, o valor descontado pela AES Sul deverá ser reposto pelo Proponente no prazo de 48 (quarenta e oito) horas após o recebimento da notificação que a AES Sul lhe endereçará, sob pena de não serem efetuados quaisquer pagamentos posteriores ao Proponente e de ser rescindido o Contrato, com a aplicação das sanções daí advindas. v. Compromete-se, também, o Proponente a obter a complementação da caução, no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas caso o Contrato seja aditado quanto ao seu valor total (estimado) e/ou prazo de vigência. vi. vii. viii. Após o decurso de 2 (dois) anos seguintes ao término da vigência do Contrato, será devolvido ao Proponente o valor depositado a título de caução, devidamente corrigido pelo índice oficial da Caderneta de Poupança, mediante comprovação, por parte da AES Sul, de que foram cumpridas todas as obrigações contratuais do Proponente, ou seja, que foram saldadas todas as contas de mão de obra, salários e encargos, materiais, indenizações, despesas de sua responsabilidade, sem prejuízo de outras. Para a devolução do valor da caução, o Proponente deverá expedir solicitação por escrito à AES Sul, que terá até 60 (sessenta) dias da data do recebimento da solicitação para efetuar a devolução da caução. Os custos com a contratação de seguro devem ser alocados nos custos de mão de obra de terceiros RECURSOS HUMANOS Na Proposta de Projeto devem estar relacionados os profissionais responsáveis pela condução do projeto que atendam as qualificações mínimas atribuídas para cada função e que dentre outras tarefas terão as atribuições discriminadas a seguir: Coordenador de Projeto - O coordenador do projeto será o responsável integral pelos trabalhos e deverá comprovar experiência em coordenação de projetos, e 22

23 conhecimento de implantação de sistema elétrico do projeto. Será o responsável por toda a interlocução com a AES Sul. Este coordenador deve ter disponível um endereço eletrônico, um telefone fixo e um telefone celular que deve estar disponível para receber ligações semanalmente. O coordenador do projeto deve enviar para a AES Sul o cronograma do projeto com a atualização da linha de execução. Responsável técnico - Deverá ser profissional legalmente habilitado para o desempenho de função específica definida através da Resolução CONFEA nº 218, de 29/06/73, em cada especialidade que compõe o escopo principal da futura contratação. Este responsável deverá fazer o recolhimento da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) da execução física do projeto. Técnico de segurança do trabalho - Deverá ser legalmente habilitado para o desempenho da função e possuir registro no Ministério do Trabalho em conformidade com a NR27. A comprovação de qualificação técnica para cada função deve ser comprovada com currículo do(s) profissional(is) indicado(s) Estes profissionais podem fazer parte do quadro efetivo de funcionários do Proponente como também podem ser contratados especificamente para a execução do projeto que é objeto desta especificação PERÍODO DE EXECUÇÃO DO PROJETO As Propostas de Projetos de Eficiência Energética deverão, obrigatoriamente, observar o período de execução máximo de até 10 (dez) meses, contados a partir da data de assinatura do Contrato. Os cronogramas físico e financeiro para execução das Propostas de Projetos deverão conter, no mínimo, as seguintes etapas: Etapa 1: Mobilização da Equipe de Campo atendendo todos os requisitos dos Segurança Do Trabalho desta Chamada Pública. Etapa 2: Aquisição de equipamentos e materiais. Etapa 4: Execução da obra (substituição dos equipamentos). 23

24 Etapa 5: Descarte de materiais substituídos e/ou retirados conforme Responsabilidades Ambientais desta Chamada Pública. Etapa 6: Acompanhamento do projeto pela AES Sul (corresponde a soma dos custos de mão de obra própria, transporte e administração própria da AES Sul. Etapa 7: Elaboração de relatórios mensais de acompanhamento. Etapa 8: Treinamentos e Capacitação Etapa 9: Avaliação de resultados do projeto, prevendo prazo mínimo de 30 (trinta) dias COMPLIANCE O Proponente, as empresas a serem contratadas para a execução dos serviços objeto da Proposta do Projeto e os sub-contratados, se aplicável, estarão sujeitos à conclusão satisfatória do processo de due diligence de Compliance a ser conduzido pela AES, devendo o Proponente e a Proposta do Projeto atenderem a todos os requisitos do programa de Compliance da AES. O DDQ (Compliance Due Diligence Questionnaire) - Questionário de Compliance -, descrito no Anexo L desta Chamada Pública, deverá ser devidamente preenchido e assinado pelo Proponente, sendo o preenchimento deste indispensável para participação da Chamada Pública. A não entrega da documentação de Compliance desclassifica a Proposta de Projeto. Caso o documento em referência seja preenchido de maneira incompleta ou inconsistente, a AES poderá solicitar que este seja ajustado pelo Proponente do Projeto. Os instrumentos contratuais a serem celebrados entre a AES e o Proponente do Projeto selecionado terão em sua redação os termos e condições contratuais específicas em conformidade com todas as leis e regulamentações anti-suborno, antiterrorismo, sanções econômicas e anti-lavagem de dinheiro, incluindo a Lei Contra Práticas Estrangeiras de Corrupção dos Estados Unidos da América (FCPA - Foreign Corrupt Practices Act) e a Lei Brasileira Anti-Corrupção, substancialmente na forma do Anexo H desta Chamada Pública ( Anexo Linguagem de Compliance ). 24

25 O Proponente receberá cópia do Código de Conduta da AES (Guia de Valores) declarando ciência quanto ao seu conteúdo. 9. FASES DA CHAMADA PÚBLICA A presente Chamada Pública de projetos objetiva a seleção de Propostas de Projetos de eficiência energética, dentro dos critérios estabelecidos pelo PROPEE, elaborado pela ANEEL A seleção das Propostas de Projetos que irão compor o Programa de Eficiência Energética - PEE da AES Sul foi dividido em 2 (duas) fases complementares, sendo a primeira fase de pré-diagnóstico energético e a segunda fase de diagnóstico energético. 9.1 PRIMEIRA FASE PRE - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Nesta primeira etapa as empresas proponentes avaliam as ações de eficiência energética viáveis através de um pré-diagnóstico energético. O pré-diagnóstico energético é uma etapa imprescindível que antecede à elaboração do projeto e deve conter, no mínimo, as seguintes informações: Apresentação do consumidor e informações sobre suas atividades, bem como o horário de funcionamento de cada unidade consumidora pertencente à Proposta de Projeto; Apresentação da empresa responsável pela elaboração da Proposta de Projeto, se for o caso; Apresentação da provável empresa contratada para execução da Proposta de Projeto; Apresentação dos objetivos do pré-diagnóstico energético, conforme modelo sugerido; Apresentação dos insumos energéticos utilizados, quando for o caso; Apresentação da avaliação preliminar das instalações físicas e dos procedimentos operacionais da unidade consumidora com foco no consumo de energia elétrica; 25

26 Apresentação do histórico de consumo de, pelo menos, os últimos 12 (doze) meses de cada unidade consumidora a ser beneficiada; Apresentação da estimativa da participação de cada uso final de energia elétrica existente, (por exemplo: iluminação, condicionamento ambiental, sistemas motrizes, refrigeração, etc) no consumo mensal de energia elétrica da unidade consumidora; Apresentação da análise preliminar das possíveis oportunidades de economia de energia para os usos finais de energia elétrica escolhidos, descrevendo a situação atual e a proposta; Apresentação da avaliação da economia de energia e redução de demanda na ponta com base nas ações de eficiência energética identificadas. Calcular o percentual de economia do consumo de energia elétrica previsto em relação ao consumo anual apurado no histórico de consumo apresentado dos últimos 12 (doze) meses; Realizar a avaliação ex ante preliminar, ou seja, calcular a relação custobenefício (RCB) do projeto com base na avaliação realizada, de acordo com a metodologia estabelecida pela ANEEL, conforme item 7 da Chamada Pública. Deverá ser apresentado um cronograma das etapas necessárias para a execução do projeto de eficiência energética, conforme item 8.18 da presente Chamada Pública; Para sistemas de iluminação, deve-se considerar no pré-diagnóstico a procura de evidências quanto ao tipo de reator existente (eletromagnético e/ou eletrônico) e suas respectivas perdas, pois estes dados influenciam na estimativa de economia e na avaliação dos resultados do projeto; Apresentação da descrição detalhada do horário de funcionamento de cada ambiente; Apresentação da estratégia de M&V preliminar, conforme item da Chamada Pública; Apresentação dos custos para realização do diagnóstico energético ; Em resumo, o pré-diagnóstico energético deve apresentar um relatório contendo, entre outros pontos definidos pela AES Sul, uma estimativa do investimento em ações de eficiência energética economia de energia, redução de demanda na ponta, a estratégia de M&V preliminar e o valor do diagnóstico 26

27 energético para definição e descrição das ações de eficiência energética que serão implementadas. Os custos para elaboração do pré-diagnóstico energético não serão de forma alguma remunerados pela AES Sul; Apresentar estimativa do custo total do projeto, estratificando os custos de material e equipamento, mão de obra de implementação (terceiros) mão de obra da AES Sul, transporte, marketing, descarte de materiais, medição e verificação, Os pré-diagnósticos energéticos recebidos serão analisados pela Comissão Julgadora, conforme disposto no item 11 desta Chamada Pública. Somente os prédiagnósticos energéticos classificados passarão para a segunda fase da Chamada Pública. Para os pré-diagnósticos energéticos que forem aprovados e classificados, porém não forem selecionados para a segunda fase da Chamada Pública, estes irão compor um cadastro de reserva de propostas de projetos e poderão ser utilizados caso exista uma sobra de recursos em outras tipologias de projetos nesta Chamada Pública. 9.2 SEGUNDA FASE DIAGNOSTICO ENERGÉTICO Os pré-diagnósticos energéticos selecionados em conformidade ao disposto no item 11 desta Chamada Pública passarão para a fase de diagnóstico energético. O diagnóstico energético é uma avaliação detalhada das ações de eficiência energética na instalação da unidade consumidora de energia, resultando em um relatório contendo a descrição detalhada de cada ação de eficiência energética e sua implantação, a especificação dos materiais e equipamentos que serão implementados, o valor do investimento, economia de energia e/ou redução de demanda na ponta relacionada, análise de viabilidade e estratégia de medição e verificação a ser adotada. Entende-se o diagnóstico energético como a consolidação da avaliação ex ante apresentada de forma preliminar no pré-diagnóstico energético. As informações mínimas que deverão ser apresentadas no diagnóstico energético estão detalhadas no Módulo 4 - Tipologias de Projeto do PROPEE, Seção Dados de Projeto, Item Roteiro Básico para Elaboração de Projetos da versão vigente ou equivalente atual. Conforme item 8.8.1, também deverá ser consolidada a estratégia 27

28 de M&V, a qual foi enviada de forma preliminar na fase de pré-diagnóstico energético. O diagnóstico energético está sujeito à aprovação da AES Sul, podendo demandar correções de modo a atender exigências e determinações da ANEEL. Pelo mesmo motivo, a AES Sul reserva-se o direito de solicitar ao proponente as alterações que julgar necessárias na Proposta de Projeto. Os cronogramas físico e financeiro apresentados no diagnóstico energético e aprovados pela AES Sul serão considerados como sendo definitivos, sendo portanto utilizados como base para estabelecer as obrigações contratuais referentes ao prazo de execução dos projetos de eficiência energética. A diferença máxima admitida (relativa aos custos para realização do projeto de eficiência energética e as metas de economia de energia e redução de demanda em horário de ponta) entre o pré-diagnóstico energético e o diagnóstico energético é de 5% (cinco por cento), não podendo ultrapassar o valor limite estabelecido no item 11 desta Chamada Pública. Eventuais discrepâncias acima deste limite estabelecido deverão ser devidamente justificadas. Não serão aceitas mudanças que descaracterizem a Proposta de Projeto original, ou seja, não serão aceitos diagnósticos energéticos que objetivem ações de eficiência energética em usos finais ou em unidades consumidoras diferentes daqueles apresentados originalmente no pré-diagnóstico energético. Todos os materiais e equipamentos considerados no pré-diagnostico energético devem ser validados no diagnostico energético, As eventuais alterações devem ser justificadas pelo Proponente e serão analisadas pela AES Sul. 10. FORMA DE APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS As Propostas de Projetos de eficiência energética deverão ser apresentadas de acordo com disposto no Procedimentos do Programa de Eficiência Energética - PROPEE, disponível no endereço eletrônico e demais exigências estabelecidas nesta Chamada Pública. É obrigatório, na apresentação das Propostas de Projetos, o encaminhamento dos seguintes documentos, de acordo com a fase da Chamada Pública: 28

29 10.1 FORMA DE APRESENTAÇÃO DA PRIMEIRA FASE - PRÉ-DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Carta de apresentação da Proposta de Projeto assinada pelos dirigentes responsáveis do Proponente, conforme modelo apresentado no Anexo C desta Chamada Pública. A carta deverá ser em papel timbrado do Proponente ou, na falta deste, com a aplicação do carimbo do CNPJ do Proponente; Pré-diagnóstico energético das instalações a ser contemplado na Proposta de Projeto, conforme disposto no item 9.1 desta Chamada Pública; 01 (uma) cópia impressa do pré-diagnóstico energético, dos orçamentos pertinentes (conforme definido no item 8.3 deste regulamento), catálogos (1), memorial de cálculo (planilhas eletrônicas utilizadas) e a documentação para habilitação listada no item 10.3 desta Chamada Pública; 01 (uma) cópia em mídia eletrônica do pré-diagnóstico energético, dos orçamentos pertinentes (conforme definido no item 8.3 deste regulamento), catálogos (1)(2) e memorial de cálculo (planilhas eletrônicas utilizadas). Todos os arquivos eletrônicos devem estar desprotegidos, permitindo assim sua edição; A comprovação da experiência em projetos semelhantes será feita através de atestado de capacidade técnica do Proponente, fornecidos por pessoas jurídicas de direito público ou privado. O atestado de capacidade técnica deverá explicitar que o Proponente possui experiência em elaboração de projetos no âmbito do Programa de Eficiência Energética - PEE e/ou das ações de eficiência energética nos usos finais envolvidos na Proposta de Projeto. A comprovação da experiência em projetos semelhantes é necessária para fins classificatórios das Propostas de Projetos, sendo que sua não comprovação não implicará na desclassificação da Proposta do Projeto; 29

30 Apresentar os documentos relacionados no item 10.3, válidos na data de protocolo da Proposta de Projeto na AES Sul. Obs.: (1) Os catálogos apresentados em idioma estrangeiro deverão ser acompanhados de tradução para língua portuguesa. (2) Os catálogos poderão ser apresentados no formato pdf FORMA DE APRESENTAÇÃO DA SEGUNDA FASE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Diagnóstico Energético das instalações a serem contempladas na Proposta de Projeto, conforme disposto no item 9.2 desta Chamada Pública: 01 (uma) cópia em mídia eletrônica do pré-diagnóstico energético, dos orçamentos pertinentes (conforme definido no item 8.3 deste regulamento), catálogos (1)(2) e memorial de cálculo (planilhas eletrônicas utilizadas). Todos os arquivos eletrônicos devem estar desprotegidos, permitindo assim sua edição; 01 (uma) cópia impressa do pré-diagnóstico energético, dos orçamentos pertinentes (conforme definido no item 8.3 deste regulamento), catálogos (1), memorial de cálculo (planilhas eletrônicas utilizadas) e a documentação para habilitação listada no item 10.3 do presente regulamento. Apresentar os documentos relacionados no item 10.3, válidos na data de apresentação do diagnóstico energético na AES Sul. Obs.: (1) Os catálogos apresentados em idioma estrangeiro deverão ser acompanhados de tradução para língua portuguesa. (2) Os catálogos poderão ser apresentados no formato pdf 10.3 DOCUMENTOS PARA HABILITAÇÃO Cópia do contrato social ou estatuto social do Proponente contemplado (1) ; Carta do Proponente (assinada por seu representante legal) ou parecer jurídico, concordando com os termos constantes no Contrato, conforme disposto nos item 12 e item 13 da presente Chamada Pública (1) ; 30

31 Cópia do cartão de identificação do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ (1) ; Prova de regularidade para com a Fazenda Municipal; Prova de regularidade para com a Fazenda Estadual; Prova de regularidade para com a Fazenda Federal (certidão conjunta de débitos relativos a tributos federais e a dívida ativa da União); Certidão negativa de débito expedida pelo INSS; Certificado de regularidade do FGTS CRF; Certidão negativa de inadimplência perante a Justiça do Trabalho; Apresentação de cópia da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) (2), referente à elaboração do diagnóstico energético ; Apresentação do DDQ; Apresentação do Termo de Compliance; Termo de aceite das exigências de segurança do trabalho e meio ambiente; Questionário de Pré-Qualificação. Obs.: (1) A critério do Proponente, estes documentos podem ou não ser reapresentados na ocasião da segunda fase da Chamada Pública. (2) Documentação exigida somente para as Propostas de Projeto classificadas para a segunda fase da Chamada Pública. 11. SELEÇÃO DAS PROPOSTAS A seleção das Propostas de Projetos será realizada pela Comissão Julgadora levandose em consideração a aderência da proposta de projeto às condições gerais deste Edital assim como aos critérios de seleção descritos no item 11.1, O Proponente deve estar adimplente com todas as obrigações legais com a AES Sul na data limite estabelecida no item 6 desta Chamada Pública. Possuir relação custo-benefício (RCB): menor ou igual a 0,75 (zero vírgula setenta e cinco) no caso de Propostas de Projetos que beneficiem consumidores sem fins lucrativos; 31

32 menor ou igual a 0,85 (zero vírgula setenta e cinco) no caso de Propostas de Projetos que beneficiem consumidores com fins lucrativos. Entrega das Propostas de Projetos até a data e horário limites definidos no item 6, sob protocolo, no endereço estabelecido no item 11.2 desta Chamada Pública. Atender a todos os parâmetros definidos pela ANEEL, item 7 da presente Chamada Pública. Atender a todos os parâmetros definidos pela AES Sul, item 8 da Chamada Pública. Atender todas as disposições estabelecidas nesta Chamada Pública. As Propostas de Projetos serão pontuadas conforme os critérios estabelecidos no item 11.1 da presente Chamada Pública e classificadas em ordem decrescente, até o limite dos recursos orçamentários disponibilizados na presente Chamada Pública. Em caso de empate entre as Propostas de Projeto apresentadas, serão usados sucessivamente os critérios de desempate apresentados a seguir: A menor relação custo-benefício (RCB) apontada nas Propostas de Projetos, considerando 2 (duas) casas decimais, desconsiderando-se as demais. O maior valor de energia economizada (EE) apontada nas Propostas de Projetos, considerando 2 (duas) casas decimais, desconsiderando-se as demais. O maior valor de redução de demanda em horário de ponta (RDP) apontada nas Propostas de Projetos, considerando 2 (duas) casas decimais, desconsiderando-se as demais. Persistindo ainda o empate entre as Propostas de Projetos apresentadas, será realizado sorteio, em data a ser designada pela AES Sul, e previamente comunicada aos interessados, que poderão participar da sessão a ser realizada. O não atendimento às exigências especificadas nesta Chamada Pública implicará na desqualificação automática da Proposta de Projeto. 32

33 11.1 CRITÉRIOS PARA PONTUAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DAS PROPOSTAS Os critérios para classificação e pontuação das propostas de projeto foram definidos em conformidade ao documento Critérios de Seleção para Chamadas Públicas de Projeto da ANEEL. Os itens e a forma de pontuação estão apresentados na tabela abaixo. ITEM CRITÉRIOS PONTUAÇÃO MÁXIMA A Relação Custo-benefício 40 (A1) Relação Custo-benefício proporcional (30) (A2) Relação Custo-benefício ordenada (10) B Economia de Escala 5 C Peso do investimento em equipamentos no custo total 5 D Impacto direto na economia de energia e na redução de demanda 5 E Qualidade na apresentação do projeto 10 F Capacidade de superar barreiras de mercado e efeito multiplicador 5 G Experiência em projetos semelhantes 5 H Contrapartida 10 I Diversidade de usos finais 5 J Ações educacionais (treinamento e capacitação) 10 Total 100 Item A - Relação custo-benefício Item A1 - Relação custo-benefício proporcional Pontuação de cada medida atribuída de forma proporcional à mínima RCB. Onde: RCB: relação custo-benefício do projeto, considerando apenas a parcela aportada pelo PEE; 33

34 RCBmin: menor relação custo-benefício entre os projetos concorrentes à Chamada Pública. Item A2 - Relação custo-benefício ordenada Pontuação de cada medida atribuída de acordo com uma lista ordenada descendente dos valores de RCB, como abaixo: onde n é o número de projetos apresentados e k a posição do projeto na lista. Item B Economia de Escala Este critério pretende avaliar a participação do custo fixo no custo total do projeto, visando pontuar mais os projetos que apresentam economia de escala, ou seja, que apresentem menores custos fixos relativamente aos custos totais. O critério é calculado de acordo com o seguinte índice: CF: custo fixo compartilhado pelo PEE, isto é, o custo que não depende do número de intervenções realizadas; CT: Custo total do projeto para o PEE; ICmáx: Maior índice entre as propostas apresentadas à Chamada Pública. Item C Peso do investimento em equipamentos no custo total do projeto Este critério visa premiar as medidas que maximizem o investimento direto em equipamentos, em detrimento dos custos indiretos ou administrativos associados à ação de eficiência energética. 34

35 ID: Índice de investimento direto em equipamentos K: Custo do equipamento comparticipado pelo PEE CT: Custo total da medida compartilhado pelo PEE. Item D - Impacto direto na economia de energia e redução de demanda na ponta Este critério visa destacar os projetos com maior impacto nos benefícios energéticos diretos. IE: Índice de redução de consumo; EP: Energia Economizada pelo projeto (MWh/ano); EPmáx: Máximo valor de energia economizada entre os projetos concorrentes à Chamada Pública (MWh/ano); ID: Índice de redução do demanda na ponta; DP: Demanda evitada pelo projeto (kw); DPmáx: Máximo valor de demanda reduzida na ponta entre os projetos concorrentes à Chamada Pública (kw) Item E Qualidade da apresentação do projeto Qualidade global da apresentação do projeto 4 pontos (inclusão de anexos explicativos, conteúdos e programas detalhados ou a descrição clara dos objetivos e do cenário de referência) Bases da proposta 2 pontos (qualidade na fundamentação dos pressupostos considerados, nomeadamente no que se refere a consumos evitados e cenário de referência) Consistência do cronograma apresentado 2 pontos (apresentação clara e exaustiva das suas várias etapas e custos) Plano de M&V 2 pontos (o Plano consegue avaliar os objetivos a que se propõe a ação de eficiência energética e tem um orçamento adequado) Item F Capacidade para superar barreiras de mercado e efeito multiplicador Eficácia na quebra de barreiras de mercado 2 pontos Induz comportamentos de uso eficiente da energia 1 ponto 35

36 Destina-se a segmentos com barreiras mais relevantes 2 pontos Item G Experiência em projetos semelhantes Experiência do Proponente é relevante para o sucesso do projeto. O Proponente deverá comprovar sua experiência em execução de projetos de eficiência energética na tipologia considerada, por meio da apresentação de atestados de capacidade técnica, fornecidos por pessoas jurídicas de direito público ou privado, declarando de forma clara e precisa que a licitante executou ou está executando serviços de eficiência energética. Critérios Pontuação Associado da Abesco 1 QualiESCO 1 Acima de 10 3 Experiência em Projetos de Eficiência Entre 5 e 10 2 Entre 1 e 4 1 Sem Experiência Comprovada 0 Item H Contrapartida Participação do PEE no investimento total do projeto InvPEE: investimento aportado pelo PEE Invtotal: investimento total do projeto Item I Diversidade de usos finais 36

37 Este item visa incentivar maior abrangência das ações. Quanto mais usos finais forem considerados e quanto menos os valores se afastarem da média, maior será o índice. DUF: índice de diversidade de usos finais DUFmáx: Maior índice de diversidade entre as propostas apresentadas à Chamada Pública UFi: investimentos do PEE considerados em cada uso final i UF: média dos investimentos nos diversos usos finais Item J - Ações educacionais (treinamento e capacitação) Parcela do investimento aplicada em treinamentos Invtrein: investimento aplicado em treinamentos Invtotal: investimento total do projeto 11.2 PRAZO DE APRESENTAÇÃO E PROTOCOLO DE ENTREGA A presente Chamada Pública terá iniciada sua vigência e seu encerramento conforme data definida no item 6 deste Chamada Pública. Os interessados na apresentação de Propostas de Projeto de eficiência energética deverão, obrigatoriamente, observar e cumprir o prazo estabelecido. 37

38 O período de entrega das Propostas de Projeto de eficiência energética está definido no item 6 desta Chamada Pública, devendo as propostas de projetos serem entregues, sob protocolo, no seguinte endereço das 09h ás 17h. AES Sul Protocolo Geral Rua Presidente Roosevelt, nº 68 Bairro Centro - São Leopoldo - RS - Brasil CEP O envelope com a proposta de projeto deverá conter: a) Na parte Frontal: AES Sul A/C Programa de Eficiência Energértica Rua Presidente Roosevelt, nº 68 Bairro Centro - São Leopoldo - RS - Brasil CEP b) Na parte posterior: Identificação e endereço do remente 11.3 COMISSÃO JULGADORA A comissão julgadora será constituída por empregados da AES Sul, a qual terá a incumbência de qualificar e classificar as Propostas de Projetos apresentados na presente Chamada Pública DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS O resultado da seleção das Propostas de Projetos será divulgado pela AES Sul por meio do endereço eletrônico 38

39 11.5 RECURSOS Eventuais recursos poderão ser interpostos pelo Proponente, por meio de carta ao Presidente da Comissão Julgadora, no prazo de 5 (cinco) dias corridos, conforme definido no item 6 deste regulamento, contados da data de publicação do resultado da presente Chamada Pública. Os recursos deverão ser entregues, sob protocolo, até as 16h do prazo acima, no endereço e regra determinada no item CONSUMIDORES COM FINS LUCRATIVOS Por determinação da ANEEL, todos os projetos de eficiência energética cujo beneficiário possua fins lucrativos deverão ser feitos mediante contrato de desempenho. O objetivo principal do contrato de desempenho é evitar a transferência de recursos públicos para unidades consumidoras com fins lucrativos. No ANEXO F é apresentado o contrato de desempenho a ser firmado entre as partes. 13. CONSUMIDORES SEM FINS LUCRATIVOS Para os consumidores que desenvolvam atividades sem fins lucrativos, será firmado um convênio conforme ANEXO K. O Proponente deverá comprovar que exerce atividades sem fins lucrativos. Caso este deixe ou falhe em comprovar o desenvolvimento de atividades sem fins lucrativos, ou ainda apresente projeto que contemple simultaneamente unidades consumidoras com e sem fins lucrativos, ficará automaticamente classificado como com fins lucrativos, ficando sujeito ao disposto no item 12 desta Chamada Pública. 14. DOCUMENTOS DA CHAMADA PÚBLICA A AES Sul disponibilizará esta Chamada Pública, os Procedimentos do Programa de Eficiência Energética - PROPEE, da ANEEL, o Protocolo Internacional de Medição e Verificação de Performance - PIMVP - Janeiro de EVO :2012 (Br) e sugestão de planilha eletrônica para cálculo da relação custo-benefício - RCB(1) de 39

40 projetos de eficiência energética, Guia de Valores da AES Sul, Diretrizes Básicas de Segurança e Meio Ambiente da AES Sul e Linguagem de Compliance, no endereço eletrônico 15. OUTRAS INFORMAÇÕES Os autores das Propostas de Projeto não serão de forma alguma remunerados pela AES Sul em decorrência da seleção de suas Propostas de Projetos, bem como não é defeso aos mesmos reivindicar ganhos eventuais auferidos pelas unidades consumidoras e a própria AES Sul. A execução da Proposta de Projeto que vier a ser selecionada pela AES Sul através da presente Chamada Pública condiciona-se a: Celebração de instrumento contratual com a AES Sul, em conformidade com a legislação vigente, de acordo com o disposto nos anexos 1 e 6 da presente Chamada Pública. Apresentação de cópia da Anotação de Responsabilidade Técnica - ART, referente à elaboração do diagnóstico energético, conforme item 10. Cabe ao Proponente e à empresa executora do projeto realizar o cadastro no site As Propostas de Projetos aprovadas na presente Chamada Pública e por alguma razão alheia a AES Sul não for implementado, o Proponente ficará suspenso de apresentar Propostas de Projetos por um período de 2 (dois) anos ESCLARECIMENTOS E INFORMAÇÕES ADICIONAIS Toda e qualquer solicitação de esclarecimentos e/ou informações adicionais, referentes a esta Chamada Pública, deverá ser formulada por escrito e entregue, sob protocolo, até a data definida no item 6, no seguinte endereço: AES Sul Protocolo Geral Rua Presidente Roosevelt, nº 68 Bairro Centro - São Leopoldo - RS - Brasil CEP

41 O envelope com a proposta de projeto deverá conter: a) Na parte Frontal: AES Sul Rua Presidente Roosevelt, nº 68 Bairro Centro - São Leopoldo - RS - Brasil CEP b) Na parte posterior: Identificação e endereço do remente A AES Sul não atenderá solicitações de esclarecimentos e/ou informações adicionais que não estejam em conformidade com o estabelecido neste item. Esclarecimentos e/ou informações adicionais poderão ser divulgadas através do endereço eletrônico CONFIRMAÇÃO DE INFORMAÇÕES PRESTADAS NAS PROPOSTAS DE PROJETOS Uma vez selecionadas as Propostas de Projetos e estas virem a compor o Programa de Eficiência Energética - PEE da AES Sul, as informações contidas nas mesmas, deverão ser confirmadas na sua execução. Havendo divergências entre as informações constantes nas Propostas de Projetos e o que venha a ser executado que comprometa a eficiência e eficácia estabelecida, a AES Sul poderá interromper a execução do mesmo. Neste caso o Proponente responsável pela proposta de projeto, deverá ressarcir a AES Sul em razão dos valores investidos e dispendidos na aludida Proposta de Projeto, com os devidos acréscimos legais e regulamentares. 41

42 15.3 SALDO DOS RECURSOS FINANCEIROS Na eventualidade de não acudirem interessados na apresentação de Projetos para Eficiência Energética, ou caso as Propostas de Projetos apresentadas não atendam satisfatoriamente os requisitos estabelecidos na presente Chamada Pública, tornandoa infrutífera, em decorrência de cumprimento da obrigação regulamentar com o Poder Concedente - ANEEL, a AES Sul poderá analisar eventuais alternativas para remanejamento dos recursos, se necessário, utilizando os critérios estabelecidos nos Procedimentos do Programa de Eficiência Energética, elaborado pela ANEEL. 16. OUTRAS DISPOSIÇÕES A Proponente declara conhecer e ser responsável pelo atendimento a toda a legislação aplicável às suas atividades, em especial, mas não se limitando a que se referir ao objeto do presente instrumento, a qualquer tempo, devendo desenvolvê-las de acordo com as normas estabelecidas. A Proponente, portanto, reconhece ser a única responsável civil, administrativa e criminalmente, por qualquer conduta, omissiva ou comissiva, inclusive por parte de seus empregados, contratados ou prepostos, respondendo por eventuais danos causados ao meio ambiente, mas também à AES Sul e/ou a terceiros, obrigando-se a manter a AES Sul a salvo de quaisquer ônus ou prejuízos daí decorrentes. A aceitação e/ou aprovação, por parte da AES Sul, das informações a serem apresentadas, assim como o atendimento, pela Proponente, de todas as disposições constantes desta Chamada Pública, não isentam a Proponente das responsabilidades decorrentes do defeito ou mau funcionamento de quaisquer aspectos dos produtos e/ou atividades realizadas, deixando livre a AES Sul de quaisquer ônus legais ou financeiros. 42

43 ANEXO A - SEGURANÇA DO TRABALHO Baseado na possibilidade das atividades abaixo seguem os dados de Segurança do Trabalho. Iluminação Condicionamento Ambiental Sistemas Motrizes Sistemas de Refrigeração Geração Foto Voltaica O Proponente deverá encaminhar junto à Proposta de Projeto a declaração assinada que assume desde já o compromisso de aceitar e cumprir todos os requisitos, procedimentos e normativas de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho, contidos na Especificação Técnica referente à Chamada Publica, para atividades de Iluminação - Condicionamento Ambiental - Sistemas Motrizes - Sistemas de Refrigeração - Geração Foto Voltaica, em especial ao descrito nas Diretrizes Básicas de Segurança e Meio Ambiente para Empresas Contratadas e Fornecedores de Produtos e Serviços. O Proponente não utilizará trabalho infantil nem trabalho de adolescentes, fora das situações permitidas na legislação trabalhista em vigor ou na Lei Nº 8.069, de 13 de julho de Estatuto da Criança e do Adolescente. Qualquer violação da legislação supra mencionada acarretará a imediata rescisão do Contrato, por culpa do Proponente, com a imposição da multa prevista em Contrato, sem prejuízo das medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis em caso de dano à imagem, ao nome ou ao patrimônio da AES Sul e da imediata comunicação dos documentos e fatos apurados às autoridades policiais e ao Ministério Público, quando houver indícios de infração penal. A AES Sul estabelece, nesta especificação, as exigências mínimas de Segurança do Trabalho para Empreiteira e/ou Prestadora de Serviços, a seguir denominada Contratada, que vier a exercer atividades objeto dessa especificação. Caberá à Contratada total responsabilidade no cumprimento das Diretrizes Básicas de Meio Ambiente, Saúde e Segurança da AES Brasil, dos procedimentos a seguir estabelecidos, bem como os demais previstos nas Normas Reguladoras (NR) aprovadas pela Portaria Nº 3214, de 8 de junho de 1978, e da legislação complementar, Normas Técnicas da ABNT, Códigos Municipais, etc., em resumo o 43

44 respeito à toda a legislação Federal, Estadual e Municipal, pertinente ao objeto do contrato é obrigação exigida das Contratadas, estendendo-se esta responsabilidade às suas subcontratadas. Os aspectos da legislação que foram destacados neste documento são os de maior relevância, mas não se deve entender que os demais possam ser ignorados. A Proponente CONTRATADA deverá enviar uma declaração juntamente com a proposta técnica que a mesma, naquilo que se aplicar à atividade, que irá cumprir rigorosamente os preceitos editados pela Lei Nº 6.514/77 e Portaria Nº 3.214/78, Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, as Diretrizes Básicas de Segurança para Empresas Contratadas da AES Brasil e Manual de Obras da AES Brasil. A Proponente Contratada deve apresentar os seguintes documentos, sendo alguns em formulário padrão da AES Brasil: Análise de Risco da Atividade (conforme modelo em anexo) Questionário de Pré-Qualificação (conforme modelo em anexo) Termo de Aceite das exigências (conforme modelo em anexo) PPRA Programa de prevenção de riscos ambientais PCMSO Programa de controle médico e saúde ocupacional PCMAT Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (quando aplicável) Ficha de registro de todos os funcionários envolvidos na atividade ASO Atestados de saúde ocupacional Ficha de EPI (contendo EPIs específicos para a função) Certificados NR-10 Básico Certificados NR-10 Complementar (SEP) Certificados NR-11 Transporte, Movimentação e Manuseio de Materiais Certificados NR-12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Certificados NR-13 Caldeiras e Vasos de Pressão (quando aplicável) Certificados NR-18 (conforme item da NR-18, quando aplicável o PCMAT) NR-17 Laudo Ergonômico NR 21 Trabalho a céu aberto NR 23 Proteção contra incêndio (certificados de treinamentos) NR 24 Condições Sanitária e de Conforto nos locais de trabalho (quando aplicável) NR 33 Espaço confinado (quando aplicável) Certificados NR-35 Trabalho em Altura Certificados de capacitação de eletricistas (se aplicável) Treinamento de trabalho em altura (NR-35) Listagem de todos os funcionários que compõe o contrato Dimensionamento do SESMT Dimensionamento da CIPA (quando aplicável) 44

45 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NR-6 Conforme estabelece a Portaria Nº do MTE, toda empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias: Sempre que as medidas de proteção coletiva for tecnicamente inviável ou não fornecer completa proteção contra os riscos de acidentes e/ou doenças profissionais e do trabalho. Enquanto as medidas de proteção coletivas estiverem sendo implementadas. Para atender situações de emergência. O capacete, óculos de segurança, luvas e calçado de segurança são de uso obrigatório em todas as atividades. Todo o EPI necessário para a execução das atividades deverá estar em perfeita condição de uso e conservação, bem como apresentar, de forma indelével, o número do CA (Certificado de Aprovação) emitido pela Secretaria da Segurança e Saúde no Trabalho do MTE. Nota: Não é permitido o compartilhamento de Equipamentos de Proteção Individuais. A Contratada tem obrigação de: a) adquirir o tipo adequado de EPI à atividade que será desenvolvida pelos empregados; b) fornecer ao empregado somente EPI aprovado pelo MTE; c) treinar o empregado sobre o uso adequado do EPI; d) tornar obrigatório o seu uso; e) substituí-lo, imediatamente, quando danificado ou extraviado; f) responsabilizar-se pela sua higienização e manutenção periódica, e g) comunicar ao MTE, qualquer irregularidade observada no EPI. 45

46 Os EPIs básicos, mas não exclusivos as atividades da contratada, são: CHAMADA PÚBLICA 2014/01 Capacete com jugular Proteção da cabeça contra a projeção e/ou queda de objetos, contato com partes energizadas, classe B, etc. Botina de Segurança com biqueira e palmilha anti-perfurante Proteção dos pés contra a queda de objetos, esmagamento, corte, perfuração, proteção elétrica, etc. Óculos de proteção Proteção dos olhos contra a projeção de objetos, calor, intensidade luminosa, radiação. Protetor facial Para proteção dos olhos e rosto quanto à projeção de partículas provenientes da utilização de esmeril, lixadeiras de bancada, furadeira de bancada e proteção para riscos elétricos (quando aplicável), etc. Máscaras de proteção respiratória Proteção contra inalação de poeiras, fumos e gases nocivos à saúde, conforme avaliação de risco Máscaras e lentes de proteção para soldas Máscara de proteção com acendimento automático para proteção de radiações ionizantes provenientes de soldas e luminosidade. 46

47 Vestimentas de couro para trabalhos com soldas e ferramentas cortantes Vestimentas de raspa de couro para trabalhos com soldas e materiais cortantes tais como: perneiras, mangas, avental, etc. conforme avaliação de risco. Luvas Proteção das mãos contra materiais abrasivos, cortantes, produtos químicos, calor e eletricidade. NOTA: As luvas utilizadas para as diferentes atividades devem autorizadas pela gerência de segurança do trabalho da AES Sul e conforme especificação técnica. Proteção contra quedas Cinto pára-quedista, corda salva-vida e trava-quedas e/ou outro dispositivo para escalada em altura. Proteção contra quedas em trabalhos acima de 1,8 metros de altura. Para trabalhos acima de 1,80cm devem ser instalados provisoriamente pontos de ancoragem conforme NR-35. NOTA: Não serão aceitos equipamentos de segurança para trabalho em altura onde seus componentes não tenham CA s conjugados. Protetor Auricular Para atividades com furadeiras, brocas, marteletes, esmerilhadeiras, lixadeiras e que provocam ruído intenso. Vestimentas (Uniforme) Para atividades de construção civil, carpintaria, ferragens e demais atividades não envolvidas no SEP à empresa deve fornecer uniformes compatíveis com a atividade a ser desenvolvida, sendo que os mesmos devem proteger os membros superiores e 47

48 inferiores dos seus colaboradores de projeções de produtos químicos, partículas sólidas ou líquidas e que atendam as condições climáticas. Para atividades no SEP ou em suas proximidades devem ser adotadas vestimentas adequadas e resistentes ao pico máximo de curto da SE com material retardante a chamas conforme ATPV e classificação de risco. Todo EPI deve possuir o Certificado de Aprovação (CA) válido emitido pelo Ministério do Trabalho, que deve estar gravado de forma indelével em seu corpo. Os CAs devem ser mantidos de forma organizada para todos os EPIs em uso e deverão estar de acordo com o PPRA da empresa onde constam os riscos ambientais e de acidentes de acordo com a atividade em realizadas. Os equipamentos de proteção individual que não costam em está especificação técnica e que for necessário para o desempenho das atividades devem ser precedidos de uma avaliação de risco e autorizados pela gerência de segurança do trabalho da AES Sul. Especificações técnicas As especificações dos equipamentos de proteção individual e coletiva estão disponíveis no site da AES Sul: no link INFORMAÇÕES TÉCNICAS. A relação de equipamentos necessários para a função, não está limitada aos equipamentos especificados neste link. A AES Sul pode elaborar, em conjunto ou não com o fornecedor, uma relação de EPI s, EPC s e ferramentas necessárias para melhor atender as demandas de segurança e de operação. 48

49 https://www.aessul.com.br/site/informacoes/normas.aspx?categoriaid=92&#box02_an cora COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA A Contratada deverá comprovar a existência de CIPA, bem como informar a AES Sul o nome do designado no local, de acordo com a Portaria do MTE, NR-5. A CIPA da Contratada deverá elaborar e manter em local visível o Mapa de Risco, conforme solicita a NR-5, da Portaria do MTE. A Contratada deverá comprovar quando solicitado a realização de palestras sobre segurança, treinamentos específicos e dados estatísticos sobre acidentes do trabalho. PROGRAMAS DE SEGURANÇA PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR-7 A Contratada deve entregar o PCMSO com prazo de validade atualizado que deverá ser assinado por um médico do trabalho em conformidade com os riscos levantados no PPRA. 49

50 Caso a validade expire antes do término das atividades contratadas, deverá ser fornecido novo PCMSO válido. Atestado de Saúde Ocupacional (ASO) dos trabalhadores que realizarão serviço devem constar todos os exames determinados no PCMSO da empresa e devem estar dentro do prazo de validade. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) NR-9 A Contratada deve entregar o PPRA com prazo de validade atualizado e assinado por engenheiro de segurança do trabalho, com cópia da ART conforme determina a Resolução Federal Nº 437 do CONFEA de 27/11/99. Caso a validade expire antes do término das atividades contratadas, deverá ser fornecido novo PPRA válido. PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (PCMAT) NR-18 A Contratada deve entregar o PCMAT para as atividades de construção conforme determina a NR-18. Deve ser específico para a obra em questão, com a descrição do local onde será realizado o serviço. Deve ser assinado por responsável engenheiro de segurança do trabalho, com cópia da ART conforme determina a Resolução Federal Nº 437 do CONFEA de 27/11/99. Andaime: O seu uso em altura superior a 2,00 m deve possuir Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do engenheiro responsável pela montagem e desmontagem e a sua estrutura deverá atender a NBR 9464 Segurança em andaimes. PERMISSÕES DE TRABALHO Antes de cada atividade deve ser preenchida a APR (análise preliminar de riscos), e de acordo com o tipo de serviço, deve ser elaborada a Permissão de Trabalho: APR Geral (elaborada para todos os serviços) 50

51 PTE para Trabalho em Altura PTE para Trabalho a quente PTE para Serviço em Eletricidade PTE para Espaço Confinado CONDIÇÕES DE HIGIENE E CONFORTO Em caso da necessidade da instalação de canteiro de obras, a Contratada deverá fornecer instalações que permitam condições sanitárias e de conforto satisfatórias aos seus trabalhadores de acordo com o seu quadro de funcionários, atendendo os requisitos da NR-24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho, em especial as seguintes: Instalações sanitárias e vestiários Nos locais de trabalho instalados em regiões onde não haja serviço de esgoto, deverá ser assegurado aos empregados um serviço de privadas ou banheiro químico, ou por outro processo que não afete a saúde pública, mantidas as exigências legais. Local para refeições com dispositivo para aquecer os alimentos Nas situações de instalação de canteiro de obras suficientemente distante das cidades, necessitando que haja o preparo da própria alimentação, a empresa deve garantir condições de conservação e higiene adequadas e os meios para o aquecimento em local próximo ao destinado às refeições e em número suficiente para todos os funcionários e de forma segura, ficando vedado o uso de liquinhos. Bebedouros com filtro e copos individuais Nos canteiros de obras devem ser disponibilizadas garrafas térmicas com água potável, em condições higiênicas, sendo proibido o uso de copos coletivos. Onde houver rede de abastecimento de água, deverão existir bebedouros de jato inclinado e guarda protetora, proibida sua instalação em pias ou lavatórios, e na proporção de 1 (um) bebedouro para cada 50 (cinqüenta) empregados. 51

52 As empresas devem garantir, no local de trabalho, suprimento de água potável e fresca em quantidade superior a 1/4 (um quarto) de litro (250 ml) por hora/homem trabalho. FISCALIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO O atendimento aos requisitos de condições sanitárias e conforto e demais requisitos de segurança, serão inspecionados antes do início dos trabalhos e fiscalizados periodicamente durante a vigência do contrato. Não conformidades identificadas nos itens desta especificação e demais requisitos de segurança serão passíveis de embargo da obra pela contratante. Cabe ao Proponente comunicar imediatamente o responsável da AES Sul, qualquer acidente de trabalho com e sem afastamento ocorrido durante a execução das atividades objetos do Contrato que impliquem em: Prejuízos ou lesões a terceiros; Acidentes de trabalho com e sem afastamento ou com perdas materiais; Incidentes com risco potencial de perda humana ou material; Incapacidade permanente ou morte; Danos materiais para a Contratada ou Contratante; Interrupções no cronograma por acidentes ou incidentes. Deverá ainda cumprir a Legislação e Normas internas quanto a prazos para emissão de documentos legais, tais como CAT, Analise de Acidente e Relatório de Retorno ao Trabalho, de acordo com Norma SULSSSO 1016 Gerenciamento de Incidentes. O Proponente deverá manter um Técnico de Segurança do Trabalho exclusivo para a AES Sul, garantindo o cumprimento das Normas de Segurança. Mensalmente, o Proponente se responsabiliza em realizar Preleção de Segurança com participação de 100% de seus funcionários, de 30 minutos, evidenciado em Lista de Presença, tendo como tema material disponibilizado pela AES Sul. Sendo mensal para áreas administrativas e Semanais para operacionais do SEP. 52

53 O Proponente autoriza a AES Sul a enviar profissionais das áreas de Segurança do Trabalho, Saúde e Meio Ambiente para Auditoria, dentro de suas dependências sendo agendada previamente. Mensalmente, até o segundo dia útil do mês subsequente, o Proponente se responsabiliza a enviar a quantidade de HHT (Homens Hora Trabalhada) e de funcionários, para o Gestor/Monitor do Contrato. CONDIÇÕES DE HIGIENE E CONFORTO Em caso da necessidade da instalação de canteiro de obras, a Contratada deverá fornecer instalações que permitam condições sanitárias e de conforto satisfatórias aos seus trabalhadores de acordo com o seu quadro de funcionários, atendendo os requisitos da NR-24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho, em especial as seguintes: Instalações sanitárias e vestiários Nos locais de trabalho instalados em regiões onde não haja serviço de esgoto, deverá ser assegurado aos empregados um serviço de privadas ou banheiro químico, ou por outro processo que não afete a saúde pública, mantidas as exigências legais. Local para refeições com dispositivo para aquecer os alimentos Nas situações de instalação de canteiro de obras suficientemente distante das cidades, necessitando que haja o preparo da própria alimentação, a empresa deve garantir condições de conservação e higiene adequadas e os meios para o aquecimento em local próximo ao destinado às refeições e em número suficiente para todos os funcionários e de forma segura, ficando vedado o uso de liquinhos. Bebedouros com filtro e copos individuais Nos canteiros de obras devem ser disponibilizadas garrafas térmicas com água potável, em condições higiênicas, sendo proibido o uso de copos coletivos. Onde houver rede de abastecimento de água, deverão existir bebedouros de jato inclinado e guarda protetora, proibida sua instalação em pias ou lavatórios, e na proporção de 1 (um) bebedouro para cada 50 (cinqüenta) empregados. 53

54 As empresas devem garantir, no local de trabalho, suprimento de água potável e fresca em quantidade superior a 1/4 (um quarto) de litro (250 ml) por hora/homem trabalho. FISCALIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO O atendimento aos requisitos de condições sanitárias e conforto e demais requisitos de segurança, serão inspecionados antes do início dos trabalhos e fiscalizados periodicamente durante a vigência do contrato. Não conformidades identificadas nos itens desta especificação e demais requisitos de segurança serão passíveis de embargo da obra pela contratante. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA A NR-09 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do PPRA, visando a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. Sempre que necessária e pelo menos uma vez ao ano, uma análise global deverá ser realizada no PPRA para avaliação do seu desenvolvimento e realização de ajustes necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades. O PPRA deve conter, no mínimo, a seguinte estrutura: Planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridades e cronograma e responsáveis; Estratégia e metodologia de ação; Forma de registro, manutenção e divulgação dos dados; Periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do PPRA. O Proponente deve elaborar o laudo ergonômico das atividades realizadas e medidas de controle existente, atendendo a NR

55 Deverá apresentar o PPRA e o laudo ergonômico ao SESMT da AES Sul antes do início das atividades e sempre que for solicitado; PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PCMSO O Proponente deve atender plenamente a NR-07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, além de realizar os exames admissionais, periódicos, demissionais, afastamentos maiores que 30 dias, alterações de função, visando preservar a saúde dos empregados, inclusive exames médicos específicos para os riscos de exposição, conforme PPRA; Deverá apresentar o PCMSO ao SESMT da AES Sul antes do início das atividades, assinado por um médico do trabalho e atualizando uma vez por ano É de responsabilidade do Proponente: (i) responsabilizar-se com todos os custos de implantação e manutenção do PCMSO, através de serviços médicos próprios ou por ela contratados, cujos profissionais deverão ser inscritos no MTE; e (ii) apresentar evidências do treinamento de primeiros socorros; O Proponente deverá apresentar ao Gerente de Projeto o Atestado de Saúde Ocupacional ASO contendo os exames médicos específicos, de todos os funcionários que trabalharão no contrato, antes do início das atividades, obedecendo à periodicidade estabelecida pela referida Norma; Os exames, por atividade, deverão atender, no mínimo, aos requisitos estipulados pela AES Sul, conforme abaixo: Para funções especificas os exames complementares devem estar atendendo o PCMSO da empresa. SUBCONTRATAÇÃO Somente com autorização prévia e expressa do Gerente de Projeto; Todas as exigências da AES Sul estendem-se às eventuais subcontratadas; O Proponente é responsável pela empresa subcontratada e deverá ter a presença full time de um profissional de segurança; 55

56 Treinamento: Os conhecimentos referentes à capacitação técnica dos profissionais deverão ser comprovados, através dos certificados originais ou copia autenticadas dos referidos cursos e entregues ao Monitor de Contrato antes do inicio das atividades. Somente serão aceitos cursos de entidades homologadas pela área de treinamento operacional da AES Sul. Qualquer substituição, inclusão ou alteração funcional de funcionário deve ser comunicada imediatamente ao Monitor. É de inteira responsabilidade do Proponente o treinamento, qualificação e quantificação dos recursos de mão-de-obra envolvida nos trabalhos, devendo obedecer às leis e normas regulamentadoras, devendo ter os seguintes cursos mínimos: Capacitação: NR horas Modulo I (APENAS PARA ATIVIDADES COM RISCO ELETRICO) O certificado deverá ser emitido por instituições ou entidades que possuir reconhecimento do MEC em sua grade curricular. E todas as demais entidades que possuir reconhecimento do MEC em sua grade. NR 10 - Reciclagem 24 horas (deve ser conteúdo desenvolvido pela AES Sul) (APENAS PARA ATIVIDADES COM RISCO ELETRICO) O certificado deverá ser emitido por instituições ou entidades que possuir reconhecimento do MEC em sua grade curricular. NR-35 Serviços em Altura (8 horas) (APENAS PARA ATIVIDADES EM ALTURA ACIMA DE 1,80 mts) Instituições homologadas 56

57 Escolas Técnicas Estaduais, Federais e/ou particulares, que possuam reconhecimento no MEC e contenha : Carga horária mínima de 8 horas; Responsável Técnico; Registro do conselho de classe; Conteúdo programático: Análise de riscos e medidas de prevenção e controle; Sistemas, equipamentos e procedimentos de proteção coletiva; EPI s seleção, inspeção, conservação e limitação de uso; POP`s - Procedimento operacional Nacionais e Internacionais; Riscos, Procedimentos e medidas de prevenção e controle de trabalho; Progressão com MGO; Práticas de posicionamento no trabalho; Noções de Acesso por cordas; Sistema de Ancoragem; Considerações sobre cordas e nós; Trabalhos em Andaimes e Escadas; Vara de manobra; Trava quedas retráteis; Permissão de Trabalho em Altura - PTA; Linhas de vida verticais de cordas e cabo de aço; Linhas de vida debreáveis; Noções de Primeiros Socorros. Operação de Guindauto (24 horas) (APENAS PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS) O certificado deverá ser emitido por instituições ou entidades que possuir credenciamento competente. 57

58 UTILIZAÇÃO DE MOTOCICLETAS PARA EXECUÇÃO DE ATIVIDADES. Não é permitida a utilização de motociclistas para execução destas atividades. Isso inclui deslocamento entre um site e outro, se houver. Caso o Proponente decida utilizar este veiculo, deverá entrar em contato imediatamente com o Gerente de Projeto ou Monitor de Contrato, pois internamente existe legislação apropriada para este meio de transporte, não contemplada neste documento. O Proponente deverá avisar antecipadamente o Gerente de Projeto e encaminhar os documentos necessários à área gestora, inclusive os certificados de treinamentos. Após aprovação pelo Gerente de Projeto, e antes do início das atividades este funcionário deverá passar por uma reunião de integração ministrada pelo técnico de segurança e Gerente de Projeto, mantendo evidências, inclusive da eficácia do mesmo. O Proponente deverá comunicar imediatamente o Gerente de Projeto/Monitor de Contrato quando houver desligamento de funcionários. O Proponente se compromete a encaminhar todos os colaboradores envolvidos na atividade a um treinamento/reunião de integração, antes de iniciar suas atividades, ministrada pelo técnico de segurança que fica locado na Regional e pelo e Gerente de Projeto ou monitor de contrato. As integrações de segurança deverão ocorrer na AES Sul e somente serão realizadas após a constatação de inclusão dos colaboradores no cadastro de terceiros e a verificação de documentações as quais estejam aprovadas, sendo: Copia do PPRA; Copia do PCMSO; Copia dos ASOs; ARMS (na ausência de MPT ou IT)* Copia da Ficha de Registro; Cadastro de Terceiros/ADP WEB: Copia da Carteira Profissional e Original ou Copia Autenticada dos Certificados de Treinamentos. 58

59 A documentação deve ser enviada em meio físico, podendo ser enviado eletronicamente no formato de CD ou Pen Drive, não pode ser enviado via , e com prazo mínimo de 48 horas que antecede a integração de segurança. * ARMS Análise de Risco e Medidas de Segurança Formulário para preenchimento antes da execução do trabalho, para identificar possíveis riscos envolvidos na execução da tarefa e da obrigatoriedade de uso de EPI s, visando minimizar os riscos e evitar acidentes. É de responsabilidade do Proponente desenvolver ARMS Análise de Riscos e Medidas de Segurança com todas as atividades a serem executadas e encaminhar para a Contratante, na ausência de MPT (Manual de Procedimento de Trabalho) ou IT (Instrução de Trabalho). A ARMS deverá ser preenchida em formulário especifico que é disponibilizado pela AES Sul. APR Análise Preliminar de Riscos Deverá ser preenchida diariamente, no inicio do dia de trabalho antes da execução das tarefas, acompanhada de preleção (reunião onde se planeja a execução do serviço, bem como, atentar as equipes dos riscos inerentes á execução do trabalho) que deverá ser acompanhada por um responsável da Contratada. AVALIAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO Após a definição da empresa vencedora da concorrência, deve ser realizada reunião de alinhamento com os gestores da contratada, gestores do contrato e gerência de segurança da AES Sul para apresentação do Programa de Segurança. A documentação deverá ser enviada para o gestor do contrato por meios físicos (papel) e em cópia eletrônica em CD ou DVD em igual teor aos documentos impressos. Este enviará para gerência de segurança e meio ambiente para análise com prazo mínimo de 10 (dez) dias úteis da data do recebimento. Caso haja inconsistência dos documentos e/ou incompleta, a gerência de segurança estará reportando ao gestor de contrato que deverá providenciar a adequação e enviar 59

60 novamente para análise que terá como prazo de avaliação 10 (dez) dias úteis a contar da data de recebimento do novo documento. Após avaliação e aprovação de toda a documentação recebida, e empresa vencedora da concorrência deve encaminhar seus funcionários para integração de segurança com agendamento prévio mínimo de 10 (dez) dias úteis. Na integração a empresa vencedora da concorrência deve apresentar-se com a equipe completa além dos EPIs, EPCs, ferramentas e veículos para a realização de check list. MANUAL DE OBRAS DA AES BRASIL A Contratada deve atender na íntegra os requisitos do Manual de Obras Civis e Eletromecânica da AES Brasil. TRANSPORTE E DESLOCAMENTO DE PESSOAL E MATERIAIS O transporte de pessoal deverá ser em veículo apropriado, respeitando a limitação do mesmo. Fica expressamente proibido o transporte de pessoal na carroceria de caminhões, camionetes, máquinas em geral, etc. O condutor deve possui habilitação adequada a operação de cada veículo conforme legislação de trânsito brasileira. Os veículos devem possuir cinto de segurança três pontos para todos os ocupantes do veículo. Os veículos tipo pickup, caminhoneta ou caminhão devem possuir aviso sonoro de ré. Todos os vidros dos veículos devem ser temperados, incluindo as cabinas de transporte de trabalhadores. Para serviços que possuam contrato com duração superior a seis meses, é obrigatória a instalação de controlador de velocidade. Aterramento veicular Os veículos que forem utilizados para posicionamento dos funcionários nas atividades próximas a equipamentos energizados, pórticos e/ou em instalação e manutenção de equipamentos no SEP devem estar equipados com o 60

61 aterramento tipo pino bola, com cordoalha de no mínimo 90mm conforme padrão AES Sul disponível no site Controlador de velocidade - Deverá possuir dispositivo de coleta de dados via GPRS/GPS e de sensores para o controle de velocidade (via hodômetro), rotação do motor (conforme Esp.Téc. do fabricante de cada modelo), desaceleração, aceleração, banguela e acionamento da ignição (chave ligada/desligada). Além disso, o dispositivo deverá fornecer a identificação do condutor, a forma de coleta destas informações deve ser por coletores de dados portáteis atrelados às informações do condutor (CNH, matrícula, setor, dados de contato e endereço) e todos os seus dados de operação devem ser gravados possibilitando a geração de relatórios para acompanhamento do desempenho de cada condutor, e também avisos com relatórios diários quanto ás variáveis que forem excedidas. Os parâmetros das variáveis monitoradas pela CONTRATADA deverão os mesmos da Contratante, assim como os limites definidos para as variáveis não poderão ser superiores aos limites estabelecidos pela Contratante, vide parâmetros abaixo; Veículos leves (Celtas, Corsas, Pálios...) - 100km/h Pickups leves sem suportes de escada (Montanas, Stradas, Courriers...) - 90 km/h Pickups leves com suportes de escada (Montanas, Stradas, Courriers...) - 80 km/h Pickups médias, pesadas e caminhões (S10, Hilux, F350, Cargo 712/1317/1517/1717, MB 1718, VW ) - 80 km/h INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA Todos os funcionários deverão passar por integração de segurança que abordará pelo menos os seguintes assuntos: Política de Sustentabilidade SGSSO Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Programa de Segurança da AES Sul Medidas de controle e uso dos EPIs e EPCs Responsabilidades da liderança APR Análise Preliminar de Riscos Permissão de Trabalho Cartão de Tarefas Inspeção de Segurança 61

62 Auditoria de Segurança Mega Chek List Tolerância Zero Serviço de Emergências Médicas (SEM) Relato de Eventos e Comunicação de Anormalidade Instrução de trabalho específico A integração terá validade somente para os funcionários que receberam o treinamento, devendo ser refeita sempre que estes funcionários ficarem mais de 12 meses sem prestar serviços para a AES Sul. PLANO DE SEGURANÇA DA CONTRATADA A Contratada deve elaborar o seu Plano de Segurança e enviar para a Gerência de Segurança da AES Sul para avaliação contendo todas as ações relativas à segurança para o período. Os Planos de Segurança devem ser revisados anualmente e validados pela Gerência de Segurança da AES Sul. A planilha de Objetivos & Metas com os resultados do mês antecedente devem ser enviados até o terceiro dia útil para o gestor do contrato. O acompanhamento do Plano de Segurança da Contratada será mensalmente na reunião de análise crítica do SGSSO da AES Sul com a participação da contratada. A reunião de avaliação do plano de segurança da contratada deve ser revisado trimestralmente com ata de reunião e aprovação pelo gestor de contrato. NOTA: as empresas de contrato SPOT e/ou até 06 (meses) terão seus resultados acompanhados pela planilha de Objetivos & Metas. As demais empresas com contratos superiores a esta data deverão acompanhar as ações do plano de segurança autorizado pela gerência de segurança da AES Sul. SISTEMA DA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE, SEGURANÇA DO TRABALHO E MEIO AMBIENTE Sem prejuízo da plena responsabilidade da CONTRATADA, o cumprimento do Contrato estará sujeito ao mais amplo e irrestrito controle e fiscalização da qualidade dos Serviços pela AES Sul, a qualquer tempo. 62

63 A periodicidade de controle da qualidade e emissão do correspondente relatório fica a critério exclusivo da AES Sul. A CONTRATADA deverá corrigir deficiências e/ou falhas ocorridas na execução do Contrato. Os materiais e serviços que apresentarem características diversas daquelas especificadas, ou em desacordo com as normas, serão rejeitados ou não aceitos, conforme o caso, bem como, sujeitará a CONTRATADA as penalizações correspondentes previstas neste documento. A AES SUL comunicará a data da vistoria à CONTRATADA com antecedência, com o objetivo de permitir que esta tome conhecimento e possa comparecer para subscrever, paritariamente com os representantes da AES SUL, uma ata com os resultados obtidos após a vistoria. Esta ata será firmada em duas vias, ficando a primeira com a AES SUL e a segunda com a CONTRATADA. Se eventualmente a CONTRATADA não se apresentar ao local no dia e hora determinada, a vistoria será realizada sem a presença da CONTRATADA, a AES SUL constará em ata a ausência da CONTRATADA e a segunda via da ata será enviada no dia seguinte ou em data oportuna. Os resultados das vistorias servirão de parâmetro para que a AES SUL possa aplicar penalizações conforme Penalizações deste edital, e estabelecer critérios para futuras contratações de serviços da mesma natureza com a CONTRATADA. Quando, por qualquer motivo (controle da qualidade, inspeção, etc.) forem observadas deficiências na execução dos serviços, a CONTRATADA deverá reparar as anomalias detectadas no prazo que o Representante da AES Sul lhe indicar, devendo ainda comunicar à AES Sul, por escrito, a reparação dos mesmos, a fim de permitir a constatação pela AES Sul da efetiva correção dos problemas. A não reparação das deficiências, no prazo determinado pela AES SUL, ensejará a penalização correspondente, prevista neste documento. Os materiais que apresentarem características diversas daquelas especificadas, ou em desacordo com as normas, serão rejeitados ou não aceitos, conforme o caso, bem como sujeitará a CONTRATADA as penalizações correspondentes previstas neste documento. 63

64 A AES SUL irá avaliar o SLA em conjunto da CONTRATADA, conforme procedimentos a serem estabelecidos. Caso a CONTRATADA não mantenha o nível dos indicadores pré-estabelecidos pela AES SUL, poderão ser aplicadas as punições conforme critério abaixo: 1º Punição Notificação por escrito; 2º Punição Multa Financeira; 3º Punição Direito de Retirada de Edifícios do escopo da CONTRATADA; 4º Punição Rescisão do contrato. 64

65 ANEXO B - RESPONSÁBILIDADES AMBIENTAIS ATENDIMENTO ÀS NORMAS DE MEIO AMBIENTE Quando a proponente CONTRATADA atuar em nome da Contratante e/ou em nossas instalações, esta deverá trabalhar em consonância as normas e procedimentos internos da Contratante, legislação ambiental vigente e com a Política de Sustentabilidade do Grupo AES Brasil. A CONTRATADA responderá pela divulgação da Política de Sustentabilidade do Grupo AES Brasil aos seus funcionários e subcontratados, devendo encaminhar evidências dessa divulgação ao Gestor de Contrato da Contratante. Responderá ainda pelo acompanhamento do desempenho ambiental de seus subcontratados. As evidências desse trabalho também deverão ser encaminhadas ao Gestor do Contrato da Contratante. Todo papel de impressão deverá ser adquirido de empresas que possuam a certificação FSC (Forest Stewardship Council). Deverá ser dada prioridade a aquisição de papéis produzidos a partir da tecnologia ECF (Elemental Chlorine Free) e de empresas certificadas pela ISO Fica proibido o lançamento ou a liberação de poluentes nas águas, no ar ou no solo, respondendo a Contratada, civil e criminalmente por quaisquer danos, obrigando-se a efetuar o devido reparo, bem como o pagamento integral de multas ambientais nos serviços prestados. A Contratada e sua(s) subcontratada(s) se for o caso, deve observar a necessidade de obtenção de licenças, autorizações e/ou outras documentações ambientais pertinentes ao desenvolvimento do objeto desta contratação. As Diretrizes Ambientais anexas descriminam alguns dos principais documentos legais pertinentes e exigidos para fornecedores de produtos e/ou serviços, e boas práticas ambientais a serem adotadas durante a vigência contratual. Caso não estejam explicitados nas Diretrizes os documentos legais pertinentes ao objeto deste contrato, o proponente é responsável pelo conhecimento e cumprimento da legislação aplicável, devendo encaminhar evidências do atendimento a legislação ambiental à Contratante. 65

66 A aquisição de quaisquer produtos ou equipamentos deve observar as proibições e outras exigências contidas nas Diretrizes Básicas de Segurança e Meio Ambiente para Empresas Contratadas. A proponente deve encaminhar junto à proposta técnica a Declaração de Atendimento às Exigências de Meio Ambiente, assinada, bem como os documentos citados no formulário Documentos Ambientais Exigidos de Fornecedores de Produtos e/ou Serviços, ambos referenciados nas Diretrizes Básicas de Meio Ambiente. Aos subcontratados, cabem as mesmas regras, ficando a proponente obrigada a apresentar as respectivas documentações dos seus parceiros para análise e validação preferencialmente junto ao envio da proposta técnica, ou no máximo, até o período de mobilização, sempre antes do início das atividades. I. Projetos de Refrigeração Caberá ao Proponente a remoção do gás refrigerante do sistema de refrigeração existente e o devido acondicionamento em cilindros. O gás refrigerante do equipamento existente deverá ser enviado para incineração. O local de incineração do gás deverá ser licenciado pelo órgão ambiental competente. A AES Sul deverá aprovar o local selecionado pelo Proponente, mediante a realização inspeção técnica ao local. Caberá a Contratada obter em seu nome o MTR Manifesto de Transporte de Resíduos. As luminárias, motobombas, torres, chillers, livres de óleo e demais resíduos considerados resíduos não perigosos há obrigatoriedade de apresentar o comprovante de recebimento do local de destino final e comprovante de regularidade legal ambiental da empresa receptora destes equipamentos. Durante a execução da atividade, o Proponente deve enviar comprovação da destinação/descontaminação adequada dos resíduos gerados, como Manifesto de Carga, devidamente carimbado e assinado pelo receptor final para onde os resíduos foram destinados. 66

67 II. Descarte adequado dos resíduos O Proponente fica responsável pelos resíduos gerados nos serviços prestados, destinando-os adequadamente, conforme legislação pertinente, procedimento da AES Sul e determinações a seguir: a) Prioritariamente os resíduos inertes, Classificados como A deverão atender a Resolução CONAMA Nº 448 de 18/01/2012: que obriga a destinação deste resíduo para reutilização ou reciclagem na forma de agregados ou encaminhados a aterro de resíduos classe A de preservação de material para usos futuros. Desta forma, a contratada deverá segregar os resíduos de alvenaria, concreto armado, concreto e rochas para envio as empresas recicladoras de Resíduos da Construção Civil RCC, licenciadas pelo órgão ambiental competente. b) Os resíduos de madeira considerados não perigosos, Classe IIA, deverão ser obrigatoriamente enviados para confecção de cavacos com uso no aproveitamento energético. Desta forma, a contratada deverá segregar estes resíduos e enviá-los para as empresas licenciadas. c) As lâmpadas mercuriais inservíveis eventualmente geradas nas dependências da AES Sul compostas com mercúrio, como lâmpadas fluorescentes tubulares, fluorescentes compactas, Luz mista, Vapor de Mercúrio, Vapor de Sódio e Cacos de Lâmpadas mercuriais, deverão ser destinadas para as empresas licenciadas. d) Caberá ao Proponente obter em seu nome o MTR - Manifesto de Transporte de Resíduos para destinação das lâmpadas mercuriais. e) Todas as lâmpadas mercuriais deverão ser acondicionadas unitariamente em embalagem de papelão. As lâmpadas mercuriais quebradas deverão ser acondicionadas em tambores ou bombonas, homologados conforme portaria do INMETRO. f) As lâmpadas quebradas (casquilhos), em todas as fases de movimentação - retirada, armazenamento e transporte - devem ser manuseadas com os equipamentos de proteção (EPI s) adequados (luvas, avental e botas plásticas); g) Quando houver quebra acidental de uma lâmpada em local fechado, a primeira providência deve ser abrir portas e janelas para o ar circular. O local deve ser limpo, de preferência por aspiração. Os cacos devem ser coletados de forma a não ferir quem os manipula e colocados em embalagem estanque, com possibilidade de ser lacrada, a fim de evitar a contínua evaporação do mercúrio liberado; 67

68 h) As pessoas devem ser impedidas de ingerir alimentos e fumar durante as operações que envolvam a manipulação de resíduos de lâmpadas. i) Em nenhuma hipótese as lâmpadas devem ser quebradas para serem armazenadas, pelo risco de contaminação ambiental e à saúde humana; j) As lâmpadas queimadas ou inservíveis devem ser mantidas intactas, acondicionadas preferencialmente em suas embalagens originais, protegidas contra eventuais choques que possam provocar a sua ruptura, e armazenadas em local seco; k) Caso não seja possível reaproveitar as embalagens originais, deve-se providenciar embalagens confeccionadas com papelão reutilizado, recortado e colado no formato compatível com as lâmpadas. Ou então, recomenda-se utilizar jornal velho para envolver as lâmpadas, protegendo-as contra choques; l) As embalagens com as lâmpadas intactas queimadas devem ser acondicionadas em qualquer recipiente portátil no qual o resíduo possa ser transportado, armazenado ou, de outra forma, manuseado, de forma que evite vazamentos no caso de quebra das lâmpadas, ou então em caixas apropriadas para transporte (contêineres) fornecidas pelas empresas de reciclagem; m) As lâmpadas quebradas (casquilhos) devem ser acondicionadas em tambor (recipiente portátil, hermeticamente fechado, feito com chapa metálica ou material plástico - tipo bombona) revestido internamente com saco plástico especial para evitar sua contaminação; n) Cada recipiente deve ser identificado quanto a seu conteúdo, sendo que essa identificação deve ser efetuada de forma a resistir à manipulação dos mesmos, bem como as condições da área de armazenamento em relação a eventuais intempéries; o) O local de armazenamento deve obedecer às condições estabelecidas pelos órgãos ambientais, assim como estar devidamente sinalizado para impedir o acesso de pessoas estranhas; p) Os contêineres e/ou tambores devem ficar em área coberta, seca e bem ventilada, e os recipientes devem ser colocados sobre base de concreto ou outro material que impeçam a percolação de substâncias para o solo e águas subterrâneas. 68

69 Para os demais resíduos Classe IIA e IIB que não possibilitam a reciclagem/reaproveitamento, fica estabelecido como receptores finais somente para aterros sanitários licenciado pelo órgão ambiental competente. q) Caso o Proponente opte por utilizar alguma outra empresa para receber os resíduos, que não esteja homologado pela AES Sul, haverá a possibilidade da AES Sul dirimir uma Inspeção Técnica de Qualificação no prazo de 30 dias, podendo homologar ou não o local indicado pela proponente. r) O Proponente deverá enviar à AES Sul, durante a execução dos serviços, a comprovação da destinação adequada dos resíduos gerados, como Manifesto de Carga em nome da AES Sul, devidamente carimbado e assinado pelo receptor para onde os resíduos foram destinados, sob pena de não recebimento da fatura na medição do serviço executado. s) O Proponente fica obrigado a destinar os resíduos, diretamente ao receptor final, ficando proibida a destinação para locais não licenciados pelo órgão ambiental ou não validados pela AES Sul. t) Todas as lâmpadas mercuriais deverão ser embaladas em caixas de papelão com plástico bolha, a fim de não quebrá-las. Os casquilhos de lâmpadas mercuriais deverão ser depositados em bombonas plásticas ou tambores com tampa. III. Relatório mensal de geração de resíduos Caberá a CONTRATADA gerar mensalmente o Relatório de Geração de Resíduos. O escopo deste relatório deverá conter no mínimo: Estar formatado em uma estrutura metodológica contendo: Introdução, Objetivo, período de abrangência, Descrição, Conclusão, Responsável e Anexos; Descrever a quantidade de cada resíduo nas atividades; Descrever e evidenciar o destino de cada resíduo, citando o processo de destinação final, como: Aterro, Reciclagem, Co-processamento, Reuso, Incineração, entre outros. Apresentar evidência de envio à destinação final de todos os resíduos - descartados; e Apresentar, sempre que possível, registros fotográficos dos descartes de resíduos e área de armazenamento de resíduos. 69

70 IV. Gestão de produtos químicos Antes do início dos serviços deverá ser fornecida, pelo Proponente ou fornecedor de produtos químicos, a Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ) que deverá ser enviada ao Gestor do Contrato para que este envie para a avaliação da Gerência de Segurança do Trabalho, Saúde e Meio Ambiente. Todas as embalagens desses produtos devem conter rótulo de identificação e riscos associados. Para embalagem que armazenem 200 litros de produto ou mais, deve conter na embalagem o Diamante de Hommel e a indicação de EPIs aplicáveis ao manuseio destes produtos. Caso o objeto de contrato englobe o manuseio de produtos químicos em nossas instalações por seus colaboradores, devem fornecer orientações periódicas a estas pessoas, a fim de trabalharem conscientes dos riscos de segurança e ambientais a que se expõe, mantendo a qualidade do serviço. Estes colaboradores poderão ainda ser convocados a participar de preleções internas promovidas pelas empresas do grupo AES Brasil. Evidências deste trabalho poderão ser solicitadas pela contratante a qualquer tempo. Os produtos fornecidos à contratante deverão obedecer aos critérios legais de transportes vinculados as características destes, tanto em relação ao veículo de transporte quanto às exigências associadas às embalagens destes e demais exigências descritas em legislação vigente. Caso a atividade utilize óleos lubrificantes em embalagens plásticas, deverá entrar em contato com o(s) fornecedor(es) atacadista(s) (fabricante ou fornecedor) para que estes realizem a coleta das embalagens plásticas pós-consumo. A coleta é gratuita e o coletor fornece comprovante de coleta em atendimento a Portaria SEMA/FEPAM Nº 001/2003. O telefone para contato com os distribuidores e fabricantes regularizados constam da Licença Ambiental destes, e estão disponíveis para consulta no site da FEPAM com o código da atividade Caso a atividade adquira óleo lubrificante em embalagens plásticas apenas no comércio varejista, deverá fazer a devolução voluntária no ponto de compra. O comércio varejista de óleos lubrificantes (lojas, supermercados, etc.) não realiza a coleta das embalagens, mas é ponto de coleta dos fornecedores imediatos; 70

71 Deverá ser implantado sistema de prevenção a vazamentos de óleo combustível e lubrificante. Todos os produtos devem ser transportados dentro de embalagens originais adequadas (sem fissuras, sem vazamento, bem vedados) e identificadas com rotulo do fornecedor. As áreas de armazenagem de equipamentos com óleo e/ou solução de baterias, produtos químicos e resíduos deverão possuir cobertura. Os responsáveis pela gestão da área de armazenagem de produtos utilizados nos serviços prestados devem garantir que os produtos estejam devidamente rotulados e com identificação legível. A identificação deve ser fixada na embalagem do produto (adesivo) e/ou nos locais de estocagem (placa), ambos com a identificação do Diamante de Hommel. Figura 1 Diamante de Hommel (Classificação do Riscos) 71

CHAMADA PÚBLICA EE 001/2014

CHAMADA PÚBLICA EE 001/2014 A ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante denominada simplesmente

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO 2015 Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. ( AES Eletropaulo ) concessionária de serviços públicos de distribuição

Leia mais

CEB DISTRIBUIÇÃO S.A. SEDE: Setor de Indústria e Abastecimento - SIA, Área de Serviços Públicos, Lote C

CEB DISTRIBUIÇÃO S.A. SEDE: Setor de Indústria e Abastecimento - SIA, Área de Serviços Públicos, Lote C Superintendência de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Edital de Chamada Pública PEE 001 2015 Elaborado Aprovado Data Júnio Agostinho de Matos 5062-8 Silvana Xavier Cirilo de Sá 4481-4

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA REEE 001/2014

CHAMADA PÚBLICA REEE 001/2014 COELBA CHAMADA PÚBLICA Tipologia Industrial 01/10/2014 Página 0 de 63 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVO... 2 3 CONSUMIDORES PARTICIPANTES... 2 4 RECURSOS FINANCEIROS... 3 5 TIPOLOGIAS ELEGÍVEIS DE PROJETOS...

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A.

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. CEMIG nº 001/2015 Página 1 de 95 REGULAMENTO A CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015

CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 A CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante

Leia mais

BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

BANDEIRANTE ENERGIA S.A. A BANDEIRANTE ENERGIA S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante denominada simplesmente de BANDEIRANTE,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015 CHAMADA PÚBLICA PEE 01/2015 1 1 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015 As Empresas Distribuidoras da Eletrobras (EDEs), cumprindo o disposto na Legislação Federal e da regulamentação

Leia mais

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto.

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto. FAQ CHAMADA PÚBLICA 1. Conforme o item 8.1.6 do edital da Chamada Pública REE 002/2015 para as propostas de projetos que contemplarem a inclusão de geração de energia elétrica a partir de Fonte Incentivada

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

proceleficiência 001/2012

proceleficiência 001/2012 CHAMADA PÚBLICA proceleficiência 001/2012 Seleção de Propostas de Projetos de Eficiência Energética em Instalações Industriais A CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO RS/SC

CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO RS/SC CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 3ª REGIÃO CONVITE Nº 05/2013 SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL O Conselho Regional de Biologia 3ª Região, através da Comissão Permanente de Licitações, convida V.S.a. a apresentar

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015

CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 RESULTADO - CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 31 DE AGOSTO DE 2015 O grupo CPFL ENERGIA, comunica que na CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015, após análise da Comissão Julgadora

Leia mais

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS)

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) PRIMEIRA CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS PARA O A Light publicou no dia 31/07/2014 seu Edital para a 1ª Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética que promove o uso

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 7 Cálculo da Viabilidade Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL Data de

Leia mais

PRÊMIO FUNARTE DE APOIO A ORQUESTRAS

PRÊMIO FUNARTE DE APOIO A ORQUESTRAS PRÊMIO FUNARTE DE APOIO A ORQUESTRAS O Presidente da Fundação Nacional de Arte FUNARTE,, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, artigo 14 do Estatuto aprovado pelo Decreto 5037 de 07/04/2004,

Leia mais

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil.

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. Eficiência Energética e a Nova Regulamentação do PEE ANEEL O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO

ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO ANEXO VI TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2015 MINUTA DO CONTRATO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DE SANTA CATARINA, autarquia federal de fiscalização profissional regida pela Lei n 12.378, de 31 de dezembro

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR 1. PREÂMBULO CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR I. O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ - SEBRAE/PR, entidade associativa de direito

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Guia de M&V Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL Data da vigência P-0 Emissão inicial 18/07/2013 GUIA DE M&V ÍNDICE ÍNDICE... 2 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO Esta Chamada Pública de Apoio Institucional visa à seleção de projetos a serem apoiados pelo CAU/BR na modalidade de Apoio à Assistência

Leia mais

INCUBADORAS DE EMPRESAS. EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE

INCUBADORAS DE EMPRESAS. EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE Brasília, 2015 O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE, entidade associativa de Direito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA EDITAIS DE CULTURA 2008

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA EDITAIS DE CULTURA 2008 Seleção Pública de Projetos na área de Audiovisual/ Implantação e Programação de Espaços de Exibição Cinematográfica Utilizando Tecnologia Digital e Analógica Chamada pública nº 0002/2008 O ESTADO DO RIO

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA O presente documento visa explanar os principais pontos da nova regulamentação e dirimir alguns questionamentos comuns aos agentes diretamente

Leia mais

PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio "Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea"

PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea PROGRAMA BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Primeira edição do Prêmio "Publicações em língua estrangeira de Arte Contemporânea" EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PREÂMBULO A Fundação Bienal de São Paulo convoca interessados

Leia mais

MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE, EDUCAÇÃO, LAZER E INCLUSÃO SOCIAL SEPN 511, Bloco A, 2 Andar, Edifício Bittar II - Brasília/DF CEP: 70.758-900 Fone: (61) 3217.9516 Endereço eletrônico:

Leia mais

Edital 02/2015 Saldo Remanescente

Edital 02/2015 Saldo Remanescente Edital 02/2015 Saldo Remanescente EDITAL Nº 02/2015 CMDCA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA, no

Leia mais

BOLSA FUNARTE DE CRIAÇÃO LITERÁRIA

BOLSA FUNARTE DE CRIAÇÃO LITERÁRIA BOLSA FUNARTE DE CRIAÇÃO LITERÁRIA O Presidente da Fundação Nacional de Artes Funarte, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V do artigo 14 do Estatuto aprovado pelo Decreto nº. 5.037 de 7/4/2004,

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 001/2014 PROCESSO Nº 001/2014

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 001/2014 PROCESSO Nº 001/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 001/2014 PROCESSO Nº 001/2014 Encerramento: às 17:00 horas do dia 30 de setembro de 2014 Abertura dos Envelopes: às 8:00 horas do dia 01 de outubro de 2014 A SANTA CASA DE

Leia mais

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO: A CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:, com sede na cidade de, Endereço, inscrita no CNPJ/MF sob o n., doravante denominada DISTRIBUIDORA, neste ato

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS URBAMAIS PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 10.571.175/0001-02, com sede na Av. Raja Gabaglia, nº 2720,

Leia mais

2. DO OBJETIVO Constitui objeto deste EDITAL, seleção de projetos para a realização dos Eventos Juninos nas áreas rurais e distritos de Canindé.

2. DO OBJETIVO Constitui objeto deste EDITAL, seleção de projetos para a realização dos Eventos Juninos nas áreas rurais e distritos de Canindé. PREFEITURA MUNICIPAL DE CANINDÉ FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA E ESPORTE DE CANINDÉ EDITAL Nº: 002/2013 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS CONCORRENTES PARA A REALIZAÇÃO (APOIO A FESTEJOS JUNINOS)

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS PROJETO BÁSICO PS/TGE/009/2005. CONTRAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO. 1 - Objeto Contratação de empresa especializada em realização de concurso público destinado ao preenchimento

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG SUPERINTENDENCIA DE AGUA E ESGOTO DE ARAGUARI DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS COMISSÃO ESPECIAL DE CADASTRO/SETOR DE CADASTRO INSTRUÇÕES GERAIS 1. OBJETIVO Estabelecer normas e procedimentos para

Leia mais

Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003

Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003 Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003 O Ministério da Ciência e Tecnologia, por intermédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, torna público o presente edital e convoca os

Leia mais

PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATU SENSO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA COMPOR O PROGRAMA DE EFICIÊNCIA

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I Anexo I REGULAMENTO DA CONCESSÃO DO AUXÍLIO FINANCEIRO A PROJETO EDUCACIONAL E DE PESQUISA - AUXPE 1. Da Concessão e Aceitação 1.1 A solicitação e concessão de recursos financeiros dar-se-á mediante celebração

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2014

EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2014 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2014 O Presidente do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e de conformidade com a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e suas

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS nº 16/2011 PROGRAMA DE BOLSAS DE PÓS-DOUTORADO

CHAMADA DE PROJETOS nº 16/2011 PROGRAMA DE BOLSAS DE PÓS-DOUTORADO CHAMADA DE PROJETOS nº 16/2011 PROGRAMA DE BOLSAS DE PÓS-DOUTORADO A Fundação Araucária, torna pública a presente Chamada de Projetos e convida os pesquisadores das Instituições de Ensino Superior e de

Leia mais

EDITAL DE PRODUÇÃO DE VÍDEO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA

EDITAL DE PRODUÇÃO DE VÍDEO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA Instituto Cultural São Francisco de Assis Centro de Promoção da Criança e do Adolescente São Francisco de Assis Estrada João de Oliveira Remião, 4444 Lomba do Pinheiro - Porto Alegre RS www.franciscanos-rs.org.br

Leia mais

EDITAL SELEÇÃO PEÇAS TEATRAIS PARA 2º FESTIN FESTIVAL DE TEATRO INFANTIL SÃO JOÃO DEL-REI

EDITAL SELEÇÃO PEÇAS TEATRAIS PARA 2º FESTIN FESTIVAL DE TEATRO INFANTIL SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL SELEÇÃO PEÇAS TEATRAIS PARA 2º FESTIN FESTIVAL DE TEATRO INFANTIL SÃO JOÃO DEL-REI CAPÍTULO I DO OBJETIVO 1.1 A Inovità Imagem e Produção, de acordo com o projeto PRONAC 147118, torna público o

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO - CGTEE Nº 002/2014 OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO CGTEE Nº 002/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGURO SUPER PREMIADO

REGULAMENTO DO SEGURO SUPER PREMIADO REGULAMENTO DO SEGURO SUPER PREMIADO 1. INFORMAÇÕES AO SEGURADO 1.1 A Bancorbrás - Hotéis, Lazer e Turismo Ltda., sediada no SCS Quadra 4, Bloco A, nº 230, Ed. Israel Pinheiro, 6º andar, em Brasília (DF),

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO 1 1. O que é o Programa Amazônia Cultural? Trata-se de programa gerenciado pela Representação

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

Termo de Concessão e Aceitação de Apoio Financeiro a Projeto

Termo de Concessão e Aceitação de Apoio Financeiro a Projeto Anexo 2 da RN-024/2006 Apoio Financeiro a Projeto Termo de Concessão e Aceitação de Apoio Financeiro a Projeto CONDIÇÕES GERAIS 1. DA CONCESSÃO 1.1 - A concessão de apoio financeiro dar-se-á mediante celebração

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

Programa de Bolsas de Mestrado e Doutorado

Programa de Bolsas de Mestrado e Doutorado Chamada Pública 11/2014 Programa de Bolsas de Mestrado e Doutorado Acordo CAPES/FA A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná (FA) em parceria com a Coordenação

Leia mais

EDITAL PARA APOIO A PROJETOS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E PUBLICAÇÃO DE LIVROS E COLEÇÕES janeiro/2011

EDITAL PARA APOIO A PROJETOS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E PUBLICAÇÃO DE LIVROS E COLEÇÕES janeiro/2011 CGI.br EDITAL PARA APOIO A PROJETOS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E PUBLICAÇÃO DE LIVROS E COLEÇÕES janeiro/2011 O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) comunica e convoca Entidades brasileiras com interesse

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 004/2012

PROCESSO SELETIVO Nº 004/2012 PROCESSO SELETIVO Nº 004/2012 O Instituto de Gestão e Humanização IGH, torna público para conhecimento dos interessados, que fará realizar Processo Seletivo objetivando a contratação de serviços de Coleta,

Leia mais

FUNDAÇÃO THEODOMIRO SANTIAGO TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 201150067 TIPO: MENOR PREÇO

FUNDAÇÃO THEODOMIRO SANTIAGO TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 201150067 TIPO: MENOR PREÇO TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 201150067 TIPO: MENOR PREÇO A FUNDAÇÃO THEODOMIRO SANTIAGO, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica do Ministério

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

CARTA CONVITE 15/2015 FUnC Serviços de Avaliação Institucional

CARTA CONVITE 15/2015 FUnC Serviços de Avaliação Institucional 1 CARTA CONVITE 15/2015 FUnC Serviços de Avaliação Institucional 1 - PREÂMBULO 1.1 - A Fundação Universidade do Contestado, através do seu Departamento de Compras, situado à Rua Victor Sopelsa, 3000, Bairro

Leia mais

CARTA CONVITE 12/2015 FUnC REPUBLICAÇÃO

CARTA CONVITE 12/2015 FUnC REPUBLICAÇÃO 1 CARTA CONVITE 12/2015 FUnC REPUBLICAÇÃO 1 - PREÂMBULO 1.1 - A Fundação Universidade do Contestado, através do seu Departamento de Compras, situado à Rua Victor Sopelsa, 3000, Bairro Salete, Concórdia,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM TRANSPORTE DE VALORES.

TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM TRANSPORTE DE VALORES. TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM TRANSPORTE DE VALORES. JUSTIFICATIVA O Museu do Amanhã será uma das âncoras do plano de revitalização da região portuária da cidade

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DA LINHA LAZER

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DA LINHA LAZER CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DA LINHA LAZER Pelo presente instrumento particular, a TELEFÔNICA BRASIL S.A., com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Projeto Coletivo de Criação Edital nº 002 04-2010 EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE GRAVAÇÃO DE MÚSICAS INÉDITAS

PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Projeto Coletivo de Criação Edital nº 002 04-2010 EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE GRAVAÇÃO DE MÚSICAS INÉDITAS PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Projeto Coletivo de Criação Edital nº 002 04-2010 EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE GRAVAÇÃO DE MÚSICAS INÉDITAS O COLETIVO DE CRIAÇÃO torna público A SELEÇÃO que fará realizar visando

Leia mais

EDITAL 2010 2ª ETAPA LITERATURA

EDITAL 2010 2ª ETAPA LITERATURA EDITAL 2010 2ª ETAPA LITERATURA A SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA E O CONSELHO ESTADUAL DE CULTURA, no uso de suas atribuições e nos termos da Lei nº 9.078, de 30 de dezembro de 2008, torna público a convocação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA O PROGRAMA SERVIDOR MULTIPLICADOR EDITAL EGP Nº 002/2015

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA O PROGRAMA SERVIDOR MULTIPLICADOR EDITAL EGP Nº 002/2015 EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA O PROGRAMA SERVIDOR MULTIPLICADOR EDITAL EGP Nº 002/2015 A Secretaria Municipal de Administração e Recursos Humanos, por meio da Escola de Gestão Pública de Palmas, torna

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA NA ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA

Leia mais

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014.

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014. 1. Objeto EDITAL DE PROJETOS FUNDAÇÃO APERAM ACESITA 2014 REGULAMENTO GERAL Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da 2014. São objetivos do presente

Leia mais

PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014. Do Objeto

PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014. Do Objeto PROCESSO Nº 574/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº7/2014 O Município de Mariano Moro, RS, torna público, em conformidade com a Lei Federal n.º 8.666/93 e suas alterações, que no dia 30 de setembro as 14

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 003/2011

CARTA CONVITE Nº 003/2011 CARTA CONVITE Nº 003/2011 O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 10ª Região CREFITO-10, com jurisdição no Estado de Santa Catarina, através de sua Comissão Permanente de Licitações,

Leia mais

EDITAL Nº 014/2013 SELEÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULOS.

EDITAL Nº 014/2013 SELEÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULOS. EDITAL Nº 014/2013 SELEÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULOS. O Instituto Agropolos do Ceará, CNPJ 04.867.567/0001-10, torna público e convoca pessoas jurídicas que tenham interesse em prestar

Leia mais

ERRATA II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

ERRATA II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ERRATA II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Este documento contém a descrição dos procedimentos e critérios a serem adotados para avaliação, julgamento e classificação das propostas das licitantes

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

Programa de Apoio à Produção de Material Didático para a Educação Básica Projeto Água EDITAL ANA-CAPES/DEB Nº 18/2015

Programa de Apoio à Produção de Material Didático para a Educação Básica Projeto Água EDITAL ANA-CAPES/DEB Nº 18/2015 Programa de Apoio à Produção de Material Didático para a Educação Básica Projeto Água EDITAL ANA-CAPES/DEB Nº 18/2015 A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, instituída como

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO. 1.1 - Constitui objeto do presente Contrato: A - Aquisição DE SOFTWARE Aquisição de 01 software Crystal Reports 8.

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO. 1.1 - Constitui objeto do presente Contrato: A - Aquisição DE SOFTWARE Aquisição de 01 software Crystal Reports 8. 1 TERMO DE CONTRATO -Nº 10/2002 CONTRATANTE - MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CONTRATADA -ETZ INFORMÁTICA LTDA. OBJETO DO CONTRATO -AQUISIÇÃO, INSTALAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE CRYSTAL 8.5, INCLUINDO SUPORTE

Leia mais

1.1 O recebimento dos envelopes dar-se-á até às 14:00h do dia 09 de março de 2010, pela Comissão Permanente de Licitação, no endereço acima citado.

1.1 O recebimento dos envelopes dar-se-á até às 14:00h do dia 09 de março de 2010, pela Comissão Permanente de Licitação, no endereço acima citado. EDITAL DE CARTA CONVITE N 02/2010 CRM-PR OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA PARA O DESENVOLVIMENTO E SUPERVISÃO DE PROJETO DE TELEMEDICINA, VIDEOCONFERÊNCIA E EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA

Leia mais

Comunicado Cetip n 052/2014 19 de maio de 2014

Comunicado Cetip n 052/2014 19 de maio de 2014 Comunicado Cetip n 052/2014 19 de maio de 2014 Assunto: Leilão de Venda de Direitos Sobre Créditos Acumulados de ICMS Módulo de Negociação por Leilão Cetip NET Plataforma Eletrônica. O diretor-presidente

Leia mais

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Carlos Eduardo Firmeza Especialista em Regulação Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia

Leia mais

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS APROVADA NA REUNIÃO REALIZADA EM 18/02/2011, DO CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS. SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Âmbito

Leia mais

Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU

Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU Alteração da Deliberação Consuni N o 080/2010 Artigo 4 o Os projetos de Iniciação Científica poderão ser aprovados por um período de até 24 (vinte e quatro)

Leia mais

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

PROJETO BÁSICO TGD/005/2006

PROJETO BÁSICO TGD/005/2006 PROJETO BÁSICO TGD/005/2006 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PEE CICLO 2005/2006. PROJETO: IMPLANTAÇÃO DE POSTE PADRÃO OBJETO: IMPLANTAÇÃO, COM FORNECIMENTO DE POSTES PADRÃO COM ACESSÓRIOS, EM 2.870 UNIDADES

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DA LINHA PRÉ-PAGA

CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DA LINHA PRÉ-PAGA CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DA LINHA PRÉ-PAGA Pelo presente Contrato particular, a TELEFÔNICA BRASIL S.A., com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851, São Paulo, Estado de São

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS

MINISTÉRIO DA CULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS MINISTÉRIO DA CULTURA INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS EDITAL SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 O Instituto Brasileiro de Museus - IBRAM autarquia federal vinculada ao Ministério da Cultura, criada pela Lei n.º

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA PROJETOS REFERENTES AO PROGRAMA LIVRO ABERTO NA AÇÃO FOMENTO A PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

CONVITE Nº 060E/2015

CONVITE Nº 060E/2015 Processo nº 0405.1511/15-3 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 060E/2015 DATA DA ABERTURA: 16/10/2015 HORA DA ABERTURA: 10:00 Horas NOME DA EMPRESA: ORIGINAL

Leia mais

I - LOCAL DE ENTREGA DOS ENVELOPES:

I - LOCAL DE ENTREGA DOS ENVELOPES: EDITAL de LICITAÇÃO MODALIDADE: CARTA CONVITE N.º 17/2013 Data da abertura dos envelopes: Dia: 25/10/2013 Horário: 13:00 horas Data limite para entrega dos envelopes: Dia: 25/10/2013 Horário: 13:00 horas

Leia mais

Câmara Municipal De Natividade Da Serra

Câmara Municipal De Natividade Da Serra DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A INCRIÇÃO NO REGISTRO CADASTRAL (Em conformidade com os artigos 28 a 31 da Lei Federal Nº 8.666/93 e demais alterações posteriores): PESSOA JURÍDICA 1 - Documentação Relativa

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ.

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. PREÃMBULO 1994 EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. A Prefeitura Municipal de Marabá, por intermédio

Leia mais

Considerando que: a) A UNAFISCO NACIONAL firmou com a TIM Celular contrato de Prestação do Serviço Móvel Pessoal (SMP);

Considerando que: a) A UNAFISCO NACIONAL firmou com a TIM Celular contrato de Prestação do Serviço Móvel Pessoal (SMP); Nº Do contrato: Fone: ( ) IMEI: * *A ser preenchido pela associação. INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE COMODATO DE APARELHO CELULAR E DE CONCESSÃO DE USO DE LINHA DE TELEFONIA MÓVEL E CONTRATAÇÃO DE

Leia mais

Faculdade Politécnica de Uberlândia EDITAL DO PROCESSO SELETIVO/VESTIBULAR PARA O 2º SEMESTRE DE 2011

Faculdade Politécnica de Uberlândia EDITAL DO PROCESSO SELETIVO/VESTIBULAR PARA O 2º SEMESTRE DE 2011 Faculdade Politécnica de Uberlândia EDITAL DO PROCESSO SELETIVO/VESTIBULAR PARA O 2º SEMESTRE DE 2011 O Diretor Acadêmico da Faculdade Politécnica de Uberlândia, no uso de suas atribuições Regimentais

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 Disciplina o relacionamento entre a Universidade Federal de Goiás e as Fundações de Apoio à UFG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

EDITAL Ocupação da Sala Carlos Miranda (SP) - Teatro Infantil

EDITAL Ocupação da Sala Carlos Miranda (SP) - Teatro Infantil Publicado no Diário Oficial da União em 31 de março de 2010 EDITAL Ocupação da Sala Carlos Miranda (SP) - Teatro Infantil O Presidente da Fundação Nacional de Artes Funarte, no uso das atribuições que

Leia mais

SANTO ANTÔNIO ENERGIA S.A. CHAMADA PÚBLICA SAE nº 001/2015 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

SANTO ANTÔNIO ENERGIA S.A. CHAMADA PÚBLICA SAE nº 001/2015 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA SANTO ANTÔNIO ENERGIA S.A. CHAMADA PÚBLICA SAE nº 001/2015 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA A SANTO ANTÔNIO ENERGIA S.A. ( SAE ), com endereço na Av. das Nações Unidas, n o 4.777, 6º andar, sala 1 CEP

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE,

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, QUE ENTRE SI CELEBRAM, LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, DE UM LADO, E XXXXXXXXX, DE OUTRO LADO. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE

Leia mais

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia Apostila Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia 2.1 Iluminação em baixa renda Revisão Motivo da Revisão Data 0 Emissão inicial 06/04/2014 1 Comentários treinamento ANEEL 24/04/2014 ÍNDICE EXERCÍCIO N

Leia mais

Programa Bolsa Sênior

Programa Bolsa Sênior Chamada Pública 18/2012 Programa Bolsa Sênior A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná divulga a presente Chamada Pública e convida as instituições de ensino

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Extensão. EDITAL PROEX 28/2015, de 23 de outubro de 2015

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Extensão. EDITAL PROEX 28/2015, de 23 de outubro de 2015 Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Extensão EDITAL PROEX 28/2015, de 23 de outubro de 2015 PROFIEX MAIS CULTURA NAS UNIVERSIDADES MEC/MinC A Universidade

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO CHAMADA PARA PROJETOS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS Edital de chamamento n.º 01/2015 1 - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. A Fundação

Leia mais

Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015

Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015 Processo nº 0448.1511/15-9 DEVOLVER ESTE PROTOCOLO ASSINADO PROTOCOLO DE ENTREGA PROCESSO DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 066A/2015 DATA DA ABERTURA: 13/11/2015 HORA DA ABERTURA: 09:00 Horas NOME DA EMPRESA: ORIGINAL

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO DECOLANDO COM GUARULHOS DO GRU AIRPORT - AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO.

REGULAMENTO DO PRÊMIO DECOLANDO COM GUARULHOS DO GRU AIRPORT - AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO. REGULAMENTO DO PRÊMIO DECOLANDO COM GUARULHOS DO GRU AIRPORT - AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO. Artigo 1º - O PROJETO DECOLANDO COM GUARULHOS O Projeto Decolando com Guarulhos é uma parceria entre

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA EDUCAÇÃO EEEP RITA MATOS LUNA JUCÁS CEARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA EDUCAÇÃO EEEP RITA MATOS LUNA JUCÁS CEARÁ Convite N. 004/2015 Natureza da Despesa/ OBJETIVO: Fonte do Recurso Contratação de Serviço de INSTALAÇÃO DE SERVIÇO DE LINK DE INTERNET - 5MB Dotação Orçamentária Data da Emissão 22/06/2015 Data da Licitação

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais