A Apresentação e o Pagamento do Cheque na Lei nº 7.357/85

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Apresentação e o Pagamento do Cheque na Lei nº 7.357/85"

Transcrição

1 1 A Apresentação e o Pagamento do Cheque na Lei nº 7.357/85 Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora e Professora do Curso de Pós-Graduação da Faculdade de Direito de Itu e Professora de Direito Empresarial, Direito do Consumidor e Mediação e Arbitragem da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis de São Roque. Advogada. Resumo Objeto destas reflexões é o estudo do pagamento do cheque, que se faz mediante sua apresentação ao sacado, que será o ato preliminar e obrigatório entre as relações do portador com o Banco que deve pagá-lo, pois o estabelecimento bancário somente toma ciência da ordem quando o título lhe é exibido. Abordaremos também o não pagamento, a devolução do cheque e a insuficiência de fundos, e como conseqüência a faculdade do protesto cambiário. Abstract I object of these reflections it is the study of the payment of the check, that is made by means of its presentation to the taken out, that will be the preliminary and obligatory act among the relationships of the carrier with the Bank that should pay it, because the bank establishment only takes science of the order when the title is it exhibited. We will also approach the non payment, the refund of the check and the inadequacy of funds, and as consequence the ability of the protest cambiário. 1. Histórico O instituto do cheque é bastante antigo, cuja história se confunde com a letra de câmbio, porém bem mais recente do que a cambial. Na antiguidade, câmbio era toda permuta e principalmente a de dinheiro. Os comerciantes de praças diferentes corriam os riscos de roubo e extravio quando tinham de remeter dinheiro para realizar seus negócios, criando-se assim o sistema de troca, em que a remessa da moeda passou a ser feita sem o transporte. O devedor da quantia entregava a um depositário ou banqueiro da mesma cidade a importância para ser paga ao seu credor de outra praça. Este

2 2 depositário tinha, na cidade onde residia o credor, outro depositário, a quem ordenava, por carta, fosse feito o pagamento da importância avençada. Tal ordem escrita deu origem à letra de câmbio, podendo esse mecanismo ser considerado como verdadeiro sistema bancário em que a carta contendo a ordem, representaria o cheque. Não se pode precisar, exatamente a data em que o cheque teve origem, pois alguns autores vêem na Grécia a gênese do instituto, outros atribuem o cheque aos romanos sob a alegação de que em Roma os argentários recebiam depósitos pecuniários, efetuando pagamento por ordem do depositante. Afirmam alguns que a antiga frase de Cícero mostra que o cheque foi usado pelos romanos: Qui de CC C HS CC pressentia solverimus, relique rescribemus - Dos restantes 400 sestérios, pagos 200 à vista, mandarei pelo resto uma ordem de pagamento. Rescribere, na frase de Cícero, significa a transferência, no livro do banqueiro, da conta de um cliente para a outra, configurando-se, assim, uma ordem de pagamento, portanto, um cheque. Na Idade Média, conheceu-se, também, a ordem de pagamento ou mandato de pagamento, que era muito parecido com o cheque. Porém na atualidade, o cheque remonta aos fins da Idade Média e princípios do Renascimento, tendo como causas o progresso comercial das cidades italianas e a conseqüente expansão do serviço bancário. Os Bancos medievais lançavam em seus livros os depósitos que podiam ser movimentados pelos clientes mediante títulos emanados dos próprios estabelecimentos ou mediante ordens do depositante. Na Itália, o Banco de Santo Ambrósio, por exemplo, permitia o uso de ordens de pagamento, em contas correntes, ordens estas que configuravam um cheque. O Banco de Santo Gerígio emitia os biglietti di cartulario, que tiveram grande aceitação tanto quanto o dinheiro contado. No século XVI, os ingleses incorporaram essas ordens de pagamento à sua prática bancária e as regulamentaram com o nome de cheque. Denominação esta que parecia derivar das exchequeter bill, ou exchequeter debenturis, que os reis giravam sobre a tesouraria real. Na Inglaterra o cheque se popularizou tanto nas operações mercantis que muitos doutrinadores dizem ser nesse país o berço de tal figura. A primeira regulamentação sobre o cheque surgiu na França, com a Lei de

3 3 14 de julho de 1865, completada posteriormente pela Lei de 19 de fevereiro de 1874; porém, a procedência da primeira referência oficial do instituto, segundo alguns autores, seria o Brasil, quando o Governo aprovou o regulamento do Banco Comercial da Província da Bahia, mediante o Decreto nº 438, de 13 de novembro de 1845, que dizia: As operações do Banco serão... receber gratuitamente dinheiro de quaisquer pessoas para lhes abrir contas correntes e verificar os respectivos pagamentos e transferências por meio de cautelas contadas dos talões que devem existir no Banco, com a assinatura do proprietário na tarja, contanto que tais cautelas não sejam de quantia menor de cem cruzeiros. A partir daí temos a descrição do cheque, porém, a palavra cheque só veio aparecer em nossa legislação no ano de 1893, por meio da Lei nº 149-B : Art. 16 As disposições desta lei se aplicam aos seguintes títulos sempre que forem ao portador: a) recibos e cheques ou mandatos passados para serem pagos na mesma praça em virtude de conta corrente O Cheque no Brasil No Brasil, em 1906, coube ao Presidente Rodrigues Alves, por intermédio do Ministro da Fazenda, Leopoldo de Bulhões, a iniciativa de, confiar ao Dr. Ubaldino do Amaral, na época presidente do Banco do Brasil, a tarefa de elaborar o anteprojeto de lei sobre a regulamentação do cheque no País; no intuito de suprir lacuna de nossa legislação e atender às necessidades do comércio, dotando-o de um instrumento de maior eficácia para o desenvolvimento de suas transações, conforme Exposição de Motivos. O anteprojeto transformou-se no Decreto-lei nº 2.591, de 07 de agosto de 1912, que vigorou durante muito tempo. O Brasil adotou com reservas o Decreto nº , de 07 de janeiro de 1966, a Lei Uniforme sobre o cheque que passou a sobrepor-se ao citado Decreto-lei, segundo entendimento do Supremo Tribunal Federal em decisão prolatada em Atualmente, em nosso País, o cheque encontra-se disciplinado pela Lei nº 7.357, de 02 de setembro de 1985, que acolheu quase todos os princípios do direito chéquico uniforme. A referida lei consta de setenta e um artigos distribuídos em doze capítulos que cuidam de toda a matéria pertinente ao cheque.

4 4 3. Personagens Essenciais do Cheque No cheque a relação passa somente entre três pessoas básicas: o sacador ou emitente, o sacado e o beneficiário ou tomador, podendo ser acrescentado o endossante e o avalista. a) O sacador ou emitente - é o que ordena o pagamento, o correntista legitimado a criar o cheque por força de pacto celebrado com o Banco-sacado. É considerado sujeito ativo na relação contratual bancária, ele dá a ordem de pagamento que o Banco deve cumprir, desde que haja fundos disponíveis na sua conta corrente. Diz a Lei nº 7.357/85, em seu Art. 4º: O emitente deve ter fundos disponíveis em poder do sacado e estar autorizado a sobre eles emitir cheque, em virtude de contrato expresso ou tácito. Existe o contrato expresso, quando o acordo de vontade é explícito reduzido a termo, quer com cláusula do contrato de conta corrente, quer como pacto adjecto. Esse acordo será tácito, quando as partes não o deixam escrito em algum lugar, mas se verifica que o Banco autorizou o cliente a sacar cheques. A entrega do talonário ao cliente constitui por si só autorização para criar o título. O sacador ou emitente tanto pode ser pessoa física como pessoa jurídica. Tratando-se de pessoa física deverá ser observado o que dispõe o Código Civil e referente as pessoas jurídicas o que dispõe as normas do Direito Societário. b) O sacado - é quem recebe a ordem para efetuar o pagamento da importância consignada no cheque. Ao contrário do emitente que poderá ser qualquer pessoa, o sacado necessariamente deverá ser empresa bancária. Diz o Art. 3º: O cheque é emitido contra banco, ou instituição financeira que lhe seja equiparada, sob pena de não valer como cheque. A lei fala em Banco ou Instituição Financeira, sendo que a segunda expressão é mais abrangente, compreendendo tanto o Banco em sentido estrito (de depósito, de desconto e de pequenos empréstimos) como as outras empresas bancárias previstas em Lei, como por exemplo, as caixas econômicas. c) O beneficiário ou tomador - da mesma forma que o sacador ou emitente poderá ser pessoa física ou jurídica, não precisando sequer ter seu nome lançado no título. O sacado pode ser o beneficiário do cheque, pois nada obsta a que o

5 5 emitente dê a ordem em favor do próprio Banco onde tem a disponibilidade de fundos. Pode também o sacador ser beneficiário do cheque, se o emite em seu próprio favor, para a retirada de dinheiro da conta corrente. O sacador e o sacado podem ser a mesma pessoa, desde que o Banco emita o cheque contra sua própria tesouraria. O sacador equipara-se ao aceitante de uma letra de câmbio e contra ele se dá a ação cambiaria direta, que é executiva. O cheque admite também a intervenção de terceiros, endossante e avalista. Diz o Art. 17: O cheque pagável a pessoa nomeada, com ou sem cláusula expressa à ordem, é transmissível por via de endosso. Endosso é uma declaração lançada nas costas in dorsum do título cambial. Tecnicamente, indica dois atos jurídicos diversos: a transferência da propriedade do título e o mandato. O endosso poderá ser em branco e em preto. Endosso em branco é aquele em que se omite o nome do beneficiário, fazendo-se parecer um título ao portador, transfere-se pela tradição, sem responsabilidade do possuidor. Endosso em preto ou nominativo, ou completo, é o que lança no verso do título a fórmula da transferência, com o nome do beneficiário, data (facultativa) e assinatura do beneficiário. Diz o Art. 29: O pagamento do cheque pode ser garantido, no todo ou em parte, por aval prestado por terceiro, exceto o sacado, ou mesmo por signatário do título. Aval é derivado do francês à val, quer dizer em baixo e traduz a garantia prestada em forma cambial ao pagamento de um cheque ou, por extensão, ao título de crédito. O aval é uma obrigação autônoma e independente das outras, vincula pessoal e diretamente ao portador do cheque o seu avalista e é formal, decorrendo da simples assinatura do avalista, pouco importando a sua causa ou origem. Devemos observar que o Banco sacado não tem obrigação para com o portador do cheque, pois não está vinculado cambiariamente no título, uma vez que o não assina, mas simplesmente age como mandatário do emitente no

6 6 cumprimento da ordem. Sendo assim, não é passível de ser coagido judicial ou extrajudicialmente a pagar o montante devido, pois, sua responsabilidade é para com o emitente e deriva do contrato que este celebrou. 4. O Pagamento do Cheque e sua Apresentação O pagamento do cheque se faz mediante a apresentação ao sacado, que deverá pagar, pois o estabelecimento bancário só toma ciência da ordem quando o título lhe é exibido. A apresentação traz em si o pedido de pagamento, diz o Art. 32: O cheque é pagável à vista. Considera-se não-escrita qualquer menção em contrário. Observando o referido artigo acima transcrito, podemos dizer que o chamado cheque pré-datado não existe, pois o que temos ao pré-datarmos um cheque para uma apresentação posterior é uma prática de usos e costumes do comércio; para que assim as pessoas simplifiquem as operações de crédito com a simples apresentação de um cheque com uma data posteriormente marcada à Câmara de Compensação. O cheque é uma ordem de pagamento à vista. O cheque deve ser apresentado para pagamento na agência bancária indicada no seu anverso, que é a dependência onde o emitente tem conta para fins de emissão chéquica. A apresentação pode ser pessoal ou por intermédio da rede bancária, sendo que no primeiro caso, o portador legitimado dirige-se à agência bancária indicada no título, que é aquela onde o emitente tem sua conta corrente para fins de emissão de cheque e onde estão depositadas as suas assinaturas. No segundo caso, basta depositar o cheque em conta corrente de banco a sua escolha, e o pagamento far-se-á pela Câmara de compensação. Em qualquer hipótese o apresentante sujeita-se a um prazo breve, pois diz o Art. 33: O cheque deve ser apresentado para pagamento, a contar do dia da emissão, no prazo de 30 (trinta) dias, quando emitido no lugar onde houver de ser pago; e de 60 (sessenta) dias, quando emitido em outro lugar do País ou exterior. Justifica-se a brevidade do prazo, pelo fato de ser o cheque instrumento de pagamento e, portanto, possuir uma vida curta, pois torna-se desnecessário obrigar o correntista emitente a manter provisão de fundos em poder do sacado por um período muito longo. Findo o prazo de apresentação, pode o emitente revogar o cheque mediante contra-ordem, onde o cheque então não será mais

7 7 pago. Diz o Art. 35: O emitente do cheque pagável no Brasil pode revogá-lo, mercê de contra-ordem dada por aviso epistolar, ou por via judicial ou extrajudicial, com as razões motivadoras do ato. Parágrafo único - A revogação ou contra-ordem só produz efeito depois de expirado o prazo de apresentação e, não sendo promovida, pode o sacado pagar o cheque até que decorra o prazo de prescrição, nos termos do Art. 59 desta Lei. Porém, apesar de decorrido o prazo de apresentação, deverá o Banco, se não houver contra-ordem nem oposição, e a conta corrente tiver fundos, pagar o cheque até a data da prescrição. A prescrição diz respeito à ação de cobrança executiva do cheque, o seu prazo é de 06 (seis) meses, contados da expiração do prazo de apresentação, conforme mencionado no Art. 59: Prescreve em 06 (seis) meses, contados da expiração do prazo de apresentação, a ação que o Art. 47 desta Lei assegura ao portador. O emitente, ao lançar em circulação o cheque, obriga-se a possuir fundos suficientes para saldá-lo e a mantê-los em sua conta corrente durante o prazo destinado à apresentação. Esta obrigação não cessa, mesmo decorrido este tempo, motivo pelo qual o emissor fica adstrito a possuir a disponibilidade em moeda até a data da prescrição, ou seja, enquanto o cheque mantém íntegras as suas características jurídicas. O cheque estando prescrito deixa de valer como título de crédito cambiariforme, passando a ser apenas documento comprobatório de dívida do emitente para com o portador legitimado, o qual, se desejar cobrá-lo judicialmente deverá valer-se da via ordinária ou do procedimento monitório, provando o negócio que deu caução ao cheque. Este valerá apenas como início de prova, porque depois da prescrição, sua literalidade e abstração desaparecem. 5. A Obrigação do Banco na Apresentação do Cheque Quando o título é apresentado ao Banco surge a obrigação de pagar, que é de natureza extracambiária, pois não deriva do cheque propriamente, mas do contrato de conta corrente celebrado com o sacador. O descumprimento da obrigação contratual torna o Banco responsável por danos que cause ao emitente correntista. Caso o Banco não possa honrar o pagamento no dia em que o

8 8 cheque lhe é apresentado, pode valer-se da marcação, porém com o consentimento do apresentante. O Banco, antes de efetuar o pagamento, deverá averiguar a existência de fundos na conta do sacador, se o título é autêntico, se o apresentante é realmente o beneficiário, bem como, examinar também a regularidade dos endossos, quando houver mais de uma transferência, sendo que esta mesma obrigação será também do Banco apresentante do cheque à Câmara de compensação. Diz o Art. 39: O sacado que paga cheque à ordem é obrigado a verificar a regularidade da série de endossos, mas não a autenticidade das assinaturas dos endossantes. A mesma obrigação incumbe ao Banco apresentante do cheque a Câmara de compensação. O Banco deve ser rigoroso no exame do cheque, pois responde civilmente pelo pagamento do cheque falso, falsificado ou alterado, conforme dispõe o parágrafo único do Art. 39: Ressalvada a responsabilidade do apresentante, no caso da parte final deste artigo, o Banco sacado responde pelo pagamento do cheque falso, falsificado ou alterado, salvo dolo ou culpa do correntista, do endossante ou do beneficiário, dos quais poderá o sacado, no todo ou em parte, reaver o que pagou. Estando o cheque em ordem, o Banco deve pagá-lo, convertendo-o em dinheiro. 6. A Prova do Pagamento do Cheque pelo Banco Ao efetuar o pagamento de um cheque, o Banco deveria devolvê-lo ao correntista emitente para fins de controle e prova de pagamento, mas isto não ocorre na prática. Diz o Art. 68: Os Bancos e casas bancárias poderão fazer prova aos seus depositantes dos cheques por estes sacados, mediante apresentação de cópia fotográfica ou microfotográfica. Portanto o estabelecimento bancário não precisa enviar os cheques ao correntista para provar a movimentação da conta, o que deverá enviar periodicamente serão os extratos de conta que reproduzem graficamente os ingressos e as retiradas. Se o cliente solicitar, o Banco poderá, fazer prova dos pagamentos efetuados através de cópia fotográfica ou microfotográfica dos títulos pagos, conforme dispõe o referido artigo acima transcrito.

9 9 7. A Apresentação Simultânea dos Cheques e a Insuficiência de Fundos O pagamento dos cheques deverá ser feito na medida em que forem sendo apresentados ao sacado. Diz o Art. 40: O pagamento se fará à medida em que forem apresentados os cheques e se dois ou mais forem apresentados simultaneamente, sem que os fundos disponíveis bastem para o pagamento de todos, terão preferência os de emissão mais antiga e, se da mesma data, os de número inferior. Se forem apresentados dois ou mais cheques simultaneamente, e o emitente não tiver fundos disponíveis em sua conta corrente, que bastem para o pagamento de todos, o Banco deverá pagar o de emissão mais antiga, e se forem da mesma data, os que tiverem número inferior, presumindo-se que tenham sido emitidos com anterioridade. 8. Cheque em Moeda Estrangeira O Cheque emitido em moeda estrangeira em outro País, para pagamento no Brasil, deverá ser pago pelo Banco sacado, no prazo da apresentação, em moeda nacional conforme o câmbio do dia do pagamento. Se o Banco não pagar o cheque, na sua apresentação, dará o direito ao portador de optar entre o câmbio do dia da apresentação e o do dia do pagamento, para fins de conversão em moeda nacional, conforme o Art. 42: O cheque em moeda estrangeira é pago, no prazo de apresentação, em moeda nacional ao câmbio do dia do pagamento, obedecida a legislação especial. Parágrafo único Se o cheque não for pago no ato da apresentação, pode o portador optar entre o câmbio do dia da apresentação e o do dia do pagamento para efeito de conversão em moeda nacional. 9. Morte ou Incapacidade do Emitente Após a emissão do cheque, pode ocorrer que o correntista venha a morrer ou tornar-se incapaz, porém o título não perderá o seu efeito, pois, o portador legitimado terá o direito de exigir o pagamento do cheque, e o banco sacado não poderá negar-se a fazê-lo durante o período da apresentação, desde que verificada a regularidade da emissão. Diz o Art. 37: A morte do emitente ou sua incapacidade superveniente à

10 10 emissão não invalidam os efeitos do cheque. 10. O não Pagamento do Cheque pelo Banco e sua Devolução O banco pode deixar de pagar o cheque por insuficiência de fundos, por irregularidade formal do título, por desconformidade da assinatura do emitente e por contra-ordem ou oposição. Nestes casos deverá devolvê-lo ao apresentante, declarando no verso o motivo do não pagamento. Declaração esta, que deverá ser escrita e datada no próprio cheque, com a indicação do dia de apresentação, constituindo prova da recusa de pagamento. É muito importante a declaração do não pagamento, pois, nos termos da lei atual do cheque, isto fará as vezes do protesto cambiário, podendo o portador promover a execução contra os endossantes do cheque e seus avalistas, e ainda, o portador que não apresentar o cheque em tempo, ou não comprovar a recusa de pagamento pela declaração ou pelo protesto, irá perder o direito de execução contra o emitente, se este tinha fundos disponíveis durante o prazo de apresentação e os deixou de ter, em razão de fato que não lhe seja imputável, conforme o Art. 47, II, 3º - O portador que não apresentar o cheque em tempo hábil, ou não comprovar a recusa de pagamento pela forma indicada neste artigo, perde o direito de execução contra o emitente, se este tinha fundos disponíveis durante o prazo de apresentação e os deixou de ter, em razão de fato que não lhe seja imputável. 11. Falta de Provisão de Fundos Quando o cheque é devolvido por insuficiência de fundos, uma das hipóteses mais freqüentes de falta de pagamento poderá ser, reapresentado 02 (dois) dias após a apresentação, e, se por ocasião da apresentação, a conta continuar sem fundos disponíveis, irá caracterizar-se o mau uso do cheque, acarretando graves conseqüências ao emitente. Anteriormente, tínhamos a Circular nº 162, de 26 de agosto de 1971, do Banco Central, que determinava o encerramento da conta corrente quando o seu titular fizesse uso indevido do cheque, caracterizando-se pela segunda apresentação do cheque, feita após o mínimo de dois dias úteis da primeira apresentação, sem que a conta tivesse fundos disponíveis e suficientes para o pagamento do cheque.

11 11 Hoje, temos a matéria disciplinada pela Resolução nº 1.631, de 24 de agosto de 1989, do Banco Central, que prevê o Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos, no qual deve ser incluído o nome dos correntistas que façam mau uso do cheque, conforme o Art. 4º da referida Resolução: Fica a critério de cada estabelecimento a abertura, manutenção ou encerramento de conta de depósitos à vista cujo titular figure ou tenha figurado no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF), observando-se as disposições do Art. 2º, podendo o Banco Central do Brasil determinar o seu encerramento. Diz o Art. 2º: No fornecimento de talonários de cheque, deve-se observar: a) é vedada a entrega se o correntista ou o seu procurador figurar no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF) de que trata o Capítulo III deste Regulamento ou quando tiverem restrição cadastral; b) o primeiro talonário somente poderá ser entregue mediante expressa autorização da administração da agência. Para que o correntista tenha uma boa reputação perante o Banco, sem dúvida, a sua principal obrigação será a de manter fundos suficientes em sua conta corrente para que o sacado acolha as ordens de pagamento que lhe são dirigidas. Quando o correntista emitir cheques sem fundos, ele não só irá constituir uma violação ao contrato da conta corrente bancária, além de crime; como também irá colocar em risco a credibilidade do instituto e do estabelecimento de crédito contra o qual é sacado, comprometendo ainda todo o sistema bancário, daí, termos a intervenção do Banco Central com normas específicas, visando a evitar o mau uso do cheque. O beneficiário que tiver o cheque devolvido, após a apresentação, por falta de fundos, terá o direito de obter do Banco sacado, as informações necessárias à identificação e localização do emitente, tais como: nome completo, número registro geral, endereço residencial e comercial, conforme o Art. 24 da Resolução nº 1.631/89: O Banco sacado é obrigado a fornecer ao portador do cheque devolvido por falta de fundos todas as informações que permitam a identificação e a localização do emitente. 12. O Protesto Cambiário Quando ocorrer o não pagamento do cheque, terá o beneficiário o direito

12 12 ao protesto cambiário, típico dos títulos de crédito como a letra de câmbio, a nota promissória e a duplicata. Protesto deriva do latim protestare que significa, declarar alto e em bom som, afirmar, é a apresentação pública do título do devedor para pagamento. Segundo a Lei nº 9.492, de 10 de setembro de 1997, em seu Art. 1º Protesto é o ato formal e solene pelo qual se prova a inadimplência e o descumprimento de obrigação originada em títulos e outros documentos de dívida. Quando um título não é pago na data prevista, o credor pode exigi-lo publicamente, através do Cartório de Protesto de Título, no primeiro dia útil posterior ao do vencimento. Dá-se a falta de pagamento, quando o sacado a quem o título deve ser apresentado, não é encontrado ou se a ele apresentado, não o pagar, sem recusa formal. Dá-se a recusa de pagamento se o título, uma vez apresentado por portador legitimado, não é solvido, com negativa formal do sacado legítimo. Para o cheque prevalecem ambas as situações relacionadas. O protesto é um ato público e solene e serve para demonstrar de maneira inequívoca que o título foi apresentado em tempo oportuno e o sacado deixou de convertê-lo em dinheiro, tendo, ainda, que salvaguardar os direitos cambiários emergentes do documento. Devemos ressaltar que o protesto é facultativo para fins de execução judicial do cheque, conforme dispõe o 1º do Art. 47: Qualquer das declarações previstas neste artigo dispensa o protesto e produz os efeitos deste. Porém, como é grande a publicidade de um protesto, será um excelente meio de compelir o devedor a saldar o débito, pois o cheque protestado pode implicar restrição ao crédito do emitente na praça, pois os serviços de proteção ao crédito e as agências de informações costumam anotar em seus arquivos; hoje em dia todos os protestos que se realizam foram substituídos por sofisticados computadores. 13. Lugar e Tempo do Protesto O protesto se faz no Cartório de Protesto de Títulos, no lugar do pagamento ou do domicílio do emitente, porém antes de expirado o prazo para a apresentação do cheque. Se a apresentação ocorrer no último dia do prazo, o

13 13 protesto será feito no primeiro dia útil subseqüente. Diz o Art. 48: O protesto ou as declarações do artigo anterior devem fazerse no lugar de pagamento ou do domicílio do emitente, antes da expiração do prazo de apresentação. Se esta ocorrer no último dia do prazo, o protesto ou as declarações podem fazer-se no primeiro dia útil seguinte. A Lei nº 9.492/97, em seu Art. 6º, também refere-se ao lugar do protesto: Tratando-se de cheque, poderá o protesto ser lavrado no lugar do pagamento ou do domicílio do emitente, devendo do referido cheque constar a prova de apresentação ao Banco sacado, salvo se o protesto tenha por fim instruir medidas pleiteadas contra o estabelecimento de crédito. Ao receber um cheque para protesto, o oficial do cartório deverá observar as seguintes regras: a) a entrega do cheque para protesto deverá ser prenotada em livro especial e o protesto tirado (realizado) no prazo de 03 (três) dias úteis a contar do recebimento do título; b) antes de concluir-se o protesto, deverá intimar o emitente e seus coobrigados, que poderão efetuar o pagamento no cartório, evitando assim o protesto, ou então, justificando o não pagamento; c) não pago, o cheque será então protestado, lavrando-se em livro especial e expedindo-se ao portador o documento comprobatório do ato, chamado instrumento de protesto, que deverá ser datado e assinado pelo oficial público. O instrumento de protesto deverá conter: a) a transcrição literal do cheque, com todas as declarações nele inseridas, na ordem em que se acham lançadas; b) a certidão da intimação do emitente, de seu mandatário especial ou representante legal, e as demais pessoas obrigadas no cheque; c) as respostas dadas pelos intimados ou a declaração da falta de resposta; d) a certidão de não haverem sido encontradas ou de serem desconhecidos o emitente ou os outros obrigados, realizada a intimação, nesse caso, pela imprensa. Depois de registrado em livro próprio, o instrumento de protesto será entregue ao portador legitimado ou a pessoa autorizada para retirá-lo. Se o cheque for pago após o protesto, este poderá ser cancelado mediante a apresentação de cópia autenticada da quitação, segundo Art. 48, 4º: Pago o cheque depois do protesto, pode este ser cancelado, a pedido de qualquer interessado, mediante arquivamento de cópia autenticada da quitação que contenha perfeita identificação do título.

14 14 Referências Bibliográficas ALMEIDA, Amador Paes de. Teoria e prática dos títulos de crédito. São Paulo: Saraiva, ASCARELLI, Túllio. Teoria geral dos títulos de crédito. São Paulo: Saraiva, ASQUINI, Alberto. Titoli de crédito. Pádua: Casa Editrice. Dott Antonio Milani BARRETO, Lauro Muniz. Direito bancário. São Paulo: Leud, BORGES, Eunápio João. Títulos de crédito. Rio de Janeiro: Forense, COELHO, Fabio Ulhoa. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva, CUNHA PEIXOTO, Carlos Fulgêncio da. O cheque. Rio de Janeiro: Forense, FERREIRA, Waldemar. Tratado de direito comercial. São Paulo: Saraiva, FERRI, Giuseppe. I tituli di crédito, Turim, MARTINS, Fran. Títulos de crédito. Rio de Janeiro: Forense, MESSINEO, Francesco. I titoli di credito. Pádua, MIRANDA, Maria Bernadete. Curso teórico e prático dos títulos de crédito. Rio de Janeiro: Forense, MOLLE, Giacomo. Manuale di diritto bancario. Milano: Giuffrè, REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva, SANTOS, Teófilo de Azevedo. Manual dos títulos de crédito. Rio de Janeiro: Pallas, TEIXEIRA, Egberto Lacerda. Do cheque no direito comparado interamericano. São Paulo: Saraiva, VILLEGAS, G.C. La cuenta corriente bancaria y el cheque. Buenos Aires: Depalma, WHITAKER, José Maria. Letra de câmbio. São Paulo: Saraiva, 1943.

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Cheque e Duplicata Crédito ETIMOLOGIA E SEMÂNTICA A palavra crédito é derivada do latim "Creditum", Credere que significa, coisa emprestada, empréstimo, dívida, depositar confiança em, confiar em, dar

Leia mais

Cheque Aulas 22 a 24

Cheque Aulas 22 a 24 Cheque Aulas 22 a 24 1. NORMATIZAÇÃO: Lei 7.357/85 que absorveu as regras contidas na Lei Uniforme sobre Cheques. Resoluções do Banco Central do Brasil, tomadas por deliberação do Conselho Monetário Nacional,

Leia mais

CHEQUE CARACTERÍSTICA

CHEQUE CARACTERÍSTICA CHEQUE LEI 7357/1985 CONCEITO: Cheque é uma ordem de pagamento à vista, sacada contra um banco e com base em suficiente provisão de fundos depositados pelo sacador em mãos do sacado ou decorrente de contrato

Leia mais

I - a denominação "cheque'' inscrita no contexto do título e expressa na língua em que este é redigido;

I - a denominação cheque'' inscrita no contexto do título e expressa na língua em que este é redigido; Lei do Cheque - Lei 7357/85 (02/09/85) Dispõe sobre o cheque e dá outras providências. CAPÍTULO I - DA EMISSÃO E DA FORMA DO CHEQUE Art. 1º. O cheque contém: I - a denominação "cheque'' inscrita no contexto

Leia mais

IMPEDIMENTO AO PAGAMENTO

IMPEDIMENTO AO PAGAMENTO MOTIVOS DE DEVOLUÇÃO DE CHEQUES CHEQUES EM PROVISÃO DE FUNDOS MOT DESCRIÇÃO OBSERVAÇÕES 11 Cheque sem fundos 1º apresentação. 12 Cheque sem fundos 2º reapresentação. 13 Conta encerrada. 14 Prática espúria.

Leia mais

AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO 1 AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO Atualmente, existem cerca de 40 títulos de crédito em circulação no país. Os mais conhecidos são a nota promissória, cheque e duplicata. NOTA PROMISSÓRIA

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito 1) São exemplos de títulos de crédito, exceto: a) Cheque b) Testamento c) Duplicata d) Nota promissória 2) São características de títulos de crédito, exceto: a) Documentalidade b) Força executiva c) Autonomia

Leia mais

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei.

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei. Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 27 DIREITO CAMBIÁRIO Títulos de Crédito São documentos representativos de obrigações pecuniárias, deve ser escrito, assinado

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 A CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA JURÍDICA 1.1 AS ORDENS DE PAGAMENTO Há títulos de crédito que estão estruturados na forma de ordens de pagamento.

Leia mais

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA 1 INTRODUÇÃO No estudo da matéria títulos de crédito, torna-se imprescindível a análise daqueles elementos que, não obstante não fazerem parte da essência

Leia mais

Cheque. 1) Informações Gerais. Roteiro da Aula. Informações Gerais. Informações Gerais. Informações Gerais

Cheque. 1) Informações Gerais. Roteiro da Aula. Informações Gerais. Informações Gerais. Informações Gerais Professor Luiz Antonio de Carvalho Cheque lac.consultoria@gmail.com Roteiro da Aula 1) Informações Gerais; 2) Requisitos essenciais; 3) Endosso; 4) Cruzamento; 5) Compensação; 6) CCF; 7) Outros. 1 2 Informações

Leia mais

NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO CONCEITO Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br MSN: armindocastro1@hotmail.com Homepage: www.armindo.com.br Cel: 8405-7311 A nota promissória é promessa de pagamento, isto é, compromisso

Leia mais

Exigibilidade. Introdução

Exigibilidade. Introdução 1 Exigibilidade Introdução 1. Considerações: Os devedores de um título de crédito são de duas categorias: o chamado devedor principal, que, na letra de câmbio, é o aceitante, e os coobrigados, que, nesta

Leia mais

Os principais motivos que levam o banco sacado a devolver o cheque são:

Os principais motivos que levam o banco sacado a devolver o cheque são: AUTORIZAÇÃO DE COMPRA TERCEIROS E MENORES Pelo presente termo, eu, portador do CPF., abaixo assinado autorizo às pessoas abaixo identificadas a adquirirem bens e produtos em meu nome, reconhecendo como

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição.

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição. TARIFAS BANCÁRIAS A utilização de bancos é praticamente indispensável aos cidadãos. Contas e impostos, salários e seguros-desemprego são exemplos de transferência de dinheiro normalmente intermediada por

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

PROTESTO DE TÍTULOS. Deverão ser observados os prazos prescricionais, de acordo com legislação vigente.

PROTESTO DE TÍTULOS. Deverão ser observados os prazos prescricionais, de acordo com legislação vigente. 2 PROTESTO DE TÍTULOS O protesto de títulos pode ser lavrado por falta de aceite, de devolução de duplicatas, por falta de pagamento em seu vencimento, para garantia do direito regressivo contra endossantes

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O USO DE CHEQUES

INFORMAÇÕES SOBRE O USO DE CHEQUES INFORMAÇÕES SOBRE O USO DE CHEQUES O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser compensado

Leia mais

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : DUPLICATA Material de apoio para a disciplina Direito Empresarial Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com base nas

Leia mais

LEI UNIFORME RELATIVA AO CHEQUE

LEI UNIFORME RELATIVA AO CHEQUE LEI UNIFORME RELATIVA AO CHEQUE CAPÍTULO I - DA EMISSÃO E FORMA DO CHEQUE Artigo 1º - Requisitos do cheque O cheque contém: 1º A palavra "cheque" inserta no próprio texto do título e expressa na língua

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004.

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. 1 REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. Lécio Goulart Costa * Acadêmico do curso de Direito Contabilista Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos gerais da CCB

Leia mais

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : NOTA PROMISSÓRIA Material de apoio para a disciplina Direito de Empresa Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com

Leia mais

LEI Nº 9.492, DE 10 DE SETEMBRO DE 1997. Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I. Da Competência e das Atribuições

LEI Nº 9.492, DE 10 DE SETEMBRO DE 1997. Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I. Da Competência e das Atribuições O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.492, DE 10 DE SETEMBRO DE 1997. Define competência, regulamenta os serviços concernentes ao protesto de títulos e outros documentos de dívida e dá outras providências.

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO:

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO: TÍTULOS DE CRÉDITO: CRÉDITO = alargamento da troca. Venda a prazo Empréstimo Documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado.(vivante) joao@joaopereira.com.br TÍTULO

Leia mais

03/04/2012. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com. 5.1) Legislação aplicável e Conceito. 5.2) Pressupostos para sua emissão

03/04/2012. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com. 5.1) Legislação aplicável e Conceito. 5.2) Pressupostos para sua emissão 5.1) Legislação aplicável e Conceito Legislação aplicável: Lei 7.357, de 2.09.1985 (Lei do cheque) 5.1) Legislação aplicável e Conceito 5.2) Pressupostos para sua emissão 5.3) Transmissão do cheque: endosso

Leia mais

DIREITO COMERCIAL NOTA PROMISSÓRIA, CHEQUE E DUPLICATA

DIREITO COMERCIAL NOTA PROMISSÓRIA, CHEQUE E DUPLICATA DIREITO COMERCIAL NOTA PROMISSÓRIA, CHEQUE E DUPLICATA 1. Títulos de créditos...1 2. Nota Promissória...1 2.1 Requisitos...1 2.2 Pagamento...2 2.3 Protesto...2 2.4 Prazos para ação cambial...2 3. Cheque...3

Leia mais

LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. Capítulo I - DA FATURA E DA DUPLICATA

LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. Capítulo I - DA FATURA E DA DUPLICATA LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Capítulo

Leia mais

DUPLICATA XII. 1. Origem:

DUPLICATA XII. 1. Origem: DUPLICATA XII 1. Origem: - A duplicata constitui um título de crédito que tem origem no Direito brasileiro, e mais especificamente no Código Comercial de 1850, o qual determinava aos comerciantes atacadistas

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 1201. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005.

CARTA-CIRCULAR N 1201. Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005. CARTA-CIRCULAR N 1201 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 3.173, de 28/02/2005. Comunicamos que, visando ao aperfeiçoamento das normas que regem o Serviço de Compensação de Cheques e Outros

Leia mais

O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil

O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil 1 O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora

Leia mais

Chec NEGATIVAÇÃO Serviço de registro de inadimplentes Manual de Uso e Aplicação

Chec NEGATIVAÇÃO Serviço de registro de inadimplentes Manual de Uso e Aplicação ACESSO AO SISTEMA DE Para ter acesso a área de negativação SRI (Serviço de Registro de Inadimplente), acesse o site www.checkok.com.br. Insira o seu código administrativo no campo de ACESSO EXCLUSIVO A

Leia mais

CHEQUE. Exemplo para fins didáticos, sem valor! AULA Nº 2. 3) o sacado, que é o banco em que está depositado o dinheiro do emitente.

CHEQUE. Exemplo para fins didáticos, sem valor! AULA Nº 2. 3) o sacado, que é o banco em que está depositado o dinheiro do emitente. AULA Nº 2 CHEQUE Exemplo para fins didáticos, sem valor! Características do cheque O cheque é uma ordem de pagamento a vista, devendo ser pago no momento de sua apresentação ao banco sacado, descontando-se

Leia mais

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII ÍNDICE SISTEMÁTICO OBRAS DO AUTOR... XV NOTA EXPLICATIVA... XVII CAPÍTULO I TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1. A regulamentação dos títulos de crédito pelo Código Civil e por leis especiais 2. Aplicação

Leia mais

DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS

DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS Dados importantes na FICHA CADASTRAL Nome completo, sem abreviatura Data de nascimento Filiação (mesmo que falecidos) CPF/RG Nome do cônjuge Endereço/Tempo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD;

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD; RESOLUÇÃO Nº 2.747 Altera normas relativas à abertura e ao encerramento de contas de depósitos, a tarifas de serviços e ao cheque. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31

Leia mais

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO 12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO A duplicata mercantil é um documento criado pelo legislador brasileiro. O Código Comercial, embora revogado, previa, em seu art. 219, que nas vendas por atacado, o vendedor

Leia mais

É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas:

É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas: TÍTULOS DE CRÉDITO LETRA DE CÂMBIO É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas: a) Sacador quem emite a ordem; b) Sacado

Leia mais

Sumário. xiii. Olho_Willy_Titulos de Creditos.pmd 13

Sumário. xiii. Olho_Willy_Titulos de Creditos.pmd 13 Sumário INTRODUÇÃO TÍTULOS DE CRÉDITO: SUA HISTÓRIA... 1 1. Origem remota... 3 2. Letra de câmbio na antiguidade... 4 3. Origem lógica... 6 4. Período italiano instrumento de troca... 9 5. Período francês

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais da Disciplina

Leia mais

CLÁUSULAS E CONDIÇÕES DE ABERTURA DE CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA JURÍDICA

CLÁUSULAS E CONDIÇÕES DE ABERTURA DE CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA JURÍDICA CLÁUSULAS E CONDIÇÕES DE ABERTURA DE CONTA DE DEPÓSITOS PESSOA JURÍDICA BANCO DAYCOVAL S/A, com sede em São Paulo/SP, na Avenida Paulista nº 1.793, inscrito no CNPJ sob nº 62.232.889/0001-90, doravante

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Estudo das garantias nos contratos mercantis internacionais Vanessa Rugai* Por várias razões, nem sempre os compradores conseguem crédito junto aos seus fornecedores. Uma forma de

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

Cobrança Itaú. Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos.

Cobrança Itaú. Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos. Cobrança Itaú Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos. Para garantir uma gestão de Cobrança ainda mais eficiente, é preciso que você saiba como funciona o serviço de protesto de títulos

Leia mais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Excertos do Código Comercial Carta de Lei de 28 de junho de 1888 Livro Segundo Dos Contratos Especiais de Comércio TÍTULO I Disposições gerais Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Os

Leia mais

DICAS PARA EMPRESÁRIOS - LOJISTAS / CREDIARISTAS ÍNDICE

DICAS PARA EMPRESÁRIOS - LOJISTAS / CREDIARISTAS ÍNDICE ÍNDICE CONTEÚDO PÁGINA INTRODUÇÕES GERAIS 2 1 MOTIVOS PARA DEVOLUÇÃO DE CHEQUES 3 2 O QUE FAZER COM CHEQUES DEVOLVIDOS 5 3 DIZERES SUGERIDOS PARA CARIMBO AO VERSO DO CHEQUE 7 4 SUGESTÕES MODELOS 8 5 COMO

Leia mais

DIREITO CAMBIAL ou DIREITO CAMBIÁRIO ou TÍTULOS DE CRÉDITO

DIREITO CAMBIAL ou DIREITO CAMBIÁRIO ou TÍTULOS DE CRÉDITO 1 UFF MACAÉ (MDI) PROF. SÔNIA BARROSO DIREITO CAMBIAL ou DIREITO CAMBIÁRIO ou TÍTULOS DE CRÉDITO APRESENTAÇÃO: EMENTA: Títulos de crédito (Noções Gerais, Nota Promissória, Letra de Câmbio, Duplicata e

Leia mais

Certificado de Depósito Bancário Riscos e Vantagens para o Investidor

Certificado de Depósito Bancário Riscos e Vantagens para o Investidor Certificado de Depósito Bancário Riscos e Vantagens para o Investidor Maria Bernadete Miranda 1 Sumário: 1. Disposições Gerais. 2. Forma e Endosso do Certificado de Depósito Bancário. 3. Espécies de Certificado

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

REGULAMENTO DE ABERTURA, MOVIMENTAÇÃO E ENCERRAMENTO DE CONTA CORRENTE

REGULAMENTO DE ABERTURA, MOVIMENTAÇÃO E ENCERRAMENTO DE CONTA CORRENTE REGULAMENTO DE ABERTURA, MOVIMENTAÇÃO E ENCERRAMENTO DE CONTA CORRENTE Registrado no 3 Oficial de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica SP, sob o n 8700403 em 15 de janeiro de 2009

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I Da Fatura e da Duplicata

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I Da Fatura e da Duplicata LEI Nº 5.474, DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sôbre as Duplicatas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial. 1. Títulos de Crédito:

PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial. 1. Títulos de Crédito: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial 1. Títulos de Crédito: Critérios de Classificação: Estrutura: - sacador = dá a ordem, emite o título; - sacado = destinatário

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br

MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br ÍNDICE 1 WEBNET 2.0... 4 2 ACESSO WEBNET 2.0... 4 2.1 ALTERAÇÃO DE SENHA DO USUÁRIO... 5 3.1 REGISTRO NORMAL

Leia mais

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual Novo Código Comercial Livro III Das obrigações dos empresários Cibele Frandulic Shimono Guilherme Setoguti J. Pereira Luiz Rafael de Vargas Maluf Rafael Villac Vicente de Carvalho 22 de novembro de 2011

Leia mais

1. TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

1. TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1. TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO Conceito: Título de crédito é o documento literal e autônomo que representa a obrigação nele contida Características: Titulo de crédito só representa obrigação creditícia

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Turma DIREITO Nome da Disciplina / Curso DIREITO COMERCIAL II D- 32DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/01) D- 27 DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/02)

Leia mais

Circular nº 559, de 29 de julho de 1980

Circular nº 559, de 29 de julho de 1980 1 CIRCULAR Nº 559 Aos Estabelecimentos Bancários, Caixas Econômicas e Cooperativas de Crédito participantes do Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. Comunicamos que a Diretoria deste Banco

Leia mais

Títulos de crédito. Letra

Títulos de crédito. Letra Títulos de crédito Letras, livranças e cheques são títulos de crédito, ou seja, documentos representativos de um crédito que alguém tem sobre outrem. Esse título pode ser transmitido, passando o credor

Leia mais

LEI UNIFORME RELATIVA ÀS LETRAS E LIVRANÇAS

LEI UNIFORME RELATIVA ÀS LETRAS E LIVRANÇAS LEI UNIFORME RELATIVA ÀS LETRAS E LIVRANÇAS DL 26 556, de 30 de Abril de 1936 (Actualizado Artº 48º (Juros) até 2003-03-27) TÍTULO I - DAS LETRAS CAPÍTULO I - EMISSÃO E FORMA DA LETRA Artigo 1.º A letra

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS. Meios de Pagamento utilizados no Comércio Internacional

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

Define competência, regulamenta os serviços concernentes ao protesto de títulos e outros documentos de dívida e dá outras providências.

Define competência, regulamenta os serviços concernentes ao protesto de títulos e outros documentos de dívida e dá outras providências. Protesto de Títulos O protesto do título pode ser lavrado por falta de aceite, por devolução de duplicatas, por falta de pagamento em seu vencimento, para garantia do direito de regressivo contra endossantes

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO CARTÃO PRÉ-PAGO AVISTA MASTERCARD PAG

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO CARTÃO PRÉ-PAGO AVISTA MASTERCARD PAG TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO CARTÃO PRÉ-PAGO AVISTA MASTERCARD PAG O presente instrumento denominado Termos e Condições Gerais de Uso do Cartão Pré-Pago Avista MasterCard PAG ( Termo ) aplica-se

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Grau de sigilo #PÚBLICO A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, instituição financeira constituída sob a forma de empresa pública, dotada de personalidade jurídica de direito privado, criada pelo Decreto- Lei nº 759/69,

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.534. 3. Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº 1.534. 3. Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. 1 CIRCULAR Nº 1.534 Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes - Atualização nº 4 Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, em sessão de 05.09.89, e tendo em vista o disposto na Resolução nº 1.552,

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO CARTÃO PRÉ- PAGO HABBO CARTÃO AMIGO

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO CARTÃO PRÉ- PAGO HABBO CARTÃO AMIGO TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO CARTÃO PRÉ- PAGO HABBO CARTÃO AMIGO O presente instrumento denominado Termos e Condições Gerais de Uso do Cartão Pré- Pago Habbo Cartão Amigo ( Termo ) aplica- se de

Leia mais

Protesto de Títulos Extrajudiciais

Protesto de Títulos Extrajudiciais 1 Protesto de Títulos Extrajudiciais Marcelo Cordeiro de Lima 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O objeto destas reflexões é o estudo sobre o protesto de título extra judiciais, com ênfase voltada para

Leia mais

José Luiz Silveira Miranda Diretor Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

José Luiz Silveira Miranda Diretor Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 868 Aos Estabelecimentos Bancários, Caixas Econômicas e Cooperativas de Crédito participantes do Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. Comunicamos que a Diretoria do Banco Central

Leia mais

Atendimento das 08:00 hs. às 15:00 hs. CNPJ 01.530.136/0001-76 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO. Cooperado. Matrícula R.G. CPF

Atendimento das 08:00 hs. às 15:00 hs. CNPJ 01.530.136/0001-76 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO. Cooperado. Matrícula R.G. CPF COOPERARATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA CPTM Rua Zuma de Sá Fernandes, 360 - Térreo - Presidente Altino - Osasco - SP - CEP 06213-040 Telefones: 3689-9166 / 3652-2600 - Ramais 2771

Leia mais

AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO

AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO 1 O CONCEITO A letra de câmbio é uma ordem de pagamento, à vista ou a prazo, emitida pelo sacador contra o sacado, devendo este último efetuar o pagamento ao beneficiário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO DA DMCARD CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO DA DMCARD CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO CONTRATO DE CARTÃO DE CRÉDITO PARA APROVEITAR TODOS OS BENEFÍCIOS E FAZER O MELHOR USO POSSÍVEL DO SEU CARTÃO É MUITO IMPORTANTE QUE VOCÊ LEIA COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES CONDIÇÕES GERAIS: 1. DEFINIÇÕES:

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA CONTRATANTE(S): As Pessoa(s) - Física(s) ou Jurídica(s) - indicada(s) e qualificada(s) na Proposta/Contrato de Abertura de Conta Corrente, Conta Investimento e Conta de Poupança, adiante denominada(s)

Leia mais

4. O cadastramento a que se refere o item anterior deve ser efetuado concomitantemente à abertura da conta.

4. O cadastramento a que se refere o item anterior deve ser efetuado concomitantemente à abertura da conta. 1 SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. As pessoas físicas ou jurídicas, residentes, domiciliadas ou com sede no exterior, podem ser titulares de contas de depósito em moeda nacional no País, exclusivamente

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Levi Hülse Período/ Fase: 10ª Semestre: 1º Ano: 2015 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

NORMATIVO SARB 002/2008

NORMATIVO SARB 002/2008 O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este sumário representa um resumo das principais informações

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITOS OBSERVAÇÕES PRELIMINARES:

TÍTULOS DE CRÉDITOS OBSERVAÇÕES PRELIMINARES: TÍTULOS DE CRÉDITOS OBSERVAÇÕES PRELIMINARES: AÇÃO CAMBIAL: Ação de execução por meio da qual o portador do título cambial exige o pagamento não satisfeito na forma e prazos devidos. ACEITE: Ato de reconhecer,

Leia mais

Condições Gerais da Abertura da Conta Poupança Itaú e Contratação de Produtos e Serviços

Condições Gerais da Abertura da Conta Poupança Itaú e Contratação de Produtos e Serviços Condições Gerais da Abertura da Conta Poupança Itaú e Contratação de Produtos e Serviços Estas Condições Gerais para Abertura da Conta Poupança Itaú e Contratação de Produtos e Serviços (doravante denominadas

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO CCB CONV DESC VJ 04/2011 (540) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB Nº VIA: Negociável (CREDOR) Não Negociável (EMITENTE) I - EMITENTE Nome/Razão Social CPF /CNPJ Banco Agência Conta Corrente nº II TERCEIROS

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO Decorrente do Dec.-Lei 316/97, de 19 de Novembro. CAPÍTULO I Das restrições ao uso de cheque Artigo 1. Rescisão da convenção de cheque

Leia mais

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior*

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* Publicado em 2 de março de 2007 PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* 1. Sabemos que o Banco Central exige que os bancos mantenham um nível mínimo

Leia mais

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Katyúscia Kelly Pereira de Sousa Feitoza* Títulos de crédito são documentos que representam obrigações

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DO CHEQUE

A NATUREZA JURÍDICA DO CHEQUE A NATUREZA JURÍDICA DO CHEQUE Alecxander Marcelo da Costa Fernando Biral Freitas Resumo: O cheque é uma ordem incondicional de pagamento à vista de valor determinado, formulada pelo titular de uma conta

Leia mais

1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define:

1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define: CAPíTULO 7 PROTESTO 1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define: Arf. 10_ Protesto é o ato formal e solene pelo qual

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); RESOLUÇÃO N 2.025 Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna

Leia mais

BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS

BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS Entre os primeiros no ranking de reclamações As instituições financeiras sempre estiveram entre os setores com maior número de queixas por parte do consumidor.

Leia mais

MODELO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL

MODELO CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL CLÁUSULAS E CONDIÇOES DO CRÉDITO PESSOAL FLEXÍVEL Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Juscelino Kubitschek, 2.235 São Paulo/SP, inscrito no

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARA DESCONTO DE CHEQUES - PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito para Desconto de Cheques Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

TITULOS DE CRÉDITO: ORIENTAÇÕES SOBRE O CHEQUE

TITULOS DE CRÉDITO: ORIENTAÇÕES SOBRE O CHEQUE TITULOS DE CRÉDITO: ORIENTAÇÕES SOBRE O CHEQUE 573 Wesley Aparecido da Silva 1, Camila Cortes do Carmo 2, Pedro Teófilo de Sá 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 1 Curso de Direito, Presidente Prudente

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

INADIMPLÊNCIA: E AGORA?

INADIMPLÊNCIA: E AGORA? INADIMPLÊNCIA: INADIMLÊNCIA E AGORA? Inadimplência: E agora? Quantas vezes você já se fez essa pergunta? Já conseguiu resolver este problema? Nesta cartilha iremos orientar, com base na legislação e no

Leia mais