Carta de Apresentação. Aos Organizadores do Congresso.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carta de Apresentação. Aos Organizadores do Congresso."

Transcrição

1 Carta de Apresentação. Aos Organizadores do Congresso. Eu, Maria Teresa Bertoncini Zogaib, CRP 06/ , Mestre em Psicologia da Saúde e Supervisora de Psicoterapia Breve Infantil da Universidade Paulista UNIP, Campos Rangel, cidade de Santos, SP, recomendo a inscrição do trabalho de Adriana Marques Gomes para participar da homenagem póstuma à professora Silvia Lane. Ressalto que Adriana, foi minha supervisanda na Clínica Escola estagiando nas áreas de Psicodiagnóstico Infantil e Atendimento Breve Infantil, onde foi possível observar no transcorrer do estágio sua postura ética, responsável e um grande envolvimento tanto com seus clientes como para as supervisões. Adriana demonstrou no transcorrer dos estágios grande interesse pela abordagem psicanalítica tendo atitude de pesquisa para maior aprendizagem e melhor atendimento psicoterápico. Acredito que ela atenda aos requisitos exigidos para inscrição de seu trabalho. Coloco-me à disposição para maiores informações. Santos, 27 de março de Maria Teresa Bertoncini Zogaib Mestre em Psicologia da Saúde CRP 06/ Tel: (13)

2 Memorial. Quando nos deparamos com questões como do que trata a psicologia encontramos um conhecimento que não é único, pronto e acabado; fruto da produção humana a psicologia pode ser definida como reflexo de seus criadores (estudiosos) e legitimadores (sociedade). Este trabalho trata de uma forma dentre muitas outras o fenômeno psicológico humano. Essa forma de conceber os fenômenos carregam implícitos uma certa visão de homem e de mundo que vai se transformando durante o curso. Ao escolher a forma de atuação, diante de tanta diversidade, o estudante de psicologia constrói e participa de sua obra. Os personagens: pacientes, seus familiares, alunos, supervisores, professores e coordenadores assumem inestimável importância na trajetória profissional e pessoal: levam o estudante do caos e da desorganização ao reconhecimento da auteridade e da criatividade humana. Ainda estudante do segundo ano do curso a autora desse trabalho já demonstrava interesse pela psicologia clínica como modelo de atuação. Um certo dia uma colega fez a seguinte afirmação: O que escolhemos para nossa vida é a profissão de fé. Os dias, meses e anos se passaram e com a profissão da fé a autora viu a concretização de pequenos milagres: o convite e a viabilização para análise pessoal de um ex-professor foi o primeiro, o acolhimento na supervisão operou o milagre da constante indagação e indignação, o menino Samuel operou o milagre da mudança e finalmente o diploma do curso superior, mas do que um milagre pessoal, um milagre social e uma superação dos aspectos econômicos e sociais envolvidos. Convido o leitor a testemunhar uma pequena trilha de um imenso caminho para que possa tomar posse e refletir sobre um fazer psicológico que atenda as necessidades de toda uma sociedade. Nos armemos com indignação, inconformismo e curiosidade para que possamos operar pequenos milagres em benefício de todos, ou melhor dizendo transformar a realidade social.

3 ADRIANA MARQUES GOMES O BRINCAR COMO OFÍCIO DO PSICÓLOGO E SEU PAPEL ESTRUTURANTE Trabalho retirado dos relatórios do estágio de Psicoterapia Breve Infantil, sob a supervisão de Maria Teresa Zogaib. Santos 2007

4 Resumo A prática de estágio obrigatório, realizado durante o curso de graduação em Psicologia enfoca a instrumentalização da atitude clínica do estagiário em relação ao cliente. A comunidade oportuniza ao estudante a utilização e integração da teoria estudada em sala de aula e a instituição universitária representada pela clínica-escola, objetiva além de fornecer embasamento para o atendimento, garantir uma prestação de serviço de qualidade á demanda atendida pelos alunos ainda em formação. Como partes do enquadramento exigido do aluno pela instituição e pelo corpo docente, são elaborados relatórios semanais dos atendimentos realizados, sendo posteriormente enriquecido com o supervisor, com o grupo de dez alunos quinto anistas e com as tarefas de leituras individualizadas. Esse relatório é revisado pelo aluno e supervisor até que ambos estejam satisfeitos com a impressão de um documento que será arquivado. A sessão timbrada no papel é vista por muitos alunos como um procedimento burocrático que, apesar de difícil e cansativo irá garantir o tão perseguido diploma. O fato é que os relatórios documentam a delicada transição do estudante de uma profissão á profissional atuante. E é disto que trata esse trabalho: da apavorante e enriquecedora tarefa da escrita feita por mãos inexperientes que tem a pretensão de convidar supervisores, professores, psicólogos, estagiários e alunos a compartilhar mais do que uma experiência clínica obrigatória para a habilitação profissional, mas um verdadeiro e inesquecível rito de passagem em termos profissionais e pessoais. Palavras chaves: estágio, clínica escola e atendimento individual.

5 1) Introdução. O presente artigo reproduz a articulação entre a teoria e a prática proporcionada pela experiência de estágio supervisionado em Psicoterapia Breve Infantil, que utiliza como base a teoria de fundamentação psicanalítica. O artigo visa fornecer informações a fim de esclarecer questões relacionadas ao fenômeno da regressão e seu papel estruturante no setting terapêutico. Têm como base o relato do atendimento lúdico de um paciente atendido na Clinica Escola de Psicologia e revisão bibliográfica dos temas abordados no discorrer do texto abaixo apresentado. 2) Apresentação do local e condições em que o estágio ocorreu. Esse artigo foi fundamentado no estágio realizado no Centro de Psicologia Aplicada da Universidade Paulista - UNIP de Santos no primeiro semestre de 2006, durante o atendimento de um menino de oito anos a quem a estagiária denominou Samuel. A porta de entrada na clínica para a criança ocorre através de um serviço de triagem. Os responsáveis pela criança que procuram o serviço preenchem uma ficha cadastral e fica sob responsabilidade da clínica o convite via telefone para uma primeira entrevista realizada por alunos do terceiro ano do curso de psicologia em supervisão. A entrevista com a avó materna do menino foi realizada pela supervisora responsável do serviço de triagem. Foi diagnosticado na triagem que a criança e seus familiares se beneficiariam com o trabalho clínico desenvolvido pelos alunos do quinto ano e supervisor responsável, denominado Psicoterapia Breve Infantil. O estagiário recebe então uma ficha preenchida pela triagem com dados pessoais como filiação, idade, sexo, escolarização, endereço e queixa principal. A queixa veio resumida como: comportamento agressivo em casa e na escola, mas no decorrer dos atendimentos a díade supervisora-estagiária pode observar que a queixa explicitava uma relativa ausência de expectativas primitivas ocasionada pelas privações sofridas em tenra idade. As dificuldades vivenciadas no contexto familiar não foram impeditivos para a provisão da saúde durante o breve tratamento. Samuel preenchia um requisito básico e necessário para ser beneficiado pela Psicoterapia Breve Infantil: nesse modelo de atendimento, ambos, terapeuta e paciente

6 devem concordar quanto a meta do tratamento e o paciente deverá estar motivado para mudar. Para o menino não faltaram vontade de participar, nem de explorar, de mudar e fazer sacrifícios para estabelecer relações mais produtivas e gratificantes. O adulto em miniatura foi surgindo e saindo do isolamento: brincava escondido atrás da caixa lúdica nas primeiras sessões e sempre sozinho. Esse adulto foi desaparecendo diante dos olhos da estagiária: na medida em que o menino se aproximava fisicamente ou que questionava quanto ás outras crianças atendidas pela estagiária ou ainda quando precisava ter a certeza de que a caixa lhe era exclusiva. Em uma das sessões fez um boneco com palitos de sorvete sobre o papel e o preencheu com cola: dividido entre cabeça e corpo o boneco era terrivelmente estático, sem braços, boca, olhos ou qualquer outra coisa que representasse um desejo de contato com o mundo externo. Em outro atendimento pede para jogar seu boneco no lixo junto com suas outras produções gráficas e de argila. O papel representado pelo menino não estava mais lhe servindo, suas defesas uma a uma caíram, o adulto desapareceu e surgiu o bebê sadio através do processo descrito abaixo. 3) Descrição do trabalho. Disciplina fundada por Freud, a psicanálise é considerada como um método de investigação e tratamento (Laplanche e Potalis, 1993) que re-significa as relações humanas. Freud criou um método revolucionário, a partir da experiência vivida com seus pacientes e durante o processo de tratamento se deparou com as manifestações do inconsciente alicerçando sua teoria e práxis. Sonhos, lapsos, sintomas e comportamentos estranhos ganharam status de manifestação psíquica. O paciente trazia em seu sofrimento e em sua fala algo de sua experiência de vida, ou melhor, o modo como vivencia suas relações. As psicoterapias breves psicanalíticas têm duração largamente inferior à de uma psicanálise clássica, surgiu pelo interesse do próprio Freud em tornar sua prática clínica, ainda construção, universal e adequada á realidade vivenciada. Muitos foram os autores os quais contribuíram para desenvolver teorias e técnicas de caráter breve comprometidas com a realidade brasileira. A prática tem se revelado necessária para uma ampla faixa da população que precisa encontrar soluções mais adequadas para suas situações problemas.

7 Atualmente, vem ocupando destaque como recurso utilizado com sucesso em instituições e clínicas-escolas, devido á necessidade de disponibilizar atendimento para a crescente demanda. É comum se fixar a sua duração previamente, essa limitação temporal confere à terapia uma estrutura mais definida em termos de princípio, meio e fim. O atendimento psicanalítico realizado com crianças nos faz deparar com uma questão fundamental, referente ao papel da brincadeira nas sessões analíticas. Desde Freud houveram várias alterações e complementações significativas na maneira como os estudiosos da psicanálise passaram a compreender e atuar diante das brincadeiras produzidas no setting analítico e é sobre o olhar winnicotianno que a estagiária propõe entender a dinâmica de seu paciente e lhe proporcionar mudanças significativas. O psicólogo se privilegia do espaço potencial suscitado no setting terapêutico para oportunizar ao paciente uma gradativa retomada do seu processo de desenvolvimento pessoal. A terapia reproduz as mais antigas técnicas de maternagem, convida o paciente á facilitar seus gestos e a entrar em contato com as experiências que anteriormente vivenciadas como traumáticas, podem ser atualizadas de maneiras absorvíveis e integrativas. O psicólogo serve de suporte para o restabelecimento da confiança no ambiente e seu trabalho foca o que o paciente requer, a partir das necessidades explicitadas no brincar. Em resumo o manejo ocorre centrado na permissividade, para que o paciente seja apenas o que é. Entre os estudiosos que contribuíram para o estudo e a prática da Psicoterapia Breve com Crianças, destacam-se Cramer (1974) e Palácio-Espasa (1993), os quais construíram com um referencial teórico calcado na importância da dinâmica familiar. Os sintomas e dificuldades das crianças destacadas pelos pais são entendidos sob esse prisma como resultado do interjogo de projeções, introjeções, e identificações entre os pais e a criança, que resultam numa área de conflito mútuo. O conflito surge quando a criança em processo de individuação atinge um estágio de desenvolvimento que irá de encontro com as etapas não bem resolvidas por seus pais. Em termos de manejo, consiste em um processo bastante flexível em que são atendidos as crianças e os pais, de acordo com a necessidade de cada caso e as intervenções são de certa maneira interpretativas e diretivas. A primeira fase do processo é diagnóstica e de enquadramento. A entrevista de anamnese com os pais, o contato com a criança através de material lúdico ou realização de testes psicológicos visam investigar a queixa no que se refere ao seu histórico com os

8 pais. Os pais recebem orientações quanto ao conjunto de regras que envolvem o processo (número de sessões, dias, horários, faltas, atrasos e término) e são participativos na definição do foco. A segunda fase é a terapêutica e deve ser centrada no que foi definido como foco ou trabalho dirigido para objetivos propostos. No encerramento o terapeuta se responsabiliza pela devolutiva para os pais e para a criança e são feitos os encaminhamentos quando necessários. As experiências clínicas vivenciadas com as crianças impulsionaram Winnicott (1975) para um setor mais específico da condição humana, a teoria desenvolvida pelo autor parte do princípio de que a brincadeira é primária, é a priori uma forma básica de viver, universal, própria da saúde, facilita o desenvolvimento e prepara para os relacionamentos grupais. Para ele o brincar tem sua origem no contexto da relação mãebebê e está intimamente relacionado ás etapas do desenvolvimento, o qual segue uma seqüência que se atualiza se o ambiente permitir o livre desenrolar desses processos. Inicialmente o bebê nasce indefeso, desintegrado e recebe os estímulos do meio de forma desorganizada. A mãe sensível e orientada serve de suporte nesse estágio de dependência extrema e desenvolve um estado que Winnicott (1975) denominou preocupação materna primária. Neste estado a mãe serve de instrumento para que as tendências inatas comecem a se desdobrar e o bebê começa a experimentar movimentos espontâneos. O ambiente suficientemente bom, ou a mãe suficientemente boa concretiza nesse estágio de desenvolvimento em especial, o que o bebê está pronto para encontrar. A mãe é então percebida com objeto subjetivo e possibilita a experiência de ilusão e controle onipotente, onde ele e o meio são uma coisa só. Em um segundo estágio, ocorre um interjogo entre a realidade psíquica pessoal e a experiência de controle de objetos reais onde se desenvolve um espaço potencial entre a mãe e o bebê. O bebê percebe a mãe como objeto externo nesse momento e é ai que a brincadeira se inicia. Num estágio subseqüente a criança é capaz de ficar sozinha na presença da mãe, pois acredita que quando necessitar ela estará disponível. Finalmente a criança esta preparada para que a mãe introduza seu próprio brincar. A brincadeira se dá em uma área intermediária entre a realidade externa e o mundo interno denominado espaço transicional onde os objetos e fenômenos originários da realidade externa são usados á serviço de alguma mostra derivada da realidade interna. (Winnicott, 1975). Resumidamente, é no espaço potencial que se

9 oficia a experiência de vida, é um espaço de uma atividade em constante processo e seu surgimento esta intimamente ligada à constituição do self. O ambiente não faz a criança, na melhor das hipóteses a possibilita a concretizar seu potencial, é a partir da provisão ambiental que se desenvolve a vida de fantasia da criança um mundo sentido com só seu, aonde mais tarde vai se alojar um aparelho psíquico e uma organização dos processos de pensamento. Pode ocorrer uma falha do ambiente no que se refere ás necessidades da criança e isso a obriga a reagir á essa experiência sentida como invasiva: seu desenvolvimento emocional é barrado e suas vicissitudes estarão intimamente ligadas às falhas ocorridas em determinado estágio do desenvolvimento. A experiência clínica é uma oportunidade de compreender como se deram os processos iniciais da vida humana responsável pela constituição e estabelecimento da condição de ser. É no brincar que se desvela a fragmentação da criança diante das situações ambientais adversas. Em uma visão revolucionária do estado de saúde e doença Winnicott preconiza que todos estamos imersos na patologia e na saúde ao mesmo tempo. A sujeição ao ambiente causa sofrimento e adoecimento. A avó materna de Samuel contou para a estagiária, durante a primeira entrevista vários episódios, onde o menino se descontrola em situações de frustrações Ele se atira no chão, grita, uiva, e se debate quando não deixam ele ir brincar na hora em que ele quer... tive que ir buscá-lo em uma festinha na casa de seu amiguinho porque a mãe dele me ligou dizendo que Samuel estava descontrolado... chegando lá eu o segurei em meus braços e depois de um tempo ele me disse que o amigo escolheu seis colegas para dar o pedaço de bolo e a vez dele não chegou. Disse também que o menino reclama de um amigo imaginário chamado Bruno, o qual aparece no banheiro da escola, é grande e bate muito nele, e que por muitas vezes Samuel diz querer morrer. Não soube esclarecer como foi o primeiro ano de vida e a primeira infância do menino. Relaciona os sintomas do neto aos seguintes fatos: a mãe de Samuel foi trabalhar no Japão, conheceu um nissei que também trabalhava na mesma empresa, vindo a ter um relacionamento e a engravidar. Voltou para o Brasil para ganhar o bebê e se queixou com a mãe sobre seu companheiro, dizendo que ele era agressivo, egoísta, preguiçoso e mau caráter.

10 Quando o menino completava um mês de vida o companheiro da mãe apareceu de surpresa, eles reataram e voltaram com o bebê para o Japão. Na última visita á mãe, Denise deixou o menino já com oito anos de idade sob os cuidados da tia e depois da avó para retornar para o exterior para juntar dinheiro para comprar uma casa própria. Ainda segundo a avó, a criança não tem problema de aprendizado e as reclamações por parte dos professores falam da dificuldade de Samuel em aceitar regras, manter amigos e em procurar levar alguma vantagem em tudo que faz. Outro comportamento que assusta a avó é o jeito de amar as amiguinhas da escola. Acha um sentimento exagerado e precoce por parte do menino: tem um amor louco e descontrolado quando elege uma namoradinha, manda bilhetes durante a aula e bate nos meninos que se aproxima. Pelo discurso da avó, a vida familiar de Samuel pode ter afetado sensivelmente a psique do menino: recebeu apoio egóico inadequado e patológico, apresentando patrões de comportamento semelhantes aos vivenciados (agressão, descontrole e motivações regidas mais pelo princípio do prazer). Os episódios lembram surtos psicóticos, bem como a maneira de se relacionar com os objetos, mostram uma tendência anti social. Já a partir desse recorte, a estagiária levanta a hipótese de que provavelmente a criança passou por situações no início da vida que pode ter prejudicado sua personalidade, podendo inclusive desenvolver alguma patologia que prejudique seu desenvolvimento, principalmente o social. Essas hipóteses se confirmaram na brincadeira reproduzida por Samuel no setting terapêutico. Samuel brincava na lousa da sala durante os primeiros atendimentos ao invés de optar pela caixa lúdica e escrevia várias palavras erradas e desconexas até que num dado momento forma a seguinte e única frase: A sereia feia namora com meu inimigo. A figura mitológica da sereia representa simbolicamente como se deu a maternagem: a sereia é um personagem, que segundo as estórias atrai os homens para o fundo do mar com um falso encantamento e os mata sem deixá-los retornar para a terra firme. Podemos fazer a comparação do mar que inundou o verdadeiro self da criança pela invasão da mãe representado pelo canto aonde o menino se sente preso olhando a terra firme de longe, a qual representa seu verdadeiro self.

11 Quanto ao inimigo, o menino se refere á figura introjetada do pai, o qual falhou em suprir a falta materna. Durante todo o processo, as sessões psicoterápicas seguiram caminhos intimamente ligados á história de vida da criança e a privação sofrida em tenra idade, e o foco da terapia seria fazer com que o menino entrasse em contato com seu verdadeiro self. Quando começou a brincar com a caixa lúdica escolhia os bonecos de mocinhos e bandidos, brincava sozinho e escondido, não falava nem respondia nenhum tipo de pergunta e demonstrava uma incansável agitação psicomotora. No setting terapêutico o menino encontrou na atitude da estagiária uma relação de afeto muito diferenciada da que o menino tinha tido contato até então, tudo era permitido com exceção de agressões físicas. Suas brincadeiras simbolizavam o vínculo perdido com a mãe, uma necessidade de ser tocado, tomado e contido. A regressão é um conceito que teve sua origem na psicanálise e é freqüentemente utilizado na psicologia contemporânea, é entendido como um retorno a formas anteriores do pensamento e desenvolvimento, das relações de objeto e da própria estruturação do pensamento. Regredir significa voltar para trás e Freud introduziu esse termo pela primeira vez em A Interpretação dos Sonhos (1900) para explicar como se apresentam os pensamentos e imagens que se colocam diante do sujeito que sonha. Na medida em que Freud foi avançando em sua clínica precisou retomar o conceito de regressão e acrescentou em 1914 em A interpretação dos Sonhos três diferentes sentidos de regressão (lógico, espacial e temporal). Segundo Laplanche e Pontalis (1983) a regressão é: Tópica, no sentido do esquema de aparelho psíquico : a regressão exprime a característica primordial do sonho. No estado de vigília o pensamento não tem acesso á motilidade e por isso regridem até o sistema de percepção. Na sucessão das etapas no que se refere á hierarquia das funções a memória é muito mais ampla nos sonhos, reproduzem impressões da tenra infância e trazem consigo uma herança arcaica, tendo sua fonte na pré-história da humanidade. Essa regressão é encontrada em processos patológicos, onde é menos global e não se processa até o fim (alucinação) e nos processos normais, aonde vai menos longe (memória). Formal, quando os modos de expressão e de figuração habituais são substituídos por modos primitivos : explica que em certos estados psicopatológicos a regressão que ocorre de um modo realista, na esquizofrenia, por exemplo, o sujeito se

12 comporta com um lactente e o catatônico volta ao estado fetal. É visto também na transferência, onde a regressão é interpretada pelo analista com uma reposição em jogo do que foi anteriormente inscrito. A transferência, nesse sentido, é um fragmento da repetição do que ocorreu no passado esquecido. Temporal, em que são retomadas formações psíquicas mais antigas : Freud faz a distinção da regressão em diversas linhas genéticas, sendo discrepantes e tipificadas: regressão quanto ao objeto, regressão quanto á fase libidinal e regressão na evolução do ego. Essas formações psíquicas não apenas classificam como ajudam a entender os efeitos nas atitudes e em especial no tratamento. Estas três diferenciações são em sua base apenas uma e na maioria dos casos coincidem entre si. Essas diferenciações apenas apontam para a noção de que o fenômeno da regressão não é algo maciço, estanque e limitado. Seu destino culmina no discurso do analisando e assumem forma na linguagem, adquirindo um status passível de compreensão no que se refere ao funcionamento psíquico. Ferenczi (1909) explica o fenômeno da regressão de maneira poética e didática: o adulto é aquele que só faz se repetir, por meios mais ou menos sofisticados, mudando os atores em quem cola os personagens antigos de sua pré-história (...) Arranhe o adulto e você encontrará a criança. Winnicott seguiu as tradições ferenczianas e atribuiu uma dimensão temporal na regressão. É favorecida pelo setting terapêutico e funciona como um ponto de retomada de crescimento nas estruturas onde ocorreram fraturas e o desenvolvimento de um falso self como defesa. O grau de integração psíquica atingida pela criança é algo a ser considerado como possibilidade de manejo, ou seja, o psicólogo precisa ser capaz de aceitar o estado de regressão e a dependência que ela implica, adaptando a situação em terapia de modo á responder ás reais necessidades mostradas. A regressão ganha um status diferenciado no processo de cura e pode ser relacionado ao provimento, transpondo para a situação analítica condições para que o próprio paciente se sinta seguro para seguir o curso natural de suas possibilidades de saúde. O respeito e a proteção encontrada pelo menino através da substituta da mãe, permitiram que a criança reduzisse seu nível de persecutoriedade e as defesas tão rígidas e primitivas já não eram mais necessárias:

13 Após travarem mais uma luta sanguinolenta e cruel índios, soldados e seus cavalos foram decapitados, suas vísceras extirpadas e suas entranhas perfuradas... gritos de dor e misericórdia quebravam o silêncio e a tinta vermelha espalhada pelo chão coloria ainda mais a cena... de repente algo de novo acontece... o menino deposita seus mortos na caixa lúdica, a arrasta para o lado e se deita no chão... Dois dedos separavam a estagiária de Samuel... exausto e em posição fetal o menino descansa na direção de seu útero... doze minutos de silêncio invadem a sala, ainda deitado o menino estica um dos braços para acariciar e furar com o indicador a caixa lúdica esquecida ao lado. De súbito o menino corre até a porta e pergunta: Está na hora de ir embora?. Seu pedido foi aceito e Samuel sai da sala deixando sua caixa para trás. Posteriormente a observação da situação analítica, foram levantadas hipóteses de que a mãe falhou na maternagem. A mãe não atendeu as necessidades de apoio que o menino precisava, ainda em tenra idade Samuel não pôde contar com um ambiente que propiciasse apoio adequado e é isso que ele mostra nessa sessão, ou seja, sente que esta só no mundo e esse mundo é violento, o persegue. Samuel não consegue contar com o apoio de nenhum adulto ao seu redor. O acúmulo das experiências retratadas pelo menino nas sessões lúdicas, aponta para uma falha que atrapalhara o desenvolvimento da capacidade de se relacionar e de sentir-se real. No brincar Samuel manifesta uma necessidade de quebrar e destruir todos os brinquedos, pois inconscientemente ele procura algo bom no ambiente que sente como perdido, procurando algo que valha a pena destruir mostrando os padrões de desintegração vivenciados na família. O meio ambiente criado e subjetivado pela criança transforma-se em algo suficientemente semelhante ao ambiente percebido. Essa é uma etapa especialmente delicada do desenvolvimento e de seu sucesso depende o estabelecimento da saúde. No caso de Samuel a experiência foi sentida como invasiva, e o sentido do self se perdeu, o menino organizara suas experiências sensoriais marcado por uma perda de sua auteridade. 4) Apreciação sobre o desenrolar das atividades e os desafios enfrentados. Apreciação e desafios podem ser tomados como complementares para que o estagiário esteja engajado em cumprir com seu ofício.

14 O desafio nos impulsiona para a procura de soluções e a tomada de consciência de que elas se constroem na práxis é mais do que um momento de apreciação, é algo que precisa ser disseminado. A experiência na Clínica Escola traz de maneira intrínseca um desafio histórico para a Psicologia: o tratamento aberto à comunidade oportuniza ao futuro profissional uma reflexão sobre sua importância no que se refere ao bem estar sóciopsicológico da sociedade. Somente será possível modificar o modelo classista do atendimento psicológico quando este for atuado de maneira coletiva, junto á comunidade visando proporcionar melhores condições, das quais tenha como produto final a construção de um conhecimento científico adequado á realidade atual. A maior ênfase da atuação profissional preventiva deve estar pautada sobre a população e suas dificuldades enfrentadas em seu cotidiano, e não somente sobre os indivíduos. Observar o dia a dia da comunidade como também seus reflexos nas famílias è importante para o psicólogo entender a cultura com seus costumes e suas formas de lidar com situações diárias. Atender a criança em pleno processo de desenvolvimento é transitar em dois níveis de atuação, o coletivo e o individual. A queixa trazida pelos pais demonstra um conflito social no primeiro grupo humano instituído e legitimado por toda a sociedade: a família. Durante a experiência dos estudos de casos na clínica, os estagiários tiveram que enfrentar e refletir sobre problemáticas como os efeitos da economia neo-liberal:o acesso precário aos serviços de saúde, desajustes inter e intra-familiares fomentados pela exclusão social, situações de maus-tratos, abandono, preconceito, etc. Um dos desafios enfrentados pela estagiária com o menino Samuel, foi lidar com a angústia do caráter breve da psicoterapia. Adotada como forma de atendimento pela instituição, esse tipo de intervenção objetiva se adaptar ao grande número de demanda com um atendimento de maior velocidade e sustentada na queixa inicial. O desafio estava em não atingir os núcleos psicóticos da criança para que não houvesse regressão devida á própria técnica da Psicoterapia Breve. A experiência vivida, porém, se mostrava diferente dos livros e manuais: a relação transferêncial arremessava o menino para as etapas mais anteriores de seu desenvolvimento e a cada sessão lúdica a estagiária vivenciava a prática concreta da maternagem de acordo com as necessidades da criança.

15 Sob um olhar engessado e cristalizado a terapia a priori não seria indicada para o caso da criança, entretanto foi preciso pensar no que ocorreu durante as sessões: a criança entrou em contato com sua solidão e abandono materno, situação de extrema angústia para um self infantil. Não houve tempo hábil para o menino se desembaraçar dos entraves do seu desenvolvimento sadio e em conseqüência disto não houve remissão dos sintomas a não ser por episódios curtos. O que a estagiária levanta a hipótese do que ocorreu, foi que durante algum tempo o menino pode ter experimentado a lembrança de uma mãe viva e continente em sua mente e assim entrou em contato com suas potencialidades inerentes. Os apontamentos do supervisor com relação à contratransferência e suas nuances: impressões pessoais, sentimentos suscitados, projeções em massa, reações somáticas, também nortearam experiências profundamente desafiadoras e necessárias para o entendimento de uma prática desalienada do psicólogo: saber o que do outro esta em mim. O estágio realizado na Clínica Escola aberto para toda a comunidade é em sua essência a construção de um saber histórico e coletivo compartilhado. Suscita uma compreensão do papel ativo do aluno na construção de uma psicologia que é elaborada num constante devir relacional, a qual deve resolver questões que respondam de maneira significativa nossa própria subjetividade. 5) Considerações finais. Essa experiência é denominada por Winnicott (1963) de holding. Representa um retorno á provisão num estágio em que o bebê ainda não separou o self do cuidado materno e necessitava do cuidado com essas características: a estagiária tinha diante de si um bebê que necessitava ser ninado por alguém de verdade, necessitava de um adulto previsível em seu amor, disposto apenas a aceitar para somente depois introduzir mudanças graduais. O menino foi encaminhado para terapia e a mãe e a avó participaram do programa de Plantão Psicológico oferecido pala Clínica-Escola. Samuel demonstrou ter se beneficiado com a terapia, porém foi indicado um processo psicoterápico com prazo indeterminado para que possa desenvolver suas capacidades nascentes negadas pelo ambiente. Este trabalho destaca aspectos vivenciados na prática no que se refere ao processo de ensino e aprendizado em psicologia clínica.

16 É na clínica que o estagiário fundamenta sua atitude: os casos até então encontrados dentro dos livros se apresentam diante dos olhos do aluno. O sujeito que sofre aguarda na sala de espera e oportuniza ao futuro psicólogo uma experiência enriquecedora em termos profissionais e pessoais. Freud escreveu que ele mesmo se surpreendia como seus escritos podiam ser lidos como romances.e poderiam ser tomados assim se esse estudioso não se mostrasse incansável na busca do desconhecido, do inacabado e do mutante em si mesmo e no mundo. Essa experiência pode ser tomada como uma grande estória por muitos psicólogos e não é isso o que realmente esta em jogo para a autora desse trabalho. O que ganha relevância para a autora não é a busca da verdade e sim o relato das relações oportunizadas, as quais alicerçam a teoria e a prática. No contexto clínico, o estágio é a oportunidade de se apropriar do papel de psicólogo fomentado pelo movimento dialético: a leitura constante, as discussões com o grupo, o supervisor continente e a elaboração dos relatórios se tornam rotina e instrumentos de mudança interna. E a realização desta tarefa trouxe a oportunidade de uma maior aprendizagem e porque não dizer uma comemoração em um espaço de troca e interlocuções que concretizam um continum na produção do saber psi.

17 Referências Bibliográficas: FERENCZI, S. (1909) Transferência e introjeção. Psicanálise I. FREUD, S. (1969) Formulações sobre os dois princípios do funcionamento mental. Edição Standart das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. LAPLANCHE, J e PONTALIS, T. (1997) Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes. WINNICOTT, D. W. (1975) O brincar e a realidade. Trad. J. O. A. Abreu e V. Nobre. Rio de Janeiro: Imago.. (1983) O ambienta e o processo de maturação. Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. Trad. I. C. S. Ortiz. Porto Alegre: Artmed.. (1990) Natureza humana. Trad. D. L. Bogomoletz. Rio de Janeiro: Imago.. (1999) Tudo começa em casa.trad. P. Sandler. São Paulo: Martins Fontes.. (2001) A família e o desenvolvimento individual. Trad. M. B. Cipolla. São Paulo: Martins Fontes. PINHEIRO, T. (1995) Ferenczi: do grito á palavra. Rio de Janeiro: UFRJ. ZIMERMMAN, D. E. (1999) Fundamentos psicanalíticos: Teoria, técnica e clínica - uma abordagem didática. Porto Alegre: Artmed.

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO 2012 Letícia Machado Moreira Psicóloga, em formação psicanalítica pelo IEPP leticiamachadomoreira@gmail.com Cristiane Silva Esteves Psicóloga. Especialista em

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Marien Abou Chahine 1 Resumo Este artigo é resultado da mesa do IV Congresso de Psicologia da Unifil, cujo objetivo foi explanar sobre a prática da Psicanálise com

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL 1 REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL Júlia Carolina Bosqui 1 RESUMO: Apresentam-se algumas considerações sobre a importância do brincar para o desenvolvimento infantil a partir da experiência

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

ADOÇÃO E CONSTITUIÇÃO DO SELF: A QUEM SE ADOTA? 1. Stella Maris Souza da Mota 2

ADOÇÃO E CONSTITUIÇÃO DO SELF: A QUEM SE ADOTA? 1. Stella Maris Souza da Mota 2 ADOÇÃO E CONSTITUIÇÃO DO SELF: A QUEM SE ADOTA? 1 Stella Maris Souza da Mota 2 RESUMO: O processo de adoção envolve fatores motivacionais, os quais sustentam os vínculos afetivos e definem a constituição

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Brincadeira é Jogo Sério Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Resumo A infância é fascinante, durante a vida é neste período que exteriorizamos nossos sentimentos, nossas experiências e

Leia mais

I - A evolução da Psicanálise

I - A evolução da Psicanálise Necessidades e cuidados no setting. Rosa M. C. Reis. Membro Efetivo da SPRJ - Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro FEBRAPSI Federação Brasileira de Psicanálise IPA - International Association Psychoanalytical

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Boneca Flor: atendimento psicoprofilático de grupo de gestantes

Boneca Flor: atendimento psicoprofilático de grupo de gestantes Boneca Flor: atendimento psicoprofilático de grupo de gestantes Michele Carmona Aching 1 Tereza Marques de Oliveira 2 Vivian Marques Figueira de Mello 3 A oficina Boneca Flor e uma proposta de atendimento

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade Ana Paula Pimentel 1 (paulinha_pimentel@yahoo.com.br) Andreia dos Santos Silva² (psiuerj@yahoo.com.br) Ademir Pacelli Ferreira³ (ademirpacelli@uol.com.br)

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

O PSICODIAGNÓSTICO E SUA IMPORTÂNCIA NA INICIAÇÃO CLÍNICA DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA

O PSICODIAGNÓSTICO E SUA IMPORTÂNCIA NA INICIAÇÃO CLÍNICA DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA O PSICODIAGNÓSTICO E SUA IMPORTÂNCIA NA INICIAÇÃO CLÍNICA DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA 2015 Ananda Vieira Moraes Graduanda do curso de Psicologia da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE). Bolsista de

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO BRINCAR NO COMPORTAMENTO SOCIAL DE CRIANÇAS DE 5 E 6 ANOS

A INFLUÊNCIA DO BRINCAR NO COMPORTAMENTO SOCIAL DE CRIANÇAS DE 5 E 6 ANOS A INFLUÊNCIA DO BRINCAR NO COMPORTAMENTO SOCIAL DE CRIANÇAS DE 5 E 6 ANOS Eliyara Ikehara Unisalesiano eliyara@hotmail.com Yamila do Santos Monteiro Unisalesiano yamillan@bol.com.br Orientadora: Elza Brígida

Leia mais

A AGRESSIVIDADE INFANTIL EM SALA DE AULA E A INFLUÊNCIA DOS FATORES ESCOLARES

A AGRESSIVIDADE INFANTIL EM SALA DE AULA E A INFLUÊNCIA DOS FATORES ESCOLARES 654 A AGRESSIVIDADE INFANTIL EM SALA DE AULA E A INFLUÊNCIA DOS FATORES ESCOLARES Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS. Resumo

O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS. Resumo O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS Carlos Frederico de Macedo Coelho [*] Resumo O presente trabalho tem como objetivo discutir o Acompanhamento

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais.

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. Cristianne Spirandeli Marques 1 Iralva Moreira Soares Milagre 2 Introdução Alguns autores

Leia mais

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Janaina: muitas flores, uma estória Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Fernanda de Sousa Vieira 2 Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Resumo O presente trabalho traz contribuições acerca do atendimento

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina TEORIAS E TÉCNICAS PSICOTERÁPICAS PSICODINÂMICAS Professor(es) e DRTs Fernando Genaro Junior 114071-3 Maria

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CCBS - 040 Curso: PSICOLOGIA Disciplina: Núcleo Temático: SUPERVISÃO DE ESTÁGIO ESPECÍFICO EM PSICOTERAPIA BREVE DO ADOLESCENTE I Professores: Cristine Lacet Lourdes Santina Tomazella

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS Daniel Kauffmann 1 Tereza Marques de Oliveira 2 Resumo O objetivo deste trabalho é relatar nossa experiência na clínica do social, junto

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional Sônia Izecksohn Resumo: O Centro de Convivência do NEPAD/UERJ visa a inclusão social do usuário de drogas. Por tratar-se de um espaço compartilhado,

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL

DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL Guiomar Papa de Morais 1 Breve histórico da técnica de Psicanálise Infantil: Freud desenvolveu um importante corpo teórico a partir

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

O PIBID NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PIBID NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL O PIBID NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Diana Gonçalves Figueiredo¹ Resumo:O presente trabalho apresenta o subprojeto de Pedagogia no PIBID relatando a sua importância para o processo formativo dos alunos

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO. TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADES DE DRACENA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR

ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR 699 ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR Uliane Marcelina de Freitas Almeida (Unifran) Tatiana Machiavelli Carmo Souza (Unifran) INTRODUÇÃO O seguinte estudo teve início através de um primeiro

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL. Carolina Mendes Cruz Ferreira. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima

O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL. Carolina Mendes Cruz Ferreira. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL Carolina Mendes Cruz Ferreira Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima Profa. Dra. Valéria Barbieri INTRODUÇÃO A obesidade infantil é considerada uma patologia

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

O Brincar para a Criança Hospitalizada

O Brincar para a Criança Hospitalizada Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Brincar para a Criança Hospitalizada Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos Aos nossos familiares, que revestiram nossas vidas com muito amor,

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA O LÚDICO NA RECONSTRUÇÃO AFETIVA UMA CRIANÇA HOSPITALIZADA EM UM CENTRO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Autores: Erika Pallottino - erika.pallottino@gmail.com Ana Cristina Waissmann RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 713 BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia

Leia mais

Psicopedagogia Institucional. Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br

Psicopedagogia Institucional. Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br Psicopedagogia Institucional Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br O psicopedagogo dentro da empresa atua diretamente com o interrelacionamento entre todos com o aprendizado, com o desempenho

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1]

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Teresa Pinheiro [2] Este trabalho é um desdobramento da nossa participação na pesquisa clínico-teórica, Patologias narcísicas

Leia mais

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria Thaís Augusto Gonçales Zanoni thaisagz.psi@gmail.com Psicóloga. Especialista em Saúde Mental, Psicopatologia e Psicanálise pela

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICAS INTEGRADAS (NPI) CURSO DE PSICOLOGIA SERVIÇO DE PSICOLOGIA FADERGS. Porto Alegre, 2012.

NÚCLEO DE PRÁTICAS INTEGRADAS (NPI) CURSO DE PSICOLOGIA SERVIÇO DE PSICOLOGIA FADERGS. Porto Alegre, 2012. NÚCLEO DE PRÁTICAS INTEGRADAS (NPI) CURSO DE PSICOLOGIA SERVIÇO DE PSICOLOGIA FADERGS Porto Alegre, 2012. NÚCLEO DE PRÁTICAS INTEGRADAS (NPI) CURSO DE PSICOLOGIA SERVIÇO DE PSICOLOGIA FADERGS Coordenadora

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1

Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1 Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1 O propósito desta comunicação é contribuir com alguns elementos do material clínico do atendimento terapêutico

Leia mais