ESTRESSE OCUPACIONAL E ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO: UMA ANÁLISE SUMÁRIA DA LITERATURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRESSE OCUPACIONAL E ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO: UMA ANÁLISE SUMÁRIA DA LITERATURA"

Transcrição

1 ESTRESSE OCUPACIONAL E ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO: UMA ANÁLISE SUMÁRIA DA LITERATURA Luciane Teresinha Zermiani Pereira 1, Eduardo Soares Lucena 2 1 Mestrando em Gestão e Desenvolvimento Regional. Universidade de Taubaté/ECA, Rua Exped. Ernesto Pereira s/n Taubaté - SP 2 Mestrando em Gestão e Desenvolvimento Regional. Universidade de Taubaté/ECA, Rua Exped. Ernesto Pereira s/n Taubaté SP Resumo Os ambientes organizacionais sofrem constantes mutações em função da necessidade de adaptabilidade ao mercado. As consequências para as organizações podem ser desde um aumento gradativo do estresse até uma alavancagem do índice de afastamento no trabalho. As políticas de Recursos Humanos podem ser tratadas pelas organizações como estratégias de enfrentamento do estresse decorrente deste cenário, por outro lado, o indivíduo também pode desenvolver suas próprias estratégias de enfrentamento do estresse. O objetivo deste artigo é o de fazer uma análise sumária da literatura sobre estresse ocupacional e coping, afim de provocar uma reflexão acerca das atitudes dos indivíduos e organizações sobre o tema proposto. Palavras-chave: Estresse Ocupacional. Estratégia de enfrentamento.

2 ABSTRACT The organizational environments suffer constant change depending on the need for adaptability to the market. The consequences for organizations can be provided a gradual increase of stress to a rate of removal of leverage at work. The politics of Human Resources can be handled by organizations such as the stress of coping strategies under this scenario, On the other hand, the individual can also develop their own strategies for confrontation of stress. The objective of this paper is to make a brief review of the literature on occupational stress and coping, in order to provoke a discussion about the attitudes of individuals and organizations on the proposed topic. Key Words: Occupational Stress. Confrontation Strategies (Coping).

3 1. Introdução As organizações sofrem pressões dos diversos mercados, acionistas, governos, além das variáveis políticas e econômicas, forçando a tornar-se competitiva, tendo assim que flexibilizar e alinhar-se a estas exigências. Os impactos dessas pressões recaem sobre as pessoas. Exige-se o comprometimento das pessoas, resultados de qualidade e melhoria contínua para atender a nova realidade de mercado. Diante deste cenário as pessoas sofrem o impacto direto dessas pressões, o que pode gerar o estresse como resultado. A exposição das pessoas a estas pressões de maneira contínua, aumenta a probabilidade do indivíduo desenvolver algum transtorno mental e do comportamento que se não cuidado, pode agravar e levar a um adoecimento mental. Para colaborar com esta reflexão, vejamos a observação de Inocente (2007, p. 151) na Classificação dos Transtornos Mentais e do Comportamento CID 10 (OMS, 1993), o estresse é visto como uma reação a um evento de vida excepcionalmente estressante, produzindo uma reação aguda ou uma mudança de vida significativa e levando a circunstâncias desagradáveis continuadas, que resultam em um transtorno de ajustamento. Constatou-se em várias pesquisas que existem inúmeras implicações, para os indivíduos e organizações, ocorridas em função de situações estressantes entre elas podemos citar: doenças bucais, doenças cardiovasculares, doenças dermatológicas, doenças gastricas, dores músculo-esqueléticas, entre outras. Podemos dizer que o estresse vem sendo considerado um dos males do século devido às transformações do mundo, onde as mudanças são constantes e as pessoas sofrem os impactos das mesmas. Este artigo tem como propósito, por meio de uma revisão da literatura: Identificar as principais definições de estresse ocupacional e coping, abordados em artigos acadêmicos, livros e bibliotecas virtuais; Investigar a correlação existente entre os conceitos e as abordagens, analisando pontos de convergências e divergências entre os autores;

4 Diagnosticar como a abodagem teórica trata a origem do estresse e como os indivíduos e organizações fazem o enfrentamento. Inferir quais atitudes as organizações podem desenvolver afim de previnir o estresse ocupacional. Enfim, compreender os conceitos de estresse e como as organizações e indivíduos fazem o enfrentamento, é o ponto central que norteia todo o desenvolvimento deste artigo. 2. Metodologia A pesquisa bibliográfica realizada teve como fonte os artigos publicados em revistas científicas, além de livros que tratam sobre o assunto abordado: estresse ocupacional e coping. As bases de dados utilizadas foram: Scielo, onde as palavras chaves foram: estresse ocupacional e enfrentamento. 3. Revisão Sumária da Literatura 3.1 Estresse Inicialmente faremos uma análise dos principais conceitos de estresse abordados por diversos autores, objetivando identificar o que mais se aproxima do propósito deste artigo. De acordo com o dicionário Aurélio (p.728) a palavra estresse pode ser definida como o conjunto de reações do organismo a agressões de ordem física, psíquica, infecciosa, e outras, capazes de perturbar-lhe a homeostase; estricção. Para Edna et al o estresse é um termo utilizado para denominar um conjunto de reações orgânicas e psíquicas de adaptação que o organismo emite quando é exposto a qualquer estímulo que o excite, amedronte ou faça muito feliz (2008, p.137).

5 Segundo Lipp (2003, p.18) o estresse é uma reação psicofisiológica muito complexa que tem em sua gênese a necessidade do organismo fazer face a algo que ameace sua homeostase interna. Também para Lipp o stress é um processo e não uma reação única. (2003, p.18) Para Seyle (1954, apud Santos; Júnior, 2007, p. 104) O estresse é uma resposta não específica do organismo diante de qualquer situação que ameace a homeostase do indivíduo, gerando a necessidade de mobilização para enfrentar o evento causador do desequilíbrio biopsicossocial. Conforme Sampaio; Galasso (2007, p. 65) diferentemente de outros riscos ocupacionais, em geral relacionados a trabalhos específicos, o stress associa-se de formas variadas a todos os tipos de trabalho, prejudicando não só a saúde, mas também o desempenho dos trabalhadores. Analisando a forma abordada por FRANÇA, RODRIGUES (2007), temos que as reações ao estresse são naturais e necessárias até certo ponto, é o chamado estresse positivo ou eustress. De acordo com Inocente (2007, p.151) o estresse não é necessariamente um processo nocivo ao organismo. É importante ressaltar que, com grau de intensidade adequada, aumenta a eficiência do desempenho necessário para o funcionamento vital e para o desenvolvimento pessoal, e é chamado de eustress. Por outro lado quando há um rompimento do equilíbrio bio-psico-social seja por excesso ou mesmo por falta de esforço é chamado distress. Conforme podemos observar no gráfico a seguir.

6 Curva do Stress Fonte: Rodrigues, 1988; Lipp, 1996 apud França, 2007 Segundo Selye (1956 apud Lipp 2003) o estresse se desenvolve em três fases:alerta, resistência e exaustão. Conforme veremos no quadro 01. A fase de alerta neste estágio pode-se dizer que a uma quebra do equilíbrio interno de forma natural, essa reação que permite ao organismo lidar com situações de urgência foi provocada pela adrenalina lançada no organismo através do sistema nervoso como defesa automática do corpo. Quando o agente estressor tem uma duração curta, a adrenalina é eliminada e a homeostase é restaurada (LIPP 2003) Na fase de resistência de forma natural, essa reação que permite ao organismo lidar com situações de urgência foi provocada pela adrenalina lançada no organismo através do sistema nervoso como defesa automática do corpo. Quando o agente estressor tem uma duração curta, a adrenalina é eliminada e a homeostase é restaurada. A terceira fase é caracterizada pelo esgotamento da energia do organismo. Vejamos no quadro 1 a seguir, as fases do processo de estresse.

7 Quadro 1 Fases do processo de Estresse FASES DO PROCESSO DE ESTRESSE Fase Características Conseqüências Fase de Alerta ou Reação de Alarme Fase de Resistênci a Fase de Exaustão Contato com o agente estressor Quebra do equilíbrio interno do organismo Produzir mais força e energia para enfrentamento Capacidade de resistência acima do normal Sensação de desgastes sem motivos Dificuldade de memorização Após adaptação ao estressor cessa o estresse e suas seqüelas Aumento da freqüência cardíaca Aumento da pressão arterial Aumento da freqüência respiratória Ansiedade Ulceração no aparelho digestivo Irritabilidade Insônia Mudança de humor Diminuição do desejo sexual Sintomas semelhantes aos manisfestados na fase de Falhas no mecanismo de alarme adaptação Ocorre a exaustão psicológica manifesta em forma de Esgotamento por sobrecarga depressão fisiológica As doenças começam a aparecer podendo ocorrer a morte Morte do Organismo Fonte: Adaptado de França e Rodrigues (2002, p.37-38) apud Tacio(2006) Dadas as concepções dos diversos autores sobre o estresse, podemos observar que a abordagem de estresse de Selye, trata o estresse em momentos e intensidade diferentes, ou seja a de que o estresse se desenvolve em três fases, variando da alerta, passando pela resistência até chegar na fase de exaustão. Segundo Lipp (2003, p. 20) o estresse pode acarretar inúmeras conseqüências para as pessoas, familiares, comunidade e empresas. No âmbito psicológico e emocional do ser humano, o stress excessivo produz cansaço mental, dificuldade de concentração, perda de memória imediata, apatia e indiferença emocional. Além de outras, conforme consta no quadro 01. As causas do estresse são os estressores, estes podem ser externos como também internos. Como estressores externos pode-se considerar a fome, o frio, dores, ambiente social ou de trabalho. Os estressores internos apresentam-se como pensamentos, emoções, angústias, medo, alegria, tristeza, entre outros (FRANÇA e RODRIGUES, 2002).

8 A liderança ruim é outro fator que pode influenciar o desenvolvimento do estresse nos trabalhadores segundo Quick et al (2005) influenciando diretamente ou indiretamente sobre o ambiente de trabalho. Para Inocente (2007) o estresse pode decorrer de quatro áreas, esta abordagem nos dá uma dimensão dos fatores geradores de estresse, as quatro áreas são as seguintes: Fatores orgânicos estão ligados a condição geral de saúde do organismo do indivíduo; Fatores cognitivos refere-se aos pensamentos do indivíduo em relação a si mesmo, ao mundo, ao futuro e ao controle que possui da situação; Fatores comportamentais decorrente de recompensas e punições que o indivíduo recebeu em relação aos seus comportamentos ao longo de sua vida, o comportamento que o indivíduo possui para o enfrentamento ou esquiva de situações adversas. Fatores ambientais são os elementos presentes no ambiente que podem atenuar ou intensificar os efeitos do estresse sobre o organismo. As pessoas vêem os estressores no ambiente de trabalho através dos elementos percebidos. Se os elementos forem contínuos e se os indivíduos não possuírem potencialidades para enfrentá-los há uma propensão para criação de reações físicas e psicológicas, fato este que contribui para o aumento de doenças ocupacionais e afastamento ao trabalho (TAMAYO, 2008). Neste sentido, ao consultarmos as bases de dados do Scielo, observamos que os fatores estressores variam de profissão para profissão, variam ainda em função do ambiente de trabalho, da liderança a que o indivíduo está submetido, a ausência de apoios sociais no trabalho, falta de recursos para desempenhar suas funções, falta de autonomia no trabalho dentre outros. Em relação ao modelo de demanda/controle temos a contribuição de Inocente (2007) para esclarecer seu significado, onde foca na problemática do indivíduo ter baixo controle sobre o seu trabalho, ou seja, baixa autonomia para desempenhar suas tarefas, correlacionado com altas exigências psicológicas e baixo apoio social dos colegas e superiores. Em pesquisa realizada no Scielo, Araújo; Garça e Araújo (2003) analisaram as contribuições do modelo demanda-controle, Os resultados apontaram para a boa capacidade do modelo demanda-controle em identificar diferentes situações de risco à saúde mental dos trabalhadores. Aspectos relacionados à demanda psicológica do

9 trabalho estavam mais fortemente associadas a elevadas prevalências de distúrbios psíquicos menores do que os aspectos referentes ao controle, estas conclusões foram possíveis a partir do uso do JQC ( Job Content Questionnaire) na aplicação do modelo demanda-controle. Todas estas condições que o indivíduo acaba sendo submetido, principalmente pelas necessidades de adaptação da organização ao mercado, leva, dependendo da forma como ele percebe a situação, ao estresse. 3.2 Estratégia de enfrentamento (coping) As estratégias de enfrentamento referem-se a forma como o indivíduo lida com a situação estressante, como ele percebe e trata a situação, enfrentando-a, nesta linha vejamos as contribuições dos autores: Lipp ( 2003, p. 93) afirma que em português, coping vem sendo traduzido como enfrentamento, ajustamento, é o equivalente ao enfrentamento, como se vê na literatura em língua francesa. Ainda de acordo com Lipp (2003) o coping é o conjunto de esforços de controle, sem levar em consideração as conseqüências, sendo uma resposta ao estresse com o intuito de diminuir as qualidades aversivas. O coping é uma resposta que tem como objetivo ampliar, construir ou manter a percepção do controle pessoal. Sendo que este sentido pode ser ilusório. As pessoas podem perceber o estresse de forma consistente e na forma de combatê-lo, mas essa consistência depende de variações sistemáticas de situações ou estilo. A escolha de uma estratégia de enfrentamento irá depender do indivíduo. Para França (2007) o enfrentamento são os eforços que desenvolve-se ao lidar com situações externas ou internas, as quais são consideradas além das possibilidades. Uma das estratégias de enfrentamento, que a organização pode oferecer ao indivíduo ou funcionário é o investimento em saúde preventiva, com programas que visam amenizar o impacto do estresse sobre a vida das pessoas, conforme apresenta Inocente (2007) em estudos recentes as empresas consideradas sadias propõem políticas que protegem a saúde do trabalhador. Onde a empresa sadia é aquela que têm baixas taxas de enfermidades, lesões e invalidez e que consegue ser competitiva e produtiva em relação ao mercado.

10 Observamos que o enfrentamento pode ser trabalhado sob a ótica da capacidade individual da pessoa e também sob o prisma da organização, como indivíduo, o enfrentamento depende muito das habilidades que ele possui de criar caminhos que minimizem ou até eliminem o impacto do estresse; como organização, o enfrentamento pode ser feito com base nas políticas de Recursos Humanos que a empresa resolve adotar, desde programas de saúde preventiva envolvento o SESMT Serviço de Segurança e Medicina no Trabalho, os programas de treinamento em relacionamento e desenvolvimento gerencial, até as políticas salariais adotadas pela empresa como estímulo recompensa ao trabalhador. Podemos perceber que uma boa política de Recursos Humanos pode ajudar muito no enfrentamento do estresse, por outro lado, uma política de Recursos Humanos mal formulada pode ter o efeito inverso, ou seja, o de estimular o desenvolvimento de estresse entre os trabalhadores de uma organização. Para contribuir com esta discussão do estresse na organização podemos buscar apoio na referência de Morgan (1996) onde utiliza a metáfora da organização como prisão psíquica, esta metáfora trata a organização no sentido de que são processos conscientes e incoscientes que criam as preisões psíquicas e as mantêm como tais com a noção de que as pessoas podem tornarem-se prisioneiras de imagens, idéias, pensamentos e ações que esses processos acabam por gerar. Estabelecendo um paralelismo com o desenvolvimento de políticas de Recursos Humanos, As organizações precisam verificar se as políticas de Recursos Humanos estão estimulando ou não a prisão psíquica, o que pode consequentemente gerar maior estresse e alienação do trabalhador ou não. Um estudo realizado por Barros e Nahas (2001) com 4225 trabalhadores da indústria, que visava identificar a prevalência e analisar a associação entre comportamentos de risco a saúde, percepção de estresse e auto-avaliação do nível de saúde em trabalhadores da indústria, concluiu que mesmo considerando as limitações inerentes aos estudos transversais, e baseado em medidas auto relatadas, os resultados sugerem elevada prevalência de abuso de bebidas alcoólicas e inatividade física de lazer. A associação observada entre sexo e comportamento de risco redefiniu um perfil bidimensional: nos homens os comportamentos de risco mais prevalentes tornaram a forma de risco direto/ativo (fumar, abuso de bebidas alcoólicas) e nas mulheres tornaram a forma de risco indireto/passivo (inatividade física, estresse). Os resultados apresentados por este estudo reforçam a necessidade das organizações prepararem

11 políticas de Recursos Humanos mais adequadas as necessidades das pessoas nas organizações, ou arcará com o ônus de não prever situações como as apresentadas nesta pesquisa. 4. Discussão Analisando as abordagens teóricas apresentadas na revisão sumária da literatura, podemos observar que o conceito de estresse é abordado por diversos autores, sempre tratando a percepção do indivíduo como a referência para saber se possui o estresse; Uma situação pode provocar ou não estresse para a pessoa, dependendo da forma como ela percebe esta situação. Observamos que existe o estresse positivo e o estresse negativo, conceituado na revisão sumária da literatura como eustress e distress respectivamente. A situação que a pessoa enfrenta pode ser percebida por ela como um desafio que precisa vencer, mesmo que seja uma situação de considerável pressão, se a percepção dela é a de que esse desafio vai ajudá-la a crescer e o vê como uma oportunidade, o estresse gerado para este caso é um estresse positivo, ou seja, o eustress; Por outro lado, se a pessoa enfrenta uma situação de pressão e esta situação é percebida por ela como algo que afeta seu bem estar, sua condição normal de comportamento, gerando ansiedade, medo, e outros sentimentos negativos, são indícios de que poderá ocorrer o distress, ou seja, o estresse negativo que afeta a saúde do indivíduo. As etapas do estresse abordadas anteriormente, são tratadas como alerta, resistência e exaustão, estas etapas dão uma referência da evolução do estresse no indivíduo, abordadas por Lipp e França e Rodrigues, as etapas nos permite perceber e classificar em que estágio se encontra o estresse do indivíduo, afim de que possa ser orientado quanto aos cuidados que deve tomar para não evoluir e quais as estratégias de enfrentamento que ele pode desenvolver. Quanto a origem dos estressores, podemos observar que podem ser de origem interna e externa e ainda advindo de quatro áreas, ou seja, orgânicos, cognitivos, comportamentais e ambientais.

12 Os artigos pesquisados no Scielo convergem para as abordagens teóricas aqui apresentadas, desde as definições de estresse, passando pelas estratégias de enfrentamento coping, até os modelos como é o caso do modelo demanda-controle. Em relação a organização observa-se que uma atitude de investimento em saúde preventiva pode amenizar o impacto do estresse no ambiente de trabalho, podendo reduzir os níveis de estresse ocupacional. Outro aspecto que também auxilia na redução do nível de estresse ocupacional é a política de Recursos Humanos desenvolvida pela empresa, dependendo dos direcionamentos definidos podem reduzir o impacto do estresse no ambiente organizacional ou ainda, por outro lado, pode aumentar o nível de estresse organizacional. A política de Recursos Humanos também pode contribuir para que o indivíduo se sinta mais livre, ou com mais autonomia para desenvolver seu trabalho, ou não, pode ser uma política que não atentou-se para estas consequências, o que pode levar o trabalhador a sentir-se em uma prisão, parafraseando a metáfora da organização como prisão psíquica. A liderança das organizações exercem forte influência no desenvolvimento e no enfrentamento do estresse. Uma liderança, cujo perfil está mais próxima de estilos autoritários e centralizadores, pode estar contribuindo de maneira significativa para o desenvolvimento do distress, por outro prisma de visão, uma liderança que tem um perfil mais participativo e democrático, contribui para a percepção das dificuldades como desafios que a equipe precisa enfrentar, logo, a maneira de lidar com a situação é mais desafiadora, aumentando as chances do trabalhador desenvolver o estresse positivo, o que conceitualmente chamamos de eustress. 5. Considerações Finais A abordagem de grande importância para a compreensão do tema deste artigo, é a de que podemos analisá-lo sobre o prisma do indivíduo, onde ele desenvolve seus mecanismos de defesa, tentando sobreviver diante das adversidades geradas no seu ambiente de trabalho, e também sob o prisma de atuação das organizações, onde pode ter uma atuação mais coletiva, preservando a saúde e a qualidade de vida no trabalho, através do desenvolvimento de ações prevencionistas, como é o caso da ginástica

13 laboral, exames periódicos que possam ser analisadas as causas dos problemas e sua correlação com o estresse no ambiente de trabalho, ainda as políticas de recursos humanos, passando desde as regras e procedimentos, a qual o trabalhador precisa se submeter, até os apectos de desenvolvimento do trabalhador trantando inclusive as questões de remuneração e promoção. Outra observação significativa, refere-se às origens do estresse, uma vez identifadas suas origens, esta servirão de norte para a definição de ações individuais ou organizacionais para a prevenção do estresse. Talvez possamos inferir que as organizações que mais se preocupam com esta questão, têm resultados mais positivos, que contribuem para sua longevidade, contrário a isto, as organizações que não se preocupam com esta questão, estão mais propensas a terem sua longevidade interrompida pelas consequências do estresse no trabalhador e seu reflexo na produtividade, o que seria um interessante problema para pesquisas futuras. Enfim, estas são as contribuições deste artigo, após a revisão sumária da literatura sobre estresse ocupacional e coping.

14 Referências - ARAÚJO; T. M., GARÇA; C. C. e ARÚJO; E. Estresse Ocupacional e Saúde: Contribuições do Modelo Demanda Controle. Scielo, Rev Ciência e Saúde Coletiva, n.8, v.4, 2003, p Disponível em: <http://www.scielo.com.br/>. acesso em: 03 junho BARROS, M. V. G.; NAHAS, M. V. Comportamento de Risco, Auto-Avaliação do Nível de Saúde e Percepção de Estresse Entre os Trabalhadores na Indústria. Rev Saúde Pública, n.35, v.6, 2001, p Disponível em: <http://www.fsp.usp.br/rsp>. acesso em: 03 junho CHAMON, E..M. Q. O. (org.). Gestão e Comportamento Humano nas Organizações.Estresse Ocupacional: origem, conceitos, relações e aplicações no trabalho. Rio de Janeiro. Brasport, CHAMON, E..M. Q. O. (org.). Gestão de Organizações Públicas e Privadas. Rio de Janeiro. Brasport, CHAMON, E..M. Q. O. (org.). Gestão do Comportamento Humano nas Organizações. Rio de Janeiro. Brasport, CHAMON, E..M. Q. O. (org.). Estudos Interdisciplinares na Docência Superior no Pará. Estresse e estratégia de enfrentamento: um estudo com docentes no Ensino Superior. Belém-PA. Alves gráfica e Editora, FRANÇA, A.C.L; RODRIGUES, A.L. Stress e Trabalho: uma abordagem psicossomática. 4.ed. São Paulo: Atlas, FERREIRA, A. B. H. Aurélio Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, INOCENTE, N. J. Gestão e Comportamento Humano nas Organizações.Estresse Ocupacional: origem, conceitos, relações e aplicações no trabalho. Rio de Janeiro. Brasport, 2007.

15 - LIPP, M. E. Mecanismos Neurofisiológicos, do Stress: Teoria e Aplicações Clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo, QUICK, J. C. et al. Stress e Qualidade de Vida no Trabalho: Perspectivas atuais da saúde ocupacional. Líderes saudáveis, organizações saudáveis: prevenção primária e efeitos positivos da competência emocional. - MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, SAMPAIO, J. R.; GALASSO, M. R. Stress e Trabalho: uma abordagem psicossomática. Stress no mundo do trabalho: trajetória conceitual. 4.ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, A. F; JÚNIOR, A. A. Estresse e estratégia de enfrentamento em Mestrandos de Ciências da Saúde. Universidade Federal de Sergipe. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20 (1), TAMAYO, A. Estresse e cultura organizacional. São Paulo: Casa do Psicólogo, TACIO, C. M. Avaliação de Estresse e Estratégia de enfrentamento em graduando bancários: Um Estudo de Caso. Relatório Final das Atividades de Bolsistas do Departamento de Economia, Contabilidade, Administração ECA da Universidade de Taubaté, 2006.

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira²

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² 1 Psicóloga, Mestranda em Gestão e Desenvolvimento Regional

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO 90 ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO Débora Fernandes dos Santos, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira,

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A

ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A ESTRESSE OCUPACIONAL: uma contribuição para minimizar os agentes estressores no setor de assistência técnica da empresa Elevadores S/A Patrícia Cristina de Lima Carvalho* Juliana Oliveira Braga** Rosane

Leia mais

CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT

CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT 1 CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT MELO, Maria de Fátima Martins de (Agende de Saúde / Secretaria de Saúde

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto

A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout. Marcos Ricardo Datti Micheletto A Pessoa e o Contexto Ocupacional na Prevenção do Burnout Marcos Ricardo Datti Micheletto 1 Níveis de Prevenção 22.361 Job Burnout: 11.544 18.829 Job Burnout: 9.618 SIPAT - REITORIA UNESP Burnout Burnout

Leia mais

POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO

POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO 465 POSSÍVEIS NEXOS ENTRE O ALCOOLISMO E O ESTRESSE RELACIONADO AO TRABALHO DO PSICÓLOGO CLÍNICO Bruno de Morais Cury 1 ; Ana Carla Gomes Toledo 2 ; Gabriel Lauriano De Souza Hilário 2 ; Marco Aurélio

Leia mais

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA Rosani Teresinha da Silva Stachiw 1 Dayane Fernandes Ferreira 2 Eraldo Carlos Batista 3 RESUMO: O estresse prejudica

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Introdução: A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser

ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Introdução: A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ana Caroline F. Landim 1 Daniel do Nascimento Tavares 2 Fernanda M. Pinheiro 3 Fernanda S. Pessanha 4 Juliana C. P. Gonçalves 5 Linda Nice

Leia mais

Programa SESI Lazer Ativo. SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje...

Programa SESI Lazer Ativo. SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... Programa SESI Lazer Ativo SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... SAUDE BEM ESTAR QUALIDADE DE VIDA nos dias de hoje... Qualidade de Vida Não é só... Ter uma pressão arterial controlada Não

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA 2012 Nara Saade de Andrade Psicóloga graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Charlisson Mendes Gonçalves Mestrando em Psicologia pela

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA

ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA ATIVIDADE FÍSICA NA EMPRESA Profa. Ester Mendes Programas de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) - Caráter multidisciplinar - Incluem diversos serviços relacionados à melhoria da qualidade de vida do trabalhador.

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS INTRODUÇÃO Como vai a qualidade de vida dos colaboradores da sua empresa? Existem investimentos para melhorar o clima organizacional e o bem-estar dos seus funcionários? Ações que promovem a qualidade

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE DO PARANÁ

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE DO PARANÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DE UMA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS DO RAMO DE AGRONEGÓCIO DO NOROESTE

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte ESTUDO SOBRE A AGRESSIVIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR

V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte ESTUDO SOBRE A AGRESSIVIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 33 A 42 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL ESTUDO SOBRE A AGRESSIVIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 02 - Edição 01 Julho - 2013 Entrevistada: Mayara Petri Martins Entrevistadora: Bruna Aguiar TEMA: OBESIDADE Mayara Petri Martins. Psicóloga analista do comportamento,

Leia mais

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ Manual do Cursista Copyright COP EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados a COP EDITORA LTDA. Essa é uma co-edição entre a COP EDITORA LTDA e a FUNAGER - Fundação Nacional de Apoio Gerencial. Proibida

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados.

Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Contexto 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Empregados sob efeito de droga utilizam, em média, 67% da capacidade de trabalho, tem o triplo de probabilidade de chegar atrasado ou faltar

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE 96 ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE Amanda Mendes Ribeiro, Isabela Maia da Cruz Fernandes, Rayana Loch Gomes, Camila Balsamo Gardim,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

PEDAGOGIA EMPRESARIAL NO ÂMBITO ORGANIZACIONAL. Palavras-chave: Pedagogia empresarial, capacitação, nova tendência.

PEDAGOGIA EMPRESARIAL NO ÂMBITO ORGANIZACIONAL. Palavras-chave: Pedagogia empresarial, capacitação, nova tendência. PEDAGOGIA EMPRESARIAL NO ÂMBITO ORGANIZACIONAL ZEBRAL, Denise da Silva SANTOS, Edilma Tavares Camilo 1 Palavras-chave: Pedagogia empresarial, capacitação, nova tendência. Introdução Este artigo apresenta

Leia mais

3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida?

3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? 49 3 Dirigindo o ônibus: qual a carga mental envolvida? Carga mental de trabalho é um conceito psicológico caracterizado na Psicologia do Trabalho. A

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESTRESSE NO AMBIENTE DE TRABALHO Por: Cristiane Gonçalves do Carmo Orientador Prof.ª Adélia Araújo Niterói 2011 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DEPENDÊNCIA E TRATAMENTO DO CONSUMO DE TABACO Andréia Souza Grespan

Leia mais

Google imagens. Gestão de pessoas II. Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente

Google imagens. Gestão de pessoas II. Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente Google imagens Missão, valores e visão na gestão Gestão de pessoas II Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente O gestor ESTRATÉGICO de pessoas ѱ O gestor de pessoas tem de utilizar

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR Carla Roane de Souza Santana¹; Ana Priscila da Silva Lima²; Albertina Marília Alves Guedes³ ¹Aluna do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal do Sertão

Leia mais

1 Introdução Como definir uma estratégia de remuneração alinhada com a cultura organizacional?

1 Introdução Como definir uma estratégia de remuneração alinhada com a cultura organizacional? 1 Introdução Não existe estratégia de negócios ideal para ser aplicada a qualquer empresa, assim como não existe uma cultura organizacional ideal. (PASCHINI, 2006), Killman (1985) afirma que a cultura

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA Áreas de concentração: O presente programa está organizado em duas áreas de concentração, cada uma das quais contemplando três linhas de pesquisa nas quais se distribuem

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos Programa de Preparação para

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA RESUMO

EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA RESUMO EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL E DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA RELAÇÃO A SER CONSIDERADA Ana Cristina Polycarpo Gameiro Camila Carmo de Menezes Cristiane Ribeiro de Souza Solange Leme Ferreira Universidade Estadual

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE ANDRADE 1, Fernando C. B. de; SANTOS 2, Carmen S. G. dos; VASCONCELOS 3, Maria Helena Venâncio; Centro de Educação/Departamento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo Por Sabrina Ribeiro O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA. Neuropsicopedagoga Thaianny Salles. www.grupopsicopedagogiando.com.br

O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA. Neuropsicopedagoga Thaianny Salles. www.grupopsicopedagogiando.com.br O QUE É A NEUROPSICOPEDAGOGIA Palestrante: Neuropsicopedagoga Thaianny Salles www.grupopsicopedagogiando.com.br A mente... O cérebro... PRINCIPAIS CONCEITOS NEURO Do grego Neuron, nervo e Logos, estudo.

Leia mais

RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu

RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Curso: Docência do Ensino Superior Andréa Pereira de Oliveira Verificação da contribuição das atividades lúdicas no processo de reabilitação

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO Nêmeton Centro de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Saúde Ricardo Werner Sebastiani ricardo@nemeton.com.br

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE Gabriele Gris Kelly Cristina da Silva Cardoso Luciana

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ACADEMIC PERFORMANCE OF DIAGNOSTIC COMPANY IN THE REGION, WITH THE INTERVENTION PROPOSAL Vania Maria Ferreira * Rosangela

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR Departamentalização e os Principais Tipos Antonia Angélica Muniz dos Santos 7 Daniele Santos Lima e Silva 7 Edna Almeida Guimarães 7 RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar a departamentalização e

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador São Carlense, 400

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA Denise Knorst da Silva 1 denisek@unijui.tche.br RESUMO Neste trabalho é apresentada uma discussão sobre atividades

Leia mais

Palavras-chave: Turismo; Educação Ambiental; Escola. 1. Introdução

Palavras-chave: Turismo; Educação Ambiental; Escola. 1. Introdução A Educação Ambiental como Pressuposto para um Turismo Sustentável 1 Cristine Gerhardt Rheinheimer 2 Teresinha Guerra 3 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo Chegamos a um ponto de nossa trajetória

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO IVANA MAGALY LIMA ALENCAR CARVALHEIRA Psicóloga Clínica Hospitalar Neuropsicóloga - CRP 02/8461 Setembro/2010

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A 75 AGENDA FUTURA PARA A SUSTENTABILIDADE Como o tema Sustentabilidade pode contribuir para o objetivo último dos Fundos de Pensão, que é o de zelar pela aposentadoria de milhões de trabalhadores? Esta

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS Lidiane Vieira 1 Nerci Maria Rezende Carvalho 2 Resumo Ao falar-se de Gestão de Pessoas nos deparamos

Leia mais