ESTRESSE OCUPACIONAL E ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO: UMA ANÁLISE SUMÁRIA DA LITERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRESSE OCUPACIONAL E ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO: UMA ANÁLISE SUMÁRIA DA LITERATURA"

Transcrição

1 ESTRESSE OCUPACIONAL E ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO: UMA ANÁLISE SUMÁRIA DA LITERATURA Luciane Teresinha Zermiani Pereira 1, Eduardo Soares Lucena 2 1 Mestrando em Gestão e Desenvolvimento Regional. Universidade de Taubaté/ECA, Rua Exped. Ernesto Pereira s/n Taubaté - SP 2 Mestrando em Gestão e Desenvolvimento Regional. Universidade de Taubaté/ECA, Rua Exped. Ernesto Pereira s/n Taubaté SP Resumo Os ambientes organizacionais sofrem constantes mutações em função da necessidade de adaptabilidade ao mercado. As consequências para as organizações podem ser desde um aumento gradativo do estresse até uma alavancagem do índice de afastamento no trabalho. As políticas de Recursos Humanos podem ser tratadas pelas organizações como estratégias de enfrentamento do estresse decorrente deste cenário, por outro lado, o indivíduo também pode desenvolver suas próprias estratégias de enfrentamento do estresse. O objetivo deste artigo é o de fazer uma análise sumária da literatura sobre estresse ocupacional e coping, afim de provocar uma reflexão acerca das atitudes dos indivíduos e organizações sobre o tema proposto. Palavras-chave: Estresse Ocupacional. Estratégia de enfrentamento.

2 ABSTRACT The organizational environments suffer constant change depending on the need for adaptability to the market. The consequences for organizations can be provided a gradual increase of stress to a rate of removal of leverage at work. The politics of Human Resources can be handled by organizations such as the stress of coping strategies under this scenario, On the other hand, the individual can also develop their own strategies for confrontation of stress. The objective of this paper is to make a brief review of the literature on occupational stress and coping, in order to provoke a discussion about the attitudes of individuals and organizations on the proposed topic. Key Words: Occupational Stress. Confrontation Strategies (Coping).

3 1. Introdução As organizações sofrem pressões dos diversos mercados, acionistas, governos, além das variáveis políticas e econômicas, forçando a tornar-se competitiva, tendo assim que flexibilizar e alinhar-se a estas exigências. Os impactos dessas pressões recaem sobre as pessoas. Exige-se o comprometimento das pessoas, resultados de qualidade e melhoria contínua para atender a nova realidade de mercado. Diante deste cenário as pessoas sofrem o impacto direto dessas pressões, o que pode gerar o estresse como resultado. A exposição das pessoas a estas pressões de maneira contínua, aumenta a probabilidade do indivíduo desenvolver algum transtorno mental e do comportamento que se não cuidado, pode agravar e levar a um adoecimento mental. Para colaborar com esta reflexão, vejamos a observação de Inocente (2007, p. 151) na Classificação dos Transtornos Mentais e do Comportamento CID 10 (OMS, 1993), o estresse é visto como uma reação a um evento de vida excepcionalmente estressante, produzindo uma reação aguda ou uma mudança de vida significativa e levando a circunstâncias desagradáveis continuadas, que resultam em um transtorno de ajustamento. Constatou-se em várias pesquisas que existem inúmeras implicações, para os indivíduos e organizações, ocorridas em função de situações estressantes entre elas podemos citar: doenças bucais, doenças cardiovasculares, doenças dermatológicas, doenças gastricas, dores músculo-esqueléticas, entre outras. Podemos dizer que o estresse vem sendo considerado um dos males do século devido às transformações do mundo, onde as mudanças são constantes e as pessoas sofrem os impactos das mesmas. Este artigo tem como propósito, por meio de uma revisão da literatura: Identificar as principais definições de estresse ocupacional e coping, abordados em artigos acadêmicos, livros e bibliotecas virtuais; Investigar a correlação existente entre os conceitos e as abordagens, analisando pontos de convergências e divergências entre os autores;

4 Diagnosticar como a abodagem teórica trata a origem do estresse e como os indivíduos e organizações fazem o enfrentamento. Inferir quais atitudes as organizações podem desenvolver afim de previnir o estresse ocupacional. Enfim, compreender os conceitos de estresse e como as organizações e indivíduos fazem o enfrentamento, é o ponto central que norteia todo o desenvolvimento deste artigo. 2. Metodologia A pesquisa bibliográfica realizada teve como fonte os artigos publicados em revistas científicas, além de livros que tratam sobre o assunto abordado: estresse ocupacional e coping. As bases de dados utilizadas foram: Scielo, onde as palavras chaves foram: estresse ocupacional e enfrentamento. 3. Revisão Sumária da Literatura 3.1 Estresse Inicialmente faremos uma análise dos principais conceitos de estresse abordados por diversos autores, objetivando identificar o que mais se aproxima do propósito deste artigo. De acordo com o dicionário Aurélio (p.728) a palavra estresse pode ser definida como o conjunto de reações do organismo a agressões de ordem física, psíquica, infecciosa, e outras, capazes de perturbar-lhe a homeostase; estricção. Para Edna et al o estresse é um termo utilizado para denominar um conjunto de reações orgânicas e psíquicas de adaptação que o organismo emite quando é exposto a qualquer estímulo que o excite, amedronte ou faça muito feliz (2008, p.137).

5 Segundo Lipp (2003, p.18) o estresse é uma reação psicofisiológica muito complexa que tem em sua gênese a necessidade do organismo fazer face a algo que ameace sua homeostase interna. Também para Lipp o stress é um processo e não uma reação única. (2003, p.18) Para Seyle (1954, apud Santos; Júnior, 2007, p. 104) O estresse é uma resposta não específica do organismo diante de qualquer situação que ameace a homeostase do indivíduo, gerando a necessidade de mobilização para enfrentar o evento causador do desequilíbrio biopsicossocial. Conforme Sampaio; Galasso (2007, p. 65) diferentemente de outros riscos ocupacionais, em geral relacionados a trabalhos específicos, o stress associa-se de formas variadas a todos os tipos de trabalho, prejudicando não só a saúde, mas também o desempenho dos trabalhadores. Analisando a forma abordada por FRANÇA, RODRIGUES (2007), temos que as reações ao estresse são naturais e necessárias até certo ponto, é o chamado estresse positivo ou eustress. De acordo com Inocente (2007, p.151) o estresse não é necessariamente um processo nocivo ao organismo. É importante ressaltar que, com grau de intensidade adequada, aumenta a eficiência do desempenho necessário para o funcionamento vital e para o desenvolvimento pessoal, e é chamado de eustress. Por outro lado quando há um rompimento do equilíbrio bio-psico-social seja por excesso ou mesmo por falta de esforço é chamado distress. Conforme podemos observar no gráfico a seguir.

6 Curva do Stress Fonte: Rodrigues, 1988; Lipp, 1996 apud França, 2007 Segundo Selye (1956 apud Lipp 2003) o estresse se desenvolve em três fases:alerta, resistência e exaustão. Conforme veremos no quadro 01. A fase de alerta neste estágio pode-se dizer que a uma quebra do equilíbrio interno de forma natural, essa reação que permite ao organismo lidar com situações de urgência foi provocada pela adrenalina lançada no organismo através do sistema nervoso como defesa automática do corpo. Quando o agente estressor tem uma duração curta, a adrenalina é eliminada e a homeostase é restaurada (LIPP 2003) Na fase de resistência de forma natural, essa reação que permite ao organismo lidar com situações de urgência foi provocada pela adrenalina lançada no organismo através do sistema nervoso como defesa automática do corpo. Quando o agente estressor tem uma duração curta, a adrenalina é eliminada e a homeostase é restaurada. A terceira fase é caracterizada pelo esgotamento da energia do organismo. Vejamos no quadro 1 a seguir, as fases do processo de estresse.

7 Quadro 1 Fases do processo de Estresse FASES DO PROCESSO DE ESTRESSE Fase Características Conseqüências Fase de Alerta ou Reação de Alarme Fase de Resistênci a Fase de Exaustão Contato com o agente estressor Quebra do equilíbrio interno do organismo Produzir mais força e energia para enfrentamento Capacidade de resistência acima do normal Sensação de desgastes sem motivos Dificuldade de memorização Após adaptação ao estressor cessa o estresse e suas seqüelas Aumento da freqüência cardíaca Aumento da pressão arterial Aumento da freqüência respiratória Ansiedade Ulceração no aparelho digestivo Irritabilidade Insônia Mudança de humor Diminuição do desejo sexual Sintomas semelhantes aos manisfestados na fase de Falhas no mecanismo de alarme adaptação Ocorre a exaustão psicológica manifesta em forma de Esgotamento por sobrecarga depressão fisiológica As doenças começam a aparecer podendo ocorrer a morte Morte do Organismo Fonte: Adaptado de França e Rodrigues (2002, p.37-38) apud Tacio(2006) Dadas as concepções dos diversos autores sobre o estresse, podemos observar que a abordagem de estresse de Selye, trata o estresse em momentos e intensidade diferentes, ou seja a de que o estresse se desenvolve em três fases, variando da alerta, passando pela resistência até chegar na fase de exaustão. Segundo Lipp (2003, p. 20) o estresse pode acarretar inúmeras conseqüências para as pessoas, familiares, comunidade e empresas. No âmbito psicológico e emocional do ser humano, o stress excessivo produz cansaço mental, dificuldade de concentração, perda de memória imediata, apatia e indiferença emocional. Além de outras, conforme consta no quadro 01. As causas do estresse são os estressores, estes podem ser externos como também internos. Como estressores externos pode-se considerar a fome, o frio, dores, ambiente social ou de trabalho. Os estressores internos apresentam-se como pensamentos, emoções, angústias, medo, alegria, tristeza, entre outros (FRANÇA e RODRIGUES, 2002).

8 A liderança ruim é outro fator que pode influenciar o desenvolvimento do estresse nos trabalhadores segundo Quick et al (2005) influenciando diretamente ou indiretamente sobre o ambiente de trabalho. Para Inocente (2007) o estresse pode decorrer de quatro áreas, esta abordagem nos dá uma dimensão dos fatores geradores de estresse, as quatro áreas são as seguintes: Fatores orgânicos estão ligados a condição geral de saúde do organismo do indivíduo; Fatores cognitivos refere-se aos pensamentos do indivíduo em relação a si mesmo, ao mundo, ao futuro e ao controle que possui da situação; Fatores comportamentais decorrente de recompensas e punições que o indivíduo recebeu em relação aos seus comportamentos ao longo de sua vida, o comportamento que o indivíduo possui para o enfrentamento ou esquiva de situações adversas. Fatores ambientais são os elementos presentes no ambiente que podem atenuar ou intensificar os efeitos do estresse sobre o organismo. As pessoas vêem os estressores no ambiente de trabalho através dos elementos percebidos. Se os elementos forem contínuos e se os indivíduos não possuírem potencialidades para enfrentá-los há uma propensão para criação de reações físicas e psicológicas, fato este que contribui para o aumento de doenças ocupacionais e afastamento ao trabalho (TAMAYO, 2008). Neste sentido, ao consultarmos as bases de dados do Scielo, observamos que os fatores estressores variam de profissão para profissão, variam ainda em função do ambiente de trabalho, da liderança a que o indivíduo está submetido, a ausência de apoios sociais no trabalho, falta de recursos para desempenhar suas funções, falta de autonomia no trabalho dentre outros. Em relação ao modelo de demanda/controle temos a contribuição de Inocente (2007) para esclarecer seu significado, onde foca na problemática do indivíduo ter baixo controle sobre o seu trabalho, ou seja, baixa autonomia para desempenhar suas tarefas, correlacionado com altas exigências psicológicas e baixo apoio social dos colegas e superiores. Em pesquisa realizada no Scielo, Araújo; Garça e Araújo (2003) analisaram as contribuições do modelo demanda-controle, Os resultados apontaram para a boa capacidade do modelo demanda-controle em identificar diferentes situações de risco à saúde mental dos trabalhadores. Aspectos relacionados à demanda psicológica do

9 trabalho estavam mais fortemente associadas a elevadas prevalências de distúrbios psíquicos menores do que os aspectos referentes ao controle, estas conclusões foram possíveis a partir do uso do JQC ( Job Content Questionnaire) na aplicação do modelo demanda-controle. Todas estas condições que o indivíduo acaba sendo submetido, principalmente pelas necessidades de adaptação da organização ao mercado, leva, dependendo da forma como ele percebe a situação, ao estresse. 3.2 Estratégia de enfrentamento (coping) As estratégias de enfrentamento referem-se a forma como o indivíduo lida com a situação estressante, como ele percebe e trata a situação, enfrentando-a, nesta linha vejamos as contribuições dos autores: Lipp ( 2003, p. 93) afirma que em português, coping vem sendo traduzido como enfrentamento, ajustamento, é o equivalente ao enfrentamento, como se vê na literatura em língua francesa. Ainda de acordo com Lipp (2003) o coping é o conjunto de esforços de controle, sem levar em consideração as conseqüências, sendo uma resposta ao estresse com o intuito de diminuir as qualidades aversivas. O coping é uma resposta que tem como objetivo ampliar, construir ou manter a percepção do controle pessoal. Sendo que este sentido pode ser ilusório. As pessoas podem perceber o estresse de forma consistente e na forma de combatê-lo, mas essa consistência depende de variações sistemáticas de situações ou estilo. A escolha de uma estratégia de enfrentamento irá depender do indivíduo. Para França (2007) o enfrentamento são os eforços que desenvolve-se ao lidar com situações externas ou internas, as quais são consideradas além das possibilidades. Uma das estratégias de enfrentamento, que a organização pode oferecer ao indivíduo ou funcionário é o investimento em saúde preventiva, com programas que visam amenizar o impacto do estresse sobre a vida das pessoas, conforme apresenta Inocente (2007) em estudos recentes as empresas consideradas sadias propõem políticas que protegem a saúde do trabalhador. Onde a empresa sadia é aquela que têm baixas taxas de enfermidades, lesões e invalidez e que consegue ser competitiva e produtiva em relação ao mercado.

10 Observamos que o enfrentamento pode ser trabalhado sob a ótica da capacidade individual da pessoa e também sob o prisma da organização, como indivíduo, o enfrentamento depende muito das habilidades que ele possui de criar caminhos que minimizem ou até eliminem o impacto do estresse; como organização, o enfrentamento pode ser feito com base nas políticas de Recursos Humanos que a empresa resolve adotar, desde programas de saúde preventiva envolvento o SESMT Serviço de Segurança e Medicina no Trabalho, os programas de treinamento em relacionamento e desenvolvimento gerencial, até as políticas salariais adotadas pela empresa como estímulo recompensa ao trabalhador. Podemos perceber que uma boa política de Recursos Humanos pode ajudar muito no enfrentamento do estresse, por outro lado, uma política de Recursos Humanos mal formulada pode ter o efeito inverso, ou seja, o de estimular o desenvolvimento de estresse entre os trabalhadores de uma organização. Para contribuir com esta discussão do estresse na organização podemos buscar apoio na referência de Morgan (1996) onde utiliza a metáfora da organização como prisão psíquica, esta metáfora trata a organização no sentido de que são processos conscientes e incoscientes que criam as preisões psíquicas e as mantêm como tais com a noção de que as pessoas podem tornarem-se prisioneiras de imagens, idéias, pensamentos e ações que esses processos acabam por gerar. Estabelecendo um paralelismo com o desenvolvimento de políticas de Recursos Humanos, As organizações precisam verificar se as políticas de Recursos Humanos estão estimulando ou não a prisão psíquica, o que pode consequentemente gerar maior estresse e alienação do trabalhador ou não. Um estudo realizado por Barros e Nahas (2001) com 4225 trabalhadores da indústria, que visava identificar a prevalência e analisar a associação entre comportamentos de risco a saúde, percepção de estresse e auto-avaliação do nível de saúde em trabalhadores da indústria, concluiu que mesmo considerando as limitações inerentes aos estudos transversais, e baseado em medidas auto relatadas, os resultados sugerem elevada prevalência de abuso de bebidas alcoólicas e inatividade física de lazer. A associação observada entre sexo e comportamento de risco redefiniu um perfil bidimensional: nos homens os comportamentos de risco mais prevalentes tornaram a forma de risco direto/ativo (fumar, abuso de bebidas alcoólicas) e nas mulheres tornaram a forma de risco indireto/passivo (inatividade física, estresse). Os resultados apresentados por este estudo reforçam a necessidade das organizações prepararem

11 políticas de Recursos Humanos mais adequadas as necessidades das pessoas nas organizações, ou arcará com o ônus de não prever situações como as apresentadas nesta pesquisa. 4. Discussão Analisando as abordagens teóricas apresentadas na revisão sumária da literatura, podemos observar que o conceito de estresse é abordado por diversos autores, sempre tratando a percepção do indivíduo como a referência para saber se possui o estresse; Uma situação pode provocar ou não estresse para a pessoa, dependendo da forma como ela percebe esta situação. Observamos que existe o estresse positivo e o estresse negativo, conceituado na revisão sumária da literatura como eustress e distress respectivamente. A situação que a pessoa enfrenta pode ser percebida por ela como um desafio que precisa vencer, mesmo que seja uma situação de considerável pressão, se a percepção dela é a de que esse desafio vai ajudá-la a crescer e o vê como uma oportunidade, o estresse gerado para este caso é um estresse positivo, ou seja, o eustress; Por outro lado, se a pessoa enfrenta uma situação de pressão e esta situação é percebida por ela como algo que afeta seu bem estar, sua condição normal de comportamento, gerando ansiedade, medo, e outros sentimentos negativos, são indícios de que poderá ocorrer o distress, ou seja, o estresse negativo que afeta a saúde do indivíduo. As etapas do estresse abordadas anteriormente, são tratadas como alerta, resistência e exaustão, estas etapas dão uma referência da evolução do estresse no indivíduo, abordadas por Lipp e França e Rodrigues, as etapas nos permite perceber e classificar em que estágio se encontra o estresse do indivíduo, afim de que possa ser orientado quanto aos cuidados que deve tomar para não evoluir e quais as estratégias de enfrentamento que ele pode desenvolver. Quanto a origem dos estressores, podemos observar que podem ser de origem interna e externa e ainda advindo de quatro áreas, ou seja, orgânicos, cognitivos, comportamentais e ambientais.

12 Os artigos pesquisados no Scielo convergem para as abordagens teóricas aqui apresentadas, desde as definições de estresse, passando pelas estratégias de enfrentamento coping, até os modelos como é o caso do modelo demanda-controle. Em relação a organização observa-se que uma atitude de investimento em saúde preventiva pode amenizar o impacto do estresse no ambiente de trabalho, podendo reduzir os níveis de estresse ocupacional. Outro aspecto que também auxilia na redução do nível de estresse ocupacional é a política de Recursos Humanos desenvolvida pela empresa, dependendo dos direcionamentos definidos podem reduzir o impacto do estresse no ambiente organizacional ou ainda, por outro lado, pode aumentar o nível de estresse organizacional. A política de Recursos Humanos também pode contribuir para que o indivíduo se sinta mais livre, ou com mais autonomia para desenvolver seu trabalho, ou não, pode ser uma política que não atentou-se para estas consequências, o que pode levar o trabalhador a sentir-se em uma prisão, parafraseando a metáfora da organização como prisão psíquica. A liderança das organizações exercem forte influência no desenvolvimento e no enfrentamento do estresse. Uma liderança, cujo perfil está mais próxima de estilos autoritários e centralizadores, pode estar contribuindo de maneira significativa para o desenvolvimento do distress, por outro prisma de visão, uma liderança que tem um perfil mais participativo e democrático, contribui para a percepção das dificuldades como desafios que a equipe precisa enfrentar, logo, a maneira de lidar com a situação é mais desafiadora, aumentando as chances do trabalhador desenvolver o estresse positivo, o que conceitualmente chamamos de eustress. 5. Considerações Finais A abordagem de grande importância para a compreensão do tema deste artigo, é a de que podemos analisá-lo sobre o prisma do indivíduo, onde ele desenvolve seus mecanismos de defesa, tentando sobreviver diante das adversidades geradas no seu ambiente de trabalho, e também sob o prisma de atuação das organizações, onde pode ter uma atuação mais coletiva, preservando a saúde e a qualidade de vida no trabalho, através do desenvolvimento de ações prevencionistas, como é o caso da ginástica

13 laboral, exames periódicos que possam ser analisadas as causas dos problemas e sua correlação com o estresse no ambiente de trabalho, ainda as políticas de recursos humanos, passando desde as regras e procedimentos, a qual o trabalhador precisa se submeter, até os apectos de desenvolvimento do trabalhador trantando inclusive as questões de remuneração e promoção. Outra observação significativa, refere-se às origens do estresse, uma vez identifadas suas origens, esta servirão de norte para a definição de ações individuais ou organizacionais para a prevenção do estresse. Talvez possamos inferir que as organizações que mais se preocupam com esta questão, têm resultados mais positivos, que contribuem para sua longevidade, contrário a isto, as organizações que não se preocupam com esta questão, estão mais propensas a terem sua longevidade interrompida pelas consequências do estresse no trabalhador e seu reflexo na produtividade, o que seria um interessante problema para pesquisas futuras. Enfim, estas são as contribuições deste artigo, após a revisão sumária da literatura sobre estresse ocupacional e coping.

14 Referências - ARAÚJO; T. M., GARÇA; C. C. e ARÚJO; E. Estresse Ocupacional e Saúde: Contribuições do Modelo Demanda Controle. Scielo, Rev Ciência e Saúde Coletiva, n.8, v.4, 2003, p Disponível em: <http://www.scielo.com.br/>. acesso em: 03 junho BARROS, M. V. G.; NAHAS, M. V. Comportamento de Risco, Auto-Avaliação do Nível de Saúde e Percepção de Estresse Entre os Trabalhadores na Indústria. Rev Saúde Pública, n.35, v.6, 2001, p Disponível em: <http://www.fsp.usp.br/rsp>. acesso em: 03 junho CHAMON, E..M. Q. O. (org.). Gestão e Comportamento Humano nas Organizações.Estresse Ocupacional: origem, conceitos, relações e aplicações no trabalho. Rio de Janeiro. Brasport, CHAMON, E..M. Q. O. (org.). Gestão de Organizações Públicas e Privadas. Rio de Janeiro. Brasport, CHAMON, E..M. Q. O. (org.). Gestão do Comportamento Humano nas Organizações. Rio de Janeiro. Brasport, CHAMON, E..M. Q. O. (org.). Estudos Interdisciplinares na Docência Superior no Pará. Estresse e estratégia de enfrentamento: um estudo com docentes no Ensino Superior. Belém-PA. Alves gráfica e Editora, FRANÇA, A.C.L; RODRIGUES, A.L. Stress e Trabalho: uma abordagem psicossomática. 4.ed. São Paulo: Atlas, FERREIRA, A. B. H. Aurélio Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, INOCENTE, N. J. Gestão e Comportamento Humano nas Organizações.Estresse Ocupacional: origem, conceitos, relações e aplicações no trabalho. Rio de Janeiro. Brasport, 2007.

15 - LIPP, M. E. Mecanismos Neurofisiológicos, do Stress: Teoria e Aplicações Clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo, QUICK, J. C. et al. Stress e Qualidade de Vida no Trabalho: Perspectivas atuais da saúde ocupacional. Líderes saudáveis, organizações saudáveis: prevenção primária e efeitos positivos da competência emocional. - MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, SAMPAIO, J. R.; GALASSO, M. R. Stress e Trabalho: uma abordagem psicossomática. Stress no mundo do trabalho: trajetória conceitual. 4.ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, A. F; JÚNIOR, A. A. Estresse e estratégia de enfrentamento em Mestrandos de Ciências da Saúde. Universidade Federal de Sergipe. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20 (1), TAMAYO, A. Estresse e cultura organizacional. São Paulo: Casa do Psicólogo, TACIO, C. M. Avaliação de Estresse e Estratégia de enfrentamento em graduando bancários: Um Estudo de Caso. Relatório Final das Atividades de Bolsistas do Departamento de Economia, Contabilidade, Administração ECA da Universidade de Taubaté, 2006.

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira²

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² 1 Psicóloga, Mestranda em Gestão e Desenvolvimento Regional

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A

ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A Patrícia Cristina de Lima Carvalho* Juliana Oliveira Braga** Rosane

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA Rosani Teresinha da Silva Stachiw 1 Dayane Fernandes Ferreira 2 Eraldo Carlos Batista 3 RESUMO: O estresse prejudica

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT

CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT 1 CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT MELO, Maria de Fátima Martins de (Agende de Saúde / Secretaria de Saúde

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO 90 ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO Débora Fernandes dos Santos, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira,

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout Marcos Ricardo Datti Micheletto 1 Níveis de Prevenção 22.361 Job Burnout: 11.544 18.829 Job Burnout: 9.618 SIPAT - REITORIA UNESP Burnout Burnout

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO

POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO 465 POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO Bruno de Morais Cury 1 ; Ana Carla Gomes Toledo 2 ; Gabriel Lauriano De Souza Hilário 2 ; Marco Aurélio

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE 96 ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE Amanda Mendes Ribeiro, Isabela Maia da Cruz Fernandes, Rayana Loch Gomes, Camila Balsamo Gardim,

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

Programa SESI Lazer Ativo. SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje...

Programa SESI Lazer Ativo. SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... Programa SESI Lazer Ativo SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... Qualidade de Vida Não é só... Ter uma pressão arterial controlada Não

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE Gabriele Gris Kelly Cristina da Silva Cardoso Luciana

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto Qualidade de Vida CONCEITO, CLASSIFICAÇÃO E FISIOLOGIA DO ESTRESSE

Projeto Qualidade de Vida CONCEITO, CLASSIFICAÇÃO E FISIOLOGIA DO ESTRESSE CONCEITO, CLASSIFICAÇÃO E FISIOLOGIA DO ESTRESSE As pesquisas sobre estresse enfatizam suas implicações para a saúde física e mental do indivíduo, alterando sua produtividade e qualidade de vida. A palavra

Leia mais

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR Carla Roane de Souza Santana¹; Ana Priscila da Silva Lima²; Albertina Marília Alves Guedes³ ¹Aluna do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal do Sertão

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA INCIDÊNCIA DE ESTRESSE ENTRE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA E PROFESSORES DE OUTRAS DISCIPLINAS

ANÁLISE COMPARATIVA DA INCIDÊNCIA DE ESTRESSE ENTRE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA E PROFESSORES DE OUTRAS DISCIPLINAS ANÁLISE COMPARATIVA DA INCIDÊNCIA DE ESTRESSE ENTRE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA E PROFESSORES DE OUTRAS DISCIPLINAS VALÉRIO, Fhairus Julielen PUCPR fhairus@hotmail.com Resumo Área Temática: Formação

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA

ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA Profa. Ester Mendes Programas de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) - Caráter multidisciplinar - Incluem diversos serviços relacionados à melhoria da qualidade de vida do trabalhador.

Leia mais

ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Introdução: A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser

ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Introdução: A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ana Caroline F. Landim 1 Daniel do Nascimento Tavares 2 Fernanda M. Pinheiro 3 Fernanda S. Pessanha 4 Juliana C. P. Gonçalves 5 Linda Nice

Leia mais

3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida?

3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? 49 3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? Carga mental de trabalho é um conceito psicológico caracterizado na Psicologia do Trabalho. A

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESTRESSE NO AMBIENTE DE TRABALHO Por: Cristiane Gonçalves do Carmo Orientador Prof.ª Adélia Araújo Niterói 2011 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS INTRODUÇÃO Como vai a qualidade de vida dos colaboradores da sua empresa? Existem investimentos para melhorar o clima organizacional e o bem-estar dos seus funcionários? Ações que promovem a qualidade

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Jhainieiry Cordeiro Famelli Ferret 2 RESUMO: A saúde mental de crianças e de adolescentes tornou-se uma questão

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

1. A adoção da auto avaliação como

1. A adoção da auto avaliação como Questionário de Auto avaliação da Saúde Vocal: * Aqui específico para professores, podendo ser adaptado para demais profissões que utilizem a voz. 1. A adoção da auto avaliação como parte integrante dos

Leia mais

CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE ANSIEDADE E SUAS POSSIBILIDADES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA POR MEIO DA DESCENTRAÇÃO

CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE ANSIEDADE E SUAS POSSIBILIDADES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA POR MEIO DA DESCENTRAÇÃO CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE ANSIEDADE E SUAS POSSIBILIDADES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA POR MEIO DA DESCENTRAÇÃO Geiva Carolina Calsa (DTP/UEM) Telma Cristina Amaral (PG/UEM) Mariana Costa do Nascimento (G/UEM)

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte ESTUDO SOBRE A AGRESSIVIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR

V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte ESTUDO SOBRE A AGRESSIVIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 33 A 42 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL ESTUDO SOBRE A AGRESSIVIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL

TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE CEREST ESTADUAL Virginia Célia de B. Oliveira Psicóloga O NORMAL E O PATOLÓGICO Conceitos de Normalidade 1. O normal: Visão de saúde como o oposto à doença;

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

Saúde Mental no Trabalho

Saúde Mental no Trabalho Saúde Mental no Trabalho Disciplina de Medicina Social e do Trabalho Acadêmicos: Arthur Danila, Barbara Novaes, Caio Casella, Bruna Piloto, Bruno Zanon, Bruno Ricci Orientadora: Prof a. Dra. Débora Glina

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA 2012 Nara Saade de Andrade Psicóloga graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Charlisson Mendes Gonçalves Mestrando em Psicologia pela

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO Nêmeton Centro de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Saúde Ricardo Werner Sebastiani ricardo@nemeton.com.br

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS E INDICADORES DE RISCO CARDÍACO

INTERAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS E INDICADORES DE RISCO CARDÍACO INTERAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS E INDICADORES DE RISCO CARDÍACO Michele Mariotto Gutierrez Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida Michele.mg@puccampinas.edu.br Elisa Medici

Leia mais

Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados.

Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Contexto 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Empregados sob efeito de droga utilizam, em média, 67% da capacidade de trabalho, tem o triplo de probabilidade de chegar atrasado ou faltar

Leia mais

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO IVANA MAGALY LIMA ALENCAR CARVALHEIRA Psicóloga Clínica Hospitalar Neuropsicóloga - CRP 02/8461 Setembro/2010

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E ESTRESSE NO TRABALHO

QUALIDADE DE VIDA E ESTRESSE NO TRABALHO QUALIDADE DE VIDA E ESTRESSE NO TRABALHO Juliano Martins (UTFPR) * Ariel Orlei Michaloski (UTFPR) ** RESUMO A preocupação com a saúde e a qualidade de vida nas organizações vem se tornando cada vez maior,

Leia mais

O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA. Neuropsicopedagoga Thaianny Salles. www.grupopsicopedagogiando.com.br

O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA. Neuropsicopedagoga Thaianny Salles. www.grupopsicopedagogiando.com.br O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA Palestrante: Neuropsicopedagoga Thaianny Salles www.grupopsicopedagogiando.com.br A mente... O cérebro... PRINCIPAIS CONCEITOS NEURO Do grego Neuron, nervo e Logos, estudo.

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

ENCONTRO DE GESTORES DA SAÚDE: Absenteísmo - Implicações Econômicas e Produtivas para os Prestadores de Serviços de Saúde

ENCONTRO DE GESTORES DA SAÚDE: Absenteísmo - Implicações Econômicas e Produtivas para os Prestadores de Serviços de Saúde ENCONTRO DE GESTORES DA SAÚDE: Absenteísmo - Implicações Econômicas e Produtivas para os Prestadores de Serviços de Saúde ICT - Índice de Capacidade como ferramenta de gestão em saúde do trabalhador: Alternativas

Leia mais

DIRETORIA LEGISLATIVA SEÇÃO DE ASSESSORAMENTO TEMÁTICO NOTA TÉCNICA. A Jornada de Trabalho e seus Reflexos na Saúde do Militar do Estado de Goiás

DIRETORIA LEGISLATIVA SEÇÃO DE ASSESSORAMENTO TEMÁTICO NOTA TÉCNICA. A Jornada de Trabalho e seus Reflexos na Saúde do Militar do Estado de Goiás DIRETORIA LEGISLATIVA SEÇÃO DE ASSESSORAMENTO TEMÁTICO NOTA TÉCNICA A Jornada de Trabalho e seus Reflexos na Saúde do Militar do Estado de Goiás Elaborada pela Pesquisadora Legislativa Emília Cristine

Leia mais

ABSENTEÍSMO DE AUXILIARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO

ABSENTEÍSMO DE AUXILIARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL GERAL PÚBLICO SBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro nternacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Encontro nte ABSENTEÍSMO DE AUXLARES DE ENFERMAGEM DE UM HOSPTAL GERAL PÚBLCO Erica Macário

Leia mais

26 NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém) Impacto dos Riscos Psicossociais no Trabalho

26 NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém) Impacto dos Riscos Psicossociais no Trabalho O 26 NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém) Impacto dos Riscos Psicossociais no Trabalho Mais do que avaliar... Um ambiente de trabalho, seguro na perspetiva psicossocial...... é um ambiente de trabalho no qual

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 02 - Edição 01 Julho - 2013 Entrevistada: Mayara Petri Martins Entrevistadora: Bruna Aguiar TEMA: OBESIDADE Mayara Petri Martins. Psicóloga analista do comportamento,

Leia mais

Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009

Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 QUALIDADE DE VIDA DE COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO SUPERMERCADISTA DA CIDADE DE PONTA GROSSA

Leia mais

ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ACADEMIC PERFORMANCE OF DIAGNOSTIC COMPANY IN THE REGION, WITH THE INTERVENTION PROPOSAL Vania Maria Ferreira * Rosangela

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA.

O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA. O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA. Autora: Daniele Gruska Benevides Prata; Orientadora: Juliana Brito Cavalcante Universidade Estadual

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 ÍNDICE 1. FINALIDADE...2 2. AMPLITUDE...2 3. CONCEITOS RELACIONADOS A RISCO...2 3.1. Risco... 2 3.1.1. Risco Residual... 2 3.2. Natureza do Risco... 3 3.3. Categoria

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação

Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação Rebeka Maria de Carvalho Santos Godeiro (UFERSA) - rebeka_carvalho@hotmail.com

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS Nayara Ferreira da Costa¹; Maria Luisa de Almeida Nunes ²; Larissa Hosana Paiva de Castro³; Alex Pereira de Almeida 4

Leia mais

PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC

PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC FLÁVIA BORGES LAURINDO* *GRADUANDA EM EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAREL - UNESC Resumo Este artigo tem como objetivo identificar

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Como obter uma liderança eficaz

Como obter uma liderança eficaz Como obter uma liderança eficaz Camila CORTEZ 1 Dayane SILVA 2 Emanuel CALVO 3 RESUMO: Este artigo analisa como obter uma liderança eficaz, descrevendo primeiramente o que é liderança, suas características,

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR ADMINISTRATIVO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

ITECH Instituto de Terapia e Ensino do Comportamento Humano. Abuso e dependência de álcool e substâncias psicoativas. Cristina Belotto da Silva

ITECH Instituto de Terapia e Ensino do Comportamento Humano. Abuso e dependência de álcool e substâncias psicoativas. Cristina Belotto da Silva ITECH Instituto de Terapia e Ensino do Comportamento Humano Abuso e dependência de álcool e substâncias psicoativas Cristina Belotto da Silva Tainara Claudio Maciel O abuso e a dependência de álcool e

Leia mais

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE ANDRADE 1, Fernando C. B. de; SANTOS 2, Carmen S. G. dos; VASCONCELOS 3, Maria Helena Venâncio; Centro de Educação/Departamento

Leia mais

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável.

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável. MENTE E ESPÍRITO EQUILIBRIO ENTRE CORPO, Em busca da cura, por uma vida mais saudável. Que a felicidade deve ser construída de dentro para fora e pode ser definida como um estado de espírito que não depende

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011 Assunto: Aplicação do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL) pelo Enfermeiro. 1. Do fato Solicitado parecer por Enfermeiro sobre a aplicação do

Leia mais

EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA RESUMO

EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA RESUMO EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA Ana Cristina Polycarpo Gameiro Camila Carmo de Menezes Cristiane Ribeiro de Souza Solange Leme Ferreira Universidade Estadual

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS Lidiane Vieira 1 Nerci Maria Rezende Carvalho 2 Resumo Ao falar-se de Gestão de Pessoas nos deparamos

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais