Projeto Qualidade de Vida CONCEITO, CLASSIFICAÇÃO E FISIOLOGIA DO ESTRESSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Qualidade de Vida CONCEITO, CLASSIFICAÇÃO E FISIOLOGIA DO ESTRESSE"

Transcrição

1 CONCEITO, CLASSIFICAÇÃO E FISIOLOGIA DO ESTRESSE As pesquisas sobre estresse enfatizam suas implicações para a saúde física e mental do indivíduo, alterando sua produtividade e qualidade de vida. A palavra Estresse deriva do latim, foi empregada popularmente no século XVII com significado de fadiga. No século XVIII e XIX, na língua inglesa o termo era utilizado para designar força, esforço e tensão. (PEREIRA, 2002.; BOTSARIS, 2003). A física define tensão como a relação da força sobre a superfície na qual é aplicada, ou seja, a intensidade com que a força afeta a matéria. No seres humanos tensão significa como e com que intensidade as influências do mundo externo afetam o corpo e a mente. O estresse pode ser definido como uma reação complexa e global do organismo, envolvendo componentes físicos, psicológicos, mentais e hormonais frente a situações que representem um desafio maior e que ultrapassem sua capacidade de enfrentamento; visando adaptar o indivíduo à nova situação. Segundo Pereira (2002), a palavra estresse teve tamanha difusão, que se popularizou como sinônimo de qualquer alteração, em geral negativa, sentida pelo indivíduo. Sendo comum o jargão não me estresse quando a pessoa está pressionada, entristecida, ou na expectativa de algo bom ou ruim. Qualquer sentimento de ansiedade e tensão rotineiramente é denominado estresse, ocorrendo uma confusão, pois o estresse é encarado tanto como elemento desencadeante como resultado do processo. A primeira definição de Estresse foi elaborada por Hans Selye (1965), médico e pesquisador austríaco, que observou em ratos submetidos a fatores de agressão, reações específicas e inespecíficas do organismo buscando adaptação. A esse conjunto de reações denominou Síndrome Geral de Adaptação. Em 1952 Hans Selye publicou um resumo de seus estudos e conferências, contendo a evolução do conceito de estresse e da dinâmica da Síndrome de adaptação, bem como seu potencial na gênese de doenças; e termina o texto reconhecendo a necessidade de outros olhares sobre seu tema de estudo, e autoriza a ampliação do conceito de estresse, por pesquisadores não só da área biológica, mas também da psicologia, da sociologia, de estudiosos da saúde ambiental e qualidade de vida.(arantes E VIEIRA, 2002) Através do seu trabalho Selye propõem um novo modo de encarar o organismo, onde as respostas orgânicas não são isoladas, mas relacionadas entre si e entre os diversos sistemas. Divide-se o estresse em três fases: alerta, resistência e exaustão. A primeira fase de alerta é positiva, se caracteriza pela produção de adrenalina tornando o indivíduo mais atento, criativo, produtivo, motivado, enfim, preparado para ação. Essa fase também se denomina estresse inicial ou positivo. 1

2 Na segunda fase a da resistência a pessoa lida com seus estressores buscando manter a homeostase. Esta fase segue-se a uma fase de alerta prolongada ou se novos estressores se agregam, caindo a produtividade e aumentando a vulnerabilidade à doenças. Nesta fase observa-se aumento de cortisol. Caso o indivíduo elimine o fator estressor, se restabelece o equilíbrio e o processo de estresse se encerra. (BOTISSARIS, 2003.; PEREIRA, 2002). Na persistência de fatores estressantes ocorre quebra da resistência e início da terceira fase - exaustão - onde se inicia processo de adoecimento, depressão e perda de concentração. (LIPP e TANGANELLI, 2002). Lipp (2000), identificou uma nova fase do estresse entre a resistência e a exaustão denominando-a de quase-exaustão. Quando a tensão ultrapassa o limite gerenciável, diminuem a resistência física e emocional, exigindo grande esforço no desempenho das atividades diárias, intercalando momentos de produtividade normal e desconforto; o que gera ansiedade. O aumento do cortisol nesta fase diminui as defesas imunológicas e podendo gerar adoecimento. Tais fases podem ser diagnosticadas quantitativamente através do inventário de Sintomas de Estresse para Adultos de Lipp. (2000). O estresse excessivo altera o processo de envelhecimento, acelerando-o. (BOTSARIS, 2003.; LIPP, 2000). Segundo Botisaris (2003), o primeiro impacto do estresse está na área psíquica e sono. O estresse também pode ser positivo, quando a intensidade do estressor é breve, gerando resposta leve e controlável, sendo estimulante e possibilitando desenvolvimento emocional e intelectual. Esse tipo de estresse foi denominado "eustresse" por SELYE (1965). Lipp (2000) classificou-o como estresse positivo ou estresse ideal, onde se aprende a gerenciar a fase de alerta e recuperação, beneficiando o indivíduo com o aumento da produtividade e criatividade característicos da fase de alerta. Pereira (2002), classifica os estressores em: Estressores físicos provenientes do ambiente externo, como ruídos, frio, calor, acidente, fome e dor. Interferem predominantemente no corpo do indivíduo. Estressores cognitivos avaliados como ameaçadores à integridade do indivíduo ou do seu patrimônio,0 como provas, concursos, assaltos e discussões. Estressores emocionais sentimentos de perda, medo, ira ou acontecimentos como casamento, divórcio, mudanças onde o componente afetivo predomina. O homem não se reduz à sua biologia, que é o organismo em contato com o mundo físico que o rodeia, mas é um ser biopsicossocial. A socialização existe desde os primórdios da humanidade, tendo-se sofisticado progressivamente, 2

3 trazendo novos desafios, disputas e regras e necessidade de adaptação. Cresce com isso a tensão emocional que resulta em estresse em diferentes intensidades. Lipp (2002), afirma que o estresse pode ser originado de fontes externas ou internas. As internas estão relacionadas com a maneira de ser, do tipo de personalidade e do modo de reagir à vida. Não sendo acontecimento em si estressante, mas a maneira como é interpretada pela pessoa. Já os estressores externos estão relacionados com as exigências do cotidiano: trabalho, família, morte, doença, convívio social, perdas e violência. Lipp (2000), estudando um grupo de 1843 pessoas, com idade entre 15 e 75 anos, classificou os sintomas de stress em físicos e psicológicos que se intensificam conforme a fase do estresse. Sintomas físicos: - extremidades frias - boca seca - sudorese - tensão muscular - trismo e/ou bruxismo - insônia - taquicardia - hiperventilação - hipertensão arterial - mudança de apetite - problemas de memória - mal-estar generalizado - sensação de desgaste físico constante - problemas dermatológicos - cansaço constante - tontura - diarréia freqüente - disfunção sexual - náusea - tiques - úlcera - enfarte Sintomas psicológicos: - aumento súbito da motivação - entusiasmo súbito - vontade de iniciar novos projetos - sensibilidade emotiva excessiva - dúvida quanto a si próprio 3

4 - pensar constantemente num mesmo assunto - irritabilidade excessiva - diminuição da libido - impossibilidade de trabalhar - pesadelos - sensação de incompetência em todas as áreas - desejo de fuga - apatia - depressão - raiva - angústia - perda de senso de humor Além dos sinais psicológicos citados por Lipp, Fontana (1991),descreve outros sintomas que influenciam o processo ensino- aprendizagem. Segundo ele o estresse excessivo promove em decréscimo da concentração e atenção. As memórias de curto e longo prazo deterioram-se, reduzindo sua amplitude e reconhecimento. A velocidade de resposta torna-se imprevisível, aumentando os índices de erros, perde-se o poder de concentração, de organização e planejamento. Aumentam as tensões e os distúrbios do pensamento. A autoestima diminui, reforçando a sensação de depressão e desamparo. Diminui ainda a articulação verbal, o interesse e entusiasmo pelo trabalho. Os níveis de energia se reduzem e altera-se o padrão de sono. Neste estágio o uso de drogas pode se instalar. O indivíduo fica crítico em relação ao meio e adquire tendência a ignorar novas informações. Alex Botsaris (2003), compara o estresse contemporâneo à figura de Atlas o gigante da mitológica grega, denominando o conjunto de sintomas do estresse de complexo de Atlas. Após derrotado por Zeus o Titã Atlas foi condenado a sustentar a Terra, mantendo-se fiel a essa missão, sendo sempre retratado com expressão de agonia com o corpo curvado sob o peso da Terra. A primeira vértebra cervical denomina-se Atlas, pela correlação da cabeça com o planeta Terra e dessa vértebra com o gigante mitológico por sustentar o peso da cabeça. Outra identificação se faz a nível psicológico, imaginando que a vértebra Atlas suporta um cérebro cada vez mais sobrecarregado de informações, demandas e tensão, que constituem o mundo do indivíduo; que mesmo no limite de suas forças não pode deixar o pesado fardo, sob pena de tudo desabar. O complexo de Atlas dá ao indivíduo a falsa convicção de que sem a sustentação necessária o mundo ruirá sobre sua cabeça, é preciso sustentá-lo a qualquer custo, exigindo um esforço tal, que leva o estresse continuado, que age principalmente danificando estruturas sistema músculo esquelético do pescoço e coluna, causando danos locais e à distância como alterações da articulação temporo-mandibular, bruxismo, artrose, hérnia de disco, cefaléia, dor lombar e 4

5 tendinites. Este autor, considera o estresse contemporâneo uma epidemia e um problema de saúde pública a nível mundial. Segundo PEREIRA (2002), o estresse teria a função de ajustar a homeostase, melhorar a capacidade do indivíduo, garantindo-lhe sobrevivência e qualidade de vida. Walter Conon, em 1932, já descrevia que diante de oscilações do meio que possam agredir o organismo, o corpo tende a se estabilizar e adaptar, buscando a homeostase. Sendo o ser humano um sistema aberto, que atua sobre o meio e sofre influência dele, sua homeostase consiste num equilíbrio móvel e não estático, diferente do equilíbrio fixo que é a inércia. Todos os seres vivos, compreendem um sistema aberto, e sendo assim têm uma tendência a um estado de desordem denominada entropia. A entropia é uma tendência natural e saudável, vinculada à mudanças, a experimentação do novo, a adaptar-se e a buscar equilíbrio. Quando a entropia aumenta até alcançar níveis insuportáveis o indivíduo adoece e morre. Na tentativa de controlar os níveis de entropia, os sistemas abertos se utilizam da negentropia, que é tendência a um estado de ordem. Essas duas tendências à ordem e desordem, respectivamente negentropia e entropia, se alternam buscando a homeostase do indivíduo. Que pode apresentar num dado momento um alto nível de entropia, potencialmente perigoso a sua saúde física e mental, devendo então, buscar mecanismos de negentropia a fim de diminuir a entropia e restaurar a homeostase, num equilíbrio móvel, semelhante a uma gangorra. Onde a entropia e negentropia se alternam em níveis altos e baixos, buscando o equilíbrio. Os estímulos e exigências cotidianas podem desequilibrar o indivíduo, gerando e ou aumentando a entropia. O desafio é criar condições físicas, emocionais e mentais para que o organismo retorne sua homeostase (CARMELLO, 2004). 5

6 Representação Gráfica da Homeostase Como um Processo Dinâmico Tal equilíbrio móvel interfere nas mensurações dos níveis de estresse e qualidade de vida do indivíduo, que não são estáticas ou lineares, mas podem apresentar oscilações para níveis mais altos ou mais baixos, num determinado espaço de tempo, sendo esta uma característica de normalidade, pois não se pode esperar níveis de qualidades de vida sempre altos e estresse invariavelmente baixos. O organismo como um todo participa do processo de estresse, diante da percepção consciente ou inconsciente do agente estressor. O cérebro através do hipotálamo, estimula a hipófise e o Sistema Nervoso Simpático, que na medular da adrenal estimula a liberação de adrenalina e 6

7 noradrenalina; que aumentam o débito cardíaco, a oferta sanguínea no rim, cérebro e músculos, resultando em incremento da força física e rapidez de reflexo além de diminuição nas funções digestivas. O hipotálamo estimula a hipófise a liberar ACTH (corticotropina), que age no córtex da adrenal, promovendo liberação de glicocorticóides que ativam o metabolismo celular, aumentam a glicemia, a colesterolemia e a retenção de água e eletrólitos. O CRF (Fator Liberador de Corticotropina), além de liberar ACTH, age no tubo digestivo, compensando a falta de ingesta, inibe a fome, estimula a defecção, mobilização de líquido e glicose para as células musculares. Seu estímulo continuado pode causar úlceras, aumento ou diminuição dos movimentos intestinais e alterações do apetite. Nesse processo o GH (Hormônio de crescimento) e o ADH (Hormônio antidiurético) são coadjuvantes, potencializando a ação dos glicocorticóides e adrenalina. O GH ativa o metabolismo aumentando a glicemia e potência muscular, enquanto o ADH estimula a retenção de água pelos rins. Quando se aciona o sistema parassimpático do organismo ocorre reação de inibição, com paralisação e embotamento diante do agente agressor. A betaendorfina participa da reação de estresse estimulando receptores opióides, encontrados no cérebro e medula, causando bloqueio da dor, gerando sensação de calma e bem estar; além de potencializar a ação antiinflamatória do corticosteróide. Atua também promovendo a recuperação após o processo de estresse, quando seu pico é máximo e a adrenalina e os corticosteróides estão em declínio, promovendo sensação de alívio e relaxamento, como a que os corredores experimentam após longa corrida, vivenciando o estresse físico dito bom estresse, que aumenta a resistência muscular, capacidade cardiorrespiratória, o sistema imunológico e funções cognitivas. Na reação fisiológica do estresse o relaxamento produzido pela betaendorfina é auxiliado pela melotonina liberada pela pineal. Esta tem ação na indução do sono, neutralizando substâncias estimulantes permitindo o repouso. Além de reduzir a pressão arterial, a freqüência cardíaca e a secreção de HCl no estômago, neutraliza radicais livres e os reflexos do Sistema Nervoso Autônomo. Durante a resposta fisiológica do estresse atuam pepitídeos de modulação do comportamento sexual e parto, são eles: ocitocina e prolactina. A função desses peptídeos é modular a reação do estresse em situações como a atração sexual, o coito e o trabalho de parto, onde indutores do estresse são liberados, devido a uma maior demanda de energia e vigor físico. No entanto a resposta fisiológica do estresse pode causar ansiedade, apreensão, sensação de perigo, desconforto, raiva irritação e agressividade, afetando o desfecho da fecundação. Juntos ocitocina e prolactina conseguem abolir a liberação de FSH (Hormônio Folículo Estimulante) inibindo a liberação de ovócitos pelo ovário, e conseqüentemente impedindo a gravidez, que seria sobrecarga difícil de suportar num momento de estresse intenso, e até provocando amenorréia. 7

8 Outro neuropeptídeo que atua no processo fisiológico do estresse é o neuropeptídeo Y, responsável pela regulação da temperatura corporal, redução de apetite e liberação de hormônios sexuais. No estresse continuado o aumento desse neuropipetídeo provoca ansiedade, sudorese noturna, alteração do peso e do apetite. O processo de estresse também interfere na função imunológica, através da ação imunopressora dos glicocorticóides, antiinflamatórios da betaendorfina, alterações leucocitárias e de mediadores de inflamação. No estresse infeccioso atua também a substância P, que aumenta a capacidade de resposta do organismo à percepção da dor. Esta seqüência natural de estresse e recuperação pode ser representada do seguinte modo: AMEAÇA REAÇÃO FISIOLÓGICA DO ESTRESSE RELAXAMENTO. Quando os estressores se prolongam não ocorre a fase de relaxamento, mas sim de uma nova ameaça gerando o estresse ruim, nas suas fases de resistência até exaustão; assim representada: AMEAÇA REAÇÃO FISIOLÓGICA DO ESTRESSE AMEAÇA-REAÇÃO FISIOLÓGICA DO ESTRESSE AMEAÇA ESTRESSE ACUMULADO DESGASTE ADOECIMENTO. 8

9 9

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

Administrando o Stress: o coração agradece

Administrando o Stress: o coração agradece Administrando o Stress: o coração agradece Lucia E. Novaes Malagris Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro Presidente da Associação Brasileira de Stress Mortalidade - Brasil - Óbitos por

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESTRESSE NO AMBIENTE DE TRABALHO Por: Cristiane Gonçalves do Carmo Orientador Prof.ª Adélia Araújo Niterói 2011 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira²

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² 1 Psicóloga, Mestranda em Gestão e Desenvolvimento Regional

Leia mais

STRESS E A ESCLEROSE MÚLTIPLA

STRESS E A ESCLEROSE MÚLTIPLA STRESS E A ESCLEROSE MÚLTIPLA i Enf.ª Ana Catarina Silva Ferreira Enf.ª Ana Catarina Martins Garrett Enf.ª Conceição Fernandes da Silva Neves Centro Hospitalar Baixo Vouga Serviço de Neurologia STRESS

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo corresponde a um Estímulo que provoca uma resposta do sistema neurohormonal. Como funciona

Leia mais

Stress. Saúde Mental. ão.

Stress. Saúde Mental. ão. Saúde Mental Stress Se dura o tempo necessário para proteger o organismo de uma situação de risco, é saudável. Quando passa dias e dias sem controle, vira doença. O Stress, além de ser ele próprio e a

Leia mais

Alterações Hormonais no Estresse

Alterações Hormonais no Estresse Alterações Hormonais no Estresse Na reação simpática da Fase de Alarme do Estresse é onde ocorre maior secreção de hormônios anti-inflamatórios, como por exemplo, um dos corticosteroides, a desoxicorticosterona,

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

Aula 23 Sistema endócrino

Aula 23 Sistema endócrino Aula 23 Sistema endócrino O sistema endócrino é formado por órgãos e tecidos que secretam hormônios. Os hormônios são lançados na corrente sangüínea e influenciam a atividade de células, órgãos ou sistemas.

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

3) (UFABC/2009) Leia a tirinha:

3) (UFABC/2009) Leia a tirinha: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 11) (Fuvest-1998) Uma jovem que sempre foi saudável chegou a um hospital em estado

Leia mais

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU SISTEMA ENDRÓCRINO Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU GLÂNDULAS DIFERENTES QUE SECRETAM HORMÔNIOS. OS HORMÔNIOS SÃO MENSAGEIROS QUÍMICOS,GERALMENTE TRANSPORTADOS

Leia mais

Profª Leticia Pedroso

Profª Leticia Pedroso Profª Leticia Pedroso Sistema Endócrino O homem apresenta em seu organismo várias glândulas endócrinas (glândulas que secretam hormônios para dentro do sangue). Hormônios são mensageiros químicos responsáveis

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 7: Suprarrenal e tireoide Prof. Carlos Castilho de Barros Algumas pessoas podem apresentar distúrbios que provocam a obesidade. Estórias como Eu como pouco mas continuo

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino-I

Fisiologia do Sistema Endócrino-I Curso Preparatório para Residência em Enfermagem-2012 Fisiologia do Sistema Endócrino-I Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam

Leia mais

Neurose Ansiosa. Neurose Ansiosa. Psicopatologia Geral e Especial. Carlos Mota Cardoso

Neurose Ansiosa. Neurose Ansiosa. Psicopatologia Geral e Especial. Carlos Mota Cardoso Neurose Ansiosa 1 Angústia A angústia surge ante qualquer eventual ameaça à identidade e ao EU. Pode emergir em diversas circunstâncias, desde a mais estrita normalidade à franca psicopatologia. A angústia

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução

Sistema Endócrino. Introdução Introdução A coordenação das funções do organismo é feita pelos sistemas nervoso e endócrino. Este é formado pelo conjunto das glândulas, que produzem os hormônios, substâncias lançadas no sangue que influenciam

Leia mais

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas)

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) É formado pelas glândulas endócrinas Essas tem origem no tecido epitelial

Leia mais

ESTRESSE POLICIAL MILITAR: EFEITOS PSICOSSOCIAIS

ESTRESSE POLICIAL MILITAR: EFEITOS PSICOSSOCIAIS ESTRESSE POLICIAL MILITAR: EFEITOS PSICOSSOCIAIS Sérgio Lopes Santana 1 Alini Daniéli Viana Sabino 2 PALAVRAS-CHAVE Policial Militar, Estresse, Efeitos Psicossociais RESUMO A ação da ansiedade e o estresse

Leia mais

3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida?

3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? 49 3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? Carga mental de trabalho é um conceito psicológico caracterizado na Psicologia do Trabalho. A

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA III

FISIOLOGIA HUMANA III FISIOLOGIA HUMANA III UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Profª Drª Silvia Aparecida Pieta Interação dos sistemas nervoso e endócrino Os sistemas nervoso e

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

ESTRUTURA CEREBRAL 1. SISTEMA LÍMBICO PROBLEMAS DO SISTEMA LÍMBICO PROFUNDO

ESTRUTURA CEREBRAL 1. SISTEMA LÍMBICO PROBLEMAS DO SISTEMA LÍMBICO PROFUNDO ESTRUTURA CEREBRAL As informações de atividade cerebral aqui comentadas estão baseadas no SPECT - tomografia computadorizada de emissão de fóton único. É um estudo de medicina nuclear que olha diretamente

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. TIAGO

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. TIAGO SISTEMA ENDÓCRINO Prof. TIAGO CARACTERÍSTICAS GERAIS INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS. CONTROLEDEATIVIDADES FISIOLOGICAS. SEMELHANTE AO SISTEMA NERVOSO. EFETUADO POR HORMÔNIOS TRANSPORTADO PELA CORRENTE SANGUINEA

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA Rosani Teresinha da Silva Stachiw 1 Dayane Fernandes Ferreira 2 Eraldo Carlos Batista 3 RESUMO: O estresse prejudica

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL

SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL HORMÔNIOS 1. MENSAGEIROS QUÍMICOS PRODUZIDOS PELAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS. 2. REGULADORES: - (ESTIMULANTES OU INIBIDORES) - (CRESCIMENTO, METABOLISMO, REPRODUÇÃO, ETC.)

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

Objetivo. Aumentar sua Qualidade de Vida, utilizando a Ansiedade de forma Saudável e Produtiva.

Objetivo. Aumentar sua Qualidade de Vida, utilizando a Ansiedade de forma Saudável e Produtiva. Objetivo Aumentar sua Qualidade de Vida, utilizando a Ansiedade de forma Saudável e Produtiva. Definição da palavra Ansiedade Comoção aflitiva de quem receia que uma coisa suceda ou não. Sofrimento de

Leia mais

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável.

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável. MENTE E ESPÍRITO EQUILIBRIO ENTRE CORPO, Em busca da cura, por uma vida mais saudável. Que a felicidade deve ser construída de dentro para fora e pode ser definida como um estado de espírito que não depende

Leia mais

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas.

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas. Hiperprolactinemia A hiperprolactinemia é alteração endocrinológica mais comum que ocorre no sistema nervoso central, sendo mais comum no sexo feminino. Além disso, é uma causa freqüente de infertilidade.

Leia mais

Psicologia UFES - 2013. Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Ciências Fisiológicas. Fisiologia. Papel do hipotálamo e amígdala

Psicologia UFES - 2013. Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Ciências Fisiológicas. Fisiologia. Papel do hipotálamo e amígdala Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Ciências Fisiológicas Fisiologia Papel do hipotálamo e amígdala nos comportamentos motivados Prof. Dr. Leonardo dos Santos O sistema nervoso O sistema

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência.

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. ANSIEDADE E TRANSTORNOS DE ANSIEDADE MEDO E ANSIEDADE MEDO Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. É uma emoção produzida pela percepção de

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares.

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares. Dependência Química Informação é grande aliada dos amigos e familiares. O QUE É DROGA-DEPENDÊNCIA? Droga-dependência é um transtorno psiquiátrico que se caracteriza pelo uso impulsivo e descontrolado de

Leia mais

Brígida Ferrão. 10 de Outubro de 2014

Brígida Ferrão. 10 de Outubro de 2014 Brígida Ferrão 10 de Outubro de 2014 DEFINIÇÃO Sistema Endócrino conjunto de orgãos e tecidos que produzem hormonas, libertadas na corrente sanguínea e que controlam outros orgãos alvo Envelhecimento tecidos

Leia mais

Exercícios de Coordenação Endócrina

Exercícios de Coordenação Endócrina Exercícios de Coordenação Endócrina 1. (UFABC) Leia a tirinha: Material de apoio do Extensivo Enquanto o futuro não chega, diabéticos controlam a glicemia através de injeções diárias de insulina ou mesmo

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DICAS PARA MELHORAR O SONO Dormir bem pode fazer toda a diferença para ir bem em uma prova, ser mais criativo no trabalho e manter uma boa memória. O sono é essencial para manter uma rotina saudável,

Leia mais

Psicologia do Esporte

Psicologia do Esporte Psicologia do Esporte Luana Pilon Jürgensen Bacharel em Educação Física Unesp/Rio Claro (2010) LEPESPE (2008-2010) 2 Termo Nutrição UNIFESP/Baixada Santista (2011) Formação Graduação em Psicologia privilegia

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR Referências Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Capítulos 26 e 29) Paulo Dalgalarrondo Manual

Leia mais

A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR

A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR FACULDADE DA SERRA GAÚCHA PÓS-GRADUAÇÃO PSICOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL PSICOTERAPIAS COGNITIVAS E NEUROCIÊNCIAS PROF. MS. DANIELLE IRIGOYEN DA COSTA A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR CASSIANA MARTINS

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE?

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE? EDITORIAL EDITORIAL INTRODUÇÃO COMBATA O ESTRESSE Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba O estresse é uma das grandes pragas do mundo moderno. Este problema sintetiza

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

Por trás de uma atitude ou comunicação violenta tem sempre uma necessidade não atendida!

Por trás de uma atitude ou comunicação violenta tem sempre uma necessidade não atendida! sempre com pressa e fazendo várias coisas ao mesmo tempo altamente competitivo hostil super-estimulação das glândulas supra-renais, cronicamente secretando até 40 vezes mais cortisol e quatro vezes mais

Leia mais

HIPNOSE. Como funciona a Hipnose?

HIPNOSE. Como funciona a Hipnose? REIKI O Reiki é uma técnica japonesa de canalização de energia, passada através do toque das mãos para a harmonização dos corpos físico, emocional, mental e energético e baseia-se na ideia de que uma "energia

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

BIOFEEDBACK - SUPERANDO O ESTRESSE E AS COURAÇAS MUSCULARES COM A INTELIGÊNCIA DO CORAÇÃO

BIOFEEDBACK - SUPERANDO O ESTRESSE E AS COURAÇAS MUSCULARES COM A INTELIGÊNCIA DO CORAÇÃO 1 BIOFEEDBACK - SUPERANDO O ESTRESSE E AS COURAÇAS MUSCULARES COM A INTELIGÊNCIA DO CORAÇÃO Resumo Marco Aurélio Varassin Hernandes Com o advento das pesquisas científicas e com o avanço da tecnologia

Leia mais

29/03/2012. Biologia. Principais glândulas endócrinas humanas

29/03/2012. Biologia. Principais glândulas endócrinas humanas Biologia Tema: Módulo 01: Anatomia e fisiologia Marcos Vinícius Introdução É um sistema que juntamente com o sistema nervoso atua no controle das funções gerais do nosso organismo. É representado pelos

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Bases Fisiológicas da Sede, Fome e Saciedade Fisiologia Humana Enquadramento A alimentação garante a sobrevivência do ser humano Representa uma fonte de

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO PROFESSOR CLERSON

SISTEMA ENDÓCRINO PROFESSOR CLERSON SISTEMA ENDÓCRINO PROFESSOR CLERSON CARACTERÍSTICAS FUNCIONAMENTO DO CORPO COMUNICAÇÃO COM CÉLULAS: AÇÃO HORMONAL LIBERAÇÃO POR DETERMINADAS CÉLULAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS: CÉLULAS PRODUTORAS DE HORMÔNIOS

Leia mais

Controle do Estresse. Tenha tempo para si mesmo

Controle do Estresse. Tenha tempo para si mesmo Controle do Estresse Controle do Estresse O Estresse faz parte da existência humana É o modo como reagimos física e emocionalmente, às mudanças Entretanto, para estar bem, você precisa controlar o seu

Leia mais

As 7 estratégias mais eficazes para reduzir o stress no dia-a-dia cientificamente comprovadas e 100% naturais!

As 7 estratégias mais eficazes para reduzir o stress no dia-a-dia cientificamente comprovadas e 100% naturais! 1) Aprenda a Relaxar A prática regular de alguma técnica de relaxamento tem efeitos profundos no sistema imunológico, além de ajudar a baixar a pressão arterial e a reduzir níveis altos de colesterol.

Leia mais

Profs. Nolinha e Thomaz

Profs. Nolinha e Thomaz 1 TREINAMENTO DE QUESTÕES DISCURSIVAS () Profs. Nolinha e Thomaz QUESTÃO 01 Um pesquisador realizou um experimento para verificar a influência da bainha de mielina na velocidade de condução do impulso

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

Atividade Física. A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver os nutrientes.

Atividade Física. A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver os nutrientes. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Atividade Física A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

A ATIVIDADE FÍSICA NO CONTROLE DO STRESS

A ATIVIDADE FÍSICA NO CONTROLE DO STRESS Artigo de revisão 1 A ATIVIDADE FÍSICA NO CONTROLE DO STRESS AUDREY DOS SANTOS ALVES Centro Universitário Augusto Motta Ms. MARCIO RODRIGUES BAPTISTA Centro Universitário Augusto Motta RESUMO Várias pesquisas

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia Drogas de Abuso Equipe de Biologia Drogas Qualquer substância capaz de alterar o funcionamento do organismo ilícitas lícitas Drogas de abuso Drogas utilizadas sem indicação médica, tendo por objetivo alterar

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Breve Histórico do Uso da Maconha no Brasil

Breve Histórico do Uso da Maconha no Brasil O que é maconha? Maconha é o nome popular de uma planta chamada Cannabis Sativa, que tem sido usada há séculos por diferentes culturas, e em diferentes momentos da História, com fins médicos e industriais.

Leia mais

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente.

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente. ZONA DE SOBREVIVÊNCIA Hipotermia HOMEOTERMIA Homeotermia (HOMEOSTASIA) Hipertermia ou Homeostasia Termogênese Termoneutralidade Zona de Conforto Térmico Temperatura corporal TI TCIn Zona de TCS Termoneutralidade

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

Atenção > Concentração

Atenção > Concentração CONCENTRAÇÃO Atenção > Concentração A atenção é uma forma de interacção com o mundo interno e externo da pessoa (corpo e ambiente). A concentração é a manutenção das condições da atenção por algum tempo

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO 90 ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO Débora Fernandes dos Santos, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira,

Leia mais

A Importância do Sono

A Importância do Sono 1 A Importância do Sono Dra. Regeane Trabulsi Cronfli É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE Introdução à Endocrinologia GENERALIDADES SOBRE HORMÔNIOS CONCEITO Hormônios são substâncias que funcionam como mensageiras inter-celulares CLASSIFICAÇÃO DOS HORMÔNIOS PROTÉICOS Formados

Leia mais

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória.

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Como Superar a Disfunção Erétil (DE) e a Ejaculação Precoce (EP). Maximen Urologia Especializada O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Mensagem Importante

Leia mais

Casa de Apoio Médico e Psicológico

Casa de Apoio Médico e Psicológico ÍNDICE INTRODUÇÃO 02 I CONCEITO 03 II FASES DE PROGRESSÃO DA DEPENDÊNCIA 04 QUÍMICA III TRATAMENTO 05 IV PROCESSO DE RECUPERAÇÃO 06 V RECAÍDA 08 VI CO-DEPENDÊNCIA 11 1 A Dependência Química (DQ) é uma

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

A BOA SORTE NÃO É SENÃO A S. MARDEN CAPACIDADE DE APROVEITAR BEM OS MOMENTOS FAVORÁVEIS.

A BOA SORTE NÃO É SENÃO A S. MARDEN CAPACIDADE DE APROVEITAR BEM OS MOMENTOS FAVORÁVEIS. A BOA SORTE NÃO É SENÃO A CAPACIDADE DE APROVEITAR BEM OS MOMENTOS FAVORÁVEIS. S. MARDEN Fertilidade Natural: Homeopatia CAPÍTULO 12 Homeopatia HOMEOPATIA E UNIÃO INFÉRTIL Unir-se em uma família e ter

Leia mais

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL Processos psíquicos envolvem duas áreas do processo psicológico, uma refere-se à cognição e a outra à dimensão afetivo-emocional. Ambas

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL

I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL I CURSO DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO EMOCIONAL O Programa do curso de Educação Emocional contempla: Perceber, identificar, nomear e lidar melhor com as emoções em si e no outro para o bem estar físico, mental

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

CONTROLE E INTEGRAÇÂO

CONTROLE E INTEGRAÇÂO CONTROLE E INTEGRAÇÂO A homeostase é atingida através de uma série de mecanismos reguladores que envolve todos os órgãos do corpo. Dois sistemas, entretanto, são destinados exclusivamente para a regulação

Leia mais

FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE

FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE FACTORES ANSIÓGENOS, DE STRESS E ACTIVAÇÃO NA AFD Aspectos introdutórios Quadro conceptual Avaliação da ansiedade e estresse Modelos explicativos da ansiedade

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout Marcos Ricardo Datti Micheletto 1 Níveis de Prevenção 22.361 Job Burnout: 11.544 18.829 Job Burnout: 9.618 SIPAT - REITORIA UNESP Burnout Burnout

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais